Dengue e Aedes aegypti: um relato de experiência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dengue e Aedes aegypti: um relato de experiência"

Transcrição

1 Dengue e Aedes aegypti: um relato de experiência Tamara Nunes de Lima-Camara 1 * Resumo No Brasil, o vírus dengue é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e o estado do Rio de Janeiro já viveu alguns surtos de epidemia dessa doença. O objetivo desse trabalho é relatar as experiências de capturas de mosquitos vividas por minha equipe e eu no Município de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. O artigo também aborda a conscientização de todos para o controle do vetor a partir da eliminação dos criadouros do Ae. aegypti. Palavras-chave: dengue - Aedes aegypti Nova Iguaçu - capturas Abstract In Brazil, dengue virus is transmitted by the mosquito Aedes aegypti and Rio de Janeiro state had already experienced some epidemic bursts of this disease. The objective of this work is to share some experiences that my staff and myself had during the period we were capturing mosquitoes in the Nova Iguaçu Municipality, Rio de Janeiro. This paper also emphasizes the importance of the consciousness of everyone to eliminate all the breeding sites of Ae. aegypti. Key-words: dengue - Aedes aegypti Nova Iguaçu - captures 1 Mestranda em Biologia Parasitária (FIOCRUZ) 1

2 A dengue é uma doença conhecida no Brasil há algum tempo. O primeiro surto aconteceu em 1981, no estado de Roraima e, no primeiro semestre de 2002, o estado do Rio de Janeiro sofreu a maior epidemia já observada na região: foram notificados mais de duzentos e cinqüenta mil casos, sendo noventa e um fatais (IVD, 2006). O agente etiológico da dengue, ou seja, o que causa a doença, é um arbovírus (do inglês arthropod-bornvirus, algo como vírus que nasce com o artrópode, nesse caso, um mosquito) da família Flaviviridae e, aqui no Brasil, existem três dos quatro sorotipos possíveis (DENV-1; DENV-2; DENV-3 e DENV-4) cocirculando por todo o território (Castro, 2004). A infecção de indivíduos sadios dá-se através da picada de fêmeas do mosquito Aedes aegypti infectadas pelo vírus. Vale ressaltar que apenas as fêmeas do mosquito se alimentam de sangue, pois é nesse tipo de alimento que elas encontram os nutrientes essenciais para a formação de seus ovos. Os machos alimentam-se apenas da seiva das plantas. Ao picar um indivíduo para realizar um repasto sangüíneo, a fêmea do mosquito injeta sua saliva pelo orifício da picada a fim de evitar a coagulação do sangue e facilitar sua alimentação. Uma fêmea infectada possui grande carga do vírus dengue armazenada em sua glândula salivar e, assim, ao injetar a saliva com o vírus no hospedeiro vertebrado de quem está se alimentando, transmite a doença. Como os demais mosquitos, Ae. aegypti é um inseto holometabólico, ou seja, tem desenvolvimento completo, apresentando as fases de ovo, larva (que apresenta quatro estádios), pupa e adulto. Os ovos são colocados na parede de recipientes contendo água parada e as fases imaturas do desenvolvimento (larva e pupa) são aquáticas. Aedes aegypti é um mosquito originário da África e originalmente foi descrito no Egito. Invadiu o Brasil pela primeira vez ainda no período colonial e, por diversas vezes, foi considerado erradicado do país, porém, como muitos países vizinhos não o erradicavam, a reinfestação pelo mosquito sempre ocorria. Hoje, é considerado um vetor cosmopolita e, no Brasil, é encontrado em todos os estados brasileiros (Consoli & Lourenço-de-Oliveira, 1994; IVD, 2006). Com efeito, trata-se de um mosquito com elevada susceptibilidade a todos os quatro sorotipos do vírus dengue, tendo já sido isolados DENV-1; DENV-2; DENV-3 e DENV-4 de amostras de adultos e larvas desse mosquito (Osanai et al, 1983; Nogueira et al, 1988; Degallier et al, 2000; Lourenço-de- Oliveira et al, 2002). 2

3 Aedes aegypti possui hábitos diurnos, alimentando-se de sangue e colocando seus ovos, preferencialmente, ao amanhecer e próximo ao crepúsculo vespertino. As fêmeas colocam seus ovos, essencialmente, em criadouros artificiais preenchidos com água da chuva ou doméstica, como pneus usados, garrafas, latas, potes, vasos de planta e reservatórios de água destampados (caixas d água, cisternas, por exemplo), contendo água parada (Consoli & Lourenço-de-Oliveira, 1994). Aedes aegypti é uma espécie muito abundante em áreas urbanas e suburbanas, onde a concentração populacional humana é elevada. De modo geral, Ae. aegypti exibe características de espécie endofílica, utilizando o interior das casas para se abrigar (Consoli & Lourenço-de- Oliveira, 1994). De fato, trata-se de uma espécie cujas populações até agora estudadas parecem possuir caráter antropofílico, alimentando-se, preferencialmente, do sangue humano (Scott et al, 1993, Hoeck et al, 2003). O estado do Rio de Janeiro possui diversas áreas endêmicas de dengue e uma delas é o Município de Nova Iguaçu. Nesse local, tive a oportunidade de visitar vinte bairros e estudar a freqüência de Ae. aegypti dentro e fora das casas. Os bairros visitados foram Moquetá, Santa Eugênia, Vila Nova, Grão-Pará, Califórnia, Rosa dos Ventos, Ponto Chic, Comendador Soares, Bairro da Luz, Posse, Centro, Cabuçu, Ambaí, Três Corações, Parque Flora, Carmari, Vila de Cava, Tinguá, Grama e Jaceruba. Duas vezes por semana, no período da manhã, uma pequena equipe de duas ou três pessoas e eu partíamos numa Kombi da Fiocruz para um dos bairros préselecionados de Nova Iguaçu, estacionávamos em uma rua aleatoriamente escolhida e íamos batendo em quatro ou cinco casas. Nessas casas, tentávamos capturar, usando aspiradores elétricos e costais, adultos de Ae. aegypti. De fato, voltávamos sempre com muitos mosquitos e com muitas histórias para contar. Em muitas casas em que entrávamos, víamos muitas latas ou garrafas ou mesmo pneus cheios de água parada, com inúmeras larvas ou pupas de Ae. aegypti. Nesse caso, virávamos esses vasilhames de cabeça para baixo e eu explicava ao morador a importância de não deixar acumular água em caixas, garrafas ou pneus e, obviamente, mostrava a eles as larvas que ali estavam por causa do descuido. A maioria ouvia com muita atenção, obedecia aos procedimentos indicados e alguns até se enfureciam com os parentes que acusavam ser os responsáveis pelo que fora encontrado. Era engraçado ouvi-los dizer: Isso é do meu tio, que largou aí ou Já falei cem vezes pro fulano não colocar isso aí. Acredito que, naqueles dois anos de trabalho ( ), consegui 3

4 conscientizar e/ou plantar uma sementinha da conscientização em muitos moradores daqueles bairros. O entrar nas casas também era um acontecimento muito interessante. Não é nada fácil entrar em domicílios de pessoas que não conhecemos e que também não nos conhecem e, além disso, começar a bater em portas, armários, sofás, camas, na esperança de voar algum mosquito adulto para ser capturado. Muitos entravam na brincadeira e batiam nos móveis junto; crianças, quando presentes, disputavam- até comigo- quem via mais mosquitos (valendo subir no armário para alcançar o teto!) e alguns ficavam só olhando, acompanhando atentamente. O mais curioso era que, por muitas vezes, os moradores ficavam constrangidos comigo entrando em seus domicílios, porque, como era de manhã ainda, não tinham tido tempo de arrumar a casa ou mesmo fazer as camas. A minha resposta era sempre a mesma: Não estou nem reparando isso! Meu interesse aqui é achar mosquitos!. Outros se mostravam embaraçados quando vinham me perguntar se eu podia não entrar num determinado quarto da casa, porque havia bebês dormindo ou idosos doentes. Eu sempre respondia com um sorriso bem largo para eles que não havia problemas. Aliás, ter a permissão daqueles moradores de estar em suas casas, coletando mosquitos e fazendo meu trabalho, já era uma grande realização para mim. Nesse processo, fizemos muitas amizades e, em algumas ocasiões, quando saíamos da casa, éramos surpreendidos por uma mesa cheia de biscoitos e sucos posta no quintal. Café e água sempre nos eram oferecidos e, muitas vezes, voltamos das capturas com laranjas, tangerinas e jabuticabas colhidas pelos moradores das árvores dos quintais de suas casas. Certa vez, fui convidada para a festa de aniversário da neta de uma moradora, que ia acontecer mais tarde naquele dia. Foi difícil resistir àquele cheiro maravilhoso de bolo no forno; aliás, não sei ainda como conseguia negar os convites de almoço que me eram feitos! Certamente, era a obrigação do trabalho falando mais alto. Apenas uma vez tivemos uma experiência ruim, porque fomos expulsos pela moradora aos berros de uma casa cuja empregada nos tinha permitido a entrada. Uma lástima que foi exceção. Durante as conversas que eram puxadas conosco após ou durante as capturas, sentia um prazer enorme em responder a todas as perguntas curiosas que me eram feitas, ora sobre meu trabalho ora sobre os próprios mosquitos. Nova Iguaçu foi um lugar que eu diria útil e agradável de trabalhar. Útil, porque, de fato, é uma porta de entrada para os vírus dengue e é onde há grande densidade populacional do mosquito Ae. aegypti e 4

5 agradável pelos moradores com que me relacionei, que me deixavam muito à vontade em suas casas e satisfeita com a simpatia que me recebiam na maior parte das vezes. Ao final do trabalho de dois anos, ratificamos a elevada antropofilia e endofilia do Ae. aegypti : a maior parte foi capturada em bairros com maior densidade populacional humana e a grande maioria foi encontrada dentro das casas. Referencias Bibliográficas: CONSOLI, R.A.G.B. & LOURENÇO-DE-OLIVEIRA, R. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, SCOTT T.W. et alii. Blood feeding patterns of Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) collected in a rural Thai village. J. Med. Entomol. 30: , HOECK P.A.E. et alii. Population and parity levels of Aedes aegypti collected in Tucson. J. Vector Ecology 28: 65 73, OSANAI C.H. et alii. Surto de dengue em Boa Vista, Roraima Nota Prévia. Rev. Inst. Med. trop. São Paulo 25: 53 54, NOGUEIRA R.M.R. et alii. Virological study of a dengue type 1 epidemic at Rio de Janeiro. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 83: ,1988. DEGALLIER N. et alii. First isolation of dengue 1 virus from Aedes aegypti in Federal District, Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 33: 95-96, LOURENÇO-DE-OLIVEIRA R. et alii. Dengue virus type 3 isolation from Aedes aegypti in the municipality of Nova Iguaçu, state of Rio de Janeiro. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 97: ,

6 CASTRO M.G. et alii. Dengue virus detection by using reverse transcriptionpolymerase chain reaction in saliva and progeny of experimentally infected Aedes albopictus from Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 99: , Bibliografia via Internet: INSTITUTO VIRTUAL DE DENGUE. Situação no Brasil. Brasil, Disponível em: <http://www.ivdrj.ufrj.br/situacao.htm>. Acesso em mar

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica

NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON. Curso: Introdução à Educação Digital. Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica NÚCLEO DE TECNOLOGIA MUNICIPAL DE MARECHAL CANDIDO RONDON Curso: Introdução à Educação Digital Cursista: Kátia Janaína Frichs cotica Fique de na Dengue! ATENÇÃO: A dengue é uma doença muito dolorosa, deixa

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001

Taxa de incidência da dengue, Brasil e regiões, 1998-2001 1 reintrodução da dengue no Brasil em 1986 pelo Estado do Rio de Janeiro um sério problema de Saúde Pública, com 8 epidemias associadas aos sorotipos 1, 2 e 3 taxas de incidência: novo aumento a partir

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde

Secretaria de Estado da Saúde Aedes aegypti ovos larvas pupas Inseto adulto Aedes aegypti É o mosquito que transmite Dengue Leva em média 7 dias de ovo a adulto; Tem hábitos diurnos; Vive dentro ou próximo de habitações humanas; A

Leia mais

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE

DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA DENGUE Área de dispersão do vetor Aedes aegypti Originário da África tropical e introduzido nas Américas durante a colonização

Leia mais

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE!

PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! 1 PROJETO DENGUE: VAMOS ACABAR COM ISSO-DIGA SIM A SAÚDE! JUSTIFICATIVA: O ano de 2015 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2010. Tendo em vista a epidemia que assola muitas cidades do

Leia mais

Polo EAD de Nova Friburgo

Polo EAD de Nova Friburgo Polo EAD de Nova Friburgo CEDERJ UAB Aplicações da Biotecnologia no combate a dengue No sábado 14 de maio, a equipe da disciplina Tópicos em Biotecnologia, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas,

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE:

Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: Escola Municipal de Jacurutu PROJETO: DENGUE: JUSTIFICATIVA: O ano de 2013 começa com aumento dos casos de dengue, em relação a 2012. Tendo em vista a epidemia que assola a cidade de salinas/municípios

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE

LOPPIANO ENGENHARIA LTDA. Rua dos Andradas, 107 - Centro 13300-170 - Itu SP Fone: (11) 4022-7415 DENGUE DENGUE A palavra dengue tem origem espanhola e quer dizer "melindre", "manha". O nome faz referência ao estado de moleza e prostração em que fica a pessoa contaminada pelo arbovírus (abreviatura do inglês

Leia mais

Muitas pessoas não sabem diferir um Aedes aegypti de outros insetos, como o pernilongo, outros mosquitos, etc.

Muitas pessoas não sabem diferir um Aedes aegypti de outros insetos, como o pernilongo, outros mosquitos, etc. O Aedes aegypti é o mosquito transmissor da Dengue. Mede menos de 1 centímetro, tem uma cor preta e possui listras brancas ao longo do corpo e das pernas e costuma picar nas primeiras horas do dia e nas

Leia mais

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI

ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS NO CONTROLE DE UM SURTO DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE PIRIPIRI-PI INTRODUÇÃO A dengue é uma doença infecciosa febril aguda benigna na maior parte dos casos. É causada pelo vírus do

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

O controle dos criadouros do mosquito da dengue no Rio de Janeiro

O controle dos criadouros do mosquito da dengue no Rio de Janeiro O controle dos criadouros do mosquito da dengue no Rio de Janeiro Sídio Werdes Sousa Machado 1 Marinice dos Santos Machado 2 Angela Maria Abreu de Barros 3 Resumo Considerando a epidemia de dengue que

Leia mais

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho

Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Combate ao mosquito Aedes aegypti no ambiente de trabalho Coordenação Geral Programa Nacional de Controle da Dengue, Chikungunya e Zika - CGPNCD Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde dengue@saude.gov.br

Leia mais

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias

Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Programa do curso do Agente de Comunitário de Saúde e Agente de Combate as Endemias Biologia do Aedes Aegypti, O mosquito Aedes aegypti se desenvolve por meio de metamorfose completa e seu ciclo de vida

Leia mais

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA INFORME SEMANAL DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA Perguntas e respostas sobre a FEBRE CHIKUNGUNYA O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Somos os superexterminadores da dengue. missão é combater... ... e eliminar o mosquito. dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações

Somos os superexterminadores da dengue. missão é combater... ... e eliminar o mosquito. dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações 1 Somos os superexterminadores da dengue. Nossa missão é combater...... e eliminar o mosquito transmissor dessa doença. Junte-se ao batalhão de operações MATA-MOSQUITO. Saiba mais sobre a dengue e torne-se

Leia mais

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS

PERÍODO DE INCUBAÇÃO SEIS DIAS INSETICIDAS QUÍMICOS (VENENO) QUALQUER PESSOA VÍRUS VETOR PICAR UMA INFECTADA PERÍODO DE INCUBAÇÃO NÃO EXISTE ELIMINAÇÃO DOS OVO TRINTA DIAS SEIS DIAS INTERIOR DAS CASAS NOTIFICAÇÃO E MULTA DOIS BILHÕES DE REAIS QUÍMICOS (VENENO) Aedes aegypti e Aedes albopictus

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE!

A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! A IMPORTÂNCIA DA PREFEITURA E DOS VIZINHOS NO COMBATE À DENGUE! O mosquito da Dengue se prolifera em "em silêncio". Gosta de "sombra e água limpa". O melhor jeito de combatê-lo é eliminando os criadouros

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ANÁLISE ESPACIAL DA DISTRIBUIÇÃO DO AEDES AEGYPTI (DIPTERA: CULICIDAE) EM DIFERENTES ÁREAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Reis IC 1 ; Honório N.A. 1 ; Codeço C.T. 3, Barcellos C 2, Magalhães M.A.F.M 2 1 Laboratório

Leia mais

Vamos combater a Dengue!

Vamos combater a Dengue! Como pôde acontecer? perguntou Marina. Não me lembro de ter tido dengue antes. Talvez os sintomas da primeira dengue que você pegou não tenham sido muito fortes, e você achou que era só uma gripe... explicou

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso Unidade Temática sobre a Dengue como complemento na Educação

Trabalho de Conclusão de Curso Unidade Temática sobre a Dengue como complemento na Educação Trabalho de Conclusão de Curso Unidade Temática sobre a Dengue como complemento na Educação Cristina Maria da Costa Curso de Ciências Biológicas Belo Horizonte MG 2010 Cristina Maria da Costa Trabalho

Leia mais

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015

SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 SMSA divulga resultado do LIRAa de Outubro de 2015 O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti LIRAa, de outubro de 2015, demonstra que 0,6% dos imóveis pesquisados em Belo Horizonte conta com a presença

Leia mais

DENGUE. PROIBIDO RETORNAR. XXXXXX

DENGUE. PROIBIDO RETORNAR. XXXXXX DENGUE. PROIBIDO RETORNAR. XXXXXX Elimine água empoçada nos pratos de plantas e pneus velhos. Não deixe latas vazias, garrafas, potes plásticos, tampinhas, lixo e entulho expostos à chuva. Com o esforço

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR

IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES AMBIENTAIS E CLIMÁTICOS EM RELAÇÃO AOS CASOS DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE ASSIS CHATEAUBRIAND, PR Carlos Donizete dos Santos Biazoto Agrônomo graduado pela Universidade Estadual

Leia mais

Criança feliz, feliz a cantar Sabe que a saúde deve cuidar Não deixa jogadas latas, garrafas, Não quer ver mosquito lhe infectar.

Criança feliz, feliz a cantar Sabe que a saúde deve cuidar Não deixa jogadas latas, garrafas, Não quer ver mosquito lhe infectar. Jardim III - cartaz CRIANÇA FELIZ FELIZ, FELIZ A CANTAR SABE QUE A DEVE CUIDAR. NÂO DEIXA JOGADAS, NÃO QUER VER LHE INFECTAR. Criança feliz, feliz a cantar Sabe que a saúde deve cuidar Não deixa jogadas

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil da Silva, Vanderlei C; Scherer, Paulo O; Falcao, Simone S; Alencar, Jeronimo; Cunha, Sergio P; Rodrigues, Iram M;

Leia mais

Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20%

Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20% Mosquito da dengue invade bairros nobres da cidade e infestação chega a 20% Volta e meia, o mosquito da dengue dá provas de que pode aparecer em qualquer lugar. E é qualquer mesmo. Na capital baiana, alguns

Leia mais

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE

SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE SETOR DE CONTROLE DE ZOONOSE É necessário promover exaustivamente, a educação em saúde até que a comunidade adquira conhecimentos e consciência do problema para que possa participar efetivamente. A população

Leia mais

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC

Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC 1 de 5 Moradores denunciam demora no combate à dengue no ABC Maria Teresa Orlandi Apesar do risco iminente de uma epidemia de dengue chegar à região, as prefeituras têm demorado para detectar e extirpar

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

Agora é guerra! Todos contra a dengue.

Agora é guerra! Todos contra a dengue. Agora é guerra! Todos contra a dengue. Sinal de alerta A dengue mata. Neste ano, em Minas Gerais, a doença já matou quase quatro vezes mais que no ano passado. 768 Municípios 20 Municípios Críticos 65

Leia mais

CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR.

CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR. CLIMA E SAÚDE: ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DO TEMPO ATMOSFÉRICO NO NÚMERO DE NOTIFICAÇÕES DE DENGUE NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO PR. YOKOO, Sandra Carbonera, Geografia, FECILCAM, sandracarbonera@ibest.com.br

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS ETAPA 2 CURSO INTRODUTÓRIO INSTRUÇÕES

Leia mais

A Dengue e sua relação com Educação Ambiental no município de Quissamã/RJ

A Dengue e sua relação com Educação Ambiental no município de Quissamã/RJ A Dengue e sua relação com Educação Ambiental no município de Quissamã/RJ Poliana de Souza Pinto 1 ; Fernanda de Oliveira Pinto 2 ; Shaytner Campos Duarte 3 Licenciada em Ciências Biológicas pela Faculdade

Leia mais

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue

Material Complementar. Tema: Discutindo a Dengue Material Complementar Tema: Discutindo a Dengue Setor de Educação de Jovens e Adultos Objetivos: o Compreender o ciclo evolutivo da Dengue. o Reconhecer diferentes formas de desenvolvimento dos organismos.

Leia mais

Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização.

Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização. Esta informação reflete o que era conhecido em abril de 2016. Veja o website da Hesperian em http://en.hesperian.org/hhg/zika para atualização. O Vírus Zika O vírus Zika é transmitido por mosquitos de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle de mosquito. Mosquitos. Reservatórios. Aedes aegypti. Criadouro. Culicidae.

PALAVRAS-CHAVE: Controle de mosquito. Mosquitos. Reservatórios. Aedes aegypti. Criadouro. Culicidae. Comunicação rápida Prevenção da dengue: implicações do uso de tela no controle de Aedes aegypti em reservatórios de água para consumo humano Dengue prevention: implications of the meshes used in household

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES MONITORAMENTO ENTOMOLÓGICO E EDUCAÇÃO EM DENGUE EM CAMPOS DOS GOYTACAZES Gabriela Calegario 1 ; Lívia Ferreira da Silva 1 ; Diana Rangel de Azeredo 1 ; Maurício Gonçalves da Silva 1 ; Marilvia Dansa de

Leia mais

TODOS CONTRA A DENGUE

TODOS CONTRA A DENGUE Como se transmite? MOSQUITO SAUDÁVEL PESSOA INFECTADA MOSQUITO INFECTADO PESSOAS SAUDÁVEIS MAIS PESSOAS INFECTADAS A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus da família Flaviridae e transmitida

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE COORDENAÇÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIAS DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL NOTA TECNICA Nº 01/2011 SUVIGE-SUVAM/CPS/SESAP/RN

Leia mais

A doença, sintomas, transmissão, prevenção, áreas de risco, mapas, vídeos, notícias atualizadas, etc. Notícias Atualizadas

A doença, sintomas, transmissão, prevenção, áreas de risco, mapas, vídeos, notícias atualizadas, etc. Notícias Atualizadas Site da Dengue http://www.dengue.org.br/index.html A doença, sintomas, transmissão, prevenção, áreas de risco, mapas, vídeos, notícias atualizadas, etc. Notícias Atualizadas Saiba mais sobre Dengue Tipo

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO SEMANAL: DENGUE, CHIKUNGUNYA, ZIKA E MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA 1. DENGUE Em 2015, até a 52ª semana epidemiológica (SE) foram notificados 79.095 casos, com incidência de 5.600,2/100.000 habitantes. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior observa-se um aumento

Leia mais

EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL

EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL EPIDEMIA NEGLIGENCIOSA ESTATAL E SOCIAL Guilherme Pullig BORGES 1 RESUMO: Neste artigo é ilustrado um mal que abrange a sociedade brasileira há séculos e mesmo com o desenvolvimento econômico e social

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE BELA VISTA DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO DE LEI N. º 013 /2013. A Câmara Municipal de Bela Vista de Minas decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Institui a Política Municipal de Prevenção, Controle e Combate à Dengue, sob a denominação

Leia mais

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti

Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti SECRETÁRIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Plano de Ação do Agente Comunitário de Saúde para combate ao Aedes aegypti Porto Alegre - RS 2016 SECRETÁRIA

Leia mais

É MUITO GRAVE! COMBATER O MOSQUITO É DEVER DE TODOS!

É MUITO GRAVE! COMBATER O MOSQUITO É DEVER DE TODOS! Filiado a: Dengue, Chikungunya e Zika Vírus É MUITO GRAVE! COMBATER O MOSQUITO É DEVER DE TODOS! AEDES AEGYPTI Aedes Aegypti e Aedes Albopictus são as duas espécies de mosquito que podem transmitir Dengue,

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos

Ser humano e saúde / vida e ambiente. Voltadas para procedimentos e atitudes. Voltadas para os conteúdos Atividade de Aprendizagem 10 Dengue: aqui não! Eixo(s) temático(s) Ser humano e saúde / vida e ambiente Tema Água e vida / reprodução e ocupação de novos ambientes / saúde individual e coletiva Conteúdos

Leia mais

Cartilha de Mobilização Social nas Organizações

Cartilha de Mobilização Social nas Organizações Cartilha de Mobilização Social nas Organizações Contatos: GT FAD/SESAB: Elisabeth França (71) 3115-4217 Akemi Chastinet (71) 3116-0029 João Emanuel Araujo (71) 3116-0024 Agnaldo Orrico (71) 3116-0024 Zilda

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Arbovírus: arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas Arbovírus: Hospedeiro natural vertebrado arthropod-born virus 400 vírus isolados 100 patógenos humanos Vetor hematófago Hospedeiro vert. Vetor hemat. Febres indiferenciadas Encefalites Febres hemorrágicas

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais

Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses

Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 01 Agente de Controle de Zoonoses 1. O Sistema Único de Saúde (SUS): ( ) oferece consultas e internações em hospitais públicos

Leia mais

Revista Eletrônica de Biologia

Revista Eletrônica de Biologia REB Volume 1 (3): 21-30, 2008 ISSN 1983-7682 Revista Eletrônica de Biologia "Influência do Parque da Biquinha como foco de Aedes (Stegomyia) aegypti em relação a área urbana " Heidi S. M. Utsunomiya 1

Leia mais

Sintetizando: É errado dizer que o dengue 2 é o hemorrágico. Só há relação de causa e efeito em alguns casos, quando a pessoa já teve Dengue I.

Sintetizando: É errado dizer que o dengue 2 é o hemorrágico. Só há relação de causa e efeito em alguns casos, quando a pessoa já teve Dengue I. 1-Dengue clássico O nome Dengue Clássico se refere à infecção provocada, na pessoa, por qualquer um dos quatro tipos de dengue. Já o dengue hemorrágico é uma síndrome - ou seja, um estado mórbido caracterizado

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

Esta doença afeta mais de 100 milhões de pessoas por ano no mundo, e no Brasil é uma das que têm maior impacto na saúde pública.

Esta doença afeta mais de 100 milhões de pessoas por ano no mundo, e no Brasil é uma das que têm maior impacto na saúde pública. Introdução O Mosquito (Aedes aegypti) Ciclo Biológico do Mosquito Hábitos do vetor Formas de eliminação física e química do vetor Ações realizadas pela Prefeitura através da FMSRC (CCZ) e de outras Notificações

Leia mais

Plano de Contingência Contra a Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus

Plano de Contingência Contra a Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus 2016 Plano de Contingência Contra a Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus Sumário 1 DENGUE... 2 2 FEBRE CHIKUNGUNYA... 4 3 ZIKA VÍRUS... 4 4 RESUMO SINTOMÁTICO... 5 5 MÉTODOS PREVENTIVOS... 6 6 ANEXO

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

DENGUE: ASPECTOS HISTÓRICOS

DENGUE: ASPECTOS HISTÓRICOS DENGUE: ASPECTOS HISTÓRICOS PNCD Programa Nacional de Controle de Dengue SVS/MS Secretaria de Estado de Saúde do RS Secretarias Municipais de Saúde Agosto de 2007 FAMED/UFMS Prof. Dr. Rivaldo Venâncio

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Carrara, João Alfredo; Zambrano Tanaka, Érika; David Bonaldo, Claudia CONHECIMENTO

Leia mais

Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo DENGUE. Cartilha DIAGNÓSTICO TRATAMENTO & PREVENÇÃO

Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo DENGUE. Cartilha DIAGNÓSTICO TRATAMENTO & PREVENÇÃO Adelmo LeãoPT Mandato Deputado Estadual Participativo Cartilha DIAGNÓSTICO TRATAMENTO & PREVENÇÃO Ficha Técnica Elaboração, distribuição e informação: MANDATO PARTICIPATIVO DEPUTADO ESTADUAL ADELMO CARNEIRO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CETAM. Centro de Educação Tecnológica do Amazonas GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS CURSO INTRODUTÓRIO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA PARA AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS ALUNO (A): PROFESSOR (A): CETAM Centro de Educação Tecnológica do Amazonas SUMÁRIO

Leia mais

PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013

PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013 PREFEITURA DE MAFRA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N. 001/2013 PROVA: CONHECIMENTOS GERAIS E ESPECÍFICOS FORMAÇÃO EM NÍVEL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARGO AGENTE DE COMBATE A

Leia mais

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the Análise da associação entre variáveis meteorológicas e a incidência de dengue na região noroeste do Rio Grande do Sul: estudo de caso da cidade de Giruá Resumo Shawana S. Mayer 1, Anderson S. Nedel 2,

Leia mais

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar.

Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. Dengue uma grande ameaça. Mudanças climáticas, chuvas e lixo fazem doença avançar. O verão chega para agravar o pesadelo da dengue. As mortes pela doença aumentaram na estação passada e vem preocupando

Leia mais

Aprenda a combater o mosquito e a identificar os sinais e sintomas PASSATEMPOS. l ACHEI l CAÇA-PALAVRA l DOMINOX. l JOGO DOS ERROS E OUTROS JOGOS

Aprenda a combater o mosquito e a identificar os sinais e sintomas PASSATEMPOS. l ACHEI l CAÇA-PALAVRA l DOMINOX. l JOGO DOS ERROS E OUTROS JOGOS a Dengue PASSATEMPOS Aprenda a combater o mosquito e a identificar os sinais e sintomas l ACHEI l CAÇA-PALAVRA l DOMINOX l JOGO DOS ERROS E OUTROS JOGOS Quando se trata da dengue, é preciso ficar atento

Leia mais

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti

NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015. Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti NOTA TECNICA SAÚDE-N. 26-2015 Brasília, 01 de dezembro de 2015. Área: Área Técnica em Saúde Título: CNM alerta municípios em áreas de risco do mosquito Aedes aegypti Fonte: Dab/MS/SAS/CNS 1. Em comunicado

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO

PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO E INGRESSO PROCESSO SELETIVO Nº 02/2010 SUPERVISOR DE CAMPO PROVA DE CONHECIMENTOS INSTRUÇÕES GERAIS 1

Leia mais

CONTROLE DE MOSQUITOS

CONTROLE DE MOSQUITOS CONTROLE DE MOSQUITOS Doenças e Vetores Febre Amarela ceifando foliões. "O carnaval de 1876." Revista Ilustrada, 04.03.1876, ano 1, n 10, p. 7. FIOCRUZ. Desenho de J. Carlos representando Oswaldo Cruz

Leia mais

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura!

Esta é uma história para divertir, ensinar e conscientizar. Boa leitura! É de pequeno que se aprende, como diz o ditado. Pensando desta forma, as secretarias de Estado de Saúde e Defesa Civil e de Educação decidiram unir forças para combater um inimigo de todos: o mosquito

Leia mais

Trabalhos selecionados

Trabalhos selecionados Trabalhos selecionados 1ª ETAPA DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DENGUE EM UBERABA: EPIDEMIA NUNCA MAIS E. M. PROFESSOR JOSÉ GERALDO GUIMARÃES - CENTRO INTEGRADO PACAEMBU PROFESSOR CÁSSIA CRISTINA DE SANTANA

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. José Luiz Domingues Júnior 1, Mônica Regina Bocchi 2, Silvia Helena Necchi 2, Gislaine Buzzini Fernandes 3 1

ARTIGO ORIGINAL. José Luiz Domingues Júnior 1, Mônica Regina Bocchi 2, Silvia Helena Necchi 2, Gislaine Buzzini Fernandes 3 1 ARTIGO ORIGINAL Dengue: Situação Epidemiológica dos últimos dez anos (2001-2010) no município de Barretos - SP Dengue: Epidemiological Situation of the last ten years (2001-2010) in the city of Barretos

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO Á DENGUE NAS COMUNIDADES RURAIS DE MATA GRANDE E SÃO RAFAEL, MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ-RS

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO Á DENGUE NAS COMUNIDADES RURAIS DE MATA GRANDE E SÃO RAFAEL, MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ-RS 618 A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃO Á DENGUE NAS COMUNIDADES RURAIS DE MATA GRANDE E SÃO RAFAEL, MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ-RS Cláudia Renate Trojahn Oliveira 1, Dionísio Link² 1 Acadêmica

Leia mais

PROJETO DENGUE Colégio Santa Clara contra a dengue, apague esse mau

PROJETO DENGUE Colégio Santa Clara contra a dengue, apague esse mau COLÉGIO SANTA CLARA Pré-escola Autorizado por Portaria DRECAP-2 de 29/05/84 Ensino Fundamental Autorizado por Portaria DRECAP-2 de 13/02/85 Ensino Médio Autorizado por Portaria Diretoria de Ensino Região

Leia mais

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA

AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA AEDES AEGYPTI - O IMPACTO DE UMA ESPÉCIE EXÓTICA INVASORA NA SAÚDE PÚBLICA Porto Alegre, junho de 2016 1. O vetor Originário da África, o mosquito Aedes aegypti tem duas subespécies, Aedes aegypti formosus

Leia mais

TODOS CONTRA A DENGUE

TODOS CONTRA A DENGUE TODOS CONTRA A DENGUE A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus da família Flaviridae e transmitida ao homem principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Essa doença afeta milhões de pessoas

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

DESCRIÇÃO DA COLONIZAÇÃO DE AEDES AEGYPTI NA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SÃO PAULO

DESCRIÇÃO DA COLONIZAÇÃO DE AEDES AEGYPTI NA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SÃO PAULO Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 30(4):279-285, jul-ago, 1997. DESCRIÇÃO DA COLONIZAÇÃO DE AEDES AEGYPTI NA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SÃO PAULO Francisco Chiaravalloti Neto O

Leia mais

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE

DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde DESAFIOS E INOVAÇÕES NO CONTROLE DA DENGUE Vigilância epidemiológica e controle vetorial

Leia mais