Escravos negros na capitania de São Jorge dos Ilhéus no século XVIII. Fernanda Amorim da Silva 1 Orientador: Marcelo Henrique Dias 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escravos negros na capitania de São Jorge dos Ilhéus no século XVIII. Fernanda Amorim da Silva 1 Orientador: Marcelo Henrique Dias 2"

Transcrição

1 Escravos negros na capitania de São Jorge dos Ilhéus no século XVIII Fernanda Amorim da Silva 1 Orientador: Marcelo Henrique Dias 2 O conhecimento regional, tomando como exemplo a historiografia francesa, levou a uma reformulação da noção de história nacional, tendo a escola dos Analles como grande impulsionadora dessa nova mentalidade e dessa renovação no estudo das problemáticas das sociedades agrárias. Dentro dessas novas abordagens, no plano da história local e regional, pode-se desenvolver dentre outros, o estudo da organização do espaço rural. É o que propomos nesta pesquisa sobre a Vila de São Jorge, enfatizando a participação dos escravos negros no montante da população e na produção agrícola, bem como o ritmo e condicionantes das alforrias. A leitura de documentos do cartório de Ilhéus no século XVIII, em especial o estudo das cartas de alforria, é a base desta pesquisa e se constitui num procedimento fundamental para pesquisas como esta, pois, desde o início da colonização brasileira, os tabeliães de nota foram necessários e estiveram presentes lavrando e autenticando escrituras e outros documentos, já que a colonização se deu a partir da concessão de terras. Esses livros de nota da Vila de Ilhéus se constituem numa série que, se combinado com outros documentos também existentes, como inventários e testamentos, darão conta do amplo espectro da vida social e econômica dos escravos e forros da Vila. Com a coleta desses dados e com a comparação e análise dos mesmos, estamos percebendo que a participação da mão-de-obra negra não foi pequena como se imaginava. Esta pesquisa ainda não chegou ao fim, mas já pudemos perceber a presença do escravo negro de forma constante e ativa nos laços sociais da época, na Vila de São Jorge e em seu termo. Acreditamos, assim, e a partir de outros indícios surgidos até o momento, que será possível mostrar, com o resultado final da pesquisa, que a participação negra foi bastante significativa 1 Aluna do curso de História da UESC e bolsista do projeto de pesquisa Estruturas Sociais e Econômicas da Capitania de São Jorge dos Ilhéus ( ). 2 Professor Mestre do DFCH e Coordenador do Colegiado de História da UESC.

2 sendo a realidade sócio-econômica da capitania mais complexa e menos sombria do que a exposta pela narrativa da historiografia oficial. São as cartas de alforria que nos revelam alguns aspectos das relações entre escravos e senhores, bem como com outros escravos e libertos, suas condições de vida e trabalho, a relação dos mesmos com os recursos e processos de produção, a origem desses escravos, dentre outras questões de grande interesse e que podem ser determinantes para aprimorar o conhecimento regional sobre a natureza da sociedade que gerou a história da nossa atual região sul-baiana. As alforrias, em princípio, demonstram significado religioso, já que os senhores fazem questão de registrar que estão alforriando os escravos por amor a Deus. Em alguns casos destacam também os bons serviços prestados pelos forros ou até mesmo pelos pais destes. Mas, em sua maioria, esses escravos pagavam por sua liberdade. São raras as vezes em que os senhores não cobravam em dinheiro, e à vista, e isto constitui a principal questão neste estudo: quais as fontes de pagamento destas alforrias? Pois os escravos cumpriam as exigências dos senhores pagando à vista e em dinheiro por elas. A persistência e a ampla difusão dessa prática nos leva a questionar como uma vila vista sob a ótica do discurso de decadência pela historiografia tradicional poderia oferecer condições para que os escravos possuíssem tal quantia de dinheiro. Quantia esta que não era pequena, e em grande parte, ultrapassava o valor dos imóveis cujas vendas estão registrados nesses mesmos livros de nota. Dos 125 documentos lidos até o momento, 22 são cartas de alforria (esses documentos compreendem o ano de 1710 e ao período ), sendo no total 28 alforriados, pois em algumas cartas libertavam mais de um escravo. As crianças alforriadas geralmente eram filhos ou afilhados dos senhores e algumas vezes eram filhos de bons escravos. Os velhos, que segundo Kátia Mattoso eram escravos maiores de 35 anos, eram alforriados pelos bons serviços e por não trabalharem mais, ficando assim abandonados à sua própria sorte. Tab.1 Homens Mulheres Média do valor Velhos Crianças das alforrias mil réis Alguns desses escravos não tem a origem definida nos documentos, outros, no entanto, são identificados como da Guiné ou das Minas. Nas alforrias de crianças, é dado a entender que estas nasceram na própria Vila de São Jorge.

3 Origem: Tab.2 Da Guiné Das Minas Da Vila Sem Definição de origem Quanto à natureza das alforrias, a maioria é simples, incondicional e paga pelo próprio escravo. Encontramos até uma escrava que deu em troca da sua liberdade outras duas escravas vindas da cidade da Bahia. Outros escravos são deixados forros nos testamentos de seus senhores e alcançam a liberdade após a morte destes. É o caso de um senhor que deixou a seguinte declaração em seu testamento: Declaro que tenho três filhos naturais filhos/ que tenho [ilegível] de sobreditta minha escra/ va por nome Maria, a saber Domingos/ Vicencia, Francisca os quais são meus filhos/ Declaro que deixo todos libertos aos dittos/ meos filhos assima nomeados. Natureza da alforria/formato da Concessão: Tab. 3 Cláusula Testamentária Paga Não paga Bons serviços/ outro motivo Alforrias pagas sem cláusula testamentária Natureza das alforrias 39% 61% pagas não pagas

4 Outros documentos podem ser esclarecedores daquilo que as cartas de alforria não revelam. A exemplo das escrituras de retração dos escravos (aluguel) e de doações de escravos contidos nesses livros de nota, como também os inventários e testamentos de senhores de escravos que possam nos revelar a existência da chamada brecha camponesa, onde o escravo tem a possibilidade de possuir um roçado ou trabalhar num, para seu sustento ou lucro. E até mesmo as procurações, dentre os quais encontramos a procuração feita por um ex-escravo que descreveria como objeto de procuração ouro, prata, escravos, gado, açúcar, tabaco, carregações, etc Como esse forro da Vila de São Jorge chegou a possuir tais bens e como outros tantos possuíam dinheiro para comprar a liberdade, são questões que nos levam a ir mais fundo em nossas pesquisas.

5 Referência Bibliográfica! CARDOSO, Ciro Flamarion. BRIGNOLI, Héctor Pérez. A evolução recente da ciência histórica. Os Métodos da História. Cap. 01, p , 5 º ed., 1990.! LINHARES, Maria Yedda. História Agrária.Domínios da História, ensaios de teoria e metodologia. Oeganizadores: Ciro Flamarion Cardoso e Ronaldo Vainfas. Cap. 06, p , 5 º ed., 1997.! MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: editora Brasiliense, 1990.! SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos (Engenhos e escravos na sociedade colonial ). São Paulo: Cia das letras, 1988.! SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Os arquivos cartorários e o trabalho do histoeiador. Acervo, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p

Programa Analítico de Disciplina HIS330 História do Brasil I

Programa Analítico de Disciplina HIS330 História do Brasil I 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de História - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 4 0 4

Leia mais

MATERIAL PREPARATÓRIO PARA A OFICINA

MATERIAL PREPARATÓRIO PARA A OFICINA MATERIAL PREPARATÓRIO PARA A OFICINA Prezada professora, prezado professor, Esta atividade foi elaborada para a sala de aula como preparação para a Oficina Os Tesouros da Família Arquivo, do Programa de

Leia mais

Data: 23/02 Atividade: Apresentação e discussão do plano de ensino e dos temas que serão trabalhos.

Data: 23/02 Atividade: Apresentação e discussão do plano de ensino e dos temas que serão trabalhos. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI. DISCIPLINA: HISTÓRIA DO BRASIL I PROFESSOR: MOACIR RODRIGO DE CASTRO MAIA 1 º SEMESTRE DE 2016 EMENTA: Curso sobre as dinâmicas sociais, econômicas, políticas

Leia mais

A escravidão e o mundo rural

A escravidão e o mundo rural MÓDULO 2 A escravidão e o mundo rural Apresentação do Módulo 2 No Brasil escravista, eram múltiplas e diversas as atividades dos homens e das mulheres, livres e escravos, nas cidades e no mundo rural.

Leia mais

SUMÁRIO. INTRODUÇÃO 1 Maria Yedda Leite Linhares

SUMÁRIO. INTRODUÇÃO 1 Maria Yedda Leite Linhares MARIA YEDDA LINHARES (Organizadora) ORO FLAMARION SANTANA CARDOSO FRANCISCO CARLOS TEIXEIRA DA SILVA HAMILTON DE MATTOS MONTEIRO JOÀO LUÍS FRAGOSO SÔNIA REGINA DE MENDONÇA HISTÓRIA GERAL DO SUMÁRIO INTRODUÇÃO

Leia mais

1640 > Fim da União Ibérica Comércio com Buenos Aires e contrabando Rei de São Paulo: Amador Bueno da Ribeira. Amador Bueno recusou o título de rei e

1640 > Fim da União Ibérica Comércio com Buenos Aires e contrabando Rei de São Paulo: Amador Bueno da Ribeira. Amador Bueno recusou o título de rei e REVOLTAS COLONIAIS REVOLTAS NATIVISTAS 1640 > Fim da União Ibérica Comércio com Buenos Aires e contrabando Rei de São Paulo: Amador Bueno da Ribeira. Amador Bueno recusou o título de rei e saiu às ruas

Leia mais

Palavras Chave: gênero, poder, escravidão.

Palavras Chave: gênero, poder, escravidão. MULHERES LIVRES E LIBERTAS NO GOVERNO DE ESCRAVOS ENTRE 1850-1870. Dayana Vieira Silva 1 ; Dra. Adriana Dantas Reis 2 ; Iralina Alves do Nascimento 3 ; 1. Bolsista PIBIC/FAPESB, Graduanda em Licenciatura

Leia mais

Alforrias na Ilha de Santa Catarina,

Alforrias na Ilha de Santa Catarina, Alforrias na Ilha de Santa Catarina, 1829-1888. Henrique Espada Lima (Departamento de História UFSC) Este trabalho apresenta de modo introdutório os dados recolhidos na pesquisa Arranjos de liberdade e

Leia mais

ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA

ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA Estrutura Fundiária A estrutura fundiária corresponde ao modo como as propriedades rurais estão dispersas pelo território e seus respectivos tamanhos, que facilita a compreensão

Leia mais

A contribuição da História do abastecimento para a Historiografia brasileira

A contribuição da História do abastecimento para a Historiografia brasileira A contribuição da História do abastecimento para a Historiografia brasileira Pedro Henrique P. Campos PPG-UFF Esta apresentação aborda o que se produziu até hoje no Brasil sobre história do abastecimento

Leia mais

UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS. Prof. Victor Creti Bruzadelli

UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS. Prof. Victor Creti Bruzadelli UNIÃO IBÉRICA E INVASÕES HOLANDESAS Prof. Victor Creti Bruzadelli A união Ibérica (1580-1640) Morte do rei D. João III (1557); Ascensão de D. Sebastião ao poder; Crises sucessórias: D. Sebastião (1578);

Leia mais

PROPOSTA DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL NÃO RESIDENCIAL (PRETENDENTE LOCATARIO) IMÓVEL PRETENDIDO: ENDEREÇO: BAIRRO: FINALIDADE: ALUGUEL: R$ + TAXAS, TARIFAS,

PROPOSTA DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL NÃO RESIDENCIAL (PRETENDENTE LOCATARIO) IMÓVEL PRETENDIDO: ENDEREÇO: BAIRRO: FINALIDADE: ALUGUEL: R$ + TAXAS, TARIFAS, PROPOSTA DE LOCAÇÃO DE IMÓVEL NÃO RESIDENCIAL (PRETENDENTE LOCATARIO) IMÓVEL PRETENDIDO: BAIRRO: FINALIDADE: ALUGUEL: R$ + TAXAS, TARIFAS, IMPOSTOS E DEMAIS ENCARGOS QUE INCIDIREM NO IMOVEL DISCRIMINADOS

Leia mais

I IDENTIFICAÇÃO DO COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA DO BRASIL I.

I IDENTIFICAÇÃO DO COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA DO BRASIL I. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

1- Leia com atenção e, sobre o escravismo colonial, responda ao que se pede: I- Os escravos eram as mãos e pés dos senhores de engenho.

1- Leia com atenção e, sobre o escravismo colonial, responda ao que se pede: I- Os escravos eram as mãos e pés dos senhores de engenho. 1- Leia com atenção e, sobre o escravismo colonial, responda ao que se pede: I- Os escravos eram as mãos e pés dos senhores de engenho. II- Estive numa casa, onde um jovem escravo negro era, todos os dias

Leia mais

Brasil - Período Colonial

Brasil - Período Colonial Brasil - Período Colonial Em 1500, os portugueses chegaram às terras que depois seriam chamadas de Brasil Lá, encontraram povos nativos que chamaram de índios. O primeiro encontro foi pacífico: trocaram

Leia mais

DOMINGOS SODRÉ. UM SACERDOTE AFRICANO Carlos Eduardo Millen Grosso *

DOMINGOS SODRÉ. UM SACERDOTE AFRICANO Carlos Eduardo Millen Grosso * DOMINGOS SODRÉ. UM SACERDOTE AFRICANO Carlos Eduardo Millen Grosso * REIS, João José. Domingos Sodré. Um sacerdote africano. Escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 17 REBELIÕES COLONIAIS Fixação 1) (FGV) Outra preocupação da Coroa foi a de estabelecer limites à entrada na região das minas. Nos primeiros tempos da atividade mineradora, a

Leia mais

Disciplina : Seminário de Espaço e Sociabilidades II Aluna : Ana Emilia Staben

Disciplina : Seminário de Espaço e Sociabilidades II Aluna : Ana Emilia Staben Disciplina : Seminário de Espaço e Sociabilidades II Aluna : Ana Emilia Staben A proposta de minha pesquisa é analisar o comércio de escravos entre a Costa da Mina e capitania de Pernambuco, durante os

Leia mais

Mundo Rural e Historiografia Brasileira

Mundo Rural e Historiografia Brasileira Rural World and Brazilian Historiography MOTTA, Márcia Maria Menendes. O Rural à la Gauche: campesinato e latifúndio nas interpretações de esquerda (1955-1996). Niterói: Editora da UFF, 2014. 278 p. Marcos

Leia mais

Cipriano Barata,Pe. Agostinho Gomes, Luís Gonzaga das Virgens,João de Deus Lucas Dantas

Cipriano Barata,Pe. Agostinho Gomes, Luís Gonzaga das Virgens,João de Deus Lucas Dantas Inconfidência Mineira Minas Gerais, área principal da mineração aurífera 1789. Elitista Predomínio de mineradores, comerciantes, profissionais liberais, intelectuais e a alta burocracia; (maçonaria) Cláudio

Leia mais

A colonização da América

A colonização da América A colonização da América As capitulações eram contratos em que a Coroa concedia permissão para explorar, conquistar e povoar terras, fixando direitos e deveres recíprocos Os adelantados eram colonizadores

Leia mais

história do brasil - colônia prof. david nogueira.

história do brasil - colônia prof. david nogueira. história do brasil - colônia prof. david nogueira. omnibus dubitandum... duvide de tudo. Para se entender História do Brasil... Duvide de tudo, principalmente do que parece natural e óbvio. Ex. O brasileiro

Leia mais

Aspectos das relações econômicas existentes entre as Capitanias de Sergipe Del Rey e a da Baía de Todos os Santos

Aspectos das relações econômicas existentes entre as Capitanias de Sergipe Del Rey e a da Baía de Todos os Santos Aspectos das relações econômicas existentes entre as Capitanias de Sergipe Del Rey e a da Baía de Todos os Santos RAFAEL RIBEIRO * RESUMO. Este texto tem como objetivo identificar alguns aspectos econômicos

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 2 - REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS: Século XVIII (final) e XIX (início). Objetivo: separação de Portugal (independência). Nacionalistas. Influenciadas pelo iluminismo, independência dos EUA e Revolução Francesa.

Leia mais

História do Brasil (C) Apostila 2. Prof.ª Celiane

História do Brasil (C) Apostila 2. Prof.ª Celiane História do Brasil (C) Apostila 2 Prof.ª Celiane A mineração A descoberta de ouro na região das Minas Gerais aconteceu no final do século XVII (em 1693). Além das MG muito ouro foi encontrado em GO, MG

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo da colonização portuguesa na América e revisão crítica da produção historiográfica sobre o período colonial da história do Brasil. Portugal no contexto da expansão européia e as relações

Leia mais

PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO

PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO Prof. Alexandre Goicochea PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO PRÉ-COLONIAL:1500-1530 Prof. Alexandre Goicochea CARACTERIZAÇÃO Período Pré-colonial período da viagem de Cabral até 1530; Nas primeiras décadas de colonização,

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 4 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 4 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou à Unidade 4 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê História 4 o ano Avaliação 4 o bimestre 1 Avaliação História NOME: ESCOLA:

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016 7º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula Programada (As Monarquias Absolutistas) Páginas Tarefa 1 A Formação do Estado Moderno 10 e 11 Mapa Mental 3 Teorias em defesa

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA ( ) Esta comunicação pretende fazer uma reflexão sobre a prática de alforria na

ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA ( ) Esta comunicação pretende fazer uma reflexão sobre a prática de alforria na ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA (1800-1850) Kátia Lorena Novais Almeida PPG-UFBA katialorena@lognet.com.br Esta comunicação pretende fazer uma reflexão sobre a prática de alforria na comarca de Rio de

Leia mais

Revoltas Nativistas e Anticoloniais. Alan

Revoltas Nativistas e Anticoloniais. Alan Revoltas Nativistas e Anticoloniais Alan Fatores iniciais para as revoltas Descontentamentos com o governo metropolitano Choque entre os interesses dos colonos e da Coroa Pressão do Pacto Colonial sobre

Leia mais

CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO

CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO Nome do autore: Valdina Gomes de Almeida Nome do Aluno; Valdina Gomes

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA

CENTRO EDUCACIONAL SIGMA 5ºAno 1.5 HISTÓRIA 4º período 9 de dezembro de 2015 Cuide da organização da sua prova. Escreva de forma legível. Fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado na correção.

Leia mais

CONVOCAÇÃO Nº. 01 SELEÇÃO DE PROFESSOR BOLSISTA CHAMADA INTERNA DE EXTENSÃO Nº 01/2013 CURSOS TÉCNICOS NA FORMA CONCOMITANTE

CONVOCAÇÃO Nº. 01 SELEÇÃO DE PROFESSOR BOLSISTA CHAMADA INTERNA DE EXTENSÃO Nº 01/2013 CURSOS TÉCNICOS NA FORMA CONCOMITANTE CONVOCAÇÃO Nº. 01 SELEÇÃO DE PROFESSOR BOLSISTA CHAMADA INTERNA DE EXTENSÃO Nº 01/2013 CURSOS TÉCNICOS NA FORMA CONCOMITANTE O Pró-Reitor de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Revoltas Coloniais / Nativistas. História do Brasil

Revoltas Coloniais / Nativistas. História do Brasil Revoltas Coloniais / Nativistas História do Brasil Principais Revoltas Coloniais Fim da União Ibérica INSATISFAÇÃO COM A ADMINISTRAÇÃO As revoltas Coloniais Revelavam a insatisfação dos colonos; Dificuldade

Leia mais

BRASIL: SEGUNDO REINADO

BRASIL: SEGUNDO REINADO Período: 1840 1889 Golpe da Maioridade deu início ao Segundo Reinado CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO As Eleições do Cacete Disputa eleitoral entre: Partido Conservador e Partido Liberal Nessas eleições aconteceram

Leia mais

ATIVIDADE. Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro

ATIVIDADE. Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro ATIVIDADE Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro Material do professor Faixa etária: 8º ano O objetivo e problemática que cercam este material didático

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 4 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A AVENTURA DE NAVEGAR *Descobrir o motivo das grandes navegações *Reconhecer as especiarias e o comércio entre África e Europa. *A importância das navegações. *As viagens espanholas e portuguesas

Leia mais

Revista do Mestrado de História

Revista do Mestrado de História Revista do Mestrado de História Volume 11 n o 1 Vassouras, RJ-2009 Revista do Mestrado em História da Universidade Severino Sombra Reitor da USS Prof. José Antônio da Silva Vice-reitor da USS Profa. Therezinha

Leia mais

A expansão cafeeira no Brasil.

A expansão cafeeira no Brasil. A expansão cafeeira no Brasil. - A expansão cafeeira reforçou a importação de escravos africanos no Brasil e gerou capitais para investir na indústria e transporte. - O café chegou ao Brasil, na segunda

Leia mais

RESGATE E MEMÓRIA: CATALOGAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO À PESQUISA DA DOCUMENTAÇÃO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS

RESGATE E MEMÓRIA: CATALOGAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO À PESQUISA DA DOCUMENTAÇÃO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS RESGATE E MEMÓRIA: CATALOGAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO À PESQUISA DA DOCUMENTAÇÃO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS JOANILDO BORGES DE JESUS E MATHEUS AZEVÊDO SILVA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

No Cartório de Registro de Imóveis são praticados três atos principais envolvendo bens imóveis (casas, prédios, lotes, apartamentos, lojas, fazendas,

No Cartório de Registro de Imóveis são praticados três atos principais envolvendo bens imóveis (casas, prédios, lotes, apartamentos, lojas, fazendas, No Cartório de Registro de Imóveis são praticados três atos principais envolvendo bens imóveis (casas, prédios, lotes, apartamentos, lojas, fazendas, terrenos), quais sejam, a matrícula, o registro e a

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Fevereiro 2010

Cesta Básica. Boletim Fevereiro 2010 Cesta Básica Boletim Fevereiro 2010 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou 5,45%, R$158,44 em janeiro passou para R$167,07 em fevereiro (Tabela 1). O que mais influenciou nesse aumento foi

Leia mais

MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO

MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO 2.1- O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) Período que antecedeu a colonização. Interesse português:índias.

Leia mais

Curso: (curso/habilitação) Licenciatura em História Componente Curricular: História Antiga II Carga Horária: 50 horas

Curso: (curso/habilitação) Licenciatura em História Componente Curricular: História Antiga II Carga Horária: 50 horas FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Licenciatura em História Componente Curricular: História Antiga II Carga Horária: 50 horas Semestre/ Módulo 2 Semestre Unidade Santana Professor(es):

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Direito de Família. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Direito de Família. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Direito de Família www.faesa.br mportante: Contatos de Cartórios em Vitória Cartório Sarlo: Av. Nossa Senhora da Penha, 549, Ed. Wilma, Santa Lúcia, Vitória-ES.

Leia mais

Cartório Fácil - Sistema de informação e apoio ao cidadão

Cartório Fácil - Sistema de informação e apoio ao cidadão Página 1 de 5. O Cartório de Registro de Imóveis realiza serviços importantes, que garantem o direito à propriedade das pessoas, bem como outros direitos referentes a imóveis. Somente quem registra uma

Leia mais

ECONOMIA - PERÍODO COLONIAL

ECONOMIA - PERÍODO COLONIAL 1. (G1 - ifsc 2015) O maior período classificado na história do Brasil é o colonial, também conhecido como América Portuguesa, oficialmente entre 1500 e 1822. Sobre a economia desse período, é CORRETO

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Março 2012

Cesta Básica. Boletim Março 2012 Cesta Básica Boletim Março 2012 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus diminuiu 2,93%, de R$210,19 em fevereiro passou para R$204,03 em março (Tabela 1). A redução de 24,75% no preço do tomate foi

Leia mais

ENTRE MEU FILHO E MINHA CRIA : LAÇOS FAMILIARES NO ALTO SERTÃO DA BAHIA ESCRAVISTA, CAETITÉ

ENTRE MEU FILHO E MINHA CRIA : LAÇOS FAMILIARES NO ALTO SERTÃO DA BAHIA ESCRAVISTA, CAETITÉ ENTRE MEU FILHO E MINHA CRIA : LAÇOS FAMILIARES NO ALTO SERTÃO DA BAHIA ESCRAVISTA, CAETITÉ 1830-1860 Resumo: Ivanice Teixeira Silva Ortiz (UNEB) O objetivo central desse trabalho é apresentar um pouco

Leia mais

INVENTÁRIO E PARTILHA

INVENTÁRIO E PARTILHA INVENTÁRIO E PARTILHA O que é? É o procedimento através do qual são apurados todos os bens, direitos e dívidas da pessoa falecida, a fim de ser partilhado entre os seus herdeiros legítimos e testamentários;

Leia mais

ANEXO IV - DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA IGUAL OU INFERIOR A 1,5 SALÁRIO-MÍNIMO (TERMO DE COMPROVAÇÃO DE RENDA)

ANEXO IV - DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA IGUAL OU INFERIOR A 1,5 SALÁRIO-MÍNIMO (TERMO DE COMPROVAÇÃO DE RENDA) ANEXO IV - DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA IGUAL OU INFERIOR A 1,5 SALÁRIO-MÍNIMO (TERMO DE COMPROVAÇÃO DE RENDA) Eu,, portador(a) do CPF:, aprovado(a) dentro das vagas reservadas

Leia mais

A questão agrária no Brasil: história e historiografia

A questão agrária no Brasil: história e historiografia DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7976.2016v23n36p501 A questão agrária no Brasil: história e historiografia The agrarian question in Brazil: history and historiography Flávia Paula Darossi* MOTTA, Márcia

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA

ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA 156 ALFORRIAS EM RIO DE CONTAS-BAHIA Resenha: ALMEIDA, Kátia Lorena Novais. Alforrias em Rio de Contas-Bahia: século XIX. Salvador: EDUFBA, 2012. 204 p. Antônio Nonato Santos Oliveira 1 Mestrando em História

Leia mais

ECONOMIA, SOCIEDADE E CULTURA NO BRASIL COLONIAL. SÉCULO XVIII

ECONOMIA, SOCIEDADE E CULTURA NO BRASIL COLONIAL. SÉCULO XVIII UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DISCIPLINA: HISTÓRIA DO BRASIL COLONIAL - II Código: FLH 242 Semestre/Ano: 2º Semestre de 2010 Período:

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Final. 3ª Etapa Ano: 1

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Final. 3ª Etapa Ano: 1 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professor (a): Alessandra Prada Ano: 1 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 15 A MINERAÇÃO: ECONOMIA Fixação 1) (UFRN) No século XVIII, teve início a exploração da região mineradora no Brasil, provocando transformações importantes na economia colonial,

Leia mais

IN MEMORIAN. urbanismo, literatura e morte

IN MEMORIAN. urbanismo, literatura e morte IN MEMORIAN urbanismo, literatura e morte Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Rui Costa - Governador SECRETARIA DE EDUCAÇÃO Walter Pinheiro - Secretário UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Nucleo de Aposentados e Pensionistas APRESENTAÇÃO - JURÍDICO

Nucleo de Aposentados e Pensionistas APRESENTAÇÃO - JURÍDICO Nucleo de Aposentados e Pensionistas APRESENTAÇÃO - JURÍDICO Herança O artigo 1784 do Código Civil dispõe: Art. 1.784. Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários.

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

ATIVIDADE. Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro

ATIVIDADE. Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro ATIVIDADE Independência para quem? Relações políticas e sociais durante o período escravista brasileiro Material do professor Faixa etária: 8º ano O objetivo e problemática que cercam este material didático

Leia mais

ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas

ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas O que é uma cidade? Que ideia temos de uma cidade? Será algo parecido com Ou isto Ou isto Cidade do Porto Ou isto Ou isto Cidade de Coimbra Ou isto Cidade de Aveiro

Leia mais

A economia europeia. Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do

A economia europeia. Nos séculos XVI e XVII assistiu-se ao nascimento de uma economia à escala mundial, marcada pelo desenvolvimento do O ANTIGO REGIME O ANTIGO REGIME Período histórico que vai desde o século XVI ao século XVIII que se caracterizou: - na política, pelo Absolutismo; - na economia, pelo Mercantilismo; - na sociedade, pela

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

A conformação do preço: considerações acerca de uma noção controversa

A conformação do preço: considerações acerca de uma noção controversa Sérgio Ricardo da Mata, Helena Miranda Mollo & Flávia Florentino Varella (org.). Caderno de resumos & Anais do 2º. Seminário Nacional de História da Historiografia. A dinâmica do historicismo: tradições

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

Aula 01. UNIFESP/Diadema/SP

Aula 01. UNIFESP/Diadema/SP Aula 01 Tópicos da História da Matemática Comercial e Financeira UNIFESP/Diadema/SP Profº Wagner Marcelo. Pommer 08/2017 1 Objetivo Apresentar a noção de juros em uma perspectiva histórica. 2 Introdução

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE PAGAMENTO DE ALUGUEL - Este documento deve ser preenchido pelo dono do imóvel -

ANEXO I DECLARAÇÃO DE PAGAMENTO DE ALUGUEL - Este documento deve ser preenchido pelo dono do imóvel - ANEXO I DECLARAÇÃO DE PAGAMENTO DE ALUGUEL - Este documento deve ser preenchido pelo dono do imóvel - Nome: Estado Civil: Profissão:, inscrito (a) no CPF sob o nº, portador(a) do RG nº, residente e domiciliado(a)

Leia mais

CARTAS DE ALFORRIA EM ALEGRETE ( ) *

CARTAS DE ALFORRIA EM ALEGRETE ( ) * CARTAS DE ALFORRIA EM ALEGRETE (1832-1847) * MÁRCIO JESUS FERREIRA SÔNEGO ** RESUMO Este artigo analisa as cartas de alforria na cidade de Alegrete RS no período de 1832 a 1847, objetivando evidenciar

Leia mais

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R

FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO P R O F E S S O R R O D R I G O AL C A N T A R A G AS P A R FEUDALISMO Este curso têm por objetivo trazer noções básicos sobre o Feudalismo. De forma que para maiores detalhes e aprofundamento

Leia mais

A REVOLUÇÃO DE AVIS ( ) D. João I (rei entre )

A REVOLUÇÃO DE AVIS ( ) D. João I (rei entre ) História do Brasil A REVOLUÇÃO DE AVIS (1383-1385) D. João I (rei entre 1385-1433) A REVOLUÇÃO DE AVIS (1383-1385) D. JOÃO NASCEU EM LISBOA NO DIA 11 DE ABRIL DE 1357. ERA FILHO BASTARDO DO REI D. PEDRO

Leia mais

AULA 08. O Sistema Colonial

AULA 08. O Sistema Colonial AULA 08 O Sistema Colonial O chamado Sistema Colonial Tradicional desenvolveu-se, na América, entre os séculos XVI e XVIII. Sua formação está intimamente ligada às Grandes Navegações e seu funcionamento

Leia mais

Cristianismo e escravidão não podem conviver, mas igrejismo e escravidão são irmãos gêmeos. 1 (James Redpath)

Cristianismo e escravidão não podem conviver, mas igrejismo e escravidão são irmãos gêmeos. 1 (James Redpath) Padrões das alforrias eclesiásticas no Rio de Janeiro Imperial Vanessa Gomes Ramos Mestranda do PPGHIS / UFRJ Cristianismo e escravidão não podem conviver, mas igrejismo e escravidão são irmãos gêmeos.

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE PADRÕES MATEMÁTICOS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE POTENCIAÇÃO Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio GT: 10 RESUMO Este estudo consiste em um

Leia mais

A Casa do Caminho de Baixo

A Casa do Caminho de Baixo A Casa do Caminho de Baixo Como muitas outras casas, a Casa do Caminho de Baixo tem uma história atribulada de que se procura dar aqui os lances principais, nomeadamente as mudanças de proprietário. O

Leia mais

Para Ciro Flamarion Cardoso ( ): uma homenagem de pesquisadores da América lusa escravista

Para Ciro Flamarion Cardoso ( ): uma homenagem de pesquisadores da América lusa escravista Para Ciro Flamarion Cardoso (1942-2013): uma homenagem de pesquisadores da América lusa escravista João Fragoso * Carla Maria de Almeida ** Luís Augusto Farinatti *** NOTA EDITORIAL Ciro Flamarion Cardoso,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL PENSÃO - CONCESSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL PENSÃO - CONCESSÃO UFAL Dados Básicos do Instituidor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL PENSÃO - CONCESSÃO Siape: O servidor era beneficiário da GEAP? NÃO SIM,

Leia mais

Manual de Orientações para o Cadastro no Sistema de Cadastro Ambiental Rural do Estado de São Paulo (SICAR-SP)

Manual de Orientações para o Cadastro no Sistema de Cadastro Ambiental Rural do Estado de São Paulo (SICAR-SP) Manual de Orientações para o Cadastro no Sistema de Cadastro Ambiental Rural do Estado de São Paulo (SICAR-SP) São Paulo 2016 Atualizado em 12.04.16 2. Primeiras abas do Cadastro: Propriedade, Domínio

Leia mais

ATENÇÃO! DOCUMENTOS DO (A) ESTUDANTE E DE TODO GRUPO FAMILIAR ORIGINAL E CÓPIA OBS: TRAZER IMPRESSA A INSCRIÇÃO DO FIES, DENTRO DO PRAZO DE VALIDADE.

ATENÇÃO! DOCUMENTOS DO (A) ESTUDANTE E DE TODO GRUPO FAMILIAR ORIGINAL E CÓPIA OBS: TRAZER IMPRESSA A INSCRIÇÃO DO FIES, DENTRO DO PRAZO DE VALIDADE. ATENÇÃO! O atendimento somente será realizado com horário agendado. Para agendar, favor entrar em contato pelo telefone 3244-7212 ou pelo nosso e-mail setordebolsas@izabelahendrix.edu.br. DOCUMENTOS DO

Leia mais

TABELA "F" EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES

TABELA F EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES TABELA "F" EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES Reconhecimento de firma: a) uma 3,80 I b) as que excederem, cada uma 0,95 c) nos papéis destinados à matrícula em curso de ensino do primário ao universitário, cada

Leia mais

UNIDADE: DATA: 29 / 11 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 7.º ANO/EF

UNIDADE: DATA: 29 / 11 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 29 / / 206 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 7.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0

Leia mais

Desde os primórdios da ocupação das Minas Gerais, houve quem preferisse investir

Desde os primórdios da ocupação das Minas Gerais, houve quem preferisse investir Escravidão e alforria nas Minas Gerais do século XVIII Vilmara Lúcia Rodrigues Mestranda do programa de Pós-graduação da UFRJ Desde os primórdios da ocupação das Minas Gerais, houve quem preferisse investir

Leia mais

Documentação Requerente Menor de 18 anos sob tutela

Documentação Requerente Menor de 18 anos sob tutela Documentação Requerente Menor de 18 anos sob tutela Documentação do (a) requerente Certidão de Nascimento Atualizada, emitida após óbito do servidor (original e cópia) RG (original e cópia) CPF (original

Leia mais

ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara Você sabe o que significa assentamento rural? São novas propriedades agrícolas, menores e familiares, criadas pelo governo, para

Leia mais

Disciplina: História. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: História. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Disciplina: História Período:

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 2º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 2º Bimestre Colégio Amorim Santa Teresa Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Centro Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

PARA LIVRAR DE TODO CATIVEIRO E PERSEGUIÇÃO : LIBERDADE DE ESCRAVOS ATRAVÉS DE CARTAS DE ALFORRIA EM LARANJEIRAS, SERGIPE ( )

PARA LIVRAR DE TODO CATIVEIRO E PERSEGUIÇÃO : LIBERDADE DE ESCRAVOS ATRAVÉS DE CARTAS DE ALFORRIA EM LARANJEIRAS, SERGIPE ( ) PARA LIVRAR DE TODO CATIVEIRO E PERSEGUIÇÃO : LIBERDADE DE ESCRAVOS ATRAVÉS DE CARTAS DE ALFORRIA EM LARANJEIRAS, SERGIPE (1843-1881) Luiz Paulo Santos Bezerra 1 Resumo: No presente texto, pretende-se

Leia mais

DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA:

DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORES: AULUS e PAULA DATA: 19 / 12 / 2016 VALOR: 20,0 NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º Ano / E.F. II TURMAS: 8ºA E 8ºB ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO: O

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DA CESTA BÁSICA DE PANAMBI, RS 1 Eduarda Luana Tomczak 2, Bárbara Naiara Nestler 3, Lais De Oliveira Lourega 4, Martin Ledermann 5, Jose Valdemir Muenchen 6, Nelson Jose

Leia mais

Mineração no século XVIII. Furtado cap. 13 a 15

Mineração no século XVIII. Furtado cap. 13 a 15 Mineração no século XVIII Furtado cap. 13 a 15 Introdução Portugal em crise externa na segunda metade do XVII retração das exportações de açúcar Fumo cresce, mas preço reduz, e o sal Companhias por ações

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

TABELA "F" - EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES

TABELA F - EXTRAJUDICIAL DOS TABELIÃES ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 19/2015 SECRETARIA DE CONTAS JUDICIAIS E DE APOIO AOS JUIZADOS ESPECIAIS SUBSECRETARIA DE CONTROLE GERAL DE CUSTAS E DE DEPÓSITOS JUDICIAIS REGIMENTO DE CUSTAS / DECRETO-LEI Nº 115/67

Leia mais

Geraldo Agostinho de Jesus

Geraldo Agostinho de Jesus Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Geografia Geraldo Agostinho de Jesus AGRICULTURA CAMPONESA/FAMILIAR E AÇÃO DO ESTADO (PRONAF) NO VALE DO JEQUITINHONHA-MG: O CASO DE MINAS NOVAS. Minas

Leia mais

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott.

História. As Capitanias Hereditárias. Professor Thiago Scott. História As Capitanias Hereditárias Professor Thiago Scott www.acasadoconcurseiro.com.br História AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534) A expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1533) marca o início dessa

Leia mais

O MUNDO ENTORNO DO ENGENHO SERGIPE

O MUNDO ENTORNO DO ENGENHO SERGIPE LEHRB O MUNDO ENTORNO DO ENGENHO SERGIPE O Engenho Sergipe foi um dos mais produtivos da Bahia no século XVI, motivo pelo qual ficou conhecido como A Rainha do Recôncavo, ao custo de mão de obra escrava

Leia mais