11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF"

Transcrição

1 11ª. REUNIÃO TÉCNICA PROTEF Avaliação de pontas de pulverização utilizadas em diferentes empresas florestais na aplicação do herbicida pré-emergente Fordor 750 WG. Eng. Agro.MS.João Alexandre Galon R T V

2 PORTFÓLIO DE PRODUTOS PARA FLORESTA Herbicida de ação programada

3 OBJETIVO DO TRABALHO Avaliar a nível de laboratório o comportamento da distribuição da calda herbicida aplicada, proveniente de quatro diferentes modelos de pontas de pulverização.

4 PORQUE AVALIAR? Operacionalmente, hoje, eu tenho uma boa aplicação de herbicida? Os equipamentos, hoje, utilizados são adequados para aplicação de pré-emergente em faixa? As pontas de pulverização que tenho utilizado, são adequadas para a faixa de aplicação que quero aplicar? Quais são as regulagens que devo fazer, para obter uma distribuição adequada para a faixa de aplicação determinada? Será que tecnicamente, hoje, estou fazendo o correto?

5 MATERIAL E MÉTODOS Local: UNESP - Campus de Jaboticabal. Pontas de pulverização utilizadas: TTI , DB , AI , AIUB025VC. Faixas de aplicação: 0,80 ; 1,00 ; 1,20 e 1,50m. Pressão de trabalho: 40 lbf/pol 2. Foi utilizada água com 0,1% de adjuvante não iônico alquifenol (Haiten). Mesa de deposição (com 67 canaletas de chapa de metal corrugado distanciadas de 2,5 cm entre si.) Cada ponta avaliada foi posicionada sobre a canaleta central, a uma altura de 0,50 m.

6 MATERIAL E METODOS O tempo de coleta da calda de cada ponta foi de 30 segundos, sendo três repetições por exemplar de ponta. Os volumes coletados em tubos graduados foram utilizados para obtenção das curvas de deposição e coeficiente de variação. Para determinação das curvas de deposição, optamos por padronizar em 80% o valor mínimo do volume pulverizado entre as extremidades. Os coeficientes de variação assumidos neste trabalho para determinar o espaçamento entre pontas foi de até 10%, dentro do limite aceitável na literatura conforme trabalho de WOLF & SMITH (1979) e FAO (1997).

7 MESA DE DISTRIBUIÇÃO 1 Ponta AIUB025 2 Pontas AIUB025

8 MESA DE DISTRIBUIÇÃO 1 Ponta TTI Ponta AI

9 PONTAS DE PULVERIZAÇÃO 2 Pontas DB Pontas AI Pontas AIUB025 2 Pontas TTI

10 RESULTADOS

11 Tabela 1. Espaçamento entre pontas, faixa tratada e CV para as pontas de pulverização AIUB 025, AI , TTI , DB e AIUB025 + AI110025, utilizadas em áreas florestais. Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AIUB 025 0,65 0,80 16,6 0,85 1,00 6,9* 1,05 1,20 31,9 1,35 1,50 60,8 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AI ,6 1,20 24,5 0,9 1,50 12,4 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) TTI ,6 1,20 28,4 0,9 1,50 10,2* Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) DB ,35 0,80 29,5 0,55 1,00 21,1 0,75 1,20 16,7 1,00 1,50 38,0 Espaçam. Pontas (m) Faixa Tratada (m) Coeficiente de Variação (%) AIUB AI ,52 1,20 13,6 0,65 1,50 21,3 (Altura da ponta igual a 0,50m.) * Região de cálculo onde o coeficiente de variação é aceitável

12 = Faixa tratada 0,8 m C.V.= 16,6% Volume de calda (ml) Figura 1. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 0,8 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 0,65 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, = Faixa tratada 1,0 m C.V.= 6,9% Volume de calda (ml) Figura 2. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 0,85 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007

13 = Faixa tratada 1,2 m C.V.= 31,9% Volume de calda (ml) Figura 3. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,2 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de 1,05 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, = Faixa tratada 1,5 m C.V.= 60,8% Volume de calda (ml) Figura 4. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,5 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB 025, espaçadas de1,35 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007

14 Figura 5. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,60 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 6. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,5 m, por duas pontas de pulverização modelo AI110025, espaçadas de 0,90 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

15 Figura 7. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por uma ponta de pulverização modelo AI e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 8. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,0 m, por uma ponta de pulverização modelo TTI e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

16 Figura 9. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,60 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 10. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo AI , espaçadas de 0,90 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

17 Figura 15. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB025, intercalada por uma ponta modelo AI , espaçadas de 0,52m entre si e altura das pontas de 0,50m. Jaboticabal, Figura 16. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo AIUB025, Intercalada por uma ponta modelo AI110025, espaçadas de 0,65 m entre si e altura das pontas de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

18 Figura 11. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 0,80 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,35 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 12. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,00 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,55 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

19 Figura 13. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,20 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 0,75 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, Figura 14. Sobreposição da calda para uma faixa tratada de 1,50 m, por duas pontas de pulverização modelo DB120020, espaçadas de 1,00 m entre si e altura da ponta de 0,50m. Jaboticabal, 2007.

20 CONCLUSÕES Com um CV menor que 10%, mantendose a altura de 0,50m do solo recomendamos as seguintes pontas: Ponta AIUB025, indicamos para uma faixa tratada de 1,0 metros, espaçamento entre pontas de 0,85 metros (duas pontas). Ponta TTI , indicamos para uma faixa tratada de 1,5 metros, espaçamento entre pontas de 0,90 metros (duas pontas).

21 CONCLUSÕES Para o espaçamento de 0,80 metros de faixa tratada não obtemos parâmetros científicos para indicação de uma das pontas testadas. Com um CV próximo a 10%, mantendo-se a altura de 0,50m do solo recomendamos a seguinte ponta: Duas pontas AIUB025 sendo intercalada por uma ponta AI (CV 13,6%),para uma faixa tratada de 1,2 metros, espaçamento entre pontas de 0,52 metros (três pontas).

22 Ciência Para Uma Vida Melhor Bayer, se é Bayer é bom. ( 016 )

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS

HERBICIDE DISTRIBUTION BY SPRAYING NOZZLES USED IN EUCALYPTUS REFORESTATION AREAS DISTRIBUIÇÃO DA CALDA HERBICIDA POR PONTAS DE PULVERIZAÇÃO AGRÍCOLA UTILIZADAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO COM EUCALIPTO MARCELO DA C. FERREIRA 1, JOSÉ R. G. DI OLIVEIRA 2, IVAN R. P. DA S. DAL PIETRO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS

DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS 47 DESENVOLVIMENTO DE UMA BARRA DE PULVERIZAÇÃO PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDA EM DESSECAÇÃO DE SOQUEIRA CANA-DE-AÇÚCAR E PASTAGENS AMO, Fernando Colombo de 1 PEREIRA, Flávio José de Sousa 2 GADANHA JÚNIOR,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE DEPOSIÇÃO E DO DIÂMETRO DE GOTAS E OTIMIZAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS NA BARRA DE PULVERIZAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE DEPOSIÇÃO E DO DIÂMETRO DE GOTAS E OTIMIZAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS NA BARRA DE PULVERIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE DEPOSIÇÃO E DO DIÂMETRO DE GOTAS E OTIMIZAÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS NA BARRA DE PULVERIZAÇÃO ANA P. FERNANDES 1, RENATA S. PARREIRA 2, MARCELO C. FERREIRA 3, GUSTAVO N.

Leia mais

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1

PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (8002) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 457 PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO DA CALDA PRODUZIDA PELA PONTA DE PULVERIZAÇÃO DO TIPO JATO PLANO (82) EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRE BICOS 1 Spray Distribution Pattern of Flat Fan Tip (82) at Different Spacing

Leia mais

Distribuição volumétrica de calda contendo Metarhizium anisopliae

Distribuição volumétrica de calda contendo Metarhizium anisopliae Ciência Rural, Santa Maria, v.42, Distribuição n.11, p.1909-1915, volumétrica de nov, calda 2012contendo Metarhizium anisopliae. ISSN 0103-8478 1909 Distribuição volumétrica de calda contendo Metarhizium

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BICOS PARA APLICAÇÃO DE HERBICIDAS 1 DILERMANDO PERECIN, VALDEMIR A. PERESSIN 3, TOMOMASSAMATUO, BENEDITO A. BRAZ 5, LUIS C. PIO RESUMO A avaliação do desempenho de barras de

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA ENG 1120

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA ENG 1120 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA ENG 1120 EXPERIÊNCIAS Professores: NAZARENO FERREIRA DA SILVA MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI GOIÂNIA, FEVEREIRO DE 2014 HIDRÁULICA 1 a Experiência:

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1120 LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA DA SILVA FERNANDO ERNESTO UCKER GOIÂNIA, GO 2014-2 Sumário 1ª Experiência: Determinação

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO - FUNEP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL Página 1 de 5 RELATÓRIO DE ANÁLISE CARACTERIZAÇÃO DE GOTAS PRODUZIDAS POR BICO DE PULVERIZAÇÃO EM DIFERENTES

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2'

DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2' DISTRIBUIÇÃO VOLUMETRICA DOS BICOS PULVERIZADORES JD14-2' JULIO CESAR GALLI 2 e ANTONIO CARLOS DE ARRUDA 3 RESUMO - O trabalho foi realizado no Departamento de Entomologia e Nematologia da Faculdade de

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS

PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS PADRÕES DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO 11002, COM E SEM INDUÇÃO DE AR, SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS E ALTURAS FERNANDO C. BAUER 1, CARLOS G. RAETANO 2, FRANCISCO DE

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão 40ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul - Atas e Resumos 145 Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão Ewerton

Leia mais

Guia de Seleção de Bicos para Área Total

Guia de Seleção de Bicos para Área Total Guia de Seleção de Bicos para Área Total HERBICIDAS FUNGICIDAS PÓS-EMERGÊNCIA APLICAÇÃO DE SOLO em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) em pressões abaixo de 2 bar (30 PSI) Consulte a página 11 em pressões

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO 2 GASES: DETERMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR EM TEMPERATURA CONSTANTE VERIFICAÇÃO DA LEI DE BOYLE

TRABALHO PRÁTICO 2 GASES: DETERMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR EM TEMPERATURA CONSTANTE VERIFICAÇÃO DA LEI DE BOYLE TRABALHO PRÁTICO 2 GASES: DETERMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR EM TEMPERATURA CONSTANTE VERIFICAÇÃO DA LEI DE BOYLE 1. Introdução A Lei de Boyle, verificada experimentalmente,

Leia mais

CONTROLO DE MATOS COM MEIOS MECÂNICOS E QUÍMICOS. F. Santos - Prof. da UTAD

CONTROLO DE MATOS COM MEIOS MECÂNICOS E QUÍMICOS. F. Santos - Prof. da UTAD CONTROLO DE MATOS COM MEIOS MECÂNICOS E QUÍMICOS F. Santos - Prof. da UTAD Instituições participantes: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Instituto Superior de Agronomia; Instituto de Ciências

Leia mais

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017

Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS. Ribeirão Preto / Maio-2017 Weber G. Valério 16º Herbishow A EVOLUÇÃO DOS HERBICIDAS Ribeirão Preto / Maio-2017 Fatores que interferem na eficiência das aplicações e consequentemente na eficácia dos resultados (controle e seletividade)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOIS DIFUSORES DE SÓLIDOS EM AERONAVE AGRÍCOLA IPANEMA EVALUATION OF TWO SOLIDS DIFUSORS IN AGRICULTURAL AIRCRAFT IPANEMA

AVALIAÇÃO DE DOIS DIFUSORES DE SÓLIDOS EM AERONAVE AGRÍCOLA IPANEMA EVALUATION OF TWO SOLIDS DIFUSORS IN AGRICULTURAL AIRCRAFT IPANEMA AVALIAÇÃO DE DOIS DIFUSORES DE SÓLIDOS EM AERONAVE AGRÍCOLA IPANEMA SCHRÖDER, E. P. 1, ECHENIQUE, M. M. de 2 RESUMO - No Rio Grande do Sul, a cultura do arroz irrigado emprega a aviação agrícola para a

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2

Proposta: CORREDORES VERDES EM FERREIRA DO ALENTEJO - Espaço adjacente à EN 2 1 ESTALEIRO 1.1. Execução de montagem e desmontagem de estaleiro, adequado à natureza dos trabalhos a executar e à dimensão da obra, incluindo reposição de pavimentos e solo, fornecimento, montagem e desmontagem

Leia mais

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA:

EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: EGR 1003 MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Monitora Guidiane Moro - Exercícios 1 EXERCÍCIOS SEMEADOR/ADUBADORA: 1 Um agricultor deseja cultivar 500 ha. Sabe-se que a densidade de semeadura recomendada é

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA III Aula 01 Fluxo no Solo Introdução Eng. Civil Augusto Romanini (FACET

Leia mais

Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To.

Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To. Determinação da Curva-Chave da Vazão do Rio Manoel Alves Grande, Goiatins-To. BARBOSA 1, Guilherme Silva; IOST 2, Caroline; SCHIESSL 3, Maikon Adão; FEITOSA 4, Thaiana Brunes. RESUMO No planejamento e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE PULVERIZADORES CENTRÍFUGOS DE JACTO TRANSPORTADO NA CULTURA DA VINHA INTRODUÇÃO Reduzir o débito a aplicar nos tratamentos da cultura da vinha, sem por em causa a sua eficácia, é um dos principais

Leia mais

DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO.

DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO. DIFERENTES PROGRAMAS DE MANEJO DE PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA (Zea mays L.), NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO. Marco Aurélio de Oliveira Fagotti 1, Luiz Francisco Weber

Leia mais

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO?

O QUE É UMA PULVERIZAÇÃO? TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso.

Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Destruição Química da Soqueira do Algodão no Mato Grosso. Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de herbicidas

Leia mais

Calibração Pulverizador de barras

Calibração Pulverizador de barras Calibração Pulverizador de barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto.

Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. Evidence 700WG Proteção eficáz para seu eucalipto. TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO APLICADA A SILVICULTURA Eng. Agr. Paulo Coutinho INTRODUÇÃO APLICAÇOES NA SILVICULTURA: DESSECAÇAO DE PREPARO DE ÁREA E DE MANUTENÇÃO

Leia mais

MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO

MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO PROJETO ELABORADO

Leia mais

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná

Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Ocorrência de grilos em plantios de eucalipto no Paraná Leonardo R. Barbosa leonardo@cnpf.embrapa.br 10 Novembro 2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF - Manejo de Pragas e Doenças Florestais - Região Subtropical

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados Margens de Estabilidade Introdução Margens de Fase e de Ganho Exemplos Problemas Propostos 1 Margens de Estabilidade Definições: Diz-se que um sistema LTI é absolutamente estável se todas as raízes da

Leia mais

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412/0413 ary@ibb.unesp.br

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural

Evapotranspiração cultural. Coeficiente cultural Evapotranspiração cultural Coeficiente cultural Metodologia da FAO para a determinação dos consumos hídricos das culturas A resistência aerodinâmica varia com as condições climáticas e a rugosidade da

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition

Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Efeito de pontas de pulverização na deposição da calda no feijoeiro Effect of spray nozzles on bean plants deposition Matheus Arthur Góes Lôbo Farias¹*; Neli Cristina Belmiro dos Santos 2 ; Rafael Simões

Leia mais

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO 10611 CNPNS 2000 ex. 2 FL- 10611 a ISSN 0101-5605 r' Ministério da Agricultura eflaabastecimento Número 21, Dezembro12000 EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO Paulo

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Engenharia Ambiental Física II Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Andrea Garcia Daniele Golçalves Isabella Perri Maria Luiza Campanari Melissa Pegoraro Sorocaba Abril/2014

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Prática : Elementos de Hidroestática e Hidrodinâmica: Princípio de Arquimedes e Equação de Bernoulli OBJETIVOS -. Determinação experimental do

Leia mais

Relatório de Física: 1º Relatório Experimental Dilatação Térmica Linear Prof: Bruno Garcia Bonfim

Relatório de Física: 1º Relatório Experimental Dilatação Térmica Linear Prof: Bruno Garcia Bonfim Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Turma: M22 Engenharia Mecânica Relatório de Física: 1º Relatório

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

Implantação e Manejo Florestal

Implantação e Manejo Florestal 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Implantação e Manejo Florestal Eng o. João Carlos T. Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental de Itatinga Outubro/2008

Leia mais

CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS

CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS CURVA DE CRESCIMENTO DE FRANGOS DE CORTE E SUÍNOS Caroline Finger Stresser 1 ; Ana Carolina Gadotti 2 ; Morgana Scheller 3 1 Aluno 2ª série do Curso de Agroecologia do Instituto Federal Catarinense - Campus

Leia mais

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants

Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Determinação da Tensão Superficial de Soluções com Adjuvantes Surface Tension Solutions Determination by Adjuvants Maurício Gomes Azevedo*¹; Pedro Hideki Omoto 1 ; Evandro Pereira Prado 2, Rafael Simões

Leia mais

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão

Vasos de Pressão. Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Vasos de Pressão Desenvolvimento do projeto e da construção dos vasos de pressão Etapas do Projeto e Construção Gestão de Projetos Etapas sugeridas, na sequência: Definição dos dados gerais de projeto

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 3 (1): 1-, 1 UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO VOLUMÉTRICA DE PONTAS DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO DUPLO COM INDUÇÃO DE AR 1 João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha e Renato Adriane

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013.

CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 2012/2013. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 2012/2013. CANA-DE-AÇÚCAR: ANÁLISE BIOMÉTRICA DE CULTIVARES, ANO AGRÍCOLA 202/203. SUGARCANE: CULTIVARS BIOMETRIC ANALYSIS, CROP SEASON 202/203. Maiara Paula de Oliveira () Kaio César Ragghianti (2) Bruno Fernandes

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d João Paulo Chaves Couto 1, Antônio Ramos Cavalcante 1, Neilon Duarte da Silva 1, Tatyana Keyty de Souza Borges 2 Resumo: A uniformidade de aplicação

Leia mais

Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com bico de energia centrífuga 1

Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com bico de energia centrífuga 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.11, n.1, p.49-61, jan./abr. 2012 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Controle de Ipomoea hederifolia com baixo volume de calda com e sem adjuvante aplicada com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Nome: unesp DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Turma: Conservação da Massa e Quantidade de Movimento 1 - OBJETIVO Os principais objetivos desta aula prática é aplicar as equações

Leia mais

1 de 5 21/10/2010 14:28 Pré-visualização do trabalho Código do trabalho 68 CRESCIMENTO DA GRAMA BERMUDA (CYNODON DACTYLON) SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO LEONARDO DE ANDRADE MOREIRA 1 ANTONIO CARLOS

Leia mais

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas.

Palavras-chaves: uniformidade de distribuição, ângulo e espectro de gotas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DE PONTA DE PULVERIZAÇÃO DE JATO PLANO COM INDUÇÃO DE AR JOSUÉ GOMES DELMOND 1, ELTON FIALHO DOS REIS 2 1 Engenheiro Agrícola, Graduando, UEG/Anápolis GO, Bolsista do CNPQ Brasil.

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS

CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS Maurício Kunz 1, Gilberto Loguercio Collares 2 Dalvan José Reinert 3, José Miguel Reichert 3, Douglas Rodrigo iser 4 Introdução A Reflectometria

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Eng. agrôn., M.Sc., Embrapa Acre, Rodovia BR 364, km 14, Caixa Postal 321, CEP , Rio Branco, AC,

Eng. agrôn., M.Sc., Embrapa Acre, Rodovia BR 364, km 14, Caixa Postal 321, CEP , Rio Branco, AC, 165 ISSN 0100-8668 Julho, 2005 Rio Branco, AC Estimativa do Percentual de Casca e do Fator de Forma em Povoamentos Jovens de Teca (Tectona grandis L.f.) Evandro Orfanó Figueiredo 1 José Roberto Soares

Leia mais

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados Darcy Ramalho de Mello darcy@cepel.br José Antonio

Leia mais

ESTUDO DA VARIAÇÃO DO CRESCIMENTO DA CORTIÇA NA DIRECÇÃO AXIAL E TANGENCIAL

ESTUDO DA VARIAÇÃO DO CRESCIMENTO DA CORTIÇA NA DIRECÇÃO AXIAL E TANGENCIAL ESTUDO DA VARIAÇÃO DO CRESCIMENTO DA CORTIÇA NA DIRECÇÃO AXIAL E TANGENCIAL OFÉLIA ANJOS, MARTA MARGARIDO Unidade Departamental de Silvicultura e Recursos Naturais, Escola Superior Agrária, Quinta da Senhora

Leia mais

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de

Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Experiência 6 - Perda de Carga Distribuída ao Longo de Tubulações Prof. Vicente Luiz Scalon 1181 - Lab. Mecânica dos Fluidos Objetivo: Medida de perdas de carga linear ao longo de tubos lisos e rugosos.

Leia mais

LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES

LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES PONTIFÍCIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTES EXPERIÊNCIAS PROFESSORES : MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI 1 1 a Experiência: Determinação da massa específica, densidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO Morais Carneiro dos Reis (1) ; Gustavo Ferreira de Sousa (1) ; Maila Adriely Silva (1) ; Júlia Camargos da Costa

Leia mais

MANUAL DE DESIGN. The Irrigation Innovators

MANUAL DE DESIGN. The Irrigation Innovators MANUAL DE DESIGN The Irrigation Innovators MP Rotator Definir o Padrão da Eficácia da Água Elevada Uniformidade Os fluxos com técnica de precisão proporcionam uma excelente cobertura e grande resistência

Leia mais

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Estimação parâmetros e teste de hipóteses Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Intervalo de confiança para média É um intervalo em que haja probabilidade do verdadeiro valor desconhecido do parâmetro

Leia mais

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP

L U M I N U M MANUAL TÉCNICO. Francisco Ceará Barbosa, Campo dos Amarais - Campinas - SP L U M I N U M MANUAL TÉCNICO Francisco Ceará Barbosa, 859 - Campo dos Amarais - Campinas - SP - 1.08-00 fibralit.com.br - PABX: 19 16 000 - DDG: 0800 701 0809 - luminum@fibralit.com.br PROPRIEDADES DOS

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR 05/09/ CONSIDERAÇÕES GERAIS. 1.2 Premissas (princípios)

DIAGNOSE FOLIAR 05/09/ CONSIDERAÇÕES GERAIS. 1.2 Premissas (princípios) 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS Nutrição Mineral de Plantas DIAGNOSE FOLIAR Josinaldo Lopes Araujo 2011.2 Diagnose foliar: Consiste na determinação dos teores foliares para compará-los com padrão. Análises das

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO Gabriel Augusto do Livramento¹, Gustavo Henrique Barramansa

Leia mais

Lista Teste de hipóteses

Lista Teste de hipóteses Lista Teste de hipóteses 01) Realizou-se uma pesquisa para comprar dois locais, Itajaí e Araranguá, quanto à produção de arroz irrigado, em t/ha, na safra 19881989. Dez progênies foram utilizadas nos dois

Leia mais

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas GC / GCD - A ou Arquitetural GC da TROPICAL combina com os ambientes mais sofisticados, devido ao seu desenho de linhas suaves. Pode ser fornecida em peças separadas, ou em módulos para formação de linha

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 5

Química Geral Experimental - Aula 5 Química Geral Experimental - Aula 5 Título da Prática: Construção e calibração do densímetro. Objetivos: Construir e utilizar um densímetro de baixo custo; Determinar a densidade de líquidos puros e soluções;

Leia mais

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas

GRELHAS.pdf 1 05/09/11 09:53 C M Y CM MY CY CMY K Grelhas SV/SH - GRELHA DE SIMPLES DEFLEXÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SH - Aletas Horizontais de Deflexão SV - Aletas Verticais de Deflexão. SV SH As aletas de deflexão são de perfis de 20 alumínio extrudado espaçadas

Leia mais

Relatório da Prática nº5 Molas

Relatório da Prática nº5 Molas UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Campus Maracanã Engenharia Turma 3 Professor: Eduardo Relatório da Prática nº5 Molas 1º PERÍODO CAROLINA TRINDADE RUFINO DOS SANTOS DIEGO HUTTER SOBREIRA CATALÃO

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng.Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo do arroz representa

Leia mais

GASES: DETEMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR À TEMPERATURA CONSTANTE (LEI DE BOYLE)

GASES: DETEMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR À TEMPERATURA CONSTANTE (LEI DE BOYLE) GASES: DETEMINAÇÃO DA RELAÇÃO DO VOLUME COM A PRESSÃO DE UMA AMOSTRA DE AR À TEMPERATURA CONSTANTE (LEI DE BOYLE) 1. Introdução 1.1) Lei de Boyle: à temperatura constante, o volume ocupado por uma determinada

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN.

CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN. CONTROLE DA BROCA DO CAFÉ UTILIZANDO DPX- HGW86 10% OD E DPX-HGW86 20% SC EM COMPARAÇÃO AO PADRÃO ENDOSSULFAN. SANTINATO, R. Engenheiro Agrônomo, MAPA/Procafé, Campinas SP.; SILVA, V.A. Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Alberto Cargnelutti Filho 1 Cláudia Burin 2 Marcos Toebe 3 André Luis Fick 2 Giovani Facco 4 1 - Introdução O nabo forrageiro (Raphanus

Leia mais

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água

500ml de defensivo para cada 5 Litros de água PULVERIZADORES Pulverizador Manual à Pilhas Pulverizador manual à Pilhas (UBV) O pulverizador PULVIMAT é ideal para a aplicação de produtos fito sanitários especialmente herbicida, com o método U.B.V.

Leia mais

Comunicado 95 Técnico

Comunicado 95 Técnico Comunicado 95 Técnico ISSN 188-682 Julho, 9 Bento Gonçalves, RS Efeito da irrigação por microaspersão nas condições microclimáticas de vinhedos Marco Antônio Fonseca Conceição 1 Introdução Em regiões tropicais

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO 1) INTRODUÇÃO A maioria dos gases reais mostra um comportamento aproximado ao de um gás ideal, especialmente se a pressão

Leia mais

5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo

5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo 5.6 Aplicação do tratamento químico no solo As figuras a seguir, mostram uma seqüência de ilustrações de aplicação do tratamento químico no solo Figura 5.5 Tratamento do solo tipo trincheira Figura 5.6

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ

CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Agronomia CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO EM PULVERIZAÇÃO HIDROPNEUMÁTICA NA CULTURA DO CAFÉ João Eduardo

Leia mais

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1

Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.10, n.3, p.266-276, set./dez. 2011 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Controle de Euphorbia heterophylla com mesotrione e óleos para diferentes pontas de pulverização

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais