Vendas blocos de concreto celular Precon:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vendas blocos de concreto celular Precon:"

Transcrição

1 Vendas blocos de concreto celular Precon: OBJETO DE ANÁLISE: Avaliação do desempenho térmico do Bloco de concreto celular auto clavado (BLOCO PRECON) para vedação externa para as 8 zonas bioclimáticas no Brasil NOME COMERCIAL: BLOCO PRECON INTERESSADO: PRECON INDUSTRIAL S/A RELATÓRIO TÉCNICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADO (BLOCO PRECON) PARA FACHADA (VEDAÇÃO EXTERNA) PARA USO NAS 8 ZONAS BIOCLIMÁTICAS NO BRASIL PRODUTO ANALISADO: BLOCO CCA PRECON (este relatório contém 10 páginas incluindo Anexo) 1/10

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA VEDAÇÃO EXTERNA EXECUTADA COM BLOCO CCA PRECON DADOS DOS COMPONENTES E MATERIAIS CONSTITUINTES DA VEDAÇÃO VERTICAL EXTERNA QUE INFLUENCIAM NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS CÁLCULOS DAS PROPRIEDADES DE RESISTÊNCIA TÉRMICA R T, TRANSMITÂNCIA TÉMICA U, CAPACIDADE TÉRMICA C T, ATRASO TÉRMICO φ E FATOR DE CALOR SOLAR FS DA ENVOLTÓRIA ANALISADA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO CCA PRECON PARA VEDAÇÃO EXTERNA (FACHADA) CONCLUSÕES SOBRE O DESEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO CCA PRECON REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...07 ANEXO 1 Zonas bioclimáticas das principais cidades brasileiras, divididas de acordo com a ABNT NBR (2005) 2/10

3 1 INTRODUÇÃO Este relatório tem por objetivo apresentar uma avaliação do desempenho térmico da vedação vertical externa (fachada) constituída por blocos de concreto celular denominados por BLOCOS PRECON. A avaliação foi feita considerando-se o seu uso nas 8 zonas bioclimáticas do Brasil. A metodologia utilizada consistiu na análise do projeto e das especificações do BLOCO PRECON para uso em vedação vertical externa (fachada). Para a avaliação procedeu-se a realização das seguintes etapas: Caracterização/descrição do bloco para uso em elementos de vedação externa; Determinação das propriedades que determinam o desempenho térmico da vedação (fachada); Avaliação do desempenho térmico da vedação (fachada), tendo em vista os requisitos e os critérios estabelecidos na norma de desempenho. A caracterização da envoltória foi feita com base nos dados fornecidos pelo fabricante; para a determinação das propriedades térmicas foi utilizado o método simplificado; as propriedades calculadas foram: resistência térmica RT, Transmitância térmica U, Capacidade térmica CT, Atraso térmico ϕ e Fator solar FS. A avaliação do desempenho final foi feita com base nos requisitos e nos critérios estabelecidos na ABNT-NBR15575(2008), considerando-se as 8 zonas bioclimáticas do Brasil. 2 - DESCRIÇÃO DA VEDAÇÃO EXTERNA EXECUTADA COM BLOCO CCA PRECON A vedação externa é constituída por blocos de concreto celular autoclavado (BLOCOS PRECON). O revestimento consiste em camada única de argamassa mista nas faces externas e internas de espessura de 3,0cm e 2,5cm, respectivamente, e juntas de assentamento de argamassa mista de 1,0cm. As dimensões dos blocos são 60x30x10cm (Comprimento, Largura e Espessura). 3/10

4 3 DADOS DOS COMPONENTES E MATERIAIS CONSTITUINTES DA VEDAÇÃO VERTICAL EXTERNA ANALISADA QUE INFLUENCIAM NAS PROPRIEDADES TÉRMICAS. BLOCO PRECON λ = 0,17 W/(m.K c = 1,00 KJ / (kg.k) ρ = 500 KJ / (kg.k) Revestimento de Camada única ou reboco paulista e argamassa de assentamento λ reb paul. = 1,15 W/(m.K) c reb paul. = 1,00 KJ / (kg.k) ρ reb paul. = 2000 kg/m 3 4 CÁLCULO DAS PROPRIEDADES DE RESISTÊNCIA TÉRMICA R T, TRANSMITÂNCIA TÉMICA U, CAPACIDADE TÉRMICA C T, ATRASO TÉRMICO φ E FATOR DE CALOR SOLAR FS DA VEDAÇÃO EXTERNA DE BLOCOS PRECON E 15,5 cm E Espessura final mínima da parede E revex 3,0cm E revin 2,5cm E BLOCO PRECON 10cm Revestimento BLOCO PRECON Dimensões cm 3,0 710,0 2,5 Figura 1. Composição das camadas da vedação de BLOCOS PRECON 4/10

5 Seção A (Sa) Reboco + argamassa +Reboco) = (0,60x0,01)+(0,31x0,01)= 0,0091m 2 Ra = 0,03/1,15 + 0,10/1,15 +0,025/1,15 = 0,0565 (m 2.K)/ W Seção B (Sb) (reboco +bloco+reboco)= 0,3x0,6 = 0,18m 2 Rb = 0,02/1,15+0,10/0,17+0,02/1,15 = 0,6361 Rved = Sa+Sb = 0, ,18 =0,4259 Sa + Sb 0, ,18 Ra Rb 0, ,6361 Resistência térmica total - R T R T = Rt se + Rved+ Rt si R T = 0,13 + 0, ,04 = 0,5959 (m 2 K)W Transmitância térmica U U = R T = 1 / 0,5959 = 1,6781 [W / (m 2.K)] Capacidade térmica CT Seção A (reboco + argamassa + reboco) = 0,0091m 2 Cta = e.c.ρ = 0,155x1,00 x 2000 = 310 [kj/ (m 2.K)] Seção B (reboco + Bloco +reboco) = 0,18 Ctb = 0,03x1,00x ,10x1,00x500+ 0,025x1,00x2000= 170 [kj/ (m 2.K)] CT = Sa + Sb = 0, ,18 Sa + Sb 0, ,18 Cta + Ctb = 174 [kj/ (m 2.K)] Atraso térmico (h) Rt = 0,4259 Bo = CT Ctext = 174 (0,03x1,00x2000) = 114 B1 = 0,226 Bo/Rt = 0,226 x 114/0,4259 = 60 B2 = 0,205 [(λ c ρ)ext ] x [Rext (Rved Rext)] Rved 10 5/10

6 B2 = 0,205 [ (1,15x 2000x1,00]) x [(0,03/1,15 - (0,4 (0,03/1,15) )]= , φ = 1,382.Rved B1+B2 = 3,95h Fator solar FS % (para pintura branca) FS = 4 U α = 2,01% 5 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO CCA PRECON PARA FACHADA (VEDAÇÀO EXTERNA) 5.1. Requisito Adequação de paredes externas Apresentar transmitância térmica e capacidade térmica que proporcionem pelo menos desempenho mínimo estabelecido para cada zona bioclimática Critério Transmitância térmica de paredes externas Os valores máximos admissíveis estão apresentados na Tabela 1. Tabela 1 Transmitância de paredes externas Transmitância Térmica U W/m 2.K Zonas 1 e 2 Zonas 3, 4, 5, 6, 7 e 8 U 2,5 α 0,6 α > 0,6 U 3,7 U 2,5 α é a absortância à radiação solar da superfície externa da parede O valor obtido para a fachada executada com bloco PRECON de U = 1,6781 W / (m 2.K) satisfaz todas as zonas climáticas, independentemente da cor da pintura da fachada, possuindo um excelente desempenho (além do mínimo exigido). 6/10

7 Critério Capacidade Térmica de paredes externas Os valores admissíveis estão apresentados na Tabela 2. Tabela 2 Capacidade térmica de paredes externas Capacidade térmica CT kj / m 2.K Zona 8 Zona 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 Sem exigência 130 A fachada de BLOCO PRECON apresentou valor de 174 kj / m 2.K para capacidade térmica CT e possui, portanto, desempenho melhor que o mínimo, conforme os critérios estabelecidos na ABNT NBR (2008) para CT para as zonas bioclimáticas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 (Não há exigência para a zona 8). 6. CONCLUSÕES SOBRE O DSEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO CCA PRECON PARA VEDAÇÃO EXTERNA (FACHADA) Quanto à avaliação do desempenho térmico do BLOCO PRECON para vedação externa (fachada), tem-se que o mesmo atende aos requisitos e critérios estabelecidos na ABNT NBR (2008), conforme resumido na Tabela 3. Tabela 3 Resumo Final do desempenho térmico do BLOCO PRECON para uso em fachada AVALIAÇÃO FINAL DO DESEMPENHO TÉRMICO DO BLOCO PRECON PARA FACHADA (VEDAÇÃO EXTERNA) FACHADAS (VEDAÇÃO VERTICAL EXTERNA) DESEMPENHO MUITO BOM, ATENDENDO A TODAS AS ZONAS BIOCLIMÁTICAS DO BRASIL NO REQUISITO DE U E CT 7/10

8 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. NBR Edifícios habitacionais de até 5 pavimentos Desempenho Parte 4: Requisitos para sistemas de vedações verticais. Rio de Janeiro, NBR Desempenho Térmico de edificações: Parte 1: definições, símbolos e unidades. Rio de Janeiro, NBR Desempenho Térmico de edificações: Parte 2: métodos de cálculo de transmitância térmica, da capacidade térmica, dôo atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes da construção. Rio de Janeiro, NBR Desempenho Térmico de edificações: Parte 3: zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro, 2005 Latitude Arquitetura Ltda. Brasília, 13 de setembro de /10

9 ANEXO 1 Zonas bioclimáticas das principais cidades brasileiras, divididas de acordo com a ABNT NBR (2005) 9/10

10 Figura 1 Zoneamento bioclimático brasileiro 10/10

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim PERÍODO 2005 Revisado ABRIL 2011 - Departamento

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO Abílio Azevedo António Chaves 5 de Dezembro 2012 14:00H IPGV ESTGV Viseu Índice Evolução

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 ABNT NBR 10821 Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 Parte 4 Requisitos de desempenhos

Leia mais

Painéis de Concreto Armado

Painéis de Concreto Armado CONCEITO É constituído por painéis estruturais pré-moldados maciços de concreto armado e pelas ligações entre eles. Destina-se à construção de paredes de edifícios habitacionais de até 5 pavimentos. A

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO HIGRO - TÉRMICO NAS FACHADAS ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DO DESEMPENHO HIGRO - TÉRMICO NAS FACHADAS ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO ANÁLISE DO DESEMPENHO HIGRO - TÉRMICO NAS FACHADAS ESTUDO DE CASO Disciplina: Inovação Tecnológica

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO Válido até 30/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.159819, -8.682735 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS

PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚSTICO EM EDIFICAÇÕES DO NORDESTE BRASILEIRO RESULTADOS DE ESTUDOS DE CASOS PANORAMA DO COMPORTAMENTO ACÚTICO EM EDIFICAÇÕE DO NORDETE BRAILEIRO REULTADO DE ETUDO DE CAO Otávio Joaquim da ilva Júnior 1*, Angelo Just da Costa e ilva 2 1: TECOMAT Tecnologia da Construção e Materiais

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva

Memorial Descritivo Escola Municipal Professor Ismael Silva PREFEITURA MUNICIPAL DE ILICÍNEA Estado de Minas Gerais CNPJ: 18.239.608/0001-39 Praça. Padre João Lourenço Leite, 53 Centro Ilicínea Tel (fax).: (35) 3854 1319 CEP: 37175-000 Memorial Descritivo Escola

Leia mais

b. Referencias bibliográficas, endereço da página.

b. Referencias bibliográficas, endereço da página. Roteiro para Apresentação de Questões Orientações: 1. Cada grupo (e cada integrante do grupo) será responsável em pesquisar, responder e apresentar as questões (mostradas a seguir para cada grupo), bem

Leia mais

REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO

REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO REABILITAÇÃO DA COBERTURA DE EDIFÍCIO NO RIO DE JANEIRO - SUBSTITUIÇÃO DE TELHADO DANIFICADO POR SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO 1) Jordy, J. C. / 2) Mendes, L. C. 1) Universidade Federal Fluminense (UFF),

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem opiniões Parede Knauf W111

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal

Leia mais

Bloco de Concreto CONCEITO

Bloco de Concreto CONCEITO CONCEITO A alvenaria de bloco de concreto é empregada em paredes com função estrutural ou mesmo como vedação em edifícios com estrutura de concreto armado. Substituem a alvenaria de tijolos que, por falta

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO. 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m²

MEMORIAL DE CÁLCULO. 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m² MEMORIAL DE CÁLCULO 10201 Demolição de piso cimentado inclusive lastro de concreto 5,58X2,98=16,62 10,73+10,70+19,98=41,41 m² TOTAL=58,03m² 10214 Retirada de portas e janelas de madeira, inclusive batentes

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Válido até 05/02/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Freguesia CAMARATE, UNHOS E APELAÇÃO Concelho LOURES GPS 38.816247, -9.130431 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS - TGE COMPOSIÇÃO ANALÍLITICA DE PREÇOS UNITÁRIOS CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE SÃO MIGUEL - 69/13,8 kv - 5,0/6,25 MVA DESCRIÇÃO

Leia mais

EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO

EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO 1. Disposições gerais 1.1. Tema do concurso Modalidade: Ponte de Macarrão 1.1.1. A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada, utilizando

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto CIMENTOL é uma tinta impermeável de grande durabilidade, que mantém a boa aparência por mais tempo. Apresenta ótima aderência sobre alvenaria, concreto e fibrocimento. Características Aparência:

Leia mais

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO

1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO 1 ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMANDO 1.1 INTRODUÇÃO Estrutura de concreto armado é a denominação de estruturas compostas de concreto, cimento + água + agregados (e às vezes + aditivos) com barras de aço no

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA OBRA: SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO INTRODUÇÃO Devido ao pequeno tráfego de pessoas nos locais a serem pavimentados foi

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS

DESCRIÇÃO TÉCNICA SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS DESCRIÇÃO TÉCNICA MEMORIAL DESCRITIVO REFERENTE AOS SERVIÇOS DE MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DO GINASIO MUNICIPAL 3 DE JUNHO DO MUNICIPIO DE CHAPADA RS. O presente memorial tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.748515, -9.140355 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE

CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE CURSO TÉCNICO DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO / SUBSEQUENTE Tema Desenho Técnico Prof a. Msc. Karisa Lorena Carmo Barbosa Pinheiro Tópicos 1- Normas; 2- Construções fundamentais; 3- Desenhos utilizados na representação

Leia mais

DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO

DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG ESCOLA DE ENGENHARIA NÚCLEO DE EXPRESSÃO GRÁFICA Desenho Arquitetônico UNIDADE 2 DESENHOS QUE COMPÕEM O PROJETO ARQUITETÔNICO DESENHO ARQUITETÔNICO O desenho arquitetônico

Leia mais

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema TEPROTERM 2 / 19 1. INTRODUÇÃO I Cerca de 1/3 do consumo mundial de energia destina-se a habitações

Leia mais

Benefícios para aplicação do Selo Casa Azul

Benefícios para aplicação do Selo Casa Azul Benefícios para aplicação do Selo Casa Azul Categorias Eficiência Energética e Projeto e Conforto 1 Benefícios para aplicação do Selo Casa Azul Categorias Eficiência Energética e Projeto e Conforto Rio

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE

DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE DOCUMENTO DE REQUISITO DE SOFTWARE PARTICIPANTES Belo Horizonte - 1

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1

CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 CADERNOS TÉCNICOS DAS COMPOSIÇÕES DE ARGAMASSAS LOTE 1 GRUPO ARGAMASSAS LOTE 01 A CAIXA apresenta o grupo de composições de serviços que representam a produção de argamassas, que serão incorporadas ao

Leia mais

Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D.

Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo. Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Proteção de Estruturas Metálicas Frente ao Fogo Fabio Domingos Pannoni, Ph.D. Tópicos Abordados Estruturas em situação de incêndio Introdução: dinâmica de incêndio NBR 14432:2000 Isenções Métodos de cálculo:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA DA EDIFICAÇÃO EM FUNÇÃO DOS MATERIAIS DE FACHADA - ESTUDO DE CASO NO RIO DE JANEIRO SOUZA, Cristina G. (1); GRIMME, Friedrich W. (2); LAAR, M. (3) (1) Arquiteta, M.Sc. em

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Fabia Roberta P. Eleutério

Leia mais

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Anexo B Especificações do simulador Eduardo Lopes Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade Objetivos Apresentar o simulador de pista com

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade

Resistência mecânica Isolamento térmico e acústico Resistência ao fogo Estanqueidade Durabilidade APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher a alvenaria adequada; Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível); Especificar o tipo de argamassa de assentamento;

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico).

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico). 1. OBJETO E JUSTIFICATIVA. TERMO DE REFERÊNCIA Este termo de referência visa estabelecer os critérios mínimos para contratação de profissional e/ou empresa especializada e habilitada para apresentação

Leia mais

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm 1 MEMÓRIA DE CÁLCULO - ESTRUTURAL 4.1 MEMÓRIA DE CÁLCULO FUNDAÇÕES 4.1.1 DESCRIÇÃO Referências Estacas Material Geometria Armadura P1, P2, P3, P4, Tipo: 18x18 Concreto: C25, Bloco de 1 estaca Estribos

Leia mais

ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL

ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL OBRA: SUBST PISO RESIDEN 01 CONDOM SOBRAL LOCALIZAÇÃO: CONDOMINIO SOBRAL ANEXO 02 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS O reboco será demolido com ferramentas adequadas, tendo todo o cuidado para não causar nenhum dano

Leia mais

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda APRESENTAÇÃO A Nailsondas Perfurações de Solo Ltda. é uma empresa que vem atuando no mercado desde 2002, prestando serviços em todo território nacional. Executando com excelência vários projetos por ano,

Leia mais

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina Catálogo 2015 Plataformas Cubos Escadas Acessórios para acesso à piscina Acessibilidade A Actual dedica-se ao desenvolvimento, fabricação e comercialização de plataformas para fundo de piscina e escadas

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 2.500,00 2.500,00 81,97 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 18,03 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE MG ER 04 PREGÃO AMPLO 009/2003 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANATEL ER04 MINAS GERAIS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE DIVISÓRIAS PARA O ESCRITÓRIO REGIONAL DE BELO HORIZONTE

Leia mais

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Coordenação-Geral de Custos de Infraestrutura de Transportes Diretoria Executiva Legislação Aplicada Lei 12.462,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 PONTOS- CHAVE Possibilidade de expansão Circulações (atender as normas/ser espaço de transição/exposição) Armazenamento/Depósito Controle

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos

Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Soluções de isolamento acústico: - Obra nova - Reabilitação - Estabelecimentos Impermeabilização Isolamento Drenagens - Geotêxteis Clarabóias Índice OBRA NOVA... N. Pavimentos...... N.. Abaixo da betonilha

Leia mais

Caixa de passagem Ex e / Ex tb

Caixa de passagem Ex e / Ex tb Tomadas/Plugs Painéis Caixa de passagem Ex e / Ex tb Segurança aumentada, tempo e jatos potentes d água. Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160

Memorial Descritivo. Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160 Memorial Descritivo Prédio Residencial: Villa Dei Fiori Rua Cândido Silveira 160 1. Descrição do prédio O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos, incluindo um subsolo, constituído de 42 (quarenta

Leia mais

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS Giana da Rocha Zófoli (1) ; Joaquim C. Pizzutti dos Santos (1) ; Madalena

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO

Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO Rua Colombia nº 50 Boqueirão Santos / S.P. MEMORIAL DESCRITIVO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Projeto Será um edifício residencial contendo subsolo, térreo, mezanino, 13 pavimentos tipo com 04 (quatro) apartamentos

Leia mais

Relatório Setorial nº012a

Relatório Setorial nº012a Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

CONSTRUÇÕES INDUSTRIALIZADAS Steel Framing

CONSTRUÇÕES INDUSTRIALIZADAS Steel Framing 20/09/2006 CONSTRUÇÕES INDUSTRIALIZADAS Steel Framing engº Hélcio Hernandes Brasil um País Continental Balança comercial Superávit de US$ 44,7 bilhões em 2005 Taxa de crescimento real do PIB 2,3% em 2005

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

Segurança Estrutural nas Edificações Resistência ao fogo dos elementos de construção

Segurança Estrutural nas Edificações Resistência ao fogo dos elementos de construção SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2004 Segurança Estrutural nas Edificações Resistência ao fogo dos

Leia mais

Quantitativo de Revestimento de Parede (3 unidades) Tipo Material: Nome Material: Descrição Material: Área

Quantitativo de Revestimento de Parede (3 unidades) Tipo Material: Nome Material: Descrição Material: Área Quantitativo de Revestimento de Parede (3 unidades) Tipo Nome Descrição Parede Exterior Bloco 14 - Pintura externa e Cerâmica interna Parede Exterior Bloco 14 - Pintura externa e Cerâmica interna Alvenaria

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325. Um novo conceito de construir e de se viver bem!

Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325. Um novo conceito de construir e de se viver bem! Condomínio registrado e incorporado no cartório de registo de imóveis sobre o número 28.325 Um novo conceito de construir e de se viver bem! Um novo conceito de construir e de se viver bem! DOSSIÊ DE VENDAS

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

Guia Técnico de Pintura

Guia Técnico de Pintura Guia Técnico de Pintura IV - Varandas e Terraços As infiltrações de água são uma das maiores causas da degradação de algumas pinturas, e mesmo da estrutura de varandas e terraços. Para evitar este tipo

Leia mais

Produtos e Aplicações - Vol.1

Produtos e Aplicações - Vol.1 www.isorecort.com.br Faça o download de um leitor de QR Code na loja virtual do seu celular ou tablet e baixe este material. Produtos e Aplicações - Vol.1 1 2 3 10 12 13 4 11 5 9 8 6 Legendas 7 EPS de

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

RESOLUÇÃO N 281, DE 26 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO N 281, DE 26 DE JUNHO DE 2008 RESOLUÇÃO N 281, DE 26 DE JUNHO DE 2008 Estabelece critérios para o registro de tratores destinados a puxar ou arrastar maquinaria de qualquer natureza ou a executar trabalhos agrícolas e de construção

Leia mais

Projecto cbloco Aspectos Estruturais

Projecto cbloco Aspectos Estruturais Projecto cbloco Aspectos Estruturais Paulo B. Lourenço, G. Vasconcelos, J.P. Gouveia, P. Medeiros, N. Marques pbl@civil.uminho.pt www.civil.uminho.pt/masonry 2008-06-26 2 Alvenaria de Enchimento As alvenarias

Leia mais

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO PORTFÓLIO Prefácio A Máxime Consultoria e Engenharia foi fundada em 2004 pelos engenheiros e mestres em construção civil pela POLI/USP, Maurício Marques Resende

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório.

A dissertação é dividida em 6 capítulos, incluindo este capítulo 1 introdutório. 1 Introdução A escolha racional dos sistemas estruturais em projetos de galpões industriais é um fator de grande importância para o desenvolvimento de soluções padronizadas e competitivas. No mercado brasileiro

Leia mais

BAKER, N Passive and Low Energy Building Design for Tropical Island Climstes. Commonwealth Science Council Londres Inglaterra, 1987 197p.

BAKER, N Passive and Low Energy Building Design for Tropical Island Climstes. Commonwealth Science Council Londres Inglaterra, 1987 197p. 140 Referências bibliográficas ALVARES, L. R. A. Cúpula Catenária de Fibrobarro estruturado com bambu Concepção e Processo Construtivo. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Meio Ambiente RAP - RELATÓRIO AMBIENTAL PRELIMINAR

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Meio Ambiente RAP - RELATÓRIO AMBIENTAL PRELIMINAR RAP - RELATÓRIO AMBIENTAL PRELIMINAR (OBS.: ESTE FORMATO NÃO PODERÁ SER ALTERADO, DEVENDO SER PREENCHIDO À MÃO, COM LETRA LEGÍVEL) 1.1. Representante legal 1. INFORMAÇÕES GERAIS Nome:... Telefone para

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 RECUPERAÇÃO ESTUDOS INDENPENDENTES

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 RECUPERAÇÃO ESTUDOS INDENPENDENTES ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2013 RECUPERAÇÃO ESTUDOS INDENPENDENTES Nome Nº Turma 3 EJAS Data / / Nota Disciplina Matemática Prof. Elaine e Naísa Valor 30 Instruções: TRABALHO DE

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GEOMORFOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I GEOMORFOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 6 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

Apresentamos o Lyptus em suas diferentes classes e especificações, para que você possa fazer a melhor escolha e alcançar grandes resultados em sua

Apresentamos o Lyptus em suas diferentes classes e especificações, para que você possa fazer a melhor escolha e alcançar grandes resultados em sua Apresentamos o Lyptus em suas diferentes classes e especificações, para que você possa fazer a melhor escolha e alcançar grandes resultados em sua aplicação. A madeira de reflorestamento é uma das formas

Leia mais

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade DESAFIO CINCOS 10 Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade Outubro de 2010 Fábio Ribas Fernandes» fabio.ribas@ua.pt « ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Outras Soluções Fichas de Aplicação

Outras Soluções Fichas de Aplicação Outras Soluções Fichas de Aplicação Cofragem Perdida Painel Perfurado Painel Sandwich Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads. Outros Suplementos de Soluções

Leia mais

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: Professora Roberta Kronka Mulfarth Professora Joana Carla Soares Goncalves Arq. Johnny Klemke (Mestrando da FAUUSP) 1. COLOCAÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

Grua-pórtico de alumínio, móvel sob carga, capacidades de carga de 1000 kg e 1500 kg

Grua-pórtico de alumínio, móvel sob carga, capacidades de carga de 1000 kg e 1500 kg www.schilling-fn.de Grua-pórtico de alumínio, móvel sob carga, capacidades de carga de 1000 kg e 1500 kg Comprimento da viga (total) Comprimento da viga (vão livre) Comprimento útil Intervalo de ajuste

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR A DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 01. ÁREA TOTAL TERRENO: 352,87m²

PLANILHA AUXILIAR A DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 01. ÁREA TOTAL TERRENO: 352,87m² DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 0 ENDEREÇO: Rua nº 0 - Loteamento Maria Laura - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade:

Leia mais

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto CONTEÚDO 1. A BAC 2. A Metodologia de trabalho 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto 4. O uso do BIM 1. APRESENTAÇÃO DA BAC Empresa Catalana com 40 anos

Leia mais