Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais"

Transcrição

1 Técnicas de revegetação de áreas degradadas Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

2 As atividades de recuperação tem por finalidade permitir que ocorra o processo de sucessão área que está sendo trabalhada, garantindo-se que todos os fatores fundamentais para que a sucessão ocorra estejam ali presentes ou sejam a ela fornecidos Dentre os fatores críticos para o desenvolvimento de uma sucessão numa área degradada, está a disponibilidade de espécies, que até bem pouco tempo, era vista apenas como o plantio de mudas de diferentes espécies no local.

3 Hoje em dia, no entanto, a percepção de que pode ainda existir na área degradada (p.ex. banco de sementes), ou no entorno delas (p.ex. dispersão), processos que podem dar origem a uma vigorosa regeneração natural, reduzindo, ou mesmo dispensando, a necessidade de se fazer plantios para se obter a restauração de uma área. (Fig.1)

4 A disponibilidade de muitas espécies de árvores em áreas de recuperação pode ser obtida através várias maneiras REBROTA de TRONCO ou de RAÍZES DISPERSÃO SEMEADURA PLANTIO de MUDAS PLANTAS JOVENS SEMENTES NO SOLO

5 Tabela 1: Ações para a Restauração da vegetação da Área Degradada 1 Isolamento da Área e Retirada dos Fatores de Degradação 3 Controle de Espécies Competidoras 4 Condução da Regeneração Natural 5 Adensamento de Espécies com Mudas ou Semente 6 Enriquecimento de Espécies com Mudas ou Sementes 7 Indução da Germinação do Banco de Sementes Autóctone 8 Introdução de Consórcios com Mudas ou Semente 9 Transferência do Banco de Sementes Alóctone 10 Introdução de Pioneiras Atrativas a Dispersores 11 Transferência da Serapilheira (Ex.: Eucalipto, etc.) 12 Transferência de Mudas (Ex.: Eucalipto, etc.) 13 Introdução de Espécies de Interesse Econômico

6 O que é preciso para esse processo de restauração ser desencadeado? Sucessão Ecológica Local disponível e adequado Disponibilidade de muitas espécies Espécies com comportamentos diferentes

7 ETAPAS PARA CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL

8 A. Isolamento e retirada dos fatores de degradação No entorno das áreas a serem recuperadas outros fatores de degradação devem ser eliminados, tais como: - descarga de águas pluviais, - processos erosivos nas áreas, - transito de pessoas, máquinas e animais, - dentre outros

9 Estabelecimento de aceiros e cinturão de proteção para evitar queimadas

10 descarga de águas pluviais Controle processos erosivos nas áreas

11 Fig. 13 e 14 Exemplos de fatores de degradação encontrados na região, fogo em fragmentos florestais e fragmento florestal sem aceiro

12 B. Eliminação seletiva ou desbaste de competidores Normalmente observam-se nas bordas de remanescentes florestais isolados e bastante degradados, a presença de extensas áreas invadidas por gramíneas, na maioria exóticas, e de verdadeiros maciços de trepadeiras recobrindo e sufocando algumas árvores, geralmente concentradas na borda A eliminação de competidores pode ser realizada através de capinas roçadas, e sempre que possível com a aplicação de herbicidas, sendo esta última a mais recomendada para áreas extensas, em função de sua eficiência e custo.

13

14

15 C. Indução e Condução da Regeneração Natural A condução da regeneração natural é um importante método de restauração da vegetação nativa, em função do: seu custo reduzido além de garantir a preservação do patrimônio genético e uma elevada diversidade de espécies no local restaurado, já que para a maioria dessas espécies não há disponibilidade de mudas

16 Condução da Regeneração Natural

17

18 Morro Restaurado sem plantio Fazenda Intermontes Enriquecimento se necessário

19 O desenvolvimento dos indivíduos de espécies vegetais nativas no processo de regeneração natural depende de diversos fatores ambientais e/ou antrópicos, como: a intensidade e a qualidade da luz a disponibilidade de água e nutrientes a presença ou não de fatores de restrição ao crescimento, como espécies competidoras ou alelopáticas, fogo, limpeza do sub-bosque, pastoreio, erosão, entre outros.

20 Na prática, a condução da regeneração natural é obtida através: controle periódico de competidores, como plantas invasoras (colonião, braquiária, entre outros) e/ou trepadeiras em desequilíbrio. Da adubação desta regeneração, decidida com base em parâmetros técnicos. A regeneração deve ser tratada como se fosse um plantio de mudas, mas com custo bem inferior, já que não foi necessário produzir a muda e realizar o plantio.

21 D. Indução do banco de sementes do local (autóctone) Considera-se banco de semente autóctone, aquele estoque de semente que existe no solo do próprio local a ser recuperado, que se quer preservar, manejar e incrementar. Determinados processos de degradação podem eliminar a floresta sem todavia destruir o potencial de germinação das espécies que estão estocadas, na forma de sementes, na camada superficial do solo. Desse modo, através de uma manejo adequado deste solo, pode-se induzir as sementes aí estocadas a germinar, diminuindo o custo da recuperação

22 Pioneiras Indução do Banco de Sementes alóctone (gradagem leve) Regeneração de capins Chuva de Sementes Banco de Sementes VEGETAÇÃO REMANESCENTE

23 No processo de sucessão florestal as espécies que compõem o banco de sementes são principalmente aquelas das fases iniciais da sucessão, que ficam no solo aguardando alguma perturbação, com conseqüente alteração das características do ambiente (luz, temperatura e umidade), para germinarem, ocuparem aquela área, promovendo a recuperação da área e a catalisação dos processos ecológicos.

24 E. Adensamento e enriquecimento de espécies com mudas Considera-se adensamento com mudas, a introdução na área a ser recuperada, de novos indivíduos das espécies pioneiras/secundárias iniciais já existentes no local e cuja densidade encontra-se abaixo do esperado em função de poucos indivíduos remanescentes na área ou de germinação espacialmente regular do banco de sementes Usado normalmente em áreas de borda ou grandes clareiras dos fragmentos em estádio inicial de sucessão, visando controlar a expansão de espécies agressivas através do sombreamento

25 1.Pastagem apresentando regeneração natural de espécies arbóreas situação inicial); 2.Plantio de adensamento com espécies de rápido crescimento no espaçamento 2x2 m visando garantir o rápido recobrimento do solo; 3.Plantio de eriquecimento utilizando espécies secundárias iniciais, secundáris tardias e climáceas, no espaçamento 6x 6m, para aumentar a diversidade de espécies na área.

26 Família Espécie Autor Nome Popular C.S. Anacardiaceae Tapirira guianensis Aubl. Peito-de-pombo Si Anacardiaceae Schinus terebentifolius Raddi. Aroeira Pimenteira P Apocynaceae Aspidosperma subincanum Mart. Guatambu-vermelho Si Apocynaceae Tabernaemontana histax Leiteiro P Caesalpinaceae Bauhinea forficata Link Pata-de-vaca P Caryocaraceae Caryocar brasiliense Camb. Pequi Si Cecropiaceae Cecropia pachystachya Trecul Embaúba P Combretaceae Terminalia argentea Mart. & Zucc. Capitão-do-campo St Fabaceae Machaerium villosum Vog. Jacarandá-paulista P Euphorbiaceae Croton floribundus Baill. Capixingui P Euphorbiaceae Croton urucurana Spreng. Sangra d água P Fabaceae Platypodium elegans Vog. Jacarandá-do-campo Si Flacourtiaceae Casearia sylvestris Sw. Guaçatonga P Lauraceae Nectandra megapotamica (Spreng.) Mez. Canelinha Si Moraceae Ficus guaranitica Schodat. Figueira P Moraceae Ficus insipida Willd. Figueira-mata-pau St Moraceae Ficus luschnathiana Miq. St Rhamnaceae Rhaminidium elaeocarpum Reiss. Saguaraji-amarelo Si Rubiaceae Genipa americana L. Jenipapo Si-St Sapotaceae Chrysophyllum gonocarpum (Mart. & Eichl.) Engl. Aguaí St Sapotaceae Chrysophyllum marginatum (Hook. et Arn.) Radlk. Maçaranduba St Tabela 01 - Lista de espécies recomendadas para plantio em bordas de mata.

27 F. Implantação de grupos de plantio A combinação das espécies em módulos ou grupos de plantio visa a implantação das espécies dos estádios finais de sucessão (secundárias tardias e clímax) conjuntamente com espécies dos estádios iniciais de sucessão (pioneiras e secundárias iniciais) compondo unidades sucessionais, resultando numa a gradual substituição de espécies dos diferentes grupos ecológicos no tempo, caracterizando o processo de sucessão.

28 Para a implantação dos módulos a lista de espécies nativas regionais são divididas em 2 grupos funcionais: grupo de preenchimento e grupo de diversidade

29

30

31 O grupo de preenchimento tem como função o rápido recobrimento da área, criando um ambiente favorável ao desenvolvimento dos indivíduos do grupo de diversidade, e ao mesmo tempo desfavorecendo o desenvolvimento de espécies competidoras como gramíneas, lianas, etc, pelo sombreamento rápido da área de recuperação. No grupo de diversidade incluem-se todas as demais espécies da região, que podem ou não possuir as características do grupo de preenchimento, mas sempre com um grande número de espécies, ou seja, poucos indivíduos de um grande número de espécies que é uma característica vital para a restauração da dinâmica florestal

32 Sem Regeneração Natural Sem Banco de Sementes Sem Chuva de Sementes Introdução de espécies mudas ou sementes APP

33 Aspecto geral da área preparada para semeadura direta Semeadura a lanço Indivíduo dejacaranda cuspidifolia Indivíduo de Jacaranda cuspidifolia 30 dias após a semeadura 120 dias de semeadura

34 Semeadura direta de espécies nativas 120 dias de semeadura

35 26 meses pós Plantio

36 Serapilheira com banco de sementes Dez 2001 Mar 2002 Set 2002

37 FEVEREIRO DE 2004

38 G. Implantação de mudas de espécies frutíferas para atração de dispersores Uma importante forma de acelerar o processo de recuperação num dado local, quando existe nas proximidades da área de recuperação um remanescente florestal, é a implantação de fontes de alimentação que atraiam animais dispersores, principalmente aves e morcegos, da floresta vizinha para a própria área de recuperação, trazendo assim sementes e propágulos de outras espécies, incrementando com isso a diversidade

39 Tabela 09 - Espécies atrativas de dispersores Família Nome Científico Nome vulgar Tipo Nativa Consumidores Anacardiaceae Anacardium spp caju-do-campo, sim cajuzinho Schinus aroeira-pimenteira frutos sim Aves terenbinthifolius* Schinus molle* aroeira-salsa frutos sim Aves Spondias dulcis cajá-manga frutos sim Peixes Spondias lutea cajá-mirim frutos sim Peixes Tapirira guianensis peito-de-pomba frutos sim Aves Annonaceae Annona coriacea marolo, araticum frutos sim Annona crassiflora Araticum frutos sim Duguetia lanceolata Araticum frutos sim Porcelia macrocarpa banana-de-macaco frutos sim Aves Annonaceae Rollinia silvatica Araticum frutos sim Xyopia spp. pindaíba, pimenta-demacaco frutos sim Aves Apocynaceae Hancornia speciosa Mangaba frutos sim Tabernaemontana leiteiro-da-índia sementes sim Aves histrix* (arilo) Aquifoliaceae Ilex spp. frutos sim Aves Dendropanax cuneatum maria-mole frutos sim Araliaceae Didymopanax morototoni Mandioqueira frutos sim Aves Sciadendron excelsum Carobão frutos sim Aves Arecaceae Archontophoenix spp. Seafórtia frutos não Aves

40 Tabela 09 Continuação. Família Nome Científico Nome vulgar Tipo Nativa Consumidores Arecaceae Euterpe edulis palmito juçara frutos sim Aves Livis tona chinensis frutos não Aves Arecaceae Syagrus romanzoffiana Jerivá frutos sim Aves Syagrus oleraceae Guariroba, gueirova frutos sim aves B ignoniaceae Tabebuia araliacea ipê-amarelo flores sim aves Tabebuia chrysotricha ipê-amarelo flores sim Tabebuia roseo-alba ipê-branco flores sim B ombacaceae Bombacopsis glabra Castanheiro sementes sim Chorisia speciosa Paineira sementes sim Pachira aquatica monguba sementes sim B urseraceae Protium s pp. almíscar frutos sim aves Caesalpinaceae Copaifera langsdorffii pau-de-óleo, copaíba sementes sim aves (arilo) Holocalix balansae alecrim-de-campinas frutos sim Caesalpinaceae Hymenaea courbaril jatobá frutos sim Hymenaea martigiana jatobá-do-cerrado frutos sim Hymenaea stigonocarpa jatobá-do-cerrado frutos sim Senna macranthera* manduirana sim aves Senna speciosa* manduirana sim aves Swartzia langsdorfii pacová-de-macaco sementes sim (arilo) Caricaceae Jacaratia s pinosa* jaracatiá frutos sim Caryocaraceae Caryocar brasiliense piqui frutos sim Cecropiaceae Cecr opia pachystachya* embaúba-branca frutos sim aves Cecr opia hololeuca* embaúba-verm elha frutos sim Chrysobalanaceae Licania tomentosa oiti frutos sim Clusiaceae Callophylum bras iliensis guanandi frutos sim Combretaceae Buchenavia spp. guarajuba aves Elaeocarpaceae Muntingia calabura* calabura, pau-de-seda frutos não aves, peixes Euphorbiaceae Pera obovata tamanqueira sim aves Fabaceae Dipteryx alata baru sim mamíferos Erythrina spp. suinã, mulungu néctar sim aves (beija flores) Myroxylon peruiferum cabreúva frutos sim aves Flacourtiaceae Casearia sylvestris* guaçatonga frutos sim aves Casearia spp. espeteiros frutos sim aves Lauraceae Nectandr a megapotanica canelinha frutos sim aves Ocotea spp. canelas frutos sim aves Lecythidaceae Cariniana estrelensis jequitibá-branco sim macacos Cariniana legalis jequitibá-rosa sim macacos Lecythis pisonis sapucaia sementes (arilo) sim

41 Cova Espaçamento Adubação Calagem Época de plantio Plantio de mudas

42

43 Compostagem Adubação orgânica A compostagem normalmente é preparada com dois tipos de materiais orgânicos (serragem e esterco bovino) O processo de compostagem seguirá a metodologia descrita em KIEHL (1988). Época: setembro Material: serragem + esterco bovino Quantidade utilizada: 20l/cova (0,02m3) Procedimento:

44 Em uma área de 3 X 20 m foram dispostas, de forma sucessivas, camadas de 15 de cm de serragem seguidas por camadas de 5 cm de esterco bovino (numa proporção de 3:1), sendo irrigadas continuamente, sem encharcar e sem compactar, até uma altura de 160 cm. Após aproximadamente 15 dias a pilha atingirá uma temperatura de 50o C (termofilia) e o composto será revolvido, misturando-se as camadas. Este procedimento será repetido a cada 15 dias até meados de dezembro, quando o material será aplicado no campo (Figuras 22 e 23). Outros materiais facilmente encontrados também podem ser utilizados, tais como: serrapilheira, palha de arroz e palha de café.

45 PRODUÇÃO E INCORPORAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO

46 Calagem Calagem é a prática de distribuir e incorporar ao solo substâncias corretivas da acidez. Esta deve ser encarada como um investimento em longo prazo.

47 Os principais benefícios da calagem são: - Neutralização da toxidez de alumínio (Al) e manganês (Mn); - Aumenta a disponibilidade dos macronutrientes para as plantas; - Melhora do desenvolvimento das raízes; - Melhora a atividade microbiana do solo; - Diminuição de gastos com adubos; - Melhora a formação de nódulos nas raízes das leguminosas; - Fonte de cálcio (Ca) e magnésio (Mn) para as plantas.

48 O máximo efeito da calagem observa-se do 2º ao 4º ano. A duração máxima do efeito corretivo é de três anos em solos arenosos, e pode chegar até a 12 anos em solos argilosos. Como regra, recomenda-se efetuar nova calagem após cada período de cinco anos, obviamente após uma análise do solo.

49

50 Semeadura direta

51

52 Semeadura Direta de Leguminosas inoculadas e Não Inoculadas por Rizóbio Específico Nome científico Acacia polyphyla DC. Bowdichia virgilioides Kunth Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong Erythrina speciosa Andrews Mimosa bimucronata (DC.) O. Kuntze Ormosia arborea (Vell.) Harms Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan Poecilanthe parviflora Benth. Nome vulgar monjoleiro sucupira-preto orelha-de-negro, tamboril mulungu-do-litoral maricá olho-de-cabra angico-vermelho coração-de-negro OBS: Estirpes de rizóbio específicas produzidas e cedidas pela EMBRAPA Agrobiologia (RJ)

53 Emergência de plântulas 120 Indivíduos germinados DAS 30 DAS 45 DAS 60 DAS 75 DAS 90 DAS 20 0 Ap Api Bv Bvi Ec Eci Es Esi Mb Mbi Oa Oai Pp Ppi Pr Pri Espécies

54 Poecilanthe parviflora Enterolobium contortisiliquum Erythrina speciosa

55 Germinação no Campo Espécie Acacia polyphyla Bowdichia virgilioides Enterolobium contortisiliquum Erythrina speciosa Mimosa bimucronata Ormosia arborea Parapiptadenia rigida Poecilanthe parviflora % Germinação

56 Semeadura direta para enriquecimento florestal Resultados parciais Numero de individuos germinando x altura dos mesmos 600 Nº de individuos na parcela /mar/05 22/mar/05 Reflorestamento homogêneo Reflorestamento heterogêneo Altura dos individuos (cm) Dados Complementares: 02/mar/05 (40dias) nº de ind germinados 382; não houve medição das alt. 09/mar/05 n de ind germinados = 484; média da altura = 7,23 cm 22/mar/05 n de ind. germinados 552 média da altura = 8,86 cm

57

58

59 Chuva de Sementes Indivíduos Regenerantes Banco de Sementes

60 Exercício

61 Na figura anterior, na área assinalada em branco (cana-de-açúcar), o proprietário optou em fazer um reflorestamento com espécies nativas. Você foi contratado para fazer o trabalho, sendo assim resolva as questões: a) Qual a técnica de revegetação sugerida b) Especifique o espaçamento de plantio c) Calcule o número de mudas necessárias por hectare e total d) Especifique a quantidade de composto orgânico necessário para a área (m 3 /ha) e) Especifique a quantidade de adubo químico necessário para área Sabendo que: - A área onde deve ser implantado o programa de recuperação tem as seguintes dimensões: 300 x 100 m - A formulação sugerida após a análise de solo é 250g/cova da formulação NPK A quantidade de composto orgânica sugerida é de 20 l/cova

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento

Mata ciliar Nascentes Lençol Freático Cobertura Vegetal Recuperação Ambiental Preservação Ambiental Revegetação Degradação Erosão Assoreamento glossário Mata ciliar Vegetação existente nas margens de córregos, rios e nascentes, também chamada de matas riparias ou matas de galeria; Nascentes Locais onde a água brota da terra, também chamadas de

Leia mais

Metodologias para recomposição de florestas nativas

Metodologias para recomposição de florestas nativas Metodologias para recomposição de florestas nativas Resumo do texto de autoria de S. Gandolfi & R. R. Rodrigues intitulado Recomposição de florestas nativas: algumas perspectivas metodológicas para o Estado

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília

Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília Levantamento parcial de espécies vegetais da Fazenda Santa Cecília Alchornea triplinervea (Spreng) M. Arg.-Euphorbiaceae (Tamanqueiro, Tapiá): Árvore de madeira mole e leve, facilmente atacada por cupins,

Leia mais

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO E LANTIO DE MUDAS DE ESÉCIES FLORESTAIS MEIO AMBIENTE ARESENTAÇÃO Este manual foi desenvolvido como ferramenta destinada aos profissionais e aos interessados em realizar plantios

Leia mais

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP i) Impactos das alterações humanas sobre o funcionamento

Leia mais

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP

PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO DA APP RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento: UHE Foz do Rio Claro Foz do Rio Claro Energia SA Execução: Consiliu Meio Ambiente & Projetos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA PROCESSO HISTÓRICO 20 anos de RAD Processo Histórico Anos 80...

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Salvador/BA 25 a 28/11/2013 GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Augusto Cesar de Arruda *,

Leia mais

Métodos de restauração de APP e RL

Métodos de restauração de APP e RL Métodos de restauração de APP e RL Diagnóstico ambiental: exame minucioso da área a ser recuperada e de seu entorno imediato, bem como de seu histórico e de todos os outros fatores que possam interferir

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro

SETOR DE SEMENTES prio no viveiro A EMPRESA Atua no mercado desde 1998; Equipe técnica especializada em trabalhos de conservação e restauração de ambientes naturais; Cerca de 100 funcionários Cerca de 1.000 ha de Florestas implantadas

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO

REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO REDE CTPETRO AMAZÔNIA PROJETO PI2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA DINÂMICA DO SOLO Coordenadora: Maria do Rosário Rodrigues B R OBJETIVO GERAL Por meio de uma avaliação integrada dos atributos do meio físico

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DE FLORESTA Londrina, 19 de janeiro de 2012 INTRODUÇÃO A proposta de trabalho desenvolvida em 2011 voltada a realização de compensação de emissões de CO 2 por meio do plantio

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC Nas últimas décadas, na maior parte do mundo, populações migraram das áreas rurais

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal. Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental

Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal. Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Revegetação matas ciliares e de proteção ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO

Leia mais

estado da arte, avanços e tendências

estado da arte, avanços e tendências I Encontro I Encontro Paulista Paulista sobre sobre Biodiversidade: Florestas Florestas e Sustentabilidade e Mesa redonda: Restauração de Ecossistemas no Brasil: estado da arte, avanços e tendências Giselda

Leia mais

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica

Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica Modelos Econômicos de Restauração Florestal da Mata Atlântica André Nave - BIOFLORA Ricardo Rodrigues - LERF Esalq/USP Pedro H. Brancalion - LASTROP Esalq/USP Desmatamento da Amazônia Ano 1994 de 2000

Leia mais

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado

Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Experiências com Reflorestamentos Antigos: Obstáculos Inesperados e Formas de Manejo no Cerrado Giselda Durigan Instituto Florestal de São Paulo Floresta Estadual de Assis e-mail: giselda@femanet.com.br

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG

Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG Projeto Técnico de Reconstituição da Flora-PTRF do Plano de Intervenção da Área Contaminada por Mercúrio Serra da Grama Descoberto/MG Sumário 1- Justificativas para a execução do PTRF... 3 2- Reconstituição

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO.

LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO. LEVANTAMENTO FLORISTICO EM FRAGMENTO DE MATA NATIVA NA CIDADE DE GARÇA, SÃO PAULO. MELLO, Anderson Rodrigues Engenheiro Florestal Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal Garça - SP. JUNIOR, Edgard

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Proteção e recomposição de nascentes

Proteção e recomposição de nascentes Proteção e recomposição de nascentes PROTEÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE NASCENTES Em diversas propriedades rurais, as nascentes vêm diminuindo suas vazões ou, em muitos casos, até secando. Os córregos, rios e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011

RELATÓRIO DE PLANTIO. Código: 10/2011 Código: 10/2011 Propriedade: Chácara Paraíso Coordenadas (UTM): 556100 L 7662900 S Número de mudas plantadas: 240 (Duzentos e Quarenta) Datas do plantio: 01, 03 e 04 de novembro de 2011 Patrocinador(es):

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Abril de 2011 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas no

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita,

INGÁ-QUATRO-QUINAS. do Sul, principalmente na Floresta Pluvial Atlântica. Informações ecológicas: planta semidecídua, heliófita, INGÁ-QUATRO-QUINAS Nome científico: Inga vera Willd. Nome popular: ingá-quatro-quinas Família: Leguminosae-Mimosoideae Classificação: espécie pioneira Porte arbóreo: (5-10 m) Zona de ocorrência natural:

Leia mais

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Mart.& Zucc. N. popular: Açoita-cavalo,A çoita-cavalo-miúdo Síndrome de dispersão: Anemocórica Família:TILIACEAE Espécie:Luehea grandiflora Mart. N. popular:açoita-cavalo,

Leia mais

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano X - Volume 20 Número

Leia mais

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas

Estrutura. Restrições para a restauração florestal. Demandas pela produção de madeira nativa. Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Pedro Brancalion Estrutura Restrições para a restauração florestal Demandas pela produção de madeira nativa Limitações de conhecimento sobre silvicultura de nativas Modelos de restauração voltados para

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia

Anacardiaceae Schinus terebinthifolius Nativa terebinthifolius ou Schinus Terebinthifolia Árvores do campus São Roque Levantamento das espécies de arvores nativas e exóticas existente no Instituto Federal São Paulo (IFSP) no campus São Roque. As espécies abaixo estão dividas por áreas: Área

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau FURB

Universidade Regional de Blumenau FURB Universidade Regional de Blumenau FURB Centro de Ciências Tecnológicas Programa de Pós-Graduação - PPGA Nível de Mestrado em Engenharia Ambiental Distribuição de Mimosoideae nas regiões do oeste e planalto

Leia mais

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical?

Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? Por que escolhemos investir no mercado de madeira tropical? O Brasil possui uma superfície de 470 milhões de ha de florestas nativas. Fonte: FAO 2005 Apenas 45% da cobertura florestal nativa é considerada

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ).

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). Daniela Aparecida Estevan, Renata Baldo, Patrícia Tiemi de Paula Leite, Gabriela da Mota Ferreira

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento

Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento Dr. Sergius Gandolfi Reflorestamento de Uso Múltiplo: Modelos de reflorestamento com funções ecológicas e aproveitamento econômico Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Anexo I. 1 Introdução

Anexo I. 1 Introdução Anexo I Modelo para Elaboração de Projeto de Recuperação de Danos decorrentes da Infração ou Recuperação de Áreas Degradadas para fins de Conversão de Multa (Art. 140, I e II do Decreto nº. 6.514 de 22

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada

Laudo Técnico Ambiental. Reflorestamento de Área Degradada Laudo Técnico Ambiental Reflorestamento de Área Degradada Local de Compensação Remanescente do Ribeirão do Lavapés Apresentação do Laudo 02/07/2012 Município Bragança Paulista Estado São Paulo Executante

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

P01 - Portaria QUANTIDADE UNIDADE DENSIDADE

P01 - Portaria QUANTIDADE UNIDADE DENSIDADE P01 - Portaria Nº TIPO NOME CIENTÍFICO NOME POPULAR 1 ARB Lantana camara Lantana 11 UNID 0,15 a 0,40 Dist 0,50 a 1,00m 2 ARB Heliconia psitacorum Heliconia 56 m² 0,20 a 0,40 16/9 md/m² 3 ARB Jatropha multifida

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI MONITORAMENTO DAS FASES INICIAIS DE RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR NA MICROBACIA DO MÉDIO RIBEIRÃO SÃO JOÃO NO MUNICÍPIO DE MINEIROS DO TIETÊ - SP BAURU

Leia mais

Incêndios florestais no Amapá

Incêndios florestais no Amapá FLORESTA 30(1/2): 23-36 Incêndios florestais no Amapá DORACI MILANI RESUMO Os incêndios florestais são responsáveis por grandes perdas tanto vegetais quanto animais e em sua maioria estão associados a

Leia mais

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Mariana Izabel de Oliveira LUPPINO 1 Marina CARBONI 2 Resumo Diante da relevância das atividades de restauração

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

Como restaurar sua f loresta

Como restaurar sua f loresta Como restaurar sua f loresta Cartilha Como restaurar sua f loresta Iniciativa Realização Patrocínio Coordenação da publicação Marcele Bastos de Sá Dary Rigueira Autor Dary Rigueira Revisão de conteúdo

Leia mais

Restauração de Áreas de Preservação Permanente APPs: Status e Perspectivas

Restauração de Áreas de Preservação Permanente APPs: Status e Perspectivas Restauração de Áreas de Preservação Permanente APPs: Status e Perspectivas Paulo Kageyama SBF/MMA, ESALQ/USP Seminário GEF Matas Ciliares - SMA Marília lia; ; 02/07/07 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO HISTÓRICO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Restauração de Áreas Degradadas e Conservação Genética

Restauração de Áreas Degradadas e Conservação Genética Restauração de Áreas Degradadas e Conservação Genética Paulo Kageyama LARGEA/ESALQ/USP. SFB: II Encontro Interinstitucional de Restauração, Conservação e Economia Florestal T. Freitas, 25 Novembro 2015

Leia mais

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral

Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Aeroporto Internacional de São Paulo / Guarulhos Governador André Franco Montoro Geral Geral Termo de Referência Contratação de Empresa para Fornecimento de Mudas de Espécies Arbóreas Nativas GUA GRL 900.TR-164/R1

Leia mais

Guia de Restauração de Matas Ciliares para a Bacia Hidrográfica do Tietê - Jacaré. (UGRHI nº 13)

Guia de Restauração de Matas Ciliares para a Bacia Hidrográfica do Tietê - Jacaré. (UGRHI nº 13) Guia de Restauração de Matas Ciliares para a Bacia Hidrográfica do Tietê - Jacaré (UGRHI nº 13) 2014 1 Projeto Plano Diretor de Restauração Florestal para fins de Conservação de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Termo de Referência IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Novembro de 2012 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC)

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Cláudia Mira Attanasio

APRESENTAÇÃO. Cláudia Mira Attanasio APRESENTAÇÃO Este livro é um convite especial. Foi produzido para os agricultores e para todos que percebem que a vida da gente está entrelaçada com a vida das florestas, dos animais, da terra e dos rios.

Leia mais

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes.

D1.3. Uso agrícola ------- vai para o item A1.3. Uso da área a ser restaurada para o cultivo de espécies agrícolas anuais ou perenes. 1 Chave para escolha de métodos de restauração florestal Uma forma de fazer essa associação entre o diagnóstico e as ações de restauração é por meio de um modelo semelhante a chaves dicotômicas usadas

Leia mais

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA

CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA CALENDÁRIO PARA CULTIVO DE FLORESTA PLANTADA COM FINS COMERCIAL PARA O ESTADO DE RONDÔNIA Cultura Espaçamento (m) Variedade Cultivar Época de Abate Produtividade Média/ha Sementes ou Mudas/ha Pinho Cuiabano

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Manual de recuperação de nascentes

Secretaria do Meio Ambiente. Manual de recuperação de nascentes Secretaria do Meio Ambiente Manual de recuperação de nascentes PREFEITO Anderson Adauto SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE Ricardo Lima Manual de Recuperação de Nascentes Prefeitura Municipal de Uberaba Secretaria

Leia mais

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO

Projeto: PRESERVE O PLANETA TERRA DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO PARCERIA: ROTARY / CECL-PEFI 1) Grupo de Espécies Preferenciais DISTRIBUIÇÃO DE MUDAS PARA PLANTIO Área Tipo Nome comum Nome científico Família 14/out Área 1 Área 2 Área 4 3 5 Abio Pouteria caimito Sapotaceae

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

IASB Instituto das Águas da Serra da Bodoquena PROGRAMA PLANTE BONITO

IASB Instituto das Águas da Serra da Bodoquena PROGRAMA PLANTE BONITO IASB Instituto das Águas da Serra da Bodoquena PROGRAMA PLANTE BONITO Introdução Restauração Ecológica é uma atividade intencional que inicia ou acelera a recuperação de um ecossistema em relação a sua

Leia mais

Mata Amazônica Atlântica

Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica Mata Amazônica Atlântica REALIZAÇÃO Instituto Peabiru e Museu Paraense Emílio Goeldi ORGANIZAÇÃO Richardson Frazão COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Richardson Frazão PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO

METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A FLORESTAIS: BIOMA CERRADO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS PARA A RESTAURAÇÃO DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS: BIOMA CERRADO Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

RIQUEZA EM ESPÉCIES ARBÓREAS UTILIZADAS NO PROJETO MATA CILIAR NA MICROBACIA DO SANTO ANTONIO NO MUNICÍPIO DE JAÚ/SP.

RIQUEZA EM ESPÉCIES ARBÓREAS UTILIZADAS NO PROJETO MATA CILIAR NA MICROBACIA DO SANTO ANTONIO NO MUNICÍPIO DE JAÚ/SP. RIQUEZA EM ESPÉCIES ARBÓREAS UTILIZADAS NO PROJETO MATA CILIAR NA MICROBACIA DO SANTO ANTONIO NO MUNICÍPIO DE JAÚ/SP. Autores: Amílcar Marcel de Souza, Marina Carboni, André Santana Vieira Instituto Pró-Terra

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A RECUPERAÇÃO AMBIENTAL VIA T.C.R.A Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental Téc Agr Ramiéri Moraes CREA/SP: 50622361-39 TD PRINCIPAIS AUTUAÇÕES NA REGIÃO DE IBIÚNA E SÃO ROQUE Intervenção em APP(Áreas

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA

SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE RESTAURAÇÃO DE APPs: MATA CILIAR DA MATA ATLÂNTICA CONAMA/MMA PAULO KAGEYAMA. SBF. MMA. RESTAURAÇÃO DE APPs: BIODIVERSIDADE; GRUPOS SUCESSIONAIS INTRODUÇÃO HISTÓRICO: EVOLUÇÃO

Leia mais

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari

Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Relatório de Plantio de Florestas no Projeto de Carbono no Corredor de Biodiversidade Emas-Taquari Mineiros - GO Fevereiro de 2012 Oréades Núcleo de Geoprocessamento 2 Relatório de Plantio de Florestas

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL ZÜRICH DORF CNPJ: 09.429.543/0001-01 Marcos Mori Engenheiro Agrônomo CREA/SP 5061317180 1 LAUDO TÉCNICO 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Em atenção à Notificação

Leia mais

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL Autores: Leila Bueno de Oliveira¹; Eliete de Pinho Araujo¹ Afiliações: 1 - UniCEUB - Centro Universitário de Brasília 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP DIEGO DEMARCO 1, GUILHERME HENRIQUE AGUIRRE 1, JÚLIA CARAM SFAIR 1,

Leia mais

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar

Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar Recuperação De áreas DegraDaDas e nascentes na agricultura familiar O plantio de árvores nativas e frutíferas auxilia na recuperação de áreas degradadas e nascentes d'água e também contribui na produção.

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Educação Ambiental nas Escolas junho/2013 RECUPERAÇÃO FLORESTAL Recuperação Florestal e Restauração Florestal RESTAURAÇÃO: é a restituição de um ecossistema ou

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul

Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul 1 Plantas Nativas Potenciais para Sistemas Agroflorestais em Mato Grosso do Sul Resumo Arnildo Pott 1 Vali Joana Pott 1 São sugeridas 116 espécies lenhosas nativas com potencial de uso em Sistemas Agroflorestais

Leia mais

SIMILARIDADE FLORÍSTICA ENTRE FORMAÇÕES DE MATA SECA E MATA DE GALERIA NO PARQUE MUNICIPAL DA SAPUCAIA, MONTES CLAROS-MG

SIMILARIDADE FLORÍSTICA ENTRE FORMAÇÕES DE MATA SECA E MATA DE GALERIA NO PARQUE MUNICIPAL DA SAPUCAIA, MONTES CLAROS-MG REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Ciências Biológicas IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Autor(a): RICARDO DA SILVA RIBEIRO¹ Coautores(as): LUCIRENE RODRIGUES, ANDERSON ALEX SANDRO

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE ÁRVORES NATIVAS Maria E. M. Queiroga1 ; Lucas A. Levek2; Nathalie A. F. Luvison3; Marcelo Diel4; Alan Schreiner Padilha5 INTRODUÇÃO A Mata Atlântica é formada por um conjunto de formações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL

LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL PREFEITURA DO MUNICIPIO DE VALINHOS Estado de São Paulo Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MOINHO DE VENTO Condomínio residencial Moinho de Vento

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

SUMÁRIO. 3.1 Grupo I... Modelos de RAD para aplicação em diferentes situações em matas ciliares do estado de São Paulo

SUMÁRIO. 3.1 Grupo I... Modelos de RAD para aplicação em diferentes situações em matas ciliares do estado de São Paulo SUMÁRIO 1. Apresentação... 04 2. Estrutura do workshop sobre RAD em Matas Ciliares... 07 3. Discussões e respostas... 3.1 Grupo I... Modelos de RAD para aplicação em diferentes situações em matas ciliares

Leia mais