Apresentando o problema

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentando o problema"

Transcrição

1 2 Apresentando o problema Segundo a pesquisa de Lourenço (1974, p.22) o trabalho do coordenador pedagógico foi criado e direcionado a supervisionar o trabalho do professor na escola de forma que este aplicasse junto aos alunos os objetivos de ensino. Seu papel, como especialista da educação, formado pelo curso de Pedagogia, na década de setenta, estava ligado à promoção das reformas de ensino do Estado da Guanabara. Quando a função é recriada em 1998, por ocasião de reformas na estrutura administrativa das escolas da rede municipal da cidade do Rio de Janeiro (RIO DE JANEIRO, 1998a, p. 4), o coordenador pedagógico amplia o seu campo de trabalho sendo também responsável por sua própria formação pedagógica e pela dos professores da escola em que atua. Ele deixa assim de ser apenas um supervisor das ações pedagógicas dos professores para ser co-construtor das mesmas ações dentro do espaço escolar. Como parte da equipe técnicoadministrativa da escola torna-se o responsável pela dinamização das atividades pedagógicas nela desenvolvidas. A instituição escolar enfrenta grandes desafios como acompanhar os avanços tecnológicos e o processo de globalização. Assim, a escola tem enfrentado a necessidade de renovação. Mudanças são exigidas através de reformas nas políticas educacionais, nos currículos, nas metodologias de ensino e no relacionamento com os alunos. Professores e gestores são impelidos a aperfeiçoar-se constantemente para poderem acompanhar as mudanças (LÜCK, 2006, p.12). Impõe-se um novo tipo de professor, de coordenador pedagógico, de diretor para acompanhar novas exigências na educação.

2 19 O conceito de gestão da atualidade deve ser dinâmico, descentralizado e democrático. Na prática, porém, ainda permanece uma forte herança do antigo modelo verticalizado de relações entre os sistemas de ensino e as escolas, além da burocratização das relações entre elas. O coordenador pedagógico não surge como uma solução para tantos desafios, mas como um elemento a mais para somar-se à equipe gestora a fim de fazer frente aos desafios da escola na atualidade (LÜCK, 2000, pp.12-15; 2006, pp ). Esta pesquisa tem como objeto de estudo o coordenador pedagógico que atua na rede de escolas públicas municipais da cidade do Rio de Janeiro. Devido à especificidade do trabalho realizado por ele no cotidiano escolar, algumas questões básicas surgem: Qual é a identidade do coordenador pedagógico da rede municipal da cidade do Rio de Janeiro? Qual é realmente o papel que o coordenador pedagógico desempenha no cotidiano escolar? Quem são os sujeitos indicados para exercer esta função? O coordenador pedagógico é, antes de tudo, um professor. Ele inicia sua carreira na rede municipal como professor, podendo, posteriormente, assumir a função de coordenador pedagógico na escola (RIO DE JANEIRO, 1998a, p.4). Pesquisar a respeito da identidade do coordenador pedagógico no exercício de sua função traz a necessidade de melhor conhecer a estrutura da rede municipal, assim como a estrutura da escola, as relações estabelecidas entre ele e os demais integrantes da comunidade escolar, a direção, os professores, os responsáveis e os alunos. O estudo se impõe pela relevância de seu papel na estrutura da escola, como elemento de ligação entre: a direção e os professores, a escola e as políticas da Secretaria Municipal de Educação, a escola e os responsáveis. Todo profissional constrói sua identidade no percurso de seu trabalho, nas relações do cotidiano com seus colegas de profissão através de caminhos, criando no espaço onde trabalha, a sua territorialidade própria, assim como a ocupação de seu lugar dentro da hierarquia de funções (MATE, 2007, pp ). Para Nóvoa (1999, p.16) identidade não é um dado adquirido, mas, um lugar de lutas e conflitos, um espaço em construção de formas de ser e estar na profissão. Um processo complexo no qual cada um se apropria do sentido de sua história pessoal

3 20 e profissional e que, através do tempo, o docente refaz sua identidade para acomodar-se a novos contextos de mudanças. O coordenador pedagógico constrói a sua identidade profissional a partir de sua identidade docente, e posteriormente, no exercício da função de coordenador pedagógico. Portanto, algumas questões nortearam a pesquisa. Por que pesquisar o trabalho do coordenador pedagógico da rede municipal do Rio de Janeiro? Como ele desenvolve seu trabalho? Que tarefas são desempenhadas ao longo do cotidiano escolar? Que desafios ele enfrenta durante o período em que está na escola? Para Lück a gestão educacional está relacionada ao ato de compartilhar responsabilidades entre os segmentos de autoridade para gerir a escola (2006, p.44). As relações sociais são inerentes ao trabalho desempenhado pelo coordenador (TARDIF e LESSARD, 2007, p. 15). Como se estabelecem as relações entre o coordenador pedagógico e os professores; o coordenador pedagógico e a direção da escola, o coordenador pedagógico e os responsáveis? Entre o coordenador pedagógico e os alunos? O coordenador pedagógico faz parte da equipe gestora da escola, mas não da equipe administrativa. Possui formação docente, mas, enquanto coordenador, não se identifica com os professores de sua escola. Assume uma posição de destaque do grupo em que se originou. Estudos como os de Maldonado (2003, p. 60) e Horta (2007, pp ) referem-se à solidão e ao mal-estar como fatores da perda de referência do coordenador pedagógico da sua identidade como professor. Oliveira (2004, p.1132) desenvolveu uma pesquisa sobre o acúmulo de tarefas desempenhadas pelo coordenador pedagógico nos últimos anos. Neste contexto foram investigados quais os fatores que afetam a imagem do coordenador pedagógico enquanto gestor pedagógico? Como o mal-estar e a solidão interferem no exercício da função do coordenador? Que tarefas fazem parte do trabalho do coordenador pedagógico? A sobrecarga advinda das tarefas exercidas na função interfere no desempenho de seu trabalho? Os conflitos de poder existentes nas relações entre o coordenador pedagógico, direção e professores é responsável pelo mal-estar do coordenador pedagógico? Em que momentos ou situações isto ocorre?

4 21 Para Almeida (2005, p.27), a rotina do coordenador pedagógico é permeada pelas inúmeras e complexas relações estabelecidas no cotidiano escolar, em que diversas atividades são enumeradas pela autora como presentes no dia a dia de trabalho do coordenador. Ressalte-se que ele não tem muito claro a forma de organizar a sua rotina de trabalho na escola. Diante disso, que visão o coordenador pedagógico tem do seu cotidiano? O que é considerado como rotina para o coordenador? Quais os fatores que interferem no planejamento das atividades do coordenador pedagógico no dia a dia da escola? Outro aspecto importante a ser considerado refere-se à formação continuada do coordenador, considerando que esta formação faz parte das suas atribuições. Como se dá essa formação continuada? Em que espaços? Em que tempos? Quais os espaços de formação que a Secretaria Municipal de Educação promove para os coordenadores pedagógicos? A principal proposta de formação continuada voltada especificamente para os coordenadores pedagógicos teve início em 2002 com o Curso para Docentes do Ensino Fundamental - Coordenador Pedagógico que sistematicamente reúne coordenadores das diferentes escolas da rede. Como esse curso é desenvolvido? Quais os temas que são abordados no curso? Qual é a opinião dos coordenadores pedagógicos a respeito da formação continuada que recebem da Secretaria Municipal de Educação? Candau (2003b, pp ) considera a formação continuada um tema de particular atualidade e apresenta as diversas maneiras de se programar atividades dessa formação para os docentes. Em primeiro lugar através de uma instituição universitária, os profissionais docentes voltam novamente para os bancos escolares para se atualizarem; ou através do ensino à distância. Em segundo lugar, a autora apresenta, como a proposta mais adequada, a formação continuada no locus da escola, na qual os saberes docentes são valorizados. A ênfase na importância da formação continuada do coordenador pedagógico é considerada como elemento importante para a melhoria do desempenho dos alunos na escola, na visão da Secretaria Municipal de Educação, considerando que a formação continuada do coordenador pedagógico será

5 22 repassada ao professor nos espaços dos centros de estudos (CUNHA, M.F.G., 2005, p. 3). Na visão de Garrido (2007, p.9), o trabalho do coordenador consiste primordialmente na formação continuada dos professores de sua escola. Ele é o responsável por desencadear a reflexão dos professores sobre suas opções pedagógicas, sobre os problemas por eles enfrentados. Como se constroem os saberes do coordenador pedagógico? Seus saberes são construídos com base nos saberes docentes adquiridos durante sua experiência inicial como professor, somados a sua experiência prática como coordenador pedagógico e nos espaços de atualização oferecidos pela Secretaria Municipal de Educação para que possa se apropriar de componentes essenciais de uma estratégia mais ampla de profissionalização docente para que desenvolvam competências necessárias para a atuação neste novo cenário de escola (MELLO, 2004, p.181). O coordenador pedagógico desenvolve a formação continuada dos docentes na escola através de reuniões, chamadas de centros de estudos, que tem lugar no espaço da escola. Como formador, como o coordenador pedagógico desenvolve o centros de estudos junto ao corpo docente da escola? Que temáticas são abordadas? Como os professores vêem essa formação? 2.1 Objetivos da investigação Portanto, a partir das reflexões apresentadas inicialmente, estruturou-se os objetivos desta pesquisa: - conhecer a identidade do coordenador pedagógico e o papel que ele exerce na escola; - compreender as relações estabelecidas entre o coordenador pedagógico e os diversos segmentos da comunidade escolar, como são estabelecidas e como estas relações contribuem para a formação da identidade docente do coordenador pedagógico;

6 23 - conhecer os diversos aspectos do exercício cotidiano do coordenador pedagógico no espaço da escola, suas nuances e tarefas, e como as múltiplas responsabilidades assumidas pelo coordenador pedagógico, afetam o seu desempenho na função; - entender a importância da formação continuada para o desempenho da função de coordenador pedagógico, como ele a busca e de que forma a SME contribui para esta formação oportunizando ao coordenador espaços e tempos de formação; - analisar a importância do papel de formador desempenhado pelo coordenador pedagógico perante os docentes de sua escola e compreender como essa formação é feita; - verificar se a formação continuada do coordenador pedagógico é revertida em ações formadoras no espaço dos centros de estudos da escola. No capítulo seguinte apresentaremos alguns dados históricos a respeito do surgimento da função de coordenador pedagógico no Brasil e na cidade do Rio de Janeiro para melhor entendermos a atuação do coordenador na atualidade.

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Compartilhando... Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Com muitos anos de experiência na formação de mestrandos e doutorandos

Leia mais

Análise da implementação do Plano de Ações Articuladas em municípios do RS. Itanajara Neves

Análise da implementação do Plano de Ações Articuladas em municípios do RS. Itanajara Neves Análise da implementação do Plano de Ações Articuladas em municípios do RS Itanajara Neves Plano de Ações Articuladas (PAR) - instrumento de planejamento educacional integrante da principal ação da política

Leia mais

Semestre letivo/ Módulo 4º semestre. Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas.

Semestre letivo/ Módulo 4º semestre. Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas. FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas Semestre letivo/ Módulo 4º semestre Professor(es): Período: 1º Semestre / 2015 Ementa Reflexão

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES: SABERES E COMPETÊNCIAS. Paula Eliane Costa Rocha 1 Erica Ferreira Melo 2

FORMAÇÃO DOS PROFESSORES: SABERES E COMPETÊNCIAS. Paula Eliane Costa Rocha 1 Erica Ferreira Melo 2 FORMAÇÃO DOS PROFESSORES: SABERES E COMPETÊNCIAS Paula Eliane Costa Rocha 1 Erica Ferreira Melo 2 1 Universidade Federal de Goiás Regional Jataí/ paula@advir.com 2 Universidade Federal de Viçosa/ melo.ericaferreira@gmail.com

Leia mais

Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional

Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional Como você avalia a gestão ambiental da Instituição? Questões Gerais Planejamento e Avaliação Institucional 4 3,36% 8,53% Boa 28 23,53% 36,91% Como você avalia a divulgação dos resultados da Pesquisa de

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

O PAPEL DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE PARNAÍBA-PI O PAPEL DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO REALIZADO EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Francisca Natalia Neres da Silva ¹, Andréia Cristina Sousa Oliveira ²,

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Educação SECRETARIA DA DA EDUCAÇÃO Contextualização EDUCAÇÃO COMPROMISSO DE SÃO PAULO Programa Educação - Compromisso de São Paulo Institui 5 pilares para a

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL COMO FOCO DE EXPERIÊNCIAS FORMATIVAS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PIBID Graziela Escandiel de Lima Professora Doutora - Departamento de Metodologia do Ensino/UFSM Coordenadora de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL

RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS CCR: MODALIDADE PRESENCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE RESPOSTAS OBTIDAS NA PESQUISA DE AUTOAVALIAÇÃO 2016 DE CIÊNCIAS RURAIS

Leia mais

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades

A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades 1 A PRÁTICA CURRICULAR E AS TECNOLOGIAS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS E ESTADUAIS: desafios e possibilidades Mariana dos Reis Alexandre UNESP, Bauru/SP e-mail: mari.agd@hotmail.com Thais Cristina Rodrigues Tezani

Leia mais

Como você avalia a atuação do seu orientador em relação ao acompanhamento e orientação do seu projeto de pós-graduação?

Como você avalia a atuação do seu orientador em relação ao acompanhamento e orientação do seu projeto de pós-graduação? Na Unidade Des. sei/ se Pós- Co você avalia a atuação do seu orientador em relação ao acompanhamento e orientação do seu projeto de pós-graduação? 90,06% 6,63% 2,76% 0,55% Possuir currículos interdisciplinares,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. i Helianane Oliveira Rocha UFRN ii Jailma Silva de Oliveira

Leia mais

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA Paulo Célio Soares 1 Luciano Alves Pereira, Flaviane Rezende De Almeida, Daniele Ouverney Francisco 2 Resumo Este artigo tem como objetivo

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016 PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora Geral PNAIC/UFSC Portaria No.816/GR/UFSC/2016 O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é um compromisso formal assumido pelos governos federal,

Leia mais

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar 9 Considerações finais A partir da análise dos dados coletados nessa pesquisa algumas considerações finais se fazem pertinentes em relação às questões iniciais levantadas nesta pesquisa. 9.1 Identidade

Leia mais

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação.

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES Julgue os itens que se seguem, tendo como referência os documentos legais que regulamentam a educação. 41 Conforme as Diretrizes Nacionais Gerais para a Educação Básica, a

Leia mais

DCM TREINAMENTO CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS PARTE II

DCM TREINAMENTO CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS PARTE II CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS PARTE II Agora é hora de questões de múltiplas escolhas modelo da prova do concurso da secretaria da criança, portanto, você deve optar pela questão correta ou incorreta a depender

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS FACULDADE DE EDUCAÇÃO / UERJ COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS Professoras Paula Cid e Luciana Velloso Coordenação do Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação. Faculdade de Educação Estrutura Direção e Vice-Direção:

Leia mais

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO DIALOGANDO SOBRE O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E EXPRESSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Niamey Granhen Brandão da Costa (IFCH/UFPA-CCBS/UNAMA) INTRODUÇÃO A escola é uma das instituições

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar IV Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Dimensões da participação: política,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de 2014 CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO Cacoal - RO 2016 2 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA

A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA A DIFERENÇA ENTRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA (Autor) Bruno Rocha; (Co-autor) Júlio César Andrade; (Co-autor) Cláudia Jeciane Souza; (Coautor) Mylena Teixeira

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos e socioeconômicos

Leia mais

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO

CEDHAP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO APLICADO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO GESTÃO EDUCACIONAL E O DESAFIO DA COMUNICAÇÃO Heloísa Lück Diretora Educacional CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado www.cedhap.com.br A realização dos objetivos de toda organização de trabalho

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ As novas propostas de educação

Leia mais

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO

NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO NORMATIVA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE HISTÓRIA LICENCIATURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os estágios curriculares no curso de História-Licenciatura

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Educação de jovens e adultos; Políticas públicas.

Palavras-chave: Formação de professores; Educação de jovens e adultos; Políticas públicas. A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EJA: INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS Thamyres Xavier Moreira Universidade Federal de Ouro Preto Resumo: O presente trabalho trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa com a aplicação

Leia mais

Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem

Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

ISSN do Livro de Resumos:

ISSN do Livro de Resumos: PROGRAMA PIBID: O OLHAR DOS DOCENTES DAS TURMAS DAS ESCOLAS PARCEIRAS A PARTIR DAS PRÁTICAS DOS PIBIDIANOS. Natali Gonçalves GOMES, Priscila Flores ETCHEVERRY Bolsista de inciação à docência - PIBID. Pedagogia

Leia mais

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica Diretoria de Ensino Região Guarulhos Norte Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010 Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família Oficina Pedagógica Guarulhos, Dezembro

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

Estágio Supervisionado no Núcleo de Educação da Infância NEI/CAp UFRN: contribuições para a formação docente na educação infantil

Estágio Supervisionado no Núcleo de Educação da Infância NEI/CAp UFRN: contribuições para a formação docente na educação infantil Estágio Supervisionado no Núcleo de Educação da Infância NEI/CAp UFRN: contribuições para a formação docente na educação infantil Calígia Sousa Monteiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte caligiamonteiro@hotmail.com

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

PERSPECTIVAS DE GESTÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTICULAÇÃO ENTRE O ADMINISTRATIVO E O PEDAGÓGICO

PERSPECTIVAS DE GESTÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTICULAÇÃO ENTRE O ADMINISTRATIVO E O PEDAGÓGICO 1 PERSPECTIVAS DE GESTÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTICULAÇÃO ENTRE O ADMINISTRATIVO E O PEDAGÓGICO Formação e Gestão em Processos Educativos Soênia Maria Fernandes Introdução O presente trabalho

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes ENADE LEGISLAÇÃO Constituição da República

Leia mais

Supervisão de Estágios

Supervisão de Estágios Supervisão de s Orientações ao estagiários A Coordenação de Curso tem como objetivos, orientar, esclarecer e fazer o encaminhamento documental do estágio, de forma a viabilizar a realização do estágio

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA 11) A Proposta Curricular de Santa Catarina - Formação

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) Evolução e tendências da administração

Leia mais

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CATEGORIAS DE ANÁLISE 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação 1.1 GESTÃO ACADÊMICA 1.1.1 Responsabilidade Social

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Reunião de Trabalho Professores Coordenadores Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Pauta Acolhimento; Aquecimento; o que nos dizem os registros? Refletindo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO BOA VISTA RR 2010 1 CONCEIÇÃO SOUSA EDGARD GARCIA JOSILÉIA

Leia mais

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade:

Resolução n 225, de 21 de junho R E S O L V E: Art. 1º - Alterar a redação do parágrafo 2º artigo 12 do Regimento Geral da Universidade: Resolução n 225, de 21 de junho 2016. Aprova emendas ao Regimento Geral da Universidade, cria setores e dá outras providências. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Planalto Catarinense

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: O PERFIL DO DIRETOR DE ESCOLAS MUNICIPAIS DO RIO DE JANEIRO

GESTÃO ESCOLAR: O PERFIL DO DIRETOR DE ESCOLAS MUNICIPAIS DO RIO DE JANEIRO GESTÃO ESCOLAR: O PERFIL DO DIRETOR DE ESCOLAS MUNICIPAIS DO RIO DE JANEIRO Aluna: Wilma Valeria Andrade dos Santos Orientadora: Prof. Dra. Cynthia Paes de Carvalho Introdução Considerada no passado, como

Leia mais

Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR

Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Coordenação Pedagógica e Supervisão

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR?

FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR? 1 FORMAÇÃO INICIAL NOS CURSOS DE LICENCIATURA E PEDAGOGIA: QUAL O SEU IMPACTO NA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE UM BOM PROFESSOR? Elisa Gomes MAGALHÃES 1 RESUMO: O presente trabalho versa sobre a formação

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE EXTENSÃO ESCOLA DE CONSELHOS Edital nº 03/2009

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE EXTENSÃO ESCOLA DE CONSELHOS Edital nº 03/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE EXTENSÃO ESCOLA DE CONSELHOS Edital nº 03/2009 Seleção Simplificada de Candidatos para a Escola de Conselhos 1.

Leia mais

Palavras-chave: Salas de Recursos Multifuncionais. Alunos com Necessidades Educacionais especiais. Avaliação.

Palavras-chave: Salas de Recursos Multifuncionais. Alunos com Necessidades Educacionais especiais. Avaliação. 01191 AVALIAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO: INSTRUMENTO NECESSÁRIO À INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NEEs NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE IMPERATRIZ RESUMO MSc Rita Maria Gonçalves de Oliveira

Leia mais

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal

Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal Lei Complementar Nº 58 de 13 de setembro de 2004 de Natal O PREFEITO MUNICIPAL DO NATAL, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: TÍTULO I DO PLANO DE CARREIRA

Leia mais

Revisão das Normas Regimentais Básicas das Escolas Estaduais

Revisão das Normas Regimentais Básicas das Escolas Estaduais Revisão das Normas Regimentais Básicas das Escolas Estaduais A construção coletiva na revisão da Proposta Pedagógica e do Regimento da Escola na perspectiva de uma educação de qualidade Objetivos da videoconferência:

Leia mais

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4

Índice. 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional Os Saberes dos Professores...4 GRUPO 5.3 MÓDULO 4 Índice 1. Professor-Coordenador e suas Atividades no Processo Educacional...3 2. Os Saberes dos Professores...4 2.1. O Papel do Coordenador Pedagógico... 5 2 1. PROFESSOR-COORDENADOR

Leia mais

Proposta de Questionário de Avaliação Institucional na Percepção dos Técnico- Administrativos

Proposta de Questionário de Avaliação Institucional na Percepção dos Técnico- Administrativos Proposta de Questionário de Avaliação Institucional na Percepção dos Técnico- Administrativos Prezado (a) Senhor (a) Servidor (a) Técnico-Administrativo: A Comissão Própria de Avaliação (CPA/UFSCar) está

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L

Leia mais

Índice. 1. Práticas de Administração Gestão Escolar Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos Introdução...

Índice. 1. Práticas de Administração Gestão Escolar Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos Introdução... GRUPO 6.4 MÓDULO 1 Índice 1. Práticas de Administração Gestão Escolar...3 1.1. Introdução... 3 2. Administração, Gestão, Direção: Resgatando Alguns Conceitos...3 2 1. PRÁTICAS DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESCOLAR

Leia mais

O que faz e o que pensa o gestor escolar

O que faz e o que pensa o gestor escolar O que faz e o que pensa o gestor escolar Pesquisa mostrou que esses profissionais ainda se preocupam muito mais com a burocracia que com o pedagógico Cinthia Rodrigues Outubro de 2009 Os diretores de escolas

Leia mais

INDEPAC MISSÃO VISÃO

INDEPAC MISSÃO VISÃO O INDEPAC é especializado em serviços de Consultoria e Assessoria Educacional, nas dimensões: administrativa, jurídica e pedagógica, além de oferecer cursos de formação em serviço, voltados para o aprimoramento

Leia mais

O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) ENQUANTO SUPORTE AO PLANEJAMENTO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE DOURADOS-MS

O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) ENQUANTO SUPORTE AO PLANEJAMENTO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE DOURADOS-MS O PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) ENQUANTO SUPORTE AO PLANEJAMENTO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE DOURADOS-MS Maria Isabel Soares Feitosa 1 Universidade Federal da Grande

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Projeto Pedagógico do Curso Turismo da UFPR prevê a realização de estágio nas modalidades de obrigatório

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS HORIZONTINA - RS 2011 PAE Programa de Acompanhamento de Egressos I HISTÓRICO Desde 2006, ano em que formou a sua primeira turma,

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

O curso de especialização em Gestão Escolar tem por objetivo formar, em nível de pós-

O curso de especialização em Gestão Escolar tem por objetivo formar, em nível de pós- EDITAL CEAD/UFOP N 35/2014 Dispõe sobre o procedimento de seleção de candidatos para o Curso de Especialização em Gestão Escolar (Pós-Graduação lato sensu), oferecido pelo Centro de Educação Aberta e a

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL DE AT ATIVIDADES TRANSVERSAL CONCEITOS, NORMAS E PROCEDIMENTOS REGULAMENTO ATIVIDADES TRANSVERSAL I DA DEFINIÇÃO Art. 1º Por Transversalidade

Leia mais

POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL ( ): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR

POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL ( ): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR 1 POLÍTICAS DE CURRÍCULO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL (2006-2015): DISPUTAS DISCURSIVAS PARA A FIXAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARA O PROFESSOR Rosely dos Santos Almeida Programa de Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO N 23, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO N 23, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 16 de dezembro de 2010, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 19 do

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC de Mairiporã Código: 271 Município: Mairiporã EE: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

XVIII ENDIPE Didática e Prática de Ensino no contexto político contemporâneo: cenas da Educação Brasileira

XVIII ENDIPE Didática e Prática de Ensino no contexto político contemporâneo: cenas da Educação Brasileira A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: PERSPECTIVAS LEGAIS E A REALIDADE DA PRÁTICA NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA/PR Camila Macenhan/UEPG i Bruna Caroline Camargo/UFPR ii Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Os estágios curriculares do Curso de Graduação em Psicologia do Centro Universitário Redentor são considerados como

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Manual de Supervisão Pedagógica INTRODUÇÃO 2 ( ) A construção de uma cultura colegial é um processo longo, não isento de dificuldades e conflitos, e que requer a criação de condições várias, nomeadamente de espaços e tempos destinados ao trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Câmpus Jandaia do Sul da UFPR prevê a realização

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE O PEDAGOGO NA FORMAÇÃO ESCOLAR: UM OLHAR SOBRE A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

CONCEPÇÕES SOBRE O PEDAGOGO NA FORMAÇÃO ESCOLAR: UM OLHAR SOBRE A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA CONCEPÇÕES SOBRE O PEDAGOGO NA FORMAÇÃO ESCOLAR: UM OLHAR SOBRE A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Profa. Esp. Clara Zandomenico Malverdes Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Profa. Dra. Kalline Pereira

Leia mais

Plano de Trabalho Docente

Plano de Trabalho Docente Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente - 2017 Plano de Curso no. 206 aprovado pela Portaria Cetec 733, de 10-9-2015, publicada no Diário Oficial de 11-9-2015 Poder Executivo

Leia mais

OS SABERES EXPERIENCIAIS E A PRÁTICA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA

OS SABERES EXPERIENCIAIS E A PRÁTICA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA OS SABERES EXPERIENCIAIS E A PRÁTICA COMO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA Keutre Gláudia da Conceição Soares Bezerra (UERN) Disneylândia Maria Ribeiro (UERN/UFPE) Francicleide Cesário

Leia mais

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo

Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Soluções Corporativas Eduardo Pitombo Nossa Missão Desenvolver soluções de educação customizadas para empresas públicas e privadas, que contribuam diretamente para a melhoria das competências de seus funcionários

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DO MARANHÃO SÃO LUÍS. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DO MARANHÃO SÃO LUÍS. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DO MARANHÃO SÃO LUÍS O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA Apresentação

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Tecnológica Federal do Paraná no município: APUCARANA SUMÁRIO

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

NIP NÚCLEO DE INCENTIVO A PESQUISA

NIP NÚCLEO DE INCENTIVO A PESQUISA NIP NÚCLEO DE INCENTIVO A PESQUISA REGULAMENTO INTERNO MANTIDA FACULDADE CIDADE DE JOÃO PINHEIRO MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JOÃO PINHEIRO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO CONEX PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA TERMO DE COMPROMISSO MONITOR VOLUNTÁRIO

COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO CONEX PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA TERMO DE COMPROMISSO MONITOR VOLUNTÁRIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO CONEX PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA TERMO DE COMPROMISSO MONITOR VOLUNTÁRIO CONSIDERANDO que a monitoria acadêmica consiste em propiciar condições para a iniciação

Leia mais

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora da Formação PNAIC/UFSC/2017

PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora da Formação PNAIC/UFSC/2017 PNAIC Uma síntese Nilcéa Lemos Pelandré Coordenadora da Formação PNAIC/UFSC/2017 Objetivo: Fazer um resgate do PNAIC em nosso Estado, apresentar o novo modelo e refletir sobre os desafios que se apresentam.

Leia mais

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características

A Educação Profissional e Tecnológica. Conceituação Princípios Objetivos Características A Educação Profissional e Tecnológica Conceituação Princípios Objetivos Características Conceituação A educação profissional tecnológica, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, a ciência

Leia mais

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS

PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS 1- INTRODUÇÃO O Programa de Avaliação de Desempenho dos Técnico-Administrativos em Educação (PROADES) constitui parte do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPITULO I - DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPITULO I - DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Dispõe sobre o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Faculdade Capivari.

Leia mais

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 É necessário conhecer e apreender a realidade de cada instituição escolar que

Leia mais