INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICADORES SOCIOECONÔMICOS"

Transcrição

1 INDICADORES SOCIOECONÔMICOS O Estado do Ceará caracteriza-se por uma grande região central, sertão central, que é limitado ao sul, ao leste e ao oeste pela Chapada do Araripe, Serra do Apodi e Serra de Ibiapaba, respectivamente, e ao norte pelo litoral e também pela Serra de Baturité, localizada ao sul de Fortaleza. A divisão do Estado do Ceará em sete mesorregiões geográficas, definidas pelo IBGE Noroeste Cearense, Norte Cearense, Metropolitana de Fortaleza, Sertões Cearenses, Jaguaribe, Centro-Sul Cearense e Sul Cearense - não acompanha exatamente essa regionalização física baseada em condicionantes ambientais, principalmente o relevo e as bacias hidrográficas (Mapa 1). A região reconhecida como Sertões pelos cearenses, onde os efeitos das secas se fazem sentir de forma mais drástica, limitando o desenvolvimento das atividades econômicas, tem maior amplitude do que a mesorregião geográfica de mesmo nome, por exemplo. As mesorregiões Centro-Sul Cearense e Jaguaribe pertencem à bacia do Rio Jaguaribe ( Médio Jaguaribe ) e apresentam características que as aproximam da região nomeada como Sertões, excluindo desta caracterização as áreas de influência dos açudes que merecem alguma distinção dada a maior disponibilidade relativa de água em relação ao sertão. O Vale do Jaguaribe destaca-se hoje pelo seu potencial de atração de empreendimentos no campo da fruticultura irrigada. A Serra de Ibiapaba localizada na mesorregião Noroeste Cearense é uma região caracterizada pela produção de hortifrutícolas e distingue-se de outras regiões serranas por não apresentar baixadas úmidas. Nesta mesorregião registra-se também produção agropecuária e culturas comerciais destinadas às agroindústrias de Sobral, principal centro regional, e de Fortaleza. A Serra de Baturité, que sofre forte influência de Fortaleza, para onde converge a maior parte da sua produção agropecuária, é tradicional área de policultura, inclusive flores, e ainda apresenta atividades relacionadas ao turismo rural (hotéis-fazenda). SEADE 35

2 Mapa 1 SEADE 36

3 No Litoral, faixa que compreende partes das mesorregiões Noroeste, Norte, Metropolitana e ainda Jaguaribe, encontram-se as atividades de artesanato de maior expressão no Estado, como o famoso trabalho das mulheres rendeiras e bordadeiras, e a maioria das atividades e investimentos relacionadas ao turismo. A mesorregião Sul Cearense é praticamente coincidente com a região conhecida como Cariri, dado que a Chapada do Araripe, que atribui sua identidade regional, está distribuída ao longo dos limites do Estado ao sul. O Cariri caracteriza-se por apresentar solos férteis e água disponível, favorecendo o desenvolvimento de atividades agrícolas mais diversificadas, pelo turismo religioso em Juazeiro do Norte e nos últimos anos tem também recebido investimentos industriais. Apesar do esforço de transformação econômica nos anos 90, o Estado do Ceará ainda se caracteriza por ser notadamente pobre. A via de desenvolvimento do Estado, que visa atingir um novo patamar de industrialização, de turismo e de agricultura, não tem sido capaz de minorar as disparidades da distribuição de renda e os graves problemas sociais. De modo geral, pouco tem conseguido transformar a realidade regional marcada pela pobreza e pelo universo rural subordinado aos ciclos da seca. Por enquanto, os resultados mais concretos apenas sedimentaram no Ceará algumas áreas de focos de desenvolvimento econômico nas zonas urbanas e rurais. Economia Nesta última década, o Ceará tem empreendido esforços contínuos para transformação do cenário econômico. Trata-se de uma visão de crescimento econômico do Estado associada, no plano concreto, a programas e ações dirigidos principalmente ao desenvolvimento da indústria: de mão-de-obra intensiva, de capital intensivo e de inteligência. Isto tem como objetivos: a geração de emprego e interiorização da indústria, através de incentivos à instalação de novas empresas de mão-de-obra intensiva; a inserção na economia globalizada, com um patamar tecnológico compatível com os requisitos para a exportação, obtidos com a indústria de capital intensivo com atualização tecnológica; e o desenvolvimento da indústria de inteligência, com SEADE 37

4 os setores de microeletrônica e informática. A expansão de novos investimentos no Estado foi puxada pelo setor industrial. As participações relativas dos setores foram: indústria com 51,7% dos novos investimentos; serviços com 34,6%; e agropecuária com 10,7%. Foram 635 empresas instaladas nos últimos sete anos no Ceará. Alguns dos setores que receberam novos investimentos foram: alimentos, extrativismo vegetal, têxtil e couros, madeiras, móveis e papel. Se observarmos cada um dos setores, verifica-se concentração dos empreendimentos nas regiões Norte e Metropolitana. O que indica um reforço da concentração regional em que pesem os incentivos governamentais voltados à interiorização (Tabela 7). 6 Tabela 7 Número de Municípios Sede de Empresas instaladas, por Ramos de Atividade Selecionados, segundo Mesorregiões Estado do Ceará Mesorregiões Alimentos Extrativismo Vegetal Têxtil e Couros Madeira, Móveis e Papel Noroeste Norte Sertões Jaguaribe Metropolitana Centro-Sul Sul Total Fonte: Balanço Anual Ceará/1999. Gazeta Mercantil. Nota: Elaborado a partir de relação dos municípios onde as empresas dos setores selecionados instalaram-se nos últimos 7 anos. O programa de incentivos tem sido parte de uma política agressiva de atração de novos empreendimentos, que procura privilegiar o direcionamento destes para o interior do Estado. O incentivo ou benefício fiscal (redução da carga tributária) aumenta quanto mais distante de Fortaleza a empresa se instalar. A industrialização do interior, induzida por esta política de atração de investimentos, pode ser observada, por exemplo, em Sobral com a instalação da Grandene e em Juazeiro do Norte com a Singer. Embora não tenha conseguido reverter o quadro de concentração econômica do Estado, na RMF e em Fortaleza, a atração de novas indústrias 6 Balanço Anual. Gazeta Mercantil, SEADE 38

5 tem servido para a geração de empregos em determinadas regiões do interior, bem como para mudar a posição relativa do Estado em alguns setores da indústria. O Estado do Ceará é o segundo pólo têxtil do Brasil, atrás do Estado de São Paulo. Várias empresas originárias do Sul do país, como a Vicunha e a Marisol de Santa Catarina, instalaram-se no Estado. Como empreendimentos potenciais, empresas estrangeiras, como o grupo americano VF, anunciam investimentos, o que pode impulsionar ainda mais ainda este setor, caso se concretizem. Na indústria de calçados e couros, empresas do Sul do país, como a Dakota, originária do Rio Grande do Sul, também estão presentes, bem como algumas estrangeiras (Rino Mastratto/Bermas - Itália), colocando os calçados de couro na pauta de exportação do Estado. A indústria de embalagens e papel laminado (Rigesa) é outro exemplo entre as empresas que se instalaram recentemente no Estado, também oriunda do Sul do país (Santa Catarina). Estes são alguns exemplos dos novos empreendimentos resultantes da política de incentivos. O incentivo para a atração de indústrias para o Estado é a redução da carga tributária, que permite que uma parte do ICMS seja transformada em capital de longo prazo pelas empresas que estão se instalando. A este incentivo somam-se aqueles oriundos dos municípios, entre eles a cessão de terrenos e a isenção de impostos. Pequenos e médios empresários também poderão ser beneficiados no âmbito da política de desenvolvimento do Estado com a cessão de terrenos em comodato em 100 minidistritos industriais instalados no interior do Estado e com financiamentos do Banco do Nordeste. Na agropecuária, a reestruturação das atividades tem contado com a orientação de políticas de incentivos financeiros e fiscais para o desenvolvimento da irrigação e de atividades agrícolas voltadas para o comércio exterior. O Estado ocupa a quarta posição entre os Estados nordestinos. O Estado, em 1999, participou em 0,7% do total das exportações SEADE 39

6 nacionais 7. A agropecuária cearense ensaia mudanças, isto é, com a irrigação aparece a produção de frutas em contraposição à tradição da agricultura cearense vinculada aos ciclos da seca (como o algodão, por exemplo) e à subsistência. Nesta nova dinâmica da agropecuária, algumas empresas estrangeiras têm a intenção de realizar experimentos de fruticultura, na tentativa de consolidar um novo patamar de produção agrícola e de exportação no Ceará. Uma das maiores empresas mundiais da fruticultura está se instalando em Limoeiro do Norte (no sudoeste do Ceará), com áreas experimentais de banana, melão e abacaxi. Contudo, o aporte de novos investimentos ainda é incipiente. O setor agrícola cearense ainda se define segundo os condicionantes ambientais ditados pela seca. O Ceará é um dos Estados do Nordeste onde os efeitos das secas são sentidos mais fortemente. A resposta governamental ao grande impacto das secas pode ser resumida por um plano de perenização das suas bacias hidrográficas através de suas interligações (construção de canais e estações elevatórias) e construção de açudes, especialmente o Castanhão. Este plano estaria servindo tanto aos projetos de agricultura irrigada (perímetros irrigados), quanto ao abastecimento populacional, especialmente da região metropolitana de Fortaleza, e às indústrias do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (siderurgia, petroquímica e termelétrica). Observa-se que este sistema (interligação de bacias) tem no Rio Jaguaribe um de seus principais elementos, visto que sua bacia que comporta o açude de Orós ligar-se-ia com o açude do Castanhão e deste para Fortaleza, chegando até o Complexo de Pecém. A cidade de Fortaleza já vem passando por racionamentos d água para o abastecimento populacional. A própria conclusão do açude de Castanhão, que desempenharia papel estratégico naquele sistema, tem cronograma com risco de atraso. Se considerarmos que a mesma água que serve aos perímetros irrigados também abastecerá Fortaleza e o Complexo do Pecém, não é difícil 7 IPLANCE Estatísticas das exportações cearenses Fortaleza, SEADE 40

7 prever o grau de competição por água que se estabelecerá no Ceará. Para dinamizar a exportação, está sendo construído em Fortaleza um porto off shore, afastado do continente, que permite receber navios de até 175 mil toneladas. Este porto integra o Complexo Industrial e Portuário de Pecém. As âncoras deste grande projeto serão a usina termelétrica (da empresa Nordeste Energia S.A.), em fase de construção e que contará com fornecimento de gás natural da Petrobrás; a refinaria de petróleo (a ser construída pelo grupo alemão Thyssen Rheinstahl), que será o primeiro investimento privado da área aprovado pela Agência Nacional de Petróleo; e uma siderúrgica (a ser construída pela Companhia Siderúrgica Nacional). Esses investimentos deverão alavancar os pólos petroquímico e metalmecânico da região. Quando concluído, este empreendimento deve ter forte impacto sobre o emprego e gerar novas demandas diferenciadas de qualificação. Além de importantes esforços para a atração de empresas de mão-de-obra intensiva (principalmente calçados e confecções), de capital intensivo (têxtil e material pesado) e para a transformação da agropecuária, há iniciativas também para o desenvolvimento de indústrias de alta tecnologia. Neste sentido, outro grande projeto é a criação de um pólo de alta tecnologia em Maracanaú, também na região metropolitana. A intenção é criar uma cidade tecnológica, incluindo as áreas de informática (hardware, software), microeletrônica, telecomunicações e química fina, entre outros segmentos. Quanto ao turismo, há um esforço em intensificar a vocação natural, integrando outras áreas além do litoral ao complexo turístico do Ceará e inserir o Estado no mapa turístico nacional e internacional. Nesta área, a intenção é buscar espaços ainda não explorados. Além dos 573 quilômetros de costas marítimas, com praias, falésias de areias coloridas, dunas, coqueiros, outros espaços das regiões do interior (as serras, o sertão e as chapadas) podem ser explorados. Nas serras, lugar de florestas tropicais, fauna expressiva, curso e quedas d água, tradição florística e sítios de veraneio, a estratégia é estimular o fluxo de turistas na baixa estação. No sertão central está sendo estruturado o pólo SEADE 41

8 de ecoturismo Vale Monumental do Ceará. O propósito é mostrar a característica própria do semi-árido, onde predomina a caatinga, as grandes fazendas agropecuárias e os açudes. Esta região compreende 21 municípios entre os quais Canindé, Quixadá e Quixeramobim. Nas chapadas, região do Cariri, que compreende 41 municípios, há uma tradição turística espontânea advinda das grandes romarias religiosas de culto ao Padre Cícero de Juazeiro do Norte. Outros municípios que se destacam nesta região são Crato e Barbalha. Em paralelo a todo este esforço de desenvolvimento econômico da indústria, da agropecuária e do turismo - que já avançou muito mas ainda tem muitos projetos em potencial - persiste a condição de um Estado com graves problemas sociais. O Estado do Ceará apresenta um dos piores Índices de Desenvolvimento Humano 8, IDH = 0, Isto significa que entre as 26 unidades da Federação ocupa a 23ª posição. Esta tendência também se observa quando se analisam os índices que compõem o IDH: 23º lugar em renda per capita, 22º em esperança de vida e 24º em educação. O esforço empreendido no crescimento do Estado, na última década, pode ser avaliado também por alguns indicadores de caracterização da estrutura econômica do Estado, como os referentes ao Produto Interno Bruto (PIB), e por outros que auxiliam no reconhecimento da estrutura e indicam a situação do emprego e das ocupações no Estado. São indicadores como: número de empresas instaladas e empregos gerados (dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Ceará); número de estabelecimentos e empregados (informações da RAIS/MTb) e dados da Pesquisa Nacional de Amostragem por Domicílio (PNAD). Produto Interno Bruto O Ceará é a terceira economia do Nordeste, atrás da Bahia e de Pernambuco. Em 1996, o PIB do Estado totalizava R$ 11,7 bilhões, o que corresponde a 13,2% do total regional, segundo dados do IPEA. A importância do Estado no Nordeste pode ser avaliada também por sua participação relativa 8 O IDH é um índice criado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, PNUD, publicado anualmente, que incorpora indicadores de esperança de vida ao nascer, grau de alfabetização entre adultos e poder de compra da renda per capta de cada país. 9 Relatório sobre o Desenvolvimento humano no Brasil, PNUD/IPEA SEADE 42

9 em cada setor: 10,2% do setor agropecuário; 11,7% da indústria e 14,6% do setor de serviços (Tabela 8). Avaliando as mudanças ao longo do período , verifica-se que a participação do Estado no total do Nordeste cresceu em todos os setores. Tabela 8 Participação do PIB Cearense no Total do PIB do Nordeste Em porcentagem Agropecuária 8,9 9,6 9,0 9,0 10,4 10,6 10,2 Indústria 10,3 12,3 12,4 11,9 11,6 12,5 11,7 Indústria Geral 11,4 11,4 11,4 11,4 11,4 11,4 11,4 Construção Civil 9,9 13,9 14,1 12,8 11,9 13,6 12,4 Serviços Ind. de Util. Pub. 6,0 8,1 7,8 9,2 10,4 7,9 8,0 Serviços 13,7 14,3 15,3 14,7 14,5 14,6 14,6 Comércio 13,1 13,8 16,0 14,1 14,2 14,1 13,8 Transportes 15,1 16,1 18,2 19,1 18,6 18,9 18,7 Comunicações 14,3 10,1 12,9 15,9 17,2 13,7 15,4 Instituições Financeiras 14,7 15,0 16,1 14,7 13,4 13,1 13,3 Administrações Públicas 12,3 12,7 13,2 13,2 13,2 13,2 13,2 Aluguéis 13,2 14,4 13,9 13,6 14,0 14,4 14,3 Outros Serviços 16,1 16,4 16,7 16,9 17,1 17,2 17,2 Subtotal 12,2 13,2 13,8 13,4 13,1 13,4 13,2 Dummy Financeira 14,7 15,0 16,1 14,7 13,4 13,1 13,3 PIB a Custo de Fatores 11,9 13,1 13,4 13,1 13,0 13,4 13,2 Fonte: IPEA - Produto Interno Bruto por Unidade da Federação Analisando os dados do PIB, o Estado tem a seguinte estrutura econômica: setor de serviços, 64,6%; indústria, 30,8%; agropecuária, 8,4%. A participação expressiva do setor de serviços deve-se especialmente a administrações públicas, 18,4%; aluguéis, 12% (que considera inclusive valores imputados aos que possuem imóvel próprio); e outros serviços, 15,3% (alojamento e alimentação, serviços prestados principalmente às empresas informática inclusive -, serviços privados de educação e saúde, entre outros). Isto não mostra se tratar de uma economia essencialmente terciária, apenas que a complexidade atividades existentes não comporta mais apenas a distinção entre três grandes setores. No setor da indústria, tem maior peso a construção civil (19,2%), com participação crescente no período (Tabela 9). Tabela 9 Estrutura do PIB a Custo de Fatores Ceará Em porcentagem Agropecuária 8,9 7,4 6,7 5,6 9,5 9,3 8,4 Indústria 29,8 31,6 34,8 36,8 34,1 32,5 30,8 Indústria Geral 14,5 13,5 14,4 13,9 11,7 10,0 10,0 Construção Civil 14,0 16,6 18,9 20,7 20,3 21,1 19,2 Serviços Ind. de Util. Pub. 1,3 1,6 1,6 2,3 2,1 1,5 1,6 SEADE 43

10 Serviços 77,1 71,4 78,4 80,0 68,1 62,9 64,6 Comércio 14,1 12,2 13,1 12,5 12,5 11,6 9,4 Transportes 3,5 3,4 3,4 3,5 3,1 3,0 2,8 Comunicações 1,4 0,8 1,2 1,8 1,6 1,4 1,9 Instituições Financeiras 15,9 11,2 20,9 23,3 12,6 5,7 4,8 Administrações Públicas 22,0 16,5 15,4 16,5 17,3 17,9 18,4 Aluguéis 6,3 13,3 9,6 6,3 6,3 8,9 12,0 Outros Serviços 13,9 14,1 14,7 16,2 14,5 14,4 15,3 Subtotal 115,8 110,5 119,9 122,5 111,6 104,8 103,8 Dummy Finaceira -15,8-10,5-19,9-22,5-11,6-4,8-3,8 PIB a Custo de Fatores 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: IPEA Produto Interno Bruto por Unidade da Federação Nos próximos anos, o Ceará poderá mudar alguns indicadores econômicos, sobretudo pelo número significativo de investimentos realizados no período recente, especialmente na indústria. Entre janeiro de 1995 e fevereiro de 1998 instalaram-se no Estado 99 empresas, segundo a Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Ceará. Há ainda outras 70 empresas em fase de implantação e mais 194 empresas têm protocolos assinados com o governo estadual para inserção no Estado com aproveitamento dos incentivos concedidos. Os empreendimentos já realizados geraram mais de 24 mil empregos diretos e mais de 97 mil indiretos (Tabela 10). Em que pese a distribuição destas empresas por 32 municípios do Ceará, há uma forte concentração na Região Metropolitana de Fortaleza: 67,7% do número de empresas e 45,9% dos empregos diretos gerados (Mapa 2). SEADE 44

11 Mapa 2 SEADE 45

12 Mesmo para as empresas em fase de implantação ou com protocolos assinados, há forte concentração na RMF, com 62,9% e 76,3% do total de empresas e 62,5% e 77,9% de empregos diretos previstos. Neste processo, os principais beneficiários devem ser os municípios de Caucaia, Maracanaú, Horizonte, Maranguape e Fortaleza. No interior, investimentos (realizados ou previstos) tendem a privilegiar a geração de empregos nos municípios de Sobral, Quixadá e Crato. Esse desempenho reflete a política de incentivos governamentais do Ceará para o desenvolvimento industrial e do turismo de porte. SEADE 46

13 Tabela 10 Programa de Geração de Empregos Industriais Estado do Ceará Janeiro de 1995 a Fevereiro de 1998 Implantadas Em Implantação Com Protocolos Assinados Municípios nº Empregos Nº Empregos nº Empregos Nº Diretos Indiretos Nº Diretos Indiretos Nº Diretos Indiretos Aquiraz Aracati Barbalha Barreira Brejo Santo Camocim Canindé Caridade Carius Cascavel Caucaia Cedro Chorozinho Crateús Crato Eusébio Forquilha Fortaleza Guaiúba Guaramiranga Horizonte Iguatu Itaitinga Itapagé Itapipoca Itarema Jaguaribe Jaguaruana Juazeiro do Norte Lavras da Mangabeira Maracanaú Maranguape Marco Missao Velha Morada Nova Nova Olinda Ocara Pacajus Pacatuba Paracuru Paramoti Pentecoste Pindoretama Quixada Quixeramobim Santana do Acarau Santa Quitéria Sao Goncalo do Amarante Sobral Ubajara Umirim Uruburetama Total Fonte: Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Ceará SEADE 47

14 Evolução do Emprego e das Ocupações O emprego formal no estado do Ceará observou uma ampliação de 15,07% no período entre 1986 e 1997, segundo as informações da RAIS. Expressividade do aumento no número de trabalhadores com relações formais de trabalho na construção civil poder expressar somente uma ampliação nos níveis de formalização nas relações de trabalho no setor. O mesmo argumento pode ser usado para relativizar o crescimento no número de empregos na agropecuária e na indústria extrativa mineral. Entretanto na indústria de transformação, onde as relações de trabalho já há vários anos observa um baixo grau de informalidade, deve, efetivamente, ter havido um incremento no número de postos de trabalho. Foram criados nos onze anos, de 1986 a 1997, novos postos de trabalho, num período no qual houve forte redução no emprego industrial em todos os estados mais industrializados do país. Esse incremento de 14,79% no número de postos de trabalho foi seguido por um forte crescimento no número de estabelecimentos industriais no estado, que ampliou-se em 87,66%. Tabela 11 Evolução do Emprego Formal e do Número de Unidades Locais, segundo Ramos de Atividade Estado do Ceará 1986 e 1997 Ramos de Atividade Total 1986 Total / 1986 UL PO UL PO % UL % PO Extrativa Mineral ,05 80,57 Indústria de Transformação ,66 14,79 Serviços Industriais de Utilidade Pública ,33 19,46 Construção Civil ,77 65,32 Comércio ,15 25,28 Setor de Serviços ,68 9,84 Agropecuária (inclui Silvicultura, Criação Animais, ,48 5,77 Extração Vegetal e Pesca) Outros ,50 12,09 Total ,10 15,07 Fonte: Ministério do trabalho RAIS vários anos. Na indústria o maior crescimento foi na indústria de calçados, que ampliou em 646,28% o número de postos formais de trabalho entre 1986 e 1997, seguido da indústria de material de transportes, que observou ampliação de 153,36% no mesmo período, conforme pode ser observado na tabela a seguir. Dos setores industriais que tiveram redução no número de postos de trabalho o de maior significado ocorreu na indústria de borracha, que teve uma redução de 51,69% no emprego formal. Os outros setores industriais que SEADE 48

15 observaram redução no número de postos de trabalho foram o de produtos minerais não metálicos, a metalurgia a têxtil e vestuários e a indústria química, com reduções de 17,79%, 13,43%, 7,54% e 7,10% respectivamente. É importante observar, entretanto, que, em que pese ter havido redução no número de postos de trabalho, a indústria têxtil continua sendo a principal empregadora industrial, respondendo por 34,9 mil postos de trabalho em 1997, o que equivale a 5,62% do total do emprego formal. A administração pública direta e autarquias continua sendo a principal empregadora no Ceará, respondendo, sozinha por cerca de um quarto do emprego formal (24,49%). O comércio varejista e o ensino são, também, grandes empregadores e respondiam por 10,91% e 10,79% do total de empregos, respectivamente. SEADE 49

16 Tabela 12 Evolução do Emprego Formal e do Número de Unidades Locais, segundo Ramos de Atividade Estado do Ceará Total 1986 Total /1986 Total / 1990 Total / / 1986 Ramos de Atividades UL PO UL PO % UL % PO UL PO % UL % PO UL PO % UL % PO % UL % PO Extrativa Mineral ,56 15, ,19 57, ,00 (0,68) 83,05 80,57 Indústria de Produtos Miner Não Metálicos ,12 (1,56) ,52 (37,44) ,51 33,49 79,29 (17,79) Indústria Metalúrgica ,06 (19,39) ,30 3, ,15 3,41 120,30 (13,43) Indústria Mecânica ,55 (16,73) ,32 (19,64) ,00 52,70 104,55 2,18 Indústria Material Eletr. e de Comunicação ,67 (10,23) (15,00) 0, ,59 2,82 70,83 (7,23) Indústria do Material de Transporte ,25 35, ,00 (11,41) ,16 111,52 231,25 153,36 Indústria da Madeira e do Mobiliário ,72 (0,27) ,76 (1,96) ,10 21,37 57,79 18,66 Indústria do Papel,Papelão, Edit. e Gráfica ,38 (2,60) ,77 3, ,64 8,84 72,63 9,49 Indústria Borracha,Fumo,Couros,Peles,Sim,Ind Div ,27 5, ,55 (48,55) (8,94) (10,82) 23,48 (51,69) Indústria Química de Prod Farm,Veter,Perf,Sabão ,67 (21,64) ,47 7, ,88 10,58 84,67 (7,10) Indústria Textil do Vest e Artef de Tecidos ,27 (7,32) ,61 (1,26) ,63 1,03 96,00 (7,54) Indústria de Calçados ,78 (21,23) (22,02) 308, ,82 131,95 48,35 646,28 Indústria de Prod Alim, Beb e Alcool Etílico ,68 6, ,34 30, ,45 (3,55) 105,09 34,18 Serviços Industriais de Utilidade Pública ,33 9, ,79 30, ,76 (16,61) 181,33 19,46 Contrução Civil ,19 (2,88) ,08 53, (18,08) 10,58 145,77 65,32 Comércio Varejista ,69 (8,58) ,28 14, ,06 18,04 95,94 23,15 Comércio Atacadista ,74 13, ,34 13, (0,52) 6,02 76,47 36,31 Instituições de Crédito,Seguros e Capitalização (12,85) (3,79) ,28 (20,10) ,99 (12,30) 27,08 (32,59) Com Adm Imov, Val.Mov,Serviço Tec Prof,Etc ,93 6, ,55 3, ,98 30,82 118,62 44,18 Transportes e Comunicações (40,61) (9,20) ,99 25, ,59 8,76 63,82 24,24 Serviços Alojam., Alim,Rep Manu Red, Radio, Tv ,16 4, ,23 (27,57) ,23 10,82 74,93 (16,48) Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários ,11 35, ,36 288, (35,23) 1,42 162,60 432,05 Ensino ,21 20, , , ,48 (1,30) 395, ,52 Administração Pública Direta e Autarquica (70,53) (8,85) (37,99) (18,91) ,35 (2,09) (79,28) (27,63) Agric,Silvic,Criação Animais,Extr Veg,Pesca ,16 26, ,09 (17,64) (17,46) 1,44 48,48 5,77 Outros , , ,53 (49,54) (86,65) (81,10) 447,50 12,09 Total ,17 (0,47) ,35 10, ,89 4,34 77,10 15,07 Fonte: Ministério do trabalho RAIS vários anos. SEADE 50

17 Tabela 13 Evolução do Emprego Formal e do Número de Unidades Locais, segundo Ramos de Atividade Região Metropolitana de Fortaleza Total 1986 Total /1986 Total / 1990 Total / / 1986 Ramos de Atividades Ul PO Ul PO % Ul % PO Estab PO % Ul % PO Ul PO % Ul % PO % Ul % PO Extrativa Mineral ,14 (0,76) ,22 (15,38) ,00 0,27 82,76 (15,79) Indústria de Produtos Miner Não Metálicos ,22 (3,27) ,98 (21,81) ,65 28,52 76,09 (2,80) Iindústria Metalúrgica ,64 (19,69) ,12 (3,21) ,78 2,77 102,73 (20,12) Indústria Mecânica ,24 (14,68) ,66 (29,69) ,00 54,22 120,59 (7,48) Indústria Material Eletr e de Comunicação ,18 (5,87) (16,22) 0, ,90 2,70 59,09 (3,04) Indústria do Material de Transporte ,00 34, ,17 (14,30) ,65 107,40 200,00 139,89 Indústria da Madeira e do Mobiliário ,05 (0,57) ,00 (9,12) ,50 12,36 42,86 1,53 Indústria do Papel,Papelão, Edit e Gráfica ,08 (0,51) ,07 0, ,11 2,66 63,95 2,75 Indústria Borracha,Fumo,Couros,Peles,Sim,Ind Div ,69 28, (6,06) (49,49) (8,06) (18,63) 16,33 (47,25) Indústria Química de Prod Farm,Veter,Perf,Sabão ,38 (9,75) ,14 3, ,08 0,10 80,47 (6,44) Indústria Textil do Vest e Artef de Tecidos ,59 1, ,86 (7,74) ,35 (0,21) 100,28 (6,20) Indústria de Calçados ,14 (36,51) (36,67) 166, ,54 24,86 (20,24) 111,02 Indústria de Prod Alim, Beb e Alcool Etílico ,30 22, ,98 27, ,76 (8,89) 121,24 41,53 Serviços Industriais de Utilidade Pública ,67 8, ,17 23, ,12 (26,02) 477,78 (0,77) Contrução Civil ,97 (1,69) ,65 49, (12,56) 3,39 139,10 51,94 Comércio Varejista ,90 (7,87) ,19 14, ,90 11,85 115,07 17,55 Comércio Atacadista ,78 13, ,53 17, ,27 9,28 110,80 45,74 Instituições de Crédito,Seguros e Capitalização ,06 0, ,05 (14,97) ,18 (8,35) 103,54 (21,58) Com Adm Imov, Val.Mov,Serviço Tec Prof,Etc ,03 8, ,61 4, ,88 27,09 130,10 44,35 Transportes e Comunicações (18,71) (4,06) ,07 26, ,63 13,32 146,94 37,92 Serviços Alojam., Alim,Rep Manu Red, Radio, Tv ,72 6, ,54 (28,03) ,73 3,28 84,75 (21,00) Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários ,81 28, ,42 412, (40,70) (0,20) 173,09 556,89 Ensino ,71 27, , , ,17 (4,20) 338, ,03 Administração Pública Direta e Autarquica (78,86) (18,26) (55,63) (34,66) ,77 6,66 (89,61) (43,03) Agric,Silvic,Criação Animais,Extr Veg,Pesca ,00 27, ,39 (38,37) (16,29) 22,30 16,44 (3,86) Outros , , ,04 (55,09) (85,79) (90,58) 450,00 (51,69) Total ,72 (1,47) ,50 10, ,00 3,10 90,65 12,55 Fonte: Ministério do trabalho RAIS vários anos. SEADE 51

18 Tabela 14 Evolução do Emprego Formal e do Número de Unidades Locais segundo Ramos de Atividade Interior do Estado do Ceará Total 1986 Total /1986 Total / 1990 Total / / 1986 Ramos de Atividades UL PO UL PO % UL % PO UL PO % UL % PO UL PO % UL % PO % UL % PO Extrativa Mineral ,33 86, ,42 224, ,00 (1,25) 83,33 498,03 Indústria de Produtos Miner Não Metálicos ,43 (0,25) ,59 (49,10) ,41 39,18 82,08 (29,33) Iindústria Metalúrgica ,09 (7,95) ,31 233, ,62 9,44 204,35 235,80 Indústria Mecânica ,00 (41,10) ,00 153, ,00 45,41 50,00 117,12 Indústria Material Eletr e de Comunicação ,00 (83,72) ,00 21, ,00 11,76 200,00 (77,91) Indústria do Material de Transporte ,00 100, ,00 525, ,33 216,00 700, ,00 Indústria da Madeira e do Mobiliário ,63 2, ,71 54, ,83 63,18 90,79 157,57 Indústria do Papel,Papelão, Edit e Gráfica ,13 (32,14) ,76 59, ,11 89,71 112,50 104,76 Indústria Borracha,Fumo,Couros,Peles,Sim,Ind Div ,88 (29,32) ,78 (46,00) (10,91) 9,08 44,12 (58,37) Indústria Química de Prod Farm,Veter,Perf,Sabão ,45 (74,59) ,25 64, ,29 114,62 109,09 (10,05) Indústria Textil do Vest e Artef de Tecidos (6,84) (67,62) ,61 132, ,20 11,22 70,09 (16,34) Indústria de Calçados ,43 176, ,37 731, ,86 233,83 871, ,19 Indústria de Prod Alim, Beb e Alcool Etílico (8,80) (26,43) ,35 40, ,13 14,30 83,20 17,86 Serviços Industriais de Utilidade Pública ,33 23, ,83 97, ,66 40,89 140,91 245,17 Contrução Civil ,92 (13,53) ,17 99, (37,13) 65,65 183,78 185,76 Comércio Varejista (0,36) (11,97) ,10 14, ,70 48,81 65,54 49,80 Comércio Atacadista (1,10) 15, ,97 (3,60) (3,43) (8,29) 8,84 1,92 Instituições de Crédito,Seguros e Capitalização (25,00) (15,00) (2,60) (35,51) ,67 (27,97) (22,08) (60,51) Com Adm Imov, Val.Mov,Serviço Tec Prof,Etc ,59 (14,05) (8,77) (21,39) ,27 110,13 34,43 41,97 Transportes e Comunicações (58,45) (34,23) ,33 18, ,76 (25,93) (3,88) (42,32) Serviços Alojam., Alim,Rep Manu Red, Radio, Tv (6,20) (10,51) ,34 (23,98) ,09 65,75 49,13 12,76 Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários ,18 47, ,54 86, (23,24) 8,67 146,58 198,34 Ensino (22,86) (29,52) , , ,70 42,02 725, ,53 Administração Pública Direta e Autarquica (54,12) 8, (21,98) 2, ,68 (9,67) (58,95) 0,06 Agric,Silvic,Criação Animais,Extr Veg,Pesca ,68 24, ,95 20, (18,53) (18,32) 100,72 23,28 Outros , , ,96 (39,47) (89,28) (68,35) 437,50 137,83 Total (1,16) 2, ,75 10, ,12 7,96 49,55 22,73 Fonte: Ministério do trabalho RAIS vários anos SEADE 52

19 As informações sobre o número de estabelecimentos e empregados (com carteira assinada) para o ano de 1997 também indicam forte concentração na Região Metropolitana de Fortaleza para a maioria dos setores da atividade econômica. Nesta região encontram-se 72,7% do total do número de estabelecimentos e 74,9% do total do empregados do Estado. O município de Fortaleza concentra 67,0% dos estabelecimentos e 64,2% dos empregos do Estado, segundo dados da RAIS/MTb (Tabelas 16 e 17, Mapa 3). Em segundo lugar, destaca-se o município de Maracanaú, responsável por 11,0% do total de empregos industriais do Estado, também na região metropolitana. Assim, quase 63% dos empregos formais do setor industrial no Estado concentram-se em dois municípios da região metropolitana. O restante do contingente de trabalhadores formais encontra-se disperso pelo Estado, destacando-se poucos municípios em setores específicos, tais como Sobral (no noroeste cearense) com 7,1% do total do pessoal ocupado na indústria e 4,6% do total do emprego nos serviços de utilidade pública; Camocim (também no noroeste) e Limoeiro do Norte (na mesorregião do Jaguaribe), com 19,1% e 9,4%, respectivamente, do pessoal alocado na extração de minerais; Juazeiro do Norte (no sul cearense) com 4,2% do total do emprego no comércio e 3,4% da construção civil e Iguatu (no centro-sul) com 3,3% do emprego no comércio. Examinando-se as informações referentes ao total do emprego formal segundo gênero, verifica-se que a proporção de empregados do sexo masculino atinge pouco mais da metade (54,1%), graças à elevada participação do emprego feminino nas principais atividades em termos de pessoal ocupado, tais como a Indústria de Transformação, Comércio, Serviços e Administração Pública (Tabela 15). Para os dois últimos e para o total de ocupados em outros setores de atividade ou com ocupação ignorada, o percentual do emprego feminino é superior ao masculino (51,1%; 61,5% e 61,5%, respectivamente). Nos demais segmentos, a força de trabalho é, tradicionalmente, constituída por um maior número de elementos do sexo masculino. SEADE 53

20 Mapa 3 SEADE 54

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SÓCIO-ECONÔMICOS DO ESTADO

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SÓCIO-ECONÔMICOS DO ESTADO INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SÓCIO-ECONÔMICOS DO ESTADO Com um total de 2.558.660 habitantes em 1996, representando 1,6% da população brasileira e 5,7% da população do Nordeste, o vem apresentando nos últimos

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS O Estado do Amapá, localizado na Região Norte, possui uma superfície territorial de 143.453,7 km 2, correspondendo a 1,67% do território nacional e a 3,7% da área da Região

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842

ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2010 HORA - 08.12.46 ABAIARA 1.829.113,91 3.322.215,41 2.575.664,66 0,006896 0,203301 0,028554 0,009091 0,247842 ACARAPE 12.444.283,10

Leia mais

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312

ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 SEFAZ-CE * RATEIO DO ICMS * PAGINA - 1 RTP00849 2A. PUBLICACAO EXERCICIO 2009 HORA - 16.12.13 ABAIARA 1.944.660,79 1.829.113,91 1.886.887,35 0,006015 0,111396 0,029085 0,003817 0,150312 ACARAPE 14.645.466,74

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Ceará PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2300101 ABAIARA MUNICIPAL 2300150 ACARAPE MUNICIPAL 2300200 ACARAU MUNICIPAL 2300309 ACOPIARA MUNICIPAL 2300408 AIUABA MUNICIPAL 2300507 ALCANTARAS MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA Abaiara Acarape Acarau Acopiara Aiuaba Alcantaras Altaneira Alto Santo Amontada Antonina do Norte Apuiares Aquiraz Aracati Aracoiaba Ararenda Araripe Aratuba Arneiroz Assare Aurora Baixio Banabuiu Barbalha

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007

VACINA CONTRA HEPATITE B DOSES APLICADAS EM MENORES DE 20 ANOS, COBERTURA VACINAL E POPULAÇÃO A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 DOSES APLICADAS EM MENORES DE, E A SER VACINADA POR ESTADO E MUNICÍPIO - 1994 A 2007 2300101 ABAIARA 2300150 ACARAPE 2300200 ACARAU 2300309 ACOPIARA 2300408 AIUABA 2300507 ALCANTARAS 2300606 ALTANEIRA

Leia mais

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo CE Abaiara Brejo Santo Baixa Renda Estagnada CE Acarapé Baturité Baixa Renda Estagnada CE Acaraú Litoral de Camocim e Acaraú Baixa Renda Dinâmica CE Acopiara Sertão de Senador Pompeu Baixa Renda Dinâmica

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Tem SEBRAE em todo Ceará

Tem SEBRAE em todo Ceará Não cabem mais questionamento sobre a importância e os méritos dos pequenos negócios como forma mais eficiente de promover a estabilidade política, econômico e social de um país, estado ou região. O Universo

Leia mais

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2)

Página 1. Quantidade de AF necessários para atender os 30% (6) Nº de Agricultores Familiares (3) Valor do Repasse do FNDE (1) Alunado (2) 2300101 ABAIARA 148.140,00 2.220 44.442 755 688 PAA Leite 5 2300150 ACARAPE 166.440,00 2.658 49.932 521 378 PAA Leite 6 2300200 ACARAU 1.058.700,00 13.767 317.610 4.477 938 PAA Leite/DS/CD 35 2300309 ACOPIARA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA LABORATÓRIO CENTRAL - LACEN ORGANIZAÇÃO DA REDE DE

Leia mais

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO 12 março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Região de Saúde de Caucaia

Região de Saúde de Caucaia Região de Saúde de Fortaleza Fortaleza CONSULTÓRIO DE RUA Eusébio I CAPS i Itaitinga Aquiraz LEITO HOSPITAL GERAL ENFERMARIA ESPECIALIZADA COMUNIDADE TERAPÊUTICA RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA PVC AQUIRAZ 73.561

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios. Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE

O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios. Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE O Desempenho Socioeconômico Recente dos Municípios Cearenses e seus Principais Desafios Flávio Ataliba Barreto Diretor Geral - IPECE 30 de Agosto de 2013 Dados Recentes sobre o Ceará Gráfico 1: Taxa de

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÕMICOS

INDICADORES SOCIOECONÕMICOS INDICADORES SOCIOECONÕMICOS O Estado de Alagoas está localizado na região Nordeste do Brasil e ocupa uma superfície de 27.933 km 2, que corresponde a 0,32% do território brasileiro. Limita-se ao norte

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

O QUE É O IDT. É a instituição executora da política pública do trabalho do governo do estado.

O QUE É O IDT. É a instituição executora da política pública do trabalho do governo do estado. O QUE É O IDT O Instituto de Desenvolvimento do Trabalho IDT, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, qualificada pelo Governo do Estado do Ceará como Organização Social apta a executar políticas públicas

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES

TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES TAXA DE VULNERABILIDADE SOCIAL DOS MUNICÍPIOS CEARENSES Nº 51 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa?

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? O atual mundo do trabalho ANTIGO Qualifica para o trabalho;

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTRA A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENAÇÃO Antonio de Oliveira Lima MPT/CE Célia Chaves Gurgel do Amaral UFC Sandra Maria Silva Leite Reis UNDIME/CE EDUCAÇÃO:

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O

ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O INFORME-SE ÁREA DE ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 31- novembro 2001 E M P R E G O SETORES INTENSIVOS EM MÃO-DE-OBRA: Uma atualização do Modelo de Geração de Emprego do BNDES O Modelo de Geração

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Tabela 218 Distribuição do Número e da Área dos Estabelecimentos, segundo Grupos de Área Total Estado do Ceará 1995 Grupos de Área Total (ha)

Tabela 218 Distribuição do Número e da Área dos Estabelecimentos, segundo Grupos de Área Total Estado do Ceará 1995 Grupos de Área Total (ha) AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ O Estado do Ceará apresenta, predominantemente, características físicas de regiões semi-áridas, com cobertura vegetal típica de caatinga e solos com bom potencial agrícola

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir,

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir, CONCLUSÃO O Maranhão é o Estado brasileiro com o menor grau de urbanização, o décimo colocado entre os Estados em relação à população total e o quarto em relação à população rural, abrigando 7,39% da população

Leia mais

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE BRASIL Dinâmica demográfica Refletindo tendências demográficas delineadas há algumas décadas, a população brasileira cresceu a uma taxa anual estimada

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura

A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA. Estrutura A INDÚSTRIA DO ESTADO DA BAHIA Estrutura A principal característica da indústria do é a pequena diversificação de sua estrutura. Os quatro gêneros mais significativos de indústria química, metalúrgica,

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ Estrutura da Indústria A indústria do Estado do Ceará é fortemente marcada pela presença de quatro divisões pertencentes à categoria de uso de bens de consumo não duráveis:

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Nº 12. Nota Técnica ANÁLISE DA POLÍTICA DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO 2001-2004 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

Nº 12. Nota Técnica ANÁLISE DA POLÍTICA DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO 2001-2004 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) Nº 12 Nota Técnica ANÁLISE DA POLÍTICA DE INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil

Indicadores Turísticos 1995/2012. Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil Indicadores Turísticos 1995/2012 Março de 2013 Fortaleza - Ceará - Brasil GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Governador: Cid Ferreira Gomes SECRETARIA DO TURISMO DO ESTADO DO CEARÁ Secretário: Bismarck Maia Secretário

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas

Nº 35 Junho 2012. A Composição das Famílias no Ceará- Identificação das Relações Homoafetivas Nº 35 Junho 2012 A Composição das Famílias no Ceará- Identificação Análise a partir dos dados Preliminares do Universo - Censo Demográfico 2010 dm GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador

Leia mais

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO E

Leia mais

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I José Yvan Pereira Leite leite@cefetrn.br Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO

CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO CONCURSO DE FRASES E DESENHOS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO ART. 1º O Concurso de Frases e Desenhos visa incentivar a conscientização sobre a política nacional do sangue

Leia mais

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR

PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO PROJETO SERTÃO EMPREENDEDOR PROGRAMA SERTÃO EMPREENDEDOR UM NOVO TEMPO PARA O SEMIÁRIDO OBJETIVO DO PROJETO Promover

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

O FIM DO ÊXODO RURAL? 1

O FIM DO ÊXODO RURAL? 1 O FIM DO ÊXODO RURAL? 1 Mauro Eduardo Del Grossi 2 Clayton Campanhola 3 José Graziano da Silva 4 RESUMO Os dados das PNADs mostram que na década de 90 houve uma diminuição do êxodo rural e até um pequeno

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional

Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Políticas e Programas de Desenvolvimento Regional Silvana Parente Secretária do Planejamento e Gestão Desequilíbrio Intra- Estadual População Total - 8.185.286 PIB - R$ 46,3 bilhão PIB per capita - R$

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO

ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE MUNICIPAL COMPOSTO Nº 52 Novembro / 2012 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO

Leia mais

Projeto. Nota Técnica 04. Análise do Balanço de Pagamentos do Estado e a Importância dos APLs no Fluxo de Comércio. Ceará

Projeto. Nota Técnica 04. Análise do Balanço de Pagamentos do Estado e a Importância dos APLs no Fluxo de Comércio. Ceará Projeto Análise do Mapeamento e das Políticas para Arranjos Produtivos Locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos Impactos dos Grandes Projetos Federais no Nordeste Nota Técnica 04 Análise do Balanço

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012

ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2012 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS DO CEARÁ EM 2013 ANÁLISE DAS EMPRESAS EXPORT. E IMPORT. DO CEARÁ ANÁLISE DAS EMPRESAS

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS Segundo divisão definida pelo IBGE, o Rio Grande do Sul RS possui sete mesorregiões Nordeste Rio-grandense; Noroeste Rio-grandense; Centro Ocidental Rio-grandense; Centro Oriental

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ EM ANOS RECENTES

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ EM ANOS RECENTES GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 79 DESEMPENHO ECONÔMICO DO ESTADO DO CEARÁ

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA O PLANO ESTRATÉGICO NATAL UMA METRÓPOLE EM FORMAÇÃO

DIAGNÓSTICO PARA O PLANO ESTRATÉGICO NATAL UMA METRÓPOLE EM FORMAÇÃO [PRODUTO 2] DIAGNÓSTICO PARA O PLANO ESTRATÉGICO NATAL UMA METRÓPOLE EM FORMAÇÃO Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável para Região Metropolitana de Natal NATAL METRÓPOLE 2020 Governo do Estado

Leia mais

Prognóstico dos Serviços de Abastecimento de Água Revisado

Prognóstico dos Serviços de Abastecimento de Água Revisado PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE FORTALEZA CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ CAGECE E AGÊNCIA REGULADORA DE FORTALEZA ACFOR Prognóstico dos Serviços de Abastecimento

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção em A todo o Território Nacional. A presente análise visa

Leia mais

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF*

MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS CEARENSES A PARTIR DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO FAMILIAR IDF* GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 69 MENSURANDO O NÍVEL DE POBREZA DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais