SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA"

Transcrição

1 SISTEMAS COSTEIROS CLÁSTICOS DOMINADOS POR ONDA

2 Os sistemas costeiros dominados por onda envolvem ambientes contínuos de deposição desde a praia até a plataforma rasa. Estes depósitos podem formar-se em condições de nível do mar estável, descendo ou subindo Apesar de serem dominados por ondas, os registros sedimentares deste sistema pode apresentar uma complexa mistura de ondas e marés.

3 Características Barreiras Corpos arenosos alongados, paralelos a costa, que se estende acima do nível n do mar, com largura emersa variável vel entre dezenas de metros até poucos quilômetros, e que pode, ou não, tanto separar do oceano alguns tipos de ambientes úmidos (lagunas, baías, as, marismas etc.), como apresentar um ou mais canais de conexão entre estes ambientes e o mar

4 Classificação Ilha-barreira Barra-barreira Esporão Planície costeira com cordões litorâneos Praia continental Etc.

5

6

7

8

9

10

11

12 Estruturas, origem e evolução

13 Ambientes e subambientes Dunas Sistema praial Praia (beach( beach) Pós-praia (backshore( backshore) ) e face praial-pé da praia (foreshore( foreshore) Face litorânea (shoreface) superior, média m e inferior Canais de maré (inlets channels) Deltas de maré (tidal deltas) Leques de sobrelavagem (washover fan) Laguna

14

15

16

17 Sistema praial O sistema praial inclui diversos subambientes definidos pela sua proximidade com a costa e pelos processos dominantes.

18 Pós-praia (Backshore) A pós-praia ocorre acima do nível de preamar e só é atingida pelo espraiamento das ondas durante eventos de tempestades. No limite da pós-praia formam-se dunas frontais (foredunes). As feições mais comuns na pós-praia são as bermas.

19 Face praial (Foreshore) A face praial situa-se entre o nível de baixamar e preamar. Corresponde a parte emersa da praia onde ocorre o espraiamento das ondas, devido a diminuição brusca da profundidade. O movimento da água neste subambiente é denominado swash (subida) e backswash (descida).

20 Praia subaérea e intermaré (Foreshore) - Ambientes de pé da praia, face praial e pós praia 1 a 4 m acima do NMM atual Paleoprofundidade (paleonível de 2+1m) 2 P16 P12 Finos Areia ASMFFMGMG Profundidade (nível atual) P10 Finos Areia A SMFFMGMG 4 Finos Areia ASMFFMGMG 1 P04 Finos Areia ASMFFMGMG 3 P15 Finos Areia ASMFFMGMG 0 P13 Finos Areia ASMFFMGMG

21 Areia com estratificação cruzada de baixo ângulo (Sli) camadas cuneiformes com 5 cm a 1,8 m de espessura baixo ângulo < 5 direção preferencial para ESE e subsidiariamente para WNW

22

23 Face litorânea (Shoreface) e Costa afora (Offshore) A face litorânea (shoreface) e a costa afora (offshore) correspondem a parte do perfil costeiro que está permanentemente submerso abaixo da linha de baixamar. O limite entre a face litorânea e a costa afora é o nível de base das ondas de bom tempo profundidade na qual o fundo não mais é afetado pelo movimento das ondas normais.

24 Face litorânea superior (Upper shoreface) - Ambientes entre a arrebentação e zona de surfe 1 m acima a 1 m abaixo do NMM do atual Paleoprofundidade (paleonível de 2+1m) 0 Profundidade (nível atual) 2 P10 P16 Finos Areia ASMFFMGMG -1 Finos Areia ASMFFMGMG 1 P15 Finos Areia ASMFFMGMG P04 Finos Areia ASMFFMGMG P13 Finos Areia ASMFFMG MG P06 Finos Areia ASMFFMGMG

25 estratos de 10 a 20 cm de espessura direção de mergulho para WNW, S e SSE Areia com estratificação cruzada tangencial na base (Stb)

26 Areia com estratificação cruzada planar (Sp) estratos de 5 a 50 cm de espessura direção de mergulho para ESE e SE

27 Areia com estratificação cruzada acanalada (St) estratos de 4 a 50 cm de espessura direção de mergulho predominante SE e subsidiariamente para N, E, ENE, SSE, S, SSW, SW, W lâminas frontais de dunas subaquosas de crista linguóide a sinuosa (3D) em regime de fluxo inferior

28 Face litorânea média (Middle Shoreface) - Zona mais rasa do esbeltamento de ondas até a arrebentação 1 a 4 m abaixo do NMM atual Paleoprofundidade (paleonível de 2+1m) -2 P10 Finos Areia A S MF F M G Profundidade (nível atual) 0-3 P15 Finos Areia A S MF F M G P04 Finos Areia A S MF F P16 Finos Areia A S MF F P17/#4 Finos Areia A S MF F M P06 Finos Areia A S MF F M G -1 P13 Finos Areia A S MF F M P14 Finos Areia A S MF F -4 P03 Finos Areia A S MF F M P12 Finos Areia A S MF F M G MG -2-5 P01 Finos Areia A S MF F M P07 Finos Areia A S MF F M P17#05 P11 Finos Areia A S MF F M P09 Finos Areia A S MF F M -3-6 Finos Areia A S MF F -4 P08 Finos Areia A S MF F M

29 Areia com estratificação cruzada swaley (Ssc) estratos lenticulares de 10 a 40 cm de espessura baixo ângulo e mergulhos variados e truncamentos por onda direção preferencial para NW feições convexas (hummocky) ocorrem ocasionalmente

30 Areia com estratificação cruzada de muito baixo ângulo (Slb) estratos de 3 a 110 cm de espessura baixo ângulo (<3 ) a subhorizontal associada lateralmente a fácies swaly (Ssc)

31 Areias finas a grossas preenchendo escavações (Ss) de 4 a 15 cm de espessura, freqüentemente com estratificações areia fina a grossa, com grânulos, preenchendo escavações, com fragmentos de conchas e abundantes detritos vegetais lenhosos

32 Face litorânea inferior (Lower Shoreface) - Zona de ação de ondas de tempestade até a de esbeltamento 4 a 7 m abaixo do NMM atual Paleoprofundidade (paleonível de 2+1m) -6 P01 P17#05 P17/#4 Finos Areia A S MF F M Profundidade (nível atual) -4 Finos Areia A S MF F M Finos Areia A S MF F M -7 E ) 2) 3) 4) 5) 6) 7)

33 Lama maciça (Fm) estratos de 1 a 45 cm de espessura lama às vezes com conchas maciça na forma de drape

34 Detritos vegetais e lama carbonácea com estratificação cruzada hummocky (Chc) estratos de 2 a 15 cm de espessura, compostos por detritos vegetais com intercalações de lama formando camadas com ondulações e truncamentos por ondas

35 Areia maciça (Sm) estratos de 1 a 170 cm de espessura aspecto mosqueado resultante de intensa bioturbação

36 Costa afora (Offshore) ou plataforma interna (inner shelf) A costa afora normalmente recebe sedimentos finos por suspensão, mas podem ocorrem depósitos de granulometria mais grossa durante tempestades, quando o nível de base das ondas muda.

37 Plataforma interna (Inner Shoreface) - Zona de transição abaixo do limite de ação de ondas de tempestade 7 a 8 m abaixo do NMM atual Fácies heterolítica Ondulada (Hw) e bioturbada (Hb) Fácies de lama com acamamento linsen bioturbada (Flb)

38

39 Leques de sobrelavagem

40

41 Deltas de maré (tidal deltas) e Canais de maré (inlets channels)

42

43

44

45

46

47

48

49 Seqüências costeiras transgressivas e regressivas

50

51

52

53

54

55

56

57

58 Sul ILHA CALADESI Norte 0 1 km Depósitos de praia/duna Depósitos de leques de sobrelavagem NMM NMM Depósitos de mangues Depósitos de face litorânea Depósitos de plataforma (offshore) km 3 4m Progradacional 4m Transgressivo

59 Nayarit, Mexico Nível médio do mar 0 5km Depósitos regressivos de praias e dunas Depósitos de lagunas e pântanos Depósito de face litorânea Descontinuidade Isocronas (anos A.P.) Substrato pleistocênico

60 NORDESTE SUDESTE BAÍA OESTE ILHA DE GALVESTON GOLFO DO MÉXICO m 0 NÍVEL DO MAR km 15 Sedimentos holocênicos da barreira regressiva (shoreface and beach-dune) Sedimentos holocênicos de plataforma rasa (offshore) Sedimentos lagunares Substrato pleistocênico

61 Leste Tuncurry, Austrália Oeste nível médio do mar 10 m 1,0 km Lamas embasamento Barreira transgressiva Barreira pleistocênica Sedimentos eólicos Barreira regressiva Sedimentos lagunares Solo podsol

62 6 4 Rio Guaraguaçu Cava 2 0 NMM ?? Substrato pleistocênico / km Sedimentos lagunares do Holoceno Barreira pleistocênica Sedimentos de meandramento do rio Barreira regressiva holocênica Planície aluvial atual Superfície de ravinamento

63 Fatores que condicionam a formação das barreiras

64 Declividade do substrato (face litorânea plataforma)

65

66 Energia de ondas amplitude de maré

67

68 Aporte de sedimento espaço o de acomodação

69

70 Variação do nível n do mar

71

72

73

74

75 Mecanismos de migração da barreira transgressiva Recuo da costa por erosão da face litorânea (shoreface) Subida lenta do nível n do mar Afogamento no lugar Subida rápida r do nível n do mar

76

77

78 Evolução das barreiras - Métodos diretos e indiretos - Descrição de afloramentos, levantamentos geofísicos, sondagens, datações etc. x modelos faciológicos - Modelos matemáticos ticos Shoreface Translation Model STM Cowell et al. (1993) Variáveis necessárias para o programa Declividade do substrato Velocidade de queda/subida do nível n do mar Sedimentação lagunar Altura da storm surge Taxa de aporte de sedimentos

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91 Evolução das barreiras brasileiras

92

93

94 a Erosão Nível máximo do mar b Nível do mar atual c Nível do mar atual Embasamento Sedimentos continentais Argilas transicionais Aluvião Areias pleistocênicas Areias transgressivas holocênicas Ilha-barreira Areias regressivas holocênicas Sedimentos lagunares holocênicos

95

96 BARREIRA I BARREIRA II BARREIRA III BARREIRA IV Pleistoceno Pleistoceno Superior Holoceno Pleistoceno Inferior Intermediário Nível médio do mar Embasamento e depósitos de leques aluviais Depósitos lagunares Depósitos paludais e fluviais Depósitos eólicos Depósitos de praia Depósitos marinhos transgressivos

97

98

99 Atual anos A.P

100

101 a MSL b V#17 V#13 V#12 V#11 NS Rio Guaraguaçu BF? V#9 V#10?? NS V#5 V#8 V#7 V#6 UP BF? D#7 NMM c MSL ,100 y.b.p m -16 Barreira transgressiva holocênica Barreira regressiva holocênica NS - Nearshore BF - Face praial d Paleolaguna/estuário holocênico Canal estuarino holocênico Barreira pleistocênica UP - Shoreface superior V#9 - Vibrotestemunho D#7 - Sondagem geotécnica MSL estuarine sediment Pleistocene barrier eroded area transgression maximum transgressive Holocene barrier regressive

102 6 4 Rio Guaraguaçu Cava Fp Fls Fli? Fp Fls Fli NMM km?? Pr Pr Sedimentos lagunares do Holoceno Barreira regressiva holocênica Barreira pleistocênica Superfície de ravinamento Isócrona Fls - Face litorânea superior Fli - Face litorânea inferior Fp - Face praial Pr - Plataforma rasa NMM - Nível médio do mar

103 Paleoprofundidade (paleonível de 2+1m) 2 1 P04 P15 0 P16 P12 P13 Praia subaérea-intermaré P10 Profundidade (nível atual) Face litorânea superior P P03 P01 E E P07 P17#05 P14 P08 P17/#4 Face litorânea média P11 P E Face litorânea inferior # #01 Plataforma rasa # Substrato

104 anos cal. AP anos A. P. 6 4 Rio Guaraguaçu Cava 2 0 NMM ?? km Sedimentos lagunares do Holoceno Sedimentos de meandramento do rio Planície aluvial atual Substrato pleistocênico /-1750 Barreira pleistocênica Barreira regressiva holocênica Superfície de ravinamento

105 pequena e estreita barreira transgressiva, com no máximo 100 m de largura e cavalgando sobre o substrato pleistocênico teria isolado a laguna e teria se posicionado a cerca de 8 km da linha de costa atual Simulação do Shoreface Translation Model - STM 6 4 a) Rio Guaraguaçu Cava 2 0 NMM ? -10? -12 Substrato pleistocênico km

106 48º30 Baía de Paranaguá 25º30 Praia de Leste Oceano Atlântico Barreira holocênica 25º45 Baía de Guaratuba 0 1km Sedimentos paleoestuarinos Barreira pleistocênica Sedimentos continentais Serras e morros

107 48º30 Baía de Paranaguá 25º30 Praia de Leste Oceano Atlântico Barreira holocênica 25º45 Baía de Guaratuba 0 1km Sedimentos paleoestuarinos Barreira pleistocênica Sedimentos continentais Serras e morros

108 Ilha Guaraguaçu Rio Guaraguaçu GPR N

109 6 b) Rio Guaraguaçu Cava NMM ??? km Barreira pleistocênica Barreira transgressiva Depósitos de meandramento do rio Depósitos de planície aluvial atual Substrato pleistocênico Barreira regressiva holocênica Sedimentos lagunares do Holoceno Superfície de ravinamento Setor erodido pelo rio

110

111

112

113 Areia com estratificação cruzada de baixo ângulo (Sli) camadas cuneiformes com 5 cm a 1,8 m de espessura baixo ângulo < 5 direção preferencial para ESE e subsidiariamente para WNW

114

115 Areia com estratificação cruzada acanalada (St) estratos de 4 a 50 cm de espessura direção de mergulho predominante SE e subsidiariamente para N, E, ENE, SSE, S, SSW, SW, W lâminas frontais de dunas subaquosas de crista linguóide a sinuosa (3D) em regime de fluxo inferior

116 Areia com estratificação cruzada planar (Sp) estratos de 5 a 50 cm de espessura direção de mergulho para ESE e SE

117 estratos de 10 a 20 cm de espessura direção de mergulho para WNW, S e SSE Areia com estratificação cruzada tangencial na base (Stb)

118 Areias finas a grossas preenchendo escavações (Ss) de 4 a 15 cm de espessura, freqüentemente com estratificações areia fina a grossa, com grânulos, preenchendo escavações, com fragmentos de conchas e abundantes detritos vegetais lenhosos

119 Areia com estratificação cruzada swaly (Ssc) estratos lenticulares de 10 a 40 cm de espessura baixo ângulo e mergulhos variados e truncamentos por onda direção preferencial para NW feições convexas (hummocky) ocorrem ocasionalmente

120 Areia com estratificação cruzada de muito baixo ângulo (Slb) estratos de 3 a 110 cm de espessura baixo ângulo (<3 ) a subhorizontal associada lateralmente a fácies swaly (Ssc)

121 Detritos vegetais e lama carbonácea com estratificação cruzada hummocky (Chc) estratos de 2 a 15 cm de espessura, compostos por detritos vegetais com intercalações de lama formando camadas com ondulações e truncamentos por ondas

122 Lama maciça (Fm) estratos de 1 a 45 cm de espessura lama às vezes com conchas maciça na forma de drape

123

124 Areia maciça (Sm) estratos de 1 a 170 cm de espessura aspecto mosqueado resultante de intensa bioturbação

125 Fácies heterolítica Ondulada (Hw) e bioturbada (Hb) Fácies de lama com acamamento linsen bioturbada (Flb)

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com.

Milene Fornari 1 ; Paulo César Fonseca Giannini 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 3 ; Juliana de Moraes Leme 2 milenefornari@yahoo.com. IMPORTÂNCIA DO NÍVEL DO MAR, DE MUDANÇAS NA PISTA DE VENTO E DO SUPRIMENTO SEDIMENTAR NA EVOLUÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA PALEOBAÍA DE JAGUARUNA-LAGUNA, SANTA CATARINA, BRASIL Milene Fornari 1 ; Paulo César

Leia mais

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes

Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS. Aracy Losano Fontes Aula 5 PLANÍCIES E LAGUNAS COSTEIRAS META Apresentar os conceitos relacionados às planícies e lagunas costeiras, fatores de formação e características principais. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL.

45 mm SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. SEDIMENTAÇÃO NO SEGMENTO COSTEIRO DE ITAIPU-CAMBOINHAS (NITERÓI-RJ) DURANTE O PLEISTOCENO MÉDIO/FINAL E HOLOCENO INICIAL. Lucas Araujo Costa 1 ; Renato Rodriguez Cabral Ramos 2 ; Fábio Ferreira Dias 3

Leia mais

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil

Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil ISSN 1678-5975 Outubro - 2004 Nº 2 25-39 Porto Alegre Diagnóstico geológico-geomorfológico da planície costeira adjacente à enseada dos Currais, Santa Catarina, Brasil N. O. Horn Filho¹; É. P. Filho² &

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Geologia ANÁLISE ESTRATIGRÁFICA DA BARREIRA COSTEIRA DE GUARATUBA, PR

Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Geologia ANÁLISE ESTRATIGRÁFICA DA BARREIRA COSTEIRA DE GUARATUBA, PR Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Geologia ANÁLISE ESTRATIGRÁFICA DA BARREIRA COSTEIRA DE GUARATUBA, PR JOSÉ EDUARDO GHENO BECKER Orientador: Prof. Dr. Rodolfo José Angulo, UFPR

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ.

O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ. O LIMITE DE REMOBILIZAÇÃO SIGNIFICATIVA DE SEDIMENTOS DE FUNDO EM UMA PLATAFORMA RASA DOMINADA POR TEMPESTADES NO LITORAL CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ. Fernando A. Veiga1, Rodolfo J. Angulo2, Frederico

Leia mais

Zoneamento. Apa ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL. Guaraqueçaba

Zoneamento. Apa ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL. Guaraqueçaba Apa ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Zoneamento da de Guaraqueçaba I59z Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Zoneamento da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba. /Instituto Paranaense

Leia mais

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos

Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos Regime Patrimonial dos Espaços Litorâneos É na faixa litorânea em que se encontra situada uma parcela significativa dos bens públicos, uma vez que, por disposição contida na Constituição Federal de 1988,

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

Foto 2.10 Influência do delta de maré vazante formando spits. Foto Miriam Cunha. Maio 2007.

Foto 2.10 Influência do delta de maré vazante formando spits. Foto Miriam Cunha. Maio 2007. Dissertação de Mestrado Capítulo 2 geomorfológica da linha de costa, sofre forte influência das marés formando feições de pequeno delta de maré vazante e formação de spits perpendicular a costa, que são

Leia mais

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL

A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL A ILHA DE SANTA CATARINA E SEU QUADRO NATURAL O GONDWANA O continente de Gondwana, englobando partes das atuais Austrália, Antártica, Índia, África e América do Sul iniciou há cerca de 180 milhões de anos

Leia mais

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE ECOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE OCEANOGRAFIA ANA CLAUDIA J. MARCONDES VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMIMENSE INSTITUDO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA LABORATÓRIO DE GEOLOGIA MARINHA LAGEMAR VICTOR CRUZ MURILLO DISTRIBUIÇÃO SEDIMENTAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA E

Leia mais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES DO DELTA DE CABECEIRA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA, BAÍA DE VITÓRIA, ES.

DEPÓSITOS SEDIMENTARES DO DELTA DE CABECEIRA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA, BAÍA DE VITÓRIA, ES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA GABRIELA DE ALMEIDA BERNARDO DEPÓSITOS SEDIMENTARES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES 2003 1 ONDAS Fenômeno de propagação de energia de um ponto a outro, sem que ocorra transporte de matéria.

Leia mais

Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem

Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem Mapa Geomorfológico Preliminar do Complexo Lagunar Sul Catarinense e Análise Paleoambiental da Lagoa do Imaruí apoiada em Furos de Sondagem Mari Angela Machado 1 Lucia Ayala 2 INTRODUÇÃO A Lagoa de Imaruí

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA META Apresentar uma visão geral da Geomorfologia Costeira visando o entendimento da interferência de processos marinhos e subaéreos, atuais e pretéritos, e as formas de relevo

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA DA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAPOÁ, LITORAL NORTE DE SANTA CATARINA

EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA DA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAPOÁ, LITORAL NORTE DE SANTA CATARINA Revista Brasileira de Geociências 31(2):223-230, junho de 2001 EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA DA PLANÍCIE COSTEIRA DE ITAPOÁ, LITORAL NORTE DE SANTA CATARINA MARIA CRISTINA DE SOUZA (1,3), RODOLFO JOSÉ ANGULO

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

Rodolfo José Angulo LABORATÓRIO DE ESTUDOS COSTEIROS - LECOST, DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA, SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Rodolfo José Angulo LABORATÓRIO DE ESTUDOS COSTEIROS - LECOST, DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA, SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Rodolfo José Angulo LABORATÓRIO DE ESTUDOS COSTEIROS - LECOST, DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA, SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Carlos Roberto Soares LABORATÓRIO OCEANOGRAFIA GEOLÓGICA

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica

Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica Interpretação do Paleoambiente do Sambaqui do Recreio: Uma análise Geofísica e Paleogeográfica Gustavo Peretti Wagner 1 André Bernardi Bicca de Barcellos 2 RESUMO: O presente trabalho busca interpretar

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC

GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA COSTEIRA DA FOLHA SOMBRIO, SC MUDAT, J.E., MELO, A.T., RIBEIRO, D., SOUZA, D.R., NEVES, J., DI PIETRO FILHO, J.E., KITAHARA, M.V., HORN FILHO, N.O., OLIVEIRA, U.R. Programa de

Leia mais

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn 45 4. FÁCIES SEDIMENTARES E AMBIENTES DEPOSICIONAIS Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn e Moraes (1989) como complexos turbidíticos canalizados, com base nos

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFODINÂMICA DAS PRAIAS OCEÂNICAS DO LITORAL DE ANCHIETA E PIÚMA ES

COMPARTIMENTAÇÃO MORFODINÂMICA DAS PRAIAS OCEÂNICAS DO LITORAL DE ANCHIETA E PIÚMA ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPIRITO SANTO CENTRO DE CIENCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA ALEX EVARISTO DA SILVA COMPARTIMENTAÇÃO MORFODINÂMICA

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE FONTES, Aracy Losano Universidade Federal de Sergipe. Núcleo de Pós-Graduação

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos.

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos. EROSÃO COSTEIRA NO ARCO PRAIAL BARRA DA TIJUCA - RECREIO DOS BANDEIRANTES, ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RETROGRADAÇÃO E PROGRADAÇÃO DA LINHA DE COSTA ¹ Rafael Santos de Sousa

Leia mais

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.1.0100 1 ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS Júnia Casagrande 1 (UFRGS ANP PRH12),

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Flavia Moraes Lins de Barros1 1 Mestranda de Geografia PPGG / UFRJ Laboratório de Geografia

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA META Abordar os conteúdos relacionados com as praias arenosas oceânicas e a erosão costeira, contemplando definições, modelos de classifi cação das praias

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 3 n.1 Jan/Mar 1998, 105-110 TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE Renato R. Martins, Elírio E. Toldo Jr., Luiz E. S. B. Almeida Universidade

Leia mais

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral

Perfil representativo de ARGISSOLO VERMELHO Distrófico típico. Descrição geral Perfis representativos das unidades taxonômicas de solos, com sua classificação taxonômica (Sistema Brasileiro de Classificação de Solos), descrições morfológicas internas e externas e dados das análises

Leia mais

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação ISSN 1678-5975 Dezembro - 2007 Nº 5 103-109 Porto Alegre O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação Lins-de-Barros

Leia mais

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil Antonio Liccardo ESCOPO As Bacias Sedimentares Brasileiras As bacias costeiras do Sul e Sudeste Importância econômica e disponibilidade de

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL.

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. Ronaldo dos Santos da Rocha 1 Elírio E. Toldo Jr. 2 Jair Weschenfelder 2 1 Eng. Cartógrafo, Prof. Dr. Depto. Geodésia

Leia mais

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Gisele Pietrobelli Wellington Barbosa da Silva 2012 Gisele Pietrobelli; Wellignton Barbosa da Silva

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Classificação do litoral com base na energia Hayes (1979) Morfologias costeiras em função da amplitude da maré PTorres JAD Torres, RS, Brasil Limites da Praia Profundidade

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

ICNOFÓSSEIS. (ou Fósseis-Traço = Trace Fossils) Coprólitos. Rosemarie Rohn Davies. Coprólito de dinossauro. Coprólitos de peixes

ICNOFÓSSEIS. (ou Fósseis-Traço = Trace Fossils) Coprólitos. Rosemarie Rohn Davies. Coprólito de dinossauro. Coprólitos de peixes ICNOFÓSSEIS Ovos (ou Fósseis-Traço = Trace Fossils) Rosemarie Rohn Davies Coprólitos Bioturbação Escavações que destruíram ram a laminação original. Copr ólitos: importantes para analisar a dieta alimentar

Leia mais

VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR.

VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ THAÍS GUIMARÃES DE FREITAS VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR. PONTAL DO PARANÁ 29 THAÍS GUIMARÃES DE FREITAS VARIAÇÃO

Leia mais

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

Aspectos Territoriais: Relevo

Aspectos Territoriais: Relevo América Latina: Aspectos Geográficos Aspectos Territoriais: Relevo América do Sul: diversidade do relevo: O relevo sul americano está distribuído em três grandes porções: Porção leste: formado por um relevo

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

Perfis topográficos da secção da barra da Lagoa de Albufeira

Perfis topográficos da secção da barra da Lagoa de Albufeira CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo da Lagoa de Albufeira Perfis topográficos da secção

Leia mais

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA Elaine Siqueira Goulart 1 ; Lauro Júlio Calliari 1 elainegoulart@gmail.com 1 - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Geociências Ulisses Rocha de Oliveira et al. 38(3): 566-576, setembro de 2008 Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de

Leia mais

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS

GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS GEOTECNIA: ELEMENTOS ESTRUTURAIS DAS ROCHAS Ciência: Geologia Estrutural Objetivo: determinar a distribuição das massas rochosas e das feições que as secionam Deformação de uma estrutura rochosa Mudança

Leia mais

ABORDAGEM SISTÊMICA DA PRAIA DO CALHAU

ABORDAGEM SISTÊMICA DA PRAIA DO CALHAU ABORDAGEM SISTÊMICA DA PRAIA DO CALHAU MÍLEN, A. F. 1 Estudante do 7º período da Universidade Federal do Maranhão; V.P. 23 nº11 Cohab Anil II em São Luís-MA, CEP-65050320; fone: 9832690526; milenmonteles@yahoou.com.br

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil

Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de Oliveira, Anderson Tavares de Melo, Daniel

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro Ana Cláudia Cardoso Lima Josefa Edilani de Souza Prof. Dr. Lício Valério Lima Vieira (Orientador) RESUMO No Brasil,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Patricia Fernanda Passos de Oliveira 1 Renê Jota Arruda de Macêdo 1 Hewerton Alves da Silva 1 Eduardo Paes Barreto

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira Gilberto T. M. Dias UFF Itens abordados na apresentação: Algas calcarias como geradoras de depósitos sedimentares Relações com

Leia mais

ECOFÁCIES E FACIOLOGIA DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DA BAÍA DE VITÓRIA E.S.

ECOFÁCIES E FACIOLOGIA DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DA BAÍA DE VITÓRIA E.S. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA AMBIENTAL PAULO VERONEZ JUNIOR ECOFÁCIES E FACIOLOGIA DOS SEDIMENTOS DE FUNDO DA

Leia mais

IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS DECORRENTES DAS PROPOSTAS DE REGULAMENTAÇÃO DA ZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL 7 (ZPA 7), MUNICÍPIO DE NATAL/RN.

IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS DECORRENTES DAS PROPOSTAS DE REGULAMENTAÇÃO DA ZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL 7 (ZPA 7), MUNICÍPIO DE NATAL/RN. 1 IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS DECORRENTES DAS PROPOSTAS DE REGULAMENTAÇÃO DA ZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL 7 (ZPA 7), MUNICÍPIO DE NATAL/RN. Laudo pericial solicitado pelo Ministério Público do

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Informações do Porto de Ilha Guaíba

Informações do Porto de Ilha Guaíba Informações do Porto de Ilha Guaíba Sumário 1. Introdução... 3 2. História e Desenvovimento do Porto... 3 3. Vista Panorâmica de Ilha Guaíba... 4 4. Infra-Estrutura Portuária... 4 4.1. Localização... 4

Leia mais