A ASCENSÃO DO GERENCIALISMO NO SETOR PÚBLICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ASCENSÃO DO GERENCIALISMO NO SETOR PÚBLICO"

Transcrição

1 O gerencialismo e a ética do bem comum: a questão da motivação para o trabalho nos serviços públicos Jean-François Chanlat Professor Titular Hec-Montreal Professor Associado, Laboratório Crepa, Universidade de Paris-Daupline. Publicar uma obra tratando da motivação para o trabalho no setor público é ao mesmo tempo essencial e audacioso. Essencial por um lado, porque os serviços públicos representam hoje um papel determinante em todos os países industrializados em certo número de setores (Saúde, Educação, Cultura, Serviços Sociais) e, por outro lado, porque o Estado cumpre sempre funções centrais na vida coletiva mesmo no contexto de liberalização que conhecemos hoje (Frémeaux, 2001). Audacioso, já que geralmente, para muita gente, os serviços públicos ficam associados à imagem de funcionários pouco inclinados a trabalhar e preocupados principalmente por suas vantagens e seus privilégios, idéia aliás mais ou menos difundida dependendo das épocas e das camadas sociais desde Courteline. Mas, interessar-se pela motivação para o trabalho dos empregados do serviço público talvez seja também e sobretudo interrogar-se sobre a questão do mal-estar profissional que se observa em nossos dias num grande número de serviços públicos aqui e acolá no mundo inteiro. De fato, não passa um dia sem que a imprensa alardeie o blues do pessoal dos hospitais, o estresse dos professores, o mal-estar dos funcionários, etc. As pesquisas sobre tais assuntos são muitas, como atestam os diversos artigos deste trabalho. Quando se começa a falar de motivação num ambiente de trabalho, é geralmente porque se enfrenta uma desmobilização e uma perda de sentido no universo em questão (Sievers, 1990). O que será que está acontecendo hoje para que o temor da motivação no trabalho esteja ficando popular no setor público? E o que se deve pensar das particularidades do trabalho nesse setor para que os empregados do setor público venham a ser novamente motivados? Essas duas perguntas em torno das quais vai se articular nosso artigo identificam-se de certa maneira às interrogações feitas a respeito da evolução do lugar e do estatuto do funcionário no recente congresso internacional das ciências administrativas que houve em Atenas no último mês de julho : Como conseguir o melhor para os serviços públicos? Como conservar os serviços daqueles que possuem as capacidades e a experiência necessárias e são capazes dos melhores desempenhos? Como inspirar, manter e cultivar os valores de dedicação ao serviço, de integridade, de receptividade, de engajamento e de procura da qualidade? Tais são os desafios que a administração pública de hoje deve vencer. (Kudrycka, 2001) No que nos diz respeito, a questão da motivação para o trabalho no setor público está ligada estreitamente a duas coisas, de um lado às transformações que esse setor evidentemente conheceu nos vinte últimos anos, e do outro ao esquecimento de certas especificidades desse tipo de atividades. A ASCENSÃO DO GERENCIALISMO NO SETOR PÚBLICO Durante as últimas duas décadas, temos assistido nas nossas sociedades a mudanças importantes que tiveram uma influência determinante sobre a maneira como se percebia o Estado e como por conseguinte consideravam-se os serviços públicos. A crise do Estado-Providência, o desmoronamento das experiências socialistas, a hegemonia da empresa privada como modelo organizacional eficiente e do mercado como mecanismo de regulação das trocas, têm de fato influenciado profundamente não só a nossa visão da ação pública, mas também as políticas, os programas, as estruturas e a cultura das organizações estatais. Esse surto neo-liberal, como alguns o têm qualificado (Passet, 2000), provocou ao mesmo

2 tempo na maioria dos países do mundo cortes orçamentários mais ou menos importantes, a privatização de numerosas empresas estatais, até mesmo de certos serviços públicos, grandes programas de modernização de serviços permanecendo públicos, e uma ameaça mais ou menos velada de privatização caso tais reformas não dessem certo nos serviços interessados. Doravante, como lembrava um relator do Congresso de Atenas já citado: nesse novo ambiente, o funcionário deve ser ao mesmo competitivo e eficiente e dispor das mesmas aptidões que os empregados do setor privado, e nesse novo modelo de gerenciamento público, a gestão do setor público deve ser similar à do setor privado (Kudryck, 2001). O universo dos serviços públicos enfrenta assim às claras a subida do que temos chamado managerialismo (Mintzberg, 1989; Chanlat, 1998). Por managerialismo entendemos o sistema de descrição, explicação e interpretação do mundo a partir das categorias da gestão privada. As manifestações desse managerialismo ao nosso redor são múltiplas. Em primeiro lugar, a nível lingüístico, pode-se facilmente constatar quanto as palavras gestão, management, gerir, manager, gestionário pertencem hoje em dia ao vocabulário naturalmente utilizado nas trocas do dia-a-dia. (por exemplo, em muitos casos, nossas emoções não se expressam, gerem-se). Depois, a nível organizacional, pode-se notar quanto as noções e os princípios administrativos oriundos da empresa privada (eficiência, produtividade, desempenho, competência, liderança empresarial, qualidade total, cliente, produto, marketing, excelência, reengenharia etc.) tem invadido amplamente as escolas, as universidades, os hospitais, as administrações, os serviços sociais, os museus, os teatros, as entidades sem finalidade lucrativa, até as igrejas. Enfim, pode-se observar quanto os empresários, os gestionários constituem um grupo influente. A figura do gerente tendo-se tornado sem dúvida uma das figuras centrais da sociedade contemporânea onde brilha esse novo espírito do capitalismo de que nos falam Boltanski e Chapiello (1999). Essa presença crescente do pensamento gerencial no universo dos serviços públicos está também estreitamente associada à crítica ferina feita ao modelo burocrático por numerosos auditores, políticos, empresários ou cidadãos reclamando organizações mais flexíveis, mais dinâmicas e mais inovadoras (Osborne e Gaebler, 1992; Peters, 1992). Se algumas dessas críticas não são sem fundamento, longe disso, deve-se reconhecer que muitos desses discursos esquecem às vezes as razões que têm historicamente levado à formação da burocracia (Weber, 1971), e porque esse modelo tão criticado tem sido o modelo das empresas privadas no início do século passado, notadamente na Alemanha (Meyer, 1995). Isto é tanto mais importante a considerar quanto mais as formas organizacionais ficam enraizadas numa sociedade e numa cultura dadas. Isso explica que a visão que se pode ter da burocracia é historicamente muito diferente dos dois lados do Atlântico (Jackall, 1988; Meyer, 1995) tendo os Estados Unidos uma concepção amplamente anti-estatal enquanto a Europa e notadamente a Alemanha e a França sempre atribuíram uma legitimidade muito grande à presença do Estado nas atividades sócio-econômicas. Não é pois por acaso que as críticas mais ferozes da burocracia tenham vindo de autores anglo-saxônicos, para não dizer americanos. Tom Peters chega até a falar de seu ódio da burocracia (1992). O terreno sócio-histórico onde nasceram os predispunha a tal excesso. No decorrer dos últimos meses, o discurso mudou um pouco. As grandes diatribes contra o Estado, a burocracia e sua ineficiência lendária deram lugar a discursos mais favoráveis à ação pública e suas virtudes na atividade sócio-econômica. De um lado, o relaxamento da economia geral, a crise da nova economia, o estalo da bolha especulativa, as críticas dos movimentos anti-globalização, os problemas de regulação tanto na escala nacional quanto na internacional (vaca louca, ratificação dos acordos de Kyoto, condições de trabalho nos países emergentes, etc.), do outro lado os desempenhos mais do que pífios de certos serviços privatizados (rede ferroviária britânica, distribuição de energia na 2

3 Califórnia,...) ou fortemente privatizados (sistema de saúde US) (Farmer e Rylko-Bauer, 2001), recolocaram de fato em dia o papel dos dispositivos reguladores e a pertinência dos serviços públicos. Os atentados de setembro nos Estados Unidos acentuando essa tomada de consciência através da descoberta dos efeitos desastrosos da privatização da segurança aérea nos Estados Unidos, a qual tinha confiado essa missão fundamental, como acaba de o lembrar o sociólogo Ulrich Beck, a trabalhadores de tempo parcial altamente flexível, cujo salário inferior ao dos empregados de fast-food está em torno de 6 dólares por hora. Essas funções de vigilância, centro do sistema da segurança civil interna, foram pois asseguradas por pessoas formadas em apenas algumas horas e conservando não mais que seis meses em média seu emprego na segurança fast-food (Beck, 2001) Tal constatação nos faz voltar às razões que levaram as sociedades a adotar burocracias públicas e aos objetivos que lhes eram destinados, preliminar indispensável, em nossa opinião, a qualquer reflexão sobre a motivação para o trabalho nos serviços públicos. BREVE VOLTA ÀS ORIGENS DA BUROCRACIA Devemos a Max Weber a primeira reflexão fundamental a esse respeito, reflexão ainda muito atual. Que nos diz ele? Lembra-nos que o advento da burocracia moderna, a qual aparece grosso modo na virada do século XX, é a ilustração, no campo das organizações, de um processo mais amplo de racionalização do mundo iniciado no Ocidente há vários séculos (Weber, 1971). Dentro desse processo, a direção administrativa burocrática é o meio de assegurar o tipo de dominação que ele qualifica de racional-legal. Esse modelo de organização apresenta-se mais eficiente que os tipos antigos (carismático e tradicional) já que se apóia sobre o profissionalismo, o saber, a competência, a integridade, a impersonalidade, a independência e certa ética do bem comum ou do interesse geral. Em outras palavras, a burocracia se impõe pelo fato de atender às exigências de uma sociedade racional movida ao mesmo tempo por imperativos de eficiência e imperativos democráticos (a igualdade de todos diante da lei e dos serviços). Weber acrescenta também uma idéia fundamental, a saber que a vida social nas sociedades modernas se desenvolve em diversas ordens de existência. Somos pois submetidos a leis diferentes conforme as esferas interessadas. Para Weber, não se pode transferir um éthos guiando uma conduta profissional particular a uma outra conduta. Assim, o éthos do burocrata e o do homem de negócios não são compatíveis, pois eles pertencem a universos sociais diferentes. Reencontramos uma idéia próxima daquela apresentada por Boltanski e Thévenot quando falam dos mundos e particularmente do mundo cívico na sua obra De La Justification (1991). Se acompanharmos o ponto de vista weberiano, a ascensão do managerialismo, à qual assistimos há uns quinze anos nos serviços públicos, é então algo não evidente. Porque transferindo princípios, valores e procedimentos oriundos da esfera da empresa privada para o setor público, aqueles e aquelas que advogam isso silenciam freqüentemente certos elementos-chaves da atividade de todo serviço público e as especificidades de cada um deles. Pode-se pois facilmente entender que essas mudanças não se façam sem problemas e que numerosos empregados dos serviços públicos fiquem perdidos nesses novos discursos. Pode-se também entender porque a carreira na administração pública não tem mais o atrativo que podia ter junto à elites universitárias interessadas normalmente pela causa pública, notadamente nos Estados Unidos (Clight, 1999). Ora, a natureza do serviço público não é redutível àquela de uma empresa privada. Ela remete a embates sociais que interessam a ética do bem comum cujo objeto, como lembra Petrella, é a riqueza comum, a saber o conjunto dos princípios, das regras, das instituições e dos meios que permitem promover e garantir a existência de todos os membros de uma sociedade humana. No plano imaterial, um dos elementos do bem comum é constituído pelo tríptico reconhecimento-respeito-tolerância nas relações com o outro. No plano material, o bem comum estrutura-se em torno do direito ao acesso justo para todos à alimentação, ao alojamento, à energia, à educação, à saúde, ao transporte, à informação, à democracia e à expressão artística. (Petrella, 1996) 3

4 É neste espírito que em nossos países, o Estado, caução da solidariedade nacional, desenvolveu serviços públicos no século passado. Fazendo isso, dava-lhes uma especificidade que remetia a um universo não mercantil cuja vocação era servir o interesse geral e assegurar a justiça social. (Kuttner, 1997). A ÉTICA DO TRABALHO NOS SERVIÇOS PÚBLICOS : UM PODEROSO FATOR DE MOTIVAÇÃO AO TRABALHO? O trabalho, contrariamente a certos pontos de vista (Rifkin, 1997) constitui sempre um elemento central da identidade de nossos contemporâneos. Quando indivíduos, homens ou mulheres, perdem seu emprego, eles descobrem o aspecto estruturante que a vida profissional ocupa na sua existência. Mesmo que o trabalho não seja tudo (Meda, 1998) ele permanece a grande fonte de renda e um fator chave da identidade pessoal (Sainsaulieu, 1997; Castel, 1995; Francfort, Osty, Sainsaulieu e Uhalde, 1995; Dubar, 2000). A construção de si passa em larga medida por este processo de reconhecimento profissional assim como o bem-estar pessoal (Dejours, 1993); Brunstein, 1999). Os empregos do setor público oferecem uma variedade de situações a esse respeito. O que há de comum, com efeito, entre um professor, uma enfermeira, um funcionário, um carteiro, um policial, um bombeiro, a não ser sua ligação ao serviço público, a tarefa de cada um ou cada uma sendo muito diferente.. Pode-se dizer o mesmo dentro de um universo de trabalho particular (ensino, saúde, serviços sociais, serviços de utilidade pública, etc.). No entanto, se os empregos podem ser muito variados, é certo que cada um deles mobiliza os fatores que fazem com que um trabalho seja interessante, a saber uma certa carga de trabalho (físico, cognitivo, afetivo),um grau mais ou menos elevado de autonomia (poder sobre o ser) um reconhecimento mais ou menos elevado (saber, saber fazer, e saber ser) e um amparo social mais ou menos forte. Conforme os empregos e os contextos, podemos ter um círculo virtuoso: uma boa carga de trabalho, um bom grau de autonomia, um forte reconhecimento do que a gente faz e poder contar com amparo social adequado. Pode-se também observar a situação inversa: carga de trabalho exigente sem autonomia, sem reconhecimento e sem amparo social. Estas duas situações constituem pólos opostos. Na realidade do trabalho cotidiano, podem ser observadas configurações múltiplas. As conseqüências para as pessoas e para as organizações não serão as mesmas dependendo da distância em que a pessoa se encontra desses dois extremos (Chanlat, 1999). Em conseqüência das mudanças que evocamos acima, é interessante considerar brevemente os efeitos que elas tiveram sobre cada um desses fatores (carga de trabalho, autonomia, reconhecimento e amparo social) já que eles não deixam de ter conseqüências sobre a motivação para o trabalho. Nem precisa dizer que essas mudanças variam conforme os empregos assumidos e as organizações, certos empregos sendo mais expostos do que outros (Gollac e Volkoff, 2000). Como não é intenção deste artigo fazer um balanço sobre cada um dos empregos do setor público, contentaremo-nos em lembrar os principais elementos comuns que pudemos notar depois do surgimento desse novo modelo de gerência pública orientada para o desempenho e a produtividade. O primeiro diz respeito ao aumento da carga de trabalho que parece compartilhada por muitos empregados do setor público em razão da redução do pessoal e dos novos imperativos de desempenho e produtividade. Em estreita relação com a carga de trabalho, própria do empregado do serviço público, notadamente para aqueles e aquelas que estão em contato direto com o público, nota-se uma pressão maior da parte dos usuários dos serviços oferecidos. Esta pressão tem várias origens: discurso sobre a importância do cliente, exigências crescentes dos cidadãos para com sua administração, dificuldades sociais crescentes (desemprego, precariedade, pobreza, miséria,...) subida da incivilidade (ensino, transporte,...). O segundo remete ao grau de autonomia. Em muitos casos, se há um verdadeiro apelo para aumentar a responsabilidade e a imputabilidade dos empregados do setor público e notadamente dos 4

5 funcionários, esta vontade gerencial não deixa de se enfrentar com as contradições e incoerências da realidade. Isto porque a hierarquia está freqüentemente bastante presente e a autonomia bastante reduzida, ainda mais porque a chegada de novas tecnologias da informação parece ter tido como conseqüência produzir um sentimento de maior controle da hierarquia. Mas isso não impede que os serviços funcionem, já que, como todo o mundo sabe, os atores recompõem em certa medida o prescrito para poder cumprir seu trabalho em situação (Bernoux, 1995; Reynaud, 1989; Dejours, 1993). O terceiro se refere ao reconhecimento. No decorrer dos últimos vinte anos, os empregados do setor público e notadamente os funcionários sofreram mais ou menos fortemente o discurso sobre sua suposta ineficiência, sua fraca produtividade, até sua verdadeira utilidade. Na maioria dos países industrializados, muitos são os que esconderam sua condição de funcionário público para não ser ridicularizados nos encontros sociais. É preciso entender que o discurso de certos políticos, até de ministros em certos casos, somados às críticas recorrentes da imprensa e do meio dos negócios, afetaram profundamente a imagem que os funcionários tinham de si mesmos. Ora, o reconhecimento, como mostra a psicodinâmica do trabalho, está no âmago do prazer e do sofrimento no trabalho (Dejours, 1990; 1993). Como poderiam os funcionários serem motivados se, não somente não têm sempre os meios de trabalhar, mas também são objeto de escárnio da população, e até de seu ministro de tutela, como se viu na França no campo da Educação. Atinge-se aí um elemento central de sua identidade profissional. O quarto diz respeito ao apoio social oferecido pelos colegas, os superiores, os subordinados ou os usuários dos serviços. Aí novamente, depende dos ambientes e das sociedades. Mesmo encontrandose caso de forte apoio social da parte da população, como na França durante greves, podemos observar o oposto em outros universos geográficos, notadamente na América do Norte. Observa-se também, com a introdução de novas práticas de gestão do pessoal, particularmente o recurso crescente ao contrato de duração determinado, ao tempo parcial e à terceirização, uma fragmentação das equipes de trabalho que não deixa de ter conseqüências sobre a qualidade das prestações efetuadas, como têm mostrado os acontecimentos de setembro já citados. Com isso, rompe-se também uma característica fundamental do serviço público, a segurança do emprego, a qual é uma condição necessária para manter a neutralidade e a independência do funcionário. Finalmente, há um quinto elemento constitutivo de todo trabalho de serviço público que se evoca regularmente nos discursos mas que nem sempre é levado em conta na realidade das mudanças, é o componente ético que lhe é peculiar. Embora toda ação social seja orientada por valores (Pharo, 2000), as que guiam a ação pública remetem a uma ética específica, a do bem comum. Como vimos anteriormente, o surgimento da burocracia e do funcionário no sentido moderno desses termos não se dissocia de um processo social mais geral de separação das esferas da existência (público/privado, princípios pessoais/virtudes cívicas) e de uma vontade de assegurar a todos os cidadãos uma igualdade de serviços (du Gay, 1994; 2000). As qualidades que reconhecemos ao bom funcionário ou ao bom empregado do serviço público (dedicação, integridade, igualdade de tratamento) ilustram essa vontade de despersonalizar a função administrativa. De fato, todas essas qualidades procuram distanciar a pessoa do posto ocupado a fim de que ela não misture as duas coisas, como podia ser o caso antes (Weber, 1971). Se o burocrata pode ter sentimentos pessoais, e certamente os tem, ele não pode agir de modo arbitrário. Pois sua ação está sempre orientada pela sua ética profissional, a qual deve sempre levar em conta o interesse geral e ser guiada pela ética.. É por isso que toda forma de patrocínio ou de corrupção fica proibida.. Assim, como escreve Paul du Gay: a burocracia representa um importante recurso político e ético nos regimes de democracia liberal porque serve a separar a administração da coisa pública dos absolutismos morais privados (1994, p.141). Sem a emergência da burocracia e do burocrata não teria havido essa separação que está no 5

6 coração da democracia liberal entre as virtudes cívicas e os princípios pessoais. Por conseguinte, contrariamente ao que pensam certos críticos desse modelo de organização, a ética do serviço público, que força o funcionário a deixar de lado suas posições pessoais, participa da consolidação das nossas democracias. A contrario, a introdução de formas empresárias de gestão no sistema público talvez seja uma ameaça a essa separação das ordens de existência, já que doravante todas as esferas serão reguladas pelo mesmo éthos, o dos negócios. O funcionário, caução tradicional do interesse geral e do bem comum, deverá de agora em diante obedecer às exigências dos clientes, até mesmo do seu chefe imediato, como acontece segundo a pesquisa realizada por Robert Jackall, nas empresas americanas (1998). A imparcialidade, o tratamento igualitário e o interesse geral correm o risco de desaparecer a longo prazo em benefício de mecanismos cada vez mais mercantis. É por exemplo o que constatam peritos para o sistema de saúde americano: O risco, quando as estruturas médicas comunais trabalham com sociedades privadas, é que esta parceria force a organização pública a visar os aderentes do programa em vez do conjunto da população. Além disso. Pode ser que a filosofia gerencial proiba operar ou empreender operações de prevenção ficando sem efeito sobre a baixa dos custos... A importância concedida aos resultados financeiros incentiva claramente os organismos médicos a evitar os pacientes de alto risco e a se concentrar somente sobre seus aderentes em vez de fazer esforços de prevenção destinados ao conjunto da população. (Lewin, in Farmer e Rylko Bauer, 2001). O debate recente entre os laboratórios farmacêuticos e os Estados de países emergentes sobre o preço do remédio e a orientação das pesquisas médicas fornece outro belo exemplo. Para nós, essa questão é importante já que ela fica no centro da reflexão sobre o lugar e o papel dos serviços públicos, tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento, como também nos países em transição para a economia de mercado. Mas ela se faz num contexto muito diferente de uma região para a outra. Quando os países desenvolvidos vão falar de ética, eles o fazem num contexto de privatização da ação pública, os países em desenvolvimento o fazem no contexto de uma vontade de edificação de uma verdadeira burocracia weberiana, a qual não existe, para desespero dos financiadores internacionais, e os países em transição o fazem no contexto de saída de uma burocracia ideologizada. No caso de nossos países, o que queremos defender aqui como idéia, é que a problemática da motivação no trabalho dos empregados do serviço público não se baseia somente sobre elementos comuns a todo trabalho profissional, ela deve levar em conta a ética particular ligada à ação pública. Quando examinamos o discurso dos empregados, ficamos impressionados, particularmente na França, pela referência regular ao interesse geral, à igualdade, à solidariedade, numa palavra aos grandes princípios que fundamentam a República. Foi o que puderam observa por exemplo Francfort, Osty, Sainsaulieu e Uhalde na sua pesquisa sobre os mundos sociais da empresa através da emergência do que eles apresentaram como o modelo profissional de serviço público (1995). Se esta ética republicana é tradicionalmente forte na França em razão de sua estreita associação com o que fundamenta a honra de uma profissão (d Iribane, 1993), é claro que ela existe em outros países. Ora, não haverá fator mais motivador do que essa ética de bem comum que supostamente encarna o empregado do serviço público? De fato, quantos professores, médicos, funcionários grandes e pequenos, trabalhadores sociais, bombeiros são animados por essa ética nas suas ações cotidianas? Muito mais do que se pensa. Os americanos acabam de redescobri-lo de maneira trágica com a catástrofe do World Trade Center onde centenas de policiais e bombeiros encontraram a morte levando socorro a seus concidadãos. Estes últimos tornaram-se verdadeiros heróis num país que costuma mandar para os infernos seus serviços públicos. Tais sentimentos reaparecem periodicamente nesse tipo de situação. Quando da terrível tempestade que se abateu sobre a França em dezembro de 99, a EDF (Eletricidade da França) viu chegarem espontaneamente a maioria de seus técnicos, aposentados ou não, para ajudar a restabelecer a eletricidade. Observou-se a mesma atitude quando da formidável tempestade de gelo que sofreu o Quebec há alguns anos. 6

7 O orgulho de pertencer a uma categoria que se define pelo serviço dos outros é um poderoso fator de motivação quando realmente assim vivido. Ao introduzir práticas de gestão oriundas do setor privado, os reformadores deveriam pensar duas vezes. Pois, sem o saber, eles podem afetar o que fundamenta a ação de utilidade pública no que ela tem de mais específico, a ética do interesse geral e a defesa da justiça. Tal afirmação pode parecer arcaica para alguns. Entendemo-lo facilmente. Numa época em que o que vale mais são o sucesso individual, a performance informatizada e as tiranias da intimidade, falar em ética do bem comum como fator de motivação pode parecer totalmente defasado. Mas, como sabemos por outro lado que toda vida coletiva é impossível sem um mínimo de cooperação e solidariedade, este lembrete da especificidade da ação pública é indispensável. Com efeito, o que seria de nós se os serviços públicos não existissem ou estivessem muito enfraquecidos? Em certo número de setores onde a lógica do mercado e da empresa privada não pode ser aplicada, sabemos que enfrentaríamos graves problemas de justiça social (Kuttner, 1998; Passet, 2001). Neste início de terceiro milênio que se abre diante de um grande número de incertezas ambientais e sociais, não é inútil insistir sobre a importância do bem comum e do interesse geral, sobre as instituições que lhes são associadas, os organismos públicos e o pessoal encarregados deles, os empregados dos serviços públicos. Ao lembrar a importância e o papel que representa a ética do bem comum nesse tipo de trabalho, queremos dizer a todos e a todas que não pode haver reflexão sobre a motivação para o trabalho no setor público sem apelar para essa noção. Tal lembrete nos parece tanto mais crítico quanto mais, como vimos, a administração pública enfrenta novos discursos importados do setor privado sem levar sempre em conta esses elementos que ao mesmo tempo garantem a separação das esferas, isto é, em certa medida, o pluralismo ao qual estamos todos apegados, e participam da mobilização dos empregados. Ao reintroduzir o papel da ética nesta questão da motivação para o trabalho no setor público, abrimos as portas para uma revalorização do político e dos ideais democráticos. Historicamente, não há desenvolvimento equilibrado sem uma burocracia competente, íntegra, independente e dedicada à causa do bem comum. A solidariedade está na base do desenvolvimento social e do funcionamento eficaz da economia de um país (Petrella,1996). Os reformadores do setor público devem notar isso se não quiserem uma diminuição da qualidade dos serviços e uma desmobilização de seu pessoal. Para nós o novo gerenciamento público não pode, em caso nenhum, ignorá-lo. Pois os grandes ideais éticos estão na base de toda ação de serviço público e parte integrante de toda democracia digna deste nome (Arnsperger e Van Parijs, 2000). Lembremo-nos com efeito da famosa advertência que nos dava Max Weber na virada do século XX nos termos seguintes : Quando o cumprimento do dever profissional não pode ser diretamente ligado aos valores espirituais e culturais mais elevados ou, inversamente, quando não pode ser sentido como uma simples coerção econômica - o indivíduo renuncia em geral a justificá-lo. Nos Estados Unidos, no lugar mesmo do seu paroxismo, a perseguição da riqueza, despojada de seu sentido ético-religioso, tende hoje a associar-se às paixões puramente agonísticas, o que lhe confere quase sempre a característica de um esporte... Para os últimos homens desse desenvolvimento da civilização, estas palavras poderiam se tornar verdade : Especialistas sem visão e voluptuosos sem coração, este nada pensa ter galgado um degrau de humanidade nunca alcançado até então. (1972) Um século mais tarde, seríamos tão diferentes? 7

8 BIBLIOGRAFIA ARNSPERGER, C et VAN PARIJS, P, Éthique économique et sociale, Paris, La découverte, BECK, U, La fin du néolibéralisme, Le Monde, samedi 10 novembre BERNOUX, P, Sociologie des organisations, Paris, Seuil, BOLTANSKI,L et L, THÉVENOT, De la justification, Paris,Métaillé, BRUNSTEIN, I (Dir), L homme à l échine pliée, Réflexions sur le stress professionnel, Paris, Desclée de Brouwer, CHANLAT, J-F, Sciences sociales et management, Ste Foy, Les Presses de l Université Laval, Paris, Eska, CLIGHT, D, The New Public Service, Brooking Institutions Press, DEJOURS, C, Travail et usure mentale, Paris, Bayard, DU GAY, P, In praise of Bureaucracy, Londres, Sage, DU GAY, P, Clolossal Immodestries and Hopeful Monsters : Pluralism and Organizational Conduct, Organization, volume 1,1994, p FARMER, P, et B, RYLKO-BAUER, L exceptionnel» système de santé américain Critique d une médecine à vocation commerciale, Actes de la recherche en sciences sociales, no 139, septembre 2001, p FRÉMEAUX, P, Le nouvel interventionnisme libéral, Alternatives économiques, no 197, novembre FRANCFORT, I, OSTY, F, SAINSAULIEU, R et UHALDE, M, Les mondes sociaux de l entreprise, Paris, Desclée de Brouwer, GOLLAC, Y, et VOLKOFF, S, Les conditions de travail, Paris, La Découverte, D IRIBARNE, P, La logique de l honneur, Paris, Seuil, JACKALL, R, Moral Mazes, The World of Corporate managers, New York, Oxford University Press, KUDRYCKA, B, L évolution de la place et du statut des fonctionnaires, rapport du sous-thème La situation du fonctionnaire ( nouveaux contés, nouveaux défis) La conduite de l action publique au XXI è siècle, XXVè Congrès international de sciences administratives, 9-13 juillet 2001, Athènes. KUTTNER, R, Everything For Sale, Chicago, Chicago University Press, MEDA, D, Le travail une valeur en voie de disparition, Paris, Arléa, 199. MEYER, H-D, Oragnizational Environments and Oragnizational Discourse : Bureaucracy betterave Two Worlds, Organization Science, Vol6, no1, jangada-february 1995, p MINTZBERG, H, Voyage au cœur des organisations, Paris, Éditions d organisation, OSBORNE, D et Gaebler, T, Re-Inventing Government, Reading, Addison-Wesley, PASSET, R, L illusion néo-libérale, Paris, Fayard, PETERS, T, Liberation Management, Londres, Basingstoke, MacMillan, PHARO, P, Perpectives de la sociologie de l éthique, tiré de S, Bateman-Novaes, R, Ogien et P, PHARO, Raison pratique et sociologie de l éthique, Paris, CNRS Éditions, 2000, p RAWLS, J, Théories de la justice, Paris, Seuil, REYNAUD, J-D, Les règles du jeu, L action collective et la régulation sociale, Paris, Armand Colin, RIFKIN, J, The End of Work, New York, Putnam s Sons, SAINSAULIEU, R, L identité au travail, Paris, Presses de la Fondation des sciences politiques, SIEVERS, B, La motivation : un ersatz de significations, tiré de J-f, Chanlat, L individu dans l organisation, les dimensions oubliées, Ste Foy, Les Presses de l Université Laval, Paris, Eska, 1990, p WEBER, M, Économie et sociétés, Paris, Plon, WEBER, M, Histoire économique, Paris, Gallimard,

9 SINTESE BIOGRÁFICA Prof. Dr. Jean-François Chanlat. Ph.D (Université de Montreal, departamento de sociologia, 1985), M.Sc. (Université de Montreal, departamento de sociologia, 1978), B.A.A. (École de Hautes Études Commerciales de Montreal, 1972). Professor titular. École des HEC de Montréal; Professor associado. IECS, Université Robert Schuman, Strasbourg; Professor visitante em várias universidades da Europa, América Latina e África; Diretor e participante de numerosas bancas de teses de mestrado e doutorado (15) e trabalhos dirigidos (25) Autor de vários livros e capítulos de livros(25) Autor de vários artigos de revistas(21), de publicações eletrônicas (1), relatórios de pesquisas e notas de leitura.(11) Participação em numerosas conferências a caractere acadêmico(140) e profissional(20) Presidente, animador e organizador de colóquios e conferências. Endereço: 2147, avenue Vendôme, app.18- Montreal, Québec, H2V 1V4 Canadá. 21, rue des Bonnes Gens- Strabourg, França. No. Telefone: Escritório: (512) Canadá, França Residência: (512) Canadá, França. e/ou 9

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad

Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Discurso do Ministro de Estado da Educação do Brasil, Fernando Haddad Debate sobre Política Geral da 34 a. Conferência Geral da UNESCO Paris, Unesco, Sessão Plenária, 18 de outubro de 2007 Senhor Presidente,

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

* Forum 2000: Reforma do Estado e Administração Gestionária. Lisboa, Fundação

* Forum 2000: Reforma do Estado e Administração Gestionária. Lisboa, Fundação O Modelo Pós-Burocrático: A Reforma da Administração Pública à Luz da Experiência Internacional Recente * J. A. Oliveira Rocha ** * Forum 2000: Reforma do Estado e Administração Gestionária. Lisboa, Fundação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Planejamento Participativo

O Planejamento Participativo O Planejamento Participativo Textos de um livro em preparação, a ser publicado em breve pela Ed. Vozes e que, provavelmente, se chamará Soluções de Planejamento para uma Visão Estratégica. Autor: Danilo

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ENCONTRO COM EMPRESÁRIOS ARGENTINOS

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas Sociologia Organizacional Aula 4 Contextualização Profa. Me. Anna Klamas Organização da Aula A Sociologia de Max Weber e o tema da racionalidade A disciplina de sociologia deve contribuir com a percepção

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Desencantamento

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio 1) - Quais as transformações efetivas que estão ocorrendo no mundo dos negócios e como tais mudanças interferem no movimento do

Leia mais

Ambiente destruído...

Ambiente destruído... Voluntariado Ambiente destruído... A qualidade do ar e o aquecimento global ameaçam a vida no planeta Ritmo acelerado Violência nas ruas... Pobreza... MILHÕES DE CRIANÇAS ESTÃO FORA DA ESCOLA Um bilhão

Leia mais

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça Departamento de Gestão Estratégica FGV Projetos I Introdução 1. Objetivo Objetivo principal: entender quais cenários futuros impactarão

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005 PROJETO EDUCACIONAL Rio de Janeiro 2005 C:\Documents and Settings\Allan.AMPERJD\Configurações locais\temporary Internet Files\Content.IE5\8LIFGDIN\PROJETO_EDUCACIONALMP.doc 1 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO 2-

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea

Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Incorporando a teoria e refletindo sobre a prática em dança contemporânea Suzi Weber Departamento do Teatro da UFRGS Mestra (Université du Québec à Montreal (UQAM) Doutoranda Resumo: O corpo social refere-se

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ANUNCIO DE MUDANÇAS NO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais