COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015"

Transcrição

1 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015

2 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6 PATRIMÓNIO CULTURAL 7 AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 8 ARTES VISUAIS 9 ARTES DO ESPETÁCULO 10 EDITORIAL E LIVREIRO 11 ARQUITETURA E DESIGN 12 CRAFTED ARTS E INTERDISCIPLINARES 13 INVESTIR NA FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS

3 PERFIL DELIMITAÇÃO DA FILEIRA: Património Cultural, Audiovisual e Multimédia, Artes Visuais, Artes do Espetáculo, Editorial e Livreiro, Arquitetura e Design, Crafted Arts e interdisciplinares. 3 Fileira constituída por pequenos agentes culturais, associações culturais e recreativas sem fins lucrativos, IPSS e artistas em nome individual. Artes do espetáculo e indústrias de suporte representam cerca de 31% da atividade criativa. TENDÊNCIAS Aposta em mercados fora da União Europeia: EUA, EAU, Japão, Arábia Saudita, Canadá, América Latina. Incorporação de novas tecnologias e serviços de suporte inovadores. Livros e publicações representam 33,2% do VAB da fileira. Arquitetura, Design e Interdisciplinares representam cerca de 28% da atividade da fileira.

4 INDICADORES CHAVE 4 INDICADORES VOLUME DE NEGÓCIOS: 4,6 mil M Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: EXPORTAÇÕES: 402,7M VAB Nacional: 1,7% VAB da Fileira : 2,6 mil M RETRATO Empresas de pequena dimensão Portefólio alargado de competências Colaboradores altamente qualificados Reconhecimento internacional MERCADOS TOP Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, EUA, EAU, Angola, Moçambique e Brasil.

5 5 VANTAGENS COMPETITIVAS Incorporação de modernas tecnologias de conceção produção e controlo Forte interseção com o Turismo, Moda, Fileira Casa e TIC. Inovação e design Qualidade, versatilidade e flexibilidade Tradição e prestígio Criação e produção num país da EU

6 SETORES PATRIMÓNIO CULTURAL AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA ARTES VISUAIS ARTES DO ESPETÁCULO EDITORIAL E LIVREIRO ARQUITETURA E DESIGN CRAFTED ARTS E INTERDISCIPLINARES

7 PATRIMÓNIO CULTURAL Conservação e restauro: sítios e monumentos históricos, museus, bibliotecas e arquivos. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 228,2 M VAB da Fileira: 8,6 % Emprego da Fileira: 9,8% MERCADOS TOP França e Espanha.

8 AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA Cinema, televisão, videojogos, festivais. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 842,4 M VAB da Fileira: 31,6% Emprego da Fileira: 18,6% MERCADOS TOP PALOP, Canadá e EUA.

9 9 ARTES VISUAIS Pintura, escultura, galerias de arte. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 133,9M VAB da Fileira: 5% Emprego da Fileira: 6,7% MERCADOS TOP Espanha e Itália.

10 10 ARTES DO ESPETÁCULO Música e orquestras, ópera, dança, companhias de teatro, circo. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 215,7M VAB da Fileira: 8,1% Emprego da Fileira: 11,6% MERCADOS TOP EUA, Canadá, França, Alemanha e Reino Unido.

11 11 EDITORIAL E LIVREIRO Edição, artes gráficas, tradução, marketing e comunicação. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 884,3 M VAB da Fileira: 33,2% Emprego da Fileira: 36,6% MERCADOS TOP Alemanha, Brasil, França, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Colômbia.

12 12 ARQUITETURA E DESIGN Desenho de arquitetura, design de interiores, design de produto, design de comunicação. INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 120,5M VAB da Fileira: 4,5 % Emprego da Fileira: 5% MERCADOS TOP Angola, Brasil, Moçambique, França, Reino Unido, Suíça, Marrocos e EAU.

13 13 CRAFTED ARTS E INTERDISCIPLINARES Artesanato: casa e moda, design rural, interdisciplinares INDICADORES Nº DE EMPRESAS: Nº DE COLABORADORES: VAB: 241,M VAB da Fileira: 9,1% Emprego da Fileira: 11,1% MERCADOS TOP Espanha, Alemanha, França, Reino Unido, Japão e EUA.

14 INVESTIR NA FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS

15 15 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO Parcerias internacionais para projetos de museus Patrocínio de festivais em Portugal Mecenato a artistas e projetos

16 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS portugalglobal.pt

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA CASA

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA CASA COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA CASA PERFIL 3 CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-14 MOBILIÁRIO 7 TÊXTEIS-LAR 8 UTILIDADES DOMÉSTICAS 9-13 ILUMINAÇÃO 14 + DA FILEIRA 15-16 PERFIL DELIMITAÇÃO DA FILEIRA:

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JUNHO 2017

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JUNHO 2017 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JUNHO 2017 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

Artes e Cultura Financiamento e Política Pública

Artes e Cultura Financiamento e Política Pública Financiamento e Política Pública Nuno Vitorino Seminário Internacional Cultura, Direito de Autor, Lusofonia e o Futuro 3 de novembro 2014 Importância estrutural e estruturante das artes e da cultura >

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Ago 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Ago 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Ago 2016 PERFIL 3 CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-14 METAIS 7 ROCHAS ORNAMENTAIS 8 CIMENTO E BETÃO 9 MADEIRA E CORTIÇA 10 CERÂMICA 11 PLÁSTICO

Leia mais

28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO

28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO POLÍTICAS PÚBLICAS E ECONOMIA CRIATIVA Cláudia Sousa Leitão O ESTADO DA ARTE DA ECONOMIA CRIATIVA NO MUNDO 1 PANORAMA INTERNACIONAL DA ECONOMIA CRIATIVA EUROPA Criatividade como insumo para sistemas de

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS Balança Comercial Portuguesa de Leite e Derivados (Milhares de Euros) Exportação 172.852 226.378 271.971 225.496 268.753 13,3 19,2 Importação 367.724 436.717 518.991 480.416 461.748 6,6-3,9 Saldo -194.872-210.340-247.019-254.920-192.995

Leia mais

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES ENQUADRAMENTO ECONÓMICO Portugal Norte Terras de Trás-os- Montes Douro Alto Tâmega

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas DEPARTAMENTO DE PORTUGUES // PORTUGALERA DEPARTAMENTUA PORTUGAL Nacionais http://www.publico.clix.pt http://www.expresso.pt http://www.correiomanha.pt http://www.dn.pt http://www.visaoonline.pt http://www.acapital.pt

Leia mais

Lei 8.313/ Lei Rouanet. Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda

Lei 8.313/ Lei Rouanet. Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda Lei 8.313/1991 - Lei Rouanet Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda Lei 8.313/1991 - Lei Rouanet Objetivos: I. facilitar, a todos, os meios para

Leia mais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Seminário Exportar, exportar, exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Paulo Lobo Viana do Castelo - 11 de fevereiro 1 Segmentos de Atividade da Construção e Imobiliário VAB Volume de Negócios

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Centros de Competência em Portugal

Centros de Competência em Portugal Centros de Competência em Portugal janeiro 2017 Siemens, S.A. 2017. Todos os direitos reservados. siemens.pt Presença global Américas Quota no total mundial Receitas 1 22,7 EUR 29% Colaboradores 2 72.600

Leia mais

Preços e condições em vigor a partir de 18 de Janeiro de 2016

Preços e condições em vigor a partir de 18 de Janeiro de 2016 Tarifários Descontinuados Planos Business On (até Dezembro 2014) Mensalidade Business ON 1º Cartão 51,17 Business ON Cartões Adicionais 21,32 Red + Cartão de dados adicional 4,36 Aditivo 1GB 8,36 Comunicações

Leia mais

BACHARELADO EM HISTÓRIA DA ARTE UFRGS MATRIZ CURRICULAR

BACHARELADO EM HISTÓRIA DA ARTE UFRGS MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM HISTÓRIA DA ARTE UFRGS MATRIZ CURRICULAR ETAPA 1 ART 02199 Fundamentos das Artes Visuais ART 02189 História da Arte I ART 02187 História da Cultura ART 02116 Práticas Artísticas ART 02122

Leia mais

Câmara Municipal da Figueira da Foz Divisão de Cultura NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Câmara Municipal da Figueira da Foz Divisão de Cultura NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Câmara Municipal da Figueira da Foz Divisão de Cultura NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 1 Câmara Municipal da Figueira da Foz Divisão de Cultura Normas de Participação 1.Objetivo 1.1.O CRIATIVA - Encontro de Criadores

Leia mais

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística.

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A informação apresentada pretende ser a síntese dos aspectos mais relevantes do trabalho publicado

Leia mais

A importância económica do sector do azeite

A importância económica do sector do azeite Seminário O SECTOR DO AZEITE EM PORTUGAL Crescimento e competitividade A importância económica do sector do azeite Francisco Avillez Prof. Emérito do ISA, UL e Coordenador científico da AGRO.GES Março

Leia mais

Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat

Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster Habitat Seminário Plataforma para a Construção Sustentável Gonçalo Caetano 16.11.2011 Estratégias de crescimento e internacionalização no cluster

Leia mais

Rochas ornamentais. Gráfico 1: Evolução das exportações nacionais de Rochas Ornamentais

Rochas ornamentais. Gráfico 1: Evolução das exportações nacionais de Rochas Ornamentais Rochas ornamentais I. Caracterização geral da Fileira Portugal é o 7º maior exportador mundial de Rochas Ornamentais. Em 05, as vendas para o mercado externo ultrapassaram os 4 milhões de Euros, traduzindo

Leia mais

Saúde: um setor com elevado potencial exportador

Saúde: um setor com elevado potencial exportador Projetar Portugal 2013.01.03 Saúde: um setor com elevado potencial exportador Joaquim Cunha 3 janeiro 2013 science innovation research innovation development innovation strategy innovation networking innovation

Leia mais

Financiamento das Artes e da Cultura

Financiamento das Artes e da Cultura Financiamento das Artes e da Cultura Nuno Vitorino CULTURA 2020 capital criativo, capital humano, capital social 5 de novembro 2014, Fundação de Serralves Plano de Estudos CULTURA 2020 1. Mapear Recursos

Leia mais

A África na agenda econômica do Brasil Comércio e Investimentos

A África na agenda econômica do Brasil Comércio e Investimentos A África na agenda econômica do Brasil Comércio e Investimentos Ministro Nedilson Jorge Diretor do Departamento da África Ministério das Relações Exteriores CEBRI 22 de novembro 2011 Estrutura da apresentação

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

DIA NACIONAL DA EAD 2016 Por que a Educação a Distância deve formar para a Economia Criativa

DIA NACIONAL DA EAD 2016 Por que a Educação a Distância deve formar para a Economia Criativa DIA NACIONAL DA EAD 2016 Por que a Educação a Distância deve formar para a Economia Criativa Lincoln Seragini CASA SERAGINI 22/11/2016 ECONOMIA CRIATIVA Setor emergente mais dinâmico da economia mundial

Leia mais

EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO EBC 01 / DEZ / 15

EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO EBC 01 / DEZ / 15 EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO EBC 01 / DEZ / 15 Como delinear o futuro com os conflitos atuais no mercado brasileiro? O futuro da TV Pública está garantido ou não? Encontro Telesíntese 01 de dez de 2015

Leia mais

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal.

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional Rodolfo Lavrador Colóquio Respostas da Economia Portuguesa

Leia mais

Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais

Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais Colóquio 9º ano e Agora???? Escolhas Vocacionais As Escolhas no Ensino Secundário: Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais Cursos Artísticos Especializados Cursos Científico Humanísticos Cursos

Leia mais

O que é economia criativa?

O que é economia criativa? O que é economia criativa? 15 A 20 SETORES DA ECONOMIA QUE MAIS CRESCEM, MAIS GERAM EMPREGOS E MELHOR PAGAM NO MUNDO ATUAL. JOHN HOWKINS NÚCLEO DAS ARTES MÚSICA, ARTES CÊNICAS, LITERATURA, ARTES VISUAIS,

Leia mais

Centros de Competência Siemens Portugal. Junho 2016

Centros de Competência Siemens Portugal. Junho 2016 Centros de Competência Siemens Portugal Junho 2016 Restricted Siemens, S.A. 2016 Presença global Proximidade com clientes em todo o mundo Alemanha 11.2 mil milhões 114,000 15% 33% Do total a nível global

Leia mais

1. Equipamento Cultural. 1.1 Sala de Cinema

1. Equipamento Cultural. 1.1 Sala de Cinema 1. Equipamento Cultural 1.1 Sala de Cinema 1.1.1 Cine itinerante 1.1.2 Cineclube 1.1.3 Cinema de rua 1.1.4 Drive-in 1.1.5 Espaço Cultural de Projeção de Filmes e Vídeos 1.1.6 Sala de cinema comunitário

Leia mais

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2004 1. Panorama Mundial O sector do mobiliário tem registado uma evolução bastante positiva, designadamente ao nível do processo produtivo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA ATENÇÃO ARTISTAS, GRUPOS, PRODUTORES CULTURAIS E DEMAIS REALIZADORES! FORAM LANÇADOS OS EDITAIS PROAC 2014. ACOMPANHE AS NOVIDADES DESTA EDIÇÃO! Ficha de inscrição online: disponível no site da Secretaria

Leia mais

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013

Feiras no Contexto da Globalização. Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Feiras no Contexto da Globalização Cristina Motta, Messe Frankfurt Portugal (Repr.) ISLA Campus Lisboa, 20 de Fevereiro de 2013 Do comércio mundial à globalização Pós Guerra: Aumento intensivo das trocas

Leia mais

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? 1 - CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos Duração de 3 anos 10º, 11º e 12ºanos Sujeitos a 4 eames nacionais:

Leia mais

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem O setor de HPPC no mundo Maiores consumidores de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Top 15 países Mundo USA China Japão Brasil 32,1 30,2 50,7 80,0 2º. Proteção

Leia mais

LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES

LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza internacional 3.00 Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza local 1.00 Trabalho em Evento Trabalho em evento completo de natureza

Leia mais

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev

Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial. Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Inserção do Brasil no setor de serviços da economia mundial Eduardo Bom Angelo Presidente da Brasilprev Participação dos Serviços no PIB (% em valor adicionado preços básicos) 70 60 Agropecuária Indústria

Leia mais

Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior ª Fase

Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior ª Fase Universidade dos Açores - Faculdade de Ciências Agrárias e do Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 12 114,5 3 Universidade dos Açores - Faculdade de Ciências Agrárias e do Medicina Veterinária

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

2.1.2 Artes Plásticas/ Artes Visuais / Design

2.1.2 Artes Plásticas/ Artes Visuais / Design 2.Espaço de Formação Cultural 2.1 Conservatório 2.1.1 Artes Cênicas 2.1.1.1 Teatro 2.1.1.2 Ópera 2.1.1.3 Dança 2.1.1.4 Circo 2.1.2 Artes Plásticas/ Artes Visuais / Design 2.1.2.1 Pintura 2.1.2.2 Desenho

Leia mais

OABSP. Temas Jurídicos do Terceiro Setor

OABSP. Temas Jurídicos do Terceiro Setor OABSP Temas Jurídicos do Terceiro Setor Incentivos fiscais Flavia Regina de Souza Oliveira Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados Títulos concedidos pelo Poder Público Título de Utilidade

Leia mais

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia

Indicadores Macro para o Brasil na área de Ciência e Tecnologia Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimentos ACAD Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação Indicadores Macro para

Leia mais

Cultura nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Sala Sidney Miller

Cultura nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Sala Sidney Miller Cultura nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Sala Sidney Miller Cultura nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos > Objetivo: valorizar a diversidade cultural brasileira > Diversas linguagens artísticas gratuitas:

Leia mais

Cinema, Soft Power e os BRICS

Cinema, Soft Power e os BRICS Seminário Cinema, Soft Power e os BRICS Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Debora Ivanov 27/10/2016 Diretrizes Diretrizes das ações internacionais realizadas pela ANCINE 1. Estímulo à realização

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

ANEXO II SALÁRIOS, CARGAS HORÁRIAS E REQUISITOS CARGO SALÁRIO* REQUISITOS

ANEXO II SALÁRIOS, CARGAS HORÁRIAS E REQUISITOS CARGO SALÁRIO* REQUISITOS ANEXO II SALÁRIOS, CARGAS HORÁRIAS E REQUISITOS ANALISTA I - ADMINISTRATIVO CARGO SALÁRIO* REQUISITOS ANALISTA I - BIBLIOTECA ANALISTA I - CONTABIL ANALISTA I - GRAVACAO MUSICAL ANALISTA I - SISTEMAS ANALISTA

Leia mais

Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS.

Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS. Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS. Uma instituição diferente A marca Montepio identifica uma associação mutualista (a maior do País), uma instituição financeira entre

Leia mais

Nota de Agenda. TEKTÓNICA abre amanhã com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas

Nota de Agenda. TEKTÓNICA abre amanhã com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas Nota de Agenda TEKTÓNICA abre amanhã com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas Lisboa, 3 de Maio de 2016 A 18ª edição da Feira Internacional de Construção e Obras Públicas Tektónica,

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2010 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2010 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 00 Projetos 375 Total de Projetos por Fase de Seleção 0 Total de Projetos por Linha de Atuação / Setor - por Fase de Seleção 65 964 360 384 446 4 7 77 44 7 5 6 0 AUDIOVISUAL

Leia mais

Portugal - Balança de Bens e Serviços

Portugal - Balança de Bens e Serviços Portugal - Balança de Bens e Serviços As trocas comerciais no semestre terminado em Fevereiro Neste tema analisamos a evolução da balança de bens e serviços tendo por base o acumulado das trocas comerciais

Leia mais

Instituto t Nacional de Estatística

Instituto t Nacional de Estatística Apresentação dos Resultados Definitivos do Recenseamento Geral da População e Habitação - RGPH 2010 - Instituto t Nacional de Estatística tí ti CABO VERDE Gabinete do Censo Resultados definitivos do RGPH

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO 2001-2004 O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 87/XI Fixa a composição, distribuição e elenco dos Grupos Parlamentares de Amizade na XI Legislatura e procede à primeira alteração à Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003,

Leia mais

A Indústria Farmacêutica Portuguesa. - Maio

A Indústria Farmacêutica Portuguesa. - Maio A Indústria Farmacêutica Portuguesa - Maio 2006-1 1 - Mercado Farmacêutico Mundial - 2004 US$ 545,0 biliões - Crescimento de 11,4% 4% 2% 8% 11% 47% OUT (*): Ásia, África e Austrália; Fonte: IMS, World

Leia mais

Análise das Exportações do 1º Semestre de 2009

Análise das Exportações do 1º Semestre de 2009 Análise das Exportações do 1º Semestre de 2009 As exportações de vinho no 1º semestre de 2009, registam um acréscimo de 7 em volume e 46 em valor face ao período homólogo de 2008, o que se traduz num acréscimo

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

5º Congresso APECATE. Contextualização do Turismo Cultural em Portugal ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO. Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017

5º Congresso APECATE. Contextualização do Turismo Cultural em Portugal ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO. Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017 5º Congresso APECATE ESTRUTURAR NEGÓCIO PARA POTENCIAR O CRESCIMENTO Évora, 2 a 4 de Fevereiro 2017 Contextualização do Turismo Cultural em Portugal José Maria Lobo de Carvalho 3 de Fevereiro de 2017 ÁREA

Leia mais

PLANO AQUARELA

PLANO AQUARELA PLANO AQUARELA 2007-2010 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) 2003 2004 2005 2006 Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842,0

Leia mais

Análise de mercados potenciais Seminário de Comércio Exterior sobre Flores

Análise de mercados potenciais Seminário de Comércio Exterior sobre Flores Análise de mercados potenciais Seminário de Comércio Exterior sobre Flores Março/2017 Manoel Franco Junior Analista - Coordenação de Inteligência de Mercado Estrutura da apresentação: 1) Ferramentas de

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008

FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 FONTES DE FINANCIAMENTO CULTURAIS NOVEMBRO 2008 1 Conceito de Financiamento Público da Cultura Conjunto de ofertas governamentais e não governamentais de recursos para a concretização de produção cultural

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano

Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CORONADO E CASTRO, TROFA Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano Ano letivo 2014/2015 OFERTAS EDUCATIVAS APÓS O 9º ANO Cursos

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE CGD 2015 INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE 2015 G4-10 NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES Discriminados por contrato de trabalho e género - por região (2015) (em número) 2 CGD,SA

Leia mais

Curso Área CNAEF Curso ESEC Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Audiovisuais e Produção dos Media Turismo e Lazer

Curso Área CNAEF Curso ESEC Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Audiovisuais e Produção dos Media Turismo e Lazer Acompanhamento de Crianças e Jovens Administração de Bases de Dados 481 - Ciências Informáticas Administração e Negócios 345 - Gestão e Administração Comunicação Organizacional Animação e Modelação 3D

Leia mais

1.1.1 Plano de Desenvolvimento de Política Universitária de Cultura

1.1.1 Plano de Desenvolvimento de Política Universitária de Cultura 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 1.1.1 Plano de Desenvolvimento de Política Universitária de Cultura A proposição de uma Política de Cultura na FURB

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE CULTURA CULTURFORNOS

PLANO MUNICIPAL DE CULTURA CULTURFORNOS PLANO MUNICIPAL DE CULTURA CULTURFORNOS Pretende-se com este documento organizar a oferta cultural no Município de Fornos de Algodres, de modo a promover a diversidade de espetáculos e a atração e formação

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

As PME europeias nas Cadeias de Valor Globais

As PME europeias nas Cadeias de Valor Globais As PME europeias nas Cadeias de Valor Globais COMISSÃO EUROPEIA CIP AIDA Aveiro, 24 de janeiro de 2017 jose.vale@iapmei.pt Política Pública (Programa do Governo) Desafio da Inovação no tecido empresarial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

IMOPLATAFORMA. Introdução

IMOPLATAFORMA. Introdução Introdução A Imoplataforma é uma ferramenta totalmente online onde pode gerir a sua carteira de imóveis e maximizar o investimento feito no Imovirtual. Não tem qualquer custo acrescido e permitelhe usufruir

Leia mais

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso

Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso Criatividade e Inovação Chaves do Sucesso 20 de Novembro, Sábado Painel das Indústrias Sustentáveis e Criativas Carlos Medeiros Capital Natural Vivível Viável CIDADES SUSTENTÁVEIS Capital Humano Equitável

Leia mais

estudo das tendências

estudo das tendências estudo das tendências de INTERNACIONALIZAÇÃO estudo das tendências de INTERNACIONALIZAÇÃO Ficha técnica Título Estudo das Tendências de Internacionalização CTCP - Centro Tecnológico do Calçado de Portugal

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO E CRIATIVO

EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO E CRIATIVO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 09/SI/2017 1 Introdução Enquadramento Pretende-se reforçar os níveis de empreendedorismo qualificado e criativo, através de apoios diretos aos empreendedores

Leia mais

FESTIVAL SETE SÓIS SETE LUAS NA BRAVA, NO MAIO, EM SÃO FILIPE, NA RIBEIRA GRANDE DE SANTO ANTÃO E NO TARRAFAL DE SANTIAGO

FESTIVAL SETE SÓIS SETE LUAS NA BRAVA, NO MAIO, EM SÃO FILIPE, NA RIBEIRA GRANDE DE SANTO ANTÃO E NO TARRAFAL DE SANTIAGO FESTIVAL SETE SÓIS SETE LUAS NA BRAVA, NO MAIO, EM SÃO FILIPE, NA RIBEIRA GRANDE DE SANTO ANTÃO E NO TARRAFAL DE SANTIAGO Chega o Festival Sete Sóis Sete Luas em Cabo Verde: Descentralização cultural,

Leia mais

O seu Parceiro de Negócios

O seu Parceiro de Negócios O seu Parceiro de Negócios Sinopse da Empresa O BNU é o primeiro banco emissor de papel-moeda em Macau, com 115 anos de história, no apoio à comunidade local. Há mais de um século que o BNU é parte da

Leia mais

Por quê uma oficina de Projetos Culturais?

Por quê uma oficina de Projetos Culturais? Por quê uma oficina de Projetos Culturais? Introdução O Tipos de Financiamento: Leis de Incentivo (Rounet e Goiazes); Servem para captação de recursos junto à empresas para financiamento de projetos culturais

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro Agenda HOJE HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 08h45 09h10 Abertura Brasoftware Salão Nobre 09h10 09h30 Big Data: Neoway Salão Nobre 09h30 09h50 Gestão de Conteúdo:

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

Potencial C. Marita Setas Ferro. Agência Inova. Cidade das Profissões 23 de Abril

Potencial C. Marita Setas Ferro. Agência Inova. Cidade das Profissões 23 de Abril Potencial C Agência Inova Cidade das Profissões 23 de Abril CITEX Design de Moda FBAUP Licenciatura em Escultura FPCEUP Profissionalização em serviço ISCTE/INDEG Pós-graduação em Gestão Cultural Universidade

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Economia da cultura e desenvolvimento

Economia da cultura e desenvolvimento Economia da cultura e desenvolvimento 2008 Economia Dimensão da vida Campo de conhecimento Área de atuação do Estado e da sociedade Relações e práticas sociais Geração de valor Oferta e demanda Cultura

Leia mais

Indicadores de Exportação e Importação. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Massas e outros derivados.

Indicadores de Exportação e Importação. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Massas e outros derivados. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Massas e outros derivados. Dados extraídos em 12.06.2013 Relação dos Códigos s utilizados: Massas alimentícias, cont. ovos, n/cozidas, n/recheadas, etc.

Leia mais

Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 )

Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 ) H E L L O VENDAS Quota 17,5% volume Quota 17,4% valor Preço médio 3,93 (Alentejo 3,81 ) 2015 + 54 M +7% + 23 M. Litros 3% + 100 mercados 1º EUA +13 M 30% 2º Alemanha +9M 3º França 4º Canadá 5º Brasil 57%

Leia mais

Jundiaí. Se destaca como polos econômico, cultural e ambiental do Estado e ocupa a 4ª posição no Índice de Desenvolvimento Humano no Estado (2013).

Jundiaí. Se destaca como polos econômico, cultural e ambiental do Estado e ocupa a 4ª posição no Índice de Desenvolvimento Humano no Estado (2013). Jundiaí Com 358 anos, Jundiaí está localizada no interior do Estado de São Paulo, a 49 km da capital paulista. A cidade com 380 mil habitantes é administrada desde 2013 pelo prefeito Pedro Bigardi (PCdoB).

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES 1 Estas são as recentes descobertas da Ipsos com a pesquisa Perigos da Percepção. Os resultados destacam o quão equivocado o público de 33 países

Leia mais

Uzo Original. Uzo 8. Tarifário Uzo Destino Voz. Preço por Minuto/SMS/MMS 0,176 0,133 0,09 0,067 0,433 0,654 1,07 0,032 0,664

Uzo Original. Uzo 8. Tarifário Uzo Destino Voz. Preço por Minuto/SMS/MMS 0,176 0,133 0,09 0,067 0,433 0,654 1,07 0,032 0,664 Tarifário Uzo 2012 1 Uzo Original Voz Voz (tarifa reduzida) SMS SMS (tarifa reduzida) MMS - Video Internet Telemóvel / Valor diário Dados UZO / TMN / PT Dados CS (Inosat) Outras redes Chamadas taxadas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, Decreto n.º 3.548, de 21 de julho de 2000 Promulga o Acordo de Cooperação Cultural entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Argentina, celebrado em Brasília, em 10 de

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA NYC by Inaset 110g/m2 Em 2010, o grupo Portucel Soporcel representou 8% do total das exportações portuguesas para os EUA. E, a uma escala maior, foi responsável por 59% das exportações europeias de papel*

Leia mais

EVENTOS 63 ACÇÕES EDUCAÇÃO 31 ACÇÕES PROMOÇÃO 3 ACÇÕES COMUNICAÇÃO 19 ACÇÕES

EVENTOS 63 ACÇÕES EDUCAÇÃO 31 ACÇÕES PROMOÇÃO 3 ACÇÕES COMUNICAÇÃO 19 ACÇÕES EVENTOS 63 ACÇÕES EDUCAÇÃO 31 ACÇÕES COMUNICAÇÃO 19 ACÇÕES PROMOÇÃO 3 ACÇÕES THE YEAR Utilizadores Registados na Aplicação 1087 Número de eventos 19 Produtores marcados como favorito Avaliações

Leia mais

Turismo Rural Ecoturismo Turismo de Aventura. Interfaces Oportunidades Cases

Turismo Rural Ecoturismo Turismo de Aventura. Interfaces Oportunidades Cases Turismo Rural Ecoturismo Turismo de Aventura Interfaces Oportunidades Cases Turismo no Mundo Empregos Diretos 120 Milhões Empregos Indiretos 125 Milhões Visão Geral da Competitividade Internacional Competitividade

Leia mais