Diesel -Baixo Teor de Enxofre

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diesel -Baixo Teor de Enxofre"

Transcrição

1 Diesel -Baixo Teor de Enxofre Profa. Vânya Márcia Duarte Pasa LEC- Laboratório Ensaios de Combustíveis UFMG Reunião ANP/Minaspetro - BH 08/02/2012

2 Problemas Ambientais Causadas pelo Uso de Combustível Petroquímico 1- Aquecimento Ambiental e Mudanças Climáticas devido às emissões de CO, NOx, SOX, material particulado, etc. 2- Os derivados de Enxofre causam: a) envenenamento dos catalisadores automotivos b) chuva ácida devido às emissões de SOx e NOx c) aumento de materiais particulados

3 Origem do Diesel O petróleo, ao ser destilado, gera muitas frações, sendo que a mistura de várias delas (gasóleo leve, gasóleo pesado e outros) leva à formulação do diesel.

4 O que é o diesel? Mistura de parafinas, naftênicos, olefinas e aromáticos produzidos a partir do petróleo. Muitos compostos pesados do Diesel possuem, além de C e H, átomos de S, N, e O. Os compostos de S e N causam poluição, Reagem formando goma e tornando o Diesel mais escuro e instável.

5 CARACTERÍSTICAS DO DIESEL BTE HDT- Hidro dessulfurização- Óleo diesel bruto reage com o hidrogênio sob alta pressão, deslocando os átomos de S e N. Menor condutividade é corrigida na refinaria produtora através de aditivo dissipador de cargas estáticas. Possui propriedades que conferem benefícios a combustão do motor e na partida a frio fração de destilação mais nobre. Óleo diesel S50 tem 46 de cetano, enquanto o S500, tem 42. Mais qualidade na ignição. Não é necessária a correção da lubricidade do óleo diesel automotivo na refinaria produtora, a partir do uso de aditivos promotores de lubricidade, pois a adição de 5% vol. de biodiesel ao óleo diesel com baixo enxofre já é suficiente para correção da sua lubricidade.

6 Investimentos em Tecnologia - BTE A disponibilidade de combustíveis de alta qualidade deve ser um balanço entre o nível tecnológico do parque industrial do país, a disponibilidade de investimentos, e a capacidade de abastecimento para suprimento da demanda. A Petrobrás fez um investimento de mais de R$ 32 bilhões na modernização de seu parque de refino. Deste montante, R$ 16 bilhões foram destinados à produção do Diesel S-50A (

7 PROCONVE: HISTÓRICO Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores foi criado em 1986 pelo CONAMA com os seguintes objetivos: 1- Reduzir as emissões de veículos novos; 2- Desenvolver a tecnologia nacional; 3- Melhorar a qualidade dos combustíveis. Em seguida, a resolução Conama 315 estabeleceu novos limites de emissões veiculares para janeiro de 2009 (P6 = Euro IV). Não houve definição sobre o teor de enxofre no diesel. Não foi possível o atendimento da fase P6 por parte das montadoras e da Petrobras devido aos atrasos na especificação do Diesel BTE (Baixo Teor de Enxofre).

8 PROCONVE - P7 Logo depois, em 11/11/2008, saí a resolução CONAMA 403/2008, que estabelece novos limites de emissões para veículos pesados novos e assim o MMA antecipa em 4 anos a fase P7 do PROCONVE, para compensar as emissões não evitadas com a fase P6. Em 1 de janeiro de 2009, a Petrobras lançou o Diesel BTE com teor de enxofre de 50 mg/kg (ou ppm, partes por milhão). Novos limites de emissões provenientes de veículos pesados novos a Diesel no Brasil a partir de 01/01/2012:

9 PROCONVE - P7 Existem 2 tecnologias capazes de atingir o nível de emissões requerido; Para os modelos de veículos cujos fabricantes optarem pelo sistema SCR, o uso do ARLA 32 será necessário e sem substitutos a partir de janeiro de A utilização de Diesel com teor de enxofre maior que 50 mg/kg (ou ppm, partes por milhão) no sistema SCR causa danos adversos e irreversíveis sobre o catalisador, segundo os fabricantes de veículos.

10 FUNCIONAMENTO DO SCR Motor abastecido com Diesel BTE A mistura aquosa de uréia está contida em um reservatório especial Gases regulamentados Uréia Redução do NOx em N2 através de reações químicas envolvendo amônia e oxigênio e Oxidação do CO e HC. O calor dos gases da descarga quebra as ligações da uréia transformando-a em amônia (NH3);

11 BENEFÍCIOS DO DIESEL BTE NA FROTA FUTURA Os benefícios decorrem de uma solução integrada Solução integrada no controle de emissões. Diesel 50 ppm Motores P 7 Arla 32

12 FLUA PETROBRAS ARLA32 Solução composta de 1/3 de uréia e 2/3 de água desmineralizada, não tóxica, nem inflamável, a ser injetada no sistema SCR; - Sensível a contaminação Altamente puro. Cuidados - Temperatura de manuseio -11ºC à 36ºC - Validade em torno de 6 meses - Corrosivo a determinados metais e suas ligas.

13 QUALIDADE Especificação Ensaio Unidade mínimo máximo Uréia %m 31,8 33,2 Massa específica, 20ºC kg/m³ 1087,0 1093,0 Índice de refração, 20ºC -- 1,3814 1,3843 Alcalinidade com NH3 %m -- 0,2 Biureto %m -- 0,3 Aldeído mg/kg (ppm) -- 5 Insolúveis mg/kg (ppm) Fosfato mg/kg (ppm) -- 0,5 Cálcio mg/kg (ppm) -- 0,5 Ferro mg/kg (ppm) -- 0,5 Cobre mg/kg (ppm) -- 0,2 Zinco mg/kg (ppm) -- 0,2 Cromo mg/kg (ppm) -- 0,2 Níquel mg/kg (ppm) -- 0,2 Magnésio mg/kg (ppm) -- 0,5 Sódio mg/kg (ppm) -- 0,5 Potássio mg/kg (ppm) -- 0,5 Alumínio mg/kg (ppm) -- 0,5

14 MANUSEIO Materiais Compatíveis Aço Inoxidável 304; Polietileno, isento de aditivos; Polipropileno, isento de aditivos; Polifluoretileno (PFE), isento de aditivos; Fluoreto de polivinilideno (PVDF), isento de aditivos, Politetrafluoretileno (PTFE), isento de aditivos. Materiais Incompatíveis Aço-carbono e aço-carbono revestido com zinco; Ligas e metais não ferrosos: Zn, Cu e Pb; Soldas que contenham Pb, Ag, Cu ou Zn; Alumínio e ligas de alumínio; Magnésio e ligas de magnésio.

15 ABASTECIMENTO Bicos de dimensões diferentes para Diesel e Arla 32 Tanques de Diesel e Arla 32 localizados em lados opostos do veículo (DEPENDENDO DO FABRICANTE) Treinamento é essencial!

16 CUIDADOS OBSERVADOS NO EURO 5 Abastecimento de diesel nos tanques de ARLA e de ARLA no tanque de diesel; Redução de potência de veículos devido a falta do produto ou uso de produto diluído com maior quantidade de água. Uso de uréia não certificada no lugar do ARLA. Entupimentos dos injetores devido ao uso de ARLA contaminado com material particulado. Entupimento de filtros e catalisadores por contaminantes do ARLA. Falta de fornecedores qualificados de equipamentos.

17 Saúde e Segurança S M S O ARLA 32 é inócuo em todos os aspectos, de acordo com a Diretiva Européia 67/548/CEE sobre produtos químicos O ARLA 32 está classificado como um composto de baixo risco para a água e o solo, porém deve ser evitado o contato com o solo e cursos de água; Rapidamente Biodegradável; Em caso de incêndio, os recipientes deverão ser resfriados mediante a pulverização de água para evitar aumento de pressão e ruptura do recipiente; Quando aquecida a solução se decompõe em CO2 e NH3 e quando em contato direto com fogo libera NOx e CO.

18 Saúde e Segurança Inalação: Pode produzir irritação do nariz, da garganta e do trato respiratório superior. Podendo desencadear espirros e tosses Contato com a pele: Contato prolongado pode causar irritação produzindo coceira e vermelhidão local Contato com os olhos: Causa irritação com vermelhidão, lacrimejamento e dor Ingestão: Pode causar transtornos gastrointestinais

19 CUIDADOS COM O DIESEL BTE Manter os tanques sempre limpos - O Diesel BTE com 50 ppm de enxofre exibe um comportamento ligeiramente mais solvente de sujeiras do que o óleo Diesel S500, ou seja, é como se ele fosse mais próximo de um querosene, que é mais capaz de limpar uma superfície do que o óleo diesel tradicional. Necessidade de segregar tanques, filtros, bombas e tubulações para evitar contaminação do diesel de baixo teor de enxofre.

20 Estas informações foram baseadas na apresentação : Proconve P7 - Diesel BTE Flua Petrobras- Alex Messias 29 de setembro de Petrobras Distribuidora S.A Marketing de Transportes Obrigada...

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

2. Qual é o cronograma para implantação do diesel de baixo teor de enxofre?

2. Qual é o cronograma para implantação do diesel de baixo teor de enxofre? 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA. As fases P7 (para veículos

Leia mais

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Eduardo Boukai, 10 de novembro de 2011 Petrobras Distribuidora S.A - Marketing de transportes PROCONVE: HISTÓRICO Programa de Controle

Leia mais

4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP

4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP 4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP Histórico: do Óleo Vegetal ao Biocombustível BIODIESEL ASPECTOS DA QUALIDADE RELACIONADOS AO ARMAZENAMENTO,

Leia mais

GASOLINA. Qualidade & Tecnologia

GASOLINA. Qualidade & Tecnologia GASOLINA Qualidade & Tecnologia Janeiro 2019 Conteúdo Cenário Especificação da Gasolina Investimentos Atributos e benefícios da Gasolina Aspectos relevantes Cenário Principais Forças Direcionadoras TECNOLOGIA

Leia mais

Qualidade do Óleo Diesel S-10

Qualidade do Óleo Diesel S-10 Workshop sobre o Óleo Diesel S-10 Qualidade do Óleo Diesel S-10 SBQ - Superintendência de Biocombustíveis e de Qualidade de Produtos Setembro de 2010 1 Workshop sobre o Óleo Diesel S-10 BASE LEGAL Atribuições

Leia mais

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013 ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO Dezembro 2013 Sumario Cenário Especificação da Gasolina S-50 Investimentos e Mercado Atributos e Benefícios da Gasolina S-50 Aspectos Relevantes Aditivação Total

Leia mais

O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA

O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Curso de Engenharias de Energias e Meio Ambiente Disciplina de Introdução a EEMA O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA Profa. Mônica C.G. Albuquerque O PETRÓLEO

Leia mais

TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE

TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE A nova geração Ford Cargo Euro 5 que será comercializada em 2012 traz várias vantagens para o cliente, como menor custo operacional,

Leia mais

Legislação Ambiental 1

Legislação Ambiental 1 UFJF Faculdade de Engenharia POLUIÇÃO VEICULAR Profa. Aline S. Procopio (aline.procopio@ufjf.edu.br) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental O controle das emissões veiculares no Brasil teve início

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA IBAMA MMA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA CETESB HOMERO CARVALHO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO ATO PÚBLICO PELA MELHORIA DA QUALIDADE DO DIESEL 12/09/2007 homeroc@cetesbnet.sp.gov.br CENÁRIO

Leia mais

Fabricantes/Marcas Produtos Produção (2010) 08 Empresas Caminhões e Ônibus 191 mil Caminhões 45 mil Ônibus (chassi)

Fabricantes/Marcas Produtos Produção (2010) 08 Empresas Caminhões e Ônibus 191 mil Caminhões 45 mil Ônibus (chassi) A indústria de veículos comerciais a diesel! Fabricantes/Marcas Produtos Produção (010) 08 Empresas Caminhões e Ônibus 191 mil Caminhões 45 mil Ônibus (chassi) Veículos Comerciais Leves Mercado Interno

Leia mais

Perspectivas de Fornecimento de Combustíveis para o Brasil. Frederico Kremer Petrobras

Perspectivas de Fornecimento de Combustíveis para o Brasil. Frederico Kremer Petrobras Perspectivas de Fornecimento de Combustíveis para o Brasil. Frederico Kremer Petrobras ACORDO NO MPF O FORNECIMENTO FUTURO DE COMBUSTÍVEIS: DIESEL S-50 e S- 10 ACORDO FIRMADO EM 30 DE OUTUBRO DE 2009 NO

Leia mais

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE A FASE PROCONVE MAR-1 A FASE PROCONVE MAR-1 ESTABELECE LIMITES DE EMISSÕES DE MOTORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS E DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 A DIRETORAGERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas

Leia mais

ANÁLISE DO ENXOFRE NO ÓLEO DIESEL E SEU RISCO COMO CONTAMINANTE

ANÁLISE DO ENXOFRE NO ÓLEO DIESEL E SEU RISCO COMO CONTAMINANTE 1 Universidade Potiguar, Unidade Natal Escola de Engenharia e Ciências Exatas allynelimaepg@gmail.com 1 Universidade Potiguar, Unidade Natal Escola de Engenharia e Ciências Exatas mab.andreza@hotmail.com

Leia mais

Ministério de Minas e Energia. Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA. Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo

Ministério de Minas e Energia. Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA. Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo Diesel BTE e TRR CLÁUDIO AKIO ISHIHARA Diretor do Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo 27ª CONVENÇÃO NACIONAL TRR 09/03/2012 SUMÁRIO PROCONVE ACORDO JUDICIAL CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DIESEL

Leia mais

Considerando a necessidade de aprimorar o conhecimento sobre a emissão de dióxido de carbono e de aldeídos por motores do ciclo Diesel, resolve:

Considerando a necessidade de aprimorar o conhecimento sobre a emissão de dióxido de carbono e de aldeídos por motores do ciclo Diesel, resolve: RESOLUÇÃO CONAMA Nº 403, de 11/11/2008 Dispõe sobre a nova fase de exigência do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE para veículos pesados novos (Fase P-7) e dá outras

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO Refino de petróleo O petróleo bruto é uma complexa mistura de hidrocarbonetos que apresenta contaminações variadas de enxofre, nitrogênio,

Leia mais

Controle da Poluição Sonora e do Ar

Controle da Poluição Sonora e do Ar RESOLUÇÃO CONAMA n o 403, de 11 de novembro de 2008 Publicada no DOU nº 220, de 12 de novembro de 2008, Seção 1, página 92 Dispõe sobre a nova fase de exigência do Programa de Controle da Poluição do Ar

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS DE TRATAMENTO

PROMOVE PROCESSOS DE TRATAMENTO PROMOVE PROCESSOS DE TRATAMENTO PROMOVE PROCESSOS DE TRATAMENTO 1. HIDROTRATAMENTO (HDT) PROMOVE PROCESSOS DE TRATAMENTO 1.1.Definição: Unidade que promove a reação das correntes de diesel com Hidrogênio

Leia mais

Prof: Francisco Sallas

Prof: Francisco Sallas Prof: Francisco Sallas Classificado como hidrocarboneto aromático. Todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático. É líquido, inflamável, incolor

Leia mais

A FASE P7 DO PROCONVE E O IMPACTO NO SETOR DE TRANSPORTE

A FASE P7 DO PROCONVE E O IMPACTO NO SETOR DE TRANSPORTE A FASE P7 DO PROCONVE E O IMPACTO NO SETOR DE TRANSPORTE CONHEÇA AS NOVAS TECNOLOGIAS PARA MOTORES PESADOS IMPLEMENTADAS EM 2012 A FASE P7 DO PROCONVE E O IMPACTO NO SETOR DE TRANSPORTE CONHEÇA AS NOVAS

Leia mais

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores CETESB Divisão de Transporte Sustentável e Emissões Veiculares Vanderlei Borsari AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô 16ª Semana

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: ISANE IP 185 Page: (1) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes de manusear,

Leia mais

A Estratégia da ANP para o Controle de Qualidade do Biodiesel

A Estratégia da ANP para o Controle de Qualidade do Biodiesel A Estratégia da ANP para o Controle de Qualidade do Biodiesel Cristiane Andrade Superintendência de Biocombustíveis e de Qualidade de Produtos 7 de Abril de 2008 Base Legal Leis nº 9.478/97 e.097/05 Art.

Leia mais

Os ganhos ambientais para a sociedade

Os ganhos ambientais para a sociedade Proconve P7 Diesel e emissões A nova legislação 2012 Tudo o que você deve saber sobre o proconve P7 A nova etapa Proconve P7 estabelece limites de emissões mais rígidos para veículos pesados a diesel.

Leia mais

4 Produtos do Petróleo

4 Produtos do Petróleo 30 4 Produtos do Petróleo 4.1 Principais Derivados do Petróleo De acordo com FARAH (1989), os derivados do petróleo podem ser distribuídos em duas categorias: Derivados Leves e Derivados Pesados. Conforme

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: BICARBONATO DE AMÔNIO Page: (1) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes de

Leia mais

1988/89: Entrou em vigor a primeira etapa no Brasil: (fase 1). 1992: Entrou em vigor a fase 2 no Brasil. 1997: Entrou em vigor a fase 3 no Brasil.

1988/89: Entrou em vigor a primeira etapa no Brasil: (fase 1). 1992: Entrou em vigor a fase 2 no Brasil. 1997: Entrou em vigor a fase 3 no Brasil. 1 INTRODUÇÃO Nas áreas metropolitanas o problema da poluição do ar tem-se constituído numa das mais graves ameaças à qualidade de vida de seus habitantes. Os veículos automotores são os principais causadores

Leia mais

Tecnologia dos Veículos para Atendimento ao PROCONVE

Tecnologia dos Veículos para Atendimento ao PROCONVE Tecnologia dos Veículos para Atendimento ao PROCONVE Henry Joseph Junior Comissão de Energia e Meio Ambiente - ANFAVEA Seminário Emissões Veiculares e Meio Ambiente 26º Salão Internacional do Automóvel

Leia mais

Diesel e Emissões em Debate Produção e Suprimento de ARLA 32 Air1 ANFAVEA, 30 de maio de 2011

Diesel e Emissões em Debate Produção e Suprimento de ARLA 32 Air1 ANFAVEA, 30 de maio de 2011 Diesel e Emissões em Debate Produção e Suprimento de ARLA 32 Air1 ANFAVEA, 30 de maio de 2011 Yara é a líder global no fornecimento de fertilizantes e produtos industriais nitrogenados, incluindo o ARLA

Leia mais

Indicadores de Qualidade do Ar

Indicadores de Qualidade do Ar Indicadores de Qualidade do Ar Níveis de qualidade do ar determinados a partir dos valores de concentração de poluentes que são associados a atividades antropogênicas: CO, SO 2, NO x, O 3, orgânicos voláteis,

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁGUA SANITÁRIA MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) ÁGUA SANITÁRIA MALTEX 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: ÁGUA SANITÁRIA. Fórmula molecular: NaClO TELEFONE DE EMERGÊNCIA: CEATOX 0800 722 6001 Nome da empresa: Endereço Eletrônico: contato@maltex.com.br

Leia mais

Carlos Alexandre P. Pires Brazil

Carlos Alexandre P. Pires Brazil Carlos Alexandre P. Pires Brazil Combustíveis no Transporte 5.5 Participação 2.2 14.3 29.3 46.2 2.4 Diesel Biodiesel Gasolina GNV Etanol Outros BEN - 2014 Mercado de diesel 1.000 900 MBPD GNV 800 700 600

Leia mais

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências.

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. LEI N 8.723 28 DE OUTUBRO DE 1993 Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE DO BIODIESEL ASPECTOS GERAIS

CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE DO BIODIESEL ASPECTOS GERAIS CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE DO BIODIESEL ASPECTOS GERAIS DR. BILL COSTA AGENDA APRESENTAÇÕES OBJETIVO DA C&CQ DO BIODIESEL C&CQ DO BIODIESEL NO BRASIL APRESENTAÇÕES BILL COSTA QUÍMICO MSc.,

Leia mais

ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS

ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS 1 - INTRODUÇÃO Atualmente, o número de veículos circulando pelas ruas das nossas cidades aumentou consideravelmente, a ponto de estimar-se uma média de dois a três carros por

Leia mais

A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO

A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Enorme desequílibrio entre produção e consumo Circuito do produtor ao consumidor Distâncias (por mar) Europa do Sul - Golfo Pérsico (pelo canal do Suez) ~ 8 000 km Roterdão (> porto

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

1. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 1. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS O produto não é classificado como perigoso de acordo com a norma 1999/45/EC (European Communities). Efeitos do produto Efeitos adversos à saúde humana: Efeitos adversos à saúde

Leia mais

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO Classificam-se em dois tipos: Extrações Onshore Extrações Offshore 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Onshore 3 EXPLORAÇÃO DO PETRÓLEO 3.c EXTRAÇÃO: Extrações Offshore 3 EXPLORAÇÃO

Leia mais

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais.

CHUVA ÁCIDA. - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns. materiais. CHUVA ÁCIDA - Causas e consequências; - Controlar e corrigir as chuvas ácidas; - Impacto da chuva ácida em alguns materiais. FORMAÇÃO DE CHUVA ÁCIDA A chuva torna-se ácida porque dissolve o dióxido de

Leia mais

NOx. Altas temperaturas alcançadas durante a combustão + Oxigênio disponível

NOx. Altas temperaturas alcançadas durante a combustão + Oxigênio disponível 1 NOx Nome genérico dos óxidos de nitrogênio (NO ou NO2), que estão presentes na atmosfera terrestre e também nos gases que são emitidos pelo sistema de exaustão dos veículos automotivos, em especial os

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ. Compositions Plásticos e Derivados Ltda

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ. Compositions Plásticos e Derivados Ltda Produto: Concentrado de carbonato de cálcio extra fino veiculado em polietileno aditivado com dióxido de titânio Revisão 01 Página 1/5 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: 2430548.80D

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FISPQ 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do produto: Empresa: Sany do Brasil Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda Rua Loanda, 120 Emiliano Perneta Pinhais/PR - CEP 83.325-000 Fone (0xx41) 3668 3616 Email:

Leia mais

Química Orgânica Ambiental

Química Orgânica Ambiental Química Orgânica Ambiental Aula 17 Smog fotoquímico Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução A poluição das grandes cidades 300.000 chineses morrem por ano de doenças respiratórias SMOG NO

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Produto : SPEED CLEANER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: Clanox Ind. e Comércio de Produtos Químicos Ltda R. Antonio Gedeão Tosin, 1394

Leia mais

Combustíveis Marítimos Informações Técnicas

Combustíveis Marítimos Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição 3 2. Principais aplicações 3 3. Tipos de Óleos Combustíveis 3 4. Requisitos de qualidade e especificação 3 4.1. Principais características de qualidade do

Leia mais

Indicadores de Qualidade do Ar

Indicadores de Qualidade do Ar Indicadores de Qualidade do Ar Níveis de qualidade do ar determinados a partir dos níveis de concentração de poluentes por atividades antropogênicas: CO, SO 2, NO x, O 3, orgânicos voláteis, matéria particulada.

Leia mais

2- COMPOSIÇÃO DO PRODUTO: 67,5% Água deionizada; 32,5% Ureia

2- COMPOSIÇÃO DO PRODUTO: 67,5% Água deionizada; 32,5% Ureia 1- IDENTIFICAÇÃO Nome do produto: Arla Super Arla 32 Aplicação: O produto destina-se à utilização em veículos à diesel com tecnologia SCR. Estado físico: Líquido transparente Embalagem: 20L 1.1 Identificação

Leia mais

13/12/2015. Refinaria de Petróleo

13/12/2015. Refinaria de Petróleo Refinaria de Petróleo 1 2 3 4 A SOLUÇÃO POLUIÇÃO DO AR O PROBLEMA CONTROLE LEGAL FONTES CONSIDERAÇÕES ECONÔMICO-SOCIAIS METEOROLOGIA E TOPOGRAFIA TÉCNICAS DE CONTROLE QUALIDADE DO AR EXISTENTE QUALIDADE

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão:

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Óxido de Zinco Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone: (0xx85)

Leia mais

Efeitos adversos à saúde humana: Efeitos adversos à saúde são considerados improváveis.

Efeitos adversos à saúde humana: Efeitos adversos à saúde são considerados improváveis. FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO BLUE AIR ARLA 32 FISPQ REVISÃO: 00 DATA: 30/11/2011 1.0 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação do produto Nome do produto: BLUE AIR

Leia mais

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2 31 c QUÍMICA petróleo pode conter alto teor de enxofre, que deve ser removido nas refinarias de petróleo. Mesmo assim, na queima de combustíveis fósseis, forma-se dióxido de enxofre. Esse óxido liberado

Leia mais

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO DESTILAÇÃO ATMOSFÉRICA PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO Esquema Geral 4.b ESQUEMA DE UMA REFINARIA: GÁS COMBUSTÍVEL CAFOR PROPANO GLP(C3 E C4) FGLP BUTANO NAFTA LEVE NAFTA PETROQUÍMICA REFORMA NREF

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012 MOTORES Flex Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM UFRJ Dezembro de 2012 FLEX FUEL BRASILEIRO Permite a utilização de álcool hidratado (E100), gasolina (E22) ou qualquer mistura

Leia mais

É importante informar-se sobre as Marcas que adotam as normas, que controlam a pureza, e de substâncias consideradas de perigos ou risco

É importante informar-se sobre as Marcas que adotam as normas, que controlam a pureza, e de substâncias consideradas de perigos ou risco Símbolos do Perigo É importante informar-se sobre as Marcas que adotam as normas, que controlam a pureza, e de substâncias consideradas de perigos ou risco Explosivo E O C F F+ Oxidante ou comburente Corrosiva

Leia mais

O Petróleo. Prof. Iara Santos

O Petróleo. Prof. Iara Santos O Petróleo Prof. Iara Santos Petróleo Ø Ø Ø Ø Ø Ø Ø Definição: mistura de HC de ocorrência natural, geralmente no estado líquido, contendo ainda compostos de enxofre, nitrogênio, oxigênio, metais e o outros

Leia mais

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7)

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7) 1ª Fase (Questões 1 a 7) Provas de Vestibular 1. O ácido gama-hidroxibutírico é utilizado no tratamento do alcoolismo. Esse ácido pode ser obtido a partir da gamabutirolactona, conforme a representação

Leia mais

Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos

Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos Funções Químicas Grupo de substâncias compostas que possuem propriedades químicas semelhantes; As funções químicas são divididas de acordo com a divisão clássica

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: FORTH Frutas - Sólido Código interno de identificação do produto: 200-M Principal uso: Fertilizante Nome da empresa: EVERALDO JUNIOR ELLER Endereço:

Leia mais

Metalurgia de Metais Não-Ferrosos

Metalurgia de Metais Não-Ferrosos Metalurgia de Metais Não-Ferrosos Metalurgia de Sulfetos Principais metais que ocorrem na forma de sulfetos: Zn, Pb, Cu Problema: extrair o metal do sulfeto: altemativa1 redução por C ou H 2 ; alternativa

Leia mais

No tratamento ácido, os ácidos são removidos através de neutralização com soda, lavagem com água e tratamento com argila.

No tratamento ácido, os ácidos são removidos através de neutralização com soda, lavagem com água e tratamento com argila. ÓLEO ISOLANTE Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio 1 1 INTRODUÇÃO Óleos minerais isolantes são determinados tipos de óleos básicos extraídos do petróleo, com tratamento específico

Leia mais

Qui. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira)

Qui. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Semana 15 Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. 23

Leia mais

Exercícios de Revisão - 2

Exercícios de Revisão - 2 Exercícios de Revisão - 2 1. Na tentativa de explicar a origem dos seres vivos, Müller reproduziu, em seu experimento, as condições atmosféricas primitivas, que continham os gases metano (CH4); amônia

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis no Brasil

Qualidade dos Combustíveis no Brasil Qualidade dos Combustíveis no Brasil Prof Luiz Antonio d Avila Escola de Quimica UFRJ LABCOM Qualidade x Especificação Roteiro Monitoramento da Qualidade de Combustíveis Qualidade x não conformidades x

Leia mais

Análise Preliminar de Risco

Análise Preliminar de Risco Escola de Engenharia de Lorena EEL-USP Análise Preliminar de Risco Disciplina: Projeto na Indústria Química Prof. Dr. Francisco José Moreira Chaves Ana Letícia de Lima Rico 6405711 Jean Carlos Bustamante

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Bicarbonato de amônio. Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá,3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone:

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS QUÍMICOS DA REFINARIA HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC)

PROMOVE PROCESSOS QUÍMICOS DA REFINARIA HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC) HIDROCRAQUEAMENTO CATALÍTICO (HCC) O hidrocraqueamento catalítico (HCC) consiste na quebra de moléculas existentes na carga de gasóleo com a ação do catalisador, com altas temperaturas e pressões (acima

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Muraplast FK 91 FISPQ nº: Data da última revisão: 04/09/2009

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do produto: Muraplast FK 91 FISPQ nº: Data da última revisão: 04/09/2009 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Muraplast FK 91 - Código interno do produto: 2028/2029 - Nome da Empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: AIR - PROT Empresa: GIFOR INDUSTRIAL LTDA. Endereço: Rua Caramuru, 360, Diadema SP Telefone:

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS

PROMOVE PROCESSOS TÉRMICOS 1. CRAQUEAMENTO TÉRMICO 1.1. Definição: Processo que provoca a quebra das moléculas aquecimento em temperaturas elevadas ( 450 C) e ausência de ar/oxigênio. Carga resíduo atmosférico ou gasóleo. Resíduo

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS. VR ECTRON 68 Oleo Mineral Aprovado pela US FDA (B)

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS. VR ECTRON 68 Oleo Mineral Aprovado pela US FDA (B) Marcio Benedito Vecchi ME Av. Caetano Ruggieri n 3261 Parque N. S. Candelaria - Itu Cep: 13310.160 - Tel: 4023 1831 Nome Quimico Composição de Informação Sobre Ingredientes Hidrocarbonetos saturados (óleo

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: FORTH Plantio - FARELADO Código interno de identificação do produto: 400-M Principal uso: Fertilizante Nome da empresa: EVERALDO JUNIOR ELLER

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades FUVEST 2 a Fase 11/janeiro/2011 QUÍMICA 01. s componentes principais dos óleos vegetais são os triglicerídeos, que possuem a seguinte fórmula genérica: Nessa fórmula,

Leia mais

Plano de Oferta de Diesel S50. Petrobras Abastecimento/Marketing

Plano de Oferta de Diesel S50. Petrobras Abastecimento/Marketing Plano de Oferta de Diesel S50 Petrobras Abastecimento/Marketing DESAFIOS DO MERCADO DE DIESEL Para garantir a qualidade e a oferta do combustível, estão previstos investimentos de US$ 73,6 Bilhões em Downstream

Leia mais

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL

BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL BIODIESEL DE SOJA PERSPECTIVA DE USO NO BRASIL Dra. Roseli Aparecida Ferrari DEA UEPG Email ferrarir@uepg. @uepg.br PRODUÇÃO DE BIODIESEL BIODIESEL É um combustível renovável produzido a partir de óleos

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: EK-ALCA 01 PLUS Empresa: EUROTECHNIKER LTDA Endereço: Av. Deputado Emilio Carlos, 362 Telefone: (011) 2935-4180 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE OS INGREDIENTES

Leia mais

Aglomerantes DESCRIÇÃO DO PRODUTO CAMPOS DE APLICAÇÃO QUALIDADE

Aglomerantes DESCRIÇÃO DO PRODUTO CAMPOS DE APLICAÇÃO QUALIDADE Kehl Ind e Com Ltda ME R. Italo Paino, 700 / Jd. Industrial - São Carlos SP CEP 13564-610 Tel/Fax: (16) 3361-2122 kehl@kehl.ind.br - www.kehl.ind.br Aglomerantes DESCRIÇÃO DO PRODUTO Os aglomerantes da

Leia mais

Todos os elementos desse grupo são sólidos com exceção do nitrogênio que é um gás nas condições ambientais (25 C e 1 atm)

Todos os elementos desse grupo são sólidos com exceção do nitrogênio que é um gás nas condições ambientais (25 C e 1 atm) O GRUPO DO NITROGÊNIO GRUPO 15 OU V Todos os elementos desse grupo são sólidos com exceção do nitrogênio que é um gás nas condições ambientais (25 C e 1 atm) Todos os elementos desse grupo apresentam

Leia mais

FLUIDOXI DEGREASER Emulsificante de Asfalto Biodegradável

FLUIDOXI DEGREASER Emulsificante de Asfalto Biodegradável FLUIDOXI DEGREASER Emulsificante de Asfalto Biodegradável Fluidoxi Degreaser é uma combinação de solventes e agentes umectantes, formulada para uma rápida penetração e remoção de asfalto alcatrão, piche,

Leia mais

Funções inorgânicas : óxidos

Funções inorgânicas : óxidos Funções inorgânicas : óxidos Óxidos Água (H 2 O) é o óxido mais importante do planeta. Dióxido de carbono(co 2 ) é utilizado como agente extintor de incêndios Peróxido de hidrogênio (H 2 O 2 ) conhecido

Leia mais

valor agregado, diferentemente do sulfato de sódio que é extremamente comum e de baixo valor econômico. Todavia, nesse tradicional processo de

valor agregado, diferentemente do sulfato de sódio que é extremamente comum e de baixo valor econômico. Todavia, nesse tradicional processo de 14 0,3% das reservas e 1,3% da oferta mundial de cromita. Nos últimos doze anos não houve aporte de novas reservas. As reservas brasileiras de cromo resultam em 14,2 milhões de toneladas com 4,6 milhões

Leia mais

QUÍMICA PROFº JAISON MATTEI

QUÍMICA PROFº JAISON MATTEI QUÍMICA PROFº JAISON MATTEI 1. A água da chuva é naturalmente ácida devido à presença do gás carbônico encontrado na atmosfera. Esse efeito pode ser agravado com a emissão de gases contendo enxofre, sendo

Leia mais

1ª Série Ensino Médio. 16. O sistema a seguir mostra a ocorrência de reação química entre um ácido e um metal, com liberação do gás X:

1ª Série Ensino Médio. 16. O sistema a seguir mostra a ocorrência de reação química entre um ácido e um metal, com liberação do gás X: 1ª Série Ensino Médio 16. O sistema a seguir mostra a ocorrência de reação química entre um ácido e um metal, com liberação do gás X: O gás X, liberado neste sistema, é o: (A) O 2 ; (B) Cl 2 ; (C) O 3

Leia mais

TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL

TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL TRATAMENTO MULTIFUNCIONAL PARA MOTORES DIESEL A Actioil Líder mundial no tratamento do combustíveis Diesel, a multinacional ACTIOIL traz ao mercado brasileiro suas variadas soluções para limpeza, proteção

Leia mais

FISPQ Em conformidade com NBR 14725:2009 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Nome do produto: UN2586 - ÁCIDO ALQUILSULFONICO, LIQUIDO (96%) Data da última revisão: 17/10/2011 Número da

Leia mais

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL Cummins Brasil LTDA 29 de Outubro de 2008 Luis Chain Faraj Agenda Definição de Biodiesel Análise do Ciclo de Vida - Diesel x Biodiesel Programa de Biodiesel do Brasil

Leia mais

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO

PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO PROJEÇÕES DA DEMANDA DE ÓLEO DIESEL E DE CICLO OTTO Workshop Combustível Brasil: O Abastecimento de Combustíveis no Brasil Rio de Janeiro/RJ 13 nov. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; RESOLUÇÃO CONAMA N o 15, DE 13 DE DEZEMBRO DE 1995 O Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei n o 6.938, de 31 de agosto de 1981 1, regulamentada

Leia mais

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em PETRÓLEO

PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em PETRÓLEO Resíduo de Carbono indicação de constituintes com alto ponto de ebulição; aplicado a amostras não voláteis que se decompõe no processo de destilação atmosférica; pode apresentar erros para as amostras

Leia mais