Texto: Carlos Gamito Fotografia: Rita Santos Paginação e Grafismo: Marisa Cristino. 23 Fevereiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Texto: Carlos Gamito carlos.gamito@iol.pt Fotografia: Rita Santos Paginação e Grafismo: Marisa Cristino. 23 Fevereiro 2015. geral@apdh."

Transcrição

1 A política pública de recursos humanos e formação para a saúde, as competências do corpo de enfermagem e a APDH são alguns dos temas aqui observados pelo Enf. António Santos 23 Fevereiro 2015 Texto: Carlos Gamito Fotografia: Rita Santos Paginação e Grafismo: Marisa Cristino

2 O olhar profundo e a voz timbrada pela serenidade do verbo, escoraram as muitas palavras do Homem. O Homem que subiu o primeiro degrau académico ao cursar Enfermagem Geral na Escola de Enfermagem Dona Ana Guedes, Porto. O Homem de seu nome António Santos No silêncio daquela sala, só ecoava a voz suave, pausada e bem recortada do Enf. António Santos. Com uma notável eloquência no dizer, as palavras do nosso interlocutor chegavam até nós enoveladas pelo muito saber e profundo conhecimento. O saber oferecido pelo empenho e o conhecimento conseguido através da longa escadaria subida pelo espírito filantrópico que encerra o exercício da Enfermagem. «A Enfermagem, por se mostrar no seu todo como uma actividade assente numa didáctica e pedagogia próprias, considerando-a também como uma via de ensino às populações, foram, fundamentalmente, as razões que nortearam a minha opção pela carreira», estas as primeiras palavras do Enf. António Santos. 2

3 Mas antes de darmos voz às falas do Enf. António Santos, atentemos aos muitos degraus subidos nos planos académico e profissional, os quais outorgam o amplo currículo desta distinta figura: equivalência a bacharelato em enfermagem pelo Curso de Enfermagem Geral da Escola de Enfermagem Dona Ana Guedes do Porto (1978) e a DESE pelo Curso de Especialização em Enfermagem de Reabilitação da Escola de Enfermagem Pós-básica do Porto (1989); licenciatura em Administração de Serviços de Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem Cidade do Porto (1998) e pós-graduação em Gestão dos Serviços de Saúde pelo ISCTE Instituto Universitário de Lisboa (2001), com aproveitamento na parte escolar deste Mestrado. Assumiu o cargo de membro do Conselho de Gestão do Departamento de Ortofisiatria no Hospital de Santo António do Centro Hospitalar do Porto ( ), com a categoria (subsistente, entretanto, desde 2009) de enfermeiro supervisor da carreira especial de enfermagem, depois do exercício de prática clínica de enfermagem geral ( ); de enfermagem especializada em enfermagem de reabilitação ( ); de assessoria técnica hospitalar ( ); de enfermeiro-chefe na Unidade de Cuidados Intermédios Pós-operatórios ( ), e de assessoria técnica regional na Administração Regional de Saúde do Norte ( ). Desde 2003, exerce funções de docência, como assistente convidado, na Escola Superior de Saúde da Universidade Fernando Pessoa Porto, no âmbito da licenciatura em enfermagem e póslicenciatura de especialização em Enfermagem de Reabilitação. A ENFERMAGEM DO PASSADO E A ENFERMAGEM DO PRESENTE Considerando as quase quatro décadas já decorridas sobre o início de actividade do Enf. António Santos, instámo-lo sobre o progresso dos cuidados de enfermagem do passado e do presente. Com o seu timbre de voz sempre caracterizado pela amenidade, eis as explicações deixadas pelo Enf. António Santos: «A evolução das teorias de enfermagem, mesmo as históricas, o desenvolvimento tecnológico, a autonomização dos cuidados de enfermagem e a progressiva individualização das ciências de enfermagem, vêm dando a conhecer de facto novos conceitos e novas abordagens, no entanto qualquer profissional de enfermagem continua a ser formado para focar a sua atenção na prestação de cuidados às pessoas saudáveis ou doentes, tendo sempre presente a capacitação para autocuidado da pessoa visada pela doença ou outra situação de saúde por ela vivenciada, dada a susceptibilidade em que se encontra, carecendo sempre de particular atenção não só no que concerne aos cuidados de saúde como também no que alude à valorização do ser humano. Ou seja, o paradigma da função adstrita ao pessoal de enfermagem incorpora hoje as aquisições do progresso tecnológico de suporte aos cuidados de enfermagem e uma delimitação funcional mais nítida, de modo a proporcionar ao enfermeiro instrumentos capazes de oferecerem acções de enfermagem mais confortáveis, com melhores resultados no autocuidado, na educação dos cuidadores e na adesão a regimes terapêuticos, considerando sempre a imprescindível existência de optimizadas condições de trabalho.» 3

4 Segundo este docente da Escola Superior de Saúde da Universidade Fernando Pessoa, Porto, os relatórios publicados pela OCDE indicam que em Portugal deviam ser noventa mil os enfermeiros a assegurar os cuidados de enfermagem às populações, no entanto e lamentavelmente esse número está situado nos sessenta e cinco mil profissionais, isto quando assistimos à emigração maciça imposta a esta classe profissional O CORPO DE ENFERMAGEM ESTÁ HABILITADO A PRESCREVER EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO Conforme tem sido amplamente noticiado, está em curso uma moção governamental que outorga ao corpo de enfermagem autonomia para a prescrição de exames complementares de diagnóstico nos Serviços de Urgência. A prática desta nova função está sujeita à aprovação das administrações de cada estabelecimento hospitalar, no entanto a proposta já mereceu protestos veementes, nomeadamente por parte da Ordem dos Médicos. Agora o parecer do Enf. António Santos: «Antes de mais não podem ser ignoradas algumas questões prévias: a), as persistentes infra dotações de enfermeiros nos hospitais portugueses, com sobrecarga de trabalho evidenciada nos relatórios anuais do Sistema de Classificação de Doentes em Enfermagem (SCD/E) da Administração Central do Sistema de Saúde, com base nas classificações de doentes produzidas pelos hospitais aderentes; b), a sobrelotação de doentes nos Serviços de Urgência médico-cirúrgicos ou polivalentes, com a permanência inadequada de doentes internados, porque já com diagnósticos efectuados e tratamentos iniciados, com as equipas de enfermagem em permanente sobrecarga de trabalho e sem a logística de enfermaria para assegurar as horas de cuidados de enfermagem requeridas por doente e por dia de internamento; c), o exercício de enfermagem avançada em Portugal tem tradicionalmente barreiras, como a ineficiente combinação de competências profissionais da saúde, pesando sobremaneira a escassez de enfermeiros, a reduzida formulação de orientações normativas de prática clínica interprofissional e uma limitada racionalidade económica da prestação de cuidados de saúde; d) a solicitação de meios complementares de diagnóstico a cargo de um enfermeiro, mediatizada agora, por constar numa alínea de um recente despacho do Gabinete do Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, apenas diz respeito ao enfermeiro da triagem de cada Serviço de Urgência, tratando-se de um procedimento já há muito contemplado no protocolo do Sistema de Triagem de Manchester e em linha para implementação à medida 4

5 que o estado da arte e a evolução das acções interprofissionais o permitisse.» Sempre atento às suas próprias palavras e sem ser interrompido, continuou: «Com as atuais dotações e estruturas dos hospitais, falando genericamente, entendo que a atribuição de funções avançadas aos enfermeiros, derivadas de competências de outros profissionais de saúde, só pode vir a acontecer nesta altura ou mesmo a médio prazo em detrimento da garantia dos cuidados de enfermagem à população portuguesa.» E prosseguiu: «Em vários sistemas de saúde internacionais, designadamente a nível europeu, existem imensos serviços de saúde onde essa prática clínica de enfermagem avançada está estabelecida, mas de acordo com dados publicados pela OCDE, desde 2000, considerando a média do número de enfermeiros por mil habitantes, Portugal precisaria de contar com noventa mil enfermeiros para assegurar a totalidade dos cuidados de enfermagem aos residentes, no entanto esse número está actualmente estabelecido nos sessenta e cinco mil profissionais, situação que se mostra deveras preocupante porque, como se compreenderá, compromete em muito o desenvolvimento de todas as actividades adstritas ao actual quadro das atribuições incorporadas no exercício da enfermagem, o que me leva a perguntar onde estão as condições para alargar ainda mais a área de actuação do pessoal de enfermagem. Em face deste preocupante panorama estabelecido nos nossos hospitais, entendo pouco sensata esta proposta, mas salvaguardo que a minha discordância se prende principalmente com o reduzido e logo insuficiente número de enfermeiros, no entanto sublinho que a formação dos enfermeiros em Portugal os habilita adequadamente para prescreverem exames complementares de diagnóstico, interpretarem os resultados e as eventuais alterações encontradas em contextos de prática clínica definida, por norma e por consenso, e deste modo referenciar ao médico assistente.» O segmento da formação contínua, não sendo conferente de grau académico, oferece contudo aos profissionais um enquadramento mais compatível com o grau de exigências hoje patente no quadro do desenvolvimento das pessoas no seio das organizações de saúde, e a intervenção formativa realizada pela APDH tem-se mostrado como uma mais-valia na promoção do conhecimento e de boas práticas dos profissionais do sector da saúde, esta uma das considerações deixadas pelo Senhor Enfermeiro António Santos 5

6 UMA NOTÁVEL DISSERTAÇÃO SOBRE A VERTENTE FORMATIVA E PROFISSIONAL Chegados a esta fase da entrevista, deixámos o gravador em on para, sem interrupções, registarmos a documentativa dissertação proferida pelo Enf. António Santos: «Qualquer abordagem do sistema de saúde pressupõe a capacidade de compreender os recursos humanos da saúde ou, se quisermos, o capital humano, enquanto fatia mais capacitada e habilitadora de qualquer sistema de saúde.» «O que faz um sistema de saúde são os profissionais de saúde, formados e treinados em equipa, nas faculdades e escolas de saúde em conjunto com os estabelecimentos de saúde, e os cidadãos enquanto utilizadores dos cuidados de saúde servidos pelos profissionais de saúde com qualidade e de forma compassiva, sempre assente na relação profissional terapêutica de confiança mútua.» «Se pensarmos que a responsabilidade pela didáctica de formação dos profissionais de saúde é conjunta das faculdades e dos estabelecimentos de saúde, e que a duração da formação de graduação está estabelecida entre os quatro e os cinco anos e a formação de pós-graduação se situa entre um a cinco anos, conforme as diferentes competências profissionais, torna-se imperioso reforçar o foco da sustentabilidade demográfica dos recursos humanos da saúde por esta se encontrar em risco, não só do ponto de vista quantitativo mas, sobretudo, do ponto de vista do desenvolvimento de competências humanas, tecnológicas e científicas, como do desempenho profissional de qualidade e compassivo». «Ora, com excepção dos estudos técnicos do Prof. Doutor Alberto Amaral, aquando da estratégia da saúde para o virar do século, e mais recentemente de forma integrada com PNS , a formulação de uma política pública reformadora do planeamento de formação e gestão de recursos humanos da saúde tem sido evitada, primeiro, por requerer decisão pública contra a establishment das profissões e, segundo, pela influência dos diktat da contenção de custos desde a década de 1980 e agora pela emergência de carência financeira desde 2008, ainda que se trate de uma reforma que, devidamente estruturada e implementada, fosse autosuficiente em termos financeiros enquanto retorno do investimento para uma maior racionalidade e abertura a novas profissões na área da saúde e aperfeiçoamento do mix de competências profissionais de saúde conducentes a respostas melhor ajustadas às necessidades de cuidados de saúde das pessoas, famílias, comunidades e populações, não excluindo as ainda desreguladas práticas clínicas de cuidados de saúde alternativos.» E o Senhor Enf. António Santos apontou dois exemplos: «A Região Europeia da OMS e a OCDE publicam, desde 2000, relatórios da evolução dos indicadores e dos recursos afectos à saúde de cada estado membro e o correspondente benchmark dos mesmos, que para Portugal, neste caso, indiciam o aprofundamento da persistência de uma combinação de recursos humanos ineficiente a partir do rácio de enfermeiros por médico, o qual, em 2011, era de 1,5 em Portugal, quando a média dos países da OCDE era de 2,6.» «Existe presentemente evidência que este rácio está a diminuir, porquanto devia continuar a rota incremental, conforme se verifica por consulta da PORDATA, invertendo-se nos últimos anos, novamente a última data reporta-se à década de 1980 as tendências do padrão de acréscimo anual diferenciado destes profissionais no sistema de saúde, cujos números em 2013 assinalam mais 1426 médicos e apenas mais 405 enfermeiros.» «A falta de abertura do sistema de saúde à entrada de novas profissões, como por exemplo o exercício de Podologia nos Serviços de Ortopedia ou de Reabilitação Funcional, ou a ampliação e autonomização de profissões de emergência mais recente, como a Psicologia Clínica, que já devia integrar as equipas de saúde nos hospitais, nos Centros de Saúde e nas Unidades de 6

7 Cuidados Continuados, com rácios adequados, isto atendendo a que muitas intervenções em saúde precisam de competências promotoras de mudança comportamental. A maioria das equipas de saúde, em Portugal, ainda hoje não dispõe de psicólogos clínicos no seu seio.» «Por outro lado, o sistema de formação profissional contínua, excluída a conferente de grau académico e de título de especialização profissional (pós-graduação), normalmente a cargo de Unidades de Formação estruturadas nos serviços de saúde, assenta em modelos didácticos marcadamente de sala formação teórica ou teórico-prática fora dos contextos de prática clínica, influenciada por formatos externos de supostamente maior capacidade de captação de financiamentos públicos, designadamente do FSE, em prejuízo da didáctica própria e sensível à aprendizagem e actualização permanente de prática clínica das profissões de saúde, sempre e através de elevados encargos indirectos dispensa dos profissionais para formação não suportados pelo financiamento externo e com impacto negativo na produtividade dos profissionais de saúde.» «Exceptuando a experiência inovadora do Gabinete para o Desenvolvimento do Sistema de Formação da Saúde, entre 1998 e 2000, liderada pela Prof.ª Doutora Arminda Neves, as práticas formativas acima referidas, desenvolvidas desde a década de 1990 até à data, baseadas tão só no saber tecnológico nível secundário ou de especialização tecnológica, não se enquadram nos estatutos profissionais da saúde, designadamente para creditação nos percursos formativos prescritos pelas Ordens Profissionais da saúde, aproveitando a certificação periódica de competências ou as recomendações das faculdades e escolas de saúde para adequada conversão ao sistema de créditos académicos (ECTS), visando a inserção nos currículos do segundo ou terceiro ciclo, e mesmo de pós-doutoramentos do ensino superior.» «Estes aspectos merecem ter a melhor das atenções e a devida articulação das tutelas de educação, investigação científica e saúde, destacando-se sobremaneira a prioridade da melhor diligência da saúde na actualização da certificação das Unidades de Formação dos estabelecimentos de saúde públicos, não só para a obtenção dos apoios do FSE, como, especialmente, para recuperar o enfoque nas modalidades de aprendizagem de prática clínica nos contextos onde as mesmas têm lugar, a cargo dos corpos profissionais pedagógicos com reconhecida idoneidade formativa e de inovação clínica, no País ou no estrangeiro, dando primazia a didácticas de formação em exercício, de estágio, de discussão de estudos de caso e de comunicação científica, válidas não só para aprendizagem de prática e governação clínica, como também para a aprendizagem de gestão e organização de serviços de saúde.» AS ACÇÕES DESENVOLVIDAS PELA APDH TÊM-SE MOSTRADO COMO UMA MAIS-VALIA NA VALORIZAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DO SECTOR DA SAÚDE Considerando o factor informativo como o elemento base da nossa função, mesmo conscientes da densidade desta entrevista não a podíamos terminar sem deixar o parecer, ainda que sucinto, do Enf. António Santos acerca do trabalho desenvolvido pela APDH Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar. «A APDH, desde a sua fundação que tem estabelecida a promoção da vertente formativa destinada ao desenvolvimento de competências multiprofissionais da saúde e com grande envolvimento interinstitucional, de apoio a programas e estratégias nacionais da tutela da saúde e em estreita articulação com a Direcção-Geral da Saúde, a Administração Central do Sistema de Saúde e as Administrações Regionais de Saúde. As Unidades de Formação dos estabelecimentos de saúde do País estão carenciadas de revisão e reorientação instrumental da didáctica formativa devidamente enquadrada com a natureza das profissões de saúde e enraizada nos contextos próprios das práticas profissionais clínicas e de gestão de serviços clínicos ou de suporte, visando a actualização de competências profissionais da saúde e captando cooperação, de modo a que as academias e a investigação científica possam valorizar 7

8 o conhecimento em saúde. A Associação tem-se empenhado em mostrar que a formação contínua dos profissionais da saúde é um pilar fundamental para o desenvolvimento de competências, da socialização profissional e do clima organizacional, enquanto contribuinte valioso para o aumento da satisfação dos profissionais da saúde, a boa performance dos serviços e para uma permanente melhoria dos resultados em saúde, expressa na qualidade e satisfação apercebida pelos utilizadores dos cuidados prestados no sector da saúde». E frisou: «O segmento da formação contínua, não sendo conferente de grau académico, oferece contudo aos profissionais um enquadramento mais compatível com o grau de exigências hoje patente no quadro do desenvolvimento das pessoas no seio das organizações de saúde, e a intervenção formativa realizada pela APDH tem-se mostrado como uma mais-valia na promoção do conhecimento e de boas práticas dos profissionais do sector da saúde.» Recordamos que foi em 2003 que o Enf. António Santos passou a integrar os corpos directivos da APDH. 8

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Conversas de Fim de Tarde

Conversas de Fim de Tarde Conversas de Fim de Tarde Promoção da Cultura de Segurança do Doente na Prestação dos Cuidados de Saúde Segurança, Qualidade e Sustentabilidade 10 maio 2013 Texto: Carlos Gamito carlos.gamito@iol.pt Fotografia:

Leia mais

MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL E DA SAÚDE MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL E DA SAÚDE Despacho conjunto n.º 867/2001. O Decreto-Lei n.º 50/2000, de 7 de Abril, cria a rede nacional de apoio aos militares e ex-militares portugueses portadores de

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano 2008/2009 Data 30/12/2009 Página 1 de 11 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2008/2009 (em cumprimento do Artigo 66º do Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de Junho)

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES

VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES VITAHISCARE UNIDADES HOSPITALARES APRESENTAÇÃO FUNCIONALIDADES VANTAGENS E CARACTERÍSTICAS MÓDULOS COMPLEMENTARES UNIDADES HOSPITALARES O VITA HIS CARE Unidades Hospitalares é um sistema de informação

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA BSUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO Pós-Graduação em MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros 2005 2006 Associação Portuguesa de Bancos INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO B ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra: A história de um percurso de fusão

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra: A história de um percurso de fusão HISTÓRIA E MEMÓRIA Escola Superior de Enfermagem de Coimbra: A história de um percurso de fusão Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento * Escrever sobre a Fusão das Escolas Superiores de Enfermagem

Leia mais

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO A Escola Superior de Saúde Egas Moniz (ESSEM), tutelada pela Egas Moniz Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L., foi criada pelo decreto-lei 381/99 de 22 de Setembro,

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

As reflexões aqui passadas a palavras do Prof. Doutor Carlos Pereira Alves

As reflexões aqui passadas a palavras do Prof. Doutor Carlos Pereira Alves As reflexões aqui passadas a palavras do Prof. Doutor Carlos Pereira Alves 30 Janeiro 2015 Texto: Carlos Gamito carlos.gamito@iol.pt Fotografia: Rita Santos Paginação e Grafismo: Marisa Cristino geral@apdh.pt

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

Dr. Nuno Crato Av. 5 de Outubro, 107 1069 018 Lisboa. SCTS/AR/71 Pr. n.º/7/2012 SMI, 02 de Maio de 2012

Dr. Nuno Crato Av. 5 de Outubro, 107 1069 018 Lisboa. SCTS/AR/71 Pr. n.º/7/2012 SMI, 02 de Maio de 2012 Exmo. Sr. Ministro da Educação e Ciência Dr. Nuno Crato Av. 5 de Outubro, 107 1069 018 Lisboa SCTS/AR/71 Pr. n.º/7/2012 SMI, 02 de Maio de 2012 ASSUNTO: O ensino das ciências e tecnologias da saúde. Memorando

Leia mais

Assim, nos termos do disposto na alínea d) do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 405/91, de 16 de Outubro, e no n.º 2 do artigo 14.

Assim, nos termos do disposto na alínea d) do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 405/91, de 16 de Outubro, e no n.º 2 do artigo 14. LEGISLAÇÃO NACIONAL Portaria n.º 782/97 de 29 de Agosto O Decreto-Lei n.º 405/91, de 16 de Outubro, que define o regime jurídico da formação profissional inserida no mercado de emprego, estabeleceu como

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho

Portaria n.º 242/2011. de 21 de Junho Portaria n.º 242/2011 de 21 de Junho O sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP), regulado pela Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, visa a adopção de um

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 00. Fundamentação do curso A gestão é uma área de intervenção da enfermagem com uma grande importância estratégica e primordial para a qualidade dos

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 184 22 de Setembro de 2009 6761

Diário da República, 1.ª série N.º 184 22 de Setembro de 2009 6761 Diário da República, 1.ª série N.º 184 22 de Setembro de 2009 6761 tegorias de carreira, são oponíveis para a elegibilidade necessária aos procedimentos de recrutamento e mudança de categoria previstos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO ETLA Localização A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano fica situada no Complexo Petroquímico da empresa Repsol na ZILS. Perto da realidade industrial, a sua

Leia mais

CONSELHO JURISDICIONAL

CONSELHO JURISDICIONAL PARECER CJ 228/ 2014 SOB Sobre: Competências dos Técnicos de Imagiologia - Usurpação de Funções Solicitado por: Membro devidamente identificado 1. O problema conhecido Os técnicos de imagiologia podem

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01136 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: UTL + UCP A.1.a. Identificação

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. Informação sobre o titular da qualificação 1.1 Apelido(s): Fotografia 1.2 Nome(s) próprio(s): 1.3 Data Nascimento: dd/mm/aaaa 1.4 Número de identificação do estudante: XXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa:

DECLARAÇÃO CONJUNTA. Feito em São Tomé, em 30 de Maio de 1992. Pelo Governo da República Portuguesa: Decreto n.º 2/93 Protocolo de Cooperação no Âmbito da Administração Local entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Objectivos O Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., estabelecimento de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desempenha funções diferenciadas na prestação de

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Regulamento Pedagógico Específico Índice Regulamento Pedagógico específico... 1 Conceitos chaves:... 1 1. Disposições Gerais... 2 1.1. Regime

Leia mais

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Maiêutica Cooperativa De Ensino Superior,

Leia mais

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

O R D E M D O S E N F E R M E I R O S. Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS O R D E M D O S E N F E R M E I R O S Parecer 1 A GESTÃO DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO SEIO DA REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS A questão colocada: A quem competem as funções de gestão, coordenação

Leia mais

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7023 MAPA IV Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 10. o Consultor... MAPA V Assessor do tesouro. Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 11. o Técnico especialista principal... Chefe de secção...

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO PEDIDO DE REGISTO DE ADEQUAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM

PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO PEDIDO DE REGISTO DE ADEQUAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO PEDIDO DE REGISTO DE ADEQUAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ESTUDOS DA CRIANÇA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL COM CRIANÇAS, JOVENS E FAMÍLIAS

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

MESTRADO EM FISCALIDADE

MESTRADO EM FISCALIDADE MESTRADO EM FISCALIDADE 1 - APRESENTAÇÃO Grau Académico: Mestre em Fiscalidade Duração do curso: 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema Europeu de Transferência de Créditos:

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República Exposição de motivos 1. O sistema de ensino superior conheceu nas últimas décadas

Leia mais