São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar:"

Transcrição

1 - Do Corpo Docente: São direitos do Professor, além dos previstos na Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar: 1. Utilizar-se dos recursos disponíveis na escola para atingir objetivos educacionais e instrucionais; 2. Valer-se de técnicas e métodos pedagógicos próprios para obter melhor rendimento de seus alunos; 3. Participar de reuniões promovidas pela escola, manifestando seu voto nas questões deliberativas. São deveres do Professor, além dos citados na legislação referida no artigo anterior: 1. Comparecer pontualmente às aulas e às reuniões para as quais tenha sido convocado, independentemente do seu horário de aulas; 2. Manter atualizados os conhecimentos relativos à sua especialidade docente e comparecer a Seminários de Estudos, Encontros, Cursos e outras reuniões do gênero, sempre que convocado pelos órgãos superiores; 3. Utilizar-se de metodologia de ensino capaz de contribuir para que alcance objetivos de ordem cognitiva, afetiva e psico-motora; 4. Proceder de forma que seu comportamento sirva de exemplo para a conduta dos alunos; 5. Agir com discrição na orientação do aluno, respeitando-lhe a personalidade, as limitações e as condições próprias de sua idade e formação; 6. Realizar a avaliação do rendimento dos alunos em termos dos objetivos propostos, como processo contínuo de acompanhamento de aprendizagem, levando em consideração todos os aspectos de comportamento, utilizando os resultados para orientar a reformulação do plano curricular; 7. Corrigir com o devido cuidado e dentro dos prazos estabelecidos, as provas e os trabalhos escolares; 8. Comentar com os alunos as provas e trabalhos escolares, esclarecendo os erros e os critérios adotados, louvando os acertos; 9. Documentar os resultados obtidos através de observações, dados de auto-avaliação cooperativa, de forma que possam ser levados ao conhecimento do aluno, pais, professores e especialistas da Escola; 10. Entregar na Secretaria, pontualmente, as relações de notas e faltas dos alunos; 11. Escriturar o Diário de Classe, observando rigorosamente as normas vigentes; 12. Manter a disciplina em classe e colaborar para a ordem e disciplina geral da Escola; 13. Propor por escrito ao Diretor a aquisição de livros para a Biblioteca e de tudo mais que seja necessário para a eficiência do ensino; 1 / 5

2 14. Manter com os colegas e demais servidores da Escola o espírito de colaboração indispensável à eficiência do processo educativo; 15. Colaborar com o Serviço de Orientação Educacional nos assuntos referentes à conduta e ao aproveitamento dos alunos; 16. Colaborar com o Serviço de Orientação pedagógica nos assuntos referentes ao desenvolvimento dos planos e metodologia de ensino, avaliação e recuperação; 17. Comunicar à Direção da Escola todas as irregularidades que ocorram na Escola, quando delas tiver conhecimento; É vedado ao Professor: 1. Ferir a suscetibilidade do aluno no que diz respeito às suas convicções religiosas e políticas, condições sociais e econômicas, à sua nacionalidade, cor, raça e capacidade intelectual; 2. Fazer proselitismo religioso ou político partidário sob pretexto algum, bem como pregar doutrinas contrárias aos interesses nacionais, insuflando nos alunos, clara ou disfarçadamente, atitudes de indisciplina ou agitação; 3. Falar, escrever ou publicar artigos em nome da Escola, em qualquer oportunidade, sem que para isso esteja autorizado; 4. Dispensar os alunos antes de finda a aula ou suspender aulas; 5. Retirar-se da classe ou de seu local de trabalho, sem motivo justificado, antes de finda a aula; 6. Adotar metodologia de ensino e avaliação superadas, incompatíveis com a orientação pedagógica; 7. Ofender com palavras, gestos ou atitudes, Diretores, Professores, Funcionários, Pais e Alunos; 8. Exercer atividades comerciais no recinto da Escola; 9. Ocupar-se em classe de assuntos estranhos à atividade educativa. sanções: Os membros do Corpo Docente são passíveis das seguintes 1. Advertência sigilosa; 2. Advertência escrita e afixada no recinto da Escola; 3. Suspensão; 4. Afastamento temporário; 5. Destituição do cargo. 1o - As penalidades instituídas nos itens I, II, III e IV serão aplicadas pelo Diretor. 2o - A penalidade instituída no item V será aplicada pelo Diretor com aprovação da Entidade Mantenedora. 3o - Das penalidades impostas caberão recursos à 2 / 5

3 Justiça Trabalhista. O Professor perderá o cargo: 1. Por aceitação de função que implique impossibilidade de cumprir, junto ao estabelecimento, suas funções na forma da Lei e deste Regimento; 2. Por abandono ou renúncia; 3. Por incompetência para as funções, incapacidade didática, desídia no desempenho de suas funções e prática de atos incompatíveis com a finalidade e dignidade da Escola. 4. Do Corpo Discente: O Corpo Discente da Escola é constituído alunos regularmente matriculados. por todos os São direitos do aluno: 1. Ser respeitado por todo o pessoal da Escola e pelos colegas; 2. Ser considerado e valorizado em sua individualidade, sem comparação ou preferência; 3. Ser respeitado em suas idéias religiosas; 4. Ser orientado em suas dificuldades; 5. Ser ouvido em suas queixas e reclamações; 6. Receber seus trabalhos e tarefas devidamente corrigidos e avaliados. São deveres dos alunos: 1. Comparecer pontualmente às aulas, provas e outras atividades preparadas e programadas pelo Professor ou pela Escola; 2. Desincumbir-se das obrigações que lhe forem atribuídas pela direção e pelos professores; 3. Justificar sua ausência; 4. Respeitar a propriedade alheia; 5. Tratar com civilidade os servidores da Escola, bem como aos colegas; 6. Colaborar na preservação do patrimônio escolar; 7. Atender às convocações da Direção e dos Professores; 8. Comparecer às aulas devidamente uniformizado ou trajado adequadamente; 9. Indenizar os danos a que der causa, tanto para a Escola quanto para os servidores do estabelecimento e colegas; 10. Atuar com probidade na execução dos trabalhos, exercícios, provas e demais atos 3 / 5

4 escolares; 11. Ter adequado comportamento social, concorrendo sempre, onde quer que se encontre, para a elevação de seu próprio conceito e o da Escola; 12. Colaborar com a Diretoria do Estabelecimento na conservação do prédio, do mobiliário escolar e de todo o material de uso coletivo, concorrendo também para que se mantenha rigoroso asseio na Escola. É vedado ao aluno: 1. Entrar ou sair das aulas sem permissão do Professor; 2. Promover, sem autorização da Direção, rifas, coletas, subscrições ou quaisquer outras atividades de natureza comercial; 3. Impedir a entrada de colegas na Escola ou incitá-los à ausência coletiva; 4. Portar armas ou objetos perigosos; 5. Desrespeitar o Diretor, os Professores e demais funcionários do Estabelecimento e aos próprios colegas; 6. Assumir atitudes incompatíveis com a boa conduta; 7. Danificar o patrimônio da Escola. São passíveis de penalidades as seguintes faltas dos alunos: 1. Desrespeito aos Diretores, Funcionários, Professores ou às autoridades do ensino; 2. Desobediência às determinações do Diretor, de qualquer Professor, do Orientador Educacional ou das autoridades do ensino; 3. Perturbação da ordem no recinto da Escola; 4. Ausência coletiva às aulas; 5. Ofensa ou agressão a outro colega; 6. Improbidade na execução dos trabalhos escolares; 7. Injuriar ou agredir o Diretor ou a qualquer membro do corpo docente ou técnico-administrativo; 8. Atos desonestos, incompatíveis com a dignidade da Escola; 9. Desobediência às leis do ensino; 10. Uso de entorpecentes, psicotrópicos, fumo ou bebidas alcóolicas; 11. Delitos sujeitos à ação penal. sanções: Os membros do corpo discente estão sujeitos às seguintes 1. Admoestação verbal; 2. Repreensão escrita com comunicado aos pais; 4 / 5

5 3. Suspensão por um dia; 4. Indenização por depredação ou prejuízo; 5. Suspensão pelo prazo de até três dias, com comunicação aos pais; 6. Guia de Transferência. 1o - A penalidade de Guia de Transferência somente será aplicada pelo Diretor, após sindicância regular. 2o - No processo de sindicância o aluno terá ampla oportunidade de defender-se, por si, ou por seus responsáveis, se menor. Os professores poderão impor as penalidades instituídas nos itens I e II, sendo as demais reservadas ao Diretor. 5 / 5

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO

UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO UFRJ REGIMENTO GERAL PARTE IV TÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 279 - O Regime Disciplinar da Universidade Federal do Rio de Janeiro é regido pelas normas especificadas neste

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS 2015 REGIME DISCIPLINAR DISCENTE DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS APROVAÇÃO RECUPERAÇÃO REPROVAÇÃO SEGUNDA CHAMADA DE AVALIAÇÕES REVISÃO DOS RESULTADOS ELOIZA

Leia mais

Supervisão de Estágios

Supervisão de Estágios Supervisão de s Orientações ao estagiários A Coordenação de Curso tem como objetivos, orientar, esclarecer e fazer o encaminhamento documental do estágio, de forma a viabilizar a realização do estágio

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários Entrada: 7h e 10 minutos Saída: 11h e 55 min (cinco aulas) e 12h e 45 min (seis

Leia mais

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE DOS OBJETIVOS E FINS Art. 1º O presente Regime tem por objetivo estabelecer as normas disciplinares do corpo discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto

ROSÁRIO. Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto ROSÁRIO Colégio de Nossa Senhora do Rosário Porto Regulamento Interno CAPÍTULO III DOS EDUCADORES Edição: maio 2016 Capítulo III Dos Educadores Edição maio de 2016 Índice do Capítulo III Secção I Docentes

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA

REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ REGULAMENTO GERAL DE MONITORIA FAFIL/FAECO/FAENG Índice Capítulo I Das Finalidades 3 Capítulo II - Das Inscrições dos Alunos 3 Capítulo III - Dos critérios de

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância)

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso. Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA. A disciplina é a mãe do sucesso Ésquilo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA Índice Código de conduta dos alunos Pág.3 digo de conduta de docentes

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

DIADEN Normas e Orientações Docentes - RG

DIADEN Normas e Orientações Docentes - RG Normas e Orientações Docentes - RG Prof. Dr. José de Ribamar Torres da Silva Diretor SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DIADEN Diretoria de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Assessorar as Coordenações de Cursos e

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

HORÁRIO DAS AULAS. * O horário da saída dos alunos deve ser obedecido, salvo em casos excepcionais. SAÍDA DO ALUNO DO COLÉGIO

HORÁRIO DAS AULAS. * O horário da saída dos alunos deve ser obedecido, salvo em casos excepcionais. SAÍDA DO ALUNO DO COLÉGIO O Mediterrâneo Kids, prepara a criança para atuar no presente e futuro, de forma ativa e participativa, estimulando-a e acreditando sempre que ela é capaz, sem exigir dela um esforço maior do que ela pode

Leia mais

Regimento Geral (paginas 39 a 45 com alterações introduzidas pelas Portarias 034/2002 e 052/2002)

Regimento Geral (paginas 39 a 45 com alterações introduzidas pelas Portarias 034/2002 e 052/2002) PAGINA 19 DO MANUAL DO ALUNO REGIME DISCIPLINAR O aluno da Universidade que cometer ato de indisciplina estará sujeito às sanções previstas no Regimento Geral, conforme abaixo descrito: Regimento Geral

Leia mais

Determinação e tipificação da medida disciplinar

Determinação e tipificação da medida disciplinar Determinação e tipificação da medida disciplinar 1. Na determinação da medida corretiva ou medida disciplinar sancionatória a aplicar, deve ter-se em consideração a gravidade do incumprimento do dever

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO Art.lº - O CEU - Centro Esportivo Universitário, Órgão suplementar da

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO

MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO Prezado Aluno da Faculdade Casa do Estudante, Este Manual tem a finalidade de orientá-lo para que sua vivência em nossa instituição torne-se fácil e socialmente ativa, informando

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO À RESOLUÇÃO CEPAE Nº 04 / 2015 RESOLUÇÃO DISCIPLINAR DO CEPAE/UFG TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Do Direito dos alunos e sua derivação Art. 1º Os direitos dos alunos derivam substancialmente

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015)

COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) COLÉGIO SÃO PAULO TERESÓPOLIS - RJ INFORMAÇÕES GERAIS PARA OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO (ANO LETIVO DE 2015) 1 Horários: Manhã (entrada): 7h e 10 min/saída: 12h e 45 min 2ª série na 2ª feira/saída: 13h e

Leia mais

TRANCAMENTO DE MATRÍCULA

TRANCAMENTO DE MATRÍCULA REGIMENTO ESCOLAR MATRÍCULA A matrícula inicial será confirmada no prazo de cinco dias letivos, a contar do início da série/módulo, ficando esta sujeita a cancelamento no caso da falta consecutiva do aluno

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR.

MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR. CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DA EMPRESA JÚNIOR DA UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO LÍDERES JR. BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais da Empresa Júnior,

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO CUNI Nº 571 Aprova o Regimento do Alojamento Estudantil da UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, Considerando o disposto no

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO Este regulamento destina-se a normatizar as atividades relacionadas com o Projeto de Monografia e a Monografia de Conclusão do Curso de Graduação em

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Toda rotina necessita de uma disciplina para bem vivenciá-la. A rotina acadêmica não é diferente.

Toda rotina necessita de uma disciplina para bem vivenciá-la. A rotina acadêmica não é diferente. Caro Aluno, Toda rotina necessita de uma disciplina para bem vivenciá-la. A rotina acadêmica não é diferente. Aqui apresentaremos as nossas orientações disciplinares para que você possa vivenciar a vida

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA

CARTA DOS DIREITOS E DEVERES COMUNIDADE EDUCATIVA MMA CARTA DOS DIREITOS E DEVERES CENTRO SOCIAL NOSSA SENHORA DO AMPARO Aprovado em Reunião de Direção a 07 /01 /2014 INTRODUÇÃO O CSNSA focaliza todo o seu trabalho no cliente, individualizando e personalizando

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DOS IDOSOS 3 4 - DIREITOS DOS FAMILIARES 4 5 - DEVERES DOS IDOSOS 5 6 - DEVERES DOS FAMILIARES 6 7 -

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE

GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE GUIA DO EDUCANDO 1. ABERTURA E FECHAMENTO DOS PORTÕES/ ENTRADA E SAÍDA DO ESTUDANTE No turno matutino, os portões são abertos às 7h10 e fechados às 7h30. No turno vespertino, os portões são abertos às

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes

Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes RESOLUÇÃO SME N 15/2008 (Orienta sobre a organização das escolas da rede municipal de ensino para o ano de 2009) A Secretária Municipal de Educação, considerando a necessidade de expedir orientações quanto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos Lavras 2014 INTRODUÇÃO Art. 1º. O Estágio

Leia mais

FACULDADE SÃO PAULO RECREDENCIADA NO MEC PELA PORTARIA Nº 284, DE 23 DE MARÇO DE 2015 Biblioteca Acadêmica

FACULDADE SÃO PAULO RECREDENCIADA NO MEC PELA PORTARIA Nº 284, DE 23 DE MARÇO DE 2015 Biblioteca Acadêmica BIBLIOTECA PROFESSOR JOSÉ MASTRANGELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos da Biblioteca, satisfazendo ao máximo as necessidades de seus usuários.

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO

TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TGI TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR REGULAMENTO SÃO PAULO JUNHO DE 2007 CAPÍTULO 1 DA CONCEITUAÇÃO Art. 1º - O Trabalho de Graduação Interdisciplinar (TGI), atividade obrigatória

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Batatais Estado de São Paulo PROCESSO SELETIVO - EDITAL Nº 01/2016 ANEXO II PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES RETIFICAÇÃO Nomenclatura Professor de Educação Básica I - Ensino Fundamental e Educação Infantil Fundamental (Arte) PRINCIPAIS

Leia mais

CALENDÁRIO Início das Férias 11 a 22 - Capacitação Pedagógica 25 - Retorno às aulas

CALENDÁRIO Início das Férias 11 a 22 - Capacitação Pedagógica 25 - Retorno às aulas CALENDÁRIO 2016 Janeiro Fevereiro Março Abril 01 - Confraternização Universal 28 e 29 - Capacitação Pedagógica Ed. Infantil e E.F. I 01 - Início das aulas / 1º trimestre 08 e 09 - Carnaval 10 - Feriado

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR

MANUAL DO COORDENADOR MANUAL DO COORDENADOR Reitora Profª. Dra. Gleicione Aparecida Dias Bagne de Souza Vice-Reitor Prof. Ms. Marcelo Junqueira Pereira Diretor Geral Prof. Leandro Rodrigues de Souza Pró-Reitora de Assuntos

Leia mais

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1

SECÇÃO I ALUNOS. RI direitos e deveres alunos CGT versão consulta pública Página 1 SECÇÃO I ALUNOS Artigo 49.º Quadro regulamentar 1. Os direitos, deveres e faltas a aplicar aos alunos dos ensinos básico e secundário estão conforme o previsto na Lei nº 51/2012 de 5 de setembro que estabelece

Leia mais

MISSÃO INSTITUCIONAL SETORES DE ATENDIMENTO AO ALUNO ASPECTOS REGIMENTAIS

MISSÃO INSTITUCIONAL SETORES DE ATENDIMENTO AO ALUNO ASPECTOS REGIMENTAIS MANUAL DO ALUNO: Prezado Aluno, Seja bem vindo à Faculdade Cenecista de Rio Bonito. Temos a grata satisfação de disponibilizar para você, que está ingressando na Instituição, o Manual Acadêmico que servirá

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

D E C R E T A: CAPÍTULO I CURSO DE FORMAÇÃO DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL (GCM) DE TERESINA DO CURSO

D E C R E T A: CAPÍTULO I CURSO DE FORMAÇÃO DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL (GCM) DE TERESINA DO CURSO DECRETO Nº 15.681, DE 29 DE JANEIRO DE 2016. Dispõe sobre o Curso de Formação da Guarda Civil Municipal de Teresina, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Aprovações CONSEPE 2004-01 de 15/20/20014 CONSU 2008-01 de 02/04/2008 CONSU 2010-01 de 25/03/2010 CONSU 2010-052 de 13/12/2010 CONSU 2013-17 de 26/09/2013 Regulamento de Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG

Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Orientação Normativa nº 01/2013-PROEN/IF Sudeste MG Estabelece procedimentos para exercer o regime de exercícios domiciliares, faltas por convicções religiosas e faltas coletivas no âmbito do Instituto

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DO COLÉGIO POLILOGOS

REGIMENTO ESCOLAR DO COLÉGIO POLILOGOS REGIMENTO ESCOLAR DO COLÉGIO POLILOGOS CAPÍTULO IV Do Sistema de Avaliação DA AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Artigo 45 - A avaliação do aproveitamento será feita segundo critérios que visem a assegurar

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

PIM. Projeto Integrado Multidisciplinar. (terceiro semestre) COMUNICAÇÃO DIGITAL DESIGN GRÁFICO UNIVERSIDADE PAULISTA

PIM. Projeto Integrado Multidisciplinar. (terceiro semestre) COMUNICAÇÃO DIGITAL DESIGN GRÁFICO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA PIM Projeto Integrado Multidisciplinar (terceiro semestre) COMUNICAÇÃO DIGITAL DESIGN GRÁFICO 2013 1 1. APRESENTAÇÃO DO PROJETO: O PIM, Projeto Integrado Multidisciplinar, é uma atividade

Leia mais

CEFTAC CENTRO EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO TÉCNICO ALTO CAPARAÓ. DIRETORA TÉCNICA : Drª. EVA FATIMA SALTINO COSTA ENFERMEIRA

CEFTAC CENTRO EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO TÉCNICO ALTO CAPARAÓ. DIRETORA TÉCNICA : Drª. EVA FATIMA SALTINO COSTA ENFERMEIRA MANUAL DO ALUNO Normas Internas CEFTAC CENTRO EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO TÉCNICO ALTO CAPARAÓ MANTENEDOR : JORGE AUGUSTO DA COSTA DIRETORA TÉCNICA : Drª. EVA FATIMA SALTINO COSTA ENFERMEIRA DIRETOR ESCOLAR:

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO

DIRETORIA ACADÊMICA COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO Termo de Compromisso de Estágio que celebram entre si a (nome da instituição) e o Estudante (nome do estudante), com a interveniência do Instituto Federal Baiano Campus Guanambi, para realização de Estágio,

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior.

REGULAMENTO DA MONITORIA. para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu. discentes; magistério superior. i.e PRÓ-REITORIA ACADÊMICA REGULAMENTO DA MONITORIA Art. 1º. O presente regulamento estabelece as regras para o exercício da Monitoria nos Cursos de Graduação da Universidade Iguaçu UNIG, por meio de programas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA CRITÉRIOS GERAIS PARA A DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO E ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS ANO LETIVO 2016/2017 A distribuição do serviço docente da Escola Secundária da Ramada (doravante designada

Leia mais

REGULAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO

REGULAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO PESQUISA E EXTENSÃO SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP, 2003 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...03 CAPÍTULO I Dos objetivos...03 CAPÍTULO II Da extensão...03 CAPÍTULO III Da pesquisa e da investigação científica...05

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013.

NORMA Nº 001, de 11 de julho de 2013. NORMA Nº 001 de 11 de julho de 2013. Estabelece Normas Referentes à Avaliação do Rendimento Escolar dos alunos do Curso de Medicina O COLEGIADO DO CURSO DE MEDICINA DO CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU DA

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO

REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO REGIMENTO INTERNO DE ESTAGIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTORIA LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Dispõe sobre o cumprimento da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA Normatiza a realização dos estágios supervisionados previstos nas Matrizes Curriculares dos Cursos Superiores de Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E ENSINO/ ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil

Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Normas e Procedimentos Escolares Educação Infantil Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA (Aprovado pela Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.) CONSIDERANDOS * Dada a missão da Faculdade Inedi, de constituir num centro

Leia mais

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R

C Ó D I G O D I S C I P L I N A R C Ó D I G O D I S C I P L I N A R VIGÊNCIA: 16 DE ABRIL DE 1998 ÍNDICE CÓDIGO DISCIPLINAR Da Identificação... 03 Da Comissão Disciplinar... 03 Do Regime Disciplinar... 03 Das Penalidades e suas aplicações...

Leia mais

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA

CURSO DE FONOAUDIOLOGIA CURSO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO Capítulo I Princípios gerais: Art. 1º De acordo com o Projeto Pedagógico do curso de Fonoaudiologia da Faculdade Redentor, os estágios supervisionados fazem

Leia mais

Código Disciplinar - FMKI

Código Disciplinar - FMKI Código Disciplinar - FMKI DAS INFRACÕES DISCIPLINARES COMETIDAS PELAS ASSOCIAÇÕES Artigo 1 Constituem infrações disciplinares cometidas pelas Associações: I Desistir, deixar de comparecer depois de inscrito

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO Anápolis, 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e PORTARIA Nº 01/2011 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o processo de matrícula/2012 dos alunos nas Unidades Escolares Municipais - UEM e organização do período letivo de ensino 2012 no município de

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

Regulamento. Interno

Regulamento. Interno CENTRO CULTURAL DESPORTIVO DE SANTA EULÁLIA DEPARTAMENTO DE FUTEBOL DE FORMAÇÃO Regulamento Interno Época 2016-2017 1- INTRODUÇÃO Serve este Regulamento Interno como instrumento de orientação definindo

Leia mais

Manual do. Representante. de Turma

Manual do. Representante. de Turma Manual do Representante de Turma DC 6029 Rev. 01 Apresentação Parabéns! Você foi eleito(a) representante de sua turma, o que demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e o Instituto Blumenauense

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER Faculdades Integradas Interamericanas FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DESIGN São Paulo / 2014 2 REGULAMENTO

Leia mais

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País Norma CNEN para Concessão de Bolsas no País NORMA CNEN PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PAÍS SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1. Da Finalidade, Campo de Aplicação e Conceitos Gerais 2 1.1 Da Finalidade 2 1.2 Do

Leia mais

Programa Ler e Escrever/Bolsa Alfabetização. Dúvidas Frequentes

Programa Ler e Escrever/Bolsa Alfabetização. Dúvidas Frequentes Programa Ler e Escrever/Bolsa Alfabetização Dúvidas Frequentes 01. O aluno pesquisador do Bolsa Alfabetização poderá usufruir de outro benefício proveniente de recurso público (Prouni, Programa Escola

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA NA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL

REGIMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA NA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL REGIMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA NA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL 2014 CURSO DE FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA NA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICO-EXISTENCIAL DO INSTITUTO DE PSICOLOGIA

Leia mais

NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015

NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015 NORMATIZAÇÃO CGA N o 04/2015 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES NORMATIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE MONITORIA 1.1 - O presente documento reúne as normas estabelecidas para o Programa de Monitoria desenvolvido no Instituto

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE PALMAS REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE MAIO DE 2005 REGULAMENTO DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA FACULDADE ANGLO- AMERICANO Capítulo I Das disposições preliminares Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade regulamentar

Leia mais

Regulamento Laboratórios de Informática

Regulamento Laboratórios de Informática Regulamento Laboratórios de Informática Governador Valadares 2015 Este Regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, satisfazendo ao máximo às

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO Regulamenta o funcionamento das disciplinas Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE) 1 e 2 Estágio Supervisionado 1 e 2 como atividades planejadas do Curso. O

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Capítulo I Definição Art. 1º O estágio como componente curricular obrigatório no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

M E D I D A S D I S C I P L I N A R E S. T i p i f i c a ç ã o d a s I n f r a ç õ e s e M e d i d a s D i s c i p l i n a r e s a A p l i c a r

M E D I D A S D I S C I P L I N A R E S. T i p i f i c a ç ã o d a s I n f r a ç õ e s e M e d i d a s D i s c i p l i n a r e s a A p l i c a r Entrar ou sair da sala de aula de forma desordeira. Advertência, pelo professor da disciplina. Voltar a entrar ou a sair de forma correta. LIGEIRA Chegar atrasado à aula. Não trazer o material necessário

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais