Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO"

Transcrição

1 PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área Abio Pouteria caimito Sapotaceae Aldrago Pterocarpus violaceus Leg. Papilionoideae Amora-branca (??) Angico branco Anadenanthera colubrina Leg. Mimosoideae /4 3 Aroeira-Salsa Schinus Anacardiaceae /4 3 Aroeirinha/Aroeira-Pimenta Schinus terebinthifolius Anacardiaceae Cabreuva Myroxylon peruiferum Fabaceae Cereja/Cereja-do-Rio Gde Eugenia involucrata Myrtaceae Dedaleiro / Murindiba Lafoensia paccari Lythraceae Goiaba Psidium guajava Myrtaceae Ipê-roxo Tabebuia impetiginosa Bignoniaceae Mutambo Guazuma ulmifolia Malvaceae Pata-de-vaca Bauhinia longifolia Fabaceae Pau-Cigana/Pau-Ferro (?) Caesalpinia leiostachya Fabaceae Pitanga Eugenia uniflora Myrtaceae Quaresmeira Tibouchina granulosa Melastomataceae Sombreiro Clitorea racemosa Fabaceae Sucupira Pterodon emarginatus Fabaceae TOTAL DE MUDAS Espécies longevas, grandes e mais raras s de Espécies pioneiras tardias Em Volta do Ginásio Pioneiras, ciclo mais curto Prox. Salas de Ginástica Espécies para áreas mais úmidas Prox. Cantina Frutíferas Trilha Alambrado (Portão 7) Talude (prox. Piscina) Mudas cedidas através de parceria com a Subprefeitura do Ipiranga Página - 3

2 Parceria: Rotary - CECL (Centro de Esportes, Cultura e Lazer) Google Maps: Plantio de Arvores - 17/10/2009 (Página - 4) Local do Plantio - PEFI (Rodovia dos Imigrantes KM 11.5) , &spn= , &z=18 Admin. Pred.1 Pred.2 Auditório Prédio 3 Prédio 4 Estacionamento Mata Nativa Campo de Futebol Centro Paula Souza Área 4 (Trilha) Talude Piscina Área 1 Administracao Ativ. esportivas de (Ginástica)

3 Parceria: Rotary - CECL (Centro de Esportes, Cultura e Lazer) Plantio de Arvores - 17/10/2009 (Página - 5) Local do Plantio - PEFI (Rodovia dos Imigrantes KM 11.5) Área 1 (Alambrado) de Área 2 Ginasio (Cantina) Mata Nativa de

4 PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI INSTRUÇÕES PARA PLANTIO DE MUDAS DE ÁRVORES 1) Distribuição de Mudas na Área de Plantio 2) Coveamento As covas devem ter dimensões mínimas de 40 x 40 x 40 cm. A deposição do material retirado para a abertura da cova deve ser feita sempre do lado de cota mais alta, permitindo que na ocorrência de chuvas, o material depositado ao lado da cova volte para esta. Nos locais onde há camada superficial de solo ou qualquer acúmulo de matéria orgânica deve-se separar este material do substrato retirado das partes mais profundas e proceder-se à inversão por ocasião do plantio. Ao redor de cada cova deve ser executado um coroamento, com cerca de 1,0m de diâmetro, a fim de reduzir a competição com espécies invasoras. Baseado no Projeto: PROJETO BÁSICO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL PARA O PEFI (Dr. Eduardo Catharino) Página - 6

5 PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI INSTRUÇÕES PARA PLANTIO DE MUDAS DE ÁRVORES 3) Calagem e adubação Em cada cova deve-se adicionar os seguintes fertilizantes (ou segundo indicado em análise de solo dos locais a serem revegetados): - calagem com g de calcário dolomítico por cova (aproximadamente dois meses antes do plantio); - adubação com g de adubo N-P-K micro, no plantio; e - 5 a 10 kg de composto orgânico ou esterco animal curtido e reposição do volume de terra retirado da cova. No caso de observar-se a ocorrência de sintomas de carência de nitrogênio, indica-se a aplicação de adubação nitrogenada na base de 50g por planta, a qual deverá ser realizada anualmente ou de acordo com a análise de solo a ser efetuada. 4) Instruções de manuseio das mudas As mudas devem ser retiradas do recipiente com o máximo de cuidado para não desmanchar o torrão. Deve ser colocada sobre uma porção de solo preparado e o espaço vazio preenchi-do com camadas de solo moderadamente compactadas. O colo das plantas (que separa o caule da raíz) deve ficar no nível da superfície do terreno, ficando o substrato original recoberto por uma leve camada de terra. As embalagens das mudas devem ser retiradas e recolhidas. 5) Tutoramento As mudas deverão ser amarradas a tutores de bambú, com altura livre de 2,0m, presos ao fuste por meio de um amarrilho formando um 8, conforme mostra a figura a seguir. Esses amarrilhos deverão ser repostos e/ou substituídos sempre que necessário. Colo da Muda Baseado no Projeto: PROJETO BÁSICO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL PARA O PEFI (Dr. Eduardo Catharino) Página - 7

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO Grupo de Arborização Abril 2012 - SVMA / PMSP 1. PREPARAÇÃO PARA PLANTIO DE FORRAÇÃO: 1.1. Preliminarmente, eliminar todos os detritos. 1.2. Retirar todo o mato existente, inclusive

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP RELATÓRIO DE SITUAÇÃO AMBIENTAL CONDOMÍNIO CASTANHEIRAS SOROCABA/SP Junho de 2013 1. Introdução Alere Consultoria Treinamentos e Soluções Ambientais LTDA EPP. CNPJ: 12.620.510/0001-40 Alameda Augusto Severo,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Espírito Santo PROJETO CENTRO DE TURISMO DE DOMINGOS MARTINS

SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Espírito Santo PROJETO CENTRO DE TURISMO DE DOMINGOS MARTINS SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Espírito Santo PROJETO CENTRO DE TURISMO DE DOMINGOS MARTINS MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Vitória ES Setembro de 2009 Revisão novembro

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU LEI Nº 669/2012. SUMULA: Disciplina o plantio, replantio, a poda, supressão e o uso adequado e planejado da arborização urbana e estabelece outras providencias. A Câmara Municipal de Guaraniaçu, Estado

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada Laudo Técnico Ambiental Reflorestamento de Área Degradada Local de Compensação Remanescente do Ribeirão do Lavapés Apresentação do Laudo 02/07/2012 Município Bragança Paulista Estado São Paulo Executante

Leia mais

Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos

Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos Recuperação dos Espaços e Equipamentos Públicos Os espaços públicos são compreendidos como lugares concretos que atuam como espaços de sociabilidade. Na história de Assaí observa-se, através da análise

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Termo de Referência Contratação de Empresa para Fornecimento de Mudas de Espécies Arbóreas Nativas GUA GRL 900.TR-164/R1

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL ZÜRICH DORF CNPJ: 09.429.543/0001-01 Marcos Mori Engenheiro Agrônomo CREA/SP 5061317180 1 LAUDO TÉCNICO 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Em atenção à Notificação

Leia mais

AMOSTRAGEM DE SOLO PARA AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE 1 INTRODUÇÃO

AMOSTRAGEM DE SOLO PARA AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE 1 INTRODUÇÃO ISSN 0104-9038 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392,

Leia mais

Palavra Chave: Recuperação de Áreas Degradadas, Manejo da Entrelinha de Plantio, Projeto Mata Ciliar

Palavra Chave: Recuperação de Áreas Degradadas, Manejo da Entrelinha de Plantio, Projeto Mata Ciliar Estudo do Manejo da Entrelinha de Plantio de um Reflorestamento de Mata Ciliar na Microbacia do Santo Antonio Jaú/SP A. M; Souza, A. Robaioli, A. S. Vieira Instituto Pró-Terra - Rua Rangel Pestana, n 961

Leia mais

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS EM TRÊS VIVEIROS GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Rafael Dudeque Zenni 1,2 ; Joachim Graf Neto¹; Leandro Ângelo 3 O presente estudo foi realizado em

Leia mais

para Arborização Urbana MAIO de 2015

para Arborização Urbana MAIO de 2015 Produção de Mudas de Alta Qualidade para Arborização Urbana ARAÇUAÍ MG MAIO de 2015 Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte Sérgio André de Souza Oliveira Engenheiro Agrônomo, Fundação Zoo-Botânica de

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Abril de 2011 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas no

Leia mais

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS

FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS FERTILIZANTES, ESCOLHA DE FÓRMULAS E TIPOS DE ADUBOS Absorção plantas Prof. Dilmar Baretta (UDESC/CEO) & Profa. Carolina Baretta (UDESC/CEO/UNOCHAPECÓ) Roteiro da aula: 1) Noções de fertilizantes e escolha

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO

PROJETO MUTIRÃO REFLORESTAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE CONSERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO AMBIENTAL - CRA Gerência de Unidades de Conservação - GUC Gerência de Reflorestamento - GRF Gerência de Manutenção - GMA

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO E LANTIO DE MUDAS DE ESÉCIES FLORESTAIS MEIO AMBIENTE ARESENTAÇÃO Este manual foi desenvolvido como ferramenta destinada aos profissionais e aos interessados em realizar plantios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES NATIVAS EM ÁREAS DEGRADADAS POR MINERAÇÃO DE AREIA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES NATIVAS EM ÁREAS DEGRADADAS POR MINERAÇÃO DE AREIA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL DESENVOLVIMENTO DE ESÉCIES NATIVAS EM ÁREAS DEGRADADAS OR MINERAÇÃO DE AREIA NA BACIA DO RIO ARAÍBA DO SUL Cesar-Ferreira,. ; Santos, J.S. ; asin, Liliana A.A.. Universidade do Vale do araíba/biólogo,

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE PESQUISA

NOTA TÉCNICA DE PESQUISA Desenvolvimento de espécies nativas em gradiente ambiental em Área de Preservação Permanente de rio na Caatinga (CAA15) / Avaliação de técnicas de restauração florestal na caatinga em área de mata ciliar

Leia mais

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO Coordenadora: Maria do Rosário Rodrigues B R OBJETIVO GERAL Por meio de uma avaliação integrada dos atributos do meio físico

Leia mais

Palavras-chaves: Arborização urbana, Inventário, Índices, Árvores

Palavras-chaves: Arborização urbana, Inventário, Índices, Árvores INVENTÁRIO DA ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS EM PONTA GROSSA-PARANÁ (BRASIL) Silvia Méri Carvalho (Professor Adjunto Departamento de Geociências/Programa de Pós-Graduação em Geografia- Universidade Estadual

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio 1. Apresentação: O Plante Bonito é um programa participativo de recuperação de áreas degradadas, que tem o objetivo de

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais.

MEMORIAL DESCRITIVO. OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. MEMORIAL DESCRITIVO 1 - INTRODUÇÃO OBRA: Revitalização do complexo rodoviário de acesso a Feliz-RS (RS452) TRECHO: KM 4+700 ao KM 5+940, inclusive vias laterais. O presente projeto tem por objetivo a revitalização

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREA MINERADA PELA CRM EM CANDIOTA Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Inovação Tecnológica CTEC Serviço de Tecnologias Limpas - SETL AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE REVEGETAÇÃO PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

AGROFLORESTA. Reconstruindo Paisagens Sustentáveis. Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame

AGROFLORESTA. Reconstruindo Paisagens Sustentáveis. Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame AGROFLORESTA Reconstruindo Paisagens Sustentáveis Jefferson Ferreira Lima Haroldo Borges Gomes Laury Cullen Jr. Tiago Pavan Beltrame Ministério do Meio Ambiente - PROBIO Instituto de Pesquisas Ecológicas

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

PROJETO MODELO DE REFLORESTAMENTO DAS CAPTAÇÕES DA SANEAGO

PROJETO MODELO DE REFLORESTAMENTO DAS CAPTAÇÕES DA SANEAGO NOME DO AUTOR RESUMO XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL

Leia mais

PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE

PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE PROJETO ADOTE UMA ÁRVORE A FANS Faculdade de Nova Serrana fazendo uso da sua consciência ecológica em prol da sociedade de Nova Serrana/MG vem desenvolver o Projeto intitulado de Adote uma Árvore em seu

Leia mais

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa

ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO. 1. Generalidades. 2. Definições. 3. Tipos de Grama em Placa ES MA 03 GRAMA EM PLACAS OU ENLEIVAMENTO 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos mínimos necessários para a execução do revestimento vegetal por gramas em placas ou enleivamento

Leia mais

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO

JARDINAGEM PRÁTICA TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO 50 TÉCNICAS DE PROPAGAÇÃO Uma das atividades mais prazerosas da jardinagem é a duplicação das plantas. As plantas se reproduzdem de duas maneiras - sexuada com geração de sementes e assexuada ou vegetativa,

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

Manual de Arborização Urbana

Manual de Arborização Urbana Manual de Arborização Urbana 2012 Parâmetros das mudas para plantio As mudas com porte ideal apresentam altura de 1,80m até a primeira bifurcação (sendo recomendado mínimo de 1,30m), com DAP (Diâmetro

Leia mais

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N.º 1504/98 Dispõe sobre o código de arborização do município de lagoa santa O povo do município de lagoa santa, através de seus representantes legais na câmara municipal, aprovou, e eu, prefeito municipal,

Leia mais

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia Árvores do campus São Roque Levantamento das espécies de arvores nativas e exóticas existente no Instituto Federal São Paulo (IFSP) no campus São Roque. As espécies abaixo estão dividas por áreas: Área

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO - CHESF DIRETORIA DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO - SPE DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROGRAMA DE PAISAGISMO

PROGRAMA DE PAISAGISMO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CONVÊNIO DNER/IME Projeto

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

5.12 PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DA CORTINA VEGETAL

5.12 PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DA CORTINA VEGETAL 5.12 PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DA CORTINA VEGETAL 5.12.1 Introdução e escopo A implantação de faixas de vegetação formadas por árvores e/ou arbustos de folhas perenes e copas densas, alinhados em fileiras

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO DE REVITALIZAÇÃO

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

MANUAL DE PAISAGISMO

MANUAL DE PAISAGISMO MANUAL DE PAISAGISMO 1 MANUAL DE PAISAGISMO...1 INTRODUÇÃO...2 1 DIRETRIZES BÁSICAS...3 1.1 Considerações Gerais... 3 1.2 Programa de Projeto... 3 1.3 Recomendações e Diretrizes...3 2 ELEMENTOS PAISAGÍSTICOS...4

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

Métodos de restauração de APP e RL

Métodos de restauração de APP e RL Métodos de restauração de APP e RL Diagnóstico ambiental: exame minucioso da área a ser recuperada e de seu entorno imediato, bem como de seu histórico e de todos os outros fatores que possam interferir

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

C 1. 45 minutos. Prova de Aferição de Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico 8 Páginas. Matemática/2012. PA Matemática/Cad.

C 1. 45 minutos. Prova de Aferição de Matemática. 1.º Ciclo do Ensino Básico 8 Páginas. Matemática/2012. PA Matemática/Cad. PROVA DE AFERIÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Matemática/2012 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro A PREENCHER PELO ALUNO Rubrica do Professor Aplicador Nome completo A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS: O CASO DO BAIRRO JARDIM ÁGUAS DO PAIOL, EM ARARAQUARA, SP-BRASIL

ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS: O CASO DO BAIRRO JARDIM ÁGUAS DO PAIOL, EM ARARAQUARA, SP-BRASIL ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS: O CASO DO BAIRRO JARDIM ÁGUAS DO PAIOL, EM ARARAQUARA, SP-BRASIL MIRANDA, Washington Lucas. Biólogo. Centro Universitário de Araraquara Uniara. SOSSAE, Flávia Cristina. Doutora

Leia mais

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS

MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS MANUAL PROJETO AMBIENTAL ELAS PRESERVANDO NAS ESCOLAS www.elasecomodas.com.br INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade servir como apoio para que as escolas parceiras do Projeto Ambiental Elas Preservando

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS PIBID- PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLA TANURI DISCUTINDO A SUSTENTABILIDADE DO MUNÍCIPIO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL VISCONDE DA GRAÇA

PROJETO EXECUTIVO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL VISCONDE DA GRAÇA PROJETO EXECUTIVO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL VISCONDE DA GRAÇA MEMORIAL DESCRITIVO Proprietários: CARLOS AUGUSTO DIAS DA COSTA SIMÕES LOPES E OUTROS 01. IDENTIFICAÇÃO 01.01. Título: PROJETO EXECUTIVO DO

Leia mais

Meio Ambiente, Consciência e Preservação - Clube Patrulha Ecológica

Meio Ambiente, Consciência e Preservação - Clube Patrulha Ecológica Escola de Educação Básica Cedrense São José do Cedro (SC) Meio Ambiente, Consciência e Preservação - Clube Patrulha Ecológica Categoria Educação Ambiental 1. Sobre a organização participante: Razão social:

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar

Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Redescobrindo as árvores do ambiente escolar Autor: Vinicius Freitas Klain Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul vinicius.klain@acad.pucrs.br Coautor : Mônica dos Santos Matos Pontifícia

Leia mais

NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAC -

NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAC - SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO (SISAGUA) NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAC - Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO SISTEMA DE DRENAGEM DA QUADRA DE TÊNIS DO GRANDE HOTEL CANELA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando S. Alves ABRIL 1992 Revisado JANEIRO

Leia mais

Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema

Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema ISSN 1415-9112 Viveiros Agroflorestais em assentamentos de reforma agrária como instrumentos de recuperação ambiental: um estudo de caso no Pontal do Paranapanema INTRODUÇÃO Grandes extensões territoriais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Florestas. Sua importância para nós e o planeta

Florestas. Sua importância para nós e o planeta Florestas Sua importância para nós e o planeta Introdução município de São Bernardo O do Campo está localizado na região metropolitana de São Paulo e é conhecido por abrigar grandes indústrias. O que a

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR.

ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR. ANÁLISE DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PONTA GROSSA-PR. ANALYSIS OF URBAN FORESTRY IN DOWNTOWN AREA OF PONTA GROSSA- PR. Zíngara Rocio dos Santos Eurich Universidade Estadual de Ponta Grossa

Leia mais

CADUB 2.1. Tutorial de auxílio ao usuário

CADUB 2.1. Tutorial de auxílio ao usuário UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO DE SOLOS CADUB 2.1 Tutorial de auxílio ao usuário Material elaborado por: André de Oliveira 1, Alencar Xavier 1, Bruno Zancan

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

MINERAÇÃO - RECUPERAÇÃO DE ÁREA. Modelo de termo compromisso de ajustamento de conduta

MINERAÇÃO - RECUPERAÇÃO DE ÁREA. Modelo de termo compromisso de ajustamento de conduta MINERAÇÃO - RECUPERAÇÃO DE ÁREA Modelo de termo compromisso de ajustamento de conduta TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTAMENTO DE CONDUTA: Processo Judicial n AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Licenciatura em ciências biológicas. Botânica II. Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes

Licenciatura em ciências biológicas. Botânica II. Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes Licenciatura em ciências biológicas Botânica II Mª do Carmo da Silva Souza Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes Plantas medicinais da flora Andiroba Cavalinha Anador Sapucainha Catuaba Angelicó

Leia mais

enxertia de araucária para produção de pinhão

enxertia de araucária para produção de pinhão enxertia de araucária para produção de pinhão A Araucaria angustifolia, espécie quase exclusiva do Brasil, está ameaçada de extinção, restando apenas 2 a 3% de sua área original. Neste sentido, é fundamental

Leia mais

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar O plantio de árvores nativas e frutíferas auxilia na recuperação de áreas degradadas e nascentes d'água e também contribui na produção.

Leia mais

CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA CARTILHA DE ARBORIZAÇÃO URBANA Luciano Agra // Prefeito Lígia Tavares // Secretária de Meio Ambiente Maristela Viana // Secretária Adjunta Wellintânia Freitas // Chefia de Gabinete Maria Aparecida Assis

Leia mais

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K

Manutenção de Jardim. ADUBAÇÃO com N-P-K JARDINAGEM ADUBAÇÃO com N-P-K 10.10.10 Para plantas equilibradas; 4.14.8 Para plantas com flor ou frutos; 8.8.8 Plantas pouco exigentes; 20.20.20 Para plantas de grande porte. Devemos adubar em períodos

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

LEVANTAMENTO QUALITATIVO-QUANTITATIVO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS PRESENTES EM CALÇADA E QUE FORAM SUPRIMIDOS NO MUNICÍPIO DE SALTO - SP

LEVANTAMENTO QUALITATIVO-QUANTITATIVO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS PRESENTES EM CALÇADA E QUE FORAM SUPRIMIDOS NO MUNICÍPIO DE SALTO - SP LEVANTAMENTO QUALITATIVO-QUANTITATIVO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS PRESENTES EM CALÇADA E QUE FORAM SUPRIMIDOS NO MUNICÍPIO DE SALTO - SP QUALITATIVE-QUANTITATIVE SURVEY OF ARBOREAL INDIVIDUALS PRESENTIN SUPPRESSED

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical?

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? O Brasil possui uma superfície de 470 milhões de ha de florestas nativas. Fonte: FAO 2005 Apenas 45% da cobertura florestal nativa é considerada

Leia mais