Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES"

Transcrição

1 Regulamento para Concessão de Empréstimo Pessoal EPES Capítulo I Da Finalidade e Subordinação Artigo 1º - O Empréstimo Pessoal, doravante denominado EPES, tem por finalidade atender aos participantes ativos e assistidos. Artigo 2º - Para efeitos deste regulamento, considera-se: I - participante ativo, toda pessoa física que aderir a um dos planos de benefícios da PREVINORTE, tendo a denominação de: a) participante, aquele que esteja vinculado à folha de pagamento do respectivo patrocinador. b) participante autopatrocinado, aquele que, após sofrer perda total de remuneração no Patrocinador, opte por manter sua condição de participante, assumindo, adicionalmente, a contribuição do Patrocinador, observado o regulamento do plano. II - assistido, o participante em gozo de benefício de prestação continuada ou o beneficiário em gozo de benefício de pensão por morte (pensionista). Artigo 3º - Aplica-se ao EPES as disposições contidas neste regulamento, cujos fundamentos foram aprovados pelo Conselho Deliberativo da PREVINORTE, com base nos limites e diretrizes estabelecidos pelo órgão regulador. Capítulo II Da Habilitação Artigo 4º - Podem habilitar-se ao EPES o participante ativo e o assistido. Parágrafo Primeiro - O participante ativo poderá contratar o EPES após o pagamento de, no mínimo, 03 (três) contribuições para um dos planos de benefícios da PREVINORTE e desde que, no ato de sua contratação, esteja com as contribuições em dia. Parágrafo Segundo - O assistido poderá contratar o EPES a partir do início do recebimento do benefício pela PREVINORTE. Parágrafo Terceiro - O pensionista somente será habilitado à contratação de EPES se for plenamente capaz (capacidade civil) e se

2 cumprir os requisitos exigidos em lei ou mediante autorização judicial. Artigo 5º - O deferimento do EPES estará sempre condicionado à disponibilidade financeira da PREVINORTE. Parágrafo Único - As solicitações não atendidas, em decorrência de ultrapassarem o limite estabelecido na política anual de investimentos, terão preferência no período subsequente. Capítulo III Da Liberação Artigo 6º - As solicitações de EPES serão aceitas diariamente e os créditos correspondentes serão efetuados em até 4 (quatro) dias úteis, de acordo com o cronograma estabelecido internamente pela PREVINORTE, amplamente divulgado nos meios de comunicação disponíveis. Capítulo IV Dos Limites Individuais Artigo 7º - O valor do EPES ao participante ativo está limitado a 06 (seis) vezes o valor da remuneração que serve de base para o cálculo da contribuição para a PREVINORTE, ou ao saldo de resgate de contribuições líquido a que tiver direito, o que for menor, na data da solicitação do EPES. Parágrafo Primeiro - Para efeito de limite de empréstimo, a remuneração que serve de base para o cálculo da contribuição para a PREVINORTE observará tão somente as rubricas de caráter permanente, estando excluídas aquelas de caráter eventual. Parágrafo Segundo - Saldo de resgate de contribuições líquido corresponde a 100% (cem por cento) das suas contribuições efetuadas para o Plano de Benefício, acrescido, se for o caso, do percentual do Saldo de Conta de Patrocinador, subtraído o imposto de renda (IR) e os recursos portados, se houver. Parágrafo Terceiro - No ato da concessão do EPES ao participante, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ser superior a margem consignável informada pelo Patrocinador, referente ao mês da solicitação e na sua falta o do mês anterior ao empréstimo.

3 Parágrafo Quarto - Da margem consignável informada pelo patrocinador serão deduzidos os valores das prestações de empréstimos contratados. Parágrafo Quinto - Entende-se como margem consignável o valor total do comprometimento financeiro do participante a ser utilizado como referência para a determinação da prestação máxima de empréstimo. Artigo 8º - No ato da concessão do EPES ao participante autopatrocinado, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ultrapassar 20% (vinte por cento) da remuneração que serve de base para o estabelecimento do valor a emprestar. Artigo 9º - O valor do EPES ao assistido está limitado a 06 (seis) vezes o valor do benefício pago pela PREVINORTE. Parágrafo Único - No ato da concessão do EPES, o valor estimado da 1ª (primeira) prestação mensal não poderá ultrapassar 30% (trinta por cento) do valor do benefício, subtraídos os descontos com imposto de renda (IR), pensão alimentícia, se houver, e contribuição PREVINORTE. Artigo 10º - Ao participante ativo ou assistido, é facultado possuir até 04 (quatro) EPES, sendo dois pré-fixados e dois pós-fixados, desde que a soma dos saldos dos EPES, bem como a soma das prestações de todos os empréstimos contratados, de qualquer natureza, não ultrapasse os limites estabelecidos nos Artigos 7º e 9º deste Regulamento. Parágrafo Único - Para a obtenção de um outro EPES, o participante ativo ou assistido deverá ter pago, pelo menos, uma prestação dos demais empréstimos contratados. Capítulo V Da Renovação dos Contratos de Empréstimo Artigo 11 - Para renovar qualquer um dos EPES vigentes, o participante ativo ou assistido deverá ter pago, no mínimo, 06 (seis) prestações ou 40% (quarenta por cento) da quantidade total de prestações contratadas, o que for menor, tomando-se por base o valor do EPES objeto da renovação, bem como ter pago, pelo menos, uma prestação dos demais EPES que não estão sendo objeto da reforma.

4 Parágrafo Primeiro - Ao participante ativo e ao assistido, em situação de inadimplência, é facultada a renovação do contrato, desde que presentes os requisitos do caput e que não resulte em liberação de nenhum recurso financeiro. Parágrafo Segundo - Ao valor do EPES renovado será acrescido o valor das taxas de administração e do seguro, além do IOF. Parágrafo Terceiro - Respeitado o prazo máximo de amortização, é facultada a renovação do EPES quando da concessão do benefício, independente de terem sido cumpridos os requisitos do caput, para: I - O participante ativo que passar para a qualidade de assistido, desde que o valor da prestação mensal do empréstimo ultrapasse os 30% (trinta por cento) do valor do benefício líquido. II - O assistido que alterar o prazo do seu benefício e a sua parcela mensal de empréstimo ultrapassar 30% (trinta por cento) do valor do benefício líquido. Parágrafo Quarto - É obrigatória a renovação do EPES, independente de terem sido cumpridos os requisitos do caput, ao assistido que vier a ter empréstimo com prazo de amortização superior ao prazo de recebimento do benefício, podendo, excepcionalmente nesse caso, o valor das parcelas serem superiores ao percentual estabelecido no parágrafo único do artigo 9º deste regulamento. Capítulo VI Dos Encargos do Empréstimo Artigo 12 - Os EPES estão sujeitos aos encargos financeiros e taxas de administração e de cobertura de riscos previstos no respectivo contrato. Capítulo VII Da Forma e Prazo de Amortização Artigo 13 - A amortização dos EPES será pelo Sistema Francês de Amortização - Tabela Price - e o vencimento da primeira prestação dar-se-á no mês subsequente ao da concessão. Parágrafo Único No mês da concessão do EPES, serão acrescidos ao valor bruto contratado juros pro-rata-die calculados da data da concessão até o último dia desse mesmo mês.

5 Artigo 14 - O prazo de amortização para o EPES pré-fixado é de até 12 (doze) meses e para o EPES pós-fixado é de até 60 (sessenta) meses. Parágrafo Único - Para o assistido, o prazo para amortização de EPES estará sempre limitado ao prazo de recebimento do benefício a ser pago pela PREVINORTE. Capítulo VIII Da Forma de Pagamento e Encargos Moratórios Artigo 15 - Os EPES serão pagos em prestações mensais e sucessivas, mediante: I - desconto em folha de pagamento de salário dos respectivos Patrocinadores, no caso de participante; II - desconto na folha de pagamento dos benefícios da PREVINORTE, no caso de assistido, independente do Plano de Benefício; III - rede bancária ou boleto avulso, nos demais casos não contemplados nos incisos I e II acima, inclusive nos casos de participante autopatrocinado, optantes pelo Benefício Proporcional Diferido ou participante que possua seu contrato de trabalho suspenso. Artigo 16 - A qualquer tempo, o saldo existente ou parcela, nunca inferior ao valor correspondente a 01 (uma) prestação, poderá ser pago antecipadamente, mediante recolhimento do correspondente valor na Tesouraria da PREVINORTE ou depósito identificado em conta bancária da PREVINORTE. Artigo 17 - A prestação paga após o seu vencimento será atualizada pelo índice utilizado para a meta atuarial, acumulado da data de vencimento à do pagamento, acrescido de juros moratórios e multa, conforme definido em contrato, sobre o valor da prestação em atraso. Capítulo IX Do Inadimplemento Artigo 18 - Na hipótese de não pagamento de quaisquer prestações, os encargos contratuais serão incorporados ao saldo devedor do EPES não descaracterizando a inadimplência das parcelas vencidas.

6 Parágrafo Primeiro - Ocorrendo a hipótese de não pagamento de 3 (três) prestações mensais consecutivas, o participante ativo ou assistido dará ensejo ao vencimento antecipado de toda a dívida, com acréscimos legais e contratuais, cuja cobrança será feita de imediato, seja pela via administrativa ou judicial, com a consequente inclusão do nome do devedor nos órgãos de proteção ao crédito. Parágrafo Segundo - O participante que venha a rescindir o seu contrato de trabalho com o Patrocinador autoriza que, no ato da rescisão do seu contrato de trabalho, o Patrocinador desconte o saldo devedor das prestações do EPES em atraso do valor apurado na rescisão. Parágrafo Terceiro - Estando o participante ativo ou assistido inadimplente em qualquer empréstimo, estarão, automaticamente, suspensas as concessões de novos contratos de empréstimo. Parágrafo Quarto - O participante ativo que passar para a qualidade de assistido na vigência de algum EPES e estiver em atraso com uma ou mais prestações consecutivas e optar por receber uma percentagem do saldo da conta aplicável na forma de pagamento único, deverá quitar as prestações em atraso, por meio de desconto no ato do pagamento único. Capítulo X Da Garantia Artigo 19 - O participante ativo autoriza e dá, em garantia, para a quitação do saldo devedor do empréstimo contratado, o crédito acumulado equivalente ao Saldo de Resgate de Contribuição Líquido, até o limite do débito apurado a ser descontado. Capítulo XI Do Vencimento Antecipado Artigo 20 - Além da hipótese descrita no parágrafo primeiro do artigo 18, a dívida vencerá antecipadamente, independente de aviso, notificação judicial ou extrajudicial, nas seguintes hipóteses: a) rescisão do contrato de trabalho do participante com o Patrocinador que, cumulativamente, venha a se desligar da PREVINORTE, optando, por ação ou omissão, pelo resgate das contribuições ou formalize a opção pela portabilidade;

7 b) desligamento compulsório da PREVINORTE, conforme estabelecido no regulamento básico e nos regulamentos complementares dos planos de benefícios a ele aplicáveis; c) descumprimento de qualquer cláusula deste regulamento de empréstimo, por parte do participante ativo ou assistido; d) desligamento voluntário da PREVINORTE, mesmo continuando o participante empregado no Patrocinador. Capítulo XII Da Execução da Garantia e Quitação do EPES Artigo 21 - A garantia será executada automaticamente, por meio de encontro de contas, até o limite do débito, caso: a) o participante ativo venha a rescindir o contrato de trabalho com o Patrocinador e se desligue da PREVINORTE, optando, por ação ou omissão, pelo resgate das contribuições ou formalize a opção pela portabilidade; b) o participante seja desligado da PREVINORTE compulsoriamente, conforme estabelecido no regulamento básico e nos regulamentos complementares dos planos de benefícios a ele aplicáveis. Parágrafo Primeiro - Nas hipóteses de execução da garantia prevista nas alíneas a e b acima, a data a ser considerada para fins de cálculo do saldo devedor do empréstimo e incidência de imposto de renda, se houver, será a do efetivo pagamento ou mês do registro do efetivo desligamento do Plano, o que ocorrer primeiro. Parágrafo Segundo - Se a opção pelo resgate se der por omissão, a data a ser considerada para fins de cálculo do saldo devedor do empréstimo e incidência de imposto de renda, se houver, será a do efetivo pagamento ou mês do registro do efetivo desligamento do Plano, ou quando ocorrer a efetiva alteração do participante para a situação de contribuição à resgatar, o que ocorrer primeiro. Artigo 22 - Em caso de ocorrência de óbito de participante ativo ou assistido na vigência de algum EPES, as parcelas vincendas serão consideradas totalmente quitadas. Parágrafo Primeiro - Não estão incluídas na quitação de que trata o caput, as prestações em atraso, incluindo os encargos cabíveis, que serão cobradas dos beneficiários ou herdeiros dos participantes. Parágrafo Segundo - Serão consideradas prestações em atraso, para efeito do caput, todas as parcelas vencidas isolada ou consecutivamente e não pagas no seu respectivo vencimento, mesmo

8 que os encargos contratuais tenham sido incorporados ao saldo devedor do EPES. Parágrafo Terceiro - O valor dos encargos cabíveis no saldo devedor decorrido entre a data da última movimentação e o óbito do tomador do empréstimo será cobrado dos beneficiários ou herdeiros dos participantes. Capítulo XIII Das Disposições Gerais Artigo 23 - Caso o participante ativo ou assistido, após fazer a solicitação, venha a desistir do EPES, deverá manifestar-se até o dia útil subsequente a solicitação. Artigo 24 - Tendo a PREVINORTE a necessidade de recorrer aos meios judiciais para cobrança dos seus créditos de EPES, será debitado ao participante ativo ou assistido, além do principal e acessório correspondentes, os honorários advocatícios devidos e as custas judiciais. Artigo 25 - Os casos omissos ou excepcionais serão resolvidos pela Diretoria da PREVINORTE.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS CAPÍTULO I DO EMPRÉSTIMO Art. 1º O Empréstimo ofertado pela Previnorte, formalizado em contrato de mútuo, tem por finalidade atender aos participantes ativos e aos assistidos

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º - O presente Regulamento disciplina a concessão de empréstimo pessoal aos Participantes do Plano de Benefícios Básico CNPB n.º 19.900.014-83,

Leia mais

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM

FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES. Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM FUNDAÇÃO SEN. JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES Regulamento do Empréstimo FUNSEJEM 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES...3 CAPÍTULO III - DOS LIMITES INDIVIDUAIS...3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução:

RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 EMPRÉSTIMO FINANCEIRO. As definições a seguir são exclusivamente para fins desta Resolução: RESOLUÇÃO N o 003/2016 FOLHA nº 1 / 5 A Diretoria da Fundação Assistencial dos Empregados da CESAN - FAECES, usando de atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto da Entidade, RESOLVE estabelecer

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de

Regulamento do Plano de Empréstimo. 6ª Alteração Vigência: a partir de Regulamento do Plano de Empréstimo 6ª Alteração Vigência: a partir de 01.05.2009 1. Dos Objetivos Estabelecer os direitos e obrigações da Fundambras e dos seus Participantes na concessão de empréstimos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano BD- 01 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos Financeiros... 3 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES - SUBPROGRAMA DE EMPRÉSTIMOS PESSOAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Seção I Das Características Básicas Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES EMPRÉSTIMO PLANOS I, II E III PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS QUEM PODE SOLICITAR EMPRÉSTIMO PARTICIPANTES ATIVOS PARTICIPANTES ASSISTIDOS Manter vínculo empregatício remunerado

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE

C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE C ARTI LH A DE EMPRÉS TI MO A PARTI CI PA NTE 1. QUAIS SÃO OS TIPOS DE EMPRÉSTIMOS OFERECIDOS PELO POSTALIS? O POSTALIS oferece atualmente a seus participantes duas modalidades de empréstimos: o simples

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL FUNDAÇÃO CESP Sumário CAPÍTULO I - FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III ELEGIBILIDADE AO EMPRÉSTIMO... 6 CAPÍTULO IV LIMITE DE CONCESSÃO DO EMPRÉSTIMO...

Leia mais

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013)

VIGÊNCIA: 02/01/2014. (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) VIGÊNCIA: 02/01/2014 (Aprovado na 1533.ª Reunião de Diretoria, realizada em dezembro/2013) SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÕES 3 - LIMITE DE CRÉDITO 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Refinanciamento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de refinanciamento de mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016

REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 REGULAMENTO DE CONCESSÃO E CONTROLE DE EMPRÉSTIMOS VIGÊNCIA: 05/09/2016 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para concessão e controle de empréstimos aos participantes e beneficiários assistidos

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2

CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 Índice Página CAPÍTULO I DAS CARTEIRAS DE EMPRÉSTIMO SIMPLES E SEUS FINS... 2 CAPÍTULO II DOS RECURSOS FINANCEIROS... 2 CAPÍTULO III DA HABILITAÇÃO AO EMPRÉSTIMO... 2 CAPÍTULO IV DO TERMO DE ADESÃO...

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF FIXO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA

INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA INSTRUÇÃO PREVDATA N 132/2012 CONCESSÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS PREVDATA 1. FINALIDADE Disciplinar as operações de empréstimos realizadas entre a Prevdata e os participantes e assistidos vinculados

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PRÉ-FIXADAS Nº. 01/2016 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pré-fixadas pelo

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Diretoria de Diretoria Executiva Conselho Deliberativo Manoel Lopes de Oliveira Neto Sandra Maria Albuquerque Torreão

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1. FINALIDADE REGULAMENTO DE EMPRE STIMO PESSOAL 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário;

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CAPÍTULO I DOS CONCEITOS. II Patrocinadora: pessoa jurídica que celebra convênio de adesão a plano previdenciário; REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL A FUNDAÇÃO COPEL DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, pessoa jurídica de direito privado, entidade fechada de previdência complementar, sem fins lucrativos, inscrita no

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM TAXA DE JUROS PRÉ-FIXADA O SERPROS - FUNDO MULTIPATROCINADO, Entidade Fechada de Previdência Complementar, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD

APRESENTAÇÃO DEFINIÇÃO. O que é o Plano de Contribuição Definida CD APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de informá-lo, de forma simples e precisa, sobre os principais pontos do Plano SERGUS de Benefícios na modalidade de Contribuição Definida (CD), baseado no seu

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan 13º FEVEREIRO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN 13º FEVEREIRO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO:

CONTRATO DE MÚTUO. o PARTICIPANTE ou ASSISTIDO no final assinado, doravante denominado MUTUÁRIO: CONTRATO DE MÚTUO A FAELBA - Fundação COELBA de Previdência Complementar, com sede na Av. Tancredo Neves, 450, Ed Suarez Trade, 33º andar, sala 3302, nesta Capital, inscrita no CNPJ/MF sob nº 13.605.605/0001-58,

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples

Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento das Carteiras de Empréstimos Simples dos Planos de Benefícios administrados

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Identificação: FM.MAN-EMP.BD.01 Versão: 02 Data: 27/09/2016 Página 1 de 5 CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE EMPRÉSTIMO Este instrumento qualifica como Participante-Contratante, as categorias: participante ativo

Leia mais

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA

FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA 1 CAPÍTULO I FINALIDADE Art 1º. Este Regulamento tem por finalidade

Leia mais

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES

EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS ADMINISTRADOS PELA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL.

Constitui objeto deste Contrato de Mútuo a concessão de empréstimo pela MUTUANTE ao MUTUÁRIO, denominado CredPlan - VARIÁVEL. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE CREDPLAN - VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações do Regulamento do Plano de Aposentadoria Básico da PREVI-SIEMENS

Quadro Comparativo das Alterações do Regulamento do Plano de Aposentadoria Básico da PREVI-SIEMENS Capítulo A.7. Dos Institutos Legais Obrigatórios A.7.1 - No caso de Término do Vínculo Empregatício, o Participante Ativo que não for elegível ao Benefício de Aposentadoria Normal previsto neste Regulamento

Leia mais

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO

FUNDAÇÃO CELPE DE SEGURIDADE SOCIAL - CELPOS CONTROLE DE APROVAÇÃO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO GB01.01 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO PELO ÓRGÃO NORMATIVO APROVADO Jackeline L. do Nascimento Manoel Lopes de O. Neto Pompeu Henrique C. Neto HISTÓRICO DA ÚLTIMA MODIFICAÇÃO EDIÇÃO DATA

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada CNPB:19.980.047-83 CNPJ:02.726.871/0001-12 Anexo I Ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF

Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF Alterações no Regulamento do Plano de Aposentadoria BASF A Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, órgão que regulamenta e fiscaliza os fundos de pensão no Brasil, aprovou em 13 de

Leia mais

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS

REDAÇÃO ATUAL REDAÇÃO PROPOSTA IMPACTOS XIII XIV "Índice de Reajuste": significa o índice geral de aumentos salariais concedidos pela Patrocinadora 3M do Brasil Ltda., desconsiderados os aumentos reais. O Conselho Deliberativo poderá determinar

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado

Entenda mais sobre. Plano Copasa Saldado Entenda mais sobre O Plano Copasa Saldado Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da NOSSA TERRA COOPERATIVA DE CREDITO DOS EMPREGADOS DAS EMPRESAS DE AGRONEGÓCIO E AFINS é o meio pelo qual o Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B REGULAMENTO EMPRÉSTIMO GRUPO B REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO DO PLANO DE BENEFÍCIOS REGULAMENTO COMPLEMENTAR Nº 1 - CNPB Nº 1978.0002-19 Aprovado pela Diretoria Executiva em 08/11/2016, por meio

Leia mais

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Regras do Empréstimo Pré-fixado Prece Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências -2/6 - Condições para o Financiamento -2/6 - Disposições Gerais -6/6 - Vigência -6/6 Objetivo. 1. Est

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO EMPRÉSTIMO PREVMAIS REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS - CNPB Nº 2006.0034-29 Aprovado pela Diretoria Executiva em 08/11/2016, por meio da Nota Técnica DIFIN

Leia mais

PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES

PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES PLANO MILÊNIO NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA E OUTRAS ALTERAÇÕES INFORMATIVO N.º 165-13/07/2010 http://www.cbsprev.com.br Central de Atendimento 08000-268181 Caro(a) Participante, Para a melhor compreensão

Leia mais

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO

REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO REGULAMENTO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES PRÉ-FIXADO E PÓS-FIXADO O Empréstimo constitui-se numa das modalidades de investimento do patrimônio dos Planos A/B, C e D administrados pela Fundação, estando subordinado

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 315, de 29 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades

Leia mais

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016

Sociedade Previdenciária 3M PREVEME II REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE. 04 de Junho de 2016 REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO AO PARTICIPANTE 04 de Junho de 2016 Regulamento de Empréstimo ao Participante 1 ÍNDICE Capítulo Página CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES... 2 CAPÍTULO III

Leia mais

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002

CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 CONSELHO DE GESTÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RESOLUÇÃO N.º 9, DE 27 DE JUNHO DE 2002 Dispõe sobre o instituto da portabilidade em planos de benefícios de entidades fechadas de previdência complementar

Leia mais

NORMA GERAL DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES

NORMA GERAL DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES I - DO EMPRÉSTIMO SIMPLES O presente documento, doravante denominado Norma Geral, regula a concessão de empréstimos financeiros (simples), de caráter não obrigatório, pela SIAS aos seus participantes e

Leia mais

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n )

PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n ) PLANO DE APOSENTADORIA SIAS PREVSIAS (CNPB n. 2013.0011-18) TEXTO ORIGINAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVA Do Glossário XXVII Resgate : o instituto que prevê o recebimento do valor conforme previsto no Regulamento

Leia mais

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa

Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa 4. POLÍTICA DE EMPRÉSTIMO tipuladas nesta política. 4.1 Crédito Pessoal a) Finalidade b) de pagamento Todos os associados Associados com mais de 3 salários base de capital na Cooperativa Até 36 meses Até

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SAÚDE SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE / DESTINAÇÃO... 3 3. DESTINATÁRIOS... 4 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 5 6. PRAZOS... 6 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 6 9. CONDIÇÕES

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância Por este contrato e melhor forma de direito: 1. PARTES 1.1 CREDOR: BANCO BRADESCO S.A., inscrito no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para renegociação das operações de crédito fundiário contratadas ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, inclusive as operações

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece

Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Regras do Empréstimo Pós-fixado Prece Sumário - Objetivo 1/6 - Conceitos Básicos 1/6 - Competências 2/6 - Condições para o Financiamento 2/6 - Disposições Gerais 6/6 - Vigência 6/6 Objetivo 1. Este Anexo

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente

Quadro Comparativo das Alterações Propostas. Contém somente os dispositivos alterados em relação ao Regulamento vigente OABPrev/RJ FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL RIO DE JANEIRO Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários do Advogado RJPrev Quadro Comparativo das Alterações

Leia mais

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº

REGRAS BÁSICAS - PLANO DE BENEFÍCIOS FAF CNPB Nº 1 - BENEFÍCIOS OFERECIDOS O Plano de Benefícios FAF oferece os seguintes benefícios aos seus participantes, ou aos dependentes de participantes falecidos: I - quanto aos participantes: - suplementação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI COMPLEMENTAR N 32/2007. S Ú M U L A Institui e Autoriza o programa de Reabilitação Fiscal Municipal REFIM de débitos tributários e não tributários e dá outras providências O Prefeito Municipal de Sidrolândia,

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Administração Financeira AFAF D.AF.18 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

UBB PREV Previdência Complementar

UBB PREV Previdência Complementar UBB PREV Previdência Complementar 23 de março 2011 Quadro Comparativo das Alterações Propostas para o Regulamento do Plano de Previdência Unibanco (Futuro Inteligente Aprovadas na ata de Reunião Extraordinária

Leia mais

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos

Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Novas Regras para as Carteiras de Empréstimos Quais as principais mudanças? Um regulamento para cada plano Em razão das diferenças entre as duas modalidades de plano, teremos regulamentos diferentes para

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMOS SIMPLES CLÁUSULAS GERAIS que regem o CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO EMPRÉSTIMO SIMPLES, tendo de um lado a CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado

Itaú Fundo Multipatrocinado Quadro Comparativo das Alterações efetuadas no Regulamento do Plano de Benefícios Schneider (CNPB n 2006.0040-11) Itaú Fundo Multipatrocinado Página 1 do quadro comparativo das alterações efetuadas no

Leia mais

SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD

SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD 01 de 05 Partes PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO BAYER BD, entidade fechada de previdência privada, com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Domingos Jorge, 1.000,

Leia mais

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma.

O comprometimento da renda com a prestação mensal será de acordo com a tabela constante do Anexo I da presente Norma. 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem atas para concessão, liberação e cobrança empréstimo de curto prazo. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Aplica-se aos participantes

Leia mais

TRIBUTÁRIO Nº 651/14 - ASPECTOS RELACIONADOS AO REFIS

TRIBUTÁRIO Nº 651/14 - ASPECTOS RELACIONADOS AO REFIS TRIBUTÁRIO 17/11/2014 LEI 13.043/14 - CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/14 - ASPECTOS RELACIONADOS AO REFIS No dia 14 de novembro de 2014 foi publicada a Lei nº 13.043/2014, resultado da conversão

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS

REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS REGULAMENTO PLANO PREVIND SESI/RS CNPB Nº 19.900.013-19 Texto Atual Texto Proposto Justificativa São partes no presente instrumento: Fundo SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL FIES FUPAC NOVA LIMA

CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL FIES FUPAC NOVA LIMA CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL FIES FUPAC NOVA LIMA Que fazem, de um lado FUPAC, instituição de ensino situada à Alameda da Serra, n.º 975 2.º e 4.º andares, Bairro Vila da Serra, Nova Lima MG, ora

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Refispoa 2015 e revoga a Lei nº 11.428, de 30 de abril de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber

Leia mais

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3

NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 NORMAS PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS PRICE 3 1. FINALIDADE: Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal aos Participantes Ativos da Fundação Technos de Previdência Social, que necessitarem

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL B DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL B DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL B DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento Previdencial tem

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Quatro de Caxias do Sul (REFIS IV Caxias), para pessoas físicas e jurídicas, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMOS A PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO POSTALPREV PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO Página: 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 2 CAPÍTULO II DOS DESTINATÁRIOS... 2 CAPÍTULO III DA DOCUMENTAÇÃO DOS DESTINATÁRIOS... 3 CAPÍTULO IV DOS LIMITES INDIVIDUAIS...

Leia mais

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996 DELPHOS INFORMA ANO 2 - Nº 11 - MAIO / 96 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO Nº 217/96 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO EM 14

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TURMAS REGULARES

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TURMAS REGULARES CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TURMAS REGULARES O Contratante e respectivo responsável solidário, conforme o caso, identificado(s) no Termo de Adesão ao presente Contrato de Prestação de Serviços

Leia mais

REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO:

REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO: REGULAMENTO 1 APLICÁVEL A TODAS AS UNIDADES DO GRUPO KROTON, EXCETO: Faculdade Atenas Maranhense (FAMA); Faculdade Pitágoras de São Luís; Faculdade Pitágoras de Imperatriz; Faculdade Pitágoras de Divinópolis;

Leia mais

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016

RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 RESOLUÇÃO CREDUNI 003/2016 Atualiza a Resolução CREDUNI 002/2016 de 03/05/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o Art. 6º

Leia mais

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual

Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CONTRATO DE CRÉDITO MÚTUO - EMPRÉSTIMO PRÉ-FIXADO PLANO PRECE CV Empréstimo contratado: Prazo Taxa Mensal Taxa Anual CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO E PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES: 1. Pelo presente instrumento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 CA - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900992/2015-77

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PM 60/60 MP

CONDIÇÕES GERAIS PM 60/60 MP I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS PM 60/60 MP SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 MP - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901053/2016-21

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA PLANO PM 1000/36 - MODALIDADE:

Leia mais

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância

CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS. Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS E OUTRAS AVENÇAS Meios eletrônicos e/ou de comunicação à distância Por este contrato e melhor forma de direito: 1. PARTES 1.1 CREDOR: BANCO BRADESCO CARTÕES S.A., inscrito

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2016 de 08/09/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ;

RESOLUÇÃO Nº03/2014. I para a anuidade do ano de inscrição, 50% (cinquenta por cento) = R$ 300,00(Trezentos Reais) ; RESOLUÇÃO Nº03/2014 Fixa o valor das contribuições obrigatórias para o ano de 2015 e dá outras providências. O CONSELHO SECCIONAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL EM ALAGOAS, no uso das atribuições legais,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 T - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900061/2014-98

Leia mais

CARTILHA DO PLANO CELPREV

CARTILHA DO PLANO CELPREV CARTILHA DO PLANO CELPREV O QUE É O CELPREV? O CELPREV é um plano de contribuição definida, também conhecido como plano CD, que nada mais é do que uma poupança individual na qual serão investidos dois

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

CONTRATO ASSOCIATIVO

CONTRATO ASSOCIATIVO 1 Nome: RG: CONTRATO ASSOCIATIVO CPF: Data de nascimento: / / Telefone(s): Endereço: Nº: Bairro: Cidade: CEP: Banco: Agência: Operação: Conta: Local de Trabalho: Telefone(s): E-mail: Servidor: ( ) Municipal

Leia mais

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.269, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1/5 Plano de Benefícios CD-02 Cuidar do seu futuro é o nosso negócio! 2/5 1 Por que foi criado o Plano CD-02? O Plano CD-02 foi desenhado no modelo de Contribuição Definida, um plano totalmente individual,

Leia mais

Novo Plano de Contribuição Definida -CD

Novo Plano de Contribuição Definida -CD Previ-Siemens Novo Plano de Contribuição Definida -CD Protection notice / Copyright notice Agenda A Importância de um plano de previdência Plano de Aposentadoria CD -Previ-Siemens Contribuições Procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO BÁSICO PARA CONCESSÃO DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA

REGULAMENTO BÁSICO PARA CONCESSÃO DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA REGULAMENTO BÁSICO PARA CONCESSÃO DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Sumário 1. FINALIDADE... 2 2. SOLICITAÇÃO... 2 3. HABILITAÇÃO... 2 4. RECURSOS FINANCEIROS E DOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 19.332, DE 10 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta a Lei nº 12.005, de 11 de fevereiro de 2016, que permite às instituições conveniadas com o Município ou mantidas pelo Estado e cadastradas como beneficiárias

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar

Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Glossário de Termos Técnicos da Previdência Complementar GLOSSÁRIO Este glossário tem como objetivo apresentar as expressões e termos utilizados no contexto da Previdência Complementar, em especial dos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO CLICK CONTA PLANO PM 60/60 J

Leia mais