REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O presente Regulamento disciplina a concessão de empréstimo pessoal aos Participantes do Plano de Benefícios Básico CNPB n.º , administrado pela Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV. Art. 2º - O empréstimo pessoal será concedido com base no limite estabelecido pela legislação que regulamenta as operações de empréstimos entre as Entidades Fechadas de Previdência Complementar e seus Participantes e Assistidos. Parágrafo Único O empréstimo pessoal disponibiliza aos participantes do Plano de Benefícios Básico da Sabesprev duas modalidades de taxas de juros: PRÉ-FIXADA e PÓS-FIXADA, a ser escolhida pelo contratante quando da solicitação do crédito. Art. 3º - O empréstimo pessoal sujeitar-se-á, ainda, aos critérios estabelecidos no Anexo I, que faz parte integrante deste Regulamento. CAPÍTULO II DA HABILITAÇÃO Art. 4º - O empréstimo pessoal somente poderá ser concedido aos empregados de patrocinadora, participantes do Plano descrito no artigo 1º deste regulamento, que possua no mínimo 01 (um) ano de participação no referido plano, com idade mínima de 18 (dezoito anos) anos ou emancipados. Art. 5º - São considerados participantes, com direito ao empréstimo pessoal, nos termos deste Regulamento, os participantes assistidos pelo Plano de Benefícios Básico. Art. 6º - O Participante com idade inferior a 18 (dezoito) anos e não emancipado somente poderá solicitar empréstimo mediante a assinatura de seu representante legal na proposta. Os emancipados deverão enviar cópia de documento comprobatório. 1

2 CAPÍTULO III DO LIMITE E CONDIÇÕES Art. 7º - O empréstimo pessoal será limitado ao valor máximo de 03 (três) vezes o Salário de Participação, vigente no mês anterior ao da respectiva solicitação. 1º- Entende-se por Salário-de-Participação, a parcela da remuneração do Participante composta pelo Salário-Base e pelo valor correspondente ao percentual do Adicional por Tempo de Serviço incidente sobre esse Salário-Base. 2º - O salário participação do assistido será limitado ao valor da suplementação de aposentadoria ou pensão paga em folha de benefícios pela SABESPREV. Art. 8º - O valor da prestação considerada para concessão do empréstimo pessoal, não poderá exceder a 20% (vinte por cento) da média simples, calculada sobre os 03 (três) últimos salários líquido, anteriores à data da solicitação do crédito. Parágrafo Único Considera-se salário líquido, o valor pago no último dia útil do mês, quando o empréstimo for solicitado por um participante em atividade e o pago no 5º dia útil do mês subseqüente ao de referência, quando o participante for assistido. Art. 9º - O valor máximo a ser concedido pelo empréstimo pessoal será o menor entre os obtidos pelo disposto nos artigos 7º e 8º deste Regulamento. Art O empréstimo pessoal concedido ao participante afastado em auxílio doença estará limitado às disposições deste regulamento, podendo ser vedado caso não receba complementação da Patrocinadora. Art É facultado a SABESPREV a análise do crédito para a concessão do empréstimo, podendo aprovar um valor inferior ao solicitado ou mesmo recusar o pedido integralmente. Parágrafo Único O empréstimo pessoal também será vedado ao Participante que na ocasião da concessão do mesmo esteja com o salário comprometido com descontos autorizados junto à Patrocinadora. 2

3 CAPÍTULO IV DO PAGAMENTO, INADIMPLÊNCIA E QUITAÇÃO Art O pagamento da prestação será mensal, mediante desconto automático na folha de pagamento da Patrocinadora a qual esteja vinculado o participante, ou na folha de pagamento de Assistidos. Art O vencimento da primeira prestação dar-se-á no mês subseqüente ao da concessão do respectivo empréstimo. Parágrafo Único Ao valor do empréstimo pessoal concedido serão acrescidos juros pró-rata-dia calculados da data da concessão até o último dia desse mesmo mês. Art O pagamento da prestação mensal não descontada em folha de pagamento de salário ou folha de assistidos, deverá ser efetuado através de débito em conta-corrente salário ou contacorrente benefício suplementar, no adiantamento quinzenal seguinte ou diretamente a SABESPREV, caso as Patrocinadoras não promovam o desconto na Folha de Pagamento no mês devido. Art O não pagamento de uma ou mais prestações consecutivas, torna o participante inadimplente, sujeito aos ônus cabíveis, ficando assim impedido de solicitar novo empréstimo até que as prestações em atraso sejam liquidadas. Parágrafo Único Caso o participante solicite o cancelamento de sua participação no Plano de Benefícios Básico, descrito no artigo 1º deste regulamento, e continue empregado de Patrocinadora, obrigar-se-á a quitar imediatamente o seu saldo devedor. Art O participante que se desligar da Patrocinadora e que esteja com parcelas de empréstimo em aberto, efetuará a quitação da seguinte forma: I - O saldo devedor será descontado na rescisão contratual, processada pela Patrocinadora; II - Não sendo possível a quitação total do saldo em aberto na rescisão contratual, o valor remanescente será descontado da reserva de poupança constituída nos planos de benefícios previdenciais ou dos benefícios de renda mensal, até o encerramento dos pagamentos pendentes; III - Persistindo a dívida, o saldo devedor deverá ser pago em até 15 dias úteis, independentemente de qualquer aviso ou notificação. Não havendo o pagamento neste prazo, a Sabesprev estará autorizada a adotar todas as medidas judiciais cabíveis para o recebimento do valor em aberto; IV - Esgotadas as alternativas acima, o saldo devedor remanescente será coberto pelo fundo para liquidação de crédito de recebimento duvidoso, previsto no inciso II do artigo 20. 3

4 Parágrafo Único Em caso de ocorrência de óbito de participante ou assistido com contrato em andamento, o saldo devedor, deduzidas as prestações em atraso até o referido evento, se houver, será considerado totalmente quitado. Art O pagamento efetuado com atraso sofrerá uma multa equivalente à taxa de 2%, além do acréscimo de juros mora de 1% a.m., sem prejuízo do disposto no inciso V do art. 20. Art Constatada a inadimplência por 3 (três) meses consecutivos, será oferecido ao Participante ou Assistido à possibilidade de refinanciamento excepcional da dívida, por um prazo que adeqüe as parcelas ao rendimento líquido mensal (avaliação caso a caso). Durante este prazo, não será concedido um novo empréstimo. Art Caso a SABESPREV necessite recorrer judicialmente para o recebimento do débito, as custas do processo, honorários advocatícios e demais despesas serão de responsabilidade exclusiva do devedor. CAPÍTULO V DOS ENCARGOS FINANCEIROS Art Incidirão sobre o valor do empréstimo pessoal os seguintes encargos: I - Taxa de administração mensal; II - Taxa para constituição do Fundo para liquidação de crédito de recebimento duvidoso - "Inadimplências"; III - Taxa para constituição de Fundo de Reserva para liquidação do saldo devedor de Participante que vier a falecer; IV - Taxa de Juros Pré-Fixada ou Pós-Fixada, não inferior à taxa atuarial do respectivo plano de benefícios; V - INPC, incidirá na correção do empréstimo Pós-Fixado. Art A composição dos encargos definidos neste item está devidamente discriminada no Anexo I, que faz parte integrante deste Regulamento. Art Tais encargos poderão ser revisados pela SABESPREV, em decorrência das mudanças na política monetária nacional ou da necessidade de ajuste no Programa de Empréstimo Pessoal, a fim de manter o seu equilíbrio econômico-financeiro. 4

5 CAPÍTULO VI DO PRAZO, DA AMORTIZAÇÃO E DO REFINANCIAMENTO Art O prazo para amortização do empréstimo pessoal em ambas as modalidades é de até 60 meses. Art A amortização do empréstimo pessoal disposto neste Regulamento será calculada pelo método da Tabela Price. Art Será permitido Refinanciamento do Empréstimo Pessoal nas modalidades Pré-Fixada e Pós-Fixada, após pagamento de 25% das parcelas contratadas, obedecidos os critérios dispostos neste regulamento. 1º- Para participantes que solicitarem o refinanciamento da dívida, o saldo em aberto será deduzido do novo crédito. 2º- É assegurada ao participante contratante a possibilidade de liquidação antecipada, total ou parcial, do débito com desconto proporcional dos juros e demais acréscimos. I - Para os empréstimos contratados na modalidade de taxa de juros Pré-Fixada, a antecipação implicará na redução do número de parcelas remanescentes, inclusive para cumprimento da carência necessária para o Refinanciamento. II - Para os empréstimos contratados na modalidade de taxa de juros Pós-Fixada, a antecipação implicará na redução do saldo devedor, com conseqüente redução no valor das parcelas vincendas. CAPÍTULO VII DA FORMALIZAÇÃO E DO CRÉDITO Art O pedido de empréstimo pessoal será formalizado através de formulário específico, denominado Proposta e Contrato de Empréstimo a ser preenchido pelo Participante, através do qual se estabelecem as obrigações assumidas e a aceitação das condições do presente Regulamento, caso o empréstimo venha a ser concedido. Art O empréstimo pessoal terá seu valor creditado desde que haja a disponibilidade de recursos prevista no artigo 2º. Art As solicitações de empréstimos recebidas as segundas e terças-feiras terão seus depósitos realizados na quinta-feira da mesma semana, para solicitações recebidas entre quarta e sexta-feira os depósitos serão realizados na terça-feira da semana seguinte, exceto nas 5

6 situações de excepcionalidade que, após análise pela SABESPREV, poderão ser atendidas a qualquer tempo. DISPOSIÇÕES FINAIS Art Incidirá IOF (imposto sobre operações financeiras) sobre todos os empréstimos concedidos, inclusive sobre os refinanciamentos, sendo creditado o valor líquido. Art O crédito dos empréstimos concedidos será efetuado somente na conta-corrente destinada ao salário ou benefício suplementar. Parágrafo Único - Os empréstimos solicitados poderão ser cancelados a pedido do Participante, através de solicitação formal a SABESPREV, desde que seja encaminhada antes de efetuado o crédito. Art O participante que solicitar empréstimo pela primeira vez, terá prioridade sobre os participantes que já foram atendidos anteriormente. Art Este regulamento só poderá ser alterado por deliberação da Diretoria Executiva da SABESPREV. Art Sem prejuízo do disposto no artigo 34 e usando a experiência adquirida e a operacionalidade do presente programa e respeitado ainda o disposto no artigo 21 caberá à Diretoria Executiva proceder às alterações que se fizerem necessárias neste Regulamento, dando ciência ao Conselho Deliberativo. Art Os casos omissos neste Regulamento, bem como as excepcionalidades devem ser apresentados formalmente para deliberação da Diretoria Executiva e tomada de decisão. Art Este regulamento foi alterado pela Ata de Reunião de Diretoria lavrada em 10/04/2008. São Paulo, 10 de abril de

7 ANEXO I MODALIDADE DE EMPRÉSTIMO PESSOAL TAXA DE JUROS MODALIDADE PRÉ-FIXADA A - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 01 a 06 meses: Fundo de Reserva 0,0090% Total dos encargos 0,0990% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,6510% Total Geral - encargos + juros (anual = 23,14%) 1,75% B - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 07 a 12 meses: Fundo de Reserva 0,0100% Total dos encargos 0,1000% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,7000% Total Geral - encargos + juros (anual = 23,87%) 1,80% C - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 13 a 18 meses: Fundo de Reserva 0,0100% Total dos encargos 0,1000% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,7400% Total Geral - encargos + juros (anual = 24,46%) 1,84% D - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 19 a 24 meses: Fundo de Reserva 0,0100% Total dos encargos 0,1000% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,7900% Total Geral - encargos + juros (anual = 25,19%) 1,89% 7

8 E - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 25 a 30 meses: Fundo de Reserva 0,0110% Total dos encargos 0,1010% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,8290% Total Geral - encargos + juros (anual = 25,78%) 1,93% F - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 31 a 36 meses: Fundo de Reserva 0,0110% Total dos encargos 0,1010% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,8790% Total Geral - encargos + juros (anual = 26,53%) 1,98% G - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 37 a 42 meses: Fundo de Reserva 0,0070% Total dos encargos 0,0970% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,9230% Total Geral - encargos + juros (anual = 27,12%) 2,02% H - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 43 a 48 meses: Fundo de Reserva 0,0120% Total dos encargos 0,1020% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 1,9680% Total Geral - encargos + juros (anual = 27,87%) 2,07% 8

9 I - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 49 a 54 meses: Fundo de Reserva 0,0120% Total dos encargos 0,1020% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 2,0080% Total Geral - encargos + juros (anual = 28,47%) 2,11% J - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 55 a 60 meses: Fundo de Reserva 0,0120% Total dos encargos 0,1020% Taxa de juros (Apropriação pelo produto) 2,0580% Total Geral - encargos + juros (anual = 29,23%) 2,16% 9

10 I - Tabela de coeficientes para cálculo da prestação Modalidade Pré-Fixada Taxa Pré Fixadas por períodos Números de prestações Coeficientes 1,75% 1,80% 1,84% 1,89% 1,93% 01 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

11 Taxa Pré Fixadas por períodos Números de prestações Coeficientes 1,98% 2,02% 2,07% 1,93% 2,11% 1,93% 2,16% 1,93% 31 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

12 TAXA DE JUROS MODALIDADE PÓS-FIXADA K - Composição dos encargos mensais para créditos com amortização de 01 a 60 meses: Taxa de administração 0,090% Fundo para inadimplências 0,000% Fundo de Reserva 0,011% Total dos encargos 0,1010% Taxa de juros ( Apropriação pelo produto ) 0,8990% Total Geral - encargos + juros (anual = 12,68%) 1,00% 12

13 II - Tabela de coeficientes para cálculo da prestação Modalidade Pós Fixada Taxa Pós Fixadas Números de prestações Coeficientes 1,00% 01 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

14 Taxa Pós Fixadas Números de prestações Coeficientes 1,00% 31 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 Dispõe sobre o instituto da portabilidade em planos de benefícios de entidades fechadas de previdência complementar

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Diretoria de Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Manoel Lopes de Oliveira Neto Sandra Maria Albuquerque Torreão

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 1. FINALIDADE: Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal aos Participantes Ativos da Fundação Technos de Previdência Social, que necessitarem

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 Índice Página CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 CAPÍTULO III DA HABILITAÇÃO AO EMPRÉSTIMO... 2 CAPÍTULO IV DO TERMO DE ADESÃO...

Leia mais

CARTILHA DO PLANO CELPREV

CARTILHA DO PLANO CELPREV CARTILHA DO PLANO CELPREV O QUE É O CELPREV? O CELPREV é um plano de contribuição definida, também conhecido como plano CD, que nada mais é do que uma poupança individual na qual serão investidos dois

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS CAPÍTULO I DO EMPRÉSTIMO Art. 1º O Empréstimo ofertado pela Previnorte, formalizado em contrato de mútuo, tem por finalidade atender aos participantes ativos e aos assistidos

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social

REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. Bandeprev - Bandepe Previdência Social REGULAMENTO DO PLANO ESPECIAL Nº 2 DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR Bandeprev - Bandepe Previdência Social Índice I. Da Finalidade...1 II. Das Definições... 2 III. Do INSTITUIDOR, Participantes e Beneficiários...

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA

Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA Caixa Econômica Federal Ministério da Fazenda VICE-PRESIDÊNCIA DE TRANSFERÊNCIAS DE BENEFÍCIOS SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA GERÊNCIA NACIONAL DO ATIVO DO FGTS CIRCULAR Nº 391, DE 25 DE

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF FIXO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN - VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Jackeline L. do Nascimento Manoel Lopes de O. Neto Pompeu Henrique C. Neto HISTÓRICO DA ÚLTIMA MODIFICAÇÃO EDIÇÃO DATA

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n )

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n ) PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n. 2013.0011-18) TEXTO ORIGINAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA Do Glossário XXVII Resgate : o instituto que prevê o recebimento do valor conforme previsto no Regulamento

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO:

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO: CONTRATO DE MÚTUO A FAELBA - Fundação COELBA de Previdência Complementar, com sede na Av. Tancredo Neves, 450, Ed Suarez Trade, 33º andar, sala 3302, nesta Capital, inscrita no CNPJ/MF sob nº 13.605.605/0001-58,

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios

Regras Básicas do seu Plano de Benefícios Índice Apresentação Inscrição Cancelamento Contribuição Joia Salário-de-Participação Salário-Real-de-Benefício SRB Dos Benefícios Aposentadoria Por Tempo de Contribuição Aposentadoria Por Tempo de Contribuição

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO O Empréstimo constitui-se numa das modalidades de investimento do patrimônio dos Planos A/B, C e D administrados pela Fundação, estando subordinado

Leia mais

UBB PREV Previdência Complementar

UBB PREV Previdência Complementar UBB PREV Previdência Complementar 23 de março 2011 Quadro Comparativo das Alterações Propostas para o Regulamento do Plano de Previdência Unibanco (Futuro Inteligente Aprovadas na ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS - FUNCEF Capítulo I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar a concessão de empréstimo pela Fundação dos Economiários Federais

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE / DESTINAÇÃO... 3 3. DESTINATÁRIOS... 4 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 5 6. PRAZOS... 6 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 6 9. CONDIÇÕES

Leia mais

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma.

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma. 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem atas para concessão, liberação e cobrança empréstimo de curto prazo. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se aos participantes

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Sumário - Objetivo 1/6 - Conceitos Básicos 1/6 - Competências 2/6 - Condições para o Financiamento 2/6 - Disposições Gerais 6/6 - Vigência 6/6 Objetivo 1. Este Anexo

Leia mais

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016 REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE 04 de Junho de 2016 Regulamento de Empréstimo ao Participante 1 ÍNDICE Capítulo Página CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Quatro de Caxias do Sul (REFIS IV Caxias), para pessoas físicas e jurídicas, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Refispoa 2015 e revoga a Lei nº 11.428, de 30 de abril de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS que regem o CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMO SIMPLES, tendo de um lado a CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 1.547 Documento normativo revogado pela Circular 3.081, de 17/01/2002. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, considerando o disposto na Resolução nº 1.662, desta data, decidiu

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Identificação: FM.MAN-EMP.BD.01 Versão: 02 Data: 27/09/2016 Página 1 de 5 CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Este instrumento qualifica como Participante-Contratante, as categorias: participante ativo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II PLANO PU 24/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS / Versão 30108/2012, REGULAMENTO DE EMPRESTIMOS CEP:88034-902 - fone:(48} 3664-1232 -- índice \1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS, 2 I I r----~! 2.0 - DA MODALIDADE! 2! 13.0 - DOS LIMITES \ 2 I : J 1 14.0 - DA CONCESSÃO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E REGULAMENTO - MODELO FIXO

CONDIÇÕES GERAIS E REGULAMENTO - MODELO FIXO CONDIÇÕES GERAIS E REGULAMENTO - MODELO FIXO A REDECARD S/A ( REDE ), com sede na Av. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, nº 939, Loja 1 e 12º ao 14º andares, inscrita no CNPJ/MF sob nº 01.425.787/0001-04,

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 10 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 6 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.020-38 - PLANO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAQUETÁPREV DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução n.º 2579 Dispõe sobre concessão de férias aos funcionários do Crea-SP e revoga a Instrução n.º 2554/2012. O Presidente em exercício do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO*

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* Nº da Proposta: Nº Regulamento: Local e Data: A - DADOS DO CLIENTE Data de Nascimento: Benefício/Matrícula: Convênio: Identidade: Data de Emissão: Órgão Emissor:

Leia mais

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação LEI Nº 16.653, DE 23 DE JULHO DE 2009 Altera a Lei nº 13.569,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1 - FINALIDADE Este Regulamento dispõe sobre a concessão de empréstimo pessoal pela Fundação de Previdência do Instituto Emater - FAPA,

Leia mais

Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015.

Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015. Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Taquaritinga SAAET, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA O SERPROS - FUNDO MULTIPATROCINADO, Entidade Fechada de Previdência Complementar, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede e

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 Autoriza o Estado do Rio de Janeiro a criar conta garantidora, com recursos de até R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais), para garantir

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista

Manual do Aposentado e Pensionista Manual do Aposentado e Pensionista 1 SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento do Benefício?...3 Quais as formas de recebimento dos Benefícios?...3 Quando

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL PLANO PU

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Jorge Boeira) Dispõe sobre parcelamento para empresas em recuperação judicial de débitos com a Secretaria da Receita Federal, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar GLOSSÁRIO Este glossário tem como objetivo apresentar as expressões e termos utilizados no contexto da Previdência Complementar, em especial dos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita!

Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! Previdência Saúde Vou aderir ao PDVA. E agora? Informe-se, esclareça as suas dúvidas e reflita! O seu futuro e o da sua família dependem da sua decisão. Previdência Proteção a pessoa, geralmente, no desemprego,

Leia mais

SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA OURO VIDA PRODUTOR RURAL

SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA OURO VIDA PRODUTOR RURAL SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA OURO VIDA PRODUTOR RURAL Condições Gerais e Particulares Processo SUSEP Nº. 10.005221/99-41 1 ÍNDICES CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES 1. Objetivo do Seguro...3 2. Garantia do

Leia mais

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO, Há 47 anos prestando serviços aos colaboradores da Nestlé e Coligadas O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO É uma Instituição Financeira sem fins lucrativos, legalmente

Leia mais

OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA TABELA PRICE

OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA TABELA PRICE OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA PARTE II TABELA PRICE Finalmente, ainda no grupo da Disponibilidade de Renda e concluindo o exame dos principais fatores de Redução Relativa de Renda,

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015)

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) DECRETO Nº 55.828, DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) Regulamenta o Programa de Parcelamento Incentivado de 2014 PPI 2014, instituído pela Lei nº 16.097, de 29 de dezembro de 2014, e o artigo

Leia mais

Adesão ao Plano de Benefícios HP

Adesão ao Plano de Benefícios HP Adesão ao Plano de Benefícios HP 1 Objetivo da HP Prev Proporcionar aos seus participantes a oportunidade de contribuir para a HP Prev e, juntamente com as contribuições da patrocinadora, formar uma renda

Leia mais

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório.

1.2 Quem pode votar? É obrigatório? Podem votar os Participantes da FUNCEF, inclusive aposentados e pensionistas. O voto não é obrigatório. 1 O PLEBISCITO 1.1 Para que serve este Plebiscito? Consultar a opinião dos Participantes sobre as alternativas de solução para os planos de benefícios da FUNCEF, com saldamento do REG/REPLAN e implementação

Leia mais

Saldamento: Uma opção Conheça os detalhes deste processo

Saldamento: Uma opção Conheça os detalhes deste processo Saldamento: Uma opção Conheça os detalhes deste processo www.funcef.com.br CARTILHA DO SALDAMENTO HISTÓRICO 2003 Novembro de 2003 2004 e 2005 10/10/2005 22/12/2005 Primeiro semestre de 2006 3/7/2006 Dezembro

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA NESTLÉ é

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II

PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV COMPARATIVO PLANO DE BENEFÍCIOS PORTOPREV II MIGRAR OU NÃO, EIS A QUESTÃO! Conheça as principais diferenças entre o Plano de Benefícios PORTOPREV (Plano I) e o Plano de Benefícios

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE 2003 (Do Poder Executivo) Modifica os artigos 37, 40, 42, 48, 96, 142 e 149 da Constituição Federal, o artigo 8º da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIOS

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIOS CAPESESP REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIOS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO APROVADA PELO CONSELHO DELIBERATIVO EM 11/10/2013 CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1 - O presente Regulamento tem por finalidade dispor sobre o PLANO

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. b) a parcela mensal de amortização não poderá ser superior a 30% (trinta por cento) da Remuneração-Base do Mutuário;

CONTRATO DE MÚTUO. b) a parcela mensal de amortização não poderá ser superior a 30% (trinta por cento) da Remuneração-Base do Mutuário; Partes 01 de 05 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER CD, com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Domingos Jorge, 1.000, 10.º andar, CEP 04779-900, inscrita no CNPJ

Leia mais

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003.

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre o Fundo PIS-PASEP, criado pela Lei Complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, sob a denominação de PIS-PASEP, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

2º Semestre de

2º Semestre de 1 2 2º Semestre de 2010 Informações sobre a nova estrutura do Plano de Benefícios PreviSenac 3 Introdução: Este folheto é destinado aos participantes do Plano de Benefícios PreviSenac que, até a data da

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que o Portador e a Beneficiária

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.674, DE 04 DE JANEIRO DE 2006. Revogada pela Lei nº 7.114, de 05 de novembro de 2009. AUTORIZA OS PODERES DO ESTADO, O TRIBUNAL DE CONTAS E O MINISTÉRIO PÚBLICO, AS AUTARQUIAS E FUNDAÇÕES ESTADUAIS

Leia mais

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência.

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. O que é o OABPREV/RS? CARTILHA DO PARTICIPANTE O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. Quem instituiu o OABPREV/RS? A Ordem dos Advogados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR2_S100_1S_CS752 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DE GRADUAÇÃO (LICENCIATURA, BACHARELADO E TECNOLOGIA)

REGULAMENTO FINANCEIRO DE GRADUAÇÃO (LICENCIATURA, BACHARELADO E TECNOLOGIA) INSTITUTO METODISTA DE ENSINO SUPERIOR - IMS UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO - UMESP REGULAMENTO FINANCEIRO DE GRADUAÇÃO (LICENCIATURA, BACHARELADO E TECNOLOGIA) Art. 1º Este regulamento financeiro

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA PLANO PM 60/60 J

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA

POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA AS DEFINIÇÕES POLÍTICA DE CONCESSÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA 1. A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp (COOPUNESP) é o meio pelo qual a Diretoria direciona

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância Por este contrato e melhor forma de direito: 1. PARTES 1.1 CREDOR: BANCO BRADESCO S.A., inscrito no

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito O Personnalité, sempre preocupado em manter a total transparência com você, preparou um resumo do contrato do seu cartão. Lembre que este é apenas um

Leia mais

Texto Original Alteração Justificativa

Texto Original Alteração Justificativa Capítulo 1 Do Objeto 1.1. Este documento, doravante designado Regulamento do Plano DUPREV CD, estabelece os direitos e os deveres das Patrocinadoras, dos Participantes, dos Beneficiários, Beneficiários

Leia mais

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor,

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor, DECRETO N. 7.672, DE 31 DE JULHO DE 2014 Disciplina o sistema de parcelamento de débito fiscal e dá ouras providências. O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação

Leia mais

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV

REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV REGULAMENTO PERFIL DE INVESTIMENTOS CARGILLPREV 1) Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO)

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) Texto aprovado pelo Conselho Deliberativo na 4ª Reunião Ordinária, de 15 de fevereiro de 2013 Resolução CD/Funpresp-Exe nº 07/2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I Da

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 Brasília - DF Dezembro/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais