1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5"

Transcrição

1 Sumário 1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS PILHAS DE CORROSÃO MEIOS CORROSIVOS REAÇÕES NO PROCESSO CORROSIVO PRODUTOS DE CORROSÃO POLARIZAÇÃO PASSIVAÇÃO VELOCIDADE DE CORROSÃO Polarização Passivação Curvas de Polarização e Passivação Velocidade de Corrosão Influência de Outros Fatores na Velocidade de Corrosão DIAGRAMAS DE POURBAIX FORMAS E TAXAS DE CORROSÃO RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Tipos de Corrosão Eletroquímica CORROSÃO ASSOCIADA À FORMA DE DESGASTE Corrosão Uniforme Corrosão Localizada Alveolar e por Pites

2 XX FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 3.2 CORROSÃO POR CONCENTRAÇÃO DIFERENCIAL Corrosão por Concentração Iônica Diferencial Corrosão por Aeração Diferencial Corrosão em Frestas Corrosão Filiforme CORROSÃO GALVÂNICA CORROSÃO SELETIVA Corrosão Grafítica Corrosão por Dezincificação CORROSÃO ASSOCIADA AO ESCOAMENTO DE FLUIDOS Corrosão Erosão Corrosão com Cavitação Corosão por Turbulência CORROSÃO INTERGRANULAR Corrosão Intergranular nos Aços Inoxidáveis Corrosão Intergranular de Ligas de Alumínio FISSURAÇÃO POR CORROSÃO Corrosão sob Tensão Fissuração Induzida pela Pressão de Hidrogênio Fragilização por Metal Líquido Corrosão Fadiga RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Corrosão Eletroquímica em Alguns Meios e Sob Certas Condições de Corrosividade CORROSÃO ATMOSFÉRICA CORROSÃO PELOS SOLOS Fatores que Determinam a Corrosividade dos Solos Avaliação da corrosividade Classificação dos Solos quanto à Corrosividade CORROSÃO PELA ÁGUA E VAPOR Fatores que Determinam a Corrosividade das Águas Classificação das Águas Quanto à Corrosividade CORROSÃO POR BACTÉRIA OU BACTERIANA CORROSÃO ELETROLÍTICA CORROSÃO EM CONCRETO

3 SUMÁRIO XXI 4.7 CORROSÃO POR COMPOSTO DE ENXOFRE Corrosão por Condensado Ácido Corrosão por Compostos de Enxofre em Unidades de Processo RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Princípios Básicos da Corrosão Química CARACTERÍSTICA DA DIFUSÃO NO ESTADO SÓLIDO VELOCIDADE DE CRESCIMENTO DAS PELÍCULAS CARACTERÍSTICAS DAS PELÍCULAS PROTETORAS MEIOS CORROSIVOS CASOS ESPECIAIS DE CORROSÃO EM ALTAS TEMPERATURAS Corrosão Catastrófica Corrosão por Metais Líquidos Carbonetação e Descarbonetação RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Técnicas de Ampliação da Resistência à Corrosão ou de Proteção Anticorrosiva PRINCÍPIOS BÁSICOS DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO E DA PROTEÇÃO ANTICORROSIVA Princípios Básicos de Controle da Corrosão Eletroquímica Princípios Básicos de Controle da Corrosão em Altas Temperaturas RESISTÊNCIA À CORROSÃO ELETROQUÍMICA Resistência Própria do Material à Corrosão Métodos que Ampliam a Resistência à Corrosão Revestimentos Inibidores de Corrosão Técnicas de Modificações do Meio Corrosivo Proteção Catódica e Anódica Controle de Corrosão na Fase de Projeto RESISTÊNCIA À CORROSÃO QUÍMICA OU OXIDAÇÃO A ALTAS TEMPERATURAS Metais e Ligas Metálicas Influência de Elementos de Liga Emprego de Revestimentos Refratários e Isolantes RESUMO DA AMPLIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO.. 113

4 XXII FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 6.5 PRINCIPAIS MEIOS DE PROTEÇÃO ASSOCIADOS AOS PROCESSOS CORROSIVOS Proteção à Corrosão Uniforme Proteção Contra a Corrosão Alveolar e por Pites Proteção Contra a Corrosão por Concentração Diferencial Proteção Contra a Corrosão Galvânica Proteção Contra a Corrosão Seletiva Proteção Contra a Corrosão Associada ao Escoamento de Fluidos Proteção Contra a Corrosão Intergranular Proteção Contra a Fissuração por Corrosão Proteção Contra a Corrosão Atmosférica Proteção Contra a Corrosão pelos Solos Proteção Contra a Corrosão pela Água Proteção Contra a Corrosão por Bactérias ou Bacteriana Proteção Contra a Corrosão Eletrolítica Proteção Contra a Corrosão em Concretos Proteção Contra a Corrosão por Compostos de Enxofre Proteção à Corrosão Química ou Oxidação em Altas Temperaturas Quadro Resumo RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Resistência à Corrosão de Alguns Materiais Metálicos RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE ALGUNS MATERIAIS FERROSOS MATERIAIS NÃO-FERROSOS TRATAMENTOS TÉRMICOS RESUMO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE MATERIAIS LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão pelo Controle da Corrosividade do Meio CONTROLE DE CORROSÃO POR INIBIDORES CONTROLE DE CORROSÃO POR MODIFICAÇÃO DO MEIO Desaeração Controle de ph Controle de Temperatura e Velocidade Controle de Umidade Relativa

5 SUMÁRIO XXIII 8.3 RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão com o Uso de Revestimentos Protetores MECANISMOS DE PROTEÇÃO REVESTIMENTOS METÁLICOS Cladização Deposição por Imersão a Quente Metalização Eletrodeposição Deposição Química REVESTIMENTOS NÃO-METÁLICOS INORGÂNICOS Anodização Cromatização Fosfatização Revestimento com Argamassa de Cimento Revestimento com Vidro Revestimento com Esmalte Vítreo Revestimento com Material Cerâmico REVESTIMENTOS ORGÂNICOS Pintura Industrial Revestimento com Borrachas Revestimentos com Plásticos Revestimentos com Plásticos Reforçados Revestimentos para Tubulações Enterradas ou Submersas REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM A ATMOSFERA Para Atmosferas Altamente Agressivas Para Atmosferas Medianamente Agressivas Para Atmosferas Pouco Agressivas Quadro Resumo e Quadro Comparativo entre os Revestimentos por Tintas e os Revestimentos por Galvanização REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM A ÁGUA Considerações Gerais Tipos e Seleção de Revestimentos Interface com a Proteção Catódica

6 XXIV FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 9.7 REVESTIMENTOS PARA DUTOS ENTERRADOS Considerações Gerais Tipos de Revestimentos Interface com a Proteção Catódica Avaliação do Desempenho do Revestimento Após o Lançamento REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM FLUIDOS ALTAMENTE CORROSIVOS RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão com o Uso de Proteção Catódica e Proteção Anódica PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PROTEÇÃO CATÓDICA MÉTODOS DE APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA Proteção Catódica com Anodos Galvânicos Proteção Catódica por Corrente Impressa CORRENTE NECESSÁRIA PARA PROTEÇÃO CATÓDICA SELEÇÃO DO TIPO DE PROTEÇÃO CATÓDICA CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO CATÓDICA MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CATÓDICA USO DE PROTEÇÃO CATÓDICA E REVESTIMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE PROTEÇÃO ANÓDICA Campo de Aplicação Requisitos de Projeto RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão por Projeto Adequado PRÁTICAS DE PROJETO Práticas a Serem Evitadas Práticas que Devem ser Previstas MÉTODOS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA NA FASE DE PROJETO Tanques Metálicos de Armazenamento Oleodutos, Gasodutos e Adutoras Navios, Embarcações e Plataformas Semi-submersíveis

7 SUMÁRIO XXV Piers Cais Plataformas Sistemas de Água de Refrigeração Geradores de Vapor Unidades de Processo Fornos Permutadores de Calor Tubulações Industriais Estruturas Metálicas Vasos e Esferas Máquinas de Fluxo Equipamento Elétrico e de Instrumentação Proteção Durante o Armazenamento e Transporte Sistemas de Geração e Transmissão de Energia Sistemas de Ar-condicionado Corrosão em Superfícies em Contato Permanente com Extrato do Lixo Chorume Sistemas de Transporte, Tratamento de Esgotos e Efluentes Industriais Sistemas de Tratamento, Armazenamento e Distribuição de Água RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Avaliação da Resistência à Corrosão Através da Monitoração SISTEMAS DE MONITORAÇÃO EM TEMPO REAL OU DE CURTO INTERVALO DE TEMPO Resistência de Polarização Linear Impedância Eletroquímica Ruído Eletroquímico Correntes Galvânicas SISTEMAS DE MONITORAÇÃO DE ACOMPANHAMENTO Os Cupons de Perda de Massa Resistência Elétrica Permeação ou Provadores de Hidrogênio SISTEMA DE MONITORAÇÃO DA CORROSÃO A POSTERIORI Acompanhamento da Espessura Ferramentas Instrumentadas

8 XXVI FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 12.4 RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Análise da Resistência à Corrosão Previsão de Falhas por Corrosão ANÁLISE DE FALHAS PREVISÃO DE FALHAS DIAGNÓSTICO DE INTEGRIDADE EXEMPLOS TÍPICOS Corrosão em Equipamento de Telefonia e Transmissão de Dados Corrosão em Superfícies de Cobre de Equipamento de Ar-condicionado Central Corrosão em Superfícies em Contato Permanente com Extrato do Lixo Chorume Diagnóstico de Integridade de Tubulações de Água de Condensação e Água Gelada de um Sistema Central de Refrigeração ENSAIOS DE CORROSÃO Ensaios de Laboratório Ensaios em Instalações ou Equipamentos-piloto Ensaio de Campo Quadro Resumo dos Ensaios de Corrosão RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Aspectos Econômicos da Resistência à Corrosão I Exercícios e Problemas de Corrosão ª PARTE EXERCÍCIOS POR CAPÍTULO a PARTE EXERCÍCIOS E PROBLEMAS SOBRE CORROSÃO II Revisão de Alguns Conceitos Básicos de Química II.1 ELEMENTOS QUÍMICOS II.2 SUBSTÂNCIAS II.3 ÁCIDOS II.4 BASES OU HIDRÓXIDOS ALCALINIDADE II.5 SAIS II.6 ÓXIDOS II.7 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO II.8 EQUIVALENTE GRAMA E CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES. 312 II.8.1 Equivalente Grama

9 SUMÁRIO XXVII II.8.2 Concentração de Soluções II.9 ELETRÓLISE II.10 EQUILÍBRIO QUÍMICO II. 11 HIDRÓLISE DE SAIS II.12 LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA REFERÊNCIAS Livros Artigos Técnicos Relação de Tabelas Índice Remissívo

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Resistência à Corrosão: Teoria e Prática De 13/08/2012 a 17/08/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo: Ao término do

Leia mais

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica - Se o material do eletrodo não se transforma em produto; - em principio, é apenas para transferir elétrons; - mas, podendo também participar adsorvendo reagentes

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV

CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV Aula 12 Corrosão e tipos de pilhas de corrosão (galvânica, ação local, ativa-passiva, concentração

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos Metais Não Ferrosos 8.1 - Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio r INDICE GERAL Nota dos tradutores Prefácio xv xvii CAPíTULO 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS 1.1 Materiais e engenharia 1.2 Ciência e engenharia de materiais 1.3 Classes de materiais 1.4

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA INSTRUTOR

PROTEÇÃO CATÓDICA INSTRUTOR PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 1: INTRODUÇÃO Este material contém informações classificadas como NP-1 INSTRUTOR João Paulo Klausing Gervásio Engenharia de Dutos Terrestres

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS

GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS TEARES DUPLOS Amostra de sortimento outros modelos sob consulta GRANDE DURABILIDADE, MAIS PRODUTIVIDADE: LÂMINAS LUTZ PARA A FABRICAÇÃO DE TAPETES E TECIDOS LÂMINAS ESPECIAIS PELÍCULA FIBRAS QUÍMICAS E

Leia mais

Unidade de Medida A0010

Unidade de Medida A0010 Código de Identificação de Resíduos Tipo de Resíduo Descrição Unidade de Medida A0010 RESIDUO DE RESTAURANTE (RESTOS mġ DE ALIMENTOS) A0020 RESIDUO GERADO FORA PROCESSO mġ INDUSTRIAL (EMBALAGENS, ESCRI)

Leia mais

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO Princípios de Eletroquímica Prof. Dr. Artur de Jesus Motheo Departamento de FísicoF sico-química Instituto de Química de são Carlos Universidade de São Paulo 1 Princípios de

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 Aprovado pela portaria Cetec nº 127 de 03/10/2012 Etec TIQUATIRA 208 Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Produção Industrial

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Revisão -Propriedades ópticas em materiais -Propriedades magnéticas -Metais -Cerâmicas -Polímeros Propriedades ópticas

Leia mais

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Número de oxidação (NOX) Nox fixo:1a(+1), 2A (+2), Al +3, Zn +2 e Ag + Nox usual: Hidrogênio (+1), exceto nos hidretos metálicos (-1) e Oxigênio (-2), exceto nos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I Código da Disciplina: ECV004 Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre de oferta da disciplina: 3 Faculdade responsável: ENGENHARIA CIVIL Programa

Leia mais

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Marcos Aurélio Nunes da Silva Filho, Ana Lídia Tomaz de Melo, Denis Valony Martins Paiva, Laudelyna Rayanne Freitas de Oliveira,

Leia mais

CORTE MAIS ECONÔMICO COM FACAS PARA MÁQUINA E LÂMINAS PARA A INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO

CORTE MAIS ECONÔMICO COM FACAS PARA MÁQUINA E LÂMINAS PARA A INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO CORTE MAIS ECONÔMICO COM FACAS PARA MÁQUINA E LÂMINAS PARA A INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO LÂMINAS ESPECIAIS PELÍCULA FIBRAS QUÍMICAS E DE VIDRO MEDICINA ALIMENTOS ARTESANATO /DIY AUTOMÓVEIS TEARES DUPLOS PRECISÃO.

Leia mais

Aço na Construção Civil

Aço na Construção Civil Aço na Construção Civil AÇO Liga Ferro-Carbono (0,006% < C < 2%) Denso; Bom condutor de eletricidade e calor; Opaco; Comportamento elasto-plástico. Estrutura cristalina polifásica (grãos com diferentes

Leia mais

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM

PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM PROCESSOS AVANÇADOS DE USINAGEM E FABRICAÇÃO DE PEÇAS DE PLÁSTICO Prof. Lopes INCLUEM PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATERIAL : QUÍMICOS ELÉTRICOS TÉRMICOS MECÂNICOS Usinagem Química Filme Usinagem Quimica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

GrandezasElétricase Principais Dispositivos

GrandezasElétricase Principais Dispositivos GrandezasElétricase Principais Dispositivos Vasos comunicantes podem ser uma analogia. Site Condutores, Isolantes e Semicondutores Lei de Ohm Resistor Resistor Um resistor é um componente que fornece

Leia mais

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023

Coletor solar (EA0031/EA0023) Manual de instruções. Manual de instruções. Coletor Solar EA0031/EA0023 Manual de instruções Coletor Solar EA0031/EA0023 Índice 1. Especificações técnicas... 3 2. Cuidados... 3 3. Tubo do Coletor Solar... 4 3.1. Componentes... 4 3.2. Parâmetros... 5 4. Coletor Solar... 5 5.

Leia mais

Seleção de esquemas de pintura com base no desempenho anticorrosivo

Seleção de esquemas de pintura com base no desempenho anticorrosivo Seleção de esquemas de pintura com base no desempenho anticorrosivo Neusvaldo L. Almeida Victor Solymossy Quintela IPT Petrobras Petrobras Dez/2014 Como avaliar desempenho... Caracterização 1 Aderência

Leia mais

EM-524 Fenômenos de Transporte

EM-524 Fenômenos de Transporte EM-524 Fenômenos de Transporte Livro : Introdução às Ciências Térmicas F.W. Schmidt, R.E. Henderson e C.H. Wolgemuth Editora Edgard Blücher Denilson Boschiero do Espirito Santo DE FEM sala : ID301 denilson@fem.unicamp.br

Leia mais

O que é Tratamento Térmico de Aços?

O que é Tratamento Térmico de Aços? O que é Tratamento Térmico de Aços? Definição conforme norma NBR 8653 Operação ou conjunto de operações realizadas no estado sólido compreendendo o aquecimento, a permanência em determinadas temperaturas

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO

NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO NORMAS BRASILEIRAS PARA AR CONDICIONADO E REFRIGERAÇÃO ESTAS NORMAS SÃO PRODUZIDAS E REVISADAS POR (ABNT) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, ATRAVÉS DO COMITÊ BRASILEIRO Nº55 (CB 55) COM SEDE NA

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Físico-Química Código: FAR 205 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo: 2015.1

Leia mais

Físico-Química. Eletroquímica Prof. Jackson Alves

Físico-Química. Eletroquímica Prof. Jackson Alves Físico-Química Eletroquímica Prof. Jackson Alves 1. Pilhas Processo espontâneo de conversão de energia química em energia elétrica. Observe o esquema a seguir: Lâmina de zinco Semicela Zn / Zn 2+ ponte

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 10 Equilíbrio de ácido-base.

Leia mais

ELETROQUÍMICA. paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs. Profª Loraine Jacobs DAQBI

ELETROQUÍMICA. paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs. Profª Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Profª Loraine Jacobs DAQBI BALANCEAMENTO DE EQUAÇÕES Equações de Oxi-Redução contendo íons: Balancear a equação: Semi-Reações Utilizadas

Leia mais

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE

ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE ANÁLISE DE TENSÕES E FLEXIBILIDADE OBJETIVOS Definir a forma de suportação da tubulação de forma a: - Evitar que as tensões atuantes e deformações excedam seus valores admissíveis - Evitar que linhas,

Leia mais

Sobre nós. Mais de m² de RADs aplicados nos últimos anos

Sobre nós. Mais de m² de RADs aplicados nos últimos anos NS TERMO SOLAR Sobre nós Fundada em 1995 Fundador: Engº Químico Newton Carvalho Jr. Área de atuação: Revestimentos monolíticos - pisos técnicos, pisos decorativos, proteções de superfície, revestimentos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO

MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO MANUAL DE OPERAÇÃO KA047 TERMÔMETRO INFRAVERMELHO Características: Medições Precisas sem contato Ponteiro laser embutido Intervalo de seleção automático e resolução de 0.1º ou 1º Botão de seleção para

Leia mais

Energia: Capacidade de realizar trabalho.

Energia: Capacidade de realizar trabalho. Energia: Capacidade de realizar trabalho. Formas de energia: Matéria: - Cinética (movim. macroscópico, térmica, etc) - Potencial (elétrica, gravitacional, elástica, etc) Tudo que tem massa e ocupa lugar

Leia mais

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna 302 770 00 27 3397 Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade Dupla saída de ar Baixa velocidade Bandeja interna Características Técnicas Bandeja interna que evita fugas de ar e concentra fluxo de água

Leia mais

Analítica Análises Gases Pesagem Software

Analítica Análises Gases Pesagem Software Analítica Análises Gases Pesagem Software Laboratório de Análises Ambientais RBLE - Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios METROLOGIA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Análises de solo Águas subterrâneas

Leia mais

índice 2 Definição, elaboração e descrição do processo 15 Matérias-primas Síntese do processo industrial. 15

índice 2 Definição, elaboração e descrição do processo 15 Matérias-primas Síntese do processo industrial. 15 projecto índice Capítulo 1 1 Análise de Mercado 2 1.1 Leite evaporado. 2 1.2 Aplicações 2 1.3 Mercado de matéria-prima e custos 3 1.4 Produção de leite evaporado 6 1.5 Consumo de produtos lácteos. 8 1.6

Leia mais

Robustez e agilidade de montagem comprovada por situações reais de emergência.

Robustez e agilidade de montagem comprovada por situações reais de emergência. Precisão, segurança, facilidade de montagem e manutenção, fazem da TET a ferramenta perfeita para suas equipes de emergência e manutenção de linhas de transmissão de até 500 kv. Estrutura projetada pela

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS Faculdade Sudoeste Paulista Engenharia Civil/Produção Notas de aula: CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS PROPRIEDADES TÉRMICAS Prof. Msc. Patrícia Corrêa Avaré, 2014 Propriedades de materiais: 1. Térmica

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

PHENOTAN M Madeira Compensada

PHENOTAN M Madeira Compensada PHENTAN M Madeira Compensada PHENTAN M é uma resina modificada quimicamente, de origem vegetal, destinada à colagem de madeira compensada, especialmente aquelas que exigem resistência à água. CNSTITUIÇÃ

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 084

Norma Técnica SABESP NTS 084 Norma Técnica SABESP NTS 084 REVESTIMENTO - GUIA Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 084 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...1 3 DEFINIÇÕES...2 4 GENERALIDADES...2

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE Teste 2

EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE Teste 2 EM535 USINAGEM DOS MATERIAIS 1 O. SEMESTRE DE 2007 - Teste 2 1. As características desejáveis a um material de ferramenta são: a. resistência ao desgaste, tenacidade, dureza a quente e baixo coeficiente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

Os elementos apresentam uma ampla variação em abundância nas rochas da crosta terrestre, nos oceanos e na atmosfera.

Os elementos apresentam uma ampla variação em abundância nas rochas da crosta terrestre, nos oceanos e na atmosfera. O GRUPO DO BORO (13 OU IIIA) OS ELEMENTOS Os elementos apresentam uma ampla variação em abundância nas rochas da crosta terrestre, nos oceanos e na atmosfera. Há uma ampla variação nas propriedades químicas

Leia mais

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico

Tratamento Térmico de Resíduos. Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Uma Opção para a Destinação do Resíduo: Tratamento Térmico Florianópolis, 21 de outubro de 2013 Assuntos: Plano de Consultoria do Teste de Queima; Diagnóstico Inicial; Plano do Teste de Queima; Plano de

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

Propagação do Calor e Calorimetria

Propagação do Calor e Calorimetria Condução Térmica Física 3 - Capítulo 3 Propagação do Calor e Calorimetria Propagação de calor em que a energia térmica passa de partícula para partícula, sem transporte de matéria. Ocorre nos materiais

Leia mais

Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão

Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão Parte III O princípio da Continuidade Cap. 6 Corrosão Galvânica e Proteção Catódica 1. Introdução Vimos no fascículo anterior a importância e os limites das

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo Universidade Federal de Santa Catarina EMC 5472 - Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo EXERCÍCIOS SUPLEMENTARES DE CONDICIONAMENTO DE AR 01) Uma câmara frigorífica para resfriamento

Leia mais

RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO

RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO FUNDAMENTOS DE MATERIAIS METALICOS II RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO ALUNOS: DANIEL F S PEREIRA ZAINE ALINE ALVES PROF. BRUNO B. MEDEIROS CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. ASPECTOS METALURGICOS E

Leia mais

DESTILAÇÃO. Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken

DESTILAÇÃO. Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken DESTILAÇÃO Prof.: Dr. Joel Gustavo Teleken Definição A destilação é o método de separação baseado no equilíbrio líquido-vapor de misturas. Quando temos duas ou mais substâncias formando uma mistura líquida,

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. AULA 4 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7 Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. 1 LINHAS DE VAPOR Nas linhas de vapor sempre haverá água líquida (condensado) resultante da condensação

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais.

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais. CHUVA ÁCIDA - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns materiais. FORMAÇÃO DE CHUVA ÁCIDA A chuva torna-se ácida porque dissolve o dióxido de

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 6 o ano Unidade 4 5 Unidade 4 Nome: Data: 1. Preencha a tabela a seguir com as palavras constante ou variável, de acordo com as propriedades de cada estado da matéria.

Leia mais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 01 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

REFRIGERADOR PARA CHOPP

REFRIGERADOR PARA CHOPP LINHA REFRIGERADOR PARA CHOPP CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Construção interno e externamente em aço inoxidável Série 300 Face inferior (base) e face posterior (fundo traseiro) em alumínio liso naval Temperatura

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico.

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Revestimentos odontológicos Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS ZAMAC MEGA ZINCO METAIS Zinco Alumínio Magnésio Cobre 1 ZAMAC - Composição Química COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS LIGAS DE ZINCO ASTM B 240 07 - LINGOTES Elemento Químico ZAMAC 3 ZAMAC 5 Zamac 8 Alumínio - Al

Leia mais

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão.

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão. Análise da Influência de Corrosão do Aço Inoxidável 316L por Hipoclorito de Sódio no Processo de Assepsia Externa de Tubulações Cervejeiras Douglas William dos Santos Silva* Renato Perrenchelle** Resumo.

Leia mais

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos

VEDATOP FLEX. Características do componente B Densidade: 1,03 g/cm³ Aparência: líquido de cor branca Composição básica: polímeros acrílicos Produto é uma argamassa polimérica, flexível, de base acrílica, com alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente a concreto, alvenaria e argamassa, acompanhando eventuais movimentações. Por isso,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TRATAMENTO DE SUPERFÍCIES

FUNDAMENTOS DE TRATAMENTO DE SUPERFÍCIES Corrosão e Processos Eletroquímicos II FUNDAMENTOS DE TRATAMENTO DE SUPERFÍCIES Profa. Célia Malfatti E-mail: materiaisxenergia@gmail.com Sala: 234, prédio 75, CV Ramal: 9405 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS

MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS MATERIAIS USADOS EM DISJUNTORES DE ALTA E BAIXA TENSÃO, INCLUSIVE CHAVES ESTÁTICAS Disjuntor de baixa tensão Disparo térmico (1): lâmina bimetálica de diferentes coeficientes de dilatação. Ex: Níquel e

Leia mais

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO

NR-10 CHOQUE ELÉTRICO NR-10 CHOQUE ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br Definição CHOQUE ELÉTRICO É a perturbação de natureza e efeitos diversos que se manifesta no

Leia mais

pro-step Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Tipos de perfil

pro-step Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Tipos de perfil Fica técnica pro-step Perfil para remate de degraus de escadas. Substitui a tradicional peça especial cerâmica para degraus por uma combinação de ladrilo cerâmico e perfil. Perfis metálicos que cobrem

Leia mais

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação.

VEDACIT RÁPIDO CL. Produto pronto para o uso. Misturar o produto antes da aplicação, utilizando ferramenta limpa a fim de evitar a sua contaminação. Produto VEDACIT RÁPIDO CL proporciona rápido endurecimento e resistências iniciais ao cimento. Não deve ser usado em concretos estruturais armados e nem em argamassas armadas. Características Densidade:

Leia mais

Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR:

Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR: COBRE BERÍLIO Liga de Cobre e Berílio, com excelentes características mecânicas como alta dureza e moderada condutibilidade. É indicada para processos de sopro, solda por projeção, injeção plástica e metálica.

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC)

a - coeficiente de temperatura da resistência, W/W(ºC) As termoresistências, ou termómetros de resistência, são sensores de alta precisão e excelente repetibilidade de leitura. O seu funcionamento baseia-se na variação da resistência eléctrica de modo proporcional

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

ELETROQUÍMICA. 1. Introdução

ELETROQUÍMICA. 1. Introdução ELETROQUÍMICA 1. Introdução Em geral, uma célula eletroquímica é um dispositivo em que uma corrente elétrica o fluxo de elétrons através de um circuito é produzida por uma reação química espontânea ou

Leia mais

Soluções em Eficiência Energética

Soluções em Eficiência Energética Soluções em Eficiência Energética CQM Energia, Água e Eficiência ecológica Até 30% de economia de energia em HVAC Até 4% de economia em termoelétricas Significante economia de energia em processos industriais

Leia mais

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa.

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa. Galvanização A galvanoplastia é um processo que utiliza a corrente elétrica contínua para a eliminação dos revestimentos finos dos metais a partir de uma solução dos seus sais em objetos condutores elétricos.

Leia mais

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho

Classificação e distribuição dos sólidos em função do tamanho UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Coagulação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sólidos Presentes

Leia mais

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Turma: C 1º Período Aulas previstas: 39 COMPONENTE DE FÍSICA Unidade 1 Movimentos na Terra e no espaço

Leia mais

Curso anual de Química Prof. Alexandre Oliveira

Curso anual de Química Prof. Alexandre Oliveira Curso Anual de Química - Prof. Alexandre Oliveira Programação de Estudos Orientações Gerais: a) Assista em primeiro lugar aos vídeos da teoria referente à semana de estudo na qual você se encontra. Caso

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO 4ª REUNIÃO DO GT-CONAMA

ENCONTRO TÉCNICO 4ª REUNIÃO DO GT-CONAMA ENCONTRO TÉCNICO 4ª REUNIÃO DO GT-CONAMA MATERIAIS SECUNDÁRIOS COM POTENCIAL DE UTILIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE FERTILIZANTES MICRONUTRIENTES ABRIL 2009 MICRONUTRIENTES FINALIDADE: (MODO DE USO) VIA FOLIAR,

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30/11/13 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 30//3 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 Constantes e equações: F = 96500 C mol - 273,5 K

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 2 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Quão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm L

Leia mais

Corrosão de Linhas. Introdução. O que é Corrosão? Prevenção da Corrosão associada a fatores mecânicos. Ataque por colisão.

Corrosão de Linhas. Introdução. O que é Corrosão? Prevenção da Corrosão associada a fatores mecânicos. Ataque por colisão. Corrosão de Linhas Natália Tavares Nogueira* Suelen Galante Inácio** Thaís da Silva Lima*** Resumo A corrosão de linhas é um fenômeno em que há deterioração de um dado componente submetido ou não a um

Leia mais

EVACON. Resfriadores de Óleo a Ar Séries MG, HPA e HPA/2. Catálogo Técnico. Desde Distribuidor exclusivo no Brasil K CDR MANUFATURA

EVACON. Resfriadores de Óleo a Ar Séries MG, HPA e HPA/2. Catálogo Técnico. Desde Distribuidor exclusivo no Brasil K CDR MANUFATURA Resfriadores de Óleo a Ar Séries MG, HPA e HPA/2 Catálogo Técnico Distribuidor exclusivo no Brasil EVACON Desde 1982 K0937002.CDR - 221 PF:1980686-3 1011 CAPA via(s) 99999999 Introdução Os trocadores de

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. PATOLOGIA NOS PISOS DE CONCRETO PATOLOGIA DAS ESTRUTURAS (PISOS) As patologias dos pisos cimentados agrupam-se nas divisões: Fissuras; Desgaste superficial; Delaminação;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO.

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. Caracterização do empreendimento Empresa de lavagem de plástico

Leia mais