EM BUSCA DO INFINITO - PARTE UM Por Professor G Venkataraman

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EM BUSCA DO INFINITO - PARTE UM Por Professor G Venkataraman"

Transcrição

1 EM BUSCA DO INFINITO - PARTE UM Por Professor G Venkataraman Dando a partida Sai Ram e calorosas saudações. Nesta série pretendo levá-los a uma interessante viagem na qual, juntos, procuraremos pelo Infinito. A procura pelo Infinito não é algo novo na história da humanidade. Nós, porém, faremos isto de um modo diferente, começando com o Universo dentro do qual nós vivemos e examinando o que a Moderna Física tem a dizer sobre ele. A partir daí viajaremos para mais longe, para coisas mais além, para os degraus que levam ao Verdadeiro Infinito! Do visível ao invisível A imensidão do espaço no céu noturno Nossa viagem será longa e para que você tenha uma idéia de onde pretendo ir, deixe-me falar que embora comecemos com o visível, iremos depois ao reino misterioso do não visível! Assim, estejam preparados para uma excursão estonteante! Nela encontraremos muitas coisas que nós mal entendemos, mas de uma coisa você pode estar seguro; onde quer que nós olhemos, veremos A imensidão do espaço no céu noturno a glória e a majestade de Deus! Conseqüentemente, até mesmo se houver coisas que nós não entendemos totalmente, não nos deixaremos intimidar por isso; ao invés, aproveitaremos toda oportunidade possível para simplesmente beber da glória de Deus e experimentar Ananda! Está tudo bem? Colocaram os cintos de segurança? OK, lá vamos nós agora mesmo! Observando as estrelas Vamos agora olhar o céu. Em uma noite clara e sem nuvens o céu está cheio de estrelas. Nós deveríamos ser gratos por podermos ver as estrelas. Em muitos lugares da Terra as pessoas já não podem fazer isso. Você sabe por quê? Por duas razões: muita poluição e muita luz artificial que obscurece a luz das estrelas. O céu é tão bonito, não é? E nós podemos ver isto de graça, sem pagar qualquer ingresso! Quantos de nós reservamos um tempo para fazer isso? Essa é a tragédia dos tempos modernos! Existe um verso infantil que diz: Cintilai, cintilai pequena estrela, Como eu desejo saber quem é você! Nós também nos encantamos vendo as nossas crianças repetirem esses versos para impressionar as visitas. Mas nós desejamos saber mais sobre as estrelas. Vamos passar um tempo fazendo exatamente isso! Vamos contemplar profundamente o céu. Nós veremos todos os tipos de coisas, e 1

2 aqui vai uma breve descrição da escala e do tamanho das coisas que iremos ver. Medindo distâncias usando Anos-Luz Algumas palavras sobre o tamanho do nosso Universo: é enorme, e eu quero dizer realmente enorme. É tão enorme que nós precisamos de uma medida de comprimento muito maior que o quilômetro, usado normalmente para descrever distâncias. É correto dar a distância de Puttaparthi a Nova Iorque em km, mas quando falamos em distâncias no Universo, o km é muito pequeno. Ao invés disso usaremos uma medida chamada Anos Luz que é a distância que a luz percorre em um ano. Você provavelmente sabe que a luz viaja [aproximadamente] 300,000 km em um segundo, sim, um segundo! A luz do Sol leva aproximadamente oito minutos para chegar à Terra depois de deixar a superfície do Sol. Obviamente, um Ano Luz representa uma distância muito maior. Em números é 300,000 km x 3,600 x 24 x 365; você pode fazer as contas! Deixe-me contar que um Ano Luz significa aproximadamente nove trilhões de km. Se você pensa que isso é muito, espere só um pouco, você vai ficar aturdido! Comecemos com nosso próprio sistema solar. O Sol, que é o centro do sistema solar, é uma estrela. Como eu já falei, a luz do Sol leva aproximadamente oito minutos para chegar à Terra. Por outro lado, se você pensar no planeta Plutão, a luz do Sol leva aproximadamente cinco horas e meia para chegar àquele planeta. Como o nosso Sol, há um bilhão de estrelas pelo menos, sim, pelo menos um bilhão, que fazem parte da nossa própria galáxia conhecida como a Via Láctea. O diâmetro da Via Láctea é de anos luz. Isso é grande; sim é, mas, como se diz: Vocês ainda não viram nada!. Um típico agrupamento de galáxias A velocidade da luz Um típico agrupamento de galáxias Olhando além da galáxia, há os Grupos Locais de Galáxias. Um Grupo Local pode consistir de cerca de dez a cinqüenta galáxias. A Via Láctea pertence a um grupo de cerca de vinte galáxias. A galáxia de Andrômeda da qual você seguramente deve ter ouvido falar, é um membro do Grupo Local ao qual pertence a Via Láctea. Baseado no diâmetro da Via Láctea, podemos dizer que, tipicamente, um Grupo Local tem um tamanho de cerca 2

3 de três milhões de anos luz. Nós estamos falando de distâncias longas, agora, não estamos? Vamos olhar agora para uma estrutura ainda maior, o Agrupamento de Galáxias. Um Agrupamento típico teria algo como mil galáxias e uma dimensão linear de cerca de quinze milhões de anos luz. Em seguida vem o Supergrupo que é aproximadamente dez vezes maior que um Agrupamento, i.e., tem uma extensão linear de cerca de cinqüenta milhões de anos luz. As coisas estão ficando maiores e maiores, não estão? São vistas estruturas de tamanhos até maiores no céu, e recentemente, os astrônomos notaram algo como filamentos de objetos luminosos. Um deles foi até mesmo chamado de a Grande Parede! É composto de vários Supergrupos. O que vem além? Ninguém sabe ao certo, mas além de tudo isso vem o que nós poderíamos chamar de a extremidade do Universo Físico! De acordo com as estimativas atuais, o que eu me refiro como a extremidade do Universo dista aproximadamente quatorze bilhões de Anos Luz! O que significa que se a luz partir da extremidade do Universo agora mesmo, levará O Divino Chanceler do Cosmos! quatorze bilhões de anos para chegar à Terra (quer dizer, se a Terra ainda estiver aqui naquele momento!) Só para comparação, lembre-se que a luz de nosso Sol leva aproximadamente oito minutos para nos alcançar. Façamos um momento de reflexão filosófica. Swami às vezes é descrito não só como o Chanceler do Instituto Sri Sathya Sai de Ensino Superior, mas também como o Chanceler do Universo. Eu gostaria de saber se as pessoas que usam esta descrição têm qualquer idéia de como é grande o Universo em que estamos! Nosso Ego: Insignificante no Cosmos Swami diz que o homem é tão insignificante, mas tem um ego do tamanho do Himalaia. Nós poderíamos refletir nisso, também. O Universo Físico pode ser finito, mas é, não obstante, vasto. Neste vasto Universo, há bilhões e bilhões de galáxias, cada galáxia tendo bilhões e bilhões de estrelas. Nosso Sol é uma dessas estrelas, em uma galáxia particular que nós chamamos de Via Láctea. E no sistema planetário que existe ao redor A nossa minúscula casa na Via do Sol, nossa Terra é um Láctea planeta pequeno. E neste planeta há tantos países! Se nós levarmos todos estes fatores em conta, 3

4 então cada um de nós é inacreditavelmente insignificante em relação ao Cosmos. Mas, mesmo assim, quanto ego que nós tendemos a ter! Quando tendêssemos a sentir egoísmo, nos faria bem olharmos o céu estrelado e refletirmos na enormidade do Universo a que pertencemos! O que deveria ser enorme dentro de nós não é o ego, mas o Divino Amor que Deus misericordioso depositou por completo em nós! Voltemos à nossa excursão. Você percebeu que nós estamos dando uma olhada em partes distantes do Universo, sem mesmo deixar o planeta Terra? Como eu posso falar tão confiantemente sobre os vários objetos do Universo? Como nós sabemos onde e o que isso exatamente é? Acredite ou não, só através do olhar! Só olhando da Terra? Estou falando sério? Sim, só olhando, e eu estou falando sério quando digo isso. Acredite ou não, ficando na Terra e olhando para o céu, o homem descobriu coisas incríveis - só esse fato deveria tornar claro o poder incrível que Deus pôs no homem, ao invés das outras espécies vivas. Entendendo o Nosso Lugar no Universo Surge a pergunta: Como exatamente o Homem tem olhado para fora, no céu? Antigamente o Homem tinha só os olhos que Deus lhe deu. Até mesmo só com isto ele pôde fazer muito. Astrônomos na Índia antiga, Grécia, Egito e China descobriram muitas coisas sobre as constelações de estrelas e o caminho que os planetas percorriam entre elas. Eles podiam predizer eclipses, e várias outras configurações planetárias raras. Basicamente informações relacionadas a movimentos estelares e agrupamentos. Era muito útil e nos deu a primeira idéia do sistema solar. Incidentemente, isto também deu os primeiros almanaques. Hevelius em seu telescópio, 1647 O primeiro salto quântico neste processo de olhar veio com a invenção do telescópio óptico. Em relação à Astronomia, foi como a descoberta da América. Faz cerca de quatro séculos que o telescópio foi inventado, mas que quantidade extra-ordinária de informação ele trouxe! O homem, com o telescópio, pode não só ver mais como também ver ampliada e claramente, como as visões maravilhosas da Lua com as crateras; só isso já é suficiente para avaliar o tremendo avanço que o telescópio trouxe. Como o passar dos anos, os telescópios continuaram não só ficando maiores, mas também melhores. O que significa melhor? Basicamente há duas coisas que determinam a qualidade de um telescópio: seu poder de captar a luz e sua resolução. Quanto maior a lente, maior é seu poder de captar a luz; e quanto maior esse poder, mais distante o telescópio pode ver. Logo, quanto melhor a lente, tanto melhor a visão que a pessoa obtém com o telescópio - 4

5 isto nós sabemos de nossa experiência com máquinas fotográficas. Estes dois parâmetros, tamanho e qualidade aumentaram os custos dos telescópios; mas toda essa despesa a mais valeu mesmo a pena. A Tecnologia nos ajuda a ver melhor e mais distante Hoje, a tecnologia foi levada ao limite mais distante e nós podemos dizer que melhorias para telescópios baseados na terra requereriam um custo enorme com muito pequeno retorno. O que determina este limite? A atmosfera! Sim, atmosfera; nós não percebemos que é a atmosfera que faz as estrelas piscarem, como o verso infantil tão formosamente descreve. A densidade atmosférica não é constante, sendo influenciada por fatores climáticos, ventos, poeira etc. O resultado é que os raios de luz que chegam até O Telescópio Espacial Hubble nós das estrelas distantes, são instáveis [devido à refração], dando a impressão de cintilar. Embora o fenômeno do piscar das estrelas seja muito agradável para os poetas, para os astrônomos é uma dor de cabeça terrível, especialmente quando eles querem fotografar estrelas fracas. Como se livrar desse aborrecimento com o cintilar das estrelas? Uma maneira é pôr o telescópio no espaço, e é dessa idéia que o telescópio Hubble nasceu. Este telescópio foi lançado pelos EEUU ao espaço através de um vôo do Ônibus Espacial. É completamente automatizado e remotamente controlado da terra. No espaço não há nenhuma atmosfera e assim nenhuma amolação devido ao cintilar e as fotos são então muito melhores. Eu estou seguro que você já ouviu falar do telescópio Hubble e as maravilhosas fotos com que proveu os astrônomos. Alem dos telescópios continuarem melhorando todo o tempo, os astrônomos descobriram modos melhores de usá-los. Nos tempos de Newton, a pessoa tinha que sentar-se literalmente toda a noite e investigar o céu pelo telescópio. Se a pessoa estivesse olhando para um objeto próximo como Marte, que se move relativamente rápido pelo céu, o observador antigo era obrigado a se manter virando o telescópio para o objeto permanecer no foco. Com o tempo, um dispositivo baseado em mecanismo de relógio foi inventado e automaticamente virava o telescópio. Isto foi particularmente útil para os telescópios grandes. 5

6 A próxima idéia inteligente foi substituir o olho por uma máquina fotográfica. Um telescópio com movimento automático e uma máquina fotográfica acoplada significa que o astrônomo poderia montar tudo e até mesmo ir embora tomar o seu jantar. Enquanto isso, o telescópio estaria obsevando a estrela ou galáxia e registrando tudo em fotografias. Deste modo, o filme fotográfico poderia ser exposto de cada vez durante várias horas. Isto significou que se poderia observar estrelas muito fracas e descobrir o que elas estavam fazendo. As Linhas de Fraunhofer Outro truque muito interessante que os astrônomos regularmente empregam baseia-se num achado do astrônomo alemão Fraunhofer, nos primeiros anos do século 19. Fraunhofer dirigiu o seu telescópio ao Sol e observou que ao passar por um prisma a luz solar se dividia em sete cores como também esse espectro multicolorido tinha linhas escuras. Estas linhas são chamadas hoje de linhas de Fraunhofer. Ninguém soube naquele momento o que elas significavam. Hoje nós sabemos o porquê dessas linhas. Essas linhas escuras são o código de barras dos átomos no sol, como um cientista graficamente os descreve. Espectro da luz visível com as Linhas de Fraunhofer As Linhas de Fraunhofer nos contam muitas coisas sobre o objeto celestial estudado. No caso do Sol, elas nos revelaram os tipos de elementos químicos presentes no sol e a temperatura da superfície, por exemplo. Realmente, o estudo das linhas espectrais é hoje uma arte e os astrônomos podem examinar linhas espectrais associadas com luz que vêm dos objetos mais distantes no espaço, chamados quasars (abreviação em inglês para: objetos quase estelares), que estão na extremidade do Universo visível. 6

7 Quanto aos objetos distantes, são as linhas espectrais que nos falam, aproximadamente, quão rápido o objeto está se movendo! Na realidade foi através de um cuidadoso estudo dessa natureza que astrônomo Edwin Hubble pôde estabelecer que nosso Universo está se expandindo. Veremos isso depois. O telescópio óptico foi a ferramenta principal dos astrônomos durante séculos e com anexos de última tecnologia como a máquina fotográfica de CCD, continua fazendo maravilhas. Mas um telescópio já não significa só tubos e lentes, ou espelhos feitos de vidro. Hoje há muitos tipos de telescópios, como o radio telescópio, o telescópio de microondas, o telescópio de infravermelho, o telescópio de raios x e o telescópio de raios gama. E no futuro não muito distante nós poderemos ter até mesmo um telescópio de neutrinos e um de força gravitacional. O progresso feito na segunda metade do século 20 é simplesmente incrível! Radiação Luminosa visível e invisível Bem, o que tudo isso significa? Para entender isto de uma maneira simples, comecemos com a luz solar. Como sabem todas as crianças na escola, quando a luz solar passa por um prisma de vidro, divide-se nas familiares sete cores do arco-íris. Nós descrevemos isso dizendo que o Sol emite luz em vários comprimentos de onda que vão do vermelho por um lado ao violeta do outro. Esta gama representa uma faixa de comprimento de ondas de aproximadamente 6000 Å Angströms; [um Angström é um décimo de uma trilionésima parte de um metro!] a 3000 Å. Será que o Sol também emite radiações em outros comprimentos de onda? Se for este o caso, por que nós não podemos vê-las? Nós parecemos ver só sete cores, todo o tempo. As cores do prisma. Este é um ponto Espectro de radiação da luz visível e não visível Foto do Sol tirada com telescópio de raios-x interessante que mostra o modo de Deus criar os sistemas! De fato, o Sol emite radiação em todos os comprimentos de onda, mas Deus, na Sua infinita sabedoria, considerou suficiente se nossos olhos fossem sensíveis àquela faixa do espectro onde a luz do Sol é mais luminosa! Algo semelhante também acontece no caso do som. Todos 7

8 nós só podemos ouvir sons com freqüências em uma gama limitada. Nós não podemos ouvir sons de alta freqüência e também não podemos ouvir sons de muito baixa freqüência. Porém, alguns animais podem ouvir freqüências que nós não podemos. Deus projetou um sistema de audição para servir aos animais e outro para servir ao homem, que é um ser diurno e por isso seu olho foi projetado para o dia e sua sensibilidade é limitada às regiões espectrais onde a luz do sol é mais brilhante. Por outro lado, há animais que se movem principalmente à noite e neles a sensibilidade do olho é bastante diferente. Quem pode negar que Deus é Grande! Qual é o ponto de tudo isso? Simplesmente que os objetos cósmicos podem emitir radiação em muitos comprimentos de onda diferentes, o que significa que para estudá-los nós temos de observá-los em tantos comprimentos de onda quanto possível. Assim, enquanto os primeiros estudos do sol foram executados inteiramente com base nas radiações visíveis, hoje os astrônomos estudam o sol em todos os tipos de freqüências, que vão da região do infravermelho à região do raio x. Isto é possível por causa de vários desenvolvimentos em tecnologia graças à qual nós temos agora todos os tipos de telescópios. Esses estudos de largo espectro e largas faixas de freqüência revelam muito mais. Alguns objetos celestiais não emitem nenhuma radiação visível; neste caso tem de se recorrer a uma astronomia não visível como radio astronomia, por exemplo. Os Lugares para se Apreciar a Glória de Deus Avanços em tecnologia também alteraram a cultura da pesquisa astronômica. Por exemplo, telescópios ópticos ficam mais bem situados em elevadas altitudes de forma que a perturbação atmosférica seja minimizada. Na atualidade há dois locais favoritos: o Havaí, e as montanhas dos Andes, no Chile. Foram construídos nesses locais telescópios de muito alto custo e o seu tempo O gigantesco Rádio Telescópio, Mumbai de uso para pesquisa é dividido na base de propostas científicas submetidas por vários grupos de pesquisa básica. Há perto de Bombay/Mumbai um rádio telescópio enorme conhecido como o GMRT (Gigantesco Metro Rádio Telescópio.) Este telescópio tem um arranjo de antenas que se parecem antenas de satélite para TELEVISÃO, só que muito maiores. Há mais de trinta destes, esparramados por uma área de cerca de trinta quilômetros quadrados. Este telescópio foi projetado para receber ondas de rádio de 1 metro de comprimento de onda - muitos objetos celestiais emitem este comprimento de onda. Radio Astrônomos do mundo inteiro solicitam tempo e o tempo disponível de observação é dividido com base em seleções feitas por um grupo internacional de cientistas. Tudo isso valeu a pena? Pode-se dizer que sim, a julgar pela quantidade de informação científica e conhecimento que foram obtidas. Uma pessoa poderia perguntar: Por que gastar tanto dinheiro nisso quando pessoas estão morrendo de fome, sede etc.? Isto parece uma pergunta pertinente, mas deve ser considerado por uma perspectiva correta. Se 8

9 examinarmos o orçamento mundial para explorarmos o Cosmos, veremos que é quase nada, comparado ao dinheiro gasto em aventuras violentas e improdutivas como guerra, aventuras prejudiciais como espalhar a profanação, jogo, etc. Não está então correto enxovalhar toda a pesquisa científica sem reflexão. O Conhecimento do Universo que o Todo poderoso e misericordioso criou para nós vivermos é bem vindo. Embora esse conhecimento seja só do Universo físico, ele nos ajuda a apreciar a Glória de Deus e as maravilhas com que Ele dotou a criação. Isto é tudo para este capítulo e eu quero mencionar que nós apenas começamos a nossa viagem! Há muito mais vindo! Enquanto isso gaste alguns momentos olhando para céu (se em sua parte do mundo não está coberto com fumaça e cheio de luz artificial.) Há Deus em toda a Sua Glória que olha para baixo, brilhando, sorrindo e nos abençoando. Tenha o Seu Darshan. Om Sai Ram 9

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I O princípio da astrofotografia O mundo da astrofotografia é muito divulgado e você provavelmente já fez parte dele. Se você já registrou

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

IV. Da luz visível à luz invisível

IV. Da luz visível à luz invisível IV. Da luz visível à luz invisível 1. o que é a luz A luz é o princípio de toda a ciência, porque é a luz que nos permite ver o mundo. Sem luz não existiria a relação íntima entre sujeito observador e

Leia mais

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: Sistema Solar 1 o Mercúrio 5 o Júpiter 2 o Vênus 6 o Saturno 3 o Terra 7 o Urano 4 o Marte 8 o Netuno Com certeza você já deve ter ouvido

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL

TELESCÓPIOS EIXO PRINCIPAL TELESCÓPIOS O telescópio é um aparato que coleta a luz e é a principal ferramenta de trabalho em Astronomia. A evolução do telescópio ao longo destes 4 séculos foi extraordinária e se confunde com a própria

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu

Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu Eu não tenho fé suficiente para ser um ateu Aula 2 Evidências do mundo natural: um universo projetado Wesley R. Silva e José Luiz F. Rodrigues Escola Bíblica de Adultos Agosto Setembro 2014 Einstein e

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1 Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M www.equifoto.com.br 1 A) Capa de lente B) Protetor de lente C) Lente objetiva 1) Controle ajuste fino de altitude D) Tubo principal 2) Trava azimutal

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10

Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O Comunicação e informação...9 1. Produção, processamento, propagação e armazenamento da informação... 10 ARMAZENAMENTO E PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES...10 O registro das informações...11

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 4 MMXV grupo B ALBERT EINSTEIN Imagens de supernova podem ajudar a testar teoria de Einstein

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ENSINO FUNDAMENTAL Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 2015 1 SUMÁRIO Unidade 1 Origem do Universo... 03 Unidade

Leia mais

Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa. João E. Steiner IAG/USP

Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa. João E. Steiner IAG/USP Telescópios: de Galileu à Óptica Adaptativa João E. Steiner IAG/USP A luneta em 1609 A primeira ilustração conhecida de um telescópio. Giovanbattista della Porta incluiu este desenho em uma carta escrita

Leia mais

O tamanho, idade e conteúdo do Universo.

O tamanho, idade e conteúdo do Universo. O tamanho, idade e conteúdo do Universo. Sumário Nosso endereço cósmico Distâncias e tamanhos no universo: Sistema Solar Estrelas Galáxias Aglomerados de Galáxias Universo Tamanho e idade do Universo Conteúdo

Leia mais

Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos. Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental

Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos. Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental Instrumentos astronômicos antigos Relógio de Sol Instrumentos astronômicos antigos Relógio hidráulico Instrumentos

Leia mais

Apostila de Atividades

Apostila de Atividades Apostila de Atividades IMAX A viagem pelo espaço continua aqui Transforme a sua sala de aula em uma divertida aventura pelo espaço. Assim que sua classe viver a experiência sem limites pelo universo com

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES CIËNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula 1.1 Conteúdo. O Universo

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES CIËNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula 1.1 Conteúdo. O Universo CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 1.1 Conteúdo O Universo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2 DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS Roteiro 1 Indicação de faixa etária: para todos os públicos Sessão de Planetário: Pode ser escolhida qualquer uma das sessões disponíveis em nossa programação. Exposição: Será realizada

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/

Galáxias. Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Galáxias Prof. Miriani G. Pastoriza http://www.if.ufrgs.br/~mgp/ Definição de gálaxia As galáxias são gigantescos sistemas formados por bilhões de estrelas e de matéria interestelar. O diâmetro típico

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

Descobrindo o Sistema Solar Denis E. Peixoto NASE, Brasil

Descobrindo o Sistema Solar Denis E. Peixoto NASE, Brasil Introdução Descobrindo o Sistema Solar Denis E. Peixoto NASE, Brasil Comumente, quando estudamos o Sistema Solar, nos deparamos com questões interessantes, tais como: quais os limites do nosso sistema

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Telescópios. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Telescópios Rogemar A. Riffel Telescópios Função: coletar a luz dos objetos, tornando possível o estudo de fontes muito fracas. Parâmetros fundamentais: Abertura da superfície

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues 4ºano Turma Mista O ESPAÇO Autora: Beatriz Rodrigues O que é e como é o Espaço? Os seres humanos chamam Espaço a tudo o que está fora da superfície e atmosfera terrestre. A maioria dos peritos acredita

Leia mais

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!!

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!! Astronomia História... O modelo grego para explicar o movimento dos corpos celestes foi estabelecido no século IV a.c. Neste modelo a Terra estava no centro do universo e os outros planetas, Sol e Lua

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS SUMÁRIO VOLUME 1 "Dentro de você existe um universo em permanente construção" Paulo Roberto Gaefte Capítulo 1 Astronomia 05 (Eclipses lunar e solar; Constelações; Relógio estelar; Relógio solar; Asteroides,

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL

ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL ASTROFÍSICA OBSERVACIONAL Roteiro Aula 1 Radiação Telescópios Instrumentos: espectrógrafos Detectores Aula 2 Espectroscopia Fotometria Imageamento Outras técnicas: astrometria, polarimetria, interferometria

Leia mais

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A LUZ PROVENIENTE DE ESTRELAS DISTANTES PROVA QUE O UNIVERSO É ANTIGO? Vivemos num universo

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia Introdução à Astronomia (AGA210) Notas de aula Cosmologia Enos Picazzio IAGUSP 2006 Esta apresentação é parcialmente baseada no capítulo Universo e Cosmologia, do livro virtual Astronomia e Astrofísica,

Leia mais

Expansão além. do Sistema Solar. Herschel, Laplace e Halley. Karenn Liège

Expansão além. do Sistema Solar. Herschel, Laplace e Halley. Karenn Liège Expansão além do Sistema Solar Herschel, Laplace e Halley Karenn Liège William Herschel Por volta de 1766, começou a estudar seriamente astronomia e matemática. Em 1781, mais precisamente no dia 13 de

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

Passos a seguir: A Windows to the Universe Citizen Science Event www.windows.ucar.edu/starcount. 20 outubro - 3 novembro 2008

Passos a seguir: A Windows to the Universe Citizen Science Event www.windows.ucar.edu/starcount. 20 outubro - 3 novembro 2008 Passos a seguir: O QUE é preciso? Caneta ou lápis Luz vermelha ou lanterna de visão nocturna GPS, acesso à internet ou mapa topográfico Guia de actividades (impresso) com relatório (formulário) COMO fazer

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz

Meios de Propagação. Raios e Feixes de Luz. O que é a Luz 2/4/2012. Fundamentos de. Fontes de Luz. Óptica Geométrica NÃO. Tipos de Pincéis de luz Óptica Geométrica Módulo 1 Óptica Geométrica : Estuda o comportamento de um raio de luz desde o momento que é emitido por uma fonte de luz, até a cegada a um sistema óptico para formação de imagens. Fundamentos

Leia mais

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia METEOROLOGIA Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia A meteorologia (do grego meteoros, que significa elevado no ar, e logos, que significa

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar Introdução à Astronomia Fundamental Distribuição de Massa Sol: 99.85% Planetas: 0.135% Cometas: 0.01%? Satélites: 0.00005% Asteroides e Planetas Menores: 0.0000002%? Meteoróides: 0.0000001%? Meio Interplanetário:

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

Material de estudo ROBÔS NO ESPAÇO. André Luiz Carvalho Ottoni

Material de estudo ROBÔS NO ESPAÇO. André Luiz Carvalho Ottoni Material de estudo ROBÔS NO ESPAÇO 2010 André Luiz Carvalho Ottoni Robôs no Espaço O spacewalker (veste robótica). O spacewalker, que significa andador espacial, é uma veste robótica projetada para os

Leia mais

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 Professor Danilo Lima Site: estudeadistancia.professordanilo.com PREFÁCIO Estas notas são divulgadas periodicamente no blog estudeadistancia.professordanilo.com A data

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades

A VISÃO. 02. A Ciência e a Tecnologia dependem muito do conhecimento que se tem da natureza e das possibilidades Aula n ọ 11 A VISÃO 01. Como funcionam exatamente os olhos? Até cerca do ano 1000 d. C., acreditava-se que os olhos emitiam luz e que essa luz de algum modo formava uma imagem. As pessoas pensavam que,

Leia mais

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

Uma estrela-bebê de 10 mil anos

Uma estrela-bebê de 10 mil anos 1 Uma estrela-bebê de 10 mil anos Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Email: jane@astro.iag.usp.br A versão original deste texto foi divulgada no CD-ROM da 48ª Reunião Anual da SBPC, na qual a conferência Estrelas

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino:

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: OBSERVANDO O CÉU Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Ensino Fundamental / Séries Iniciais 3º Ano

Leia mais