Companhia de Saneamento do Paraná Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Companhia de Saneamento do Paraná Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento"

Transcrição

1 Companhia de Saneamento do Paraná Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento MANUAL TÉCNICO DE PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS NOS VIVEIROS DA SANEPAR Curitiba 2006

2 Equipe Técnica: Eng. Florestal Maurício B. Scheer APD/DMA/SANEPAR Fone: (41) Acadêmico Fabio Cunha Estagiário Agronomia/SANEPAR Fone: (41) Eng. Agrônomo Charles Carneiro APD/DMA/SANEPAR Fone: (41) Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento - APD Gerente: Dr. Cleverson V. Andreoli Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social - DMA Diretora: Dra. Maria Arlete Rosa

3 MANUAL TÉCNICO DE PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS NOS VIVEIROS DA SANEPAR SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 INTRODUÇÃO... 2 Viveiros Regionais da SANEPAR... 3 PRODUÇÃO DE MUDAS... 3 SEMEADURA DIRETA... 3 ATIVIDADES ANTERIORES À SEMEADURA º) Limpeza e desinfecção dos tubetes e bandejas para a reutilização º) Preparação do substrato/adubação º) Enchimento dos tubetes º) Verificação da necessidade de quebra de dormência das sementes º) Semeadura... 8 *Época de semeadura... 8 *Armazenamento de sementes... 9 ETAPAS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS PLANTAS APÓS À SEMEADURA º) Fase de Germinação º) Raleamento º) Fase de crescimento º) Rustificação º) Expedição (mudas prontas para o transporte para o plantio definitivo) TRATOS CULTURAIS Irrigação Controle de pragas Proteção contra pássaros MÉTODOS AUXILIARES NA PRODUÇÃO SEMEADURA DIRETA EM SACOS PLÁSTICOS SEMEADURA INDIRETA (germinação em sementeiras) º) Preparação dos canteiros (sementeiras) º) Plantio nas Sementeiras º) Repicagem REGIÕES FLORESTAIS DO ESTADO DO PARANÁ FLORESTA ATLÂNTICA FLORESTA COM ARAUCÁRIA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA ANEXOS... 24

4 APRESENTAÇÃO 2 O Programa de Proteção de Mananciais da Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social DMA, criou no início de 2004 o Projeto Mata Ciliar, que vem conduzindo viveiros destinados à produção de mudas de árvores nativas para a restauração das florestas ciliares em mananciais utilizados pela Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR para abastecimento público. Atualmente a empresa conta com 16 viveiros em todo o estado. Além de abrigar e fornecer alimento para a fauna (aves e mamíferos silvestres, bem como para os peixes), as florestas ciliares funcionam como filtros, retendo defensivos agrícolas, poluentes e sedimentos que seriam transportados para os cursos d'água. Essas florestas minimizam o assoreamento, a erosão e a eutrofização, melhorando a qualidade do meio ambiente. A proteção e restauração das florestas ciliares atende o Código Florestal - Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, as Resoluções CONAMA nº 302 e 303, de 20 de março de 2002 que dispõem sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente (APP's). O presente manual tem a intenção de reunir de maneira clara e objetiva, informações técnicas sobre o manejo da produção de mudas em viveiros. INTRODUÇÃO Atualmente pouco se conhece sobre a produção de mudas de espécies nativas, pois os viveiros tradicionais têm sua produção voltada ao plantio de pinus e eucaliptus. Nos viveiros de produção de mudas estão concentradas as atividades de manutenção e limpeza do local, o armazenamento de insumos e ferramentas, a preparação do substrato e dos canteiros, o enchimento dos tubetes, a quebra de dormência das sementes, a semeadura, os cuidados com a germinação e o desenvolvimento das plantas, o raleamento, a repicagem, os tratos culturais como irrigação, adubação complementar, controle de pragas (detalhados a seguir), e também a geração de conhecimento sobre a produção de diferentes espécies para sua utilização em diversos fins (Figura 1). Como a re-colonização de forma natural está cada vez mais prejudicada, um fator muito importante para a restauração das áreas degradadas é a realização de plantios de mudas nativas produzidas em viveiros.

5 Viveiros Regionais da SANEPAR 3 Atualmente, os viveiros florestais da SANEPAR estão situados nos municípios de Apucarana, Cascavel, Cornélio Procópio, Pinhais, Goioerê, Itapejara do Oeste, Londrina, Paranavaí, Ponta Grossa e Siqueira Campos. Recentemente foram instalados outros 6 viveiros nos municípios de Cambará, Araucária (Barragem do Passaúna), Planalto, Palotina, Matinhos e Santo Antônio do Sudoeste, totalizando 16 viveiros. A SANEPAR ainda presta apoio técnico ao viveiro da Colonia Penal Agrícola, em Piraquara. Estrutura dos viveiros As instalações básicas dos viveiros da SANEPAR são: (1) casa de vegetação (com sombrite), para a germinação e desenvolvimento inicial das mudas; e (2) área de rustificação (área descoberta) para a fase final do preparo da muda no viveiro (Figura 2). Alguns viveiros também possuem estufas (com lona plástica), para melhorar as condições de germinação e de desenvolvimento inicial das plantas. PRODUÇÃO DE MUDAS SEMEADURA DIRETA Semeadura direta é o plantio de sementes diretamente em recipientes individuais (tubetes, sacos plásticos, etc.), sem a necessidade de sua prévia germinação em sementeiras (semeadura indireta). Os viveiros da SANEPAR operam basicamente com a utilização de tubetes de plástico. O conjunto bandeja plástica com orifícios/tubete (Figura 3) é reutilizável, de fácil manuseio, ocupa menor espaço e menor quantidade de insumos. As bandejas (com capacidade de 96 tubetes) podem ser colocadas (linhas duplas) sobre o chão ou suspensas com a parte superior a 0,9 m de altura. Recomenda-se o uso de bandejas suspensas, considerando que nesse caso os operários não necessitam se curvar ou abaixar para executar suas operações, poupando-se esforço e aumentando a eficiência da mão-de-obra. Os canteiros instalados devem possibilitar pelo menos 0,6 m de largura de passeios.

6 Figura 1 Fluxograma das atividades e etapas para a produção de mudas florestais 4

7 5 Figura 2 Instalações básicas (conjunto casa de vegetação/área de rustificação) no viveiro de Siqueira Campos Figura 3 Produção com a utilização do conjunto tubetes com bandejas plásticas ATIVIDADES ANTERIORES À SEMEADURA 1º) Limpeza e desinfecção dos tubetes e bandejas para a reutilização Para minimizar a incidência de pragas e doenças, antes da colocação do substrato, os tubetes e bandejas devem estar limpos e desinfetados. A lavagem pode ser feita em água corrente ou mergulhando em um tanque com água. Para a desinfecção, é recomendado o uso de água sanitária (2%). 2º) Preparação do substrato/adubação O substrato (mecplante) deve ser misturado com um adubo granulado de liberação lenta (osmocote). O material pode ser misturado em uma caixa de madeira (Figura 4) ou sobre uma lona plástica com o auxílio de uma enxada ou ainda com uma betoneira para melhor homogeneização (800 g de osmocote (NPK 18:9:12) para 100 kg de substrato, suficiente para 20 bandejas (1920 tubetes) = 50 g substrato + 0,4 g osmocote/tubete. Para se reduzir o uso do adubo granulado para 600 g, deve-se acrescentar 6 kg de húmus. Pode ser utilizado um pouco de solo (3 kg) na mistura. Se as mudas apresentarem sintomas de deficiência nutricional (como descoloração das folhas), dependendo do diagnóstico, podem ser realizadas adubações de cobertura durante a rustificação (preferencialmente utilizando adubos formulados NPK).

8 6 Algumas espécies como a canela sebo (Ocotea puberula), o mandiocão (Schefflera morototonii) e o pessegueiro-bravo (Prunus brasiliensis), têm melhor desempenho se for adicionado ao substrato, uma pequena quantidade (10%) de solo coletado no mesmo sítio (debaixo) das árvores mães. Figura 4 Caixa de madeira e betoneira manual para a mistura do substrato no viveiro de Itapejara do Oeste Figura 5 Estufa para a germinação 3º) Enchimento dos tubetes O enchimento dos recipientes (tubetes) pode ser manual. O substrato deve ser adensado para evitar o excesso de espaços vazios e de permeabilidade. Batidas da bandeja sobre a mesa permitem um melhor preenchimento do tubete. Essa atividade deve ser realizada sobre uma bancada ou sobre uma lona plástica para não perder material, evitando-se desperdícios. Uma pequena cova (furo) deve ser aberta no centro de cada tubete, para que possa ser realizada a semeadura. 4º) Verificação da necessidade de quebra de dormência das sementes A quebra de dormência visa restituir a umidade da semente necessária para sua germinação, principalmente para àquelas que foram submetidas à secagem para adequação do teor de umidade para seu armazenamento. Para muitas espécies não é necessária a quebra de dormência, mas esse procedimento pode acelerar o início da germinação e uniformizar a emergência das plantas (Tabela 1). Geralmente, os lotes de sementes fornecidos pelo IAP vêm com etiquetas informando um método para a quebra de dormência, quando necessária.

9 7 Tabela 1 Métodos de quebra de dormência de algumas espécies produzidas nos viveiros da SANEPAR Nome popular Espécie Quebra de Dormência* 1 Açoita-cavalo Luehea divaricata Não requer tratamento 2 Amendoim bravo Pterogyne nitens Manter as sementes em água fria por 12 horas, colocar em peneira, enxugar e semear 3 Angico branco Anandenanthera colubrina Não requer tratamento 4 Angico vermelho Anadenanthera macrocarpa Não requer tratamento 5 Araçá Psidium cattleianum Manter em água morna ou em temperatura ambiente durante 12 h, enxugar e semear 6 Araucária Araucaria angustifolia Não requer tratamento** 7 Aroeira pimenta Schinus terebinthifolius Não requer tratamento 8 Aroeira salsa Schinus molle Manter em água morna por 12 h, secar e semear 9 Bracatinga Mimosa scabrella Colocar água a 80º C sobre as sementes e deixar na água (fria) por mais de 18 h 10 Braquilho Sebastiana commersoniana não requer tratamento 11 Cabreúva Myrocarpus frondosus não requer tratamento 12 Cajamanga Spondias mombim Deixar por 24 h em água (temp. ambiente) 13 Canafistula Peltophorum dubium Colocar água fervente sobre as sementes e deixar por mais de 12 h 14 Canela Nectandra cissiflora não requer tratamento 15 Canjarana Cabralea canjerana não requer tratamento 16 Capixingui Croton floridundus não requer tratamento 17 Caroba Jacaranda micrantha não requer tratamento 18 Cedro rosa Cedrela fissilis não requer tratamento 19 Cereja Eugenia involucrata não requer tratamento 20 Coração de bugre Poecilanthe parviflora não requer tratamento 21 Corticeira do bahado Erythrina falcata não requer tratamento 22 Embaúba Cecropia hololeuca Não requer tratamento 23 Farinha Seca Albizia hasslerii Manter em água fria por 12 h 24 Guabiroba Campomanesia xanthocarpa Não requer tratamento 25 Guaretá Astronium graveolens não requer tratamento 26 Gurucaia Parapiptadenia rigida não requer tratamento 27 Ingá Inga sp não requer tratamento 28 Ingá cipó Inga sp não requer tratamento 29 Inga gigante Inga sp não requer tratamento 30 Ipê Tabebuia impetiginosa não requer tratamento 31 Ipê amarelo Tabebuia crysotricha não requer tratamento 32 Ipê roxo Tabebuia heptaphylla não requer tratamento 33 Jatobá Hymenaea courbaril Imersão em água fria por 24 h 34 Louro branco Bastardiopsis densiflora não requer tratamento 35 Louro pardo Cordia trichotoma não requer tratamento 36 Maricá Mimosa bimucronata Imersão em água a 80º C e deixar por 18 h 37 Mutambo Guazuma ulmifolia Imersão em água a 80º C por 1 minuto 38 Palmito juçara Euterpe edulis Colocar as sementes em uma caixa c/ areia durante um mês e depois semeá-las 39 Pau d alho Gallesia integrifolia Não requer tratamento 40 Pau gaiola/jacataúva Citharexylum myrianthum Imersão em água por 12 h 41 Peroba rosa Aspidosperma polyneuron Não requer tratamento 42 Pessegueiro-bravo Prunus brasiliensis Não requer tratamento

10 43 Pinho-bravo Podocaupus lambertiii Imersão em água por 12 h 44 Pitanga Eugenia uniflora não requer tratamento 45 Sapuva Machaerium stipitatum não requer tratamento 46 Sete Capote Britoa guazumaefolia Imersão em água por 12 h 47 Siipiruna Caesalpinea peltophoroides Imersão em água por 12 h 48 Tarumã preto Vitex megapotamica não requer tratamento 49 Timbaúva/Timburi Enterolobium contortisiliquum Ferver água e colocar sobre as sementes e deixar por 12 h *adaptado de Martins et al. (2004) 8 5º) Semeadura As sementes nas covas dos tubetes devem ser cobertas pelo substrato de forma a estarem a uma profundidade que as protejam da forte incidência do sol, permitindo uma adequada absorção de umidade para a germinação, mas que ao mesmo tempo o peso do substrato não dificulte a emergência das plântulas. A profundidade ideal está entre o dobro e o triplo da espessura da semente, geralmente < que 3 mm para sementes pequenas como as de quaresmeira, entre 0,3 e 1,0 cm para sementes médias como as de aroeira e entre 1 e 3 cm para sementes grandes como as de araucária (ponta da semente, posição horizontal a levemente inclinada). Recomenda-se uma profundidade que também proteja as sementes do impacto das gotas de água sobre o substrato. Recomenda-se semear 2 sementes por recipiente, geralmente quando a porcentagem de germinação do lote for menor que 80%. Após esse procedimento, as bandejas com os tubetes semeados devem ser transportadas para a casa de vegetação (sombrite) ou para a estufa manualmente ou através de carretas adaptadas. Plaquetas com informações a respeito das espécies e das datas das semeaduras devem ser colocadas para a identificação de cada lote. *É importante que os viveiristas e os responsáveis locais tenham o controle da produção dos viveiros. As espécies com baixa % de germinação podem ser semeadas em canteiros (sementeiras) e posteriormente devem ser repicadas (transplantadas) para os tubetes (semeadura indireta). *Época de semeadura

11 9 A melhor época de semeadura é com alguns meses de antecedência à época chuvosa (primavera e verão), de preferência no outono ou inverno, para que haja tempo para o desenvolvimento e rustificação das mudas para o plantio definitivo durante a época favorável (de setembro a fevereiro). Quando a semeadura é feita na época chuvosa, deve se tomar cuidado com o excesso de umidade, pois aumentam-se os riscos de incidência de patógenos, dificultando a germinação e desenvolvimento das plântulas. No entanto, sempre que houver espaço para na estufa ou na casa de vegetação, deve-se fazer a semeadura. *Armazenamento de sementes Recomenda-se que as sementes sejam solicitadas à Coordenação Regional do IAP mais próxima ao viveiro. A solicitação deve ser programada com antecedência de forma que o recebimento seja no dia mais próximo da semeadura (quando os tubetes já estiverem preparados para receber as sementes). Quanto maior o tempo de armazenamento das sementes, menor sua % de germinação. É recomendável se informar com o fornecedor qual o melhor método de armazenamento para cada tipo de semente adquirida. Geralmente as sementes da maioria das espécies podem ser armazenadas na geladeira. A APD (Assessoria de Pesquisa e Desenvolvimento/DMA/SANEPAR) se prontifica na orientação da escolha das espécies a serem adquiridas de acordo com as necessidades e demandas da empresa. ETAPAS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS PLANTAS APÓS À SEMEADURA 1º) Fase de Germinação As sementes devem estar em estufas ou em casa de vegetação (sombrite 50%) até a germinação (geralmente entre 1 e 3 semanas). A partir dessa etapa, se as plantas forem muito sensíveis, o sombrite da casa de vegetação pode ser recolhido lateralmente pela manhã e re-colocado novamente à tarde por 15 dias, até a aclimatação a pleno sol. As plantas que necessitam de sombra durante seu desenvolvimento (umbrófilas) devem estar cobertas por sombrites durante o todo ciclo no viveiro.

12 2º) Raleamento 10 Quando germinarem mais de uma semente em um mesmo tubete, o raleamento pode ser feito quando as plantas estiverem com 2 pares de follhas (com ± 5 cm de altura ou 30 dias após a germinação). Deve-se deixar apenas uma planta por tubete de preferência a mais desenvolvida e centralizada. As plantas restantes podem ser arrancadas, cortadas, ou até repicadas para outros tubetes (se estiverem em boas condições), desde que o substrato esteja úmido para facilitar a operação e não prejudicar as raízes. Se houver disponibilidade de mão-de-obra, para melhorar o desempenho das mudas através da competição, estas podem ser colocadas em uma mesma bandeja por classes de tamanho. 3º) Fase de crescimento Após o raleamento (5 cm), as mudas devem ser aclimatadas gradativamente à luz direta do sol, através da retirada do sombrite durante o dia evitando-se os horários mais quentes (11:00 às 15:00 horas). Com cerca de 10 cm de altura as plantas (mais de 60 dias após a germinação), exceto as umbrófilas (plantas que necessitam de sombra), já podem ficar a pleno sol (pode ser em parte da área de rustificação), mas ainda com os mesmos tratamentos de irrigação anteriores. Se as mudas foram produzidas em estufas, essas devem esperar cinco dias após o desbaste antes de ficarem expostas a pleno sol. Quando as plantas estiverem com aproximadamente 15 cm de altura (mais de 90 dias após a germinação), já podem ser submetidas à rustificação. 4º) Rustificação Para a rustificação, as plantas devem estar definitivamente em canteiro externo (área de rustificação, Figuras 6 e 7). Nessa etapa, as mudas estão quase prontas para o plantio, necessitando apenas um período de aclimatação, no qual ocorre uma simulação das possíveis dificuldades ambientais que encontrarão quando definitivamente plantadas em campo. Para isso durante aproximadamente 45 dias, deve ser reduzida a irrigação e a adubação complementar (se houver). Em regiões com riscos de geadas ou chuva de granizo, sugere-se que os canteiros de rustificação tenham também sombrites para a proteção (principalmente noturna) desses eventos ocasionais.

13 11 É recomendável que na área de rustificação haja menos sombra possível. Por isso são necessários cuidados com a distância dos quebra-ventos (árvores no entorno do viveiro) e com a poda dos mesmos. 5º) Expedição (mudas prontas para o transporte para o plantio definitivo) Com mais de 4 meses, a maioria das mudas está pronta para a expedição (saída para o plantio em campo). Normalmente é feito um descarte das mudas muito fracas e um re-encanteiramento das ainda em desenvolvimento. As mudas são retiradas dos tubetes e então embaladas na forma de rocambole (Figuras 8 e 9) para facilitar o transporte e ocupar menor espaço, em grupo de 50 mudas. Após este procedimento, o plantio definitivo das mudas deve ocorrer o quanto antes, no máximo em 15 dias. Na ocasião do plantio e das primeiras semanas deve-se fazer a irrigação. Figura 6 Área de rustificação Figura 7 Área de rustificação Figura 8 Mudas rustificadas para a confecção de rocambole para facilitar o transporte e para a disponibilização dos tubetes Figura 9 Rocambole de mudas pronto para o transporte para a área de plantio

14 12 TRATOS CULTURAIS Irrigação A irrigação varia conforme a região do viveiro, as características do substrato, as condições meteorológicas e a época do ano. A quantidade de regas também deve ser adaptada com a experiência do viveirista local e com as condições meteorológicas que são muito variáveis. A irrigação por microaspersores durante o verão pode ser feita de uma a duas vezes ao dia por 20 minutos cada (se não chover) ou 3 a 4 vezes de 10 minutos. No inverno 2 vezes de 10 minutos. Um litro para cada 100 mudas (mais ou menos 1 bandeja). Alguns técnicos recomendam um consumo diário médio de 7 a 10 ml por tubete. O tempo de irrigação pode ser calculado para cada viveiro dependendo da pressão de seus aspersores que influencia no cálculo do volume de água gasto. Até a germinação o regime de regas deve ser freqüente e leve. Após esse período, as regas devem ser abundantes, porém espaçadas, para permitir que o (solo) substrato seque um pouco nos intervalos, para incentivar o crescimento das raízes atrás dos nutrientes da água do substrato. O excesso de irrigações pode ser mais prejudicial do que uma pequena deficiência, pois isso cria uma menor circulação de ar, provocando morte por afogamento ou a lavagem dos nutrientes, favorece a incidência de pragas e a ocorrência de tombamento das mudas, além de criar mudas com raízes pouco desenvolvidas. Controle de pragas A lavagem e desinfecção dos tubetes são muito importantes para a não proliferação de fungos patogênicos. A retirada de ervas invasoras deve ser manual e principalmente durante a fase de germinação. Deve ser feita após a irrigação. O principal fator de incidência de fungos, principalmente apodrecedores, é o excesso de umidade e também o calor, principalmente durante o verão. A falta de luminosidade também diminui o vigor das mudas, aumentando a predisposição à doenças. Algumas medidas preventivas à incidência de doenças são: priorizar sementes de alta qualidade de germinação e vigor, semear na estação adequada (antes da estação quente e chuvosa) e utilizar substrato de boa qualidade.

15 13 Para evitar que uma infestação (fungos, insetos..) se espalhe devem ser tomadas as seguintes medidas: diminuir a intensidade de irrigação; remoção das mudas afetadas; verificar deficiências na drenagem do viveiro; reduzir a adubação nitrogenada (qdo utilizada); reduzir a densidade de plantas por unidade de área; controle químico de remediação, caso necessário e com orientação técnica; controle químico preventivo quinzenal logo após a germinação para evitar o tombamento; usar repelentes ou inseticidas. *Em caso de dúvidas entrar em contato com a equipe técnica da APD/DMA/SANEPAR Proteção contra pássaros Caso haja prejuízos às plantas, causados pela predação por pássaros, recomendase cobrir os canteiros expostos com uma tela (com malha reutilizável) que não permita a entrada desses animais. MÉTODOS AUXILIARES NA PRODUÇÃO SEMEADURA DIRETA EM SACOS PLÁSTICOS Em alguns casos pode ser utilizado o plantio em sacos plásticos (20 cm de altura por 7 de diâmetro). Para produzir mudas maiores normalmente usa-se embalagens de aproximadamente 30 x 25 cm. SEMEADURA INDIRETA (germinação em sementeiras) 1º) Preparação dos canteiros (sementeiras)

16 14 Quando determinada espécie tem dificuldade de germinação ou apresenta germinação irregular ou se tem poucas sementes e se deseja maximizar a produção, recomenda-se técnica de repicagem. Essa técnica normalmente inicia-se com o plantio em sementeiras (canteiros ou em bandejões com substrato, Figura 10). O preparo do substrato da sementeira, como o solo de floresta natural, deve conter matéria orgânica. Geralmente é utilizado esterco (galinha ou de gado) ou torta de filtro proveniente de canade-açúcar, na proporção de 2/3 de solo e 1/3 de matéria orgânica. Pode ser usada também a mistura de solo com 1/4 de substrato comercial. No caso de utilizar bandejões (menor capacidade) pode ser utilizado o mesmo substrato dos tubetes e ainda deixar na casa de vegetação ou estufa. Alguns viveiros utilizam apenas areia como substrato (recomenda-se misturar com um pouco de terra preta). A repicagem para os tubetes ou sacos plásticos deve ser feita quando as plantas estiverem com 2 pares de follhas (com menos de 5 cm de altura). 2º) Plantio nas Sementeiras A semeadura é realizada manualmente com aproximadamente 10 cm de espaçamento. Uma camada fina de substrato deve cobrir as sementes. Para a proteção inicial das sementes durante a germinação e durante dias quentes o canteiro deve ser coberto com sombrite 50%. Figura 10 Sementeiras (canteiros) para espécies de difícil germinação Figura 11 Repicagem para tubetes

17 15 3º) Repicagem A repicagem consiste no transplante das plântulas (mudas com 2 pares de folhas) para os recipientes individuais (Figura 11). No caso de tubetes, esta técnica é pouco recomendada, salvo para sementes de difícil germinação (< 40%) e que aceitem bem a técnica de repicagem. Esse processo deve ser feito em dias úmidos. Logo após a repicagem as mudas devem estar cobertas por sombrite 50% pelo menos por 15 dias.

18 16 REGIÕES FLORESTAIS DO ESTADO DO PARANÁ Para auxiliar na escolha das espécies florestais para a produção nos viveiros e para o plantio na região adequada é necessário conhecer os principais tipos de floresta no Paraná. O Estado do Paraná pode ser dividido em 3 grandes regiões fitogeográficas (tipos de vegetação): A Floresta Atlântica (Floresta Ombrófila Densa), na qual sua área de ocorrência natural ocupa a região leste do Paraná, basicamente o litoral, a Serra do Mar e o Vale do Ribeira; a Floresta com Araucária (Floresta Ombrófila Mista), que ocupa o centro e sul do Estado, abrangendo o primeiro e segundo planaltos paranaenses e a Floresta Estacional Semidecidual, que ocupa o norte e o oeste do estado, predominando sobre o terceiro planalto paranaense. Dentro e entre cada um desses ecossistemas existem outros em menores proporções, como áreas com cerrado e as regiões com campos naturais, transições (ecótonos), e formações, dependendo das diversas condições ambientais, tais como influências do clima, do relevo e do solo (Figura 12). Paranavaí Cambará Cornélio Procópio Apucarana Londrina Siqueira Campos Palotina Goioerê Cascavel Ponta Grossa Pinhais Planalto Araucária Matinhos St. Antônio do Sudoeste Itapejara do Oeste

19 17 Figura 12 - Localização dos viveiros da SANEPAR (áreas em vermelho) e distribuição dos tipos de vegetação mais representativos do Estado do Paraná. Nas tabelas abaixo, estão listadas as principais espécies arbóreas e arbustivas ocorrentes nas três principais regiões florestais do Estado do Paraná. FLORESTA ATLÂNTICA PRINCIPAIS ESPÉCIES ARBÓREAS E ARBUSTIVAS DA SERRA DO MAR E DA PLANÍCIE LITORÂNEA DO ESTADO DO PARANÁ material cedido por: Franklin Galvão/UFPR Yoshiko Saito Kuniyoshi/UFPR Carlos Vellozo Roderjan/UFPR N o FAMÍLIA NOME CIENTÍFICO NOME COMUM FP FOD A B C 1 ANACARDIACEAE Schinus terebinthifolius Aroeira 1,3 2 ANACARDIACEAE Tapirira guianensis Cupiúva 1 3 ANNONACEAE Annona glabra Ariticum-da-várzea 3 4 ANNONACEAE Guatteria sp. Ariticum 1 5 ANNONACEAE Rollinia sp. Ariticum 6 ANNONACEAE Xylopia brasiliensis Pindaíba 1 7 APOCYNACEAE Aspidosperma olivaceum Guatambu 8 AQUIFOLIACEAE Ilex dumosa Congonha 1 9 AQUIFOLIACEAE Ilex kleinii Caúna 10 AQUIFOLIACEAE Ilex theezans Caúna 1 11 ARALIACEAE Schefflera angustifolia Mandiocão-folha-miúda 12 ARALIACEAE Schefflera morototoni Mandiocão 13 ARECACEAE Astrocaryum aculeatissimum Brejaúva 14 ARECACEAE Attalea dubia Indaiá 1 15 ARECACEAE Bactris lindmaniana Tucum 1 16 ARECACEAE Euterpe edulis Palmito 1,3 17 ARECACEAE Geonoma elegans Palheiro 3 18 ARECACEAE Geonoma gamiova Guaricana 19 ARECACEAE Syagrus romanzoffiana Jerivá 3 20 ASTERACEAE Vernonanthura puberula Cambará 21 ASTERACEAE Symphyopapus casarettoi Vassoura-do-campo 1 22 BIGNONIACEAE Jacaranda puberula Caroba 1 23 BIGNONIACEAE Tabebuia alba Ipê-amarelo 24 BIGNONIACEAE Tabebuia cassinoides Caxeta 3 25 BIGNONIACEAE Tabebuia catarinensis Ipê-da-serra 26 BIGNONIACEAE Tabebuia umbellata Ipê -da-várzea 3 27 BOMBACACEAE Pseudobombax grandiflorum Embirussu 28 BOMBACACEAE Spiroteca passifloroides Figueira-mata-pau 29 BURSERACEAE Protium kleinii Almesca 30 CAESALPINIACEAE Copaifera trapezifolia Pau-óleo 31 CAESALPINIACEAE Platymiscium floribundum Jacarandá-piranga 32 CAESALPINIACEAE Schizolobium parahyba Guapuruvu 33 CAESALPINIACEAE Senna multijuga Aleluia-amarela 34 CANELLACEAE Capsicodendron dinisii Pimenteira 35 CARICACEAE Jaracatia dodecaphylla Jaracatiá 36 CECROPIACEAE Cecropia glaziovii Embaúva 1,3 37 CECROPIACEAE Cecropia pachystachya Embaúva-branca 1,3 38 CECROPIACEAE Coussapoa schottii Figueira-mata-pau 3 39 CHLORANTHACEAE Hedyosmum brasiliense Erva-cidreira 1,3 40 CLETHRACEAE Clethra scabra Carne-de-vaca 1 41 CLUSIACEAE Callophyllum brasiliense Guanandi 1,3 42 CLUSIACEAE Clusia criuva Mangue-do-mato 1,3

20 18 43 CLUSIACEAE Garcinia gardneriana Bacupari 44 CELASTRACEAE Maytenus alaternoides Espinheira-santa 1,3 45 COMBRETACEAE Laguncularia racemosa Mangue-branco 2 46 CUNONIACEAE Weinmannia paulliniifolia Gramimunha 1 47 ELAEOCARPACEAE Sloanea guianensis Laranjeira-do-mato 48 ELAEOCARPACEAE Sloanea lasiocoma Sapopema 49 ERICACEAE Gaylussacia brasiliensis Camarinha 1 50 EUPHORBIACEAE Alchornea glandulosa Tapiá -guaçu 51 EUPHORBIACEAE Alchornea sidifolia Tanheiro 52 EUPHORBIACEAE Alchornea triplinervia Tapiá 53 EUPHORBIACEAE Aparisthmium cordatum Pau-de-facho 1 54 EUPHORBIACEAE Croton celtidifolius Sangueiro 55 EUPHORBIACEAE Hyeronima alchorneoides Licurana 56 EUPHORBIACEAE Pera glabrata Tabocuva 57 EUPHORBIACEAE Sapium glandulatum Leiteiro 58 FABACEAE Andira anthelmiinthica Jacarandá-lombriga 1 59 FABACEAE Dalbergia ecastophyllum Uvira 1,2,3 60 FABACEAE Erythrina speciosa Suinã 3 61 FABACEAE Machaerium hatschbachii Angico-espinho 62 FABACEAE Pterocarpus violaceus Pau-sangue 63 FLACOURTIACEAE Casearia sylvestris Cafezeiro-do-mato 64 HUMIRIACEAE Vantanea compacta Guaraparim 65 LAURACEAE Cryptocarya aschersoniana Canela-utinga 66 LAURACEAE Cryptocarya moschata Canela-fogo 67 LAURACEAE Nectandra lanceolata Canela-branca 68 LAURACEAE Nectandra pichurim Canela-ferrugem 69 LAURACEAE Nectandra rigida Canela-amarela 70 LAURACEAE Ocotea catharinensis Canela-preta 71 LAURACEAE Ocotea pretiosa Canela-sassafrás 72 LAURACEAE Ocotea puberula Canela-guaicá 73 LAURACEAE Ocotea pulchella Canela-lajeana 1 74 LECYTHIDACEAE Cariniana estrellensis Estopeira 75 MAGNOLIACEAE Talauma ovata Baguaçu 76 MALPIGHIACEAE Byrsonima ligustrifolia Murici 1,3 77 MALVACEAE Hibiscus pernambucensis Algodão-da-praia 1,2,3 78 MELASTOMATACEAE Miconia cabucu Pixiricão 79 MELASTOMATACEAE Miconia cinnamomifolia Jacatirão-açu 80 MELASTOMATACEAE Tibouchina pulchra Jacatirão 81 MELASTOMATACEAE Tibouchina sellowiana Quaresmeira 82 MELIACEAE Cabralea canjerana Canjerana 83 MELIACEAE Cedrela fissilis Cedro 84 MELIACEAE Guarea macrophylla Catiguá 1,3 85 MIMOSACEAE Inga marginata Ingá-feijão 86 MIMOSACEAE Inga sessilis Ingá-macaco 87 MIMOSACEAE Mimosa bimucronata Maricá 3 88 MIMOSACEAE Piptadenia gonoacantha Pau-jacaré 89 MIMOSACEAE Abarema langsdorffii Timbuva 1 90 MIMOSACEAE Pseudopiptadenia warmingii Caovi 91 MORACEAE Ficus spp. Figueira 92 MYRISTICACEAE Virola bicuhyba Bocuva 93 MYRSINACEAE Myrsine coriacea Capororoca 1 94 MYRSINACEAE Myrsine umbellata Caporocão 1 95 MYRTACEAE Campomanesia sp. Guabirova 96 MYRTACEAE Eugenia multicostata Pau-alazão 97 MYRTACEAE Gomidesia schaueriana Rapa-guela 1,3 98 MYRTACEAE Marlierea obscura Jaguapiricica 3 99 MYRTACEAE Marlierea tomentosa Guapurunga MYRTACEAE Myrcia insularis Jaguapiroca MYRTACEAE Psidium cattleianum Araçá 1,3 102 NYCTAGINACEAE Guapira opposita Maria-mole 1,3 103 PHYTOLACCACEAE Phytolacca dioica Ceboleiro 104 PODOCARPACEAE Podocarpus sellowii Pinheiro-bravo 1

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Rafael Dudeque Zenni 1,2 ; Joachim Graf Neto¹; Leandro Ângelo 3 O presente estudo foi realizado em

Leia mais

Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica

Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica 1 S. C. Müller, NeoTropical, E. D. Forneck, UFRGS, L. Hahn, NeoTropical, L. F. Câmara, NeoTropical

Leia mais

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Termo de Referência Contratação de Empresa para Fornecimento de Mudas de Espécies Arbóreas Nativas GUA GRL 900.TR-164/R1

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU LEI Nº 669/2012. SUMULA: Disciplina o plantio, replantio, a poda, supressão e o uso adequado e planejado da arborização urbana e estabelece outras providencias. A Câmara Municipal de Guaraniaçu, Estado

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ).

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). Daniela Aparecida Estevan, Renata Baldo, Patrícia Tiemi de Paula Leite, Gabriela da Mota Ferreira

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná

Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná Fonte: Sociedade Chauá (http://www.chaua.org.br/fatlantica) Nome Popular cupiúba araticum-do-brejo embira envira-preta

Leia mais

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA PROCESSO HISTÓRICO 20 anos de RAD Processo Histórico Anos 80...

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO.

LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO. LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO. MELLO, Anderson Rodrigues Engenheiro Florestal Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal Garça - SP. JUNIOR, Edgard

Leia mais

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica André Nave - BIOFLORA Ricardo Rodrigues - LERF Esalq/USP Pedro H. Brancalion - LASTROP Esalq/USP Desmatamento da Amazônia Ano 1994 de 2000

Leia mais

Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR)

Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR) Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR) Structural analysis and spatial distribution in an Araucaria Forest remaining, Guarapuava (PR) Resumo

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento: UHE Foz do Rio Claro Foz do Rio Claro Energia SA Execução: Consiliu Meio Ambiente & Projetos

Leia mais

LEVANTAMENTO DA ESTRUTURA VERTICAL DE UMA MATA DE ARAUCÃRIA DO PRIMEIRO PLANALTO PARANAENSE RESUMO

LEVANTAMENTO DA ESTRUTURA VERTICAL DE UMA MATA DE ARAUCÃRIA DO PRIMEIRO PLANALTO PARANAENSE RESUMO LEVANTAMENTO DA ESTRUTURA VERTICAL DE UMA MATA DE ARAUCÃRIA DO PRIMEIRO PLANALTO PARANAENSE Veda Maria M. de Oliveira * Emílio Rotta * RESUMO Um levantamento fitossociológico por amostragem foi conduzido

Leia mais

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia Árvores do campus São Roque Levantamento das espécies de arvores nativas e exóticas existente no Instituto Federal São Paulo (IFSP) no campus São Roque. As espécies abaixo estão dividas por áreas: Área

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE CONSERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL - CRA Gerência de Unidades de Conservação - GUC Gerência de Reflorestamento - GRF Gerência de Manutenção - GMA

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO. C Não é necessário ser uma muda de árvore, pode-se adotar uma já existente na calçada em frente a sua casa.

TERMO DE COOPERAÇÃO. C Não é necessário ser uma muda de árvore, pode-se adotar uma já existente na calçada em frente a sua casa. ADOTE UMA ÁRVORE TERMO DE COOPERAÇÃO Declaro que li o texto abaixo e concordo com os termos do mesmo, visando à adoção de uma árvore (muda), localizada conforme formulário em anexo: A Pelo período de um

Leia mais

Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br

Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br Faça seu pedido pelo contato: Telefone: (51) 3524-8872 E-mail: viveiro@scheid.com.br Site: www.scheid-viveiro.com.br Árvores Nativas Nome Popular Nome Científico Características Açoita Cavalo Luehea divaricata

Leia mais

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO E LANTIO DE MUDAS DE ESÉCIES FLORESTAIS MEIO AMBIENTE ARESENTAÇÃO Este manual foi desenvolvido como ferramenta destinada aos profissionais e aos interessados em realizar plantios

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Fazenda Experimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC

Fazenda Experimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC s Fazenda Eperimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC 3.6. CARACTERIZAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL Sumário 3.6 Caracterização da Cobertura Vegetal... 3.6-3 3.6.1 Equipe Responsável...

Leia mais

Guia de espécies. Carlos Augusto Kriech, Leandro Casanova e Miriam Prochnow. Revisão: João de Deus Medeiros e Lucia Sevegnani

Guia de espécies. Carlos Augusto Kriech, Leandro Casanova e Miriam Prochnow. Revisão: João de Deus Medeiros e Lucia Sevegnani Guia de espécies Carlos Augusto Kriech, Leandro Casanova e Miriam Prochnow. Revisão: João de Deus Medeiros e Lucia Sevegnani Atualização nomenclatural em conformidade com Missouri Botanical Garden s VAST

Leia mais

Anexo I. 1 Introdução

Anexo I. 1 Introdução Anexo I Modelo para Elaboração de Projeto de Recuperação de Danos decorrentes da Infração ou Recuperação de Áreas Degradadas para fins de Conversão de Multa (Art. 140, I e II do Decreto nº. 6.514 de 22

Leia mais

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área 4 3 5 Abio Pouteria caimito Sapotaceae

Leia mais

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE

DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESPERTE! PARA A VIDA E PARA O VERDE Letícia Mônica Garcia 1 ; Lindce Ariani Herrera 1 ; Danilo Spessato de Souza

Leia mais

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC Nas últimas décadas, na maior parte do mundo, populações migraram das áreas rurais

Leia mais

Vegetação Arbórea do Passeio Público

Vegetação Arbórea do Passeio Público 129 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Dezembro, 2004 Vegetação Arbórea do Passeio Público Fonte: Comec 2000 Emilio Rotta 1 Ivan Crespo Silva 2 Luciene Soares Vicentini 3 O Passeio Público da cidade de Curitiba,

Leia mais

Passeio 1: Espécies de Árvores Raras

Passeio 1: Espécies de Árvores Raras Passeio 1: Espécies de Árvores Raras É um passeio de 9 300 m de distância horizontal e de 340 m de subidas, o que equivale a um total de aprox. 13 km de caminhada horizontal. Conte com 3 horas de caminhada

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Termo de Referência IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Novembro de 2012 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC)

Leia mais

ESTUDO DA REGENERAÇÃO NATURAL, BANCO DE SEMENTES E CHUVA DE SEMENTES NA RESERVA GENÉTICA FLORESTAL DE CAÇADOR, SC

ESTUDO DA REGENERAÇÃO NATURAL, BANCO DE SEMENTES E CHUVA DE SEMENTES NA RESERVA GENÉTICA FLORESTAL DE CAÇADOR, SC Ciência Florestal, Santa Maria, v.6, n.1, p.27-38 27 ISSN 0103-9954 ESTUDO DA REGENERAÇÃO NATURAL, BANCO DE SEMENTES E CHUVA DE SEMENTES NA RESERVA GENÉTICA FLORESTAL DE CAÇADOR, SC STUDY ON NATURAL REGENERATION,

Leia mais

Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica. Alexandre Falanga Colombo

Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica. Alexandre Falanga Colombo Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica Alexandre Falanga Colombo Mata Atlântica Histórico do desmatamento 500 anos de ocupação - Do total de 1.300.000 km

Leia mais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais Técnicas de revegetação de áreas degradadas Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais As atividades de recuperação tem por finalidade permitir que ocorra o processo de sucessão área que está sendo trabalhada,

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

Palavra Chave: Recuperação de Áreas Degradadas, Manejo da Entrelinha de Plantio, Projeto Mata Ciliar

Palavra Chave: Recuperação de Áreas Degradadas, Manejo da Entrelinha de Plantio, Projeto Mata Ciliar Estudo do Manejo da Entrelinha de Plantio de um Reflorestamento de Mata Ciliar na Microbacia do Santo Antonio Jaú/SP A. M; Souza, A. Robaioli, A. S. Vieira Instituto Pró-Terra - Rua Rangel Pestana, n 961

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1

SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1 SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1 TOSO, Lucas Donato 2 ; REDIN, Cristina Gouvêa 3 ; BEULCH, Lien da Silveira 3 ; PIOVESAN, Gabriel 2 ;

Leia mais

Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema

Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema ISSN 1415-9112 Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema INTRODUÇÃO Grandes extensões territoriais

Leia mais

ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ

ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ Floristic and structural analysis of the tree component of a Subtropical

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 1 2 EMPRENDEDOR... 1 3 EMPREENDIMENTO... 2 4 PROGRAMAS AMBIENTAIS... 4

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 1 2 EMPRENDEDOR... 1 3 EMPREENDIMENTO... 2 4 PROGRAMAS AMBIENTAIS... 4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 1 2 EMPRENDEDOR... 1 3 EMPREENDIMENTO... 2 4 PROGRAMAS AMBIENTAIS... 4 4.1 PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL... 4 4.1.1 Introdução... 4 4.1.2 Objetivos... 4 4.1.3 Metodologia... 4

Leia mais

PROPOSTA DE REVEGETAÇÃO DA ENCOSTA DO MORRO DA CRUZ ITAJAI SC

PROPOSTA DE REVEGETAÇÃO DA ENCOSTA DO MORRO DA CRUZ ITAJAI SC 1 Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar - CTTMar Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência e Tecnologia Ambiental Disciplina: Estudos de Caso em Ciência e Tecnologia Ambiental PROPOSTA

Leia mais

Estágios de regeneração de sub-bosque em reflorestamentos de Araucária na FLONA do. Assunguí - PR

Estágios de regeneração de sub-bosque em reflorestamentos de Araucária na FLONA do. Assunguí - PR Estágios de regeneração de sub-bosque em reflorestamentos de Araucária na FLONA do Assunguí - PR Regeneration under Araucaria Forest at FLONA Assunguí - PR Tiaro Katu Pereiraª*, Rosemeri Segecin Moro.

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NA REGIÃO DE SANTA MARIA, RS.

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NA REGIÃO DE SANTA MARIA, RS. 109 ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NA REGIÃO DE SANTA MARIA, RS. PHYTOSOCIOLOGICAL STRUCTURE OF THE DECIDUAL SEASONAL FOREST IN THE REGION OF SANTA MARIA,RS. José Antônio

Leia mais

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Mart.& Zucc. N. popular: Açoita-cavalo,A çoita-cavalo-miúdo Síndrome de dispersão: Anemocórica Família:TILIACEAE Espécie:Luehea grandiflora Mart. N. popular:açoita-cavalo,

Leia mais

RESERVA FLORESTAL LEGAL NO PARANÁ, ALTERNATIVAS DE RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

RESERVA FLORESTAL LEGAL NO PARANÁ, ALTERNATIVAS DE RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL RESERVA FLORESTAL LEGAL NO PARANÁ, ALTERNATIVAS DE RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL Blum, C. T. 1 ; Oliveira, R. de F. 2 1 Eng. Florestal, com Especialização em Gestão e Engenharia Ambiental UFPR &

Leia mais

Palavras-Chave: Reposição florestal; preservação permanente; bacia hidrográfica.

Palavras-Chave: Reposição florestal; preservação permanente; bacia hidrográfica. Reposição florestal na bacia hidrográfica do Rio Una: a experiência da UNITAU Carlos Moure Cicero¹ Celso de Souza Catelani² Marcelo dos Santos Targa² Getulio Teixeira Batista² Nelson Wellausen Dias² ¹

Leia mais

Paraná. Os estados da Mata Atântica

Paraná. Os estados da Mata Atântica Paraná 58 Araucária, árvore símbolo do Paraná Oficialmente o Paraná possui hoje uma extensão de 199.729 km 2, dos quais 84,7%, ou 169.197 km 2, estavam originalmente cobertos pela Mata Atlântica. O restante

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

11.2. MEIO BIÓTICO. 11.2.1. Vegetação. 11.2.1.1. Introdução

11.2. MEIO BIÓTICO. 11.2.1. Vegetação. 11.2.1.1. Introdução 11.2. MEIO BIÓTICO 11.2.1. Vegetação 11.2.1.1. Introdução Os estados do Paraná e de São Paulo tinham originalmente cerca de 80% de sua área recoberta por formações florestais (MAACK, 1981, FUNDAÇÃO S.O.S.

Leia mais

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Experiências com Reflorestamentos Antigos: Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Giselda Durigan Instituto Florestal de São Paulo Floresta Estadual de Assis e-mail: giselda@femanet.com.br

Leia mais

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano X - Volume 20 Número

Leia mais

Jefferson Ferreira Lima

Jefferson Ferreira Lima Jefferson Ferreira Lima PONTAL DO PARANAPANEMA Mato Grosso do Sul 400.000 hactares de terras devolutas; 102 assentamentos; 6.000 famílias de produtores assentados; Renda media de US$ 130,00/familia/mês;

Leia mais

Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil

Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil Revta brasil. Bot., São Paulo, V.20, n.1, p.67-77, jun. 1997 Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil GLEIN MONTEIRO ARAÚJO 1, ANTÔNIO

Leia mais

para Arborização Urbana MAIO de 2015

para Arborização Urbana MAIO de 2015 Produção de Mudas de Alta Qualidade para Arborização Urbana ARAÇUAÍ MG MAIO de 2015 Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte Sérgio André de Souza Oliveira Engenheiro Agrônomo, Fundação Zoo-Botânica de

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais Levantamento de Espécies Medicinais Arbóreas no Campus da Unicentro, Irati-PR Eduardo Adenesky Filho, Franklin Galvão, Daniel Saueressig e Thiago Elmor Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais ESPÉCIES LENHOSAS ALTERNATIVAS PARA FINS ECONÔMICOS NO PARANÁ

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais ESPÉCIES LENHOSAS ALTERNATIVAS PARA FINS ECONÔMICOS NO PARANÁ ESPÉCIES LENHOSAS ALTERNATIVAS PARA FINS ECONÔMICOS NO PARANÁ Antonio Aparecido Carpanezzi, Edinelson José Maciel Neves, Ananda Virgínia de Aguiar, Valderês Aparecida de Sousa Introdução Embrapa Florestas

Leia mais

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA

MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA 1 Governo Municipal da Cidade de Embu das Artes Secretaria de Meio Ambiente Tel../Fax: (11) 4785-3694 meioambiente@embu.sp.gov.br MANUAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA 1. INTRODUÇÃO Com a vinda do homem do campo

Leia mais

SUGESTÕES DE ALTERAÇÕES E INCLUSÕES REFERENTES AO PROJETO DE LEI N 029/2008

SUGESTÕES DE ALTERAÇÕES E INCLUSÕES REFERENTES AO PROJETO DE LEI N 029/2008 1/7 SUGESTÕES DE ALTERAÇÕES E INCLUSÕES REFERENTES AO PROJETO DE LEI N 029/2008 Introdução As árvores são responsáveis pela qualidade estética e de bem estar numa cidade, passando a constituir um problema

Leia mais

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Lucas Cardoso Marinho & Filipe Ribeiro Sá Martins Lucas C. Marinho [lcmarinho@gmail.com] # 452 version

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Manual de recuperação de nascentes

Secretaria do Meio Ambiente. Manual de recuperação de nascentes Secretaria do Meio Ambiente Manual de recuperação de nascentes PREFEITO Anderson Adauto SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE Ricardo Lima Manual de Recuperação de Nascentes Prefeitura Municipal de Uberaba Secretaria

Leia mais

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS

1º FÓRUM PAULISTA DE AGROECOLOGIA INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS INOVAÇÃO E EMPODERAMENTO NA EXTENSÃO RURAL PARA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO EM ASSENTAMENTOS RURAIS COSTA JUNIOR, Edgar Alves da¹; LEITE, Eliana Cardoso¹; RODRIGUES, Fátima Conceição Marques Piña¹; GONÇALVES¹,

Leia mais

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias Floresta Equatorial: Floresta Amazônica Floresta Ombrófila: Mata Atlântica Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias FLORESTA EQUATORIAL: FLORESTA AMAZÔNICA Floresta equatorial: floresta de baixa

Leia mais

O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com. Às leis deve ser dada a maior divulgação possível.

O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com. Às leis deve ser dada a maior divulgação possível. O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com Às leis deve ser dada a maior divulgação possível. O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE PINHAIS, PARANÁ-BRASIL

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE PINHAIS, PARANÁ-BRASIL LEVANTAMENTO FLORÍSTICO E ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE PINHAIS, PARANÁ-BRASIL Celso Darci Seger*, Fernando Luis Dlugosz*, Gilberto

Leia mais

Fotos de Plantas Incluídas no Herbário

Fotos de Plantas Incluídas no Herbário Fotos de Plantas Incluídas no Herbário Familia: Acanthaceae Barleria cristata Imagem (Maria do Carmo M. Iannaccone) Eranthemum nervosum Imagem (Maria do Carmo M. Iannaccone) Thunbergia erecta Imagem (Sylvia

Leia mais

Catálogo de pólen da Mata Atlântica. Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS

Catálogo de pólen da Mata Atlântica. Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS Catálogo de pólen da Mata Atlântica Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS 1 Catálogo de pólen da Mata Atlântica Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS Edição: Caroline Ribeiro

Leia mais

DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS 2ª EDIÇÃO MEIO AMBIENTE Apresentação O Programa de Reflorestamento da Cidade do Rio de Janeiro, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente,

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez

Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez Se hoje você não estranha a crueza Dos lagos sem peixe, da rua vazia Te peço desculpas, me abraça meu filho Não

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 143-151 143 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 143-151 143 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 143-151 143 ISSN 0103-9954 ANÁLISE DA REGENERAÇÃO NATURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS EM MATAS CILIARES DE ACORDO COM A DISTÂNCIA DA MARGEM DO LAGO ANALYSIS OF

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS

CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 251-260, abr.-jun., 2011 ISSN 0103-9954 CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS 251 CHARACTERIZATION OF THE VEGETATION

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Abril de 2011 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas no

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL ZÜRICH DORF CNPJ: 09.429.543/0001-01 Marcos Mori Engenheiro Agrônomo CREA/SP 5061317180 1 LAUDO TÉCNICO 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Em atenção à Notificação

Leia mais

Projeto Raízes. Reflorestamento do Parque Estadual da Pedra Branca Morro dos Caboclos, Morro do Carapiá e Morro do Santo André, Rio de Janeiro, RJ.

Projeto Raízes. Reflorestamento do Parque Estadual da Pedra Branca Morro dos Caboclos, Morro do Carapiá e Morro do Santo André, Rio de Janeiro, RJ. ThyssenKruppCompanhiaSiderúrgicadoAtlântico ProjetoRaízes ReflorestamentodoParqueEstadualdaPedraBranca MorrodosCaboclos,MorrodoCarapiáeMorrodoSantoAndré, RiodeJaneiro,RJ. PrimeiroRelatórioTrimestral FaseImplantação

Leia mais

Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes

Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes Fatores Externos (ambientais) que Influenciam na Germinação de Sementes Fonte: IPEF Saraia Marco Longo Nassif / Doutorado - UFSCar (Depto Botânica) Israel Gomes Vieira / Coordenador do Setor de Sementes

Leia mais

Recebido para publicação em 26/04/2005 e aceito em 16/11/2005.

Recebido para publicação em 26/04/2005 e aceito em 16/11/2005. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 2, p. 113-125 113 ISSN 0103-9954 CLASSIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ESTÁGIOS SUCESSIONAIS EM REMANESCENTES DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA NA FLONA DE SÃO FRANCISCO

Leia mais

Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília

Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília Alchornea triplinervea (Spreng) M. Arg.-Euphorbiaceae (Tamanqueiro, Tapiá): Árvore de madeira mole e leve, facilmente atacada por cupins,

Leia mais

Manual de Arborização Urbana

Manual de Arborização Urbana Foto: Fábio Vieira Manual de Arborização Urbana Especie: Paineira Ceiba speciosa Local: Praça Antônio Nader Gopouva Guarulhos/SP Secretaria de Meio Ambiente SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 02 GUARULHOS... 03 PROGRAMA

Leia mais

Métodos de restauração de APP e RL

Métodos de restauração de APP e RL Métodos de restauração de APP e RL Diagnóstico ambiental: exame minucioso da área a ser recuperada e de seu entorno imediato, bem como de seu histórico e de todos os outros fatores que possam interferir

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRAÇADO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA ATRAVÉS DA CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA

PLANEJAMENTO DO TRAÇADO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA ATRAVÉS DA CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA PLANEJAMENTO DO TRAÇADO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA ATRAVÉS DA CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICA RESUMO Joema Carvalho Roberto Bóçon O presente trabalho foi realizado em uma área sob a concessão do Hotel Tropical

Leia mais

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Mariana Izabel de Oliveira LUPPINO 1 Marina CARBONI 2 Resumo Diante da relevância das atividades de restauração

Leia mais

Proteção e recomposição de nascentes

Proteção e recomposição de nascentes Proteção e recomposição de nascentes PROTEÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE NASCENTES Em diversas propriedades rurais, as nascentes vêm diminuindo suas vazões ou, em muitos casos, até secando. Os córregos, rios e

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

RESUMO ABSTRACT IDENTIFY NECESSARY CHANGES

RESUMO ABSTRACT IDENTIFY NECESSARY CHANGES 28 Florestar Estatístico ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES RECUPERAÇÃO FLORESTAL COM ESPÉCIES NATIVAS NO ESTADO DE SÃO PAULO: PESQUISAS APONTAM MUDANÇAS NECESSÁRIAS * / FOREST RECOVERY WITH NATIVE SPECIES IN

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1

ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1 ARBORIZAÇÃO URBANA EM UM BAIRRO DE SANTA MARIA, RS 1 NEUHAUS, Mauricio 2 ; GIRARDI, Leonita Beatriz 2 ; SCHWAB, Natalia Teixeira 3 ; BACKES, Fernanda Alice Antonello Londero 4 ; BELLÉ, Rogério Antônio

Leia mais

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Pedro Brancalion Estrutura Restrições para a restauração florestal Demandas pela produção de madeira nativa Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Modelos de restauração voltados para

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

Variação nos Teores de Carbono Orgânico em Espécies Arbóreas da Floresta Ombrófila Mista

Variação nos Teores de Carbono Orgânico em Espécies Arbóreas da Floresta Ombrófila Mista Floresta e Ambiente 2011 jul./set.; 18(3):248-258 doi 10.4322/floram.2011.045 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo de Pesquisa Variação nos Teores de Carbono Orgânico em Espécies Arbóreas

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS. Hyhago Ramão Stuelp Rohr¹. Curitibanos SC Fevereiro, 2013.

ARBORIZAÇÃO URBANA COM ESPÉCIES NATIVAS. Hyhago Ramão Stuelp Rohr¹. Curitibanos SC Fevereiro, 2013. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Universitário de Curitibanos Curso de Ciências Rurais Rod. Municipal Ulisses Gaboardi, km 3 CEP 89.520-000 Curitibanos Santa Catarina ARBORIZAÇÃO URBANA COM

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul¹

Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul¹ Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis-RS 5 Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul¹ Recebido em 19.IV.2007. Aceito em 20.X.2008 Martin Grings² & Paulo Brack² 1 Parte

Leia mais

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO FLORESTAL Rua do Horto, 931 -CEP 02377-000 Horto Florestal - São Paulo, Brasil - Fone: (011) 6231-8555 - Fax (011) 6232-5767 nuinfo@iflorest.sp.gov.br Avaliação Integrada

Leia mais

RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE

RELATÓRIO QMSSRS PROJETO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO MONTE DC-S-1/2011 1/27 PROJETO DO VIVEIRO FLORESTAL UHE BELO REV. DATA HISTÓRICO ELABORADO VERIFICADO APROVADO 18/12/2012 Emissão inicial Coordenador de Meio Ambiente - PRAD Gerência de Meio Ambiente Gerência

Leia mais