SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER"

Transcrição

1 SOCIEDADE E EDUCAÇÃO EM MAX WEBER Ana Célia Furtado Orsano de Sousa Mestrado em Educação/UFPI Marcelino de Oliveira Fonteles Mestrado em Educação/UFPI Oscarina Maria da Silva NIEPSEF/UFPI Weber não elaborou de forma sistemática uma teoria pedagógica ou uma teoria da educação. Porém é possível selecionar, a partir de algumas de suas categorias, elementos que podem contribuir para uma compreensão, tanto do processo pedagógico, quanto do sistema educacional e de suas expectativas dentro da sociedade capitalista. Veremos inicialmente elementos de sua abordagem que vamos eleger para os aspectos pedagógicos. Particularmente no que concerne a sua distinção entre as duas vocações: o Político e o Cientista e à sua concepção compreensiva de interpretação da realidade social. Em seguida trataremos da relação entre a racionalidade do modo capitalista, o mercado, suas exigências de especializações, sua crescente burocratização, a impessoalidade e as conseqüências deste modo para a educação e a sociedade, sem esquecermos a racionalidade em relação a valores, onde o indivíduo se conduz baseado conscientemente em valores que lhe são caros e que norteiam, também, sua atividade educacional e suas ações em seu meio sócia. RACIONALIDADE, DESENCANTAMENTO E PEDAGOGIA No que respeita à pedagogia, Weber faz uma distinção clara entre o político e o cientista, deixando os julgamentos de valor para o primeiro e os julgamentos de fato para o segundo. Essa questão vai conduzi-lo em suas investigações à percepção do processo de racionalização, de desencantamento do mundo moderno. Isto significa a eliminação da magia como técnica de salvação do mundo e sua substituição pelo processo de racionalidade, que considera tudo no mundo como sendo regido por leis que a ciência pode conhecer e a técnica ou especialização científica dominar. Essa concepção despreza a intervenção do

2 sobrenatural no processo de evolução da sociedade, mas, segundo Weber, deixa o mundo sem um sentido. Ou seja, o desencantamento do mundo, a racionalidade, desvenda o mundo mas lhe toma o sentido. Mesmo considerando, através de seus estudos de compreensão da realidade, que o processo de racionalização desencanta o mundo e subtrai o sentido mágico do mesmo, Weber vai afirmar que não convém ao cientista social e ao professor, que deve se comportar como cientista, qualquer motivação ideológica. Cabe ao verdadeiro educador primar pela objetividade do conhecimento nas ciências e evitar posicionamentos valorativos. Isto no que se refere ao processo educativo formal. Weber considera imprescindível uma estreita separação entre o saber empírico e o juízo de valor. É preciso distinguir o conhecimento do ser do dever ser. Pois um e outro não coincidem. O ser social produz e deve produzir juízos de valor a partir de uma concepção de mundo. Porém a ciência experimental nunca poderá ter como tarefa a descoberta de normas e ideais de caráter imperativo, de onde pudessem deduzir-se algumas receitas para a práxis. Não se precisa porém furtar-se aos juízos de valor. E a crítica não pode deter-se nos mesmos. Sabemos que a análise reflexiva que diga respeito aos elementos últimos da atividade humana, está em princípio, ligada as categorias dos fins e dos meios. E para qualquer estudo cientifico da sociedade, é importante a questão da conveniência dos meios face aos fins dados. E nisso perpassam valores. Porém deve-se agir com a maior objetividade possível, para evitar proselitismo e doutrinamento. Esta questão é complexa para as ciências sociais, já que todo fim carrega valores, ou seja, é subjetivo. Portanto entrar no mérito do melhor e mais adequado meio que conduz a determinado fim, e se este é ou não adequado à situação histórica referida, pressupõe a humildade do limite, da impossibilidade de se avaliar objetivamente tal questão, já que tanto meios como fins estão completamente permeados pelos valores culturais de cada pessoa ou grupo e dos interesses em jogo. Mas Weber afirma que,

3 ...dentro dos respectivos limites do saber, somos capazes de determinar quais os meios adequados ou não para nos conduzir ao fim proposto, podemos também calcular as possibilidades de alcançar, em geral, determinado fim com o auxílio de determinados meios ao nosso alcance. E, por conseguinte, com base na situação histórica, podemos criticar indiretamente o próprio propósito como praticamente aceitável ou inaceitável, segundo as condições dadas (1979:15-16). O autor acrescenta ainda que,... proporcionamos ao sujeito actuante a possibilidade de confrontar as conseqüências desejadas e não desejadas da sua actuação, e de responder à pergunta: quanto custa a consecução do fim proposto no que se refere ao sacrifício previsível de outros valores? Dado que na imensa maioria dos casos, todo o fim proposto custa ou pelo menos pode custar algo, ninguém, por pouco que proceda com uma consciência responsável, poderá deixar de pôr em confronto o fim a alcançar e as conseqüências da sua actuação. Possibilitar este confronto é uma das funções essenciais da crítica técnica. (...)Contudo levar tais confrontos até uma decisão já não constitui realmente uma tarefa possível para a ciência, mas antes para a pessoa dotada de vontade. Esta confronta e escolhe os valores em causa segundo a sua própria consciência e a sua própria concepção de mundo. Por certo que a ciência pode ajuda-la a perceber que qualquer acto e também, segundo as circunstâncias, a ausência de um acto, significam, pelas suas conseqüências, tomar o partido de determinados valores (1979:16). Esta colocação é coerente com as análises de Weber no seu livro: Duas Vocações: O Político e o Cientista, onde, o autor afirma que a ciência pode demonstrar os prós e os contras de certas decisões dentro de um determinado contexto histórico. Mas que a escolha diz respeito apenas à pessoa ou ao político. Neste aspecto, tanto Paulo Freire, quanto Karl Marx afirmam que não se pode dissociar a prática da teoria e que todo ato educativo é um ato político, portanto um ato imbuído de posicionamento, decisões e valores. É preciso, para estes dois autores, combinar o profissional com o cidadão, ainda que se deva evitar o proselitismo político. Weber quer separar o

4 profissional do cidadão da prática pedagógica, mas isso é muito difícil, porque na prática profissional de cada professor ou pesquisador das ciências sociais perpassam valores a partir do lugar que cada um ocupa. Weber considera que ajudar a pessoa a tomar consciência dos padrões que se manifestam no juízo de valor é o máximo que a crítica pode realizar sem entrar no campo da especulação. A questão da escolha do que deve ser representa um juízo de valor que cabe apenas ao sujeito definir e que depende do seu querer, da sua consciência e não do saber científico. Weber afirma em Sobre a teoria das ciências sociais (1979:17), Uma ciência empírica não está apta a ensinar a ninguém aquilo que deve, mas sim e apenas o que pode e em certas circunstâncias o que quer fazer. È certo que, no campo das nossas ciências, as concepções pessoais do mundo costumam intervir ininterruptamente na argumentação científica, continuamente a confundindo e levando a avaliar de diferentes modos o peso dos argumentos científicos, inclusivamente na resultado diminui esfera do estabelecimento de relações causais simples conforme o ou incrementa as possibilidades dos ideais pessoais, isto é, a possibilidade de querer algo determinado. Ou seja, o querer aplicar os juízos de valor ao mundo exterior representa uma crença nos valores. E emitir juízo sobre a validade de tais valores é uma questão de fé e, provavelmente, do pensamento especulativo. Mas não é objeto de uma ciência empírica da forma como Weber pretende praticá-la. Para a ciência social empreendida por Weber não comporta a tarefa de estabelecer um princípio para a sociedade e consolidá-lo como verdadeiro, para poder deduzir a partir dele e de forma unívoca as normas para a solução dos problemas particulares da práxis. Mas é importante ressaltar que apontar as possibilidades e os limites e possíveis conseqüências de determinadas ações, dado um diagnóstico, já é um posicionamento que, ainda que tenha como base dados objetivos, carrega ampla subjetividade. Mesmo que se considere, como Weber, que o destino de nossa civilização é ter que saber que não podemos deduzir o sentido dos acontecimentos mundiais a

5 partir dos resultados do seu estudo, por muito completo que este seja; mas, pelo contrário, que devemos ser capazes de o criar por nós próprios, que as concepções do mundo nunca poderão ser produto de um saber empírico progressivo, e que, por conseguinte, os ideais supremos que mais intensamente agem sobre nós, apenas se concretizam, em todos os tempos, graças à luta com outros ideais, que são tão sagrados para os outros como os nossos o são para nós. Isto não invalida o que se afirmou anteriormente. Weber considera que é inócuo buscar um meio termo entre os vários valores para chegar a um padrão consensual dos mesmos. Isto, segundo ele, só levaria à exacerbação do dogmatismo. E se distanciaria cada vez mais do caráter científico da ciência social empírica. Segundo o autor, há grande diferença entre a argumentação que se dirige ao nosso sentimento e à nossa capacidade de alcançar fins concretos e aquela que se dirige à nossa consciência, onde se põe em dúvida a validade de normas éticas, ou ainda aquela que apela para a nossa capacidade e necessidade de ordenar racionalmente a realidade empírica, com a pretensão de estabelecer a validade de uma verdade da experiência. É evidente que, no campo das ciências sociais, qualquer demonstração científica metodologicamente correta, se pretende haver alcançado a sua finalidade, deverá ser reconhecida como correta por qualquer cidadão com um certo grau de escolaridade em qualquer país do mundo. Pelo menos deve ter este objetivo, ainda que não consiga realizá-lo plenamente. Diante deste quadro, qual seria o papel do professor? De acordo com Alonso Bezerra de Carvalho (1997), na concepção de Weber, O verdadeiro professor, se quiser manter a sua integridade intelectual, há de separar uas situações. Por um lado, apresentar os fatos, determinar as suas relações matemáticas e lógicas, ou a estrutura interna dos valores culturais, ou seja, as conexões causais concretas dos fatos (compreender o sentido das ações sociais) e, por outro, responder a perguntas sobre o valor da cultura e seus conteúdos individuais e à questão de como devemos agir na comunidade cultural e nas associações políticas. Isto é, distinguir com o máximo rigor conhecimento empírico (de fatos) e juízo de valor, pois sempre que o homem de ciência introduz seu julgamento

6 pessoal de valor, cessa a plena compreensão e exposição dos fatos. Eis os limites a que um professor deveria obedecer enquanto ministra uma aula. Mas essa postura não deve ser mantida em relação aos políticos. A estes comportam os julgamentos e os valores para a tomada de decisão e a realização de suas ações. Porém o papel do político e o papel do professor ou cientista são distintos. Nas palavras de Weber (2001:54) A ciência é uma vocação organizada em disciplinas especiais a serviço de uma autoclarificação e de um conhecimento de fatos inter-relacionados. A contribuição da ciência e do professor e pesquisador para a vida prática e pessoal, segundo Weber, é, essencialmente, buscar compreender o sentido dos fenômenos e das ações sociais. Cada um, a partir de sua compreensão dos fenômenos, situados no contexto histórico, deverá tomar as medidas necessárias para a boa condução de suas ações. E deve levar em conta não um ideal último, mas o que as condições reais permitem. Neste sentido a ética que Weber percebe é muito mais pragmática do que idealista. É a ética da responsabilidade, em vez da ética baseada em princípios ou fins últimos. O que é levado em conta nesta ética da responsabilidade, com relação à tomada de decisão, são as condições reais em que ocorrem os fenômenos e as alternativas concretas, no sentido de se ponderarem e analisarem os ganhos e as perdas de todos os envolvidos. Trata-se evidentemente de uma maneira pragmática de ver a realidade. Pode-se dizer que é uma moral racionalizada. CAPITALISMO, RACIONALIDADE, BUROCRACIA E EDUCAÇÃO Essa racionalização Weber vai perceber mais ainda na análise do capitalismo. Aqui Weber discorda de Marx. Este considerava o capitalismo um modo de produção com tendências anárquicas e irracionais. Weber compreende esse sistema como uma forma universal de modernização e a expressão mais elevada de racionalização do homem ocidental.

7 Para Weber, o que predomina na sociedade capitalista, além da divisão em classes sociais e do mercado, é a racionalização, o prestígio social e as associações de prestígio ou de status dentro das classes. E, para compreender as relações que ocorrem na sociedade capitalista e no sistema educacional, Weber cria uma de suas categorias fundamentais, que é a categoria ação social. Esta é definida como a atitude do sujeito cujo sentido é relacionado ao comportamento dos outros. Para interpretar as ações sociais, Weber utiliza o chamado método compreensivo que objetiva compreender o sentido que as ações de um indivíduo contêm e como essas ações se orientam pelo comportamento dos outros. Weber classifica as ações sociais em três tipos: ação tradicional, aquela que se baseia nos costumes e nas tradições; ação afetiva, a que se define por afetos e sentimentos; ação racional. Esta se subdivide em duas: ação racional com relação a valores, guiada pela crença consciente em algo que o indivíduo valoriza; ação racional com relação a fins, baseada no planejamento, no cálculo racional que coloca fins e organiza os meios necessários para sua realização. Para exemplificar este tipo de ação, observe um aluno que vai fazer o concurso vestibular. Sua ação é social, pois o vestibular é significativo para a sociedade e para o aluno. O aluno escolhe o curso para o qual vai concorrer orientando-se pela ação de outros concorrentes. A questão é como o aluno orienta sua ação para escolher curso A ou B. Ele pode escolher Jornalismo porque gosta de comunicar-se, de conhecer pessoas e tem talento para escrever. É um curso que lhe dará prazer. Nesse caso, a escolha é de acordo com a ação afetiva. Porém ele pode escolher Direito porque já é tradicional na família fazer este curso. Por exemplo, seu bisavô, seu avô e seu pai fizeram Direito e todos na sua família consideram que essa tradição deve ser mantida. Nesse caso, sua ação será tradicional. Outra possibilidade é escolher o curso porque considera que aquele é o curso que, de fato, tem valor. Por exemplo, escolher Medicina porque é um curso que presta muitos serviços à sociedade e que todos valorizam. É uma profissão que dá status. Sua ação será racional com relação a valores.

8 Ou pode escolher Computação, para ser programador, porque hoje essa é uma das profissões que dá mais dinheiro para quem sabe aproveitar as oportunidades. E seu objetivo é ganhar dinheiro. Nesse caso, sua ação será racional com relação a fins. Estas ações não acontecem em estado puro, dissociadas umas das outras. Uma mesma ação pode ter mais de um sentido. Porém, no capitalismo, as ações predominantes tendem a ser aquelas que são orientadas com relação a fins. Mas não implica dizer que se reduz a este sentido. Do ponto de vista metodológico, pode-se inferir que comporta ao estudante e ao professor ou pesquisador, na compreensão dos fenômenos sociais, buscar perceber as motivações, os sentidos das ações sociais que contribuíram para que tal fato ocorresse de uma determinada forma. Para aprofundar-se na compreensão dos fatos sociais, Weber criou, além da categoria ação social, outra categoria, denominada de tipos ideais. Trata-se de uma construção teórica abstrata a partir dos casos particulares analisados. O conceito, ou tipo ideal é previamente construído e testado, depois aplicado a diferentes situações em que dado fenômeno possa ter ocorrido. O tipo ideal não é um modelo perfeito a ser buscado pelas formações sociais históricas nem mesmo qualquer realidade observável. É um instrumento de análise científica, numa construção do pensamento que permite conceituar fenômenos e formações sociais e identificar na realidade observada suas manifestações. Permite ainda comparar tais manifestações. Uma dimensão qualquer da ação humana admite a construção de vários tipos, sem que nunca se esgote a complexidade infinita da realidade. Por essa razão, nenhum dos tipos construídos deve ser considerado mais que um instrumento limitado e provisório de investigação. A expressão ideal demonstra que os tipos sociológicos só existem no plano das idéias, não na realidade. Os tipos ideais não constituem mais do que hipóteses de interpretação que devem ser confirmadas ou desmentidas pela interpretação causal ou pela observação estatística, ou seja, ele não se contenta em determinar o sentido subjetivo da ação, mas trata de verificar se tal sentido corresponde aos resultados efetivos da ação.

9 Esta abstração metodológica é, segundo Weber, muito útil, no sentido de aproximar o indivíduo do conhecimento real, partindo de modelos elaborados artificialmente tendo como base a realidade existente. Exemplo de tipo ideal de burocrata, de acordo com Max Weber, o tipo ideal do burocrata seria o indivíduo que age em cooperação com outros, cujo ofício é separado de sua vida familiar e pessoal, regulamentado por mandatos e pela exigência de competência, conhecimento e perícia. Estas duas categorias, a ação social e os tipos ideais, combinadas com outras categorias, como o conceito de burocracia e o de racionalidade, vão perpassar boa parte das análises weberianas.. A racionalidade é outra categoria importante, tanto para a análise do capitalismo, como para perceber seus reflexos no sistema de educação. Diz Weber que a racionalidade faz parte do mundo ocidental desenvolvido e teve, na religião protestante, a sua consolidação, através de sua aplicação no desenvolvimento do capitalismo. O autor considera uma ação racional quando cumpre duas condições. A primeira é aquela que é orientada por um objetivo claramente formulado, ou para um conjunto de valores claramente estabelecidos e logicamente consistentes. Em segundo lugar, uma ação é racional quando os meios escolhidos para se atingir o objetivo são os mais adequados. Portanto, uma ação é racional quando é objetivamente bem adequada ao fim buscado pelo sujeito. E, neste caso, a racionalidade significa adequação dos meios aos fins. A ação racional é, portanto, aquela que utiliza meio adequado aos fins procurados. Um ator é irracional se buscar fins contraditórios e utilizar meios inadequados para atingi-los. Com o avanço do capitalismo e da ética protestante a racionalização da vida social e a crescente burocratização do aparato público de dominação política e dos aparatos próprios às grandes corporações capitalistas privadas, perpassam para todos os setores da organização social, inclusive para a educação. Ocorre um encadeamento entre a necessidade de especialização, burocratização e racionalização da vida social, onde vai predominar a ação racional relativa a fins, cuja meta é a ascensão social e a obtenção de status privado. Weber torna-se pessimista quando consegue perceber que a racionalidade capitalista reduz tudo à mera busca por riqueza e status. E não

10 discorda de Marx, quando este diz que a tendência do capitalismo é transformar tudo em mercadoria. A própria educação passa a ser, na medida em que a sociedade se racionaliza, um fator de estratificação social, um meio de distinção, de obtenção de honras, de cargos, de poder e dinheiro., bem como uma exigência que se ajusta ao mercado. Não é de estranhar, portanto, o resultado de uma sondagem, realizada no ano de 2002, no Instituto Superior de Educação Santo Agostinho - ISA e na Associação de Ensino Superior do Piauí - AESPI, com trinta e oito estudantes dos cursos de Normal Superior e Tecnologia em Processamento de Dados, dos quais, trinta e três, ao serem indagados dos motivos que os levaram a escolher aqueles cursos, responderam que foi para atender ao mercado de trabalho ou ao prestígio profissional. Não foi outra a percepção de Weber da realidade da educação. Esta se volta para o treinamento de indivíduos que tenham de fato condições de operar novas funções, de administrar o Estado, as empresas de um modo racional. Um dos elementos essenciais na constituição do Estado moderno é a formação de uma administração burocrática em moldes racionais. Tal processo só ocorreu de modo completo no Ocidente, onde houve a substituição paulatina de um funcionalismo não especializado e resistente a regras rígidas por um funcionalismo treinado e politicamente orientado com bases em regulamentos racionais. A educação, para Weber, segundo Rodrigues (2001), é o modo pelo qual os homens ou determinados tipos de homens em especial são preparados para exercer as funções que a transformação causada pela racionalização da vida lhes colocou à disposição. Para o autor, Weber pensou a educação como um pacote de conteúdos e de disposições voltados para o treinamento de indivíduos que tivessem de fato condições de operar essas novas funções, de pilotar o Estado, as empresas e a própria política de um modo racional. É a compreensão da educação, no capitalismo, como uma forma de treinar em vez de cultivar o intelecto. Sobre isso, afirma Weber que a racionalização e a burocratização alteraram radicalmente o modo de educar e o status que é o reconhecimento e o acesso a bens materiais por parte dos indivíduos que se submetem à educação sistemática. Então, educar no sentido

11 de racionalização passou a ser fundamental para o Estado, porque precisa de um direito racional e de uma burocracia montada em moldes racionais. Por isso educar no sentido da racionalização também passou a ser fundamental para a empresa capitalista, por ela se pautar pela lógica do lucro, do cálculo de custo e benefícios e precisar de profissionais para isso. Mais que profissionais da empresa ou da administração pública, o capitalismo e o Estado capitalista forjaram um novo homem: um homem racional, tendencialmente livre de concepções mágicas, para o qual não existe mais lugar reservado à obediência, que não seja a obediência ao direito racional. Para este homem, o mundo perdeu o encantamento. Não é mais o mundo do sobrenatural e dos desígnios de Deus ou dos imperadores. É o mundo do império da lei da razão, que certamente não é o mesmo que educar, antes da grande transformação provocada pelo advento do capitalismo moderno. Para Rodrigues, Weber concebe a educação como um fator de estratificação social, um meio de distinção, de obtenção de honras, de busca de poder e de dinheiro Há um recuo da educação enquanto formação do homem, em favor de uma educação enquanto treinamento especializado e parcializado para habilitar o indivíduo a desempenhar certas tarefas. Baseado nisso, Weber afirmava que o capitalismo reduzia tudo, inclusive a educação, à mera busca por riqueza material e status, embora não negue a educação racional com relação a valores. Porém, dentro do mercado capitalista esta não é predominante, ainda que conviva ou sobreviva com a educação racional com relação a fins. Com a racionalização, a vida social e a crescente burocratização do aparato público de dominação política, e dos aparatos próprios às grandes corporações capitalistas privadas, a educação deixa de ter como meta a qualidade da posição do homem na vida - que é o sentido próprio da educação para Weber. Enquanto base dos sistemas de status, torna-se cada vez mais um preparo especializado com o objetivo de tornar o indivíduo um perito. Rodrigues fala também um pouco da melancolia que Weber tinha sobre os rumos da educação, mesma depressão intelectual que exprimia com relação aos descaminhos da liberdade humana sobre os desígnios da especialização, da burocratização e da racionalização da vida. Além de minimizar uma formação humanística de caráter mais integral, a educação racionalizada que

12 é a pedagogia do treinamento, continua a ser usada como mecanismo de ascensão social e de obtenção de status privado. Neste sentido, a educação predominante nas sociedades dominadas pela lógica do mercado é a que é conduzida pela razão instrumental dos fins e estes estão subordinados à lógica do capitalismo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARVALHO, Alonso Bezerra de. Desencantamento do mundo e ação pedagógica em Max Weber. In.: GHIRALDELLI JR, Paulo e PRESTES, Nadja Hermann. FILOSOFIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO. Ano I, nº1, Marília SP: MG Editora, RODRIGUES, Alberto Tosi. Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, SOUSA, Jessé de. O malandro e o Protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira, Brasília: Editora Universidade de Brasília, WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora Universidade de Brasília, WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 11. ed. São Paulo: Pioneira, WEBER, Max ; DURKHEIM, Émile. Socialismo. Rio de Janeiro: Relum-Dumara, WEBER, Max. Ciência e Política:duas vocações.são Paulo: Martin Claret, WEBER, Max. Sobre a Teoria das Ciências Sociais. Lisboa: Presença, 1979.

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo (1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo Contexto histórico: Alemanha: organização tardia do pensamento burguês e do Estado nacional. e Humanas na Alemanha: interesse pela

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas

Sociologia Organizacional. Contextualização. Aula 4. Organização da Aula. Profa. Me. Anna Klamas Sociologia Organizacional Aula 4 Contextualização Profa. Me. Anna Klamas Organização da Aula A Sociologia de Max Weber e o tema da racionalidade A disciplina de sociologia deve contribuir com a percepção

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral Apostila 4 Revisão aula anterior: Direito para Durkheim: O objetivo principal de uma Sociologia do Direito em Durkheim é perceber a relação entre as regras morais e a elaboração das leis escritas, bem

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1

RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 1 RAZÃO E PAIXÃO NO PENSAMENTO WEBERIANO 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise do aparente conflito na formulação de dois conceitos fundamentais

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Desencantamento

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber A Sociologia Compreensiva De Max Weber Problematização O comportamento social é espontâneo, individual e descolado do passado? Max Weber Maximillian Carl Emil Weber Nasceu em 1864 na cidade de Erfurt (Alemanha),

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Daniele Bloot de Moura Necker Fryder Geórgia Costa Pizzatto Michele Dal Cortivo Vivian de Souza Silva Co-autora: Prof. Arilda Arboleya arildaa@hotmail.com

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011 QUESTÃO 51 A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto de intenso debate entre intelectuais

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ADMINISTRAÇÃO OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO, DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O ARQUITETURA E URBANISMO PROMETO NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE INERENTE À PRÁTICA DA ARQUITETURA E URBANISMO, RESPEITAR OS PRINCÍPIOS

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama Sociologia Jurídica Apresentação 1.1.a Origem e panorama Origem e panorama Autores clássicos da sociologia Émile Durkheim Karl Marx Max Weber Émile Durkheim Fonte: SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima

MAX WEBER. Prof. Cristhian Lima MAX WEBER Prof. Cristhian Lima Duas Realidades 1 REPÚBLICA FRANCESA 2 DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA 3 CIÊNCIAS NATURAIS 4 ÊNFASE NA UNIVERSALIDADE 5 CIÊNCIAS HUMANAS = CIÊNCIAS EXATAS Duas Realidades 1 FRAGMENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO nº 46, junho de 2005, páginas 28 e 29. Recentemente, tenho acompanhado crianças que saíram de

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER E A EDUCAÇÃO

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER E A EDUCAÇÃO O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER E A EDUCAÇÃO José Augusto Medeiros Silva 1 Wellington Lima Amorim 2 Resumo: O presente trabalho se propõe apresentar uma revisão bibliográfica sucinta sobre o pensamento

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 ÍNDICE Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 1. A Universalidade, Necessidade e Unidade da Religião...8 O objetivo comum da vida...8 Definição universal de religião...12 O que significa ser religioso...13

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Habilidade: Problematizar quais as possibilidades do conhecimento verdadeiro. REVISÃO Conhecimento = Relação SUJEITO e OBJETO Fontes do conhecimento Racionalismo

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação...

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação... Cód. barras: STJ00095025 (2013) Sumário Agradecimentos... 7 Introdução....................... 15 Parte I SOCIOLOGIA 1. Origens da Sociologia... 27 1.1. As origens históricas e conceituais da Sociologia...

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais