Módulo e Legais. com a Humano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo e Legais. com a Humano"

Transcrição

1 Curso de Capacitação a Distância em Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Módulo I Fundamentos Conceituais e Legais Relacionados com a Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano UNIDADE 2 Fundamentos Técnicos 1

2 Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde SVS Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador (DSAST) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental CGVAM Universidade Aberta do SUS (UnA SUS) Organização Pan Americana de Saúde (OPAS OMS) Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Instituto de Saúde Coletiva IESC Laboratório de Educação a Distância do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ (LABEAD/IESC) Carmen Ildes Rodrigues Fróes Asmus Coordenação Geral Maria Izabel de Freitas Filhote Coordenação Adjunta Nolan Ribeiro Bezerra Teixeira Coordenação Técnica Maria Imaculada Medina Lima Supervisão de Produção Clayre Lopes Supervisão de Produção Mariano Andrade da Silva Técnico Gleice Borba Ferreira da Silva Secretária Danielle Ribeiro Revisão Ortográfica Laboratório de Tecnologias Cognitivas do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (LTC/NUTES) Miriam Struchiner Coordenação Geral (Equipe pedagógica) Taís Giannella Coordenação Executiva (Equipe pedagógica) Rodrigo Alcantara de Carvalho Designer Instrucional Silvia Esteves Duarte Designer Gráfico Márcia Quintella de Oliveira Designer Gráfico Luciana Martins Vieira Técnica em Assuntos Educacionais Letícia de Moraes Apoio Administrativo Daniela de Melo Callegario Estagiária de Programação Visual Vanessa Padilha Estagiária de Programação Visual 2

3 APRESENTAÇÃO O Módulo I, intitulado Fundamentos Conceituais e Legais Relacionados com a Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano do curso de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano, tem como objetivo compreender os aspectos conceituais, legais e técnicos aplicados à vigilância da qualidade da água para consumo humano. O Módulo I foi estruturado em duas unidades, a saber: Unidade 1: Fundamentos Conceituais e Legais Na Unidade 1 você terá a oportunidade de relembrar os princípios e diretrizes do SUS e sua relação com a Vigilância em Saúde, a importância da relação água e saúde, os aspectos conceituais, legais e técnicos da vigilância, qual o campo e a forma de atuação da Vigilância e quais as competências do setor saúde e prestadores de serviços relacionados à qualidade da água para consumo humano. Unidade 2: Fundamentos Técnicos Na Unidade 2 você vai compreender os conceitos envolvidos no abastecimento de água para consumo humano que são fundamentais para o aprimoramento do exercício das atividades relacionadas à Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano. 3

4 Módulo I Fundamentos Conceituais e Legais Relacionados com a Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano UNIDADE 2 Fundamentos Técnicos Autores Valter Lúcio de Pádua Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre e doutor em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC USP). Pós doutorado pelo Instituto de Diagnóstico Ambiental e Estudos da Água do Conselho Superior de Investigações Científicas de Barcelona, Espanha. Professor adjunto do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG. Leonardo Augusto dos Santos Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestrando do Programa de Pós Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da UFMG. 4

5 Módulo I Fundamentos Conceituais e Legais Relacionados com a Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano UNIDADE 2 Fundamentos Técnicos Objetivos específicos No fim desta unidade, você terá subsídios para: Definir as diversas formas de abastecimento de água para consumo humano; Compreender o processo de remoção de contaminantes químicos e organismos patogênicos por meio do tratamento da água; Definir os parâmetros de qualidade da água (físicos, químicos e microbiológicos) e os seus significados sob a perspectiva de risco à saúde; Avaliar o padrão de potabilidade da água para consumo humano no contexto das práticas de atuação da vigilância; Identificar os tipos de doenças relacionadas com a água para consumo humano, suas vias de transmissão e medidas de controle. 5

6 PARA INÍCIO DE ESTUDO Na Unidade 1 você teve a oportunidade de relembrar os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e sua relação com a Vigilância em Saúde, a importância da relação água e saúde, os aspectos conceituais e legais da Vigilância, quais o campo e a forma de atuação da Vigilância e as competências do setor saúde e prestadores de serviços de abastecimento de água. Na Unidade 2, você vai compreender os conceitos envolvidos no abastecimento de água para consumo humano que são fundamentais para o aprimoramento do exercício das atividades relacionadas com a Vigilância da Qualidade da Água para consumo humano. Você vai ter a oportunidade de entender: i) as diversas formas de abastecimento de água para consumo humano, desde a captação até a distribuição; e ii) o processo de remoção de contaminantes químicos e organismos patogênicos por meio do tratamento da água. Outro ponto importante que você estudará nesta unidade se refere aos parâmetros de qualidade da água (físicos, químicos e microbiológicos) e os seus significados sob a perspectiva de risco à saúde, além dos aspectos relacionados com o padrão de potabilidade da água para consumo humano no contexto das práticas de atuação da Vigilância no seu município. E, por fim, você vai ler sobre os tipos de doenças relacionadas com a água para consumo humano, suas vias de transmissão e medidas de controle. 6

7 SUMÁRIO 1. Abastecimento de Água para consumo humano: da captação à distribuição O caminho da Água: da captação à distribuição Os Mananciais e as Formas de Captação Captação de Água de Superfície Captação de Água Subterrânea Captação de Água de Chuva Escolha e Proteção do Manancial de Captação O Transporte de Água (Adução) Tratamento da Água Técnicas de Tratamento com o uso da Filtração Rápida em Meio Granular Técnicas de Tratamento com o uso da Filtração Lenta em Meio Granular Separação em Membranas Etapas de Tratamento Comum a Todas as Tecnologias de Tratamento Remoção de Contaminantes Químicos e Organismos Patogênicos por meio do Tratamento de Água Reservação e Distribuição Reservatórios de Distribuição de Água Rede de Distribuição de Água Instalações Prediais Soluções Alternativas Coletivas Qualidade da Água para consumo humano e Plano de Amostragem Qualidade da água para consumo humano Plano de Amostragem Doenças de Transmissão Hídrica 69 Resumindo 74 Referências Bibliográficas 76 FIQUE ATENTO! Existe uma grande variedade de possíveis arranjos que caracterizam as formas de abastecimento de água para consumo humano. A seguir, vamos aprender e relembrar conceitos importantes envolvidos no abastecimento de água, iniciando com um estudo de caso. 7

8 Introdução ao Estudo de Caso Caros alunos, para vocês compreenderem, os conceitos aplicados no aprimoramento das atividades relacionadas com a Vigilância da Qualidade da Água para consumo humano, iniciaremos esta unidade com um estudo de caso que tem como objetivo apresentar uma situação hipotética relacionada com o abastecimento de água, mas que permitirá que vocês façam associação com situações reais, e identifiquem problemas e desafios relativos à Vigilância da Qualidade da Água para consumo humano. No fim da Unidade 2 voltaremos a este estudo de caso, para que você possa responder a algumas perguntas após ler as 3 seções que compõem esta Unidade. Estudo de Caso Considere dois municípios localizados em uma mesma bacia hidrográfica e que há mais de 50 anos captam água de um mesmo rio para abastecer suas áreas urbanas. O município localizado mais próximo da nascente, que chamaremos de Miguilim, possui habitantes e o município situado mais a jusante, que denominaremos por Manuelzão, possui atualmente habitantes. O ritmo de crescimento das duas cidades foi muito distinto nos últimos 50 anos. A cidade de Miguilim possuía habitantes e as atividades econômicas lá desenvolvidas causavam pouco impacto na qualidade da água do rio, o que ainda hoje é observado. Contudo, o uso e ocupação do solo nos demais municípios da bacia hidrográfica foram feitos de modo desordenado nas últimas décadas, sendo observado o lançamento de esgoto doméstico e efluente industrial não tratados no rio, intensa atividade agropecuária desenvolvida por pequenos produtores rurais e, mais recentemente, expansão urbana, com a implantação paulatina de condomínios e loteamentos e o aumento da área de solo impermeabilizada. A poluição difusa decorrente do uso de agrotóxicos também tem comprometido a qualidade da água, assim como a erosão causada pelo desmatamento das margens do rio. Considere que, há mais de 50 anos, no sistema de abastecimento de água que atende a área urbana da cidade de Miguilim a captação seja feita diretamente do rio e que na área rural a prefeitura local perfurou poços artesianos e instalou chafariz. De acordo com a Portaria MS 8

9 n O 2914/2011, essa modalidade de abastecimento é caracterizada como solução alternativa coletiva. Em ambos os casos, o tratamento da água sempre foi feito por simples desinfecção. Sabe se também que alguns moradores da zona rural da cidade de Miguilim optaram por fazer a captação de água de chuva, configurando o que se denomina solução alternativa individual de abastecimento de água. Para a cidade de Manuelzão, há 50 anos foi construída uma barragem de regularização de vazão para permitir o abastecimento do município e desde aquela época o tratamento da água tem sido feito por filtração direta descendente. Mas, nos últimos anos, têm se encontrado dificuldade em potabilizar a água por meio desta técnica de tratamento, especialmente por conta do avançado estado de eutrofização da represa onde é feita a captação. A empresa responsável pelo abastecimento da cidade de Manuelzão faz o controle da qualidade da água por meio de coleta semanal de uma amostra na saída da estação de tratamento, para determinação da turbidez. O uso e ocupação do solo na bacia hidrográfica onde se localizam a cidade de Miguilim e a cidade de Manuelzão estão representados nas Figuras 1 e 2, sendo a Figura 1 ilustrativa da situação há 50 anos e a Figura 2 representando o estágio atual. Figura 1: representação do uso e ocupação da bacia hidrográfica há 50 anos. Fonte: ReCESA,

10 Figura 2: representação do uso e ocupação da bacia hidrográfica na época atual. Fonte: ReCESA, A partir do cenário descrito anteriormente, procure identificar os problemas relacionados com o abastecimento de água das duas cidades, as causas dos problemas e as possíveis soluções. No fim da Unidade 2 serão apresentadas perguntas relacionadas com este estudo de caso. Esperamos que você esteja preparado para respondê las após estudar o texto que iniciaremos a seguir. Boa leitura! 10

11 1 Abastecimento de Água para consumo humano: da captação à distribuição Caro aluno, você sabe quais são as etapas de um sistema de abastecimento de água? Qual a diferença entre sistema de abastecimento de água e solução alternativa coletiva? Essas expressões apareceram no estudo de caso que foi apresentado no início desta unidade. Existe também a solução alternativa individual, que em conjunto com as expressões já citadas contemplam as formas de abastecimento de água expressas na Portaria nº de 12/12/2011 do Ministério da Saúde, conforme quadro a seguir. Sistema de abastecimento de água Solução alternativa coletiva Solução alternativa individual Instalação composta por um conjunto de obras civis, materiais e equipamentos, desde a zona de captação até as ligações prediais, destinada à produção e ao fornecimento coletivo de água potável, por meio de rede de distribuição. Modalidade de abastecimento coletivo destinada a fornecer água potável, com captação subterrânea ou superficial, com ou sem canalização e sem rede de distribuição. Modalidade de abastecimento de água para consumo humano que atenda domicílios residenciais com uma única família, incluindo seus agregados familiares. Como você sabe, existe uma variedade muito grande de arranjos de instalações de abastecimento de água para consumo humano, seja na zona urbana ou na zona rural. Atualmente, no Brasil, a maioria da população é atendida por rede geral de abastecimento, mas ainda há muitas localidades onde a rede de abastecimento de água não foi implantada e a população se abastece por soluções coletivas, como, por exemplo, chafariz e caminhõespipa. Há também famílias que retiram água, individualmente, de poço, de minas, e outras que constroem cisternas para captação água de chuva, dentre outras soluções alternativas individuais. A Figura 3 apresenta, apenas como exemplo, arranjos esquemáticos de algumas instalações de abastecimento de água. 11

12 Figura 3a: Solução individual com poço raso. Figura 3b: solução individual com captação de água de chuva. 12

13 Figura 3c: Chafariz sobre poço freático. Figura 3.d Chafariz alimentado por reservatório elevado. Figura 3e: Fornecimento de água por caminhão pipa. 13

14 Figura 3f: Captação em nascente com adução por gravidade. Figura 3g: Captação em manancial superficial, adução por gravidade e filtros lentos. Figura 3h: bateria de poços, concentração em tanque de contato/reservatório, distribuição por gravidade (perfil). 14

15 Figura 3i: Captação em manancial de superfície e rede de distribuição com duas zonas de pressão. Fonte: Adaptado de Heller e Pádua (2010). Figura 3 Instalações de abastecimento de água. Para relembrar ou aprender assuntos relacionados com o abastecimento de água para consumo humano, vamos começar a leitura sobre o caminho percorrido pela água desde a captação até a distribuição O caminho da água: da captação à distribuição Para fornecer água a uma comunidade, em geral são necessárias as etapas de captação, adução, tratamento, reservação e distribuição, conforme ilustrado na Figura 4 para um sistema de abastecimento de água. Todas as etapas são importantes e requerem atenção de quem trabalha na Vigilância da Qualidade da Água. Figura 4: unidades de um sistema de abastecimento de água. Fonte: Brasil, 2006, Adaptada Funasa,

16 Você sabe de onde podemos captar água para fornecer à população? Analise a Figura 5, que mostra como a água está distribuída no mundo. Figura 5: distribuição de água no mundo. Fonte: Por ser mais acessível, freqüentemente a água que abastece as comunidades é proveniente de mananciais superficiais (córregos, rios, açudes, etc.) ou de poços subterrâneos. Se o manancial de onde é feita a captação é protegido, isso tornará mais simples o tratamento necessário para tornar a água potável. Mas, infelizmente, muitos dos nossos mananciais estão degradados, e fatos como os relatados no estudo de caso, de contaminação dos mananciais com resíduos agrícola, industrial e doméstico, são comuns em muitas localidades brasileiras. As atividades agrícolas podem contaminar a água com agrotóxicos, as indústrias podem lançar nos mananciais compostos químicos prejudiciais à saúde humana e o esgoto doméstico pode conter uma grande quantidade de organismos patogênicos, além de nutrientes, especialmente nitrogênio e fósforo, que favorecem a eutrofização dos mananciais. Por conta disso, muitas vezes é necessário abandonar um manancial mais próximo da localidade a ser abastecida e buscar água de uma fonte mais distante, mas que esteja menos contaminada, para evitar o emprego de técnicas sofisticadas e caras de tratamento de água e reduzir o risco sanitário da água distribuída à população. 16

17 Voltaremos a esse assunto mais adiante. Por enquanto, vamos aprender ou relembrar aspectos técnicos relacionados com a captação de água Os mananciais e as formas de captação Conforme destacado anteriormente, as fontes de água que, usualmente, abastecem as populações são os mananciais superficiais e subterrâneos, os quais são dotados de instalações e equipamentos para tomada de água Captação de água de superfície O manancial é uma das partes mais importantes do abastecimento de água, pois de sua escolha criteriosa depende o sucesso das demais unidades do sistema. Os especialistas não hesitam em reconhecer: o tratamento da água começa na sua captação. Entende se por captação de água de superfície o conjunto de estruturas e dispositivos construídos ou instalados junto a um rio, ribeirão, córrego, lago ou represa, para a retirada de água destinada ao abastecimento de comunidades. Os tipos de captação mais usuais são: captação direta ou a fio de água; captação com barragem de regularização de nível de água; captação com reservatório de regularização de vazão destinado prioritariamente para o abastecimento de água; captação em reservatórios ou lagos de usos múltiplos. A captação direta ou a fio de água é aplicada em cursos de água superficial que possuam vazão outorgável superior à vazão de captação e que apresentem nível de água mínimo suficiente para a adequada submergência do dispositivo utilizado para retirar água do manancial. Na Figura 6 tem se um exemplo da captação direta em um rio de grande porte. Vazão outorgável: parte da vazão de um corpo hídrico que pode ser legalmente utilizada. A outorga é um instrumento pelo qual o poder público dá ao usuário o direito de uso da água, mas não a sua propriedade, pois a água é um bem público, cujo domínio é exercido pela União, Estados e Distrito Federal. O objetivo da outorga é o de garantir os controles quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso a ela. 17

18 Figura 6: captação direta no rio São Francisco em Canindé de São Francisco SE. Fonte: A captação com barragem de regularização de nível de água também se aplica a cursos de água de superfície com vazão outorgável superior à vazão de captação, porém cujo nível de água mínimo seja insuficiente para a necessária submergência ou posicionamento dos dispositivos usados para retirar a água. Nesse caso, o nível da água precisa ser elevado por meio de uma barragem de pequena altura, também conhecida como soleira, cuja única finalidade é dotar o manancial do nível de água mínimo necessário à instalação dos dispositivos de captação. Na Figura 7, tem se a fotografia de uma barragem de regularização de nível. Figura 7: barragem de regularização de nível de água. Fonte: Funasa, A captação com reservatório de regularização de vazão destinado prioritariamente ao abastecimento de água é empregada quando a vazão mínima outorgável não regularizada do manancial de superfície é inferior à vazão de captação de projeto. Nesse caso, torna se 18

19 necessária a construção de barragem com altura e extensão suficientes para permitir o acúmulo do volume de água que possibilite a captação da vazão de projeto em qualquer época do ano, além de garantir o fluxo residual de água em quantidade adequada à manutenção da vida aquática e a outros usos a jusante da barragem. Esse é o tipo de obra cujo projeto e construção são mais complexos do que os demais tipos de captação citados anteriormente. Na Figura 8, tem se um reservatório de acumulação que alimenta o maior sistema produtor de água do estado de São Paulo. Figura 8: reservatório de acumulação do sistema Cantareira SABESP. Fonte: Sistema Cantareira: O Sistema Produtor de Água Cantareira é considerado um dos maiores do mundo. Sua área total tem aproximadamente hectares (2.279,5 km²), e abrange 12 municípios, sendo quatro deles no estado de Minas Gerais (Camanducaia, Extrema, Itapeva e Sapucaí Mirim) e oito em São Paulo (Bragança Paulista, Caieiras, Franco da Rocha, Joanópolis, Nazaré Paulista, Mairiporã, Piracaia e Vargem). É composto por cinco bacias hidrográficas e seis reservatórios interligados por túneis, canais e bombas, que produzem cerca de 33 m 3 /s para o abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo, o que corresponde a quase metade de toda a água consumida pelos habitantes da Grande São Paulo. Fonte: Adaptação A captação em reservatórios ou lagos de usos múltiplos é aquela que se dá em reservatórios artificiais ou em lagos naturais cujas águas não tenham o seu uso prioritário relacionado com o abastecimento de água, podendo ser utilizada também, por exemplo, na geração de energia elétrica, na navegação, lazer e irrigação. Na Figura 9 tem se um exemplo de lago de usos múltiplos. 19

20 Figura 9: barragem do lago Itaipu em Foz do Iguaçu PR. Fonte: Lago Itaipu: Formado em 1982, o reservatório de Itaipu tem área de km 2, sendo 770 no lado brasileiro e 580 no lado paraguaio. A profundidade média do reservatório é de 22 metros, podendo alcançar 170 metros nas proximidades da barragem. A represa de Itaipu é utilizada na geração de energia elétrica e também como lazer, havendo no seu entorno clubes, praias artificiais, ancoradouros, marinas e parques. As concessões para esse fim, sempre de caráter coletivo, atraem milhares de pessoas. Fonte: Adaptação A qualidade da água de mananciais superficiais depende das características hidrogeológicas da região e é fortemente influenciada pelo uso e pela ocupação do solo, sendo mais susceptível às variações sazonais determinadas pelas condições climáticas (períodos de chuva e estiagem) do que a água de mananciais subterrâneos. Tomando como exemplo o estudo de caso que foi apresentado no início desta unidade (Figuras 1 e 2), é fácil deduzir que a deterioração da qualidade da água do rio está associada ao uso e ocupação inadequados do solo na bacia hidrográfica. Agora que você já sabe um pouco mais sobre os tipos de captação de água, vamos tratar das partes que compõem a captação, ou seja, dos dispositivos de captação. Alguns deles são apresentados a seguir. Dispositivos para retenção de materiais São dispositivos retentores de materiais estranhos, como areia, folhas, galhos, peixes, répteis, moluscos e outros. Grades, crivos e telas de diversos tipos e formatos, e caixas de 20

21 areia (também conhecidas como desarenadores), desempenham esta função. Na Figura 10 tem se a vista em planta e em corte de uma situação em que se empregam tais dispositivos. Os dispositivos de captação podem ajudar na melhoria da qualidade da água que será tratada na Estação de Tratamento de Água (ETA) e, com isso, contribuir para reduzir o custo do tratamento e o risco sanitário da água, mas é muito importante não descuidar da proteção dos mananciais contra a poluição. Figura 10: tomada de água com grade de proteção e caixa de areia. Fonte: Funasa, No caso da captação de água em represas e lagos é comum serem utilizadas torres de tomada, conforme ilustrado nas Figuras 11 e 12. As torres de tomada possuem comportas (Figura 11) localizadas a diferentes alturas, o que dá flexibilidade de se fazer a captação pela comporta na qual se observa que a água possui melhor qualidade, visto que pode ser grande a variação da qualidade ao longo da coluna d água devido a fatores como: florações de algas (inclusive cianobactérias), principalmente mais na superfície da água; teores excessivos de matéria orgânica em decomposição, principalmente no verão; revolvimento de substâncias químicas do fundo, como o ferro e o manganês, nos períodos de baixa temperatura, quando pode ocorrer o fenômeno da inversão térmica. 21

22 Cianobactérias: as cianobactérias são microrganismos presentes em ambientes aquáticos e vêm sendo cada vez mais pesquisadas devido a sua capacidade de produção de toxinas, em alguns casos, altamente prejudiciais à saúde humana e animal. Essas toxinas, denominadas cianotoxinas, são responsáveis por alterações na qualidade das águas e têm sido causadoras de graves intoxicações pela ingestão e pelo contato com corpos d água contaminados. Por esse motivo, é importante que na concepção do projeto da torre de tomada seja prevista a possibilidade de captar água em diversas profundidades, para que se possa ter a opção de escolher, em diferentes períodos do ano, a profundidade que permite a captação da água de melhor qualidade. Figura 11: torre de tomada. Fonte: Funasa, A instalação de uma descarga de fundo próximo à torre de tomada em lagos ou represas também pode contribuir, ainda que apenas ao seu redor, para minimizar problemas relacionados com os depósitos de sedimentos. Na Figura 12, tem se a indicação da descarga de fundo localizada à direita da barragem, sendo essa descarga instalada próxima à torre de tomada. Figura 12: reservatório de acumulação do sistema Rio Manso COPASA. Fonte: 22

23 Outra solução muito empregada, especialmente em mananciais superficiais com grande oscilação de nível, é a captação flutuante. Essa opção tem sido mais utilizada em sistemas de pequenas e médias comunidades, como alternativa mais econômica às captações convencionais com torre de tomada. Na Figura 13, tem se uma instalação típica de uma balsa de captação flutuante. Figura 13: captação de água em balsa flutuante. Fonte: Captação de água subterrânea Em muitas localidades, o abastecimento de água pode ser feito pela captação em mananciais subterrâneos. Mananciais subterrâneos: toda e qualquer porção de água que ocorre no subsolo, podendo aflorar à superfície (nascentes, minas etc.) ou ser elevada à superfície por meio de obras de captação (poços rasos, poços profundos, galerias de infiltração). As principais vantagens da utilização de mananciais subterrâneos são: em geral, apresentam água de boa qualidade, mas isso não dispensa a necessidade de realizar ensaios para verificar se ela atende ao padrão de potabilidade, pois muitas vezes é necessário fazer o tratamento da água, além da desinfecção, que é obrigatória, antes de distribuí la à população. Além disso, como será comentado adiante, a água subterrânea proveniente de lençol freático é muito vulnerável à contaminação; possibilidade de localização das obras de captação nas proximidades das áreas de consumo, o que reduz o custo com a adução da água. Contudo, é sempre necessário realizar teste para verificar se o poço possui vazão suficiente para atender a demanda. 23

24 Deve se lembrar ainda que, dependendo da vazão a ser explorada, será necessário solicitar outorga para perfuração e exploração da água do poço. Lenta agonia: P. B., 25 anos, descobriu há alguns meses que a doença que ela tinha não era algo raro no país. Outros cidadãos eram consumidos por febres altas e tinham mãos e pés deformados, enfermidade que os matará lentamente. Seu poço está contaminado, e ela sabe disso. Mas, tanto ela, como sua família, continuam bebendo a água. Mesmo que o arsênio já tenha desfigurado suas mãos, a família de P. B. não está disposta a abrir mão de um dos poucos símbolos de sua prosperidade: o poço. P. B. é uma das 18 milhões de pessoas que estão bebendo água contaminada em Bangladesh e Bengala Ocidental (a nordeste da Índia). A água é retirada de lençóis freáticos que contêm grande quantidade de arsênio. A legislação bengalesa permite uma quantidade de arsênio cinco vezes maior que a Organização Mundial de Saúde (OMS), mas seus cidadãos estão bebendo com até 2 miligramas por litro de arsênio, ou seja, 200 vezes mais que o recomendado pela OMS. Os efeitos do lento envenenamento já podem ser notados. Peles de bengaleses apodrecendo, tumores epidérmicos que cobrem mãos e pés. Não existe tratamento para a doença. O que pode ser feito é impedir que os bengaleses continuem bebendo a água contaminada. Fonte: Folha de São Paulo (13/11/1998). As reservas de água subterrânea provêm de dois tipos de lençol d água ou aquífero. Procure compreender as definições apresentadas a seguir com o auxílio da Figura 14. Aquífero Livre ou Freático: É aquele em que a água se encontra livre, com sua superfície sobre a ação da pressão atmosférica. Em um poço perfurado nesse tipo de aquífero, a água no seu interior terá o nível coincidente com o nível do lençol. A recarga do aquífero freático ocorre, geralmente, ao longo do próprio lençol. Aquífero Confinado: É aquele em que a água encontra se confinada por camadas impermeáveis e sujeita a uma pressão maior que a atmosférica. Em um poço profundo, que atinge esse lençol, a água subirá acima do nível do mesmo. Poderá, às vezes, atingir a boca do poço e produzir uma descarga contínua, jorrante. A recarga do aquífero confinado verifica se somente no contato da formação geológica com a superfície do solo, podendo ocorrer a uma distância considerável do local do poço. As condições climáticas ou o regime de chuvas, observados na área de perfuração do poço, pouco ou 24

25 nada afetam as características do aquífero. Na Figura 14, tem se a representação esquemática dos tipos de aquíferos. Figura 14: tipos de lençol d água ou aquífero. Fonte: BRASIL, Conforme já destacado, o lençol freático fica mais exposto à contaminação proveniente das atividades antrópicas. Portanto, a adoção de medidas de proteção sanitária é fator preponderante para a garantia de fornecimento de água adequada à população. A área dos poços, seja freático ou artesiano, deve ser dotada de perímetro de proteção sanitária com condições de segurança (cerca) e com aparência agradável (sempre que possível gramada e arborizada). Deve se também posicionar os dispositivos de captação em cota superior à da localização de possíveis fontes de poluição, garantindo também afastamentos horizontais mínimos com relação a essas mesmas possíveis fontes de poluição, como fossas secas, fossas negras, depósito de lixo, etc. Na Figura 15 têm se exemplos de medidas de proteção de poços. 25

26 Figura 15: poço tubular profundo com medidas de proteção sanitária. Fonte: Captação de água de chuva Em algumas localidades brasileiras, especialmente na região semiárida, tem sido feita captação de água de chuva para consumo humano. A água de chuva costuma ser armazenada em cisternas, que são pequenos reservatórios individuais destinados a acumular a água da época chuvosa, para que ela possa ser utilizada para beber e cozinhar. Embora seja uma solução alternativa individual, a água de chuva destinada ao consumo precisa apresentar todas as características que façam com que ela não ofereça riscos à saúde humana. Na Figura 16 tem se um sistema típico de captação de água de chuva que conta com uma bomba manual para retirada de água da cisterna. 26

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

Abastecimento de água

Abastecimento de água Abastecimento de água Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Tucuruí Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental 2014 Disciplina: Sistema de Saneamento Ambiental Professor: Davi Sales Alunos:

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Usos da água As águas são usadas ou consumidas pelo homem de várias maneiras. As águas são classificadas em dois grupos: - consuntivo;

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA Americana conta com duas unidades de captação e recalque que retiram do Rio Piracicaba cerca de 1000l/s de água e encaminham para o processo de tratamento no bairro Cordenonsi,

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água)

Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Tratamento de águas de abastecimento urbano e residuária Parte 2 (água) Curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio Disciplina: Gestão Ambiental Prof: Joana Paixão DSc. Geologia Marinha/MSc.

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9

TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 TRATAMENTO ÁGUA PEQUENAS COMUNIDADES CÂMARA TÉCNICA DE SANEAMENTO-CBHLN ABRIL-2OO9 CICLO HIDROLOGICO » POLUIÇÃO NATURAL » MANANCIAIS LITORAL NORTE » POLUIÇÃO NATURAL ( CONT ) » REALIDADE DE ABASTIMENTO

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL INTRODUÇÃO Abrangem todas as modalidades

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água

Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água IV Diálogos de Saneamento Plano de Segurança da Água Painel: Os Municípios e os Planos de Segurança da Água Uma abordagem construcional* sobre o tema: Plano de Segurança da Água Dieter Wartchow dieterw@iph.ufrgs.br

Leia mais

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga.

Rio Catucá (Barragem de Botafogo), Cumbe, Pilão, Tabatinga, Conga, Arataca/Jardim e ainda os Rios Pitanga e Utinga. SISTEMA BOTAFOGO INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1986 (1ª etapa) UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 17% do volume distribuído na Região Metropolitana do Recife, abrangendo Igarassu (parcialmente),

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA?

COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA? COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA? Orientações didáticas para o professor 1º PASSO A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA: PRIMEIRAS REFLEXÕES Antes de apresentar a animação, é importante que o professor

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água

Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Aplicação de sistema hidráulico em uma estação de tratamento e elevação de água Luciana MENDONÇA 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 2 ; Laureilton José Almeida BORGES 3 ; Haroldo Machado de OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ NELSON GONÇALVES PRIANTI JUNIOR (1) - Biólogo (UNITAU), Pedagogo (UNIFRAN), Especialista

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR 1 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador A - Embrapa Gado e Leite de Juiz de Fora, MG, Gestão Ambinetal

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 85, item II, da Constituição e tendo em vista o disposto no artigo 9º do Decreto

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA Thiago Molina (UNICENTRO Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná) E-mail: molina_tm@yahoo.com.br

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DA ÁGUA NA ETA JOSÉ LOUREIRO DA SILVA ATRAVÉS DE PARÂMETROS BACTERIOLÓGICOS. Cristina C. Andriotti, Luciane Balestrin Reda, Ana Rita Moriconi, Ilo César Garcia e Marcelo

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa

VENTOSAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa NIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁLICA APLICADA AD 0195 Prof.: Raimundo Nonato Távora Costa VENTOSAS 01. INTRODÇÃO: As ventosas são aparelhos automáticos destinados

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais