Utilização de razões espectrais para avaliar atividade fitoplanctônica em um ambiente aquático continental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de razões espectrais para avaliar atividade fitoplanctônica em um ambiente aquático continental"

Transcrição

1 Utilização de razões espectrais para avaliar atividade fitoplanctônica em um ambiente aquático continental Rejane Ennes Cicerelli 1 Fernanda Sayuri Yoshino Watanabe 1 Luiz Henrique da Silva Rotta 1 Ricardo Javier Moncayo Eraso 1 Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo 1,2 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia 1 Programa de Pós-Graduação em Ciências Cartográficas 1 Departamento de Cartografia 2 Rua Roberto Simonsen, CEP: Pres. Prudente, SP Abstract. The Contamination of water resources by waste from human activities has been one of the major risk factors for human health. Artificial eutrophication is responsible for changes in water quality including the reduction of dissolved oxygen, aquatic biodiversity, extensive death of fish, the increased incidence of blooms of microalgae and cyanobacteria. In this scenario, the remote sensing has emerged as an effective tool for detection of Optically Active Components (COAs) in the body of water over large areas of land surface allowing rapid and efficient decision-makers. Specifically for phytoplankton activity, many methods have been employed in an attempt to quantify and qualify these pigments photosynthetically active with spectral reflectance curves and multi / hyperspectral images. A method commonly used is the ratio of spectral bands. Thus, this study was carried out tests of reasons bands in the literature to detect specific pigments that characterize the presence of algae in the Nova Avanhandava-SP reservoir, such as cyanobacteria. The field survey was carried out in part of Nova Avanhandava reservoir during the dry season. Results showed that the spectral bands ratios obtained were better for the estimation of chlorophyll a, especially for spectral features located in the green region and near infrared, but low correlations were found for phycocyanin. Palavras-chave: Remote Sensing of Aquatic Environments, Phytoplankton activity, Chlorophyll-a, Phycocyanin, Band ratio. Sensoriamento Remoto em Ambientes aquáticos, Atividade fitoplanctônica, Clorofilaa, Ficocianina, Razão de bandas. 1. Introdução Atualmente, o monitoramento da qualidade da água passou a ser de grande importância para monitorar e avaliar as consequências das ações antrópicas sobre os ecossistemas aquáticos. Algumas algas como as cianobactérias, tem aumentado a preocupação de gestores públicos, por produzirem substâncias tóxicas, que acarretam elevação dos custos de tratamento de águas de abastecimento bem como consequências, principalmente, à saúde da população e ao ecossistema (Calijuri et al., 2006). Considerando que as algas possuem uma distribuição espacial desigual, dependendo de fatores hidrodinâmicos (movimento horizontal), ecológicos (propriedades dos fitoplânctons, nutrientes, luz, temperatura) e de correntes do vento (Kallio et al., 2003), é fundamental a utilização de ferramentas que permitam maior representatividade espaço-temporal destes elementos. Nessa vertente, o Sensoriamento Remoto pode ser considerado um instrumento promissor, pois permite o monitoramento espacial e temporal da superfície terrestre, possibilitando investigar a origem e o deslocamento de substâncias específicas em suspensão ou dissolvidas na água (Weaver e Wrigley, 1994). Para o Sensoriamento Remoto, alguns pigmentos, característicos da atividade fitoplanctônica, têm chamado a atenção em virtude de suas propriedades bio-ópticas, sendo estes a clorofila-a, com bandas de absorção em 440 e 675 nm; os carotenóides, absorção na região do UV (Ultra-Violeta) e azul, e as ficobiliproteínas, com absorção aproximada em

2 nm (Kirk, 1994; Weaver e Wrigley, 1994; Londe, 2005). Para os tipos de ficobilinas, dentre eles a ficocianina, é possível visualizar pequenas feições de absorção com formas e locais espectrais levemente diferentes na região espectral do ultravioleta. A ficocianina possui a peculiaridade de absorver predominantemente na região espectral próxima a 615 nm (Dekker, 1993; Weaver e Wrigley,, 1994; Verdú-Ruiz et al., 2008; Marion et al. 2012; Le et al. 2011, Londe, 2008). Na tentativa de quantificar e qualificar estes pigmentos fotossinteticamente ativos, muitos métodos têm sido empregados em curvas de reflectância espectral e imagens multi e hipespectrais. Um método amplamente utilizado é a razão de bandas espectrais. Este se aproveita de realces resultantes da divisão de valores de reflectância de uma banda espectral (m) pelos valores correspondentes em outra banda (n). Quando aplicada com uma formulação lógica e em dados espectrais adequados, trata-se de uma ferramenta simples e efetiva para análise de dados espectrais (Schowengerdt, 2006). Contudo, para que sua aplicação forneça resultados aceitáveis, em relação a componente opticamente ativa analisada, é necessário selecionar regiões espectrais que forneçam informações apenas da componente em análise (Dekker, 1993). Esse método é frequentemente usado para discriminação das variações espectrais súbitas na cena, que são mascaradas pelas variações de brilho em uma banda espectral individual, ou nas composições coloridas padrão (Dekker, 1993). Diante o exposto, o presente artigo visa testar algumas razões de bandas já avaliadas na literatura para detectar pigmentos específicos que caracterizem a atividade fitoplanctônica em parte do reservatório de Nova Avanhandava SP. 2. Área de Estudo A área de estudo está inserida no contexto do reservatório da usina hidrelétrica de Nova Avanhandava, localizado no baixo curso do Rio Tiête, no município de Buritama SP. A usina entrou em operação em 1982, com área de cobertura do reservatório de 210 km² e volume de x 106 m³ (AES TIETÊ, 2011). A Figura 1 apresenta a localização do reservatório. Figura 1. Ilustração do Reservatório de Nova Avanhandava, baixo Rio Tiête/SP (Imagem: Rapideye - Composição colorida: 3R2G1B). Segundo Margarete et al. (2008), o reservatório possui muitos tanques-rede para piscicultura. Além disso, visualizando a imagem de satélite, é possível observar a presença predominante de agricultura e pecuária extensiva na região circundante ao reservatório. A área contornada em vermelho é a área selecionada para o estudo. 8981

3 3. Análise Exploratória No mês de setembro, período da seca, foi realizado um levantamento de campo para caracterizar as condições ambientais da área. Neste levantamento, realizado no dia 18 de setembro de 2012, foram coletados dados em 22 elementos amostrais. A Tabela 1 apresenta as estatísticas descritivas das variáveis limnológicas amostrados em campo. Tabela 1. Tabela resumida das variáveis físico-químicas medidas no reservatório de Nova Avanhandava. Variáveis Máximo Mínimo Referência Média Limonológicas Valor Estação Valor Estação * Temperatura ( C) 26, ,8 - PH 9, , ,51 6,0 a 9,0 Oxigênio Dissolvido 12, (Mg.L -1 ) 9,78 > 5 mg/l Turbidez (UNT) 3,3 25 1, , UNT Transparência (m) ,723 - * valores de referência segundo a resolução CONAMA 357/2005 para classe II Na Tabela 1, a coluna denominada referência representa os limiares de aceitação determinados pela legislação, de acordo com a Resolução CONAMA nº 357/2005, complementada e alterada pela resolução n 430, para águas doces de Classe 2. O trecho baixo curso do Rio Tietê onde se localiza a área de estudo se enquadra nesta classe segundo determinação da Lei Estadual nº /1977. Analisando esses parâmetros de referência verifica-se que, para as variáveis analisadas, a represa está dentro das especificações dos padrões de qualidade da água para abastecimento público. Observa-se na Tabela 1 que a temperatura superficial apresentou pouca variação com valores típicos de regiões tropicais. O valor de turbidez no reservatório pode ser explicado, principalmente, por pequenos organismos fitoplanctônicos em suspensão, visto que os valores de Totais de Sólidos Suspensos que alcançaram valores de aproximadamente 0,7 mg/l nos pontos analisados. A Profundidade de Secchi também é utilizada para a avaliação da extensão da zona eufótica, conforme Kirk (1994). Para tanto, o valor da Profundidade de Secchi é multiplicado pela constante 2,7. O valor obtido a partir desse cálculo é admitido pelos autores como sendo aproximadamente 1% da radiação superficial do corpo d água. Desse modo, o valor médio para a zona eufótica no reservatório foi de 7,35. Esse valor indica uma zona eufótica estreita para o reservatório com pouca concentração de sólidos em suspensão na água, o que a torna clara e quase transparente. Sobre as condições climáticas, a Tabela 2 apresenta um resumo na estação José Bonifácio, disponibilizado pelo INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), a cerca de 37 Km do reservatório. Tabela 2. Variáveis climáticas no dia do levantamento de campo. Estação: JOSE BONIFACIO-A735 Dia: 18/09/2012 Temp. Max.: 27.0 ºC Vento Dir: 50 Temp. Min.: 36.0 ºC Vento Vel: 4.0 m/s Umidade: 40% Fonte: 8982

4 4. Medidas de atividade Fitoplanctônica Para identificação atividade fitoplanctônica foram analisadas a concentração de clorofilaa, para avaliação geral da biomassa fitoplanctônica, e de ficocianina, que geralmente está associada à ocorrência de cianobactérias (Dekker, 1993). A estimativa de clorofila in situ foi realizado com o fluorômetro Turner 10-AU, cujos valores são relativos de fluorescência in vivo da clorofila-a. Assim, foi necessária a calibração dos dados de fluorescência in vivo com os dados de concentração de clorofila-a, obtidos a partir da extração em laboratório. Os dados de concentração de ficocianina não necessitaram de calibração com amostras de água do reservatório, uma vez que o aparelho já vem calibrado de fábrica, fornecendo a concentração diretamente. O aparelho utilizado foi o fluorômetro Unilux, da Chelsea Technologies. A fluorescência in vivo é capaz de detectar o florescimento de algas em seu estágio inicial e, entre outros benefícios, destaca-se pela rapidez e facilidade de coletar grandes quantidades de dados, além de reduzir o erro por não degradar as amostras de água, antes da análise laboratorial (Turner Designs, 2004). Conforme se observa na Tabela 3, de acordo com a resolução Conama n 357, de 2005, a concentração de clorofila está adequada para a classe de corpos d água considerada. Tabela 3. Variáveis limnológicas d a atividade fitoplanctônica no reservatório. Variáveis Referência Máximo Mínimo Média Limonológicas * Concentração média de 18,57 8,26 11,73 até 30 Clorofila a (µg/l) Concentração média de 2,26 0,23 1,39 - Ficocianina (µg/l) * valores de referência segundo a resolução CONAMA 357/2005 para classe II Sobre a ficocianina, de acordo com Marion et al. (2012), valores menores que 4 µg/l correspondem a baixo risco a saúde. Os valores de ficocianina e clorofila obtiveram certa relação com valor de correlação intermediária, em torno de 0, Interpretação da resposta espectral do fitoplâncton No dia 18 de setembro foram coletadas curvas espectrais de reflectância de 22pontos na área do reservatório selecionada para a realização deste estudo. As condições climáticas não eram as ideais para coleta de curvas espectrais do ambiente aquático, devido à alta radiação difusa causada pela presença de nuvens e aerossóis. Tal fato fez com que as curvas espectrais obtidas apresentassem muito ruído e baixos valores de porcentagem de reflectância. Na tentativa de reduzir o comportamento aleatório da presença de ruídos, foi necessário realizar um tratamento sobre as curvas. Primeiramente, foram testados filtros de média móvel com três, cinco e sete pontos (bandas) (Tsai e Philpot, 1998). Contudo, os resultados não foram satisfatórios, pois muitas feições espectrais aparentemente relevantes foram excessivamente suavizadas. Assim, a solução encontrada foi a aplicação do filtro de frequência por transformada de Fourier (Cerqueira et al., 2000), implementado no aplicativo Origin Pro 8.6. O método remove componentes de alta frequência com uma janela móvel parabólica (Originlab, 2012). O resultado da suavização das curvas espectrais é apresentado na Figura 4. É importante ressaltar que o intervalo espectral para análise foi delimitado para 400 a 900 nm, região propícia para a analise em ambientes aquáticos (Kirk, 1994). Foram descartadas também 3 curvas espectrais por aparentar características espectrais de plantas aquáticas submersas. 8983

5 Analisando as curvas, verifica-se que o fator de reflectância foi menor que 4% (Figura 2). As feições observadas apresentam baixa reflectância da água na faixa dos menores comprimentos de onda (principalmente entre 430 e 450 nm), apesar da radiação eletromagnética na faixa do azul possuir maior penetração na água. A baixa reflectância nesse intervalo tem sido explicada por alguns autores pela forte absorção da matéria orgânica dissolvida e clorofila-a (Han et al., 1994; Kirk, 1994). Fator de Reflectância (%) 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% Comprimento de Onda (nm) Figura 2. Curvas espectrais suavizadas. N33 N44 N35 N N39 20 N46 N38 N47 N37 N45 N40B N P2 Nota-se uma região de reflectância máxima no verde entre nm; um pico de absorção no vermelho, 671 nm, e um pico de reflectância no infravermelho próximo (700 nm). Também se percebe a presença de dois outros picos pouco representativos em 770 nm e 820 nm. Essas variações nos valores de reflectância mostram-se muito similares àquelas analisadas nas curvas obtidas por Rundquist et al. (1996) para baixas concentrações de clorofila-a. Essa relação também comparece nas curvas obtidas por Han et al. (1994) e Kirk (1994) para corpos d água com presença predominante de clorofila-a. Especificamente para ficocianina, em algumas curvas foi possível visualizar uma sutil feição de absorção próxima a 630 nm e um pico próximo a 650 nm, conforme relatado na literatura para ambientes aquáticos com presença de cianobactérias (Dekker, 1993; Weaver e Wrigley, 1994; Verdú-Ruiz et al., 2008; Marion et al., 2012; Song et al., 2012; Le et al., 2011, Londe, 2008). De um modo geral, com base no exposto, é possível dizer que a radiação eletromagnética, ao atravessar a camada superior do corpo d água tenha sido absorvida e espalhada principalmente pela clorofila-a nesta região de reservatório Aplicação de razões espectrais para avaliar a atividade fitoplanctônica Razões espectrais entre as feições de absorção e reflectância observadas nas regiões do vermelho e infravermelho próximo (IVP), por exemplo, são muito utilizadas para a estimativa de clorofila-a (Rundquist et al., 1996; Ruddick, 2001). Ruddick et al. (2001) afirmam que a feição de absorção ocasionada pela presença de clorofila-a existente na região do vermelho 8984

6 ( 670 nm) é atrativa para a formulação de razões espectrais, em decorrência dessa região minimizar interferências de absorção do tripton e da matéria orgânica dissolvida, principalmente em ambientes aquáticos com alto grau de turbidez. Foram testadas diversas razões já oferecidas na literatura. A Tabela 4 apresenta os coeficientes de correlação para relação entre razões espectrais e a concentração de clorofila-a. Tabela 4. Valores do coeficiente de correlação para diferentes relações entre razões espectrais e a concentração de clorofila-a. Razão Espectral (nm) Referências Coeficiente de correlação 440/450 Arenz et al. (1996) 0,29 440/550 Arenz et al. (1996) 0 445/554 Vertucci e Likens (1989) -0,33 477/700 Vertucci e Likens (1989) 0,14 520/550 Gitelson et al. (1993) -0,31 525/554 Vertucci e Likens (1989) -0,19 550/680 Ruddick et al. (2001) -0,17 554/589 Vertucci e Likens (1989) 0,13 670/520 Arenz et al. (1996) 0,19 670/550 Arenz et al. (1996) 0 700/560 Gitelson e Keydan (1990) 0,57 700/675 Gitelson et al. (1993) 0,76 705/670 Mittenzwey et al. (1992) 0,76 706/676 Dekker (1993) 0,77 739/754 Londe (2008) 0,36 806/571 Arenz et al. (1996) -0,37 895/698 Londe (2008) -0,11 ( )/( ) Dominguez et al. (2011) 0 ( )/( ) Dominguez et al. (2011) 0,7 Tabela 5. Valores do coeficiente de correlação para diferentes relações entre razões espectrais e a concentração de ficocianina. Razão Espectral (nm) Referências Coeficiente de correlação 709/620 Simis et al. (2005) e Chengfeng Le (2011) 0,22 709/665 Simis et al. (2005) e Le (2011) 0,25 654/617 Mishra et al. (2009) 0 700/600 Mishra et al. (2009) 0,11 ( )/ ) Dominguez et al. (2011) 0,20 De acordo com os coeficientes de correlação apresentados, para concentração de clorofila-a (Tabela 4), as maiores correlações acontecem entre as regiões do vermelho e infravermelho próximo. A razão com melhor resultado foi a razão de bandas proposta por Dekker (1993), cujo coeficiente de correlação apresentou valores significativos. Para o pigmento ficocianina (Tabela 5) observam-se valores de coeficiente de correlação pouco significativos. Dentre as possíveis justificativas, a mais viável, é que a concentração deste pigmento não foi expressiva para alterar a curva espectral suficientemente a ponto de apresentar relação entre os dados obtidos em campo e a reflectância espectral. Ainda é importante ressaltar que o equipamento utilizado para detecção de ficocianina apresenta limitações para detecção abaixo de 10 µg/l (Unilux, 2009). 8985

7 6. Conclusões Para uma melhor interpretação dos resultados, deve-se considerar que a área de estudo é uma parte do reservatório de Nova Avanhandava, assim, os resultados alcançados podem não ser característicos de toda sua extensão. Ainda, apenas uma época foi analisada. Considerando o exposto, a área de estudo apresentou valores para as variáveis limnológicas dentro das especificações indicadas pela Resolução CONAMA 357/2005 para corpos d água de Classe 2, no qual se enquadra essa região do baixo curso do Rio Tietê. O reservatório apresentou baixas concentrações paras as variáveis: total de sólidos em suspensão, clorofila-a e ficocianina. Apesar das baixas concentrações dos pigmentos fotossinteticamente ativos, foi possível visualizar nas curvas de reflectância espectral feições características principalmente de clorofila-a, conforme descrito na literatura analisada. O método de fluorescência utilizado neste trabalho mostrou-se adequado para detecção dos pigmentos fotossintetizantes, porém, é necessária uma concentração mínima para obter resultados mais confiáveis. As razões de bandas espectrais para estimativa de clorofila-a apresentaram resultados mais adequados, principalmente os localizados na região espectral do verde e infravermelho próximo, porém para o pigmento ficocianina, a correlação apresentada não foi adequada para deduzir se há relação entre as feições identificadas na curva espectral com sua presença. Outras campanhas de campo foram realizadas em épocas distintas no reservatório, mostrando variações nas concentrações de pigmentos fotossinteticamente ativos, e espera-se que os resultados possam ser apresentados em próximas publicações dos autores. 7. Referências Bibliográficas Arenz, R.F etl al. Determination of chlorophyll and dissolved organic carbon from reflectance data for Colorado Reservoirs. International Journal of Remote Sensing, v. 17, n. 8, p , BRASIL. Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA n 357, de 17 de março de Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama>. Acesso em: 10 de fevereiro de BRASIL. Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA n 430, de 17 de março de Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Reso-lução n 357, de 13 de maio de 2011, do Conse-lho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA.. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama>. Acesso em: 15 de Julho de Calijuri, M.C. et al. Cianobactérias e cianotoxinas em águas continentais. São Carlos: RiMa, p. Cerqueira, E.O.; Poppi, R.J.; Kubota, L.T. Utilização de filtro de transformada de Fourier para a minimização de ruídos em sinais analíticos. Química Nova, v. 23, n. 5, p , Dekker, A G. Detection of optical water quality parameters for eutrophic waters by hihg resolution remote sensing f. Tese (PhD theses) Free University, Amsterdan. Dominguez, J.A., Alonso, C., Alonso, A., Remote sensing as a tool for monitoring water quality parameters for Mediterranean Lakes of European Water Framework Directive (WFD) and as a system of surveil lance of cyanobacterial harmful algae blooms (SCyanoHABs). Environmental Monitoring and Assessment v. 181, p , Gitelson,A.A.et al., A. Quantitative remote sensing methods for real time monitoring of inland waters quality. International Journal of Remote Sensing, v. 14, p , Gitelson, A.A.; Keydan,G.P. Remote sensing of inland surface water quality measurements in the visible spectrum. Acta Hydrophysica (Berlin), v.34, p. 5-27,

8 Han, L. et al. The Spectral responses of algal chlorophyll in water with varying levels of suspended sediment. International Journal of Remote Sensing. Abingdon, v. 15, n. 18, p Kallio, K; et al.. Feasibility of airborne imaging spectrometry for lake monitoring a case study of spatial chlorophyll a distribution in two meso-eutrophic lakes. Int. J. Remote Sensing, v. 24, n. 19, p , Kirk, J.T.O. Light & Photosynthesis in Aquatic Ecosystems, London, Cambridge University Press, 1994, v. 2, p Le C. et al.: Remote sensing of phycocyanin pigment in highly turbid inland waters in Lake Taihu, China, International Journal of Remote Sensing, 32:23, , Londe, L. R. Comportamento espectral do fitoplâncton de um reservatório brasileiro eutrofizado Ibitinga (SP) f. Tese (Doutorado em Sensoriamento Remoto) INPE, São José dos Campos. Marion, J. W. et al. In Vivo Phycocyanin Flourometry as a Potential Rapid Screening Tool for Predicting Elevated Microcystin Concentrations at Eutrophic Lakes dx.doi.org/ /es203962u Environ. Sci. Technol. 2012, 46, Mishra, S; Mishra, D. R.; Schluchter W. M. Novel Algorithm for Predicting Phycocyanin Concentrations in Cyanobacteria: A Proximal Hyperspectral Remote Sensing Approach. Remote Sensing. v. 1, p , Mittenzwey, K.H. et al. Determination of chlorophyll-a of inland waters on the basis of spectral reflectance. Limnology and Oceanography, v. 37, p , Ruiz-verdú, A. et al. An evaluation of algorithms for the remote sensing of cyanobacterial biomass. Remote Sensing of Environment, v. 112, p , Rundquist D. C. et al. Remote measurement of Algal Chlorophyll in surface waters: the case for the first derivative of reflectance near 690 nm. Photogrammetric Engineering e Remote Sensing, Lincoln, v. 62, n. 2, p , fev Ruddick, K. G. et al. Optical remote sensing of chlorophyll a in case 2 waters by use of an adaptive two band algorithm with optimal error properties. Applied Optics, v. 40, p , Schalles, J.F., Yacobi, Y.Z. Remote detection and seasonal patterns of phyco-cyanin carotenoid, and chlorophyll pigments in eutrophic waters. Archive fur Hydrobiology Special Issues Advancements in Limnology. v. 55, p , Schowengerdt, R. A. Remote Sensing: models and methods for image processing. v. 3. London: Academic Press, Simis, S., Peters,S., Gons, H. Remote s ensing of the cyanobacterial pigment phycocyanin in t urbid inland water.limnology and Oceanography, v. 50, p , 2005 Tsai F., Philpot W. Derivative Analyses of Hyperspectral Data. Remote sensing Environoment, St. Paul, v. 66, p , Turner Designs. Fluorometer Calibration for in vivo detection of Cyanobacterial Pigments Disponível em: appnotes/cyano.html. Acesso em: 16 de junho de Unilux Fluorimeter: Handbook. Chelsea Techologies p. 20. Vertucci, F.A.; Likens, G.E. Spectral reflectance and water quality of Adirondack mountain region lakes. Limnology and Oceanography, v.34, p , Weaver, E.C.; Wrigley, R. Factors affecting the identification of phytoplankton groups by means of remote sensing. Moffet Field: NASA, p. (TM ). 8987

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO PASSO REAL RS/BRASIL

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO PASSO REAL RS/BRASIL CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DAS ÁGUAS DO RESERVATÓRIO PASSO REAL RS/BRASIL Aline Biasoli Trentin, Carline Biasoli Trentin, Flávio Wachholz, Gisieli Kramer, Waterloo Pereira Filho INTRODUÇÃO As diferenças

Leia mais

Sensoriamento remoto multifonte aplicado na detecção do fitoplâncton em águas interiores

Sensoriamento remoto multifonte aplicado na detecção do fitoplâncton em águas interiores ISSN 1807-1929 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.19, n.3, p.259 265, 2015 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n3p259-265

Leia mais

SIMULAÇÃO ESPECTRAL DE DADOS MULTIESPECTRAIS DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE UM CORPO D ÁGUA A PARTIR DE DADOS HIPERESPECTRAIS

SIMULAÇÃO ESPECTRAL DE DADOS MULTIESPECTRAIS DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE UM CORPO D ÁGUA A PARTIR DE DADOS HIPERESPECTRAIS p. 001-006 SIMULAÇÃO ESPECTRAL DE DADOS MULTIESPECTRAIS DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DE UM CORPO D ÁGUA A PARTIR DE DADOS HIPERESPECTRAIS REJANE ENNES MARIA DE LOURDES BUENO TRINDADE GALO Universidade Estadual

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA ÁGUA: ESTUDO DE CASO DO ALTO CURSO DO RIO PARANÁ (PRESIDENTE EPITÁCIO SP)

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA ÁGUA: ESTUDO DE CASO DO ALTO CURSO DO RIO PARANÁ (PRESIDENTE EPITÁCIO SP) III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 27-3 de Julho de 21 p. 1-8 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA ÁGUA: ESTUDO DE CASO DO ALTO CURSO DO RIO PARANÁ

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Características espectrais de uma floração de cianobactérias no Reservatório Rodolfo Costa e Silva - RS

Características espectrais de uma floração de cianobactérias no Reservatório Rodolfo Costa e Silva - RS Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8452 Características espectrais de uma floração de cianobactérias no Reservatório

Leia mais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Antônio Maria Garcia Tommaselli Roberto da Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA ÁGUA NO RESERVATÓRIO GUARAPIRANGA, RIO GRANDE E BRAÇO TAQUACETUBA DO COMPLEXO BILLINGS

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA UHE SANTO ANTÔNIO - RO

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA UHE SANTO ANTÔNIO - RO VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE NDVI NO RIO MADEIRA, NA ÁREA DE APROVEITAMENTO HIDRELÉTRICO DA Letícia Celise Ballejo de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul leticelise@yahoo.com.br Laurindo

Leia mais

Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion

Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion Reflectância espectral de classes e alvos urbanos no Rio de Janeiro, utilizando imagem do sensor Hyperion Vandré Soares Viégas 1 Elizabeth Maria Feitosa da Rocha de Souza 2 1,2 Universidade Federal do

Leia mais

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo Programa de Pós Graduação

Leia mais

Influência de reservatórios em cascata nos dados de reflectância e de limnologia - Reservatórios de Passo Real e Dona Francisca, Rio Jacuí RS

Influência de reservatórios em cascata nos dados de reflectância e de limnologia - Reservatórios de Passo Real e Dona Francisca, Rio Jacuí RS Influência de reservatórios em cascata nos dados de reflectância e de limnologia - Reservatórios de Passo Real e Dona Francisca, Rio Jacuí RS Waterloo Pereira Filho 1 Rosana Corazza 1 Flávio Wachholz 2

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1

DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1 DETERMINAÇÃO DE NOVAS BANDAS ESPECTRAIS PARA OS SATÉLITES LANDSAT/TM-5 E SPOT 1 Míriam Regina Bordinhon PEGORARI 1, Erivaldo Antonio da SILVA 2, Vilma Mayumi TACHIBANA 2 (1) Departamento de Informática,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM JOSÉ FIDELES FILHO 1, ISABELE P. C. de LIMA 2 e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Meteorolgista, Dr. Prof. Departamento de Física

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS ADEMIR HENRIQUE VILAS BOAS 25348

UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS ADEMIR HENRIQUE VILAS BOAS 25348 UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS ADEMIR HENRIQUE VILAS BOAS 25348 USO EXPERIMENTAL DE CÂMERAS DIGITAIS PARA O ESTUDO DA CONCENTRAÇÃO

Leia mais

Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP

Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP Julia Valentim Tavares 1 Bruce Walker Nelson 1 Dalton de Morisson Valeriano 2 1

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ELIZABETH FERREIRA 1, ANTONIO A. A. DANTAS 2, HUMBERTO A. BARBOSA 3 1 Engenheira Agrícola, Professora

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR BRUNO DEPRÁ¹ DINIZ CARVALHO DE ARRUDA¹ TATIANA MORA KUPLICH² Universidade Federal de Santa Maria-UFSM¹ Instituto

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DE SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NO MONITORAMENTO DE ÁREAS INFESTADAS POR PLANTAS AQUÁTICAS

UMA APLICAÇÃO DE SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NO MONITORAMENTO DE ÁREAS INFESTADAS POR PLANTAS AQUÁTICAS UMA APLICAÇÃO DE SENSORIAMENTO REMOTO ORBITAL NO MONITORAMENTO DE ÁREAS INFESTADAS POR PLANTAS AQUÁTICAS Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo 1 Edivaldo Domingues Velini 2 Maria Lúcia Bueno Trindade 3

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

RESPOSTA ESPECTRAL DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO COM O USO DO ESPECTRORADIÔMETRO

RESPOSTA ESPECTRAL DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO COM O USO DO ESPECTRORADIÔMETRO RESPOSTA ESPECTRAL DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO COM O USO DO ESPECTRORADIÔMETRO Patricia Michele Pereira Trindade¹ Greice Vieira Silveira¹ Diego de Almeida Prado¹ Waterloo Pereira Filho¹ 1 Universidade Federal

Leia mais

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS.

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. Daniele G. Pinto 1, Matheus B. Vicari 2, Denise C. Fontana 3, Genei A. Dalmago 4, Gilberto R. da Cunha 5, Jorge

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Luz no ambiente marinho

Luz no ambiente marinho IOB 0127 Fitoplâncton e a Produção Primária Luz no ambiente marinho Profa. Dra. Sônia M. F. Gianesella Equipe do curso: Dra. Flávia M. P. Saldanha Corrêa Dr. Juan José Barrera Alba MSc.Melissa Carvalho

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DOS RIO JURUENA-ARINOS, MT COM APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA NSF ) PARA OS ANOS DE 2012 E 2013

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A

CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A CARACTERIZAÇÃO DO LAGO DO PARQUE DO INGÁ QUANTO A PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS E CLOROFILA-A Nayara Louback Franco 1 ; Léia Carolina Lucio 2 ; Maria do Carmo Roberto 3 RESUMO: O Parque do Ingá representa

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Via do Conhecimento,

Leia mais

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae ISABELLE P. C. de LIMA 1 JOSÉ FIDELES FILHO 2, e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Aluno do curso de Física da Universidade Estadual da Paraíba, UEPB

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Impacto das Usinas Hidrelétricas a modo de fio d água no rio Claro na transparência da água, com o uso de dados espectrais de imagens Landsat TM5

Impacto das Usinas Hidrelétricas a modo de fio d água no rio Claro na transparência da água, com o uso de dados espectrais de imagens Landsat TM5 Impacto das Usinas Hidrelétricas a modo de fio d água no rio Claro na transparência da água, com o uso de dados espectrais de imagens Landsat TM5 Flávio Wachholz¹ João Batista Pereira Cabral¹ ¹Universidade

Leia mais

Calibração de câmera fotográfica digital para uso em sensoriamento remoto

Calibração de câmera fotográfica digital para uso em sensoriamento remoto Calibração de câmera fotográfica digital para uso em sensoriamento remoto Aline de Carvalho Gasparotto 1 Marcos Rafael Nanni 1 Carlos Antonio da Silva Junior 1 Anderson Antonio da Silva 1 Franciele Romagnoli

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO JOÃO FRANCISCO GONÇALVES ANTUNES 1, JÚLIO CÉSAR D. M. ESQUERDO 2 1 Matemático, Pesquisador, Embrapa Informática Agropecuária,

Leia mais

VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA

VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA Ana Paula Martins do Amaral Cunha 1, Vanessa Canavesi 2, Rita Márcia da Silva Pinto Vieira 1,

Leia mais

DESCRIÇÃO DA INFLUÊNCIA DO RIO PARAITINGA NA ÁGUA DA REPRESA DE PARAIBUNA COM O USO DE IMAGEM HIPERESPECTRAL

DESCRIÇÃO DA INFLUÊNCIA DO RIO PARAITINGA NA ÁGUA DA REPRESA DE PARAIBUNA COM O USO DE IMAGEM HIPERESPECTRAL DESCRIÇÃO DA INFLUÊNCIA DO RIO PARAITINGA NA ÁGUA DA REPRESA DE PARAIBUNA COM O USO DE IMAGEM HIPERESPECTRAL Nelson Wellausen Dias 1 Getulio Teixeira Batista 1 Ruy Morgado de Castro 2 Romero da Costa Moreira

Leia mais

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2

Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica. Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Uso de técnicas de segmentação de imagens SAR JERS-1 na Floresta Amazônica Gerardo Kuntschik 1 Luciano V. Dutra 1 Pedro Hernandez Filho 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Av. dos Astronautas

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO VICENTE PAULO SOARES 1 ALAN KARDEC ELIAS MARTINS 2 RICARDO SEIXAS BRITES 3 ELPÍDIO INÁCIO FERNANDES FILHO

Leia mais

Análise espectrorradiométrica aplicada à detecção da contaminação do óleo por material particulado arenoso

Análise espectrorradiométrica aplicada à detecção da contaminação do óleo por material particulado arenoso Análise espectrorradiométrica aplicada à detecção da contaminação do óleo por material particulado arenoso Elisabete Caria Moraes 1 Gabriel Pereira 1 Luís Gonçalves Longo de Oliveira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)*

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* P. Pedrosa 1 **; Lima 1, C.A.I.; Rezende 1, C.E.; Ovalle 1, A.R.C.; Bernardes, M.C.; De Paula 3, F.C.F.,

Leia mais

V-041 - USO DE IMAGENS ORBITAIS NO MONITORAMENTO DA TURBIDEZ E SÓLIDOS EM RIOS

V-041 - USO DE IMAGENS ORBITAIS NO MONITORAMENTO DA TURBIDEZ E SÓLIDOS EM RIOS V-041 - USO DE IMAGENS ORBITAIS NO MONITORAMENTO DA TURBIDEZ E SÓLIDOS EM RIOS Adilson Pinheiro (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Engenharia de Recursos hídricos

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARBORIZAÇÃO URBANA, Volume 2, Número 3, 2007.

REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARBORIZAÇÃO URBANA, Volume 2, Número 3, 2007. APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI (NORMALIZED DIFFERENCE VEGETATION INDEX) EM IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E SUAS LIMITAÇÕES Giuliana Del Nero Velasco 1, Jefferson Lordello Polizel

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE ANÁLISE COMPARATIVA DOS ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E SAVI NA MICRORREGIÃO DO VALE DO PAJEÚ-PE Heliofábio Barros Gomes 1, Yasmim Uchoa da Silva 1, Maurílio Neemias dos Santos 1, Ricardo Antonio Mollmann

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Caixa Postal 515-12245-970 - São José dos Campos - SP, Brasil {evlyn, stech, londe, arcilan, enner}@dsr.inpe.br

Caixa Postal 515-12245-970 - São José dos Campos - SP, Brasil {evlyn, stech, londe, arcilan, enner}@dsr.inpe.br Integração de dados do sistema automático de monitoramento de variáveis ambientais (SIMA) e de imagens orbitais na avaliação do estado trófico do Reservatório da UHE Funil. Evlyn Márcia Leão de Moraes

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO DETALHADO

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO DETALHADO PROJETO: Caracterização da variabilidade espacial e temporal da pluma do Rio Amazonas no período de 1999 a 2007 a partir de imagens de sensores remotos da cor do oceano a) UNIDADE EXECUTORA: INPE Coordenação:

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO OTÁVIO AUGUSTO CARVALHO NASSUR 1, JOÃO GABRIEL NOTEL DE SOUZA 2, ELIZABETH FERREIRA 3, ANTONIO AUGUSTO AGUILAR DANTAS

Leia mais

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 20 DE JUNHO DE 2008 SISTEMA DE DETECÇÃO D0 DESMATAMENTO EM TEMPO REAL NA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA

AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA AVALIAÇÃO DE EFLUENTE FINAL DE LAGOA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DE UM FRIGORIFICO AVICOLA Gustavo Lima Cardoso 1 ; Priscila Silva 1 ; Sandra Andréia Pierini 2, Edicléia Aparecida Bonini 3 RESUMO: Tratar os

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL NA SUB-BACIA DO CÓRREGO PINHEIRINHO/BOTUCATU/SP UTILIZANDO O NDVI MARIA JORGIANA FERREIRA DANTAS 1 JULIANO BOECK SANTOS 2 JOSÉ CARLOS PEZZONI FILHO 3 CÉLIA REGINA LOPES

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Hyperspectral remote sensing; first derivative; optically active constituents, Hyperion, Amazon.

Hyperspectral remote sensing; first derivative; optically active constituents, Hyperion, Amazon. Análise derivativa de dados hiperespectrais medidos em nível de campo e orbital para caracterizar a composição de águas opticamente complexas na Amazônia Conrado M. RUDORFF 1, Evlyn M. L. M. NOVO 1, Lênio

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Classificação de parques aquícolas na represa de Furnas em função da resposta espectral multitemporal

Classificação de parques aquícolas na represa de Furnas em função da resposta espectral multitemporal Classificação de parques aquícolas na represa de Furnas em função da resposta espectral multitemporal Alessandra de Oliveira Bacega 1, 2 Marcos Corrêa Neves 2 Alfredo José Barreto Luiz 2 1 Universidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DADOS MERIS E IN SITU PARA A CARACTERIZAÇÃO BIO-ÓPTICA DO RESERVATÓRIO DE ITUMBIARA, GO

UTILIZAÇÃO DE DADOS MERIS E IN SITU PARA A CARACTERIZAÇÃO BIO-ÓPTICA DO RESERVATÓRIO DE ITUMBIARA, GO INPE-16714-TDI/1652 UTILIZAÇÃO DE DADOS MERIS E IN SITU PARA A CARACTERIZAÇÃO BIO-ÓPTICA DO RESERVATÓRIO DE ITUMBIARA, GO Renata Fernandes Figueira Nascimento Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Absorção do cromato-dicromato em faixa da região visível do espectro. eletromagnético utilizando cubeta de metacrilato

Absorção do cromato-dicromato em faixa da região visível do espectro. eletromagnético utilizando cubeta de metacrilato Absorção do cromato-dicromato em faixa da região visível do espectro eletromagnético utilizando cubeta de metacrilato Chromate-dichromate absorption in the band of visible region of the electromagnetic

Leia mais

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Provisioning Services Products obtained from ecosystems Food Fresh water Fuel wood Fiber Biochemical's Genetic resources Regulating Services Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Climate

Leia mais

Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades

Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades Ana RODRIGUES, Dina PACHECO*, Yuriy ROMANETS, Stefan BRUNS, Regina NOGUEIRA, Rui COUTINHO*, António G. BRITO Universidade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA

UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA Carina Regina de Macedo 1 & Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo

Leia mais

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE (1) ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE Oliveira, M.S. (1) ; Leite, J.S. (1) ; Lima, V.A. (2) ; Carvalho, A.C. (2) ; Oliveira, T.G.A. (2) ; Pinheiro, J. P.S. (1) ; Leite, L.V. (1) ; Nunes,

Leia mais

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation José Carlos Pezzoni Filho 1 ; Lucas Benso 1 ; Edson Luiz Furtado 1 ; Célia

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a

ABSTRACT: The Suape region has received public and private investments, which allowed a ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL DOS IMPACTOS DO CRESCIMENTO URBANO-INDUSTRIAL NA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE DA REGIÃO DE SUAPE, CABO DE SANTO DE AGOSTINHO/IPOJUCA PE Jacicleide Ramos de Souza,¹² Ygor Cristiano

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais