Modelo de Implantação da Prescrição Informatizada de Terapia Nutricional em um Serviço de Nutrição Hospitalar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de Implantação da Prescrição Informatizada de Terapia Nutricional em um Serviço de Nutrição Hospitalar"

Transcrição

1 Modelo de Implantação da Prescrição Informatizada de Terapia Nutricional em um Serviço de Nutrição Hospitalar Cecilia Vilela dos Reis 1, Fernando Fávero 2, Maria das Graças Ribeiro Ferreira 1, Nancy Yukie Yamamoto Tanaka 1, Rogério Cardoso 3, Wilson Moraes Góes 2 1 Divisão de Nutrição e Dietética do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP/USP), Brasil 2 Centro de Informações e Análises (CIA) do HCFMRP/USP, Brasil 3 Centro Integrado da Qualidade (CIQ) do HCFMRP/USP, Brasil Resumo - Este artigo descreve a importância da prescrição de terapia nutricional em um serviço hospitalar e relata sobre a padronização ocorrida em um sistema de prescrição eletrônica de um hospital universitário terciário. Através desta padronização a Divisão de Nutrição e Dietética obtêm diversos benefícios. Palavras-chave: Terapia Nutricional, Prescrição Eletrônica, Padronização de dietas. Abstract - This paper describes the importance of the prescription of nutritional therapy in a hospital service and tells about the standardization happened in a system of electronic prescribing of a tertiary academical hospital. Through this standardization, the Division of Nutrition and Dietary obtain several benefits. Key-words: Medical Informatics, Electronic Prescribing, Nutricional Therapy Introdução A alimentação exerce um papel fundamental na vida do ser humano cuja subsistência e propagação da espécie, dependem da oferta adequada de alimentos na qual sua deficiência, em qualquer etapa do processo vital, interfere no crescimento, no desenvolvimento e na manutenção da saúde. Assim sendo, a alimentação ideal deve ser adequada ao estado em que o indivíduo se encontra, quer esteja ele sadio ou doente, de forma a ofertar ao organismo todos os nutrientes necessários para manter ou recuperar seu estado nutricional. Podendo também, ser utilizado como medida terapêutica, única ou auxiliar, no tratamento de doenças. Um estudo realizado em 1996, pelo IBRANUTRI Inquérito Brasileiro de Avaliação Nutricional Hospitalar - envolvendo 4000 pacientes internados em hospitais da rede pública do País, revelou que 48,1% dos pacientes apresentam algum grau de desnutrição, sendo que destes, 12,6% eram pacientes desnutridos graves e 35,5 % eram desnutridos moderados [1]. Outros estudos realizados nas últimas três décadas também indicaram alto índice de pacientes com o estado nutricional comprometido, demonstrando ser a desnutrição hospitalar um problema grave [1], [2], [3], [4], [5], [6] e [7] e que piora durante a internação do paciente devido a um conjunto de condições encontradas no ambiente hospitalar, podendo ter causas relacionadas ao próprio paciente, como o tipo e extensão da doença de base [1], [3], [6] e [7]. Por todas essas razões, verifica-se que a alimentação adequada é um fator que merece destaque no tratamento dos pacientes, seja atuando diretamente na cura da doença ou como medida coadjuvante na evolução clínica dos pacientes internados, através da manutenção ou na recuperação do seu estado nutricional, o que acaba refletindo diretamente no tempo de permanência hospitalar e na diminuição da mortalidade e morbidade. Segundo Maculevicius, o Serviço de Nutrição Hospitalar tem como função dentro do contexto hospitalar a produção de bens de consumo e a prestação de serviços, fornecendo assistência nutricional adequada à clientela atendida, responsabilizando-se pelo controle qualitativo e quantitativo em todas as etapas do processo de produção e de atendimento, com atuação e competências bem definidas, e desenvolvendo ainda atividades de ensino, pesquisa e controle de qualidade [8]. A alta competitividade de empresas nacionais e internacionais torna obrigatória a queda generalizada dos custos, evidenciando a maximização da eficiência. A necessidade de estar agregando valor aos produtos e serviços, faz com que qualquer tipo de imperfeição, erro ou re-trabalho

2 acabe por desbancar os preceitos de um bom gerenciamento de custos [9]. É fundamental, portanto, que ocorram aperfeiçoamentos de eficiência com o objetivo de diminuir, eliminar ou prevenir as perdas. O desenvolvimento de técnicas para diagnosticar, avaliar e definir a relevância de processos e perdas (diretas e indiretas), todas apoiadas num bom e adequado planejamento, é vital para a sobrevivência e manutenção de qualquer empresa, inclusive no segmento de alimentação de coletividades. A variedade de tarefas, a concomitância de atividades, o imediatismo de processos e de produtos, a larga lista de insumos utilizados em cada atividade, a heterogeneidade de hábitos e a falta de comprometimento, conhecimento, treinamento e adequação de colaboradores, acaba tornando a rotina dos Serviços de Alimentação um complexo contexto de estudo e gerenciamento [9]. Neste cenário, o emprego da informática como recurso para racionalização do trabalho, a partir da prescrição da Terapia Nutricional padronizada, viabiliza com eficiência tanto do ponto de vista técnico quanto administrativo, o encaminhamento das dietas aos pacientes internados. Ela tem sido uma grande aliada na busca da minimização de falhas provenientes da falta de comunicação, erros oriundos da intervenção humana na coleta da prescrição manual, identificação e solicitação de dietas. A informatização contribui para garantir a oferta precisa da dieta prescrita, assim como possibilita um controle estatístico efetivo considerando a rapidez com que se processam as informações, contribuindo para a otimização de todas as etapas envolvidas na sistemática da Terapia Nutricional. Metodologia O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRP/USP) é um hospital geral de grande porte e que tem por finalidade a Assistência, o Ensino e a Pesquisa. Possui, em sua unidade Campus, 604 leitos ativados para o atendimento de nível terciário de pacientes provenientes das redes primária e secundária do Sistema Único de Saúde (SUS). O processo de informatização no HCFMRP iniciou-se em 1975, pela Prodesp, conforme determinava, à época, a política governamental [10]. Em 1995 foi criada uma Comissão de Informática, por entender a informática como alternativa viável para o melhor gerenciamento, aumento da produtividade e transparência das atividades. A partir de então, o Centro de Informações e Análises (CIA) assume as atribuições de gerenciar a informática no Hospital, criar e manter uma base tecnológica atualizada e desenvolver, sob medida, os sistemas para a Instituição, tendo sempre como diretriz, um Sistema de Informação Hospitalar integrado [10]. No início de 1997, foi criado o Sistema de Prescrição Médica e Dispensação de Medicamentos (Prescrição Eletrônica) [11]. Este sistema representou um avanço considerável para as áreas médicas, enfermagem, farmácia e administrativa que ganharam em agilidade, modernização e principalmente, segurança das atividades, pela possibilidade de haver uma interação entre os medicamentos prescritos e os encaminhados aos pacientes, através de um controle mais efetivo de dispensação. Nesta versão, a equipe médica fazia a prescrição de Terapia Nutricional utilizando um campo aberto descritivo. Desta forma, não havia qualquer tipo de consistência ou padronização, dificultando o trabalho da Divisão de Nutrição e Dietética (DND), tanto a nível operacional quanto gerencial, pois todas as atividades eram efetuadas manualmente, desde a coleta da prescrição até os controles estatísticos. A versão II do Sistema de Prescrição Eletrônica, lançada em 2003, encontra-se atualmente em fase de implantação gradativa e é responsável pela integração da área Médica com a Divisão de Assistência Farmacêutica, Centro Regional de Hemoterapia, Divisão de Nutrição e Dietética, Banco de Leite, Unidade de Nutrição Parenteral, Central de Quimioterapia e Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Para esta versão, foi utilizada a padronização das dietas de rotina e especializadas, fórmulas pediátricas lácteas e não lácteas e nutrição enteral, existentes na Divisão de Nutrição e Dietética. Isso permite a utilização de uma linguagem unificada entre a DND e todas as equipes envolvidas na assistência ao paciente. Para se implantar esta padronização, e ainda permitir uma fácil utilização pela área médica, operando o sistema através de menus de escolha, utilizou-se um mecanismo similar a uma árvore hierárquica, denominado auto-relacionamento [12]. Este sistema é flexível quanto à expansão das dietas padronizadas, e permite ainda a multiplicidade de tipos de terapia nutricional para um mesmo paciente, pois sua estrutura possibilita os seguintes níveis de escolha: Via de Administração, Forma de Apresentação da Dieta, Composição da Dieta, Quantificação de Nutrientes e Fracionamento. Considerando que nesta padronização, cada dieta possui um código único, a partir da prescrição médica de Terapia Nutricional o sistema contempla

3 diversos recursos, como a totalização das dietas a serem produzidas e encaminhadas, a identificação das fórmulas, dietas e preparações, e o controle da dispensação das mesmas às Unidades de Internação. Assim, a gestão de todo o processo, desde a prescrição até a dispensação, pela equipe da DND fica totalmente coberta pelo sistema. Apesar de ocorridas as padronizações o sistema permite, ainda, que o nutricionista efetue a prescrição dietética a partir da prescrição médica, possibilitando a individualização das dietas, levando a uma melhor aceitação das mesmas pelos pacientes, gerando redução do resto alimentar [13], [14]. Figura 2 Via da Administração Resultados A figura 1 ilustra a tela principal do sistema, demonstrando as opções de acesso, separados pela área de atuação (médica, farmácia, banco de sangue, nutrição, central de quimioterapia e enfermagem). O acesso a cada opção é controlado através de direitos da senha de cada usuário, garantindo integridade e privacidade aos dados do sistema. Figura 3 Forma de Apresentação da Dieta Figura 4 Composição da Dieta Figura 1 Menu principal do sistema As figuras de 2 a 7 ilustram a seqüência de telas usadas no processo de prescrição de Terapia Nutricional: Vai de Administração Forma de Apresentação da Dieta Composição da Dieta Quantificação dos Nutrientes Visualização da Prescrição. Figura 5 Quantificação dos Nutrientes

4 Agradecimentos À Equipe técnica da Divisão de Nutrição e Dietética do HCFMRP, que colaborou na padronização e implantação da terapia nutricional informatizada. Referências Figura 6 Quantificação dos Nutrientes [1] Waitzberg, D. L., Caiaffa, W. T., Correia, M. I. T. D. (2001), Hospital malnutrition : The brazilian national survey ( IBRANUTRI ) : A study of 4000 patients, Nutrition, v. 17, n. 7/8, p [2] Bistrian, B. R., Blackburn, G.L., Vitale, J., Cochran, D., Nayilor, J. (1976), Prevalence of malnutrition in general medical patients, JAMA, v. 235, n. 15, p [3] McWhriter, J.P., Pennington, C.R. (1994), Incidence and recognition of malnutrition in hospital, BMJ, v. 308, p Conclusão Figura 7 Visualização da Prescrição Como qualquer outro sistema informatizado, é fato que este necessita de aprimoramentos constantes, buscando a cada dia, a criação de novos recursos e controles, melhorando sempre a gestão e produtividade do serviço em que está inserido. Além deste aspecto, acredita-se que com a informatização da prescrição médica de Terapia Nutricional, o recebimento dessas prescrições em sistema on-line, a sua interligação com um sistema de totalização de dietas, através dos mapas de totalização de dietas, os rótulos de identificação das preparações e observações necessárias, assim como a dispensação das dietas e fórmulas, produzidas pela Divisão de Nutrição e Dietética, trarão benefícios que refletirão em melhorias técnicas, administrativas e econômicas para a Divisão de Nutrição e Dietética e para a Instituição. [4] Watson, J.L. (1999), The prevalence of malnutrition in patients admitted to care of the eldery wards, Proceedings of the Nutrition Society, v. 58 [5] Weekes, E. (1999), The incidence of malnutrition in medical patients admitted to a hospital in south London, Proceedings of the Nutrition Society, v. 58 [6] Braunschweig, C., Gomez, S., Sheean, P. M. (2000), Impact of declines in nutritional status on outcomes in adult patients hospitalized for more than 7 days" JADA, v. 100, n. 11, p [7] Coppini, L. Z., Waitzberg, D. L., Correia, M. I.T. D., Aanholt, D. V., Oliveira, G. P. C., Sugimoto, M. H., Reganim, E. C., Moreira, R. S. C., Ciosak, S., Nishida, C. S. I., Oliveira, M. F. R. (2001), Perfil nutricional de pacientes internados no Hospital Beneficência Portuguesa, An.Paul.Med.Cir., v. 128, n. 1, p [8] Balchiunas, D. (2002), A unidade de nutrição e dietética, o seu papel como atividade fim na organização hospitalar e sua terceirização O Mundo da Saúde, v. 26, n. 2, p [9] Ribeiro, C. S. G. (2003), Controle de custos : Questão de sobrevivência para as Unidades de Alimentação e Nutrição, Nutrição Brasil, v. 2, n. 1, p

5 [10] Sá, M. F. S.(2002), A inserção de um Hospital Universitário Público no Sistema Único de Saúde, A experiência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 191p., Dz. [11] Cardoso, R., Fávero, F., Finco, L., Góes, W.M., Marcomino, W.E. (2002), Prescrição Eletrônica Hospitalar, Anais do CBIS 2002 [VIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde], Natal, disponível em [12] Chen, P. (2002), Modelagem de Dados, São Paulo: Makron, 86p. [13] Folio, D., Sullivan-Maillet, J., Touger-Decker, R. (2002), The spoken menu concept of patient foodservice delivery systems increases overall patient satisfaction, therapeutic and tray accuracy, and is cost neutral for food and labor ", JADA, v. 102, n. 4, p Rogério Cardoso, Diretor do Gerenciamento da Qualidade do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP) e professor universitário do Centro Universitário Claretiano de Batatais (CEUCLAR) e das Faculdades da Fundação de Ensino de Mococa (FaFEM). Tel: (16) Wilson Moraes Góes, Diretor do Centro de Informações e Análises (CIA) do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP) e professor universitário do Centro Universitário Moura Lacerda e do Centro Universitário Claretiano de Batatais (CEUCLAR). Tel: (16) [14] Oyarzun, V. E., Lafferty, L. J., Gregoire, M. B., Sowa, D. C., Dowiling, R. A., Shott, S. (2000), Evaluation of efficiency and effectiveness measurements of a foodservice system that included a spoken menu, JADA, v. 100, n. 4, p Contato Cecilia Vilela dos Reis, Diretora Técnica do Serviço de Nutrição do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP). Tel: (16) Fernando Fávero, Analista de Sistemas do Centro de Informações e Análises do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP). Tel: (16) Maria das Graças Ribeiro Ferreira, Diretora Técnica da Divisão de Nutrição e Dietética do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP). Tel: (16) Nancy Yukie Yamamoto Tanaka, Diretora Técnica do Serviço de Dietética do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP). Tel: (16)

Integração da prescrição eletrônica da terapia nutricional com o Setor de Desjejum e Lanches

Integração da prescrição eletrônica da terapia nutricional com o Setor de Desjejum e Lanches Integração da prescrição eletrônica da terapia nutricional com o Setor de Desjejum e Lanches Nancy Yukie Yamamoto Tanaka 1, Cecília Vilela dos Reis 1, Thereza Cristina Pereira Lunardi 2, Maria das Graças

Leia mais

Introdução RESUMO. 44 N. 3, Dezembro/2012

Introdução RESUMO. 44 N. 3, Dezembro/2012 Contribuição de indicadores na gestão de uma unidade de alimentação e nutrição hospitalar Nancy Yukie Yamamoto Tanaka 1, Cecilia Vilela dos Reis 1, Adriana Guedes Terezan dos Santos 1, Maria das Graças

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 1 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel

Leia mais

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos:

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: DEFINIÇÃO De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), Farmácia Hospitalar e outros serviços

Leia mais

J - ÁREA PROFISSIONAL NUTRIÇÃO. NUTRIÇÃO HOSPITALAR EM CARDIOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Mitsue Isosaki

J - ÁREA PROFISSIONAL NUTRIÇÃO. NUTRIÇÃO HOSPITALAR EM CARDIOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Mitsue Isosaki J - ÁREA PROFISSIONAL NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO HOSPITALAR EM CARDIOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Mitsue Isosaki Características: (duração 12 meses) Destinado ao nutricionista,

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 41/13 PARECER CFM 34/13 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 41/13 PARECER CFM nº 34/13 INTERESSADO: Universidade Federal do Paraná Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Cecan-Sul ASSUNTO: Competência do médico referente à nutrição

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

Avaliação de treinamento multidisciplinar na triagem nutricional pela lógica difusa (fuzzy)

Avaliação de treinamento multidisciplinar na triagem nutricional pela lógica difusa (fuzzy) Avaliação de treinamento multidisciplinar na triagem nutricional pela lógica difusa (fuzzy) Cardia, W.; ARAUJO, E. ; Becker, O. M. ; Maia, R., Resumo: A desnutrição intra-hospitalar apresenta índices que

Leia mais

Divisão de Assistência Farmacêutica

Divisão de Assistência Farmacêutica Divisão de Assistência Farmacêutica 1. Introdução A Divisão de Assistência Farmacêutica, unidade pertencente ao Departamento de Apoio Técnico, atende cerca de 58.631.430 solicitações/mês, englobando prescrições

Leia mais

ANÁLISE NUTRICIONAL E SENSORIAL DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

ANÁLISE NUTRICIONAL E SENSORIAL DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES 25 a 28 de Outubro de 20 ISBN 978-85-8084-055- ANÁLISE NUTRICIONAL E SENSORIAL DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES Hevelyse Munise Celestino dos Santos, Mariah Benine Ramos da Silva 2, Ana Flávia de Oliveira 3

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE INFORMÁTICA Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e valores dispendidos TI 2015 Jan.2016 Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista Graduação Áreas de Atuação do profissional de nutrição Áreas de Atuação do Nutricionista Apesar das diversidades de seu campo de atuação, as principais áreas de atuação do profissional nutricionista têm

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Campos dos Goytacazes Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos com visão generalista e humanista capazes de exercer atividades

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA HOSPITAL E INSTITUIÇÕES SIMILARES Nº DA VISITA VISITA AGENDADA

Leia mais

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Introdução á Alimentação Coletiva

Introdução á Alimentação Coletiva Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Curso de Nutrição Componente Curricular: Alimentação Coletiva Introdução á Alimentação Coletiva Profª. Drª. Fabiana Copês Alimentação A alimentação é o processo

Leia mais

A Importância da Logística no Âmbito das Organizações de Saúde

A Importância da Logística no Âmbito das Organizações de Saúde A Importância da Logística no Âmbito das Organizações de Saúde O enfoque da logística empresarial é orientado para estudar como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de

Leia mais

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358

Qualidade no Atendimento Nutricional do Paciente Oncológico. Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 Nutricional do Paciente Oncológico Nutricionista Fernanda Pires CRN 13358 O conceito de que a qualidade é importante surge em 1970, com o renascimento da indústria japonesa que, seguindo os preceitos do

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Los farmacéuticos cuidado de la salud y el bienestar de las personas

Los farmacéuticos cuidado de la salud y el bienestar de las personas Los farmacéuticos cuidado de la salud y el bienestar de las personas Representar os serviços hospitalares e de saúde farmacêutica, buscando reconhecimento social através da promoção da formação conjunta

Leia mais

Divisão de Nutrição e Dietética

Divisão de Nutrição e Dietética Divisão de Nutrição e Dietética A Divisão de Nutrição e Dietética do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP (DND HCFMRP ) é responsável pela produção de bens e serviços destinados

Leia mais

ÉRIKA SOCORRO BRASIL

ÉRIKA SOCORRO BRASIL ÉRIKA SOCORRO BRASIL Rua Carlos de Sabóia e Sá, Nº 14, Abolição II, Mossoró-RN Naturalidade: Garanhuns-PE Estado Civil: Casada - Idade: 34 anos Telefones: (84) 99635-6691 / (84) 98824-3163 /(84) 98717-2548/

Leia mais

Depende da aprovação do Plano

Depende da aprovação do Plano Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Reunião de 19/08/2014 SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR

PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DO PACIENTE GERIÁTRICO EM AMBIENTE HOSPITALAR Rita de Cássia Felix 1 ; Eloísa

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA OMERO FRANCISCO BERTOL UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO Nº 568, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Ementa: Dá nova redação aos artigos 1º ao 6º da Resolução/CFF nº 492 de 26 de novembro de 2008, que regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento

Leia mais

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem

Redundância das informações nos diversos sistemas. Sistemas desenvolvidos em tecnologia não Web (DOS) Informações das obras não alimentadas na origem DESCENTRALIZANDO OBRAS CENTRALIZANDO INFORMAÇÕES Cenário de Gestão de Obras antes do SICOP Diversos Órgãos executam obras no Estado Processos de Gestão diferentes em cada obra Sistemas isolados (bases

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde RADIOLOGIA DIGITAL

Sistemas de Informação em Saúde RADIOLOGIA DIGITAL Sistemas de Informação em Saúde RADIOLOGIA DIGITAL Prof Dr Marcio Biczyk Conteúdo Introdução Informação e Comunicação Processamento de Dados Bancos de Dados e Bases de Conhecimento Gerenciamento de

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

Cronograma de Educação Permanente 2016

Cronograma de Educação Permanente 2016 Cronograma de Educação Permanente 2016 JANEIRO FEVEREIRO Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia, equipe do SAME e colaboradores. MARÇO

Leia mais

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA- INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS Nº DA VISITA

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre

Leia mais

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11)

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11) Página 1 de 7 Proposta I-Group Care Controladoria Administrativa, Técnica e Financeira, inteligência de sistemas para gestão estratégica na área da Saúde. BREVE LISTA DE SERVIÇOS: CONTROLADORIA ADMINISTRATIVA

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

ANEXO II PLANO ANUAL 2016

ANEXO II PLANO ANUAL 2016 ANEXO II PLANO ANUAL Atualmente, a Rede SARAH conta com nove Unidades consolidadas no período de 24 anos de Contrato de Gestão: Brasília (2 Unidades), São Luís, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Macapá,

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José

Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José Dispõe o presente sobre o regimento da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), de acordo com a

Leia mais

CARTILHA SEGURANÇA DO PACIENTE. Como você pode contribuir para que a saúde e segurança do paciente não seja colocada em risco na sua instituição?

CARTILHA SEGURANÇA DO PACIENTE. Como você pode contribuir para que a saúde e segurança do paciente não seja colocada em risco na sua instituição? CARTILHA SEGURANÇA DO PACIENTE Como você pode contribuir para que a saúde e segurança do paciente não seja colocada em risco na sua instituição? ESTA CARTILHA FOI DESENVOLVIDA PARA ORIENTÁ-LOS SOBRE AS

Leia mais

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil

Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Indicadores de Qualidade em Terapia Nutricional Infantil Adriana Servilha Gandolfo Nutricionista Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria da USP Supervisora Unidades de Internação Serviço de Nutrição

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

título mestre de Nutrição no SUS

título mestre de Nutrição no SUS VIII Encontro da Rede de Nutrição no SUS Segundo nível Disponibilização Terceiro nível de Fórmulas Alimentares no SUS 22, 23 e 24 de abril de 2008 Brasília/DF 1 GT: Propostas para a disponibilização de

Leia mais

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) DIAGNÓSTICO MEDICAMENTO TRATAMENTO ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR ESTUDOS NO MUNDO SOBRE MEDICAMENTOS PARA DOENÇAS RARAS 1155

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems)

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Tópicos Contexto Evolução Requisitos de Informação Benefícios Funções e Componentes Futuro HCIS - Contexto Organizações de saúde são

Leia mais

A comissão de farmácia e terapêutica e sua interface na utilização racional de medicamentos

A comissão de farmácia e terapêutica e sua interface na utilização racional de medicamentos A comissão de farmácia e terapêutica e sua interface na utilização racional de medicamentos Alexandra Cruz Abramovicius 1, Aline Castelli Maia 2, Andréia Aparecida Gaiotto de Carvalho 3, Sônia Aparecida

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA EM UMA REGIÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FELIPE TADEU CARVALHO SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Região do Itaim Pta composta por dois

Leia mais

ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NA ALTA HOSPITALAR E EM CASA: DIFICULDADES E SOLUÇOES NO HOSPITAL PRIVADO ANNA CAROLINA SARA FONSECA NUTRICIONISTA EMTN HSC

ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NA ALTA HOSPITALAR E EM CASA: DIFICULDADES E SOLUÇOES NO HOSPITAL PRIVADO ANNA CAROLINA SARA FONSECA NUTRICIONISTA EMTN HSC ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NA ALTA HOSPITALAR E EM CASA: DIFICULDADES E SOLUÇOES NO HOSPITAL PRIVADO ANNA CAROLINA SARA FONSECA NUTRICIONISTA EMTN HSC Quanto? Como? Quando? Sistema aberto ou fechado? Orientação

Leia mais

EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE TDE TORNA PÚBLICO:

EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE TDE TORNA PÚBLICO: EDITAL Nº 05, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 - TDE CERTIDÃO Certifico que o presente edital foi afixado no mural de avisos da PRH/TDE, no dia 21/09 /2009, às 14h00min Ricardo Remígio Pereira Considerando o

Leia mais

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp

Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Fesp Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios 2010 12/5/2010 QUALIFICARE Programa de Qualificação de Recursos Próprios Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

Capítulo 16 Sistemas de Atendimento ao Paciente

Capítulo 16 Sistemas de Atendimento ao Paciente Biomedicina CI242 Tópicos de Pesquisa em Informática Capítulo 16 Sistemas de Atendimento ao Paciente Gabriela Bissoni Moura Mayara Claudino Londero Conceitos de Cuidado ao Paciente Conceitos de Cuidado

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS NO ATENDIMENTO DE PACIENTES NA EMERGÊNCIA

MELHORES PRÁTICAS NO ATENDIMENTO DE PACIENTES NA EMERGÊNCIA MELHORES PRÁTICAS NO ATENDIMENTO DE PACIENTES NA EMERGÊNCIA Dr. José Carlos Teixeira Junior Sociedade Beneficente Israelita Albert Einstein Gerente Médico Executivo Unidades de Pronto Atendimento Centro

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016

PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 01/2016 MATERNIDADE NASCER CIDADÃO O Diretor Executivo da FUNDAHC, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, comunica a realização de processo seletivo para os cargos abaixo

Leia mais

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Gestão de Leitos Objetivo Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Contextualização Leitos de Retaguarda Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar e Núcleo

Leia mais

Nutricionista Entrevistado(a) Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN-

Nutricionista Entrevistado(a) Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA- BANCO DE L EITE HUMANO DATA DA VISITA Nº DA VISITA VISITA AGENDADA Sim [

Leia mais

Sistema de Gestão. Baseado em Custos para Fundações de Apoio

Sistema de Gestão. Baseado em Custos para Fundações de Apoio Sistema de Gestão Baseado em Custos para Fundações de Apoio Problema Necessidade de identificação dos custos da fundação e do ressarcimento das despesas operacionais administrativas da fundação no gerenciamento

Leia mais

PARTE 1: FARMÁCIA HOSPITALAR

PARTE 1: FARMÁCIA HOSPITALAR PARTE 1: FARMÁCIA HOSPITALAR CAPÍTULO Introdução à 1 farmácia hospitalar O que você irá ver nesse capítulo: Pablo de Moura Santos Leonardo Kister de Toledo Planejamento, estrutura física, organização e

Leia mais

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED

CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED CURSO PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE SAÚDE UNIMED PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FGV CORPORATIVO 12.227/14_v3 QUADRO DE DISCIPLINAS Disciplinas (**) Carga Horária (*) 1. Cooperativismo e Administração de Serviços

Leia mais

1 Workshop Estratégias para a Sustentabilidade das Organizaçõesde Saúde" Estratégias para melhoria da gestão hospitalar Isabela Caiaffa

1 Workshop Estratégias para a Sustentabilidade das Organizaçõesde Saúde Estratégias para melhoria da gestão hospitalar Isabela Caiaffa 1 Workshop Estratégias para a Sustentabilidade das Organizaçõesde Saúde" 16-09 - 09 às 12 horas Estratégias para melhoria da gestão hospitalar Isabela Caiaffa Ampliar o conhecimento sobre a Estratégia

Leia mais

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI Fones: (11) 3431-8113 * 4044-8144 * 4044-7448 Email: comercial@aoxti.com.br www.aoxti.com.br Apresentação Síntese das Atividades

Leia mais

SEGMENTO DE METAL MECÂNICA_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE

SEGMENTO DE METAL MECÂNICA_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE SEGMENTO DE METAL MECÂNICA_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE IMPLEMENTANDO A ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS_ Organizar processos e atividades de forma planejada é essencial para obter bons resultados empresariais.

Leia mais

A importância dos alimentos para uma vida saudável está cada vez mais em pauta. Essa realidade faz com que o mercado de trabalho para nutricionistas

A importância dos alimentos para uma vida saudável está cada vez mais em pauta. Essa realidade faz com que o mercado de trabalho para nutricionistas NUTRIÇÃO A importância dos alimentos para uma vida saudável está cada vez mais em pauta. Essa realidade faz com que o mercado de trabalho para nutricionistas amplie suas oportunidades de emprego, especialmente

Leia mais

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Brasil 2016 Erros de medicações Na Inglaterra, um levantamento em 19 hospitais apontou que uma em cada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 09/02/2009 07:57 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS DO IFC CAMPUS ARAQUARI

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS DO IFC CAMPUS ARAQUARI SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO CENTRO DE PRÁTICAS CLÍNICAS E CIRÚRGICAS DO IFC CAMPUS ARAQUARI Gueretz, Fernando Stasiak 1 ; Mariano, Fernando 1 ; Mota, Joice Seleme 1 Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL SERVIÇOS OFERECIDOS PELO HOSPITAL OBJETIVO: Oferecer aos nossos clientes, pacientes, profissionais, médicos, enfermagem, técnicos e administrativos, dentro do possível, um hospital

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.825, DE 29 DE JUNHO DE 2006. Estabelece as diretrizes para elaboração do Plano de Desenvolvimento dos Integrantes do Plano

Leia mais

Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório. Nut. Maria Emilia Fabre

Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório. Nut. Maria Emilia Fabre Estratégias Nutricionais na Alta Hospitalar e em Casa: Dificuldades e Soluções Ambulatório Nut. Maria Emilia Fabre Recursos Financeiros 4% 96% SUS Convênios Consultório de Nutrição Acesso ao Ambulatório

Leia mais

Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0

Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0 Sistema Hospitalar - Prescrição Eletrônica v4.0 Manual do Usuário - Médico Versão 0.0 Histórico da Revisão DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 23/0/202 0.00 Criação do manual Silvio Zequinão 25/02/204 0.0 Revisão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2012 NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. APRESENTAÇÃO O Setor de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação consta com refeitório, lactário, copas separadas

Leia mais

PARCERIAS INSTITUCIONAIS COMO ESTRATÉGIA NA MELHORIA DA FORMAÇÃO DO RECURSO HUMANO NA ÁREA FARMACÊUTICA Prof. Carlos Couto de Castelo Branco

PARCERIAS INSTITUCIONAIS COMO ESTRATÉGIA NA MELHORIA DA FORMAÇÃO DO RECURSO HUMANO NA ÁREA FARMACÊUTICA Prof. Carlos Couto de Castelo Branco PARCERIAS INSTITUCIONAIS COMO ESTRATÉGIA NA MELHORIA DA FORMAÇÃO DO RECURSO HUMANO NA ÁREA FARMACÊUTICA Prof. Carlos Couto de Castelo Branco CNE Aprovou em 06.11.2001 Diretrizes curriculares para o ensino

Leia mais

QUESTIONÁRIO SISTEMAS DE APOIO E LOGÍSTICOS DAS RAS

QUESTIONÁRIO SISTEMAS DE APOIO E LOGÍSTICOS DAS RAS Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das Redes Regionais da Atenção à Saúde nas regiões priorizadas pelo Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual da Saúde 2016 QUESTIONÁRIO SISTEMAS

Leia mais

Emergência HUAP. Daniel Garbin Diogo Costa Diogo Murtinho Fernanda Boldrini Juliana Guerra Juliana Santos

Emergência HUAP. Daniel Garbin Diogo Costa Diogo Murtinho Fernanda Boldrini Juliana Guerra Juliana Santos Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina PGS II Emergência HUAP Daniel Garbin Diogo Costa Diogo Murtinho Fernanda Boldrini Juliana Guerra Juliana Santos Reconhecimento do cenário, Identificação

Leia mais

Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO

Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO Pesquisa ANTES E DEPOIS DA AMBIENTAÇÃO NO HEMORIO Nome: Avaliação do projeto Aquário Carioca em uma unidade hospitalar especializada em hematologia e hemoterapia no Estado do Rio de Janeiro: as percepções

Leia mais

Introdução RESUMO. 154 N. 2/ Novembro de 2011

Introdução RESUMO. 154 N. 2/ Novembro de 2011 Reestruturação do processo de dispensação de medicamentos antineoplásicos de uso oral para pacientes oncológicos em tratamento ambulatorial Rodrigo Marangoni Fernandes 1, Fernanda dos Santos Fernandes

Leia mais

Manual de Instruções TISS

Manual de Instruções TISS Manual de Instruções TISS Introdução A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro e intercâmbio de dados entre operadoras de planos privados de assistência

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6

Política Institucional Comitê de Sustentabilidade. Política de Sustentabilidade. Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 Código: PI.HPEG.CSUST.001 Versão: 001 Página: 1/6 SUMÁRIO 1. Apresentação... 02 2. Objetivo... 02 3. Princípios... 02 4. Documentos de Referencias... 03 5. Diretrizes... 03 6. Compromissos e Prestação

Leia mais

Módulos Assistenciais

Módulos Assistenciais Aplicativo de Gestão para Hospitais Universitários. Software considerado referencial no segmento de gestão hospitalar, desenvolvido no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Permite registrar os processos

Leia mais

ACEITAÇÃO ALIMENTAR DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAL PRIVADO. RODRIGUES, Fernanda Nunes (Unitri, 1

ACEITAÇÃO ALIMENTAR DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAL PRIVADO. RODRIGUES, Fernanda Nunes (Unitri, 1 ACEITAÇÃO ALIMENTAR DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAL PRIVADO. RODRIGUES, Fernanda Nunes (Unitri, nanda-nutricao@hotmail.com) 1 RAMOS, Jeniffer Rodrigues (Unitri, jennynutricao@hotmail.com) 2 PÁDUA,

Leia mais

Hoje todos os prédios públicos de saúde do Município contam com infraestrutura para rede de computadores e telefonia, isso inclui principalmente as

Hoje todos os prédios públicos de saúde do Município contam com infraestrutura para rede de computadores e telefonia, isso inclui principalmente as .SAUDE Com a Tecnologia da Informação (TI) a Secretaria Municipal de Piraí vem atuando no desenvolvimento de estratégias tecnológicas com a finalidade de atender plenamente as necessidades de informatização.

Leia mais

TIC Saúde 2015 Apresentação dos principais resultados CBIS 2016

TIC Saúde 2015 Apresentação dos principais resultados CBIS 2016 TIC Saúde 15 Apresentação dos principais resultados CBIS 16 Goiânia 28 de Novembro de 16 SOBRE O CETIC.br PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS TIC PARA POLÍTICAS PÚBLICAS Modelo Multissetorial de Governança da Internet

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Petrópolis Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos,

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL

ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL ESTADO NUTRICIONAL DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL Emilene Prata de Queiroga Nutricionista 1 Especialista em Nutrição Clínica Definição de TNE (ESPEN, 2006). Terapia Nutricional (TNE): um conjunto de

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação, além de correr risco

Leia mais

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio People Knowledge Technology Nós Trabalhamos para o seu Sucesso Há duas décadas a Datamace se dedica ao desenvolvimento de soluções integradas

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa

Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa Workshop: Melhores Práticas em Pesquisa Clinica Grupo Hospitalar Conceição: gestão da pesquisa Grupo Hospitalar Conceição Escola GHC/Gerência de Ensino e Pesquisa Coordenação da Pesquisa GRUPO HOSPITALAR

Leia mais

I. Informações BásicaS

I. Informações BásicaS I. Informações BásicaS item Órgão municipal de saúde Plano Municipal Conselho Municipal Conselho Gestor de Unidade(s) de Saúde Fundo Municipal Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) Disque-Saúde Ouvidoria

Leia mais

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style Click to edit Master subtitle style CHECAGEM BEIRA LEITO Hospital Unimed Recife III Autor: Dr. Fernando José Barbosa da Cruz Diretor Médico Enf Ana Paula Vasconcelos de Farias Supervisora Geral de Enfermagem

Leia mais

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1

Gestão por Processos. Prof. Luciel Henrique de Oliveira 1 Novos Modelos de Empresa Aula 3 Gestão por Processos Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel.oliveira@fgv.br 1 O que são processos nas empresas? Fornecedores Atividade ou Conjunto de Atividades Input

Leia mais