1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5"

Transcrição

1 Sumário 1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS PILHAS DE CORROSÃO MEIOS CORROSIVOS REAÇÕES NO PROCESSO CORROSIVO PRODUTOS DE CORROSÃO POLARIZAÇÃO PASSIVAÇÃO VELOCIDADE DE CORROSÃO Polarização Passivação Curvas de Polarização e Passivação Velocidade de Corrosão Influência de Outros Fatores na Velocidade de Corrosão DIAGRAMAS DE POURBAIX FORMAS E TAXAS DE CORROSÃO RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Tipos de Corrosão Eletroquímica CORROSÃO ASSOCIADA À FORMA DE DESGASTE Corrosão Uniforme Corrosão Localizada Alveolar e por Pites

2 XX FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 3.2 CORROSÃO POR CONCENTRAÇÃO DIFERENCIAL Corrosão por Concentração Iônica Diferencial Corrosão por Aeração Diferencial Corrosão em Frestas Corrosão Filiforme CORROSÃO GALVÂNICA CORROSÃO SELETIVA Corrosão Grafítica Corrosão por Dezincificação CORROSÃO ASSOCIADA AO ESCOAMENTO DE FLUIDOS Corrosão Erosão Corrosão com Cavitação Corosão por Turbulência CORROSÃO INTERGRANULAR Corrosão Intergranular nos Aços Inoxidáveis Corrosão Intergranular de Ligas de Alumínio FISSURAÇÃO POR CORROSÃO Corrosão sob Tensão Fissuração Induzida pela Pressão de Hidrogênio Fragilização por Metal Líquido Corrosão Fadiga RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Corrosão Eletroquímica em Alguns Meios e Sob Certas Condições de Corrosividade CORROSÃO ATMOSFÉRICA CORROSÃO PELOS SOLOS Fatores que Determinam a Corrosividade dos Solos Avaliação da corrosividade Classificação dos Solos quanto à Corrosividade CORROSÃO PELA ÁGUA E VAPOR Fatores que Determinam a Corrosividade das Águas Classificação das Águas Quanto à Corrosividade CORROSÃO POR BACTÉRIA OU BACTERIANA CORROSÃO ELETROLÍTICA CORROSÃO EM CONCRETO

3 SUMÁRIO XXI 4.7 CORROSÃO POR COMPOSTO DE ENXOFRE Corrosão por Condensado Ácido Corrosão por Compostos de Enxofre em Unidades de Processo RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Princípios Básicos da Corrosão Química CARACTERÍSTICA DA DIFUSÃO NO ESTADO SÓLIDO VELOCIDADE DE CRESCIMENTO DAS PELÍCULAS CARACTERÍSTICAS DAS PELÍCULAS PROTETORAS MEIOS CORROSIVOS CASOS ESPECIAIS DE CORROSÃO EM ALTAS TEMPERATURAS Corrosão Catastrófica Corrosão por Metais Líquidos Carbonetação e Descarbonetação RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Técnicas de Ampliação da Resistência à Corrosão ou de Proteção Anticorrosiva PRINCÍPIOS BÁSICOS DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO E DA PROTEÇÃO ANTICORROSIVA Princípios Básicos de Controle da Corrosão Eletroquímica Princípios Básicos de Controle da Corrosão em Altas Temperaturas RESISTÊNCIA À CORROSÃO ELETROQUÍMICA Resistência Própria do Material à Corrosão Métodos que Ampliam a Resistência à Corrosão Revestimentos Inibidores de Corrosão Técnicas de Modificações do Meio Corrosivo Proteção Catódica e Anódica Controle de Corrosão na Fase de Projeto RESISTÊNCIA À CORROSÃO QUÍMICA OU OXIDAÇÃO A ALTAS TEMPERATURAS Metais e Ligas Metálicas Influência de Elementos de Liga Emprego de Revestimentos Refratários e Isolantes RESUMO DA AMPLIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO.. 113

4 XXII FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 6.5 PRINCIPAIS MEIOS DE PROTEÇÃO ASSOCIADOS AOS PROCESSOS CORROSIVOS Proteção à Corrosão Uniforme Proteção Contra a Corrosão Alveolar e por Pites Proteção Contra a Corrosão por Concentração Diferencial Proteção Contra a Corrosão Galvânica Proteção Contra a Corrosão Seletiva Proteção Contra a Corrosão Associada ao Escoamento de Fluidos Proteção Contra a Corrosão Intergranular Proteção Contra a Fissuração por Corrosão Proteção Contra a Corrosão Atmosférica Proteção Contra a Corrosão pelos Solos Proteção Contra a Corrosão pela Água Proteção Contra a Corrosão por Bactérias ou Bacteriana Proteção Contra a Corrosão Eletrolítica Proteção Contra a Corrosão em Concretos Proteção Contra a Corrosão por Compostos de Enxofre Proteção à Corrosão Química ou Oxidação em Altas Temperaturas Quadro Resumo RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Resistência à Corrosão de Alguns Materiais Metálicos RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE ALGUNS MATERIAIS FERROSOS MATERIAIS NÃO-FERROSOS TRATAMENTOS TÉRMICOS RESUMO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE MATERIAIS LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão pelo Controle da Corrosividade do Meio CONTROLE DE CORROSÃO POR INIBIDORES CONTROLE DE CORROSÃO POR MODIFICAÇÃO DO MEIO Desaeração Controle de ph Controle de Temperatura e Velocidade Controle de Umidade Relativa

5 SUMÁRIO XXIII 8.3 RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão com o Uso de Revestimentos Protetores MECANISMOS DE PROTEÇÃO REVESTIMENTOS METÁLICOS Cladização Deposição por Imersão a Quente Metalização Eletrodeposição Deposição Química REVESTIMENTOS NÃO-METÁLICOS INORGÂNICOS Anodização Cromatização Fosfatização Revestimento com Argamassa de Cimento Revestimento com Vidro Revestimento com Esmalte Vítreo Revestimento com Material Cerâmico REVESTIMENTOS ORGÂNICOS Pintura Industrial Revestimento com Borrachas Revestimentos com Plásticos Revestimentos com Plásticos Reforçados Revestimentos para Tubulações Enterradas ou Submersas REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM A ATMOSFERA Para Atmosferas Altamente Agressivas Para Atmosferas Medianamente Agressivas Para Atmosferas Pouco Agressivas Quadro Resumo e Quadro Comparativo entre os Revestimentos por Tintas e os Revestimentos por Galvanização REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM A ÁGUA Considerações Gerais Tipos e Seleção de Revestimentos Interface com a Proteção Catódica

6 XXIV FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 9.7 REVESTIMENTOS PARA DUTOS ENTERRADOS Considerações Gerais Tipos de Revestimentos Interface com a Proteção Catódica Avaliação do Desempenho do Revestimento Após o Lançamento REVESTIMENTOS PARA ESTRUTURAS EM CONTATO COM FLUIDOS ALTAMENTE CORROSIVOS RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão com o Uso de Proteção Catódica e Proteção Anódica PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PROTEÇÃO CATÓDICA MÉTODOS DE APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA Proteção Catódica com Anodos Galvânicos Proteção Catódica por Corrente Impressa CORRENTE NECESSÁRIA PARA PROTEÇÃO CATÓDICA SELEÇÃO DO TIPO DE PROTEÇÃO CATÓDICA CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO CATÓDICA MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CATÓDICA USO DE PROTEÇÃO CATÓDICA E REVESTIMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE PROTEÇÃO ANÓDICA Campo de Aplicação Requisitos de Projeto RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Ampliação da Resistência à Corrosão por Projeto Adequado PRÁTICAS DE PROJETO Práticas a Serem Evitadas Práticas que Devem ser Previstas MÉTODOS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA NA FASE DE PROJETO Tanques Metálicos de Armazenamento Oleodutos, Gasodutos e Adutoras Navios, Embarcações e Plataformas Semi-submersíveis

7 SUMÁRIO XXV Piers Cais Plataformas Sistemas de Água de Refrigeração Geradores de Vapor Unidades de Processo Fornos Permutadores de Calor Tubulações Industriais Estruturas Metálicas Vasos e Esferas Máquinas de Fluxo Equipamento Elétrico e de Instrumentação Proteção Durante o Armazenamento e Transporte Sistemas de Geração e Transmissão de Energia Sistemas de Ar-condicionado Corrosão em Superfícies em Contato Permanente com Extrato do Lixo Chorume Sistemas de Transporte, Tratamento de Esgotos e Efluentes Industriais Sistemas de Tratamento, Armazenamento e Distribuição de Água RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Avaliação da Resistência à Corrosão Através da Monitoração SISTEMAS DE MONITORAÇÃO EM TEMPO REAL OU DE CURTO INTERVALO DE TEMPO Resistência de Polarização Linear Impedância Eletroquímica Ruído Eletroquímico Correntes Galvânicas SISTEMAS DE MONITORAÇÃO DE ACOMPANHAMENTO Os Cupons de Perda de Massa Resistência Elétrica Permeação ou Provadores de Hidrogênio SISTEMA DE MONITORAÇÃO DA CORROSÃO A POSTERIORI Acompanhamento da Espessura Ferramentas Instrumentadas

8 XXVI FUNDAMENTOS DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO 12.4 RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Análise da Resistência à Corrosão Previsão de Falhas por Corrosão ANÁLISE DE FALHAS PREVISÃO DE FALHAS DIAGNÓSTICO DE INTEGRIDADE EXEMPLOS TÍPICOS Corrosão em Equipamento de Telefonia e Transmissão de Dados Corrosão em Superfícies de Cobre de Equipamento de Ar-condicionado Central Corrosão em Superfícies em Contato Permanente com Extrato do Lixo Chorume Diagnóstico de Integridade de Tubulações de Água de Condensação e Água Gelada de um Sistema Central de Refrigeração ENSAIOS DE CORROSÃO Ensaios de Laboratório Ensaios em Instalações ou Equipamentos-piloto Ensaio de Campo Quadro Resumo dos Ensaios de Corrosão RESUMO LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA Aspectos Econômicos da Resistência à Corrosão I Exercícios e Problemas de Corrosão ª PARTE EXERCÍCIOS POR CAPÍTULO a PARTE EXERCÍCIOS E PROBLEMAS SOBRE CORROSÃO II Revisão de Alguns Conceitos Básicos de Química II.1 ELEMENTOS QUÍMICOS II.2 SUBSTÂNCIAS II.3 ÁCIDOS II.4 BASES OU HIDRÓXIDOS ALCALINIDADE II.5 SAIS II.6 ÓXIDOS II.7 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO II.8 EQUIVALENTE GRAMA E CONCENTRAÇÃO DE SOLUÇÕES. 312 II.8.1 Equivalente Grama

9 SUMÁRIO XXVII II.8.2 Concentração de Soluções II.9 ELETRÓLISE II.10 EQUILÍBRIO QUÍMICO II. 11 HIDRÓLISE DE SAIS II.12 LEITURA ADICIONAL RECOMENDADA REFERÊNCIAS Livros Artigos Técnicos Relação de Tabelas Índice Remissívo

XX MATERIAIS Z Aplicações de Engenharia, Seleção e Integridade

XX MATERIAIS Z Aplicações de Engenharia, Seleção e Integridade PREFÁCIO Desde os primórdios da humanidade e a partir do momento em que o ser humano passou a usar os materiais, as preocupações com a seleção e o desempenho dos mesmos sempre foram aspectos relevantes.

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

Sumário. Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio...

Sumário. Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio... Sumário Nota dos Autores... Abreviaturas... Apresentação... Prefácio... XV XVII XIX XXI 1 Introdução... 1 2 Falhas Mecânicas.... 5 2.1 Fadiga... 5 2.1.1 Fadiga mecânica... 5 2.1.2 Fadiga térmica... 32

Leia mais

Proteção anódica e catódica

Proteção anódica e catódica 6/2/17 PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO Proteção catódica e anódica Inibidores - Revestimentos - - Proteção anódica e catódica Como prevenir ou minimizar os efeitos da corrosão de um metal? 4-1823, Sri Humplrray

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS Corrosão em Fresta Abertura estreita junções: gaxetas, parafusos depósitos; produtos aderidos Materiais passivos Al; Ti Exemplo: liga 825 (44Ni-22Cr- 3Mo-2Cu) - água do mar 6 meses Trocador de calor com

Leia mais

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 2º

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA O controle da corrosão inclui as medidas tomadas em cada etapa desde o projeto até a fabricação, instalação e utilização

Leia mais

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto FELIPE KOBUS, FRANCINE FERNANDES, GIOVANNI GUIDELLI, JAQUELINE F. SOARES, JULYANA ROCHA E MARINA D. TRENTIN Passivação da Armadura no Concreto Passivação

Leia mais

PMT 2507 Corrosão e Proteção dos Materiais Segunda Lista de Exercício Prof. Dr. Hercílio Gomes de Melo

PMT 2507 Corrosão e Proteção dos Materiais Segunda Lista de Exercício Prof. Dr. Hercílio Gomes de Melo PMT 2507 Corrosão e Proteção dos Materiais Segunda Lista de Exercício 2015 Prof. Dr. Hercílio Gomes de Melo 1 Esquematize um sistema de proteção catódica por anodo de sacrifício. Indique claramente o fluxo

Leia mais

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA EJC ENGENHARIA DE UTILIDADES WWW.EJCENGENHARIA.COM.BR CORROSÃO GALVÂNICA O aço inox ou o alumínio, quando utilizados em placas de identificação para vasos de pressão, através

Leia mais

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Resistência à Corrosão: Teoria e Prática De 13/08/2012 a 17/08/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo: Ao término do

Leia mais

CAPITULO 1. Introdução a corrosão. Profa. Maria José J. S. Ponte

CAPITULO 1. Introdução a corrosão. Profa. Maria José J. S. Ponte CAPITULO 1 Introdução a corrosão Profa. Maria José J. S. Ponte mponte@ufpr.br Corrosão 1. OBJETIVOS: Proporcionar aos participantes do curso os conhecimentos básicos sobre os processos corrosivos e os

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

Corrosão e Eletroquímica

Corrosão e Eletroquímica Química Aplicada Corrosão e Eletroquímica O corrosionista tem por objetivo estudar a deterioração dos materiais pela ação do meio em que são usados. Existe um grande interesse prático neste estudo uma

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

Painel: Corrosão em Ativos de Geração

Painel: Corrosão em Ativos de Geração Painel: Corrosão em Ativos de Geração A Corrosão em Linhas de Transmissão e Subestações Alberto P. Ordine, Cristina C. Amorim, Elber V. Bendinelli, Marcos M. Sá Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15.1 - Introdução A proteção catódica é um método de controle de corrosão que consiste em transformar a estrutura à proteger no cátodo de um célula eletroquímica

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton CORROSÃO

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton CORROSÃO CORROSÃO 3.1 INTRODUÇÃO Corrosão é um processo natural e resulta da inerente tendência dos metais reverterem para sua forma mais estável, normalmente óxidos. A maioria dos metais é encontrada na natureza

Leia mais

PROTECÇÃO DOS METAIS

PROTECÇÃO DOS METAIS PROTECÇÃO DOS METAIS FORMAÇÃO DE LIGAS Neste caso associase o metal a proteger a outro, originando uma liga altamente resistente à corrosão. Exemplo: aço inox PROTECÇÃO CATÓDICA A protecção catódica é

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Galvanização a fogo (zincagem por imersão a quente) - Conforme NBR 6323 O processo de zincagem por imersão a quente é o mesmo que qualquer produto, podendo variar na espessura da camada

Leia mais

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica - Se o material do eletrodo não se transforma em produto; - em principio, é apenas para transferir elétrons; - mas, podendo também participar adsorvendo reagentes

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS Alessandro José Büsemayer Faculdade Anhanguera

Leia mais

Eletrólise Eletrólise de soluções aquosas

Eletrólise Eletrólise de soluções aquosas Eletrólise de soluções aquosas As reações não espontâneas necessitam de uma corrente externa para fazer com que a reação ocorra. As reações de eletrólise são não espontâneas. Nas células voltaicas e eletrolíticas:

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS T. SILVA 1, D. MIRANDA 1, G. ALVES 3, O.L ROCHA 2, J.C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Instituto Federal

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão

Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão Manutenção Preventiva e Preditiva da Corrosão Parte I O Princípio da Menor Ação Aplicado à Corrosão Cap. 2 Corrosão sob Tensão à luz do PMA 1. Introdução As trajetórias regidas pelo PMA nos fenômenos de

Leia mais

Corrosão por frestas em um sistema de tubulação de aço inox 304L causa: soldagem sem penetração completa

Corrosão por frestas em um sistema de tubulação de aço inox 304L causa: soldagem sem penetração completa CORROSÃO EM FRESTAS CARACTERÍSTICAS Tipo de corrosão localizada; Frequentemente associada a líquidos estagnados no interior de furos, superfícies de gaxetas, juntas sobrepostas, depósitos superficiais,

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

C O R R O S Ã O UMA ABORDAGEM GERAL

C O R R O S Ã O UMA ABORDAGEM GERAL C O R R O S Ã O UMA ABORDAGEM GERAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CORROSÃO ABRACO. Conteúdo: Conceitos - Pilhas - Meios - Reações no Processo - Polarização - Passivação - Velocidade de Corrosão - Formas e Taxas

Leia mais

PINTURA INDUSTRIAL COM TINTAS LÍQUIDAS DT 12. (Desenvolvimento Tecnológico Nº 12)

PINTURA INDUSTRIAL COM TINTAS LÍQUIDAS DT 12. (Desenvolvimento Tecnológico Nº 12) PINTURA INDUSTRIAL COM TINTAS LÍQUIDAS DT 12 (Desenvolvimento Tecnológico Nº 12) A Solução para cada Aplicação INFORMAÇÕES TÉCNICAS SOBRE TINTAS LÍQUIDAS PINTURA INDUSTRIAL E MANUTENÇÃO ANTICORROSIVA Elaboração:

Leia mais

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons.

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: TURMA(S): 2º anos

Leia mais

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Introdução Corrosão Tipos de corrosão Corrosão Eletroquímica Exemplos e reações Corrosão Química Exemplos e reações Corrosão Eletrolítica

Leia mais

CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV

CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CQ 049 FÍSICO QUÍMICA IV Aula 12 Corrosão e tipos de pilhas de corrosão (galvânica, ação local, ativa-passiva, concentração

Leia mais

Corrosão e Degradação de Materiais

Corrosão e Degradação de Materiais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Corrosão e Degradação de Materiais Alunos: Aline Maria Herculano Rocha Bárbara Costa Albuquerque José Aurélio Pinheiro 3º Semestre Química Orgânica

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN DOUBLE DIP O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN A OBO Bettermann inclui na sua ampla gama de produtos uma grande variedade de soluções em calha caminho de

Leia mais

CURSO DE CORROSÃO E PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO PROFESSOR: ALOYSIO DE AGUIAR

CURSO DE CORROSÃO E PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO PROFESSOR: ALOYSIO DE AGUIAR DE CORROSÃO E PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO PROFESSOR: ALOYSIO DE AGUIAR 1 A CORROSÃO É UM FENOMENO NATURAL E, COMO TAL, SUAS CONSEQUÊNCIAS ÀS VEZES NOS FAVORECEM OUTRAS NOS PREJUDICAM. 2 DESSE MODO, TODOS

Leia mais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

Introdução Conceitos Gerais. Profa. Daniela Becker

Introdução Conceitos Gerais. Profa. Daniela Becker Introdução Conceitos Gerais Profa. Daniela Becker O que são materiais? materiais são substâncias com propriedades que as tornam úteis na construção de máquinas, estruturas, dispositivos e produtos. Em

Leia mais

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira)

Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras. Dia 19/11/2007(segunda-feira) Curso de Engenharia de Manutenção de Linhas de Transmissão - ENGEMAN LT (Recife Novembro de 2007) Ementas das Palestras Dia 19/11/2007(segunda-feira) Fundamentos de Projeto de Linhas de Transmissão O Setor

Leia mais

Aula 20 Eletrodeposição

Aula 20 Eletrodeposição Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia Aula 20 Eletrodeposição Dr. Tiago P. Camargo Eletrólise Eletroquímica Processo inverso das pilhas. Células galvânicas

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO Fontana, cap. 3 Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 FORMAS DE CORROSÃO No aspecto morfológico, a corrosão pode ser classificada em duas grandes categorias:

Leia mais

Química. Eletroquímica

Química. Eletroquímica CIC Colégio Imaculada Conceição Química Eletroquímica Msc. Camila Soares Furtado Couto Eletrólise Inverso da Pilha; Reação de oxi-redução que é provocada pela corrente elétrica; Não espontânea!!!! Eletrólise

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos Metais Não Ferrosos 8.1 - Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental

Programa Analítico de Disciplina QUI102 Química Fundamental Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina QUI10 Química Fundamental Departamento de Química - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Número de créditos: 7 Teóricas Práticas

Leia mais

Carbonatação do concreto (despassiva a armadura porque reduz o ph do concreto)

Carbonatação do concreto (despassiva a armadura porque reduz o ph do concreto) CAUSAS DA CORROSÃO, FATORES DESENCADEADORES E FATORES ACELERANTES Profa. Eliana Barreto Monteiro CAUSAS DA CORROSÃO, FATORES DESENCADEADORES E FATORES ACELERANTES CAUSAS DA CORROSÃO A perda da passivação

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Lista Pré-Requisitos por Curso

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Lista Pré-Requisitos por Curso Código Nome da Tipo Pré Requisito Curso: BAEQ ENGENHARIA QUIMICA Ano do Curriculo: 2010 Descrição da Estrutura: 2º SEMESTRE BA010903 FISICA II BA011004 CALCULO I BA010901 FISICA I BA010904 LABORATORIO

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

Eletroquímica. Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise.

Eletroquímica. Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise. Eletroquímica IX Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise. Eletroquímica A Eletroquímica estuda a relação entre a eletricidade e as reações

Leia mais

DISCIPLINA DE QUÍMICA

DISCIPLINA DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA OBJETIVOS: 1ª série Traduzir linguagens químicas em linguagens discursivas e linguagem discursiva em outras linguagens usadas em Química tais como gráficos, tabelas e relações matemáticas,

Leia mais

Prof André Montillo

Prof André Montillo Prof André Montillo www.montillo.com.br Reações de Oxido-Redução Definição: São as reações químicas onde ocorre a variação dos números de oxidação (Nox) das substâncias envolvidas. Portanto haverá transferência

Leia mais

Inibidores de corrosão

Inibidores de corrosão ANÁLISE Inibidores de corrosão Figura 1 - É comum a introdução de inibidores da corrosão em substâncias químicas acumuladas em tanques, inclusive óleos e combustíveis. Marcelo Schultz Estas substâncias

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA. Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013. Ambiente bucal favorece a degradação dos materiais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA. Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013. Ambiente bucal favorece a degradação dos materiais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013 Corrosão de ligas metálicas e suas implicações clínicas 1 Introdução

Leia mais

Transferência de Calor

Transferência de Calor Transferência de Calor Introdução e Modos de Transferência Prof. Universidade Federal do Pampa BA000200 Campus Bagé 08 de maio de 2017 Transferência de Calor: Introdução 1 / 29 Introdução à Transferência

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS - MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS - MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS - MESTRADO Reconhecido pela Portaria n.º 1.766, de 08/08/01, DOU n.º 152 -E, de 09/08/01 O curso terá a duração mínima de 12 (doze) e máxima

Leia mais

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio

INDICE GERAL. xv xvii. Nota dos tradutores Prefácio r INDICE GERAL Nota dos tradutores Prefácio xv xvii CAPíTULO 1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS 1.1 Materiais e engenharia 1.2 Ciência e engenharia de materiais 1.3 Classes de materiais 1.4

Leia mais

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO Princípios de Eletroquímica Prof. Dr. Artur de Jesus Motheo Departamento de FísicoF sico-química Instituto de Química de são Carlos Universidade de São Paulo 1 Princípios de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

Transição ativo-passiva. Corrosão ativa. Fig.1 Curva de polarização anódica esquemática de um metal que é capaz de passivar-se em dado meio.

Transição ativo-passiva. Corrosão ativa. Fig.1 Curva de polarização anódica esquemática de um metal que é capaz de passivar-se em dado meio. Passividade Muitos metais, que, em dados meios aquosos, se corroem ativamente, quando sobrepassam um certo valor de potencial, passam a apresentar uma corrente anódica reduzida, que corresponde a uma corrosão

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA. (21)

PROTEÇÃO CATÓDICA. (21) PROTEÇÃO CATÓDICA A P R E S E N T A Ç Ã O T É C N I C A (21) 99330-4278 www.geotechnical.com.br contato@geotechnical.com.br GEOTECHNICAL A proteção catódica é um método de controle de corrosão que consiste

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo

ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo ESTUDO DO EFEITO DA TEMPERATURA DO BANHO NA ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-Mo Lorena Vanessa Medeiros Dantas¹; Victória Maria dos Santos Pessigty; Luana Sayuri Okamura; José Anderson Machado Oliveira; Renato

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W

ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W ESTUDO DO EFEITO DA DENSIDADE DE CORRENTE NO PROCESSO DE ELETRODEPOSIÇÃO DA LIGA Fe-W Victória Maria dos Santos Pessigty¹; Lorena Vanessa Medeiros Dantas; Luana Sayuri Okamura; José Anderson Oliveira;

Leia mais

Sumário PREFÁCIO...13

Sumário PREFÁCIO...13 Sumário PREFÁCIO...13 CAPÍTULO 1 Operações com Grandezas e Unidades de Medida...17 Objetivos...17 1.1 Notação científica...18 1.2 Exponenciais e logaritmos...19 1.3 Grandezas físicas e unidades de medida:

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Eletroquímica

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Eletroquímica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Eletroquímica Reações Redox Reações onde ocorre a transferência de elétrons entre átomos Fluxo de elétrons

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 Aprovado pela portaria Cetec nº 127 de 03/10/2012 Etec TIQUATIRA 208 Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Produção Industrial

Leia mais

Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por Tathy Xavier)

Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por Tathy Xavier) DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Disciplina ODB 401 Materiais para uso indireto Roteiro de estudos Data: 28/03/2017 Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por

Leia mais

Processos de corte. Figura 2. Corte via plasma e maçarico.

Processos de corte. Figura 2. Corte via plasma e maçarico. Processos de corte Mecânicos: corte por cisalhamento através de guilhotinas, tesouras ou similares e por remoção de cavacos através de serras ou usinagem. Figura 1. Guilhotina, serra automática e corte

Leia mais

Assunto: UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE ALUMÍNIO EM UNIDADES DIVIDIDAS TIPO SPLIT

Assunto: UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE ALUMÍNIO EM UNIDADES DIVIDIDAS TIPO SPLIT FOLHA 1 / 8 Assunto: UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE ALUMÍNIO EM UNIDADES DIVIDIDAS TIPO SPLIT COM FLUÍDO REFRIGERANTE HFC R410A ou HCFC R22 O presente boletim tem por finalidade divulgar a utilização de tubulação

Leia mais

CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM SENSOR ÓPTICO DE CORROSÃO PARA ESTRUTURAS GALVANIZADAS

CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM SENSOR ÓPTICO DE CORROSÃO PARA ESTRUTURAS GALVANIZADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA CONSTRUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE UM SENSOR ÓPTICO DE CORROSÃO PARA ESTRUTURAS GALVANIZADAS

Leia mais

A EGD Engenharia. Natural

A EGD Engenharia. Natural Proteção Catódica Manutenção de Dutos e Faixas Instalações Elétricas Industriais A EGD Engenharia A EGD ENGENHARIA é uma empresa brasileira, fundada em Abril de 1995, no município de São José dos Campos,

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA INSTRUTOR

PROTEÇÃO CATÓDICA INSTRUTOR PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 1: INTRODUÇÃO Este material contém informações classificadas como NP-1 INSTRUTOR João Paulo Klausing Gervásio Engenharia de Dutos Terrestres

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA

PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PROTEÇÃO CATÓDCA EFETVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMCA PARTE 4: DMENSONAMENTO Este material contém informações classificadas como NP-1 FLUXOGRAMA DE UM PROJETO CALCULANDO A CORRENTE NECESSÁRA A demanda

Leia mais

PMT AULA 3. Curvas de Polarização. Pilhas e Corrosão. A. C. Neiva

PMT AULA 3. Curvas de Polarização. Pilhas e Corrosão. A. C. Neiva PMT-3130-2017 AULA 3 Curvas de Polarização Pilhas e Corrosão A. C. Neiva Quero falar de corrosão, mas vou começar com pilhas Co Co 2+ + 2e - Ni 2+ + 2e - Ni e - e - - + Figura 1 Esquema de uma pilha Co

Leia mais

RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO

RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO SOBRE A MARANGONI Anos 40 - Sr. José Marangoni cria uma pequena oficina de reparos em equipamentos elétricos. Com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR Materiais e Ciclo do Combustível Profs.: Afonso Aquino e Arnaldo Andrade Ipen 2007 Tópicos do Módulo Noções sobre o Ciclo do Combustível Nuclear Materiais e Componentes

Leia mais

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias);

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias); Ensaio de Fluência Adaptado do material do prof. Rodrigo R. Porcaro. Fluência é a deformação plástica que ocorre num material, sob tensão constante ou quase constante, em função do tempo ; A temperatura

Leia mais

PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Ba 0 / Ba 2+ // Cu + / Cu 0

PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Ba 0 / Ba 2+ // Cu + / Cu 0 GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de exercícios No Anhanguera você é + Enem 1. Com base no diagrama da pilha: E nos potenciais-padrão de redução

Leia mais

CORROSÃO DE ARMADURAS. Causas, Mecanismo, Recuperação

CORROSÃO DE ARMADURAS. Causas, Mecanismo, Recuperação CORROSÃO DE ARMADURAS Causas, Mecanismo, Recuperação GENERALIDADES Corrosão: interação destrutiva de um material com o ambiente, entendida como o inverso do processo metalúrgico (transformação de um metal

Leia mais

Ciências dos Materiais

Ciências dos Materiais ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA DIREÇÃO DE ENSINO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO NUAPE Ciências dos Materiais Profª Esp. Priscylla Mesquita Por que Estudar a Difusão? Materiais

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina Operações Unitárias na Indústria de Alimentos. Profa. Marianne Ayumi Shirai

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina Operações Unitárias na Indústria de Alimentos. Profa. Marianne Ayumi Shirai Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina Operações Unitárias na Indústria de Alimentos Profa. Marianne Ayumi Shirai CALDEIRAS Caldeira ou Gerador de vapor é um equipamento que se destina

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

Prof. MSc. David Roza José 1/26

Prof. MSc. David Roza José 1/26 1/26 Mecanismos Físicos A condensação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida para abaixo da temperatura de saturação. Em equipamentos industriais o processo normalmente decorre do contato entre

Leia mais

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS. Luciano Volcanoglo Biehl

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS. Luciano Volcanoglo Biehl CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DOS MATERIAIS 1 Luciano Volcanoglo Biehl CORROSÃO METÁLICA É A DETERIORAÇÃO E A PERDA DE MATERIAL DEVIDO A AÇÃO QUÍMICA OU ELETROQUÍMICA DO MEIO AMBIENTE, ALIADO OU NÃO A ESFORÇOS

Leia mais

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea ELETROQUÍMICA REAÇÃO Pilha espontânea ENERGIA QUÍMICA Eletrólise não espontânea ELÉTRICA SEMI REAÇÕES DE OXIDAÇÃO E REDUÇÃO Zn 0 Zn +2 + 2e - semi-reação de oxidação Cu +2 + 2e - Cu 0 semi-reação de redução

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR PROVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR PROVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes. Entretanto, enquanto a água é líquida em condições normais

Leia mais

02/10/2017 ELETRÓLISE AQUOSA

02/10/2017 ELETRÓLISE AQUOSA ELETRÓLISE AQUOSA Ocorre quando um eletrólito é dissolvido em água (havendo ionização ou dissociação do mesmo), além dos seus íons, devemos considerar a ionização da própria água. 1 Experimentalmente,

Leia mais

TM373 Seleção de Materiais Metálicos

TM373 Seleção de Materiais Metálicos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM373 Seleção de Materiais Metálicos Introdução Prof. Rodrigo Perito Cardoso Favor desligar o celular ou passá-lo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS DIVERSOS MÉTODOS EMPREGADOS NO COMBATE À CORROSÃO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS DIVERSOS MÉTODOS EMPREGADOS NO COMBATE À CORROSÃO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS DIVERSOS MÉTODOS EMPREGADOS NO COMBATE À CORROSÃO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Breno Xavier Porto Alves (1); Graziele Lins de Moura (2); Taynah Pereira Galdino (3); Maria Cláudia

Leia mais

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA

LICENCIATURA EM QUÍMICA QUÍMICA Programa de Disciplina Nome: Química Geral II IQ Código: IQG 120 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4

Leia mais