Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia"

Transcrição

1

2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia Brasília/DF 2010

3 2011 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é do autor. 2ª edição. Ano 2011 Tiragem: WEB Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia Departamento de Cana-de-açúcar e Agroenergia Esplanada dos Ministérios, Bloco D, 7º andar, sala 726 CEP: , Brasília/DF Tel.: (61) Fax.: (61) Equipe Técnica: Alexandre Betinardi Strapasson, Antônio Carlos de Oliveira Lima, Cid Jorge Caldas, Denílson Ferreira, José Nilton de Souza Vieira, Leda Laboissiere, Luís Carlos Mavignier de Araújo Job, Moacyr Faustino Júnior, Tiago Quintela Giuliani Central de Relacionamento: Coordenação Editorial: Assessoria de Comunicação Social

4 SUMÁRIO 1 Cana-de-açúcar Evolução da Produção de Cana-de-Açúcar no Brasil 9 Evolução da Área de Produção e da Produtividade da Cana-de-Açúcar no Brasil Distribuição do ATR por produto Rendimento industrial Produção Mundial 20 2 Etanol Produção Brasileira 23 Evolução da Produção de Etanol no Brasil Exportações Brasileiras Importação Brasileira Consumo de Etanol 37 3 Açúcar Produção Brasileira Exportação Brasileira Importação Brasileira Mercado Mundial de Açúcar 74 4 Oleaginosas Soja Produção Mundial Produção Nacional Comercialização Palma (Dendê) Produção Mundial Produção Nacional Comercialização Girassol Produção Mundial Produção Nacional Comercialização Algodão Produção Mundial Produção Nacional Amendoim Produção Mundial Produção Nacional Comercialização Mamona Produção Nacional Comercialização 151

5 5 Biodisel Produção Nacional Leilões ANP Matéria Prima 158 Apêndice 160 Tratamento de Dados 222 Siglas 223

6 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Prefácio Em 2008, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) buscou consolidar e reunir informações sobre a agroenergia, dando maior publicidade e transparência a esses dados. O primeiro estudo, Balanço Nacional da Cana-de-açúcar e Agroenergia, foi marcado pela consolidação das informações existentes no país, muitas das quais se encontravam fragmentadas e dispersas. Essas informações foram obtidas junto ao Arquivo Nacional e às empresas vinculadas ao Mapa, como a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Em alguns casos, as informações coletadas do setor sucroenergético datavam de Outros dados também foram incorporados, como a produção, a produtividade e a área plantada das principais culturas oleaginosas e os leilões de biodiesel. Na segunda publicação, em 2009, o trabalho recebeu um novo título, Anuário Estatístico da Agroenergia, para melhor refletir a idéia principal das informações divulgadas. Outra novidade foi a publicação do documento em inglês, o que ampliou a abrangência do público leitor e auxiliou na internacionalização das informações. Nesta edição, com o objetivo de aprimorar e ampliar as estatísticas das principais oleaginosas com potencial para a produção de biodiesel, foram adicionadas suas balanças comerciais, adquiridas junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O capítulo Biodiesel também foi ampliado, com a participação das matérias-primas na fabricação do produto. Além das publicações, o ano de 2010 foi marcado pelo lançamento do Programa de Produção Sustentável da Palma de Óleo, que garante maior sustentabilidade na expansão da cultura, restringindo novos plantios em áreas já desmatadas, estabelecendo linhas de crédito compatíveis ao seu ciclo produtivo, dando condições diferenciadas ao financiamento da Agricultura Familiar, capacitando técnicos da região e investindo em pesquisa, desenvolvimento e inovação. Com essas ações, o Mapa auxiliou o setor produtivo, universidades, associações, sindicatos e o próprio governo, na gestão e elaboração de políticas públicas voltadas para a ampliação e melhoria da agroenergia nacional. Equipe técnica do Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia Secretaria de Produção e Agroenergia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 7

7 Anuário Estatístico da Agroenergia Cana-de-açúcar Tabela - Informações técnicas da cultura Item Dado / Data Ciclo 5 anos Número médio de cortes 5 cortes Productividade de cana 85 ton/ha (120-65) Rendimento de açúcar 138kg/ton Rendimento de álcool 82 l/ton Cultivares Registrados no Mapa 119 (Saccharum L.) Fonte: Mapa. 1.1 Evolução da Produção de Cana-de-Açúcar no Brasil Tabela - Produção brasileira de cana-de-açúcar para produção de açúcar e álcool, por safra Safra Cana Moída Própria Fornecedores TOTAL 1948/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / (continua) 9

8 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Safra Cana Moída Própria Fornecedores TOTAL 1967/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / (continua) 10

9 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Safra Cana Moída Própria Fornecedores TOTAL 2004/ / / / / / Fonte: Mapa. Estimativa com base na origem da cana-de-açúcar destinada à produção de açúcar: safras 1978/79, 1981/82, 1982/83, 1983/84. Estimativa (60% fornecedores e 40% própria) com base nos dados das safras anteriores e posteriores ao período: safras 1988/89,1989/90,1990/91,1991/92,1992/93,1993/94 e 1994/95. Gráfico - Evolução da produção brasileira de cana-de-açúcar Milhões de t / / / / / / / / / / / / / / /77 Safras 1978/ / / / / / / / / / / / / / / /09 11

10 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Participação de fornecedores e produtores próprios na produção brasileira de cana-de-açúcar Milhões de t / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras Fornecedores Própria Evolução da Área de Produção e da Produtividade da Cana-de-Açúcar no Brasil Tabela - Área plantada, área colhida, produção e produtividade de cana-de-açúcar para todos os fins, por ano civil Ano Área em milhões de hectares Área Plantada Área Colhida Produção em milhões de toneladas Rendimento t/ha ,90 1,90 88,92 46, ,08 2,08 102,77 49, ,27 2,27 120,01 52, ,39 2,39 129,06 54, ,54 2,54 139,27 54, ,61 2,61 146,23 56, ,80 2,80 153,78 54, ,08 3,08 186,38 60, ,48 3,48 216,45 62, ,86 3,86 241,39 62, ,90 3,90 246,54 63, ,95 3,95 238,49 60, ,35 4,31 268,58 62,31 (continua) 12

11 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Ano Área em milhões de hectares Área Plantada Área Colhida Produção em milhões de toneladas Rendimento t/ha ,15 4,12 258,45 62, ,01 4,07 252,29 62, ,29 4,27 262,60 61, ,24 4,21 260,84 61, ,20 4,20 271,43 64, ,97 3,86 244,30 63, ,36 4,34 292,07 67, ,62 4,57 303,56 66, ,90 4,83 325,93 67, ,95 4,88 337,20 69, ,00 4,97 338,97 68, ,86 4,85 331,71 68, ,82 4,82 325,33 67, ,02 4,96 344,28 69, ,21 5,10 363,72 71, ,38 5,37 389,85 72, ,57 5,63 416,26 73, ,62 5,76 419,56 72, ,04 6,19 457,98 74, ,89 6,69 515,82 77, ,92 7,60 589,22 77, ,67 8,60 689,90 80,24 Fonte: IBGE. 13

12 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução da área de produção e da produtividade brasileira de cana-de- -açúcar para todos os fins, por ano civil Milhões de ha Toneladas por ha Anos Rendimento t/ha Área Plantada Área Colhida 1.2 Distribuição do ATR por produto Tabela - Destinação do ATR, por produto final: açúcar e etanol Safra ATR açúcar Quantidade de ATR por produto ATR etanol ATR Anidro ATR Hidratado % ATR açúcar Percentual de ATR por produto % ATR etanol % ATR anidro % ATR hidratado 1948/ % 31% / % 18% / % 13% / % 15% 29% 71% 1952/ % 17% 44% 56% 1953/ % 19% 53% 47% 1954/ % 20% 56% 44% 1955/ % 18% 60% 40% 1956/ % 16% 42% 58% 1957/ % 20% 62% 38% 1958/ % 19% 65% 35% 1959/ % 21% 65% 35% 1960/ % 19% 39% 61% 1961/ % 18% 49% 51% (continua) 14

13 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Safra ATR açúcar Quantidade de ATR por produto ATR etanol ATR Anidro ATR Hidratado % ATR açúcar Percentual de ATR por produto % ATR etanol % ATR anidro % ATR hidratado 1962/ % 16% 30% 70% 1963/ % 18% 24% 76% 1964/ % 15% 29% 71% 1965/ % 18% 57% 43% 1966/ % 23% 54% 46% 1967/ % 21% 54% 46% 1968/ % 16% 31% 69% 1969/ % 15% 22% 78% 1970/ % 17% 41% 59% 1971/ % 16% 65% 35% 1972/ % 16% 58% 42% 1973/ % 14% 47% 53% 1974/ % 13% 37% 63% 1975/ % 14% 43% 57% 1976/ % 13% 46% 54% 1977/ % 23% 81% 19% 1978/ % 37% 85% 15% 1979/ % 47% 81% 19% 1980/ % 44% 58% 42% 1981/ % 47% 35% 65% 1982/ % 53% 62% 38% 1983/ % 59% 32% 68% 1984/ % 64% 24% 76% 1985/ % 72% 28% 72% 1986/ % 68% 21% 79% 1987/ % 71% 18% 82% 1988/ % 71% 15% 85% 1989/ % 73% 13% 87% 1990/ % 72% 12% 88% 1991/ % 71% 16% 84% 1992/ % 68% 20% 80% 1993/ % 67% 23% 77% 1994/ % 65% 23% 77% 1995/ % 63% 25% 75% 1996/ % 64% 33% 67% 1997/ % 64% 38% 62% (continua) 15

14 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Safra ATR açúcar Quantidade de ATR por produto ATR etanol ATR Anidro ATR Hidratado % ATR açúcar Percentual de ATR por produto % ATR etanol % ATR anidro % ATR hidratado 1998/ % 57% 42% 58% 1999/ % 53% 48% 52% 2000/ % 53% 54% 46% 2001/ % 51% 57% 43% 2002/ % 49% 57% 43% 2003/ % 50% 61% 39% 2004/ % 49% 55% 45% 2005/ % 50% 49% 51% 2006/ % 50% 46% 54% 2007/ % 55% 39% 61% 2008/ % 61% 36% 64% 2009/ % 57% 16% 41% Fonte: Mapa. Parâmetros atuais: 1 kg açúcar = 1,0495 kg ATR 1 l anidro = 1,812 kg ATR Gráfico - Distribuição do ATR por produto final: açúcar e álcool 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 1948/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras % ATR açúcar % ATR etanol 16

15 Anuário Estatístico da Agroenergia Rendimento industrial Tabela - Produtividade de açúcar, etanol e ATR, por tonelada de cana Safra Quilograma de ATR/tonelada de cana Quilograma de açúcar/tonelada de cana Litros de etanol/ tonelada de cana Anidro/ tonelada de cana Hidratado/ tonelada de cana 1948/49 138,21 90,30 24, /50 121,40 94,37 12, /51 115,39 96,17 8, /52 116,46 94,10 10,05 2,83 7, /53 116,62 91,86 11,41 4,93 6, /54 116,95 90,78 12,20 6,32 5, /55 117,66 90,17 12,94 7,12 5, /56 116,12 90,24 12,01 7,03 4, /57 115,40 92,49 10,35 4,28 6, /58 117,29 89,07 13,34 8,20 5, /59 115,08 89,16 12,04 7,77 4, /60 117,66 88,74 13,73 8,79 4, /61 115,72 89,22 12,48 4,80 7, /62 118,33 92,90 11,73 5,66 6, /63 114,72 91,99 10,32 3,04 7, /64 111,97 87,51 11,45 2,71 8, /65 110,78 89,29 9,69 2,76 6, /66 116,74 90,86 12,01 6,70 5, /67 118,56 86,93 15,36 8,07 7, /68 117,10 87,73 14,07 7,46 6, /69 118,12 94,30 10,86 3,29 7, /70 114,04 92,22 9,82 2,14 7, /71 113,89 89,70 11,16 4,42 6, /72 111,48 88,98 10,13 6,44 3, /73 109,62 87,41 10,03 5,73 4, /74 108,06 88,12 8,78 4,04 4, /75 108,78 90,20 7,99 2,91 5, /76 104,84 86,18 8,13 3,40 4, /77 99,55 82,08 7,56 3,42 4, /78 108,60 79,40 14,05 11,25 2, /79 113,27 68,22 23,14 19,47 3,67 (continua) 17

16 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Safra Quilograma de ATR/tonelada de cana Quilograma de açúcar/tonelada de cana Litros de etanol/ tonelada de cana Anidro/ tonelada de cana Hidratado/ tonelada de cana 1979/80 116,13 59,00 30,15 24,11 6, /81 122,12 65,49 29,97 17,02 12, /82 119,00 59,72 31,91 10,93 20, /83 118,46 53,30 35,04 21,36 13, /84 118,96 46,18 39,97 12,55 27, /85 125,25 43,47 45,31 10,36 34, /86 130,88 35,03 53,46 14,66 38, /87 118,52 35,80 46,11 9,49 36, /88 126,83 35,57 51,04 8,83 42, /89 131,15 36,67 52,91 7,80 45, /90 127,54 32,36 53,48 6,52 46, /91 125,30 33,11 51,77 5,78 45, /92 136,31 37,21 55,50 8,67 46, /93 135,61 41,46 52,49 9,92 42, /94 142,62 44,36 54,67 12,21 42, /95 144,11 48,58 53,00 11,93 41, /96 142,62 50,63 50,89 12,24 38, /97 137,33 47,08 49,84 15,99 33, /98 141,76 49,13 51,03 18,86 32, /99 137,82 56,90 44,12 18,00 26, /00 140,41 62,49 42,17 19,80 22, /01 139,34 62,84 41,26 21,91 19, /02 138,07 64,98 39,23 22,16 17, /03 144,64 70,80 39,50 22,17 17, /04 146,43 69,85 41,00 24,55 16, /05 144,21 69,82 39,87 21,42 18, /06 145,31 68,54 41,33 20,04 21, /07 149,47 71,65 41,89 18,90 22, /08 146,27 63,12 45,27 17,07 28, /09 142,01 55,60 48,94 17,07 31, /10 132,90 54,90 42,70 11,52 31,18 Fonte: Mapa. Parâmetros atuais: 1 quilograma (kg) de açúcar = 1,0495 kg 1 litro (l) de anidro = 1,812 kg 1 litro (l) de hidratado = 1,7412 kg 18

17 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Destinação do ATR de cana para a produção de açúcar e etanol kg ATR/ t cana / / / / / / / / / / / / / / / /79 Safras 1980/ / / / / / / / / / / / / / /09 Quilograma de ATR/tonelada de cana Quilograma de açúcar/tonelada de cana Litros de etanol/tonelada de cana Gráfico - Destinação de cana para a produção de álcool anidro e hidratado Litros/t cana / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras Litros de etanol/tonelada de cana Anidro/tonelada de cana Hidratado/tonelada de cana 19

18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 1.4 Produção Mundial Tabela - Série histórica da produção dos principais países produtores de cana-de-açúcar, em milhões de toneladas Brasil Índia China Tailândia México Mundo Fonte: FAO. Gráfico - Série histórica da produção dos principais países produtores de cana-de- -açúcar, em milhões de toneladas Milhões de toneladas Anos Brasil Índia China 20

19 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Tabela - Série histórica da área plantada dos principais países produtores de cana-de-açúcar, em milhões de hectares Brasil 4,3 4,2 4,2 3,9 4,3 4,6 4,8 4,8 5,0 4,9 4,8 5,0 5,1 5,4 5,6 5,8 6,1 6,7 8,1 Índia 3,4 3,7 3,8 3,6 3,4 3,9 4,2 4,2 3,9 4,1 4,2 4,3 4,4 4,5 3,9 3,7 4,2 4,9 5,1 China 1,1 1,2 1,3 1,2 1,1 1,2 1,2 1,1 1,2 1,0 1,2 1,3 1,4 1,4 1,4 1,4 1,2 1,2 1,7 Tailândia 0,7 0,8 0,9 1,0 0,8 0,9 1,0 1,0 0,9 0,9 0,9 0,9 1,0 1,1 1,1 1,1 1,0 1,0 1,1 México 0,6 0,5 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,7 0,7 0,7 0,7 0,7 Mundo 17,1 17,8 18,2 17,3 17,6 18,6 19,4 19,3 19,3 19,2 19,5 19,7 20,5 20,8 20,4 20,0 20,5 22,0 24,4 Fonte: FAO. Gráfico - Série histórica da área plantada dos principais países produtores de cana-de-açúcar, em milhões de hectares 9,0 8,0 7,0 Milhões de hectares 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, Anos Brasil Índia China Tailândia México 21

20 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Tabela - Série histórica da produtividade dos principais países produtores de cana-de-açúcar, em kg/ha Brasil 79,4 75,6 73,6 73,5 74,0 74,0 74,3 77,9 82,2 79,7 78,4 75,4 77,9 76,3 69,3 64,7 73,5 77,6 79,7 Índia 65,6 65,4 66,1 63,9 67,2 71,2 67,7 66,6 66,5 72,9 70,9 68,6 67,4 63,6 59,4 64,8 66,9 72,6 68,9 China 58,9 59,2 60,2 59,9 59,3 59,3 57,3 74,9 73,5 74,9 58,3 60,9 64,9 64,2 65,3 64,1 82,6 86,1 73,1 Tailândia 48,9 52,0 51,8 40,2 47,3 54,8 58,9 57,5 51,1 54,9 59,2 56,5 59,4 65,2 58,5 46,5 49,4 63,7 69,7 México 69,9 70,3 74,7 76,4 69,1 77,6 71,1 73,6 77,5 72,9 71,3 75,8 72,2 73,7 74,6 77,1 74,5 74,5 76,4 Mundo 61,7 61,3 61,5 59,6 61,9 63,1 63,0 64,9 65,1 66,0 64,2 63,9 64,9 66,1 65,5 65,8 67,9 70,9 71,5 Fonte: FAO. Gráfico - Série histórica da produtividade dos principais países produtores de cana-de-açúcar, em kg/ha kg/ha Anos Brasil Índia China Tailândia México 22

21 Anuário Estatístico da Agroenergia Etanol 2.1 Produção Brasileira Evolução da Produção de Etanol no Brasil Tabela - Produção brasileira de etanol: anidro e hidratado SAFRA Etanol in m³ Anidro Hidratado TOTAL 1948/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / (continua) 23

22 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 24 SAFRA Etanol in m³ Anidro Hidratado TOTAL 1976/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / Fonte: Mapa e Unica. Estimativas com base na quantidade de cana destinada para álcool e produtividade da safra 1951/52, 1948/49, 1949/50 e 1950/51. Dados da Unica: 1951/52, 1952/53, 1953/54, 1954/55, 1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1960/61, 1961/62, 1962/63, 1963/64, 1964/65, 1965/66, 1966/67, 1967/68, 1968/69, 1969/70, 1984/85, 1985/86, 1986/87, 1987/88, 1988/89, 198

23 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da produção brasileira de etanol Milhões de m / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras Fonte: Mapa e Unica. Gráfico - Evolução da produção brasileira de etanol, por tipo Milhões de m / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras Hidratado Anidro Fonte: Mapa e Unica. 25

24 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2.2 Exportações Brasileiras Tabela - Exportações brasileiras de etanol em volume, valor e preço médio, por ano civil Ano Volume em mil m³ Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ ,2 294, ,4 248, ,3 319, ,9 335, ,5 368, ,3 376, ,9 417, ,4 456, ,1 369, ,5 301, ,8 161, ,8 153, ,1 266, ,2 222, ,0 240, ,7 214, ,5 295, ,0 468, ,3 417, ,1 466, ,0 405,9 Fonte: MDIC/Secex. 26

25 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Volume do etanol brasileiro exportado, por ano civil Mil m Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Valor das exportações brasileiras de etanol, por ano civil Milhões de US$ Anos 27

26 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Preço médio do etanol brasileiro exportado, por ano civil US$/m Anos 28

27 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Tabela - Exportações brasileiras de etanol em volume, valor e preço médio, por safra Safra Volume em mil m³ Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ 1989/ ,1 216,9 1990/ ,0 145,0 1991/ ,6 286,1 1992/ ,0 280,5 1993/ ,1 290,1 1994/ ,6 304,5 1995/ ,1 342,8 1996/ ,0 374,8 1997/ ,5 358,7 1998/ ,8 250,6 1999/ ,8 143,2 2000/ ,8 225,8 2001/ ,5 253,9 2002/ ,1 211,5 2003/ ,6 210,7 2004/ ,1 226,3 2005/ ,7 317,9 2006/ ,9 483,3 2007/ ,2 412,7 2008/ ,0 467,5 2009/ ,7 413,8 Fonte: MDIC/ Secex. 29

28 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Valor das exportações brasileiras de etanol, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Volume das exportações brasileiras de álcool, por safra Mil m / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 30

29 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução do preço médio do álcool brasileiro exportado, por safra US$/m / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 31

30 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2.3 Importação Brasileira Tabela - Importação brasileira de etanol em volume, valor e preço médio, por ano civil Ano Volume em mil m³ Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ ,0 15,7 160, ,4 205,5 242, ,2 225,9 285, ,9 60,1 251, ,4 133,2 248, ,6 380,1 303, ,4 471,7 332, ,7 327,4 353, ,9 179,6 339, ,5 4,3 343, ,9 4,2 233, ,0 11,9 186, ,9 42,7 362, ,7 0,9 502, ,2 1,5 236, ,4 0,3 836, ,2 0, , ,1 0, , ,3 2,0 625, ,9 1, , ,5 2,3 505,5 Fonte: MDIC/Secex. 32

31 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Volume de etanol brasileiro importado, por ano civil Mil m Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Valor das importações brasileiras de etanol, por ano civil Milhões de US$ Anos Fonte: MDIC/Secex. 33

32 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Preço médio das importação brasileira de etanol, por ano civil US$/m Anos Fonte: MDIC/Secex. Tabela - Importação brasileira de etanol em volume, valor e preço médio, por safra Safra Volume em mil m³ Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ 1989/ ,9 248,8 1990/ ,0 239,0 1991/ ,2 291,2 1992/ ,1 240,6 1993/ ,8 262,7 1994/ ,9 316,1 1995/ ,5 333,7 1996/ ,3 358,4 1997/ ,8 332,7 1998/99 3 1,5 565,3 1999/ ,2 197,4 2000/ ,7 269,3 2001/ ,9 404,0 2002/03 5 1,3 239,8 2003/04 2 0,8 393,5 2004/05 0 0, ,5 2005/06 0 0, ,8 2006/07 3 1,8 592,1 2007/08 1 0, ,6 2008/09 2 0,9 352,4 2009/ , ,5 Fonte: MDIC/Secex. 34

33 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Volume de etanol brasileiro importado, por safra Mil m / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Valor das importações brasileiras de etanol, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 35

34 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Preço médio das importação brasileira de etanol, por safra US$/m / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 36

35 Anuário Estatístico da Agroenergia Consumo de Etanol Tabela - Consumo de etanol combustível no Brasil Ano Anidro em milhões de litros Hidratado em milhões de litros Total em milhões de litros Fonte: MME 37

36 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Consumo de etanol combustível no Brasil Milhões de litros Anos Anidro Hidratado Total 38

37 Anuário Estatístico da Agroenergia Açúcar 3.1 Produção Brasileira Tabela - Produção brasileira de açúcar Safra Açúcar em t 1948/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / (continua) 39

38 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Fonte: Mapa. Safra Açúcar em t 1979/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /

39 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da produção brasileira de açúcar Milhões de toneladas / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /09 Safras 41

40 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 3.2 Exportação Brasileira Tabela - Exportações brasileiras de açúcar em quantidade, valor e preço médio, por ano civil Ano Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ ,15 267, ,70 351, ,24 261, ,82 245, ,06 256, ,86 287, ,65 302, ,74 299, ,45 278, ,44 232, ,69 157, ,11 184, ,06 203, ,64 156, ,00 165, ,23 167, ,79 215, ,00 326, ,44 263, ,97 290, ,83 355,13 Fonte: MDIC/Secex. 42

41 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade de açúcar exportado brasileiro, por ano civil Mil t Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar brasileiro, por ano civil Milhões de US$ Anos Fonte: MDIC/Secex. 43

42 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio exportado do açúcar brasileiro, por ano civil US$/t Anos Fonte: MDIC/Secex. Tabela - Exportação brasileira de açúcar em quantidade, valor e preço médio, por safra Safra Quantidade em Valor em milhões Preço médio em mil t de US$ US$/t 1989/ ,9 320,1 1990/ ,0 312,4 1991/ ,3 258,3 1992/ ,7 249,3 1993/ ,9 265,0 1994/ ,0 303,6 1995/ ,2 313,1 1996/ ,2 301,8 1997/ ,7 277,9 1998/ ,8 209,6 1999/ ,4 154,3 2000/ ,6 205,8 2001/ ,3 200,0 2002/ ,4 158,0 2003/ ,2 162,2 2004/ ,9 183,1 2005/ ,5 245,0 2006/ ,6 307,8 2007/ ,9 256,6 2008/ ,8 290,4 2009/ ,5 376,0 Fonte: MDIC/Secex. 44

43 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade exportada de açúcar brasileiro, por safra Mil t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar brasileiro, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 45

44 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio exportado do açúcar brasileiro, por ano safra US$/t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Tabela - Exportação de açúcar bruto em quantidade, valor e preço médio, por ano civil Ano Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ ,15 286, ,70 433, ,24 264, ,82 263, ,06 261, ,86 289, ,65 305, ,73 306, ,40 288, ,11 235, ,31 153, ,49 165, ,83 200, ,34 153, ,04 168, ,98 155, ,15 205, ,80 302, ,87 252, ,55 267, ,59 333,52 Fonte: MDIC/Secex. 46

45 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade exportada de açúcar bruto brasileiro, por ano civil Mil t Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar bruto brasileiro, por ano civil Milhões de US$ Anos Fonte: MDIC/Secex. 47

46 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio exportado do açúcar bruto brasileiro, por ano civil US$/t Anos Fonte: MDIC/Secex. Tabela - Exportação de açúcar bruto em quantidade, valor e preço médio, por safra Safra Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t 1989/ ,7 308,2 1990/ ,9 316,7 1991/ ,5 262,6 1992/ ,2 245,7 1993/ ,9 260,9 1994/ ,9 295,1 1995/ ,5 299,5 1996/ ,4 288,7 1997/ ,1 271,2 1998/ ,3 203,0 1999/ ,9 144,0 2000/ ,9 192,1 2001/ ,3 190,7 2002/ ,4 147,0 2003/ ,9 156,1 2004/ ,7 169,4 2005/ ,3 226,6 2006/ ,2 311,0 2007/ ,8 243,9 2008/ ,3 277,4 2009/ ,9 363,8 Fonte: MDIC/Secex 48

47 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade exportada de açúcar bruto brasileiro, por safra Mil t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar bruto brasileiro, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 49

48 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio exportado de açúcar bruto brasileiro, por safra US$/t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Tabela - Exportação de açúcar refinado brasileiro em quantidade, valor e preço médio, por ano civil Ano Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/m³ ,53 321, ,11 322, ,41 291, ,02 253, ,31 259, ,73 293, ,63 327, ,01 326, ,06 288, ,32 244, ,39 177, ,62 198, ,23 217, ,29 176, ,96 178, ,24 181, ,65 234, ,16 369, ,56 282, ,41 313, ,24 376,73 Fonte: MDIC/Secex. 50

49 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade exportada de açúcar refinado brasileiro, por ano civil Mil t Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar refinado brasileiro, por ano civil Milhões de US$ Anos Fonte: MDIC/Secex. 51

50 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio exportado de açúcar refinado brasileiro, por ano civil US$/t Anos Fonte: MDIC/Secex. 52

51 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Tabela - Exportação de açúcar refinado brasileiro em quantidade, valor e preço médio, por safra Safra Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t 1989/ ,2 332,0 1990/ ,1 308,1 1991/ ,8 254,0 1992/ ,5 252,9 1993/ ,0 269,1 1994/ ,0 312,0 1995/ ,7 326,6 1996/ ,8 314,8 1997/ ,6 284,5 1998/ ,5 216,3 1999/ ,6 164,6 2000/ ,7 219,4 2001/ ,0 209,4 2002/ ,0 169,0 2003/ ,2 168,3 2004/ ,3 196,7 2005/ ,2 263,5 2006/ ,4 349,9 2007/ ,2 280,2 2008/ ,5 323,7 2009/ ,6 411,1 Fonte: MDIC/Secex. 53

52 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução na exportação de açúcar refinado brasileiro, por safra Mil t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor exportado de açúcar refinado brasileiro, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 54

53 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução do preço médio exportado de açúcar refinado brasileiro, por safra US$/t / / / / / / / / / / /10 Safras Fonte: MDIC/Secex. 55

54 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 3.3 Importação Brasileira Tabela - Importação brasileira de açúcar em quantidade, valor e preço médio, por ano civil Ano Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t ,04 0,02 189, ,00 0,01 500, ,02 0,02 416, ,44 18, , ,75 12, , ,98 13, , ,98 10, , ,05 0, , ,04 0, , ,04 0, , ,03 0, , ,02 0, , ,01 0,02 933, ,02 0, , ,00 0, , ,01 0, , ,00 0, , ,02 0, , ,05 0, , ,01 0, , ,01 0, ,4 Fonte: MDIC/Secex. 56

55 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade importada de açúcar no Brasil, por ano civil Mil t Anos Fonte: MDIC/Secex. Gráfico - Evolução do valor importado de açúcar no Brasil, por ano civil Milhões de US$ Anos Fonte: MDIC/Secex. 57

56 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio importado de açúcar no Brasil, por ano civil US$/t Anos Fonte: MDIC/Secex. 58

57 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Tabela - Importação brasileira de açúcar em quantidade, valor e preço médio, por safra Safra Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t 1989/90 0,04 0,02 320,1 1990/91 0,00 0,00 312,4 1991/92 66,32 11,64 258,3 1992/93 41,01 7,78 249,3 1993/94 67,07 14,77 265,0 1994/95 65,72 19,08 303,6 1995/96 0,06 1,05 313,1 1996/97 0,05 0,63 301,8 1997/98 0,04 0,05 277,9 1998/99 0,04 0,05 209,6 1999/00 0,03 0,03 154,3 2000/01 0,01 0,02 205,8 2001/02 0,02 0,03 200,0 2002/03 0,01 0,01 158,0 2003/04 0,00 0,01 162,2 2004/05 0,01 0,09 183,1 2005/06 0,00 0,02 245,0 2006/07 0,03 0,06 203,3 2007/08 0,03 0,08 256,6 2008/09 0,07 0,07 951,7 2009/10 0,02 0,10 543,5 Fonte: MDIC/Secex. 59

58 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução da quantidade importada de açúcar no Brasil, por safra Mil t / / / / / / / / / / /10 Safras Gráfico - Evolução do valor importado de açúcar no Brasil, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras 60

59 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução do preço médio importado de açúcar no Brasil, por safra US$/t / / / / / / / / / / /10 Safras 61

60 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Tabela - Importação de açúcar bruto no Brasil em quantidade, valor e preço médio, por ano civil Ano Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t ,04 0,02 379, , ,44 18,08 181, ,74 12,62 214, ,96 13,05 284, ,91 9,15 327, ,00 0,00 333, , ,00 0, , ,00 0, , ,00 0, , , ,00 0, , ,01 0,01 657, ,03 0,02 785, ,00 0,01 534, ,08 0,02 315,26 Fonte: MDIC/Secex. 62

61 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Gráfico - Evolução da quantidade importada de açúcar bruto no Brasil, por ano civil 120,0 100,0 80,0 Mil t 60,0 40,0 20, Anos Gráfico - Evolução do valor importado de açúcar bruto no Brasil, por ano civil Milhões de US$ Anos 63

62 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução do preço médio importado de açúcar bruto no Brasil, por ano civil US$/t Anos 64

63 Anuário Estatístico da Agroenergia 2010 Tabela - Importação de açúcar bruto no Brasil em quantidade, valor e preço médio, por safra Safra Quantidade em mil t Valor em milhões de US$ Preço médio em US$/t 1989/90 0,04 0,02 444,4 1990/91 0, /92 66,30 11,63 175,2 1992/93 41,01 7,76 188,0 1993/94 67,05 14,51 253,5 1994/95 65,68 19,01 286,0 1995/96 0,00 0, /97 0,00 0,00 333,3 1997/98-0, /99 0,00 0, ,0 1999/00 0,00 0, ,0 2000/01 0,00 0, ,0 2001/02 0, /03 0,00 0, ,0 2003/ / / /07 0,01 0, ,5 2007/08 0,01 0, ,7 2008/09 0, /10 0,01 0, ,6 Fonte: MDIC/Secex. 65

64 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Gráfico - Evolução na quantidade importada de açúcar bruto no Brasil, por safra Mil t / / / / / / / / / / /10 Safras Gráfico - Evolução no valor importado de açúcar bruto no Brasil, por safra Milhões de US$ / / / / / / / / / / /10 Safras 66

Anuário Estatístico da. Agroenergia Statistical Yearbook of Agrienergy. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Anuário Estatístico da. Agroenergia Statistical Yearbook of Agrienergy. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Anuário Estatístico da Agroenergia 2012 Statistical Yearbook of Agrienergy Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

A Mamona ainda pode funcionar no PNPB?

A Mamona ainda pode funcionar no PNPB? A Mamona ainda pode funcionar no PNPB? Wilson José Vasconcelos Dias SEAGRI/SUAF - BAHIA TEMAS A SEREM TRATADOS Analise da potencialidade e viabilidade da inclusão da mamona na PNPB Ações governamentais

Leia mais

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil

Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Biocombustíveis e Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental no Brasil Gerson Teixeira Diretor de Economia e Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Ministério do

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Alinne B. Oliveira Superintendente de Relações Internacionais Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA 17 de novembro de 2015. O agronegócio e

Leia mais

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS

PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS PROJETO AGROMINERAIS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS Potencial Agrícola e de Mercado no Brasil para Biocombustíveis e Biodiesel Centro de Tecnologia Mineral - CETEM Cia. Nacional de Abastecimento - Conab ÂNGELO BRESSAN

Leia mais

Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel

Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel Disponibilidade de Matérias Primas e Oportunidades de Diversificação da Matriz Energética do Biodiesel Bruno Galvêas Laviola Pesquisador, Embrapa Agroenergia bruno.laviola@embrapa.br In: Câmara Setorial

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2016

Mamona Período: janeiro de 2016 Mamona Período: janeiro de 2016 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 78,96 93,13 88,33

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia Anuário Estatístico da Agroenergia Brasília/DF 2009 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos

Leia mais

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal

Biodiesel Medida Provisória nº 647 de de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Biodiesel Medida Provisória nº 647 de 2014 16 de julho de 2014 Audiência Pública - Senado Federal Aumento de mistura e seus impactos positivos Brasil é 2º maior mercado mundial de biodiesel e o 3º maior

Leia mais

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 São Paulo, 20 de setembro de 2012 ROTEIRO I. Metodologia e fonte de dados II. Aspectos climáticos e condições agrícolas III. Evolução da safra da região

Leia mais

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009

Biocombustíveis em um Contexto Global. José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 Biocombustíveis em um Contexto Global José Sérgio Gabrielli de Azevedo Presidente São Paulo 02 de junho de 2009 MERCADO PARA BIOCOMBUSTÍVEIS A manutenção das metas dos governos para biocombustíveis, nos

Leia mais

A Agricultura do Brasil e do Paraná

A Agricultura do Brasil e do Paraná Governo do Estado do Paraná A Agricultura do Brasil e do Paraná Políticas Públicas para a Produção de Biodiesel Orlando Pessuti Vice-Governador Abril/2007 BRASIL 5º Maior país do mundo PIB de US$ 1,0 trilhão

Leia mais

(Do Sr. Rubens Otoni) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Rubens Otoni) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o 6220, DE 2005 (Do Sr. Rubens Otoni) Insere o parágrafo 4º no art. 2º da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, que dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira.

Leia mais

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis

II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis II SEMINÁRIO DE MATRIZ ENERGÉTICA Perspectivas e desafios à produção e exportação de Biocombustíveis Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis 29 de Maio de 2012 Bioenergia

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 17 JUNHO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

GIRASSOL Período: Julho de 2012

GIRASSOL Período: Julho de 2012 GIRASSOL Período: Julho de 2012 QUADRO I PREÇOS PAGO AO PRODUTOR (R$ 60/Kg) Centro de Referência Un Período Anteriores Período atual Variação (%) Julho/11 Julho/12 Preços Mínimos (60/Kg) Centro Sul 60

Leia mais

Prepropostas de desoneração tributária para produtos derivados de oleaginosas

Prepropostas de desoneração tributária para produtos derivados de oleaginosas MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR Prepropostas de desoneração tributária para produtos derivados de oleaginosas Brasília, 15 de março de 2013 Prepropostas de desoneração

Leia mais

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA

IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS ROTAS DA SOJA E DA MAMONA Marcelo Pereira da Cunha NIPE Unicamp Arnaldo César da Silva Walter FEM Unicamp Manoel Régis

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DO SELO OFICIAL PARA PRODUTOS ORGÂNICOS. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

MANUAL DE APLICAÇÃO DO SELO OFICIAL PARA PRODUTOS ORGÂNICOS. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MANUAL DE APLICAÇÃO DO SELO OFICIAL PARA PRODUTOS ORGÂNICOS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. É

Leia mais

SOJA Período: 11 a 15/05/ meses mês semana. Períodos anteriores. Paridade Exportação Centro de Referência Unid Efetivo (1)

SOJA Período: 11 a 15/05/ meses mês semana. Períodos anteriores. Paridade Exportação Centro de Referência Unid Efetivo (1) SOJA Período: 11 a 15/05/2015 Centro de Produção Quadro I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$) Unid Períodos anteriores 12 1 1 meses mês semana Média mercado Semana atual Composto atacado Preço Mínimo SORRISO-MT

Leia mais

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural VP Negócios Emergentes SN Agronegócios Crédito Rural Agronegócio no Brasil fonte: SECEX/MDIC PIB Brasil 2013 R$ 4.838 bi Agronegócios R$ 1.020 bi * 21.08% US$ Bilhões 300 250 200 Exportações Brasileiras

Leia mais

Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil

Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Perspectivas e Desafios da Energia no Meio Rural no Estado de São Paulo e no Brasil Coordenação Geral de Biocombustíveis - MDA Secretaria da Agricultura Familiar - SAF Departamento de Geração de Renda

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 A estimativa para a 1ª safra de milho, temporada 2013/14, aponta uma redução de aproximadamente 180 mil hectares, que representa um decréscimo de 23% em

Leia mais

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira Vice Presidente FARSUL Terra arável disponível, por pessoa no mundo Brasil EUA Rússia Índia China União Européia Congo Austrália

Leia mais

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional

Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal. Biosol Agroindústria SA. Apresentação ao Congresso Nacional Apresentação ao Congresso Nacional 1 Oportunidades da Cana-de- Açúcar na região da Amazônia Legal Biosol Agroindústria SA Álcool e Energia Elétrica Estado Roraima Maio de 2012 Índice 2 1. Setor Sucroalcoleiro

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E COMÉRCIO MUNDIAL DE MAMÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E COMÉRCIO MUNDIAL DE MAMÃO VI SIMPÓSIO DO PAPAYA BRASILEIRO Tecnologia de produção e mercado para o mamão brasileiro Vitória ES, 10 a 13 de novembro de 2015 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E COMÉRCIO MUNDIAL DE MAMÃO Edileuza Vital Galeano

Leia mais

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel

O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel O PNPB e a Organização da Produção de Biodiesel Renata Lèbre La Rovere GEI/IE/UFRJ Selena Herrera LIMA/COPPE/UFRJ 1 O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel - PNPB BIODIESEL: combustível produzido

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MAIO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

V AVISULAT Porto Alegre/RS

V AVISULAT Porto Alegre/RS V AVISULAT Porto Alegre/RS Avanços e desafios para o agronegócio brasileiro no mercado externo. Eduardo Sampaio Marques Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio SRI/MAPA Panorama do Agronegócio

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA

PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA PANORAMA MUNDIAL DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA Robério Ferreira dos Santos e Joffre Kouri Embrapa Algodão, chgeral@cnpa.embrapa.br, joffre@cnpa.embrapa.br. RESUMO - Tendo como referência os dados publicados

Leia mais

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR NOS 10 ANOS DO PNPB Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social Dezembro de 2015 Brasília

Leia mais

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Aspectos mais relevantes das Externalidades Positivas do PNPB (Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel) e Impactos na Progressão da Mistura. Programa Nacional

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2015

Mamona Período: janeiro de 2015 Mamona Período: janeiro de 2015 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 96,02 79,16 76,18

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 43 Julho/2011 SUMÁRIO

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A cultura da soja apresenta relevante importância para a economia brasileira, sendo responsável por uma significativa parcela na receita cambial do Brasil, destacando-se

Leia mais

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G. Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Financiamento de Projetos de P&D Produção de Etanol 2G Elias Ramos de Souza SUPERINTENDENTE DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Seminário ANP/CTC BDEP, Rio de Janeiro, 24 de Setembro de 2013 Por

Leia mais

Santa Maria - RS

Santa Maria - RS MERCADO INTERNO E DE EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOTECNIA ZOOTEC 2016 SIMPÓSIO III: MARKETING E EMPREENDEDORISMO Santa Maria - RS 13-05-2016 POSIÇÃO DO BRASIL

Leia mais

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 MUNDO Tabela 1. Área, rendimento e oferta e demanda de TRIGO no mundo, safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14. Item 2011/2012 2012/2013(A) 2013/2014 (B)

Leia mais

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis

Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Ampliar a parceria estratégica entre China e Brasil no setor de petróleo, gás e biocombustíveis Haroldo Lima Diretor-Geral Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 1 1 Surgimento e evolução

Leia mais

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL RELATÓRIO DA SAFRA DE SOJA E MILHO REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL Relatório do USDA traz levantamento das regiões de produção de soja no Brasil, com a concentração da produção

Leia mais

Palavras-chave: Valor da produção municipal. PIB agropecuário. Produção agropecuária.

Palavras-chave: Valor da produção municipal. PIB agropecuário. Produção agropecuária. A evolução do PIB Agropecuário dos Municípios Osni Morinishi Rocha Resumo: A importância do crescimento da produção agropecuária municipal na formação do produto interno bruto municipal e, por conseguinte,

Leia mais

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores

Política da Qualidade. Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil. Missão. Valores Empresa A BSBIOS - Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil S/A, fundada em 2005, é referência na produção de biodiesel e, é a única indústria para a produção de energia renovável que possui sociedade

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III. Programa Paranaense de Bioenergia - PR Bioenergia -

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III. Programa Paranaense de Bioenergia - PR Bioenergia - SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III Programa Paranaense de Bioenergia - PR Bioenergia - Programa PR Bioenergia Criado pelo Decreto nº 2101 10/11/2003 Coordenação: SEAB

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 15º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de

Leia mais

FERTILIZANTES HERINGER S/A

FERTILIZANTES HERINGER S/A FERTILIZANTES HERINGER S/A 4,5 bilhões de anos Área + de 51 BILHOES de hectares 71% H2O Somente 3% agua doce +- 15 bilhoes de hectares de terra + de 1 BILHÃO HECTARES PLANTADOS 6.6 BILHOES HABITANTES Previsão

Leia mais

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL

BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL BENEFÍCIOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO E DO USO DO BIODIESEL Leonardo Botelho Zilio CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA 87ª Reunião do COEMA NACIONAL Brasília, 26 de março de 2014 Presidente da Câmara Setorial

Leia mais

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Seminário Internacional de Energias Renováveis Brasília, DF 11 de Abril de 2006 POTENCIAL BRASILEIRO PARA PRODUÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS Paulo C. R. Lima, M.Sc., Ph.D. Consultor Legislativo da Câmara dos

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA NO BRASIL

ASPECTOS ECONÔMICOS DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA NO BRASIL ASPECTOS ECONÔMICOS DO AGRONEGÓCIO DA MAMONA NO BRASIL Joffre Kouri e Robério Ferreira dos Santos Embrapa Algodão; joffre@cnpa.embrapa.br, chgeral@cnpa.embrapa.br RESUMO - A partir de dados seriais, publicados

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

INFORMAÇÕES ECONÔMICAS DA MAMONA COMO BIOCOMBUSTÍVEL

INFORMAÇÕES ECONÔMICAS DA MAMONA COMO BIOCOMBUSTÍVEL INFORMAÇÕES ECONÔMICAS DA MAMONA COMO BIOCOMBUSTÍVEL Raquel Nakazato Pinotti Economista, Ms, PqC do Polo Regional Centro Oeste /APTA raquelnakazato@apta.sp.gov.br José Geraldo Carvalho do Amaral Eng. Agr,

Leia mais

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013

Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência. Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 Petróleo e Biocombustíveis: A eterna busca pela autossuficiência Suani Teixeira Coelho Sao Paulo, 5 de agosto de 2013 No segmento de refino, a produção de derivados atingiu 2,02 milhões de barris/dia,

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 11º Seminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 28 de Novembro de

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO Global Distribution of Sugarcane Netafim's Agriculture Department Valor e produção da cultura de cana-de-açúcar dos 20 principais produtores mundiais em 2010 FAO País

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 12ºSeminário Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 04 de Dezembro de 2013

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 SETOR INDUSTRIAL DE MT QUEM SOMOS INDICADOR MT INDÚSTRIA % FONTE Número de empresas (Dez/2010) 70.877 9.126 13% RAIS 2010 VAB (Produção)

Leia mais

1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais)

1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: OUTUBRO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

Boletim do Complexo soja

Boletim do Complexo soja Boletim do Complexo soja 1. Grão: No mês de fevereiro houve um aumento no preço médio em quase todos os estados, com exceção de Santa Catarina. O estado que obteve a maior média foi o do Paraná R$ 57,31/sc,

Leia mais

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015 TRIGO Período de 27 a 30/07/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço PR 60 kg 34,43 34,35 34,45 34,42 Semana Atual Preço

Leia mais

18/2009 SITUAÇÃO MUNDIAL E POSIÇÃO BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM

18/2009 SITUAÇÃO MUNDIAL E POSIÇÃO BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM Informe 18/2009 SITUAÇÃO MUNDIAL E POSIÇÃO BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM 2008 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala 802

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO

EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO Papaya Brasil - 2005 Adelaide de Fátima Santana da Costa, David dos Santos Martins, Aureliano Nogueira da Costa, Levy Heleno Fassio 1 Instituto Capixaba

Leia mais

Mamona Período: março de 2014

Mamona Período: março de 2014 Mamona Período: março de 2014 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 128,18 130,38 126,73

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol

A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol 10º Seminário sobre Redução de Custos na Agroindústria Canavieira A evolução dos custos de produção de cana, açúcar e etanol Francisco Oscar Louro Fernandes Ribeirão Preto, 30 de Novembro de 2011 Modelo

Leia mais

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030

RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 RENOVABIO - propostas do setor sucroenergético e agenda para 2030 Momento propício para a discussão de agenda de revitalização do etanol combustível: DÉFICIT DE COMBUSTÍVEIS LEVES Falta de planejamento

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Julho de 2014 Avanço no campo garantiu ganho de participação do Brasil na produção e no comércio mundial de commodities agrícolas nos últimos anos Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Agenda Estratégica Priorizada... 32

Agenda Estratégica Priorizada... 32 Sumário Apresentação................................................................... 8 Metodologia................................................................... 9 Apresentação...................................................................

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro de 2015 Safra de grãos recorde contribuirá para o avanço do agronegócio brasileiro neste ano Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A agricultura brasileira vem mostrando

Leia mais

SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS

SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS SEMINÁRIO DESENVOLVIMENTO GLOBAL ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO ECÔNOMICA E CRIAÇÃO DE EMPREGOS AGRICULTURA COMERCIAL E A REDUÇÃO DA POBREZA AÇÕES DO GOVERNO PARA ASCENSÃO DE 30 MILHÕES DE BRASILEIROS ACIMA

Leia mais

Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG

Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG 2 03. Apresentação ÍNDICE 04. Dados de Minas Gerais 05. Área,

Leia mais

IX Simpósio de Pesquisas dos Cafés do Brasil

IX Simpósio de Pesquisas dos Cafés do Brasil IX Simpósio de Pesquisas dos Cafés do Brasil Experiências Minas Gerais / EMATER - MG Curitiba Junho de 2015 PRESENÇA NO ESTADO DE MINAS GERAIS 93% dos municípios mineiros Escritório Central em Belo Horizonte

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Assessoria de Gestão Estratégica Brasília DF Junho de 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de RIOCENTRO. e uso do biodiesel - PNPB. Alan Kardec Presidente

Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de RIOCENTRO. e uso do biodiesel - PNPB. Alan Kardec Presidente t1 Petróleo & Gás no Século XXI: Desafios Tecnológicos 15 a 18 de setembro de 2008 - RIOCENTRO PAINEL: Biodiesel Desenvolvimento regional e sustentabilidade econômica PALESTRA: Sustentabilidade econômica

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais