AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 41 Comportamento da água com sal - 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 41 Comportamento da água com sal - 4"

Transcrição

1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 41 Comportamento da água com sal - 4 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Na parte anterior, investigamos o método de resfriar algumas latas de refrigerante usando a mistura gelo e sal, que é uma eficiente mistura refrigerante. O funcionamento dessa mistura se baseia na ação do sal sobre o gelo, forçando seu derretimento; mas, por sua vez, a fusão do gelo é muito endotérmica e por isso absorve muito calor do meio próximo, resfriando o conteúdo das latinhas de forma rápida e intensa. O sal também absorve calor na sua dissolução. Um outro processo endotérmico envolvido no funcionamento da mistura refrigerante é a própria dissolução do sal de cozinha na água derretida, mas a sua influência no resfriamento total do sistema é bem menor que a da fusão do gelo. Sal mineral sendo adicionado à neve, para derrete-la, em uma cidade do estado de Wisconsin, EUA. Disponível (acesso: ): Para quantificar, podemos considerar que a variação de entalpia para a fusão do gelo tem o valor de 79,71 calorias por grama de gelo, enquanto a variação de entalpia para a dissolução do cloreto de sódio é 20 calorias por grama de sal dissolvido. Considerando massas iguais de sal e de gelo, concluímos que a influência da dissolução do sal de cozinha é cerca de apenas ¼ da influência do derretimento do gelo.

2 Observação: Transformando para unidades científicas padrão, temos que: 79,71 calorias por grama de água equivalem a 333,51 joules por grama (basta multiplicar por 4,184). Multiplicando pela massa molar (massa de 1 mol) de água (18g, valor arredondado), temos que a entalpia molar de fusão do gelo equivale a cerca de 6 mil joules/mol ou 6kJ/mol. O valor tabelado é 6,01kJ/mol. Mesmo assim, não se usa massas iguais de sal e de gelo na mistura refrigerante, porque o sal não poderá ser dissolvido totalmente nessa proporção. A maior proporção utilizada é em torno de 1:3, sendo 1 para o sal e 3 para o gelo. Ou seja, se fizermos uma mistura refrigerante com 750g de gelo, usaremos apenas 250g de sal. Nessa proporção, considerando que todo o sal consiga se dissolver na água derretida, a influência da variação de entalpia de dissolução do sal fica reduzida à 1/3 de 1/4, ou seja, 1/12 em relação à influência do derretimento do gelo. Então, o grande responsável pelo funcionamento da mistura refrigerante, não é o sal que dissolve, mas o gelo que derrete. Isso não quer dizer que podemos dispensar o sal. Ao contrário, ele é muito importante para promover o derretimento; mas, considerando apenas o aspecto térmico, é o derretimento do gelo em si - e não a dissolução do sal - que causa a grande absorção de calor do ambiente no entorno do sistema, resfriando as latinhas de bebidas. Assim, é muito interessante determinar experimentalmente a variação de entalpia de fusão do gelo, como propomos logo adiante. Mas, o que é entalpia? Resumidamente, entalpia é o calor armazenado em uma substância. Mas, atenção. Não estamos falando de temperatura, que é outra grandeza importante, mas frequentemente confundida com calor. Vamos por partes: a temperatura é uma grandeza que está relacionada ao grau de agitação ou energia cinética das partículas de um corpo. Mas, isso não é o calor, propriamente, nem mesmo o calor armazenado. O calor é uma forma de energia que passa de um corpo para outro, sempre do mais quente para o mais frio. E, nas transformações químicas e físicas, há sempre alguma alteração do conteúdo de energia entre reagentes e produtos; essa alteração pode gerar absorção de energia do ambiente (processo endotérmico) ou liberação de energia para o ambiente (processo exotérmico). O calor, então, é uma propriedade relativa a um sistema, considerando um processo que esteja ocorrendo ou que poderá ocorrer a qualquer momento; e não a propriedade de um corpo propriamente dito. Por exemplo, podemos medir a temperatura de um litro de água e de um litro de

3 álcool, que pode inclusive ser exatamente a mesma medida. Mas, o álcool, na qualidade de combustível, contém uma entalpia de combustão grande; ao passo que a água não tem entalpia de combustão, já que é uma substância que não pega fogo. Não se pode medir o calor armazenado, a não ser quando ocorre uma transformação em que esse calor é liberado para o ambiente ou absorvido do ambiente para o sistema. Usa-se, então, a variação da temperatura no entorno ou vizinhança do sistema para medir a quantidade de calor liberado. Por exemplo, se o calor liberado no processo for capaz de aquecer uma certa quantidade de água no entorno, por exemplo, 100g de água 1ºC, dizemos que a transformação ocorreu com liberação de 100 calorias. Transformando esse valor para a unidade oficial de energia, o joule (J), basta multiplicálo por 4,184, ou seja, 418,4J. No caso da mistura refrigerante sal e gelo, é a variação de entalpia expressivamente endotérmica referente ao derretimento do gelo que promove o resfriamento da sua vizinhança, ou seja, das latinhas ou garrafas de bebidas que se quer esfriar. Repare que não é a temperatura do gelo que faz o resfriamento. Usar uma mistura refrigerante é bem diferente de colocar uma pedra de gelo dentro do líquido que se deseja esfriar. Por exemplo, se colocarmos massas iguais de gelo a 0ºC e de bebida guaraná a 20ºC em um copo, certamente o guaraná irá esfriar um pouco, para aproximadamente 10ºC, que é a média das temperaturas iniciais. Mas não é disso que estamos falando. No caso das misturas refrigerantes, é o processo de derretimento (e não o gelo em si) que retira calor da vizinhança, abaixando a temperatura do entorno em dezenas de graus abaixo de zero grau Celsius, podendo até congelar o guaraná. Assim, calorias ou joules são as unidades mais usadas para o calor. E graus Celsius ou Kelvin são as mais utilizadas para a temperatura. Essas grandezas estão, sim, muito relacionadas; mas, certamente, não significam a mesma coisa. EXPERIMENTO: DETERMINANDO A ENTALPIA DE FUSÃO DO GELO MATERIAL A) Proveta de 500mL. B) Copo de isopor. C) Caixa pequena de isopor de cerca de 2 litros. Obs.: Pode ser usada um isolante térmico do tipo para encaixe de uma única garrafa de cerveja, usando a parte de cima ou tampa no lugar do copo e o corpo do isolante onde se encaixa a garrafa no lugar da caixa de isopor.

4 D) Água destilada ou água de torneira. E) Água gelada. F) Gelo. G) Termômetro de laboratório. H) Sistema de aquecimento para água, podendo ser um ebulidor elétrico ou sistema a gás. I) Toalha seca de tecido ou papel toalha. PROCEDIMENTO 1. Coloque uma boa quantidade de gelo com água bem gelada em uma caixa de isopor. Monitore a temperatura desse sistema, de forma que ela se estabilize em 0ºC por cerca de 10 minutos. Obs.: Se não obtiver a temperatura de zero graus exatos, leve o sistema para um congelador e aguarde cerca de 20 minutos. É importante que se consiga a temperatura da água gelada a zero graus, estabilizada com o gelo, porque iremos considerar a temperatura do gelo como tal, sem medir a temperatura do gelo, mas apenas da água que o circunda. 2. Enquanto isso, meça em uma proveta, 200mL de água. 3. Aqueça essa quantidade (200mL) de água até cerca de 50ºC. 4. Coloque os 200mL de água morna no copo de isopor, conferindo e anotando sua temperatura exata. 5. Retire duas a três pedras de gelo do sistema gelo e água, passe uma toalha em cada uma para retirar a água de entorno e coloque essas pedras no copo de isopor, em contato com a água morna. 6. Com o próprio termômetro, vá agitando o sistema até o derretimento total do gelo. Assim que o gelo desaparecer, meça o valor exato da temperatura do líquido obtido. 7. Meça novamente o volume total do líquido em uma proveta, para obter, por diferença, o volume do gelo utilizado no experimento e que foi derretido. CÁLCULOS E FUNDAMENTAÇÃO Considerando que o sistema seja perfeitamente isolado termicamente, a energia (calor) usada na fusão do gelo e também no aquecimento da água gelada recém derretida foi obtido a partir da água morna, que por sua vez sofreu um certo resfriamento. Matematicamente, podemos dizer que a soma dessas variações de entalpia é zero, ou seja, a energia total do sistema é a mesma (1ª Lei da Termodinâmica):

5 Haquecimento + Hresfriamento + Hfusão = 0 Ou seja: Hfusão = (- Haquecimento) + (- Hresfriamento) Para calcular a variação de entalpia, tanto de resfriamento quanto de aquecimento, temos que considerar a massa de água envolvida, e a diferença entre a temperatura inicial e final. Como a densidade da água é 1g/mL, não é necessário pesar a água, mas apenas considerar cada mililitro como sendo 1 grama. O calor específico da água tem um valor que também facilita os cálculos, obtidos em calorias; ou seja, cada grama de água aquecida ou resfriada 1ºC corresponde a 1 caloria absorvida ou liberada. Assim, basta proceder ao seguinte cálculo: Hfusão = - (mh2o. th2o) - (mgelo. tgelo) Dados obtidos experimentalmente: Água morna Volume (ml) Massa (g) Temperatura inicial (ºC) Temperatura final (ºC) Variação da temperatura (ºC) Gelo Cálculos: Haquecimento (gelo) Hresfriamento (água) Hfusão OBSERVAÇÕES E QUESTÕES calorias joules / grama de gelo calorias calorias joules joules / mol de gelo 1) O valor obtido de entalpia de fusão do gelo por mol se aproxima do valor tabelado de 6,01kJ/mol? Comente.

6 2) A água usada para aquecer e derreter o gelo funcionou para fornecer calor e também como vizinhança que possibilitou a medição do calor envolvido. Você concorda com essa afirmativa? Explique. 3) Qual é a diferença entre calor e temperatura? Tente conceituar com suas palavras, baseandose no experimento realizado.

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 40 Comportamento da água com sal - 3 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 40 Comportamento da água com sal - 3 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 40 Comportamento da água com sal - 3 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Um dos problemas mais comuns para que os estudantes

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Uma das propriedades mais importantes

Leia mais

Capitulo-4 Calor e Temperatura

Capitulo-4 Calor e Temperatura Capitulo-4 Calor e Temperatura www.plantaofisica.blogspot.com.br 1 Resumo de aula: Termometria. 1- Temperatura Termometria é a parte da física que se preocupa unicamente em formas de se medir a temperatura

Leia mais

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 1 EXPERIÊNCIA N 0 3: DETERMINAÇÃO DO CALOR DE REAÇÃO E CALOR DE SOLIDIFICAÇÃO 1. Introdução As transformações químicas

Leia mais

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE 1. Objetivos Aprender a preparar soluções usando balão volumétrico Reconhecer soluções diluídas, saturadas e supersaturadas Observar a termodinâmica do processo de dissolução 2.

Leia mais

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica Colégio Estadual Professor Ernesto Faria Subprojeto Pibid - Química UERJ Termoquímica REAÇÕES ENDOTÉRMICAS E EXOTÉRMICAS Processo Exotérmico Libera calor para ambiente (vizinhança) Transmite sensação de

Leia mais

FQE0001 Exp. 04. Físico-Química Experimental. Termoquímica. 1. Introdução

FQE0001 Exp. 04. Físico-Química Experimental. Termoquímica. 1. Introdução 1. Introdução Termoquímica Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

Experiência 9 Transferência de Calor

Experiência 9 Transferência de Calor Roteiro de Física Experimental II 39 Experiência 9 Transferência de Calor OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar os processos de transferência de calor entre dois corpos, na situação em que nenhum deles

Leia mais

Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação da Parafina

Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação da Parafina UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação

Leia mais

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess

Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Termoquímica Entalpia e Lei de Hess Sistemas a Pressão Constante Quando o volume do sistema não é constante,

Leia mais

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia

Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Primeira Lei da Termodinâmica Trabalho, Calor e Energia Entalpia Sistemas Em termodinâmica, o universo é formado

Leia mais

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental Práticas de Química Geral e Orgânica para Engenharia Ambiental INTRODUÇÂO A química é uma ciência experimental e se ocupa especialmente das transformações das substâncias, de sua composição e das relações

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

Calor e Temperatura, Trocas de Calor Bibliografia e figuras desta aula: Fundamentos da Física, Halliday, Resnick e Walker, 8a Ed., vol 2 pág

Calor e Temperatura, Trocas de Calor Bibliografia e figuras desta aula: Fundamentos da Física, Halliday, Resnick e Walker, 8a Ed., vol 2 pág Calor e Temperatura, Trocas de Calor Bibliografia e figuras desta aula: Fundamentos da Física, Halliday, Resnick e Walker, 8a Ed., vol 2 pág2 188-190 Até agora aprendemos: O conceito de temperatura A lei

Leia mais

Aula 6 Transferências de energia

Aula 6 Transferências de energia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia Aula 6 Transferências de energia Dr. Tiago P. Camargo governa a química e a vida. Atraves da termodinâmica podemos

Leia mais

TERMODINÂMICA (Parte 1)

TERMODINÂMICA (Parte 1) TERMODINÂMICA (Parte 1) Estudo das transformações da energia. Baseia-se em duas leis: 1ª Lei: acompanha as variações de energia e permite o cálculo da quantidade de calor produzida numa reação. 2ª Lei:

Leia mais

Lista 6 Exercícios de Calorimetria

Lista 6 Exercícios de Calorimetria Lista 6 Exercícios de Calorimetria 1 (FMU) A temperatura durante a mudança de estado, para uma dada substância, a) é sempre maior que zero b) é sempre menor que zero c) varia conforme o estado de agregação

Leia mais

Figura 1. Representação dos componentes de um calorímetro.

Figura 1. Representação dos componentes de um calorímetro. Experiência 3: DETERMINAÇÃO DO CALOR DE REAÇÃO 1. Objetivos Ao final desta aula experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Compreender o funcionamento de um calorímetro. - Comparar o calor liberado

Leia mais

CALORIMETRIA (CONTINUAÇÃO)

CALORIMETRIA (CONTINUAÇÃO) CALORIMETRIA (CONTINUAÇÃO) Calor latente Nem toda a troca de calor existente na natureza se detém a modificar a temperatura dos corpos. Em alguns casos há mudança de estado físico destes corpos. Neste

Leia mais

Química Geral e Experimental II Termoquímica Resolução comentada de exercícios selecionados versão termo_v1_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Termoquímica Resolução comentada de exercícios selecionados versão termo_v1_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Termoquímica comentada de exercícios selecionados Prof. Fabricio R. Sensato (1) O calor específico do níquel é 0,445 J/g K. Qual a quantidade de calor necessária para aquecer

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 42 Comportamento da água com álcool - 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 42 Comportamento da água com álcool - 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 42 Comportamento da água com álcool - 1 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Uma das substâncias mais importantes do

Leia mais

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta

Entropia e energia livre de Gibbs. Prof. Leandro Zatta Entropia e energia livre de Gibbs Prof. Leandro Zatta 1 Segunda e a terceira leis Ideias importantes Sentido Natural Desordem Medido por Energia livre de Gibbs 2 Chave para compreensão da ocorrência ou

Leia mais

Química. APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois

Química. APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois Química APL 2.5 Determinação da variação da entalpia de combustão de diferentes álcoois Luísa Neves, 12ºCT 20 de abril de 2015 Índice Introdução...2 Material e Reagentes...3 Procedimento..4 Perigos específicos

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 38 Comportamento da água com sal - 1 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 38 Comportamento da água com sal - 1 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 38 Comportamento da água com sal - 1 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º e 2º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Um dos experimentos mais conhecidos que se

Leia mais

Fisica do Corpo Humano ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01. Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6

Fisica do Corpo Humano ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01. Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6 Fisica do Corpo Humano (4300325) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01 Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6 1. Existem em torno de uma centena de átomos 2. Cada átomo

Leia mais

TERMOQUÍMICA. EXOTÉRMICAS: São aquelas reações que ocorrem liberando calor para o meio ambiente.

TERMOQUÍMICA. EXOTÉRMICAS: São aquelas reações que ocorrem liberando calor para o meio ambiente. TERMOQUÍMICA As transformações sofridas pela matéria são, quase sempre, acompanhadas por absorção ou liberação de energia. Esta energia é estudada pela TERMOQUÍMICA. As reações químicas, quanto ao calor

Leia mais

CALORIMETRIA. 1 cal = 4,2 J.

CALORIMETRIA. 1 cal = 4,2 J. CALORIMETRIA Setor 1210 Prof. Calil A CALORIMETRIA estuda energia denominada CALOR que vai, de maneira natural, do corpo quente para o corpo frio. Calor não deve ser Calor sensivel confundido com a energia

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 04 Termoquímica Aplicação

Leia mais

TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO

TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO TERMOQUÍMICA EXERCÍCIOS PARA TREINO 1 - Considere a seguinte reação termoquímica: 2NO(g) + O 2 (g) 2NO 2 (g) H = -13,5 kcal / mol de NO e assinale a alternativa falsa. a) A reação é exotérmica. b) São

Leia mais

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1 Prof. Marcos Aires de Brito Prof. Fábio Peres Gonçalves Prof. José Carlos Gesser Experiência N 0 3: determinação do calor

Leia mais

FÍSICA MÓDULO 16 CALOR E A SUA PROPAGAÇÃO. Professor Ricardo Fagundes

FÍSICA MÓDULO 16 CALOR E A SUA PROPAGAÇÃO. Professor Ricardo Fagundes FÍSICA Professor Ricardo Fagundes MÓDULO 16 CALOR E A SUA PROPAGAÇÃO CALOR E A SUA PROPAGAÇÃO Como discutimos em módulos anteriores, o calor é uma energia que se propaga de uma região com maior temperatura

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 05

2005 by Pearson Education. Capítulo 05 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 5 Termoquímica David P. White A natureza da energia Energia cinética e energia potencial Energia cinética é a energia do movimento: Energia potencial é a energia

Leia mais

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA Profa. Dra. Luciana Maria Saran 1 1.TERMODINÂMICA Compreende o estudo da energia e suas transformações. Em grego, thérme-; calor, dy namis, energia. Termoquímica: área

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

Um dos componentes do GLP (gás liquefeito do petróleo) é o propano (C3H8). A sua combustão pode ser representada pela seguinte equação química:

Um dos componentes do GLP (gás liquefeito do petróleo) é o propano (C3H8). A sua combustão pode ser representada pela seguinte equação química: Atividade extra Exercício 1 Cecierj 2013 Um dos componentes do GLP (gás liquefeito do petróleo) é o propano (C3H8). A sua combustão pode ser representada pela seguinte equação química: C3H8(ℓ) + 5 O2 6

Leia mais

a) 20 d) 100 b) 40 e) 160 c) 80

a) 20 d) 100 b) 40 e) 160 c) 80 01) (Unifesp-SP) Uma solução contendo 14 g de cloreto de sódio dissolvidos em 200 ml de água foi deixada em um frasco aberto, a 30 C. Após algum tempo, começou a cristalizar o soluto. Qual volume mínimo

Leia mais

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa.

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa. ALUNO(a): Nº: SÉRIE: ª TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /06 Obs.: Esta lista deve ser entregue apenas ao professor no dia da aula de Recuperação Valor: 5,0. Uma solução contendo 4 g de cloreto de sódio

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

TERMODINÂMICA QUÍMICA

TERMODINÂMICA QUÍMICA TERMODINÂMICA QUÍMICA Prof a. Loraine Jacobs lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs DAQBI Reações Químicas Fatores que determinam a ocorrência de ligações químicas:

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

TERMODINÂMICA. Radiação Solar. Anjo Albuquerque

TERMODINÂMICA. Radiação Solar. Anjo Albuquerque TERMODINÂMICA Radiação Solar 1 Anjo Albuquerque TERMODINÂMICA Termodinâmica - é a área da Física que nos permite compreender o mundo que nos rodeia, desde a escala dos átomos até à escala do universo.

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades Caro educando, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a lista de exercícios com atenção, ela norteará os seus estudos. Utilize o livro didático adotado pela escola como fonte de estudo. Se

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

Então o monóxido de carbono formado nesta reação poderá ser queimado com oxigênio adicional.

Então o monóxido de carbono formado nesta reação poderá ser queimado com oxigênio adicional. EXPERIÊNCIA 4 CALOR DE REAÇÃO E CALOR DE SOLIDIFICAÇÃO 1. OBJETIVOS No final desta prática o aluno deverá ser capaz de: Compreender o funcionamento de um calorímetro. Comparar o calor liberado na combustão

Leia mais

Roteiro 28 Determinação do calor específico de uma substância

Roteiro 28 Determinação do calor específico de uma substância OBJETIVO Roteiro 28 Determinação do calor específico de uma substância Este roteiro sugere dois procedimentos para a determinação do calor específico de substâncias e como proceder para obter medidas confiáveis

Leia mais

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO TERMOQUÍMICA A energia liberada nas reações químicas está presente em várias atividades da nossa vida diária. Por exemplo, á o calor liberado na queima do gás butano que cozinha os nossos alimentos, é

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL Ciências Físico-Químicas 7ºANO

ACTIVIDADE LABORATORIAL Ciências Físico-Químicas 7ºANO ACTIVIDADE LABORATORIAL Ciências Físico-Químicas 7ºANO DETERMINAR O PONTO DE SOLIDIFICAÇÃO DA ÁGUA DESTILADA. DETERMINAR O PONTO DE FUSÃO DA ÁGUA DESTILADA. VERIFICAR QUE UMA SOLUÇÃO AQUOSA DE CLORETO

Leia mais

Os sistemas podem armazenar energia e está pode ser transferida.

Os sistemas podem armazenar energia e está pode ser transferida. AULA 13 Termoquímica A termoquímica é uma parte da físico-química que estuda as trocas de calor (entre os sistemas e o meio ambiente) que acompanha os fenômenos. Calor é uma energia em trânsito. Existem

Leia mais

MÓDULOS 37 E 38 QUÍMICA. Termodinâmica I e II. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Trabalho de expansão à pressão constante

MÓDULOS 37 E 38 QUÍMICA. Termodinâmica I e II. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Trabalho de expansão à pressão constante Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias QUÍMICA MÓDULOS 37 E 38 Termodinâmica I e II 1. Trabalho de expansão à pressão constante Vamos considerar um gás aprisionado em um cilindro com pistão

Leia mais

a) da Idade Média. b) das grandes navegações. c) da Revolução Industrial. d) do período entre as duas grandes guerras mundiais.

a) da Idade Média. b) das grandes navegações. c) da Revolução Industrial. d) do período entre as duas grandes guerras mundiais. Termodinâmica 1) (FUVEST) O desenvolvimento de teorias científicas, geralmente, tem forte relação com contextos políticos, econômicos, sociais e culturais mais amplos. A evolução dos conceitos básicos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 12 TURMA ANUAL

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 12 TURMA ANUAL RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 12 TURMA ANUAL 01. Item B Teremos em 100 g de água: mxilitol = 60,8 g msolução = 100,0 g+ 60,8 g= 160,8 g 160,8 g (solução) 60,8 g (xilitol) 8,04 g (solução) mxilitol

Leia mais

Qui. Allan Rodrigues Xandão (Victor Pontes)

Qui. Allan Rodrigues Xandão (Victor Pontes) Semana 16 Allan Rodrigues Xandão (Victor Pontes) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. Solubilidade

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais 3 Termologia Física II Prof. Roberto Claudino Ferreira Prof. Roberto Claudino 1 ÍNDICE 1. Conceitos Fundamentais;

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Karla Gomes Diamantina-MG

TERMOQUÍMICA. Karla Gomes Diamantina-MG TERMOQUÍMICA Karla Gomes Diamantina-MG Conceitos fundamentais Temperatura É a medida da energia cinética média ou do grau de agitação das partículas formadoras de um sistema. Quanto maior a temperatura,

Leia mais

Processo exotérmico: Ocorre com liberação de calor

Processo exotérmico: Ocorre com liberação de calor Disciplina: Química (Turmas T e R); Data: 10/10/16 Aula: Termoquímica 1: Reações exotérmicas e endotérmicas Professora Ana (anaflaviasuzana@yahoo.com.br) A Termoquímica é parte de uma ciência determinada

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

Prof. Rodrigo Bandeira. Termoquímica. Rodrigo. Química

Prof. Rodrigo Bandeira. Termoquímica. Rodrigo. Química Prof. Bandeira Termoquímica Termoquímica Chamamos de Termoquímica é a parte da Termodinâmica que estuda as quantidades de calor envolvidas durante as reações químicas e mudanças de estado físico. Conceitos

Leia mais

Determinação da Entalpia de uma Reacção

Determinação da Entalpia de uma Reacção INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático n.º 6 Determinação da Entalpia de uma Reacção

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 02 Física Geral e Experimental III 2014/1 Dilatação Térmica Volumétrica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Transformações da Matéria

Transformações da Matéria APOSTILA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA: é o estudo das energias envolvidas às transformações da matéria. Transformações da Matéria Químicas (reações químicas) Físicas (mudanças de estado físico) Conceitos

Leia mais

Química C Extensivo V. 4

Química C Extensivo V. 4 Química C Extensivo V 4 Exercícios 01) C 02) D I Errada degelo de um freezer (fusão do gelo) é um processo que absorve energia (endotérmico) II Errada A sublimação ocorre com absorção de energia (endotérmico)

Leia mais

Termodinâmica Química

Termodinâmica Química Termodinâmica Química Prof. Alex Fabiano C. Campos, Dr Naturezas de Energias Energia cinética é a energia do movimento (translacional, vibracional e rotacional). Energia potencial é a energia que um objeto

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica 1. Escolha o termo melhor associado com cada exemplo, símbolo ou relação. (A) endotérmico (1) S (B) calor de formação (2) H < 0 (C) estado padrão (3) H para

Leia mais

3. Existe uma temperatura que tem o mesmo valor na escala Celsius e na escala Fahrenheit. Qual é essa temperatura?

3. Existe uma temperatura que tem o mesmo valor na escala Celsius e na escala Fahrenheit. Qual é essa temperatura? FÍSICA CARLOS (A) 1. Maria usou um livro de receitas para fazer um bolo de fubá. Mas, ao fazer a tradução do livro do inglês para o português, a temperatura permaneceu em Fahrenheit (ºF). A receita disse

Leia mais

2.1 Breve história da termodinâmica

2.1 Breve história da termodinâmica 2.1 Breve história da termodinâmica TERMODINÂMICA calor força, movimento No início, estudava os processos que permitiam converter calor em trabalho (força e movimento). 2.1 Breve história da termodinâmica

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA

EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA EXPERIÊNCIA 2 TEMPERATURA DE FUSÃO DE UMA SUBSTÂNCIA 1. OBJETIVOS No final desta experiência espera-se que o aluno seja capaz de: Determinar pontos de fusões usando o método gráfico da curva de resfriamento.

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

Termoquímica. Capítulo 6. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.

Termoquímica. Capítulo 6. Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Termoquímica Capítulo 6 Copyright The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Energia é a capacidade de produzir trabalho. Energia radiante vem do sol e é a fonte primária

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica

CAPITULO 2 A Primeira lei da termodinâmica Neste capítulo são introduzidos alguns dos conceitos fundamentais da termodinâmica. O foco da exposição é a conservação de energia a observação experimental de que a energia não pode ser destruída nem

Leia mais

Atividade prática - Estudando a água Parte 17

Atividade prática - Estudando a água Parte 17 Atividade prática - Estudando a água Parte 17 9º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio Objetivo Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

GASES E TERMODINÂMICA

GASES E TERMODINÂMICA GASES E TERMODINÂMICA 1. Gases 1.1. Generalidades Num gás a densidade é baixa e, portanto, as moléculas estão em média muito afastadas umas das outras. As suas interações são muito fracas, porque as forças

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

1g / cm. 1g / cm. 80cal/ g

1g / cm. 1g / cm. 80cal/ g 1. (Unifesp 2015) Em um copo, de capacidade térmica 60cal / C e a 20 C, foram colocados 300mL de suco de laranja, também a 20 C, e, em seguida, dois cubos de gelo com 20 g cada um, a 0 C. Considere os

Leia mais

Energia: Capacidade de realizar trabalho.

Energia: Capacidade de realizar trabalho. Energia: Capacidade de realizar trabalho. Formas de energia: Matéria: - Cinética (movim. macroscópico, térmica, etc) - Potencial (elétrica, gravitacional, elástica, etc) Tudo que tem massa e ocupa lugar

Leia mais

TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM

TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM TAREFA DA 2ª SEMANA - 02 A 06 DE MARÇO QUÍMICA 3ª SÉRIE EM 1. (Pucrj 2008) Considere: (i) a variação de entalpia ( H) na combustão de 1 mol de etanol é o calor de reação que ocorre em pressão constante

Leia mais

Atividades experimentais Temperatura e Calor

Atividades experimentais Temperatura e Calor Atividades experimentais Temperatura e Calor Os conceitos de temperatura e calor são constantemente confundidos, contudo, apresentam grandes diferenças. A proposta abaixo consiste em um roteiro para a

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 01 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Calibração de um Termômetro 1. Calibração de um Termômetro Nesta tarefa será abordado o

Leia mais

Calor e equilíbrio térmico. Prof. Marco Simões

Calor e equilíbrio térmico. Prof. Marco Simões Calor e equilíbrio térmico Prof. Marco Simões Definição Joule é o autor da descoberta que o calor não é uma substância, mas uma forma de energia, que pode ser transferir ou converter. James Presco> Joule

Leia mais

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique.

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Banco de Questões para o 2º ano MEDF Cinética Química 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Gabarito: O caminho que sugere a presença de

Leia mais

QUÍMICA RECUPERAÇÃO PARALELA. Prof. ALEXANDRE D. MARQUIORETO

QUÍMICA RECUPERAÇÃO PARALELA. Prof. ALEXANDRE D. MARQUIORETO QUÍMICA RECUPERAÇÃO PARALELA Prof. ALEXANDRE D. MARQUIORETO SOLUÇÕES são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias. SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE Que se dissolve Que dissolverá Como se forma uma solução?

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DO ALUMÍNIO INTRODUÇÃO Equação de resfriamento de Newton Quando dois objetos, com temperaturas diferentes, são colocados em contato térmico, há transferência de calor do

Leia mais

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA

Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA Experiência 7. PREPARO DE SOLUÇÃO A PARTIR DE SUBSTÂNCIAS SÓLIDAS, LIQUIDAS E DE SOLUÇÃO CONCENTRADA 1. Objetivos Após a realização desta aula experimental, espera-se que o graduando do curso de Química

Leia mais

Classificação das Soluções Aquosas e Coeficiente de Solubilidade

Classificação das Soluções Aquosas e Coeficiente de Solubilidade Classificação das Soluções Aquosas e Coeficiente de Solubilidade 1. (UERJ) O gráfico a seguir, que mostra a variação da solubilidade do dicromato de potássio na água em função da temperatura, foi apresentado

Leia mais

Estudos de Calor Nas Reações Químicas

Estudos de Calor Nas Reações Químicas studos de Calor Nas Reações s 1. Leia as informações a seguir: Uma árvore, em um ambiente natural a 0 C, apresentando 10 5 folhas com área média de 0,5 dm por folha, está perdendo água para a atmosfera

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações nas temperaturas e,

Leia mais

AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas

AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA PRÁTICAS DE QUÍMICA GERAL QB71J ROTEIRO DE AULA PRÁTICA AULA PRÁTICA 05 Solubilidade: Misturas homogêneas e heterogêneas

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria

Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia via Ebuliometria UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 08 Determinação da Massa Molar da Ureia

Leia mais

Cap 18 (8 a edição) Temperatura, Calor e Primeira lei da termodinâmica

Cap 18 (8 a edição) Temperatura, Calor e Primeira lei da termodinâmica Termodinâmica: estuda a energia térmica. Cap 18 (8 a edição) Temperatura, Calor e Primeira lei da termodinâmica O que é temperatura: mede o grau de agitação das moléculas. Um pedaço de metal a 10 o C e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Termodinâmica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127. Termodinâmica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE QUÍMICA IQG127 Termodinâmica Prof. Antonio Guerra Departamento de Química Geral e Inorgânica - DQI Energia e Trabalho Energia A capacidade de realizar

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre Quando um corpo recebe calor, dois efeitos distintos podem ocorrer: se receber calor sensível, sua temperatura aumenta e o corpo não sofre mudança de fase; se receber calor

Leia mais

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C.

TERMOQUÍMICA Folha 3.2 Prof.: João Roberto Mazzei 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. 01- (ufrs-2004) Considere as seguintes reações, na temperatura de 25 C. H (g) + 1/2 O (g) ë H O(Ø) (ÐH) H (g) + 1/2 O (g) ë H O(s) (ÐH) A diferença entre os efeitos térmicos, (ÐH) - (ÐH), é igual a) a

Leia mais