FISIOLOGIA DA VISÃO E SEUS DISTÚRBIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FISIOLOGIA DA VISÃO E SEUS DISTÚRBIOS"

Transcrição

1 FISIOLOGIA DA VISÃO E SEUS DISTÚRBIOS

2 SENTIDO DA VISÃO Tudo que vemos é de fato o que parece ser?

3

4 Luz Radiação Eletromagnética Essas ondas são constituídas por campos elétricos e magnéticos que se alternam, de maneira oscilatória, tanto no tempo como no espaço. Amplitude: intensidade luminosa Comprimento: período da onda (nm) Frequência: n o de vibrações/tempo Velocidade de propagação no vácuo: km/s

5

6 ANATOMIA DO OLHO Pupila Íris Esclera

7 ANATOMIA DO OLHO

8 Córnea Câmara Anterior

9 Córnea com ceratocone

10 ANEL DE FERRARA PARA CORREÇÃO DO CERATOCONE

11

12 ANATOMIA DO OLHO

13

14 Fóvea Papila óptica Mácula lútea (ponto cego)

15 Figure 3. The Neurovascular Unit of the Retina. Under normal conditions, blood-vessel endothelial cells and pericytes, astrocytes, Müller cells, and neurons are intimately connected to establish the blood retina barrier to control nutrient flow to the neural retina affording energy balance, to maintain the proper ionic environment for neural signaling, to regulate synaptic transmission, and to provide adaptable responses to the environment to allow vision.

16 RETINITE PIGMENTOSA

17

18

19 RETINOPATIA DIABÉTICA

20

21

22 No vácuo a luz viaja com velocidade de km/s em linha reta (não sofre refringência) mas, quando chega na atmosfera terrestre, interage com diferentes meios e sofre: - Reflexão - Absorção - Refração REFRAÇÃO: propriedade de certos materiais, como as lentes, que modificam a trajetória da luz. - lentes convergentes - lentes divergentes

23 Dioptria: medida do poder de refração de uma lente. D = 1m distância focal Dioptria de uma lente convexa + Dioptria de uma lente côncava -

24 ÓPTICA DO OLHO

25

26

27 ÓPTICA DO OLHO A distância focal do olho é FIXA. O cristalino focaliza objetos próximos mudando sua curvatura.

28

29

30

31 Objetos próximos > REFRAÇÃO Objetos distantes < REFRAÇÃO

32 Catarata: opacificação do cristalino

33

34 Miose contração do músc. Circular (constritor) da íris efeito parassimpático Midríase contração do músc. Radial (dilatador) da íris - efeito simpático

35

36 Midríase e Miose Midríase: DILATAÇÃO pupilar causada pela contração do músculo radial da íris, diante de baixa luminosidade. Reflexo mediado pelo SNA simpático clic Miose: CONSTRIÇÃO pupilar causada pela contração do músculo circular da íris diante do excesso de luminosidade. Reflexo fotomotor, mediado pelo SNA parassimpático Além disso, a miose reduz o cone de luz e melhora a focalização do objeto sobre a fóvea.

37 A formação da imagem depende: Forma do globo ocular Forma das lentes O míope não enxerga bem os objetos distantes MIOPIA Olho alongado ou cristalino arredondado, a imagem se forma antes da retina lentes divergentes O hipermétrope não enxerga bem os objetos próximos HIPERMETROPIA Olho pequeno ou cristalino achatado, a imagem se forma depois da retina lentes convergentes

38 Astigmatismo

39 Lentes cílindricas são usadas para corrigir o astigmatismo

40 RETINA Transdução Sensorial Processamento da Imagem

41

42

43

44 Distribuição de Cones e Bastonetes A distribuição de cones e bastonetes na retina não é uniforme. Retinas nasal e temporal: mais bastonetes Retina central: somente cones

45 Retina Central (Fóvea) Retina Periférica

46

47

48

49 A) A rodopsina está localizada na membrana dos discos do segmento externo do fotorreceptor. Os sete domínios transmembrana da molécula da opsina cercam a molécula de retinal, sensível à luz. B) A aborção de um fóton de luz pelo retinal leva a uma mudança em sua configuração, do isômero 11-cis para o tudo-trans.

50

51

52 Céls. Bipolares on inibidas pelo glutamato, portanto, no claro estão ligadas (on), já que são autoexcitáveis; Céls. Bipolares off excitadas pelo glutamato, portanto, no claro estão desligadas (off). O campo receptivo de uma célula bipolar é a área da retina onde, em resposta à ação da luz, ocorre uma alteração do potencial de membrana da célula bipolar.

53 Cones S M L

54

55

56 A visão em cores requer maior luminosidade e está adaptada para a visão diurna.

57 Tipos de Daltonismo Deuteranópico: ausência de cones verdes; Protanópico: ausência de cones vermelhos; Tritanópico: ausência de cones azuis; Tricromata anômalo: possui os três cones, mas também apresenta um gene híbrido que codifica um proteína com um espectro de absorção anormal.

58 Obs.: acesse o site para ver as diferentes formas de daltonismo e também cataratas.

59

60

61

62

63 X

64

65

66

67 (tálamo) Nervo óptico Quiasma óptico

68 Projeções centrais das células ganglionares da retina. O axônio das céls. ganglionares terminam no núcleo geniculado lateral do tálamo, no colículo superior, no pré-tecto e no hipotálamo. Para maior clareza são mostrados apenas os axônio do olho esquerdo que cruzam.

69

70 A percepção visual é provavelmente, um processo de estágios múltiplos.

71

72

73

74

75

76

77 Os tampos destas mesas tem exatamente as mesmas dimensões e proporção. Apenas estão dispostos em posições diferentes.

78

79

80

81

SENTIDO DA VISÃO. Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia

SENTIDO DA VISÃO. Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO DA VISÃO Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Caso 1: Protanopia Para nós Para Van Gogh Será que VanGoh tinha de fato alguma deficiência visual? Protanopia (cegueira para o verde-vermelho)

Leia mais

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental.

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. 1 OLHOS Os olhos são órgãos complexos dos sentidos. Cada

Leia mais

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo FISIOLOGIA DA VISÃO Le2cia Veras Costa- Lotufo PERCEPÇÃO VISUAL Localização Espacial Medida de Intensidade Discriminação das Formas Detecção do Movimento Visão a Cores 1 9/22/10 FUNÇÃO RECEPTORA E NEURAL

Leia mais

Órgão da visão (olho e acessórios)

Órgão da visão (olho e acessórios) Órgão da visão (olho e acessórios) Órgão da visão (olho e acessórios) Túnicas do Olho 1) Túnica fibrosa= córnea+esclera 2) Túnica vascular (úvea)= coróide+corpo ciliar +íris) 3) Túnica Neural = retina

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br Prof. Dulcidio Braz Jr Óptica da V i s ã o Esclerótica Cristalino (lente transparente) Córnea (lente transparente) Anatomia Coróide Humor Vítreo (líquido) Pálpebra Íris Pupila Humor

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 1 9. A visão Estrutura do olho Numa visão frontal, a porção mais central do olho é a pupila, que pode regular a entrada da luz ao se contrair ou ao dilatar-se. A pupila nos parece preta, pois ela é um orifício

Leia mais

Biofísica da Visão. Fotorrecepção. Formação da imagem

Biofísica da Visão. Fotorrecepção. Formação da imagem Biofísica da Visão Fotorrecepção Formação da imagem Visão - Sistema sensorial Estímulo energia Receptor Sistema nervoso interpreta LUZ maioria dos seres vivos respondem a ela FOTORRECEPÇÃO Visão - transdução

Leia mais

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções.

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. LUZ A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. CORPOS LUMINOSOS São corpos que emitem luz. CORPOS ILUMINADOS São corpos que recebem luz e a

Leia mais

Audição. Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP

Audição. Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP Audição Profa. Dra. Eliane Comoli Departamento de Fisiologia da FMRP ROTEIRO DE AULA TEÓRICA: AUDIÇÃO 1. O que é o som? Características da onda sonora: a. Comprimento da onda; b. Velocidade da onda e c.

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA DA VISÃO I

NEUROFISIOLOGIA DA VISÃO I Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Departamento de Fisiologia NEUROFISIOLOGIA DA VISÃO I Profa. Leda Menescal de Oliveira ESTRUTURA DO OLHO Renovado 12 vezes ao dia - Vasta

Leia mais

Uma pessoa de visão normal pode enxergar objetos situados desde uma distância média convencional de 25 cm distância mínima convencional de visão

Uma pessoa de visão normal pode enxergar objetos situados desde uma distância média convencional de 25 cm distância mínima convencional de visão Uma pessoa de visão normal pode enxergar objetos situados desde uma distância média convencional de 25 cm distância mínima convencional de visão distinta até o infinito. Para que a imagem se forme sempre

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

MAGNETISMO e ESPIRITISMO

MAGNETISMO e ESPIRITISMO Sociedade Espírita Os Mensageiros da Paz Departamento Doutrinário MAGNETISMO e ESPIRITISMO GRUPO de ESTUDO ANO 3 2016 AULA 30 NOVO SITE SEMP INTEGRA INFORMAÇÕES DO MAGNETISMO *Todas palestras - Incluído

Leia mais

Lentes Esféricas. Prof.: Henrique Dantas

Lentes Esféricas. Prof.: Henrique Dantas Lentes Esféricas Prof.: Henrique Dantas LENTES ESFÉRICAS Chamamos de lente esférica, a associação de dois dioptros, sendo um necessariamente esférico e o outro plano ou esférico. Sendo transparentes, quando

Leia mais

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta.

A Luz e o mundo que nos rodeia. A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. LUZ A Luz e o mundo que nos rodeia A luz é fundamental para observarmos o que existe à nossa volta. A luz e os corpos Corpos luminosos corpos que produzem ou têm luz própria Corpos iluminados corpos que

Leia mais

BIOFÍSICA DA VISÃO Existe a cabeça de um homem na figura. Onde? Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras... Conflito no cérebro: o lado direito do seu cérebro tenta dizer a cor, enquanto o lado

Leia mais

Nossos olhos detectam a presença de luz - Comprimento de onda 380 e 760nm- Visível para nós

Nossos olhos detectam a presença de luz - Comprimento de onda 380 e 760nm- Visível para nós Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 3- Órgãos do Sentido-Parte 1 Estímulo - Visão Nossos olhos detectam a presença de luz - Comprimento de onda 380 e 760nm- Visível

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9º ano- UNIDADE 4 - CAPÍTULO 2. questão347. Um objeto verde absorve ou reflete a luz verde?

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9º ano- UNIDADE 4 - CAPÍTULO 2. questão347. Um objeto verde absorve ou reflete a luz verde? ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9º ano- UNIDADE 4 - CAPÍTULO 2 questão346. Defina o que é a luz. questão347. Um objeto verde absorve ou reflete a luz verde? questão348. O que é isotropia? questão349. Em

Leia mais

Defeitos da visão. http://www.ideiasnacaixa.com/laboratoriovirtual/

Defeitos da visão. http://www.ideiasnacaixa.com/laboratoriovirtual/ Defeitos da visão http://www.ideiasnacaixa.com/laboratoriovirtual/ Olho Humano Formação da Imagem no Olho Humano CRISTALINO Como uma lente biconvexa no globo ocular. NERVO ÓTICO Leva as sensações luminosas

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

LENTES SABINO. Prof. Sabino

LENTES SABINO. Prof. Sabino Prof. Sabino Nomenclatura das lentes Bi convexa Plano convexa Côncavo convexa Nomenclatura das lentes Bi côncava I Plano côncava III Convexo côncava AR CONVERGENTE VIDRO DIVERGENTE VIDRO AR AR AR V I D

Leia mais

Teoria tricromática de Young-Helmholtz

Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teoria tricromática de Young-Helmholtz Prof. Nelson Luiz Reyes Marques É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

Óptica da Visão APROFUNDAMENTO Profº. JB

Óptica da Visão APROFUNDAMENTO Profº. JB Óptica da Visão APROFUNDAMENTO Profº. JB 1. (Unesp 2005) Uma pessoa, com certa deficiência visual, utiliza óculos com lentes convergentes. Colocando-se um objeto de 0,6 cm de altura a 25,0 cm da lente,

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Lentes Esféricas. Retirado de

Lentes Esféricas. Retirado de rafaelsod.wordpress.com facebook.com/aulasod Lentes Esféricas 1. Introdução: Os olhos, óculos, binóculos, lupas, telescópios, datashow, retroprojetor Todos esses objetos tem algo em comum: lentes. Estudaremos

Leia mais

Aulas 1 a 3. Introdução à Ótica Geométrica

Aulas 1 a 3. Introdução à Ótica Geométrica Aulas 1 a 3 Introdução à Ótica Geométrica Ótica Geométrica Análise de um fenômeno óptico: Fonte de Luz emite Luz Que se propaga em um Meio óptico E atinge um Sistema óptico Que é responsável Formação da

Leia mais

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS OS SENTIDOS OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS As terminações sensitivas do sistema nervoso periférico são encontradas nos órgãos dos sentidos: pele, ouvido, olhos, língua e fossas nasais. IMPORTÂNCIA DOS SENTIDOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL LOB1021 - FÍSICA IV Prof. Dr. Durval Rodrigues Junior Departamento de Engenharia de Materiais (DEMAR) Escola de Engenharia de Lorena (EEL) Universidade

Leia mais

Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem.

Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem. Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem. 8 ano/profªelisete No ser humano O tato reside nos terminais nervosos

Leia mais

Exercícios Visão Humana -3.

Exercícios Visão Humana -3. Exercícios Visão Humana -3. 1. (Acafe 2014) Um médico oftalmologista realizou uma cirurgia no globo ocular de dois pacientes (paciente A e paciente B), a fim de corrigir dois defeitos da visão. Para tanto,

Leia mais

O Olho - Funcionamento e Deficiências

O Olho - Funcionamento e Deficiências O Olho - Funcionamento e Deficiências ANTONIO BORGES Noções de anatomia e fisiologia do sistema da visão O olho humano funciona como uma máquina fotográfica. Os raios de luz que o atingem são convergidos

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

Física Ensino Médio LENTES ESFÉRICAS

Física Ensino Médio LENTES ESFÉRICAS ísica Ensino Médio LENTES ESÉRICS Chamamos de lente esférica, a associação de dois dioptros, sendo um necessariamente esférico e o outro plano ou esférico. Sendo transparentes, quando as superfícies são

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde ao índice de refração n 2 dessa lente. a) 0,5 b) 1 c) 1,5 d) 2 e) 2,5

Assinale a alternativa que corresponde ao índice de refração n 2 dessa lente. a) 0,5 b) 1 c) 1,5 d) 2 e) 2,5 1. (Unicamp) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar que a imagem formada pela lente

Leia mais

Atividades Para fixar a formação de imagens nas lentes convergentes e divergentes, clique no link abaixo e movimente o objeto que está posicionado dainte da lente. Observe o que acontece com a imagem à

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com.

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com. Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula Unidade III Biofísica da Visão valnirp@terra.com.br Roteiro Fundamentos Físicos Biofísica da Visão Normal Processos

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica Conceitos Básicos de Óptica Geométrica FRENTE 2 MÓDULOS 1, 2 E 3 Introdução Óptica é a parte da Física que estuda a luz e os fenômenos luminosos. Seu desenvolvimento se deu com a publicação da Teoria Corpuscular

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Sentidos especiais Visão, olfacto, paladar, audição e equilíbrio

Sentidos especiais Visão, olfacto, paladar, audição e equilíbrio Funções sensoriais 5 sentidos?? Há especialistas que propõe a existência de pelo menos 20, talvez 40 sentidos diferentes!! Sentidos gerais Tacto Possuem receptores gerais distribuídos amplamente por todo

Leia mais

pupila Íris ESCLERA CORPO CILIAR COROIDE ÍRIS HUMOR VÍTREO LENTE RETINA CÓRNEA NERVO ÓPTICO

pupila Íris ESCLERA CORPO CILIAR COROIDE ÍRIS HUMOR VÍTREO LENTE RETINA CÓRNEA NERVO ÓPTICO ANÁTOMO-FISIOLOGIA Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan - VCI/FMVZ/USP REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DO OLHO BULBO DO OLHO TÚNICAS ou CAMADAS Pupila Íris Fibrosa (externa) córnea e esclera Vascular (média) úvea ou

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Energia Óptica da Visão e M.H.S.

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Energia Óptica da Visão e M.H.S. Sala de Estudos FÍSICA Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Energia Óptica da Visão e M.H.S. 1. (Enem 2015) Entre os anos de 1028 e 1038, Alhazen (lbn al-haytham:

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Lista de Exercícios - 2ª Série

Lista de Exercícios - 2ª Série ENSINO MÉDIO Data: 11/07/2016 Estudante: Exercícios Série: 2ª Turma: Turno: Matutino 2 e 3º Trimestre Componente: Física Professor: Wellington Lista de Exercícios - 2ª Série 1) No mundo artístico as antigas

Leia mais

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica

Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica Apostila de Física 33 Introdução à Óptica Geométrica 1.0 Definições Raios de luz Linhas orientadas que representam, graficamente, a direção e o sentido de propagação da luz. Conjunto de raios de luz Feixe

Leia mais

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12 Representação de cores Computação Gráfica Cores Renato Ferreira Tratados de maneira geral como triplas RGB Um parâmetro alpha opcional Quase todas operações separadas por componente Mas usualmente tratadas

Leia mais

Introdução à Óptica Geométrica

Introdução à Óptica Geométrica Introdução à Óptica Geométrica ÓPTICA GEOMÉTRICA: Parte da Física que descreve fenômenos luminosos a partir da noção de raio de luz, alguns princípios fundamentais e Geometria. LUZ: Dependendo do fenômeno

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

Fisiologia. Vias aferentes. Sistema Nervoso

Fisiologia. Vias aferentes. Sistema Nervoso Fisiologia 2 Sistema Nervoso Vias aferentes Os sistemas sensoriais Os sistemas sensoriais compõem parte das vias aferentes do sistema nervoso periférico e podem ser classificados em três funções principais:

Leia mais

Ficha Informativa n.º 5 Propriedades e Aplicações da Luz. Nome: Data: _/_ /20 INTRODUÇÃO TEÓRICA

Ficha Informativa n.º 5 Propriedades e Aplicações da Luz. Nome: Data: _/_ /20 INTRODUÇÃO TEÓRICA FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO DE ESCOLARIDADE Ficha Informativa n.º 5 Propriedades e Aplicações da Luz Nome: Data: _/_ /20 INTRODUÇÃO TEÓRICA Luz Luz é uma onda eletromagnética (propaga-se simultaneamente em meios

Leia mais

Psicofisiologia da visão

Psicofisiologia da visão Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicofisiologia da visão O olho A retina O nervo óptico O núcleo geniculado lateral O córtex visual Dos neurónios à percepção

Leia mais

d) com duas lentes convergentes. 1 de 5

d) com duas lentes convergentes. 1 de 5 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º TURMA(S):

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO TODOS SÃO BEM DIFÍCEIS FAÇA UM OU DOIS POR DIA CONSULTE A RESOLUÇÃO SOMENTE EM ÚLTIMO CASO LUTE E NÃO DESISTA FACILMENTE... BOM TRABALHO!!! 1. (UERJ/2013) Um raio luminoso monocromático,

Leia mais

Daltonismo. O que é Daltonismo? A percepção de cores

Daltonismo. O que é Daltonismo? A percepção de cores Daltonismo O que é Daltonismo? Daltonismo é uma perturbação na visão que dificulta a percepção das cores. Tal perturbação é provocada principalmente por uma anomalia genética do cromossomo X, mas pode

Leia mais

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ)

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Sérgio Ferreira de Lima http://aprendendofisica.net/rede/blog/category/aprofundamento/ cp2@sergioflima.pro.br Óptica Geométrica: Estudo dos fenômenos

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

Departmento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departmento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departmento de Zoologia da Universidade de Coimbra Órgãos dos sentidos Caetana Carvalho e Paulo Santos Órgãos dos sentidos Os órgãos dos sentidos são receptores, compostos de tecido nervoso especializado,

Leia mais

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23.

19/Dez/2012 Aula Sistemas ópticos e formação de imagens 23.1 Combinação de lentes 23.2 Correcção ocular 23.3 Microscópio 23. 7/Dez/2012 Aula 22 22. Óptica geométrica 22.1 Espelhos planos 22.2 Espelhos curvos (esféricos) 22.3 Espelhos convexos 22.4 Imagens formadas por refracção 22.5 Lentes finas 22.6 Lentes grossas 22.7 Convenções

Leia mais

Luz, Cor e Percepção Visual

Luz, Cor e Percepção Visual Luz, Cor e Percepção Visual André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Capítulo 13 do Foley O que é luz? Luz é uma forma de energia. Tipo de radiação eletromagnética com um comprimento de onda que afeta

Leia mais

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino.

1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a) Retina; b) Córnea; c) Íris; d) Pupila; e) Cristalino. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Osec-SP) Na espécie humana, a cor dos olhos se deve à pigmentação da(o): a)

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens

Fundamentos sobre. Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE. Antonio G. Thomé Sala AEP/1033. Processamento de Imagens Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Fundamentos sobre Processamento de Imagens Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/1033 Sumário do Curso Introdução Ambientação com o MatLab Aquisição

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo.

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo. BIOFÍSICA DA VISÃO Aula 3 META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da visão, assim como algumas patologias que afetam este processo. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Computação Gráfica. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto

Computação Gráfica. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto Computação Gráfica Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Cores A cor exerce uma ação tríplice Impressionar Expressar Construir O uso da cor na computação gráfica apresenta vários

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Exercícios Visão Humana -1.

Exercícios Visão Humana -1. Exercícios Visão Humana -1. 1. Para que alguém, com o olho normal, possa distinguir um ponto separado de outro, é necessário que as imagens desses pontos, que são projetadas em sua retina, estejam separadas

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

intensidade 2,5A. Determine: a) a força contra-eletromotriz do motor b) a indicação de um voltímetro ligado aos terminais do motor

intensidade 2,5A. Determine: a) a força contra-eletromotriz do motor b) a indicação de um voltímetro ligado aos terminais do motor Atividades de Aprimoramento Física 2ª série do Ensino Médio 01 - (UFB) Aplica-se uma ddp de 50V a um motor de resistência interna 1Ω, o qual é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 2,5A.

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina:FÍSICA Ano: 2012 Professor:MARCOS VINICIUS Turma: 2º ano Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Qual a cor da substância que deu origem ao espectro da Figura 1? a) Azul. b) Verde. c) Violeta. d) Laranja. e) Vermelho.

Qual a cor da substância que deu origem ao espectro da Figura 1? a) Azul. b) Verde. c) Violeta. d) Laranja. e) Vermelho. 1. (Enem 2014) É comum aos fotógrafos tirar fotos coloridas em ambientes iluminados por lâmpadas fluorescentes, que contêm uma forte composição de luz verde. A consequência desse fato na fotografia é que

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

Definição de uma Imagem Digital

Definição de uma Imagem Digital Definição de uma Imagem Digital Por que um objeto é visível? vel? http://www.luminous-landscape.com/tutorials/color_and_vision.shtml O olho humano o dispositivo de entrada da informação visual Funciona

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando

LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando Caros Alunos: esta lista de exercícios leva em consideração todos os temas abordados em aula, bem como tópicos especiais a eles relacionados. Muitas

Leia mais

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 5. Sistema Visual. Paula Tavares, FCUL ( )

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 5. Sistema Visual. Paula Tavares, FCUL ( ) Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 5 Sistema Visual Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 A luz A radiação electromagnética propaga-se no espaço como uma onda. As partículas portadoras são os fotões.

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 17 Julho de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 17 Julho de 2011 Periódicos Semestral ESTUDO COMPARATIVO DE RETINAS DE ANIMAIS DOMÉSTICOS E SERES HUMANOS REVISÃO DE LITERATURA. COMPARATIVE STUDY OF RETINA OF DOMESTIC ANIMALS AND HUMAN - LITERATURE REVIEW. FREITAS, Elaine Bernardino Acadêmica

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Aquisição de Imagens

Aquisição de Imagens Aquisição de Imagens Etapas típicas envolvidas no processamento de imagens. Aquisição da imagem Pré-processamento Segmentação Reconhecimento dos objetos e regiões Princípios da Visão Humana Referência:

Leia mais

Física IV. Óptica Geométrica

Física IV. Óptica Geométrica Física IV Capítulo 34 Óptica Geométrica Óptica Geométrica Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Dois Tipos de Imagens Capítulo 34 Óptica Geométrica Para que alguém possa ver um objeto, é preciso que os olhos

Leia mais

S E N T I D O S H U M A N O S

S E N T I D O S H U M A N O S S E N T I D O S H U M A N O S Sentidos Conjunto de funções orgânicas responsáveis pela percepção do mundo Os sentidos são: Visão Audição Olfato Paladar Tato Visão Capacidade dos olhos em transformar o

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ulbra 016) Um objeto está à frente de um espelho e tem sua imagem aumentada em quatro vezes e projetada em uma tela que está a,4 m do objeto, na sua horizontal. Que tipo de espelho foi utilizado e

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física ª Fase Prova para alunos de 3º ano

Olimpíada Brasileira de Física ª Fase Prova para alunos de 3º ano Leia atentamente as instruções abaixo antes de iniciar a prova: 1 Esta prova destina-se exclusivamente a alunos de 3 o ano. 2 A prova contem vinte questões. 3 Cada questão contem cinco alternativas, das

Leia mais

NOTAS SOBRE OS MECANISMOS DA VISÃO DE SERES VIVOS

NOTAS SOBRE OS MECANISMOS DA VISÃO DE SERES VIVOS NOTAS SOBRE OS MECANISMOS DA VISÃO DE SERES VIVOS H.M. de Oliveira, DES-UFPE Um seminário sobre o processo de visão, para Engenheiros Biomédicos. Abordagem preliminar de fatos anatômicos, fisiológicos,

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

SENTIDO DA VISÃO. Ondas eletromagnéticas e Propriedades da Luz

SENTIDO DA VISÃO. Ondas eletromagnéticas e Propriedades da Luz 85 SENTIDO DA VISÃO Ondas eletromagnéticas e Propriedades da Luz A luz visível faz parte do espectro da radiação eletromagnética e se encontra entre os 380 e 760nm de comprimento. Esta porção do espectro

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais