28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO"

Transcrição

1 POLÍTICAS PÚBLICAS E ECONOMIA CRIATIVA Cláudia Sousa Leitão O ESTADO DA ARTE DA ECONOMIA CRIATIVA NO MUNDO 1

2 PANORAMA INTERNACIONAL DA ECONOMIA CRIATIVA EUROPA Criatividade como insumo para sistemas de inovação. Sinônimos de industrias criativas: indústrias de conteúdo, indústrias culturais digitais e indústrias das Telecomunicações, Informação, Mídia, Entretenimento e Software. AMÉRICA DO NORTE Nos EUA o termo indústrias criativas é empregado como sinônimo de indústria do entretenimento. No Canadá as novas tecnologias e o audiovisual são estratégias essenciais de desenvolvimento. ÁSIA Investimento em grandes infra-estruturas (clusters de negócios criativos, cidades criativas, redes de alta velocidade etc.). O foco é a cultura digital (design, TICs, produções de animação, filmes, TV, games etc.) AMÉRICA DO SUL PANORAMA INTERNACIONAL DA ECONOMIA CRIATIVA Promoção da inovação e da criação de pequenos empreendimentos no campo criativo; facilitação do acesso a mercados e ao financiamento; melhoria da infra-estrutura disponível; garantia do acesso da produção nacional aos meios de difusão existentes (jornal, radio, televisão e cinema); proteção dos direitos dos autores ao mesmo tempo que se permita maior acesso aos conteúdos, bens e serviços criativos; educação, a capacitação e a assistência técnica às indústrias criativas. 2

3 PANORAMA INTERNACIONAL DA ECONOMIA CRIATIVA ÁFRICA Reconhecimento dos setores criativos como um veículo importante para a promoção do desenvolvimento econômico local, do turismo cultural e da promoção da identidade nacional em toda sua diversidade. DADOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO MUNDO 3

4 COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS E SERVIÇOS CRIATIVOS Comércio mundial de produtos criativos - um dos mais dinâmicos; Entre 2000 e 2005, cresceu 8,7% ao ano, mais de US$ 424,4 bilhões; Os bens criativos atingiram US$ 335,5 bilhões em 2005, 47% mais que em 2000; Os países desenvolvidos dominam o comércio internacional : União Européia, Estados Unidos e Japão; As exportações dos países em desenvolvimento cresceram, dada a posição dominante da China. Indústrias Criativas (Total) EXPORTAÇÃO MUNDIAL (bens e serviços criativos) Design Publicidade Serviços Criativos SITUAÇÃO NOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Apesar da abundância de talentos criativos a maioria dos países tem potencial criativo sub-utilizado; Somente na Ásia e no Oriente Médio a economia criativa está crescendo rapidamente; América Latina tem fraca participação no mercado mundial; O Brasil esta fora da lista dos 20 principais exportadores de bens criativos, e dos top 10 dentre os exportadores dos países em desenvolvimento. 4

5 INDÚSTRIAS CRIATIVAS : PARTICIPAÇÃO NAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS, 2005 Economias Desenvolvidas Economias em Desenvolvimento Economias em transição Fonte: UNCTAD ECONOMIA CRIATIVA X INDÚSTRIAS CRIATIVAS 5

6 ECONOMIA CRIATIVA X SETORES / INDÚSTRIAS CRIATIVAS A Economia Criativa corresponde aos ciclos de criação, produção, circulação/ distribuição, consumo/ fruição de bens e serviços cujo insumo principal é a criatividade e conhecimento. Indústrias criativas são os segmentos ou setores produtores de bens e serviços criativos caracterizados pela propriedade intelectual (UNCTAD). Indústrias Culturais CLASSIFICAÇÕES DOS SETORES CRIATIVOS UNCTAD (2008) Sítios Culturais Manifestações Tradicionais Patrimônio Visuais Performáticas Publicações e Mídias Impressas Setores Criativos Audiovisual Mídias Design Serviços Criativos Novas Mídias Criações Funcionais 6

7 CLASSIFICAÇÕES DOS SETORES CRIATIVOS UNCTAD (2008) Sítios Culturais - Patrimônio edificado - Sítios arqueológicos - Museus - Galerias etc. PATRIMÔNIO Manifestações Tradicionais - Celebrações - Festejos - anato - Saberes e Fazeres CLASSIFICAÇÕES DOS SETORES CRIATIVOS UNCTAD (2008) Visuais - Pintura - Escultura - Fotografia ARTES Performáticas - Música - Teatro - Dança - Circo - Ópera etc. 7

8 CLASSIFICAÇÕES DOS SETORES CRIATIVOS UNCTAD (2008) Audiovisual - Cinema - Vídeo - TV - Rádio MÍDIAS Publicações e Mídias Impressas - Livros - Revistas - Jornais etc. CLASSIFICAÇÕES DOS SETORES CRIATIVOS UNCTAD (2008) Design - Moda - Jóias - Gráfico - Móveis - Interiores etc. CRIAÇÕES FUNCIONAIS Serviços Criativos - Arquitetura - Publicidade - Marketing - Produção cultural etc. Novas Mídias - Softwares - Games eletrônicos - Internet etc. 8

9 ECONOMIA CRIATIVA: UM CONCEITO EM CONSTRUÇÃO ECONOMIA CRIATIVA X ECONOMIA TRADICIONAL A distinção dessa nova economia não deve ser feita em função dos insumos mas pelo processo produtivo, a criatividade é o elemento central, onde predomina o valor simbólico(elemento central da formação do preço); O resultado do processo criativo é a produção de riqueza cultural (valor, fruição, utilidade etc) O Patrimônio Cultural é insumo e resultado da economia criativa. Enquanto a Economia Tradicional tem por princípio a acumulação e a exploração, a Economia Criativa se fundamenta na inclusão e na sustentabilidade. 9

10 Ativo Patrimônio Cultural Existente Processo Economia Criativa (Produtores) Ativo Patrimônio Cultural Ampliado Setores Criativos Bem/Serviços Criativos Riqueza Cultural Suportes (Infra-estrutura) Mercados Classificações dos Setores Criativos PROPOSTA DA SEC Visuais - Pintura - Escultura - Fotografia EXPRESSÕES CULTURAIS Performáticas - Música - Teatro - Dança - Circo - Ópera etc. Manifestações Populares - Celebrações - Festejos - anato 10

11 Classificações dos Setores Criativos PROPOSTA Audiovisual - Cinema - Vídeo - TV - Rádio INDÚSTRIAS CULTURAIS Publicações e Mídias Impressas - Livros - Revistas - Jornais etc. Produção de conteúdos p/ a indústria de informática e redes - Redes sociais - Games eletrônicos - softwares p/ a produção de conteúdos etc. Classificações dos Setores Criativos PROPOSTA SERVIÇOS CRIATIVOS - Design - Moda - Jóias - Gráfico - Móveis - Interiores etc. - Arquitetura - Publicidade - Realização cultural etc. 11

12 Classificações dos Setores Criativos PROPOSTA Expressões Culturais Manifestações Populares Visuais Performática s Criações Funcionais Serviços Criativos Setores Criativos Audiovisual Publicações e Mídias Impressas Produção de Conteúdos Indústrias Culturais CONCEITOS PROPOSTOS (EM CONSTRUÇÃO) A economia criativa compreende os ciclos de criação, produção, distribuição/ difusão e consumo/ fruição de bens e serviços caracterizados pela prevalência de sua dimensão simbólica. Os setores criativos correspondem às atividades econômicas que tem como principal processo um ato criativo, gerador de valor simbólico, elemento central da formação do preço, e que resulta em produção de riqueza cultural. PRINCÍPIOS DA ECONOMIA CRIATIVA: SUSTENTABILIDADE / DIVERSIDADE / INCLUSÃO 12

13 ECONOMIA CRIATIVA OBSTÁCULOS PARA O DESENVOLVIMENTO DESTA NOVA ECONOMIA 1. Ausência de pesquisas que contemplem de modo amplo os diversos setores desta economia, permitindo conhecer e reconhecer dados relativos às vocações e oportunidades de empreendimentos criativos para a definição de políticas públicas; 2. baixa disponibilidade de recursos financeiros para o financiamento de negócios desta natureza; 3. baixo investimento em capacitação dos agentes atuantes na cadeia produtiva destas indústrias, agentes que cuja atuação exige visão de mercado, de gestão de empreendimentos e de conhecimentos técnicos e artísticos; 4. pouca infra-estrutura no que se refere à distribuição e difusão dos bens e serviços. DADOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 13

14 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE BENS CRIATIVOS BENS, EXPORTADOS POR CATEGORIAS, 2002 E 2008 anato Audiovisual Design Novas Mídias Performáticas Publicidade Visuais EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SERVIÇOS CRIATIVOS SERVIÇOS CRIATIVOS, EXPORTADOS POR CATEGORIAS, 2002 E 2008 Propaganda e serviços relacionados Pesquisa e desenvolvimento de serviços Arquitetura e serviços relacionados Serviços pessoais, culturais e de lazer Audiovisual e serviços relacionados Outros serviços pessoais, culturais e de lazer Fonte : UNCTAD 14

15 PLANO NACIONAL DE CULTURA SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA PLANO NACIONAL DE CULTURA Lei Nº (03/12/2010) ESTRATÉGIAS 1. Fortalecer a ação do Estado no planejamento e na execução das políticas culturais. 2. Incentivar, proteger e valorizar a diversidade artística e cultural brasileira. 3. Universalizar o acesso dos brasileiros à fruição e à produção cultural. 4. Ampliar a participação da cultura no desenvolvimento socioeconômico sustentável. 5. Consolidar os sistemas de participação social na gestão das políticas culturais. 15

16 AMPLIAR A PARTICIPAÇÃO DA CULTURA NO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES 1. Capacitação e assistência ao trabalhador da cultura 2. Estímulo ao desenvolvimento da Economia da Cultura 3. Turismo Cultural 4. Regulação Econômica OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA CAPACITAÇÃO E ASSISTÊNCIA AO TRABALHADOR DA CULTURA (TRABALHADOR CRIATIVO) 1. Promover a educação para as competências criativas através da qualificação de profissionais capacitados para a criação e gestão de empreendimentos criativos; 2. Gerar conhecimento e disseminar informação sobre economia criativa; 16

17 OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DA CULTURA (ECONOMIA CRIATIVA) 3. Conduzir e dar suporte na elaboração de políticas públicas para a potencialização e o desenvolvimento da economia criativa brasileira; 4. Articular e conduzir o processo de mapeamento da economia criativa do Brasil com o objetivo de identificar vocações e oportunidades de desenvolvimento local e regional; 5. Fomentar a identificação, a criação e o desenvolvimento de pólos criativos com o objetivo de gerar e potencializar novos empreendimentos, trabalho e renda no campo dos setores criativos; 6. Promover a articulação e o fortalecimento dos micro e pequenos empreendimentos criativos; OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DA CULTURA (ECONOMIA CRIATIVA) 7. Apoiar a alavancagem da exportação de produtos criativos; 8. Apoiar a maior circulação e distribuição de bens e serviços criativos; 9. Desconcentrar regionalmente a distribuição de recursos destinados a empreendimentos criativos, promovendo um maior acesso a linhas de financiamento (incluindo o microcrédito); 10. Ampliar a produção, distribuição/difusão e consumo/fruição de produtos e serviços da economia criativa; 17

18 OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA TURISMO CULTURAL (DESENVOLVIMENTO INTERINSTITUCIONAL PARA A ECONOMIA CRIAT 11. Promover o desenvolvimento interinstitucional para a Economia Criativa (Continua) Ministério do Turismo (Turismo cultural / cidades criativas/ bairros criativos) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Design de produto, design de moda, artesanato etc.) Ministério das Comunicações (TVs, rádios, novas mídias etc.) Ministério do Trabalho (Capacitação e assistência ao trabalhador criativo) OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA TURISMO CULTURAL (INTERFACES DA ECONOMIA CRIATIVA) 11. Promover o desenvolvimento interinstitucional para o fomento da Economia Criativa Ministério da Justiça (marcos regulatórios) Ministério da Integração Nacional (bacias e territórios criativos) Ministério da Educação (Capacitação do trabalhador criativo) Ministério das Relações Exteriores (ONU, OMC, OMPI etc) Ministério da Ciência e Tecnologia (Softwares, games eletrônicos, projetos de inovação tecnológica etc) 18

19 OBJETIVOS DA SEC EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES PACTUADAS NO PLANO NACIONAL DE CULTURA REGULAÇÃO ECONÔMICA 12. Efetivar mecanismos direcionados à consolidação institucional de instrumentos regulatórios (marcos trabalhistas, fiscais, intelectuais) No momento cultural que atravessamos, em que se sente um desejo imperioso, uma aspiração coletiva por uma afirmação categórica de independência política e econômica de nação os estudos (sobre a cultura) devem ser estimulados e recebidos jubilosamente porque constituem as balizas do roteiro de nossa futura política de uma política consciente, realmente identificada com as aspirações e as singularidades regionais de nosso povo. Política que se pressente para os próximos dias como uma benéfica e irremovível contingência do impulso criador de nossa cultura. Josué de Castro- Documentário do Nordeste (1937) 19

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011

ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO. Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA E DESENVOLVIMENTO Cláudia Leitão Rio de Janeiro, 10 de junho de 2011 ECONOMIA CRIATIVA BRASILEIRA: 4 PRINCIPAIS DESAFIOS OS 4 GRANDES DESAFIOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL 1º DESAFIO:

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS DEZ 2015 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6 PATRIMÓNIO CULTURAL 7 AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 8 ARTES VISUAIS 9 ARTES

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

POLÍTICA CULTURAL: BRASIL; SP; SÃO PAULO

POLÍTICA CULTURAL: BRASIL; SP; SÃO PAULO POLÍTICA CULTURAL: BRASIL; SP; SÃO PAULO Antônio Eleilson Leite Flavia Landucci Landgraf São Paulo, novembro, 2015 Política cultural Nacional Sistema Nacional de Cultura E o fortalecimento do papel do

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS ESTRUTURANTES CVTs CENTROS VOCACIONAIS TECNOLÓGICOS O QUE É O CVT? É um espaço voltado

Leia mais

Negócios Digitais: startups; fablabs; mídia digital; softwares; games; novas mídias e mídias sociais.

Negócios Digitais: startups; fablabs; mídia digital; softwares; games; novas mídias e mídias sociais. REGULAMENTO REALIZAÇÃO Secretaria de Estado de Cultura - SEC, Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação - SECITEC, Parque Tecnológico de Mato Grosso, Programa Mato Grosso Criativo e Serviço

Leia mais

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil

1. Legislação federal referente à cultura no Brasil 1. Legislação federal referente à cultura no Brasil Emenda Constitucional 48/2005: cria o Plano Nacional de Cultura LEI Nº 12.343/2010- Aprova o Plano Nacional de Cultura e estabelece o Sistema Nacional

Leia mais

Creative Economy Report UNCTAD. Alessandra Meleiro. Seminário: Economia Criativa e Cultura

Creative Economy Report UNCTAD. Alessandra Meleiro. Seminário: Economia Criativa e Cultura Creative Economy Report 2008 - UNCTAD Alessandra Meleiro Seminário: Economia Criativa e Cultura Economia Cultura Tecnologia Indústrias Criativas Origens do termo: Australia, 1994, report Creative Nation

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

Carta de Brasília. 1. Estratégia Brasileira das Cidades Históricas e Patrimônio Mundial

Carta de Brasília. 1. Estratégia Brasileira das Cidades Históricas e Patrimônio Mundial Carta de Brasília As cidades brasileiras que possuem bens declarados Patrimônio Mundial pela Unesco de natureza cultural e natural, assim como tombados em nível federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico

Leia mais

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional

A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional A Promoção do Brasil como destino de Turismo Cultural no Mercado Internacional 2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial São Luís, 24 a 27/02/2016 A EMBRATUR Missão

Leia mais

O que é economia criativa?

O que é economia criativa? O que é economia criativa? 15 A 20 SETORES DA ECONOMIA QUE MAIS CRESCEM, MAIS GERAM EMPREGOS E MELHOR PAGAM NO MUNDO ATUAL. JOHN HOWKINS NÚCLEO DAS ARTES MÚSICA, ARTES CÊNICAS, LITERATURA, ARTES VISUAIS,

Leia mais

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo

Turismo Histórico-Cultural. diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Turismo Histórico-Cultural diretrizes para o desenvolvimento Ministério do Turismo Proposta de Recorte para a Conceituação de Turismo Cultural l o MTur, em parceria com o Ministério da Cultura e o IPHAN,

Leia mais

Lei 8.313/ Lei Rouanet. Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda

Lei 8.313/ Lei Rouanet. Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda Lei 8.313/1991 - Lei Rouanet Lei federal de incentivo à cultura Como investir em projetos culturais usando o Imposto de Renda Lei 8.313/1991 - Lei Rouanet Objetivos: I. facilitar, a todos, os meios para

Leia mais

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. Maria Lúcia Santaella Braga (Catanduva, 13 de agosto de 1944). Pesquisadora brasileira e professora titular

Leia mais

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 PANORAMA MUNDIAL Chegada de Turistas x Receita Cambial - Em 2015 6,3 milhões de turistas estrangeiros chegaram ao

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

ECONOMIA CRIATIVA E ECONOMIA COMPARTILHADA

ECONOMIA CRIATIVA E ECONOMIA COMPARTILHADA ECONOMIA CRIATIVA E ECONOMIA COMPARTILHADA Objetivos O objetivo do curso é analisar negócios dentro dos contextos de economia criativa e compartilhada. A análise nos permitirá compreender como são caracterizados

Leia mais

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO

CAPÍTULO III DO FINANCIAMENTO PROJETO DE LEI Institui o Plano Estadual de Cultura da Bahia e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências Wanessa Dose Bittar Formação -Especializada em Engenharia de Produção ( UFJF) -Graduada em Educação Artística ( UFJF) -Técnica em Design ( CTU) Cursos Extras -Educação Empreendedora pelo Endeavor Brasil

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

O que são os Núcleos Temáticos?

O que são os Núcleos Temáticos? O que são os Núcleos Temáticos? Dispositivos acadêmicos grupais de natureza multidisciplinar e transdisciplinar voltados para a ampliação e aprofundamento de temas de relevância social, cultural e científica

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE

Francisco Beltrão Inovações e Desafios. Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Francisco Beltrão Inovações e Desafios Centro de Inovação e Tecnologia de Francisco Beltrão - CITFBE Agosto de 2015 Política de Desenvolvimento Local Sistema Regional de Inovação Serviços Urbanos CITFBE

Leia mais

"Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências".

Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências. "Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências". CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o Fica instituído

Leia mais

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020

Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Mercado global de mídia e entretenimento vai movimentar US$ 2,14 trilhões em 2020 Enviado por DA REDAÇÃO 10-Jun-2016 PQN - O Portal da Comunicação A receita global do setor de mídia e entretenimento deve

Leia mais

Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento. Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS

Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento. Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS CREATIVE INDUSTRIES ECONOMIA CRIATIVA Primeira definição, 1998, Reino

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR Nº 02, DE 05 DE JUNHO DE 2016 REFERENTE AO EDITAL N 03/2016/ PROEX/IFAC APOIO ÀS ATIVIDADES DE CULTURA

EDITAL COMPLEMENTAR Nº 02, DE 05 DE JUNHO DE 2016 REFERENTE AO EDITAL N 03/2016/ PROEX/IFAC APOIO ÀS ATIVIDADES DE CULTURA EDITAL COMPLEMENTAR Nº 02, DE 05 DE JUNHO DE 2016 REFERENTE AO EDITAL N 03/2016/2017 - PROEX/IFAC APOIO ÀS ATIVIDADES DE CULTURA A Reitora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre

Leia mais

PMLLLB. Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Curitiba / PR

PMLLLB. Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Curitiba / PR PMLLLB Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas Curitiba / PR Apresentação No ano de 2014, durante o processo preparatório à Conferência Municipal de Cultura, foram realizadas pré-conferências

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA CULTURA ATENÇÃO ARTISTAS, GRUPOS, PRODUTORES CULTURAIS E DEMAIS REALIZADORES! FORAM LANÇADOS OS EDITAIS PROAC 2014. ACOMPANHE AS NOVIDADES DESTA EDIÇÃO! Ficha de inscrição online: disponível no site da Secretaria

Leia mais

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos por Samir Selman Jr. De uma maneira geral, a Lei Rouanet foi criada para estimular a cultura nacional, como já detalhamos em outros artigos, como em "A

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA O Centro Universitário Metodista IPA e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por

Leia mais

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil

Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil 1 Políticas de Ciência, Tecnologia e de Inovação para o Setor de RFID no Brasil Henrique de Oliveira Miguel MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Política de Informática 2 Mercado

Leia mais

Financiamento da indústria audiovisual. 24 de setembro de 2010

Financiamento da indústria audiovisual. 24 de setembro de 2010 Financiamento da indústria audiovisual 24 de setembro de 2010 Econômicos Cinema brasileiro > Desafios Crescer Ser mais competitivo (+ receita, + prêmios, + vendas internacionais) Atrair mais investimento

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

O Centro da Indústria, Arte e Cidade inscreve-se na nova Praça da Liberdade como um instrumento potencializador desse abrangente projeto de futuro.

O Centro da Indústria, Arte e Cidade inscreve-se na nova Praça da Liberdade como um instrumento potencializador desse abrangente projeto de futuro. O Circuito Cultural é parte de um grande projeto de reestruturação de Belo Horizonte, visando adequá-la aos requisitos dos grandes centros metropolitanos do séc. XXI. O Centro da Indústria, Arte e Cidade

Leia mais

Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo

Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo Luís Miguel Cardoso Diretor da ESECS Elisabete Rodrigues Diretora da Licenciatura em Turismo Estratégias Regionais de Especialização Inteligente (EREI) Domínios temáticos EREI Alentejo 1 Alimentação e

Leia mais

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG TÍTULO DO PROJETO Área Predominante: (Marque um x nas áreas que seu projeto mais se identifica) CULTURAS POPULARES ( ) Tradição Oral ( ) Artesanato ( ) Manifestações culturais ( ) Contador de Histórias

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010

FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro de março, 2010 FORUM URBANO MUNDIAL 5 Rio de Janeiro 22-26 de março, 2010 ESTUDO DE CASO: Projeto de Desenvolvimento Econômico Regional do Ceará (Cidades do Ceara Cariri Central) Emanuela Rangel Monteiro CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

O Mercado de Agregados nobrasil

O Mercado de Agregados nobrasil Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para Construção Panorama e perspectivas para o setor de agregados para construção N o v 20 15 O Mercado de Agregados nobrasil Sobre a ANEPAC

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Gerente de Práticas de Gestão Convênio Nacional Petrobras-Sebrae: Inserção de MPEs na cadeia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI PLANO ESTRATÉGICO OUI 2017 2022 Aprovado pala Assembleia geral da OUI 25 de novembro de 2016 INSPIRAÇÃO OUI "Desejo estabelecer, além e livre de toda fronteira, seja esta política, geográfica, econômica,

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

O Coletivo. Planejamento e Gestão. Arquitetura. Empresas associadas: Uma associação interdisciplinar de empreendedores.

O Coletivo. Planejamento e Gestão. Arquitetura. Empresas associadas: Uma associação interdisciplinar de empreendedores. Parada Carioca O Coletivo Arquitetura Planejamento e Gestão Empresas associadas: Design Produção mídias sustentáveis Uma associação interdisciplinar de empreendedores. designer gráfico Pessoas e empresas

Leia mais

OS FUNDOS DO BANCO DO NORDESTE VOLTADOS À PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS NORDESTINAS

OS FUNDOS DO BANCO DO NORDESTE VOLTADOS À PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS NORDESTINAS OS FUNDOS DO BANCO DO NORDESTE VOLTADOS À PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NAS EMPRESAS NORDESTINAS Laércio de Matos Ferreira São Luís, novembro de 2011 A EMPRESA E O PROCESSO DE GERAÇÃO DE INOVAÇÕES A

Leia mais

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino

Grade Curricular - Comunicação Social. Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino Grade Curricular - Comunicação Social Habilitação em Publicidade e Propaganda - matutino SEMESTRE 1 CCA0218 Língua Portuguesa - Redação e Expressão Oral I 4 0 4 CCA0258 Fundamentos de Sociologia Geral

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

Atuação do BNDES no Audiovisual. Nordeste Lab 2016

Atuação do BNDES no Audiovisual. Nordeste Lab 2016 Atuação do BNDES no Audiovisual Nordeste Lab 2016 Luciane Gorgulho, maio de 2016 Agenda O BNDES A Economia Criativa O Setor audiovisual O apoio do BNDES ao Setor audiovisual Tendências e Oportunidades

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira 1. Por que acreditamos no Soja Plus? 2. Como produziremos grandes resultados? 3. O que já realizamos em 2011? 4. O que estamos realizando

Leia mais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais

Estrutura Geral do Projeto. Propostas e iniciativas internacionais Usos Inovadores do Gás Natural (GN) Promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais (APLs) Temas Estrutura Geral do Projeto As investigações em Viena As investigações em Viena Propostas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

3 a CONFERÊNCIA DO CONSÓRCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: Políticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo

3 a CONFERÊNCIA DO CONSÓRCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: Políticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo 3 a CONFERÊNCIA DO CONSÓRCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: Políticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo 1 Mesa 4! New Business Environments! Ambientes para Novos Negócios!

Leia mais

7º Gestão das Cidades

7º Gestão das Cidades 7º Gestão das Cidades INVESTIMENTO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS Vitória, 21 de novembro de 2012 Walsey de Assis Magalhães O BNDES e a Administração Pública Objetivo estratégico: redução das desigualdades regionais

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO Lato Sensu EM EXTENSÃO RURAL 1. Curso: Curso de Pós-Graduação em nível de ESPECIALIZAÇÃO em EXTENSÃO RURAL. 2. Justificativa O programa de Pós-graduação

Leia mais

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira

METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL. Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira METODOLOGIAS DE PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Prof. Marcos Aurelio Tarlombani da Silveira CONTEXTO A NOVA DINÂMICA TERRITORIAL O intenso processo de urbanização e a descentralização difusa de

Leia mais

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola

CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola CAMINHOS DA ESCOLA Arte na Escola Resumo A série Caminhos da Escola nos apresenta neste episódio Arte na Escola, uma coletânea de matérias gravadas a partir de experiências em escolas de formação técnica

Leia mais

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 Plenamente Realizado Parcialmente Realizado Não Realizado Relacionamento Fortalecer delegações brasileiras para os congressos COF e EFC Articular a agenda dos associados

Leia mais

Cidadãos Inteligentes

Cidadãos Inteligentes Cidadãos Inteligentes Senador Walter Pinheiro Março/2015 Agenda O panorama brasileiro Oportunidades Smart People 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Panorama 8.00 6.00 4.00

Leia mais

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle

Sustentabilidade nos negócios. Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos negócios Fernando Carvalho Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle Sustentabilidade nos Negócios Agenda Um pouco do do Bradesco Sustentabilidade e o Bradesco Planejamento

Leia mais

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária Constituição do Brasil O que é SCJS Uma Estrategia De Reconhecimento e

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Estrutura da Apresentação Panorama Mundial em 2015 Comércio Exterior Brasileiro em 2015 Comércio Exterior Catarinense em 2015 Resultados da Pesquisa Conclusões Panorama Mundial em 2015 Panorama Mundial

Leia mais

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DIÁLOGO DA INDÚSTRIA COM CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA José Rubens De La Rosa Presidente, Marcopolo 30/07/2014 1 O Brasil tem oportunidades, mas para aproveitá-las precisa vencer alguns desafios

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Biodiversidade da Amazônia

Biodiversidade da Amazônia Parceria Objetivo Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico e mercadológico quanto às oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia de cosméticos de base florestal madeireira e não

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011

PLANO DE TRABALHO 2011 Unidade Temática do Turismo Apresentada pela cidade Porto Alegre 1) Introdução PLANO DE TRABALHO 2011 Fortalecer o turismo internacional é um trabalho prioritário que deve ser cada vez mais consolidado

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA

PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA PROJETO ESTRUTURANTE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA OBJETIVO Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico, e mercadológico quanto as oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

Potencial da Indústria do Esporte no Brasil

Potencial da Indústria do Esporte no Brasil Potencial da Indústria do Esporte no Brasil setembro / 2010 Perspectivas Globais (indústria do esporte) Participação do esporte no PIB das nações desenvolvidas entre 2,0% e 2,5%. Na década d de 1990 participação

Leia mais

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010

Regionalização e Segmentação do Turismo. Natal, 23 de março de 2010 Regionalização e Segmentação do Turismo Natal, 23 de março de 2010 Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho

Leia mais

Força das Micro e Pequenas Empresas CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS

Força das Micro e Pequenas Empresas CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS IMPACTO DA TECNOLOGIA Fundamentos Soma de esforços Diminuição de entraves Igualdade de oportunidades para todos os 27 Polos (PDI) Multiplicação de soluções CIÊNCIA

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A PRODUÇÃO REGIONAL ROSANA ALCÂNTARA AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA MERCADO AUDIOVISUAL CEARENSE 2015 AGENDA Panorama do Audiovisual no Brasil Contribuição

Leia mais

Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil

Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil 2010 2011 2012 2013 2014 4,6milhões 5,6 milhões 6,8 milhões 7,9 milhões 9,5 milhões Fonte: DataSebrae, a partir de dados da Receita Federal do Brasil.

Leia mais

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias?

Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Painel 4. Praxis IV: O Que É Os recursos culturais do Médio Tejo no âmbito da Gestão do Território: Que estratégias? Prof.ª Rita Ferreira Anastácio rfanastacio@ipt.pt 26 de setembro de 2015 Sumário O que

Leia mais

ANEXO I - Periodização Recomendada Curso de Publicidade e Propaganda

ANEXO I - Periodização Recomendada Curso de Publicidade e Propaganda ANEXO I - Periodização Recomendada Curso de Publicidade e Propaganda 1º Período Código Conteúdos T S PD LB CP ES OR HH3 História Contemporânea OC4 Economia Política da OC6 Leituras em Filosofia OC2 Sonora

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

DESIGN. para. Empresas de Pequeno Porte

DESIGN. para. Empresas de Pequeno Porte DESIGN para Empresas de Pequeno Porte ÍNDICE O que é design? É uma atividade de projeto responsável pelo planejamento, criação e desenvolvimento de produtos e serviços. É um processo que busca soluções

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE ARTISTAS. Edital n 001/2016

EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE ARTISTAS. Edital n 001/2016 EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE ARTISTAS Edital n 001/2016 A Produtora da Vila vem, por meio do presente edital, realizar o Credenciamento de Artistas dos diversos segmentos culturais: Artes Visuais, Artes

Leia mais

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO

DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO DIRETRIZES PARA O PROGRAMA DE GOVERNO Formular e implementar estratégias de gestão com participação, transparência, compromisso, responsabilidade e efetividade, potencializando a administração pública

Leia mais

Quem somos e o quê fazemos?

Quem somos e o quê fazemos? Quem somos e o quê fazemos? Uma entidade sem fins lucrativos dedicada a pensar estrategicamente o setor, conduzindo programas direcionados ao desenvolvimento tecnológico das empresas e a sua inserção no

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições:

2.1. Subcoordenador Técnico Operacional (Código STO) 1 vaga Atribuições: PRORROGAÇÃO DO EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTAS PROJETO CVDS Manaus, 24 de Novembro de 2014. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Centro Vocacional para o Desenvolvimento Sustentável (CVDS), trata-se de um projeto piloto

Leia mais

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local

Programa Cidadania Ativa. Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Programa Cidadania Ativa Participação das ONG na Conceção e Aplicação de Políticas Públicas, a Nível Nacional, Regional e Local Carta da Cidadania Infantojuvenil A Carta da Cidadania Infantojuvenil (Carta)

Leia mais

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série

Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série Apresentação para Sala de Aula para alunos de 1ª a 4ª série O que é Patrimônio Cultural? Patrimônio é constituído pelos bens materiais e imateriais que se referem à nossa identidade, nossas ações, costumes,

Leia mais

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Pós-doutorado em Semiótica Cognitiva e Novas Mídias pela Maison de Sciences de l Homme, Professora Titular

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados da organização:

Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Dados da organização: 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Fev 2008 Dados da organização: Nome: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Endereços: Brasília:

Leia mais