OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS"

Transcrição

1 OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

2 QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado com a Empresa Patrocinadora, no mínimo há 12 (doze) meses consecutivos Estar em gozo de Benefício de prestação continuada, cuja renda mensal é paga pela BRF Previdência Estar contribuindo regularmente para o Plano de Benefícios a que estiver vinculado e ter efetuado, no mínimo, 12 (doze) contribuições básicas ao referido Plano Estar quite com suas obrigações junto à BRF Previdência Estar quite com suas obrigações junto à BRF Previdência

3 LIMITE MÁXIMO DO EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS 4 (quatro) vezes o valor do último Salário de Participação 4 (quatro) vezes o valor equivalente à soma do benefício líquido recebido do Instituto Nacional de Seguridade Social-INSS* e do benefício líquido recebido da BRF Previdência Limitado a 80% (oitenta por cento) do valor correspondente ao resgate de contribuições, líquido do Imposto de Renda retido na fonte, ou a 1 (um) Salário de Participação, dos dois o maior * Caso o participante assistido não receba benefício do INSS, será considerado somente o valor do benefício líquido recebido da BRF Previdência

4 LIMITE MÁXIMO DA PRESTAÇÃO MENSAL PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Limitado a 25% (vinte e cinco por cento) da remuneração líquida média do Participante, a ser calculada com base na remuneração percebida nos três meses imediatamente anteriores ao da concessão Ou Limitado à Margem Consignável, a ser informada pela área de Recursos Humanos das Patrocinadoras, disponível no momento da concessão do Empréstimo, Limitado a 80% (setenta por cento) do último Benefício líquido recebido da BRF Previdência Ou Limitado à Margem Consignável, que corresponderá a 25% do valor resultante da soma da renda líquida recebida do INSS* e do Benefício líquido pago pela BRF Previdência, dos dois o menor dos dois o menor * Caso o participante assistido não receba benefício do INSS, será considerado somente o valor do benefício líquido recebido da BRF Previdência

5 PAGAMENTO DAS PRESTAÇÕES DO EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Desconto na folha de pagamento de salários recebido da empresa Desconto na folha de pagamento de Benefícios pago pela BRF Previdência Boleto bancário emitido pela BRF Previdência, quando não for possível consignar as prestações em folha de pagamento de salários Boleto bancário emitido pela BRF Previdência, quando não for possível consignar as prestações em folha de pagamento de Benefícios

6 ENCARGOS E TRIBUTOS O valor das prestações mensais do Empréstimo será corrigido monetariamente pela variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo IPCA Acrescido da Taxa Única, composta pela Taxa de Juros Compensatórios, Taxa de Administração, Taxa de Inadimplência e Taxa de Quitação por Morte Taxa Única (em vigor): 0,86% ao mês Composição da Taxa Única: Taxa de Juros: 0,54% ao mês Taxa de Administração: 0,16% Taxa de Inadimplência: 0,08% Taxa de Quitação por Morte: 0,08% O Imposto sobre Operações Financeiras - IOF será retido no ato da concessão do Empréstimo, e será calculado de acordo com o valor financiado e o prazo de amortização, obedecendo a legislação vigente

7 PRAZO DE AMORTIZAÇÃO O Empréstimo será pago em até 60 (sessenta) prestações mensais e sucessivas A primeira prestação vence no mês subsequente ao crédito do Empréstimo na conta corrente bancária do participante É possível efetuar amortização extraordinária do empréstimo, podendo optar pela redução do valor da prestação ou do prazo de pagamento

8 REPACTUAÇÃO DO EMPRÉSTIMO É possível repactuar o Empréstimo sempre que tenha efetuado o pagamento de 24 (vinte e quatro) prestações ou atingido o limite de 50% (cinquenta por cento) das prestações contratadas do Empréstimo com prazo igual ou inferior a 24 (vinte e quatro) meses

9

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução:

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução: RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 A Diretoria da Fundação Assistencial dos Empregados da CESAN - FAECES, usando de atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto da Entidade, RESOLVE estabelecer

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES...3 CAPÍTULO III - DOS LIMITES INDIVIDUAIS...3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário;

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário; REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL A FUNDAÇÃO COPEL DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, pessoa jurídica de direito privado, entidade fechada de previdência complementar, sem fins lucrativos, inscrita no

Leia mais

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE 1. QUAIS SÃO OS TIPOS DE EMPRÉSTIMOS OFERECIDOS PELO POSTALIS? O POSTALIS oferece atualmente a seus participantes duas modalidades de empréstimos: o simples

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para concessão e controle de empréstimos aos participantes e beneficiários assistidos

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de Regulamento do Plano de Empréstimo 6ª Alteração Vigência: a partir de 01.05.2009 1. Dos Objetivos Estabelecer os direitos e obrigações da Fundambras e dos seus Participantes na concessão de empréstimos

Leia mais

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos

Leia mais

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013)

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) VIGÊNCIA: 02/01/2014 (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÕES 3 - LIMITE DE CRÉDITO 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Diretoria de Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Manoel Lopes de Oliveira Neto Sandra Maria Albuquerque Torreão

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pré-fixadas pelo

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos Financeiros... 3 Capítulo

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 1. FINALIDADE: Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal aos Participantes Ativos da Fundação Technos de Previdência Social, que necessitarem

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO O Empréstimo constitui-se numa das modalidades de investimento do patrimônio dos Planos A/B, C e D administrados pela Fundação, estando subordinado

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O presente Regulamento disciplina a concessão de empréstimo pessoal aos Participantes do Plano de Benefícios Básico CNPB n.º 19.900.014-83,

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Jackeline L. do Nascimento Manoel Lopes de O. Neto Pompeu Henrique C. Neto HISTÓRICO DA ÚLTIMA MODIFICAÇÃO EDIÇÃO DATA

Leia mais

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA 1 CAPÍTULO I FINALIDADE Art 1º. Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 Índice Página CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 CAPÍTULO III DA HABILITAÇÃO AO EMPRÉSTIMO... 2 CAPÍTULO IV DO TERMO DE ADESÃO...

Leia mais

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências -2/6 - Condições para o Financiamento -2/6 - Disposições Gerais -6/6 - Vigência -6/6 Objetivo. 1. Est

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP Sumário CAPÍTULO I - FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III ELEGIBILIDADE AO EMPRÉSTIMO... 6 CAPÍTULO IV LIMITE DE CONCESSÃO DO EMPRÉSTIMO...

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS CAPÍTULO I DO EMPRÉSTIMO Art. 1º O Empréstimo ofertado pela Previnorte, formalizado em contrato de mútuo, tem por finalidade atender aos participantes ativos e aos assistidos

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de refinanciamento de mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento

Leia mais

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Sumário - Objetivo 1/6 - Conceitos Básicos 1/6 - Competências 2/6 - Condições para o Financiamento 2/6 - Disposições Gerais 6/6 - Vigência 6/6 Objetivo 1. Este Anexo

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN 13º FEVEREIRO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1. FINALIDADE REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação PLANO PETROS 2 PREMISSAS DA SUA ESTRUTURAÇÃO O PLANO PETROS-2 será estruturado na modalidade de Contribuição Variável, nos termos da legislação aplicável

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF Capítulo I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar a concessão de empréstimo pela Fundação dos Economiários Federais

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista

Manual do Aposentado e Pensionista Manual do Aposentado e Pensionista 1 SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento do Benefício?...3 Quais as formas de recebimento dos Benefícios?...3 Quando

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Administração Financeira AFAF D.AF.18 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES

ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES Responsável: Departamento Operacional do Crédito Consignado Versão: 19 Vigência: 20.07.2015 Código PO: OCC-02 ROTEIRO DE LIMITES OPERACIONAIS CORRESPONDENTES SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Vigência e

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento das Carteiras de Empréstimos Simples dos Planos de Benefícios administrados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 7 DE MARÇO DE 2017 (DOU 08/03/2017) Dá nova redação à Instrução Normativa nº 22, de 14 de dezembro de 2015, do Ministério das Cidades, que regulamenta o Programa Carta de

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa 4. POLÍTICA DE EMPRÉSTIMO tipuladas nesta política. 4.1 Crédito Pessoal a) Finalidade b) de pagamento Todos os associados Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa Até 36 meses Até

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN - VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

Resolução SICOOB Cooperplan nº 3, de 2017.

Resolução SICOOB Cooperplan nº 3, de 2017. Resolução SICOOB Cooperplan nº 3, de 2017. Define condições para a oferta de crédito. O Conselho de Administração da Cooperativa de Crédito de Servidores Públicos Cooperplan Ltda. SICOOB Cooperplan, com

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações do Regulamento do Plano de Aposentadoria Básico da PREVI-SIEMENS

Quadro Comparativo das Alterações do Regulamento do Plano de Aposentadoria Básico da PREVI-SIEMENS Capítulo A.7. Dos Institutos Legais Obrigatórios A.7.1 - No caso de Término do Vínculo Empregatício, o Participante Ativo que não for elegível ao Benefício de Aposentadoria Normal previsto neste Regulamento

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS

Leia mais

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS CNPB Nº 19.900.013-19 Texto Atual Texto Proposto Justificativa São partes no presente instrumento: Fundo SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia RESOLUÇÃO Nº 002/2016 - CP Programa de Regularização Financeira da Ordem dos Advogados Brasil Seccional Bahia. CONSELHO PLENO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO ESTADO DA BAHIA, reunido em 16

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 315, de 29 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 Altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 8.213, de 24 de julho de 1991, para tratar da associação do

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1. FINALIDADE REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios ACPrev, administrado pelo Fundo

Leia mais

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ADMINISTRADOS PELA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado

Itaú Fundo Multipatrocinado Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Benefícios Schneider (CNPB n 2006.0040-11) Itaú Fundo Multipatrocinado Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA O SERPROS - FUNDO MULTIPATROCINADO, Entidade Fechada de Previdência Complementar, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede e

Leia mais

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS

PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PARECER ATUARIAL PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS A data base da avaliação atuarial do Plano Misto de Benefícios, administrado pela Mendesprev Sociedade Previdenciária, objeto deste parecer é 31/12/2010. Objetivo

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE / DESTINAÇÃO... 3 3. DESTINATÁRIOS... 4 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 5 6. PRAZOS... 6 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 6 9. CONDIÇÕES

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Identificação: FM.MAN-EMP.BD.01 Versão: 02 Data: 27/09/2016 Página 1 de 5 CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Este instrumento qualifica como Participante-Contratante, as categorias: participante ativo

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n )

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n ) PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n. 2013.0011-18) TEXTO ORIGINAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA Do Glossário XXVII Resgate : o instituto que prevê o recebimento do valor conforme previsto no Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF FIXO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1 - FINALIDADE Este Regulamento dispõe sobre a concessão de empréstimo pessoal pela Fundação de Previdência do Instituto Emater - FAPA,

Leia mais

QUADRO 3 Rendimentos Tributáveis, Deduções e Imposto Retido na Fonte

QUADRO 3 Rendimentos Tributáveis, Deduções e Imposto Retido na Fonte Entenda o Comprovante de Rendimentos dos Assistidos Para a Declaração do IRPF exercício 2017, ano-calendário 2016, a FAPES preparou um roteiro explicando os principais campos do Comprovante de Rendimentos

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO Página: 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DOS DESTINATÁRIOS... 2 CAPÍTULO III DA DOCUMENTAÇÃO DOS DESTINATÁRIOS... 3 CAPÍTULO IV DOS LIMITES INDIVIDUAIS...

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996 DELPHOS INFORMA ANO 2 - Nº 11 - MAIO / 96 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO Nº 217/96 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO EM 14

Leia mais

Incorporação Construção *TABELA SUJEITA À ALTERAÇÃO

Incorporação Construção *TABELA SUJEITA À ALTERAÇÃO Incorporação Construção *TABELA SUJEITA À ALTERAÇÃO EMPREENDIMENTO...: Dolce Villa ENDEREÇO...: Rua Gastão Madeira x Pç. Gomes de Figueiredo BAIRRO...: Vila Maria Alta SPE: GRENOBLE I N F O R M A Ç Õ E

Leia mais

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU )

PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU ) PORTARIA MPS/MF Nº 333, DE 29 DE JUNHO DE 2010 (DOU 30.06.2010) Dispõe sobre o salário mínimo e o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

POLÍTICA DE DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE

POLÍTICA DE DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE POLÍTICA DE DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE POLÍTICA DE DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE A Fundação de Previdência do Instituto EMATER FAPA considera que a autoridade flui em sentido decrescente ao passo que a responsabilidade

Leia mais

TABELA DE VENDAS - Nobre Norte Clube Residencial OUTUBRO DE 2016 ED. CONDE

TABELA DE VENDAS - Nobre Norte Clube Residencial OUTUBRO DE 2016 ED. CONDE TABELA DE VENDAS - Nobre Norte Clube Residencial OUTUBRO DE 2016 ED. CONDE Realização, Incorporação e Construção: Realização e Incorporação: Nobre Norte Clube Residencial NOTAS GERAIS: Realização, Incorporação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário na sua admissão na empresa assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo que

Leia mais

CONVÊNIO PARA CONCESSÃO DE OPERAÇÕES DE EMPRÉSTIMO COM CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO

CONVÊNIO PARA CONCESSÃO DE OPERAÇÕES DE EMPRÉSTIMO COM CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO CONVÊNIO PARA CONCESSÃO DE OPERAÇÕES DE EMPRÉSTIMO COM CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO 1. OBJETO 1.1 O presente Convênio destina-se a estabelecer condições gerais e demais critérios a serem observados

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 Atualiza a Resolução CREDUNI 002/2016 de 03/05/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o Art. 6º

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR Bandeprev - Bandepe Previdência Social Índice I. Da Finalidade...1 II. Das Definições... 2 III. Do INSTITUIDOR, Participantes e Beneficiários...

Leia mais

CORE/SC Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Santa Catarina CNPJ: /

CORE/SC Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Santa Catarina CNPJ: / Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Santa Catarina CNPJ: 83.896.068/0001-28 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Especificação ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS - CNPB Nº 2006.0034-29 Aprovado pela Diretoria Executiva em 08/11/2016, por meio da Nota Técnica DIFIN

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da

Leia mais

Ref.:- LEI nº , de 05.11/2015 NOVAS REGRAS PARA APOSENTADORIA

Ref.:- LEI nº , de 05.11/2015 NOVAS REGRAS PARA APOSENTADORIA DEPARTAMENTO JURÍDICO ORIENTAÇÃO Ref.:- LEI nº 13.183, de 05.11/2015 NOVAS REGRAS PARA APOSENTADORIA Foi sancionada pela Presidente da República a lei que institui nova regra para aposentadoria. A lei

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO:

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO: CONTRATO DE MÚTUO A FAELBA - Fundação COELBA de Previdência Complementar, com sede na Av. Tancredo Neves, 450, Ed Suarez Trade, 33º andar, sala 3302, nesta Capital, inscrita no CNPJ/MF sob nº 13.605.605/0001-58,

Leia mais

1.3. O montante disponível para concessão do empréstimo será permanentemente divulgado no Portal da ODP, https://www.odebrechtprevidencia.org.br.

1.3. O montante disponível para concessão do empréstimo será permanentemente divulgado no Portal da ODP, https://www.odebrechtprevidencia.org.br. 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento do Programa de Empréstimo Consciente ( Regulamento ) tem por objetivo estabelecer os limites, prazos e demais condições para a concessão de empréstimos, pela Odebrecht

Leia mais

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência.

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. O que é o OABPREV/RS? CARTILHA DO PARTICIPANTE O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. Quem instituiu o OABPREV/RS? A Ordem dos Advogados

Leia mais

TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE TOTVS S/A Banco

Leia mais

CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I

CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I CAPÍTULO III DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL SEÇÃO I Da Fixação e do Recolhimento da Contribuição Sindical (Vide o Lei Complementar nº 123 (art. 53) - DOU 15/12/2006) Art. 578 - As contribuições devidas aos Sindicatos

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano II de Aposentadoria da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES B.2.40 "Término do Vínculo Empregatício": significará a perda da condição

Leia mais

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CONTRATO DE CRÉDITO MÚTUO - EMPRÉSTIMO PRÉ-FIXADO PLANO PRECE CV Empréstimo contratado: Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO E PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES: 1. Pelo presente instrumento

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE DOU DE 03/01/2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 568, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010 - DOU DE 03/01/2011 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores

Leia mais

Glossário. Corresponde a 13ª suplementação paga pelo Nucleos no mês de dezembro de cada ano.

Glossário. Corresponde a 13ª suplementação paga pelo Nucleos no mês de dezembro de cada ano. Glossário»Abono anual: Corresponde a 13ª suplementação paga pelo Nucleos no mês de dezembro de cada ano.»abono de aposentadoria: Valor acrescido às suplementações de aposentadorias, quando o participante

Leia mais

i i i i i i n - 1 n

i i i i i i n - 1 n Aula Capítulo 6 SÉRIE UNIFORME PRESTAÇÕES IGUAIS Série uniforme de valores monetários (pagamentos ou recebimentos) juros compostos MODELO PRICE no qual todas as prestações tem o mesmo valor Fluxo de Caixa

Leia mais

NOTA TÉCNICA ATUARIAL 1/2009 SATA Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo S/A

NOTA TÉCNICA ATUARIAL 1/2009 SATA Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo S/A 1 NOTA TÉCNICA ATUARIAL 1/2009 SATA Serviços Auiliares de Transporte Aéreo S/A 1. INTRODUÇÃO A presente Nota Técnica Atuarial tem por finalidade a apresentação dos resultados da Avaliação Atuarial em decorrência

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 T - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900061/2014-98

Leia mais

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO*

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* Nº da Proposta: Nº Regulamento: Local e Data: A - DADOS DO CLIENTE Data de Nascimento: Benefício/Matrícula: Convênio: Identidade: Data de Emissão: Órgão Emissor:

Leia mais