"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico"

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico""

Transcrição

1 "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico"

2 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" Quota de Portugal nas "importações" [2] da UE-27 totais e da Subsecção da CAE (%) Quota no Total Quota na Subsecção "Fabric. Artigos Borracha e Plástico" Fonte: Quadro 2. Quota de Portugal nas exportações mundiais totais e da Subsecção da CAE (%) Quota no Total Quota na Subsecção "Fabric. Artigos Borracha e Plástico" Fonte: Quadro 3. Indicador de Vantagens Comparativas Reveladas (VCR) * * Logaritmo neperiano do rácio entre a quota mundial das "exportações" de Portugal na Subsecção da CAE e a quota das "exportações" totais de Portugal nas exportações mundiais. Quando o indicador é positivo significa que Portugal tem VCR nesta Subsecção da CAE. Indicadores de VCR para todas as Divisões da CAE (CAE-2) constam do Quadro 4. Fonte: Quadro 4 [1] "Exportações" aqui entendidas como o somatório das Expedições para os Países Comunitários com as Exportações para os Países Terceiros. [2] "Importações" aqui entendidas como o somatório das Chegadas provenientes da UE com as Importações provenientes de Países Terceiros.

3 Evolução das "exportações", dados declarados e estimados Valores em milhões de Euros Cód. Subsecção da CAE Dados Declarados [3] Dados Estimados TOTAL GERAL TVH (%) DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico n.d. n.d. n.d. TVH (%) n.d. n.d. Peso no Total (%) n.d. n.d. n.d. [3] Os dados declarados não incluem estimativas do INE abaixo do limiar de assimilação nem das não-respostas no comércio intracomunitário; até - últimas versões; - segunda versão do ano. Fonte: GEE, a partir de dados de base do INE. Peso da Subsecção da CAE no total das "exportações" % 4.4% Peso dos Grupos da CAE (CAE-3) na Subsecção "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" (%) Fabric. de artigos de matérias plásticas Fabric. de artigos de borracha 2001 Nota: Os dados de base dos gráficos, são dados declarados (não incluem estimativas).

4 "Exportações" da Subsecção por Grupos da CAE (CAE-3) em Taxas de crescimento e contributo para a evolução das "exportações" totais Taxa de variação em valor Contributos (%) Fabric. de artigos de borracha Fabric. de artigos de matérias plásticas Nota: Contributos para o crescimento das "exportações" por Divisão da CAE (CAE-2) constam do Quadro 1. "Exportações" da Subsecção da CAE em e por principais mercados de destino () Taxas de crescimento, peso na Subsecção da CAE () e contributo para a evolução das "exportações" totais Taxa de variação em valor Contributos (%) Polónia (1.6%) Países Baixos (3.1%) Angola (3.3%) EUA (3.3%) Itália (3.4%) Bélgica (4.2%) Reino Unido (5.2%) Alemanha (13.5%) França (14.7%) Espanha (32.4%) Nota: Contributos para o crescimento das "exportações" para outros países que registaram maiores crescimentos em constam do Quadro 1. Nota: Os dados de base dos gráficos, são dados declarados (não incluem estimativas).

5 Quadro 1 "Exportações" [1] portuguesas da Subsecção da CAE "Fabric. Artigos Borracha e Plástico" 2001 a (Ordenadas por valor decrescente em ) Valores em milhões de Euros % da Subsecção da CAE Subsecções da CAE Cód Peso no total da "Exportação" (%) média anual /05 Taxas de variação em valor Contributos [2] 07/ p.p. % p.p. % TOTAL DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico Por Grupos da CAE (CAE-3) 252 Fabric. de artigos de matérias plásticas Fabric. de artigos de borracha Por Divisões da CAE (CAE-2) [3] 25 Fabric. de artigos de borracha e de matérias plásticas

6 Valores em milhões de Euros % da Subsecção da CAE Subsecções da CAE Cód Peso no total da "Exportação" (%) média anual /05 Taxas de variação em valor Contributos [2] 07/ p.p. % p.p. % Por Principais Mercados de Destino [4] ES Espanha FR França DE Alemanha GB Reino Unido BE Bélgica IT Itália US EUA AO Angola NL Países Baixos PL Polónia GM Gâmbia RW Ruanda MW Malawi MG Madagáscar NA Namíbia TG Togo TD Tchad ML Mali XL Melilla BD Bangladesh [1] "Exportações" aqui entendidas como o somatório das Expedições para os Países Comunitários com as Exportações para os Países Terceiros. [2] Contributos para a taxa de crescimento - análise shift-share: TVH x peso no período homólogo anterior / 100. [3] Ordenadas por ordem decrescente em [4] Reunião dos 10 principais mercados de destino, com outros países que registaram maiores crescimentos em Fonte: GEE, a partir de dados de base declarados do INE (não incluem estimativas abaixo do limiar de assimilação nem das não-respostas); até - últimas versões; - segunda versão do ano.

7 Quadro 2 Quota de Portugal nas" importações" da UE-27 por Subsecções da CAE, desagregadas por Divisão (CAE-2) e nas "importações" [1] totais (%) 2001 a Divisões da CAE ordenadas por ordem decrescente de valor das "exportações" portuguesas em de fonte INE Cód. Subsecções da CAE e Divisão (CAE-2) TOTAL DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico Fabric. de artigos de borracha e de matérias plásticas [1] "Importações" aqui entendidas como o somatório das Chegadas provenientes da UE com as Importações provenientes de Países Terceiros. Nota: Para Portugal foram utilizados os dados FOB das expedições portuguesas para a UE, convertidos a valores CIF. Fonte: GEE, a partir de dados de base do Eurostat; 2000 a Annual data, supplement 2_; e - Monthly data 4_2008.

8 Quadro 3 Quota de Portugal nas exportações mundiais por Subsecções da CAE, desagregadas por Divisão (CAE-2) e nas "exportações" [1] totais (%) 2000 a Divisões da CAE ordenadas por ordem decrescente de valor em de fonte INE Cód. Subsecções da CAE e Divisão (CAE-2) TOTAL DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico Fabric. de artigos de borracha e de matérias plásticas [1] "Exportações" aqui entendidas como o somatório das Expedições para a UE com as Exportações para os Países Terceiros Fonte: GEE, a partir de dados de base da ONU (United Nations Statistics Division - UN Commodity Trade Database - Extracção em Maio de Nota: O total do Mundo corresponde à informação disponível na base de dados da ONU, não englobando exaustivamente todos os países. Quadro 4 Indicador das Vantagens Comparativas Reveladas [1] de Portugal no Mundo por Subsecções da CAE desagregadas por Divisão (CAE-2) 2000 a Divisões da CAE ordenadas por ordem decrescente de valor em de fonte INE Cód. Subsecções da CAE e Divisão (CAE-2) DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico Fabric. de artigos de borracha e de matérias plásticas [1] Indicador das Vantagens Comparativas Reveladas é o logaritmo neperiano do rácio entre a quota mundial das "exportações" de Portugal na Subsecção da CAE e a quota das "exportações" totais de Portugal nas exportações mundiais. Se Ln > 0, Portugal apresenta vantagem comparativa revelada na Divisão/Subsecção da CAE seleccionada. Fonte: GEE, a partir de dados de base da ONU (United Nations Statistics Division - UN Commodity Trade Database - Extracção em Maio de Nota: O total do Mundo corresponde à informação disponível na base de dados da ONU, não englobando exaustivamente todos os países.

9 "Importações" Subsecção da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico"

10 "Importações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" Evolução das "importações", dados declarados e estimados Valores em milhões de Euros Cód. Subsecção da CAE Dados Declarados [2] Dados Estimados TOTAL GERAL TVH (%) DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico n.d. n.d. n.d. TVH (%) n.d. n.d. Peso no Total (%) n.d. n.d. n.d. [1] "Importações" aqui entendidas como o somatório das Chegadas provenientes dos Países Comunitários com as Importações dos Países Terceiros. [2] Os dados declarados não incluem estimativas do INE abaixo do limiar de assimilação nem das não-respostas no comércio intracomunitário; até - últimas versões; - segunda versão do ano. Fonte: GEE, a partir de dados de base do INE. Peso da Subsecção da CAE no total das "importações" % 2.7% Peso dos Grupos da CAE (CAE-3) na Subsecção "Fabricação de Artigos de Borracha e Plástico" (%) Fabric. de artigos de matérias plásticas Fabric. de artigos de borracha 2001 Nota: Os dados de base dos gráficos, são dados declarados (não incluem estimativas).

11 "Importações" da Subsecção por Grupos da CAE (CAE-3) em Taxas de crescimento e contributo para a evolução das "importações" totais Taxa de variação em valor Contributos (%) Fabric. de artigos de borracha Fabric. de artigos de matérias plásticas Nota: Contributos para o crescimento das "importações" por Divisão da CAE (CAE-2) constam do Quadro 1. "Importações" da Subsecção da CAE em e por principais mercados de origem () Taxas de crescimento, peso na Subsecção da CAE () e contributo para a evolução das "importações" totais Taxa de variação em valor Contributos (%) Japão (1%) Áustria (1.1%) China (2.4%) Reino Unido (2.9%) Bélgica (3.7%) Países Baixos (5.2%) Itália (8.7%) França (9%) Alemanha (14%) Espanha (42.9%) Nota: Contributos para o crescimento das "importações" para outros países que registaram maiores crescimentos em constam do Quadro 1. Nota: Os dados de base dos gráficos, são dados declarados (não incluem estimativas).

12 Quadro 1 "Importações" [1] portuguesas da Subsecção da CAE "Fabric. Artigos Borracha e Plástico" 2001 a (Ordenadas por valor decrescente em ) Valores em milhões de Euros % da Subsecção da CAE Subsecções da CAE Cód Peso no total da "Importação" (%) média anual /05 Taxas de variação em valor Contributos [2] 07/ p.p. % p.p. % TOTAL DH Fabric. Artigos Borracha e Plástico Por Grupos da CAE (CAE-3) 252 Fabric. de artigos de matérias plásticas Fabric. de artigos de borracha Por Divisões da CAE (CAE-2) [3] 25 Fabric. de artigos de borracha e de matérias plásticas

13 Valores em milhões de Euros % da Subsecção da CAE Subsecções da CAE Cód Peso no total da "Importação" (%) média anual /05 Taxas de variação em valor Contributos [2] 07/ p.p. % p.p. % Por Principais Mercados de Origem [4] ES Espanha DE Alemanha FR França IT Itália NL Países Baixos BE Bélgica GB Reino Unido CN China AT Áustria JP Japão GT Guatemala LI Liechtenstein IS Islândia BW Botswana NO Noruega LT Lituânia TN Tunísia KW Kuwait HR Croácia HU Hungria [1] "Importações" aqui entendidas como o somatório das Chegadas provenientes dos Países Comunitários com as Importações dos Países Terceiros. [2] Contributos para a taxa de crescimento - análise shift-share: TVH x peso no período homólogo anterior / 100. [3] Ordenadas por ordem decrescente em [4] Reunião dos 10 principais mercados de origem, com outros países que registaram maiores crescimentos em Fonte: GEE, a partir de dados de base declarados do INE (não incluem estimativas abaixo do limiar de assimilação nem das não-respostas); até - últimas versões; - segunda versão do ano.

"Exportações" Subsecção da CAE. "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão"

Exportações Subsecção da CAE. Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão "Exportações" Subsecção da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Indústria da Pasta de Papel, Papel e Cartão" Quota de Portugal

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e."

Exportações Subsecção da CAE. Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e. "Exportações" Subsecção da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." 30-05-2008 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabricação de Máquinas e Equipamentos n.e." Quota de Portugal

Leia mais

"Exportações" Subsecção da CAE. "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais"

Exportações Subsecção da CAE. Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais "Exportações" Subsecção da CAE "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais" 04-08-2009 "Exportações" [1] portuguesas por Subsecções da CAE "Fabric. de Prod. Químicos e Fibras Sintéticas/Artificiais"

Leia mais

"Exportações" Grupo de Produtos. "Minérios e Metais"

Exportações Grupo de Produtos. Minérios e Metais "Exportações" Grupo de Produtos "Minérios e " 06-11-2009 "Exportações" [1] portuguesas por Grupos de Produtos "Minérios e " Quota de Portugal nas "importações" [2] da UE-27 totais e do Grupo (%) 0.83 0.85

Leia mais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais

Figura 1. Exportações [1] de veículos automóveis, tractores, ciclos, suas partes e acessórios e evolução do seu peso nas exportações totais Em Análise Evolução das exportações 1 portuguesas de veículos automóveis e suas partes e acessórios Walter Anatole Marques 2 O sector automóvel ocupa uma posição de destaque no comércio internacional português

Leia mais

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de Vestuário SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte II Evolução do comércio internacional de 4. Subsector do 4.1 Balança Comercial do A Balança Comercial do é tradicionalmente favorável a Portugal. Após um vigoroso

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 6 Junho 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov )

Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov ) Em Análise Walter Anatole Marques 1 Comércio Internacional Português de Vinhos (2009 a 2013 e jan-nov 2013-2014) 1 Nota Introdutória Ao longo dos últimos cinco anos e onze primeiros meses de 2014 as exportações

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da novação GPEAR Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações nternacionais

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 1 Janeiro 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR 09 de Maio de 2003 Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro a Fevereiro de 2003 DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL CONTINUA A DIMINUIR O défice da balança comercial registou, nos dois primeiros meses de

Leia mais

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO

COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO COSMÉTICA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama comunitário... 7 Anexo Estatístico... 8 2 Panorama Nacional O fabrico de produtos cosméticos

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Novembro 09 de janeiro de 2017 As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Em novembro de, as exportações e as importações

Leia mais

Expedições portuguesas de Têxteis e de Vestuário para a União Europeia Principais competidores

Expedições portuguesas de Têxteis e de Vestuário para a União Europeia Principais competidores Expedições portuguesas de Têxteis e de Vestuário para a União Europeia Principais competidores Walter Anatole Marques 11 Balança comercial portuguesa do Sector Têxtil A balança comercial dos têxteis e

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos

Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Em Análise Portugal e o Comércio Internacional com Marrocos Walter Anatole Marques 1 Introdução As exportações portuguesas, muito concentradas no espaço comunitário, têm sido objeto nos últimos anos de

Leia mais

As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Outubro 9 de dezembro de As exportações e importações diminuíram 3,5% e 1,7%, respetivamente, em termos nominais Em outubro de, as exportações e as importações de

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte I

SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte I SECTOR DOS TÊXTEIS E VESTUÁRIO 1 Parte I Evolução do comércio internacional de Têxteis 1. Balança Comercial do sector dos Têxteis e Vestuário 2 A balança comercial do sector dos Têxteis e Vestuário é tradicionalmente

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MAIO 2017

Newsletter Informação Mensal - MAIO 2017 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MAIO As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - JUNHO 2017

Newsletter Informação Mensal - JUNHO 2017 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - JUNHO As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas

Leia mais

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016

Newsletter Informação Mensal - MARÇO 2016 PREÇOS DO LEITE À PRODUÇÃO - Preços Médios Mensais PRODUTO (Leite de vaca cru com teores reais de matérias gordas e proteínas) Newsletter Informação Mensal - MARÇO dezembro As Newsletter do SIMA podem

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Espanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Espanha Dezembro de 2015 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES OUTUBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL Vítor Neto

VI SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL Vítor Neto Vítor Neto Vilamoura, 24 de novembro de 2017 PESO DO TURISMO NA ECONOMIA MUNDIAL 2 COMO SE DISTRIBUEM OS TURISTAS PELO MUNDO 1.235 Milhões de Turistas Internacionais - Mundo (2016 OMT) Como se distribuem

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes?

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? MADALENA RAMOS, ISCTE-IUL, CIES-IUL (madalena.ramos@iscte.pt) ANA CRISTINA FERREIRA, ISCTE-IUL, DINÂMIA/CET-ISCTE-IUL (cristina.ferreira@iscte.pt)

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Índia. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Índia. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Índia Fevereiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS Balança Comercial Portuguesa de Leite e Derivados (Milhares de Euros) Exportação 172.852 226.378 271.971 225.496 268.753 13,3 19,2 Importação 367.724 436.717 518.991 480.416 461.748 6,6-3,9 Saldo -194.872-210.340-247.019-254.920-192.995

Leia mais

Fabricação de Bicicletas (Subclasse da CAE Rev 2.1)

Fabricação de Bicicletas (Subclasse da CAE Rev 2.1) Fabricação de Bicicletas (Subclasse 35420 da CAE Rev 2.1) 1 - Âmbito 2 - Caracterização do sector Empresas, Pessoal ao Serviço, Volume de Negócios e VAB Peso do sector na Indústria Transformadora 3 - Comércio

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA

MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA MÁQUINAS PARA TRABALHAR CERÂMICA, ROCHAS E PEDRA AEP / DEPARTAMENTO DE ESTUDOS E DESENVOLVIMENTO MARÇO DE 2003 Índice Panorama Nacional... 3 Panorama Comunitário... 8 Anexo Estatístico... 9 2 Panorama

Leia mais

OEm Observatório da Emigração

OEm Observatório da Emigração OEm Observatório da Emigração Ficha 2014.01 Emigração Portuguesa na União Europeia Os Dados dos Censos de 2011 Mais de um milhão de portugueses estavam emigrados nos países da União Europeia e da EFTA

Leia mais

Portugal: Estatísticas de Relacionamento Económico com a China

Portugal: Estatísticas de Relacionamento Económico com a China Balança Comercial de Bens de Portugal com a China 15/11 a 16/15 b Exportações 396,6 778,0 657,5 839,7 839,0 27,1 712,3 540,7-24,1 Importações 1.526,0 1.391,3 1.370,4 1.599,1 1.777,6 4,4 1.497,7 1.509,0

Leia mais

Turquemenistão - Síntese País

Turquemenistão - Síntese País Informação Geral sobre o Turquemenistão Área (km 2 ): 488 100 Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco maior) População (milhões hab.): 5,4 () Risco do país: CCC (AAA = risco menor; D = risco maior)

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1%

Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 2014 09 de junho de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações diminuíram 0,8% e as importações 0,1% As exportações de bens diminuíram 0,8% e as importações

Leia mais

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016

OBSERVATÓRIO. Exportações e Investimento Externo. Novembro 2016 OBSERVATÓRIO Exportações e Investimento Externo Novembro O presente documento constitui uma análise do desempenho recente das relações económicas de Portugal com o estrangeiro, ao nível das exportações

Leia mais

EY como uma medida da dependência energética, definida como a

EY como uma medida da dependência energética, definida como a Em Análise O Preço da Energia e o Défice da Balança Energética em Portugal Miguel Lebre de Freitas 1 Susana Salvado Walter Marques 1. Introdução Sendo a economia Portuguesa uma das economias mais abertas

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Hungria - Síntese País

Hungria - Síntese País Informação Geral sobre a Hungria Área (km 2 ): 93 030 Primeiro-Ministro: Viktor Orban População (milhões hab.): 9,82 (estimativa 2016) Risco de crédito: (*) Capital: Budapeste Risco do país: BB (AAA =

Leia mais

Síntese Estatística de Comércio Internacional Nº 2/2008

Síntese Estatística de Comércio Internacional Nº 2/2008 Síntese Estatística de Comércio Internacional Nº 2/2008 Inclui dados de base do INE para o comércio internacional de Portugal Janeiro a Novembro de 2007 - comércio Intra + Extra-UE Janeiro a Dezembro de

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em -0,4%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em -0,4% 10 de julho de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Junho de 2014 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em -0,4% Em junho de 2014, a variação homóloga do IPC situou-se em -0,4%, taxa igual à observada

Leia mais

Portugal - Balança de Bens e Serviços

Portugal - Balança de Bens e Serviços Portugal - Balança de Bens e Serviços As trocas comerciais no semestre terminado em Fevereiro Neste tema analisamos a evolução da balança de bens e serviços tendo por base o acumulado das trocas comerciais

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE DADOS DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE COURO MALAS Mercadoria: 42021100 - MALAS,MALETAS E PASTAS,DE COURO NATURAL/RECONST/ENVERN. 2005 2006 2007 País Kg US$ US$/Kg Part. Kg US$ US$/Kg Part.

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES NOVEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA

nº 2 Outubro 2009 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA nº 2 Outubro 29 COMÉRCIO EXTERNO MERCADOS DE EXPORTAÇÃO E.U.A. CANADÁ BRASIL ANGOLA MERCADOS DE EXPORTAÇÃO: EUA Canadá Brasil - Angola COMÉRCIO EXTERNO INDICE Balança do Vinho Português.. 3 Exportações

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO

EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA COMERCIAL DO SECTOR DA CARNE DE BOVINO O sector da

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% Estatísticas do Comércio Internacional Março 2014 09 de maio de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% As exportações de bens aumentaram 1,7% e as importações

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Cork Information Bureau Pág. 1 CORTIÇA EM NÚMEROS. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS. apcor.pt

Cork Information Bureau Pág. 1 CORTIÇA EM NÚMEROS. Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS. apcor.pt Pág. 1 Cork Information Bureau 2015 Cork Information Bureau 2015 CORTIÇA EM NÚMEROS apcor.pt Cork Information Bureau 2015 Pág. 2 Índice MONTADO... 3 ÁREA DE MONTADO... 3 PRODUÇÃO DA CORTIÇA... 4 INDÚSTRIA...

Leia mais

O contexto macroeconómico e a economia do mar

O contexto macroeconómico e a economia do mar O contexto macroeconómico e a economia do mar João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 3 abril 2014 MAREECOFIN PwC Economia e Finanças do Mar Reunião de Primavera Iniciativas de difusão

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Estatísticas da Globalização

Estatísticas da Globalização Estatísticas da Globalização 28-213 28 de março de 214 Indicadores da globalização revelam integração internacional da economia portuguesa No período 28-213, em particular a partir do ano 21, a economia

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2017 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Relações Comerciais Ibéricas Alentejo, Algarve e Andaluzia

Relações Comerciais Ibéricas Alentejo, Algarve e Andaluzia Research Sectorial Relações Comerciais Ibéricas Alentejo, Algarve e Andaluzia Francisco Mendes Palma Espírito Santo Research Sectorial Outubro 008 Relações Comerciais Ibéricas. Enquadramento Macroeconómico

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Brasil Outubro 2015 Índice 1. Evolução das exportações portuguesas de bens para

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Eslováquia - Síntese País

Eslováquia - Síntese País Informação Geral sobre a Eslováquia Área (km 2 ): 49 037 Primeiro-Ministro: Robert Fico População (milhões hab.): 5,4 (estimativa EIU, ) Risco do país: A (AAA = risco menor; D = risco maior) Capital: Bratislava

Leia mais

Rendibilidade das empresas portuguesas e europeias Núcleo de Análise Setorial Central de Balanços novembro de 2017

Rendibilidade das empresas portuguesas e europeias Núcleo de Análise Setorial Central de Balanços novembro de 2017 Rendibilidade das empresas portuguesas e europeias 2006-2015 Núcleo de Análise Setorial Central de Balanços novembro de 2017 I. Base de dados BACH II. Rendibilidade dos capitais próprios III. Fatores explicativos

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

Filiais de Empresas Estrangeiras em Portugal

Filiais de Empresas Estrangeiras em Portugal Estatísticas das Filiais de Estrangeiras 2011 27 de setembro de 2013 Filiais de Estrangeiras em Portugal Em 2011 existiam 5 289 filiais de empresas estrangeiras em Portugal, representando 1,5% do total

Leia mais

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor)

Base: INE (2008) Peso das Exportações do Vinho no total das Exportações da Economia Portuguesa (em Valor) OBSERVATÓRIO DO VINHO Análise de Mercados de Exportação EUA Canadá Brasil - Angola Mercados Internacionais de Vinho 1. Balança do Vinho Português 2. Exportações Terceiros de Vinho Português para Países

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS JANEIRO DE 2015 COM

Leia mais

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS EXPORTHOME AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2010 FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO Índice 1. Variáveis e Indicadores das Empresas (CAE 361)... 3 2. Comércio internacional de outros móveis e suas partes (NC

Leia mais

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros.

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros. 17.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 71/3 REGULAMENTO (CE) N. o 201/2009 DA COMISSÃO de 16 de Março de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 318/2007 que estabelece condições de sanidade animal

Leia mais

Instituto de Harmonização no Mercado Interno (IHMI) ser transmitido à OMPI: Francês Inglês Espanhol

Instituto de Harmonização no Mercado Interno (IHMI) ser transmitido à OMPI: Francês Inglês Espanhol Instituto de Harmonização no Mercado Interno (IHMI) Reservado para o IHMI: Data da recepção N.º de páginas 0 (obrigatório) Pedido internacional em conformidade com o Protocolo de Madrid Dados destinados

Leia mais

No trimestre terminado em maio de 2016, as exportações de bens decresceram 2,3% e as importações de bens diminuíram 3,6% face ao período homólogo.

No trimestre terminado em maio de 2016, as exportações de bens decresceram 2,3% e as importações de bens diminuíram 3,6% face ao período homólogo. Estatísticas do Comércio Internacional Maio 11 de julho de As exportações diminuíram 0,7% e as importações decresceram 3,6% em maio de, em termos nominais, face ao mesmo mês de. Em o Reino Unido foi o

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2007

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2007 15 de Janeiro de 2008 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2007 EM 2007 A TAXA DE INFLAÇÃO SITUOU-SE EM 2,5% Em 2007, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou uma taxa de variação média de

Leia mais

As exportações e importações aumentaram 15,4% e 22,4%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações aumentaram 15,4% e 22,4%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Maio 10 de julho de As exportações e importações aumentaram 15,4% e 22,4%, respetivamente, em termos nominais Em maio de, as exportações e as importações de bens

Leia mais

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA

EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA EXPORTHOME AEP / GABINETE DE INFORMAÇÃO ECONÓMICA JANEIRO DE 2012 1 Índice 1. Variáveis das empresas... 3 2. Comércio internacional de outros móveis e suas partes (NC 9403)... 11 2.1 Evolução das saídas

Leia mais

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO

INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO INDÚSTRIA DO MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2005 Indústria do Mobiliário A indústria do mobiliário (CAE 361 fabricação de mobiliário e de colchões) reunia, em 2002, 6933 empresas, responsáveis

Leia mais

Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS

Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS Information Bureau 2016 CORTIÇA EM NÚMEROS ÍNDICE MONTADO... 3 ÁREA DE MONTADO... 3 PRODUÇÃO DA CORTIÇA... 4 INDÚSTRIA... 5 TECIDO EMPRESARIAL... 5 PRINCIPAIS ACTIVIDADES... 5 MERCADO INTERNACIONAL DA

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Estatísticas sobre Investimento Direto Estrangeiro

Estatísticas sobre Investimento Direto Estrangeiro Estatísticas sobre Investimento Direto Estrangeiro DDEBP Departamento de Estatística Dezembro 2015 Reunião Secção Permanente de Estatísticas de Base Territorial Agenda Enquadramento concetual Informação

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008.

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Paridades de Poder de Compra 2008 15 de Dezembro de 2009 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Com

Leia mais

Procura e Contas Externas Capítulo 4. Caixa 4.1. A evolução estrutural das exportações de serviços na economia portuguesa.

Procura e Contas Externas Capítulo 4. Caixa 4.1. A evolução estrutural das exportações de serviços na economia portuguesa. Caixa 4.1. A evolução estrutural das exportações de serviços na economia portuguesa Na teoria económica os serviços eram tradicionalmente considerados como não transaccionáveis nos mercados internacionais,

Leia mais