11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF"

Transcrição

1 11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF Avaliação de pontas de pulverização utilizadas em diferentes empresas florestais na aplicação do herbicida pré-emergente Fordor 750 WG. Eng. Agro.MS.João Alexandre Galon R T V

2 PORTFÓLIO DE PRODUTOS PARA FLORESTA Herbicida de ação programada

3 OBJETIVO DO TRABALHO Avaliar a nível de laboratório o comportamento da distribuição da calda herbicida aplicada, proveniente de quatro diferentes modelos de pontas de pulverização.

4 PORQUE AVALIAR? Operacionalmente, hoje, eu tenho uma boa aplicação de herbicida? Os equipamentos, hoje, utilizados são adequados para aplicação de pré-emergente em faixa? As pontas de pulverização que tenho utilizado, são adequadas para a faixa de aplicação que quero aplicar? Quais são as regulagens que devo fazer, para obter uma distribuição adequada para a faixa de aplicação determinada? Será que tecnicamente, hoje, estou fazendo o correto?

5 MATERIAL E MÉTODOS Local: UNESP - Campus de Jaboticabal. Pontas de pulverização utilizadas: TTI , DB , AI , AIUB025VC. Faixas de aplicação: 0,80 ; 1,00 ; 1,20 e 1,50m. Pressão de trabalho: 40 lbf/pol 2. Foi utilizada água com 0,1% de adjuvante não iônico alquifenol (Haiten). Mesa de deposição (com 67 canaletas de chapa de metal corrugado distanciadas de 2,5 cm entre si.) Cada ponta avaliada foi posicionada sobre a canaleta central, a uma altura de 0,50 m.

6 MATERIAL E METODOS O tempo de coleta da calda de cada ponta foi de 30 segundos, sendo três repetições por exemplar de ponta. Os volumes coletados em tubos graduados foram utilizados para obtenção das curvas de deposição e coeficiente de variação. Para determinação das curvas de deposição, optamos por padronizar em 80% o valor mínimo do volume pulverizado entre as extremidades. Os coeficientes de variação assumidos neste trabalho para determinar o espaçamento entre pontas foi de até 10%, dentro do limite aceitável na literatura conforme trabalho de WOLF & SMITH (1979) e FAO (1997).

7 MESA DE DISTRIBUIÇÃO 1 Ponta AIUB025 2 Pontas AIUB025

8 MESA DE DISTRIBUIÇÃO 1 Ponta TTI Ponta AI

9 PONTAS DE PULVERIZAÇÃO 2 Pontas DB Pontas AI Pontas AIUB025 2 Pontas TTI

10 RESULTADOS

11 Tabela 1. Espaçamento entre pontas, faixa tratada e CV para as pontas de pulverização AIUB 025, AI , TTI , DB e AIUB025 + AI110025, utilizadas em áreas florestais. Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AIUB 025 0,65 0,80 16,6 0,85 1,00 6,9* 1,05 1,20 31,9 1,35 1,50 60,8 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AI ,6 1,20 24,5 0,9 1,50 12,4 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) TTI ,6 1,20 28,4 0,9 1,50 10,2* Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) DB ,35 0,80 29,5 0,55 1,00 21,1 0,75 1,20 16,7 1,00 1,50 38,0 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AIUB AI ,52 1,20 13,6 0,65 1,50 21,3 (Altura da ponta igual a 0,50m.) * Região de cálculo onde o coeficiente de variação é aceitável

12 = Faixa tratada 0,8 m C.V.= 16,6% Volume de calda (ml) Figura 1. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 0,8 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 0,65 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, = Faixa tratada 1,0 m C.V.= 6,9% Volume de calda (ml) Figura 2. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 0,85 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007

13 = Faixa tratada 1,2 m C.V.= 31,9% Volume de calda (ml) Figura 3. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,2 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 1,05 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, = Faixa tratada 1,5 m C.V.= 60,8% Volume de calda (ml) Figura 4. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,5 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de1,35 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007

14 Figura 5. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,60 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 6. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,5 m, por duas pontas de pulverização modelo AI110025, espaçadas de 0,90 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

15 Figura 7. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por uma ponta de pulverização modelo AI e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 8. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por uma ponta de pulverização modelo TTI e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

16 Figura 9. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,60 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 10. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,90 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

17 Figura 15. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB025, intercalada por uma ponta modelo AI , espaçadas de 0,52m entre si e altura das pontas de 0,50m. Jaboticabal, Figura 16. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB025, Intercalada por uma ponta modelo AI110025, espaçadas de 0,65 m entre si e altura das pontas de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

18 Figura 11. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 0,80 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,35 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 12. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,00 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,55 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

19 Figura 13. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,75 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 14. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 1,00 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

20 CONCLUSÕES Com um CV menor que 10%, mantendose a altura de 0,50m do solo recomendamos as seguintes pontas: Ponta AIUB025, indicamos para uma faixa tratada de 1,0 metros, espaçamento entre pontas de 0,85 metros (duas pontas). Ponta TTI , indicamos para uma faixa tratada de 1,5 metros, espaçamento entre pontas de 0,90 metros (duas pontas).

21 CONCLUSÕES Para o espaçamento de 0,80 metros de faixa tratada não obtemos parâmetros científicos para indicação de uma das pontas testadas. Com um CV próximo a 10%, mantendo-se a altura de 0,50m do solo recomendamos a seguinte ponta: Duas pontas AIUB025 sendo intercalada por uma ponta AI (CV 13,6%),para uma faixa tratada de 1,2 metros, espaçamento entre pontas de 0,52 metros (três pontas).

22 Ciência Para Uma Vida Melhor Bayer, se é Bayer é bom. ( 016 )

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS DISTRIBUIÇÃO DA CALDA HERBICIDA POR PONTAS DE PULVERIZAÇÃO AGRÍCOLA UTILIZADAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO MARCELO DA C. FERREIRA 1, JOSÉ R. G. DI OLIVEIRA 2, IVAN R. P. DA S. DAL PIETRO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 DILERMANDO PERECIN, VALDEMIR A. PERESSIN 3, TOMOMASSAMATUO, BENEDITO A. BRAZ 5, LUIS C. PIO RESUMO A avaliação do desempenho de barras de

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2'

DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2' DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2' JULIO CESAR GALLI 2 e ANTONIO CARLOS DE ARRUDA 3 RESUMO - O trabalho foi realizado no Departamento de Entomologia e Nematologia da Faculdade de

Leia mais

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS FERNANDO C. BAUER 1, CARLOS G. RAETANO 2, FRANCISCO DE

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2 1 ESTALEIRO 1.1. Execução de montagem e desmontagem de estaleiro, adequado à natureza dos trabalhos a executar e à dimensão da obra, incluindo reposição de pavimentos e solo, fornecimento, montagem e desmontagem

Leia mais

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Engenharia Ambiental Física II Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Andrea Garcia Daniele Golçalves Isabella Perri Maria Luiza Campanari Melissa Pegoraro Sorocaba Abril/2014

Leia mais

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso.

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de herbicidas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Nome: unesp DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Turma: Conservação da Massa e Quantidade de Movimento 1 - OBJETIVO Os principais objetivos desta aula prática é aplicar as equações

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 5

Química Geral Experimental - Aula 5 Química Geral Experimental - Aula 5 Título da Prática: Construção e calibração do densímetro. Objetivos: Construir e utilizar um densímetro de baixo custo; Determinar a densidade de líquidos puros e soluções;

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural Evapotranspiração cultural Coeficiente cultural Metodologia da FAO para a determinação dos consumos hídricos das culturas A resistência aerodinâmica varia com as condições climáticas e a rugosidade da

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto.

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO APLICADA A SILVICULTURA Eng. Agr. Paulo Coutinho INTRODUÇÃO APLICAÇOES NA SILVICULTURA: DESSECAÇAO DE PREPARO DE ÁREA E DE MANUTENÇÃO

Leia mais

DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO.

DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO. DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO. Marco Aurélio de Oliveira Fagotti 1, Luiz Francisco Weber

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013.

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013. CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 202/203. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 202/203. Maiara Paula de Oliveira () Kaio César Ragghianti (2) Bruno Fernandes

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES

LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES PONTIFÍCIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES EXPERIÊNCIAS PROFESSORES : MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI 1 1 a Experiência: Determinação da massa específica, densidade

Leia mais

Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com bico de energia centrífuga 1

Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com bico de energia centrífuga 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.11, n.1, p.49-61, jan./abr. 2012 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com

Leia mais

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d João Paulo Chaves Couto 1, Antônio Ramos Cavalcante 1, Neilon Duarte da Silva 1, Tatyana Keyty de Souza Borges 2 Resumo: A uniformidade de aplicação

Leia mais

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412/0413 ary@ibb.unesp.br

Leia mais

5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo

5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo 5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo Figura 5.5 Tratamento do solo tipo trincheira Figura 5.6

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng.Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo do arroz representa

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Alberto Cargnelutti Filho 1 Cláudia Burin 2 Marcos Toebe 3 André Luis Fick 2 Giovani Facco 4 1 - Introdução O nabo forrageiro (Raphanus

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

QUÍMICA ANALÍTICA V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: QUÍMICA ANALÍTICA V 2S 2011 Aulas 1 e 2 Estatística Aplicada à Química Analítica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf/baccan Algarismos significativos

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II

TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II TC 071 PONTES E ESTRUTURAS ESPECIAIS II 16ª AULA (19/10/2.010) MEZOESTRUTURA DE PONTES A mezoestrutura de ponte é a parte da estrutura (pilares) responsável por transmitir as cargas da superestrutura à

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?.

FÍSICA. Por que você se sente mais leve quando está imerso ou parcialmente imerso na água?. FÍSICA 2 MECÂNICA II 3. 4. Pêndulo Princípio simples de Arquimedes - Empuxo Parte I Medida da densidade de um sólido Parte II Medida da densidade de um líquido NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA PARTE

Leia mais

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Maurício Gomes Azevedo*¹; Pedro Hideki Omoto 1 ; Evandro Pereira Prado 2, Rafael Simões

Leia mais

Exercícios Algarismos Significativos e Erros

Exercícios Algarismos Significativos e Erros Exercícios Algarismos Significativos e Erros 1) Classifique as medidas conforme solicitado na tabela abaixo. 12,1 kj Medida Grandeza Unidade da medida Quantidade de significativos Número Duvidoso 0,0015

Leia mais

CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS

CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS Caroline Finger Stresser 1 ; Ana Carolina Gadotti 2 ; Morgana Scheller 3 1 Aluno 2ª série do Curso de Agroecologia do Instituto Federal Catarinense - Campus

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

ANEXO II PLANILHA DE PREÇOS BÁSICOS Kit padrão

ANEXO II PLANILHA DE PREÇOS BÁSICOS Kit padrão ANEXO II PLANILHA DE PREÇOS BÁSICOS Kit padrão 1 2352 Tubo PVC, irrigação, sold, DN 35 mm PN 60 2 504 Tubo PVC, irrigação, sold, DN 50 mm PN 60 3 420 Tubo PVC, irrigação, sold, DN 75 mm PN 80 4 336 Bucha

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

1318 Raios X / Espectro contínuo e característico Medida da razão h/e.

1318 Raios X / Espectro contínuo e característico Medida da razão h/e. 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. Silveira Instituto de Física UFRJ Tópicos Relacionados Raios-X, equação de Bragg, radiação contínua (bremstrahlung),

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s IRRIGAÇÃO POR SULCOS Patricia Angélica Alves Marques 1. DEFINIÇÃO A irrigação por sulcos é um método que consiste na distribuição de água através de pequenos canais (os sulcos), paralelos às fileiras de

Leia mais

Prática 05 Determinação Da Massa Molar Do Magnésio

Prática 05 Determinação Da Massa Molar Do Magnésio UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 05 Determinação Da Massa Molar Do Magnésio

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE MULTITEMPORAISBASEADA EM OBJETOS E APURAMENTO SEMIAUTOMÁTICO DE LIMIARES DE CORTE Ângela Barbosa, Dora Roque, Ana Maria Fonseca e Jorge Rocha Problemática Classificação

Leia mais

A pressão num ponto de um líquido em equilíbrio - Princípio de Stevin

A pressão num ponto de um líquido em equilíbrio - Princípio de Stevin Física Experimental II 2º Semestre de 2012 Prof. Marcelo Rodrigues de Holanda Experimento 1 (03/08) A pressão num ponto de um líquido em equilíbrio - Princípio de Stevin 1. Habilidade e competências Ao

Leia mais

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO

ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO SINDAG CONGRESSO REGIONAL DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA / SUL CACHOEIRA DO SUL, RS 7 a 9 DE JUNHO DE 2007 ATIVIDADE : TESTES DE DEPOSIÇÃO RELATÓRIO www.agrotec.etc.br www.sindag.org.br www.congressosindag.com.br

Leia mais

22 - As dimensões de uma porta comum são 2,10m x 70cm. A expressão fisicamente correta da área desta porta é:

22 - As dimensões de uma porta comum são 2,10m x 70cm. A expressão fisicamente correta da área desta porta é: QUESTÕES OBJETIVAS FÍSICA MÓDULO 1 - Física 3 a série do Ensino Médio 21 - No rótulo de um vidro de óleo à venda no mercado, obtêm-se a informação de que o volume contido é 500mL. Pesando-se o conteúdo

Leia mais

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor ÍNDICES FÍSICOS UMIDADE (w) - % w = M água M seca. 100 w = M natural M s.estufa M s.estufa.

Leia mais

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados Darcy Ramalho de Mello darcy@cepel.br José Antonio

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

Eng. agrôn., M.Sc., Embrapa Acre, Rodovia BR 364, km 14, Caixa Postal 321, CEP , Rio Branco, AC,

Eng. agrôn., M.Sc., Embrapa Acre, Rodovia BR 364, km 14, Caixa Postal 321, CEP , Rio Branco, AC, 165 ISSN 0100-8668 Julho, 2005 Rio Branco, AC Estimativa do Percentual de Casca e do Fator de Forma em Povoamentos Jovens de Teca (Tectona grandis L.f.) Evandro Orfanó Figueiredo 1 José Roberto Soares

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO Morais Carneiro dos Reis (1) ; Gustavo Ferreira de Sousa (1) ; Maila Adriely Silva (1) ; Júlia Camargos da Costa

Leia mais

CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN.

CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN. CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN. SANTINATO, R. Engenheiro Agrônomo, MAPA/Procafé, Campinas SP.; SILVA, V.A. Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Tópicos Relacionados Pressão, temperatura, volume, coeficiente de expansão térmica, coeficiente de compressibilidade,

Leia mais

Uma Escola Pensando em Você Aluno(a): nº Série: 2 col C Disciplina: Física. Ensino: Médio Professor: Renato Data:, de 2010

Uma Escola Pensando em Você Aluno(a): nº Série: 2 col C Disciplina: Física. Ensino: Médio Professor: Renato Data:, de 2010 Uma Escola Pensando em Você luno(a): nº Série: 2 col C Disciplina: Física Ensino: Médio Professor: Renato Data:, de 21 Trabalho de Recuperação de Física (1º e 2 imestres) Instruções: 1. O trabalho deverá

Leia mais

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas GC / GCD - A ou Arquitetural GC da TROPICAL combina com os ambientes mais sofisticados, devido ao seu desenho de linhas suaves. Pode ser fornecida em peças separadas, ou em módulos para formação de linha

Leia mais

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA:

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: Questões do 1 bimestre: Conteúdo: Escalas termométricas, conversão de temperatura

Leia mais

O presente estudo foi instalado no município de Alfenas-MG, a 900 m de altitude. Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1

O presente estudo foi instalado no município de Alfenas-MG, a 900 m de altitude. Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1 ESTUDO DO EFEITO DO INSETICIDA CROPSTAR SOBRE PLANTAS DE MILHO CONVENCIONAL E Bt YIELDGARD E HERCULEX SUBMETIDAS À ALTA PRESSÃO DE ATAQUE DE Spodoptera frugiperda Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1 1.

Leia mais

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.10, n.3, p.266-276, set./dez. 2011 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização

Leia mais

2 HIDROSTÁTICA PROBLEMA 2.1 RESOLUÇÃO

2 HIDROSTÁTICA PROBLEMA 2.1 RESOLUÇÃO 2 HIDROSTÁTICA PROBLEMA 2.1 O tubo representado na figura está cheio de óleo de densidade 0,85. Determine as pressões nos pontos A e B e exprima-as em altura equivalente de água. Fundamentos de Engenharia

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 01. Física Geral e Experimental III 2012/1. Experimento: Calibração de um Termômetro Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 01 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Calibração de um Termômetro 1. Calibração de um Termômetro Nesta tarefa será abordado o

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA 1. Objetivo Determinar as dimensões das partículas e suas proporções relativas de ocorrência de forma a se obter o traçado da curva granulométrica de um determinado solo.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO PENETRÔMETRO DE BANCADA

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO PENETRÔMETRO DE BANCADA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES JANE VANINI DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DO PENETRÔMETRO DE BANCADA A determinação da resistência do solo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.7. REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Quando as escavações atingem o nível das águas subterrâneas e há o afloramento das mesmas, torna-se necessária a drenagem ou o rebaixamento do lençol freático com o

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 3 (1): 1-, 1 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha e Renato Adriane

Leia mais

Relatório da Prática nº5 Molas

Relatório da Prática nº5 Molas UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Campus Maracanã Engenharia Turma 3 Professor: Eduardo Relatório da Prática nº5 Molas 1º PERÍODO CAROLINA TRINDADE RUFINO DOS SANTOS DIEGO HUTTER SOBREIRA CATALÃO

Leia mais

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO

DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO DISCUSSÃO ATUAL NÃO CONFORMIDADE DO CONCRETO Concretos fornecidos podem não estar atingindo a resistência à compressão pedida nos projetos estruturais. Polêmica envolve construtores, concreteiras, projetistas

Leia mais

Tolerância de genótipos de sorgo biomassa a herbicidas préemergentes

Tolerância de genótipos de sorgo biomassa a herbicidas préemergentes Tolerância de genótipos de sorgo biomassa a herbicidas préemergentes Isabela Goulart Custódio (1) ; Lucas Augusto Schio (2) ; Paula Karoline Wagner (2) ; Beatriz Pamela Modanese (2) ; Décio Karam (3) ;

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1

AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 AVALIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA ESCOADO EM DIFERENTES DECLIVES SOB CHUVA SIMULADA 1 FRAGA JUNIOR, E. F. 2 ; VALLE JUNIOR, R.F. 3 ; FERREIRA JUNIOR, J. A. 4 ; CASSIA, M. T. 4 ; BONTEMPO, A.R. 4 ; FERREIRA,

Leia mais

MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM

MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM CAPÍTULO 1: ESPECIFICAÇÕES DA CASA DE VEGETAÇÃO Lílian E. Pino & Lázaro E. P. Peres 1. CASA-DE-VEGETAÇÃO PARA CULTIVO DE MICRO-TOM A casa-de-vegetação é dividida em câmara

Leia mais

AULA 10: A ÁGUA NO SOLO - PERCOLAÇÃO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 10: A ÁGUA NO SOLO - PERCOLAÇÃO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 10: A ÁGUA NO SOLO - PERCOLAÇÃO Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos 6.1 A ÁGUA NO SOLO A água, presente nos vazios do solo, quando submetida a diferenças de potenciais, desloca-se no seu interior.

Leia mais

HGP Prática 8 30/1/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8

HGP Prática 8 30/1/ HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8 HGP Prática 8 30//03 4 ) TEMA: Medidas de velocidades de fluidos. HIDRÁULICA GERAL PRÁTICA N 8 ) OBJETIOS: Avaliação das velocidades de fluidos gasosos e líquidos em escoamento, por meio de tubo de Pitot

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III Aula 14 Cortinas e escoramentos: Cortina Atirantada Eng. Civil Augusto

Leia mais

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura pelo comprimento dos pés)

MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável em altura pelo comprimento dos pés) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) MESA PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO (Regulável

Leia mais

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I

Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Lista de Exercícios de Operações Unitárias I Bombas Prof. Dra. Lívia Chaguri Monitor Victor Ferreira da Motta L. Fonseca ¹Exercício 1) Considere a instalação mostrada na Figura 1. Azeite de Oliva a 20

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA Rafael Santos Finholdt (1), Roberto Kazuhiko Zito (2), Maria Eugenia Lisei de Sá (3) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, rafaelfinholdt@yahoo.com.br;

Leia mais

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão

APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão APOSTILA PARA ATIVIDADE DE CAMPO Medição de Vazão Objetivo: conhecer processos de medição de vazão e saber calcular uma vazão pelo método de medição com flutuadores e Molinete. 1 Introdução Fluviometria:

Leia mais

VALTRA VL. Plaina frontal CV. FOP VT IMPLEMENTO PLAINA FRONTAL.indd 1 07/02/12 14:58

VALTRA VL. Plaina frontal CV. FOP VT IMPLEMENTO PLAINA FRONTAL.indd 1 07/02/12 14:58 VALTRA VL Plaina frontal 60-180 CV FOP VT IMPLEMENTO PLAINA FRONTAL.indd 1 07/02/12 14:58 TECNOLOGIA E EFICIÊNCIA NA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Menor concentração de massa (peso) na parte frontal gera menor

Leia mais

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico

Página 1 de 7. Código: MS Revisão: 01 Data: 14/12/2015. Laudo Técnico Página 1 de 7 Laudo Técnico Assunto: Ensaio acústico para Nível de Pressão Sonora de Impacto Padronizado Ponderado (L ntw ), conforme determinado pela Norma de Desempenho de Edificações NBR 15.575, seguindo

Leia mais

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Eng. Agr. Luís César Pio Diretor Herbicat

Eng. Agr. Luís César Pio Diretor Herbicat II Simpósio Stab Sobre Plantas Daninhas em Cana-de-Açúcar Manejo químico de plantas daninhas e as MPBs. Tecnologia de aplicação em pós-emergência. O que pode trazer melhores resultados à não intoxicação

Leia mais

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05]

UNIP - COMPLEMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS E FUNDAÇÕES PROFESSORA MOEMA CASTRO, MSc. [ AULA 05] EXERCÍCIOS 01 - COMPACTAÇÃO Com base nos dados de um ensaio de compactação feito com a energia Proctor MODIFICADA, apresentados na tabela a seguir, e sabendo que a massa específica dos grãos do solo é

Leia mais

Seleção de um Método Analítico. Validação e protocolos em análises químicas. Validação de Métodos Analíticos

Seleção de um Método Analítico. Validação e protocolos em análises químicas. Validação de Métodos Analíticos Seleção de um Método Analítico Capítulo 1 SKOOG, D.A.; HOLLER, F.J.; NIEMAN, T.A. Princípios de Análise Instrumental. 5 a edição, Ed. Bookman, Porto Alegre, 2002. Validação e protocolos em análises químicas

Leia mais