APRESENTAÇÃO. democracia brasileira e na implementação da cidadania aos necessitados, na medida em que

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO. democracia brasileira e na implementação da cidadania aos necessitados, na medida em que"

Transcrição

1

2 2 APRESENTAÇÃO A Defensoria Pública é uma instituição independente que atua na concretização da democracia brasileira e na implementação da cidadania aos necessitados, na medida em que garante a estes, com eficiência e qualidade, a orientação, a assistência jurídica e o amplo acesso ao Judiciário, prevenindo e resolvendo questões jurídicas e sociais, de forma isonômica e equilibrada, tanto extrajudicialmente, quanto judicialmente. O fundamento da existência da Defensoria Pública repousa no Art. 5º, inciso LXXIV da Constituição Federal, que impõe que o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recurso. Já o Art. 134 da Constituição Federal definiu o modelo público de prestação do serviço e identificou a Defensoria Pública como a instituição incumbida dessa tarefa. A presente publicação pretende trazer informações básicas aos técnicos, estagiários, servidores e usuários da Defensoria Pública, sendo imprescindíveis, para a compreensão do sistema de atuação no atendimento referencial da instituição e os procedimentos adotados na área cível. Pretende ainda, divulgar informações quanto aos tipos de ações e documentos

3 necessários para a propositura das mesmas, além de possibilitar o acesso de contatos com 3 todas as unidades da Defensoria Pública e órgãos afins. Esta Cartilha representa não só exercício do dever institucional, no que tange a informação de procedimentos internos de atuação institucional, na busca de uma melhor qualidade de atendimento, mas acima de tudo, o compromisso sócio-educacional na defesa e proteção da garantia aos direitos dos cidadãos, como verdadeira garantia de cidadania. Antônio Roberto Figueiredo Cardoso Defensor Público Geral do Pará INFORMAÇÕES GENERICAS E DOCUMENTOS BÁSICOS E NECESSÁRIOS PARA AJUIZAMENTO DAS AÇÕES ABAIXO DISCRIMINADAS Obs: Os documentos deverão ser apresentados pelo assistido em cópia simples. AÇÕES NOS JUIZADOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE As ações abaixo discriminadas só deverão ser ajuizadas no juizado da infância e juventude se a criança/adolescente estiver em situação de vulnerabilidade social e pessoal.

4 Fundamentação legal, Constituição Federal/88 (art.226) e Lei nº /90, Código Civil e Processo Civil. 4 SEÇÃO CÍVEL 1) Processo de Conhecimento: 1.1-Ação Civil Pública : Lei n 7.347/85 e Lei nº /07 e Lei.8069/90 É um instrumento processual, de ordem constitucional, destinado à defesa de interesses difusos da sociedade e excepcionalmente para a proteção de interesses coletivos e/ou individuais homogêneos e ainda, para garantir a efetivação dos direitos da criança e do adolescente previstos no ECA(art. 208). A Lei , de 15/01/2007 alterou o Art. 5 da lei 7.347/85 conferindo legitimidade à Defensoria Pública para propor Ação Civil Pública. Nesta ação o Defensor deve juntar todos os documentos que comprove a inexistência dos programas e serviços a ser ofertado pela entidade obrigada ou poder público municipal ou estadual. 1.2-Alimentos: Lei nº 5.478, de 25/07/1968 e Lei 8069/90 (ECA. art.22) A presente ação é de rito especial, devendo ser ajuizada junto à Vara da Infância e Juventude independe de anterior concessão dos benefícios da gratuidade. O objetivo da referida ação é a obtenção de pensão alimentícia para a criança/ adolescente que esteja em vulnerabilidade pessoal em face do abandono material do pai ou mãe ou outro parente que esteja obrigada a sustentar os mesmos.

5 > Não existe um valor predefinido para a pensão alimentícia, depende da necessitada de 5 quem solicita e da possibilidade de quem deve pagar. Documentos Necessários: Cédula de identidade e CPF da requerente; Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Comprovante de residência da requerente; Endereço e CEP da residência do requerido; Certidão de nascimento do(s) filho(s) menor (s); Nome completo da firma com o respectivo endereço e CEP, se o requerido for empregado; Se a requerente tiver conta corrente trazer o número da conta como nome do banco e respectivo endereço Adoção c/c destituição do poder familiar: Art. 39 e segtes da Lei nº 8.069/90(ECA), artigo e segts. do Código Civil Brasileiro e art º da Constituição Federal. O que é Adoção? Corresponde ao ato jurídico que cria, entre duas pessoas, uma relação análoga, que resulta da paternidade e filiação legitima, mais do que um ato jurídico, é um ato de amor. O maior requisito para adotar uma criança, é a disponibilidade de amar. Ser pai ou mãe, não é só gerar, é antes de tudo, amar.

6 6 Documentos Necessários: Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Certidão de casamento ou nascimento do(s) adotante(s); Comprovante de residência dos adotantes; Carteira de identidade e CPF do(s) adotante(s); Declaração de idoneidade dos adotantes(s)(modelo defensoria); Atestado de sanidade física e mental do(s) adotante(s)( posto de saúde); Comprovante de renda do(s) adotantes; Havendo o consentimento dos pais, estes devem assinar uma declaração consentindo com a adoção. (modelo defensoria), anexando a carteira de identidade com CPF e comprovante de residência dos mesmos, se tiverem endereço certo; Se não houver o consentimento dos pais, apresentar declaração de 02 testemunhas confirmando que o(s) adotante(s) já tem a guarda de fato da criança ou adolescente; em razão do abandono por parte dos Pais biológicos Autorização judicial: artigo 83 e segtes da Lei nº 8.069/90(ECA) É o documento judicial que permite que a criança (até 12 anos incompletos), viaje para fora do seu domicilio desacompanhado dos Pais ou responsável, de ascendente ou colateral maior até o terceiro grau, de pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai, mãe ou responsável. Pode ser requerido pelos Pais ou representante legal diretamente na Vara da Infância e Juventude

7 7 Cédula de identidade e CPF do requerente. Certidão de nascimento do infante. Comprovante de residência do requerente Apelação- art. 198 da lei nº 8.069/90 e art. 496 e segts do CPC O recurso de apelação poderá ser interposto ao Tribunal de Justiça contra as decisões do Juiz da infância e juventude, tanto das decisões nas ações de proteção, quanto das decisões nos procedimentos para apuração de ato infracional. Regra geral o recurso é recebido apenas no efeito devolutivo. O prazo para recorrer é de responder e de 10(dez) dias, conforme estabelece o inciso II do artigo supra mencionado Agravo de Instrumento- art. 198 da Lei nº 8.069/90 e 496 e segts do CPC O recurso de agravo cabe das decisões interlocutórias proferidas pelo Juiz da infância e juventude no curso do processo. O agravo segue o rito do sistema recursal do Código de Processo Civil, adapdando-se as regras previstas nos incisos I a VIII do artigo acima citado Embargos de Declaração- art.198 da lei nº 8.069/90 e art. 535 e segtes do CPC Cabem embargos de declaração nas circunstancias previstas nos incisos I e II do artigo acima mencionado. O prazo para sua interposição é de 05 (cinco) dias da intimação da sentença ou acórdão Guarda Judicial. art.33 e seguintes da Lei nº8.069/90.

8 A guarda judicial tem como objetivo regularizar a posse de fato da criança/adolescente, 8 podendo ser deferida, liminar ou acidentalmente, nos procedimentos de tutela e adoção. A guarda só será deferida fora destas situações anteriormente expostas, para atender situações peculiares ou suprir a falta eventual dos pais ou responsável. Certidão de nascimento da criança ou adolescente. Certidão de casamento ou nascimento do(s) requerente(s); Comprovante de residência dos requerentes; Carteira de identidade e CPF do(s) requerente(s); Declaração de idoneidade dos requerentes(s)(modelo defensoria); Atestado de sanidade física e mental do(s) requerentes(s);( posto de saúde) Comprovante de renda do(s) requerentes; Havendo o consentimento dos pais biológicos, estes devem assinar uma declaração consentindo com a guarda. (modelo defensoria), anexando a carteira de identidade com CPF e comprovante de residência dos mesmos, se tiver endereço certo; Se não houver o consentimento da mãe, apresentar declaração de 02 testemunhas confirmando que o(s) requerentes(s) já tem a guarda de fato da criança ou adolescente; Mandado de Segurança. Lei nº /09 e art. 5º inciso LXIX da CF /88.

9 Esta ação visa proteger direito liquido e certo, não amparado por hábeas corpus ou 9 hábeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso do poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público, e o que diz a Constituição Federal. Poderá ser ajuizada na Vara da Infância e Juventude em defesa dos direitos líquidos e certos de criança e adolescente em situação de risco ou vulnerabilidade pessoal/social. Cédula de identidade e CPF do representante legal da criança/adolescente; Registro de nascimento da criança/adolescente e cédula de identidade se tiver; Comprovante de residência do representante legal; Documento que comprove a lesão ao direito liquida e certo da criança/adolescente Provas documentais e periciais, se houver; Qualificação completa da autoridade coatora. 1.9-Perda/Suspensão do Poder Familiar - art. 24 e 155 e segts da Lei nº 8.069/90 A ação de destituição/suspensão do poder familiar se dar em razão de atos ou omissão dos pais quanto aos deveres, que coloque os filhos em situação de risco ou vulnerabilidade/pessoal e social, geralmente ocorre por abandono, maus tratos e abuso sexual. O procedimento para a perda ou a suspensão do poder familiar terá inicio por provocação do Ministério Público ou por quem tenha legítimo interesse para fazê-lo.

10 10 Cédula de identidade e CPF do requerente legitimado. Certidão de nascimento da criança/adolescente; Relatório social do abrigo, conselho tutelar ou equipe interdisciplinar que comprove que os pais infringiram os deveres inseridos ao poder familiar no caso de perda ou suspensão. Endereço com CEP residencial do requerido Regularização do Registro Civil - Lei nº 8.069/90, Art O pedido de regularização do registro civil da criança e do adolescente junto à Vara do Juizado da Infância se dá quando os pais ou responsáveis deixam de requerer ao Cartório de Registro Civil o respectivo registro. Geralmente a criança/adolescente que não possui o registro de nascimento foi abandonada pelos pais nos abrigos ou entregues para terceiros. Pode-se cumular o pedido de regularização de registro civil com o de adoção. Certidão de batismo se houver; Declaração de nascido vivo, se houver; Demais documentos que comprovem o nascimento; Se possível indicar os dados completo do registrando, nome dos pais e avós;

11 Remoção, Modificação e Dispensa de Tutor - Código Civil, art Esta ação visa remover, modificar ou dispensar o tutor da ação de tutela que tramitou perante à justiça. Geralmente ocorre em razão da falta dos deveres, negligência, prevaricação ou incapacidade do tutor. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência do requerente; Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Certidões de óbito dos pais ou comprovante que estes estão desaparecidos Declaração de idoneidade moral do requerente (modelo defensoria); Atestado de sanidade física e mental do requerente; Sentença judicial de tutela; Qualificação completa do tutor com endereço e CEP da residência do mesmo; Documentos/testemunhas que possam comprovar motivos da remoção, modificação ou dispensa do tutor; Outros documentos que comprove o alegado Suprimento de Consentimento para Viagem/Casamento- art e segtes do Código Civil e Lei nº 8.069/90.

12 O pedido de suprimento de consentimento para viagem da criança e 12 adolescente ao exterior, ou casamento de adolescente maior de 16 anos de idade ao juiz da infância, ocorre quando há a negativa de autorização por um dos pais ou em razão de sua ausência. Cédula de identidade e CPF do requerente. Certidão de nascimento do infante/adolescente. Comprovante de residência do requerente Outros documentos necessários para instruir a ação Tutela art e segts do Código Civil e art. 36 e segtes da Lei nº8.069/90. Pretende-se com esta ação regularizar a situação de criança e adolescente cujos pais são falecidos ou decaíram do poder familiar. Pode ser cumulado a ação com a de destituição do poder familiar, em decorrência de abandono, abuso e maus tratos. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência do requerente; Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Certidões de óbito dos pais ou comprovante que estes estão desaparecidos; Declaração de idoneidade moral do requerente (modelo defensoria); Atestado de sanidade física e mental do requerente; Outros documentos que comprove o alegado.

13 13 2) Ações de Execução 2.1-Execução de Alimentos (se houver pedido de prisão será cobrado apenas os três(03) últimos meses ). Lei nº /68 e art. 732 e segtes do CPC A execução dos alimentos ocorre em razão do não pagamento dos alimentos decretados judicialmente ou por acordo judicial ou extrajudicial referendado pelo defensor público. Somente poderá ser pedido a prisão do devedor quanto ao atraso do pagamento dos três últimos meses dos alimentos devido. A ação de execução de alimentos poderá também ser ajuizada com fundamento no artigo646 e segtes do CPC. Cédula de identidade e CPF da requerente/ representante; Certidão de nascimento dos filhos menores; Cópia da sentença judicial que decretou ou fixou os alimentos; Demonstrativo atualizado do débito; Endereço completo com o CEP do executado. 3- Ações Cautelares Busca e Apreensão artigo 839 segts do CPC e Lei nº 8.069/90. Esta ação tem como finalidade resgatar a criança/adolescente do poder de quem a detenha injustamente. É parte legítima para requerer, os Pais no exercício do poder familiar ou representante legal.

14 14 Carteira de identidade e CPF do requente; Comprovante de residência do requerente; Qualificação e endereço com o CEP residencial do requerido (pessoa que detem em seu poder ilegalmente a criança ou adolescente); Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Outros documentos que comprove o alegado. 3.2-Cautelar Inominada - CPC, art. 798 e seguintes. A ação cautelar inominada visa resguardar direitos da criança/adolescente, quando houver fundado receio de lesão grave e de difícil reparação, antes do julgamento da lide. Carteira de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência do requerente; Qualificação e endereço com o CEP residencial do requerido; Certidão de nascimento da criança ou adolescente. Outros documentos que comprove o alegado. SEÇÃO INFRACIONAL 4) Da Apuração de Ato Infracional Defesa Prévia- 3º do art. 186 da Lei nº 8.069/90

15 Após a oitiva do adolescente com nomeação do Defensor para patrocinar a defesa 15 do mesmo, este terá o prazo de 06(seis) dias já contado em dobro para apresentar defesa prévia. Poderá também nesta mesma peça apresentar os documentos abaixo e o rol de testemunhas e os para serem ouvidas pelo Juízo. Relação de documentos: Comprovante de matrícula escolar; Comprovante de residência; Comprovante de trabalho; Comprovante de cursos profissionalizantes; Relação com nome e endereço das testemunhas de defesa; Outros documentos necessários à defesa. 4.2-Alegações Finais- 4º do art.186 da Lei nº 8.069/90. Esta defesa deverá ser feita pelo Defensor em favor do adolescente na audiência de Instrução e Julgamento ou após a realização da mesma. Poderá ser ofertada de forma oral ou escrita. Se oral é feita na audiência após a manifestação da promotoria. Ressaltando, que a defesa não poderá concordar com aplicação de medida privativa de liberdade ao adolescente, sob pena de ferir o principio constitucional do contraditório e da ampla defesa Aplicação de Medidas Protetivas.Art. 101 da Lei nº 8.069/90

16 O Defensor poderá requerer ao Juiz nas alegações finais, a aplicação de medidas 16 protetivas previstas no art. 101 do ECA, em favor do adolescente, se comprovado que este necessita em razão de sua vulnerabilidade social e pessoal Desinternação Constituição Federal/88 e Lei nº8.069/90 O Defensor poderá requerer a desinternação do adolescente nas seguintes situações: O ato infracional atribuído ao adolescente for de menor potencial ofensivo; estiver extrapolado o prazo da internação provisória, falta de fundamentação na decisão de internação; etc. O Defensor poderá ainda, juntar ao pedido de desinternação os seguintes documentos: Cédula de Identidade do adolescente; Comprovante de residência; Comprovante de matricula escolar; Comprovante de cursos profissionalizantes; Outros documentos necessários à defesa. 4.5-Hábeas Corpus Preventivo/Liberatório - Constituição Federal e art. 647 e seguintes do CPP. Este remédio, seja de caráter preventivo ou liberatório, tem como escopo resguardar o adolescente de uma apreensão ilegal ou liberá-lo de uma internação que está sendo mantida de forma ilegal. Poderá ser ajuizada junto ao Juiz da Infância e Juventude quando

17 a ameaça ou apreensão advém de autoridade policial, porém quando esta ameaça ou 17 apreensão parte da autoridade judiciária, esta medida deverá ser requerida junto ao Tribunal. Devem ser anexados ao pedido os seguintes documentos: Cédula de identidade do adolescente e requerente; Nome e qualificação completa da autoridade coatora; Comprovante de residência do paciente; Outros documentos que comprove a ameaça ou apreensão ilegal do adolescente. Incidente de insanidade mental 5- Execução de Medidas Sócio Educativas 5.1- Progressão de Medida- Educativa art. 112 da Lei 8.069/90 Ocorre naquelas situações em que o adolescente está cumprindo medida mais gravosa por um determinado período(internação). Nesta situação o Defensor após o relatório avaliativo da equipe técnica da entidade, poderá requerer a progressão para uma medida mais branda (semi liberdade), liberdade assistida ou prestação de serviço à comunidade). 5.2-Encerramento da Execução da Medida Educativa. O Defensor deverá requerer o encerramento desta medida após a comprovação emitida pelo relatório da equipe técnica do juizado, de que o adolescente, além de já ter cumprido o período determinado pelo Juiz para cumprimento da medida, já está apto a se reintegrar ao convívio social.

18 5.3-Manifestação da defesa nos relatórios avaliativos do adolescente. Lei nº /90 Todas as vezes que a equipe técnica apresentar ao Juiz este deve dar vistas ao defensor para manifestação quanto ao conteúdo do relatório, podendo este em defesa do adolescente, e com base na manifestação da equipe técnica requerer as medidas que entender conveniente. AÇÕES CÍVEIS 1) Outros Procedimentos 1.2-Exibição de Documentos e coisas - art. 355 do CPC A parte interessada em ter/ver nos autos documentos ou coisas que se ache em poder da outra parte litigante, poderá requerer ao Juiz que esta se manifeste no prazo legal sobre o pedido, decidindo s obre a exibição, se ficar provado que este detem o documento ou coisa em seu poder. Documentos necessários Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência dos documentos ou coisas em poder do requerido; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido;

19 Incidente de Falsidade - art. 390 do CPC Este incidente poderá ser suscitado pela parte e tem lugar em qualquer tempo e grau de jurisdição, quanto à falsidade de documento anexado a ação. O juiz ordenará o exame pericial do documento, se à parte que produziu não solicitar a sua retirada dos autos. O processo principal ficará suspenso até a decisão sobre o incidente de falsidade. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência dos documentos ou coisas em poder do requerido; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido; 1.4-Oposição - art. 56 do CPC Esta ação poderá ser ajuizada por quem tenha interesse sobre a coisa ou o direito sobre o que controvertem autor e réu. A ação será distribuída por dependência, e os opostos (autor e réu da ação) serão citados para contestar o pedido. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência do requerente; Prova documental ou/e testemunhal do direito alegado; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido;

20 Remoção de inventariante art. 995 do CPC A parte legitima e interessada poderá requerer a remoção do inventariante quando este descumprir com os deveres inerentes ao cargo, cujo pedido correrá em apenso aos autos do inventario. Cédula de identidade e CPF do requerente; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido; Provas de que o inventariante deve ser removido do cargo; Identificação pelo número do processo da ação de inventario em tramitação na justiça Rescisória - art. 485 do CPC A ação rescisória tem lugar quando a sentença de mérito de uma ação já transitada em julgado, foi dada em desacordo com as normas legais previstas nos incisos I a IX do artigo 485 do CPC. Cédula de identidade e CPF do requerente legitimado; Comprovante de residência; Cópia autentica da sentença ou acórdão a ser rescindido. 2) Cautelares 2.1- Alimentos Provisionais - art. 852 e segtes do CPC.

21 A cautelar dos alimentos provisionais poderá ser requerida pela parte legítima nos autos da 21 ação de separação, divórcio e anulação de casamento, desde que separados de fato; nos autos da ação de alimentos e nos demais casos previstos em lei. Cédula de identidade e CPF da requerente; Certidão de nascimento da criança ou adolescente; Comprovante de residência da requerente; Endereço e CEP da residência do requerido; Certidão de nascimento do(s) filho(s) menor (es); Nome completo da firma com o respectivo endereço e CEP, se o requerido for empregado; Se a requerente tiver conta corrente trazer o número da conta como nome do banco e respectivo endereço. 2.2-Apreensão de Títulos- art.882 do CPC e Lei nº 9.492/97 Esta Cautelar tem como fundamento a apreensão de título não restituído ou sonegado pelo emitente. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência do direito por documentos ou testemunhas;

22 22 Qualificação completa com endereço e CEP residencial do requerido(emitente). 2.3-Arresto - art.813 e segts. do CPC O arresto tem lugar quando o devedor sem domicilio certo, intenta ausentar-se ou alienar os bens que possui, ou, deixa de pagar a obrigação no prazo estipulado, ou mesmo com domicilio certo se ausenta ou tenta ausentar-se furtivamente, caindo em insolvência aliena ou tenta alienar bens, e outras situações previstas nos incisos III e IV do artigo acima citado. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência de bens em nome do devedor; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido; Prova por testemunhas ou documentos que o devedor tenta alienar, ou passar para terceiros os bens,afim de fraudar a execução ou lesar credores. 2.4-Arrolamento de Bens- art.855 do CPC Procede-se o arrolamento de bens sempre que há fundado receio de extravio ou de dissipação dos bens. O interesse do requerente pode resultar de direito já constituído ou que deva ser declarado em ação própria. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência de bens em nome do requerido Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido

23 Prova por testemunhas e/ou documentos que o requerido esteja com intenção de 23 extraviar os bens 2.5-Atentado -art. 879 do CPC A ação cautelar de atentado é direcionada a quem no curso de processo viola penhora, arresto, seqüestro ou imissão na posse; prossegue em obra embargada, ou praticar outra qualquer inovação ilegal no estado de fato. Cédula de identidade e CPF do requerente; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido; Prova por testemunhas ou documentos que o requerido viola a penhora, arresto, seqüestro ou imissão; na posse, prossegue na obra embargada ou pratica inovação ilegal no estado de fato. Identificação do processo judicial. 2.6-Busca e Apreensão art.839 e segts do C.P.C. Esta medida tem como finalidade resgatar pessoas e coisa do poder de quem a detenha injustamente. Carteira de identidade e CPF do requente; Comprovante de residência do requerente;

24 Qualificação e endereço com o CEP residencial do requerido (pessoa que detem em 24 seu poder ilegalmente a pessoa ou coisa); Comprovante da propriedade da coisa, objeto da apreensão; 2.7-Caução -art.826 e segt. do CPC A caução é a garantia ofertada pelo devedor ou terceiro em favor do credor. A cautelar pode ser proposta, quer por quem possa exigir que outrem lhe dê caução, como também, por aquele que é obrigado a dar caução, desonerando-se, dessa forma, da obrigação de dar caução. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência do direito por documentos ou testemunhas; Qualificação completa com endereço e CEP residencial do requerido. 2.8-Cautelar inominada- art.798 e segts do CPC. A ação cautelar inominada visa resguardar direitos, quando houver fundado receio de lesão grave e de difícil reparação, antes do julgamento da lide. Carteira de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência do requerente;

25 25 Qualificação e endereço com o CEP residencial do requerido; Documentos que comprove o direito alegado. 2.9-Exibição de Documento ou Coisa -art. 844 e segts do CPC Pode ser requerida por quem tenha interesse que o documento ou coisa seja exibido judicialmente. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência da coisa ou documentos a serem exibidos; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido Justificação - art.861 e seguintes do CPC A ação de justificação objetiva comprovar a existência de algum fato ou relação jurídica, seja para fins documentais e sem caráter contencioso, seja para servir de prova em processo regular. Cédula de identidade e CPF do requerente; Prova por testemunhas e documentos da existência do fato ou relação jurídica alegada; Qualificação e endereço com CEP da residência do interessado. 2,11-Protestos/Notificações/Interpelações- art.867 e segts.

26 O protesto é a afirmação judicial feita por alguém, por escrito, do seu direito, objetivando 26 prevenir responsabilidade. Interpelação significa pedido de explicações judicialmente formulado, já a Notificação é o ato pelo qual se dá conhecimento a alguém que não contende em juízo, sob pena de determinadas conseqüências. Estas medidas são requeridas de forma isoladas, isto é, não são requeridas conjuntamente num mesmo processo. Relação de documentos: Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido; Prova por testemunhas e/ou documentos a existência do fato alegado ou do direito; Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido Outras Medidas Provisionais - art. 888 do CPC. Esta medida garante ao juiz o poder de cautela no sentido de tomar as providencias ordenando e autorizando, na pendência da ação principal ou antes de sua propositura, as medidas previstas nos incisos I a VIII do artigo acima citado. O interessado pode requerer estas medidas juntando os seguintes documentos: Cédula de identidade e CPF do requerente; Prova por testemunhas ou documentos da existência a situação e do direito alegado. Qualificação e endereço com CEP da residência do requerido Produção Antecipada de Provas - art.846 e seguintes do CPC Esta cautelar tem por finalidade conservar a prova, evitando-se assim, o risco de não se poder mais produzi-la na ação principal.

27 27 Cédula de identidade e CPF do requerente; Prova por testemunhas ou documentos da existência do direito e a necessidade da produção antecipada. Qualificação e endereço com CEP da residência do interessado Protesto - art.882 e seguintes do CPC e Lei nº 9.492/97 O protesto de títulos é feito com base na lei acima citada e deve ser requerido diretamente ao Cartório de Títulos e documentos, com a apresentação dos seguintes documentos: Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante da existência do título; Qualificação e endereço com CEP da residência do devedor Regulamentação de Visitas- art. Art. 888 inciso VI do CPC Esta medida cautelar tem por finalidade regulamentar o direito de visita aos filhos antes ou durante o processo principal. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência com o CEP residencial do requerente; Certidão de nascimento da criança e adolescente; Certidão de casamento do requerente, se casado com a requerido(a); Endereço completo com o CEP da residência do requerido Separação de corpos - art.888 inciso VI do CPC

28 Esta medida visa afastar temporariamente da morada do casal, como forma de prevenir 28 e resguardar lesão a direito de difícil reparação. Cédula de identidade e CPF do requerente; Comprovante de residência com CEP do (a) requerente; Ocorrência policial ou cópia do inquérito policial ou TCO; Laudo de exame de corpo de delito; Endereço com CEP residencial do requerido; Quaisquer outros documentos que comprove a lesão física ou psicológica Sequestro- art.822 e segts do CPC O sequesto é a retirada de uma coisa de alguém para deixá-la em deposito. Ocorre nos bens de uma demanda principal. Poderá ser decretado o seqüestro dos bens nas situações previstas nos incisos I a IV do artigo acima citado; Cédula de identidade e CPF do requerente; Identificação e prova da existência de bens patrimonial; Prova por testemunhas e/ou documentos que o devedor tenta fraudar, alienar, ou passar para terceiros os bens. 3 - Processo de Conhecimento 1)-Procedimentos comum

29 Adoção Fundamentação: artigo 1618 e segtes c/c 1623 do C.Civil Brasileiro ; Esta ação tem por finalidade a adoção de pessoas maiores de 18 anos. Segue os mesmos fundamentos jurídicos da ação de adoção de criança/adolescente. Porém esta ação deve ser ajuizada junto a Vara de família. Neste caso não há necessidade do consentimento dos pais biológicos do adotado, e sim do consentimento deste, já que possui a maioridade civil. Certidão de nascimento do adotado; Certidão de casamento ou nascimento do(s) adotante(s); Comprovante de residência dos adotantes; Carteira de identidade e CPF do(s) adotante(s); Carteira de identidade e CPF do adotado Declaração de idoneidade dos adotantes(s)(modelo defensoria); Atestado de sanidade física e mental do(s) adotante(s)( posto de saúde); Comprovante de renda do(s) adotantes; Consentimento expresso do adotado 1.2-Adjudicação compulsória art do CC. A ação deverá ser proposta pelo promitente comprador quando houver recusa ou impedimento do promitente vendedor de assinar a escritura definitiva de compra e venda do imóvel objeto da venda.

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$ PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO Outros Procedimentos Atos e expedientes Habilitação para Casamento 2 214 23 239 Art. 20, II Lei 9.94/13 ISENTO Instrução de Rescisória 240 SEM CUSTAS - Já abrangidas nas custas

Leia mais

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$

CLASSES PROCESSUAIS DO 1º GRAU DA JUSTIÇA ESTADUAL ( % ) VRTEES'S R$ PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO Outros Procedimentos Atos e expedientes Habilitação para Casamento 2 214 237 239 Art. 20, II Lei 9.974/13 ISENTO Instrução de Rescisória 240 Já abrangidas nas custas da ação

Leia mais

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Tabela de honorários de advogados dativos - 2013 (Resolução-Conjunta TJMG/AGE/ OAB 001/2013) ANEXO I - PARTE ESPECIAL 1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Salvo outra disposição

Leia mais

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO Xerox da certidão de casamento; Xerox da carteira de identidade e do CPF do autor (aquele que está procurando a Defensoria Pública) (No caso de Divórcio Consensual,

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL - 1º GRAU - MENOR INFÂNCIA E JUVENTUDE CLASSES CNJ Correspondente Código

Leia mais

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo:

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo: LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR. RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR. Documentos de Identificação: - Carteira de Identidade ou Carteira Nacional de Habilitação, no prazo

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL ATENDIMENTO JURISDICIONAL DOCUMENTOS PARA O ATENDIMENTO Documento de identificação pessoal (identidade ou certidão de nascimento) Certidão de casamento (se for casado) CPF Comprovante de renda de até 3

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA

PROCESSO CAUTELAR. COMPETÊNCIA EFICÁCIA CITAÇÃO E PRAZO PARA DEFESA PROCESSO CAUTELAR. JUSTIFICATIVA MOROSIDADE DO PROCESSO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSTICAS ASSEGURAR A PRETENSÃO EXISTENCIA DE PROCESSO PRINCIPAL CARÁTER PROVISÓRIO PROCESSO CAUTELAR CARACTERÍSITCAS CITAÇÃO

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL.

EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. 1.José foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Durante o cumprimento da medida sócio-educativa, já tendo completado dezoito anos, praticou

Leia mais

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ)

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) TAXA JUDICIÁRIA: Classes processuais - Justiça Estadual (1º GRAU) Cód. VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) JUIZADOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE 547 Seção Cível 1385 Cartas 1450 Carta de

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO

RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Cód. barras: STJ00095806 (2012) SUMÁRIO RELAÇÕES DE PARENTESCO DA FILIAÇÃO Definição... 1 Filhos concebidos na constância do casamento. Presunção... 1 Prova da impotência. Adultério da mulher... 2 Direito

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

Fredie Didier Jr. Ravi Peixoto

Fredie Didier Jr. Ravi Peixoto Fredie Didier Jr. Professor-associado da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (graduação, mestrado e doutorado). Coordenador do curso de graduação da Faculdade Baiana de Direito, Membro

Leia mais

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA TUTELA O que é tutela? É um encargo atribuído pelo Juiz a uma pessoa que seja capaz de proteger, zelar, guardar, orientar, responsabilizar-se

Leia mais

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações PROVIMENTO N.º 16 Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas que já se acharem registradas sem paternidade estabelecida, bem

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO 1. AÇÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA

DOCUMENTAÇÃO 1. AÇÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA A Faculdade de Ensino Superior de Floriano - FAESF trabalhando para você ter Direito e Cidadania traz a JUSTIÇA ITINERANTE para Floriano e região, em convênio com o Tribunal de Justiça e a Defensoria Pública.

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado

Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro do IBDFAM Autor de Obras Jurídicas Email: dimasmp@navinet.com.br

Leia mais

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas registradas sem paternidade estabelecida, bem como

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1.

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. A documentação deve estar completa e ser apresentada na ordem descrita abaixo.

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Acrescenta o inciso I ao 1º do artigo 4º da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro

Leia mais

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato(a) ou pelo(a) pai, mãe e/ou responsável legal e, apresentada

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos

ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos ANEXO II Programa Mais Professores FUSVE-USS 2016 Documentos Necessários para Requerimento de Bolsa de Estudos Os estudantes ou responsáveis legais obrigam-se a efetuar a entrega dos seguintes documentos

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO

DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO Cópia da identidade Cópia CPF Comprovante de ensino médio (histórico original e cópia) Se cursou todo ou parte do ensino médio na rede privada, apresentar documento fornecido

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1)

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1) (I) DO COMPRADOR ( ) Ficha Cadastral do Proponente (Original, preenchida, datada e assinada) ( ) Documento de Identidade de todos os compradores e seus respectivos cônjuges, se for o caso ( ) CPF de todos

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado;

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; Nota: caso o proponente for casado(a), enviar também os documentos/certidões

Leia mais

Anexo III - Requisição de Documentos

Anexo III - Requisição de Documentos Anexo III - Requisição de Documentos I - Identificação Documentos de identificação do candidato/aluno e dos membros de seu grupo familiar: 1. Documento de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA Orientação aos acadêmicos que atuarão em ações comunitárias relacionadas ao Direito da Família. Em caso de dúvida sobre a orientação jurídica e ser repassada, o aluno deverá

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Programa de Pós-Graduação em Direito Processual Civil Tema: TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS 1 I - CONCEITO a) Espécie de procedimento (de conhecimento) Processo de Conhecimento Procedimento Comum

Leia mais

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a);

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Quem são os dependentes: Cônjuge, companheiro(a), filhos menores de 21 anos, não emancipados ou inválidos e filhos até 24 anos cursando

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS SERVIÇO SOCIAL (Verificar em qual situação se enquadra e apresentar os documentos conforme especificado).

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS SERVIÇO SOCIAL (Verificar em qual situação se enquadra e apresentar os documentos conforme especificado). Sociedade dos Irmãos da Congregação de Santa Cruz COLÉGIO NOTRE DAME DE CAMPINAS Rua Egberto Ferreira de Arruda Camargo nº 151 Bairro Notre Dame Campinas - SP INFORMAÇÕES IMPORTANTES: Os documentos relacionados,

Leia mais

Relatório de Atividades desenvolvidas pela DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS de Janeiro a Dezembro de 2002. Capital Área Cível

Relatório de Atividades desenvolvidas pela DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS de Janeiro a Dezembro de 2002. Capital Área Cível Relatório de Atividades desenvolvidas pela DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS de Janeiro a Dezembro de 2002. Capital Área Cível Atendimentos 11874 Ações ajuizadas 1770 Acordos 1135 Contestações 307

Leia mais

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público

As causas em que se considera dispensável a intervenção do Ministério Público Racionalização da Intervenção do no Cível Abril de 2010 1. Separação judicial consensual onde não houver interesse de 2. Ação declaratória de união estável e respectiva partilha de bens. 3. Ação ordinária

Leia mais

Corregedoria Geral da Justiça

Corregedoria Geral da Justiça ,,* Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página 1 de 7 r Corregedoria Geral da Justiça Provimento CG. N 33/97 Regulamenta a informatização dos Ofícios de Justiça que passam a utilizar o Sistema de

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu Foz Previdência

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu Foz Previdência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2015 FOZPREV DATA: 18 de dezembro de 2015 SÚMULA: Estabelece a forma e os procedimentos para o Recadastramento Anual, na modalidade Prova de Vida, dos pensionistas vinculados

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Direito Processual Civil III

Direito Processual Civil III Direito Processual Civil III»Aula 7 Petição Inicial Pedido parte 1 Petição Inicial Pedido VI Petição inicial Pedido 1 Petição inicial - sem a petição inicial não se estabelece a relação processual tem

Leia mais

Edital de Processo Seletivo para Concessão de Bolsas de Estudo Educação Infantil e Ensino Fundamental (1º ao 5º ano)

Edital de Processo Seletivo para Concessão de Bolsas de Estudo Educação Infantil e Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) ENTIDADE EDUCACIONAL E FILANTRÓPICA Pioneira na Educação em Período Integral CNPJ: 84.697.341/0001-58 Joinville/SC Rua São Paulo, 1000/ Bucarein CEP 89 202-200 Fone/Fax: (47)3455-3457 / 3455-3132 / 3029-3132

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO Cópia da identidade Cópia CPF Comprovante de ensino médio (histórico original e cópia) Se cursou todo ou parte do ensino médio na rede

Leia mais

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA

LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÕES: LEI Nº 11.441/2007 ESCRITURA PÚBLICA DE INVENTÁRIO E PARTILHA DOCUMENTOS ROTEIRO INTRODUÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ...una mala política legislativa, consagrada a través del tiempo, no se sabe

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS- PROUNI PROCESSO SELETIVO PROUNI PARA 2015/2

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS- PROUNI PROCESSO SELETIVO PROUNI PARA 2015/2 FAHESA - Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC - INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS LTDA. Av. Filadélfia, 568 Setor Oeste Araguaína TO CEP 77.816-540 Fone:

Leia mais

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Dispõe sobre os critérios para inscrição de beneficiários no Instituto de Previdência dos Servidores Militares do Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Leia mais

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL PODER JUDICIÁRIO ĬSUMÁRIO I L. A espécie de Usucapião pág 3 II. O(s) autor(es) e seus documentos pág 4 III. O imóvel usucapiendo pág 6 IV. Antecipação de perícia

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.2 Chamada para seleção de estudantes de graduação, candidatos

Leia mais

Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1

Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1 Prefácio, xxv Nota à 8ª edição, xxvii Introdução, 1 16 MEDIDAS DE URGÊNCIA - ANTECIPAÇÃO DE TUTELA E AÇÃO CAUTELAR, 5 16.1 Medidas de urgência - considerações gerais, 6 16.2 Diferenças ontológicas entre

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE No ato de entrega dos documentos o candidato deve apresentar os originais e as cópias para conferência. 1.Documentos Diversos a) Cópia de documento de identificação (ou certidão de nascimento, quando menor

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA)

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Será concedida a Bolsa Filantrópica com base nos critérios básicos consignados nos

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PROCESSO SELETIVO PROUNI. 1 - Documentos de Escolaridade do Candidato (exclusivo para o candidato):

DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PROCESSO SELETIVO PROUNI. 1 - Documentos de Escolaridade do Candidato (exclusivo para o candidato): Atenção Candidato! DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PROCESSO SELETIVO PROUNI Na Fase de Comprovação você deverá apresentar cópia, acompanhada dos documentos originais abaixo solicitados. Para

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ. 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação;

ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ. 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação; ORIENTAÇÕES AO ALUNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO NPJ 1. ATENDIMENTO AO CLIENTE: 1.1 Aluno recebe o cliente e a sua ficha de qualificação; 1.2 Atende ao cliente (informando-o de forma clara e inequívoca,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

ANEXO II. Relação de documentos necessários à propositura das ações previdenciárias no JEF Canoas

ANEXO II. Relação de documentos necessários à propositura das ações previdenciárias no JEF Canoas ANEXO II Relação de documentos necessários à propositura das ações previdenciárias no JEF Canoas 1. AÇÕES REVISIONAIS A. IRSM inicial) e a DIB (data do início do benefício); mensal inicial do benefício;

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito (A) - o afastamento do menor autorizado a se casar contra a vontade dos pais é medida que tem natureza acautelatória. (B) - o protesto contra alienação de bens destina-se a obstar a alienação imaginada

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais