AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia"

Transcrição

1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Uma das propriedades mais importantes da água, dentre várias, é sua capacidade de armazenar calor, sem elevar muito sua temperatura. Essa capacidade tem grande influência no equilíbrio térmico do planeta, evitando, por exemplo, que as noites sejam muito frias e que os dias sejam muito quentes. Você já ouviu falar que, nos desertos, onde logicamente a água é muito escassa, as temperaturas diurnas são extremamente quentes, e que durante a noite elas chegam a várias dezenas de graus negativos? A quase total ausência de água no estado líquido ou vapor é o principal fator para que essa grande variação térmica ocorra; além, é claro, da incidência de luz solar. Onde há água, a variação térmica é menor. Talvez você já tenha tomado banho de piscina à noite. Você já pensou no porque a água de uma piscina parece estar morna durante a noite e fria durante o dia? Será que essa impressão é uma sensação real ou uma ilusão? O calor específico é uma grandeza física, que varia de uma substância para outra, que determina o quanto varia a temperatura de um material em função da quantidade de energia térmica (calor) absorvida por ele. Novamente, é preciso lembrar que temperatura e calor são grandezas distintas, muito confundidas na vida e na linguagem do cotidiano. Temperatura A temperatura é uma grandeza relacionada à energia cinética média das partículas de um corpo qualquer, que é medida pelos termômetros. As duas escalas de temperatura mais comuns são graus Celsius (ºC) e graus Kelvin (K). Há também a escala Fahrenheit (ºF), que é usada nos países do Reino Unido, liderados pela Inglaterra. A escala Kelvin tem grande importância científica, porque tem relação direta e linear com a variação dos volumes dos gases. Ou seja, se, sob pressão constante, um gás é aquecido até o dobro da temperatura em graus Kelvin, seu volume também irá dobrar. Se, ao contrário, o gás é resfriado até

2 à metade da temperatura em Kelvin, o volume do gás será reduzido naturalmente à metade. Essa mesma relação direta e proporcional não acontece com as outras escalas de temperatura. Calor O calor, como toda forma de energia, tem a unidade oficial em joule (J), embora a unidade caloria (cal) seja a mais utilizada. É comum associarmos aos diversos tipos de alimentos, a quantidade de calorias ou de quilocalorias (kcal), que se relaciona à energia armazenada nas substâncias que formam aquele alimento, para cada porção de 100g de alimento. Essa energia é liberada apenas na sua queima, durante os processos digestivos no nosso corpo, quando então essa energia é aproveitada ou armazenada. As unidades caloria e joule podem ser convertidas uma na outra, pela relação: 1 cal = 4,186J. Como a unidade caloria corresponde a uma quantidade de calor muito pequena, é mais frequente a utilização de seu múltiplo quilocaloria (kcal), que corresponde a 1 mil calorias: 1 kcal = 10³ cal. Caloria e água A caloria é a unidade de calor mais antiga e associada ao aquecimento da água, de uma forma bastante direta. Observe que, conceitualmente, uma caloria equivale a quantidade de calor necessária para aumentar a temperatura de um grama de água pura, sob pressão normal, de 14,5 C para 15,5 C. Assim, o calor é uma energia capaz de ser armazenada na forma de energia química, nas ligações entre os átomos. Isso ocorre com todas as substâncias, mais especialmente e em maior quantidade nas substâncias orgânicas, como combustíveis e alimentos; que, biologicamente, também são combustíveis. Como o nosso corpo é formado de boa proporção de água e precisa ser mantido sempre aquecido a 36,5ºC, bem acima da temperatura ambiente que varia em torno dos 20ºC, a quantidade de calorias armazenadas nos alimentos é um fator muito importante para a química e para a biologia, especialmente na medicina e na nutrição. De volta ao calor específico Mas, como o calor específico é uma grandeza que precisa associar três outras grandezas: o calor (em calorias ou em joules), a massa da substância (em gramas ou quilogramas) e a temperatura (em graus Kelvin ou Celsius). Como já falamos, ele exprime o quanto uma substância pode ter sua temperatura elevada, em função da quantidade de calor recebido, e também em função de uma certa quantidade de massa da substância que recebeu esse calor.

3 Por isso, as unidades mais comuns de calor específico são: J/kg.K (joule por quilograma por Kelvin) e cal/g.ºc (calorias por grama por graus Celsius). Substância Calor Específico (cal/g. C) Água 1,0 Álcool 0,58 Alumínio 0,22 Ar (mistura) 0,24 Carbono 0,12 Chumbo 0,031 Cobre 0,094 Ferro 0,11 Gelo 0,5 Hélio 1,25 Hidrogênio 3,4 Latão 0,092 Madeira 0,42 Mercúrio 0,033 Nitrogênio 0,25 Ouro 0,032 Oxigênio 0,22 Prata 0,056 Rochas 0,21 Vidro 0,16 Zinco 0,093 Em outras palavras, diferentes substâncias aquecem mais rápido ou mais lentamente que outras, mesmo quando recebem a mesma quantidade de calor. Para entender melhor, observe na tabela ao lado que a água possui elevado valor de calor específico, quando comparada com outras substâncias. A unidade está em calorias por grama por grau Celsius. Isso significa que ela consegue absorver mais calor para cada grau de temperatura que sobe, por grama de água. Em outras palavras, a água aquece mais lentamente que outras substâncias que estão no mesmo ambiente. Mas, aquecer mais lentamente significa também esfriar mais lentamente. É por isso que a água de uma piscina, durante a noite, ainda está morna nas primeiras horas da noite, como se fosse dia; e, nas primeiras horas do dia, mesmo já recebendo Sol, ainda se mantém fria como se fosse noite. EXPERIMENTO Comparando os calores específicos da água e da areia. Esse experimento é adequado para ser realizado em dias quentes ou com boa insolação, em local aberto ou em sala que tenha boa entrada de sol. MATERIAL A) Dois béqueres de 500mL. B) Água de torneira. C) Areia lavada e seca. D) Dois termômetros de laboratório. E) Cronômetro. F) Geladeira ou freezer. G) Aquário retangular de vidro, vazio, de tamanho suficiente para conter dois béqueres grandes, com termômetros inseridos. H) Plástico transparente de tamanho suficiente para tampar o aquário na posição normal; ou pedaço de papelão, de tamanho suficiente para tampar o aquário, na posição invertida, emborcado, formando uma base.

4 PROCEDIMENTO 1. Coloque cerca de 250mL de areia dentro de um béquer de 500mL. 2. No outro béquer, coloque a mesma quantidade de água. 3. Insira um termômetro na amostra de areia e outro na amostra de água. 4. Leve os dois sistemas para uma geladeira por cerca de 30min, até que fiquem bem frios. Não deixe congelar a água. 5. Posicione o aquário vazio em local com boa insolação. Se tiver um plástico transparente, posicione o aquário na posição normal, com a abertura para cima; caso contrário, use um papelão na parte de baixo e posicione o aquário com a abertura para baixo. 6. Coloque os dois béqueres dentro do aquário, tampando-o com plástico transparente em seguida. Ou simplesmente levante-o para colocar os béqueres e abaixe-o novamente. Tome o cuidado para posicionar os termômetros de forma que possam ser lidos facilmente pelo lado de fora, sem ter que remover o aquário. 7. Dispare o cronômetro. Leia os valores de temperatura indicados pelos dois termômetros, de 2 em 2 minutos, até que haja estabilização. OBSERVAÇÕES E QUESTÕES 1) Insira os valores de temperatura dos dois termômetros na tabela abaixo, para a areia e para a água. Areia Água Areia Água 2 min 4 min 6 min 8 min 10 min 12 min 14 min 16 min 18min 20 min 22 min 24 min 26 min 28 min 30 min 32 min 34 min 36 min 2) Lance os valores da tabela no gráfico abaixo, de forma que faça duas sequências de pontos, uma referente à água e outra referente à areia. Use cores diferentes para os pontos da areia e para os da água.

5 temperatura x tempo ) Quais foram as principais diferenças de comportamento da areia e da água, durante o aquecimento ao sol? Qual curva apresentou trechos de maior inclinação? Comente. 4) A que você atribui as diferenças observadas? Explique, utilizando o conceito de calor específico. 5) Por que é comum a sensação de que a água das piscinas estarem mais quente durante a noite e fria durante o dia. Explique.

6 5) Por que a temperatura ambiente nos desertos pode variar muito, chegando a dezenas de graus negativos durante a noite; e, durante o dia, chegar a temperaturas elevadas, acima de 50ºC? Comente e explique, usando as propriedades da areia e da água observadas no experimento, adequando-as para o ambiente desérticos, secos e ricos em areia. 6) Por que a água é o principal responsável pelo equilíbrio térmico dos ambientes naturais? Comente. 7) Qual foi a função do aquário no experimento? Comente.

Unidade XII: Termologia

Unidade XII: Termologia Colégio Santa Catarina Unidade XII Termologia 163 Unidade XII: Termologia 12.1 - Introdução: A termologia (termo = calor, logia = estudo) é o ramo da física que estuda o calor e seus efeitos sobre a matéria.

Leia mais

Água no feijão, que chegou mais um!

Água no feijão, que chegou mais um! Água no feijão, que chegou mais um! A UU L AL A Sábado! Cristiana passou a manhã toda na cozinha, preparando uma feijoada! Roberto tinha convidado sua vizinha, Maristela, para o almoço. Logo cedo, Cristiana

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA.

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA. AULA 05 TERMOMETRIA E ALORIMETRIA 1- TEMPERATURA Todos os corpos são constituídos de partículas, a olho nu nos parece que essas partículas estão em repouso, porém as mesmas têm movimento. Quanto mais agitadas

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 Questão 01) Quando uma pessoa se aproxima de um espelho plano ao longo da direção perpendicular a este e com uma velocidade de módulo 1 m/s, é correto afirmar que

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

Aula 2: Calorimetria

Aula 2: Calorimetria Aula 2: Calorimetria Imagine uma xícara de café quente e uma lata de refrigerante gelada em cima de uma mesa. Analisando termicamente, todos nós sabemos que com o passar do tempo a xícara irá esfriar e

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

Atividade Complementar Plano de Estudo

Atividade Complementar Plano de Estudo 1. (Uerj 2014) Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente

Leia mais

Embora seja um conceito básico

Embora seja um conceito básico O ALUNO EM FOCO Eduardo Fleury Mortimer Luiz Otávio F. Amaral 30 A seção O aluno em foco traz resultados de pesquisas sobre idéias informais dos estudantes, sugerindo formas de levar essas idéias em consideração

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1

ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1 ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1 ALINE MARQUES DA SILVA 2 ; ANA CARLA PENTEADO FELTRIN 3 ; ANÁLIA MARIA LOPES 4 ; CANDICE KEMMERICH 5 ; GILMAR BENINI

Leia mais

CALORIMETRIA - TEORIA

CALORIMETRIA - TEORIA CALORIMETRIA - TEORIA A calorimetria é a parte da Física que estuda a quantificação e as trocas de energia entre os corpos, quando esta troca ocorre sob a forma de calor. Temos, então, a primeira pergunta:

Leia mais

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA PROJECTO DE CURSO TEMA: projecção de um gerador de vapor para aquecer água de uma piscina AUTOR: Kapella Maria SUPREVISOR: Prof. Dr eng Jorge Nhambiu Kapella,Maria 1 EXTRUTURA

Leia mais

Curso de Férias 2011 Professor Vasco Vasconcelos Fenômenos Térmicos

Curso de Férias 2011 Professor Vasco Vasconcelos Fenômenos Térmicos Curso de Férias 2011 Professor Vasco Vasconcelos Fenômenos Térmicos 1. (CPS 2010) Os manuais de aparelhos celulares recomendam que estes permaneçam distantes do corpo por pelo menos 2,5 cm, pois a Organização

Leia mais

UFRPE: Física Geral II Márcio Cabral de Moura 1

UFRPE: Física Geral II Márcio Cabral de Moura 1 URPE: ísica Geral II Márcio Cabral de Moura 1 1. Calor 2 aulas, 4 horas: Capítulos 19 e 2 do undamentos de ísica 2, de D. Halliday, R. Resnick e J. Walker, 4ª edição. 1.1 Calor, temperatura e princípio

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito.

A Lei de Ohm estabelece uma relação entre as grandezas elétricas: tensão ( V ), corrente ( I ) e resistência ( R ) em um circuito. Página 1 de 25 1ª Lei de Ohm Embora os conhecimentos sobre eletricidade tenham sido ampliados, a Lei de Ohm continua sendo uma lei básica da eletricidade e eletrônica, por isso conhecê-la é fundamental

Leia mais

Combustíveis e Energia

Combustíveis e Energia Módulo 3 Unidade 11 Combustíveis e Energia Para início de conversa... Desde o surgimento da humanidade, o ser humano deparou-se com a necessidade de alterar a natureza de forma a que ela atendesse suas

Leia mais

Energia e potência em receptores elétricos

Energia e potência em receptores elétricos Energia e potência em receptores elétricos 1 17.1. Quando uma corrente elétrica atravessa um receptor, a energia elétrica consumida ou é totalmente transformada em calor (é o caso dos resistores), ou então

Leia mais

2363 - Pesquisa de corpo estranho. (a) kcal/. kg ºC (b) joule/molg.ºk (c) Torr. 1/molg.ºK (d) At.m 3 /molg.ºk (e) At.l/molg.ºK

2363 - Pesquisa de corpo estranho. (a) kcal/. kg ºC (b) joule/molg.ºk (c) Torr. 1/molg.ºK (d) At.m 3 /molg.ºk (e) At.l/molg.ºK 10 2361 - Em um recipiente de capacidade igual a 10 litros reuniram 5 litros de hidrogênio é pressão de 20 atmosferas e 10 litros de oxigênio à pressão de 10 atmosferas. A pressão final é: (a) 10 atmosferas

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES

MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES 01- Conceitue matéria. Exemplifique. MATÉRIA E SUAS PROPRIEDADES 02- Do que é constituída a matéria? 03- Qual a finalidade do estudo da Química? 04- Como a matéria, provavelmente, foi originada? 05- O

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

CAPACIDADE TÉRMICA E CALOR ESPECÍFICO 612EE T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA?

CAPACIDADE TÉRMICA E CALOR ESPECÍFICO 612EE T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA? 1 T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA? A temperatura é a grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo. Ela caracteriza, portanto, o estado térmico de um corpo.. Podemos medi la

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA EM FÍSICA TÉRMICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA EM FÍSICA TÉRMICA http://www.labfis.net FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA EM FÍSICA TÉRMICA Texto completo de Física Térmica encontra-se disponível no endereço: http://www.if.ufrgs.br/public/tapf/v20n5_marques_araujo.pdf

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

CURSO DE FÍSICA MARCÃO ASSUNTOS: ESCALAS TERMOMÉTRICAS DILATAÇÃO TÉRMICA DOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS CALORIMETRIA ESTUDO DOS GASES

CURSO DE FÍSICA MARCÃO ASSUNTOS: ESCALAS TERMOMÉTRICAS DILATAÇÃO TÉRMICA DOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS CALORIMETRIA ESTUDO DOS GASES CURSO DE FÍSICA MARCÃO ASSUNTOS: ESCALAS TERMOMÉTRICAS DILATAÇÃO TÉRMICA DOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS CALORIMETRIA ESTUDO DOS GASES PARTE 1 1. (UESC) Dois ou mais corpos, ao atingirem o equilíbrio térmico entre

Leia mais

O Sol é a nossa principal fonte de calor. A água é fundamental para a regulação térmica do planeta e do nosso corpo

O Sol é a nossa principal fonte de calor. A água é fundamental para a regulação térmica do planeta e do nosso corpo TEMPERATURA, CALOR E EQUILIBRIO TÉRMICO Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura O Sol é a nossa principal fonte de calor. A água é fundamental para a regulação térmica do planeta e do nosso corpo Tópico

Leia mais

Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido.

Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido. EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS 1. (G1) Explique o significado das palavras a seguir. Observe o modelo. Solidificação: é o processo em que uma substância passa do estado líquido para o estado sólido. Vaporização:

Leia mais

Centro Educacional ETIP

Centro Educacional ETIP Centro Educacional ETIP Trabalho Trimestral de Física 1 Trimestre/2013 Data: / /2013 Professor: Leandro Nota: Valor : [0,0 2,0] Nome do(a) aluno(a): Nº Turma: 2 M INSTRUÇÕES Preencha corretamente o cabeçalho

Leia mais

Aluno (a): Nº. Disciplina: Química Goiânia, / / 2014

Aluno (a): Nº. Disciplina: Química Goiânia, / / 2014 Lista de Exercícios Aluno (a): Nº. Professora: Núbia de Andrade Série: 1º ano (Ensino médio) Turma: Disciplina: Química Goiânia, / / 2014 01) A mudança de fase denominada sublimação ocorre quando a) o

Leia mais

Exercícios Complementares de Termologia - Wladimir

Exercícios Complementares de Termologia - Wladimir Questões de exercícios Complementares de Termologia Questão 01 (Fgv 2005) Em relação à termometria, é certo dizer que a) - 273K representa a menor temperatura possível de ser atingida por qualquer substância.

Leia mais

TERMOMETRO INFRAVERMELHO DIGITAL ITTI-1000

TERMOMETRO INFRAVERMELHO DIGITAL ITTI-1000 TERMOMETRO INFRAVERMELHO DIGITAL ITTI-1000 Manual do usuário CONTEÚDO 1. Visão geral do aparelho 2. Precauções 3. Aparência 4. Display LCD 5. Instruções de operação 5.1 Medição manual 5.2 Seleção entre

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FERNANDO REINOLDO SCREMIN PROPOSIÇÃO DE AULA PRÁTICA POTENCIAL ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS: CONTEXTUALIZANDO A TERMOQUÍMICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FERNANDO REINOLDO SCREMIN PROPOSIÇÃO DE AULA PRÁTICA POTENCIAL ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS: CONTEXTUALIZANDO A TERMOQUÍMICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FERNANDO REINOLDO SCREMIN PROPOSIÇÃO DE AULA PRÁTICA POTENCIAL ENERGÉTICO DOS ALIMENTOS: CONTEXTUALIZANDO A TERMOQUÍMICA Trabalho entregue como forma de avaliação da disciplina

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO 23. Leia o seguinte texto: Considere que esse grande espelho, acima da camada da atmosfera, estará em órbita geoestacionária. Com base nessas informações,

Leia mais

Módulo Editorial Exercícios Resolvidos de Termometria

Módulo Editorial Exercícios Resolvidos de Termometria 1. Observe na tabela os valores das temperaturas dos pontos críticos de fusão e de ebulição, respectivamente, do gelo e da água, à pressão de 1 atm, nas escalas Celsius e Kelvin. Temperatura Pontos críticos

Leia mais

Atividade prática - Estudando a água Parte 15

Atividade prática - Estudando a água Parte 15 Atividade prática - Estudando a água Parte 15 9º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio Objetivo Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

IME - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Considerando os elementos químicos Be, B, F, Ca e Cs, classifique-os em ordem crescente de acordo com as propriedades periódicas

Leia mais

Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa

Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa Este manual foi elaborado a partir de pesquisas nos vários sites de artesanato da Internet brasileira. Ele é gratuito e seu uso e leitura é reservado

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

5ª Experiência : Dilatação Térmica

5ª Experiência : Dilatação Térmica 5ª Experiência : Dilatação Térmica Objetivo Determinar o coeficiente de dilatação linear para três materiais: cobre, latão e alumínio. Introdução As conseqüências habituais de variações na temperatura

Leia mais

IME 2005 Bernoulli Resolve

IME 2005 Bernoulli Resolve IME 005 Bernoulli Resolve Questão 0 Considerando os elementos químicos Be, B, F, Ca e Cs, classifiqueos em ordem crescente de acordo com as propriedades periódicas indicadas: a) raio atômico b) primeira

Leia mais

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES 01- A água é uma substância que existe em grande quantidade no nosso planeta. Ela se apresenta na natureza em três estados físicos. Quais são os estados físicos em que a água

Leia mais

ATIVIDADE II COLÉGIO TIA IVONE - CTI. PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): 1. Conceitue:

ATIVIDADE II COLÉGIO TIA IVONE - CTI. PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): 1. Conceitue: COLÉGIO TIA IVONE - CTI DISCIPLINA: QUÍMICA Data: / /2012 PROFESSOR: NEW CRISTIAN SÉRIE: 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Aluno(a): ATIVIDADE II 1. Conceitue: a) Matéria b) Energia 2. Qual a relação entre matéria

Leia mais

Considerando-se as propriedades da matéria e a partir da analise das curvas de aquecimento I e II, é correto afirmar:

Considerando-se as propriedades da matéria e a partir da analise das curvas de aquecimento I e II, é correto afirmar: 2 EXERCÍCIOS Fala Gás Nobre, está na hora de reagir! Essa é uma lista complementar, os exercícios aqui contidos irão ajudá-lo a treinar um pouco mais e aprofundar nos temas. Ao contrário a lista L1, essa

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Objectivo - Determinação da condutividade térmica de 5 diferentes materiais de construção. 1. Introdução O calor pode ser transferido

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Preparação na Potência Máxima Página 1

Preparação na Potência Máxima Página 1 Gases e Termodinâmica 1) A figura a seguir representa dois reservatórios cilíndricos providos de êmbolos de massa desprezível, com mesma área de base e que contêm o mesmo número de mols de um gás ideal.

Leia mais

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas

Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas Exercícios Sobre MudanÇas de estados físicos e diagramas 01. (Uepg) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

UM RESISTOR ELÉTRICO

UM RESISTOR ELÉTRICO 1 1) PROBLEMATIZAÇÃO Como é bom tomar um banho quente num dia frio de inverno; secar os cabelos com o secador; ir até a cozinha fazer torradas bem quentinhas na torradeira para acompanhar aquele café que

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome

Leia mais

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA UNIDADES EM QUÍMICA O sistema métrico, criado e adotado na França durante a revolução francesa, é o sistema de unidades de medida adotada pela maioria dos paises em todo o mundo. UNIDADES SI Em 1960, houve

Leia mais

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria 1. Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente submersa

Leia mais

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor.

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor. Normas de segurança em laboratório Com a intenção de evitar acidentes e/ou danos físicos ou funcionais, durante as aulas, é importante que você tome as seguintes medidas: 15) Em caso de acidente, avise

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

Termologia UEPB. Dilatação Térmica Parte I

Termologia UEPB. Dilatação Térmica Parte I Termologia UEPB Dilatação Térmica Parte I 1 Você é convidado a projetar uma ponte metálica, cujo comprimento será de 2,0km. Considerando os efeitos de contração e expansão térmica para temperaturas no

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

TERMOLOGIA FÍSICA ------------------------------------------------------- CURSO PRÉ VESTIBULAR POPULAR - CPV

TERMOLOGIA FÍSICA ------------------------------------------------------- CURSO PRÉ VESTIBULAR POPULAR - CPV ------------------------------------------------------- CURSO PRÉ VESTIBULAR POPULAR - CPV FÍSICA 1 TEMPERATURA E DILATAÇÃO. 1.1 TEMPERATURA Temperatura é uma grandeza física que mede o estado de agitação

Leia mais

Física 2ª série Ensino Médio v. 2

Física 2ª série Ensino Médio v. 2 ísica 2ª série Ensino Médio v. 2 Exercícios 01) Caloria é a quantidade de calor necessária para que um grama de água possa aumentar sua temperatura de 1,5 o C para 15,5 o C. 02) É o calor necessário para

Leia mais

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica TERMODINÂMICA 1. Definiçoes: Parte da Física que estuda as relações entre calor e trabalho em dado sistema.

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo Capacidade calorífica e calor específico Q/J Quando um corpo recebe energia calorífica a sua temperatura aumenta (e de forma linear): A energia calorífica ( Q) que é necessário fornecer a um corpo para

Leia mais

Física Professor Alfredo

Física Professor Alfredo Física Professor Alfredo 08 Aluno (a): 26/03/2013 01. Após um carpinteiro enterrar um enorme prego de ferro em uma viga de peroba, verifica-se que a temperatura do mesmo elevou-se em 10 ºC. calor específico

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica

Exercícios de Termodinâmica Exercícios de Termodinâmica 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Matéria e Estados da Matéria

Matéria e Estados da Matéria Matéria e Estados da Matéria A matéria é o material físico do universo. Matéria é tudo que tem massa e ocupa certo lugar no espaço. Na antiguidade, o homem chegou a acreditar que toda matéria existente

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2010 Conteúdo 1. Objetivo...2 2. O Modelo...2 3. Montagem e desmontagem...3 3.1 Cuidados gerais - IMPORTANTE... 3 3.2 Montagem... 3 3.3 Desmontagem... 4 4. Experiências...6

Leia mais

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana 1. O iso-octano é um combustível automotivo. A combustão desse material ocorre na fase gasosa. Dados a massa molar do iso-octano igual a 114g/mol, o volume molar de gás nas "condições ambiente" igual a

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

Identificando e diferenciando as espécies de matéria

Identificando e diferenciando as espécies de matéria Identificando e diferenciando as espécies de matéria Desde a antigüidade o homem utilizava materiais transformando-o em objetos. As escavações realizadas em várias partes da terra mostram utensílios domésticos,

Leia mais

Introdução. Um novo jeito de se aprender química Helan Carlos e Lenine Mafra- Farmácia- 2014.2

Introdução. Um novo jeito de se aprender química Helan Carlos e Lenine Mafra- Farmácia- 2014.2 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Departamento de Química e Exatas - DQE DQE 295 - Química Inorgânica (1) Farmácia Autor(a): Helan Carlos Silva Oliveira Relatório entregue 29/06/2012 Introdução

Leia mais

FÍSICA. Temperatura C K Fusão 0 273 Ebulição 100 373. Pontos críticos

FÍSICA. Temperatura C K Fusão 0 273 Ebulição 100 373. Pontos críticos FÍSICA Prof. Raphael Fracalossi 1. (Uerj 014) Observe na tabela os valores das temperaturas dos pontos críticos de fusão e de ebulição, respectivamente, do gelo e da água, à pressão de 1 atm, nas escalas

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio.

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco dos METAIS As aulas sobre os metais são sete. Trata-se, em detalhes, do ferro,

Leia mais

FÍSICA PEIES II. Professor Giovani Soares. Todas as questões de PEIES II desde sua primeira edição em 1996 até 2010. Com gabarito no final.

FÍSICA PEIES II. Professor Giovani Soares. Todas as questões de PEIES II desde sua primeira edição em 1996 até 2010. Com gabarito no final. Professor Giovani Soares Todas as questões de PEIES II desde sua primeira edição em 1996 até 2010. Com gabarito no final. 1- (PEIES 96) O empuxo exercido por um fluido sobre um corpo totalmente mergulhado

Leia mais

3 (Vunesp-SP) Um bloco de 600 g de prata, inicialmente a 20 C, é C = b) c = m. c = 4 Uma garrafa térmica contém água a 60 C. O conjunto garrafa

3 (Vunesp-SP) Um bloco de 600 g de prata, inicialmente a 20 C, é C = b) c = m. c = 4 Uma garrafa térmica contém água a 60 C. O conjunto garrafa Tópico 3 Calor sensível e calor latente 27 Tópico 3 1 (Fazu-MG) Tia Anastácia é famosa por sua habilidade na cozinha. Um de seus pratos mais famosos é o risoto de camarão feito em panela de pedra. Inácia,

Leia mais

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração Temperatura Fundamentos teóricos A temperatura é uma grandeza que caracteriza os sistemas termodinâmicos em equilíbrio térmico. Por definição, dois sistemas em equilíbrio térmico estão à mesma temperatura.

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

Professora: Maria Fernanda nandacampos.mendonc@gmail.com

Professora: Maria Fernanda nandacampos.mendonc@gmail.com Professora: Maria Fernanda nandacampos.mendonc@gmail.com Por que precisamos nos alimentar? Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=jppdxirtyau Os seres vivos, sem exceção, necessitam da absorção de energia

Leia mais

FILOSOFANDO EM TORNO DA MATÉRIA. Ao longo dos séculos o homem utiliza as propriedades químicas da matéria para obtenção de produtos de seu interesse.

FILOSOFANDO EM TORNO DA MATÉRIA. Ao longo dos séculos o homem utiliza as propriedades químicas da matéria para obtenção de produtos de seu interesse. FILOSOFANDO EM TORNO DA MATÉRIA A constituição da matéria Ao longo dos séculos o homem utiliza as propriedades químicas da matéria para obtenção de produtos de seu interesse. Metais (a partir de minérios)

Leia mais

-MATÉRIA E SISTEMAS QUÍMICOS -ALGARISMOS SIGNICATIVOS E UNIDADES Prof. Nilson Bispo

-MATÉRIA E SISTEMAS QUÍMICOS -ALGARISMOS SIGNICATIVOS E UNIDADES Prof. Nilson Bispo Departamento de Química e Ambiental Química I Aula 1: -APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA -MATÉRIA E SISTEMAS QUÍMICOS -ALGARISMOS SIGNICATIVOS E UNIDADES Prof. Nilson Bispo Dúvidas: Sala306 -Lab Tec Ambiental

Leia mais