MUDANÇAS CLIMÁTICAS O QUE CONSELHEIROS PRECISAM SABER. Núcleo de Sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇAS CLIMÁTICAS O QUE CONSELHEIROS PRECISAM SABER. Núcleo de Sustentabilidade"

Transcrição

1 Núcleo de Sustentabilidade MUDANÇAS CLIMÁTICAS O QUE CONSELHEIROS PRECISAM SABER Autores: Ricardo Muscari Scacchetti, Marise Hosomi, Heiko Spitzeck e Fernando Eliezer Figueiredo 2014

2 (c) Publicação do Núcleo de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral Créditos Autores: Ricardo Muscari Scacchetti Marise Hosomi Heiko Spitzeck Fernando Eliezer Figueiredo Colaboradores: Mário Pino, Beatriz Luz, Luiz Carlos Xavier Cláudia Melo Erika Rangel Keyvan Macedo Marcos Vaz Mariana Malufe e Renata Villegas Niels Holthausen Raphael Stein Thales Crivelli Nunes Henrique Pereira, Marcela Paranhos Marco Antonio Fujihara Braskem Swiss Re Fundamento Análises Natura O.N.E. Sustentabilidade Ilha Pura Empreendimentos Imobiliários Ernst Basler + Partners BNDES Samarco Way Carbon Key Associados Apoio técnico 2

3 Prefácio Núcleo de Sustentabilidade O tema de mudanças climáticas está cada vez mais maduro nas discussões na mídia, e na agenda do governo Brasileiro. Diversos estudos nacionais e internacionais relevantes foram publicados sobre o tema, como o relatório Stern sobre os impactos econômicos das mudanças climáticas 1, o Primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, e grupos de discussão foram formados, como o Empresas Pelo Clima, da GVCes 2, o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas 3 presidido pelo Presidente da República, e o Fórum Clima do Instituto Ethos 4. Comparando o discurso na mídia e o trabalho dos diversos fóruns empresariais relatando atividades de combate às mudanças climáticas (por exemplo, através do CDP (antigo Carbon Disclosure Project)) no Brasil 5, um leitor crítico nota que ainda são poucas as empresas que traduzem o discurso em prática, de forma proativa 6. Na interação com acionistas, conselheiros, presidentes de empresas e CEOs, a equipe do Núcleo de Sustentabilidade da Fundação Dom Cabral notou que a discussão sobre as mudanças climáticas ainda não entrou na agenda do conselho executivo das empresas. A falta de uma abordagem estratégica do tema, que é sem dúvida relevante para a sociedade, baseia- se no desafio de associar mudanças climáticas com a geração de valor econômico da empresa. Este estudo tem como objetivo apresentar os riscos e oportunidades de negócio atrelados ao tema de mudanças climáticas, para informar as decisões de conselhos de administração. O estudo é escrito em uma linguagem de negócios direcionada a bancos e seguradoras que têm o desafio de avaliar o desempenho de empresas frente a riscos climáticos na hora de conceder créditos ou oferecer seguros. Almejamos que esta publicação seja útil à transformação de empresas em organizações bem sucedidas, capazes de administrar melhor as oportunidades e riscos das mudanças climáticas. No mercado financeiro em particular, esperamos que o risco de inadimplência diminua em carteiras de investimentos contendo empresas mais resilientes e que seguradoras e resseguradoras arquem com menores custos frente aos impactos das mudanças climáticas em sua base de clientes corporativos. Heiko Spitzeck Gerente do Núcleo de Sustentabilidade Fundação Dom Cabral 1 Stern, N. (2007): The Economics of Climate Change, Cambridge University Press. 2 Veja (acessado ). 3 Veja (acessado ). 4 Veja: andamento/forum- clima- acao- empresarial- sobre- mudancas- climaticas/#.uvehsxlfwyg (acessado ). 5 Veja por exemplo o relatório do CDP Brasil de 2013 disponível em: (acessado ). 6 Sobre empresas proativas veja Araújo, L. E Gava, R. (2011): Empresas Proativas Como antecipar mudanças no mercado. 3

4 Conteúdo Sumário Executivo... 5 A Relevância de Mudanças Climáticas para o Negócio Regulatório Reputação Redução de custos Gestão de riscos Novos mercados Acesso a capital Mudanças climáticas no setor financeiro Conclusão e Road Map Referências Anexo I. Priorização setorial Anexo II. Mudanças climáticas

5 Sumário Executivo Uma visão clara e realista da relação das mudanças climáticas com a geração de valor econômico permitirá aos conselhos de administração tomar decisões mais assertivas frente a riscos e oportunidades que o tema apresenta para as empresas. Segundo Marcos Vaz da O.N.E. Sustentabilidade: organizações que explicitam seus interesses financeiros por trás de iniciativas de sustentabilidade são vistas de forma mais credível e apresentam maior potencial de criação de reputação. Mesmo no contexto brasileiro atual, em que não existem obrigações legais de redução de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), as empresas que visam à geração de valor O aumento das temperaturas pode provocar perdas no valor de R$ 7,4 bilhões na agricultura já em 2020 (2). Perdas anuais com enchentes somam atualmente cerca de R$ 1,4 bilhão, concentrando- se nas grandes cidades do Sudeste (21). econômico no longo prazo são, em muitos casos, recomendadas a considerar as mudanças climáticas em sua tomada de decisões, beneficiando assim seus acionistas e a sociedade. O presente estudo descreve a relação entre os riscos e oportunidades das mudanças climáticas e a geração de valor econômico, tendo em vista o contexto atual do Brasil. Estas informações são cruciais para aquelas empresas que querem reduzir os riscos atuais e preparar a empresa para explorar potenciais oportunidades relacionadas ao tema. Ao entender a relação das mudanças climáticas com a geração de valor econômico, as empresas serão capazes de priorizar suas iniciativas de forma mais fundamentada, e instituições financeiras poderão integrar aspectos de mudanças climáticas na avaliação de empresas ou na criação de novos produtos financeiros. Portanto, este estudo é recomendado principalmente a: Conselheiros e Diretores de Empresas Gestores de Carteiras de Investimentos Gestores de Risco em Seguradoras Mudanças no ambiente de negócios Evidências das mudanças no clima já podem ser percebidas principalmente através de eventos climáticos extremos. O aumento da temperatura, secas e enchentes têm afetado a produtividade da indústria e destruído ativos em diversas regiões do país. Além dos impactos diretos nas empresas, as mudanças do clima terão impactos indiretos através de pressões de regulamentações, exigências de investidores, clientes e fornecedores. Neste contexto, foram identificados 6 áreas de ação orientadas para a geração de valor, chamadas de alavancas de valor : Regulatória resposta a exigências legais atuais e preparação para obrigações prováveis. Reputação manutenção e melhoria da reputação da empresa perante clientes, governo, investidores e a mídia. Gestão de riscos identificação, avaliação e gestão de riscos climáticos físicos. Redução de custo programas de melhoria de eficiência que reduzem emissões de GEE e custos simultaneamente. Novos mercados desenvolvimento de novos produtos/serviços que possibilitem atingir novos mercados. 5

6 Acesso a capital financiamento de projetos através de linhas de crédito especiais. Exemplos de geração de valor econômico O potencial de geração de valor econômico das alavancas depende do contexto externo e do setor de atuação da organização. Abaixo, citamos exemplos de pressões externas ou riscos que afetaram empresas e ações que empresas tomaram, capazes de transformar a situação em oportunidades. Os exemplos foram classificados conforme sua interferência no valor econômico da empresa, isto é no valor presente liquido. RELEVÂNCIA ALTA Risco O nordeste brasileiro enfrentou em 2013 a maior seca dos últimos 50 anos. Em Pernambuco, os prejuízos na pecuária são estimados na ordem de R$ 1,5 bilhão 7. No Ceará, municípios foram afetados 8. Oportunidade Gestão de risco: a Unilever, tomando conhecimento de potenciais riscos em sua cadeia de suprimentos, desenvolveu um programa para treinar pequenos produtores de chá no Quênia em agricultura sustentável, aumentando sua produtividade entre 5% e 15% (1). Oportunidade - Redução de custos: no setor de transportes, o combustível representa mais de 30% dos custos operacionais 9. Uma melhoria de eficiência de 10% poderia significar 3% de redução de custo ou ainda 12% de aumento de EBITDA 10. RELEVÂNCIA MÉDIA Risco - Mudança do comportamento dos clientes: a Natura integrou a pegada de carbono a seu processo de tomada de decisão de compras. Sendo assim, produtos com uma menor pegada são mais competitivos 11. Oportunidade Novos mercados: Na Braskem, cada kg de plástico verde produzido absorve 2-2,5 kg de CO2 da atmosfera. A proposta do produto aumentou o preço do plástico significativamente, porque agrega valor a clientes com preocupações de sustentabilidade (ex. Natura). O produto de plástico verde provoca uma diferenciação em um mercado tradicionalmente de commodities. RELEVÂNCIA MODERADA Risco Regulatório: a Política Nacional de Resíduos Sólidos exerceu pressões sobre a gestão de resíduos sólidos da construção civil, levando ao aumentando do custo de disposição. Oportunidade Redução de risco: Ilha Pura Empreendimentos Imobiliários, reduziu R$ 500 mil dos custos de destinação de resíduos com a implantação de um programa de reaproveitamento e reciclagem de resíduos. Além disso, esta iniciativa reduzirá emissões de GEE da obra Veja 8 Veja por exemplo: verdes- mares/cetv- 2a- edicao/v/agricultores- fecham- trecho- da- br- em- protesto- por- acoes- contra- a- seca/ / (acessado ). 9 EPE, Plano Nacional de Eficiência Energética, Assumindo uma margem EBITDA de 20%. 11 novos- produtos- natura- espera- reduzir- pegada- de- co2- em- 2013/ 12 Dados concedidos pela empresa. 6

7 Prioridades setoriais para geração de valor econômico Dependendo do setor de atuação, as alavancas apresentam maior ou menor potencial de geração de valor econômico. Abaixo, ilustramos as alavancas prioritárias, seja por reduzirem a exposição a riscos seja por explorarem oportunidades, de acordo com a opinião dos especialistas participantes da elaboração do estudo. É importante mencionar que algumas alavancas de valor, como regulatória e novos mercados, dependem mais fortemente do contexto externo, enquanto outras, como redução de custos, dependem mais do contexto interno da empresa. Veja Anexo I. Priorização setorial, para maiores detalhes sobre a avaliação do grau de relevância das alavancas de cada setor. Potencial de geração de valor Setor Regulató- rio Reputação Gestão de Risco Redução de custos Novos mercados Acesso a capital 01. Construção 02. Varejo 03. Açúcar e álcool 04. Agronegócio 05. Alimentos 06. Autopeças 07. Atacado 08. Bebidas e fumo 09. Bancos 10. Cosméticos 11. Educação 12. Eletroeletrônicos 13. Energia 14. Farmacêutica 15. Higiene e limpeza 16. Materiais de construção 17. Mecânica 18. Mineração 19. Papel e celulose 20. Petróleo e gás 21. Química e petroquímica 22. Saúde 23. Seguros 24. Serviços 25. Siderurgia e metalurgia 26. Tecnologia software e serviços 27. Telecomunicações 28. Têxtil, couro e vestuário 29. Transportes 30. Veículos 7

8 Alavancas de geração de valor mais relevantes para sua organização O potencial das alavancas deve ser refinado de acordo com as especificidades da empresa. Elencamos abaixo algumas questões para auxiliar a identificação das alavancas de maior potencial na sua organização. Para cada sim marque um ponto ao lado. As alavancas que tiverem 2 ou mais pontos são relevantes. Quais são as alavancas de valor mais relevantes para sua organização? Alavanca de valor Regulatório Reputação Redução de custos Gestão de Risco Novos mercados Indicadores de relevância Sua organização é obrigada a apresentar inventário de GEE? (Consulte notas de rodapé 18 e 19 da página 17) Sua empresa ou as empresas da sua cadeia de valor participa(m) de licitações para fornecimento ao Poder Público de produtos florestais ou utilizadores de recursos naturais (como madeira, papel, carne bovina)? O índice de emissões de GEE por receita é superior a 0,25 tco2e/r$ mil 13? Caso este valor seja superior, uma potencial taxação do carbono poderia gerar impactos representativos no resultado da empresa. O setor em que sua organização atua é carbono- intensivo? Investidores e clientes valorizam o tema? Concorrentes estão listados no ICO2, ISE ou DJSI? Os concorrentes estão mais à frente do que sua organização na gestão de carbono? Os custos com energia, perdas de materiais ou destinação de resíduos e tratamento de efluentes representam mais de 10% do EBITDA da organização? A organização apresenta um consumo específico de material e energia crescente, ou no mesmo patamar nos últimos 3 anos? É possível alterar o processo ou substituir equipamentos visando à melhoria de eficiência? A organização possui ativos em áreas afetadas anteriormente por eventos climáticos extremos? Consulte: A organização possui ativos a menos de 1 metro acima de áreas alagáveis ou do nível do mar? Os principais recursos para a operação da empresa (humanos e cadeia de suprimentos) podem ser impactados por eventos climáticos? Consulte: A organização possui atividades de agricultura que podem ser impactadas pela mudança gradual do clima? Consulte: Seus produtos podem ser configurados para apoiar a adaptação às mudanças climáticas? Exemplos: infraestrutura de proteção, serviços de consultoria, seguros, entre outros. Seus clientes ou investidores já demonstraram algum interesse ou demanda específica relacionada a mudanças climáticas? Exemplo: estudo de pegada de carbono, estudo de riscos climáticos, entre outros. Alguns de seus produtos são feitos a partir de base vegetal que captura CO2? Ex. Pontos 13 Industrias que apresentam um fator superior a 0,25 tco2e/r$ de receita podem ser exposto ao risco de uma taxa mais significativa em termos económicos. As premissas relevantes são: meta de 25% de redução, preço da taxa R$40 por t de CO2e. Ex. o setor de logística poderia ter uma taxa equivalente a 0,3% da receita anual. 8

9 móveis são capazes de sequestrar o carbono contido na madeira ou siderurgia alimentada a carvão vegetal renovável. Sua empresa exporta produtos para mercados mais exigentes como, por ex., a Europa? Acesso à capital Existem investimentos programados com potencial de redução de GEE? O capital necessário para projetos de mitigação/adaptação é relevante? As operações da empresa podem ser alinhadas com a mitigação das mudanças climáticas? O custo de capital da empresa está acima da média de mercado? 9

10 A Relevância de Mudanças Climáticas para o Negócio Evidências das mudanças no clima já podem ser percebidas e já estão afetando os negócios e a sociedade. O aumento da temperatura, secas e enchentes têm afetado a produtividade da agricultura no país. Estima- se que as perdas na agricultura devido às mudanças no clima somem R$ 7,4 bilhões já em 2020 (2). Eventos climáticos extremos no Brasil, como o furacão Catarina em 2004, que causou prejuízos na ordem de R$ 330 milhões (3), e as chuvas intensas na costa Sudeste em 2010, que causaram prejuízos de R$ 230 milhões (4), tenderão a ocorrer com maior frequência e intensidade. Uma breve descrição sobre mudanças climáticas pode ser encontrada no Anexo II. Pesquisas científicas do IPCC e Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas projetam que os impactos das mudanças climáticas tenderão a aumentar, afetando diversos setores da economia e cidades. Neste contexto, as empresas tenderão a se assegurar contra riscos climáticos, o que deslocaria o risco para as mãos das seguradoras e resseguradoras. Nos EUA, onde produtos de seguro têm maior penetração, o Furacão Sandy gerou perdas asseguradas de U$ 30 bilhões de um total de prejuízo de U$ 65 bilhões (5). Isto significa que U$ 35 bilhões foram riscos não assegurados que têm que ser pagos pelas empresas e pessoas afetadas. As perdas de U$ 30 bilhões das seguradoras vão provocar uma reavaliação das metodologias de cálculo de riscos e podem levar ao aumento do custo do seguro ou até à rejeição a assegurar algumas empresas. Segundo estimativas da Swiss Re, o Brasil sofre perdas anuais da ordem de U$ 1,4 bilhão com inundações (21). Em 2030, principalmente devido ao aumento de ativos expostos a risco, este valor poderá chegar a USD 4,0 bi, concentrando- se na região Sudeste (21). Para se estimar o valor do risco a que sua empresa está exposta, pode- se imaginar uma perda anual de R$ 237/ R$ 1 milhão do ativo imobilizado em 2012 e R$ 340/ R$ 1 milhão do ativo imobilizado em Desta forma, basta multiplicar este fator pelo ativo imobilizado da empresa. Além dos impactos físicos citados acima, as mudanças do clima terão impactos indiretos através da mudança do ambiente regulatório, relação com clientes, investidores e fornecedores. Por exemplo: Preocupados com os impactos das mudanças climáticas, clientes têm pressionado as organizações para implantar ações de mitigação, direcionando suas compras a produtos mais responsáveis. A Carbon Trust já certificou 178 organizações e produtos com selos de pegada de carbono que informam os consumidores sobre a emissão de toda a cadeia de produção do produto (7). No primeiro momento, isso gera uma boa reputação para empresas proativas no mercado. No segundo momento, torna- se padrão e gera uma desvantagem para empresas não certificadas, principalmente se atenderem a mercados mais exigentes, como a Europa. Investidores estão incorporando a análise de desempenho socioambiental ao processo de análise de crédito, visando reduzir sua exposição a riscos, tanto reputacionais, como regulatórios e físicos. Atualmente, existem redes de instituições financeiras trabalhando neste tema, por exemplo, o Principles of Responsible Investment tem 1245 instituições financeiras signatárias. O governo tem criado novas regulamentações e incentivos a iniciativas de baixo- carbono. O Fundo Clima oferece financiamento a taxas atraentes para projetos que reduzam emissões de 10

11 gases de efeito estufa. O fundo investiu, por exemplo, em um projeto que ampliou a eficiência da produção de carvão vegetal 14. No Rio de Janeiro, o processo de licenciamento ambiental exige inventário de carbono para certos empreendimentos 15. A cadeia de fornecimento de matéria- prima e logística tem sido impactada pelas mudanças climáticas. O aumento das temperaturas pode provocar perdas da ordem de R$ 7,4 bilhões já em 2020 (2). Custo externo do carbono A emissão de GEE, através das mudanças climáticas, causa danos monetários aos atores externos, aos agentes responsáveis por sua emissão, efeito chamado de custo externo. Com o aumento da conscientização destes danos por entidades públicas, consumidores e instituições financeiras, espera- se que ocorra uma gradativa internalização destes custos no balanço das empresas. Segundo estimativa do Governo dos EUA (8), o "custo social do carbono", assumindo uma taxa de desconto de 3% a.a., será de U$38/tCO2e em Para estimar o custo externo causado diretamente pela sua organização basta multiplicar as emissões de GEE diretas de sua empresa por U$38. Agora divida este valor pelo EBITDA da empresa. Qual o % do EBITDA que pode estar exposto à internalização dos custos do GEE? Custo externo do carbono = emissões de GEE (tco! e) custo do carbono (U$/tCO! e) Pode- se aplicar a mesma lógica para o produto comercializado por sua organização, neste caso, considere não apenas as emissões diretas (ligadas à operação), mas também as indiretas (ao longo da cadeia de valor). O relatório Stern (6) também provê informações que permitem calcular o custo externo do carbono. Segundo este estudo, o impacto econômico de mudanças climáticas, caso não sejamos capazes de limitar o aquecimento global a 2 C, pode representar uma perda de 5% do PIB mundial a cada ano. O PIB brasileiro em 2013 era de aproximadamente U$ 72 trilhões 16, aplicando o dado mundial de perdas por mudanças climáticas no Brasil, o impacto econômico poderia somar cerca de de U$ 3,6 trilhões ou R$ 8,6 trilhões por ano. O relatório Stern estima o custo social do carbono em U$ 106/tCO2e (9). Pode- se seguir o mesmo procedimento descrito acima para estimar o custo externo do carbono. Alternativamente, caso não haja dados sobre as emissões da organização, pode- se estimar o custo externo calculando- se a representatividade da receita da empresa no PIB Brasileiro e, posteriormente, multiplicando pelo impacto econômico das mudanças climáticas no Brasil (U$ 3,6 trilhões). Custo externo do carbono =!"#$%"&'(#) impacto econômico das mudanças climáticas!"# Frente a estes dados, a reação das empresas pode ser classificada em três grupos: 1. Céticos muitos executivos nos dizem que ainda não está 100% comprovado que as mudanças climáticas são causadas pelas atividades econômicas. Este grupo corre o risco de que as 14 Para acessar os recursos, a empresa precisou comprovar que toda a madeira utilizada tinha origem em florestas plantadas. Veja 15 Resolução INEA/PRES Nº 64 DE 12/12/2012. Link: Acesso: 15/02/ Fonte: Banco Mundial - development- indicators 11

12 mudanças climáticas se manifestem em riscos físicos e financeiros e a empresa pode ser atingida sem estar preparada. 2. Moderados este grupo de executivos aceita a tese de que as mudanças climáticas representam riscos reais para o negócio da empresa. Eles começam a identificar as áreas de negócios mais afetadas e a medir indicadores- chaves de desempenho (ex. emissões, consumo de água, consumo de energia) e inserem aspectos de mudanças climáticas na gestão de riscos (monitoramento, engajamento da cadeia de valor, redução e mitigação de riscos, planos de contingência, planejamento de cenários). 3. Pioneiros este grupo de executivos vai além da gestão de risco e procura criar valor para outros stakeholders, como clientes sustentáveis, investidores conscientes e funcionários com valores socioambientais. Embora os impactos das mudanças já estejam ocorrendo, a grande maioria das empresas ainda não está considerando estes impactos nos seus negócios. A integração das mudanças climáticas na estratégia e gestão demanda um tempo considerável, devido à complexidade do tema e à necessidade de interação com diversas áreas. Por exemplo: leva- se cerca de 3 anos para alcançar um bom nível de qualidade na contabilização de emissões de GEE (inventário), que também envolve a cadeia de fornecedores. Além disso, tomadas de decisão no curto- prazo podem expor a empresa a riscos climáticos no longo prazo, por exemplo, em contratos de venda de energia hidroelétrica de longo- prazo em caso de secas. 12

13 Alavancas de valor das mudanças climáticas O tema das mudanças climáticas pode ser integrado na estratégia e sistema de gestão das empresas, assim como Natura e Braskem fizeram. Para isso, é preciso ter uma visão clara de como as mudanças afetarão os negócios. Obviamente, um business case é um argumento mais forte para convencer conselheiros e acionistas para atuar fortemente no tema. Valor econômico Pressão externa Alavancas de valor! Mudança de comportamento dos clientes! Impacto de eventos climáticos no custo dos insumos! Criação de taxas e incentivos atrelados à pegada de carbono! Impacto de eventos climáticos nos ativos da empresa! Linhas de crédito especiais para mitigação e adaptação climática! Aumento da percepção de riscos climáticos por investidores! Criação de reputação! Exploração de novos mercados! Redução de custos ou eco- eficiência! Cumprimento e engajamento na construção de regulamentação! Gestão de riscos! Acesso a capital! Manutenção da reputação! Manutenção de acesso a capital! Maior rigidez na concessão de licenças de expansão! Gestão de risco regulatório As alavancas de valor podem se relacionar tanto a proteção de valor (gestão de riscos em sentido mais amplo) como a geração de valor (exploração de oportunidades) de forma tangível e intangível como ilustrado na figura abaixo: 13

14 Conteúdo das seções seguintes Nas seções seguintes, são apresentadas cada uma das alavancas de valor em maior detalhe: Regulatório Cumprimento de exigências legais e engajamento na elaboração de regulamentações setoriais e incentivos. (seção 2.1) Reputação Desenvolvimento de iniciativas e comunicação do comprometimento da empresa com a mitigação das Mudanças Climáticas. (seção 2.2) Gestão de risco Identificação, avaliação e gestão de riscos climáticos físicos. (seção 2.3) Redução de custo Identificação e desenvolvimento de iniciativas capazes de reduzir emissões de GEE e gerar retornos financeiros. (seção 2.4) Novos mercados Criação de serviços e produtos que exploram novos mercados ligados a mitigação e adaptação climática. (seção 2.5) Acesso a capital Financiamento de projetos de mitigação e adaptação através de linhas especiais de crédito. (seção 2.6) As seções contarão com os seguintes aspectos: Breve descrição da alavanca e sua relação com o valor econômico Fatos relevantes, exemplificando a ocorrência de fatos que justificariam ações das empresas ou casos em que foi gerado valor para as empresas. Boas práticas, recomendações de especialistas sobre formas de aplicação dentro de uma organização. Indicadores de relevância da alavanca para sua organização. Estes indicadores servem como termômetro para verificar se o tema é relevante para sua organização. 14

15 Ferramentas apresenta as ferramentas, guias e relatórios mais relevantes sobre o tema. Regulatório Existem incertezas quanto ao rumo regulatório sobre mudanças climáticas a ser tomado no Brasil. Isto porque a definição de um marco regulatório claro pressupõe a seleção de um modelo de política pública, dentre os vários possíveis - tal como o estabelecimento de metas de redução, instrumentos fiscais positivos ou negativos, concessões de créditos e financiamentos, cap and trade, pagamentos por serviços ambientais, entre outros - e a formalização de compromissos visando a implantar a política adotada. Hoje, a base do marco regulatório é representada pela Política Nacional 17 e pelas Políticas Estaduais de Mudanças Climáticas de alguns estados, dentre as quais destacam- se as do Amazonas 18 e de São Paulo 19, estados cujas economias estão lastreadas em atividades com maior potencial de serem positiva ou negativamente impactadas por esforços de redução de emissão (gestão de florestas e indústria/energia/transporte urbano, respectivamente). Com relação à Política Nacional, destaca- se o estabelecimento do compromisso voluntário de redução de GEE de 36,1 a 38,9% das emissões nacionais, projetadas até Com relação às políticas estaduais, mais especificamente aquelas do estado de São Paulo, destaca- se o estabelecimento da meta vinculante de redução global de 20% das emissões de CO 2, relativas a 2005, em A maioria das previsões destas políticas tem um caráter programático, ou seja, mais estabelecem diretrizes para guiar a atuação futura, do que regras, incentivos e penalidades específicas, o que faz deste um momento importante de engajamento das empresas nas discussões promovidas nos diversos fóruns existentes. Porém, há alguns aspectos já regulamentados, como: a obrigatoriedade de apresentação de inventário de emissões de GEE por empresas atuantes nos estados de RJ 20 e SP 21 de determinados setores, que vincula, inclusive, a renovação de licenças ambientais, e a comprovação de origem de produtos florestais (como madeira) ou utilizadores de recursos florestais (como carne bovina) para compras governamentais. Como se pode notar, as metas de redução foram estabelecidas de forma voluntária na esfera federal e, vinculante, na estadual. Este conflito de abordagem gera dúvidas sobre se o Governo Federal, visando à proteção ambiental, poderia exigir o cumprimento de tais metas ao Estado de SP ou se o Estado de SP teria competência para estabelecer obrigações às empresas em seu território. Atualmente, é possível verificar que a meta federal, estabelecida com base nas emissões projetadas para 2020, será facilmente atingida por meio da redução do desmatamento verificada a partir de 2004, e também devido a uma atividade industrial mais lenta do que aquela assumida nas projeções para Neste sentido, o Governo Federal poderá buscar o atingimento do compromisso voluntário diretamente pelo Poder Público, sem a participação direta do setor privado. 17 Lei Federal /2009, regulamentada pelo Decreto Federal 7.390/ Lei Estadual 3.135/2007, regulamentada pelo Decreto Estadual / Lei Estadual /2009, regulamentada pelo Decreto Estadual / Resolução INEA/PRES Nº 64 DE 12/12/2012. Link: Acesso: 15/02/ Decisão de Diretoria nº 254/2012/V/I, de Link: de- gee- empreendimentos/384- inventario- de- gee- empreendimentos Acesso: 15/02/

16 De maneira geral, pode- se esperar que o marco regulatório nacional não crie obrigações de redução ou imponha taxas de carbono ao setor privado no curto e médio prazos, tendo em vista o cumprimento da meta federal, a elevada carga tributária da indústria e o grande número de oportunidades de abatimento de GEE a um custo negativo (veja seção 2.3). Os autores acreditam que o governo focalizará o incentivo às reduções do setor privado através de instrumentos de crédito como o Fundo Clima e o Fundo Amazônia (veja detalhes na seção 2.6), porém, estenderá suas iniciativas de imposição de obrigações, como, por exemplo, o monitoramento através dos inventários de GEE, controlando seu cumprimento por meio de instrumentos já conhecidos e testados, como as licenças ambientais. Por fim, o marco regulatório nacional deverá sofrer influências diretas de discussões internacionais em andamento, como as que discutem a criação de metas de redução nacionais, a criação de carbon border taxes (cuja definição esbarra no crivo de organismos como a OMC, em razão do impacto no livre comércio internacional) e a política climática global pós- Kyoto. Algumas regulamentações nacionais criadas no longo prazo, porém com maior incerteza sobre seu funcionamento, são: Taxação de carbono, discutida nos últimos anos em diversos países industrializados (10). Estes projetos envolviam indústrias de alta emissão, como cimento, aço, alumínio, química ou produtores de combustíveis fósseis, como no México. Caso fosse implantada uma regulamentação do gênero no Brasil, a taxa para se atingir uma meta de redução de 25% das emissões da indústria, poderia alcançar até R$ 40,00 por tco2e acima da meta 22, afetando principalmente companhias de aviação e logística, nas quais o combustível representa cerca de 30% dos custos operacionais. Soluções menos conservadoras, como as baseadas em instrumentos de mercado e pagamento por serviços ambientais poderiam ser reforçadas, a depender do resultado de negociações internacionais que as testem e incentivem. Fatos relevantes Indicadores de relevância: Se você responder sim a todas as questões abaixo, vale a pena olhar mais detalhadamente para a questão regulatória. Sua organização é obrigada a apresentar inventário de GEE? Consulte notas de rodapé 18 e 19. Sua empresa ou as empresas da sua cadeia de valor participa(m) de licitações para fornecimento ao Poder Público de produtos florestais ou utilizadores de recursos naturais (como madeira, papel, carne bovina)? O índice de emissões de GEE por receita é superior a 0,25 tco2e/r$ mil? Caso este valor seja superior, uma potencial taxação do carbono poderia gerar impactos representativos no resultado da empresa. Em diversos estados, as compras governamentais de produtos florestais ou utilizadores de recursos naturais (como madeira, papel, carne bovina) estão sujeitas à comprovação de origem e ao atendimento de critérios ambientais. É possível que esta exigência venha a ser estendida para outros produtos e serviços com alta pegada de carbono. Empresas de determinados setores, como aviação civil, já sofrem na prática os efeitos da judicialização do assunto. Trinta das maiores empresas do setor, nacionais e estrangeiras, que operam no aeroporto de Guarulhos tiveram as emissões atmosféricas de suas aeronaves 22 Estimativa de acordo com curva de custo marginal de abatimento traçada pelo IPEA (13). 16

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 Conteúdo Sobre o GVces Sobre o Programa Brasileiro GHG Protocol e o Registro Público de Emissões Política de qualificação dos inventários (Novo critério para o selo

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Sustentabilidade Empresarial

Sustentabilidade Empresarial Política de Sustentabilidade como Instrumento de Competitividade São Paulo Out/2010 Laercio Bruno Filho 1 Desenvolvimento Sustentável 2 Aquecimento Global Word Population WORLD GDP 3 Questões Críticas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013 SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX Agosto 2013 ESTRATÉGIA EM SUSTENTABILIDADE Visão Uma estratégia de sustentabilidade eficiente deve estar alinhada com o core business da empresa

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Agenda Sobre o GVces CiViA Contexto: ACV e o GVces Objetivos Atividades Cronograma Formas de adesão ciclo 2015 Evento de lançamento CiViA Centro de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Política de mudanças climáticas. Versão resumida

Política de mudanças climáticas. Versão resumida Política de mudanças climáticas Versão resumida 29/06/2015 objetivo A política de Mudanças Climáticas da Oi visa estabelecer o direcionamento estratégico e orientar as decisões relativas à temática da

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

CONCLIMA São Paulo 11/9/2013

CONCLIMA São Paulo 11/9/2013 CTI e políticas públicas: algumas ligações e ideias básicas CONCLIMA São Paulo 11/9/2013 Sergio Margulis Secretário de Desenvolvimento Sustentável Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da

Leia mais