Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas"

Transcrição

1 Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011

2 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas as mudas referentes ao Programa Plante Árvore está localizada em uma região estratégica próxima a Bacia do Rio Pirapó, influenciando grande parte da região de forma positiva. A Bacia do Rio Pirapó tem sua nascente em Apucarana/PR, possui uma extensão de 168 km até sua foz no Rio Paranapanema e é de extrema importância, pois abrange 33 Municípios atingindo cerca de 950 mil habitantes. Além dos números significativos, a Bacia também destaca-se pelo destino de suas águas: consumo humano, irrigação agrícola e uso industrial. Nos últimos anos sofreu com a degradação causada pelo crescimento urbano desorganizado, poluição, rede de esgoto reduzida que agravaram a situação do local já não favorável, por não possuir mata ciliar nativa. Com isso, problemas como erosão e assoreamento apresentam crescimento. Com isto, fica clara a importância do local e a necessidade de sua conservação para o bem da comunidade e do meio ambiente a curto e longo prazo. Para isto, o IBF conta com uma área de cerca de 30 hectares em sua totalidade, capaz de receber mudas. 1

3 Tecnologia a ser empregada pela atividade do projeto de Recuperação de Área Degradada O plantio de florestas e as técnicas de gestão serão designados com base no conhecimento local construído pelas atividades de pesquisa/plantio conduzidas pela equipe do IBF através da elaboração do PROJETO TÉCNICO DE RECUPERAÇÃO. As atividades florestais incluem o preparo do local do plantio, a obtenção de mudas adequadas, plantio das mudas e a manutenção da plantação. Espera-se que as técnicas aplicadas para o reflorestamento das áreas atinjam um pegamento superior a 90% das mudas plantadas. Desenvolvimento de mudas A primeira etapa no processo é a coleta e o tratamento de sementes dos fragmentos da floresta, no bioma Mata Atlântica. As frutas de uma variedade de espécie são selecionadas manualmente e é feita uma triagem para a remoção de sementes. As sementes são tratadas para quebrar a dormência, como por exemplo, o processo de escarificação das sementes do Guapuruvu (Schizolobium parahyba), as quais são em seguida ensopadas em água por um ou dois dias. As sementes são plantadas em pequenos tubos contendo 53 cm 3 de substrato florestal próprio, composto basicamente por casca de pinus e fertilizante químico encapsulado. As bandejas que dão suportes do tubete, durante os estágios de semeadura, germinação e crescimento das mudas, podem sustentar 187 unidades. As bandejas são colocadas em canteiros de no chão forrado de uma camada de manta de ráfia e pedras, com 50% na penumbra. Esta forma de plantação garante o controle das condições de crescimento dos brotos, incluindo a irrigação completamente automatizada. Em alguns casos, quando a semente precisar de melhores cuidados a fim de processar a germinação, as sementes são plantadas no viveiro de germinação, antes de serem transplantadas para os tubetes. Preparo do Terreno A primeira ação em uma área a ser reflorestada deve ser eliminar ou controlar tudo que possa atrapalhar o trabalho. Essas iniciativas incluem o controle da erosão, a proteção da área contra o fogo (manutenção de aceiros), a retirada do gado ou o cercamento do local e a eliminação de espécies em desequilíbrio tais como braquiária, leucenas, eucaliptos, santa-barbáras, ipê-de-jardim, dentro outros. Após essa etapa, deve-se realizar o controle do mato, que pode ser feito pela capina manual ou com roçadeira, ou química com aplicação de herbicida de baixa toxidade como o glifosato. 2

4 É importante destacar que árvores ou arbustos nativos da região devem ser mantidos e tratados como se fossem mudas plantadas, ou seja, com o controle do mato ao redor dessas plantas e com a adubação de cobertura. Para o preparo das covas para o plantio das mudas de espécies nativas, as mesmas deverão ter um tamanho aproximado de 30cm x 30cm x 40cm, mantendo um coroamento de 80cm de diâmetro, e seguindo o espaçamento de 2,93 m x 2,00m, em quincônico. A seguir, serão demarcadas e construídas as covas de plantio, devendo seguir o seguinte critério para sua construção: Demarcação do local da cova. Retirada da primeira camada de solo para um dos lados (30,0cm de largura por 30,0cm de comprimento e 20,0cm de profundidade). Retirada da segunda camada de solo (subsolo) para o lado oposto (30,0cm de largura por 30,0cm de comprimento e continuar o cavamento 20,0cm aos 40,0cm de profundidade). Colocar sobre a primeira camada de solo retirada 10 litros de matéria orgânica, de preferência inerte, 100 gramas de Superfosfato Simples e 100 gramas de Calcário Dolomítico. Com enxada, misturar o composto orgânico e o fertilizante a primeira camada de solo retirada. Com a enxada, retornar o solo com os componentes misturados para o interior da cova, fechando-a. Completar, se necessário, o fechamento da cova com o solo retirado do fundo da cova. Com este mesmo solo formar coroa ao redor da cova. No centro da cova, após o assentamento das camadas, abrir coveta em tamanho adequado ao tipo de muda a ser utilizado (em tubetes ou em sacolas). Escolha de Espécies A escolha das espécies será determinada através de levantamento florístico realizados em áreas de vegetação semelhante à que anteriormente existia na área. Estes estudos possibilitam a visualização das espécies existentes nesse tipo de formação. Modelo de Plantio Num primeiro grupo, alinham-se as chamadas Pioneiras (grupo P ), espécies plenamente heliófilas, de porte médio a médio baixo, de rápido desenvolvimento, ciclo de vida curto, cuja dispersão se faz por pássaros e vento. As secundárias Iniciais e 3

5 Tardias (2º e 3º grupos) têm características intermediárias de exigências de luz, incremento e longevidade, com ciclo de vida maior que as pioneiras, mais ou menos exigentes em relação à presença de luz solar, com dispersão anemófila. Já as espécies Clímaces têm lento desenvolvimento, porte elevado quando adultas, são umbrófilas na fase inicial de desenvolvimento, longevas e com sementes pesadas, o que determina a dispersão por mamíferos (roedores) e pássaros grandes. As secundárias inicias, tardias e climáces formam o grupo D. Quanto à distribuição no campo, será adotado o modelo com uma linha de pioneiras P e outra não pioneiras (secundárias e clímaces) D, visando facilitar operações de plantio. No projeto de reflorestamento, adotamos o espaçamento de 2,93 metros por 2,0 metros, com uma densidade de aproximadamente mudas/ha. O plantio deve ser realizado preferencialmente na época chuvosa, quando não se dispõe de irrigação, que encarece o plantio. Ressaltando que a manutenção da área é tão ou mais importante que o plantio de mudas, principalmente controle periódico de competidores, que pode por em risco todo o investimento realizado no reflorestamento. Plantio O sucesso a ser alcançado com espécies nativas dependerá, em grande parte, de uma série de procedimentos básicos que deverão ser adotados durante e após o plantio, como se segue: Distribuir as mudas ao lado das covas já preparadas. Retirar cuidadosamente a muda da embalagem que a contém. Colocar a muda na coveta aberta. Efetuar o plantio calçando bem o solo ao redor da muda para evitar a formação de bolsas de ar. Se o solo se apresentar com pouca umidade, logo após o plantio efetuar irrigação com cerca de 4 litros de água. Controle de Formigas e Cupins O controle de formigas e cupins deverá ter inicio mesmo antes do preparo do solo, posto que as perdas ocasionadas por estas pragas pode inviabilizar a manutenção do stand de crescimento das plantas ou mesmo prejudicar o andamento do projeto. Formigas Podem ser considerados dois tipos de formigas, as cortadeiras (Atas) ou saúvas e as quenquém (Acromyrmex) ou raspadeiras. No caso das saúvas, o primeiro passo será localizar os formigueiros. Nas épocas secas, o combate pode ser feito pela utilização 4

6 de iscas granuladas e, nas épocas chuvosas, pela aplicação de formicida em pó, diluído ou via fog. Para as aplicações via pó, diluição ou fog, é recomendável, um dia antes do tratamento, raspar a superfície do formigueiro com enxada. No dia seguinte as formigas reabrirão o olheiro principal, no qual deverá ser feito o tratamento. O combate às formigas cortadeiras deverá ser feito mensalmente no primeiro ano, a cada dois meses no segundo ano e semestralmente nos anos seguintes. Para o caso das formigas rapadeiras, o preparo do solo já eliminará uma grande parte dos formigueiros, porém embora de difícil localização, os formigueiros remanescentes dessa pequena formiga devem ser localizados usando-se talco inerte branco, que deverá ser colocado nos carreiros encontrados, o que facilitará a descoberta do ninho uma vez que as formigas irão marcando o trajeto. Para as formigas rapadeiras, no caso do uso de iscas, moer os grânulos sem tocá-los com as mãos (em sacos plásticos, por exemplo), para que esses grânulos sejam reduzidos permitindo que as pequenas formigas os carreguem. Cupins Dois tipos de cupins podem atacar as árvores plantadas: os cupins de montículo e os cupins subterrâneos. Para o controle dos cupins de montículo pode-se destruir a construção e aplicar cupinicida diluído no interior do cupinzeiro através de um tubo. Os cupins subterrâneos são mais difíceis de controlar. Um método prático vem a ser a averiguação no entardecer, com uma lanterna, dos ninhos existentes, logo após a gradeação do terreno. Ao receber o facho de luz os cupins procuram se abrigar nos ninhos, não tendo tempo de fechar a entrada. Essa entrada deverá ser marcada e, no dia seguinte, reaberta, sendo aplicado na mesma o cupinicida diluído. Para uma proteção complementar das plantas pode-se utilizar além dos expedientes anteriormente recomendados com o uso de cupinicidas fosforados, a aplicação do cupinicida granulado a base de fipronil (Regent). Tratos Culturais Consiste nos cuidados a serem tomados após o plantio e que sempre se fazem necessários, envolvendo o combate às formigas cortadeiras, irrigação quando as condições climáticas forem desfavoráveis, capina e coroamento individual ao redor das mudas. Replantio: Por uma série de razões, poderá haver perda de algumas mudas no conjunto de plantio. Estas deverão ser repostas o mais breve possível, para evitar a desigualdade de crescimento do lote de árvores plantadas. 5

7 Manutenção: A concorrência das ervas daninhas e principalmente das gramíneas pode interferir de forma negativa no desenvolvimento das árvores plantadas. Desta forma, é recomendável não permitir o surgimento dessas espécies executando capinas no entorno das plantas toda vez que estas apresentarem desenvolvimento em direção das plantas. Fertilização: Para um bom desenvolvimento das plantas, lembrando que os solos podzolizados, especialmente os muito usados em pastagens com gramíneas e pela cultura da cana de açúcar são extremamente deficientes em fósforo, recomenda-se efetuar adubações de cobertura na seguinte ordem: Fertilizante/Fórmula Quantidade/Cova Época de Aplicação gramas 90 dias após o plantio gramas 180 dias após o plantio gramas 01 ano após o plantio Controle Fitossanitário As plantas recomendadas no plano dificilmente se verão sujeitas a ataque de doenças produzidas por fungos, bactérias ou vírus. Obs.: Para o bom andamento do reflorestamento, caso seja necessário deve ser feito a limpeza periódica (ao redor das covas) e os tratos culturais (combate a formiga, manutenção de aceiros, isolamento). 6

8 Impactos Positivos Esperados Frentes Mudanças Climáticas: Água: Solo: Micro Clima: Biodiversidade: Econômico e legal: Social: Impactos - Neutralização de CO2 - Combate ao aquecimento global - Melhoria da qualidade da água (balneabilidade e irrigação agrícola) - Aumento do fluxo (vazão) - Aumento no armazenamento dos lençóis freáticos - Equilíbrio do ciclo, evitando enchentes - Proteção da fauna aquática - redução gradativa da erosão - redução da compactação - aumento da fertilidade - infiltração e retenção da água no solo - retenção de resíduos (fertilizantes e agrotóxicos) - melhoria na ciclagem de nutrientes - melhoria nas condições de temperatura - diminuição da velocidade do vento - aumento da umidade relativa do ar - condições de alimento, abrigo e água pra a fauna silvestre - corredor natural, garantindo o deslocamento, reprodução e variabilidade gênica da região - proteção da microfauna - adequação as legislações vigentes sobre áreas de preservação - melhoria da qualidade e continuidade do abastecimento de água à população e gerações futuras - turismo ecológico - conscientização através da mobilização e da educação ambiental - difusão dos princípios agroecológicos 7

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011

RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 RELATÓRIO DE PLANTIO NEUTRALIZAÇÃO DE CARBONO 2011 PROJETO DE RECUPERAÇÃO FLORESTAL PARQUE ECOLÓGICO DO TIETÊ 1 RELATÓRIO DE PLANTIO IBDN ANO BASE 2011/2012 O Instituto Brasileiro de Defesa da Natureza

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR

CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA KFPC - PR Bansho,J.Y. 1 Carneiro, D.A. 1 Cordeiro, L. 1 RESUMO De forma genérica pode-se afirmar que não há áreas de pastagem, floresta nativas ou reflorestamentos no

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS.

ORIENTAÇÕES TÉCNICA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLE / COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS. 1. OBJETO CONSTITUI O OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE COMBATE A FORMIGAS CORTADEIRAS NAS ESTAÇÕES EXPERIMENTAIS DE ANHEMBI E ITATINGA DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN

HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO E TÉCNICAS DE APLICAÇÃO LUCIANO BICALIO FONSECA DANIEL CAMPOSILVAN INDÚSTRIAS MONSANTO S/A RUA PAES LEME, 524 05424 - SÃO PAULO-SP 1. HERBICIDA DE TRANSLOCAÇÃO O Glyphosate [N

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP

ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO. Grupo de Arborização. Abril 2012 - SVMA / PMSP ANEXO 2 MEMORIAL DE PLANTIO Grupo de Arborização Abril 2012 - SVMA / PMSP 1. PREPARAÇÃO PARA PLANTIO DE FORRAÇÃO: 1.1. Preliminarmente, eliminar todos os detritos. 1.2. Retirar todo o mato existente, inclusive

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados.

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. DELIBERAÇÃO COPAM Nº 304, DE 27 DE JULHO DE 2007. Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. O Secretário-Adjunto, no exercício do cargo de Secretário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL. ÁREA 01: Bairro Três Poços, próximo a Rodovia Paulo Erlei Alves Abrantes

TERMO DE REFERÊNCIA RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL. ÁREA 01: Bairro Três Poços, próximo a Rodovia Paulo Erlei Alves Abrantes ,í\ Estado do Rio de Janeiro WflB^ ^BHHBVOltt íf Prefeitura de fóeiqi AMBIENTE Secretaria de Meio Ambiente ^^ Prefeitura de TERMO DE REFERÊNCIA Rubrica: RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR DO RIO PARAÍBA DO SUL

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ

ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ ASPECTO GERAL PARA O CULTIVO DA ESPÉCIE FLORESTAL PARICÁ Eng.º Florestal Mauro S. Carvalho 1. Nome científico Schizolobium amazonicum 2. Local de ocorrência natural O Paricá ocorre de forma natural nas

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE PESQUISA

NOTA TÉCNICA DE PESQUISA Desenvolvimento de espécies nativas em gradiente ambiental em Área de Preservação Permanente de rio na Caatinga (CAA15) / Avaliação de técnicas de restauração florestal na caatinga em área de mata ciliar

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

www.corredordovale.org.br 1

www.corredordovale.org.br 1 MINUTA DO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE REFLORESTAMENTO CONTRATO Nº 001/2014 Que entre si celebram: 1. COMO CONTRATANTE: ASSOCIAÇÃO CORREDOR ECOLÓGICO VALE DO PARAÍBA - ACEVP, organização não governamental

Leia mais

Empresa. A missão da Tubarão Agronegócios é: Levar ao homem do campo desenvolvimento e soluções para fazer diferença no agronegócio.

Empresa. A missão da Tubarão Agronegócios é: Levar ao homem do campo desenvolvimento e soluções para fazer diferença no agronegócio. 1 Empresa A Tubarão Agronegócios é uma empresa que existe há 4 anos, atuamos na produção, comércio e distribuição de produtos agrícolas, desenvolvendo um trabalho com qualidade para o agronegócio de todo

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº 506, DE 2008: Estabelece mecanismos de participação no produto da arrecadação do ICMS gerado pela cadeia produtiva no município onde se localiza

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL

DER/PR ES-OC 15/05 OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL OBRAS COMPLEMENTARES: PROTEÇÃO VEGETAL Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase 1. Sabe-se que uma área de quatro hectares de floresta na região tropical pode conter cerca de 375 espécies de plantas, enquanto

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL

CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL CARTILHA DO FAZENDEIRO FLORESTAL 2º Edição - Revisada e Ampliada Prof. José de Castro Silva Engenheiro Florestal - Professor Adjunto Vinícius Resende de Castro Acadêmico de Engenharia Florestal Bruno Almeida

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão

07/12/2012. Localização das instalações. Localização das instalações. Localização das instalações. Trajeto do sol sobre o barracão Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Instalações Planejamento da atividade Considerações: Capacidade de investimento do produtor; Viabilidade

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Como recuperar nascentes

Como recuperar nascentes Como recuperar nascentes O passo a passo para que a água brote limpa e em quantidade na propriedade rural. O Código Florestal Brasileiro - Lei na 4.771, de 15/09/65 - determina no artigo 2 0 como Áreas

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada Laudo Técnico Ambiental Reflorestamento de Área Degradada Local de Compensação Remanescente do Ribeirão do Lavapés Apresentação do Laudo 02/07/2012 Município Bragança Paulista Estado São Paulo Executante

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio

FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio FLORESTA PARQUE ECOLOGICO RIO FORMOSO Relatório de Caracterização da Área e Plantio 1. Apresentação: O Plante Bonito é um programa participativo de recuperação de áreas degradadas, que tem o objetivo de

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Método Monitoramento PRMC Apoio : OBJETIVOS DO PROJETO ORIGINAL Identificar indicadores estruturais de sucesso de reflorestamentos para restauração

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 01/2011

EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 01/2011 EDITAL GERAL FUNDÁGUA/SEAMA N.º 0/20 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇAO DE PROJETOS PARA O FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS FUNDAGUA LINHA DE AÇÃO: AUMENTO DA OFERTA HÍDRICA, RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Associação Mico-Leão-Dourado Título do projeto: Management Plan for Eucalyptus Trees in the União Biológical Reserve Parceiros

Leia mais

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO

ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO ADUBO DE LODO DE ESGOTO DOMÉSTICO COMPOSTADO Felipe Antº N. Madureira (Julho/2010) FELIPE ANTº NASCIMENTO MADUREIRA Engenheiro Civil - UFBA Gerente da Divisão de Esgotamento Sanitário Unidade Regional

Leia mais

Restauração Ecossistêmica RPPN Fazenda Bulcão (Aimorés/MG) e Reserva Biológica de Itapina (Colatina/ES) Instituto Terra

Restauração Ecossistêmica RPPN Fazenda Bulcão (Aimorés/MG) e Reserva Biológica de Itapina (Colatina/ES) Instituto Terra Restauração Ecossistêmica RPPN Fazenda Bulcão (Aimorés/MG) e Reserva Biológica de Itapina (Colatina/ES) Instituto Terra Quem somos O Instituto Terra é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS

4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS 4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS Objetivo Geral O Programa de Manejo Florestal e de recuperação de ambientes degradados tem por objetivo promover a utilização sustentável

Leia mais

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL

NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO: CARACTERIZAÇÃO E ZONEAMENTO PARA ADEQUAÇÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NOME COMPLETO DOS COMPONENTES DA EQUIPE PROMONTÓRIO DO CABO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE NOGUEIRA PECÃ (CARYA ILLINOENSIS K.) EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO 1

AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE NOGUEIRA PECÃ (CARYA ILLINOENSIS K.) EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DE NOGUEIRA PECÃ (CARYA ILLINOENSIS K.) EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO 1 Jorge Schirmer 2, Osorio Antonio Lucchese 3, Jessica Smaniotto 4, Ana Lucia Stefanello Stella 5, Everton

Leia mais

Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira

Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira Dra. Elaine Cristine Piffer Gonçalves Pesquisadora Científica IV APTA (PRDTA Alta Mogiana) Fatores que determinam o sucesso na implantação da cultura da seringueira Numa cultura perene, temos que tomar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

Manejo de Plantas Daninhas em Mudas Pré Brotadas Carlos Daniel Berro Filho Coordenador Corporativo de Desenvolvimento Técnico

Manejo de Plantas Daninhas em Mudas Pré Brotadas Carlos Daniel Berro Filho Coordenador Corporativo de Desenvolvimento Técnico Manejo de Plantas Daninhas em Mudas Pré Brotadas Carlos Daniel Berro Filho Coordenador Corporativo de Desenvolvimento Técnico Junho, 2015 2 Unidades Núcleo de Produção de Mudas Quais as principais diferenças?

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL

IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL IRRIGAÇÃO SUBSUPERFICIAL Introdução, Sistemas e Características FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Irrigação Subsuperficial Também chamada irrigação subterrânea ou subirrigação A água é aplicada

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL ISSN 1517-4077 Amapá ~ Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento N 51, dez/2000, PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL César A. D. Teixeira 1 Arnaldo Bianchetti' 1. Introdução

Leia mais

O senso comum brasileiro sobre a água

O senso comum brasileiro sobre a água O senso comum brasileiro sobre a água As catástrofes da água vivenciadas com a crise do sistema Cantareira, com a seca da nascente do rio São Francisco e a calamidade em Itu 1, entre outras, ressaltam

Leia mais

Guarulhos (SP) - Ponto de Cultura faz passeio pelo antigo caminho do trem da Cantareira

Guarulhos (SP) - Ponto de Cultura faz passeio pelo antigo caminho do trem da Cantareira Guarulhos (SP) - Ponto de Cultura faz passeio pelo antigo caminho do trem da Cantareira Trajeto feito por ônibus fará paradas em locais históricos por Assessoria de Comunicação da AAPAH. Divulgação. No

Leia mais

PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES

PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES PARCERIAS ENTRE O DAAE E INSTITUIÇÕES DE ARARAQUARA VISANDO A RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TEMA V AUTORES Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Engenheiro Civil formado

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais