Aproximações entre arquitetura e urbanismo a partir do Hipercentro de Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aproximações entre arquitetura e urbanismo a partir do Hipercentro de Belo Horizonte"

Transcrição

1 Aproximações entre arquitetura e urbanismo a partir do Hipercentro de Belo Horizonte Daniel Medeiros de Freitas 1 1. Introdução A intenção do trabalho é verificar como concepções e modelos abstratos de cidade atuam na configuração do espaço urbano e como, neste aspecto, a teoria da arquitetura se aproxima desta discussão. O reconhecimento da transposição da literatura urbanística internacional para a realidade local mascarada por justificativas técnicas, acumulo de informações e caráter emergencial desarticulado pode contribuir para a compreensão de como ocorre a estruturação do espaço urbano, sobretudo no caso de áreas planejadas ou em períodos de retomada do planejamento. Para tal, dois períodos do planejamento do Hipercentro de Belo Horizonte foram analisados, o projeto original e as recentes intervenções. Na primeira parte, o trabalho demonstra a influência da teoria urbanística na concepção do projeto de Aarão Reis para, em seguida, delinear a evolução do planejamento urbano na capital mineira. A segunda parte o trabalho se dedica ao aprofundamento do conceito de fluxo e de liberdade, bem como sua relação com o planejamento urbano. A última parte elege uma das intervenções do Programa Centro Vivo, a rua Caetés, a fim de demonstrar o risco da assimilação ingênua das novas demandas do planejamento urbano e da relação da arquitetura com a cidade. 1 Núcleo de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo EA/UFMG.

2 2. Do projeto original à retomada do planejamento Françoise Choay utiliza o termo caráter propositor para diferenciar duas posturas críticas em relação à cidade, a postura comentadora, que procura compreender os fatores que atuam na estruturação do espaço urbano, e a postura propositora, que trabalha o espaço como um projeto de sociedade a se concretizar 1. O urbanismo pertence, ainda segundo a autora, a esta segunda categoria, uma vez que para se pensar a cidade foi necessário, desde o primeiro momento, sua idealização, através de modelos e posicionamentos que incorporaram tendências e sistemas de valores. A principal preocupação dos primeiros urbanistas era a ordenação da realidade, considerada caótica quando comparada aos modelos, e sua adequação às novas funções da sociedade, ou de forma mais específica, ao mercado pós-revolução industrial. A nova disciplina, no contexto em que estava inserida, precisava, no entanto, direcionar suas ações em direção à imparcialidade da técnica e do conhecimento científico, associando o rigor à quantidade de informações. Forjou-se para isso uma compreensão da cidade enquanto instrumento destinado a determinadas funções e onde o diagnóstico completo geraria o protótipo ideal. Aarão Reis, engenheiro contratado nos últimos anos do século XIX para o projeto da nova capital mineira e que tinha como referencia esta primeira geração de urbanistas, havia sido incumbido pelo governo do estado de trazer o que havia de mais moderno na ciência urbana, ou seja, as realizações do urbanismo europeu, associadas à teoria positivista, defensora do papel do progresso e da ciência na solução dos problemas sociais. As referências de planejamento do engenheiro incluíam as atuações de Haussmann em Paris e, mais próximo de sua demanda, a construção da cidade de Washington. Em conflito com a imparcialidade científica que se esperava do trabalho de Aarão Reis, havia a demanda dos promotores do projeto por uma construção que simbolizasse a mudança em direção à modernização e inclusão na cultura positivista e no ideário republicano. A transposição deste conflito para o projeto, associado à incapacidade de rompimento com antigas estruturas políticas, contribuiu para a corrupção dos ideais do

3 projetista que na época já considerava a política o grande entrave à ciência e desvios no projeto, o que também viria a acontecer em muitas das realizações do urbanismo em todo o mundo. No entanto, mesmo não tendo sido implementada na prática, a imparcialidade científica e a idéia de cidade instrumento, ou funcional, seria a base para o urbanismo pós-guerra. A demanda por habitações e reconstrução de cidades não só contribuiu para a consolidação do urbanismo enquanto disciplina e realização de grandes intervenções, como também contribuiu para a aproximação da disciplina com a arquitetura moderna e seus teóricos. Além das preocupações técnicas e das novas funções da cidade industrial, o déficit habitacional pedia soluções possíveis de serem implementadas em grande escala e a custo baixo. Por outro lado, a período vislumbrava novas demandas para a disciplina, dentre elas a possibilidade de, através da arquitetura e do urbanismo, construir um homem novo para uma nova sociedade, caracterizada pela ruptura radical com o passado e a conquista de uma nova liberdade, sem precedentes na história. No entanto, no planejamento urbano, os ideais modernos foram transpostos para a prática prioritariamente através da preocupação com a funcionalidade, o privilégio dado ao tráfego, o zoneamento de atividades e o desenho urbano monumental, ou seja, uma tentativa de transpor para cidade a organização e abstração do mercado. A ruptura com o passado foi convertida em justificativa para a implementação de medidas a serviço de interesses privados e garantia de investimentos. Em Belo Horizonte, o planejamento modernista se dedicou sobretudo ao suporte ao desenvolvimento e industrialização, através de grandes obras de infra estrutura, zoneamento de atividades. Os resultados e o discurso do progresso já era questionado na década de 60, influenciado pela crítica internacional, embora ainda de forma desarticulada. Estas primeiras críticas ao urbanismo modernista se dividiram em inúmeras vertentes e atacavam desde a inflexibilidade dos princípios e desprezo às realidades existentes até à própria ineficácia das medidas, incapazes de cumprir a revolução prometida ou mesmo a plena adequação entre cidade e industria.

4 Na literatura urbanística, pelo menos três vertentes poderiam ser identificadas 2. Uma primeira, que buscava resgatar a função da cidade de possibilitar a continuidade da sociedade através do enraizamento, defendendo a idéia de que o projeto ou a intervenção na forma urbana não admite modelos. Os críticos deste vertente desenvolviam um conceito de cidade evolutiva, cuja forma dependia muito mais do desenvolvimento gradual da sociedade, do que da satisfação a necessidades do mercado. Uma segunda vertente estudava a relação do espaço urbano com o comportamento humano. Neste sentido, identificavam a importância de espaços heterogêneos e ativos na chamada higiene mental das populações, o contrário, portanto, do pensamento funcionalista e universalizante. A terceira vertente inverte o modelo diagnóstico x produto, trabalhando com a percepção de quem usa o espaço e o papel do espaço em comunicar e transmitir valores. O planejador deveria antes de propor identificar a relação da população com o espaço. Choay identifica como representante da primeira vertente Patrick Geddes e, mais tarde Munford; da segunda vertente, Jane Jacobs; e da terceira o trabalho de Kevin Lynch. A observação da prática do planejamento poderia sugerir uma quarta escola, formada pelo desvio ou conversão dos ideais modernos em uma forma de atuação elaborada por especialistas, desarticulada e produtora de linguagem imperativa e limitadora. Pode-se dizer que este embate entre a técnica, mais ligada à distorção dos ideais modernos, e o culturalismo, ligado a suas críticas, bem como as tentativas de conciliação entre estes pólos, permanece no planejamento urbano contemporâneo. A crítica que atravessava silenciosa o período de ditadura militar, onde o questionamento ao planejamento era tido como crítica ao regime, se articula em Belo Horizonte na década de 80 e no período de democratização, mas ainda com grande dificuldade de combater a especulação do mercado e as graves crises oriundas do planejamento anterior. De modo específico, o planejamento urbano no centro, agora um pequeno núcleo dentro da metrópole, com graves problemas de tráfego e transferência de serviços para outras áreas, só será retomado na década de 90, a partir de novo referencial teórico.

5 Dentre as tentativas de conciliação entre o culturalismo e o funcionalismo a que conseguiu mais adeptos em Belo Horizonte e também atraiu o maior número de críticas foi o planejamento estratégico. Com discurso voltado para a capacidade de atrair investimentos, trazer o desenvolvimento sustentável e, no caso de Belo Horizonte, promover a justiça social, o poder público passa da figura de interventor ou regulador dos interesses privados, para parceiro ou mesmo empreendedor das intervenções. A primeira crítica a esta postura foi sintetizada no termo city marketing, onde a cidade seria freqüentemente comparada a um produto de consumo, manipulado de forma a garantir identidades forjadas e construção de consensos ilegítimos. A principal crítica ao planejamento estratégico advém, no entanto, de um enfoque menos cultural e mais econômico, o paradigma das cidades globais, que desmistifica a idéia de que cidades internacionais e com capacidade de atrair investimento não possuem problemas urbanos. O argumento relaciona as mudanças na estrutura produtiva aos processos de segregação, detectando intensificação das desigualdades sociais com concentração de riqueza e capacidade de decisão nas mãos de uma minoria. No início da década de 90, as críticas ao planejamento estratégico contribuíram para a formulação de novas estratégias de intervenção baseadas em discurso fragmentado e consensos em torno da diversidade cultural, diferencial e vocação dos espaços, parcerias, participação popular e sustentabilidade das propostas. A tendência busca principalmente articular o paradigma das cidades globais com a descentralização política e autonomia social. O papel do planejador seria a conciliação de conflitos, uma aparente crise propositiva que parece, na verdade, mascarar uma crise maior, a incapacidade do planejamento compreender as novas demandas da disciplina e sua relação com o caráter propositor. A busca de locais produzidos de forma ativa e não através de agentes externos desconhecidos, presente nas recentes críticas ao urbanismo, geralmente retomam um aspecto fundamental da modernidade, a relação entre o fluxo, espacial e temporal, e o desejo de construção de referencias na cidade.

6 3. Movimento e liberdade No urbanismo, se a primazia do trajeto em detrimento ao destino foi incorporada desde o urbanismo barroco, parece ser somente nos modelos abstratos do pré-urbanismo que ela passa a ser diretamente associada à função libertadora do homem nas primeiras metrópoles. Enquanto no urbanismo barroco a idéia de grandes avenidas possuía ligação com o controle e ordenação do espaço, além da conformação de perspectivas e edificações padronizadas, no pré-urbanismo e, mais tarde, na Carta de Atenas, a noção de movimento já está consolidada como o caminho ideal para a libertação do homem das velhas estruturas de dominação. O inverso, portanto. Para melhor compreender esta inversão, recorrerei a Otília Arantes 3 e sua citação de Camillo Sitte e Georg Simmel. A autora identifica como estrutura do argumento de Sitte a figura da praça e seu oposto, o termo patológico Agorafobia. A praça enquanto espaço circunscrito para vida pública, tal qual concebida por Sitte, perde seu sentido social no momento em que a vida moderna abandona o espaço coletivo e migra para o interior das residências. Identificando sintomas semelhantes, Georg Simmel toma, no entanto, um rumo adverso do que propõe o arquiteto vienense. No lugar de buscar elementos capazes de recriar a sociabilidade perdida no espaço exterior, Simmel identifica a liberdade proporcionada pela vida moderna através da noção de movimento. O argumento de Simmel combina a indiferença recíproca da multidão urbana ao papel protetor do intelecto no habitante citadino. O primeiro fator, ligado à objetivação e despersonalização das relações sociais, baseadas na lógica do mercado, seria responsável pelo estímulo à abstração e desenvolvimento do indivíduo, sem restrições ou entraves. O segundo fator, o papel protetor do intelecto, foi identificado de forma semelhante por outro autor, também citado por Arantes, Walter Benjamin, através da gradual transformação do choque em hábito-repetitivo nas grandes cidades. Embora os autores também possuam divergências quanto aos desdobramentos dos conceitos 4, o importante é destacar o processo de apagamento do aparelho perceptivo. Este apagamento estaria diretamente associado à incapacidade do espaço urbano vincular a memória e experiência coletiva, fato comparado por Benjamin ao apagamento

7 da aura da arte pela indústria. É dentro deste contexto, que o próprio Benjamin traz a discussão para o campo da arquitetura, a qual considera a primeira arte de massa pela peculiaridade de ser, além de uma arte antiaurática, assimilada primeiramente por dispersão, fato decorrente de ser algo utilitário antes de objeto para contemplação. O autor vai além, diferenciando a contemplação, ou contato ótico, da percepção sem esforço, difusa e descontínua, a que denomina contato tátil. A consciência da inclusão da arquitetura como parte de uma cultura material maior e sua identificação como arte antiaurática e percebida por dispersão, associado à valorização do movimento, levou ao questionamento de seus fundamentos, dentre eles, e de forma mais incisiva, sua associação com a permanência e caráter monumental atemporal 5. Por outro lado, a crítica de outro fundamento da arquitetura, a categoria do ornamento, leva a um caminho semelhante. Adolph Loos, tal como citado por Frampton 6, para nos atermos a um dos fundadores do movimento moderno, acusa o ornamento de comunicar uma sensibilidade nostálgica, cuja função seria controlar o desenvolvimento cultural e construir consenso apolítico, e procura desfazer o equívoco de que o ornamento seria à presença da arte na arquitetura. Diferenciando a essência das disciplinas, o arquiteto afirma que, enquanto a arte pertence ao domínio do sagrado e atemporal, a arquitetura é material e utilitária, pertencendo, portanto, ao domínio da necessidade da época. A diferenciação, longe de ser uma visão materialista-naturalista da arquitetura, procura denunciar a incapacidade da arquitetura, a partir daquele momento, em comunicar valores atemporais, responsáveis por distanciá-la do que Loos considera sua célula original, o lar. A relação entre a habitação e a cultura material nos leva de volta ao texto de Arantes e sua citação de Camillo Sitte, onde a noção de habitar na cidade moderna adquire a função de garantir singularidade em oposição ao exterior, a vontade do indivíduo construir autonomia e originalidade contra a objetividade da cultura do mercado. Cabe ressaltar, no entanto, que Camilo Sitte emprega, sem ingenuidade, o termo deixar rastros para descrever o papel da moradia, o que não abandona, portanto, a noção de movimento perpétuo.

8 O banimento na arquitetura da percepção ótica e do caráter aurático, em Benjamin, e do caráter atemporal e sagrado, em Loos, procura atribuir novas funções para a disciplina a fim de reconciliá-la a um novo contexto, delineado pela idéia de fluxo permanente e sem entraves em direção à liberdade, possibilitando, e sendo possibilitado, por uma percepção desatenta, indiferente e protegida de choques. Otília Arantes observa, no entanto, que esta teoria da distração tomou um rumo diferente do imaginado por seus idealizadores. As causas desta divergência são demasiadamente complexas para serem desenvolvidas neste trabalho, sendo suficiente observar que a idéia de movimento e sua associação com a liberdade passam a ser revistas diante dos primeiros sinais de crise, e que esta revisão gera um novo posicionamento da arquitetura em relação ao movimento, sua negação ou assimilação radical. O primeiro caminho, ou a negação do movimento, levaria às tentativas de resgatar características do lugar que haviam sido apagadas pela ruptura temporal e espacial. Este caminho, acredito, se divide em duas tendências. A primeira baseada no conceito de um lugar pré-existente através da atenção ao espaço e sua compreensão como fato único, dotado de sentido, nas palavras de Aldo Rossi. O papel da arquitetura seria reforçar esta característica anterior ao estilo e se diluir no contexto, reforçando suas características. A segunda tendência se baseia na capacidade de modificação exercida pela arquitetura no espaço, porém com a intenção de demarcar e fundar lugares, oferecer referências fixas capazes de definir limites e fronteiras ao espaço. Pode-se identificar nas posturas duas maneiras distintas de lidar com o fator tempo, a primeira visando assimilar o tempo através de uma espacialidade pré-conformada por ele e a segunda propondo o controle do espaço sobre o tempo, através do congelamento deste último. É possível identificar na construção do espaço urbano atual tanto o predomínio das intervenções contextualistas, quanto a fundação estratégica de lugares através de edifícios notáveis. É possível identificar, também, a aliança destes com uma visão tecnicista e funcionalista, convertida em eficiência e precisão, criando vínculos fortes entre a arquitetura, o urbanismo e a dominação e reprodução das estruturas de poder.

9 Por outro lado, o caminho que propõe a assimilação plena do movimento procura compreender instabilidade espacial e temporal dos lugares fundados, para construir, a partir daí, a subversão e viabilidade da liberdade. A diferença deste com o caminho anterior é que, enquanto o primeiro parece atribuir ao fluxo a responsabilidade pelo desvio dos objetivos originais, este segundo denuncia a corrupção do fluxo pelos antigos entraves à liberdade do indivíduo, esta última possível somente através da completa subversão das estruturas construídas. Neste momento e sob este aspecto, a crítica dos fundamentos da arquitetura se aproxima da revisão por que passam as artes plásticas 7. Dentre as vertentes críticas geradas por esta revisão, a que mais nos interessa para a discussão é a que investiga o espaço urbano através de suas experiências e não tentativas de permanência. Esta tendência foi desenvolvida de forma mais próxima ao nosso tema pelo grupo dos situacionistas, que pretendia a criação de uma arte ligada à realidade de forma integral a qual, segundo Debord, principal teórico do grupo, só poderia se realizar através do urbanismo. Se, num primeiro momento, as investigações situacionistas se referissem apenas a espaços existentes, mais tarde passariam por propostas de formas ideais para, finalmente, chegar à crítica radical do urbanismo e do planejamento em geral, porém sempre favoráveis à cidade. A favor de uma construção coletiva das cidades, os situacionistas perceberam que a forma dependia da participação ativa dos cidadãos, o que só seria possível por meio de uma verdadeira revolução da vida cotidiana. Neste sentido, se dedicaram a induzir a participação como oposição à alienação e passividade da sociedade, acreditando que os habitantes poderiam passar de simples espectadores a construtores e transformadores de seus próprios espaços. O meio utilizado para tal seria o que chamariam de deriva 8, ou a apropriação do espaço pelo pedestre através do percurso sem rumo, opondo-se ao planejamento tradicional, concebido como uma forma de gerenciar o fluxo a partir de estruturas pré-concebidas, estáticas e elaboradas por especialistas. Neste momento, os situacionistas propõem uma ruptura decisiva na relação do fluxo com o espaço urbano. Enquanto que a liberdade em Simmel e Benjamin seria possibilitada pela anulação dos entraves através da arquitetura e do urbanismo, um

10 corpo, portanto, passivo, aqui ela reaparece relacionada à ação e à capacidade do corpo ativo em movimento modificar o espaço construído. Porém, o conceito de lugar relacionado ao desejo de liberdade e conseqüente diluição no fluxo, sofre uma nova crítica baseada na compreensão de como o poder consegue se associar à capacidade da mobilidade para reproduzir a segregação nos grandes centros urbanos. Sharon Zukin 9, estudando os processos de segregação e reprodução da geometria de poder no espaço construído, identifica uma inversão no processo de exclusão tradicional. Segundo a autora, o conceito de lugar é atualmente baseado no conflito e conformação de fronteiras, através de relações possibilitadas pela mobilidade. Anulada a idéia de um centro urbano estático e bem definido, a exclusão deixa de ser em direção à periferia e passa a ser uma exclusão do espaço definido pela mobilidade, uma exclusão da interação entre diferentes escalas. Neil Smith 10 identifica, de forma semelhante, a construção de escalas geográficas como produto da luta política na produção social do espaço urbano, onde a escala seria o resultado geográfico dos conflitos sociais que visam o estabelecimento de fronteiras. Ainda na mesma linha, Doreen Massey 11 abandona o conceito de lugar como comunidade homogênea e estática, com fronteiras bem definidas. Segundo a autora, o lugar é produzido a partir da articulação das redes de relação social, o que explica tanto sua natureza não estática e indefinição de suas fronteiras, como a inexistência de identidades únicas e singulares em seu interior. A especificidade do lugar advém, portanto, da relação com outros lugares. Neste sentido, a mobilidade amplia as possibilidades de experiência e construção de lugares no espaço urbano, porém, quando concentrada fora da mão do excluído, também reforça a geometria do poder. 4. Novas demandas do planejamento na área central de BH Na época de elaboração deste trabalho, o centro de Belo Horizonte passava por uma série de intervenções urbanas articuladas sob a denominação Programa Centro Vivo. Optarei, no entanto, por um recorte suficiente para ilustrar os aspectos que pretendo abordar, a intervenções na Caetés.

11 Dentre as modificações físicas da rua estão o alargamento de calçadas, padronização do mobiliário urbano, a implementação de iluminação pública em dois níveis, nova rede de drenagem, paisagismo, piso para deficientes visuais, aterramento da rede elétrica, normas de padronização de placas publicitárias e retirada de obstáculos na calçada. Do ponto de vista do patrimônio histórico, foi feito o tombamento do conjunto e restauração de edificações. Os camelôs, vendedores ambulantes que ocupavam os passeios foram transferidos para o que vem se chamando shopping popular, localizado em galpão próximo, revitalizado através de verba adquirida pela transferência do direito de construir. As intenções da prefeitura, presentes na excessiva propaganda das propostas, são a construção de espaços de lazer e convivência na região, privilegiando o conforto e segurança dos pedestres ao mesmo tempo em que resgata a verdadeira vocação da região: comércio e eixo de ligação, promovendo a revitalização comercial numa parceria com os lojistas locais 12. Em resumo, o tipo de padronização de discurso que geralmente acompanha o planejamento urbano contemporâneo, ressaltando a resolução completa e bem sucedida de conflitos e equalização de interesses econômicos. Ganha o lojista com o aumento do movimento e retirada de camelôs, ganham os camelôs com espaço mais adequado, ganham os proprietários de imóveis com a valorização do bem, ganha o patrimônio com a revitalização custeada pela parceria privada, ganha a nova clientela com a opção de comércio. Ganham todos com a segurança, limpeza, beleza e funcionalidade da proposta. Poderíamos identificar nas intervenções a substituição de uso provocada pela valorização dos edifícios, a mudança de público, o discurso técnico e econômico próprio do marketing, a preocupação com a imagem turística e a criação de consensos através de propaganda maciça, já amplamente debatidos por críticos ao planejamento estratégico. Considero, no entanto, mais rico para a discussão, construir observações dentro do que foi exposto, ou seja, relacionar as intervenções descritas ao conceito de fluxo e novas demandas para a arquitetura e o urbanismo. Tentando reconstruir a antiga ambiência a partir do novo espaço, a primeira impressão é a de que houve uma conversão do mercado ambulante, da desordem, do

12 acúmulo de funções, da percepção do estrangeiro ao lugar, dos pequenos territórios, ou mesmo da atenção ao furto, em um espaço onde se pode deslocar sem obstáculos e de forma passiva. A clara institucionalização de regras e condutas de utilização da rua, seguida da desobstrução e eleição de novos símbolos e referências, converte a antiga e indesejada confusão e imprevisibilidade em algo muito próximo ao espaço semipúblico do shopping. Uma segregação baseada, portanto, no distanciamento do usuário com o espaço construído e sua modificação, agora legitimada por uma limpeza e uma ordenação estranhas ao espaço anterior. A crítica à intervenção remete, por outro lado, a um tipo de conciliação entre o desejo de modernização e a preservação de referências. Observando a rua Caetés atual percebe-se que, no lugar de referências reais, cotidianas, foi forjada uma imagem que evoca uma estabilidade idealizada, que não existiu no espaço construído. O que passa a ser mais problemático na medida em que ocorre uma inversão sobre a origem dos símbolos, ou da atividade sobre o espaço, passando da população para o poder público. Esta inversão, na maior parte das vezes, vem associada a uma espécie de tranqüilidade cívica, tal como identificada por Arantes, oriunda da confiança na intervenção do poder e sua capacidade, tanto de preservar imagens referenciais fixas quanto de garantir o bom funcionamento do espaço. A predominância do discurso preservacionista ou contextualista, aliado à valoração econômica do espaço urbano e de seus atrativos culturais e turísticos demonstra que a tentativa de fundação de lugares no espaço urbano ou a busca de construção ou preservação de referências atemporais é uma proposta incapaz de subverter estruturas de poder, como pode ser observado na rua Caetés. Outro aspecto a ser observado é que o discurso preservacionista, amparado pela discussão de ampliação do conceito de patrimônio e preservação do meio ambiente, começa a revelar o risco de atribuições de valores e expectativas no passado, conformando uma cultura da memória (Huyssen 13 ) ou a disseminação de memórias protéticas (Choay 14 ). Por outro lado, a aceitação do fluxo, ao mesmo tempo em que pode contribuir para a criação de corpos cívicos ativos capazes de construir símbolos no espaço urbano, pode abrigar a prorrogação de mecanismos de segregação e reprodução de estruturas de poder,

13 como bem demonstram as primeiras ressalvas ao paradigma das cidades globais. Neste sentido, o caráter propositor e a figura da utopia, conceitos apenas tangencidados no início desta discussão, têm papel fundamental na idealização do espaço urbano e das novas demandas das disciplinas envolvidas em sua produção. 15 O negligenciamento do aparente divórcio entre a arquitetura e a cidade e o silêncio em torno do caráter arbitrário do urbanismo é um dos fatores responsáveis pelo agravamento dos problemas que o planejamento urbano procura resolver ou, para usar um termo resgatado por Otília Arantes, a ironia objetiva das propostas. Considerando o caráter propositor, ou a construção arbitrária de espaços, a principal ligação entre a arquitetura e o urbanismo, poderiam ser construídas aproximações entre as disciplinas a fim de criar um diálogo menos ingênuo sobre a relação entre o projeto de edifícios e o espaço urbano. 1 CHOAY, Françoise. A regra e o modelo. Sobre a teoria da arquitetura e do urbanismo. Trad. Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Ed. Perspectiva, A sistematização foi baseada em CHOAY, Françoise. O urbanismo. Utopias e Realidades. Um antologia. Trad. Dafne Nascimento Rodrigues. São Paulo: Ed. Perspectiva, ARANTES, Otília. O lugar da arquitetura depois dos modernos. São Paulo: EDUSP, ed. 4 Otília Arantes segue com a comparação entre Simmel e Benjamin proposta por Cacciari cuja aceitação da espiritualização do homem moderno se torna para o primeiro o momento determinante da vida moderna, culminando no indivíduo blazé, e, no segundo, a expressão acabada e a contradição básica do domínio do capital e respectivo conflito de classe. A discussão como foi apresentada e a indicação do trabalho de Cacciari estão em ARANTES, Otília. Opus cit. 5 Victor Hugo, citado por Choay (1979, pág. 326), já condenava a disciplina à morte em 1832, devido à invenção da imprensa e fim do monopólio exercido pela arquitetura no registro da história da humanidade, o grande livro de pedra perdera sua função. Esta substituição de mídia reaparece no desenvolvimento da fotografia, particularmente na forma de cartões postais, e na possibilidade da imagem arquitetônica se deslocar no tempo e no espaço, rompendo, ou intensificando a ruptura da arquitetura com sua imagem. Observações desta natureza,

14 embora relacionadas mais à crítica aos monumentos do que à arquitetura, procuram a revisão dos conceitos na medida em que desmistificam papéis impensados atribuídos ao objeto arquitetônico. 6 FRAMPTON, Kenneth. História crítica da arquitetura moderna. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, A discussão está presente de forma mais elaborada no minimalismo. Com o objetivo de se concentrar a informação menos na obra do que na relação que ela instaura no espaço, os artistas deste período buscavam a anulação da subjetividade na obra e a busca de informação sensorial mínima. A intenção era possibilitar, através da obra, pistas para a compreensão da relação crítica do diálogo do dispositivo com o espaço. Espaço entendido como uma realidade complexa e não hierarquizada que, por estar em expansão eterna, possuía relação direta com o contexto histórico na mesma medida em que se apresentava como uma justaposição não gerenciável de fatos. 8 Pode-se dizer que a deriva descende de conceitos relacionados às apologias ao fluxo, anteriormente apresentadas, que conformam uma vertente histórica de oposição aos entraves à liberdade dentro do espaço urbano, tal qual vem sendo trabalhado neste texto. Sem esperança de sistematizar a história do conceito, pode-se dizer que pertencem a ela as oposições do flaneur de Baudelaire à Paris de Haussmann e as deambulações organizadas pelos dadaístas, críticas às soluções dos primeiros CIAM s. 9 ZUKIN, Sharon. Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder. In: ARANTES, Antônio A. (org.). O espaço da Diferença. Campinas,SP: Papirus, SMITH, Neil. Contornos de uma política espacializada: veículos dos sem-teto e produção de escala geográfica. In: ARANTES, Antônio A. (org.). O espaço da Diferença. Campinas,SP: Papirus, MASSEY, Doreen. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, Antônio A. (org.). O espaço da Diferença. Campinas,SP: Papirus, Trechos retirados do site da prefeitura de Belo Horizonte na sessão notícias vinculadas nos dias 23/09/2003; 22/04/2004 e 21/09/2004. O endereço do site é 13 HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Trad. Sergio Alcides. Rio de Janeiro: Aeroplano, CHOAY, Françoise. A alegoria do Patrimônio. Trad. Luciano Vieira Machado. São Paulo: UNESPE, 2001.

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte

Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 8ª BIENAL INTERNACIONAL DA ARQUITETURA Workshop para Qualificação Urbana em Cidades-Sede da COPA 2014 Belo Horizonte Alternativas para as propostas da Copa em Belo Horizonte 24 a 27 de novembro de 2009

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A BARRA: ESPAÇO MONUMENTO PATRIMÔNIO E CULTURA PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A Vila Velha, conhecida também como a Vila do Porto da Barra ou Vila do Pereira uma alusão ao primeiro donatário da Capitania

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 05 Disciplina: Planejamento Estratégico de Marketing Unidade I: Introdução ao Planejamento Estratégico Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 4º. ADM 2. Visão, Valores, Políticas,

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM XXV CONGRESSO MUNDIAL UNIAPAC 10º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE 30 DE SETEMBRO 1º E 2 DE OUTUBRO BEM COMUM Conjunto

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA INOVAÇÕES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Oportunidades para o desenvolvimento urbano sustentável GESTÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Premissas para lidar com a iluminação urbana 1. Aspirações da

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE. Laboratório de Extensão - LABEX EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: O PILAR QUE SUSTENTA A FUNÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE Laboratório de Extensão - LABEX Augusto Gomes Amado Júlia Mafra Letícia Nery de Figueiredo Juliana Westmann Del Poente Thaisa

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade O OLHAR DOS GEÓGRAFOS FRENTE ÀS MODERNIZAÇÕES NA AGRICULTURA E ÀS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS 1 Roberto Verdum 2 Departamento de Geografia/IG/UFRGS Para identificar o olhar dos geógrafos frente às modernizações

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 2º Encontro Mapeando e buscando reconhecer o território Polo 2 Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade O que vimos até

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia Simpósio Temático Sustentabilidade na Habitação de Interesse Social: cultural e social, ambiental e econômica. Rosa Bauer, Arq. Ms. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAUPUCRS Sustentabilidade e Habitação

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais