Proposta Pedagógica Brasília, 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta Pedagógica Brasília, 2013"

Transcrição

1

2 Proposta Pedagógica Brasília, 2013

3 2013 Fundação Vale. Todos os direitos reservados. Coordenação: Setor de Ciências Humanas e Sociais da Representação da UNESCO no Brasil Redação e organização: Luciana Marotto Homrich Revisão técnica e revisão pedagógica: Milena Rodrigues Fernandes do Rêgo Revisão editorial: Unidade de Publicações da Representação da UNESCO no Brasil Projeto gráfico: Crama Design Estratégico Diagramação: Unidade de Comunicação Visual da Representação da UNESCO no Brasil Proposta pedagógica de esporte: Brasil Vale Ouro. Brasília: Fundação Vale, UNESCO, p. ISBN: Educação física 2. Esporte 3. Pedagogia 4. Brasil 5. Material didático I. Fundação Vale II. UNESCO Esta publicação tem a cooperação da UNESCO no âmbito do projeto 570BRZ3002, Formando Capacidades e Promovendo o Desenvolvimento Territorial Integrado, o qual tem o objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade de vida de jovens e comunidades. Os autores são responsáveis pela escolha e apresentação dos fatos contidos neste livro, bem como pelas opiniões nele expressas, que não são necessariamente as da UNESCO, nem comprometem a Organização. As indicações de nomes e a apresentação do material ao longo desta publicação não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte da UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região ou de suas autoridades, tampouco da delimitação de suas fronteiras ou limites. Esclarecimento: a UNESCO mantém, no cerne de suas prioridades, a promoção da igualdade de gênero, em todas suas atividades e ações. Devido à especificidade da língua portuguesa, adotam-se, nesta publicação, os termos no gênero masculino, para facilitar a leitura, considerando as inúmeras menções ao longo do texto. Assim, embora alguns termos sejam grafados no masculino, eles referem-se igualmente ao gênero feminino. Fundação Vale Representação da UNESCO no Brasil Av. Graça Aranha, 26 16º andar Centro SAUS Qd. 5, Bl. H, Lote 6, Rio de Janeiro/RJ Brasil Ed. CNPq/IBICT/UNESCO, 9º andar Tel.: (55 21) Brasília/DF Brasil Site: Tel.: (55 61) Fax: (55 61) Site: facebook.com/unesconarede

4 Proposta Pedagógica

5 Sumário Apresentação Introdução Fundamentação teórica Contextualizando o esporte Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Características e organização Dimensões do esporte e sua relação com as fases de aprendizagem e os níveis de evolução esportiva do Programa Dimensão educacional Dimensão de participação Dimensão de rendimento Organização das turmas Processo seletivo Pressupostos Pré-requisitos Seletivas em municípios com mais de 100 mil habitantes ou localizados em regiões metropolitanas Seletivas em municípios com menos de 100 mil habitantes Processo de seleção: Multiesporte Etapa 1: Inscrição Etapa 2: Entrega de documentação Etapa 3: Classificação Etapa 4: Divulgação Etapa 5: Matrícula Processo de seleção: Especialização Esportiva Etapa 1: Inscrição Etapa 2: Confirmação Etapa 3: Testes motores Etapa 4: Classificação Etapa 5: Divulgação Etapa 6: Matrícula Critérios de priorização Renda familiar Atendimento integral à família Localização residencial Parcerias Incentivo ao talento esportivo... 26

6 8. Recursos humanos previstos para o esporte, perfis recomendados e atribuições Coordenador de esporte Profissional de educação física Estagiário Monitor Assistente social Psicólogo Pedagogo Metodologia Infraestrutura Equipamentos e materiais Formação dos profissionais Formação inicial integrada Formação continuada específica Supervisão e acompanhamento Formação específica concentrada Oficinas pedagógicas Visitas de acompanhamento Monitoramento e avaliação Monitoramento e acompanhamento do Programa Avaliação do Programa Avaliação de impacto Avaliação de resultados Avaliação de processo Considerações finais Bibliografia Anexo... 45

7 Apresentação Esta proposta pedagógica tem como finalidade apresentar as diretrizes, as orientações e a organização do Programa Brasil Vale Ouro, programa esportivo idealizado pela Fundação Vale com o objetivo de promover o desenvolvimento de habilidades, capacidades e competências para a vida de crianças e adolescentes, utilizando o esporte como ferramenta social primordial para esse fim. As diretrizes e as definições apresentadas foram elaboradas com base nos princípios, conceitos e concepções que norteiam a compreensão de desenvolvimento humano da Fundação Vale, resultado de um processo de reflexão e de produção coletiva, envolvendo a equipe da Fundação e especialistas da área esportiva. Parte-se do princípio de que o Programa Brasil Vale Ouro compreende o esporte em suas três dimensões 1 (educacional, de participação e de rendimento), por meio do oferecimento de atividades esportivas qualificadas para as diferentes faixas etárias, sem distinção de sexo ou cor, priorizando, sempre que possível, crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social 2. A presente proposta pedagógica busca caracterizar os processos de aprendizagem, de ensino e de organização do Programa Brasil Vale Ouro como uma oportunidade de vivência e participação, por um lado, e de desenvolvimento e aprimoramento técnico, por outro, estando todos esses aspectos voltados para a formação de princípios e de valores primordiais para o desenvolvimento humano, integrado e integral, de seus participantes. 7 Espera-se que a leitura deste documento auxilie e engaje os profissionais do esporte em uma proposta educativa inovadora, que requer reflexão sobre as práticas já estabelecidas, sejam aquelas que se realizam, sejam aquelas que se vivenciam ao longo das trajetórias pessoais como aprendizes. 1 BRASIL. Ministério do Esporte, Vulnerabilidade social é o resultado negativo da relação entre a disponibilidade dos recursos materiais ou simbólicos dos atores, sejam eles indivíduos ou grupos, e o acesso à estrutura de oportunidades sociais, econômicas e culturais que provêm do Estado, do mercado e da sociedade. Esse resultado se traduz em debilidades ou desvantagens para o desempenho e a mobilidade social dos atores (ABRAMOVAY, 2002).

8 1. Introdução Nos últimos anos, o esporte tem assumido novos papéis que vão muito além dos tradicionais conceitos relacionados à educação física, ao bem-estar, à saúde, ao lazer, ao entretenimento e ao desempenho (performance). Sem perder de vista essas dimensões, atualmente o esporte é também reconhecido como meio de formação da cidadania, de propagação do respeito aos direitos humanos e de inclusão social, sendo uma ferramenta decisiva para o estabelecimento de uma cultura de paz e de não violência, conforme preconizam os objetivos primordiais da Organização das Nações Unidas (ONU). A trajetória de mudança na conceituação do esporte vem sendo percorrida de forma gradativa e constante. De acordo com Tubino e Maynard 3, o esporte, como um dos fenômenos mais marcantes da transição do século XX para o século XXI, teve na Carta Internacional da Educação Física e do Esporte (UNESCO, 1978) o seu marco de mudança de paradigma, quando passou a ser compreendido como um direito de todos e a ter ampliada sua abrangência para o esporte na escola e o esporte-lazer além do esporte de rendimento, até então priorizado, inserindo-se com isso no sistema educacional e na vida social. 8 No Brasil, o esporte, conforme preconiza o artigo 217 da Constituição Federal, é direito de cada cidadão; além disso, constitui dever do Estado garantir seu acesso à sociedade, o que pode contribuir para a reversão do quadro de vulnerabilidade social. Assim, o esporte atua como instrumento de formação integral dos indivíduos e, consequentemente, possibilita o desenvolvimento da convivência social, a construção de valores, a promoção da saúde e o aprimoramento da consciência crítica e da cidadania. A Política Nacional do Esporte (PNE) vigente no país considera que o esporte é uma condição essencial para o desenvolvimento humano, a qual ainda é frequentemente negada, principalmente às camadas sociais de baixa renda. Com base nesse entendimento, a Fundação Vale, por meio do Programa Brasil Vale Ouro, busca contribuir de forma significativa para atender às demandas sociais surgidas em um momento histórico de garantia e de ampliação do conjunto dos direitos humanos e constitucionais. 3 TUBINO; MAYNARD, 2006.

9 2. Fundamentação teórica Considerando o contexto apresentado acima, o trabalho realizado pela Fundação Vale, sob a coordenação do prof. dr. Flávio Comim (2012), teve como objetivo introduzir uma nova perspectiva à abordagem de desenvolvimento humano tradicional (ADHt), baseada nos trabalhos recentes dos professores Amartya Sen, Martha Nussbaum, Michael Sandel, James Heckman e Barbara Herman. As críticas de Martha Nussbaum (2006), de Barbara Herman (2007) e de Amartya Sen (2009) apontam para uma nova ideia de desenvolvimento humano, mais qualitativa e voltada para a justiça social. Seu foco encontra-se na educação moral dos indivíduos e na forma como eles desenvolvem seu senso de justiça. Essa nova perspectiva deve ser baseada em uma visão ampla da educação, cujo objetivo consiste em promover formas humanas de sociabilidade baseadas em sentimentos morais como benevolência, reciprocidade e empatia, entre outros, de modo a ampliar o horizonte do que significa ser humano, para além das motivações de vantagem individual. Nessa abordagem de desenvolvimento humano comprometida com a promoção da autonomia individual e do bem comum nos territórios, não se deve ignorar princípios operacionais como a multidimensionalidade e a integração das ações. Isso ocorre precisamente porque o bem-estar dos indivíduos é multidimensional, ou seja, ele não pode ser isolado em seus atributos: deve ser visto no seu conjunto e de forma articulada, o que impõe, por coerência, uma visão integrada das diferentes estratégias promotoras do desenvolvimento humano. 9 O principal motivo da utilização de uma nova perspectiva de desenvolvimento humano para se pensar os objetivos dos programas e das ações da Fundação Vale diz respeito a entendê-los como uma estratégia estruturada intertemporalmente para a promoção da autonomia e do bem comum das pessoas, por meio de intervenções de natureza local nos territórios. Nesse sentido, a Fundação Vale compreende que a integração das ações deve ser planejada para promover a autonomia e o bem comum. Ações integradas tendem a colaborar ainda mais para a ampliação do universo de oportunidades dos participantes dos programas desenvolvidos, e a produzir, assim, redes de proteção social para esses indivíduos. Diante do exposto, a promoção do desenvolvimento humano requer estratégias com caráter menos setorial e mais territorializado, nas quais os responsáveis pelos diferentes programas planejam juntos, em bases regulares, as estratégias conjuntas ou complementares. Portanto, a integração das ações a serem seguidas é considerada, pela Fundação Vale, como o primeiro passo para a elaboração de uma estratégia de desenvolvimento humano. Para isso, deve-se iniciar qualquer ação educacional por sua concepção pedagógica. O desafio da construção de sociedades mais justas passa pela promoção da autonomia dos indivíduos, que pode ser obtida, em parte, com a excelência acadêmica; entretanto, esse processo não se restringe a ela, uma vez que é preciso mais para que seja cultivada a humanidade das pessoas. Uma agenda positiva de engajamento é fundamental para a promoção da alfabetização moral dos participantes dos programas da Fundação Vale.

10 A grande novidade das sugestões expressas neste trabalho consiste na sua articulação em torno de uma proposta de desenvolvimento humano que concilia a promoção da autonomia individual com a busca do bem comum. Essa dimensão coletiva e social do desenvolvimento humano corresponde a um convite para a reflexão sobre o valor dos valores na vida de todos. Ela trata de elementos eminentemente qualitativos na caracterização do bem-estar das pessoas, e desenvolve um argumento de como esses elementos devem ser inseridos, não somente nos programas, mas na prática cotidiana das ações sociais comprometidas com o desenvolvimento humano. Nesse sentido, entende-se o esporte não apenas como um elemento que fortalece a autonomia dos indivíduos, mas também como possibilidade de construção de cenários cooperativos que ocasionem o fortalecimento do capital social nos territórios nos quais o Programa é desenvolvido. Portanto, o esporte apresenta-se como um potencial de construção de práticas e vivências que tem grande impacto sobre a formação de valores de crianças e adolescentes. Contudo, para que esse potencial possa ser realizado deve existir clareza conceitual sobre o que se deseja atingir por meio das práticas esportivas. 10 Com base também no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA Lei nº 8.069/90), que, em seu artigo 4º, assegura, com prioridade absoluta, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar, o esporte torna-se um poderoso componente do desenvolvimento humano, na medida em que pode contribuir de forma decisiva para a formação de habilidades, de capacidades e de valores fundamentais ao ser humano. A visão de que o esporte pode não apenas produzir impactos positivos na educação e na saúde dos praticantes, mas também contribuir para estimular uma cultura de paz e de tolerância, bem como propiciar o desenvolvimento humano, é corroborada pela Organização das Nações Unidas 4, desde que estabeleceu 2005 como o Ano Internacional do Esporte e da Educação Física, considerando a educação física e o esporte como meios para auxiliar no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs). Comprometido com os ODMs como norteadores de suas políticas públicas, o Brasil reconhece o papel do esporte para contribuir para o alcance de tais metas estabelecidas pela ONU. Os documentos e relatórios 5 que apresentam as principais iniciativas implementadas pelo governo federal para a realização dessas metas indicam que as ações na área do esporte são relevantes para o alcance dos oito objetivos propostos. Dentre elas, destacam-se duas, aqui: as iniciativas que compõem o percurso social formativo dos jovens, com destaque para promoção do esporte; e a jornada escolar ampliada, com o desenvolvimento de atividades de acompanhamento pedagógico, experimentação e investigação científica no âmbito da cultura, do esporte, das artes e do lazer. Assim, a Fundação Vale acredita que se deve explorar o esporte como um elemento não apenas de fortalecimento da autonomia dos indivíduos, mas também de 4 ONU, Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (IPEA, 2010).

11 construção de cenários cooperativos que possam ocasionar o fortalecimento do capital social nos territórios nos quais o Programa é desenvolvido. Essa visão mais ampla do ser humano reforça o esporte como uma expressão que tem o potencial de transformar padrões culturais e que, se percebido como tal, pode se beneficiar de políticas integradas que combinem estratégias educacionais, esportivas e culturais. Por isso, cada vez mais, ganham destaque os programas que incorporam o entendimento de que é necessário ampliar a oferta de práticas esportivas a todos, em especial às populações em situação de vulnerabilidade social, que, na maioria dos casos, encontram-se privadas do acesso a tais práticas. De fato, espera-se que o esporte possa auxiliar a promover uma variada gama de resultados para seus adeptos, desde os mais aparentes, como a melhora das habilidades e capacidades físico-motoras, até os mais subjetivos, como o aumento da autoestima e da autoconfiança, o fortalecimento de valores (como respeito, cooperação e sociabilidade, entre outros), ou até mesmo a pura e simples adoção de um estilo de vida mais saudável. São esses aspectos que levam os programas esportivos a introduzirem, em suas ações, princípios e valores relacionados à cidadania, aos direitos humanos e ao desenvolvimento sustentável, importantes componentes para a inserção dos indivíduos na sociedade. Nesse contexto, o que se deseja implementar com o Brasil Vale Ouro é um programa de esporte que tenha importante contribuição e significado para o desenvolvimento local e territorial sustentável, com ênfase na inclusão social e na promoção do desenvolvimento humano. 11 Por meio de atividades esportivas que contemplam e integram as dimensões educacional, de participação e de rendimento, o Programa Brasil Vale Ouro busca contribuir para o desenvolvimento de ações que auxiliem as comunidades e seus membros a refletir sobre seus valores, encontrar soluções conjuntas e estimular processos participativos de superação de problemas existentes no seu dia a dia e em seus territórios. Busca-se promover a sociabilização baseada em sentimentos morais, tais como a solidariedade e a reciprocidade, entre outros, ampliando o horizonte do que significa ser humano, para além das motivações de vantagem individual.

12 3. Contextualizando o esporte Atualmente, o esporte é um dos mais importantes fenômenos sociais, que atrai crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos para sua prática consciente. Assim compreendido, o esporte constitui uma das frentes de atuação da Fundação Vale, sendo considerado uma importante ferramenta de transformação social, integrando-se a outras áreas do conhecimento, que contribuem para o desenvolvimento humano dos seus praticantes, como pode ser observado na Figura 1, a seguir. Figura 1. Esquema representativo da concepção inter-relacional de esporte e sua relevância para o desenvolvimento da sociedade e do território, com o objetivo de construir um mundo melhor 12 Nessa perspectiva, a estratégia do Programa Brasil Vale Ouro prevê que os recursos financeiros, humanos e materiais destinados às atividades esportivas não se esgotem em si mesmos, mas produzam benefícios sociais, econômicos, culturais, urbanísticos e ambientais estruturantes para os territórios, suas comunidades e seus participantes. Para tanto, são promovidas ações estratégicas que facilitam o trabalho de todos, reconhecendo os contextos e os desafios impostos pelos territórios para, a partir deles, pensar, propor e realizar atividades integradas com as famílias e a comunidade, na área do esporte, adotando-as como modelo de desenvolvimento local e de empoderamento 6 das populações beneficiadas. 6 Empoderamento significa, em geral, a ação coletiva desenvolvida pelos indivíduos quando participam de espaços privilegiados de decisões, de conscientização dos direitos sociais. Por um lado, o empoderamento possibilita a aquisição da emancipação individual, e por outro, a aquisição da consciência coletiva necessária para a superação da dependência social e da dominação política.

13 Pensado para promover o desenvolvimento físico, intelectual e emocional de seus participantes, o Programa conta com uma equipe multidisciplinar, composta por psicólogos, pedagogos, assistente sociais, professores e estagiários de educação física, monitores e instrutores esportivos, com supervisão e orientações técnicas especializadas. Esses profissionais são responsáveis pelo acompanhamento do trabalho realizado junto às crianças e adolescentes durante as atividades promovidas pelo Programa, sem perder de vista as questões surgidas nos contextos familiar e escolar um processo conduzido em parceria com pais, professores, diretores das escolas e outras pessoas do convívio dos participantes. Portanto, o esporte é compreendido como uma oportunidade estratégica para a obtenção de resultados relacionados à alfabetização moral 7 de seus participantes. Dentro dessa visão, o Programa Brasil Vale Ouro é visto como promotor de vivências e práticas esportivas, educacionais e sociais, ainda que as modalidades esportivas possam variar, de acordo com os recursos disponíveis (espaços, equipamentos e profissionais especializados) e com o interesse da comunidade. Conceitualmente, o Programa baseia-se nos quatro pilares da educação propostos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) com base no relatório de Jacques Delors, de acordo com o qual todos os indivíduos são capazes de aprender a fazer, a conhecer, a conviver e a ser. 8 Esses quatro pilares reforçam a compreensão de que a prática educativa no contexto do Programa Brasil Vale Ouro, com base no esporte, deve ser organizada em torno de quatro aprendizagens fundamentais, as quais, ao longo da vida dos indivíduos, de alguma forma, constituirão suas bases de conhecimento e de convivência. Em linhas gerais, pode-se identificar e enfatizar no esporte cada um desses pilares, a partir dos seguintes pontos: 13 a) Aprender a fazer reforça os elos entre as habilidades cognitivas e as não cognitivas na configuração da racionalidade expressa e orientada pelo princípio da cooperação, necessárias não somente ao ato de realizar os movimentos esportivos, mas também de realizá-los bem, com qualidade, sentido e significado. b) Aprender a conhecer baseia-se na contextualização do conhecimento e na priorização dos conhecimentos particulares de cada indivíduo. Como parte das estratégias de promoção do conhecimento no esporte, deve ter como referência a formação das pessoas e de seus sentimentos em relação ao próximo, orientando-se pelo princípio da coexistência. c) Aprender a conviver considera que padrões de convivência com dignidade surgem das experiências cotidianas do indivíduo com os outros. Leva em consideração o fato de que as experiências, orientadas pelo princípio da convivência, podem ser, por um lado, conflituosas e, por outro lado, prazerosas, como as produzidas pela prática do esporte, o que confere significado positivo ao processo de aprendizagem. 7 O conceito de alfabetização moral diz respeito ao processo de criação de discernimento e da capacidade de julgamento, que possibilitam que os indivíduos façam escolhas com base em valores. Esse conceito é desenvolvido pela professora Barbara Herman no seu livro com o mesmo título, em inglês, Moral Literacy, publicado em 2007 pela Harvard Press. É por meio dessa capacidade de julgamento que as habilidades cognitivas aprendidas podem adquirir uma utilização social. Isso significa que o conhecimento deve ser acompanhado de habilidades de julgamento e de deliberação, essenciais para a utilização do conhecimento com responsabilidade, em qualquer área de atuação. 8 Ver o rol e as possibilidades de aplicação dos quatro pilares, no contexto das aulas do Programa, no caderno de referência 12 desta série, intitulado Pedagogia da cooperação.

14 d) Aprender a ser ressalta que o conceito de ser deve respeitar a dimensão social, dentro da qual os indivíduos adquirem suas habilidades cognitivas e não cognitivas, ao compreender que são partes integrantes do todo. Acredita-se que o indivíduo, assim como seus desejos e preferências, são definidos no decorrer do processo de interação com os outros, levando-se em consideração o princípio de comunidade (comum-unidade). A caracterização dos atributos do ser não pode ser limitada a aspectos individuais, como se, por exemplo, o ser pudesse ser inteiramente dissociado do conviver. A questão importante aqui não são os limites conceituais, mas sim a interdependência dos quatro pilares, que ocorre quando se trata o ser humano como uma unidade. Para que esses pilares sejam colocados em prática no cotidiano das aulas de esporte, a pedagogia da cooperação propõe a utilização de alguns processos (metodologias colaborativas), dentre os quais destacam-se os jogos cooperativos e o conceito de esporte integral, como abordado no caderno 12 desta série. 14 Concebido como uma ferramenta educativa, o Programa Brasil Vale Ouro exige, portanto, um processo de sistematização que organize os aprendizados produzidos e configure-os como material pedagógico. Esse processo, por sua vez, inclui o desenvolvimento de um sistema de acompanhamento e de avaliação que permita monitorar o alcance dos objetivos do Programa, no conjunto de suas práticas e no contexto mais amplo dos territórios onde ele é desenvolvido, identificando, desenvolvendo e fortalecendo as habilidades cognitivas, aliadas às habilidades não cognitivas dos participantes. Nesse sentido, a linha pedagógica do Programa se orienta: pela democratização do acesso ao conhecimento e à prática do esporte; pela organização do trabalho em diferentes fases de aprendizagem e níveis de evolução esportiva, pautados nos princípios e ideais da educação olímpica 9 ; pelo desenvolvimento de um material didático de qualidade, composto por um box com cadernos de referência e fichários com modelos de planos de aula; pela utilização, exploração e aplicação do material didático no processo de formação inicial e continuada dos profissionais envolvidos; e pelo acompanhamento e supervisão das atividades realizadas por profissionais especializados em esporte. Com a perspectiva de oferecer atividades esportivas para públicos diversos, ao mesmo tempo em que associa estratégias de ampliação do repertório motor, de formação, de desenvolvimento e de aprimoramento técnico, o Programa Brasil Vale Ouro permite que seus participantes experimentem suas potencialidades e limites no processo de construção coletiva das aulas. Além disso, incentiva a criação de uma cultura esportiva nos municípios e territórios em que o Programa é implementado, criando condições para a identificação e o desenvolvimento de possíveis talentos. 9 Os princípios do olimpismo, adotados pela educação olímpica, regulam todo o conjunto de elementos que sustentam e integram o projeto olímpico da educação de valores relacionados com bons exemplos e respeito pelo próximo, bem como pelos princípios éticos universais do entendimento mútuo e do espírito da amizade, da liberdade, da solidariedade e do fair play, abordados no caderno 10 desta série, intitulado Valores no esporte.

15 4. Objetivos 4.1. Objetivo geral O objetivo geral do Programa Brasil Vale Ouro consiste em promover o esporte como fator de inclusão social de crianças e adolescentes, incentivando o desenvolvimento humano, a formação cidadã e a disseminação de uma cultura esportiva nas comunidades Objetivos específicos São objetivos específicos do Programa Brasil Vale Ouro: criar oportunidades para a inserção e a prática dos esportes; oferecer instalações e equipamentos adequados à prática das modalidades esportivas nas comunidades em que o Programa Brasil Vale Ouro é desenvolvido, contemplando as diferentes dimensões do esporte (item 5.1 deste documento); manter profissionais permanentemente qualificados, por meio da formação, da orientação, da supervisão e do acompanhamento contínuos; envolver as escolas, os grupos familiares e as comunidades no Programa; engajar as redes de ensino em um esforço conjunto visando ao aprimoramento do desempenho educacional de seus participantes; disponibilizar um processo de qualificação técnica (capacitação) para os profissionais do Programa e demais parceiros do Programa; contribuir para a definição e a qualificação de indicadores sociais esportivos locais; sensibilizar as autoridades no sentido de fortalecer as políticas públicas de fomento ao esporte; realizar e apoiar eventos, locais e nacionais, relacionados ao esporte; apoiar iniciativas locais de inclusão social por meio do esporte, alinhadas aos preceitos do Programa Brasil Vale Ouro; ampliar o repertório motor e as possibilidades de vivência esportiva dos participantes do Programa. 15 Além desses objetivos, as seguintes situações podem ser identificadas como consequências positivas do Programa: identificação e encaminhamento de alunos com potenciais talentos esportivos que se destacarem no contexto do Programa; contribuição para formar e aprimorar técnica e profissionalmente a mão de obra esportiva do país; contribuição para o desenvolvimento do legado esportivo brasileiro junto aos territórios em que o Programa está implantado e em desenvolvimento.

16 5. Características e organização As características e os principais aspectos da organização do Programa Brasil Vale Ouro são expostos nos itens a seguir: 16 Público-alvo prioritário crianças e adolescentes de 6 a 17 anos 10, matriculados em escolas das redes de ensino locais; Atividades e modalidades inicialmente indicadas: º de 6 a 9 anos os participantes têm acesso a atividades multiesportivas 11, em que poderão ampliar seu repertório motor por meio da vivência de quatro famílias de habilidades esportivas: esportes terrestres, esportes com bola, esportes gímnicos ou de lutas, e esportes aquáticos; º de 10 a 17 anos os participantes passam para atividades voltadas à iniciação, ao desenvolvimento e ao aprimoramento esportivo, realizando a opção pelas modalidades natação, atletismo ou futebol; Equipe multidisciplinar composta por coordenadores de esporte, professores e estagiários de educação física, instrutores e monitores de esportes (incluindo ex-atletas), psicólogos, pedagogos e/ou assistentes sociais; Admissão dos participantes é embasada em um processo pedagogicamente elaborado, coerente com os objetivos e propósitos do Programa 12 e com cada núcleo do Brasil Vale Ouro, definindo e divulgando os critérios de priorização e os procedimentos estabelecidos para tal finalidade; Projeto pedagógico visa a integrar saberes, competências e habilidades esportivas aos conhecimentos das ciências naturais e humanas, promovendo o desenvolvimento integral dos indivíduos; Organização do processo didático-pedagógico em até três níveis de evolução do esporte: Nível 1 (T1) Iniciação Esportiva; Nível 2 (T2) Desenvolvimento Esportivo; e Nível 3 (T3) Aprimoramento Esportivo. Cada nível de evolução esportiva é composto de, no mínimo, dois ciclos de aprendizagem anual, sendo o Ciclo 1 correspondente ao primeiro semestre, e o Ciclo 2 correspondente ao segundo semestre do ano. Cada ciclo conta com uma carga horária estimada de 72 (setenta e duas) horas-aula, para cada turma. Essa organização pode ser visualizada no esquema apresentado na Figura 2, a seguir. 10 É desejável que haja a oferta de atividades orientadas para outras faixas etárias, de forma a envolver também as famílias e as comunidades. 11 O multiesporte é compreendido como a primeira fase de aprendizagem e de formação do repertório motor e esportivo dos participantes do Programa Brasil Vale Ouro, e tem como objetivo contribuir para a ampliação do repertório motor e esportivo de crianças de 6 a 9 anos, por meio da vivência nas famílias de habilidades esportivas (esportes terrestres, esportes com bola, esportes gímnicos ou de lutas, e esportes aquáticos). Essa vivência é desenvolvida por meio de atividades ampliadas e compatíveis com os níveis de evolução esportiva e as fases de aprendizagem de cada faixa etária, e utiliza-se de uma metodologia que privilegia o ludismo em diferentes contextos e situações de jogo. 12 As especificações desse processo poderão ser encontradas no capítulo 6, que especifica as diretrizes para o processo de seleção dos participantes do Programa Brasil Vale Ouro.

17 Figura 2. Esquema representativo da linha do tempo com o indicativo das fases de aprendizagem e dos níveis de evolução esportiva do Programa Nivel de aprendizagem 3 T3 (ênfase na dimensão do rendimento) Aprimoramento esportivo mediante detecção de talentos em potencial Nivel de aprendizagem 2 T2 (ênfase nas dimensões educacional e de participação) Desenvolvimento esportivo Multiesporte te Nivel de aprendizagem em 1 T1 (vivência ampliada de movimentos) ment os) (ênfase na dimensão educacional) Iniciação iação aos esportes Nivel de aprendizagem 1 T1 (ênfase na dimensão educacional) Iniciação esportiva Adaptação Adequação 1ª fase de aprendizagem do Programa (6 a 9 anos ampliação do repertório motor) 2ª fase de aprendizagem do Programa (10 a 17 anos escolha por uma modalidade) Organização das turmas, aulas e horários considerando que as atividades são realizadas no contraturno escolar, elas são distribuídas de 2 (duas) a 4 (quatro) vezes durante a semana, de forma a abordar aspectos motores e cognitivos, conteúdos técnico-esportivos, valores de condutas e interação social (fair play, solidariedade, integração etc.). São oferecidas atividades de, no mínimo, 1 (uma) hora e de, no máximo, 3 (três) horas diárias para cada um dos participantes do Programa, conforme as diferentes faixas etárias, fases de aprendizagem e níveis de evolução. A definição do quantitativo de alunos por turma considera as especificidades de cada uma das fases do Programa, assim como de cada uma das modalidades oferecidas na segunda fase, seus três níveis de evolução e a disponibilidade de espaço físico em cada comunidade; Benefícios aos participantes do Programa ampliação do repertório motor e esportivo, acesso à prática esportiva de qualidade, atendimento por profissionais qualificados, apoio nutricional, uniformes, participação em atividades e eventos esportivos internos e externos, bem como em competições oficiais (estaduais, regionais e nacionais); Atividades complementares são promovidas de acordo com as peculiaridades e as parcerias estabelecidas com organizações locais de cada território, de forma a apresentar novas possibilidades aos participantes do Programa e potencializar as oportunidades para sua efetiva inclusão social. São exemplos dessas atividades: cursos de idiomas, aulas de informática, projetos de inserção no mercado de trabalho e oficinas culturais, entre outras; Oficinas de Convivência e Cidadania são encontros temáticos, organizados por faixa etária, com a finalidade de ampliar o repertório de escolhas pessoais e coletivas, além de promover a apropriação de conteúdos e conceitos orientadores da convivência social. Alguns temas abordados são: cuidados com o corpo, autoimagem, educação sexual, gênero, gravidez na adolescência e direitos humanos; Oficinas de Pedagogia da Cooperação e Jogos Cooperativos são encontros oferecidos a todos os profissionais do Programa, com o objetivo de trabalhar os princípios e valores do esporte para o desenvolvimento humano; 17

18 Material didático e esportivo de qualidade elaborado sob a orientação de especialistas da área de esporte e a chancela da UNESCO, podendo ser extensível a professores da rede pública de ensino dos territórios em que o Programa é desenvolvido; Formação esportiva de qualidade constituída por aulas práticas e teóricas que têm como objetivo apresentar aos professores e aos alunos os fundamentos de cada modalidade e ampliar suas capacidades motoras, propiciando um ciclo evolutivo de aprendizado que, como consequência, oferece a base para o desenvolvimento de potenciais atletas Dimensões do esporte e sua relação com as fases de aprendizagem e os níveis de evolução esportiva do Programa 18 Tendo como referência a Política Nacional de Esporte (BRASIL. Ministério do Esporte, 2006), as atividades oferecidas pelo Programa Brasil Vale Ouro estruturam-se em um projeto pedagógico único, que visa a associar e integrar as três dimensões do esporte (educacional, de participação e de rendimento), com vistas ao desenvolvimento de competências e habilidades, gerais e específicas de cada uma delas Dimensão educacional Em sua dimensão educacional, o Brasil Vale Ouro tem como objetivo promover a iniciação aos esportes, permitindo que os participantes usufruam das oportunidades educativas do Programa. Essa dimensão caracteriza-se pela oferta de vivências esportivas (multiesporte) integradas a outras áreas do conhecimento, de forma a permitir a formação ampliada e integral dos participantes por meio da abordagem de diferentes conteúdos e valores, e da criação de possibilidades de interação e de interlocução: entre alunos e profissionais, alunos e alunos, alunos e famílias, e famílias e profissionais, entre outras. Nesta dimensão, não se vislumbra a formação de atletas, mas de apreciadores e conhecedores do esporte, bem como de disseminadores dos benefícios da prática esportiva para a qualidade de vida das pessoas e de suas comunidades. O esporte educacional é priorizado pelo Programa Brasil Vale Ouro, sendo comum às crianças e aos adolescentes que ingressam nas atividades esportivas, de forma que todos possam vivenciar amplamente as modalidades oferecidas. Desse modo, proporciona-se o aprendizado da técnica e da tática esportivas, o desenvolvimento de habilidades, capacidades e valores individuais e coletivos, assim como sua exploração e possível ressignificação na relação com o grupo e com a sociedade. Nesse processo, os participantes poderão conhecer, vivenciar e aprender, na primeira fase do Programa, um amplo repertório motor e, a partir da segunda fase, a modalidade esportiva escolhida, de forma organizada, orientada e consciente. Com isso, ele vai adquirir um bom repertório e o correto domínio sobre as técnicas e provas específicas da modalidade praticada, assim como princípios e valores importantes para o esporte e para suas vidas Dimensão de participação Em sua dimensão de participação, o Brasil Vale Ouro oferece diversas atividades à população local dos territórios, como, por exemplo, caminhadas orientadas, aulas de alongamento, festivais de esporte e gincanas, além de eventos esportivos em datas específicas e comemorativas.

19 Nesta dimensão, o esporte é vivenciado em sua vertente de lazer, como fator de promoção da qualidade de vida, considerando as diferentes faixas etárias dos participantes, que devem se inscrever conforme o tipo de atividades e o perfil das turmas organizadas. Isso faz com que familiares dos participantes do Programa e a comunidade local possam ter acesso às ações promovidas pelo Programa em seu território. A partir desse trabalho, as atividades passam a ser vistas pelos participantes como algo que deve estar presente no seu dia a dia, de forma organizada e orientada por profissionais habilitados e qualificados. O oferecimento das atividades considera os interesses e as demandas da comunidade, nas diferentes faixas etárias, abrangendo também jovens, adultos e idosos Dimensão de rendimento Em sua dimensão de rendimento, o Programa Brasil Vale Ouro oferece atividades específicas de aperfeiçoamento esportivo aos participantes que apresentarem algum potencial esportivo diferenciado, no decorrer do processo educacional de desenvolvimento e de aprendizagem pelo esporte. Entende-se o rendimento como uma consequência das demais práticas de esporte, nas diferentes dimensões, fases de aprendizagem e níveis de evolução, anteriormente indicados no Programa Brasil Vale Ouro, de forma que os participantes que se destacarem como potenciais talentos na(s) modalidade(s) oferecida(s) pelo Programa possam contar com uma infraestrutura específica de profissionais qualificados para a preparação de equipes locais de esporte. Esses atletas e equipes, por sua vez, poderão vir a representar os territórios em eventos e/ou ações específicas. Nesta dimensão, o processo de aprendizagem dos participantes é trabalhado e organizado na segunda fase do Programa, nos Níveis 2 e 3 (T2 e T3 Desenvolvimento e Aprimoramento Esportivo), conforme representado nas Figuras 2 (acima) e 3 (abaixo), com vistas a desenvolver os potenciais talentos esportivos dentro das parcerias estabelecidas com as federações, confederações e com o próprio Ministério do Esporte. Após os participantes do Programa terem vivenciado a Iniciação Esportiva no Nível 1 (T1), aqueles que apresentarem algum potencial para o desempenho esportivo necessário à modalidade escolhida no âmbito do Programa poderão ser orientados e conduzidos para os Níveis 2 e 3 (T2 e T3), de Desenvolvimento e Aprimoramento e Esportivo propriamente ditos, com possibilidades para a formação de talentos. Para isso, o Nível 2 (T2 Desenvolvimento Esportivo) tem como objetivo oferecer a oportunidade de desenvolvimento e de aperfeiçoamento das técnicas, com base na modalidade na qual o participante se destaca, e por meio da ampliação do grau de dificuldade apresentado no Nível 1 (T1 Iniciação Esportiva). O Nível 3 (T3 Aprimoramento Esportivo) tem como objetivo oferecer a oportunidade de aprimorar a técnica esportiva, com base na modalidade na qual o participante apresenta potencial de desenvolvimento. Portanto, nesta dimensão, compreendida como consequência possível do processo de educação pelo esporte, priorizado pelo Programa Brasil Vale Ouro, tem-se como objetivo constituir uma rede de apoio e de desenvolvimento de atletas. Cabe destacar que, mesmo que o alto rendimento possa ser desfrutado por um percentual muito pequeno de participantes do Programa Brasil Vale Ouro, como observado na Figura 3 (abaixo), essa dimensão do esporte seguramente também 19

20 apresenta potencial para transformar a vida de seus praticantes, servindo de motivação e de exemplo para tantos outros que têm no esporte uma oportunidade digna de desenvolvimento humano. Com isso, entende-se que o Programa Brasil Vale Ouro também pode contribuir para o desenvolvimento do esporte nacional, por meio da formação de cidadãos, do desenvolvimento e da formação de profissionais da área, e do apoio a potenciais talentos esportivos, promovendo assim o esporte nas dimensões educacional, de participação e de rendimento e, ao mesmo tempo, agregando valor às comunidades em que ele é implantado. Por fim, justifica-se a organização deste Programa, compreendido como um espaço do território para a construção de saberes, oportunidades e participação, e que não pode, nesse caso, restringir o esporte à seleção e à detecção de talentos: isso é uma consequência natural de um processo muito mais amplo de desenvolvimento humano e social, representado pela Figura 3, a seguir. Figura 3. Representação do Programa Brasil Vale Ouro 1ª fase 2ª fase T3 2% 20 Multiesporte t e T1 = 100% T1 75% T2 23% 2 % Multiesporte Ingresso de 100% dos selecionados Iniciação aos esportes (T1) Ingresso de 100% dos selecionados Desenvolvimento e aprimoramento: T2 até 23% dos selecionados T3 até 2% dos selecionados Essa figura mostra a forma de organização do Programa Brasil Vale Ouro, em duas fases de aprendizagem e em três níveis de evolução esportiva, indicando a participação progressiva e a evolução dos seus participantes Organização das turmas A seguir, são apresentadas as orientações pedagógicas para a organização das turmas do Programa, conforme a dimensão do esporte priorizada em cada nível de evolução esportiva. No multiesporte (de 6 a 9 anos), primeira fase de aprendizagem do Programa, estima-se um atendimento de 15 (quinze) a 30 (trinta) participantes por turma. Na segunda fase, no Nível 1 (T1 Iniciação Esportiva), estima-se o número de 15 (quinze) a 30 (trinta) participantes por turma, conforme a modalidade. Por fim, no Nível 2 (T2 Desenvolvimento Esportivo) poderão ser identificados os potenciais talentos esportivos, que serão trabalhados até sua passagem para o Nível 3 (T3 Aprimoramento Esportivo), em que a capacidade das turmas não deve ultrapassar 20 (vinte) alunos, considerando as especificidades das diferentes modalidades, uma vez que elas demandam atendimento mais personalizado.

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano

Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano Encontro de Capacitação Programa Segundo Tempo Esporte, Paz e Desenvolvimento Humano Brasília, 12 de abril de 2007 O Esporte no contexto das ações da UNESCO A ONU incumbiu a UNESCO de coordenar o tratamento

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição

Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Cartilha de conceitos e passo a passo para inscrição Projeto PNE Sports Foto: André Valentim / Banco de Imagens Petrobras ÍNDICE APRESENTAÇÃO 06 INSCRIÇÃO 12 Passo a passo para Inscrição 13 TECNOLOGIA

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT Dispõe sobre os critérios para atribuição do professor articulador e professor da sala de recursos multifuncionais

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Centro Educacional Pró-Hope

Centro Educacional Pró-Hope Centro Educacional Pró-Hope A escola da Casa Hope As pessoas que são atendidas pela Instituição sofrem com a carência financeira, a doença e o afastamento da rede familiar e social de apoio. Tudo isso

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Ref.: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO TRANSPORTE ITL CNT

Ref.: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO TRANSPORTE ITL CNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE TERRESTRE DE PASSAGEIROS SAUS Quadra 1 Bloco J Edifício CNT 8º andar Entrada 10/20 Torre A / CEP 70070-944 Brasília DF T.: + 55 (61) 3322-2004 F.: + 55

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011

PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2011 Junho/2011 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. QUEM PODERÁ CONCORRER... 3 3. QUE TIPOS DE PROJETO PODERÃO SER APOIADOS... 4 4. QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e

ESPAÇO TRANSFORMADOR. Institucionalizado para a Comunidade. Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e ESPAÇO TRANSFORMADOR Transformação Baseada na tomada de consciência, na descoberta e na mudança de atitudes e comportamentos e especialmente na construção e aplicação dos conhecimentos apreendidos. Organização

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais