Corrosão por Cloreto em Aços Inoxidáveis Duplex (AID s)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corrosão por Cloreto em Aços Inoxidáveis Duplex (AID s)"

Transcrição

1 Corrosão por Cloreto em Aços Inoxidáveis Duplex (AID s) Aluno: Patricia Camelo Mozart Orientador: Ivani de S. Bott Co- orientador: Elisa Janzen Kassab 1. Resumo A motivação principal deste trabalho é estudar o efeito dos Ciclos Térmicos na resistência à corrosão do Aço inoxidável Duplex SAF 2205, o qual apesar da boa resistência à corrosão, quando exposto ao meio com cloreto, como, por exemplo, o meio marinho, está sujeito à corrosão por pites. Os AID quando utilizados em processos que requerem altas temperaturas, como em ciclos térmicos de soldagem entre 300 e 1000 C, podem precipitar fases secundárias que podem afetar a resistência a corrosão. Dessa forma, neste trabalho a resistência a corrosão do AID SAF 2205 foi estudada a partir de testes realizados em solução de NaCl 3,5%, na temperatura de 25 C, utilizando célula de 3 eletrodos, onde o eletrodo de trabalho é o aço duplex, o de referência de calomelano saturado, e o contra-eletrodo de platina. Esta célula eletroquímica foi conectada em um potenciostato o qual fornece os dados que permitem a quantificação da corrosão. Posterior caracterização das superficies testadas identifica se ocorre ou não a corrosão localizada. 2. Introdução A corrosão por pite produz danos severos no material pela exposição em meios agressivos. Os aços inoxidáveis sofrem corrosão por pite em diferentes meios, especialmente aqueles que contêm íons cloreto, um dos mais agressivos e um dos mais abundantes na natureza [1]. Os AID s possuem uma microestrutura complexa com 50% de austenita e 50% de ferrita. Devido a diferenças na composição química entre austenita e ferrita, um filme passivo pode ser formado em ambas as fases. A resistência à corrosão dos AID s possui uma dependência direta do teor de cromo presente, embora elementos de liga presente na composição química do aço e fatores como tamanho de grão, distribuição e morfologia de inclusões, fases precipitadas e qualidade da superfície também exerçam influência nessa propriedade. Quanto maior o teor de cromo contido na liga, maior é a resistência à corrosão do aço, pois o cromo livre em solução sólida na matriz do material se combina com o

2 oxigênio do ar possibilitando a formação da película passiva, protegendo o material contra os agentes corrosivos [2]. Os aços inoxidáveis duplex (AID s) são materiais que possuem excelente resistência à corrosão, por isso busca-se atualmente utilizá-los em maior escala no setor de petróleo e gás natural, sendo utilizado também em plataformas petrolíferas marítimas. Assim sendo o estudo da sua resistência à corrosão, quando submetido a eletrólito salino se torna importante [3]. Quando exposto ao meio com cloreto, como por exemplo, o meio marinho em aplicações petroquímicas, os AID estão sujeitos à corrosão por pites. Além disso, quando submetidos a processos que requerem altas temperaturas, como, por exemplo, ciclos térmicos de soldagem que ocorrem entre 300 e 1000 C, estes aços podem precipitar fases secundárias que podem afetar a resistência à corrosão [4]. 3. Objetivos Objetivo Geral O objetivo deste trabalho foi estudar o efeito dos Ciclos Térmicos na resistência a corrosão em ambiente com Cloreto do Aço Inoxidável Duplex SAF Metodologia Foi investigado o efeito de diferentes taxas de resfriamento em aços inoxidáveis duplex na resistência a corrosão por cloreto. Os testes foram realizados em solução de NaCl 3,5% na temperatura de 25 C, utilizando célula de 3 eletrodos. O eletrodo de trabalho foi o aço duplex, o de referencia de calomelano saturado e o contra-eletrodo de platina. Esta célula eletroquímica foi conectada a um potenciostato Material O material estudado foi o aço inoxidável duplex SAF 2205, fornecido na forma de tubo de 20,32 cm de diâmetro e 8,5 mm de espessura, cuja composição química é descrita na tabela 3. C Si Mn P S Cr Ni Mo N Si ND Tabela 1 - Composição química percentual do Aço Duplex SAF 2205.

3 4.2 - Corpos de prova O material, na condição de como recebido, foi usinado em barras cilindricas com as dimensões conforme mostrado na figura 1. As amostras foram usinadas de forma que as suas dimensões e formato seguissem as recomendações necessárias para a execução das simulações térmicas na Gleeble. Figura 1 Dimensões do corpo de prova cilindrico 4.3 Simulação Térmica O objetivo desta simulação é a obtenção da zona termicamente afetada (ZTA) que ocorre durante a soldagem por fusão. Esta região quando obtida em soldagens reais são de dimensão muito pequena e irregular dificultando a sua análise. A simulação permite a obtenção de uma região similar, porém com dimensões e geometria que facilitam a sua análise. As amostras das ZTA estudadas foram simuladas térmicamente no simulador Gleeble. Na figura 2 é mostrado a região interna do simulador Gleeble onde as amostras são posicionadas. As amostras foram submetidas a temperatura de pico de 1350 C correspondendo a aportes de calor de 30 e 15 KJ/cm. Durante o ciclo de resfriamento este foi interrompido a 500 C com tempera em água gelada a 7 C. A tabela 2 identifica as amostras e os valores do aporte de calor correspondentes e o tipo de resfriamento.

4 Figura 2 - Máquina Gleeble utilizada na simulação de tratamentos térmicos nas amostras. Corpos de Prova Aporte de Calor (KJ/cm) 2205_ _30 30 Simulação Térmicas Resfriamento Em água gelada 7 o C Tabela 2 Identificação dos corpos de prova 4.4 Caracterização Metalográfica Uma amostra da seção longitudinal do tubo sem costura de 20,32 cm de diâmetro externo e 8,5 mm de espessura do aço duplex SAF 2205 foi preparada metalográficamente com lixas d água (grau ) e polidas com pasta de diamante (6µm-1µm). Posteriormente a superfície foi atacada quimicamente com solução Behara (10 ml de HCl, 0,35 g de K 2 S 2 O 5 em 70 ml de água destilada) durante 8 segundos. Esse tipo de eletrólito revela os contornos de grão e ataca a fase ferrítica preferencialmente, embora o ataque se inicie nas bordas dos grãos de ferrita para o centro dos grãos, gerando um gradiente cinza nos grãos de ferrita; no caso da austenita observa-se uma ligeira reação com o eletrólito. As micrografias do aço duplex foram obtidas por microscopia ótica utilizando o modelo Axioplan2 imaging da marca ZEISS motorizado, câmera marca ZEISS modelo AxioCam HRc, e o software AxioVision

5 4.5 Ensaios Eletroquímicos Preparação das amostras Para realizar os ensaios de corrosão, foi necessário seccionar a amostra mostrada na figura 1, na região onde foi realizada a simulação para obtenção da zona térmicamente afetada (ZTA). As figuras 3a e 3b, mostram a sequencia de corte e embutimento de modo a expor a região da zona termicamente afetada (ZTA). Após corte (fig. 3a e 3b) esta região é embutida em resina acrílica (fig. 3c). As amostras embutidas foram soldadas a um fio condutor (fig. 3c) para realizar os ensaios de corrosão. Antes de cada ensaio as amostras foram lixadas com lixa d água até o grau 600. (a) (b) ( c) Figura 3 Preparação dos corpos de prova para ensaio eletroquímico. Corte (a), detalhe do corte (b), corpo de prova finalizado (c) Ensaios de Polarização Potenciodinâmica Os ensaios foram realizados em uma célula convencional de 3 eletrodos. O eletrodo de trabalho foi o aço duplex, o de referência de calomelano saturado, e o contra-eletrodo de platina, como mostra a figura 4. O eletrólito utilizado foi solução de NaCl 3,5%. Essa célula foi conectada a um potenciostato digital da marca Autolab para os ensaios de corrosão como mostrado na figura 5. A resistência à corrosão foi estudada através da monitoração do potencial de circuito aberto (Open Circuit Potential (OCP)) por 30 minutos para a estabilização do potencial de

6 corrosão (E corr ), seguida de medidas de espectroscopia impedância eletroquímica (EIS) e polarização anódica. EIS foi realizada com um sinal senoidal de 10 mv de amplitude e frequências variando entre 10 khz e 10 mhz. Para a polarização anódica, foi realizada uma varredura do OCP até 1V acima do OCP com uma velocidade de varredura de 1 mvs -1. Figura 4 Célula de 3 eletrodos utilizada no experimento. Figura 5 Célula eletroquímica conectada ao potenciostato.

7 5. Resultados parciais obtidos 5.1 Caracterização Metalográfica Foram identificadas e quantificadas as frações volumétricas das fases presentes, de ferrita ( ) e austenina ( ), como mostrado na tabela 3. Aporte de Calor (KJ/cm) Fração de Fração de Proporção : Taxas de resfriamento 12-8 ( C/s) Como Recebido 53,51 46,49 1,15 : ,90 28,10 2,56 : 1 26, ,87 34,13 1,93 : 1 6,65 Tabela 3 Proporção de ferrita e austenita em função do aporte de calor. A partir dos dados obtidos pode ser observado que as amostras simuladas na gleeble tiveram um aumento significativo na fração de ferrita com relação ao aço na condição de como recebido, entretanto a taxa de resfriamento não influenciou na proporção entre as duas fases, que permaneceu numa faixa de 2:1 aproximadamente nas amostras simuladas. As figuras 6a e 6b revelam que os grãos de austenita apresentam um formato alongado devido ao processo de laminação das chapas a que foram submetidas durante a fabricação. Os grãos claros são identificados como grãos de austenita e as regiões escuras como a matriz ferrítica do aço. As imagens com aumento de 200X (fig. 6b) foram submetidas a um processamento digital para a contagem das fases. Aplicaram-se filtros para redução de ruído e identificação de contornos de grão.

8 (a) (b) Figura 6 Micrografia do aço SAF2205 com um aumento de 50X (a), e com um aumento de 200X (b). 5.2 Ensaios Eletroquímicos Na figura 6 estão apresentados os gráficos resultantes do ensaio de polarização potenciodinâmica. Na condição como recebida, figura 6.a, é possível verificar que a corrente se mantém baixa, na ordem de 10-6 A durante toda a varredura do potencial. Isto indica que o filme protetor formado sobre o material manteve-se íntegro, não ocorrendo corrosão localizada. O mesmo acontece com o material simulado em gleeble, figura 6.b, onde não verifica-se aumento de corrente nos ensaios de polarização. Ao sobrepor os gráficos do 2205 nas condições como recebida, simulada em gleebe 15 kj/cm e 30 kj/cm verifica-se que não há diferenças significativas entre as curvas, e, consequentemente, de valores de potencial de corrosão (E corr ) e corrente de passivação. Isto indica que os tratamentos térmicos não influenciaram na resistência à corrosão do 2205 nas condições testadas.

9 (a) (b) Figura 7 Curva do ensaio de polarização potenciodinâmica para o aço na condição de como recebido (CR) (a), e após simulação em gleeble (b). A Figura 7 mostra os diagramas de Nyquist obtidos através dos ensaios de impedância eletroquímica. Os diagramas de Nyquist mostram a formação de arcos capacitivos. É possível notar que o diâmetro do arco do aço 2205 como recebido ( fig.7a ) é ligeiramente maior do que os simulados em gleeble (fig. 7b ), indicando que o filme de passivação tende a ser mais estável sem a presença do tratamento térmico. Não foi observada influência do aporte de calor de 15 kj/cm e 30 kj/cm, uma vez que as curvas se sobrepõem e tendem a fechar o arco em um valor de resistência à polarização (Rp) similar.

10 (a) (b) Figura 8 Diagrama de Nyquist. Arco do aço como recebido (CR) (a), Arcos após simulação em gleeble (b). 6. Considerações Finais Conforme proposto no objetivo do trabalho foi possível avaliar através dos ensaios de polarização potenciodinâmica e espectroscopia impedância eletroquímica (EIS) a influência dos Ciclos Térmicos na resistência a corrosão do aço SAF Os resultados da polarização mostraram que a corrente se mantém baixa, na ordem de 10-6 A durante toda a varredura do potencial o que indica que o filme protetor formado sobre o material manteve-se íntegro, não ocorrendo corrosão localizada. O mesmo comportamento é observado com o material

11 simulado em gleeble, indicando que os tratamentos térmicos não influenciaram na resistência à corrosão do aço 2205 nas condições testadas. Os diagramas de Nyquist obtidos através dos ensaios de impedância eletroquímica mostram a formação de arcos capacitivos, onde é possível notar que o diâmetro do arco do aço 2205 como recebido é ligeiramente maior do que os simulados em gleeble indicando que o filme de passivação tende a ser mais estável no material na condição de como recebido. Não foi observada influência do aporte de calor de 15 kj/cm e 30 kj/cm, portanto na ZTA apesar do aumento da fração ferrítica, uma vez que as curvas se sobrepõem e tendem a fechar o arco em um valor de resistência à polarização (Rp) similar. Outros ensaios a diferentes temperaturas estão em andamento. 7. Referências 1 - GALVELE, J.R. Pitting corrosion (J.C.Scully, ed.) Treatise on Materials Science and Technology, New York: Academic Press., 1983, v. 23, p SOLOMON, H. D. e DEVINE, T. M., Duplex stainless steel: a tale of two phases, 1ª ed., Ohio, American Society for Metals, ANSELMO, N. et al. Corrosion behavior of supermartensitic stainless steel in aerated and CO2-saturated synthetic seawater. Materials Science and Engineering A, v.428, p , SOUZA, J. P. B. de et al. Análise da resistência á corrosão por pite em soldas de reparo pelo processo tig em aço inoxidável superduplex uns Soldagem Inspeção, scielo, v. 16, p , ISSN

CORRELAÇÃO ENTRE A RESISTÊNCIA MECÂNICA E A CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 SUBMETIDO A DIFERENTES TAXAS DE RESFRIAMENTO

CORRELAÇÃO ENTRE A RESISTÊNCIA MECÂNICA E A CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 SUBMETIDO A DIFERENTES TAXAS DE RESFRIAMENTO CORRELAÇÃO ENTRE A RESISTÊNCIA MECÂNICA E A CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 SUBMETIDO A DIFERENTES TAXAS DE RESFRIAMENTO E. Kassab 1,2, M.G.B. Guimarães 1, L. Olaya-Luengas 1, J.A.C. Ponciano

Leia mais

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J.

PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. PRECIPITAÇÃO DA AUSTENITA SECUNDÁRIA DURANTE A SOLDAGEM DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX 2205 S. A. Pires, M. Flavio, C. R. Xavier, C. J. Marcelo Av. dos Trabalhadores, n 420, Vila Santa Cecília, Volta Redonda,

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS T. SILVA 1, D. MIRANDA 1, G. ALVES 3, O.L ROCHA 2, J.C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Instituto Federal

Leia mais

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA

ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA ESTUDO DA OCORRÊNCIA DA CORROSÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 316L E 444 UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA Júlio César Nogueira Dias 1, Regina Célia Barbosa de Oliveira 2, Adriana Nunes Correia 2 e Hamilton

Leia mais

Ensaios de polarização cíclica em solução 0,3 M NaCl + 0,3 M NaBr com. de potencial por densidade de corrente mostradas nas Figuras 37 a 39.

Ensaios de polarização cíclica em solução 0,3 M NaCl + 0,3 M NaBr com. de potencial por densidade de corrente mostradas nas Figuras 37 a 39. 4.2.4. Ensaios de polarização cíclica em solução 0,3 M NaCl + 0,3 M NaBr com i rev =10-3 A/cm 2 Os ensaios de polarização cíclica i rev = 10-3 A/cm 2 nesta solução geraram as curvas de potencial por densidade

Leia mais

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara

4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS. Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara 4. RESULTADOS EXPERIMENTAIS 4.1. Caracterização microestrutural 4.1.1. Microscopia óptica Após a preparação metalográfica das amostras, foi realizado o ataque Behara modificado (conforme item 3.3), para

Leia mais

EFEITOS DA ENERGIA DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32750 COBEF

EFEITOS DA ENERGIA DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32750 COBEF EFEITOS DA ENERGIA DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX UNS S32750 COBEF2015-0400 Daniela Bianchi Ponce Leon de Lima, daniela.bianchi@ifpr.edu.br 1 Marcos de Souza Roberto, marcos.roberto@daimler.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CORROSÃO POR PITE EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS UNS S44400 TRATADOS TERMICAMENTE E ANALISADOS EM ENSAIO DE POLARIZAÇÃO POTENCIODINÂMICA

AVALIAÇÃO DA CORROSÃO POR PITE EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS UNS S44400 TRATADOS TERMICAMENTE E ANALISADOS EM ENSAIO DE POLARIZAÇÃO POTENCIODINÂMICA AVALIAÇÃO DA CORROSÃO POR PITE EM AÇOS INOXIDÁVEIS FERRÍTICOS UNS S44400 TRATADOS TERMICAMENTE E ANALISADOS EM ENSAIO DE POLARIZAÇÃO POTENCIODINÂMICA Nathalia Fernandes Martins 1 ; Susana Marraccini Giampietri

Leia mais

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB)

Material conforme recebido (CR) e/ou metal base (MB) 85 5.5 ANÁLISES MICROESTRUTURAIS As micrografias obtidas na seção transversal do material nas condições: como recebido e pós-soldagem com tratamentos de revenido e niretação estão apresentadas nas Figuras

Leia mais

EFEITO DO ENVELHECIMENTO A 475ºC NA MICROESTRUTURA E CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

EFEITO DO ENVELHECIMENTO A 475ºC NA MICROESTRUTURA E CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) i. e x e Projeto de iniciação científica EFEITO DO ENVELHECIMENTO A 475ºC NA MICROESTRUTURA E CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Relatório Final Bolsista: DANIELE BRUNO e-mail:

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Picon, Carlos Alberto; Pires Fernandes, Frederico Augusto; Tremiliosi-Filho, Germano; Rodrigues, Cesar Augusto D.;

Leia mais

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil INVESTIGAÇÃO SOBRE O EFEITO DA TAXA DE VARREDURA DO ENSAIO DE POLARIZAÇÃO POTENCIODINÂMICA E DA CONCENTRAÇÃO DE ÍONS CLORETO SOBRE O COMPORTAMENTO DE CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 Mara Cristina Lopes

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE VARREDURA NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO UNS S31600

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE VARREDURA NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO UNS S31600 i. e x e Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco Departamento de Engenharia Mecânica PROJETO DE PESQUISA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE VARREDURA NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO

Leia mais

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex

Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox superduplex Departamento de Tecnologia Mecânica E Materiais Coordenação de Área de Materiais Projeto de Pesquisa Influência das condições de tratamento isotérmico sobre a precipitação de fases secundárias em aço inox

Leia mais

ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E C.

ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E C. ESTUDO DA SENSITIZA ÇÃO EM AÇOS INOXIDÁVEIS AISI 321 QUE OPERAM EM REFINARIA DE PETRÓLEO EM TEMPERATURAS ENTRE 500 E 600 0 C. Gomes da Silva, M.J. Fortaleza, CE, Brasil, mgsilva@dem.ufc.br Mendes, M.P.

Leia mais

3. CAPÍTULO III MATERIAIS E MÉTODOS Materiais das amostras

3. CAPÍTULO III MATERIAIS E MÉTODOS Materiais das amostras 38 3. CAPÍTULO III MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Materiais das amostras Foram utilizados cinco aços inoxidáveis, sendo quatro ferríticos e um austenítico, e um aço de baixo carbono conforme descritos abaixo:

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 439 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Willian Moreira de Lima 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço

Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço Conceitos de metalurgia física de aços inoxidáveis austeno-ferríticos para evitar problemas em serviço Sérgio Souto Maior - UFF Universidade Federal Fluminense Tipos de aços inoxidáveis Austeno- Ferríticos

Leia mais

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW.

Caracterização microestrutural do aço ASTM-A soldado por GMAW. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Caracterização microestrutural do aço ASTM-A516-10-60 soldado por GMAW. Alunos: Alexandre Dutra Golanda Guilherme Souza Leite Paulo Ricardo

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

3 MATERIAIS E MÉTODOS

3 MATERIAIS E MÉTODOS 40 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 MATERIAL O material utilizado para realização dos ensaios necessários para suportar este trabalho foi o aço baixa liga 2.1/4Cr 1Mo temperado e revenido, conforme especificação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE JUNTAS SOLDADAS DE LIGAS DE ALUMÍNIO

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE JUNTAS SOLDADAS DE LIGAS DE ALUMÍNIO CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE JUNTAS SOLDADAS DE LIGAS DE ALUMÍNIO T. P. Busquim (1) ; S.E. Kuri (1) (1) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DOS MATERIAIS - PPG-CEM

Leia mais

INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO UNS S30100

INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO UNS S30100 i. e x e Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco Departamento de Engenharia Mecânica Centro Universitário da FEI Projeto de pesquisa INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO NA RESISTÊNCIA À CORROSÃO POR PITE DO AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS Corrosão em Fresta Abertura estreita junções: gaxetas, parafusos depósitos; produtos aderidos Materiais passivos Al; Ti Exemplo: liga 825 (44Ni-22Cr- 3Mo-2Cu) - água do mar 6 meses Trocador de calor com

Leia mais

Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica

Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica 2.4 Métodos experimentais em corrosão. 2.5 Tipos de corrosão: generalizada,... Detalhes: Potenciostato Célula Eletroquímica Tipos de célula eletroquímica PMT 2507- CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS - Neusa

Leia mais

Influência dos teores de brometo e cloreto na corrosão por pite do aço inoxidável dúplex UNS S32750 (SAF 2507)

Influência dos teores de brometo e cloreto na corrosão por pite do aço inoxidável dúplex UNS S32750 (SAF 2507) i. e x e Projeto de iniciação científica Influência dos teores de brometo e cloreto na corrosão por pite do aço inoxidável dúplex UNS S32750 (SAF 2507) Relatório Final Bolsista: Tatiana Cristina Franzotti

Leia mais

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS

SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS RESUMO DA SOLDABILIDADE DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. LABATS DEMEC UFPR 1 Diagrama de Schaeffler (1) Formação de trincas de solidificação ou

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL

TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL TÍTULO: ESTUDO E AVALIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS EM AMBIENTE INDUSTRIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A

Aço Inoxidável Ferrítico ACE P444A ArcelorMittal Inox Brasil Inoxidável Ferrítico ACE P444A transformando o amanhã 2 3 ACE P444A Tabela I Composição Química C Mn P S Si Cr Ni Outros 0,025 1,00 0,040 0,030 1,00 17,5-19,5 1,00 0,2+4(C+N)

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX

EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX EFEITO DA TEMPERATURA DE INTERPASSE DE SOLDAGEM SOBRE A MICROESTRUTURA, DUREZA E RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL SUPERDUPLEX J.M. Gomes (1); J.A. Castro (1); C.J. Marcelo (1); C.R. Xavier (2);

Leia mais

INTRODUÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS

INTRODUÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS INFLUÊNCIA DOS MÚLTIPLOS REAQUECIMENTOS NA MICROESTRUTURA DE UM AÇO INOXIDÁVEL UNS S32750 SOLDADO PELO PROCESSO MIG/MAG SEMIAUTOMÁTICO COM DIFERENTES APORTES TÉRMICOS E SUA INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL AVALIAÇÃO DO EFEITO DE INIBIDORES NA RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Marina M. Mennucci, Fernando M. dos Reis, Lucia H. Higa, Isolda Costa Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares,

Leia mais

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil

21º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 09 a 13 de Novembro de 2014, Cuiabá, MT, Brasil ESTUDO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS J92205 COMPARATIVAMENTE AO AÇO INOXIDÁVEL SUPER-DUPLEX UNS J93404, AMBOS NO ESTADO FUNDIDO E SOLUBILIZADO. W.R.V. Sanitá, G.S. Crespo, R.F.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS ELETROQUÍMICAS NA INVESTIGAÇÃO DA CORROSÃO DO Al E DA LIGA Al- 0,3%Si. A. L. GONÇALVES 1, L.S.SANTOS 2, L. B. FERNANDES 3, J.C.A. CARDOSO 3 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira

Aços Inoxidáveis. A.S.D Oliveira Aços Inoxidáveis Aços inoxidáveis Aços de alta liga específicos para a resistencia a corrosão Principal elemento de liga: Cr normalmente superior a 12% Cr forma um fino filme de óxido de Cr aderente a

Leia mais

Microscopia Digital na Caracterização de Porosidade e Inclusões em Aços

Microscopia Digital na Caracterização de Porosidade e Inclusões em Aços Microscopia Digital na Caracterização de Porosidade e Inclusões em Aços Aluno: Júlia Nascimento Martins Orientador: Sidnei Paciornik e Valter Rocha dos Santos Introdução A principal motivação do projeto

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM PROCESSOS DE FABRICAÇÃO III SOLDAGEM METALURGIA DA SOLDAGEM Professor: Moisés Luiz Lagares Júnior 1 METALURGIA DA SOLDAGEM A JUNTA SOLDADA Consiste: Metal de Solda, Zona Afetada pelo Calor (ZAC), Metal

Leia mais

Estudo do Processo de Eletropolimento de Tubos de Aço Inoxidável AISI 348L

Estudo do Processo de Eletropolimento de Tubos de Aço Inoxidável AISI 348L Estudo do Processo de Eletropolimento de Tubos de Aço Inoxidável AISI 348L Marcio Justino de Melo (1), Olandir Vercino Correa (2), Clarice Terui Kunioshi (1) (1) Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA Ti-6Al-4V E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO

ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA Ti-6Al-4V E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO ESTUDO DO COMPORTAMENTO EM CORROSÃO DOS BIOMATERIAIS TITÂNIO, LIGA E AÇO INOX 316L PARA USO EM IMPLANTE ORTOPÉDICO Thiago de Souza Sekeres 1, Sonia Braunstein Faldini 4 1 Universidade Presbiteriana Mackenzie/Engenharia

Leia mais

Determinação da Temperatura Crítica de Pite do Aço UNS S31803 em solução 0,6M NaCl

Determinação da Temperatura Crítica de Pite do Aço UNS S31803 em solução 0,6M NaCl 1 DANIEL AUGUSTO ABED DE ANDRADE Determinação da Temperatura Crítica de Pite do Aço UNS S31803 em solução 0,6M NaCl São Bernardo do Campo 2015 2 DANIEL AUGUSTO ABED DE ANDRADE Determinação da Temperatura

Leia mais

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO

CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO CORROSÃO DO AÇO MÉDIO CARBONO DE REVESTIMENTO DE POÇOS DE PETRÓLEO EM MEIO SALINO E CO 2 SUPERCRÍTICO L. G. Tavaniello; N. F. Lopes * ; A. L. Barros; J. B. Marcolino; M. K. Moraes; E. M. da Costa Av. Ipiranga,

Leia mais

ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS

ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS ASPECTOS DA CORROSÃO INTERGRANULAR DOS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS AISI 304L, AISI 316L, AISI 321 E AISI 347, USADOS EM REFINARIAS Adriano Sampaio Lima Hamilton Ferreira Gomes De Abreu Pedro de Lima

Leia mais

Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a

Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a Nos gráficos 4.37 a 4.43 pode-se analisar a microdureza das amostras tratadas a 800ºC. Gráfico 4.37: Perfil da dureza em função da distância da superfície após envelhecimento a 800ºC por 1 min. Gráfico

Leia mais

3- Materiais e Métodos

3- Materiais e Métodos 3- Materiais e Métodos 3.1. Caracterização do Material 3.1.1. Material Os materiais utilizados neste trabalho foram retirados de dois tubos de aço produzido pela Confab que atende a especificação API 5L

Leia mais

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205

Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Identificação das fases e evolução da microdureza durante a formação de fase sigma em aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório Final Bolsista: Clemente Kuntz Sutto e-mail:

Leia mais

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex

Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Metalurgia da Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Soldagem dos Aços Inoxidáveis Duplex Aspectos Gerais São ligas de uso relativamente recente. Microestrutura tipos austenitico e ferrítico. Em função de

Leia mais

Corrosão por frestas em um sistema de tubulação de aço inox 304L causa: soldagem sem penetração completa

Corrosão por frestas em um sistema de tubulação de aço inox 304L causa: soldagem sem penetração completa CORROSÃO EM FRESTAS CARACTERÍSTICAS Tipo de corrosão localizada; Frequentemente associada a líquidos estagnados no interior de furos, superfícies de gaxetas, juntas sobrepostas, depósitos superficiais,

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza

Trabalho de solidificação. Soldagem. João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Trabalho de solidificação Soldagem João Carlos Pedro Henrique Gomes Carritá Tainá Itacy Zanin de Souza Introdução A soldagem é um processo de fabricação, do grupo dos processos de união, que visa o revestimento,

Leia mais

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil

22º CBECiMat - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 06 a 10 de Novembro de 2016, Natal, RN, Brasil EFEITO DE CICLOS CURTOS DE AQUECIMENTO SOBRE AS PROPRIEDADES MECÂNICAS, MICROESTRUTURA E RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE AÇOS PARA ESTAMPAGEM UTILIZADOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Jéssica Celestina Teixeira

Leia mais

Corrosão por Pite em 0,6M NaCl do Aço UNS S31803 em. Função do Tempo de Envelhecimento entre 700 C e 900 C

Corrosão por Pite em 0,6M NaCl do Aço UNS S31803 em. Função do Tempo de Envelhecimento entre 700 C e 900 C Corrosão por Pite em 0,6M NaCl do Aço UNS S31803 em Função do Tempo de Envelhecimento entre 700 C e 900 C Projeto de pesquisa para obtenção do título de Mestre em Engenharia pela candidata Daniella Caluscio

Leia mais

[8] Temperabilidade dos aços

[8] Temperabilidade dos aços [8] Temperabilidade dos aços Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. Tratamento Procedimento Microconstituintes Recozimento

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: Escola de Minas Brasil Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Mariano, Neide Aparecida; Cruz Pires, Amandio da; Murolo, João Paulo; Kuri, Sebastião Elias Avaliação da resistência

Leia mais

Keywords: lean duplex stainless steel, UNS S82441, friction stir welding, FSW, corrosion.

Keywords: lean duplex stainless steel, UNS S82441, friction stir welding, FSW, corrosion. Copyright 2016, ABRACO Trabalho apresentado durante o INTERCORR 2016, em Búzios/RJ no mês de maio de 2016. As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 41 3 Materiais e Métodos Serão apresentados neste capitulo os materiais e os métodos que foram utilizados no desenvolvimento deste trabalho. Durante a experiência foram utilizados cinco eletrodos oxi-rutílicos

Leia mais

SOLDAGEM DO AÇO SUPERDUPLEX UNS S32750 COM LASER PULSADO Nd:YAG

SOLDAGEM DO AÇO SUPERDUPLEX UNS S32750 COM LASER PULSADO Nd:YAG SOLDAGEM DO AÇO SUPERDUPLEX UNS S32750 COM LASER PULSADO Nd:YAG O. D. Francini, G. G. Andrade, M. S. Clemente, J.Gallego, V. A.Ventrella UNESP Departamento de Engenharia Mecânica, ventrella@dem.feis.unesp.br,

Leia mais

Experiência de campo com aços duplex em água do mar e a importância do controle de qualidade destes materiais

Experiência de campo com aços duplex em água do mar e a importância do controle de qualidade destes materiais INTERCORR 2016 16 a 20/05/16 Experiência de campo com aços duplex em água do mar e a importância do controle de qualidade destes materiais Cynthia Andrade - Profissional Independente Flávia Maciel F. Guedes

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205)

ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) ESTUDO COMPARATIVO DOS MÉTODOS DE QUANTIFICAÇÃO DE PORCENTAGEM VOLUMÉTRICA DE FERRITA EM AÇO INOXIDÁVEL DÚPLEX UNS S31803 (SAF 2205) Evelin Barbosa de Mélo 1 Daniella Caluscio dos Santos 2 Rodrigo Magnabosco

Leia mais

Comparativo da resistência à corrosão por pite e do comportamento mecânico de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507

Comparativo da resistência à corrosão por pite e do comportamento mecânico de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507 Projeto de iniciação científica Comparativo da resistência à corrosão por pite e do comportamento mecânico de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507 Relatório final Bolsista: Tatiana Cristina Franzotti

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8.

12, foram calculados a partir das equações mostradas seguir, com base nas análises químicas apresentadas na Tabela 8. 5 Discussão O estudo da fragilização ao revenido com base nos fenômenos de segregação tem como ponto de partida os resultados obtidos de experiências com pares de elementos liga e/ou impurezas, correspondendo

Leia mais

5(6,67,9,'$'((/e75,&$

5(6,67,9,'$'((/e75,&$ -817$62/'$'$ ³$ OyJLFD p LQ~WLO D PHQRV TXH YHQKD DFRPSDQKDGDFRPRVGDGRVHVVHQFLDLV )UDQN+HUEHW O material submetido ao processo de soldagem especificado no item 2.1 foi analisado em relação ao seu comportamento

Leia mais

Caracterização eletroquímica do DMcT como inibidor de corrosão do aço API 5L X65 em água do mar sintética

Caracterização eletroquímica do DMcT como inibidor de corrosão do aço API 5L X65 em água do mar sintética Caracterização eletroquímica do DMcT como inibidor de corrosão do aço API 5L X65 em água do mar sintética *CUNHA, G. R. ; Souza, D. H. ; CANOBRE, S. C. ; Franco, S. D. ; Franco, V. D. S.; Moraes, J. O.

Leia mais

Identificação das Condições de Sensitização em um Aço Inoxidável Austenítico AISI 304 Através da Análise Microestrutural

Identificação das Condições de Sensitização em um Aço Inoxidável Austenítico AISI 304 Através da Análise Microestrutural 53 Identificação das Condições de Sensitização em um Aço Inoxidável Austenítico AISI 304 Através da Análise Microestrutural Identification of the conditions of sensitization in a steel stainless austenitic

Leia mais

Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia.

Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia. Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia. Aluna: Luiza Gabriela Araújo da Silva Professor: José Roberto D Almeida Introdução Amostras dos materiais estudados, um composto de

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

5.1.Caracterização microestrutural e de microdureza dos aços estudados

5.1.Caracterização microestrutural e de microdureza dos aços estudados 5- Discussão 5.1.Caracterização microestrutural e de microdureza dos aços estudados Os aços estudados pertencem a dois sistemas onde a principal diferença esta no conteúdo de carbono e de molibdênio, no

Leia mais

ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo

ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO. Rua Pedro Vicente, 625, , Canindé, São Paulo ELETRODEPOSIÇÃO DE FILMES DE POLIPIRROL EM MEIO ORGÂNICO CONTENDO ÁCIDO FOSFÓRICO R. B. Hilario 1*, K. M. Bezerra¹, A. S. Liu 1, L. Y. Cho 2 Rua Pedro Vicente, 625, 01109-010, Canindé, São Paulo * rodrigobarbosahilario@gmail.com

Leia mais

CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo

CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo CORROSÃO PELO CO 2 EM MEIOS AQUOSOS DE AÇO CARBONO, AÇO BAIXA LIGA COM 1% DE Cr, AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr E AÇO INOXIDÁVEL 13%Cr-5%Ni-2%Mo Carlos J. B. M. Joia CENPES/TMEC Rogaciano M. Moreira, César V. Franco

Leia mais

Nº COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174029.1 Corrosão galvânica do par aço-carbono/aço inoxidável em ácido sulfúrico concentrado. Claudete Silva Barbosa Neusvaldo Lira de Almeida Gutemberg de Souza Pimenta Robson Rodrigues

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM.

CARACTERIZAÇÃO DA RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM. i. e x e Prof. Dr. Rodrigo Magnabosco Departamento de Engenharia Mecânica PROJETO DE PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DA RESISTÊNCIA A CORROSÃO POR PITE DO AÇO UNS S31803 APÓS SOLDAGEM. Orientador: Prof. Dr. Rodrigo

Leia mais

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS

PMT CORROSÃO E PROTEÇÃO DOS MATERIAIS 2.5 Tipos de corrosão: generalizada Detalhes: Perda de massa efeito dos produtos de corrosão: polarização e despolarização das reações parciais efeito do aumento da área morfologia da corrosão generalizada

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA.

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA. ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM FILMES ELETRODEPOSITADOS POR VOLTAMETRIA ANÓDICA. Haroldo A. Ponte *, Ana Carolina Tedeschi Gomes, Alexandre Michel Maul * Laboratório de Eletroquímica Aplicada, Departamento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE FRAÇÕES DE FASE EM UM AÇO BIFÁSICO Aluno: Mayara Guilherme Marzano Orientadores: Sidnei Paciornik e Marcos Henrique de Pinho Maurício Resumo Desenvolver procedimentos automáticos,

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Josemar Laurenço da Costa AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA A CORROSÃO LOCALIZADA DE UM AÇO INOXIDAVEL DUPLEX

Josemar Laurenço da Costa AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA A CORROSÃO LOCALIZADA DE UM AÇO INOXIDAVEL DUPLEX PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPMEC Josemar Laurenço da Costa AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA DE TRATAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA A CORROSÃO LOCALIZADA DE UM AÇO INOXIDAVEL DUPLEX São João

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS POÇOS DE CALDAS JULIO CEZAR ANDRADE DIAS GALDINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS POÇOS DE CALDAS JULIO CEZAR ANDRADE DIAS GALDINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS POÇOS DE CALDAS JULIO CEZAR ANDRADE DIAS GALDINO AÇOS INOXIDÁVEIS UTILIZADOS NA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA MICROESTRUTURA VERSUS CORROSÃO POR PITE Poços de Caldas /MG

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL

CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL CARACTERIZAÇÃO DA SOLDAGEM TIG COM GÁS DE PURGA DE TUBULAÇÃO DE AÇO INOXIDÁVEL AISI 304 COM E SEM DEPOSIÇÃO DE MATERIAL E. J. Ramos 1,3, L. H. Guilherme 1,2,3 elielramos2003@yahoo.com.br 1 Centro Universitário

Leia mais

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico

Revestimento de Aço Carbono com Aço Inoxidável Austenítico Ronaldo Paranhos Esta é uma aplicação muito comum na indústria. Os motivos para esta grande utilização incluem, do lado dos aços carbono e C-Mn de grau estrutural, o seu menor custo em relação aos aços

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE

INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE INFLUÊNCIA DE ASPECTOS MICROESTRUTURAIS NA RESISTÊNCIA À FRATURA DE AÇO ESTRUTURAL COM APLICAÇÕES OFFSHORE Bernardo Soares Engelke 1 Marcos Venicius Soares Pereira 2 1 Aluno de Graduação do curso de Engenharia

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Engenharia de Materiais/Ponta Grossa, PR. Engenharias, Engenharia de Materiais e Metalúrgica ESTUDO DA CARACTERÍSTICA MORFOLÓGICA DO AÇO API 5L X-70 PROCESSADO POR LAMINAÇÃO CONTROLADA Igor Fabian de Goes Lopes (outros/uepg), André Luís Moreira de Carvalho (Orientador), e-mail: andrelmc@uepg.br.

Leia mais

Luiz Carlos Casteletti et al. Avaliação da resistência à corrosão de aços inoxidáveis com Nb endurecíveis por precipitação

Luiz Carlos Casteletti et al. Avaliação da resistência à corrosão de aços inoxidáveis com Nb endurecíveis por precipitação Luiz Carlos Casteletti et al. INOX: Corrosão Avaliação da resistência à corrosão de aços inoxidáveis com Nb endurecíveis por precipitação Corrosion resistance evaluation of precipitation hardening stainless

Leia mais

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica.

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica. Caracterização Mecânica e Microestrutural de um Aço AISI 1060 submetido a diferentes Meios de Resfriamentos Angela de Jesus Vasconcelos 1, Daniele Cristina de Brito Lima Soares 1, Adriano Matos Mendes

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA

5.3. ANÁLISE QUÍMICA 5.4. ENSAIO DE DUREZA 35 5.3. ANÁLISE QUÍMICA A composição química dos parafusos foi determinada por Espectrometria de Emissão Óptica. A Tabela 04 apresenta a composição percentual dos elementos mais relevantes. A Norma SAE

Leia mais

Palavras-chave: Propriedades mecânicas, Propriedades de corrosão, Implantes Ortopédicos, Biomateriais.

Palavras-chave: Propriedades mecânicas, Propriedades de corrosão, Implantes Ortopédicos, Biomateriais. PROPRIEDADES MECÂNICAS E DE CORROSÃO DE DOIS AÇOS INOXIDÁVEIS AUSTENÍTICOS UTILIZADOS NA FABRICAÇÃO DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS Enrico José Giordani Vagner Alves Guimarães Itamar Ferreira Universidade Estadual

Leia mais

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão.

Palavras-chaves: Aço AISI 316L, tubulação, hipoclorito de sódio, NaClO e corrosão. Análise da Influência de Corrosão do Aço Inoxidável 316L por Hipoclorito de Sódio no Processo de Assepsia Externa de Tubulações Cervejeiras Douglas William dos Santos Silva* Renato Perrenchelle** Resumo.

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem

AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem AÇOS INOXIDÁVEIS considerações sobre estampagem Aços Inoxidáveis da Série 300 Austeníticos +C 304 H C 0,04/0,10 Cr 18/20 Ni 8/10,5 Propriedades mecânicas em altas temperaturas 301 C 0,15 Cr Cr 16/18 Ni

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO CLORÍDRICO ATÉ 0,50 MOL. L-1

TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO CLORÍDRICO ATÉ 0,50 MOL. L-1 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PASSIVAÇÃO DO AISI 316-L COM ÁCIDO NÍTRICO EM PRESENÇA DE MEIO CORROSIVO DE ÁCIDO

Leia mais

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III

CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III CORROSÃO INTERGRANULAR EM JUNTAS SOLDADAS - PARTE III Eng. Ricardo Fedele, MSc. Engenheiro de Aplicação da Boehler Thyssen Técnica de Soldagem Ltda Prof. do Dep. de Eng. Mecânica e Metalúrgica da Escola

Leia mais

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio

Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio Efeito da temperatura de tratamento térmico sobre a dureza de um ferro fundido branco multicomponente com alto teor de molibdênio T. R. Paula 1, C. R. Serantoni 2, A. V. Correa 1 1 Laboratório de Fundição,

Leia mais

Amazonas, 5253, , Belo Horizonte, MG

Amazonas, 5253, , Belo Horizonte, MG ISSN 1517-7076 artigo 11694,pp. 227-234, 2016 Influência do aporte térmico sobre a morfologia da austenita e na quantidade das fases em chapas soldadas de aço inoxidável duplex SAF2205 Influence of heat

Leia mais