GAGUEIRA A TEORIA NA PRÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GAGUEIRA A TEORIA NA PRÁTICA"

Transcrição

1 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM GAGUEIRA A TEORIA NA PRÁTICA Monografia de conclusão do curso de especialização em Linguagem Orientadora: Mirian Goldenberg POLYANA OLIVEIRA SÃO PAULO

2 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA LINGUAGEM GAGUEIRA A teoria na prática POLYANA OLIVEIRA SÃO PAULO

3 SUMÁRIO Introdução Duas concepções sobre gagueira Implicações da teoria na prática Considerações finais Referências Bibliográficas

4 RESUMO O presente estudo tem como objetivo correlacionar a teoria e a prática da gagueira, focalizando o trabalho das fonoaudiólogas Isis Meira e Silvia Friedman. A partir desse enfoque, analisamos os pontos fundamentais das propostas defendidas por cada uma, refletindo sobre a prática clínica com a gagueira. A partir da pesquisa bibliográfica realizada, privilegiamos a obra de cada autora que aprofunda o tema nos aspectos vinculados aos objetivos do trabalho. Pudemos constatar que as dúvidas que surgem durante o tratamento da gagueira esbarram na falta de uma compreensão clara de que concepções filosóficas diferentes sobre a linguagem e sobre o mundo, podem estabelecer práticas clínicas diferentes: ou voltadas para a patologia ou voltadas para o indivíduo. Ao relacionarmos teoria e prática, evidenciamos semelhanças e diferenças entre as duas autoras, o que resultou numa complementação das propostas, já que ambas não encerram a gagueira em seu aspecto aparente. Na abordagem do tema, um ponto sempre polêmico encontra-se na etiologia da gagueira. No desenvolvimento deste estudo, comprovamos que, embora a discussão das prováveis causas seja importante, ela não é suficiente para o estabelecimento de uma prática assertiva. Em nosso trajeto em busca das implicações da teoria na prática, concluímos que, ao optar por essa ou aquela teoria, predeterminamos práticas diferenciadas para o tratamento da gagueira. A partir disso, propusemos um roteiro de leitura para outros textos sobre o tema, discutimos as formas que o discurso terapêutico pode assumir frente à família e comparamos dois pontos de partida para o trabalho com a gagueira na clínica fonoaudiológica. 4

5 SUMARY The main purpose of this study is to correlate the theory and the practice of the stuttering focusing on the speech language therapists Isis Meira and Silvia Friedman. From this focus we analysed the main points of the proposals defended by each one, reflecting about the clinical practice of the stuttering. Through bibliographical research, we granted privilege to the work of each author that goes deep on the theme in the aspects linked to the objectives of the work. We can notice that the doubts arising from the treatment of stuttering touches in the lack of a clear understanding of different philosophical vision regarding conceptions of language and of world establising a clinical practice towards the pathology or to the individual. When we relate theory and practice, we highlight similarities and differences regarding the two authors, determining a complement of the proposals since both do not face the stutter in its apparent aspect. The critical point in the approach of the theme is regarding the stuttering ethiology. In the development of this study we proved that although the discussion about the possible reasons is important, it is not definite for the establishment of an assertive practice. In our track towards the implications of the theory in practice, we concluded that when selecting this or that theory we pre-determined different practices for the stuttering treatment. We propose a reading path of other texts about the theme; we discussed the ways that a therapeutic speech can assume before the family and we compared two starting points for the stuttering work at a speech language therapeutical clinic. 5

6 AGRADECIMENTOS - À Prof a Dr a Silvia Friedman, que com sua análise minuciosa e brilhante, associada ao constante carinho, disponibilidade e apoio, dedicou uma assistência fundamental para a execução deste trabalho. - À Prof a Dr a Isis Meira, pelo interesse e disponibilidade em fazer uma competente, rigorosa e sensível revisão deste trabalho. - À Prof a M. Goldenberg, por transformar as aulas do curso de Metodologia Científica em estímulo constante para que superássemos as dificuldades inerentes ao esforço de pensar e escrever cientificamente. - Às fonoaudiólogas Dora Holzheim e Leila Farah, pelo incentivo e apoio de todas as horas. - Ao Eduardo Raccioppi por se fazer presente de forma carinhosa e solidária. 6

7 Esquece do que te separa de mim e valoriza o que te aproxima de mim. Eduardo Raccioppi 7

8 INTRODUÇÃO O homem sempre procurou entender a natureza das coisas e o comportamento das pessoas. O desejo humano de aprender, a curiosidade, a observação do mundo que o rodeia fizeram nascer a ciência, o conhecimento, a arte e a tecnologia. A construção do conhecimento científico tem sido uma das ferramentas fundamentais para a consolidação e aprimoramento da ação individual e coletiva do homem. Como produto humano, esse conhecimento se constitui num processo infinito e cumulativo de verdades parciais e objetivas. Sempre na dependência de um enquadramento sócio-histórico, o conhecimento do mundo pelo homem por um lado se amplia e, por outro, muda qualitativamente. Ao examinarmos sua evolução detectamos semelhanças e diferenças, mas sobretudo o vemos de uma outra maneira. Fala-se muito na Fonoaudiologia enquanto ciência e discute-se a sua prática, sendo que a noção de empréstimos e aplicação direta de outros ramos de conhecimento, como por exemplo a Medicina, Psicologia, Lingüística, Educação foi superada, evoluindo para a noção de interpelação (PALLADINO, 1996, 48) entre áreas afins que se configuram numa reflexão que constrói o saber próprio da fonoaudiologia, focalizando um objeto específico e não menos polêmico: a Linguagem. O tema Gagueira inscreve-se na Fonoaudiologia de maneira bastante desafiadora: falante e ouvinte são parceiros numa interlocução, onde o foco principal está numa fala proibida, negada. Em 1982, no I Encontro Nacional de Fonoaudiologia, realizado na PUC - São Paulo, em comemoração aos vinte anos da profissão, FRIEDMAN, MELLO, MONTENEGRO, POTEL (1982) apresentaram uma pesquisa intitulada Uma análise da atuação do fonoaudiólogo em relação à terapia da gagueira, evidenciando o fato de estudantes e profissionais de fonoaudiologia reagirem negativamente à gagueira tanto 8

9 quanto a outros problemas graves de origem neurológica. Elas também constatam a falta, na fonoaudiologia, de uma linguagem, de um discurso próprio, que não os emprestados da psicologia ou da fonoaudiologia clássica centrados no código, ou seja, exclusivamente no aspecto formal da linguagem. FRIEDMAN (1997), numa revisão da literatura a respeito da gagueira, comenta a investigação de BARBOSA & CHIARI (1995) sobre o conhecimento de senso comum e o conhecimento acadêmico, presentes nas concepções dos estudantes de fonoaudiologia sobre a gagueira. A pesquisa mostra que o conhecimento de senso comum se relaciona à etiologia da gagueira, e o acadêmico, a sua prevenção e tratamento. Nesse contexto, FRIEDMAN (1997) destaca a necessidade de revisão dos currículos acadêmicos, principalmente com relação aos problemas de fluência. Considerando que treze anos separam as pesquisas de FRIEDMAN, MELLO, MONTENEGRO, POTEL (1982) das de BARBOSA & CHIARI (1995), chegamos à conclusão de que a compreensão da gagueira no meio fonoaudiológico carece de um maior aprofundamento e reflexão. Talvez não apenas, no que se refere a definições etiológicas, de prevenção e tratamento, mas sobretudo com relação a questões de ordem filosófica e epistemológica. É preciso analisar até que ponto o estigma da gagueira infiltrou-se nas concepções que se tem dela, bem como examinar a visão preconceituosa que daí advém. O que parece subrepticiamente presente na compreensão fonoaudiológica da gagueira é sua interpretação exclusivamente a partir do caráter patológico que lhe é atribuído. GOFFMAN (1980) ao falar do indivíduo estigmatizado comenta: Assim, deixamos de considerá-lo criatura comum e total, reduzindo-o a uma pessoa estragada e diminuída. Tal característica é um estigma, especialmente quando o seu efeito de descrédito é muito grande - algumas vezes ele também é considerado um defeito, uma fraqueza, uma desvantagem (...). Se assumimos a ótica das Ciências Naturais para a Fonoaudiologia, devemos entender o sujeito (no caso, o paciente) por meio da explicação do funcionamento da 9

10 máquina do corpo. Mas, diante da gagueira, ficamos perplexos. Onde está a lesão cerebral, a disfunção neurológica? O que dizem as ressonâncias eletromagnéticas, as tomografias computadorizadas, as avaliações (e testagens) neurológicas, psicológicas e de linguagem? Onde encontrar a resposta? Nessa perspectiva, o fonoaudiólogo, interlocutor legitimado pela profissão, sente a necessidade de ter em mãos uma explicação para a causa da gagueira que fosse comprovada por aparelhos, com uma cópia e um laudo assinado. Ao buscar uma remediação para uma fala, que entende não funcionar como deveria, ele se agarra a todas as certezas de que dispõe a ciência positivista e não atinge o indivíduo (a sua subjetividade), porque pára na gagueira (na manifestação). A minha entrada nesse universo não foi propriamente espontânea. Como muitos colegas da época de faculdade, não pretendia me debruçar sobre esse assunto, que parecia impenetrável demais. Evitar trabalhar com esse aspecto da fala 1 humana era mais que natural. O que mudou minha atitude diante do fenômeno gagueira foi a possibilidade de compreender sua natureza de um ponto de vista psicossocial. No contato com fonoaudiólogos que se dedicam ao tratamento da gagueira, tenho ouvido queixas e dúvidas quanto à condução do trabalho clínico e, não raro, uma reação também negativa quanto ao atendimento terapêutico de indivíduos gagos. De modo geral, a gagueira aparece tanto em publicações científicas, quanto nos meios de comunicação de massas, associada à idéia de algo a ser desvendado, um 1 Consideramos a linguagem, de acordo com CUNHA (1997), como a capacidade humana de representar através de signos e a fala, como uma possibilidade individual de manifestação (verbal-oral) da linguagem. Poderíamos então colocar a gagueira, de modo geral, como um problema ligado à produção da fala (e não da linguagem) que, por sua vez, também levaria a um problema na comunicação, dependendo da forma como a interação (falante com gagueira e interlocutor) se estabelecesse. Dentro de uma análise mais aprofundada, veremos que, segundo FRIEDMAN (1993), o que acontece na fala e na comunicação são efeitos dos valores que se projetam sobre a gagueira; 10

11 sendo ela entendida como a parte manifesta de um problema com a imagem de falante do sujeito, de um tipo de simbolização negativa de si como falante. enigma, um mistério. É certo que as pesquisas na área dão conta de interpretações variadas e até contraditórias, e nem sempre o acesso a elas é imediato, mas já existe algum material pesquisado e com fundamentação científica adequada, que pode ser utilizado por profissionais que se dedicam ao atendimento de pessoas com gagueira. São esses profissionais que, em sua atuação clínica, se deparam com questões do tipo: Eu acho que a criança está bem, mas a família diz que ela está gaguejando, o que fazer? Qual o momento certo para a alta do paciente? E se eu conseguir que o paciente pare de gaguejar e ele apresentar recidiva? ; O paciente diminuiu a gagueira, mas eu nem sei bem o que fiz, e agora? Procurar um fio condutor para responder essas e outras questões poderá trazer avanços importantes para a compreensão da prática clínico-terapêutica com a gagueira. Este trabalho tem como objetivo compreender a relação possível entre a teoria e a prática, procurando identificar fatores que determinam parte das dificuldades em conduzir um tratamento para a gagueira. É preciso compreender como diferentes teorias buscam e desenvolvem um entendimento da gagueira e quais são os pressupostos teóricos que o terapeuta pode assumir, para que haja coerência entre teoria e prática. Por estabelecerem parâmetros para uma abordagem em que o trabalho com a gagueira está inserido num contexto que promove uma ação terapêutica, na qual teoria e prática estão integradas de forma crítica e coerente, é que optamos pelas pesquisas de doutorado e mestrado desenvolvidas respectivamente pelas fonoaudiólogas ISIS MEIRA (1983) e SILVIA FRIEDMAN (1986). Ao privilegiar essas duas pesquisas (embora FRIEDMAN tenha dado continuidade a sua obra com um doutorado em 1992) consideramos ser suficiente, para os objetivos desta monografia, privilegiar em nossa discussão teórica, as obras citadas acima, por articularem satisfatoriamente os pontos de vista de cada autora. 11

12 O que reforça essa escolha é o fato de essas obras serem referências fundamentais na bibliografia sobre o tema e também o fato de cada uma das autoras ter-se proposto a entender a gagueira a partir de uma perspectiva original (fenomenologia e materialismo dialético), sem adaptar métodos de autores estrangeiros ou transferir diretamente pressupostos de outras disciplinas (neuropsicologia, psicanálise, entre outras) para o campo fonoaudiológico. Em sua pesquisa, ISIS MEIRA (1983) analisou os depoimentos de nove profissionais em resposta à pergunta: O que é a gagueira? Comparando esses depoimentos, ela concluiu que os profissionais vêem a gagueira em sua existência imediata (ôntica) e fora do indivíduo. A fé desses profissionais nas teorias (tradicionais) impossibilita-os de conhecer a gagueira no sentido fenomenológico e de lidar com ela na terapia. Os depoimentos (escritos) de sete indivíduos gagos, em resposta à pergunta: O que é a sua gagueira?, foram também analisados, evidenciando com isso relatos que contém referências à reação dos interlocutores frente à gagueira por eles apresentada, e o efeito da gagueira neles mesmos (seus sentimentos, suas reações). Segundo a autora, os indivíduos gagos não têm um pensar reflexivo que inclua o ser com a gagueira, o habitar a gagueira. Esta, enquanto fenômeno, permanece oculta para o gago e, conseqüentemente, agrava o sintoma (MEIRA, 1983, 91). Na primeira parte da pesquisa, MEIRA (1983) faz um cruzamento das análises obtidas nos discursos dos autores (e suas diferentes teorias sobre a gagueira) com os discursos dos profissionais e dos gagos. Na segunda parte, ela propõe uma compreensão da gagueira sob o ponto de vista fenomenológico, o que revela que o fenômeno gagueira está envolto por alterações de tônus; a partir daí, a autora propõe uma condução da terapia voltada para esses invólucros de tensão do gago, que a autora chamou de gagueira construída e que é diferente da gagueira essência. 12

13 Em sua metodologia de pesquisa, SILVIA FRIEDMAN (1986) utilizou o discurso de sete sujeitos com história de gagueira na fala. A coleta do discurso dos sujeitos de 1 a 5 foi realizada por meio de fita cassete, a do sujeito 6, em gravação em vídeo e a do sujeito 7, por meio de material escrito, que incluía um Diário de fala (44 relatos) e um Livro sem nome (4 relatos). O procedimento escolhido para a organização e análise do material coletado foi baseado na teoria das Representações Sociais e materializado na Análise Gráfica do Discurso. Partindo dos discursos transcritos, a autora decompôs esses discursos em unidades de significação, mantendo as ligações entre as frases por numeração. Isso permitiu reagrupar as falas dos sujeitos por temas, de onde emergiram Categorias de análise do discurso, bem como as ligações entre elas. Essa análise permitiu uma descrição da natureza do fenômeno gagueira no interior do referencial materialista-dialético adotado. A autora ressalta, na revisão da literatura, como ao abordar o tema, as diferentes teorias conhecidas, voltam-se para a manifestação externa e, a partir daí, tentam explicar mecanicamente sua origem, seja por explicações orgânicas, sociais ou psicológicas. Apontando para um modelo, psicossocial, reforçado pelas categorias básicas de pensamento que emergiram da análise do discurso dos sujeitos, ela explica a gênese da gagueira, sua manutenção e reprodução, construindo um caminho terapêutico onde o alvo não é a fala gaguejada, mas a imagem de mau falante do indivíduo. Na Fonoaudiologia, como em qualquer área da ciência, toda explicação é sempre relativa. Mesmo nos comprometimentos da linguagem, onde o aspecto orgânico é fator decisivo (por exemplo: na afasia; na paralisia cerebral), não teremos nunca explicações definitivas e baseadas apenas em um único elemento. A pretensa unanimidade em torno do tema é de certa forma um esvaziamento da questão, porque para construir um saber científico o sujeito que conhece (...) transforma as informações obtidas segundo o Código complicado das determinações sociais (...), pela 13

14 mediação da sua situação de classe e dos interesses de grupo que a ela se ligam, pela mediação das suas motivações conscientes e subconscientes e, sobretudo, pela mediação da sua prática social sem a qual o conhecimento é uma ficção especulativa (SCHAFF, 1987,82). Portanto, compreendendo que a ciência não comporta enquadramentos definitivos, já que toda explicação é sempre relativa, deveremos estar atentos para não engessarmos nosso pensamento e ação dentro de uma perspectiva fracionada da realidade. Ao repensar a teoria na prática, delimitamos as seguintes hipóteses: Parte das incertezas encontradas pelos profissionais no atendimento da gagueira não se deve à falta de referências teóricas para o método fonoaudiológico. É necessário construir uma visão de mundo antes de se definir por esta ou aquela linha teórica no trabalho com a gagueira. Há uma incoerência teórico-metodológica quando se aplica diferentes teorias conforme o tipo de paciente gago. 14

15 DUAS CONCEPÇÕES SOBRE A GAGUEIRA A discussão sobre a gagueira passa por diferentes pontos de vista (Positivismo, Fenomenologia, Materialismo dialético), varia de autor para autor, linhas de pesquisa e país de origem. Em nossa escolha, priorizamos autoras com formação fonoaudiológica, que abordam a gagueira sob o ponto de vista das Ciências Humanas: ISIS MEIRA (1983), que segue a orientação da Fenomenologia e SILVIA FRIEDMAN (1986) que desenvolve seu trabalho sob o enfoque do Materialismo dialético. Nossa investigação procurará focalizar as concepções desenvolvidas nas pesquisas com a gagueira por elas realizadas, como essas visões se entrelaçam e se complementam, e quais aspectos podem ser destacados para servir de base a um roteiro de leitura para outras pesquisas. Em seu enfoque a partir da Fenomenologia 2, MEIRA (1983), nos mostra como a visão Positivista vê a gagueira de uma perspectiva ôntica (em sua existência imediata e fora do indivíduo), como um fato, algo que se mostra à primeira vista, levando os autores que seguem essa linha a se preocupar com definições, explicações e classificações. Em conseqüência, MEIRA (1983), mostra que a postura positivista acaba por não elucidar, des-velar - para empregar a expressão heideggeriana - a gagueira em sua essência. A postura fenomenológica, ao contrário, vê a gagueira como ontológica (isto é, ressaltando a continuidade da gagueira com o ser que 2 A Fenomelogia - filosofia e método - teve em Husserl ( ) o formulador de suas principais linhas. Seguiram-se outros representantes como: Heidegger, Jaspers, Sartre, Merleau-Ponty. Ela se contrapõe à postura positivista e defende que o objeto (do conhecimento) devem ser os fenômenos apreendidos pela percepção humana de forma pura essencial, como aparecem, como se apresentam à consciência. Isso é feito, a partir da redução fenomenológica que consiste em colocar em suspensão todo e qualquer conhecimento previamente produzido sobre o fenômeno para focalizá-lo no que ele tem de mais puro e essencial (ARANHA & MARTINS, 1986). 15

16 gagueja), é com base nela que MEIRA (1983) propõe-se a olhá-la enquanto fenômeno, sem dados pré-estabelecidos, para sair da aparência (fato) que a fragmenta e poder captar sua essência. Recusando essa visão fragmentada da maioria dos autores positivistas, MEIRA (1983) questiona qual seria o caminho a percorrer: em direção ao gago, isto é, o sujeito que expressa a gagueira, ou em direção à gagueira, seu problema na fala. Para obter um discurso esclarecedor sobre a gagueira e poder chegar ao fenômeno, ela a focaliza no indivíduo que a manifesta, o qual foi com o tempo encobrindo a sua gagueira por meio de alterações de tensão. A partir disso percebe a necessidade de um aprofundamento na gagueira manifesta pelo gago (a gagueira constituída por alterações de tensão), para poder atingir a sua essência ( a gagueira livre de alterações de tensão). Assim, distanciando-se da gagueira enquanto fato, MEIRA (1983) se propõe a conhecer sua essência e não sua causa. A autora nos mostra que, cada classe de teorias (orgânica, psicológica e do comportamento aprendido) impõe uma ótica diferente às causas da gagueira e faz apenas uma análise quantitativa de comportamentos pré-estabelecidos, sem atingir a gagueira nela mesma (gagueira construída). Diante desse estado de coisas, MEIRA (1983) assume uma postura investigativa fenomenológica, que deve procurar des-velar o fenômeno gagueira e captar o que permanece oculto. Para isso, para se aproximar do que pode ser captado pela percepção quando se tenta ver o fenômeno (e não o fato) gagueira, deve-se voltar o olhar para a gagueira mesma e não para suas causas e para os sentimentos e atitudes ligados a ela. FRIEDMAN (1986) por sua vez, apoiada numa concepção materialista dialética busca uma compreensão da gagueira que permita conhecer sua origem e desenvolvimento. A autora argumenta que a maioria dos estudos sobre a gagueira aborda o problema de maneira positivista, reificada 3, focalizando apenas a 16

17 manifestação externa, aparente, da fala. Nessa atitude positivista a autora detecta a incapacidade dessas abordagens de compreender a gagueira em todos os seus desdobramentos e interrelações entre o que é subjetivo (do indivíduo) e o que é objetivo (do organismo e do social). Em seu trabalho, FRIEDMAN (1986) considera três grandes grupos de teorias sobre a gagueira: As teorias orgânicas, que vêem como causa problemas neurológicos, como afasia, lesões cerebrais, dominância cerebral, incoordenação motora, retardo de mielinização do córtex da fala, etc. Além de fatores hereditários, congênitos, metabólicos e outros. As teorias psicológicas, que sustentam que a gagueira é sintoma de traumas, conflitos afetivos, necessidades sexuais inconscientes não resolvidas (fixação oral ou anal), agressividade reprimida, entre outros. E as teorias sociais, que vêem as causas da gagueira na relação do indivíduo com os outros, isto é, como um hábito adquirido em conseqüência do reforço negativo do meio sobre a fala; por julgamentos inadequados de pessoas significativas sobre as vacilações normais da fala da criança, pela influência da cultura em sociedades competitivas que, conferindo valor extremo ao prestígio social, atribuem um grande valor à competência da fala. Para a autora, dar prioridade a um dos três aspectos (social, psicológico ou orgânico) em detrimento dos outros, é uma atitude limitadora que leva a um reducionismo do conhecimento e impede o aprofundamento da questão. FRIEDMAN 3 Res, em latim, significa coisa. O materialismo dialético - filosofia e método - considera os fenômenos materiais como processos e vê a realidade, não de forma linear, mas numa dependência recíproca e em seu processo de produção. Ao contrário da postura positivista, a reificação, conceito forjado pelo materialismo dialético, consiste em considerar os fenômenos apenas como se fossem coisas, deslocadas de seus processos de produção (ARANHA & MARTINS, 1986). Reificada, a gagueira é vista como uma coisa, como algo distante do indivíduo que gagueja; aí, o sujeito é visto despojado de sua história de fala. (1986) propõe uma abordagem que relacione esses três aspectos, não apenas como uma somatória entre eles, mas estabelecendo suas influências recíprocas. As várias 17

18 formas de entender a fala gaguejada a partir das teorias existentes não deixam de mostrar aspectos verdadeiros dela, mas sem as conexões com as demais, esses aspectos ficam à deriva, desvinculados de um todo, provocando o isolamento da manifestação observada, do processo que levou o indivíduo a essa manifestação. Em seu estudo, MEIRA (1983) manteve-se centrada na estrutura própria da gagueira constituída (as alterações de tensão), cuidando para não isolar e também para não confundir os estados de consciência do indivíduo com as ocorrências corporais. Afirma: Ficou mais fácil ver a trajetória do gago vivendo penosamente com a gagueira, difusamente percebida por ele, mesmo como um fato, pondo sobre ela ainda pesadas cargas trazidas por ele próprio e adicionadas pelos outros, com dificuldade de lidar com os seus sentimentos e com sua forte rejeição à gagueira (MEIRA, 1983, 99). FRIEDMAN (1986) também compreende a gagueira (tensões) dentro de uma relação de mútua dependência entre os estados de consciência e as ocorrências corporais, e busca, num contexto materialista dialético, detectar como ela se apresenta. MEIRA (1983), ao pôr a gagueira em suspensão para intuir sua essência, procura distanciar-se das causas e conteúdos que envolvem a gagueira, e assim chegar à gagueira pura que foi encapsulada pelas tensões que o indivíduo apresenta ao falar. Contudo, isso é apenas parte de sua proposta para a terapia. Fazendo uma clara distinção entre o gago (o indivíduo) e a gagueira (a dificuldade na fala), MEIRA (1983) enfatiza a importância de trabalhar também o gago (o indivíduo) nas suas dificuldades relacionadas à gagueira. FRIEDMAN (1986), partindo desses dois aspectos (a atividade de fala e o indivíduo que gagueja) já enfatizados por MEIRA (1983), aponta para a possibilidade de também compreender a gagueira através do discurso do indivíduo gago, apreendendo assim outras significações igualmente importantes para a compreensão da atividade da fala gaguejada. A gagueira, segundo a autora, não deve ser vista apenas em seu caráter desviante (como sugere a visão 18

19 positivista pautada nas Ciências Naturais), mas enquanto reveladora de crenças e condicionamentos. Em seu estudo, MEIRA (1983), já fazia esse questionamento, afirmando: A questão da gagueira, porém, sendo essencialmente humana, tem uma estrutura significativa própria que precisa ser focalizada de forma a evitar redução e distorção (p. 95, grifo meu). Portanto, ambas as autoras, partindo do campo das Ciências Humanas, procuraram compreender a gagueira a partir do indivíduo que gagueja. Mas enquanto MEIRA (1983) investigou a atividade de fala do sujeito gago decompondo o todo da gagueira (tensões) em suas partes constituintes, evidenciando a dinâmica dos grupos e regiões musculares envolvidas, FRIEDMAN (1986), por seu lado investigou o discurso do sujeito gago, decompondo-o em categorias que denotam o movimento genérico do pensamento do indivíduo com relação à fala e à gagueira. Em sua pesquisa, MEIRA (1983) investigou a fala do sujeito gago, detectando a rede de alterações de tônus construída pelo gago (chamada pela autora de GAGUEIRA CONSTRUÍDA ou INVÓLUCROS da gagueira pura), que pode ser desmanchada na terapia, e o núcleo da gagueira que existe no indivíduo gago (chamado pela autora de GAGUEIRA PURA ou GAGUEIRA ESSÊNCIA), que permanece no indivíduo gago durante a sua existência e não pode ser retirado. A GAGUEIRA CONSTRUÍDA se mostra, em todos os gagos, nas regiões oral, cervical e diafragmática. Estes são os INVARIANTES da gagueira. Em alguns gagos, no entanto, a gagueira construída pode também se manifestar em outras regiões do corpo. As alterações de tônus nas três regiões mencionadas se correlacionam, como explica a autora quando diz: A fluência e, portanto, a coordenação exigida para a fala, requer tônus muscular adequado. A alteração simultânea no tônus muscular da região oral, da região cervical e da região diafragmática resulta em falha na coordenação dessa musculatura. Essa falha na coordenação se mostra tanto nos movimentos isolados da musculatura de cada região quanto nos movimentos que envolvem, ao 19

20 mesmo tempo, o trabalho muscular destas três regiões mencionadas (p. 125) (...) um grupo muscular tenso sempre corresponde à tensão de outro grupo muscular, mesmo na ausência de fala (p. 27). Os grupos musculares com tônus alterado que compõem a fala gaguejada variam de indivíduo para indivíduo, já que o mapeamento de cada gagueira é individual e dinâmico. Assim, MEIRA (1983) descreveu a ação dos grupos musculares com tônus alterado, pontuou as regiões que se mostram invariavelmente hiper ou hipotensas nos indivíduos gagos e explicou o processo da seguinte forma: A falha na coordenação muscular do gago ocorre, a nível da ação de um grupo muscular, que realiza seu movimento com tremores e interrupções e a nível do movimento muscular simultâneo das três regiões - oral, cervical e diafragmática - cuja parada e tremores indicam uma falha na movimentação coordenada das três regiões do corpo que também estejam tensas (p. 128). Ou seja, os invólucros de tensão se ligam, atuando de forma conjunta e dinâmica. Ao mapeamento dessa gagueira construída individualmente por cada gago no decorrer de sua existência, MEIRA (1983) estabeleceu um paralelo, já apontado por KRETSCHMER (MEIRA, 1983, 101), com a afetividade (emoções) e as alterações do tônus muscular e visceral, mostrando que: À medida que se altera a afetividade, a tensão muscular e a tensão visceral, o gago, como qualquer ser-no-mundo, reflete esta alteração em sua dificuldade maior, a gagueira. (p. 107, grifo meu). Na literatura há referências ao papel das emoções negativas (medo, ansiedade, culpa) na ocorrência de gagueira. MEIRA (1983) aponta a interferência também das emoções ditas positivas (alegria exagerada, excitação, euforia), explicando que toda emoção que tire o gago de seu equilíbrio contribui para a piora da gagueira. Observa-se nos autores positivistas, uma tendência a quantificar os comportamentos de gagueira (bloqueio, repetição, prolongamento, por exemplo). 20

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo, mostrar o papel do assistente social dentro de uma equipe

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE 1 A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE RESUMO Luciana Gandolfo O objetivo da prática da eutonia é orientar a pessoa a focalizar a atenção em um segmento

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE.

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. Elen Patrícia Piccinini Leandro Dierka Patrícia Asinelli Silveira RESUMO Em meio à correria e compromissos do dia a dia é difícil prestar atenção em nosso corpo.

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

7 Conclusões e caminhos futuros

7 Conclusões e caminhos futuros 7 Conclusões e caminhos futuros Esta pesquisa teve como objetivo estudar a interação em um fórum de discussão online de um curso híbrido de formação de professores de inglês, com ensino presencial e a

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS INTERDISCIPLINARIDADE: DESAFIO NO ENSINO DAS LETRAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E PEDAGOGIA Luzinete Alves da Silva. Jeferson

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR:

A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR: A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR: A primeira coisa que devemos lembrar, como bem nos coloca Souza (2010) é que a auto-estima de uma criança está muito relacionada

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais