Programas voluntários de gestão no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programas voluntários de gestão no Brasil"

Transcrição

1 Compromisso da Direção com o Coatings Care Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati São Paulo, 22 de agosto de 2013

2 Programas voluntários de gestão no Prodir baseadono RDP norte-americano, implementadoem50 empresas no Sassmaq origemeuropéia, se aplicaaotransportede cargas. Utiliza questionário de auto-avaliação e verificação externa Atuação Responsável/ Responsible Care Criado em 1985 no Canadá, desde 1992 com Abiquim Implementado em 53 países Usode práticasgerenciais melhoriacontínuaambientale ocupacional, usoeficientede recursos, minimizaçãode riscos e resíduos, gestão de produtos e impactos Compromisso com o Desenvolvimento Sustentável Modelo PDCA, como verificação de 3a. Parte desde 2002 Populariza o conceito care no, + de 120 participantes

3 Rotulagem ambiental Tipo I (ISO 14024) programa de terceira parte, multicriterioso. Pode envolver ACV, voluntário Maioria dos programas é deste tipo Tipo II (ISO 14021) autodeclarações ambientais Tipo III (ISO 14025) programas voluntários com dados quantificados baseados em ACV, certificados por terceira parte Tipo IV multicriteriosos, referente a um aspecto em particular Primeiro rótulo Der Blaue Engel (Alemanha, 1977) Em 2007, 26 programas nacionais membros do GEN Programa brasileiro iniciou em 1993, tipo I, multicriterioso por categoria de produtos. Ainda em estágios iniciais. Programas setoriais PSQ tintas, voltado à qualidade

4 Série ISO Primeiras normas publicadas em 1996, mais de 30 normas Certificação externa somente a ISO IncluiAvaliaçãode DesempenhoAmbiental, AuditoriasAmbientais, Rotulagem Ambiental e Avaliação de Ciclo de Vida Maior número de certificações em Dez/11 China (82.000), Japão (30.400), Itália(21.000), Espanha(16.300) e Reino Unido(15.200) certificações(1,3%) 158 países com certificados Setor químico 9860 certificados (3,7%...)

5 Certificações no Mundo (dez. 11)

6 Certificações 9000 e no Mundo

7 Certificações no

8

9 Modelo de gestão ISO / OHSAS 18001

10 A indústria de tintas 1886 Tintas Hering (Blumenau) e 1904 com Usina São Cristóvão (Rio) Expansão do setor entre 1930 e 1945, com fase áurea até 1966 (primeiras multinacionais American Marietta e Sherwin Williams) Anos 60 em diante aumento da participação do capital internacional Mercado brasileiro 1,398 bilhões de litros, US$ 4,28 bilhões (2012) Pessoas 19,4 mil empregos diretos, 75% junto aos 10 maiores fabricantes Região No mundo Bilhões de litros(2010) Ásia e Pacífico 10,6 Europa 8,7 América do Norte 6,3 América do Sul e Central 2,1 Resto do mundo 0,7 4,7%

11 Evolução dos processos produtivos Redução da toxicidade dos solventes utilizados Redução da toxicidade dos pigmentos utilizados Redução de emissões de COVs através do uso de sistemas selados de dispersão Minimização dos riscos de incêndio e explosão Minimização dos riscos de vazamentos Equipamentos de pré-dispersão mais eficientes

12 Tintas e impactos ambientais Consumo de recursos naturais e energia Presença de metais pesados na composição do produto Geração de resíduos perigosos e não perigosos Emissões atmosféricas de COVs, gases estufa e material particulado Emissões de COVs no uso do produto Resíduos pós-consumo borras e embalagens Descarte do produto pintado

13 Estudos realizados no Impacto ambiental de tintas imobiliárias (2001 a 2007) levantamento dados referentes à emissão de COVs, com desenvolvimento de metodologia de trabalho e coleta de dados dos principais produtos disponíveis no mercado Impactos no lixo urbano (2001) avaliar os possíveis impactos de resíduos de tinta, prejudicado por falta de dados de campo Avaliação de ciclo de vida na DaimlerChrysler (1999 a 2000) avaliação comparativa entre pintura de cabines e peças (tinta em pó), utilizando normas ISO e quantificando impactos

14 Programa voluntáriode gestãoe compromissoa ser assumido pelo setor de tintas, na busca de melhoria contínuado desempenhoambiental, ocupacional e social. Objetivos melhoria na eficiência e desempenho emmass e reforçara imagemda indústria Abrangeda seleçãode matériasprimas, desenvolvimentode produtos, manufatura, armazenamento, distribuição, aplicação de produtos Possuipráticasrelacionadas a interfaces coma comunidade e partes interessadas

15 A primeira vez... Primeira menção na Imprensa, 1995

16 Códigos de Práticas Gerenciais 29 práticas gerenciais 12 práticas gerenciais 16 práticas gerenciais 10 práticas gerenciais

17 Generalidades Programas voluntários de gestão estão presentes Coatings Care presente em 11 países único programa implementado no nos últimos 10 anos único fora da OCDE a implementar Inspirado no programa Responsible Care da indústria química Criado pela NPCA National Paint and Coatings Association, EUA, e aceito pelo IPPIC Implementado nos EUA desde 1996

18 Integração Pode ser integrado com sistemas de Gestão da Qualidade Compatível com o Atuação Responsável Compatível com ISO 9000 ISO OHSAS 18000

19 4 níveis de desempenho I II III IV Planejamento Operação Revisão Levantamento Preliminar

20 Níveis / estágios de implementação LEVANTAMENTO PRELIMINAR: conhecimento geral da prática, informações, mas sem a existência de um programa formal PLANEJAMENTO: Avaliar os programas e sistemas existente para determinar a consistência com os requisitos. Organização interna. OPERAÇÃO: Programa implementado conforme descrito na prática de gestão REVISÃO: Melhoria contínua na prática de gestão

21 Exemplo de uma prática gerencial TD 2.6 Estabelecer procedimentos formais para armazenamento, segregação, embalagem e comercialização de tintas e produtos correlatos. LEVANTAMENTO PRELIMINAR 1. Obter e revisar os requisitos regulamentares para armazenamento, embalagem e rotulagem de tintas e produtos correlatos. 2. Agrupar a documentação disponível sobre as práticas atualmente executadas relacionadas com armazenamento, segregação, embalagem e rotulagem de tintas e produtos correlatos.

22 Exemplo de uma prática gerencial PLANEJAMENTO 1. Atribuir responsabilidades para o desenvolvimento de procedimentos para armazenamento, segregação, embalagem, rotulagem e emplacamento de tintas e produtos correlatos, e fornecer informação ou treinamento adicional para apoiar os esforços, onde necessário. 2. Coordenar o desenvolvimento de procedimentos de envio de produtos aos consumidores, com a participação de todos os departamentos envolvidos. 3. Informar os terceiros envolvidos em transporte e distribuição da necessidade de cumprimento dos procedimentos da unidade.

23 Exemplo de uma prática gerencial OPERAÇÃO 1. Implementar procedimentos formais para armazenamento, segregação, embalagem, rotulagem (incluindo embalagens a granel e fracionadas) e emplacamento necessário. 2. Comunicar amplamente estes procedimentos aos terceiros, incluindo um mecanismo para avaliação periódica de sua conformidade. 3. Estabelecer mecanismo para modificar procedimentos em função de resultados de incidentes afetos a transporte e distribuição.

24 Exemplo de uma prática gerencial REVISÃO 1. A adequação dos procedimentos é analisada e modificações necessárias são feitas nas etapas de desenvolvimento de novos produtos ou processos. 2. Representantes da unidade participam em fórum de transporte e distribuição, utilizando-os como oportunidade de de discutir esforços e comparar práticas

25 AUTO-AVALIAÇÃO - EXEMPLO GP Prática de gestão I II III IV NA 3 GESTAO AMBIENTAL 3.1 Obter e manter um comprometimento claro pela direção da empresa em reduzir as suas emissões, descargas, geração e X transferência de resíduos. 3.2 Desenvolver um sistema de gestão ambiental documentado. 3.3 Manter todas as licenças ambientais aplicáveis à unidade. 3.4 Desenvolver um inventário quantitativo de emissões, descargas, geração e transferência de resíduos. 3.5 Estabelecer prioridades, planos e metas quantitativas para reduzir emissões, descargas, geração e transferência de resíduos. 3.6 Desenvolver um programa de controle de vazamentos para cada planta que inclua procedimentos para monitorar vazamentos e derramamentos em tanques e tubulações. 3.7 Estabelecer procedimento para monitorar os terceiros na unidade, informando-os sobre a política e procedimentos ambientais da unidade 3.8 Implementar processos produtivos que minimizem impactos ao meio ambiente, saúde ocupacional e segurança. 3.9 Estabelecer um programa permanente de treinamento nos elementos do sistema de gestão ambiental para colaboradores da unidade Medir e analisar os resultados dos esforços de gestão ambiental e comunicá-los as partes interessadas Conduzir inspeções periódicas para avaliar a efetividade do Sistema de Gestão Ambiental. X X X X X X X X X X

26 Códigos e subcódigos do ISO OHSAS SA Atuação Coatings Care Responsável Gestão da Produção Saúde Ocup. e Segurança do Trabalho Operações (segurança de processos) Gestão Ambiental Transporte e Distribuição Treinamento Gerenciamento de risco Desempenho do transportador Distribuidores Resposta a emergências Responsabilidade Comunitária Resposta a emergências Treinamento Interface com a comunidade Responsabilidade social Gestão de Produto Desenvolvimento de produto Educação e informação Segurança de produto (uso de produto)

27 Benefícios reais Baixo custo de implementação Ainda que grande, é um sistema simples e flexível Bem formatado para os riscos e a gestão de SSMA em tintas Indica os pontos de desvio da gestão, oportunidades de melhoria contínua e alocação/priorização de recursos Envolve a gestão integrada (produção, logística, desenvolvimento, relações externas, marketing) Permite comparação com o setor, e para empresas menores, comparar-se às empresas globais Uso de um logotipo de conotação positiva em MASS

28 Áreas afetadas pelo programa PRODUÇÃO / TÉCNICA / DESENVOLVIMENTO Saúde e Segurança Treinamento Segurança de Processos Resíduos e desperdícios Tutela / gestão de produto Interfaces com a comunidade MARKETING Saúde e Segurança Treinamento Tutela / gestao de produtos Embalagens / informações / recall VENDAS E COMERCIAL Saúde e Segurança Treinamento Tutela / gestão de produto Interfaces com consumidores ALTA ADMINISTRAÇÃO Inserção dos temas no processo de tomada de decisão, definições de objetivos estratégicos e planos de ação

29 Coatings Care Sistema de gestão que integra Meio Ambiente Saúde Segurança Processos Produtos E outras áreas como Transporte Tutela de produtos Contato com a comunidade Responsabilidadesocial...

30 Outros pontos-chave Sustentabilidade não pode ser ignorada Conscientização do consumidor, governos e ONGs está em ritmo crescente Avaliação dos riscos e impactos das matérias-primas e dos processos de produção e aplicação do produto é necessária, bem como indicadores de desempenho. Resíduos e embalagens também fazem parte... Visão do relatório Brundland é abrangente e deve ser interpretada setorialmente atender as necessidades do presente sem comprometer a habilidade das futuras gerações em atender às suas necessidades

31 ANAFAPYT PROGRAMA DA ABRAFATI É MODELO.

32 Presença no mundo

33

34

35

36

37

38

39

40 Um exemplo PPG

41 Um prêmio - Anamaco

42 Linha do Tempo no 2012 Sustentabilidade entra na pauta mais ampla do IPPIC 2010 É publicada a 2ª Edição (consolidada e formatada) do manual no 2009 Importante incremento no número de participantes 2008 CCISC aprova a proposta da Abrafati para Responsabilidade Social 2007 Aumentam as adesões. É lançado o último código, de Gestão de Produto. Abrafati propõe o tema de Responsabilidade Social ao CCISC, e é apoiada por outras associações É lançado o código de Responsabilidade Comunitária. O programa se torna obrigatório para os associados, em cronograma até As primeiras auto-avaliaçõessão coletadas no 1º trimestre. Primeiras cinco adesões ao programa. A Abrafatipassa a participar ativamente do CCISC do IPPIC. É lançado o código de Transporte e Distribuição. Indicadores É lançado o código de Gestão da Produção 2003 Com a proposta aprovada, iniciam-se os trabalhos de tradução e adaptação do programa 2002 Workshop com NPCA Programa se torna conhecido no. Comissão de Meio Ambiente, Saúde e Segurança recebe a missão de entender o programa e fazer proposta para a Abrafati 2001 Workshop com NPCA é adiado para Primeira menção do Coatings Care na Imprensa 1992 Criação do IPPIC

43 Participantes Por empresas

44

45 Aspectos gerais 10 anos em 2013!!!!! Redução de empresas 14 participantes, várias unidades 21 questionários respondidos a 2ª maior quantidade de respostas (a 1ª foi em 2009) Planos de ação Publicar no site da Abrafati a relação de empresas que mantêm o compromisso com o programa Fazer do Coatings Care mandatório para o PSQ, com auditoria para os não-associados primeiro para Agosto 2013

46 O programa está estável em 2012 Considerando que os níveis de inferiores de maturidade (I e II) e os níveis mais maduros (III e IV) estão estáveis Migração do nível IV (Revisão) para o nível III (Operação) foi percebida, provavelmente como resultado de revisões internas das empresas após a 2ª edição do manual O modelo brasileiro é exemplo para o México

47 Resultados consolidados

48 Gestão da Produção Variação discreta entre os níveis de operação e revisão, provavelmente em função de uma melhor interpretação dos requisitos descritos na versão 2011 do manual do programa

49 Transporte e Distribuição A maiorvariaçãoentre osníveisoperacionale revisãose devea umamelhorinterpretaçãoda segunda edição do manual, ou avaliação mais completa dos requisitos legais brasileiros

50 Responsabilidade Comunitária Variação positiva em Este código apresenta as maiores oportunidades. Estes resultados poderiam ser diferentes se houvéssemos recebido mais respostas de empresas pequenas e médias.

51 Gestão de Produto Variação positiva em 2012, rumo a resultados que indicam maior maturidade.

52 Outras iniciativas Banimento do chumbo de tintas imobiliárias, de uso infantil e escolar Proposta de auto-regulamentação de COVs no linhas imobiliária e repintura automotiva Guia P+L para o setor, manual de prot. contra incendios Estudos de características e destinos de embalagens pósconsumo Qualitativo do descarte de embalagens 2001 Percentual de resíduo remanescente em latas 2002 Ciclo de embalagens de tintas imobiliárias 2004 Ciclo de embalagens de repintura automotiva 2006 Ciclo de embalagens de tintas imobiliárias II 2008 Subsídios técnicos ao GT do Conama Resolução de RS da construção civil

53 Sobre tintas e sustentabilidade As tintas fornecem soluções eficientes para nosso estilo de vida, através da magia da composição das cores O uso correto das tintas permite proteger produtos e superfícies, reduzindo a geração de resíduos e conservando recursos naturais, através da aplicação de uma fina camada Também pode economizar energia para aquecer/resfriar ambientes

54 Sustentabilidade para tintas 3 componentes: Processos Industriais e de Distribuição Comunidade e Projetos Sociais Produto Processos Industriais Coatings Care é a principal ferramenta Garantir a coleta de indicadores para permitir o acompanhamento da melhoria contínua Ampliar o programa Instituir um prêmio de desempenho no Coatings Care

55 Sustentabilidade para tintas Comunidade e Projetos Sociais Quais são as comunidades Governo, ONGs, região mais próxima das empresas e interagir com harmonia Estabelecer programas em pool regionais, nacionais e governamentais de forma a agregar mais valor e ampliar o entendimento das partes PNRS Envolver catadores e outras comunidades Desenvolver atividades em locais próximas aos centros produtivos

56 Sustentabilidade para tintas Produto - Tinta aumenta a vida útil dos substratos Reduz o consumo de recursos naturais renováveis e não renováveis Materiais banidos (Benzeno, Pb, Cd) Redução de teores de VOC Design de embalagens mais sustentáveis e materiais alternativos Environmental footprints (carbon, water, total)

57 Desafios e estratégias O setor só será sustentável, se o setor for sustentável! ESTRATÉGIAS Estender o Coatings Care a todas as empresas do PSQ e demais empresas, com critérios de aceitação Coletar e publicar indicadores de desempenho Fomentar normas de viés ambiental no comitê de tintas da ABNT Rejeitar produtos perigosos e agressivos ao meio ambiente em tintas

58 E no mundo Coatings Care 11/12 países Mundo 190 países ESTRATÉGIAS Disseminar o Coatings Care as associações conhecidas Envolver empresas globais no processo de sustentabilidade Evitar greenwashing (maquiagem verde)

59 O programa tem benefícios!!...que tal implementar? Quer apostar? Convido todos os presentes a participar das sessões do período da tarde!!

Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati

Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati São Paulo, 22 de agosto de 2013 Transporte e Distribuição

Leia mais

1/2 VERSO DIVISÓRIA APRESENTAÇÃO

1/2 VERSO DIVISÓRIA APRESENTAÇÃO 1 de 78 CAPA GUARDA DA CAPA 2 de 78 1/2 DIVISÓRIA 1/2 VERSO DIVISÓRIA 3 de 78 APRESENTAÇÃO Diversas iniciativas vêm sendo desenvolvidas ao longo do tempo pela ABRAFATI no sentido de promover o atendimento

Leia mais

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos

Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos Outubro/2007 PRODIR GESTÃO DA QUALIDADE NO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Engº. Fernandes J. dos Santos outubro/07

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

Rotulagem Ambiental. Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo

Rotulagem Ambiental. Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo Rotulagem Ambiental Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo Objetivo da Rotulagem Ambiental É promover a melhoria da Qualidade Ambiental de produtos e processos mediante a mobilização das forças de mercado

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Latas de Aço para Tintas Desafios e Sustentabilidade

Latas de Aço para Tintas Desafios e Sustentabilidade Latas de Aço para Tintas Desafios e Sustentabilidade Antonio Carlos Teixeira Álvares CEO da Brasilata Professor da FGV/EASP Presidente da IPA - International Packaging Association Presidente do SINIEM

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004

Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 Avaliação de Desempenho Ambiental (ADA) NBR ISO 14031:2004 A série de normas NBR ISO 14000 SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTAL 14001:2004 e 14004:2005 14031:2004 (Versão corrigida

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN Título do Artigo : Indicadores de Desempenho Ambiental como instrumento auxiliar de monitoramento no programa de Produção mais Limpa do Setor de Pintura em uma empresa do Arranjo Produtivo Local Madeira

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Borachas Vipal S/A c) Setor/Atividades:

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

São Paulo- Maio - 2015. Assunta Camilo

São Paulo- Maio - 2015. Assunta Camilo São Paulo- Maio - 2015 Assunta Camilo Assunta Camilo Engenheira Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), especialista em Administração Industrial na Fundação Carlos Alberto

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

São Paulo/2014. Assunta Camilo

São Paulo/2014. Assunta Camilo Assunta Camilo Engenheira Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), especialista em Administração Industrial na Fundação Carlos Alberto Vanzolini (USP), pós-graduada em Marketing

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva

Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva Maurício Groke Presidente Luciana Pellegrino Diretora Executiva Breve introdução Fundada há 46 anos, a ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, reúne e representa a indústria de embalagens no Brasil.

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. Abril/2013

WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS. Abril/2013 WORKSHOP INTERNACIONAL DE CONTROLE, PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO DESVIO DE PRODUTOS QUÍMICOS Abril/2013 Agenda 1 2 Mercado de Distribuição de Químicos A quantiq 3 O PRODIR e a Gestão Regulatória na Distribuição

Leia mais

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA

www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL AGO/2014 ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA www.oxiteno.com PERFIL INSTITUCIONAL ÁFRICA - AMÉRICA - ÁSIA - EUROPA - OCEANIA AGO/2014 Criando soluções que promovem a evolução do mundo. INOVAÇÃO para transformar a vida das pessoas. Com atuação no

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN

Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR - CDTN PUBLICAÇÃO CDTN 931 Sistema de Gestão Ambiental SGA de acordo com as Normas NBR ISO 14001 e 14004, da

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Adequação Ambiental na Indústria Naval Estaleiro Mauá Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Objetivos Descrever o ambiente para o surgimento e permanência da gestão ambiental no Estaleiro Mauá Apresentar

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a

Gestão Ambiental. Definição. Processo de articulação das ações a Definição Processo de articulação das ações a dos diferentes agentes sociais que interagem em um dado espaço, visando garantir a adequação dos meios de exploração dos recursos ambientais às especificidades

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013

WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 WORKSHOP GesPÚBLICA de Gestão da Qualidade e Produtividade do IFSC 24 de outubro de 2013 AÇÕES PARA A QUALIDADE: Resultados e Perspectivas do modelo de Gestão Integrada de Qualidade, Meio Ambiente, Segurança

Leia mais

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental A rotulagem ambiental Informações disponibilizadas nos rótulos de embalagens para que os consumidores possam optar por adquirir produtos de menor impacto ambiental em relação aos produtos concorrentes

Leia mais

ISO 14000. 1. Introdução

ISO 14000. 1. Introdução ISO 14000 1 Sumário 1. Introdução... Página 03 2. O significado da sigla ISO... Página 03 3. Os objetivos da ISO... Página 04 4. Origem da ISO 14000... Página 04 5. O que é a ISO 14000... Página 04 6.

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos 22 de Fevereiro de 2013 Formação a Técnicos Autárquicos Certificações Internacionais Certificação AA1000 (Accountability 1000) É uma norma que define as melhores práticas para prestação de contas para

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Projeto Tinta à Base d Água SulAmérica de repintura automotiva em oficinas referenciadas CATEGORIA: Produtos e Serviços FUNCIONÁRIOS: Kleber

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar

Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar Regulamento da Categoria 1: Ação Social: Cuidado com o Meio Ambiente e Bem-Estar PARTICIPANTES Empresas ou organizações não-governamentais (ONGs) legalmente constituídas no Brasil. PRÉ-REQUISITOS Poderão

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Rev4 Janeiro/2015 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial da qualidade

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO apresenta ferramentas de gestão que tornam possível a medição da sustentabilidade Com análise de dados científicos precisos, organização colabora para a melhor

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços de Destinação de Resíduos

Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços de Destinação de Resíduos Sistema de Avaliação de SSMAQ em Prestadores de Serviços 11º Congresso de Atuação Responsável Comissão Temática de Política Ambiental Recapitulando... O que é? Sistema de avaliação de empresas de tratamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente.

7/5/2012. Esta evolução compreende etapas distintas de pensamento, representadas por fases que precederam a visão largamente difundida no presente. Gestão Ambiental Empresarial Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Objetivos Compreender o processo de evolução da conscientização ambiental; Conhecer conceitos relacionados ao desenvolvimento

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Selo SustentaX Perguntas Frequentes São Paulo, 14.06.2011 Índice 1. Quais as diferenças entre produtos ecológicos, verdes e sustentáveis? 2. Como está o mercado de produtos e serviços sustentáveis no Brasil?

Leia mais

Congresso Sul Brasileiro de Comunicação Empresarial. Os novos desafios da Comunicação Corporativa Março 2011

Congresso Sul Brasileiro de Comunicação Empresarial. Os novos desafios da Comunicação Corporativa Março 2011 Congresso Sul Brasileiro de Comunicação Empresarial Os novos desafios da Comunicação Corporativa Março 2011 Rosangela Santos Coelho Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da Embraco 1 Comunicação Corporativa

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais