7. Exercício 1 (resolver em sala)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7. Exercício 1 (resolver em sala)"

Transcrição

1 7. Exercício (resolver em sala) A parede externa de uma casa é composta por uma camada de 20cm de espessura de tijolo comum e uma camada de 5cm de gesso. Qual a taxa de transferencia de calor por unidade de área se a face externa da parede se encontra à 35 C e a fase interna à 20 C? Sabendo que K tijolo = 0,69 w/mk e K gesso = 0,48 w/mk.

2 7. Exercício (resolução) T=35 C T=20 C 20cm 5cm Por m² de parede Por m² de parede 2

3 7. Exercício 2 (resolver em sala) A parede externa de uma casa é composta por uma camada de 20cm de espessura de tijolo comum e uma camada de 5cm de isolante, sendo que desse isolante 80% é composto de gesso e 20% de lã de vidro..qual a taxa de transferencia de calor por unidade de área se a face externa da parede se encontra à 35 C e a fase interna à 20 C? Sabendo que K tijolo = 0,69 w/mk e K gesso = 0,48 w/mk K lã de vidro= 0,065 w/mk. 3

4 7. Exercício 2 (resolução) T=35 C T=20 C olo làdevidro gesso 20cm 5cm 4

5 7. Exercício 2 (resolução) lã de vidro T=35 C T=20 C olo gesso 20cm 5cm Por m² de parede 5

6 7. Exercício 3 (resolver em sala) Um engenheiro responsável pelo projeto completo de um edifício escolar, está avaliando o comportamento térmico do edifício. Depois de várias tentativas para proporcionar um conforto térmico o engenheiro concluiu que se o coeficiente global de transferência de calor U, da parede de alvenaria da fachada oeste do prédio, fosse reduzido a metade, as condições de conforto seriam adequadas, sem a necissidade de instalação de ar condicionado. O engenheiro efetuou um estudo alternativo para a fachada oeste (crítica), passando da parede de tijolo maciço comum (20 cm tijolo e cm de argamassa de revestimento), conforme figura, para duas paredes de meio tijolo maciço com um colchão de ar de 5cm conforme figura 2. As dimensões do tijolo maciço são 20x0x5 cm e as juntas verticais e horizontais de argamassa possuem cm. A) Calcular o coeficiente global de transferência de calor U (w/cm² C) para a primeira alternativa, conisderando m² de parede em sua vista frontal seja constituida de 0,76m² de tijolos e 0,24 m² de argamassa. B) Calcular o novo coeficiente global de transferência de calor U 2 (w/cm² C), para a figura 2 conisderando m² de parede em sua vista frontal seja constituida de 0,79m² de tijolos e 0,2 m² de argamassa. Este coeficiente global de transferência de calor U 2 satisfaz a condição de conforto prevista pelo engenheiro (metade do encontrado na letra A)? Sim ou não? Justifique, calculando a redução percentual em relação ao U. 6

7 7. Exercício 3 (resolver em sala) DADOS: Soma das resistências de condução e de convecção em C/W t = conv-ext + cond + conv-int conv-ext - resistência de convecção externa ( C/W ) conv-int - resistência de convecção interna ( C/W ) cond - soma das resistência de condução ( C/W ) esistência de conveccão em em C/W conv = h i : coeficiente de convecção na superfície considerada (w/m² C) A= área da superfície (m²). hia esistência de condução do material C/W e i - espessura da camada (m) K i - condutibilidade térmica do material (w/m C) A - área (m²) 7

8 7. Exercício 3 (resolver em sala) Dados: esistência equivalente a duas resistências em paralelo em C/W e qv * 2 2 e 2 resistências em paralelo eqv resistências equivalente Coeficiente global de transferência de calor U (w/m² C) U A* t t Soma das resistências de condução e de convecção em C/W 8

9 7. Exercício 3 (resolver em sala) Dados: h i - Coeficiente de convecção interno (h i = 2 (w/m² C) h e - Coeficiente de convecção externo (h e = 6,6 (w/m² C) K arg-rev - condutibilidade térmica da argamassa de revestimento K arg-rev =,6 (w/m C) K arg-ass - condutibilidade térmica da argamassa de assentamento- K arg-ass =,6 (w/m C) K tij - condutibilidade térmica do tijolo- K tij = 0,69 (w/m C) K ar - condutibilidade térmica do ar- K ar = 0,02624 (w/m C) 9

10 7. Exercício 3 (resolver em sala) FIGUA a) Calcular o coeficiente global de transferência de calor U (w/cm² C) para a primeira alternativa, considerando m² de parede em sua vista 5 cm cm frontal seja constituida de 0,76m² de tijolos e 0,24 m² de argamassa. arg-rev arg-ass arg-rev conv-int cm 20 cm cm 0

11 7. Exercício (resolvido em sala) FIGUA conv-int 5 cm cm arg-rev arg -ass conv- int ,6 *0,24 arg-ass 0,5 0,784 arg-rev arg -rev conv-ext 00,6 * conv 8,62 * ,69 *0,76 cond -3 0,384 hia e Ki i * A cm cm 20 cm e qv 0,784 * 0,384 0,784 0,384 0,249 conv- ext 6,6. 0,55

12 7. Exercício (resolvido em sala) FIGUA conv-int arg-rev arg-ass arg-rev conv-ext U A * t t = conv-ext + cond+ conv-int 5 cm cm t 0,5 8,62 *0-3 0,249 8,62 *0-3 0,55 0,978 cm 20 cm cm U,0895 w/m² C * 0,978 2

13 7. Exercício 3 (resolver em sala) FIGUA 2 b) Calcular o novo coeficiente global de transferência de calor U 2 (w/cm² C), para a figura considerando m² de parede em sua vista frontal seja constituida de 0,79m² de tijolos e 0,2 m² de argamassa. conv-int arg-ass ar arg-ass arg-rev arg-rev conv-ext 3

14 FIGUA 2 7. Exercício 3 (resolvido em sala) conv-int cm 5 cm arg-rev arg -ass conv- int arg-ass 0,5 8,62 * arg -rev,6 * 0 00,6 *0,2 ar 0,405 arg-ass 00 arg-rev conv-ext ,69 *0,79 0,835 conv cond hia e Ki i * A cm e qv 0,405 * 0,835 0,405 0,835 0,268 4

15 FIGUA 2 7. Exercício 3 (resolvido em sala) conv-int cm 5 cm arg-rev ar arg-ass ar , conv- ext 6,6. arg-ass arg-rev,9055 0,55 conv-ext conv cond hia e Ki i * A cm

16 t 7. Exercício 3 (resolvido em sala) conv-int arg-rev arg-ass ar arg-ass arg-rev conv-ext U A * t = conv-ext + cond+ conv-int 0,5 8,62 *0-3 0,268,9055 0,268 8,62 *0-3 0,55 2,8278 U 0,3534 w/m² C 2 * 2,8278 t Para satisfazer a condição de redução da metado de U, o valor de U 2 deveria ser : U,0895 0,5448 w/m² C 2 2 Comparando a tranferência de calor inicial com a que o Engenhiero conseguiu atingir, obteve-se uma redução de 67%!!!

17 7. Exercício 4 (resolver em sala) Uma parede é constituída por dois materiais assinalados na figura. A temperatura do ar exterior (contiguo a parede ) é de 0ºC, enquato no interior o ar está a 20ºC. O coeficiente de convecção exterior é de 20 W/m².K, e o interior é de 5 W/m².K. a) Calcule o fluxo de calor por unidade de área através da parede, sem utilizar a noção de resistência térmica equivalente. b) Calcule o fluxo de calor, com recurso à noção de resistência térmica equivalente. λ = K (condutividade térmica) 7

18 7. Exercício para entregar na próxima aula As paredes de uma casa são constituídas como mostra a figura. Os coeficientes de convecção interior e exterior são, respectivamente, de 7 e 20 W/m².K. A temperatura do ar no interior é de 8ºC e no exterior é de 5ºC. As condutividades térmicas do betão e do isolamento são iguais a,2 e 0, W/m.K, respectivamente. a) Calcule o fluxo de calor que atravessa as paredes; b) Qual o fluxo se as paredes não tiverem isolamento? c) Determine as temperaturas da superfície interior e exterior da parede; d) epresente graficamente a variação de temperatura entre o interior e o exterior. T C T 5ºC T ext. = 5ºC T int. = 8ºC 8

19 7. Exercício 6 (resolver em sala) (OMA, cap. 4, p. 93, exercício 24) As temperaturas nas duas faces de uma parede plana de concreto de 50 mm de espessura são matidas a 0ºC e 40ºC respectivamente. Compare os fluxos de calor do concreto seco e do concreto com 0% de umidade. K concreto seco = 0,8 W/m.ºC K concreto 0% umidade =,09 W/m.ºC 9

20 7. Exercício para entregar na próxima aula Brunetti, capítulo 4, p (Equação da energia para regime permanente): Exercício 4. Exercício 4.4 Exercício 4.5 Exercício 4.6 Exercício 4.7 Exercício 4.8 Exercício 4.9 Exercício 4.3 Exercício 4.4 Exercício

Transmissão de calor

Transmissão de calor UNIVESIDADE EDUADO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º Ano 1 Aula 6 Aula Prática- Condução em regime permanente Problema -6.1 (I) Uma janela tem dois vidros de 5 mm de espessura e

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. 3º Ano. Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 1

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. 3º Ano. Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 1 UNIVESIDADE EDUADO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º Ano 1 Aula 6 Aula Prática- Condução em regime permanente Problema -6.1 (I) Umajanelatémdoisvidrosde5mmdeespessuraeáreade 1,8

Leia mais

Argamassas Térmicas, uma solução

Argamassas Térmicas, uma solução Argamassas Térmicas, uma solução na melhoria do Desempenho Térmico dos Edifícios André Correia Associação Portuguesa de Fabricantes de Argamassas e ETICS Fachadas Energeticamente Eficientes TEKtónica,

Leia mais

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas

Desempenho térmico. Paredes e Coberturas Desempenho térmico Paredes e Coberturas ECV 5161: Desempenho térmico de Edificações Engenharia Civil Prof. Roberto Lamberts (elaborado por Juliana Batista) Transferência de calor T1 > T2 q T1 T2 T1 = T2

Leia mais

Aula 3 de FT II. Prof. Geronimo

Aula 3 de FT II. Prof. Geronimo Aula 3 de FT II Prof. Geronimo Raio crítico de isolamento O conceito de raio crítico de isolamento, é introduzido para geometrias onde a área de troca de calor varia com uma dimensão especificada. Por

Leia mais

GERAÇÃO DE CALOR UNIFORME EM SÓLIDOS. Conversão de uma forma de energia em energia térmica, ou seja, estes meios sólidos têm geração de calor interna.

GERAÇÃO DE CALOR UNIFORME EM SÓLIDOS. Conversão de uma forma de energia em energia térmica, ou seja, estes meios sólidos têm geração de calor interna. GEAÇÃO DE CALO UNIFOME EM SÓLIDOS Conversão de uma forma de energia em energia térmica, ou seja, estes meios sólidos têm geração de calor interna. Se manifesta como um aumento da temperatura do meio. Exemplos:

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade

CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade CONFORTO AMBIENTAL Nosso papel na sustentabilidade Parte 1 - Conforto higrotérmico dirigido à concepção arquitetônica (continuação) Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. DTC PROARQ FAU/UFRJ Roteiro O conforto,

Leia mais

CAP 3 CONDUÇÃO UNIDIMENSIONAL EM REGIME PERMANENTE EM PAREDES CILÍNDRICAS (SISTEMAS RADIAIS)

CAP 3 CONDUÇÃO UNIDIMENSIONAL EM REGIME PERMANENTE EM PAREDES CILÍNDRICAS (SISTEMAS RADIAIS) CAP 3 CONDUÇÃO UNIDIMENSIONAL EM REGIME PERMANENTE EM PAREDES CILÍNDRICAS (SISTEMAS RADIAIS) Prof. Antonio Carlos Foltran EXEMPLOS DE APLICAÇÃO 2 Carregamento de forno LD em aciaria Fonte: Companhia Siderúrgica

Leia mais

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor

Transferência de Calor Condução e Convecção de Calor Transferência de Calor Condução e Material adaptado da Profª Tânia R. de Souza de 2014/1. 1 O calor transferido por convecção, na unidade de tempo, entre uma superfície e um fluido, pode ser calculado

Leia mais

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco

Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco Contribuição das argamassas em camada fina para a redução da transmissão térmica da alvenaria Projecto cbloco A. Baio Dias 12 de Novembro 2008 UMinho, Portugal 1 Projecto cbloco 1. Objectivos do Projecto

Leia mais

Ganhos e perdas de calor pela envoltória

Ganhos e perdas de calor pela envoltória Ganhos e perdas de calor pela envoltória Profa. Dra. Denise Helena Silva Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS

A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS A PEDRA NATURAL EM SISTEMAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR DE FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Conferência Internacional da PEDRA NATURAL ALFÂNDEGA

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Processos de Propagação de Calor

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Processos de Propagação de Calor Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física Processos de Propagação de Calor 1- Transforme: a) 2,5 km= m b) 0,5 m = cm

Leia mais

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque Mecanismos de transferência de calor 1 Mecanismos de transferência de calor Quando aquecemos uma cafeteira de alumínio com água ao lume toda a cafeteira e toda a água ficam quentes passado algum tempo.

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

OS PARÀMETROS TÉRMICOS. Alfredo Costa Pereira 1

OS PARÀMETROS TÉRMICOS. Alfredo Costa Pereira 1 OS PAÀMETOS TÉMIOS Alfredo osta Pereira 1 TAXA DE TASNSFEÊNIA DE ALO, FLUXO DE ALO, FLUXO TÉMIO ou TANSMISSÃO DE ALO PO UNIDADE DE TEMPO, através de um determinado material, ( watt) Q & É a quantidade

Leia mais

PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração

PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração PIR - Projetos de Instalações de Refrigeração Prof. Mauricio Nath Lopes (mauricio.nath@ifsc.edu.br) Objetivo geral: Capacitar os alunos na execução de projetos de câmaras frigoríficas de pequeno porte.

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

Transferência de Calor. Prof. Marco A. Simões

Transferência de Calor. Prof. Marco A. Simões Transferência de Calor Prof. Marco A. Simões Mecanismos de transferência Condução de calor Não há transporte de massa Os átomos transmitem sua energia ciné=ca por colisão aos seus vizinhos O sen=do é sempre

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos

Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Desempenho térmico de materiais e componentes construtivos Profa. Dra. Denise Duarte Prof. Dr. Leonardo Marques Monteiro Modelo de cálculo de desempenho térmico da edificação 1 caracterizar ambiente Renovação:

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Pavimentos em contacto com o terreno......- Lajes térreas.....- Fachadas......- Parte opaca das fachadas......- Aberturas em fachada.....- Paredes meeiras... 5..- Coberturas...

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES

FENÔMENOS DE TRANSPORTES FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 11 FUNDAMENTOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR PROF.: KAIO DUTRA Transferência de Calor Transferência de calor (ou calor) é a energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL LOM3083 e LOM3213 Fenômenos de Transporte Prof. Luiz T. F. Eleno Lista de exercícios 2 1. Considere uma parede aquecida por convecção de um

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º ano Aula 3 Equação diferencial de condução de calor Condições iniciais e condições de fronteira; Geração de Calor num Sólido;

Leia mais

Lei de Fourier. Considerações sobre a lei de Fourier. A lei de Fourier é fenomenológica, isto é, desenvolvida de fenômenos observados.

Lei de Fourier. Considerações sobre a lei de Fourier. A lei de Fourier é fenomenológica, isto é, desenvolvida de fenômenos observados. Condução de Calor Lei de Fourier A lei de Fourier é fenomenológica, isto é, desenvolvida de fenômenos observados Considerações sobre a lei de Fourier q x = ka T x Fazendo Δx 0 q taxa de calor [J/s] ou

Leia mais

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios

Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Painéis X-Lam da KLH nova geração de edifícios Luís Jorge Jornada Técnica Eficiência Energética em Edifícios FABRICANTE DE PAINÉIS X-LAM MAIOR PRODUTOR EUROPEU APROVAÇÃO TÉCNICA EUROPEIA GABINETE DE ENGENHARIA

Leia mais

AUT0264 CONFORTO AMBIENTAL IV TÉRMICA. Diagnostico Climático

AUT0264 CONFORTO AMBIENTAL IV TÉRMICA. Diagnostico Climático Diagnostico Climático Dias típicos do clima de Sao Paulo: um dia chuvoso e outro ensolarado no verão; um um dia nublado e outro ensolarado no inverno Variáveis e trocas térmicas Conforto Térmico Variáveis

Leia mais

PME Ar Condicionado e Ventilação Avaliação de Cálculo de Carga Térmica

PME Ar Condicionado e Ventilação Avaliação de Cálculo de Carga Térmica Avaliação de Cálculo de Carga Térmica Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1/38 Alberto Hernandez Neto -Direitos

Leia mais

Lista de Exercícios para P1

Lista de Exercícios para P1 ENG 1012 Fenômenos de Transporte II - 2015.2 Lista de Exercícios para P1 Problema 1. Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e placa de gesso, como

Leia mais

Mecanismos de transferência de calor

Mecanismos de transferência de calor Mecanismos de transferência de calor Condução Potência calor: Q cond A T 1 T x : condutibilidde térmica; A: área de transferência x: espessura ao longo da condução T 1 T : diferença de temperatura ifusividade

Leia mais

1.- SISTEMA ENVOLVENTE...

1.- SISTEMA ENVOLVENTE... ÍNDICE.- SISTEMA ENVOLVENTE.....- Envolvente exterior......- Fachadas.....- Muros abaixo da rasante.....- Pavimentos......- Lajes térreas.....- Coberturas......- Coberturas planas....5.- Aberturas verticais....-

Leia mais

Transmissão de Calor e Permutadores

Transmissão de Calor e Permutadores CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE PROCESSAMENTO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: PROCESSAMENTO QUÍMICO(A) DE PETRÓLEO JÚNIOR Transmissão de Calor e Permutadores Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

Capítulo 8: Transferência de calor por condução

Capítulo 8: Transferência de calor por condução Capítulo 8: Transferência de calor por condução Aletas Condução de calor bidimensional Transferência de calor É desejável em muitas aplicações industriais aumentar a taxa de transferência de calor de uma

Leia mais

Vendas blocos de concreto celular Precon:

Vendas blocos de concreto celular Precon: Vendas blocos de concreto celular Precon: 51 8124-1720 www.concretocelular.com.br OBJETO DE ANÁLISE: Avaliação do desempenho térmico do Bloco de concreto celular auto clavado (BLOCO PRECON) para vedação

Leia mais

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência Transferência de Calor: Origens Físicas F e Euações de Taxas de Transferência Transferência de Calor e Energia Térmica O ue é a transferência de calor? A transferência de calor éo trânsito de energia térmica

Leia mais

Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP

Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP Ficha de trabalho Workshop do curso de Peritos RCCTE da UFP 1ª) Qual a área mínima de colectores solares padrão que segundo o RCCTE se devem obrigatoriamente colocar num edifício de habitação multifamiliar

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física aboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Condutividade térmica Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Transferência de calor + formas de transferência + Propriedades

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA NA ELABORAÇÃO DA BIBLIOTECA DE MATERIAIS E COMPONENTES CONSTRUTIVOS BRASILEIROS PARA SIMULAÇÕES NO VISUALDOE-3.

METODOLOGIA UTILIZADA NA ELABORAÇÃO DA BIBLIOTECA DE MATERIAIS E COMPONENTES CONSTRUTIVOS BRASILEIROS PARA SIMULAÇÕES NO VISUALDOE-3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Núcleo de Pesquisa em Construção (NPC) / www.npc.ufsc.br Laboratório de Eficiência Energética em Edificações (LabEEE)

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS DE AMBIÊNCIA EM CONSTRUÇÕES RURAIS

PRINCÍPIOS PIOS DE AMBIÊNCIA EM CONSTRUÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PRINCÍPIOS PIOS DE AMBIÊNCIA EM CONSTRUÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis

Leia mais

Apresentação: Eng. André Dickert

Apresentação: Eng. André Dickert Apresentação: Eng. André Dickert T 1 > T 2 T 1 T 2 Q ISOLANTE TÉRMICO (Baixa Condutividade ) FIBROSOS lã de vidro, lã de rocha, fibra cerâmica e etc. GRANULARES concretos, tijolos, silicato de cálcio,

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º Ano 1 Aula Prática 4 Regime transiente 2 Problema -10.1 Placas de latão de 20 mm de espessura são aquecidas durante 15 minutos

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR PÁTRICIA KUERTEN GUIZONI SUELI ALBERTON SALVALAGIO

CONDUÇÃO DE CALOR PÁTRICIA KUERTEN GUIZONI SUELI ALBERTON SALVALAGIO CONDUÇÃO DE CALOR PÁTRICIA KUERTEN GUIZONI SUELI ALBERTON SALVALAGIO CONTEÚDO TRANSFERÊNCIA DE CALOR CONDUÇÃO LEI DE FOURIER CONDUTIVIDADE TÉRMICA DIFUSIVIDADE TÉRMICA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL

Leia mais

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap.

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. 17 17.65) Suponha que a barra da figura seja feita de cobre, tenha 45,0

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2016 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS ESPÉCIES RESINOSAS COLA EM POLIURETANO

Leia mais

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito

Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito Os Painéis Cimentício são compostos de Cimento Portland, partículas de madeira, água, aditivos e pigmentos. Muito utilizados em fechamentos de edifícios comerciais e residências, estes painéis são uma

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso laminado Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO EM BLOCOS DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO EM BLOCOS DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADO UNIVERSADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Transferência de calor

Transferência de calor Transferência de calor 1.1 Calor: Forma de energia que se transmite espontaneamente de um corpo para o outro quando entre eles existir uma diferença de temperatura. O calor é uma energia em trânsito provocada

Leia mais

Energia nos edifícios

Energia nos edifícios Energia nos edifícios Samuel Niza Consumo global de energia nos edifícios Em 2010, os edifícios representaram 35% do uso global final de energia e 19% de todas as emissões de gases de estufa. 2 Consumo

Leia mais

Q t. Taxa de transferência de energia por calor. TMDZ3 Processos de Transmissão de calor. Prof. Osvaldo Canato Jr

Q t. Taxa de transferência de energia por calor. TMDZ3 Processos de Transmissão de calor. Prof. Osvaldo Canato Jr Taxa de transferência de energia por calor P Q t no SI : Q J; t s; P J / s W ( watt) Condução Para um bloco com corte transversal de área A, espessura x e temperaturas T 1 e T 2 em suas faces, têm-se:

Leia mais

T = a P 2, entre os pontos 1 e 2.

T = a P 2, entre os pontos 1 e 2. Processos politrópicos N moles de um gás ideal sofrem um processo reversível, segundo a equação = a P, entre os pontos 1 e a) Represente o processo em coordenadas (P,), (P,) e (,) b) Calcule o trabalho

Leia mais

Lista de Exercícios para P2

Lista de Exercícios para P2 ENG 1012 Fenômenos de Transporte II Lista de Exercícios para P2 1. Estime o comprimento de onda que corresponde à máxima emissão de cada de cada um dos seguintes casos: luz natural (devido ao sol a 5800

Leia mais

No escoamento sobre uma superfície, os perfis de velocidade e de temperatura têm as formas traduzidas pelas equações:

No escoamento sobre uma superfície, os perfis de velocidade e de temperatura têm as formas traduzidas pelas equações: Enunciados de problemas de condução do livro: Fundamentals of Heat and Mass Transfer, F.P. Incropera e D.P. DeWitt, Ed. Wiley (numeros de acordo com a 5ª Edição). Introdução à Convecção 6.10 - No escoamento

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Curso: a) 24 b) 12 c) 6,5 d) 26,5 e) 97

Curso: a) 24 b) 12 c) 6,5 d) 26,5 e) 97 IST / DEQ Mestrado Integrado em Engenharia Química Mestrado Integrado em Engenharia Biológica Mestrado em Engenharia e Gestão da Energia Fenómenos de Transferência I 2014-2015 1º Semestre 1º Exame / 15.01.2015

Leia mais

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS CEUSAREVESTIMENTOS

MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS  CEUSAREVESTIMENTOS [ MANUAL ASSENTAMENTOS ESPECIAIS [ PISO AQUECIDO Indicações: O sistema de piso aquecido é indicado para porcelanatos 60x60 cm, 80x80 cm, 20,2x86,5, 58,8x119,0 e 28,8x119,0 cm, assentados com junta de 2

Leia mais

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada

ARGILA EXPANDIDA. Agregado leve de argila de forma arredondada 2-4 Densidade aparente seca (Baridade) 358 4,0-8,0 mm NP EN 933-1:2000 Superfícies esmagadas e partidas N.A. (% massa) NP EN 933-5:2002 Resistência ao esmagamento (± 10%) 4,8 (MPa) EN 13055-1 (Anexo A)

Leia mais

PLACA DE GESSO + ICB SOLUÇÃO GYPCORK ICB ICB , /2500 9,2 550/210 0,55 52, / ,3 550/210 1,05

PLACA DE GESSO + ICB SOLUÇÃO GYPCORK ICB ICB , /2500 9,2 550/210 0,55 52, / ,3 550/210 1,05 Solução Sustentável CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Placa Gypcork A placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias primas

Leia mais

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13 15.575 Desempenho Térmico O Que a Norma exige? 15575-1 Item 11 Desempenho Térmico 11.1 Generalidades: atender às exigências de desempenho térmico (ZB) a) Procedimento 1 simplificado b) Procedimento 2 medição

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Exercícios Lista 7 Revisão

Exercícios Lista 7 Revisão 1. Foi solicitado ao engenheiro compreender a influência dos processos de transferência de calor em um determinado alimento em contato com o ar externo. Uma das 3 formas de transferência de calor é a convecção,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA. Freguesia CIDADE DA MAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA. Freguesia CIDADE DA MAIA Válido até 12/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DE D. AFONSO III, 39, Localidade MAIA Freguesia CIDADE DA MAIA Concelho MAIA GPS 41.228592, -8.601183 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário,

espécies de caule lenhoso, oferecerá o isolamento acústico necessário, 26.(TRT-8/CESPE/2013) A respeito de conforto térmico, assinale a opção correta. A) Em climas secos (desérticos ou semidesérticos), em que a temperatura é elevada, o uso de pouca roupa garante condições

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE. Roca Lisboa Gallery LISBOA CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE Roca Lisboa Gallery LISBOA 01.04.2016 ÍNDICE Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto O contributo das Argamassas Térmicas na Sustentabilidade

Leia mais

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014

Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado. Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Soluções de reabilitação de paredes/fachadas com desempenho térmico melhorado Luís Silva Coimbra, 31 de Julho 2014 Introdução As exigências da reabilitação na relação com o existente A compatibilidade

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Materiais Isolantes Térmicos H55, H56 2 Processos de Troca de Calor H55 3 Transformação

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Alvenaria de Vedação Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Considerações Gerais Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

Prob Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T A 2nL.

Prob Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T A 2nL. Aula 1 Prob. 1.1 - Considere uma placa plana infinita de espessura 2L com uma distribuição inicial de temperaturas como mostra a figura: T T 0 T A 2nL 2L - 0 isto é, na parte central entre nl e +nl a temperatura

Leia mais

Exercício 1. Exercício 2.

Exercício 1. Exercício 2. Exercício 1. Como resultado de um aumento de temperatura de 32 o C, uma barra com uma rachadura no seu centro dobra para cima (Figura). Se a distância fixa for 3,77 m e o coeficiente de expansão linear

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Condutividade térmica de um isolante Instituto uperior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA Tabela 5.1 - Condutividade térmica de alguns materiais CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA 5.1 CONDUTIVIDADE TÉRMICA Além da transferência de energia por radiação, uma outra forma de calor (transferência de

Leia mais

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação Lista 7 Propagação de calor 01. Sabe-se que a temperatura do café se mantém razoavelmente constante no interior de uma garrafa térmica perfeitamente vedada. a) Qual o principal fator responsável por esse

Leia mais

Uma resistência eléctrica permite gerar um fluxo de calor q o

Uma resistência eléctrica permite gerar um fluxo de calor q o Enunciados de problemas de condução do livro: Fundamentals of Heat and Mass Transfer, F.P. Incropera e D.P. DeWitt, Ed. Wiley (numeros de acordo com a 5ª Edição). Figuras copiadas de tradução Brasileira

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.747347, -9.146952 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do

Leia mais

Prof. Felipe Corrêa Maio de 2016

Prof. Felipe Corrêa Maio de 2016 Prof. Felipe Corrêa Maio de 2016 IMPORTÂNCIA Praticamente todos os sistemas envolvidos na engenharia estão direta ou indiretamente ligados com a transferência de calor. Portanto, para que estes sistemas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada CERCA DE BARRACÕES Localidade SANTA LUZIA ORQ

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada CERCA DE BARRACÕES Localidade SANTA LUZIA ORQ Válido até 15/03/2027 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada CERCA DE BARRACÕES Localidade SANTA LUZIA ORQ Freguesia GARVÃO E SANTA LUZIA Concelho OURIQUE GPS 37.724115, -8.403715 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

BASF Poliuretanos Iberia S.A.

BASF Poliuretanos Iberia S.A. BASF Poliuretanos Iberia S.A. Generalidades Propriedades Vantagens Condutibilidade Térmica Reacção ao fogo Absorção de água Impermeabilidade Permeabilidade ao vapor de água Permeabilidade ao ar Resistência

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque

Mecanismos de transferência de calor. Anjo Albuquerque Mecanismos de transferência de calor 1 Mecanismos de transferência de calor Quando aqueces uma cafeteira de alumínio com água ao lume toda a cafeteira e toda a água ficam quentes passado algum tempo. Ocorrem

Leia mais

U = 1.5 m/s T m,e = 20 o C T p < 200 o C

U = 1.5 m/s T m,e = 20 o C T p < 200 o C Ex. 7-32 Ar deve ser usado para resfriar um material sólido no qual ocorre geração interna de calor. Furos de 1cm de diâmetro foram feitos no material. A espessura da placa é de 8 cm e a condição térmica

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais 3 Termologia Física II Prof. Roberto Claudino Ferreira Prof. Roberto Claudino 1 ÍNDICE 1. Conceitos Fundamentais;

Leia mais

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT

PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT GANHANDO TEMPO PARA VOCÊ 100% BRASIL PAINÉIS ISOTÉRMICOS ISOJOINT Painéis ISOJOINT WALL PUR Construção civil Os Painéis ISOJOINT WALL PUR são constituídos de núcleo de PUR (poliuretano) ou PIR (Poliisocianurato)

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA. Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA Freguesia AREEIRO Concelho LISBOA GPS 38.745097, -9.139833 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Isolamento Armaflex AF e XG

Isolamento Armaflex AF e XG Janeiro 1 Isolamento Armaflex AF e XG Disponível numa ampla gama de produtos de em diâmetro e espessura. A Armacell produz térmico de alta qualidade: Evita condensações e previne a corrosão nos equipamentos;

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos

TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO. Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica TM-182 REFRIGERAÇÃ ÇÃO O E CLIMATIZAÇÃ ÇÃO Prof. Dr. Rudmar Serafim Matos A carga térmica é a quantidade de calor

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DO PRODUTO

MANUAL DE APLICAÇÃO DO PRODUTO MANUAL DE APLICAÇÃO DO PRODUTO IMPORTANTE LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O ASSENTAMENTO DO PRODUTO. 1. PREPARAÇÃO DA PAREDE A. Parede de alvenaria nova Caso a parede apresente umidade

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. 1 Dados climáticos de referência para a região do Porto: Inverno: Região climática I1, número de graus dias = 1610 (º dias), duração da estação de aquecimento = 6,7 meses. Verão: Região climática V1, Temperatura

Leia mais