ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007"

Transcrição

1 ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007 A Arma de Artilharia no Exército Brasileiro é dividida em Artilharia Antiaérea e Artilharia de Campanha. A de Campanha é assim definida: A Artilharia de campanha é o principal meio de apoio de fogo da Força Terrestre. Suas unidades e subunidades podem ser dotadas de canhões, obuses, foguetes ou mísseis. Tem por missão apoiar a arma-base pelo fogo, destruindo ou neutralizando os alvos que ameacem o êxito da operação. A artilharia antiaérea, componente terrestre da defesa aeroespacial ativa, realiza a defesa antiaérea de forças, instalações ou áreas. A artilharia de costa participa da defesa contra operações navais inimigas em áreas marítimas próximas ao litoral ou em águas interiores. Suas características são a precisão e a rapidez, para destruir ou neutralizar as instalações, os equipamentos e as tropas inimigas localizadas em profundidade no campo de batalha. 1 Sua classificação é Quanto ao tipo, Quanto ao calibre e Quanto ao transporte. Quanto ao tipo classifica-se em Artilharia de tubo e Artilharia de mísseis ou de foguetes, sendo que a de tubo compreende canhões, obuseiros e morteiros, que são assim definidos: Canhões: Têm tubo relativamente longo e grande velocidade inicial, operando em pequenos ângulos de elevação; Obuseiros Têm tubo de comprimento médio e velocidade inicial média, podendo operar com grandes ângulos de elevação; Morteiros de 120 mm Têm tubo de comprimento médio e velocidade inicial reduzida, operando com grandes ângulos de elevação. Quanto ao calibre classificam-se em Leves até 120 mm, inclusive; Médios acima de 120 até 160 mm, inclusive; Pesados acima de 160 até 210 mm, inclusive, embora os morteiros de 120 mm sejam considerados pesados. Muito pesados acima de 210 mm. (não usado mais na atualidade). 1 In

2 A artilharia de mísseis ou de foguetes compreende os lançadores de mísseis e os lançadores múltipos de foguetes. Quanto ao transporte a Artilharia de Campanha classifica-se em auto-rebocada, quando tracionada por viaturas e autopropulsada, montada permanentemente sobre reparo constituído pela própria viatura. Pode ainda ser transportada por meios não orgânicos, em rodovias, ferrovias ou aquavias; quando transportada pelo ar, classifica-se em Helitransportada, transportada por helicópteros e colocada no terreno de forma que permita seu emprego imediato e Aerotransportada, possui capacidade de ser transportada por aviões até seu destino ou lançada em pára-quedas. Os principais equipamentos em uso atualmente no país são: Obuseiro leve 105 mm L-118 Light Gun auto rebocado, com alcance de 17 km, de fabricação Inglesa; Obuseiro leve 105 mm M-101 auto rebocado, com alcance de 10 km, de fabricação Obuseiro leve 105 mm M-56 Oto Melara auto rebocado, com alcance de 10 km, de fabricação Italiana; Obuseiro l55 mm M-114 auto rebocado, com alcance de 19 km, de fabricação Obuseiro autopropulsado 105 mm M-108, de fabricação Obuseiro autopropulsado 155 mm M-109, com alcance de 23,5 km, de fabricação Sistema Universal de Foguetes de Artilharia para Saturação de Área ASTROS II, com alcance entre 30 a 60 km, dependendo do calibre, de fabricação brasileira; Canhão Anticarro SR 84 mm M-3 Carl Gustav, de fabricação Sueca e Morteiro pesado raiado de 120 mm M2-R auto rebocado, com alcance de até 13 km, dependendo da munição, de fabricação brasileira, empregados nos Grupo de Artilharia de Campanha Leve, de Selva e Pára-quedistas, quando pelo menos uma de suas baterias de obuses é composta por estes morteiros. Obuseiros auto rebocado 155 mm M-114 do 20º GAC de Jundiaí, SP, à esquerda. Á direita Obuseiro autopropulsado 155 mm M-109 (Fotos: autor)

3 Obuseiro leve 105 mm M-56 Oto Melara, à esquerda, e à direita Obuseiro leve 105 mm L-118 Light Gun, ambos auto rebocados. (Fotos: autor) Obuseiro leve 105 mm M-101 auto rebocado, à esquerda. À direita, morteiro raiado de 120mm, fabricados pelo Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro e a munição pela Imbel JF. (Fotos: autor) Obuseiro autopropulsado M-108 de 105mm. (Foto: Exército Brasileiro) Vale salientar que o Sistema Universal de Foguetes de Artilharia para Saturação de Área ASTROS II, denominado Lançador Múltiplo de Foguetes ASTROS II e o Morteiro raiado de 120 mm são de fabricação nacional, sendo o

4 primeiro produzido e exportado a diversos países pela Avibrás Aeroespacial S/A e o morteiro pelo Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro AGR. Lançador Múltiplo de Foguetes ASTROS II do Exército Brasileiro, à esquerda e prontos para embarcarem para a Malásia, à direita. (Fotos: Avibrás) Está organizada em diferentes níveis de comandos, denominados escalões de artilharia, a saber: Bateria de Obuses (Bia O); Grupo de Artilharia de Campanha (GAC); Agrupamento-Grupo (Agpr-Gp); Artilharia Divisionária (AD) e Artilharia de Exército (AE). A bateria de Lançadores Múltiplos de Foguetes Astros II, em função de suas características é a única que é mantida subordinada diretamente a Artilharia Divisionária (AD), estando as demais organizadas em Grupo de Artilharia de Campanha GAC, que englobam o Leve, Selva e Pára-quedistas, que em situação de necessidade podem muito bem ser orgânico à Brigada, Artilharia Divisionária (AD) e Artilharia de Exército (AE). As últimas aquisições da Artilharia de Campanha foram os 37 Obuseiros autopropulsados de 155 mm M-109 da empresa Belga Sabiex, Obuseiros italianos leves de 105 mm M-56 Oto Melara auto rebocado e mais de 100 morteiros pesados de 120 mm, produzidos no Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro, nos últimos quatro anos. Atualmente a IMBEL, em sua fábrica de Juiz de Fora, está produzindo munições de 105 mm para os canhões M-101 e M-56 auto rebocados, bem como para o morteiro raiado de 120 mm, estando em desenvolvimento uma versão com propulsão adicional, o que dará um alcance superior a 12 km de distância. Possui também capacidade para produzir munições de 155 mm para o Obuseiro M-114 auto-rebocado, enquanto que a munição do obuseiro 105 mm L-118 Light-Gun está sendo produzida pela fábrica de munições da Marinha, a antiga FI.

5 À esquerda - Diversas etapas da fabricação na IMBEL-JF do corpo da granada, da esquerda para a direita e de cima para baixo, 90mm, morteiro 120mm e 105mm. À direita diversos corpos de granada 105mm recebendo acabamento.(fotos: autor) Desenvolvimento da munição do morteiro raiado de 120 mm e a munição com propulsão adicional. (Fotos: autor) A Artilharia de Campanha tem por missão geral apoiar a força pelo fogo, destruindo ou neutralizando os alvos que ameacem o êxito da operação e é de vital importância para o Exército num país de dimensões continentais como é o caso do Brasil, daí a importância estratégica em manter e modernizar não só os meios como também todo o setor de produção.

uma realidade brasileira

uma realidade brasileira uma realidade brasileira OBUSEIRO AUTOPROPULSADO M-109 A3 Expedito Carlos Stephani Bastos A Artilharia de Campanha tem por missão geral apoiar a força pelo fogo, destruindo ou neutralizando os alvos que

Leia mais

OBUSEIRO AUTOPROPULSADO M-109 A3 Maior alcance para a artilharia brasileira

OBUSEIRO AUTOPROPULSADO M-109 A3 Maior alcance para a artilharia brasileira OBUSEIRO AUTOPROPULSADO M-109 A3 Maior alcance para a artilharia brasileira Entre 1999 e 2001 a Artilharia no Exército Brasileiro foi reforçada pela aquisição de 37 Viaturas Blindadas Obuseiro Autopropulsada

Leia mais

ARSENAL DE GUERRA DE SÃO PAULO 50 ANOS DE DESAFIOS

ARSENAL DE GUERRA DE SÃO PAULO 50 ANOS DE DESAFIOS ARSENAL DE GUERRA DE SÃO PAULO 50 ANOS DE DESAFIOS 1957 2007 No último dia 21 de maio do corrente o Arsenal de Guerra de São Paulo AGSP comemorou seu cinqüentenário, embora a festa propriamente dita se

Leia mais

O CURSO DE COMANDANTE DE UNIDADE DE ARTILHARIA NO EXÉRCITO ALEMÃO

O CURSO DE COMANDANTE DE UNIDADE DE ARTILHARIA NO EXÉRCITO ALEMÃO O CURSO DE COMANDANTE DE UNIDADE DE ARTILHARIA NO EXÉRCITO ALEMÃO Posto/Graduação do autor: Capitão Nome completo do autor: MARCUS EMANUEL AZEVEDO BEZERRA OM do autor: Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais

Leia mais

A DEFESA NO BRASIL EM 2005 Um breve olhar

A DEFESA NO BRASIL EM 2005 Um breve olhar A DEFESA NO BRASIL EM 2005 Um breve olhar O ano de 2005 trouxe algumas novidades para a área de Defesa no Brasil, muito embora não cubram todas as nossas necessidades, que são enormes, representam em alguns

Leia mais

A Artilharia de Campanha da Brigada de Infantaria Mecanizada: Um estudo sobre seu obuseiro

A Artilharia de Campanha da Brigada de Infantaria Mecanizada: Um estudo sobre seu obuseiro A Artilharia de Campanha da Brigada de Infantaria Mecanizada: Um estudo sobre seu obuseiro Por Major André Mendes Pereira de Paula O presente artigo tem o propósito de apresentar as principais características

Leia mais

LANÇADOR DE FOGUETES XLF-40 A ARTILHARIA SOBRE LAGARTAS

LANÇADOR DE FOGUETES XLF-40 A ARTILHARIA SOBRE LAGARTAS LANÇADOR DE FOGUETES XLF-40 A ARTILHARIA SOBRE LAGARTAS Este lançador de foguetes, sobre um carro de combate leve, confundido como lançador de mísseis, foi desenvolvido em 1976 pelo IPD (Instituto de Pesquisa

Leia mais

Contempla todos os materiais em uso pelo Exército Brasileiro:

Contempla todos os materiais em uso pelo Exército Brasileiro: Linhas Gerais Simulador de Artilharia de Campanha Ensino, Instrução, Adestramento e Avaliação Contempla todos os subsistemas de Artilharia: Linha do Fogo, Observação, Busca de Alvos, Topografia, Meteorologia,

Leia mais

GAÚCHO 4x4 BLINDADO UMA NOVA VERSÃO ARGENTINA

GAÚCHO 4x4 BLINDADO UMA NOVA VERSÃO ARGENTINA GAÚCHO 4x4 BLINDADO UMA NOVA VERSÃO ARGENTINA No SIMPÓSIO DE INVESTIGACIÓN Y PRODUCCIÓN PARA LA DEFENSA - SIMPRODE, ocorrido em Buenos Aires no período de 20 a 24 de outubro de 2004, foi anunciado o acordo

Leia mais

VEÍCULO BLINDADO MODULAR PATRIA AMV 8x8 NO BRASIL

VEÍCULO BLINDADO MODULAR PATRIA AMV 8x8 NO BRASIL VEÍCULO BLINDADO MODULAR PATRIA AMV 8x8 NO BRASIL Em solenidade ocorrida hoje, 05 de março de 2004, no ARSENAL DE GUERRA DE SÃO PAULO AGSP está sendo apresentado oficialmente para o Exército Brasileiro

Leia mais

Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice

Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice Possibilidades futuras dentro das transformações do Sistema de Ciência e Tecnologia do Exército Brasileiro: uma visão da tríplice hélice Gen Bda Helio de Assis Pegado Diretor de Fabricação SUMÁRIO A Diretoria

Leia mais

UNIMOG U 2450 L 6x6 do CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS

UNIMOG U 2450 L 6x6 do CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS UNIMOG U 2450 L 6x6 do CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS UNIMOG é hoje um nome muito representativo de uma família de veículos para diversas funções, inclusive militar, que surgiu no pós segunda guerra mundial

Leia mais

COLÔMBIA - BLINDADOS BRASILEIROS EM SITUAÇÃO REAL DE COMBATE

COLÔMBIA - BLINDADOS BRASILEIROS EM SITUAÇÃO REAL DE COMBATE COLÔMBIA - BLINDADOS BRASILEIROS EM SITUAÇÃO REAL DE COMBATE Os principais blindados sobre rodas em operações militares executados pelo Exército da Colômbia continuam a ser os remanescentes dos 6x6 ENGESA,

Leia mais

CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA

CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA CAMINHÃO CANDIRU 1 4x4 UMA SOLUÇÃO BRASILEIRA A capacidade brasileira em adaptar e até mesmo em modificar veículos militares é bem antiga, remonta ao início da motorização do Exército Brasileiro em meados

Leia mais

PRODUÇÃO DE ITENS PARA LAGARTAS DE BLINDADOS UM BREVE HISTÓRICO NO BRASIL

PRODUÇÃO DE ITENS PARA LAGARTAS DE BLINDADOS UM BREVE HISTÓRICO NO BRASIL PRODUÇÃO DE ITENS PARA LAGARTAS DE BLINDADOS UM BREVE HISTÓRICO NO BRASIL O uso de lagartas com sapatas de borracha em veículos blindados, no Brasil, começou no início dos anos de 1940, quando foram adquiridos

Leia mais

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO Cezar Carriel Benetti, Major de artilharia; Aluno do 2º ano do Curso de Comando e Estado-Maior da ECEME. Mestre em Operações Militares (EsAO) e especialista

Leia mais

SEIS NOVOS BLINDADOS UTURU PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO

SEIS NOVOS BLINDADOS UTURU PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO SEIS NOVOS BLINDADOS UTURU PARA O EXÉRCITO BRASILEIRO O Exército Brasileiro acaba de adquirir seis blindados EE-11 URUTU 6x6, praticamente zero quilômetros, remanescentes do último lote que se encontrava

Leia mais

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS - DÉCADA DE 70

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS - DÉCADA DE 70 PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS - DÉCADA DE 70 Nos anos 70 o Exército Brasileiro através do Parque Regional de Motomecanização da 2º Região Militar de São Paulo PqRMM/2 e em parceria

Leia mais

Ministro da Defesa conhece projetos estratégicos durante visita ao Quartel-General do Exército

Ministro da Defesa conhece projetos estratégicos durante visita ao Quartel-General do Exército Ministro da Defesa conhece projetos estratégicos durante visita ao Quartel-General do Exército Por Adriana Fortes Ascom MD Durante visita nesta quinta-feira (13) ao Quartel-General do Exército, em Brasília

Leia mais

DE SUCATA A MONUMENTO A RESTAURAÇÃO DE BLINDADOS M-8

DE SUCATA A MONUMENTO A RESTAURAÇÃO DE BLINDADOS M-8 DE SUCATA A MONUMENTO A RESTAURAÇÃO DE BLINDADOS M-8 Depois de longos anos de abandono em um pátio de sucatas e prestes a serem reciclados, dois blindados 6x6 M-8 Greyhound renascem das cinzas como uma

Leia mais

Uma Munição Inteligente para o Morteiro 120 mm

Uma Munição Inteligente para o Morteiro 120 mm DESENVOLV IMENTO E TECNOLOGIA Uma Munição Inteligente para o Morteiro 120 mm EdisonM(Jdesfo Penna* 1. ANTECEDENTES: O Instituto de Pesquisa e Desen-. volvimento do Exército (IPD) vem. há vários anos desenvolvendo

Leia mais

O ESTRANHO TRATOR M-5 NA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA 1944/45

O ESTRANHO TRATOR M-5 NA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA 1944/45 O ESTRANHO TRATOR M-5 NA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA 1944/45 Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em 1942, o Exército Brasileiro passou a receber equipamentos motomecanizados, modernos,

Leia mais

Centro Tecnológico do Exército

Centro Tecnológico do Exército 52º. FÓRUM DE DEBATES PROJETO BRASIL TECNOLOGIA MILITAR: P&D NO EXÉRCITO 27 Nov 07 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL MISSÃO E VISÃO DE FUTURO CTEx PRIORIDADES DE P&D DO EXÉRCITO VIATURAS DEFESA ANTIAÉREA RADAR

Leia mais

ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL

ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL ASSESSSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO PARTICIPAÇÃO DO EXÉRCITO NA ESTRUTURAÇÃO DA BID/BRASIL Março 2016 1 2 ASSESSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO 3 ASSESSORIA ESPECIAL DO COMANDO DO EXÉRCITO

Leia mais

As armas apreendidas no Estado do Rio de Janeiro e rastreadas até instituições do Estado

As armas apreendidas no Estado do Rio de Janeiro e rastreadas até instituições do Estado As armas apreendidas no Estado do Rio de Janeiro e rastreadas até instituições do Estado Deputado Raul Jungmann Subcomissão Especial de Controle de Armas e Munição (SUBCOMARM) Câmara dos Deputados Análise:

Leia mais

DODGE 6x6 WC- 63 DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA

DODGE 6x6 WC- 63 DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA DODGE 6x6 WC- 63 DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA 1944 1945 Em 1943 a Dodge que era uma divisão da Chrysler Corporation desde 1928, desenvolveu uma gama variada de veículos 4x4 e 6x6 para atender as

Leia mais

Maior batalha de tanques da Segunda Guerra Mundial aconteceu há 70 anos

Maior batalha de tanques da Segunda Guerra Mundial aconteceu há 70 anos Maior batalha de tanques da Segunda Guerra Mundial aconteceu há 70 anos Há 70 anos, no dia 12 de julho de 1943, no campo de Prokhorovka, a 56 quilômetros para norte da cidade de Belgorod, teve lugar a

Leia mais

Desfile Cívico e Militar de Sete de Setembro terá apresentação de oito mil pessoas

Desfile Cívico e Militar de Sete de Setembro terá apresentação de oito mil pessoas Desfile Cívico e Militar de Sete de Setembro terá apresentação de oito mil pessoas São Paulo, 3 de setembro de 2015 A Prefeitura de São Paulo, por meio da São Paulo Turismo, realiza no próximo dia 7 de

Leia mais

Artigo Selecionado Artilharia Antiaérea do Exército dos Estados Unidos: tendências para o futuro e demandas atuais

Artigo Selecionado Artilharia Antiaérea do Exército dos Estados Unidos: tendências para o futuro e demandas atuais ARTIGO SELECIONADO Artigo Selecionado Artilharia Antiaérea do Exército dos Estados Unidos: tendências para o futuro e demandas atuais Maj Art Alexander Markel Cota Diniz Rodrigues [...] como reflexo da

Leia mais

A busca de alvos de artilharia de campanha pelo caçador orgânico dos batalhões de infantaria

A busca de alvos de artilharia de campanha pelo caçador orgânico dos batalhões de infantaria 7 A busca de alvos de artilharia de campanha pelo caçador orgânico dos batalhões de infantaria Capitão Ferreira* Resumo O emprego da equipe de caçadores e suas possibilidades na busca de alvos de artilharia

Leia mais

LUTA ANTI-CARRO CANHÃO SEM RECUO

LUTA ANTI-CARRO CANHÃO SEM RECUO ARMAMENTO E TIRO LUTA ANTI-CARRO CANHÃO SEM RECUO O peso como principal inconveniente do aumento do calibre Aumentando o calibre, aumenta-se, logicamente, o peso do projéctil do que resulta, um necessário

Leia mais

5_ SISTEMA COLONIAL DE DEFESA DO PORTO DE SANTOS

5_ SISTEMA COLONIAL DE DEFESA DO PORTO DE SANTOS 5_ SISTEMA COLONIAL DE DEFESA DO PORTO DE SANTOS Tudo começou com Martim Afonso de Souza (1532) determinando o início da construção de um fortim junto à Barra da Bertioga, origem do primeiro forte real

Leia mais

A EXPRESSÃO GRÁFICA APLICADA NA PREPARAÇÃO PARA O TIRO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA

A EXPRESSÃO GRÁFICA APLICADA NA PREPARAÇÃO PARA O TIRO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA A EXPRESSÃO GRÁFICA APLICADA NA PREPARAÇÃO PARA O TIRO DA ARTILHARIA DE CAMPANHA João Vanderlei da Silva Conceição UFPR - Universidade Federal do Paraná, Curso de Pós-graduação em Expressão Gráfica Simone

Leia mais

DESFILE MILITAR NO EQUADOR 24/Maio/2005

DESFILE MILITAR NO EQUADOR 24/Maio/2005 DESFILE MILITAR NO EQUADOR 24/Maio/2005 Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS). robertobertazzo@hotmail.com

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DIRETORIA DE EDUCAÇAO TECNICA MILITAR (C APERF ESP DO REALENGO/1945)

MINISTERIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DIRETORIA DE EDUCAÇAO TECNICA MILITAR (C APERF ESP DO REALENGO/1945) MINISTERIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DIRETORIA DE EDUCAÇAO TECNICA MILITAR (C APERF ESP DO REALENGO/1945) Quartel Palácio Duque de Caxias-RJ, 14 de Junho de 2016. ADITAMENTO DO BOLETIM INTERNO S/Nr

Leia mais

Carabina.22 à 25 metros

Carabina.22 à 25 metros Regulamento de Prova de Tiro Numero 3/2013 Carabina.22 à 25 metros FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Carabina.22 à 25 metros no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE

Leia mais

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS

PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS PROJETOS ALEMANHA BRASIL BLINDADOS SOBRE LAGARTAS PROPOSTAS APRESENTADAS - 1976 a 1978 Nos anos 70 o Exército Brasileiro através do Parque Regional de Motomecanização da 2º Região Militar de São Paulo

Leia mais

Brasil será protegido pelo Pantsir

Brasil será protegido pelo Pantsir Brasil será protegido pelo Pantsir Sistema Pantsir S-1 será usado para reforçar esquema de segurança durante eventos esportivos no Brasil assinatura Contratos para o fornecimento de sistemas de defesa

Leia mais

Rio 2016: 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea integra a defesa aeroespacial

Rio 2016: 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea integra a defesa aeroespacial Rio 2016: 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea integra a defesa aeroespacial A 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea, sediada no Guarujá (SP), integra a defesa aeroespacial do Rio de Janeiro durante os Jogos

Leia mais

Israel planeja acelerar introdução de caças F-35*

Israel planeja acelerar introdução de caças F-35* Israel planeja acelerar introdução de caças F-35* De acordo com fontes da imprensa de Israel, a Força Aérea daquele país planeja alcançar o status operacional pleno de seus aviões de combate Lockheed Martin

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP 10 DE NOVEMBRO DE 2010 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO REGULAMENTO DE PROVAS DE PISTOLA SPORT.45 ACP Artigo 1º Âmbito do Regulamento

Leia mais

PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA. CAlte PETRONIO Coordenador do PRM

PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA. CAlte PETRONIO Coordenador do PRM PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA CAlte PETRONIO Coordenador do PRM INTRODUÇÃO SUMÁRIO A IMPORTÂNCIA DAS ÁGUAS BRASILEIRAS O PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA CONSIDERAÇÕES FINAIS 2 de 27 BRASIL

Leia mais

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 Sendo o produto de maior êxito desenvolvido pela Avibrás, e o que mais lhe rendeu recursos, meio bilhão de dólares em exportações, o

Leia mais

super tucano Infográfico

super tucano Infográfico Infográfico Referência em Close Air Support O Super Tucano, designado pela Força Aérea Brasileira como A-29, é a mais perfeita combinação de capacitações de Treinamento (Básico e Avançado) e Ataque Leve,

Leia mais

Guia para dimensionamento

Guia para dimensionamento Guia para dimensionamento Válvulas Proporcionais e Servo-Válvulas. Guia para dimensionamento de Válvulas Proporcionais e Servo-válvulas. Palestra de Fevereiro de 2008. 1 Temos as seguintes perguntas: I.

Leia mais

Novos navios-tanque permitirão a marinha chinesa dar a volta ao mundo

Novos navios-tanque permitirão a marinha chinesa dar a volta ao mundo Novos navios-tanque permitirão a marinha chinesa dar a volta ao mundo A Marinha do Exército de Libertação Popular da China, agora tem um porta-aviões, caças novos para voar, novos submarinos e destróieres

Leia mais

Válvulas de Controle para Refrigeração Industrial

Válvulas de Controle para Refrigeração Industrial Válvulas de Controle para Refrigeração Industrial Catálogo CC-11c/US - Agosto 2010 ! ADVERTÊNCIA SELEÇÃO IMPRÓPRIA, FALHA OU USO IMPRÓPRIO DOS PRODUTOS E/OU SISTEMAS DESCRITOS NESTE CATÁLOGO OU NOS ITENS

Leia mais

Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30)

Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30) Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30) MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA Brasília-DF, 2 de maio de 2015. Avaria no Navio de Desembarque-Doca

Leia mais

MANUAL PARA USO DO FORMULÁRIO SUL- AMERICANO DE INVENTÁRIOS MILITARES (FOSIM) CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO 2015

MANUAL PARA USO DO FORMULÁRIO SUL- AMERICANO DE INVENTÁRIOS MILITARES (FOSIM) CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO 2015 MANUAL PARA USO DO FORMULÁRIO SUL- AMERICANO DE INVENTÁRIOS MILITARES (FOSIM) CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO 2015 (Versão otimizada: Modificações na Metodologia para Transparentar o Inventário Militar

Leia mais

AVIAÇÃO DO EXÉRCITO EQUATORIANO: PEQUENA, MAS EFICIENTE.

AVIAÇÃO DO EXÉRCITO EQUATORIANO: PEQUENA, MAS EFICIENTE. AVIAÇÃO DO EXÉRCITO EQUATORIANO: PEQUENA, MAS EFICIENTE. Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos - LAAHS. robertobertazzo@hotmail.com

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa

Indicador(es) Órgão(s) 52 - Ministério da Defesa Programa 0620 Adestramento e Operações Militares do Exército Justificativa O Exército Brasileiro tem a necessidade de instruir, adestrar os seus efetivos, formar e adestrar a reserva mobilizável, capacitar

Leia mais

Exércitos de Brasil e Argentina fortalecem laços com treinamento conjunto

Exércitos de Brasil e Argentina fortalecem laços com treinamento conjunto Exércitos de Brasil e Argentina fortalecem laços com treinamento conjunto As Forças Armadas da Argentina e do Brasil reforçaram os laços de cooperação ao participarem de exercícios de guerra simulada e

Leia mais

MIRAGE 2000 UM BOM NEGÓCIO?

MIRAGE 2000 UM BOM NEGÓCIO? MIRAGE 2000 UM BOM NEGÓCIO? Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) robertobertazzo@hotmail.com A compra de

Leia mais

48 anos dignificando o lema: Preparar, Lançar, Rastrear.

48 anos dignificando o lema: Preparar, Lançar, Rastrear. CENTRO DE LANÇAMENTO DA BARREIRA DO INFERNO 48 anos dignificando o lema: Preparar, Lançar, Rastrear. OBJETIVO Apresentar aos integrantes do V SBGEA e IV FoPI e público externo: as características da Operação

Leia mais

Apresentação ao COMDEFESA/FIERGS

Apresentação ao COMDEFESA/FIERGS Apresentação ao COMDEFESA/FIERGS Ten Cel Marcelo Ribeiro 01 Out 2013, Santa Maria, Brasil. OBJETIVO Apresentar o C I Bld e compreender as principais demandas da tropa blindada 1. Introdução 2. Nosso Centro

Leia mais

40 viaturas VLEGA Chivunk para o Exército Brasileiro em 2018

40 viaturas VLEGA Chivunk para o Exército Brasileiro em 2018 40 viaturas VLEGA Chivunk para o Exército Brasileiro em 2018 Por Roberto Caiafa Após a conclusão do período de testes do lote piloto (10 protótipos fabricados por R$ 3,2 milhões/us$ 1,3 milhões) no primeiro

Leia mais

APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO

APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO APÊNDICE 5 COMBATE DE MONTE CASTELO 21 Fev 1945 (Figura 1) 1. AMBIENTAÇÃO Perdurava, em Fev 1945, enorme saliente inimigo apoiado nos Montes Apeninos, coincidente com a área de responsabilidade do IV C

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento de Provas de Pistola Sport 9mm

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO. Regulamento de Provas de Pistola Sport 9mm FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Instituição de Utilidade Pública por Decreto de 14/10/1929 Instituição de Utilidade Pública Desportiva (D.R. 288 de 11/12/1993) Oficial da Ordem Militar de Cristo Medalha de

Leia mais

Lista de exercícios Função Quadrática

Lista de exercícios Função Quadrática Lista de exercícios Função Quadrática 1. Determine as raízes, os interceptos em relação ao eixo y e o vértice das parábolas: ) = 4 ) = +3 ) = 2 5+2 2. Determine os valores de para que a funções do 2 grau

Leia mais

Fluxo de trabalho reforçando o conceito das Suites

Fluxo de trabalho reforçando o conceito das Suites Fluxo de trabalho reforçando o conceito das Suites Andersson Beccari Mostrar o fluxo de trabalho com os vários produtos Autodesk, reforçando o conceito das SUITES. A ideia será mostrar o conceito inicial

Leia mais

CONECTORES ELÉTRICOS PARA VIATURAS MILITARES DIMENSÕES, LOCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO Padronização. 1 Objetivo... 1

CONECTORES ELÉTRICOS PARA VIATURAS MILITARES DIMENSÕES, LOCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO Padronização. 1 Objetivo... 1 NORMA DO EXÉRCITO BRASILEIRO CONECTORES ELÉTRICOS PARA VIATURAS MILITARES DIMENSÕES, LOCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO Padronização N E B / T Pd-13 A SUMÁRIO Página 1 Objetivo... 1 2 Normas e/ou Documentos Complementares...

Leia mais

O EMPREGO DO PRECURSOR PARAQUEDISTA COMO INTEGRANTE DO BATALHÃO DE INTELIGÊNCIA MILITAR NAS OPERAÇÕES DE RECONHECIMENTO

O EMPREGO DO PRECURSOR PARAQUEDISTA COMO INTEGRANTE DO BATALHÃO DE INTELIGÊNCIA MILITAR NAS OPERAÇÕES DE RECONHECIMENTO O EMPREGO DO PRECURSOR PARAQUEDISTA COMO INTEGRANTE DO BATALHÃO DE INTELIGÊNCIA MILITAR NAS OPERAÇÕES DE RECONHECIMENTO Alex da Silva Pereira 1. INTRODUÇÃO Durante o período entre guerras do século passado,

Leia mais

A Engenharia Mecânica nos Transportes Aéreos Drones - Veículos Aéreos Não Tripulados

A Engenharia Mecânica nos Transportes Aéreos Drones - Veículos Aéreos Não Tripulados A Engenharia Mecânica nos Transportes Aéreos Drones - Veículos Aéreos Não Tripulados Supervisor(es): Professora Ana Reis e Engenheiro João Duarte Monitor(es): Ana Dulce e Luís Faria Joana Manuel Polónia

Leia mais

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL Nos anos 70 diversos exércitos no mundo estavam a desenvolver uma família de veículos leves, versáteis e capazes de serem lançados de pará-quedas para apoiar operações que

Leia mais

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma

Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/2016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Processo Avaliativo AVP - 4º Bimestre/016 Disciplina: Física 1ª série EM A Data: Nome do aluno Nº Turma Atividade Avaliativa: entregar a resolução de todas as questões. 1. (Ita 016) A partir do repouso,

Leia mais

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm

Campeonato. Portugal. Pistola Sport 9mm Campeonato de Portugal de Pistola Sport 9mm Em vigor desde 01 de Janeiro de 2005 INTRODUÇÃO O Campeonato de Portugal com Armas de Ordenança perdeu as suas características próprias, as de um campeonato

Leia mais

1º Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas.

1º Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas. 1 ROTEIRO Transformação e alinhamento Estratégico Portfólio Estratégico do Exército (Ptf EE) Oportunidades e áreas de interação Defesa-Indústria-Academia Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional)

Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Universidade Federal Fluminense Física 1 / Física XVIII Lista 04 (Movimento Bi e Tridimensional) Questões: 1) No salto a distância, é importante a altura alcançada? Quais os fatores que determinam o alcance

Leia mais

Evolução da Arte da Guerra Das Gerações da Guerra Moderna aos Conflitos Assimétricos Parte 2 A Segunda Geração da Guerra Moderna

Evolução da Arte da Guerra Das Gerações da Guerra Moderna aos Conflitos Assimétricos Parte 2 A Segunda Geração da Guerra Moderna Evolução da Arte da Guerra Das Gerações da Guerra Moderna aos Conflitos Assimétricos Parte 2 A Segunda Geração da Guerra Moderna Este artigo, dividido em seis partes, pretende mostrar, por meio da história

Leia mais

Encontro de veículos militares No forte de Copacabana - RJ

Encontro de veículos militares No forte de Copacabana - RJ M4A1 Encontro de veículos militares No forte de Copacabana - RJ O evento realizado nos dias 8, 9, 10 e 11/09/2011 reuniu 81 viaturas nos quatro dias de exposição além de várias atrações para o público

Leia mais

Automóvel - É o veículo com motor de propulsão, dotado de pelo menos quatro rodas, com:

Automóvel - É o veículo com motor de propulsão, dotado de pelo menos quatro rodas, com: CLASSIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS Automóvel - É o veículo com motor de propulsão, dotado de pelo menos quatro rodas, com: tara superior a 550 kg, velocidade máxima é, por construção, superior a 25 km/h, destina-se,

Leia mais

CHARRUA CARRO BLINDADO TRANSPORTE DE PESSOAL

CHARRUA CARRO BLINDADO TRANSPORTE DE PESSOAL CHARRUA CARRO BLINDADO TRANSPORTE DE PESSOAL Em meados dos anos 80 a Moto Peças S/A em parceria com o Exército Brasileiro iniciou um programa de estudos para a modernização dos M-59 de origem norte-americana,

Leia mais

Regulamento de Prova de Tiro. Numero 2/2013. Duelo de Balão

Regulamento de Prova de Tiro. Numero 2/2013. Duelo de Balão Regulamento de Prova de Tiro Numero 2/2013 Duelo de Balão FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Duelo de Balão no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito. MODALIDADE Tiro Policial.

Leia mais

NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO

NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO NATO (ALEMANHA) QUADRO DAS ARMAS DA SIMULAÇÃO NOTA: Os carros sem indicação de Potencial Defensivo são imunes ao tiro das armas indicadas na Secção Geral da Tabela de Eficácia. Os Carros de Combate têm

Leia mais

Produto inovador, sem precedentes no mercado.

Produto inovador, sem precedentes no mercado. 1/9 Elevador hidráulico PAL O elevador de piscina PAL (Elevador portátil de piscina/portable Aquatic Lift) foi introduzido no mercado em 1996 nos Estados Unidos da América. Produto inovador, sem precedentes

Leia mais

CATÁLOGO COMERCIAL JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL REALIZAÇÃO. uma divisão da Prospectare Brasil

CATÁLOGO COMERCIAL JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL  REALIZAÇÃO. uma divisão da Prospectare Brasil CATÁLOGO COMERCIAL 20-22 JUN 2017 BRASÍLIA BRASIL WWW.CSTMEXPO.COM REALIZAÇÃO uma divisão da Prospectare Brasil 20-22 DE JUNHO DE 2017 BRASÍLIA BRASIL Em sua sexta edição, a Conferência de Simulação e

Leia mais

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento)

CURRICULUM VITAE. II FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 1. Cursos de formação académica (Licenciatura/Pós-graduação/Mestrado/Doutoramento) CURRICULUM VITAE Identificação abreviada: Maj Inf Para Rui Jorge Roma Pais dos Santos I DADOS PESSOAIS Rui Jorge Roma Pais dos Santos 08 de maio de 1974 S. Jorge de Arroios Divorciado Major de Infantaria

Leia mais

00P7 - Transferência para o Desenvolvimento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações - SGDC

00P7 - Transferência para o Desenvolvimento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações - SGDC Programa 2058 - Defesa Nacional Número de Ações 181 Tipo: Operações Especiais 00P7 - Transferência para o Desenvolvimento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações - SGDC Esfera: 10 - Orçamento

Leia mais

PORTA PALETES DE TESOURA

PORTA PALETES DE TESOURA Porta Paletes Manuais Porta Paletes Elétricos Porta Paletes de Tesoura Porta Paletes em Inox Porta Paletes com Balança Porta Paletes TODO-O-TERRENO Porta Paletes Aplicações Específicas Escolha Produtos

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS DE KG, KG E KG. 1 TRANSPALETE MANUAL COMBALANÇA E IMPRESSORA. 2 TRANSPALETE MANUAL COM ELEVAÇÃO HIDRÁULICA

TRANSPALETES MANUAIS DE KG, KG E KG. 1 TRANSPALETE MANUAL COMBALANÇA E IMPRESSORA. 2 TRANSPALETE MANUAL COM ELEVAÇÃO HIDRÁULICA ÍNDICE TRANSPALETES MANUAIS DE 2.000 KG, 2.500 KG E 3.000 KG... 1 TRANSPALETE MANUAL COMBALANÇA E IMPRESSORA... 2 TRANSPALETE MANUAL COM ELEVAÇÃO HIDRÁULICA... 3 MESAS PANTOGRÁFICAS MANUAL HIDRÁULICA...

Leia mais

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO

AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO AVISO DE INTENÇÃO PRIMEIRO AVISO A CCX Colômbia S.A. (doravante CCX ) informa à opinião pública que, de acordo com a Lei 1ª de 1991 e demais normas regulamentares, solicitará à Agência Nacional de Infraestrutura

Leia mais

Transportes. Prof. Márcio Padovani

Transportes. Prof. Márcio Padovani Transportes Índice Definição de transporte Origem e evolução dos transportes Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleoduto Evolução dos transportes no Porto Classificação dos transportes Quanto à modalidade

Leia mais

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Mais uma compra de ocasião e outro erro estratégico Conforme publicado no Boletim do Exército 11/2013, de 15 de março de 2013, o Exército Brasileiro através da Portaria

Leia mais

BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6

BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6 BLINDADOS NO HAITI 2 VEÍCULOS 6x6 A variedade de veículos blindados sobre rodas 6x6 no Haiti é grande, pelo menos seis países que fazem parte da MINUSTAH, desde 2004, sob o comando das forças brasileiras,

Leia mais

Objetivos. Satélites Parte 1. p. 2

Objetivos. Satélites Parte 1. p. 2 Objetivos Satélites Parte 1 Mostrar como um satélite é lançado. Esclarecer porque os satélites permanecem em órbita da Terra, ao invés de cair de volta em sua superfície. Apresentar as órbitas mais utilizadas.

Leia mais

DEGUS TAÇÃO CORTESIA DO EDITOR

DEGUS TAÇÃO CORTESIA DO EDITOR DEGUS TAÇÃO CORTESIA DO EDITOR 01 02 PREPAROS DENTÁRIOS Os 5W s A previsão do tipo de preparo dentário a ser executado depende, basicamente, do relacionamento entre material restaurador selecionado, volume

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Martins Setúbal Prof. Carlos Cunha 3º Momento de Avaliação FÍSICA e QUÍMICA ANO LECTIVO 004 / 005 11º ANO N. º NOME: TURMA: A CLASSIFICAÇÃO As questões colocadas ao longo deste

Leia mais

OS ROBOTS NO NOSSO DIA A DIA

OS ROBOTS NO NOSSO DIA A DIA Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica OS ROBOTS NO NOSSO DIA A DIA Equipa 1M7_4: Ana Margarida Antunes Duarte Paulo João Pinto Ricardo Maia Rui Oliveira Robots militares Supervisor: Teresa Duarte Monitor:

Leia mais

GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA. Capítulo O fenômeno das marés terrestres

GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA. Capítulo O fenômeno das marés terrestres GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA Capítulo 5 5.4.3 O fenômeno das marés terrestres Regiane Dalazoana REVISÃO Além da gravimetria terrestre que restringe-se a parte continental do globo, existem outras formas

Leia mais

Professor Fernando Lau. Seminário Aeroespacial II

Professor Fernando Lau. Seminário Aeroespacial II Rui Pires 75280 Gonçalo Castro 75886 Bruno Lima 78110 Francisca Fonseca 78151 Pedro Almeida 78428 Eduardo Lourenço 78803 Professor Fernando Lau Seminário Aeroespacial II Porque razão não há apenas um tipo

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 8 ACIONAMENTO E MECANISMOS DE ELEVAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Acionamento Manual e Alavanca de Comando Um acionamento manual pode ser empregado em mecanismos de baixa

Leia mais

06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França

06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França 06/06/1944 Dia D marca a chegada dos Aliados à França Embora o termo Dia D seja rotineiramente usado em um contexto militar para o dia de uma operação ou um evento planejado, para muitas pessoas esta expressão

Leia mais

CTEx. CTEx Notícias. CTEx histórico e resultados. Informativo do Centro Tecnológico do Exército

CTEx. CTEx Notícias. CTEx histórico e resultados. Informativo do Centro Tecnológico do Exército CTEx CTEx Notícias Informativo do Centro Tecnológico do Exército Edição de Aniversário Rio de Janeiro RJ ANO I N o 2 16 de outubro de 2006 CTEx histórico e resultados Gen Bda Aléssio Ribeiro Souto Nesta

Leia mais

BLINDAGEM GAIOLA UMA LUTA CONTRA O LANÇA ROJÃO

BLINDAGEM GAIOLA UMA LUTA CONTRA O LANÇA ROJÃO BLINDAGEM GAIOLA UMA LUTA CONTRA O LANÇA ROJÃO Os embates ocorridos no Iraque após a invasão do país por forças militares lideradas pelos Estados Unidos, trouxeram à tona os riscos do combate urbano que

Leia mais

GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA. Capítulo O fenômeno das marés terrestres

GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA. Capítulo O fenômeno das marés terrestres GA112 FUNDAMENTOS EM GEODÉSIA Capítulo 5 5.4.3 O fenômeno das marés terrestres Regiane Dalazoana REVISÃO Além da gravimetria terrestre que restringe-se a parte continental do globo, existem outras formas

Leia mais

Fuzil Militar de Combate

Fuzil Militar de Combate Regulamento de Prova de Tiro Numero 4/2013 Fuzil Militar de Combate FINALIDADE Regulamentar a Prova de Tiro Fuzil Militar de Combate no âmbito do Estande de Tiro do 2º Batalhão de Policia do Exercito.

Leia mais

INTRODUÇÃO. O jogo termina quando uma das partes ultrapassa a Capacidade Operacional do seu Destacamento, calculada para o desempenho da missão.

INTRODUÇÃO. O jogo termina quando uma das partes ultrapassa a Capacidade Operacional do seu Destacamento, calculada para o desempenho da missão. Simulações de Combate NATO x PACTO V3.1 INTRODUÇÃO Simulações de Combate NATO x PACTO é um jogo de Combate Mecanizado. As regras foram concebidas para a realização de jogos de livre execução: podem ser

Leia mais

Ministro da Defesa participa da Operação Amazônia*

Ministro da Defesa participa da Operação Amazônia* Ministro da Defesa participa da Operação Amazônia* Brasília, 14/10/2016 O ministro da Defesa, Raul Jungmann, participa, nos dias 15 e 16 de outubro, da Operação Amazônia, em Iranduba (AM), a 40 Km de distância

Leia mais

É a tecnologia que permite a obtenção de imagens e outros tipos de dados da superfície terrestre.

É a tecnologia que permite a obtenção de imagens e outros tipos de dados da superfície terrestre. O que é Sensoriamento Remoto? É a tecnologia que permite a obtenção de imagens e outros tipos de dados da superfície terrestre. É feita a distância, através da captação e do registro da energia refletida

Leia mais