IV-Araújo-Brasil-1 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO APLICADAS AO TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE TANQUES-SÉPTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV-Araújo-Brasil-1 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO APLICADAS AO TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE TANQUES-SÉPTICOS"

Transcrição

1 IV-Araújo-Brasil-1 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO APLICADAS AO TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE TANQUES-SÉPTICOS André Luís Calado Araújo Engenheiro Civil UFPA, Mestre em Engenharia Sanitária UFPB e PhD em Engenharia de Saúde Pública University of Leeds. Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte CEFET/RN. Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária da UFRN (PPGES-UFRN). Natal-RN, Brasil. Maria del Pílar Durante Ingunza (1) Geóloga, UCM/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/UPM, Madrid/Espanha, Doutorado em Engenharia Sanitária e Ambiental/ UPM, Madrid/Espanha, Professora Adjunta da UFRN/Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária. Juliana Delgado Tinôco Engenheira Civil pela Universidade Potiguar/Natal- Rio Grande do Norte. Mestre em Engenharia Sanitária pela UFRN. Pesquisadora bolsista da UFRN/FINEP-CNPq. Cícero Onofre de Andrade Neto Engenheiro Civil pela UFRN /Mestre em Saneamento pela UFPB/Doutorado em Recursos Naturais pela UFCG. Professor Adjunto da UFRN/ Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária/Membro do Grupo Coordenador do PROSAB. Membro do Comitê Científico do Programa de Pesquisas do Departamento de Engenharia de Saúde Pública da FUNASA. (1) Endereço: Rua Luiz Bernardo e Silva, 1; Residencial Jardim Cotovelo/ Praia de Cotovelo. CEP: Parnamirim/ RN, Brasil. Fone/Fax: (84) / RESUMO A avaliação do sistema de lagoas de estabilização tratando resíduos de limpa-fossa é uma das linhas do projeto Uso de lodo de ETE e ETA na matéria-prima de cerâmica vermelha desenvolvido pelo Laboratório de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (LARHISA) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), constituindo a rede cooperativa de pesquisa do PROSAB- Edital 4, cujo financiador é a FINEP. Nessa linha do projeto, foi avaliado o desempenho da estação de tratamento de esgoto da maior imunizadora do estado, sendo composta de um tratamento preliminar (caixa de areia), duas lagoas anaeróbias em série, uma facultativa, uma de maturação e tanque de desinfecção. Foi avaliada a remoção de DBO, DQO, coliformes fecais (CF), sólidos suspensos, amônia, além do comportamento de temperatura, ph e oxigênio dissolvido a partir de dados de 2 coletas realizadas no período de abril a novembro de 25. A análise preliminar dos resultados mostrou uma diferença significativa entre os valores das médias aritméticas e geométricas para as variáveis DBO, DQO e CF, elevados valores de desvio padrão, bem como uma grande concentração em termos de DBO e DQO na amostra afluente. A grande faixa de variação das variáveis medidas do afluente pode estar relacionada com os diferentes tipos de contribuição (residências, restaurantes, oficinas, etc.) bem como o período entre as limpezas dos tanques sépticos. Foi verificado também um grande predomínio de substâncias de difícil degradação resultando em relações entre DBO/DQO muito baixas, particularmente no esgoto afluente, onde o valor da DBO correspondeu a apenas 23% da DQO. A melhor eficiência em termos de DBO e DQO ocorreu nas duas lagoas anaeróbias com valores de 83 e 95%, respectivamente. Levando em consideração o sistema total, a eficiência foi em torno de 95% para DBO, 97% para DQO e 99,9% para Coliformes fecais. PALAVRAS-CHAVE: Lagoas de estabilização, Lodo de esgoto, Tanque séptico. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 INTRODUÇÃO De acordo com o censo demográfico realizado pelo IBGE (1991), cerca 6,2 % da população de Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte (Brasil) utilizava tanque séptico como sistema de disposição sanitária devido a falta de um sistema abrangente de coleta, tratamento de disposição coletiva de esgotos sanitários. O maior inconveniente na utilização de tanques sépticos na cidade do Natal é basicamente o destino final dos efluentes gerados, que são infiltrados no solo, e dos resíduos removidos durante o processo de limpeza periódica dos tanques sépticos. Dificilmente se podia contar com a ação sanitária dos caminhões limpa-fossas, pois, freqüentemente, descarregam os dejetos removidos nos principais mananciais d água da cidade, provocando elevados índices de contaminação tornando-os impróprios para seus mais diversos usos pela população. Diante deste contexto, a Prefeitura Municipal decretou a Lei n o 4867 de 27 de agosto de 1997, onde obriga as empresas imunizadoras (limpa-fossa) a manterem e operarem seus próprios sistemas de tratamento de resíduos. De acordo com o Art 1 (Parágrafo Único) Ficam obrigadas as empresas Imunizadoras que coletam despejos sanitários, residenciais ou comerciais, públicos ou particulares, a manterem sistema próprio de lagoas de estabilização. Segundo a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte - CAERN (21), o atual índice de atendimento em Natal pela rede coletora de esgotos, atinge 29% da população, ou seja, aproximadamente 2622 dos habitantes da cidade, contados pelo censo de 2. Ainda, segundo dados da própria CAERN, tendo como referência o mês de novembro de 2, 491 economias estão ligadas à rede de coleta, distribuídas em aproximadamente 24 bairros. A CAERN ressalta ainda que, do total coletado, apenas 4% (quarenta por cento), é tratado, e a metade de forma ineficiente, face ao incremento de ligações sem a correspondente ampliação das unidades, sendo o restante despejado in natura no rio Potengi. No entanto, a maior parte da cidade (71%), ainda não é atendida por serviço público de esgotos. Os problemas decorrentes dessa situação são sentidos e reclamados pela população, pois, a solução amplamente adotada para as áreas sem sistema de esgotamento sanitário, são os sistemas de tratamentos individuais do tipo fosssa séptica-sumidouro, que muitas vezes se encontram inadequados ao meio ambiente local. Existem em Natal onze empresas que realizam a limpeza de fossas, sendo que poucas contam com sistema de lagoas de estabilização como tratamento complementar e disposição final dos resíduos advindos de tanques sépticos. A primeira empresa a implantar um sistema de tratamento foi a Imunizadora e Limpadora Potiguar, em 1992, localizado na antiga estrada Natal Macaíba, à margem do rio Potengi Jundiaí, encontrando-se devidamente licenciado junto ao órgão estadual de meio ambiente. Atualmente, apenas as duas maiores empresas contam com seus próprios sistemas de tratamento, enquanto que as empresas de menor porte, geralmente fazem uso de um dos sistemas de tratamento existentes, terceirizando o serviço. Os dois sistemas são séries de lagoas de estabilização sendo a da maior empresa, objeto desse estudo, composta por duas lagoas anaeróbias em série, seguidas por uma lagoa facultativa secundária, lagoa de maturação e sistema de desinfecção. O outro sistema é composto por lagoa facultativa primária seguida de duas lagoas de maturação. Os efluentes finais dos dois sistemas são lançados no estuário do Rio Potengi, corpo receptor da maioria dos efluentes domésticos e industriais gerados na cidade de Natal. Neste enfoque, se faz necessário o monitoramento destas estações para que se obtenha um diagnóstico da situação e que se possa, em tempo real, prevenir a poluição do manancial que serve de corpo receptor. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é a caracterização qualitativa e quantitativa dos resíduos de fossa-séptica com análise da eficiência do sistema de tratamento por lagoas de estabilização da maior empresa prestadora desse serviço na capital potiguar. O trabalho está inserido dentro de uma das linhas de pesquisa do projeto intitulado Uso de lodo de ETE e ETA na matéria prima da indústria de cerâmica vermelha, realizado no período de junho de 24 a junho de 26. O projeto se enquadra dentro do Tema 4 do edital IV do Programa de ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 Pesquisa em Saneamento Básico-PROSAB, sobre alternativas para uso do lodo de água e de esgoto. MATERIAIS E MÉTODOS A pesquisa foi realizada na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de resíduo de tanque-séptico da maior empresa imunizadora da cidade, localizada no bairro de Felipe Camarão, zona oeste da cidade de Natal, no Estado do Rio Grande do Norte. A ETE é composta de uma aérea de recepção e tratamento preliminar (gradeamento e desarenação simplificados), um conjunto de quatro lagoas de estabilização, sendo duas anaeróbias em série (25 x 6 x 3 m, cada) seguidas de uma facultativa secundária (6 x 8 x 3 m) e uma lagoa de maturação (15 x 7 x 2 m) e um sistema de desinfecção com a utilização de pastilhas (2 x 7 m). As Figuras 1 e 2 apresentam, respectivamente, o fluxograma e as vistas da ETE. O sistema foi monitorado de abril a novembro 25 sendo realizadas 2 coletas em 5 pontos distintos, sendo: uma amostra composta retirada de cada caminhão limpa-fossa que chegava a ETE (Ponto 1) e uma amostra de cada efluente da ETE, sendo uma da segunda lagoa anaeróbia (LA Ponto 2), uma na lagoa facultativa (LF Ponto 3), uma na lagoa de maturação (LM Ponto 4) e uma no sistema de desinfecção (Des Ponto 5). Os parâmetros analisados foram de natureza físico-química e microbiológica: temperatura, ph, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio (DBO), demanda química de oxigênio (DQO), sólidos suspensos (SS), nitrogênio total Kejeldall (NTK), nitrogênio amoniacal (NH 3 ), clorofila a, bactérias termotolerantes (CF) e ovos de helmintos. As análises seguiram as recomendações de APHA et al (1992). Para a verificação do volume diário afluente da ETE foram realizadas verificações semanais, sendo coletados dados referentes à capacidade e volume existente de resíduo nos caminhões limpa-fossa que descartam na ETE. Empregou-se, para a verificação da vazão efluente do sistema de lagoas avaliado, uma caixa de fibra de vidro com resina orto-oftálica de 8 cm de comprimento, 4 cm de largura e 45 cm de altura, dotada de um vertedor triangular com 35 cm de carga (H). Para atenuar a turbulência, a caixa foi confeccionada com três chicanas espaçadas umas da outras de 3 cm, 2 cm e 2 cm. Os dados de todas as amostras foram analisados estatisticamente com o objetivo de se obter as medidas de tendência central e de variação. Os resultados das coletas em cada ponto amostrado foram tratados através do programa STATISTICA 6. sendo primeiramente utilizada a estatística descritiva para obtenção das médias aritmética, médias geométricas, medianas, desvios padrões e limites de confiança de 95%. Posteriormente foram efetuados testes para verificação da normalidade dos dados e análises de variância ao nível de,5. Caixa de areia Despejo dos caminhões limpa-fossa (1) Lagoa Anaeróbia Lagoa Anaeróbia Lagoa Facultativa (3) Lagoa de Maturação (2) Efluente final (5) (4) Desinfecção ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 Figura 1: Fluxograma da série de lagoas avaliada com destaque para os pontos de coleta (1 a 5). Caixa de areia Lagoa anaeróbia 2 Lagoa facultativa Lagoa de maturação Sistema de desinfecção Efluente final Figura 2. Vistas do sistema de tratamento monitorado. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 RESULTADOS A média do volume diário que chega à ETE no período de coleta foi de 186,28 m 3, calculado através do monitoramento dos caminhões limpa-fossa. O monitoramento do efluente final determinou uma vazão média em torno de 2 m 3 /d. Os dados da amostra composta diária do afluente ao sistema assim como dos efluentes das lagoas anaeróbia, facultativa, maturação e o efluente final após desinfecção foram analisados estatisticamente com o objetivo de se obter as medidas de tendência central e de dispersão. Os resultados em cada ponto amostrado foram tratados através do programa STATISTICA 6. sendo primeiramente utilizada a estatística descritiva para obtenção das médias aritmética, médias geométricas, desvios padrões e limites de confiança de 95%. A análise preliminar dos resultados mostrou uma diferença significativa entre os valores das médias aritméticas e geométricas para as variáveis DBO, DQO, sólidos suspensos (SS), coliformes fecais (CF), nitrogênio kjheldall total (NTK) e amônia (NH 3 ). Utilizando histogramas de freqüência e o teste de Shapiro-Wilk para verificação de normalidade foi comprovado que as variáveis acima foram as que mais se afastaram da tendência de normalidade. Dessa forma, para a avaliação da eficiência da ETE foi adotada a média geométrica como medida de tendência central enquanto que para análise gráfica do comportamento das variáveis ao longo do sistema foram adotados os valores medianos. A Tabela 1 apresenta os valores médios geométricos e faixas de variação de cada variável analisada nos cinco pontos de amostragem. A temperatura média das lagoas está em conformidade com a temperatura da região litorânea do Brasil, em torno de 29ºC. Com relação ao ph foi verificada uma pequena faixa de variação entre 6,8 no efluente da lagoa anaeróbia até 7,4 no efluente final após desinfecção. Embora tenham sido determinadas significativas concentrações de clorofila a, a faixa de variação de oxigênio foi de apenas,9 mg/l (lagoa facultativa) a 2,1 mg/l (lagoa de maturação). Os pequenos valores de ph e oxigênio medidos no sistema estão bem abaixo das faixas comumente verificadas no nordeste do Brasil e podem estar associados a sobrecarga orgânica devido as elevadas concentrações de DBO e DQO no afluente. Tabela 1. Médias geométricas e faixas de variação obtidas no esgoto afluente e efluentes das lagoas da Imunizadora Potiguar. Variáveis AC LA LF LM Des DBO (mg/l) DQO (mg/l) SS (mg/l) CF (ufc/1 ml) 3,4E7 2,2E5-1,5E8 2,7E6 2,E5-3,9E7 9,1E4 1,7E4-5,5E5 2,7E4 6,E2-3,8E5 6,1E3 1,2E2-2,1E5 Helmintos 4 15 (ovos/l) NTK (mgn/l) 129,1 66,3-329,6 86,3 44,-185,3 64,5 42,-13,9 62, 4,3-121, 59,7 4,1-91,9 NH 3 (mgn/l) 115,8 59,6-319,5 82,7 41,2-166,3 62,2 41,2-11,1 6,2 38,1-138,3 57,8 38,4-88,5 Clorofila a 515,4 418,2 371,9 ND ND (µg/l) 237,9-1582,1 154,7-1483,3 289,9-57, T ND 28,8 28,6 28,7 28,4 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 ( o C) 26,1-33,3 25,9-32, 25,2-33,5 25,-33,4 ph 6,8 7,2 7,4 7,4 ND 5,2-9,5 5,2-9,3 5,2-8,9 5,2-8,7 Os resultados obtidos na amostra composta afluente demonstram a sua grande concentração em termos de DBO, DQO, sólidos suspensos, NTK e amônia. Outra característica importante foi a grande variabilidade dos resultados caracterizada por grandes faixas de variação, bem como elevados valores de desvio padrão. As Figuras 3 a 7, a seguir, demonstram a grande variação dos resultados na amostra composta do afluente ao sistema de tratamento como nos efluentes avaliados. Os coeficientes de variação variaram entre 5 a 2%. O sistema de tratamento avaliado foi inicialmente projetado como uma série de lagoas de estabilização sendo uma lagoa anaeróbia, seguida de uma facultativa secundária e uma de maturação. Os resultados do seu monitoramento indicaram que o sistema não atendia as exigências do IDEMA (Órgão Ambiental do Estado) em relação à qualidade do efluente final. Como nova concepção foi projetada mais uma lagoa anaeróbia para trabalhar em série com o sistema já existente. A nova lagoa anaeróbia foi dimensionada com base numa DBO de projeto de 1 mg/l e vazão média de 3 m 3 /dia, equivalente a 4 descargas de caminhões limpa-fossa com 7 m 3. Foi adotado um tempo de detenção hidráulica de 5 dias e uma profundidade de 3 m, resultando em um volume útil necessário de 15 m 3 com carga orgânica volumétrica aplicada de 2 gdbo/m 3.dia. De acordo com o projeto, foi prevista uma eficiência de 7% para as duas lagoas anaeróbias em série. Os resultados do monitoramento de rotina durante o projeto revelaram valores médios de DBO e DQO, para o afluente da primeira lagoa anaeróbia, em torno de 15 mg/l e 68 mg/l. Em termos de DBO a concentração encontrada foi 5% superior a considerada no projeto. O monitoramento da vazão efluente resultou numa média equivalente a cerca de 2 m 3 /dia, que é 5% inferior a estimada durante o projeto. 4 Mediana 25%-75% Min-Max DBO (mg/l) AC LA LF LM DES Figura 3. Medianas, quartis e faixas de variação de DBO nos pontos monitorados. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 Mediana 25%-75% Min-Max DQO (mg/l) AC LA LF LM DES Figura 4. Medianas, quartis e faixas de variação de DQO nos pontos monitorados. Mediana 25%-75% Min-Max 7 6 Sólidos suspensos (mg/l) AC LA LF LM DES Figura 5. Medianas, quartis e faixas de variação de sólidos suspensos nos pontos monitorados. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

8 35 Mediana 25%-75% Min-Max 3 25 NTK (mg/l) AC LA LF LM DES Figura 6. Medianas, quartis e faixas de variação de NTK nos pontos monitorados. 35 Mediana 25%-75% Min-Max 3 25 Amônia (mg/l) AC LA LF LM DES Figura 7. Medianas, quartis e faixa de variação de amônia nos pontos monitorados. A Figura 8 demonstra o grande predomínio de substâncias de difícil degradação resultando em relações entre DBO/DQO muito baixas, particularmente no esgoto afluente onde o valor da DBO correspondeu a apenas 23% da DQO. É importante destacar que a composição do esgoto afluente reflete as diferenças entre as unidades individuais de tratamento (fossas sépticas) no que diz respeito, por exemplo, ao tipo de unidades contribuintes (domiciliares, restaurantes, comercial, hotéis, hospitais, oficinas, etc.), tempo entre as limpezas, dimensionamento, operação e manutenção, etc. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 8

9 Relação (DBO/DQO)x1% AC LA LF LM Figura 8. Relação média de DBO/DQO verificadas nos pontos monitorados. As maiores eficiências de remoção foram verificadas na série de lagoas anaeróbias, conforme pode ser verificado pelos resultados apresentados na Figura 9. Nessa lagoa a DBO, DQO e sólidos suspensos foram removidos, em relação ao valor da amostra composta, em 83, 91 e 85%, respectivamente, superiores aos valores de 7% previstos no projeto. Estes valores são superiores aos comumente referenciados pela literatura para este tipo de reator e estão associadas às elevadas concentrações verificadas no esgoto afluente. Ao considerar toda a série de lagoas as eficiências de remoção destas variáveis aumentou para cerca de 95%. O Teste F e o Teste de Kruskal-Wallis comprovaram que após as lagoas anaeróbias não ocorre remoção significativa de DBO, DQO e sólidos suspensos. A amônia representa a maior fração do NTK e foi removida em 5% podendo estar associada aos baixos valores de ph, não favorecendo a volatilização para atmosfera. O sistema promoveu uma remoção de 99,96% de coliformes fecais e 1% de remoção de ovos de helmintos no efluente da lagoa facultativa. 12 DBO DQO SS CF NH 3 Eficiência de Remoção (%) , , ,3 2 99, Ef. LA Ef. LF Ef. LM Ef. Total Figura 1. Eficiências de remoção. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 9

10 CONCLUSÕES Com base nos resultados foi possível tirar a seguintes conclusões: Os despejos dos caminhões limpa-fossa apresentam grande variabilidade nas concentrações das variáveis monitoradas podendo ser explicada de acordo com a permanência (tempo entre as limpezas) e procedência do resíduo (residências, restaurantes, hospitais, oficinas, etc.) nos tanques-sépticos esgotados pelos caminhões, bem como as próprias características físicas das fossas; O resíduo de fossa-séptica apresentou concentrações elevadas de sólidos suspensos, e predomínio de substâncias de difícil degradação como mostra o valor médio da relação DBO 5 - DQO, indicando a baixa biodegradabilidade do resíduo; Mesmo sobrecarregado o sistema analisado como um todo apresentou uma ótima eficiência nas remoções de DBO, DQO e coliformes fecais, estando acima das comumente referidas na literatura, sendo a maior fração removida nas lagoas anaeróbias; O lodo das fossas esgotadas apresentam característica de um esgoto muito concentrado, com elevados teores de areia causando o rápido assoreamento das unidades primárias, principalmente devido ao uso de tratamentos preliminares inadequados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. APHA, AWWA and, WEF. Metodos normalizados para el analisis de agues potables y residuales. 17 ed. American Public Health Association, American Water Works Association and Water Environment Federation: Madrid, ESP, COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE Diretoria de Projetos e Obras Estudo preliminar para implantação do sistema de esgotamento sanitário de Natal Natal, 21, 15p. 3. NATAL. Lei n , de 27 agosto de Obriga as empresas Imunizadoras a manterem sistemas de Lagoas de Estabilização. Lex: Coletâneas da Legislação Ambiental do Município de Natal, Natal, p.364, 2. Trim. 1998, Diário Oficial do Estado. 4. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL

II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL Renata Carolina Pifer Abujamra (1) Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL Carla Gracy Ribeiro Meneses (1) Engenheira Civil/UFRN, 1998; mestranda do Programa

Leia mais

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98.

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98. XII-18 ESTUDO DA VAZÃO HORÁRIA AFLUENTE DA LAGOA ANAERÓBIA PROFUNDA DA PEDREIRA Nº 7 DO PÓLO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA NA GRANDE JOÃO PESSOA (ESTUDO DE CASO) Carolina Baracuhy Amorim

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD

BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD BACTÉRIAS LIOFILIZADAS EM FOSSAS SÉPTICAS DE ELEVADA REDUÇÃO DE BOD Evandro Rodrigues de Britto Biólogo pela Faculdade Nacional de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil; Pós-Graduado em

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Abril de 2013 INTRODUÇÃO O SEMAE-OP Serviço Municipal de Água e Esgoto de Ouro Preto foi criado pela Lei Nº 13/2005 em 24 de fevereiro de 2005,

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

II-008 - REGULAMENTAÇÃO PARA DESPEJOS DE CAMINHÕES LIMPA- FOSSAS NA ETE-JARIVATUBA, JOINVILLE-SC

II-008 - REGULAMENTAÇÃO PARA DESPEJOS DE CAMINHÕES LIMPA- FOSSAS NA ETE-JARIVATUBA, JOINVILLE-SC II-008 - REGULAMENTAÇÃO PARA DESPEJOS DE CAMINHÕES LIMPA- FOSSAS NA ETE-JARIVATUBA, JOINVILLE-SC (1) Claudia Rocha Bióloga da Companhia Catarinense de Água e Saneamento CASAN, formada pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO Magda Maria Marinho Almeida - Química Industrial- UFC/CE- Mestre em Tecnologia de Alimentos- UFC/CE. Divisão de Análises e Pesquisa

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação II-234 - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UMA ETE EM ESCALA REAL, COMPOSTA DE RETOR UASB SEGUIDO DE TANQUE DE AERAÇÃO COM BIODISCOS Danillo Luiz de Magalhães Ferraz (1) Tecnólogo em Meio Ambiente

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

b) esgotos sanitários gerados em indústrias com sistema de tratamento independente.

b) esgotos sanitários gerados em indústrias com sistema de tratamento independente. DZ-215.R-4 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA BIODEGRADÁVEL EM EFLUENTES LÍQUIDOS DE ORIGEM SANITÁRIA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4886, de 25 de setembro de 2007 DOERJ de 08 de novembro

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

ANEXO 6.7.1 NORMATIVIDAD DE BRASIL

ANEXO 6.7.1 NORMATIVIDAD DE BRASIL ANEXO 6.7.1 NORMATIVIDAD DE BRASIL DZ-215.R-4 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA BIODEGRADÁVEL EM EFLUENTES LÍQUIDOS DE ORIGEM SANITÁRIA Aprovada pela Deliberação CECA n 4886, de 25 de setembro de

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL

TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte; 18 a 22 de Março de 2013 Mesa redonda TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL Cícero Onofre de Andrade Neto Tecnologia adequada à realidade (social,

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR Sandra Parreiras P. Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre em Irrigação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Claudia Coutinho Nóbrega, Sabrina Livia de Medeiros Pereira, Gilson Barbosa A claudiacn@uol.com.br

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012 AGERSA - Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Cachoeiro de Itapemirim RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RF / DSB / 02/2012 Sistema de Esgotamento Sanitário SES de Córrego dos Monos

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH Clarisse Wanderley Souto Ferreira Clemildo Torres de Oliveira Walter Calábria Júnior EQUIPE TÉCNICA Clarisse Wanderley Souto Ferreira.Engenheira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

I-037 - ALTERNATIVAS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DO MUNICÍPIO DE BAURU - SP

I-037 - ALTERNATIVAS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DO MUNICÍPIO DE BAURU - SP I-037 - ALTERNATIVAS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DO MUNICÍPIO DE BAURU - SP Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Controle da Poluição Ambiental (USP, 1999). Mestre em Engenharia

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Leonardo A. Forte leonardoforte@manaus.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe

Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe Eficiência de ETE Com Mesmo Processo de Tratamento Estudo de Casos: Lençois, Canavieiras, Camacan e Sauípe Eng. Virgílio Bandeira Eng. Taís Meireles Eng. Kelly Galvão OBJETIVO O estudo consiste em realizar

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 1.995, de 10 de outubro de 1990. Publicada no DOERJ de 14 de janeiro de1991.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista, Chefe da Divisão Técnica do Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Alagoinhas-Bahia.

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital PROJETO VIDA Recomposição e Preservação do Ambiente Vital Justificativas Considerando que os diversos tipos de plásticos levam 50, 100 ou mais anos para se decomporem; Considerando que 67,8 m3 por segundo

Leia mais