ANÁLISE DO EXTRATO AQUO-SOLÚVEIS DE FILTRO DE CIGARRO COMO INIBIDORES DE CORROSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO EXTRATO AQUO-SOLÚVEIS DE FILTRO DE CIGARRO COMO INIBIDORES DE CORROSÃO"

Transcrição

1 ANÁLISE DO EXTRATO AQUO-SOLÚVEIS DE FILTRO DE CIGARRO COMO INIBIDORES DE CORROSÃO L. M. M MACHADO 1 e L. M. RODRIGUES 2 1 Universidade Federal do Pampa - Campus Bagé, RS - Curso de Engenharia Química 2 Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, RS - Curso de Engenharia Química para contato: RESUMO A corrosão é um processo natural de degradação e desgaste, que pode ser facilmente detectado em diferentes tipos de materiais metálicos. Os inibidores naturais são alternativas viáveis para o combate à corrosão, em função da sua ação de inibição às reações eletroquímicas, impermeabilização de superfícies, baixo custo, e por preservarem o meio ambiente. O objetivo desde trabalho é o estudo morfológico e eletroquímico, sobre a ação de inibidores de corrosão alternativos, à base de compostos aquo-solúveis de filtros de cigarros, após seu consumo. Os resultados obtidos apresentam o potencial caráter inibidor dos extratos investigados, sobre o aço carbono, material metálico amplamente utilizado na indústria. Os componentes extraídos a partir de lixívia em água de filtros amarelos, os quais ocorrem em cigarros com maiores teores de nicotina, foram os de maior proteção ao aço estudado, comparando-se com a lixívia de filtros brancos. Destaca-se o promissor emprego dos resíduos sólidos de cigarros como possível inibidor de corrosão ao aço carbono. 1. INTRODUÇÃO Os cigarros contêm além da nicotina, mais de substâncias, em sua composição, podendo seu resíduo levar até quatro anos para se decompor, tempo em que as bactérias e fungos digerem o acetato de celulose existente no filtro, Eco Unifesp (2014). O descarte inadequado dos resíduos gerados pelo uso de cigarros compõe uma parcela significativa de poluentes tóxicos. Aliado a isto, provém à preocupação com a manutenção do meio ambiente para o reaproveitamento destes resíduos. O serviço de coleta regular e a reciclagem de resíduos de cigarros já existem nos países desenvolvidos, ainda não difundido no Brasil (Lamas, 2015). Há várias maneiras de reaproveitamento do resíduo de cigarro. A empresa pioneira neste sentido foi a norte-americana TerraCycle, que coleta e transforma o resíduo do cigarro em plástico. O

2 processo de reciclagem consiste em extrair do filtro de cigarros o acetato de celulose, e submetê-lo a reações químicas (Universo Jatoba, 2014). Outro trabalho utiliza o carvão extraído dos resíduos de cigarros, resultado da combustão incompleta do tabaco, combinado à alumina para a preparação do compósito Al 2 O 3 /CSC (cigarrete carbon soot), capaz de remover, via adsorção, sais de arsênio de águas contaminadas (Chen et al., 2014). Pesquisas apontam a obtenção de elevadas eficiências de inibição da corrosão, através do mecanismo de inibição por adsorção de substâncias químicas na superfície de metais, bloqueando possíveis reações químicas e eletroquímicas, com o uso de soluções obtidas a partir do resíduo do cigarro (Zhao et al., 2010b). Gentil (2011) descreve que a corrosão é a deterioração de um material devido à reação química ou eletroquímica com o meio, associada ou não a esforços mecânico. A corrosão pode acarretar modificações nas características dos materiais quanto à resistência mecânica, ductilidade, morfologia, etc. Portanto, é um processo que ocasiona perdas de materiais, envolvendo recursos para a sua recuperação ou substituição, reportando também os perigos de explosões, rupturas, derramamentos, sendo uma ameaça à saúde e ao meio ambiente (Ramanathan, 2010). De acordo com Schultz (2004) os inibidores de corrosão são substâncias que adicionadas ao meio corrosivo evitam, ou minimizam o desenvolvimento de reações químicas ou eletroquímicas na superfície metálica, seja em fase gasosa, aquosa ou oleosa. O objetivo do presente trabalho é investigar uma fonte alternativa de inibidor de corrosão metálica, a partir dos resíduos do cigarro, sendo este resíduo tóxico, normalmente descartado no meio ambiente. Foram testados os componentes aquo-solúveis dos filtros, branco e amarelo de cigarros, como anti-corrosivos, em aço carbono API 5L Grau B. 2. MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 Materiais As amostras metálicas utilizadas foram de aço carbono tipo API 5L Grau B. E os resíduos sólidos de cigarro, de filtro branco e amarelo, empregados são apresentados na Figura 1. a) b) Figura 1 - Resíduos de cigarros com a) filtros brancos e b) filtros amarelos. Os equipamentos utilizados foram balança analítica, medidor digital de ph de bancada, microscópio estereoscópico, multímetro, e potenciostato Autolab. Para a realização dos testes

3 eletroquímicos empregou-se célula eletroquímica a três eletrodos, com eletrodo de referência saturado de calomelano (Hg/Hg 2 Cl 2 ), como contra eletrodo um fio de platina, e os metais estudados como eletrodo de trabalho. 2.2 Procedimento experimental A metodologia desenvolvida associa a coleta e preparo de amostras de resíduos de cigarros, sendo o papel de rolamento dos filtros removidos manualmente. A relação quantidade de filtros/volume de água destilada, para a realização da lixívia dos componentes do resíduo foi definida seguindo indicação da literatura (Picolli, 2010). As Figuras 2 e 3 apresentam os procedimentos de lixiviação dos compostos aquo-solúveis e o preparo das amostras metálicas. Água destilada em contato com os filtros, mantidos no escuro Agitação diária, 7 dias Soluções lixiviadas Figura 2 - Processo de lixiviação dos compostos aquo-solúveis dos filtros de cigarros. Amostras metálicas Lixamento em lixas d água (#180 a 2000) Análise morfológica Exposição dos metais em lixívias/água pura, 30 dias. Figura 3 - Preparo das amostras metálicas. A exposição das amostras metálicas foi também realizada em água destilada pura, para comparação dos resultados obtidos. Foram monitorados os parâmetros de ph das soluções, massa das amostras metálicas e morfologia da superfície do metal em microscópio, sendo avaliado o tipo de processo corrosivo existente e de inibição deste processo. Os testes eletroquímicos, para a determinação do potencial de corrosão e para o conhecimento do comportamento dos metais investigados, nos respectivos meios de exposição, foram realizados por potenciometria. Aplicou-se a técnica de voltametria cíclica, a velocidade de varredura de 10 mv.s -1, no intervalo de varredura de potenciais de +172 a +342 mv. Os resultados foram expressos em relação ao eletrodo normal de hidrogênio (ENH) e obtidos na presença de oxigênio. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO A morfologia das amostras metálicas preparadas, antes da exposição, é apresentada na Figura 4.

4 Aço API 5L g. B 160x 160x Figura 4 - Morfologia do aço anterior à exposição. Os valores de ph monitorados durante a exposição de 30 dias do aço são apresentados na Tabela 1, observando-se uma acidificação do valor de ph da água destilada, praticamente a manutenção dos valores de ph na lixívia do filtro amarelo, e o aumento de ph na solução extraída do filtro branco. A diminuição do valor de ph provavelmente tenha ocorrido pela grande quantidade de produtos de corrosão liberados na amostra de água, possivelmente óxidos de ferro, provenientes do ataque ao metal. A pequena variação do ph da lixívia do filtro amarelo, pode indicar o caráter inibidor desta solução. A variação de massa das amostras metálicas, durante o tempo de exposição, nos respectivos meios, é apresentada na Tabela 2. Tabela 1 - Monitoramento do ph das soluções durante exposição metálica. Solução ph inicial ph 30dias Lixívia do filtro branco 5,0 8,5 Lixívia do filtro amarelo 5,2 4,8 Água destilada 7,2 5,0 Tabela 2 - Variação de massa das amostras metálicas com o tempo de exposição. Solução Δmassa da amostra metálica (g) 7 dias 14 dias 21 dias 30 dias Lixívia do filtro branco 2x10-3 (perda) 4,6x10-3 (perda) 4,8x10-3 (perda) 5,2x10-3 (perda) Lixívia do filtro amarelo 2x10-3 (perda) 4,3x10-3 (perda) 4,5x10-3 (perda) 4,6x10-3 (perda) Água destilada 2x10-4 (ganho) 5,2x10-3 (perda) 8,5x10-3 (perda) 1,5x10-2 (perda)

5 A maior perda de massa metálica foi em água destilada, de 1,5x10-2 g, devido à intensa e rápida formação de produtos de oxidação e seu desprendimento da superfície do metal. Este produto de coloração alaranjada foi visualizado na forma de precipitado no frasco. As amostras metálicas em contato com as lixívias provenientes dos filtros perderam cerca de 5,0x10-3 g, durante a exposição. Com o auxilio da Figura 5 é possível analisar a morfologia das amostras de aço, após 30 dias de exposição nas soluções lixiviadas e em água destilada. O ataque localizado ao aço em água progrediu e destacou a formação de depósitos alaranjados de produto de corrosão sobre o metal, enquanto as amostras expostas nas lixívias mantiveram-se com fina camada de produtos de corrosão. Água pura Lixívia filtro branco Lixívia filtro amarelo 400x 400x 400x Figura 5 - Morfologia das amostras de aço após 30 dias de exposição. Os testes eletroquímicos resultaram em potenciais 400x de corrosão medidos na interface metal-meio, para o aço nos respectivos meios de exposição (Tabela 3). O potencial de corrosão do aço em lixívia do filtro amarelo foi o de menor valor, em relação aos demais meios, indicando seu caráter inibidor. Tabela 3 - Potenciais de corrosão (Ec) em relação ao eletrodo normal de hidrogênio. Solução Ec aço (mv) Lixívia do filtro branco 200 Lixívia do filtro amarelo 155 Água destilada 220 As voltametrias cíclicas medidas são apresentadas na Figura 6. Obteve-se que a água pura foi o meio mais agressivo, enquanto os extratos dos filtros foram mais protetores, em comparação à água, sendo o filtro amarelo o que representou o maior nível de inibição, com as menores densidades de correntes (j) medidas para o mesmo intervalo de varredura de potencial.

6 j / A.cm Água pura Lixívia do filtro branco Lixívia do filtro amarelo E / mv (ENH) Figura 6 - Voltametrias do aço API 5L Grau B nos meios estudados, a 10 mv.s -1. Os valores de taxa de corrosão obtidos para o aço estão relacionados na Tabela 4. Os resultados apontam que o extrato de filtro amarelo foi o de maior caráter inibidor da corrosão, comparativamente. Tabela 1 - Taxas de corrosão (mm/ano). Solução Aço Lixívia do filtro branco 1,17x10-4 Lixívia do filtro amarelo 2,16x10-5 Água destilada 1,42x CONCLUSÃO Verificou-se a capacidade de inibição da corrosão em aço pelos compostos aquo-solúveis dos filtros de cigarro após consumo. A lixívia de filtro amarelo apresentou o maior caráter inibidor, comparando-se com a lixívia do filtro branco e em meio de água pura. Tanto testes de simples exposição do metal nos meios, quanto testes eletroquímicos, concordaram nos resultados de maior inibição da corrosão do aço API 5L Grau B em solução lixiviada contendo os componentes aquosolúveis extraídos dos filtros amarelos de resíduos de cigarros.

7 5. REFERÊNCIAS CHEN, H.; LI. J.; WU, X.; WANG, X. Synthesis of alumina-modified cigarette soot carbon as an adsorbent for efficient arsenate removal. Ind. Eng. Chem. Res., v. 53, n. 41, p , set ECO UNIFESP. Tempo de decomposição, GENTIL, V. Corrosão. 6ª Edição, Rio de Janeiro: LTC, LAMAS, J. Descartadas aos milhões, bitucas viram papel, adubo e combustível, Folha de São Paulo. PICOLI, A. J. Desempenho do inibidor de corrosão produzido à base de filtros de cigarros. Dissertação de Mestrado. Instituto Federal do Espírito Santo, RAMANATHAN, L. V. Corrosão e seu Controle. São Paulo: Ed. Hemus Ltda., SCHULTZ, M. Inibidores de corrosão. Boletim Recuperar, Survey Practice, UNIVERSO JATOBA. Bitucas de cigarro podem ser recicladas, ZHAO, J; ZHANG, N; QU, C; Wu, X.; ZHANG, J; ZHANG, X. Cigarette butts and their application in corrosion inhibition for N80 steel at 90 C in a hydrochloric acid solution. Ind. Eng. Chem. Res., v. 49, n. 8, p , 2010

CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS

CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS S. R. PETERS 1, L. R. M. LIMA 1, S. N. SILVA 2 e L. M. RODRIGUES 1 1 Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, Engenharia Química 2 Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS T. SILVA 1, D. MIRANDA 1, G. ALVES 3, O.L ROCHA 2, J.C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Instituto Federal

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Química Usinas Piloto Laboratório de Tecnologia Ambiental

Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Química Usinas Piloto Laboratório de Tecnologia Ambiental Profa Dra Maria José J S Ponte- Coordendora Tel: 3361 31 97 Email: mponte@ufpr.br O (LTA) foi criado no ano de 1999, objetivando apoiar o desenvolvimento de pesquisa cientifica e aplicada, principalmente

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE CORROSÃO DE AÇO CARBONO EXPOSTO A MISTURAS DE PETRÓLEO E ÁGUAS SALINAS

ESTUDO DO PROCESSO DE CORROSÃO DE AÇO CARBONO EXPOSTO A MISTURAS DE PETRÓLEO E ÁGUAS SALINAS ESTUDO DO PROCESSO DE CORROSÃO DE AÇO CARBONO EXPOSTO A MISTURAS DE PETRÓLEO E ÁGUAS SALINAS Felipe Augusto Cordeiro de Melo 1 ; Severino Leopoldino Urtiga Filho 2 1 Estudante do Curso de Engenharia de

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo

ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo Lorena Vanessa Medeiros Dantas¹; Victória Maria dos Santos Pessigty; Luana Sayuri Okamura; José Anderson Machado Oliveira; Renato

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA Ruellia asperula COMO INIBIDOR DE CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM MEIO ÁCIDO

INVESTIGAÇÃO DA Ruellia asperula COMO INIBIDOR DE CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM MEIO ÁCIDO INVESTIGAÇÃO DA Ruellia asperula COMO INIBIDOR DE CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM MEIO ÁCIDO Laudelyna Rayanne Freitas de Oliveira 1, Francisco Felipe Sousa Gomes 1, Rafaella da Silva Gomes 1, Mauro Filho Alves

Leia mais

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Título do Vídeo: Eletrólise da água Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Professor responsável: Isabel Domingues

Leia mais

ESTUDO DA VELOCIDADE DE CORROSÃO EM LIGAS DE Al-3%Cu E Al-5%Cu

ESTUDO DA VELOCIDADE DE CORROSÃO EM LIGAS DE Al-3%Cu E Al-5%Cu ESTUDO DA VELOCIDADE DE CORROSÃO EM LIGAS DE -3%Cu E -5%Cu B. B. SOUSA 1, L. N. de SOUSA 1, A. L. S. MOREIRA 2 e J. C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REVESTIMENTO POLIMÉRICO DE EMBALAGENS DE FOLHA DE FLANDRES PARA ALIMENTOS EM CONSERVA

CARACTERIZAÇÃO DO REVESTIMENTO POLIMÉRICO DE EMBALAGENS DE FOLHA DE FLANDRES PARA ALIMENTOS EM CONSERVA CARACTERIZAÇÃO DO REVESTIMENTO POLIMÉRICO DE EMBALAGENS DE FOLHA DE FLANDRES PARA ALIMENTOS EM CONSERVA B. S. VARGAS 1, S. N. da SILVA 2 e L. M. RODRIGUES 3 1 Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé,

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA Júlio César Nogueira Dias 1, Regina Célia Barbosa de Oliveira 2, Adriana Nunes Correia 2 e Hamilton

Leia mais

Departamento de Engenharia Têxtil Escola de Engenharia Universidade do Minho P-4800 Guimarães

Departamento de Engenharia Têxtil Escola de Engenharia Universidade do Minho P-4800 Guimarães APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE VOLTAMETRIA CÍCLICA NA SELECÇÃO DO MATERIAL DE ELÉCTRODO PARA O SISTEMA FeIII/TEA M. de Fátima Esteves, M. T. Pessoa de Amorim Departamento de Engenharia Têxtil Escola de Engenharia

Leia mais

ESTUDO EM CÉLULAS EXPERIMENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UMA SIMULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS

ESTUDO EM CÉLULAS EXPERIMENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UMA SIMULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS ESTUDO EM CÉLULAS EXPERIMENTAIS DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UMA SIMULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS Elaine Patrícia Araújo 1 ; Amanda Gabriela Freitas Santos 2 ; Jussara Cristina Firmino da Costa 3 ; Edcleide Maria

Leia mais

4. Resultados e Discussão

4. Resultados e Discussão Absorbância 4. Resultados e Discussão 4.1. Obtenção da curva de calibração A obtenção da curva de calibração, absorbância vs. concentração de Paraquat, é necessária para a análise química do pesticida.

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

FABRICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE NANOMATERIAIS: EXPLORANDO PROPRIEDADES DO FE, NI E NI X FE 1-X

FABRICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE NANOMATERIAIS: EXPLORANDO PROPRIEDADES DO FE, NI E NI X FE 1-X EXATAS E DA TERRA FABRICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE NANOMATERIAIS: EXPLORANDO PROPRIEDADES DO FE, NI E NI X FE 1-X LEMOS, Gabriel Marins Estudante do Curso de Engenharia de Energias Renováveis- ILATIT UNILA;

Leia mais

EXTRATO DA Byrsonima sericea NA INIBIÇÃO DA CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM HCl 1M

EXTRATO DA Byrsonima sericea NA INIBIÇÃO DA CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM HCl 1M EXTRATO DA Byrsonima sericea NA INIBIÇÃO DA CORROSÃO DO AÇO-CARBONO EM HCl 1M LECOM Laboratório de Eletroquímica e Corrosão Microbiana Coordenação de Química CCT Centro de Ciência e Tecnologia UECE Universidade

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Marcos Aurélio Nunes da Silva Filho, Ana Lídia Tomaz de Melo, Denis Valony Martins Paiva, Laudelyna Rayanne Freitas de Oliveira,

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W

ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W Victória Maria dos Santos Pessigty¹; Lorena Vanessa Medeiros Dantas; Luana Sayuri Okamura; José Anderson Oliveira;

Leia mais

1 Extração Líquido-Líquido

1 Extração Líquido-Líquido Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus de Curitiba Departamento de Química _ Extração Líquido-Líquido Disciplina: Práticas de Química Orgânica Materiais e Reagentes Mesa

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUÍMICA

INTRODUÇÃO À QUÍMICA INTRODUÇÃO À QUÍMICA O QUE É QUÍMICA? É a ciência que estuda a matéria, suas propriedades, transformações e interações, bem como a energia envolvida nestes processos. QUAL A IMPORTÂNCIA DA QUÍMICA? Entender

Leia mais

Extrato da Pectis oligocephala como inibidor de corrosão do alumínio em H 2 SO 4 1M

Extrato da Pectis oligocephala como inibidor de corrosão do alumínio em H 2 SO 4 1M Extrato da Pectis oligocephala como inibidor de corrosão do alumínio em H 2 SO 4 1M Francisco Felipe Sousa Gomes* (IC)¹, José Amilcar Mendes de Araújo Neto (IC)¹, Rafaella da Silva Gomes (IC)¹, Laudelyna

Leia mais

Aula 20 Eletrodeposição

Aula 20 Eletrodeposição Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia Aula 20 Eletrodeposição Dr. Tiago P. Camargo Eletrólise Eletroquímica Processo inverso das pilhas. Células galvânicas

Leia mais

Ocorrência de reações

Ocorrência de reações Ocorrência de reações Dados: Força de ácidos e bases Classificação dos hidrácidos mais conhecidos: Regra prática para a classificação dos oxiácidos Determine a diferença (D) entre a quantidade de átomos

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS SOBRAL - CE ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO... 01 2. DERRAMAMENTOS ACIDENTAIS DE PRODUTOS QUÍMICOS... 01 3. DESCARTE DE RESÍDUOS

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Data de emissão: 17/11/2010 Revisão: 2 Revisado em: 22/05/2012 Pagina de 1 a 9

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Data de emissão: 17/11/2010 Revisão: 2 Revisado em: 22/05/2012 Pagina de 1 a 9 POLIPLUS METÁLICO 1 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: POLIPLUS METÁLICO FABRICANTE: POLIPISO DO BRASIL ENDEREÇO: AVENIDA GERALDO ANTÔNIO TRALDI, Nº 400. DISTRITO INDUSTRIAL COSMO

Leia mais

FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE

FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE Em nossas aulas anteriores aprendemos como reações de óxidoredução podem ser utilizadas para se obter energia. Nas pilhas ocorrem reações químicas capazes de produzir

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

Tipos de Reações Químicas

Tipos de Reações Químicas Tipos de Reações Químicas 8.º ano Ciências Físico-Químicas Unidade 1.2 Tipos de Reações Químicas Que tipos de reações químicas podemos distinguir? Existem várias formas diferentes de classificar as reações

Leia mais

Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas):

Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas): Atividade extra Questão 1 Adaptado de FUVEST - SP Identifique a alternativa que apresenta dois produtos caseiros com propriedades alcalinas (básicas): a. sal e coalhada. b. detergente e vinagre. c. bicarbonato

Leia mais

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO L. G. Tavaniello; N. F. Lopes * ; A. L. Barros; J. B. Marcolino; M. K. Moraes; E. M. da Costa Av. Ipiranga,

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO ÁCIDA DE FERRO FUNDIDO CINZENTO E AÇO VISANDO A PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO

ESTUDO DA CORROSÃO ÁCIDA DE FERRO FUNDIDO CINZENTO E AÇO VISANDO A PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO ESTUDO DA CORROSÃO ÁCIDA DE FERRO FUNDIDO CINZENTO E AÇO VISANDO A PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO P.O.B.FERREIRA 1, A. F. LIMA 1 e S.C. DANTAS 1 1 Universidade Federal Do Triângulo Mineiro, Faculdade de Engenharia

Leia mais

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7)

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7) 1ª Fase (Questões 1 a 7) Provas de Vestibular 1. O ácido gama-hidroxibutírico é utilizado no tratamento do alcoolismo. Esse ácido pode ser obtido a partir da gamabutirolactona, conforme a representação

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais.

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais. CHUVA ÁCIDA - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns materiais. FORMAÇÃO DE CHUVA ÁCIDA A chuva torna-se ácida porque dissolve o dióxido de

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

Prof André Montillo

Prof André Montillo Prof André Montillo www.montillo.com.br Reações de Oxido-Redução Definição: São as reações químicas onde ocorre a variação dos números de oxidação (Nox) das substâncias envolvidas. Portanto haverá transferência

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

OBTENÇÃO DE LIGAS AMORFAS A BASE DE Fe-Cr-Co-P ATRAVÉS DE ELETRODEPOSIÇÃO

OBTENÇÃO DE LIGAS AMORFAS A BASE DE Fe-Cr-Co-P ATRAVÉS DE ELETRODEPOSIÇÃO OBTENÇÃO DE LIGAS AMORFAS A BASE DE Fe-Cr-Co-P ATRAVÉS DE ELETRODEPOSIÇÃO C.AC Souza 1, I.A Carlos 2, F. Avila 1, D.V. Ribeiro, A.L.R. Tachard, L. Santos 1 Rua Aristides Novis, n 2, Salvador/BA, CEP: 40210630-Caldassouza@hotmail.com

Leia mais

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO

VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO VOLUMETRIA DE PRECIPITAÇÃO: DETERMINAÇÃO DE CLORETO DE SÓDIO EM SORO FISIOLÓGICO A volumetria de precipitação envolve a reação na qual forma-se um produto de baixa solubilidade. Sua principal aplicação

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA.

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA. ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA. Haroldo A. Ponte *, Ana Carolina Tedeschi Gomes, Alexandre Michel Maul * Laboratório de Eletroquímica Aplicada, Departamento

Leia mais

Modificação de Cargas Nanoestruturadas a Base de Carbono para a Melhoria do Desempenho de Compostos de Borracha em Pneus

Modificação de Cargas Nanoestruturadas a Base de Carbono para a Melhoria do Desempenho de Compostos de Borracha em Pneus Soluções Inovadoras em Polímeros Modificação de Cargas Nanoestruturadas a Base de Carbono para a Melhoria do Desempenho de Compostos de Borracha em Pneus Jordão Gheller Jr. São Paulo, 28 de abril de 2015

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos NEUTROL 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel Marcílio Franco, 1063 São Paulo S.P. Telefone da empresa: (11) 6901-5522 /

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO CATALÍTICA DO METANO SOBRE Fe/Al 2 O 3 SINTETIZADO PELO MÉTODO DA RÉPLICA

DECOMPOSIÇÃO CATALÍTICA DO METANO SOBRE Fe/Al 2 O 3 SINTETIZADO PELO MÉTODO DA RÉPLICA DECOMPOSIÇÃO CATALÍTICA DO METANO SOBRE Fe/Al 2 O 3 SINTETIZADO PELO MÉTODO DA RÉPLICA BARROS. A.P.S. 1, ALMEIDA. R. M. 2, SOUZA. F.T.C 3 e TENÓRIO.N.V.N 4 1 Universidade Federal de Alagoas, Departamento

Leia mais

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar.

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. Petróleo e Carvão Petróleo O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. É encontrado no subsolo, em profundidades variáveis e é

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE LIXIVIAÇÃO DAS CINZAS DE CALDEIRAS DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA

ANÁLISE DO PROCESSO DE LIXIVIAÇÃO DAS CINZAS DE CALDEIRAS DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA ANÁLISE DO PROCESSO DE LIXIVIAÇÃO DAS CINZAS DE CALDEIRAS DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA T. M. FREITAS, P.S.S PORTO, T. S. de LIRA e M. S. BACELOS Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Introdução Corrosão Tipos de corrosão Corrosão Eletroquímica Exemplos e reações Corrosão Química Exemplos e reações Corrosão Eletrolítica

Leia mais

Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758

Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 Parâmetros de qualidade de água SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 Prof. J. Sánez Prof. Dra. H. Knapik Resp. Tec. Lab. L. Prado Universidade Federal do Paraná 3 /2015 Aula 03 Teoria e determinação

Leia mais

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2 31 c QUÍMICA petróleo pode conter alto teor de enxofre, que deve ser removido nas refinarias de petróleo. Mesmo assim, na queima de combustíveis fósseis, forma-se dióxido de enxofre. Esse óxido liberado

Leia mais

1. OBJETIVO DO TRABALHO

1. OBJETIVO DO TRABALHO ELETROFLOCULAÇÃO EM CORRENTE ALTERNADA COMBINADA COM PROCESSOS DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS DE OSMOSE INVERSA PARA TRATAMENTO DE ÁGUA DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO ONSHORE. 1. OBJETIVO DO TRABALHO Um dos pontos

Leia mais

II DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA À INCINERAÇÃO NO TRATAMENTO DE MEDICAMENTOS VENCIDOS

II DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA À INCINERAÇÃO NO TRATAMENTO DE MEDICAMENTOS VENCIDOS II-003 - DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA À INCINERAÇÃO NO TRATAMENTO DE MEDICAMENTOS VENCIDOS Paula Sevenini Pinto (1) Bacharela em Química pela Universidade Federal de Viçosa. Mestranda em Química

Leia mais

OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO

OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO OXIDAÇÃO DE METAIS INTRODUÇÃO Oxidação é uma palavra do âmbito da química que significa a perda de elétrons, mesmo que não seja causada pelo oxigênio. Indica também o processo de oxidar, ou seja, de combinar

Leia mais

FUVEST 1991 Primeira fase e Segunda fase

FUVEST 1991 Primeira fase e Segunda fase FUVEST 1991 Primeira fase e Segunda fase CNHECIMENTS GERAIS 01. ar gás carbônico naftaleno iodo latão ouro 18 quilates Se esses materiais forem classificados em substâncias puras e misturas, pertencerão

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos.

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. Revisão: 01 Data: 08/08/2014 Páginas: 1/8 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. Nome do Produto: Pigmento Preto. Nome da Empresa: Juntalider Indústria e Comércio de Materiais para Construção LTDA. Endereço:

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Cartacoat AP1 liq 0050 nº Material: 236023 nº Material:236023 Código Interno de Produto : 000000362404 Identificação

Leia mais

Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica

Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica 2.4 Métodos experimentais em corrosão. 2.5 Tipos de corrosão: generalizada,... Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica PMT 2507- CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS - Neusa

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL

INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL INFLUÊNCIA DA FOSFATIZAÇÃO NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 POR FILMES DE POLIPIRROL M. R. Ygei 1*, K. M. Bezerra 1, M. de Aquino 1, A. S. Liu 1, L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, 01109-010, Canindé, São

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA Ti-6Al-4V E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO

ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA Ti-6Al-4V E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO Thiago de Souza Sekeres 1, Sonia Braunstein Faldini 4 1 Universidade Presbiteriana Mackenzie/Engenharia

Leia mais

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons.

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: TURMA(S): 2º anos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si. A. L. GONÇALVES 1, L.S.SANTOS 2, L. B. FERNANDES 3, J.C.A. CARDOSO 3 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Lanasyn Verde Brilhante F-6GLN sgr 0015 Página 1 / 5

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Lanasyn Verde Brilhante F-6GLN sgr 0015 Página 1 / 5 Lanasyn Verde Brilhante F-6GLN sgr 0015 Página 1 / 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Lanasyn Verde Brilhante F-6GLN sgr 0015 nº Material: 102114 nº Material:102114 Código Interno

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE CORROSÃO EM PLACAS DE CHUMBO DE BATERIAS AUTOMOTIVAS.

AVALIAÇÃO DA TAXA DE CORROSÃO EM PLACAS DE CHUMBO DE BATERIAS AUTOMOTIVAS. AVALIAÇÃO DA TAXA DE CORROSÃO EM PLACAS DE CHUMBO DE BATERIAS AUTOMOTIVAS. [1] Márcia Cristina de Sousa; [1] Juliana de Figueiredo Lima; [2] Eudésio O. Vilar [1] Discentes do Programa de Pós Graduação

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO CLORÍDRICO ATÉ 0,50 MOL. L-1

TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO CLORÍDRICO ATÉ 0,50 MOL. L-1 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO

Leia mais

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS Corrosão em Fresta Abertura estreita junções: gaxetas, parafusos depósitos; produtos aderidos Materiais passivos Al; Ti Exemplo: liga 825 (44Ni-22Cr- 3Mo-2Cu) - água do mar 6 meses Trocador de calor com

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II COLÉGIO META OPERAÇÕES UNITÁRIAS II Prof. ABEL SCUPELITI ARTILHEIRO SÃO PAULO 2012 1 OPERAÇÕES UNITÁRIAS II BALANÇO MATERIAL O Balanço Material é utilizado para projetos e análises de equipamentos de novas

Leia mais

DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS

DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS DESSULFURIZAÇÃO ADSORTIVA DO CONDENSADO ORIUNDO DA PIRÓLISE DE PNEUS INSERVÍVEIS T. G. NOYA 1, R. B. TORRES 1 e R. G. SANTOS 1 1 Centro Universidade da FEI, Departamento de Engenharia Química E-mail para

Leia mais

Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC

Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC Manutenção de poços com ferrobactérias no Aquífero dos Ingleses, Florianópolis - SC Larissa Ramage Taís Alves Corrêa Juliano Magalhães Lauro César Zanatta Objetivos ü Avaliar os poços contaminados por

Leia mais

INTEMPERISMO QUÍMICO MUDANÇAS QUÍMICAS DE MINERAIS DA SUA FORMA MAIS INSTÁVEL PARA MAIS ESTÁVEL

INTEMPERISMO QUÍMICO MUDANÇAS QUÍMICAS DE MINERAIS DA SUA FORMA MAIS INSTÁVEL PARA MAIS ESTÁVEL INTEMPERISMO QUÍMICO MUDANÇAS QUÍMICAS DE MINERAIS DA SUA FORMA MAIS INSTÁVEL PARA MAIS ESTÁVEL PERDA DE ELEMENTOS QUÍMICOS PRIMÁRIOS TRASFORMAÇÃO DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS DA ROCHA EM SECUNDÁRIOS ALTERAÇÃO

Leia mais

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax.

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax. PRÁTICA 3 GRUPO 13 Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Fabio da Silva Miranda Revisado: 04/05/2017 1. Introdução O presente procedimento experimental pretende abordar alguns aspectos

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO USINA TERMOELÉTRICA USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO O QUE É USINA TERMOELÉTRICA? Uma instalação industrial que serve para gerar energia através da queima de combustíveis fosseis.

Leia mais

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto FELIPE KOBUS, FRANCINE FERNANDES, GIOVANNI GUIDELLI, JAQUELINE F. SOARES, JULYANA ROCHA E MARINA D. TRENTIN Passivação da Armadura no Concreto Passivação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico D.I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: D.I. Aplicação: Produto isento de abrasivos e solventes, indicado para limpeza de pisos industriais, peças, máquinas operatrizes, veículos, chassis

Leia mais

10 INFORMAÇÕES ÚTEIS DE CORROSÃO QUE TODO ENGENHEIRO PRECISA SABER.

10 INFORMAÇÕES ÚTEIS DE CORROSÃO QUE TODO ENGENHEIRO PRECISA SABER. 1) O que é Corrosão? A corrosão é um processo natural que pode ser definido como uma deterioração de algum material, geralmente metálico, através de processos químicos ou eletroquímicos associados ou não

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO CREATININA FS CATÁLOGO

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO CREATININA FS CATÁLOGO 1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa DETALHES DO PRODUTO Nome comercial: R1 Aplicação da substância / preparação: Química de Laboratório Diagnóstico in vitro Fabricante / Identificação do

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. Castelo (construido em 1702) em Westphalia, Alemanha

CHUVA ÁCIDA. Castelo (construido em 1702) em Westphalia, Alemanha CHUVA ÁCIDA 1970 1908 1968 Castelo (construido em 1702) em Westphalia, Alemanha 1983 Fotografia de uma floresta alemã tirada em 1970 e depois em 1983, após a ação da chuva ácida na região. Em 1989 cientistas

Leia mais

QUÍMICA. Questão 01. Questão 02

QUÍMICA. Questão 01. Questão 02 Questão 01 QUÍMICA A fenil-etil-amina é considerada um componente responsável pela sensação do bem-estar decorrente da ingestão do chocolate, que contém, também, substâncias inorgânicas. Na tabela a seguir

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Identificação da sociedade/empresa Clariquimica Comercio de Produtos Quimicos Ltda. Rua Manoel Vitorino,353 Cumbica 07232-110 Guarulhos

Leia mais

2º trimestre Sala de Estudo Química Data: 08/05/17 Ensino Médio 2º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº

2º trimestre Sala de Estudo Química Data: 08/05/17 Ensino Médio 2º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº 2º trimestre Sala de Estudo Química Data: 08/05/17 Ensino Médio 2º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº Conteúdo: Termoquímica (entalpia padrão de formação) Questão 01 - (PUC RS/2017) O metano é uma

Leia mais

SIMULADO DE QUÍMICA INSTRUÇÕES QUÍMICA

SIMULADO DE QUÍMICA INSTRUÇÕES QUÍMICA PROVA DISCURSIVA SIMULADO DE QUÍMICA INSTRUÇÕES Verifique se esse Caderno contém 4 questões discursivas de: QUÍMICA Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que prejudique a leitura,

Leia mais

(MACK-SP) Na eletrólise ígnea de NaCl, verificase

(MACK-SP) Na eletrólise ígnea de NaCl, verificase (MACK-SP) Na eletrólise ígnea de NaCl, verificase que: a) no cátodo, deposita-se sódio metálico. b) no ânodo, ocorre redução. c) no cátodo, ocorre oxidação. d) no ânodo, há deposição de NaCl. e) no cátodo,

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR PROVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR PROVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes. Entretanto, enquanto a água é líquida em condições normais

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 9. (ENEM 2013) A produção de aço envolve o aquecimento do minério de ferro, junto com carvão (carbono) e ar atmosférico em uma série de reações de oxirredução. O produto é chamado de ferro-gusa e contém

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO - o processo I sugere a evaporação (transformação física) dos componentes do medicamento. - a decomposição das substâncias (transformação química) que constituem o princípio

Leia mais

T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes RESUMO

T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes RESUMO CORROSÃO DE AÇO CARBONO POR CO 2 : INFLUÊNCIA DA PRESSÃO NA TAXA DE CORROSÃO T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes Faculdade de Engenharia e Centro de Excelência em Pesquisa

Leia mais

10 QUÍMICA 3º DIA 2º Processo Seletivo/ NO e N 2 O são óxidos de nitrogênio com importantes atividades biológicas.

10 QUÍMICA 3º DIA 2º Processo Seletivo/ NO e N 2 O são óxidos de nitrogênio com importantes atividades biológicas. 10 QUÍMICA 3º DIA 2º Processo Seletivo/2004 10. NO e N 2 O são óxidos de nitrogênio com importantes atividades biológicas. a) Sabendo-se que NO (g) e H 2 O (g) podem ser obtidos a partir da oxidação de

Leia mais

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica 1) A entalpia da reação (I) não pode ser medida diretamente em um calorímetro porque a reação de carbono com excesso

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá / Centro de Tecnologia /Maringá, PR. Centro de Tecnologia/Departamento de Engenharia de Alimentos

Universidade Estadual de Maringá / Centro de Tecnologia /Maringá, PR. Centro de Tecnologia/Departamento de Engenharia de Alimentos DESENVOLVIMENTO DE MÉTODOS VERDES PARA IMPREGNAÇÃO DE NANOPARTÍCULAS EM FILTROS DE CARVÃO PARA TRATAMENTO DE ÁGUA Lucas Yaegashi Campana (PIC/UEM), Raquel Guttierres Gomes (Orientadora), Carole Silveira

Leia mais

Eletroquímica: construção de uma célula galvânica

Eletroquímica: construção de uma célula galvânica Eletroquímica: construção de uma célula galvânica 1. Introdução Uma corrente elétrica é o fluxo de elétrons por um circuito. Quando a corrente é gerada quimicamente, os elétrons saem de uma região em que

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 11, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson

Leia mais

Questão 10: Sobre as moléculas de CO 2 e SO 2, cujas estruturas estão representadas a seguir, é CORRETO afirmar que: S O O C O

Questão 10: Sobre as moléculas de CO 2 e SO 2, cujas estruturas estão representadas a seguir, é CORRETO afirmar que: S O O C O QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: Nitrogênio e fósforo são elementos essenciais para a nutrição das plantas e por isso alguns de seus compostos são utilizados na maioria dos fertilizantes. Sobre esses elementos

Leia mais