INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR"

Transcrição

1 INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. Lúcia Helena de Magalhães 1 Márcio Aarestrup Arbex 2 Teresinha Moreira de Magalhães 3 Resumo Este artigo tem como objetivo fundamentar a Web Semântica, um novo conceito que surge como uma possível solução para a estruturação semântica dos dados na web, viabilizando o processamento da informação por parte das máquinas, possibilitando assim, a geração de serviços on-line mais eficientes em que a semântica do conteúdo é levada em consideração. É uma linguagem compreensível por qualquer computador, o que facilita o processo de busca de informações relevantes pelas ferramentas de busca. Palavras Chaves: Web Semântica, Informação, linguagem, XML, Ontologia, RDF e ferramentas de busca 1 Lúcia Helena de Magalhães, Pós Graduada em Desenvolvimento de Aplicações para Web pelo Centro de Ensino Superior, Pós Graduada em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras e Mestranda em Sistemas Computacionais Computação de Auto-Desempenho pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora de Computação na Universidade Presidente Antonio Carlos e Professora no Curso de Desenvolvimento Web das Faculdades Integradas do Instituto Vianna Júnior. 2 Márcio Aarestrup Arbex, Pós Graduado Ciência da Computação pela Universidade Federal de Viçosa. Professor de Computação na Universidade Presidente Antonio Carlos e Professor de Sistema de Informação e Redes de Computadores na Faculdade Doctum. Administrador de Sistemas da Embratel. 3 Teresinha Moreira de Magalhães, Pós Graduada em Redes de Computadores pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora, Pós Graduada em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras e doutoranda em Sistemas Computacionais Computação de Auto-Desempenho pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora no Curso de Desenvolvimento Web das Faculdades Integradas do Instituto Vianna Júnior.

2 WEB SEMÂNTICA: A nova internet que fará com que os computadores entendam a lógica humana. A Web é a maior fonte de disseminação de informações com uma enorme quantidade de documentos que são utilizados por milhões de usuários. Hoje em dia, o auxílio prestado por programas e máquinas no uso da Web já é considerável. Esta afirmação não leva em consideração as funcionalidades que provêem a infra-estrutura básica necessária para o funcionamento da Web, como o correto funcionamento de redes de comunicação, servidores Web e outros serviços, além do browser e infra-estrutura de conectividade local do usuário. Fora tudo isso, ainda sobram funcionalidades como as fornecidas pelas ferramentas de busca. Apesar de não fazerem parte da infra-estrutura essencial da Web, é fácil reconhecer o enorme benefício que elas proporcionam, e fica difícil imaginar esse mundo virtual sem a presença delas. Entretanto, a ajuda mecânica que recebemos hoje é ínfima com relação à potencialidade dessa área. Computadores e programas poderiam auxiliar pessoas de forma mais efetiva, e até mesmo automatizar a realização de algumas tarefas. No entanto, limitações no modelo atual da Web inviabilizam uma contribuição mais expressiva por parte de processos mecânicos, para estas finalidades. O crescimento contínuo e acelerado de um grande volume de informações desorganizadas torna gradualmente mais difícil as tarefas requeridas pelos usuários de busca e recuperação da informação. Assim, a Web Semântica surge como uma possível solução para a estruturação semântica dos dados na web, viabilizando o processamento da informação por parte das máquinas, possibilitando assim, a geração de serviços on-line mais eficientes em que a semântica do conteúdo é levada em consideração. A Web que conhecemos hoje foi criada para ser entendida apenas por pessoas. A semântica amplia imensamente esse público. Ela terá uma linguagem que também poderá ser compreendida por qualquer computador. (INFO, 2000, p.64)

3 Se analisarmos a manipulação da informação desde a comunicação entre as pessoas em linguagem natural, em que a semântica é informal e implícita, passando pela sua explicitação na descrição informal de conceitos, e evoluindo para uma captação mais estrita e menos ambígua nos modelos de dados partilhados entre uma aplicação e o seu servidor, observamos parte de um contínuo semântico (Uschold 2000) que até este ponto pode já ter semântica expressa formalmente, mas a que falta ainda a possibilidade de a processar automaticamente nas aplicações. Este último nível é o que deve ser oferecido no ambiente da Web Semântica. A Web Semântica pode ser vista como o alargamento para a Web dos esforços desenvolvidos na Ciência da Computação, no sentido de representar conhecimento de uma forma adequada à automatização do raciocínio (Brachman et al. 1985, Sowa 2000). O objetivo da Web Semântica, segundo Berners-Lee é estruturar o conteúdo que está solto pela internet. Isso criará um ambiente no qual agentes 4 poderão perambular de página em página para executar tarefas bastante sofisticadas para seus usuários. Para que os computadores entendam o conteúdo da web (Berners-Lee INFO,2002) é necessário que eles consigam ler dados estruturados e tenham acesso a conjunto de regras que os ajudem a conduzir seus raciocínios. As páginas web terão de ser escritas em uma nova linguagem e, mais que isso, ser compreendida por diferentes sistemas. Introduzir semântica à web não é mais difícil. Isso já vem sendo feito há anos. O problema é criar padrões que sejam usados globalmente. Demonstraremos as tecnologias que mais podem auxiliar na criação destes padrões tais como as ontologias e a linguagem RDF (Resource Description Framework), que tendem a ser um padrão no campo da busca semântica. 4 Programas que varrem a web para buscar determinada informação (INFO, 2002)

4 Ferramentas para definição semântica Um fator limitante a Web semântica é a ausência quase completa de metadados acompanhando as informações disponíveis na Web. O caso mais grave é o das páginas HTML, que não trazem um modelo forte para o uso de metadados. O que existe são apenas inclusão de tags 5 META nos documentos. Estas podem ser usadas para incluir informações como assunto, autor, palavras-chave, entre outras, que podem ser utilizadas por ferramentas de busca, como dados para o algoritmo de indexação. Fora esse uso, a utilidade dessas informações é restrita. As tags META contemplam somente o nível do documento como um todo, e têm expressividade restrita a um conjunto fechado de conceitos. Assim tecnologias mais eficazes para representação do conhecimento serão necessárias, as quais serão citadas. XML extensible Markup Language O XML trouxe uma evolução para a web semântica, uma vez que, neste formato, cada unidade de informação é acompanhada de uma tag que a qualifica. Como as tags podem ser livremente criadas, estas tendem a ter nomes bastante representativos da informação que acompanham. Representativo, neste contexto, diz respeito somente à facilidade de inferência do significado por um ser humano. O XML permite que os usuários criem tags personalizadas nos dados inserido nos arquivos, algo que não dá para se fazer no HTML. Foi o próprio W3C quem desenvolveu o XML, com a missão de torná-lo um formato universal para a web. (INFO, 2002, p.65) Porém, para processos mecânicos, como ferramentas de busca, estas informações não são mais representativas do que palavras soltas dentro do texto. Nomes de tags não podem ser associados a conceitos por um processo mecânico, devido ao problema de 5 Marcação de dados inseridas em arquivos contidas entre pares de sinais menor que (<) e maior que (>). Em XML, o usuário pode personalizá-la.

5 diferenças de vocabulário. Na modelagem de arquivos XML, autores diferentes podem usar nomes de tags diferentes para unidades de informação correspondentes ao mesmo conceito. Haroldo (2004) define XML como sendo um conjunto de regras para definir marcas semânticas que quebram um documento em partes e identificam essas diferentes partes. Desta forma, a evolução trazida por XML é limitada, fato que é muitas vezes não compreendido, o que faz com que XML seja considerado erroneamente por muitos uma solução definitiva para todos os problemas de interoperabilidade semântica. As aplicações atuais já fazem uso das anotações presentes nos documentos e que pretendem explicitar a sua estrutura e o significado das suas componentes. Este uso assume, no entanto, o conhecimento da semântica dessas anotações, que pode ser inconsistente entre o criador dos dados e a aplicação que os usa. A anotação em XML permite assim que cada utilizador estruture livremente os seus documentos, mas não estabelece nada quanto ao significado dessa estrutura. Ainda assim, a linguagem XML é um componente central da Web Semântica, pois permite descrever semanticamente os dados e, a partir de categorias que o próprio usuário pode definir. Uma vez que o dado é encontrado, ele pode ser distribuído pela rede e apresentado em um browser, de várias formas possíveis, ou então pode ser transferido para outras aplicações para processamento futuro e visualização. O XML acaba por fornecer um padrão para codificação do conteúdo e semântica para uma grande variedade de casos, variando de aplicações simples (como um registro estruturado ou um breve documento) a complexas (objetos, com seus atributos e métodos, conteúdo de site na Web, descrição de interfaces gráficas com o usuário, links entre informações e pessoas na Web). As páginas construídas usando a filosofia da Web Semântica passam a fazer parte de um meio universal para a troca de informação. Dizemos que se trata de um meio universal porque estas páginas podem ser lidas por humanos ou por máquinas. O nível seguinte nas tecnologias para a Web Semântica é o RDF ou Resource Description Framework [W3C 2003], que é uma linguagem para fazer em XML afirmações acerca de recursos, recomendada pelo W3C que deve vir a ser implementada na confecção de páginas da Web Semântica.

6 RDF Resource Description Framework O RDF define o conteúdo de páginas web escritas em XML. Ele forma trios de informação que expressam o significado das tags XML. Cada unidade do trio tem sua própria função, como o sujeito, verbo e objeto de uma frase. (INFO, 2002, p.65) O RDF, ou Resource Definition Framework, é um modelo para descrição de metadados de paginas da Web que permite escrever afirmações que captam o significado dos dados numa aplicação. Se cada aplicação pode criar os seus próprios conceitos, e pretendemos que outras possam manipulá-los de uma forma sensível ao significado, então é preciso que o significado desses conceitos seja exposto de uma forma que se possa manipular automaticamente. Na Web Semântico esse é o papel das ontologias, conceito que será visto com mais detalhes a seguir. OWL Resource Description Framework A OWL adiciona mais vocabulários para descrever classes e propriedades: entre outros, relacionamentos entre classes, cardinalidade, igualdade, uma maior variedade de tipos de propriedades, características de propriedades e classes numeradas. A OWL é uma linguagem para definição e instanciação de ontologias Web. Uma ontologia OWL pode formalizar um domínio, definindo classes e propriedades destas classes, definir indivíduos e afirmações sobre eles e, usando-se a semântica formal OWL, especificar como derivar conseqüências lógicas, isto é, fatos que não estão presentes na ontologia, mas são vinculados pela semântica. Segundo Harmelen e McGuinness, a OWL possui três sub-linguagens incrementais projetadas para serem usadas por diferentes comunidades de programadores e usuários: OWL Lite: é uma sub-linguagen da OWL DL que usa somente algumas características da linguagem OWL e possui mais limitações do que OWL DL ou OWL Full.

7 OWL DL: é usada por usuários que queiram o máximo de expressividade, com completude (todas as conclusões são garantidas serem computáveis) e decidibilidade (todas as computações terminarão em um tempo finito) computacional. Ela inclui todas as construções da linguagem OWL, mas estas construções somente podem ser usadas sob certas restrições. A sigla DL possui correspondência com a lógica descritiva (description logics), uma área de pesquisa que estuda um fragmento particular da lógica de primeira ordem. OWL Full: é usada por usuários que queiram o máximo de expressividade e independência sintática de RDF, sem nenhuma garantia computacional. A OWL Full e a OWL DL suportam o mesmo conjunto de construções da linguagem OWL, embora com restrições um pouco diferentes. Enquanto a OWL DL impõe restrições sobre o uso de RDF e requer disjunção de classes, propriedades, indivíduos e valores de dados. A OWL Full permite misturar OWL com RDF e não requer a disjunção de classes, propriedades, indivíduos e valores de dados. Ontologia A falta de soluções capazes de captar a semântica das páginas da Web criou uma demanda de serviços que se ajusta à aplicação de ontologias. Este tecnologia desponta como uma forma viável de estruturar informações esparsas, disponíveis na rede e deve possuir um significado e abrangência muito mais profundos do que as simples hierarquias de conceitos e palavras-chaves empregadas por muitos engenhos de busca. A palavra ontologia deriva do grego onto (ser) e logia (discurso escrito ou falado). Na filosofia, a ontologia é uma teoria sobre a natureza da existência, de que tipos de coisas existem; a ontologia como disciplina filosófica estuda tais teorias. Uma ontologia é uma especificação de uma conceituação. É designada com o propósito de habilitar o compartilhamento e reuso de conhecimentos, de forma a criar compromissos ontológicos, ou definições necessárias à criação de um vocabulário comum. As ontologias se apresentam como um modelo de relacionamento de entidades e suas interações, em algum domínio particular do conhecimento ou específico a alguma atividade. O objetivo de sua construção é a necessidade de um vocabulário compartilhado

8 para se trocarem informações entre os membros de uma comunidade, sejam eles humanos ou agentes inteligentes. As ontologias vão fornecer o vocabulário para a comunicação entre os agentes e as páginas e mostrar as relações entre os conceitos. (INFO, 2002) Apesar da palavra ontologia denotar uma teoria sobre a natureza do ser ou existência, em Inteligência Artificial ela pode ser interpretada como o conjunto de entidades com suas relações, restrições, axiomas e vocabulário. Uma ontologia define um domínio, ou, mais formalmente, especifica uma conceitualização acerca dele (Gruber 95). Pelo fato de, idealmente, não refletirem nenhum formalismo específico, e de representarem com freqüência um vocabulário comum entre usuários e sistemas (Clark 99), pode-se considerar as ontologias como a materialização do nível de conhecimento. Podemos, também, definir o termo ontologia a partir dos requisitos para possibilitar sua aplicação em informática: Uma ontologia é uma especificação explícita e formal 6 de uma conceitualização 7 compartilhada. (STUDER et al 98). De fato, ontologias pré-construídas sobre domínios restritos têm sido bastante reutilizadas e podem vir a representar um papel fundamental como fornecedoras de conhecimento para a inferência dinâmica realizada por agentes de softwares inteligentes 8. Ontologias estão sendo aplicadas com sucesso em áreas em que a necessidade de uso de contexto, e em especial de comunicação contextualizada, se fazem sentir. Com efeito, agentes baseados em ontologias vêm sendo testados em diversos campos, como comércio eletrônico, gestão de conhecimento e tratamento inteligente de informação. Esta orientação ontológica trouxe muitos benefícios, alguns dos quais não previstos, e que só vieram frutificar a época de sua implementação, tais como a oportunidade para os desenvolvedores de reusar ontologias e bases de conhecimento, mesmo com adaptações e extensões, o impacto sobre o desenvolvimento de sistemas baseados em conhecimento é substancial e a construção de bases de conhecimento redunda 6 Por especificação explícita, podemos entender as definições de conceitos, instâncias, relações, restrições e axiomas e por especificação formal, que é declarativamente definida, portanto, compreensível para agentes e sistemas. 7 Conceitualização refere-se a um modelo abstrato de uma área de conhecimento ou de um universo limitado de discurso. 8 Programas que recolhem conteúdos de diversas origens, processam informações e trocam resultados com outros programas. Um agente deve ser capaz de compreender os dados enviados por outros agentes.

9 na tarefa mais cara e demorada de um projeto de sistemas especialistas e/ou agentes. Às ontologias, permite-se ainda aos usuários efetuarem consultas, comparações, integração e checagens de consistência. Diversos padrões e linguagens para construção e compartilhamento de ontologias na Web estão sendo criados, todos baseados no XML, com algumas diferenças de sintaxe de marcação (tags). Alguns exemplos são mostrados só a nível de conhecimento, pois não serão explicadas com detalhes: Simple HTML Ontology Exensions (SHOE) A SHOE é inserida em arquivos HTML através de acréscimo de tags, a mesma inclui um mecanismo de definição de ontologias, instâncias de dados e classificação hierárquica de documentos HTML. Embora seja uma linguagem ontológica voltada para web, a SHOE não está envolvida diretamente com o desenvolvimento de Web Semântica. Ontology Inference Layer (OIL) A OIL tende a ser altamente intuitiva para a compreensão por seres humanos e ao mesmo tempo apresentar suporte para a dedução automática. DARPA Agent Markup Language (DAML) Tem como objetivo a construção de uma linguagem que dê suporte ao desenvolvimento de sistemas complexos de representação do conhecimento. Web Ontology Language (OWL) Tem como objetivo proporcionar uma linguagem que possa ser usada para descrever as classes e relações entre elas, inerentes a aplicações e documentos da web. Ainda se encontra em desenvolvimento.

10 Portanto, com o advento da tecnologia de busca semântica espera-se que o computador se torne mais eficiente na execução de suas tarefas, abrindo cada vez mais o seu leque de aplicações e facilitando cada vez mais a vida dos usuários. As máquinas terão poder não só de processar, mas também de entender e manipular os dados que exibem. A busca semântica se propõe a resolver os problemas de tratamento, armazenamento e recuperação da informação, permitindo às máquinas ter acesso a dados estruturados com significado bem definido e a um conjunto de regras de inferência que serão utilizadas para o raciocínio automatizado, melhorando a precisão na recuperação dos dados, isto é, a habilidade do sistema para rejeitar materiais irrelevantes. (Girardi, 1995). Por conseguinte, espera-se que estudos e projetos mais aprofundados na área sejam realizados para que as máquinas possam realmente entender a lógica humana. Porém, no Brasil, parece que os projetos ainda estão bastante tímidos e muitos ainda buscam posições de destaques dos documentos indexados nos mecanismos de busca, sem a devida preocupação com a qualidade da informação. Esse estado revela a necessidade de melhorias no tratamento da informação no cenário brasileiro de indexação eletrônica. Inúmeras implementações foram detectadas na bibliografia de projetos disponíveis via rede, com relação à indexação por hankiamento, através de algoritmos de balanceamento de pesos e de estatística. Porém precisa ser trabalhada a visão semântica e ontológica se o objetivo for o de otimizar e agregar qualidade à indexação eletrônica, almejando a relevância dos resultados nas buscas via Internet, evitando a recuperação de informações não relevantes, ou seja, do lixo informacional.

11 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERNERS LEE, T., HENDLER, J., LASSILA, O. The Semantic Web. Scientifc American, May, BRACHMAN, R.; ANAND, T. The Process of Knowledge Discovery in Databases: A Human- Centered Approach. In: Advances in Knowledge Discovery and Data Mining. AAAI Press, 1996, p FORTES, D. A nova internet. Revista INFO. Abril/2002 GRUBER, T.R. A Translation Approach to Portable Ontologies.Knowledge Acquisition, v.5, n.2, p ,1995. HARMELEN, F. V; MCGUINNESS, D. L. OWL Web Ontology Language Overview. Fevereiro Acesso em: 13 março INFO EXAME, Revista de Informática. Web Semântica: A última invenção de Tim Berners-Lee. São Paulo, abril/2002, p.64. KOSALA, R.; BLOCKEEL H. Web Mining Research: A survey. In: SIGKDD Explorations, vol. 2-1, June 2000, pp REZENDE, S. Sistemas Inteligentes: fundamentos e aplicações. São Paulo: Manole, p. SMITH, M. K.; WELTY, C.; McGUINNESS, D., OWL Web Ontology Language Guide. W3C, Disponível em: Acesso em: 13 março SOWA J. F., Ontology, metadata and semiotics, Conceptual Structures: Logical, Linguistic, and Computational Issues, Lecture Notes in AI, Springer-Verlag, Berlin., 2000, p STUDER, R., BENJAMINS, R., FENSEL, D. Knowledge Engineering and Methods Data and knowledge Engineering, P W3C (WORLD WIDE WEB CONSORTIUM). Disponível em: <http://www.w3.org/ Acesso em: 05 dezembro 2007.

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO

JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO WEB SEMÂNTICO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO JONATHAN SCHNEIDER DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES E CONSUMIDORES DE CONTEÚDO

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Web Semântica para Máquinas de Busca

Web Semântica para Máquinas de Busca Web Semântica para Máquinas de Busca Eli Nogueira Milagres Júnior, Elio Lovisi Filho (orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação e Comunicação Social (FACICS)

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias

Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias Utilização de Recursos da Web Semântica na Construção de um Ambiente Web para Publicação Científica Indexada e Recuperada por Ontologias GARCIA, Léo Manoel Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso

Web Semântica. Web Semântica. uma introdução @yaso Web Semântica uma introdução @yaso O que é SEMÂNTICA Semântica é o estudo do signifcado. Incide sobre a relação entre signifcantes, tais como palavras, frases, sinais e símbolos, e o que eles representam,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS

Cadernos UniFOA. Web Semântica: Uma Rede de Conceitos. Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS 23 Web Semântica: Uma Rede de Conceitos Semantic Web: A Network of ConceptsONCEPTS Professor Especialista José Maurício dos Santos Pinheiro Artigo Original Original Paper Palavras-chaves: Internet Semântica

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.3 Web Ontology Language (OWL) Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados

Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro de Banco de Dados U NIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2 0 1 2. 2 Criação e publicação de um dataset de dados interligados das edições passadas do Simpósio Brasileiro

Leia mais

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Internet Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Histórico da Web World Wide Web o nosso www é o meio de comunicação mais utilizado no mundo atualmente. Através da WWW qualquer usuário conectado

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Serviços Web Semânticos

Serviços Web Semânticos Serviços Web Semânticos Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O grande crescimento na utilização de Serviços Web torna imprescindível o desenvolvimento de uma forma de melhoria

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Agregadores de Conteúdo

Agregadores de Conteúdo Agregadores de Conteúdo São programas ou sites capazes de interpretar e mostrar o conteúdo dos Feeds RSS. Essa é uma forma de facilitar a leitura de vários sites e blogs, acessando o que há de novo em

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

Web Atual. O que é? WEB SEMÂNTICA. Web hoje é... O que é a web. Web Atual é Sintática!!! Web hoje é...sintática

Web Atual. O que é? WEB SEMÂNTICA. Web hoje é... O que é a web. Web Atual é Sintática!!! Web hoje é...sintática WEB SEMÂNTICA Prof. Dr. Fernando Gauthier INE/UFSC Web Atual O que é? Web hoje é... O que é a web Uma biblioteca digital hipermídia Uma biblioteca de documentos (páginas web) interconectados por hiperlinks

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC Web Semântica e PLN Paulo Gomes DEI FCTUC 1 Sumário Motivação da Web Semântica Conceitos base da WS WS vs. PLN Sinergias entre WS e PLN Conclusão 2 Motivação Limitações da Web actualmente: Overflow de

Leia mais

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista

NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista NAVEGAÇÃO SEMÂNTICA SOBRE UMA BASE DE METADADOS RDF IMPLEMENTADA NO PROJECTO OMNIPAPER* Teresa Susana Mendes Pereira, Ana Alice Baptista Universidade do Minho Campus de Azurém, 4800-058, Guimarães, Portugal

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS

FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS FERRAMENTA PARA CRIAÇÃO DE BASES DE CONHECIMENTO NA FORMA DE ONTOLOGIA OWL A PARTIR DE DADOS NÃO ESTRUTURADOS Aluno: Allan Renato Sabino Orientador: Roberto Heinzle Roteiro Introdução; Objetivos; Fundamentação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

HTML. Leandro Sorgetz, Roberto Pretto

HTML. Leandro Sorgetz, Roberto Pretto HTML Leandro Sorgetz, Roberto Pretto Faculdades de Informática de Taquara Curso de Sistemas de Informação Fundação Educacional Encosta Inferior do Nordeste Av. Oscar Martins Rangel, 4500 Taquara RS Brasil

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil

Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Integração da Informação e do Conhecimento no Contexto da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil Ivan Guilherme 1, Jonas Queiroz 1, Caio Marques 2 1 Universidade Estadual Paulista, IGCE, DEMAC, Caixa

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica

Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Aplicações de Ontologias na Recuperação de Informações Jurídicas na Web Semântica Marcus de Melo Braga 1 2, Hélio Santiago Ramos Júnior 1, Tatianna de Faria Coelho 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica

3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica 3 Modelo de Controle de Acesso no Projeto de Aplicações na Web Semântica Este trabalho tem o objetivo de integrar o controle de acesso no projeto de aplicações na web semântica. Uma arquitetura de software

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

O padrão RDF na descrição de imagens

O padrão RDF na descrição de imagens O padrão RDF na descrição de imagens Edeilson Milhomem da Silva 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970

Leia mais

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade

OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade OWL e Protégé-2000 na definição de uma ontologia para o domínio Universidade Pollyane de Almeida Lustosa 1, Fabiano Fagundes 2, Parcilene F. de Brito 2 1 Acadêmica do curso de Bacharel em Sistemas de Informação

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas

Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas Utilizando Ontologias para Expansão Semântica de Consultas Danusa Ribeiro B. da Cunha Universidade Federal do Ceará (UFC) danusarbc@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Universidade Federal do Ceará (UFC)

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg.

Uma Visão da Web Semântica. Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho. Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás www.inf.ufg. Uma Visão da Web Semântica Júnio César de Lima Cedric Luiz de Carvalho Technical Report - RT-INF_001-04 - Relatório Técnico March - 2004 - Março The contents of this document are the sole responsibility

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 14/2012 MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO ARQUIVO EM FORMATO XML PARA IMPORTAÇÃO DOS DADOS DO REGISTRO MENSAL DE ATENDIMENTOS DOS CRAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE

Leia mais

Aplicação para a recuperação de vídeos indexados por conceitos. Proposta de Dissertação

Aplicação para a recuperação de vídeos indexados por conceitos. Proposta de Dissertação IME - USP Mestrado em Ciência da Computação Aplicação para a recuperação de vídeos indexados por conceitos Proposta de Dissertação Christian Danniel Paz Trillo cpaz@ime.usp.br Orientadora: Dra. Renata

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

ARQUITETURA DE SOFTWARE

ARQUITETURA DE SOFTWARE ARQUITETURA DE SOFTWARE Em seu livro, que constitui um referencial sobre o assunto, Shaw e Garlan discutem arquitetura de software da seguinte maneira: Desde quando o primeiro programa foi dividido em

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais

Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Uma Arquitetura para o Compartilhamento do Conhecimento em Bibliotecas Digitais Nikolai Dimitrii Albuquerque (Grupo Stela - UFSC) nikolai@stela.ufsc.br Vinícius Medina Kern (Grupo Stela - UFSC) kern@stela.ufsc.br

Leia mais

Aplicações da Web Semântica nas Redes Sociais

Aplicações da Web Semântica nas Redes Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Aplicações da Web Semântica nas Redes Sociais Por André Desessards jardim Trabalho Individual TI 2008-2-01 Orientador:

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web

Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Análise da Nova Linguagem HTML5 para o Desenvolvimento Web Sergio N. Ikeno¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sergioikn@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo.

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB Engenharia da WEB Fernando Schütz Especialização 2010 UTFPR Vida moderna Sistemas WEB Início Arquivos hipertexto Hoje Bancos! Powell Sistemas WEB envolvem uma mistura de publicação impressa e desenvolvimento

Leia mais