O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ."

Transcrição

1 O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ. Fernando A. Veiga1, Rodolfo J. Angulo2, Frederico P. Brandini3, Maria C. de Souza1 & Carlos R. Soares3. 1 Universidade Federal do Paraná, Laboratório de Estudos Costeiros, Rua Evaristo Berleze, 119, Curitiba-PR, CEP , fone Universidade Federal do Paraná, Departamento de Geologia. 3 Universidade Federal do Paraná, Centro de Estudos do Mar. Abstract: The relevance of morphodynamic inner shelf studies in the evolutional processes of coastal sectors was increased in the last two decades. Large time scale studies have to consider a detailed knowledge of barrier systems. This paper try to established the closure depth (Dc) in the shoreface profile, or the maximum depth that the currents generated by orbital wave movement could significantly erode bottom sediments in the inner shelf of Paraná state. Bathymetry, grain size analyses, bedform measurement, sedimentary structures and evolutional models of the adjacent Holocenic coastal plain were used in this work. The gradient variation between 8 and 10 meters depth could be substantially expressive to suggest that the Dc could be at 10 meters water depth, that coincide with the paleo-shoreface limits of the regional Holocenic coastal plain models. The fine sediments occurrence beyond 8 meters depth could indicates the decreasing of the fluid rework power and also indicates the Dc limit. Considering the changing nature of the wave energy and the tide amplitude, emerge here the proposal of a closure sector (Sc) instead a closure depth that, in this case, lies between 8 and 10 meters water depth. This kind of approach could be useful to coastal management programs to indicate sand exploitation areas where beach nourishment programs can find sand sediments sources without the risk of interfere in the coastal depositional systems. Palavras Chave: profundidade de fechamento, morfologia costeira, gradiente da plataforma. Introdução A importância do conhecimento da plataforma rasa no processo evolutivo de setores costeiros vem crescendo nas últimas duas décadas. Estudos evolutivos sobre barreiras em larga escala de tempo (Holeceno-Pleistoceno), têm que considerar o conhecimento detalhado desta região. Em menor escala de tempo, estudos relacionados a acreção e erosão de praias, devem considerar a modelagem da dinâmica atuante no ambiente de plataforma rasa. Projetos de alimentação artificial de praias ou explotação de jazidas submersas de areia também necessitam embasar-se em estudos aprofundados sobra a dinâmica e a morfologia do ambiente de plataforma rasa, sem os quais, danos consideráveis podem ser desencadeados nos setores costeiros adjacentes. Portanto, é fundamental o estudo de áreas submersas rasas próximas à costa, muito pouco conhecidas em escala de detalhe no Estado do Paraná. Com esse intuito foi escolhida a área de estudo deste trabalho na plataforma continental interna rasa paranaense, sendo o objetivo deste trabalho tentar determinar a profundidade máxima onde há movimento significativo de sedimentos durante eventos episódicos de maior energia ou seja, a profundidade de fechamento do perfil (closure depth - Dc) (BRUNN, 1962; SCHWARTZ, 1967; DEAN 1991). Esta condição é válida para plataformas cuja dinâmica é dominada por ondas ou tempestades, não podendo ser considerada em ambientes onde correntes geradas por outros fatores possam ser

2 predominantes (GRUBER, 2002). A área de estudo abrange a plataforma continental interna rasa do litoral do Estado do Paraná, em frente à costa compreendida entre o Pontal do Sul e a Ponta de Matinhos num trecho de aproximadamente 32 km (Fig.1). Este trecho da costa foi primeiramente definido por ANGULO & ARAÚJO (1996) como dominada por ondas e, posteriormente, por VEIGA(2004) como dominada por tempestades. segundo metodologia descrita por FOLK & WARD (1957). Para a caracterização da formas e fundo, estruturas sedimentares e sondagens, foi utilizado equipamento de mergulho autônomo. Para as formas de fundo foram medidas a simetria, amplitude, direção e altura das cristas. As estruturas sedimentares foram identificadas a partir de testemunhos retirados com auxílio de box-corer desenvolvido pelo Laboratório de Estudos Costeiros da UFPR. Resultados e Discussões Na ausência de um monitoramento detalhado dos perfis batimétricos na área de estudo, pode-se considerar, baseando-se nos dados disponíveis, que há duas variações importantes nos gradientes medidos. Uma próxima á isóbata de 8 metros onde o gradiente passa de 1:60 para cerca de 1:200, outra próxima à isóbata de 10 m onde os gradientes médios passam de 1:300 a 1:600 (Fig.2). Como a partir dos 10 metros o registro sedimentar indica a presença de sedimentos palimpsésticos, é muito provável que nesta faixa o gradiente seja mais dependente da herança geológica do que do equilíbrio hidrodinâmico. Figura 1 - Localização da área de estudo e cobertura sedimentar do substrato marinho. Materiais e Métodos Os sedimentos de fundo foram coletados a partir de embarcação com equipamento de busca a fundo tipo Petite Ponar em pontos georreferenciados preestabelecidos ao longo de perfis transversais à linha de costa. As análises granulométricas foram processadas segundo o método descrito por SUGUIO (1973) para o peneiramento com peneiras a intervalos de 0,5 Φ e pelo método de CARVER (1971) para a pipetagem com intervalos de 1 Φ. Posteriormente foram processadas com o auxílio do software SysGran 2.4 (CAMARGO, 1999) para o cálculo dos parâmetros granulométricos Figura 2 - Características batimétricas da área do estudo.

3 Pelas observações de níveis erosivos em box-cores, pode-se inferir que a deposição pós-tempestades atinja até 20 cm de espessura entre 8 e 11 metros de profundidade e até 15 cm a 14,5 metros. As formas de fundo observadas foram marcas de ondas com cristas simétricas formadas por correntes bidirecionais geradas pelo movimento oscilatório das ondas, não indicando direções de correntes predominantes. O fato das medições terem sido tomadas durante períodos de bom tempo certamente impediu que o registro sedimentar de episódios de alta energia pudesse ser observado. Segundo GRUBER (2002), a profundidade de fechamento do perfil na região de Tramandaí (Rio Grande do Sul) situa-se próxima da isóbata de 20 m, onde ocorrem mudanças significativas no perfil topográfico e na distribuição dos sedimentos de fundo. NICHOLS et al.(1998) indicam uma profundidade de fechamento entre 9 e 10 metros em monitoramentos de perfis realizados na costa da Carolina do Norte (EUA). Porém, BEAVERS (1999) destaca o caráter da profundidade de fechamento ser interdependente dos eventos extremos de tempestades com base em dados coletados em Duck na Carolina do Norte durante a passagem do furacão Felix em A mudança do gradiente entre 8 e 10 metros de profundidade poderia ser suficientemente expressiva para sugerir que o limite inferior da shoreface estivesse próximo dos 10 metros, coincidindo com os modelos de LESSA et al. (2000), SOUZA et al. (2003) e SOUZA (2005) para a paleo-shoreface na planície costeira adjacente à área (Fig.03). Um perfil transversal à linha de costa, ao sul do Arquipélago de Currais demonstra que esta quebra não fica tão evidente (Fig.04). A ocorrência de sedimentos mais finos pode ser um indicativo da diminuição do poder de retrabalhamento das ondas a partir dos 8 metros de profundidade porém, VEIGA et al. (no prelo) comentam que os teores de finos entre 10 e 40% e a grande população de organismos bentônicos que habitam esta região, aumentam consideravelmente a coesão deste material, aumentando, consequentemente, a resistência do sedimento à ação das ondas. Estes sedimentos seriam provenientes das baías de Paranaguá e Guaratuba, ao norte e ao sul da área respectivamente, e estariam sendo mantidos próximo à costa pela cerca de energia litorânea, sendo depositados atualmente em condições de baixa energia de ondas. Rio Guaraguaçu 4 2 Face praial 0 NMM Face litorânea superior -2-4 Face litorânea média -6-8 Face litorânea inferior -10 Plataforma rasa Substrato pleistocênico km Barreira pleistocênica Isócrona Depósitos de meandramento do rio Sedimentos lagunares do Holoceno Depósitos de planície aluvial atual Superfície de ravinamento Barreira regressiva holocênica Figura 03 - Modelo evolutivo da barreira regressiva holocênica na parte central da planície costeira adjacente à área (SOUZA 2005, depois de SOUZA et al., 2003).

4 Figura 04 - Perfil batimétrico representativo com a granulometria do fundo na porção central da área estudada (1)Areia muito fina; (2)Areia fina; (3) Areia média; (4)Areia grossa. (Exagero vertical aproximado = 35X). Conclusões Durante as tempestades, a energia de ondas é maior e o registro deposicional irá preservar o retrato destes eventos episódicos de maior energia, podendo erodir em parte ou totalmente os registros da deposição ocorrida durante períodos de menor energia de ondas. Após estes eventos, com a gradual diminuição na energia, formam-se estruturas formadas por deposição gradacional que ficam preservadas quando atingem a zona de soterramento permanente do leito oceânico. A profundidade desta zona está diretamente relacionada com a intensidade das tempestades, sendo por isso tão frequente a ocorrência de inconformidades erosivas nas camadas sedimentares da área de estudo. Este caráter episódico de deposição é de extrema importância para a interpretação de camadas sedimentares e também indica que a profundidade de fechamento do perfil varia de acordo com clima de ondas. Além disso, uma variação significativa no volume de sedimentos retrabalhados é um conceito empírico e mutável, sendo o balanço sedimentar e o regime hidrodinâmico da região os fatores que irão ditar qual a capacidade e a velocidade de recuperação de um perfil costeiro frente a um episódio de alta energia. Considerando-se a natureza mutável das condições de energia de ondas e a amplitude de marés, propõe-se aqui determinar não uma profundidade de fechamento mas um setor de fechamento de perfil, sendo uma faixa iniciando em uma quebra visível no gradiente onde ocorre sedimento mais fino, neste caso 8 metros de profundidade e a ocorrência de material palimpséstico a 10 m de profundidade na área estudada. Uma aplicação prática do estabelecimento deste setor é estabelecer em programas de gerenciamento costeiro, um zoneamento de áreas fonte para a explotação de areia para programas de alimentação artificial de praias com problemas erosivos. Adicionando-se uma margem de segurança de 1 ou 2 metros, poder-se-ia delimitar a região onde a areia poderia ser retirada sem riscos de causar um desequilíbrio no ambiente costeiro. Agradecimentos Ao Laboratório de Estudos Costeiros LECOST pelo apoio logístico e financeiro e a CAPES pela bolsa de estudos. Bibliografia citada ANGULO, R.J. & ARAÚJO, A.D.,1996. Classificação da costa paranaense com base na sua dinâmica, como subsídio à ocupação da orla litorânea. Boletim Paranaense de Geociências. Curitiba. 44: BEAVERS, R. L., Storm sedimentation on the surf zone and inner continental shelf, Duck, North Carolina. Tese de doutorado. Duke University. 115p. BRUUN, P., Sea-level rise as a cause of shore erosion. American Society of Civil Engineers Proceedings, Journal Waterways & Harbors Division, 88: CAMARGO, M. G., SysGran para windows: sistema de análises

5 granulométricas. Pontal do Sul. Paraná. CARVER, R. E., Settling analysis. In: Procedures in sedimentary petrology. Wiley -Interscience, New York, p DEAN, R. G., Equilibrium Beach Profiles: characteristics and applications. Journal of Coastal Research 7:1: FOLK, R. L. & WARD, W. C., Brazos River Bay: Study of the significance of grain size parameters. Journal of Sedimentary Petrology, 27: GRUBER, N. L. S., A antepraia na região de Tramandaí - RS. Tese de doutorado. UFRGS. 207p. LESSA G. C., ANGULO R. J., GIANNINI P. C. F., ARAÚJO A. D Stratigraphy and Holocene evolution of a regressive barrier in south Brazil. Marine Geology, 165: NICHOLS, R. J., BIRKEMEIER, W. A., LEE, G Evaluation of depth closure using data from Duck, NC, USA. International Journal of Marine Geology, Geochemistry and Geophysics. 148: SCHWARTZ, M. L., The BRUUN theory of sea-level rise as a cause of shore erosion. Journal of Geology, 75: SOUZA, M. C., Estratigrafia e evolução das barreiras holocênicas paranaenses, sul do Brasil. Tese de doutorado. UFPR. 185p. SOUZA, M. C., ANGULO, R. J., ASSINE, M., DISARÓ, S. T., PESSENDA, L. C. R., ARAÚJO, A. D., ODRESKY, L. L. R., VEIGA, F. A., SOUSA, S. H. M Evolução da barreira holocênica no litoral do Estado do Paraná, sul do Brasil IX Congr. da Ass. Bras. de Estudos do Quaternário, ABEQUA. Recife-PE. Boletim de resumos, p. 85. SUGUIO, K., Introdução à Sedimentologia. Editora Edgard Blucher/EDUSP, São Paulo, 317 p. VEIGA, F. A., Sedimentologia, morfologia e dinâmica da face da costa no litoral central do estado do Paraná. Dissertação de mestrado. UFPR. 127p. VEIGA, F. A., ANGULO R. J., SÁ, ODRESKI L. L. R., LAMOUR M. R., DISARÓ S. T., (no prelo). Origin of mud deposits in a wave dominated shallow inner continental shelf of the State of Paraná coast, southern Brazil. Journal of Coastal Research. SI 39.

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA

SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA Os sistemas costeiros dominados por onda envolvem ambientes contínuos de deposição desde a praia até a plataforma rasa. Estes depósitos podem formar-se em

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos.

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos. EROSÃO COSTEIRA NO ARCO PRAIAL BARRA DA TIJUCA - RECREIO DOS BANDEIRANTES, ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RETROGRADAÇÃO E PROGRADAÇÃO DA LINHA DE COSTA ¹ Rafael Santos de Sousa

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Flavia Moraes Lins de Barros1 1 Mestranda de Geografia PPGG / UFRJ Laboratório de Geografia

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira.

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Monia Rech; Telma Aisengart Geosoft Latinoamerica Hoefel (1995) descreveu que assim que o vento

Leia mais

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº (2003) 3-7 Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia 2 3 Dieter Muehe, Rosuita Helena

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA

EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA EVOLUÇÃO TEMPORAL DAS PIÇARRAS DESENVOLVIDAS SOBRE AS BARREIRAS HOLOCÊNINICAS DO LITORAL DE SANTA CATARINA Tomasz Boski 1, Maria Cristina Souza 2, Rodolfo José Angulo 2, Francisco J. Gonzalez Vila 3 tboski@ualg.pt

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA Elaine Siqueira Goulart 1 ; Lauro Júlio Calliari 1 elainegoulart@gmail.com 1 - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA)

DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) DEPÓSITOS SEDIMENTARES RECENTES DA PORÇÃO SUPERIOR DA BAÍA DE MARAJÓ (AMAZÔNIA) Silvio Eduardo Matos Martins 1 ; Iran C. Staliviere Corrêa 2 ; Amilcar Carvalho Mendes 3 eduardomm@ufpa.br 1 Universidade

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ Isabela Fortes de Azevedo ; Jacyra Veloso 2 ; Josefa Varela Guerra ; João Marcello de Ribeiro Camargo 3. Departamento

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Classificação do litoral com base na energia Hayes (1979) Morfologias costeiras em função da amplitude da maré PTorres JAD Torres, RS, Brasil Limites da Praia Profundidade

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA Rodrigo Coutinho Abuchacra 1 ; Paula Ferreira Falheiro 1 ; Carolinne L. Soares Macedo 2 ; Sabrina Felix de Oliveira; Alberto

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL Maria das Neves Gregório 1 ;Tereza C. Medeiros de Araújo 2. 1 Geógrafa e aluna do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia

Leia mais

VARIAÇÃO MORFOLÓGICA DOS ECOSSISTEMAS DE PLANÍCIE DE MARÉ NA FOZ DOS RIOS CACHOEIRA, FAISQUEIRA E SERRA NEGRA, ESTADO DO PARANÁ.

VARIAÇÃO MORFOLÓGICA DOS ECOSSISTEMAS DE PLANÍCIE DE MARÉ NA FOZ DOS RIOS CACHOEIRA, FAISQUEIRA E SERRA NEGRA, ESTADO DO PARANÁ. VARIAÇÃO MORFOLÓGICA DOS ECOSSISTEMAS DE PLANÍCIE DE MARÉ NA FOZ DOS RIOS CACHOEIRA, FAISQUEIRA E SERRA NEGRA, ESTADO DO PARANÁ. 1 José Carlos Branco, 2 Rodolfo José Angulo 1 Pós-graduação em Geologia,

Leia mais

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 3 n.1 Jan/Mar 1998, 105-110 TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE Renato R. Martins, Elírio E. Toldo Jr., Luiz E. S. B. Almeida Universidade

Leia mais

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN

Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Avaliação de Processos Erosivos de Falésias em Pirangi do Norte, Parnamirim RN Santos Jr., O. F. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN, olavo@ct.ufrn.br Costa, Y. D. J. Universidade Federal

Leia mais

Fernando Alvim Veiga 1 Rodolfo José Angulo 2 Eduardo Marone 3 Frederico Pereira Brandini 3 Carlos Roberto Soares 4 RESUMO

Fernando Alvim Veiga 1 Rodolfo José Angulo 2 Eduardo Marone 3 Frederico Pereira Brandini 3 Carlos Roberto Soares 4 RESUMO PADRÕES DE TRANSPORTE DE SEDIMENTOS BASEADO EM TRÊS PROGRAMAS GERADORES DE VETORES DE TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE A PARTIR DE PARÂMETROS GRANULOMÉTRICOS NA PORÇÃO SUL DO DELTA DE DESEMBOCADURA DO COMPLEXO

Leia mais

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com.

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com. IMPORTÂNCIA DO NÍVEL DO MAR, DE MUDANÇAS NA PISTA DE VENTO E DO SUPRIMENTO SEDIMENTAR NA EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA PALEOBAÍA DE JAGUARUNA-LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL Milene Fornari 1 ; Paulo César

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA.

SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA. SEDIMENTAÇÃO HOLOCÊNICA NA PLATAFORMA CONTINENTAL DE SALVADOR, BAHIA. Renata Cardia Rebouças 1 ; Alina Sá Nunes 2 ; José Maria Landim Dominguez 3 rcr.renata@gmail.com 1,3 Universidade Federal da Bahia;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFO-SEDIMENTAR DA BAÍA SUL/SC COM BASE EM UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

CARACTERIZAÇÃO MORFO-SEDIMENTAR DA BAÍA SUL/SC COM BASE EM UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS CARACTERIZAÇÃO MORFO-SEDIMENTAR DA BAÍA SUL/SC COM BASE EM UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Gustavo Souto Fontes Molleri1; Jarbas Bonetti1 1 Laboratório Oceanografia Costeira, Depto. Geociências,

Leia mais

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação ISSN 1678-5975 Dezembro - 2007 Nº 5 103-109 Porto Alegre O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação Lins-de-Barros

Leia mais

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL

PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL PROPOSTA DE HIERARQUIZAÇÃO PARA O REGISTRO SEDIMENTAR DA PLANÍCIE COSTEIRA DO RIO GRANDE DO SUL Maria Luiza Correa da Camara Rosa 1,2 ; Eduardo Guimarães Barboza 2 ; Luiz José Tomazelli 2 ; Sérgio Rebello

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA DA PLATAFORMA INTERNA ADJACENTE A ILHA DE ITAMARACÁ - PE.

SEDIMENTOLOGIA DA PLATAFORMA INTERNA ADJACENTE A ILHA DE ITAMARACÁ - PE. SEDIMENTOLOGIA DA PLATAFORMA INTERNA ADJACENTE A ILHA DE ITAMARACÁ - PE. ¹Mestre em Geociências. UFPE, tlopesma@gmail.com ²Universidade Federal de Pernambuco. UFPE, vazmanso@uol.com.br Thiago Lopes de

Leia mais

DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS. Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 RESUMO

DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS. Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 RESUMO DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 1 Universidade Santa Úrsula/ Marinha do Brasil Instituto de Ciâncias

Leia mais

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP*

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* ARARY MARCONI** IBRAHIM OCT AVIO ABRAHÃO** RESUMO Os parâmetros propostos por Folk e Ward (SUGUIO, 1973), diâmetro médio (Mz), desvio padrão gráfico

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES Leão, Caroline 1 ; Albino, Jacqueline 1 1 Departamento de Ecologia e Recursos Naturais- UFES (carolineleao@yahoo.com.br; jacqueline.albino@terra.com.br)

Leia mais

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA.

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. Lucas do Nascimento 1 ; Adeylan Nascimento Santos 1 ; Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL.

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. João Marcello Ribeiro de Camargo 1 ; Tereza Cristina Medeiros de Araújo

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

DUNAS COSTEIRAS NA BARREIRA ARENOSA HOLOCÊNICA DA APA DE MARICÁ NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL

DUNAS COSTEIRAS NA BARREIRA ARENOSA HOLOCÊNICA DA APA DE MARICÁ NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL DUNAS COSTEIRAS NA BARREIRA ARENOSA HOLOCÊNICA DA APA DE MARICÁ NO ESTADO DO RIO DE André Luiz Carvalho Da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ andrelcsilva@igeo.uff.br Márcia Lúcia Luiz

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE SEDIMENTOS COMPATÍVEIS NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE SEDIMENTOS COMPATÍVEIS NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE SEDIMENTOS COMPATÍVEIS NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO

Leia mais

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO 1 ISSN 1679-3013 TROPICAL OCEANOGRAPHY ONLINE MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL Patrícia Mesquita PONTES Tereza Cristina Medeiros de ARAÚJO

Leia mais

CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO

CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO CURVAS DE MUDANÇAS EUSTÁTICAS DO HOLOCENO Kenitiro Suguio 1 ; Vanda Brito de Medeiros 2 kenitirosuguio@hotmail.com 1- Instituto de Geociências, USP; 2- Laboratório de Palinologia e Paleobotânica, UnG R.

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

Cohen MCL, Souza Filho PW, Lara RL, Behling H, Angulo R. (2005) A model of Holocene mangrove development and relative sea-level changes on the

Cohen MCL, Souza Filho PW, Lara RL, Behling H, Angulo R. (2005) A model of Holocene mangrove development and relative sea-level changes on the Evidência de uma Mudança Abrupta no Clima de Ondas da Costa Leste da Bahia durante o Periodo Medieval Evidence of an Abrupt Change in Wave Climate along the Coast of Bahia, during the Medieval Period José

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Barros, A.C.M. 1 ; Souza, J.O.P. 2 ; Correa, A.C.B. 3 ;

Barros, A.C.M. 1 ; Souza, J.O.P. 2 ; Correa, A.C.B. 3 ; CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DOS DEPÓSITOS DE Barros, A.C.M. 1 ; Souza, J.O.P. 2 ; Correa, A.C.B. 3 ; 1 UFPE Email:anaclarambarros@hotmail.com; 2 UFPB Email:jonasgeoufpe@yahoo.com.br; 3 UFPE Email:dbiase2001@terra.com.br;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014.

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. Alyson Bueno Francisco 1 Resumo Este trabalho visa apresentar

Leia mais

RELAÇÃO DOS RECIFES DE ARENITO COM A GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DO LITORAL PIAUIENSE

RELAÇÃO DOS RECIFES DE ARENITO COM A GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DO LITORAL PIAUIENSE RELAÇÃO DOS RECIFES DE ARENITO COM A GEOMORFOLOGIA COSTEIRA Carvalho Baptista, E.M. 1 ; Horn Filho, N.O. 2 ; 1 UESPI Email:elisabethbaptista@bol.com.br; 2 UFSC Email:horn@cfh.ufsc.br; RESUMO: Este trabalho

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DE UM ESPORÃO ARENOSO NA DESEMBOCADURA DA LAGUNA DOS PATOS, RS, BRASIL RESULTADO DE 85 ANOS DE MONITORAMENTO

EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DE UM ESPORÃO ARENOSO NA DESEMBOCADURA DA LAGUNA DOS PATOS, RS, BRASIL RESULTADO DE 85 ANOS DE MONITORAMENTO EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DE UM ESPORÃO ARENOSO NA DESEMBOCADURA DA LAGUNA DOS PATOS, RS, BRASIL RESULTADO DE 85 ANOS DE MONITORAMENTO José A. F.Antiqueira 1 ; Lauro J. Calliari 1 ; José A. S. Fontoura 2.

Leia mais

Capítulo 3 Morfologia submarina e sedimentologia da Armação do Itapocoroy, Penha, SC.

Capítulo 3 Morfologia submarina e sedimentologia da Armação do Itapocoroy, Penha, SC. Bases ecológicas para um desenvolvimento sustentável: Estudos de caso em Penha, SC. Capítulo 3 Morfologia submarina e sedimentologia da Armação do Itapocoroy, Penha, SC. José Gustavo Natorf de Abreu ¹,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC Haak, L. (UFPR) ; Oliveira, F.A. (UFPR) RESUMO O objetivo deste trabalho é caracterizar os sedimentos

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

VULNERABILIDADE DA ZONA COSTEIRA DA PRAIA DO PAIVA, MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO, PERNAMBUCO, BRASIL

VULNERABILIDADE DA ZONA COSTEIRA DA PRAIA DO PAIVA, MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO, PERNAMBUCO, BRASIL VULNERABILIDADE DA ZONA COSTEIRA DA PRAIA DO PAIVA, MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO, PERNAMBUCO, BRASIL José Diniz MADRUGA FILHO CCEN-UNESF/FUNESO Tereza Cristina Medeiros de ARAÚJO Departamento de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE SEDIMENTO PARA GRANULOMETRIA A LASER

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE SEDIMENTO PARA GRANULOMETRIA A LASER COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE SEDIMENTO PARA GRANULOMETRIA A LASER Paula Ferreira Falheiro 1 ; Rodrigo Coutinho Abuchacra 1 ; Carlos Eduardo P. Pacheco 1 ; Alberto Garcia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO DISTRIBUIÇÃO SEDIMENTAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA E

Leia mais

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL)

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) Ana Regina L. Uchoa de Moura 1 ; Xiomara Franchesca G. Diaz 2 ; Bernadete Negromonte C. Bem 3 ; Márcia

Leia mais

ÍNDICE GERAL VOLUME 1

ÍNDICE GERAL VOLUME 1 1/12 ÍNDICE GERAL VOLUME 1 1 IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...1/1 1.1.Identificação do Empreendedor...1/1 1.2.Identificação da Empresa Consultora...1/1 2.... HISTÓRICO DO EMPREENDIMENTO...1/11 2.1. Impacto

Leia mais

Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de Galinhas e Campos - Litoral Sul de Pernambuco, Brasil

Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de Galinhas e Campos - Litoral Sul de Pernambuco, Brasil Pesquisas em Geociências, 3(2): 17-25, 3 ISSN 1518-2398 Instituto de Geociências, UFRGS Porto Alegre, RS - Brasil Morfologia e Sedimentologia da Plataforma Continental Interna entre as Praias Porto de

Leia mais

Aplicação do Diagrama de Pejrup na Interpretação da Sedimentação e da Dinâmica do Estuário da Baía de Marajó-PA

Aplicação do Diagrama de Pejrup na Interpretação da Sedimentação e da Dinâmica do Estuário da Baía de Marajó-PA Pesquisas em Geociências, 32 (2): 109-118, 2005 INSS 1807-9806 Instituto de Geociências, UFRGS Porto Alegre, RS - Brasil Aplicação do Diagrama de Pejrup na Interpretação da Sedimentação e da Dinâmica do

Leia mais

ANÁLISE SEDIMENTOLÓGICA DE PRAIAS ARENOSAS SITUADAS ENTRE A PONTA DO FAROL (CABO FRIO, RJ) E A PONTA DA EMERÊNCIA (BÚZIOS, RJ)

ANÁLISE SEDIMENTOLÓGICA DE PRAIAS ARENOSAS SITUADAS ENTRE A PONTA DO FAROL (CABO FRIO, RJ) E A PONTA DA EMERÊNCIA (BÚZIOS, RJ) ANÁLISE SEDIMENTOLÓGICA DE PRAIAS ARENOSAS SITUADAS ENTRE A PONTA DO FAROL (CABO FRIO, RJ) E A PONTA DA EMERÊNCIA (BÚZIOS, RJ) Neyva de Lima Santiago 1a ; Josefa Varela Guerra 2 ; Claudia Gutterres Vilela

Leia mais

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil ISSN 1678-5975 Outubro - 2004 Nº 2 25-39 Porto Alegre Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil N. O. Horn Filho¹; É. P. Filho² &

Leia mais

MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL

MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE PELOTAS - BRASIL MAPEAMENTO DO PALEOLEITO DO CANAL DO ALBARDÃO, BACIA DE Rocha, R. 1 ; Griep, G. 2 ; Weigert, S. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Email:renatafranciscon@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE).

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Miguel da G. Albuquerque¹; José A.S. Fontoura²; Lauro J. Calliari¹;

Leia mais

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA META Abordar os conteúdos relacionados com as praias arenosas oceânicas e a erosão costeira, contemplando definições, modelos de classifi cação das praias

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE Neise Mare de Souza Alves 1,2 ; Débora Barbosa da Silva 1,2 ; Aracy Losano

Leia mais

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO Lauro Julio Calliari 1, Todd Holand 2 Marcelo Sperle Dias 3, Susana Vinzon 4, E.B. Thorton 5,T. P.

Leia mais

Estoque Arenoso da Plataforma Continental: um Recurso Estratégico para a Zona Costeira

Estoque Arenoso da Plataforma Continental: um Recurso Estratégico para a Zona Costeira ISSN 1678-5975 Dezembro - 2006 Nº 4 37-47 Porto Alegre Estoque Arenoso da Plataforma Continental: um Recurso Estratégico para a Zona Costeira Martins L.R. & Toldo Jr. E.E. * * South West Atlantic Coastal

Leia mais

O Padrão das Ondas de Verão e Outono no Litoral Sul e Norte do Rio Grande do Sul

O Padrão das Ondas de Verão e Outono no Litoral Sul e Norte do Rio Grande do Sul O Padrão das Ondas de Verão e Outono no Litoral Sul e Norte do Rio Grande do Sul João Carlos Strauch, Debora Copstein Cuchiara Universidade Federal do Rio Grande strauch@vetorial.net ; dmtdc@furg.br Elírio

Leia mais

Recebido em 27 setembro, 2005 / Aceito em 22 maio, 2007 Received on September 27, 2005 / Accepted on May 22, 2007

Recebido em 27 setembro, 2005 / Aceito em 22 maio, 2007 Received on September 27, 2005 / Accepted on May 22, 2007 Revista Brasileira de Geofísica (2007) 25(Supl. 1): 79-89 2007 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg MORFOLOGIA DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA ADJACENTE AO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE Ferreira Santana, M. 1 ; Appolari, B.P. 2 ; Leocádio de Oliveira, J. 3 ; Lourenço Alves da Silva, J. 4 ; dos Santos Leandro, G.R. 5 ; dos Santos,

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ

CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ CONSEQUÊNCIAS DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA NA ZONA COSTEIRA: UM EXEMPLO DO LITORAL DO PARANÁ INTRODUÇÃO Gabriela M. Ignácio Karina B. Rebuli Lilian Anne Krug Liliane Kotler Maiara P. Tel Soraya M. Patchineelam

Leia mais

Palavras-chave: avaliação de praia, praia de Ponta Negra, qualidade ambiental

Palavras-chave: avaliação de praia, praia de Ponta Negra, qualidade ambiental PRAIA DE PONTA NEGRA (NATAL-RN): MAPEAMENTO DO USO E DA QUALIDADE AMBIENTAL ASSOCIADA Maria Christina Barbosa de Araújo E-mail: mcbaraujo@yahoo.com.br Docente do Departamento de Oceanografia e Limnologia

Leia mais

Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ)

Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ) Revista Brasileira de Geociências André Luiz Carvalho da Silva et al. 39(4): 685-694, dezembro de 2009 Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ) André Luiz Carvalho da Silva

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS André Zular 1 ; André O. Sawakuchi 1 ; Paulo C.F.Giannini 1 ; Carlos C.F. Guedes

Leia mais

Parâmetros Granulométricos dos sedimentos da praia dos Artistas-Aracaju-SE

Parâmetros Granulométricos dos sedimentos da praia dos Artistas-Aracaju-SE SCIENTIA PLENA VOL. 9, NUM. 5 2013 www.scientiaplena.org.br Parâmetros Granulométricos dos sedimentos da praia dos Artistas-Aracaju-SE Statistical Parameters of Grain Size Distribution of sediments from

Leia mais

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com;

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com; CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DO RIO PARAGUAI, NO SEGMENTO ENTRE A FOZ DO CÓRREGO JACOBINA A FOZ. Neves da Silva, V. 1 ; Alves de Souza, C. 2 ; Ferraz Bühler, B. 3 ; Carla de Almeida, J.

Leia mais

PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)"

PROJETO TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL) PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)" ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MMA/IDEMA-RN/UFRN RELATÓRIO

Leia mais

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE

ESTUDO GRANULOMÉTRICO DA PLATAFORMA INTERNA N DO RN, ENTRE GALINHOS E PORTO DO MANGUE Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL.

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL. VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL. Raquel Cavalcante Soares¹; Jáder Onofre de Morais; Gustavo Henrique Macedo Rocha raquelcavalcantesoares@gmail.com

Leia mais

Aplicação da Batimetria Multifeixe para análise da morfologia do fundo marinho adjacente a praia de Ponta Negra - RN

Aplicação da Batimetria Multifeixe para análise da morfologia do fundo marinho adjacente a praia de Ponta Negra - RN Aplicação da Batimetria Multifeixe para análise da morfologia do fundo marinho adjacente a praia de Ponta Negra - RN Tiago Rafael de Barros Pereira GGEMMA DGEOF/UFRN, Helenice Vital GGEMMA/DG/PPGG/UFRN

Leia mais

BANCO DE DADOS SOBRE as PRAIAS DO ESTADO DO PARANÁ

BANCO DE DADOS SOBRE as PRAIAS DO ESTADO DO PARANÁ BANCO DE DADOS SOBRE as PRAIAS DO ESTADO DO PARANÁ Beaches database of parana state Mauricio Almeida Noernberg Clécio José Lopes de Quadros Rangel Angelotti Eduardo Marone RESUMO A variabilidade de escalas

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

ANÁLISE DA DINÂMICA COSTEIRA EM PRAIAS DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB

ANÁLISE DA DINÂMICA COSTEIRA EM PRAIAS DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB ANÁLISE DA DINÂMICA COSTEIRA EM PRAIAS DO MUNICÍPIO DE CABEDELO-PB NEVES, Marianna Moreira Universidade Federal da Paraíba mariannamn@gmail.com BELTRÃO, Joyce de Araújo Universidade Federal da Paraíba

Leia mais