ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo"

Transcrição

1 ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO R. B. Hilario 1*, K. M. Bezerra¹, A. S. Liu 1, L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo * ¹Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) 2 IP&D Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, São Paulo Resumo O Polipirrol (PPy) é um polímero condutor que têm sido investigado para inúmeras aplicações tecnológicas, destacando-se a proteção contra a corrosão. Nessa perspectiva, a presente pesquisa retrata a eletrodeposição por cronoamperometria de filmes de PPy em meio orgânico contendo ácido fosfórico sobre a liga de alumínio Investigou-se a performance do PPy/H 3 PO 4 na proteção do metal variando-se o potencial aplicado durante a deposição eletroquímica. Os resultados de Polarização Potenciodinâmica indicaram significativa proteção do alumínio contra a corrosão quando revestido por filmes de PPy. Além disso, a Morfologia dos filmes analisados por MEV mostraram a formação de filmes muito homogêneos e compactos, que justificam a boa performance contra corrosão. Palavras-chave: Corrosão, Alumínio, Polipirrol, Ácido Fosfórico. 5723

2 INTRODUÇÃO O alumínio é um dos mais versáteis metais utilizados na indústria, devido as suas excelentes propriedades físico-químicas como a baixa massa específica, elevada resistência a corrosão e alta condutibilidade elétrica (1). Entretanto, o alumínio puro apresenta baixa resistência mecânica que leva o setor industrial a adicionar e- lementos de liga que, embora aumente a resistência mecânica do metal, torna as ligas de alumínio mais suscetíveis à corrosão localizada (2). No setor aeronáutico as ligas de alumínio são protegidas com revestimentos a base de cromo hexavalente, que embora apresente elevado caráter protetor, são compostos cancerígenos e mutagênicos. Nesse contexto, emerge a necessidade da busca por métodos alternativos capazes de substituir o cromo VI na proteção de a- lumínio contra a corrosão. Dentre as alternativas, os polímeros condutores, como o PPy (3-6) apresenta grande eficiência na proteção de metais oxidáveis contra a corrosão. A performance destes revestimentos para atuar na proteção de substratos oxidáveis depende das condições de síntese, tais como a natureza do eletrólito, a temperatura, potencial aplicado, ph, dentre outros (7). O objetivo deste trabalho é analisar a deposição eletroquímica dos filmes de PPy em superfícies de alumínio 2024 em meio orgânico contendo ácido fosfórico como eletrólito. Posteriormente, foi avaliada a eficiência dos filmes de PPy/H 3 PO 4 na proteção das superfícies metálicas contra corrosão, através da técnica de polarização potenciodinâmica. MATERIAIS E METODOS A Tabela 1 apresenta os reagentes utilizados no desenvolvimento do trabalho experimental. Tab. 1: Reagentes utilizados no desenvolvimento da pesquisa. Reagentes Massa Molar (g.mol -1 ) Marca Acetonitrila (C 2 H 3 N) 41,05 Synth Ácido Fosfórico (H 3 PO 4 ) 97,97 Synth Pirrol (C 4 H 5 N) 67,0 Aldrich Cloreto de Sódio (NaCl) 58,44 Merck 5724

3 Antes da realização de cada experimento, as superfícies de alumínio 2024 foram polidas com lixas de granulometria 200, 600, 1200 e 2000 e, posteriormente, polidas com feltro contendo alumina e enxaguadas com água destilada. Os ensaios eletroquímicos foram realizados em uma célula eletroquímica constituída por três eletrodos: (1) eletrodo de trabalho (alumínio 2024); (2) eletrodo auxiliar (fio de platina) e (3) eletrodo de referência (Ag/AgCl,Cl - saturado). Eletrodeposição dos filmes de PPy Os filmes de PPy foram eletrodepositados utilizando-se meio orgânico, dissolvendo-se 0,5 mol.l -1 de Pirrol e 0,5 mol.l -1 de ácido fosfórico em 50,0 ml de acetonitrila. A eletrodeposição dos filmes de PPy foi realizada utilizando um Potenciostato/Galvanostato modelo MQPG-01 Microquímica, conectado e controlado por um microcomputador. A eletrodeposição dos filmes foi realizada pelo método de potencial controlado, aplicando-se 2,2 e 2,4V durante 30 minutos. Curvas de Polarização Potenciodinâmica A eficiência dos filmes na proteção do alumínio contra a corrosão foi investigada por ensaios de polarização potenciodinâmica utilizando-se solução aquosa de NaCl 0,1 mol.l -1, variando-se o potencial de -1,5V a +1,5V a uma velocidade de varredura igual a 5 mv.s -1. A partir das polarizações potenciodinâmicas, foram obtidas curvas de Tafel para as superfícies de alumínio apenas polida e recobertas com filmes de PPy. RESULTADOS E DISCUSSÕES Os filmes de PPy foram depositados ponteciostaticamente sobre a liga de alumínio A Figura 1 apresenta as curvas de corrente versus tempo para a eletrodeposição dos filmes de PPy em meio de acetonitrila, contendo 0,5 mol.l -1 de ácido fosfórico e 0,5 mol.l -1 de pirrol. 5725

4 j / ma cm -2 21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 1,3 1,2 (2) 1,1 1,0 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 (1) 0, t / s Fig. 1: Curvas de corrente versus tempo para a eletrodeposição de filmes de PPy em solução de 0,5 mol.l -1 de ácido fosfórico e 0,5 mol.l -1 de pirrol, aplicando-se (1) 2,2V e (2) 2,4V. Mediante análise das Curvas de corrente versus tempo para a eletrodeposição dos filmes de PPy/H 3 PO 4 aplicando-se 2,2 e 2,4V, observa-se que a densidade de corrente aumenta à medida em que se aumenta o potencial aplicado. Na aplicação de potenciais abaixo de 2,2V, percebe-se que não ocorre recobrimento completo do eletrodo de alumínio pelo filme polimérico. Para avaliar a eficiência dos filmes de PPy na proteção da liga de alumínio 2024 contra corrosão foram realizados ensaios de polarização potenciodinâmica utilizando-se meio aquoso contendo NaCl 0,1 mol.l -1. A Figura 2 apresenta as curvas de Tafel obtidas a partir dos ensaios de polarização para as superfícies de alumínio apenas polida e recoberta com filmes de PPy depositados mediante aplicação de 2,2 e 2,4V. 5726

5 E vs. Ag/AgCl, Cl - / V 21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 1,5 1,0 0,5 0,0-0,5-1,0 (2) (3) (1) -1, log j / ma cm -2 Fig. 2: Curvas de Tafel obtidas em meio aquoso de NaCl para superfícies de alumínio: (1) Apenas polida; Recoberta com filmes de PPy/H 3 PO 4 eletrodepositados aplicando-se: (2) 2,4V e (3) 2,2V. v = 5 mv.s -1. A Figura 2 indica um deslocamento do potencial de corrosão para a direção positiva, quando a liga de alumínio está recoberta com filmes de PPy. A Tabela 2 apresenta os parâmetros eletroquímicos associados ao processo corrosivo. Tab. 2. Parâmetros eletroquímicos obtidos das curvas de Tafel. Superfícies de Alumíno a E corr vs. Ag/AgCl / V b j corr / ma cm -2 Apenas Polida -0,74 0,980 Revestidas com filmes de PPy 2,2V -0,54 0,032 Revestidas com filmes de PPy 2,4V -0,65 0,030 a Potencial de Corrosão; b Densidade de Corrente de Corrosão. Os resultados das curvas de Tafel indicam que a densidade de corrente de corrosão, associada com a velocidade de corrosão do metal, é menor quando a superfície de alumínio estão recobertas com filmes de PPy/H 3 PO 4 aplicando-se um potencial de +2,4V. A morfologia dos filmes de PPy eletrodepositado sobre a superfície de alumínio 5727

6 aplicando-se 2,4V foi analisada por Microscopia Eletrônica de Varredura (Figura 3). Fig. 3: Micrografia (MEV) da superfície de alumínio recoberta com PPy eletrodepositado em 0,2 mol.l -1 de ácido fosfórico em meio de acetonitrila. A micrografia indica a formação de um filme compacto e homogêneo que apresenta poucos poros ou defeitos que inibem a difusão de íons Cl -, podendo justiticar a excelente performance do polímero na proteção do alumínio 2024 contra a corrosão. Vale ressaltar que após o ensaio de corrosão em presença de Cl -, os eletrodos de alumínio recobertos com os filmes de Ppy/H 3 PO 4 não apresentaram pites em suas superficies, ao passo que a liga de aluminio sem recobrimento foi susceptivel a corrosão por pitting quando exposta ao meio agressivo contendo Cl -. CONCLUSÕES Filmes de PPy homogêneos e aderentes foram depositados sobre as superfícies de alumínio por cronoamperometria, aplicando-se potenciais de +2,2V e +2,4V. 5728

7 Pode ser inferido através dos ensaios de polarização potenciodinâmica que os filmes poliméricos foram capazes de proteger a liga de alumínio 2024 contra corrosão. A- lém disso, conclui-se que o filme depositado a +2,4V apresentou a melhor condição de proteção do alumínio. A micrografia (MEV) do filme depositado a +2,4V mostrou um filme compacto e homogêneo, fator fundamental na proteção contra corrosão por impedir a penetração de espécies corrosivas, que desencadeiam a corrosão por pitting de superfícies de alumínio. REFERÊNCIAS [1] Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). Disponível em: Acesso em: 18/08/2014. [2] Gupta, G.; Birbilis, N.; Khanna, A. S. An epoxy based lignosulphonate doped polyaniline poly(acrylamide co-acrylic acid) coating for corrosion protection of aluminium alloy 2024-T3. International Journal of Electrochemical Science, v. 8, p , [3] Kamaraj, K.; Karpakam, V.; Azim, S. S.; Sathiyanarayanan, S. Electropolymerised polyaniline films as effective replacement of carcinogenic chromate treatments for corrosion protection of aluminium alloys. Synthetic Metals, v. 162, p , [4] Sathiyanarayanan, S.; Azim, S. S.; Venkatachari G. Performance studies of phosphate-doped polyaniline containing paint coating for corrosion protection of aluminium alloy. Journal of Applied Polymer Science, v. 107, p , [5] Shah, K. G.; Akundy, G. S.; Iroh. J. O. Polyaniline coated on aluminum (Al T3): characterization and electrochemical studies. Journal of Applied Polymer Science, v. 85, p , [6]. Vilca, D. H.; Moraes, S. R.; Motheo, A. J. Electrosynthesized polyaniline for the corrosion protection of aluminum alloy 2024-T3. Journal of the Brazilian Chemical Society, v. 14, p ,

8 [7] ] REUT, J.; OPIK, A.; IDLA, K. Corrosion behavior of polypyrrole coated mild steel. Synthetic Metals, v. 102, p. 1, ELECTRODEPOSITION OF POLYPYRROLE FILMS IN ORGANIC MEDIUM AND PHOSPHORIC ACID Abstract In this work PPy films were electrodeposited on 2024 aluminum alloy in acetonitrile medium containing phosphoric acid. The polymeric films deposited by controlled potential have presented excellent performance to protect the metal against corrosion. Potentiodynamic polarization curves have shown that aluminum electrode coated by the PPy film deposited at 2.4V presented smaller corrosion current density than uncoated surface. This result is associated at formation of compact and homogeneous polymeric films, as shown by Scanning Electronic Microscopy. Keywords: Corrosion, Aluminum, Electrodeposition, Phosphoric Acid. 5730

REVESTIMENTO DUPLEX NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 CONTRA A CORROSÃO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo, SP

REVESTIMENTO DUPLEX NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 CONTRA A CORROSÃO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo, SP REVESTIMENTO DUPLEX NA PROTEÇÃO DO ALUMÍNIO 2024 CONTRA A CORROSÃO K. M. Bezerra 1* ; A. S. Liu 1 ; F. E. P. dos Santos 2 ; L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, 01109-010, Canindé, São Paulo, SP *karinemirb@gmail.com

Leia mais

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido

Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Estudo preliminar da deposição voltamétrica de estanho sobre aço em meio ácido Marcos Aurélio Nunes da Silva Filho, Ana Lídia Tomaz de Melo, Denis Valony Martins Paiva, Laudelyna Rayanne Freitas de Oliveira,

Leia mais

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO L. G. Tavaniello; N. F. Lopes * ; A. L. Barros; J. B. Marcolino; M. K. Moraes; E. M. da Costa Av. Ipiranga,

Leia mais

TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE À BASE DE PRECURSOR POLIMÉRICO PARA A FORMAÇÃO DE CAMADAS PROTETORAS CONTENDO CÉRIO SOBRE AÇO ELETROZINCADO

TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE À BASE DE PRECURSOR POLIMÉRICO PARA A FORMAÇÃO DE CAMADAS PROTETORAS CONTENDO CÉRIO SOBRE AÇO ELETROZINCADO TRATAMENTOS DE SUPERFÍCIE À BASE DE PRECURSOR POLIMÉRICO PARA A FORMAÇÃO DE CAMADAS PROTETORAS CONTENDO CÉRIO SOBRE AÇO ELETROZINCADO Kellie Provazi de Souza (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Leia mais

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA Júlio César Nogueira Dias 1, Regina Célia Barbosa de Oliveira 2, Adriana Nunes Correia 2 e Hamilton

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC)

CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) CARACTERIZAÇÃO DE NÍQUEL ELETRODEPOSITADO NA PRESENÇA DE NANOTUBOS DE CARBONO (NTC) A.C.Lopes a,e.p.banczek a, I.Costa c, M.Terada b, M.T.Cunha a, P.R.P. Rodrigues a a Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS Corrosão em Fresta Abertura estreita junções: gaxetas, parafusos depósitos; produtos aderidos Materiais passivos Al; Ti Exemplo: liga 825 (44Ni-22Cr- 3Mo-2Cu) - água do mar 6 meses Trocador de calor com

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO CORROSIVO DE LIGAS DE ALUMÍNIO NA PRESENÇA DE COBRE E CLORETO

ESTUDO DO COMPORTAMENTO CORROSIVO DE LIGAS DE ALUMÍNIO NA PRESENÇA DE COBRE E CLORETO ESTUDO DO COMPORTAMENTO CORROSIVO DE LIGAS DE ALUMÍNIO NA PRESENÇA DE COBRE E CLORETO ANA C. S. OCANHA 1 ; SÍLVIA T. DANTAS 2 ; BEATRIZ M. C. SOARES 3 Nº 12201 RESUMO O alumínio tem sido amplamente utilizado

Leia mais

T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes RESUMO

T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes RESUMO CORROSÃO DE AÇO CARBONO POR CO 2 : INFLUÊNCIA DA PRESSÃO NA TAXA DE CORROSÃO T.R.S.A. Rodrigues, E.M. da Costa, J.B. Marcolino, M.K. de Moraes Faculdade de Engenharia e Centro de Excelência em Pesquisa

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil ESTUDO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS J92205 COMPARATIVAMENTE AO AÇO INOXIDÁVEL SUPER-DUPLEX UNS J93404, AMBOS NO ESTADO FUNDIDO E SOLUBILIZADO. W.R.V. Sanitá, G.S. Crespo, R.F.

Leia mais

CQ049 FQ Eletroquímica.

CQ049 FQ Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br www.quimica.ufpr.br/mvidotti A Eletroquímica pode ser dividida em duas áreas: Iônica: Está

Leia mais

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Band28 1/1/04 5:33 AM Page 1 Artigos Técnicos Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Este estudo visa a melhoria dos processos de resistência à corrosão, avaliando o desempenho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA Aulas de Apoio Química 3ª Série Eletroquímica II 1.

Leia mais

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica - Se o material do eletrodo não se transforma em produto; - em principio, é apenas para transferir elétrons; - mas, podendo também participar adsorvendo reagentes

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 EM COMBUSTÍVEIS

ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 EM COMBUSTÍVEIS ESTUDO DA CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 EM COMBUSTÍVEIS Larissa Aparecida Corrêa Matos 1, Larissa Oliveira Berbel 1, Claudia Schlindwein 1, Paulo Vitor Sochodolak 1d, Everson do Prado Banczek 1,

Leia mais

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil)

CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE. Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) CORROSÃO EM MEIO DE DIESEL DO AÇO CARBONO REVESTIDO COM COBRE Danielle Cristina Silva (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Julian Johann (Universidade Estadual do Centro-Oeste - Brasil) Maico

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara 4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS 4.1. Caracterização microestrutural 4.1.1. Microscopia óptica Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara modificado (conforme item 3.3), para

Leia mais

Química. Eletroquímica

Química. Eletroquímica CIC Colégio Imaculada Conceição Química Eletroquímica Msc. Camila Soares Furtado Couto Eletrólise Inverso da Pilha; Reação de oxi-redução que é provocada pela corrente elétrica; Não espontânea!!!! Eletrólise

Leia mais

Eletrólise Eletrólise de soluções aquosas

Eletrólise Eletrólise de soluções aquosas Eletrólise de soluções aquosas As reações não espontâneas necessitam de uma corrente externa para fazer com que a reação ocorra. As reações de eletrólise são não espontâneas. Nas células voltaicas e eletrolíticas:

Leia mais

CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS

CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS CORROSÃO DE AÇO CARBONO PARA DUTOS EM ÁGUAS NATURAIS S. R. PETERS 1, L. R. M. LIMA 1, S. N. SILVA 2 e L. M. RODRIGUES 1 1 Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, Engenharia Química 2 Universidade Federal

Leia mais

Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003

Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003 Revestimento de zircônio obtido pelo método sol-gel para a proteção contra a corrosão do alumínio AA 3003 Larissa Oliveira Berbel 1, Jucimara Kulek de Andrade 1, Isolda Costa 2, Maico Taras da Cunha 1,

Leia mais

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea ELETROQUÍMICA REAÇÃO Pilha espontânea ENERGIA QUÍMICA Eletrólise não espontânea ELÉTRICA SEMI REAÇÕES DE OXIDAÇÃO E REDUÇÃO Zn 0 Zn +2 + 2e - semi-reação de oxidação Cu +2 + 2e - Cu 0 semi-reação de redução

Leia mais

ALGUNS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS COMERCIAIS ALTERNATIVOS AO CÁDMIO. Luís Alexandre Sores da Silva COPPE/UFRJ

ALGUNS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS COMERCIAIS ALTERNATIVOS AO CÁDMIO. Luís Alexandre Sores da Silva COPPE/UFRJ ALGUNS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS COMERCIAIS ALTERNATIVOS AO CÁDMIO Luís Alexandre Sores da Silva COPPE/UFRJ Lúcio Sathler COPPE/UFRJ Marcelo Torres Piza Paes CENPES/PETROBRÁS

Leia mais

CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo

CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo Carlos J. B. M. Joia CENPES/TMEC Rogaciano M. Moreira, César V. Franco

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CAMADAS ANTI- CORROSIVAS PARA A PROTEÇÃO DE AÇO CARBONO

DESENVOLVIMENTO DE CAMADAS ANTI- CORROSIVAS PARA A PROTEÇÃO DE AÇO CARBONO UNIVERSIDADE TIRADENTES UNIT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS - PEP DESENVOLVIMENTO DE CAMADAS ANTI- CORROSIVAS PARA A PROTEÇÃO DE AÇO CARBONO Autor: João Bosco Ribeiro Carvalho Orientadores:

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO SOLUÇÃO INICIAL SOLUÇÃO FINAL SOLVENTE PURO VA V V C C

Leia mais

Células de Hidrogênio

Células de Hidrogênio Células de Hidrogênio Dr. Julio Cesar Martins da Silva quimijulio@gmail.com Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN/CNEN-SP Centro de Células a Combustível e Hidrogênio - CCCH Av. Prof. Lineu

Leia mais

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino

Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Título do Vídeo: Eletrólise da água Nome dos participantes: Jaqueline do Espirito Santo D Apresentação, Iven Roberto Andrade Oliveira e André Filipe Martins Justino Professor responsável: Isabel Domingues

Leia mais

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE)

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Desenvolvido por: Nilton Pereira Alves em 07/08/1999 QUIMLAB - Química e Metrologia Av. Shishima Hifumi, No 2911 Campus UNIVAP - Incubadora

Leia mais

PILHAS ELETROQUÍMICAS

PILHAS ELETROQUÍMICAS PILHAS ELETROQUÍMICAS As pilhas eletroquímicas são dispositivos capazes de produzir energia elétrica à custa de uma reação redox espontânea. Como as primeiras pilhas foram construídas por Galvani e Volta,

Leia mais

ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ipen AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INVESTIGAÇÃO DO TRATAMENTO COM MOLÉCULAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA SUBSTITUIÇÃO DA CROMATIZAÇÃO DA LIGA AA5052H32 NO PREPARO DA SUPERFÍCIE PRÉVIO A PINTURA

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO

ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO ESTUDO DO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO À BASE DE ZIRCÔNIO COMO REVESTIMENTO DE CONVERSÃO EM AÇO GALVANIZADO G. Zaro; J. Z. Ferreira ¹LACOR UFRGS, Mestrando ; ²LACOR- UFRGS, Doutora gustavo.zaro@gmail.com

Leia mais

Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido. Química 12º Ano

Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido. Química 12º Ano Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido Química 12º Ano Unidade 1 Metais e ligas metálicas Actividades de Projecto Laboratorial Outubro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15.1 - Introdução A proteção catódica é um método de controle de corrosão que consiste em transformar a estrutura à proteger no cátodo de um célula eletroquímica

Leia mais

Assunto: Eletroquímica Folha 4.1 Prof.: João Roberto Mazzei

Assunto: Eletroquímica Folha 4.1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (UEL 2009) A clássica célula galvânica ou pilha de Daniel é representada por: Zn (s) / Zn +2 (aq) / / Cu +2 (aq) / Cu (s) No laboratório de uma escola, o professor e seus alunos fizeram duas alterações

Leia mais

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015

Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 1 Ciência e Tecnologia de Materiais ENG1015 http://www.dema.puc-rio.br/moodle DEMa - Depto. de Engenharia de Materiais última atualização em 10/02/2014 por sidnei@puc-rio.br Estrutura do Curso 2 Introdução:

Leia mais

EFEITO DO FLUXO DE ELETRÓLITO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304L

EFEITO DO FLUXO DE ELETRÓLITO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304L doi: 10.4322/tmm.00504002 EFEITO DO FLUXO DE ELETRÓLITO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304L Diana López 1 Neusa Alonso Falleiros 2 André Paulo Tschiptschin 3 Resumo

Leia mais

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO

CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO CORROSÃO E ELETRODEPOSIÇÃO Princípios de Eletroquímica Prof. Dr. Artur de Jesus Motheo Departamento de FísicoF sico-química Instituto de Química de são Carlos Universidade de São Paulo 1 Princípios de

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/5 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/5 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS NORMA TÉCNICA Título: TINTA DE FUNDO RICA EM ZINCO À BASE DE Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/5 NE-024 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Química B Natália Av. Dissertativa 19/10/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 AULA 1 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L

DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L ÓXIDOS NANOESTRUTURADOS DE TiO 2 /Al 2 O 3 : ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE RESVESTIMENTOS CERÂMICOS ANTICORROSIVOS EM SUBSTRATOS METÁLICOS DE AÇO AISI 316L Andreza Menezes Lima

Leia mais

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs.

FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2. 49100-000 São Cristóvão SE E-mail: mmacedo@ufs. FILMES FINOS DE ÓXIDO DE CROMO PARA PROTEÇÃO DE HASTES DE BOMBEIO DO ATAQUE CORROSIVO DO CO 2 R. M. Silva a, M. A. Macêdo a, F. C. Cunha a, J. M. Sasaki b G. S. Pimenta c, F. A. C. Oliveira d a Universidade

Leia mais

Corrosão e Proteção Catódica em Estruturas Portuárias

Corrosão e Proteção Catódica em Estruturas Portuárias Corrosão e Proteção Catódica em Estruturas Portuárias Zita Lourenço ZetaCorr Lda II- Encontro Dia Mundial da Sensibilização para a Corrosão Corrosão e Proteção Catódica em Estruturas Portuárias 1. Tipos

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 4 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Inicialmente foram realizadas algumas determinações para avaliar o efeito da concentração de KCl na mobilidade eletroforética das partículas de hidróxido de cromo para a determinação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO MARINHA - COMPARAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA COM AR COMPRIMIDO, ARGÔNIO E NITROGÊNIO Regina

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 5) Introdução Materiais condutores definição: toda matéria que permite o estabelecimento de um fluxo de elétrons em seu

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 9. (ENEM 2013) A produção de aço envolve o aquecimento do minério de ferro, junto com carvão (carbono) e ar atmosférico em uma série de reações de oxirredução. O produto é chamado de ferro-gusa e contém

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

Texto para as questões 31 e 32.

Texto para as questões 31 e 32. QUÍMICA Texto para as questões 31 e 32. Um sinal de que o bico do queimador do fogão está entupido é o aparecimento de chama amarela, quando o fogo é aceso. Nessa situação, ocorre a formação de carbono

Leia mais

Título: Benzotriazol como inibidor de corrosão para aço carbono para construção civil.

Título: Benzotriazol como inibidor de corrosão para aço carbono para construção civil. PRODUÇÃO TECNICO CIENTÍFICA DO IPEN DEVOLVER NO BALCÃO DE EMPRÉSTIMO IBRACON - 41. Congresso Brasileiro do Concreto Tema: Durabilidade das Estruturas de Concreto Marcos Crivelaro, IPEN-USP, Eng Civil,

Leia mais

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão.

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão. Análise da Influência de Corrosão do Aço Inoxidável 316L por Hipoclorito de Sódio no Processo de Assepsia Externa de Tubulações Cervejeiras Douglas William dos Santos Silva* Renato Perrenchelle** Resumo.

Leia mais

Lista Prova - Gás Ideal

Lista Prova - Gás Ideal Lista Prova - Gás Ideal 1) Se 2 mols de um gás, à temperatura de 27ºC, ocupam um volume igual a 57,4 litros, qual é a pressão aproximada deste gás? Considere R=0,082 atm.l/mol.k (Constante dos Gases) a)

Leia mais

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DE ELETRÓLITOS DE NaNO 3 E NaCl NA USINAGEM ELETROQUÍMICA DO AÇO-RÁPIDO ABNT M2

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DE ELETRÓLITOS DE NaNO 3 E NaCl NA USINAGEM ELETROQUÍMICA DO AÇO-RÁPIDO ABNT M2 ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS DE ELETRÓLITOS DE NaNO 3 E NaCl NA USINAGEM ELETROQUÍMICA DO AÇO-RÁPIDO ABNT M2 Evaldo Malaquias da Silva 1, Rafael L. Teixeira 2, Claudionor Cruz 3 Universidade Federal de Uberlândia,

Leia mais

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização

Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Aplicação de diferentes tipos de taninos comerciais como agentes de passivação do aço galvanizado para substituição da cromatização Use of different commercial tannins as passivation agents on hot-dip

Leia mais

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por

01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por 01 O chumbo participa da composição de diversas ligas metálicas. No bronze arquitetônico, por exemplo, o teor de chumbo corresponde a 4,14% em massa da liga. Seu isótopo radioativo 210 Pb decai pela emissão

Leia mais

Professor: Alfênio. 06- A ilustração a seguir ilustra a eletrólise de uma solução aquosa de cloreto de cobre (II).

Professor: Alfênio. 06- A ilustração a seguir ilustra a eletrólise de uma solução aquosa de cloreto de cobre (II). Professor: Alfênio 01- (MACK-SP) Na eletrólise ígnea de NaCl, verifica-se que: a) no cátodo, deposita-se sódio metálico. b) no ânodo, ocorre redução. c) no cátodo, ocorre oxidação. d) no ânodo, há deposição

Leia mais

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3?

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3? Química 01. O gráfico a seguir representa a variação do p de 50 ml de uma solução aquosa de um ácido 3 X em função do volume de NaO 0,30 moll -1 adicionado. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente

Leia mais

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 06 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Soluções...1 Exercícios... 5 Gabarito...7 Soluções Unidades de Concentração Concentração é determinada

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

Eletrólise é a parte da eletroquímica que estuda a transformação de energia elétrica em energia química. ENERGIA

Eletrólise é a parte da eletroquímica que estuda a transformação de energia elétrica em energia química. ENERGIA AULA 19 ELETRÓLISE Eletrólise é a parte da eletroquímica que estuda a transformação de energia elétrica em energia química. ENERGIA não espontâneo ELÉTRICA ENERGIA QUÍMICA A eletrólise é um processo não

Leia mais

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : De 13/08/2012 a 17/08/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Resistência à Corrosão: Teoria e Prática De 13/08/2012 a 17/08/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo: Ao término do

Leia mais

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 1º e 2º ANOS DO ENSINO MÉDIO Objetivo Vivenciar alguns testes para a determinação das causas do surgimento da ferrugem, ou seja, da oxidação dos objetos

Leia mais

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas

Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Aula 17 Ligações covalentes e metálicas Em nossa aula passada falamos de ligações iônicas, aquelas que ocorrem entre átomos com grandes diferenças de eletronegatividade. Entretanto, essa não é a única

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 27 ELETROQUÍMICA: ÍGNEA E AQUOSA

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 27 ELETROQUÍMICA: ÍGNEA E AQUOSA QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 27 ELETROQUÍMICA: ÍGNEA E AQUOSA bateria + _ ânodo + cátodo - e - e oxidação redução Formação de gás cloro no ânodo (não há deposição) Na + - Cl cloreto de sódio fundido Formação

Leia mais

Palavras-chave: sais, óxidos, superfície, preparação, limpeza.

Palavras-chave: sais, óxidos, superfície, preparação, limpeza. Copyright 2016, ABRACO Trabalho apresentado durante o INTERCORR 2016, em Búzios/RJ no mês de maio de 2016. As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Influência da técnica de gravação na resistência à corrosão do aço inoxidável ABNT NBR ISO

Influência da técnica de gravação na resistência à corrosão do aço inoxidável ABNT NBR ISO Influência da técnica de gravação na resistência à corrosão do aço inoxidável ABNT NBR ISO 5832-1 Eurico Felix Pieretti 1, Maysa Terada², Tomaz P. Leivas 3, Isolda Costa 1 1 Centro de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: papel sintético, resíduo mineral, compósito INTRODUÇÃO

Resumo. Palavras-chave: papel sintético, resíduo mineral, compósito INTRODUÇÃO Resumo O papel sintético apresenta características superiores ao papel celulósico, como maior resistência ao rasgo, maior durabilidade além de poder ser molhado. Ideal para confecção de livros e documentos.

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof.

Leia mais

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Número de oxidação (NOX) Nox fixo:1a(+1), 2A (+2), Al +3, Zn +2 e Ag + Nox usual: Hidrogênio (+1), exceto nos hidretos metálicos (-1) e Oxigênio (-2), exceto nos

Leia mais

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011

HORÁRIO - 2º SEMESTRE DE 2011 1º PERÍODO Campus I 7:00-8:40 Metodologia Científica GAAV Inglês Instrumental I GAAV Laboratório de Química Básica - L1 8:50-10:30 Cálculo I Cálculo I Desenho I*- T1/T2 Cálculo I Laboratório de Química

Leia mais

Equilíbrio Ácido-base

Equilíbrio Ácido-base Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina Química das Soluções QUI084 II semestre 2016 AULA 03 Equilíbrio Ácido-base Hidrólise de Sais Profa.

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS FONTE: Tabela Periódica da IUPAC/versão 2005(adaptada). Acesso: http://www.iupac.org/reports/periodic_table/ 25 QUESTÃO 3 Analise este quadro, em que se

Leia mais

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, cap 1, 5ed.,

Leia mais

NANOPARTÍCULAS DE MAGNETITA SINTETIZADA POR AQUECIMENTO INTRONDUÇÃO

NANOPARTÍCULAS DE MAGNETITA SINTETIZADA POR AQUECIMENTO INTRONDUÇÃO NANOPARTÍCULAS DE MAGNETITA SINTETIZADA POR AQUECIMENTO Erbertt Barros Bezerra; Mateus Herculano Pereira de Oliveira Araújo; José Avelino Freire Universidade Federal de Campina Grande, Depto. Engenharia

Leia mais

Trataremos da lei limite de Debye-Hückel e definiremos as células

Trataremos da lei limite de Debye-Hückel e definiremos as células Aula: 4 Temática: Células Eletroquímicas eletroquímicas. Trataremos da lei limite de Debye-Hückel e definiremos as células. Lei limite de Debye-Hückel O modelo proposto do fim da aula passada acerca da

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO NOS COMPONENTES METÁLICOS DOS ISOLADORES DE VIDRO DAS LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ALTA TENSÃO

ESTUDO DA CORROSÃO NOS COMPONENTES METÁLICOS DOS ISOLADORES DE VIDRO DAS LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ALTA TENSÃO ESTUDO DA CORROSÃO NOS COMPONENTES METÁLICOS DOS ISOLADORES DE VIDRO DAS LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ALTA TENSÃO M. B. QUEIROZ 1, E. O. VILAR 2 e P. F. OLIVEIRA 3 1 Universidade Federal Rural do Semi-Árido,

Leia mais

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano

15º Encontro e Exposição Brasileira de Tratamentos de Superfície 4º INTERFINISH Latino Americano INFLUÊNCIA DA ATIVAÇÃO SUPERFICIAL DOS REVESTIMENTOS À BASE DE ZIRCÔNIO E TANINO EM SUBSTRATOS DE ZINCO Josiane Soares Costa (Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil)*, Raquel Dei Agnoli (Universidade

Leia mais

a. ( ) Zn sofre oxidação; portanto, é o agente oxidante.

a. ( ) Zn sofre oxidação; portanto, é o agente oxidante. Rua Siqueira de Menezes, 406 Centro, Capela SE, 49700000, Brasil Exercício de revisão do 2º Ano Ensino Médio 3ª UNIDADE 1. Determine o Nox do elemento cloro nas espécies: a. Cl 2 Cl = 0 b. NaCl Cl = 1

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA

ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA ESTUDO DO EFEITO DO TEOR DE TUNGSTÊNIO SOBRE A RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE FILMES DE Ni-W-P OBTIDOS POR DEPOSIÇÃO QUÍMICA Bardia Ett (Electrocell Ind. Com. de Equipamentos Elétricos LTDA Brasil)*, Gerhard

Leia mais

RESISTÊNCIA À OXIDAÇÃO DO AÇO-CARBONO SAE 1020 RECOBERTO POR UM FILME DE Cr 2 O 3

RESISTÊNCIA À OXIDAÇÃO DO AÇO-CARBONO SAE 1020 RECOBERTO POR UM FILME DE Cr 2 O 3 1/5 RESISTÊNCIA À OXIDAÇÃO DO AÇO-CARBONO SAE 1020 RECOBERTO POR UM FILME DE Cr 2 O 3 Marina Fuser Pillis 1, Olandir Vercino Correa 2, Lalgudi Venkataraman Ramanathan 3 1 IPEN/CNEN-SP, São Paulo, Brasil.

Leia mais

Gabarito Química Volume 1

Gabarito Química Volume 1 Gabarito Química Volume 1 Química 1 Capítulo 1 01. D 05. A 06. C 07. A 08. C 09. E 10. C 11. E 12. D 13. D 14. C 15. D 16. A 17. A 19. A 21. B 23. C 24. D 25. B 26. D 27. A 28. C 29. D 30. E 31. C 33.

Leia mais

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia.

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Baterias estacionárias Bosch As baterias estacionárias Bosch foram desenvolvidas para garantir o máximo desempenho e durabilidade

Leia mais

REATIVIDADE DE METAIS

REATIVIDADE DE METAIS CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REATIVIDADE DE METAIS ORGANIZAÇÃO: Elisangela Fabiana

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem

I Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente Progresso, Consumo e Natureza Desafios ao Homem TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL FARMACÊUTICO POR ADSORÇÃO COM CARVÃO ATIVADO Carla Jovania Gomes Colares (1) Área de Concentração: Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. carla_jovania@yahoo.com.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL E. J. Ramos 1,3, L. H. Guilherme 1,2,3 elielramos2003@yahoo.com.br 1 Centro Universitário

Leia mais

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química

Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Questão 1 Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química Dentre as substâncias presentes nessa mistura, apenas o bromo possui cor e, quando

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 04

2005 by Pearson Education. Capítulo 04 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções David P. White Propriedades gerais das soluções aquosas Propriedades eletrolíticas As soluções aquosas

Leia mais