Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES"

Transcrição

1 Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos e assistidos. Artigo 2º - Para efeitos deste regulamento, considera-se: I - participante ativo, toda pessoa física que aderir a um dos planos de benefícios da PREVINORTE, tendo a denominação de: a) participante, aquele que esteja vinculado à folha de pagamento do respectivo patrocinador. b) participante autopatrocinado, aquele que, após sofrer perda total de remuneração no Patrocinador, opte por manter sua condição de participante, assumindo, adicionalmente, a contribuição do Patrocinador, observado o regulamento do plano. II - assistido, o participante em gozo de benefício de prestação continuada ou o beneficiário em gozo de benefício de pensão por morte (pensionista). Artigo 3º - Aplica-se ao EPES as disposições contidas neste regulamento, cujos fundamentos foram aprovados pelo Conselho Deliberativo da PREVINORTE, com base nos limites e diretrizes estabelecidos pelo órgão regulador. Capítulo II Da Habilitação Artigo 4º - Podem habilitar-se ao EPES o participante ativo e o assistido. Parágrafo Primeiro - O participante ativo poderá contratar o EPES após o pagamento de, no mínimo, 03 (três) contribuições para um dos planos de benefícios da PREVINORTE e desde que, no ato de sua contratação, esteja com as contribuições em dia. Parágrafo Segundo - O assistido poderá contratar o EPES a partir do início do recebimento do benefício pela PREVINORTE. Parágrafo Terceiro - O pensionista somente será habilitado à contratação de EPES se for plenamente capaz (capacidade civil) e se

2 cumprir os requisitos exigidos em lei ou mediante autorização judicial. Artigo 5º - O deferimento do EPES estará sempre condicionado à disponibilidade financeira da PREVINORTE. Parágrafo Único - As solicitações não atendidas, em decorrência de ultrapassarem o limite estabelecido na política anual de investimentos, terão preferência no período subsequente. Capítulo III Da Liberação Artigo 6º - As solicitações de EPES serão aceitas diariamente e os créditos correspondentes serão efetuados em até 4 (quatro) dias úteis, de acordo com o cronograma estabelecido internamente pela PREVINORTE, amplamente divulgado nos meios de comunicação disponíveis. Capítulo IV Dos Limites Individuais Artigo 7º - O valor do EPES ao participante ativo está limitado a 06 (seis) vezes o valor da remuneração que serve de base para o cálculo da contribuição para a PREVINORTE, ou ao saldo de resgate de contribuições líquido a que tiver direito, o que for menor, na data da solicitação do EPES. Parágrafo Primeiro - Para efeito de limite de empréstimo, a remuneração que serve de base para o cálculo da contribuição para a PREVINORTE observará tão somente as rubricas de caráter permanente, estando excluídas aquelas de caráter eventual. Parágrafo Segundo - Saldo de resgate de contribuições líquido corresponde a 100% (cem por cento) das suas contribuições efetuadas para o Plano de Benefício, acrescido, se for o caso, do percentual do Saldo de Conta de Patrocinador, subtraído o imposto de renda (IR) e os recursos portados, se houver. Parágrafo Terceiro - No ato da concessão do EPES ao participante, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ser superior a margem consignável informada pelo Patrocinador, referente ao mês da solicitação e na sua falta o do mês anterior ao empréstimo.

3 Parágrafo Quarto - Da margem consignável informada pelo patrocinador serão deduzidos os valores das prestações de empréstimos contratados. Parágrafo Quinto - Entende-se como margem consignável o valor total do comprometimento financeiro do participante a ser utilizado como referência para a determinação da prestação máxima de empréstimo. Artigo 8º - No ato da concessão do EPES ao participante autopatrocinado, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ultrapassar 20% (vinte por cento) da remuneração que serve de base para o estabelecimento do valor a emprestar. Artigo 9º - O valor do EPES ao assistido está limitado a 06 (seis) vezes o valor do benefício pago pela PREVINORTE. Parágrafo Único - No ato da concessão do EPES, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ultrapassar 30% (trinta por cento) do valor do benefício, subtraídos os descontos com imposto de renda (IR), pensão alimentícia, se houver, e contribuição PREVINORTE. Artigo 10º - Ao participante ativo ou assistido, é facultado possuir até 04 (quatro) EPES, sendo dois pré-fixados e dois pós-fixados, desde que a soma dos saldos dos EPES, bem como a soma das prestações de todos os empréstimos contratados, de qualquer natureza, não ultrapasse os limites estabelecidos nos Artigos 7º e 9º deste Regulamento. Parágrafo Único - Para a obtenção de um outro EPES, o participante ativo ou assistido deverá ter pago, pelo menos, uma prestação dos demais empréstimos contratados. Capítulo V Da Renovação dos Contratos de Empréstimo Artigo 11 - Para renovar qualquer um dos EPES vigentes, o participante ativo ou assistido deverá ter pago, no mínimo, 06 (seis) prestações ou 40% (quarenta por cento) da quantidade total de prestações contratadas, o que for menor, tomando-se por base o valor do EPES objeto da renovação, bem como ter pago, pelo menos, uma prestação dos demais EPES que não estão sendo objeto da reforma.

4 Parágrafo Primeiro - Ao participante ativo e ao assistido, em situação de inadimplência, é facultada a renovação do contrato, desde que presentes os requisitos do caput e que não resulte em liberação de nenhum recurso financeiro. Parágrafo Segundo - Ao valor do EPES renovado será acrescido o valor das taxas de administração e do seguro, além do IOF. Parágrafo Terceiro - Respeitado o prazo máximo de amortização, é facultada a renovação do EPES quando da concessão do benefício, independente de terem sido cumpridos os requisitos do caput, para: I - O participante ativo que passar para a qualidade de assistido, desde que o valor da prestação mensal do empréstimo ultrapasse os 30% (trinta por cento) do valor do benefício líquido. II - O assistido que alterar o prazo do seu benefício e a sua parcela mensal de empréstimo ultrapassar 30% (trinta por cento) do valor do benefício líquido. Parágrafo Quarto - É obrigatória a renovação do EPES, independente de terem sido cumpridos os requisitos do caput, ao assistido que vier a ter empréstimo com prazo de amortização superior ao prazo de recebimento do benefício, podendo, excepcionalmente nesse caso, o valor das parcelas serem superiores ao percentual estabelecido no parágrafo único do artigo 9º deste regulamento. Capítulo VI Dos Encargos do Empréstimo Artigo 12 - Os EPES estão sujeitos aos encargos financeiros e taxas de administração e de cobertura de riscos previstos no respectivo contrato. Capítulo VII Da Forma e Prazo de Amortização Artigo 13 - A amortização dos EPES será pelo Sistema Francês de Amortização - Tabela Price - e o vencimento da primeira prestação dar-se-á no mês subsequente ao da concessão. Parágrafo Único No mês da concessão do EPES, serão acrescidos ao valor bruto contratado juros pro-rata-die calculados da data da concessão até o último dia desse mesmo mês.

5 Artigo 14 - O prazo de amortização para o EPES pré-fixado é de até 12 (doze) meses e para o EPES pós-fixado é de até 60 (sessenta) meses. Parágrafo Único - Para o assistido, o prazo para amortização de EPES estará sempre limitado ao prazo de recebimento do benefício a ser pago pela PREVINORTE. Capítulo VIII Da Forma de Pagamento e Encargos Moratórios Artigo 15 - Os EPES serão pagos em prestações mensais e sucessivas, mediante: I - desconto em folha de pagamento de salário dos respectivos Patrocinadores, no caso de participante; II - desconto na folha de pagamento dos benefícios da PREVINORTE, no caso de assistido, independente do Plano de Benefício; III - rede bancária ou boleto avulso, nos demais casos não contemplados nos incisos I e II acima, inclusive nos casos de participante autopatrocinado, optantes pelo Benefício Proporcional Diferido ou participante que possua seu contrato de trabalho suspenso. Artigo 16 - A qualquer tempo, o saldo existente ou parcela, nunca inferior ao valor correspondente a 01 (uma) prestação, poderá ser pago antecipadamente, mediante recolhimento do correspondente valor na Tesouraria da PREVINORTE ou depósito identificado em conta bancária da PREVINORTE. Artigo 17 - A prestação paga após o seu vencimento será atualizada pelo índice utilizado para a meta atuarial, acumulado da data de vencimento à do pagamento, acrescido de juros moratórios e multa, conforme definido em contrato, sobre o valor da prestação em atraso. Capítulo IX Do Inadimplemento Artigo 18 - Na hipótese de não pagamento de quaisquer prestações, os encargos contratuais serão incorporados ao saldo devedor do EPES não descaracterizando a inadimplência das parcelas vencidas.

6 Parágrafo Primeiro - Ocorrendo a hipótese de não pagamento de 3 (três) prestações mensais consecutivas, o participante ativo ou assistido dará ensejo ao vencimento antecipado de toda a dívida, com acréscimos legais e contratuais, cuja cobrança será feita de imediato, seja pela via administrativa ou judicial, com a consequente inclusão do nome do devedor nos órgãos de proteção ao crédito. Parágrafo Segundo - O participante que venha a rescindir o seu contrato de trabalho com o Patrocinador autoriza que, no ato da rescisão do seu contrato de trabalho, o Patrocinador desconte o saldo devedor das prestações do EPES em atraso do valor apurado na rescisão. Parágrafo Terceiro - Estando o participante ativo ou assistido inadimplente em qualquer empréstimo, estarão, automaticamente, suspensas as concessões de novos contratos de empréstimo. Parágrafo Quarto - O participante ativo que passar para a qualidade de assistido na vigência de algum EPES e estiver em atraso com uma ou mais prestações consecutivas e optar por receber uma percentagem do saldo da conta aplicável na forma de pagamento único, deverá quitar as prestações em atraso, por meio de desconto no ato do pagamento único. Capítulo X Da Garantia Artigo 19 - O participante ativo autoriza e dá, em garantia, para a quitação do saldo devedor do empréstimo contratado, o crédito acumulado equivalente ao Saldo de Resgate de Contribuição Líquido, até o limite do débito apurado a ser descontado. Capítulo XI Do Vencimento Antecipado Artigo 20 - Além da hipótese descrita no parágrafo primeiro do artigo 18, a dívida vencerá antecipadamente, independente de aviso, notificação judicial ou extrajudicial, nas seguintes hipóteses: a) rescisão do contrato de trabalho do participante com o Patrocinador que, cumulativamente, venha a se desligar da PREVINORTE, optando, por ação ou omissão, pelo resgate das contribuições ou formalize a opção pela portabilidade;

7 b) desligamento compulsório da PREVINORTE, conforme estabelecido no regulamento básico e nos regulamentos complementares dos planos de benefícios a ele aplicáveis; c) descumprimento de qualquer cláusula deste regulamento de empréstimo, por parte do participante ativo ou assistido; d) desligamento voluntário da PREVINORTE, mesmo continuando o participante empregado no Patrocinador. Capítulo XII Da Execução da Garantia e Quitação do EPES Artigo 21 - A garantia será executada automaticamente, por meio de encontro de contas, até o limite do débito, caso: a) o participante ativo venha a rescindir o contrato de trabalho com o Patrocinador e se desligue da PREVINORTE, optando, por ação ou omissão, pelo resgate das contribuições ou formalize a opção pela portabilidade; b) o participante seja desligado da PREVINORTE compulsoriamente, conforme estabelecido no regulamento básico e nos regulamentos complementares dos planos de benefícios a ele aplicáveis. Parágrafo Primeiro - Nas hipóteses de execução da garantia prevista nas alíneas a e b acima, a data a ser considerada para fins de cálculo do saldo devedor do empréstimo e incidência de imposto de renda, se houver, será a do efetivo pagamento ou mês do registro do efetivo desligamento do Plano, o que ocorrer primeiro. Parágrafo Segundo - Se a opção pelo resgate se der por omissão, a data a ser considerada para fins de cálculo do saldo devedor do empréstimo e incidência de imposto de renda, se houver, será a do efetivo pagamento ou mês do registro do efetivo desligamento do Plano, ou quando ocorrer a efetiva alteração do participante para a situação de contribuição à resgatar, o que ocorrer primeiro. Artigo 22 - Em caso de ocorrência de óbito de participante ativo ou assistido na vigência de algum EPES, as parcelas vincendas serão consideradas totalmente quitadas. Parágrafo Primeiro - Não estão incluídas na quitação de que trata o caput, as prestações em atraso, incluindo os encargos cabíveis, que serão cobradas dos beneficiários ou herdeiros dos participantes. Parágrafo Segundo - Serão consideradas prestações em atraso, para efeito do caput, todas as parcelas vencidas isolada ou consecutivamente e não pagas no seu respectivo vencimento, mesmo

8 que os encargos contratuais tenham sido incorporados ao saldo devedor do EPES. Parágrafo Terceiro - O valor dos encargos cabíveis no saldo devedor decorrido entre a data da última movimentação e o óbito do tomador do empréstimo será cobrado dos beneficiários ou herdeiros dos participantes. Capítulo XIII Das Disposições Gerais Artigo 23 - Caso o participante ativo ou assistido, após fazer a solicitação, venha a desistir do EPES, deverá manifestar-se até o dia útil subsequente a solicitação. Artigo 24 - Tendo a PREVINORTE a necessidade de recorrer aos meios judiciais para cobrança dos seus créditos de EPES, será debitado ao participante ativo ou assistido, além do principal e acessório correspondentes, os honorários advocatícios devidos e as custas judiciais. Artigo 25 - Os casos omissos ou excepcionais serão resolvidos pela Diretoria da PREVINORTE.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS CAPÍTULO I DO EMPRÉSTIMO Art. 1º O Empréstimo ofertado pela Previnorte, formalizado em contrato de mútuo, tem por finalidade atender aos participantes ativos e aos assistidos

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O presente Regulamento disciplina a concessão de empréstimo pessoal aos Participantes do Plano de Benefícios Básico CNPB n.º 19.900.014-83,

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 Dispõe sobre o instituto da portabilidade em planos de benefícios de entidades fechadas de previdência complementar

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

UBB PREV Previdência Complementar

UBB PREV Previdência Complementar UBB PREV Previdência Complementar 23 de março 2011 Quadro Comparativo das Alterações Propostas para o Regulamento do Plano de Previdência Unibanco (Futuro Inteligente Aprovadas na ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN - VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 Atualiza a Resolução CREDUNI 002/2016 de 03/05/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o Art. 6º

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Identificação: FM.MAN-EMP.BD.01 Versão: 02 Data: 27/09/2016 Página 1 de 5 CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Este instrumento qualifica como Participante-Contratante, as categorias: participante ativo

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

CARTILHA DO PLANO CELPREV

CARTILHA DO PLANO CELPREV CARTILHA DO PLANO CELPREV O QUE É O CELPREV? O CELPREV é um plano de contribuição definida, também conhecido como plano CD, que nada mais é do que uma poupança individual na qual serão investidos dois

Leia mais

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes

Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes Lista de exercício nº 2* Taxas equivalentes** e séries uniformes 1. Calcule as taxas mensal e diária que são proporcionais à taxa de 3,6 % ao trimestre. Resposta: 1,2% a.m. e 0,04% a.d. 2. Calcule as taxas

Leia mais

PLANO DE CAPITALIZAÇÃO VIP 300 CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP

PLANO DE CAPITALIZAÇÃO VIP 300 CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP PLANO DE CAPITALIZAÇÃO VIP 300 CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO PROCESSO SUSEP 15414.001168.2002-18 CONDIÇÕES GERAIS VIP 300 GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência.

CARTILHA DO PARTICIPANTE. O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. O que é o OABPREV/RS? CARTILHA DO PARTICIPANTE O OABPREV/RS é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, criada para administrar planos de previdência. Quem instituiu o OABPREV/RS? A Ordem dos Advogados

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar GLOSSÁRIO Este glossário tem como objetivo apresentar as expressões e termos utilizados no contexto da Previdência Complementar, em especial dos

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS que regem o CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMO SIMPLES, tendo de um lado a CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

PARCELAMENTO DE DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS

PARCELAMENTO DE DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS MTPS - Ministério do Trabalho e Previdência Social SPPS - Secretaria de Políticas de Previdência Social DRPSP - Departamento dos Regimes de Previdência no Serviço Público PARCELAMENTO DE DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS

Leia mais

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma.

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma. 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem atas para concessão, liberação e cobrança empréstimo de curto prazo. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se aos participantes

Leia mais

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO*

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* Nº da Proposta: Nº Regulamento: Local e Data: A - DADOS DO CLIENTE Data de Nascimento: Benefício/Matrícula: Convênio: Identidade: Data de Emissão: Órgão Emissor:

Leia mais

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B) Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B) Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal Pacote de Serviços - Universitários Confira abaixo a composição do Pacote de Serviços Universitários: Saques Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal 6 4 10 2,20 12,60 Fornecimento de

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE / DESTINAÇÃO... 3 3. DESTINATÁRIOS... 4 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 5 6. PRAZOS... 6 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 6 9. CONDIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº Arnim Lore Diretor. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 CIRCULAR Nº 1.547 Documento normativo revogado pela Circular 3.081, de 17/01/2002. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, considerando o disposto na Resolução nº 1.662, desta data, decidiu

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016 REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE 04 de Junho de 2016 Regulamento de Empréstimo ao Participante 1 ÍNDICE Capítulo Página CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Quatro de Caxias do Sul (REFIS IV Caxias), para pessoas físicas e jurídicas, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação

Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação Plano Petros 2 - Premissas da sua estruturação PLANO PETROS 2 PREMISSAS DA SUA ESTRUTURAÇÃO O PLANO PETROS-2 será estruturado na modalidade de Contribuição Variável, nos termos da legislação aplicável

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

PERGUNTAS FREQUENTES PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - Quem pode ingressar no Plano de Benefícios FAF? O Plano de Benefícios está fechado ao ingresso de novos Participantes desde 01.01.2003. 2 - Como são fixadas as contribuições mensais dos Participantes

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Parcelamento Especial

Parcelamento Especial Parcelamento Especial Lei nº 11.941/2009 (conversão da MP 449/2008) Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6/ 2009 HISTÓRICO DOS PARCELAMENTOS ESPECIAIS REFIS - Lei 9.964/2000 Débitos de pessoas jurídicas Todos

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV

CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV CARTILHA EXPLICATIVA DATUSPREV DATUSPREV Sociedade de Previdência Complementar CIASC Plano CIASCPREV CNPJ 10.605.283/0001-59 CNPB 2009.0009-19 Órgão Regulamentador PREVIC Ministério da Previdência Social

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA PLANO PM 60/60 J

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 1. FINALIDADE: Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal aos Participantes Ativos da Fundação Technos de Previdência Social, que necessitarem

Leia mais

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014

TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE SALÁRIO-DE CONTRIBUIÇÃO, BENEFÍCIOS, MULTAS, DEMAIS VALORES: ATUALIZAÇÃO A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO E TRABALHADOR AVULSO,

Leia mais

MITTILENE GUIOMAR XIMENES ALBIERI SECRETARIA - DESISTÊNCIA DO CURSO (APÓS INICIO)

MITTILENE GUIOMAR XIMENES ALBIERI SECRETARIA - DESISTÊNCIA DO CURSO (APÓS INICIO) Tipo de Requerimento Solicitação Finalização 09/09/2013 143248 SECRETARIA - DESISTÊNCIA DO CURSO (APÓS INICIO) 09/09/2013 143248 26/11/2013 101200 DEFERIDO MOTIVO Sem condição de continuar pagando o curso.

Leia mais

REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO:

REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO: REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO: Faculdade Atenas Maranhense (FAMA); Faculdade Pitágoras de São Luís; Faculdade Pitágoras de Imperatriz; Faculdade Pitágoras de Divinópolis;

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015

RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 RESOLUÇÃO CREDUNI 004/2015 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2015 de 8/09/2015 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos e financiamentos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº /

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº / TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - 2007/2009 PROCESSO Nº 46218.001339/2009-25 EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S.A - EMBRATEL, CNPJ n. 33.530.486/0001-29, com sede na Av. Presidente Vargas,

Leia mais

Síntese das Principais Alterações do Regulamento do Plano de Benefício Definido

Síntese das Principais Alterações do Regulamento do Plano de Benefício Definido Art. 19, 2º, I, e e f Ajuste de Texto para atender ao disposto na Lei nº 11.441/2007, que possibilitou a realização do divórcio por escritura pública Até o Capítulo IX Ajustes Redacionais, tais como exclusão

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 MODALIDADE INCENTIVO PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP INCENTIVO PU Nº 04 PU I04 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: II - GLOSSÁRIO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as regras de portabilidade de recursos de planos de benefícios de Entidades Abertas

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL A FUNDAÇÃO COPEL DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, pessoa jurídica de direito privado, entidade fechada de previdência complementar, sem fins lucrativos, registrada

Leia mais

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO

COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO COMPARATIVO DO PLANO PETROS 2 COM O PLANO TRANSPETRO PLANO PETROS 2 O Plano PETROS 2 é um plano de benefícios estruturado na modalidade Contribuição Variável, onde os benefícios programados são de contribuição

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 08.892.340/0001-86 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Jorge Boeira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Jorge Boeira) Dispõe sobre parcelamento para empresas em recuperação judicial de débitos com a Secretaria da Receita Federal, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 12.440.825/0001-06 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL

REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL REGULAMENTO PARCELAMENTO ESPECIAL UNINTER GRADUAÇÃO PRESENCIAL 1. Descrição Geral do Programa: O Programa de Parcelamento Especial UNINTER ( Programa ) consiste na oferta de uma condição diferenciada para

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Título de Capitalização de Pagamentos Mensais Código 35 CONDIÇÕES GERAIS

Título de Capitalização de Pagamentos Mensais Código 35 CONDIÇÕES GERAIS Título de Capitalização de Pagamentos Mensais Código 35 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO

PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS... 2 II GLOSSÁRIO... 2 III OBJETIVO... 2 IV NATUREZA DO TÍTULO... 2 V VIGÊNCIA... 2 VI PAGAMENTO... 2 VII CARÊNCIA...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013. Estabelece procedimentos a serem adotados pelos estabelecimentos bancários quanto à arrecadação de tributos e demais receitas do município. CAPÍTULO

Leia mais

PU36 Plus SITE NA INTERNET : CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

PU36 Plus SITE NA INTERNET :  CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO PU36 Plus SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma

Leia mais

Pelo presente instrumento contratual, de um lado como: CONTRATANTE (responsável pelo aluno, se menor de idade): Nome:

Pelo presente instrumento contratual, de um lado como: CONTRATANTE (responsável pelo aluno, se menor de idade): Nome: CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Pelo presente instrumento contratual, de um lado como: CONTRATANTE (responsável pelo aluno, se menor de idade): C.P.F.: RG.: Endereço: Bairro: Cidade: Telefone: ( ) Celular:

Leia mais

Plano BD Proposta de alteração regulamentar versão: agosto/2014 Texto atual Modificações Justificativa de alteração

Plano BD Proposta de alteração regulamentar versão: agosto/2014 Texto atual Modificações Justificativa de alteração Plano BD Proposta de alteração regulamentar versão: agosto/2014 Texto atual Modificações Justificativa de alteração Glossário Equivalência Atuarial: expressão utilizada para denotar a igualdade entre o

Leia mais

OUROCAP POP PM 60 SA SITE NA INTERNET: CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

OUROCAP POP PM 60 SA SITE NA INTERNET:  CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO OUROCAP POP PM 60 SA SITE NA INTERNET: www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo a seguinte lei: Institui o Programa Temporário de Pagamento Incentivado de Débitos para com a Fazenda Pública do Município de Poços de Caldas- POÇOS EM DIA II e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015)

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) DECRETO Nº 55.828, DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) Regulamenta o Programa de Parcelamento Incentivado de 2014 PPI 2014, instituído pela Lei nº 16.097, de 29 de dezembro de 2014, e o artigo

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão BNDES IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que o Portador e a Beneficiária

Leia mais

Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários

Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários Marcelo Alvares Vicente Mestre em Direito Tributário pela PUC/SP, advogado especialista em administração do passivo fiscal, professor

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato do Cartão BB Previdência Social e Cartão Consignado Banco do Brasil

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato do Cartão BB Previdência Social e Cartão Consignado Banco do Brasil BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato do Cartão BB Previdência Social e Cartão Consignado Banco do Brasil Características do cartão Cartão BB Previdência Social e Cartão Consignado Banco do

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

Sistemas de Amortização

Sistemas de Amortização Matemática Financeira Sistemas de Amortização Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline Séries de Pagamentos Este conteúdo pode ser visto como uma estensão de Juros Compostos. Enquanto em Juros Compostos um

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS 1 OBJETO DO TERMO Com o intuito de retribuir a preferência dos clientes de serviços de encomendas dos CORREIOS que possuem

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL PLANO PU

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição.

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição. DEFINIÇÃO É um incentivo pago ao servidor que já preencheu todos os requisitos para se Aposentar, mas opta por permanecer na ativa. Deferido o abono, o servidor continua recolhendo a contribuição previdenciária,

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 02 Brasília - DF Dezembro/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5

Leia mais

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 3ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar poupanças para constituição

Leia mais

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA Procedimento Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA O contribuinte substituído, sujeito ao Regime Periódico de Apuração - RPA que,

Leia mais

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003.

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre o Fundo PIS-PASEP, criado pela Lei Complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, sob a denominação de PIS-PASEP, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 4.171, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Estabelece critérios, condições e prazos para a concessão de financiamentos ao amparo de recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e do Fundo

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

REGULAMENTO DO VESTIBULAR TRADICIONAL COM CONCURSO DE BOLSAS DE DESCONTOS PARA OS CURSOS DA FACULDADE PROCESSUS NO 1º SEMESTRE DE 2017.

REGULAMENTO DO VESTIBULAR TRADICIONAL COM CONCURSO DE BOLSAS DE DESCONTOS PARA OS CURSOS DA FACULDADE PROCESSUS NO 1º SEMESTRE DE 2017. REGULAMENTO DO VESTIBULAR TRADICIONAL COM CONCURSO DE BOLSAS DE DESCONTOS PARA OS CURSOS DA FACULDADE PROCESSUS NO 1º SEMESTRE DE 2017. CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO E DA REALIZAÇÃO DO CONCURSO Art. 1 O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

MEGA PLIN Processo SUSEP: / Período de Comercialização: 02/05/2008 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO

MEGA PLIN Processo SUSEP: / Período de Comercialização: 02/05/2008 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO MEGA PLIN Processo SUSEP: 15414.001364/2008-88 Período de Comercialização: 02/05/2008 a 27/02/2009 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo

Leia mais

Big Din Din da Amizade

Big Din Din da Amizade Big Din Din da Amizade CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas Condições

Leia mais

CAPÍTULO I DO PAGAMENTO À VISTA OU DO PARCELAMENTO DE DÍVIDAS DE PEQUENO VALOR

CAPÍTULO I DO PAGAMENTO À VISTA OU DO PARCELAMENTO DE DÍVIDAS DE PEQUENO VALOR PORTARIA No. 1 DE 10 /03 /2009 PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - PGFN/RFB PUBLICADO NO DOU NA PAG. 00041 EM 13 /03 /2009 Dispõe sobre parcelamento de débitos

Leia mais

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação LEI Nº 16.653, DE 23 DE JULHO DE 2009 Altera a Lei nº 13.569,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 03

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 03 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 03 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 03 Brasília - DF Dezembro/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 01 (DE 08 DE JANEIRO DE 2016) Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS JBT

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS JBT ITAÚ FUNDO MULTIPATROCINADO QUADRO COMPARATIVO REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS JBT CNPB nº 2012.0014-83 03 de Outubro de 2014 (As redações alteradas e incluídas estão em negrito) 2 CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

ASSUNTO ANTES DAS ALTERAÇÕES APÓS AS ALTERAÇÕES Definições Serviço Contínuo

ASSUNTO ANTES DAS ALTERAÇÕES APÓS AS ALTERAÇÕES Definições Serviço Contínuo Alterações no Regulamento do Plano de A Apresentamos abaixo as alterações realizadas no Plano de A, aprovadas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria nº

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

Folheto explicativo PLANO D

Folheto explicativo PLANO D Folheto explicativo PLANO D Como está o seu planejamento para a aposentadoria? Plano D Previ Novartis Veja algumas vantagens do plano: 1 2 Flexibilidade para planejar o seu futuro; Contrapartida da empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Agência Nacional de Telecomunicações RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Aprova a Norma Sobre Condições de Prestação de Serviços de Telefonia para Chamadas Destinadas a "Assinante 0300". O PRESIDENTE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver

Parecer Consultoria Tributária Segmentos - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre salários e férias do empregado quando ela tiver - THZMPX - Dedução INSS da base de imposto de renda sobre 19/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 6 3. Análise da Legislação... 7 4. Conclusão... 9

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º

SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º 03.859.784/0001-04 INVESTIDOR 1- Nome completo 2- Documento de Identidade 3- Órgão

Leia mais

SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP

SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP SUPLEMENTO DA 1ª(PRIMEIRA) SÉRIE DE COTAS DO BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO BANCO DO BRASIL FIDC NP Suplemento nº 01 referente à 1ª (primeira) Série emitida nos termos do Regulamento do BB RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 26, DE 2011 Autoriza o Estado do Rio de Janeiro a criar conta garantidora, com recursos de até R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais), para garantir

Leia mais

Regulamento do Plano de Benefícios Promon MultiFlex 1

Regulamento do Plano de Benefícios Promon MultiFlex 1 Regulamento do Plano de Benefícios Promon MultiFlex 1 Índice Capítulo I Do Objetivo... 2 Capítulo II Das Definições... 2 Capítulo III Dos Integrantes do Promon MultiFlex... 6 Capítulo IV Da Inscrição...

Leia mais

CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO

CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO I Razão social das pessoas jurídicas promoventes: ACS INCORPORAÇÃO S/A CNPJ/MF Nº 08.145.855/0001-12 Av. José de Souza Campos, 753, Cambuí, Campinas/SP, CEP 13025-320

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx).

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx). CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, com sede na Av. Marechal Floriano

Leia mais