USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I"

Transcrição

1 USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO DO VIGOR DA VEGETAÇÃO DETERMINAÇÃO DO STRESS DA VEGETAÇÃO DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DO SOLO DETERMINAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE SOLO MONITORAÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS

2 USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO II USO DA TERRA E MAPEAMENTO CLASSIFICAÇÃO DOS USOS DA TERRA CARTOGRAFIA DIGITAL E ATUALIZAÇÃO DE MAPAS CATEGORIZAÇÃO DA CAPACIDADE DA TERRA DISCRIMINAÇÃO DE ATIVIDADES URBANAS E RURAIS PLANEJAMENTO REGIONAL MAPEAMENTO DE TRANSPORTE EM REDES TRAÇADO DO LIMITE TERRA-ÁGUA

3 USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO III GEOLOGIA CLASSIFICAÇÃO LITOLÓGICA ATUALIZAÇÃO DE MAPAS GEOLÓGICOS MAPAS ESTRUTURAIS DISCRIMINAÇÃO ENTRE ROCHAS INCONSOLIDADAS E SOLOS MAPEAMENTO DE INTRUSÕES ÍGNEAS MAPEAMENTO DE DEPÓSITOS VULCANICOS RECENTES

4 USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO IV RECURSOS HÍDRICOS DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DOS CORPOS D ÁGUA MAPEAMENTO DE ENCHENTES MAPEAMENTO DA EXTENSÃO EM ÁREA DA NEVE E DOS LIMITES DA NEVE DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE TURBIDEZ E DA QUANTIDADE DE SEDIMENTOS DISPERSOS DETERMINAÇÃO DA PROFUNDIDADE DOS CORPOS D ÁGUA DEFINIÇÃO DOS CAMPOS IRRIGADOS INVENTÁRIO DOS LAGOS

5 USOS E APLICAÇòES DE SENSORIAMENTO REMOTO V OCEANOGRAFIA E RECURSOS MARINHOS DETERMINAÇÃO DOS ORGANISMOS MARINHOS VIVOS DETERMINAÇÃO DOS PADRÕES DE TURBIDEZ E CIRCULAÇÃO MAPEAMENTO DAS MUDANÇAS DAS LINHAS DE COSTA CONTROLE DO MOVIMENTO DAS GELEIRAS ESTUDO DE REDEMOINHOS E ONDAS MAPEAMENTO DE BANCOS DE AREIA E ZONAS RASAS

6 USOS E APLICAÇÕES DE SENSORIAMENTO REMOTO VI MEIO AMBIENTE MAPEAMENTO E MONITORAMENTO DE POLUIÇÃO DAS ÁGUAS MAPEAMENTO DA POLUIÇÃO CAUSADA PELAS ATIVIDADES DE MINERAÇÃO DETERMINAÇÃO DOS EFEITOS DOS DESASTRES NATURAIS MONITORAMENTO DOS EFEITOS DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS

7 UTILIDADE DAS REGIÕES ESPECTRAIS PANCROMÁTICO AZUL VERDE VERM. IV. P µ m - MAPEAMENTO DE FAIXAS COSTEIRAS - ANÁLISE DA VEGETAÇÃO µ m -ILUMINAÇÃO DE MATERIAIS EM SOMBRAS - PENETRAÇÃO EM ÁGUA BATIMETRIA - DIFERENCIAÇÃO: SOLO/VEGETAÇÃO - DIFERENCIAÇÃO: DECÍDUA/PERENE (CONIF.) µ m - DIFERENCIAÇÃO: VEGETAÇÃO - PENETRAÇÃO EM ÁGUA LIMITADA (+/-) ) BATIMETRIA µ m - PENETRAÇÃO EM ÁGUA BATIMETRIA - CONTRASTE: ÁGUAS CLARAS E TURBIDÍTICAS - DISCRIMINAÇÃO: ÓLEO EM ÁGUA - PICO DE REFLECTÂNCIA VERDE - VEGETAÇÃO SADIA

8 UTILIDADE DAS REGIÕES ESPECTRAIS IV. O. C. IV. O. M. IV. ONDAS LONGAS µ m - ANÁLISE TERMAL - DENSIDADE DA VEGETAÇÃO - TIPO DE COBERTURA µ m -MAPEAMENTO DE QUEIMADAS - DISCRIMINAÇÃO: ÓLEO EM ÁGUA - UMIDADE: SOLO E VEGETAÇÃO - DIFERENCIAÇÃO: NUVENS / NEVE -ANÁLISE DA VEGETAÇÃO

9 CARACTERÍSTICAS DISTINTIVAS DO DOSSEL Dossel: arranjo de indivíduos de uma mesma espécie ou de espécies distintas num determinado espaço Características distintivas do dossel: ópticas (reflectância) estruturais (forma geométrica dos indivíduos, espaçamento altura, etc) morfológicas (tipo e tamanho das flores, galhos, flores, etc) geométricas (espaçamento entre fileiras, curvas de nível, etc) fenologia (Parte da botânica que estuda vários fenômenos periódicos das plantas, como a brotação, a floração e a frutificação, marcando-lhes as épocas e os caracteres) parâmetros ambientais (temperatura, umidade relativa, precipitação, etc)

10 FATORES QUE INFLUENCIAM A RESPOSTA ESPECTRAL DOS DOSSÉIS. ILUMINANTE SENSOR ORBITAL FATORES ATMOSFÉRICOS PIXEL FATORES DA CULTURA SUBSTRATOS CULTURAIS FATORES TOPOGRÁFICOS SOMBRAS

11 COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO Função complexa de: Propriedades do dossel Propriedades do substrato Propriedades das folhas verdes

12 ALTA COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO Grama Reflectância Arbustos Bétula BAIXA Pinus Abeto µm Visível Infraverm. Próximo Comprimento de Onda (µm)

13 COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO Reflectância (%) TM1 TM2 TM3 TM4 Grama Arbusto Pinheiro Pinus VISÍVEL NIR Comprimento de Onda (µm) Influência do conteúdo de clorofila; da forma, área e número de folhas e da estrutura geral (celulose), nas propriedades espectrais de plantas. Embora exibam propriedades similares no espectro visível, as plantas podem ser facilmente distinguidas pela sua reflectância no infravermelho próximo (NIR).

14 Comprimento de Onda (µm) ALTA COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA VEGETAÇÃO Vegetação Verde Vegetação Sadia Estressada Reflectância Vegetação Severamente Estressada BAIXA Visível Infraverm. Próximo µm Infravermelho de Ondas Curtas

15 COMPARAÇÃO ENTRE ALVOS COM VEGETAÇÃO E SEM VEGETAÇÃO Vegetação verde Vegetação seca Reflectância Solo Comprimento de onda

16 COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS SISTEMAS AQUÁTICOS Fatores que influenciam o comportamento espectral dos sistemas aquáticos: Estrutura Molecular Componentes em suspensão na coluna d água: partículas orgânicas e inorgânicas; organismos vivos (fitoplâncton, zooplâncton, virus, bactérias Propriedades ópticas: Inerentes (composição da água) e Aparentes: geometria do campo de radiação submerso

17 ABSORÇÃO DA RADIAÇÃO NO MEIO AQUÁTICO Decorre da presença de quatro componentes básicos: água substâncias dissolvidas na água (matéria orgânica dissolvida) biota fotossintetizadora partículas não vivas (principalmente orgânicas) Coeficiente de absorção (m- 1 ) 2,5 2 Absorção pela água pura 1,5 1 0, Comprimento de onda (nm)

18 COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS MINERAIS Feições de absorção no espectro do mineral indicam que a EEM é absorvida para que possa haver a transição de elétrons entre dois íons de Fe 3+ Feições de absorção da EEM são causadas por dois tipos de transição eletrônica entre íons de metais de transição (por ex., Fe 3+ ): efeito de campo cristalino transferência de carga Hematita Jarosita Goetita 0,4

19 COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS SOLOS 40 (a) solos orgânicos Reflectância (%) Visível a 0.8 c b 1.0 d e 1.6 Infravermelho (b) solos medianamente orgânicos; (c) solos pobremente orgânicos (d) solos com ferro (e) solos muito ricos em ferro. Comprimento de Onda ( µm)

20 COMPARAÇÃO ENTRE SOLO, VEGETAÇÃO E ÁGUA SOLO VEGETAÇÃO Reflectância (%) ÁGUA Comprimento de onda (µm)

21 ABS. Fe 2+ Fe 3+ PICO DO VERMELHO ABSORÇÃO Fe 3+ Fe 2+ ROCHAS ALTERADAS TÊM ALTA REFLECTÂNCIA NA BANDA TM5 MINERAIS HIDROXILADOS (OH - ), ARGILAS, CARBONATOS, MICAS, CLORITA, ANFIBÓLIOS EFEITOS MINERALÓGICOS DOMINANTES PIGMENTO DA FOLHA ESTRUTURA DA FOLHA (CÉLULA) CONTEÚDO DE ÁGUA NA FOLHA FATORES CONTROLADORES DA REFLECTÂNCIA DE FOLHAS REFLECTÂNCIA (%) mm LIMITE DO VERMELHO ( rede edge ) PICO DE REFLECTÂNCIA VIS ~ 0.54mm µm 0.65µm TM4 H 2 O 0.96µm FRACA ABSORÇÃO DE ÁGUA MSS7 ABSORÇÕES DE CLOROFILA 1.1µm ABSORÇÃO ATMOSFÉRICA H 2 O 1.4mm ABSORÇÃO DE ÁGUA PICO DE REFLECT. SWIR ~ 1.6mm TM5 H 2 O 1.93mm ABSORÇÃO DE ÁGUA PICO DE REFLECTÂNCIA SWIR ~ 2.2mm AZ-VERDE-VERM. TM7 Al-OH Mg-OH CO 3 = BANDAS DE ABSORÇÃO DA ÁGUA 2.6mm- 2.73mm ABSORÇÃO ATMOSFÉRICA VISÍVEL INFRAVERM. PRÓXIMO INFRAVERMELHO DE ONDAS CURTAS H 2 O mm l nm VEGETAÇÃO SOLO ÁGUA

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Biociências Pós Graduação em Ecologia ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ESPECTRAL DA ÁGUA NO RESERVATÓRIO GUARAPIRANGA, RIO GRANDE E BRAÇO TAQUACETUBA DO COMPLEXO BILLINGS

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

Ikonos QuickBird ASTER SRTM. Instituto de Geociências - UNICAMP

Ikonos QuickBird ASTER SRTM. Instituto de Geociências - UNICAMP Ikonos QuickBird ASTER SRTM Instituto de Geociências - UNICAMP Avanços Tecnológicos em Cartografia 1-Aumento da Resolução Espacial do S.R. Orbital 1972: LANDSAT MSS- 80 m 1983: LANDSAT TM - 30 m (atualmente

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante.

1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante. 2 SENSORIAMENTO REMOTO 1 O que é Sensoriamento Remoto? Sensor = equipamento capaz de detectar sinais; vem de sentir. Remoto = longínquo, distante. Portanto, sensoriamento remoto é a aquisição de informações

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS Radiância de Superfície da água, radiância volumétrica de subsuperfície e radiância de fundo A radiância total (Lt) registrada por um sensor a bordo de uma aeronave ou satélite é uma função da energia

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS APLICAÇÕES PARA RECURSOS NATURAIS INTRODUÇÃO Tania Maria Sausen Coordenadoria de Ensino, Documentação e Programas Especiais Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Sensoriamento Remoto e PDI

Sensoriamento Remoto e PDI Sensoriamento Remoto e PDI Introdução REM e Comportamento Espectral Sistemas Sensores Imagens de Sensoriamento Remoto Aplicações Processamento Digital de Imagens - PDI Imagem de satélite mostrando o furacão

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO

FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO FOTOINTERPRETAÇÃO E SENSORIAMENTO REMOTO PROFESSOR: RICARDO T. ZAIDAN ALAN BRONNY ALMEIDA PIRES DE MOURA ICH/DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS GEO 019 PRÉ-REQUISITO: CARTOGRAFIA TEMÁTICA 1 SOFTWARE ENVI O software

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS O s.r. pode desempenhar importante função na identificação, inventário e mapeamento dos solos superficiais terrestres, especialmente quando não estão recobertos por vegetação. O s.r. pode auxiliar na modelagem

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS.

ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NDVI E EVI, IAF E FPAR DA CANOLA A PARTIR DE IMAGENS DO SATÉLITE MODIS. Daniele G. Pinto 1, Matheus B. Vicari 2, Denise C. Fontana 3, Genei A. Dalmago 4, Gilberto R. da Cunha 5, Jorge

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Luz no ambiente marinho

Luz no ambiente marinho IOB 0127 Fitoplâncton e a Produção Primária Luz no ambiente marinho Profa. Dra. Sônia M. F. Gianesella Equipe do curso: Dra. Flávia M. P. Saldanha Corrêa Dr. Juan José Barrera Alba MSc.Melissa Carvalho

Leia mais

Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem. Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem. Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Livro: Fundamentos de Teledetección Espacial Autor: Emilio Chuvieco Tradução: Elódio Sebem Capítulo 2: Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto 2.1 Fundamentos da observação remota Sensoriamento remoto

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aplicados

Sistemas de Informação Geográfica Aplicados Sistemas de Informação Geográfica Aplicados Exercício 4 A região de Pombal é conhecida pela presença de argilas especiais negras e cinzentas com parâmetros químicos e mineralógicos que lhe conferem grande

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP

Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP Separação espectral de alvos do dossel florestal a partir das bandas de uma câmera portátil com bandas Azul, Verde & IVP Julia Valentim Tavares 1 Bruce Walker Nelson 1 Dalton de Morisson Valeriano 2 1

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama UTILIZACÍON DE IMÁGENES SATELITALES PARA EL INVENTARIO DE BIOMASSA FLORESTAL SATELITE IMAGES TO FORECAST FOREST BIOMASS III Encontro REDIENE IISeminário i REDIENE 2 3 de Maio 2012 Taller Nacional, Panama

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo Programa de Pós Graduação

Leia mais

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Geologia Noções básicas Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Estrutura do Planeta Terra Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/estruterra_4.html Eras Geológicas Evolução dos Continentes Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=hsdlq8x7cuk

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

APOSTILA DE SENSORIAMENTO REMOTO

APOSTILA DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL APOSTILA DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: Alexandre Rosa dos Santos Alegre Espírito Santo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA

UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE DADOS E TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO NO MONITORAMENTO DA INFESTAÇÃO POR PLANTAS AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIO DE HIDRELÉTRICA Carina Regina de Macedo 1 & Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica

Profª Eleonora Slide de aula. Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese: As Reações da Etapa Clara ou Fotoquímica Fotossíntese Profª Eleonora Slide de aula Captação da energia solar e formação de ATP e NADPH, que são utilizados como fontes de energia para sintetizar

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

Cadeias e Teias Alimentares

Cadeias e Teias Alimentares Cadeias e Teias Alimentares O termo cadeia alimentar refere-se à seqüência em que se alimentam os seres de uma comunidade. Autotróficos x Heterotróficos Seres que transformam substâncias minerais ou inorgânicas

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício

SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício Michael Daamen Eng Agrícola MSc em Geo-Information Sciences Responsável de suporte técnico de produtos e atendimento ao cliente da Astrium Geo

Leia mais

Fatores de formação do solo

Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Fatores de formação do solo Clima Organismos Relevo Solo Tempo Material de Origem Fatores de formação do solo: clima Temperatura, precipitação e deficiência e excedente hídrico

Leia mais

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae

RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae RESPOSTA ESPECTRAL DE FOLHAS DO URUCUM INFECTADA POR Oidio bixae ISABELLE P. C. de LIMA 1 JOSÉ FIDELES FILHO 2, e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Aluno do curso de Física da Universidade Estadual da Paraíba, UEPB

Leia mais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Antônio Maria Garcia Tommaselli Roberto da Silva

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores.

META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores. OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: MOVIMENTOS DA MATÉRIA META Apresentar a matéria em movimento, os grandes ciclos biogeoquímicos e o ciclo da água e seus principais elementos perturbadores. OBJETIVOS Ao fi nal

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Autor: CARLOS ALBERTO STEFFEN Instituto Nacional de pesquisas Espaciais Divisão de Sensoriamento Remoto steffen@ltid.inpe.br RADIAÇÃO SOLAR O Sol é a principal

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM

CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM CARACTERIZAÇÃO ESPECTRAL DE FOLHAS INFECTADA POR Cercospora bixae NA CULTURA DO URUCUM JOSÉ FIDELES FILHO 1, ISABELE P. C. de LIMA 2 e JOSÉ Q. NÓBREGA 3 1 Meteorolgista, Dr. Prof. Departamento de Física

Leia mais

USO DE SENSORIAMENTO REMOTO NA IDENTIFICAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE ALTERAÇÕES NA COBERTURA VEGETAL EM SÃO JOSÉ DOS AUSENTES, CAMPOS DE CIMA DA SERRA-RS.

USO DE SENSORIAMENTO REMOTO NA IDENTIFICAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE ALTERAÇÕES NA COBERTURA VEGETAL EM SÃO JOSÉ DOS AUSENTES, CAMPOS DE CIMA DA SERRA-RS. USO DE SENSORIAMENTO REMOTO NA IDENTIFICAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE ALTERAÇÕES NA COBERTURA VEGETAL EM SÃO JOSÉ DOS AUSENTES, CAMPOS DE CIMA DA SERRA-RS. Jussara Alves Pinheiro Sommer 1 ; Dejanira Luderitz

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ INTEMPERISMO Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta Chapecó (SC), Abril de 2013. Intemperismo? Definição: Intemperismo: alterações físicas e

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)*

ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* ÓPTICA INERENTE DA MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA CROMÓFORA NA REGIÃO ESTUARINA DO RIO DE CONTAS (BA)* P. Pedrosa 1 **; Lima 1, C.A.I.; Rezende 1, C.E.; Ovalle 1, A.R.C.; Bernardes, M.C.; De Paula 3, F.C.F.,

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CNII Título do Podcast Área Segmento Duração Ecossistema, você sabe como diferenciá-lo? Ciências Ciências da Natureza II Ensino Fundamental 3 min 48 seg Habilidades:

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR.

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. (O mapeamento de território através das arvores). Diogo Caio

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ ¹ UNESP Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Caixa

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS Dias: 16 e 17 de abril (sábado e domingo) Horário: 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00 horas Autores/Instrutores: Getulio

Leia mais