A RESPONSABILIDADE CIVIL DOS BLOGUEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE CIVIL DOS BLOGUEIROS"

Transcrição

1 ISSN: A RESPONSABILIDADE CIVIL DOS BLOGUEIROS Fabiano Correia do NASCIMENTO 1 Paulo César Nunes da SILVA 2 Resumo A velocidade de criação de novas relações da internet, em contraposição ao enquadramento legislativo, motivou a realização deste trabalho, objetivando desvendar em tema principal, a responsabilidade civil dos blogueiros no que diz respeito à liberdade de opinião e aos direitos da personalidade, sua fundamentação legal, e aspectos conceituais sobre o tema, através de levantamento bibliográfico. Constatou-se a relevância do assunto na contemporaneidade, assim como a insurgência de precedentes jurídicos já ocorridos no Brasil. Diante dessa necessidade, novas legislações precisam estabelecer limites que protejam a privacidade no ambiente cibernético, bem como das comunicações em geral e de dados pessoais, diante de eventual utilização indevida ou contrária às normas vigentes brasileiras. Palavras-chave: Blogs, Responsabilidade Civil, Internet. Resumen La velocidad de creación de nuevas relaciones de la Internet, en contraposición al encuadramiento legislativo, ha motivado la realización de este trabajo, objetivando desvendar en tema principal, la responsabilidad civil de los bloggers en lo que dice respecto a la libertad de opinión y a los derechos de la personalidad, su comprobación legal, y aspectos conceptuales sobre el tema, a través de análisis bibliográfico. Se ha constatado la relevancia del tema en la contemporaneidad, así como la insurgencia de precedentes jurídicos ya ocurridos en Brasil. Delante de esa necesidad, nuevas legislaciones necesitan establecer límites que protejan la privacidad en el ambiente cibernético, así como de las comunicaciones en general y de datos personales, delante de eventual utilización impropia o contraria a las normas vigentes brasileñas. Palabras-Clave: Blogs, Responsabilidad Civil, Internet. 1 Bacharel em Direito, formado no Curso de Direito da Faculdade de Direito e Relações Internacionais da Universidade Federal da Grande Dourados UFGD. 2 Advogado e Professor da Faculdade de Direito e Relações Internacionais da Universidade Federal da Grande Dourados UFGD.

2 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 112 INTRODUÇÃO A comunicação e a disseminação de informações em massa proporcionadas pela Internet favoreceram as relações entre as pessoas por estabelecer conexão entre indivíduos nos mais diversos locais, e também, por outro lado obscureceram essas relações, já que as mesmas podem ou não serem identificadas e reconhecidas. As possibilidades de comunicação são ilimitadas, e em função da dimensão e extensão dessa disseminação, decorrem inúmeros problemas, como violação de direitos autorais, invasão de privacidade, violação de direitos de imagem, reputação, honra, entre outros. A escolha da abordagem dos blogueiros em relação à responsabilidade civil se deveu a facilidade de acesso aos blogs, sua facilidade de criação e manutenção, não bastando para isso, mais que noções básicas de informática e criatividade. Estas ferramentas virtuais também podem ser utilizadas pelas mais diversificadas motivações, sejam elas comerciais, divulgação, informação técnica sobre algum assunto, ou área de atuação profissional, educação, entre outros. Verifica-se que muitos desses blogs, foram criados de maneira anônima, inserindo temas e assuntos que muitas vezes desrespeitam os direitos de outras pessoas, infringindo normas morais e em especial a Constituição Federal da República Brasileira de 1988, com o diferencial de serem virtuais e não apresentarem editores, chefes responsáveis, redatores, ou qualquer responsável passível de identificação e responsabilização jurídica. Embora a abordagem deste trabalho se atenha a esfera da responsabilização civil, entende-se que dependendo do teor das manifestações, poderá ser identificada a tipificação criminal, seja ela a calúnia, a difamação ou outra, que culmine o ingresso na esfera civil e/ou na esfera penal. Diante do exposto surgem questionamentos, como por exemplo: como são tratados juridicamente os processos que envolvem a responsabilidade civil dos blogueiros quanto o respeito à liberdade de opinião e aos direitos da personalidade? Qual é a sua relevância para o ordenamento jurídico na atualidade? A atualidade e velocidade de novas relações de internet, seu conteúdo e ordenamento jurídico atual, motivaram a realização deste trabalho, que intentou desvendar a utilização do célere campo virtual pelos blogueiros, no que diz respeito à liberdade de opinião e aos direitos da personalidade; a responsabilidade civil dos blogueiros, fundamentação legal, e aspectos conceituais sobre o tema. Buscou-se constatar a relevância do assunto na atualidade, bem como analisar precedentes jurídicos já ocorridos no Brasil.

3 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 113 Desvendando a Internet e os Blogs Internet O advento dos meios de comunicação de massa entre eles a internet e suas redes sociais, possibilitaram acesso e compartilhamento de dados especializados e a agilização da comunicação entre usuários de todo planeta, tornando a Internet um dos mais importantes meios de comunicação do século XXI. As redes de comunicações da internet, diante das suas possibilidades de comunicações e ações interativas, consequentemente, propiciaram uma corrente prática delitiva, tido como novo instrumento de operacionalização do crime, ou de novas modalidades de tipificação delitiva, que recomenda maior estudo e aprofundamento desta eclosão criminosa que certamente não parará por aí (VANCIM e GONÇALVES, 2011, p. 1). De acordo com Cantú (2003, p. 4) a internet é uma rede mundial de computadores, que interliga milhões de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria dos dispositivos é composta por computadores pessoais, estações de trabalho ou servidores, que se destinam a armazenagem e transmissão de informações (exemplo: páginas da Web, arquivos de texto ou mensagens eletrônicas). Esses dispositivos são chamados de hospedeiros (hosts) ou sistemas terminais, que necessitam de protocolos de comunicação (sendo os principais o TCP Transmission Control Protocol e o IP Internet Protocol) para controlarem o envio e recepção de informações. Os canais de terminais lógicos são oferecidos pelos protocolos TCI/IP para que haja a troca de mensagens entre as aplicações de rede. As aplicações de rede são programas ou sistemas operacionais que se comunicam entre si pela troca de mensagens, estando entre elas a www (World Wide Web), que rodam nos sistemas terminais ou nos hospedeiros e se comunicam si através da rede (CANTÚ, 2003). A escrita www é uma aplicação de rede que permite aos usuários obterem documentos, ou páginas Web, sob demanda. Uma página Web consiste de objetos, os quais podem ser arquivos HTML (hypertext markup language), imagens JPEG/GIF, applets Java, clips de audio e vídeo, endereçados por endereço URL (universal resource locator) (CANTÚ, 2003). De acordo com Gatto (2011), o software TCP/IP pode ser compartilhado por todos os programas e aplicativos executados na máquina, ou seja, o sistema operacional contém uma só cópia do código de um protocolo como o TCP/IP. Sendo através desse protocolo que é único para cada acesso a internet, que se pode detectar de onde o usuário está acessando, podendo precisar com exatidão sua localidade. Cabe salientar, porém, que diante da tecnologia de redes sem fio que facilmente são encontradas em instituições de ensino, hotéis e até mesmo municípios, torna-se praticamente impossível detectar e punir um usuário em especifico já que varias pessoas se utilizam dessa mesma rede para o acesso à internet ou mesmo para transmissão de dados pessoais pela rede. Destarte, não está descartada, de todo, a possibilidade de localização de um usuário de internet, caso

4 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 114 rompa alguma barreira legal e que coloque em risco a segurança jurídica ou esbulhe a integridade personalíssima de algum indivíduo, poderá sim ser localizado e penalizado pelos seus atos virtualmente ilegais. Blog Os blogs são ferramentas simples voltadas à criação de conteúdo dinâmico, podendo assumir duas proporções: os micro-conteúdos, que são pequenas porções de texto colocadas de cada vez, atualizados com frequência, seja diária, semanal, mensalmente; e os posts, que são atualizações em pequenas porções de texto. Os blogs se destinam basicamente a fornecer informações e possibilitam a conexão entre os blogueiros, formando redes de blogs voltados a um interesse ou aptidão comum (RECUERO, 2003, p. 3). Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequente de informações pode ser considerado um blog. Blogueiro é aquele que mantém um blog. Um blog pode ter qualquer tipo de conteúdo e ser utilizado para diversos fins. Uma das vantagens das ferramentas de blog é permitir que os usuários publiquem seu conteúdo sem a necessidade de saber como são construídas páginas na internet, ou seja, sem conhecimento técnico especializado. Ao facilitar a publicação de conteúdo o blog personalizou o ato de escrever. Hoje qualquer pessoa com acesso a internet e que saiba operar um teclado tem plenas condições de manter um blog. Blogs são ferramentas de democratização de publicação de conteúdo (SPYER, 2009, p. 31). De acordo com Silva (2002, p. 10) diante da grande expansão da internet e, particularmente, do uso de s, redes sociais, blogs, facebooks, a temática da privacidade está na ordem do dia na doutrina jurídica, o direito à privacidade, como supedâneo da personalidade, deve receber proteção jurídica no ambiente virtual, visto que a Constituição Federal assegura a sua inviolabilidade. Para tanto, ao estudarmos os tópicos seguintes, verificaremos o déficit que se encontra o ordenamento jurídico brasileiro para enfrentar as inovações tecnológicas e em responsabilizar o indivíduo violador das regras morais que dispõe a pessoa Humana. Direitos Fundamentais em Questão Vários são os juristas preocupados em desvendar os crimes em ambiente virtual e seu relacionamento com o direito, porém atenta-se neste trabalho para a responsabilização civil e não criminal. Uma questão fundamental para a definição da responsabilidade civil por divulgação de informações na internet é encontrar quem é o responsável pela informação distribuída na rede, podendo esta pessoa ser física ou jurídica, e se esta é a criadora e então mantenedora da página na internet. Para Venosa (2006, p. 1), toda atividade que acarreta um tipo de prejuízo acaba gerando responsabilidade ou dever de indenizar, assim o termo responsabilidade se aplica em qualquer situação na qual alguma pessoa, natural ou jurídica, deva arcar com as consequências de um ato, fato ou negócio danoso. Sob essa

5 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 115 noção, toda atividade humana, portanto, pode acarretar o dever de indenizar (VENOSA, 2006, p. 1). De acordo com Leonardi (2005, p. 1) existem duas situações de responsabilidade nas questões virtuais, a de responsabilidade direta, quando existe veiculação de matérias, comentários ou artigos veiculados por portais de notícias on-line, cuja responsabilização se dá de forma análoga à verificada em veículos tradicionais como em outras mídias (impressa, rádio e TV), nestes casos são responsáveis pela informação divulgada, já que a divulgam em seu nome, com assinatura da editoria, responsabilizando-se de forma objetiva por eventuais danos causados a terceiros. A outra situação possível trata-se da responsabilidade civil do provedor de conteúdo, cuja página sirva de meio ao usuário da internet para a veiculação e divulgação de informação (como no caso dos sites de relacionamento, como Orkut, Facebook, Blogs e microblogs, como o Twitter); no caso, o provedor de conteúdo não realiza controle editorial prévio, sendo apenas responsabilizado se for informado sobre um ilícito e não agir, falando assim, em responsabilidade indireta (LEONARDI, 2005, p. 1). Ao observar as violações ocorridas no ambiente virtual, vemos que além da corrente posição acerca da responsabilização de ordem penal, que necessita de atualização e normas correspondentes, à mesma altura aplica-se o direito civil como forma de recompor o status quo ante, em vista dos aspectos morais sofridos ocasionados pela prática delitiva, incessantemente viabilizada pela falsa sensação de impunidade proporcionada pela internet. As questões acerca da violação do direito à intimidade e à privacidade na internet veem sendo amplamente discutidas e debatidas, em vistas de coibir e solucionar decorrentes problemas que, invariavelmente, vêm ensejando a aplicação da responsabilização civil como modo de resolução da indisposta ofensa. Doneda (2005) revela a posição da cidadania e da dignidade da pessoa humana como fundamentos da República (CF, art. 1º., II e III), e as garantias de igualdade material (art. 3º., III) e formal (art. 5º), que acabam por condicionar o intérprete e o legislador ordinário, dando moldes ao tecido normativo infraconstitucional com a tábua axiológica eleita pelo constituinte, também marcam a presença, em nosso ordenamento, de uma cláusula geral da personalidade (DONEDA, 2005, p. 30). Essa perspectiva de cláusula geral representa o ponto de referência para todas as situações nas quais algum aspecto ou desdobramento da personalidade esteja em jogo, estabelecendo com decisão a prioridade a ser dada à pessoa humana, que é o valor fundamental do ordenamento, e está na base de uma série (aberta) de situações existenciais, nas quais se traduz a sua incessantemente mutável exigência de tutela (DONEDA, 2005, p. 31). A Constituição Federal de 1988, em garantia aos preceitos personalíssimos, dispõe que: X São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito à indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (BRASIL, 1988). Neste passo, vemos que o ordenamento jurídico brasileiro revela um amparo à concepção de liberdade do ser humano, de forma que toda e qualquer violação ao status constitucional da intimidade e privacidade ensejará, de outra parte, consequências àquele que aleatoriamente transgredir o conceito.

6 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 116 Direitos de Personalidade As mudanças no Código Civil Brasileiro inseriram no ordenamento brasileiro um capítulo próprio, que trata dos direitos da personalidade (arts. 11 a 21). Não é uma novidade, já que a CF traz uma proteção até mais abrangente, principalmente no seu art. 5º, caput, que consagra alguns dos direitos fundamentais da pessoa natural (BRASIL, 2002). A proteção da pessoa marca uma tendência do direito privado atual, onde a tutela da pessoa natural é construída com base em três preceitos fundamentais constantes no Texto Maior: a proteção da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III); a solidariedade social, inclusive visando à erradicação da pobreza (art. 3º, I e II); e a igualdade em sentido amplo ou isonomia (TARTUCE, 2005, p. 1). Lôbo (2003, p. 1) em investigação do sistema jurídico brasileiro (doutrina, legislação e jurisprudência dos tribunais) conduz à identificação de direitos da personalidade típicos, comuns a de outros sistemas jurídicos, destacados por ele como sendo: direito à vida, direito à liberdade, direito à intimidade (privacidade), direito à vida privada (privacidade), direito á honra (reputação), direito à imagem (privacidade), direito moral de autor, direito ao sigilo (privacidade), direito à identificação pessoal, direito à integridade física e psíquica. O autor supracitado adverte que dificilmente pode-se isolar qualquer dos direitos da personalidade, já que cada situação de fato poderá configurar lesão a um conjunto deles. A lesão ao direito à imagem (retrato, efígie) redunda, freqüentemente, em lesão à honra, à vida privada e à intimidade, cabendo ao juiz levar em conta esse fato quando fixar a indenização compensatória (LÔBO, 2003, p. 1). As questões do direito à imagem não podem confundir com a honra, reputação ou consideração social de alguém, como se difunde atualmente na linguagem comum. O direito a retrato, à efígie, cuja exposição não autorizada deve ser repelida, pois neste, como nos demais casos de direitos da personalidade pode haver danos materiais, mas sempre há dano moral, para tanto bastando à revelação ou a publicação não autorizadas. Quando existe a divulgação ou exposição do retrato, filme ou assemelhado que prejudica a reputação da pessoa efigiada, viola-se o direito à honra e, quase sempre, a intimidade (LÔBO, 2003, p. 1). A intimidade e privacidade são questões abordadas também por Vancim e Gonçalves (2011, p. 1), que as definem como a intimidade é o que cada indivíduo guarda para si, dentro de si e consigo próprio, sendo seu momento de foro íntimo pessoal, enquanto a privacidade [...] pode ser perfeitamente compartilhada com pessoas conviventes ao redor, seja em qualquer setor de comunidade ou convívio social em que permeado. De acordo com o Código Civil estes direitos se enquadram à condição de direitos à personalidade, o que significa dizer que estes são imutáveis, irrenunciáveis e inalienáveis (VANCIM; GONÇALVES, 2011).

7 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 117 Responsabilidade Civil e os Blogs Ao tratar da responsabilização dos blogueiros nos casos de desrespeito aos direitos morais de personalidade, temos que lançar mão de conceitos que possam nortear o tema. Quaresma (2010) discorre sobre o tema, dizendo que na perspectiva do direito privado, entre eles os direitos de personalidade, possuem papel de importância ao elevar a condição de ser vivo à de pessoa. E que diante da constitucionalização da dignidade humana, os direitos morais de personalidade foram lançados à categoria de direitos fundamentais, que servem como base para o exercício de outros direitos, já que são destinados à conservação de características essenciais ao sujeito de direitos. Os direitos morais da personalidade não possuem terminologia precisa, porém Gonçalves (2011) elenca como sendo invioláveis e de importância no estudo da responsabilização dos blogs, os direitos de intimidade, vida privada, honra, imagem. E como se enquadra a responsabilidade civil no âmbito do tema do presente trabalho? Nota-se que a responsabilidade civil em nosso país vem sofrendo evolução constante, tanto no que se refere à doutrina, quanto à jurisprudência, voltadas a atender as demandas das alterações na dinâmica da sociedade, e no caso da internet, voltada ao aparecimento de uma série de hipóteses de danos aos direitos da personalidade ambientados virtualmente, que nunca antes poderiam ser concebíveis ou até pouco tempo imagináveis. Nesta perspectiva, vislumbra-se como uma dessas hipóteses os danos à personalidade originados da divulgação indevida de dados e informações pessoais, via Internet, através dos blogs. Identificam-se também variadas condutas, diferindo umas das outras em gravidade e apresentando consequências distintas para as vítimas (SILVA, 2010, p. 1). Estes atos indevidos ensejam a responsabilidade civil e, em consequência, o dever de reparar os danos daí decorrentes e, eventualmente, de indenizar as suas vítimas. Já que para Gonçalves (2011, p. 41) a palavra responsabilidade, encerra idéias de segurança, garantia de restituição ou de lar, compensação do bem sacrificado, que no caso do presente trabalho são os direitos violados. E a responsabilidade civil no ordenamento jurídico brasileiro utiliza mecanismos de ordem legal e jurisprudencial voltam-se a garantir e possibilitar a obtenção do ressarcimento do dano (GONÇALVES, 2011, p. 43). Como exemplos de precedentes na justiça brasileira (VANCIM; GONÇALVES, 2011, p. 8-9) temos: Indenização. Dano moral. Ofensas através de site de relacionamento na internet. Responsabilidade civil objetiva. Teoria do risco. Dever de indenizar. Quantum indenizatório. Fixação. O provedor de serviço de internet,ao disponibilizar espaço em sites de relacionamento virtual, em que seus usuários podem postar qualquer tipo de mensagem, sem prévia fiscalização, e, ainda, com procedência, muitas vezes, desconhecida, assume o risco de gerar danos a outrem, sendo de se aplicar a eles a teoria do risco. O parágrafo único do art. 927 do Código Civil adota a teoria do risco, estabelecendo que haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar risco para os direitos de outrem. Ao

8 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 118 fixar o valor da indenização, deve-se ter em conta as condições do ofendido, do ofensor e do bem jurídico lesado (TJMG, 12ª CC, Apelação Cível n /001, Rel. Des. Alvimar de Ávila,.publ. em ). Indenização. Dano moral. Orkut. O prestador do serviço orkut responde de forma objetiva pela criação de página ofensiva honra e imagem da pessoa, porquanto abrangido pela doutrina do risco criado; decerto que, identificado o autor da obra maligna, contra ele pode se voltar, para reaver o que despendeu (TJMG. Ap. Cível nº /001. Relator: Des. Saldanha da Fonseca, j. em ). Apelação Cível. Indenização por danos morais. Internet. Ofensas veiculadas no orkut. Responsabilidade subjetiva. Ilegitimidade passiva do provedor. - O operador do site, em regra, como no caso do orkut, não tem um controle editorial prévio, mas somente a posteriori, quando toma conhecimento do que foi efetivamente publicado. Por isso, somente pode ser responsabilizado quando tem conhecimento real do caráter ilícito ou algum motivo para desvendar a natureza da informação. É a partir deste momento, em que é informado do caráter danoso da informação hospedada em seu sistema, que tem a obrigação de tomar todas as medidas necessárias para prevenir danos ou retirá-la, sob pena de ser responsabilizado por negligência. [...]. (TJMG, 9ª Câmara Cível, Apelação Cível n /001, Relator Des. Pedro Bernardes, j. em ). Direito Civil. Indenização por danos morais. Texto divulgado na internet. Violação da honra objetiva. Configuração do dano moral à pessoa jurídica. Valor indenizatório. Proporcionalidade e razoabilidade. Recurso parcialmente provido. Ao escrever e divulgar o narrando fato ocorrido dentro do estabelecimento de dança, a requerida extrapolou os limites de um mero protesto e violou a esfera extra-patrimonial da autora. A pessoa jurídica, portadora de honra objetiva, faz jus à indenização por dano moral sempre que seu nome, credibilidade ou imagem forem abalados por ato ilícito. O magistrado não pode se afastar dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade no momento de fixar o valor da indenização por dano moral, servindo a indenização como instrumento de caráter pedagógico preventivo e educativo da reparação moral (TJDF, APC, Relator Des. Lécio Resende, 1ª Turma Cível, j. em , DJde , p. 88) Outros precedentes foram encontrados como (GATTO, 2011, p.1): APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANO MORAL. ORKUT. CRIAÇÃO DE PERFIL FALSO. RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA. CASO CONCRETO. Ação de indenização por danos morais proposta em desfavor da GOOGLE, empresa proprietária de mecanismo de busca de assuntos na internet, que provê também o ORKUT, serviço de hospedagem de páginas e informações. O autor criou uma página pessoal - perfil - no ORKUT; no entanto, um terceiro não identificado criou um perfil falso, usando duas fotografias pessoais do autor, redigindo frases apelativas e filiando-se a comunidades com gostos esdrúxulos. Tal perfil falso teve o acesso de amigos e colegas de trabalho. RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA. É razoável, para evitar discriminações, a política do site, no sentido de remover apenas mediante ordem judicial perfis que contenham imagem ou linguagem chocante ou repulsiva e sátira política ou social. Porém, tratando-se de atividade de risco - com a qual a ré aufere lucro, destaque-se -, em que qualquer pessoa pode facilmente criar falsos perfis, causando, assim, dano à honra e imagem de outrem, é caso de responsabilidade civil objetiva, nos termos do art. 927, parágrafo único, do CPC. Ou seja, se este risco é inevitável e a ré o assume, diante dos benefícios que obtém, responde pelos prejuízos. Mesmo não sendo a ré responsável pela elaboração do perfil falso e mesmo sendo o conteúdo deste inserido entre as matérias que, segundo seu estatuto, a demandada se propôs a excluir apenas mediante ordem judicial, se a parte prejudicada tomou as providências necessárias a seu alcance para evitar o dano - no caso, acionou a ferramenta denunciar abusos -, configura-se o dever de indenizar. APELO PROVIDO. UNÂNIME. (TJ-RS; AC

9 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da ; Porto Alegre; Nona Câmara Cível; Relª Desª Íris Helena Medeiros Nogueira; Julg. 10/03/2010; DJERS 22/03/201. Vancim e Gonçalvez (2011, p. 3) frisam que embora a responsabilização seja de ordem penal, requer atualizada normatização correspondente, que, à altura vem sendo aplicado o direito civil como forma de recompor o status quo ante, diante do abalo moral ocorrido em vistas da prática delitiva, cujo modo de operação vem incessantemente se realizando pela internet. Muitas vezes os responsáveis pelos Blogs ou por outros sites de relacionamento semelhantes, se protegem em se abster de sua responsabilidade, diante da afirmação de que tem direito de informar, neste sentido, Bezerra Júnior (2008, p.1) afirma que: Com o evidente recrudescimento do alcance e da velocidade dos meios tecnológicos de divulgação das informações, tornam-se cada vez mais freqüentes os pontos de atrito entre a liberdade de exercício dos direitos pessoais, notadamente na esfera típica da vida privada (direito de estar só e de não ser incomodado em sua privacidade) e o direito de informar, constitucionalmente assegurado e exercido, por vezes, até as últimas e imponderáveis conseqüências [...] para que possam alimentar a audiência e a curiosidade dos destinatários da notícia. A Constituição Federal de 1988 trata a liberdade de informação no art. 5º, incisos IV (liberdade de pensamento); IX (liberdade de ex-pressão) e XIV (acesso à informação) e no art. 220, 1º (liberdade de informação propriamente dita) (BRASIL, 1988). Assim, o autor utiliza a decisão do STJ 4ª Turma RESP /SP Rel. Min. CESAR ASFOR ROCHA para estabelecer diante da jurisdição o patamar no qual tanto devem ser respeitados os direitos da personalidade quanto liberdade de informação (no caso direito de reproduzir imagem) (BEZERRA JÚNIOR, 2008, p. 1): CIVIL. DIREITO DE IMAGEM. REPRODUÇÃO INDEVIDA. LEI N 5.988/73 (ART. 49, I, f ). DEVER DE INDENIZAR. CÓDIGO CIVIL (ART. 159). A imagem é a projeção dos elementos visíveis que integram a personalidade humana, é a emanação da própria pessoa, é o eflúvio dos caracteres físicos que a individualizam. A sua reprodução, conseqüentemente, somente pode ser autorizada pela pessoa a que pertence, por se tratar de direito personalíssimo, sob pena de acarretar o dever de indenizar que, no caso, surge com a própria utilização indevida. É certo que não se pode cometer o delírio de, em nome do direito de privacidade, estabelecer-se uma redoma protetora em torno de uma pessoa para torná-la imune de qualquer veiculação atinente à sua imagem; todavia, não se deve exaltar a liberdade de informação a ponto de se consentir que o direito à própria imagem seja postergado, pois a sua exposição deve condicionar-se à existência de evidente interesse jornalístico que, por sua vez, tem como referencial o interesse público, a ser satisfeito, de receber informações, isso quando a imagem divulgada não tiver sido captada em cenário público ou espontaneamente. Recurso conhecido e provido. Nota-se que diante de tais questões ligadas à liberdade de informação, deve prevalecer o interesse jornalístico, prevalecendo as condições de satisfação de recebimento de informações (imagens) quando estas, não

10 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 120 são captadas em cenário público ou de forma espontânea, ou seja deverá haver cunho jornalístico informativo ou ainda a vontade da pessoa em divulgar particularidades. Porém nas questões ligadas aos Blogs, muitas vezes não se enquadram aos parâmetros jornalísticos, onde tanto tem editado textos ofensivos à honra de outrem, quanto em alguns casos veiculados imagens fotográficas, em alguns casos até mesmo de cunho pornográfico, sem autorização, causando distúrbios na vida privada em ofensa à Constituição Federativa Brasileira.

11 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 121 CONSIDERAÇÕES FINAIS Nota-se um salto diante da operacionalização da internet como ferramenta, para que pessoas anônimas se voltem a desrespeitar os direitos da personalidade de outros, o chamado cyberbulling. Fato negligenciado é que o ambiente virtual serve de janela pra exprimir o que uma pessoa real pensa e suas consequências, também são reais, as perdas são reais para as pessoas. Sua moral é inerente, e quando abalada ela sofre realmente, pode perder seu trabalho, amigos, sofrer repressão da família, o que ultrapassa o patamar de virtual a consequências reais. O pensamento é livre bem como, é livre a liberdade de pensar. A divulgação de pensamento, no entanto, está reservada aos limites da honra e privacidade do outro, devendo resguardar sua integridade moral garantida desde a Magna Carta de No entanto, o avanço tecnológico desencadeou um emaranhado de práticas ferramentas virtuais, onde tem crescido a oportunidade de se manter no anonimato e praticar as mais intolerantes ciladas virtuais, desde divulgação de conteúdos íntimos à ofensas a Dignidade da Pessoa Humana. Apesar dos esforços em encontrar os responsáveis, percebe-se que a justiça é ainda obsoleta diante da velocidade da internet, e das inovações tecnológicas, assim as soluções jurídicas reguladoras plainam num mundo obsoleto e paralelo ao anterior, aumentando a distância entre as soluções jurídicas e as tipificações de violações viabilizadas pela internet.

12 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 122 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Constituição Federal do Brasil Senado: Brasília, BRASIL. Lei de 10 de janeiro de Código Civil. MJ: Brasília, BEZERRA JÚNIOR, Luis Martius Holanda. Considerações sobre os direitos da personalidade e a liberdade de informar. Jus Navigandi, Teresina, ano 13, n. 1886, 30 ago Disponível em: <http://jus.com.br/revista/ texto/11668>. Acessado em: 19/02/2013. DONEDA, Danilo. Os Direitos da Personalidade no Código Civil. Revista da Faculdade de Direito de Campos, ano 6, n. 6, p , GATTO, Victor Henrique Gouveia. Tipicidade penal dos crimes cometidos na internet. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 91, ago Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_ link=revista_artigos_leitura& artigo_id=10065>. Acesso em 09/10/ GONÇALVES, Roberto Carlos. Direito Civil Brasileiro: responsabilidade civil. V ed. São Paulo: Saraiva, LEONARDI, Marcel. Entrevista: Por um Marco Civil da Internet. Entrevista e0special com Marcel Leonardi Disponível em <http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/28367-por-um-marco-civil-da-internetentrevista -especial-com-marcel-leonardi>. Acessado em 09/10/2012. LEONARDI, Marcel. Responsabilidade Civil dos Provedores de Serviços de Internet. São Paulo: Juarez de Oliveira, LÔBO, Paulo Luiz Netto. Danos morais e direitos da personalidade. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 119, 31 out Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/4445>. Acessado em 28/02/2013. QUARESMA, Gabriel Martinato. A responsabilidade civil em blogs: colisão entre os direitos fundamentais de liberdade de opinião e inviolabilidade dos direitos morais da personalidade Porto Alegre. Universidade Federal do Rio grande do Sul. RECUERO, Raquel da Cunha. Weblogs, webrings e comunidades virtuais Disponível em <http:// pontomidia.com.br/raquel/webrings.pdf.>. Acessado em 23/01/2013. SILVA, Edgard Moreira. Introdução. In: ESMP. Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo. Caderno Jurídico da Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo. Ano 2. Vol 1, n.º 4, Julho, SILVA, Martha Christina Motta da. Divulgação Indevida de Dados e Informações Via Internet: análise relativa à responsabilidade civil. Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, SPYER, Juliano. Blog. In: Para entender a Internet: noções, práticas e desafios da comunicação em rede. NãoZero, 2009.

13 NASCIMENTO, Fabiano Correia do. SILVA, Paulo César Nunes da. 123 TARTUCE, Flávio. Os direitos da personalidade no novo Código Civil. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 878, 28 nov Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/7590>. Acessado em 09/02/2013. VANCIM, A. R.; GONÇALVES, J. E. J. Os cybercrimes e o cyberbullying: apontamentos jurídicos ao direito da intimidade e da privacidade Disponível em: < os-cybercrimes-e-o-cyberbullying-%e2%80%93-apontamentos-jur%c3%addicos-ao-direito-da-intimidade-e-da -pri>. Acessado em 09/02/2013. VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil. Responsabilidade civil. 6ª Ed. v. 4. São Paulo: Atlas, ZAGO, Gabriela da Silva. A Possibilidade de Responsabilização Civil de Terceiros por Comentários na Internet. Revista Anagrama: Revista Científica Interdisciplinar da Graduação. Ano 4, Edição 1, Setembro-Novembro, 2010.

O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS. Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller

O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS. Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller O PODER E O RISCO DAS REDES SOCIAIS Advª. Cláudia Bressler e Prof. Ms. Carolina Müller Rede Social é um grupo de pessoas/empresas conectadas através da internet e de interesses em comum. Esse grupo forma

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182.

SENTENÇA. Tutela antecipada concedida às fls. 182. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: 0102487-25.2012.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Espécies de Contratos Requerente: Valdirene Aparecida de Marchiori Requerido: Google Brasil Internet Ltda

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL.

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. São Paulo, 28 de abril de 2014. MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. Autor: LUIZ RICARDO DE ALMEIDA e-mail.: luiz.almeida@riccipi.com.br

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000396566 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0266410-42.2012.8.26.0000, da Comarca de Guarujá, em que é agravante GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000724329 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4000515-21.2013.8.26.0451, da Comarca de Piracicaba, em que são apelantes MÔNICA RODRIGUES DE FARIA e MONIQUE

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo.

Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. 1 2 Débora Cristina Tortorello Barusco. Bacharel, Empresária, nascida aos 04 de Outubro de 1962, cidade de Bebedouro, São Paulo. Ao meu marido João, por tudo que construímos ao longo da nossa vida, através

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O crime de divulgação de pornografia infantil pela Internet Breves Comentários à Lei 10.764/03 Demócrito Reinaldo Filho Foi publicada (no DOU do dia 13/11) a Lei Federal 10.764,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 435 Registro: 2016.0000004275 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0009610-54.2008.8.26.0020, da Comarca de, em que é apelante ABRIL COMUNICAÇÕES S.A, é apelado IVANILTON

Leia mais

Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva

Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva Cyberbullying na Web 2.0 (Orkut) e a Responsabilização Civil Objetiva Thiago Graça Couto Advogado Associado da Covac Sociedade de Advogados, especialista em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) Torna mais rigorosa a punição dos crimes contra a honra cometidos mediantes disponibilização de conteúdo na internet ou que ensejarem

Leia mais

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido:

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido: 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº 0008742-88.2010.8.19.0024 APELANTE: ALESSANDRO DA COSTA FONTES APELADA: GOOGLE INTERNET

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL - LEI 12.965/14 Constituição da Internet Estabelece princípios, garantias,

Leia mais

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica?

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica? Universidade de Brasília UnB Faculdade de Direito Direito Administrativo 3 Turno: Noturno Grupo 3: Eliane Regis de Abreu 10/0099475 Isabel Rocha 10/0105432 Luisa Mendes Lara 10/0112781 Matheus Coelho 10/0115829

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000373304 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0008132-86.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante/apelado ANDRE PASQUALINI, é apelado/apelante

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE AGRAVO DE INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. AGRAVADO: ADILAR MARCELO DE LIMA RELATOR ORIGINÁRIO:

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO NONA CÂMARA CÍVEL NONA CÂMARA CÍVEL Apelação nº 0455812-71.2011.8.19.0001 Apelante: RADIO PANAMERICANA SA Apelado: HI MIDIA SA Relator: Desembargador ROBERTO DE ABREU E SILVA DIREITO AUTORAL. USO INDEVIDO DE MARCA. VIOLAÇÃO

Leia mais

Propriedade Intelectual nº16

Propriedade Intelectual nº16 Intelectual nº16 Destaques STJ - Não se aplica a responsabilidade objetiva ao provedor de correio eletrônico por não fazer a fiscalização prévia das mensagens enviadas TJSP No caso de depósitos realizados

Leia mais

Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação

Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação 109 Conflitos entre o Direito à Intimidade e à Vida Privada e o Direito à Informação, Liberdade de Expressão e de Comunicação Juliana Grillo El-Jaick 1 Com o advento da Constituição da República de 1988

Leia mais

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda.

TERMOS DE USO. Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS DE USO Segue abaixo os termos que deverão ser aceitos para criação e ativação de sua Loja Virtual, Hospedagem ou Revenda. TERMOS E USOS: Estes Termos e Usos (doravante denominados Termos e Usos

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais

Cyberbullying na web 2.0 (Orkut) e a responsabilização civil objetiva

Cyberbullying na web 2.0 (Orkut) e a responsabilização civil objetiva BuscaLegis.ccj.ufsc.br Cyberbullying na web 2.0 (Orkut) e a responsabilização civil objetiva Thiago Graça Couto thiago@advtecno.com Advogado Associado da Covac Sociedade de Advogados, Pós-Graduando em

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE AUTOR(ES): NÁDIA CRISTIANE DA SILVA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Os alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de

Leia mais

Barrichello versus Google

Barrichello versus Google Barrichello versus Google Fernando Stacchini Advogado graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Especialista em Contratos e Propriedade Intelectual. Sócio de Stacchini Advogados.

Leia mais

JUSNATURALISMO APLICADO À SENTENÇA DE CASO CONCRETO

JUSNATURALISMO APLICADO À SENTENÇA DE CASO CONCRETO 1 JUSNATURALISMO APLICADO À SENTENÇA DE CASO CONCRETO PEQUENO, L.T.; TREVISAN, A.F. Resumo: A partir de uma ação de indenização por danos morais e proibição de exibição de vídeo via internet movida por

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

Manual de mídias sociais

Manual de mídias sociais Manual de mídias sociais Julho/2014 Introdução A NovAmérica busca caminhar junto com as mudanças no mundo, sejam tecnológicas, comportamentais, sociais ou culturais. Assim, realiza ações que permitem aos

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

NOVOS MECANISMOS PARA MINIMIZAR O CYBERBULLYING EM UM CONTEXTO DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

NOVOS MECANISMOS PARA MINIMIZAR O CYBERBULLYING EM UM CONTEXTO DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO NOVOS MECANISMOS PARA MINIMIZAR O CYBERBULLYING EM UM CONTEXTO DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Antonio Rulli Júnior 1 Antonio Rulli Neto 2 1. CYBERBULLYING yberbullying é o termo utilizado para as situações

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOSÉ RICARDO PORTO DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001675-9/001 Campina Grande Relator : Des. José Ricardo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ

TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ TERMO DE RESPONSABILIDADE E DE ACEITE PARA UTILIZAÇÃO DO ATENDIMENTO WEB DO CREA-RJ 1. Aceitação dos Termos e Condições de Uso O uso do Atendimento Web oferecido pela CREA-RJ está condicionado à aceitação

Leia mais

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação.

Afastada a pertinência de conexão em audiência. O autor apresentou defesa quanto ao pedido contraposto e impugnação à contestação. Vistos e Examinados estes Autos nº 0030100-02.2013.8.16.0182, que figuram como partes: AUTORA: SHIRLEY MACIEL SOARES ANDRADE RÉ: MAURINI DE SOUZA RÉU: WILSON HORSTMEYER BOGADO 1. RELATÓRIO Trata-se de

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET MARCO CIVIL DA INTERNET (Lei nº 12.965/2014) Aspectos Probatórios da Requisição Judicial de Registros e Processo Coletivo REQUISIÇÃO JUDICIAL DE REGISTROS (ASPECTOS PROBATÓRIOS) (arts.22 e 23, Lei 12.965/2014)

Leia mais

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Mariana Avilla Paldes Rodrigues Davidovich

Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Mariana Avilla Paldes Rodrigues Davidovich Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro O Marco Civil e a responsabilidade dos provedores por conteúdo gerado por terceiros. Mariana Avilla Paldes Rodrigues Davidovich Rio de Janeiro 2014 MARIANA

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA

PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA A Instituição de ensino que procede à instalação de câmeras de vídeo de vigilância dentro da sala de aula, infringe direitos

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO N. 1766-12.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE - RS REPRESENTANTE: DANIEL BORDIGNON REPRESENTADO: FACEBOOK SERVIÇOS ONLINE DO BRASIL LTDA. RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL OTÁVIO ROBERTO PAMPLONA

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00, da Comarca de

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO x ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 640.051-4/4-00,

Leia mais

SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS

SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS SMART DIALOGUE ON INTERNET GOVERNANCE PROPRIEDADE INTELECTUAL E RESPONSABILIDADE DOS INTERMEDIÁRIOS CONSIDERAÇÕES GERAIS Como é do domínio público, a internet permite transmitir dados de qualquer ordem,

Leia mais

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas.

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/sm RECURSO DE REVISTA. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. REVISTA EM BOLSAS E PERTENCES PESSOAIS DA EMPREGADA. Entendeu a Corte de origem que a revista dos pertences dos empregados

Leia mais

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais;

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais; 1 TEXTO ORIGINAL PROPOSTA DO RELATOR Projeto de Lei 2.126 de 2011 Substitutivo ao Projeto de Lei 2.126 de 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito Civil Prof. André Barros Material 04 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE 1. CONCEITO 2. FUNDAMENTO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE Art.

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

INTERNET COM EDUCAÇÃO RISCOS JURÍDICOS

INTERNET COM EDUCAÇÃO RISCOS JURÍDICOS INTERNET COM EDUCAÇÃO RISCOS JURÍDICOS Cristina Sleiman Advogada, pedagoga, mestre em sistemas eletrônicos. Especialista em Direito Digital e sócia do escritório Patrícia Peck Pinheiro Advogados. 1. Cenário

Leia mais

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle do uso de e-mails e recursos tecnológicos em benefício da empresa e

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0433.12.013113-4/001 Númeração 0131134- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Wagner Wilson Des.(a) Wagner Wilson 23/01/2014 03/02/2014 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: 1 SUBEMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL ÀS EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014.

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos Coordenação Geral de Polícia Fazendária Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais