2. Física do Infravermelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Física do Infravermelho"

Transcrição

1 2. Física do Infravermelho A Luz Que Nossos Olhos Não Vêem O QUE É O INFRAVERMELHO? Nossos olhos são capazes de detectar ondas de luz visíveis. Luz visível é uma das poucas formas de radiação que conseguem penetrar a atmosfera e ser detectada na superfície da Terra. Porém, existem formas de radiação que não podem ser vistas. Na verdade, apenas uma pequena parte de todas as espécies de radiação pode ser vista. Essas formas de radiação podem ser dispostas no chamado espectro eletromagnético. O espectro eletromagnético inclui raios gama, X, ultravioleta, visível, infravermelho, microondas e ondas de rádio. A única diferença entre esses tipos de radiação são as suas freqüências e seus comprimentos de onda. Os comprimentos de onda aumentam e as freqüências (assim como as energias e as temperaturas) diminuem à medida que se percorre o espectro partindo dos raios gama em direção às ondas de rádio. Todas essas formas de radiação viajam a velocidade da luz ( metros por segundo, no vácuo). Além da luz visível, ondas de rádio, alguma radiação infravermelha e uma pequena quantidade de radiação ultravioleta também atingem a superfície terrestre a partir do espaço. Felizmente, nossa atmosfera bloqueia as demais ondas, muitas Espectro Eletromagnético Quando se olha o mundo, se vê ondas de luz visível (ou radiação visível). Existem, porém, muitas outras formas de radiação que não podem ser vistas. Esses tipos são os raios gama, raios-x, ultravioletas, infravermelhos, microondas e ondas de rádio. Juntamente com a luz visível, todos esses tipos de radiação compõem o chamado Espectro Eletromagnético, que é o espectro completo das radiações. Luz é feita de ondas que vibram seus campos magnético e elétrico. É por isso que se usa o termo radiação eletromagnética. Radiação eletromagnética viaja em ondas com diferentes comprimentos de onda, energias e freqüências. 1

2 das quais seriam danosas, se não letais, à vida na Terra. Radiação infravermelha está, no espectro eletromagnético, entre a luz visível e as microondas. Ondas infravermelhas apresentam comprimentos de onda maiores que os das ondas visíveis e menores que os das microondas, e apresentam freqüências que são menores que as das ondas visíveis e maiores que as das microondas. Simplificadamente os raios infravermelhos podem ser classificados em três categorias: curtos, médios e longos. Infravermelhos curtos estão na parte infravermelha do espectro mais próxima à luz visível e os infravermelhos longos referem-se aos raios presentes na região infravermelha do espectro mais próxima à região das microondas. Infravermelhos médios ocupam a região entre a dos infravermelhos curtos e longos. Todos os corpos emitem infravermelho quando acima do zero absoluto ( 273ºC). Do mesmo modo, uma pedra de gelo ou um iceberg emitem infravermelho. A vibração molecular cessa a zero absoluto ( o Kelvin = -273 o C). Qualquer temperatura acima de 0 o K produz movimento molecular e a quantidade de energia radiada liberada é proporcional a quarta potência da temperatura absoluta, como expressa na equação de STEFAN- BOLTZMAN. E = εσt 4 E = energia total emitida (Watts por metro quadrado) ε = emissividade σ = constante de proporcionalidade = 5,672x10-8 W -2 K -4 T = temperatura absoluta em graus K Comprimento de onda e freqüência. Comprimento de onda é a distância entre duas ondas consecutivas. Pode ser medida, por exemplo, vendo-se a distância de um pico a outro. Os comprimentos de onda na faixa de luz visível variam entre 400 a 700 bilionésimos de metro. O espectro eletromagnético como um todo, porém, abrange desde 1 bilionésimo de metro (raios gama) até alguns metros (algumas ondas de rádio). Freqüência é o número de ondas que passa por um ponto do espaço a cada segundo. A freqüência da luz visível varia entre 430 trilhões de ondas por segundo (vermelho) e 750 trilhões de ondas por segundo (violeta). O espectro eletromagnético, como um todo, apresenta freqüências de menos de 1 bilhão de ondas por segundo (ondas de rádio) e freqüências maiores que 3 bilhões de ondas por segundo (raios gama). Ondas de luz são ondas de energia e a quantidade de energia em uma onda é proporcional à sua freqüência. Comprimento de onda aumenta, enquanto freqüência e energia diminuem à medida que se percorre o espectro partindo dos raios gama em direção às ondas de rádio. Todas as radiações eletromagnéticas viajam a velocidade da luz ( metros por segundo no vácuo). Objetos espaciais enviam radiação eletromagnética em todos os comprimentos de onda, de raios gama a ondas de rádio. Cada tipo de radiação (ou luz) traz informações únicas de tal sorte que, para obter uma completa visualização do universo, precisase estudá-lo por todas as suas formas de luz, usando todas as partes do espectro eletromagnético. Quase tudo que se conhece sobre o universo foi resultado de estudos que estudou a radiação eletromagnética emitida ou refletida por objetos espaciais, inclusive luz infravermelha. 2

3 Assim, nosso corpo brilha como uma estrela, emitindo raios infravermelhos em todas as direções com intensidade de uma lâmpada de cerca de W. Porém, esta é uma luz não visível. A fonte primária de radiação infravermelha é o calor. Essa é a radiação produzida pelo movimento dos átomos e moléculas de um objeto. Quanto mais alta a temperatura, mais movimento de átomos e moléculas há e mais radiação infravermelha é produzida por eles. Qualquer objeto que apresente uma temperatura acima do zero absoluto (0 Kelvin ou -273,15ºC) emite radiação infravermelha. À temperatura de zero absoluto, toda movimentação atômica e molecular cessa. Mesmo objetos que aparentam estar muito frios, como um cubo de gelo, por exemplo, emitem radiação infravermelha. Quando um objeto não chega a ser quente suficiente para emitir luz visível, ele vai emitir a maior parte de sua energia na forma de infravermelho. Carvão queimando, por exemplo, pode não gerar luz, mas emite radiação infravermelha que pode ser sentida como calor. Quanto mais quente for o objeto, mais radiação infravermelha ele vai emitir. A imagem infravermelha de uma nave espacial pousando mostra como a parte inferior da nave aqueceu durante a reentrada. Seres humanos, à temperatura corporal normal, irradiam principalmente infravermelho com um comprimento de onda em torno de 10 micrômetros (1 micrômetro equivale a um milionésimo de 1 metro). Na imagem ao lado, as áreas vermelhas são as mais quentes, seguidas pelas amarelas, verdes e azuis (mais frias). A imagem ao lado mostra um gato em infravermelho. As áreas amarelo-esbranquiçadas são as mais quentes e as áreas em violeta são as mais frias. Essa imagem é capaz de mostrar um animal doméstico visto de uma forma diferente, de forma que se possam obter informações que não poderiam ser obtidas com uma fotografia normal, com luz visível. Note, por exemplo, o focinho frio e os olhos, boca e orelha quentes. A equação mais importante na prática de termografia infravermelha é uma fórmula derivada da fórmula de STEFAN-BOLTZMAN: E = εσ (Tc 4 - Ta 4 ) E = energia transferida (Watts por metro quadrado) ε = emissividade 3

4 σ = constante de proporcionalidade = 5,672x10-8 W -2 K -4 Tc = temperatura absoluta do corpo ou objeto (K) Ta = temperatura absoluta do ambiente (K) A equação demonstra que a energia transferida de um corpo para o ambiente é dependente da diferença de temperatura. Se há uma diferença térmica significativa entre o corpo e o ambiente haverá uma grande transferência de energia. Fisiologicamente esta perda de calor será detectada e iniciará mecanismos homeostáticos que influenciarão o termograma. Condições mínimas de equilíbrio são necessárias para permitir a determinação da energia normal transferida para o ambiente. Alguns animais, como cobras cascavéis, possuem sensores de calor infravermelho que podem perceber outros animais, como ratos, a um metro de distância. Isso permite a essas cobras encontrar animais de sangue quente, mesmo na mais profunda escuridão, detectando o calor infravermelho emitido por eles. A radiação infravermelha está presente no cotidiano. Apesar de os olhos humanos serem incapazes de percebê-la, a pele pode senti-la como calor. Os nervos sensíveis à temperatura podem mensurar a diferença entre a temperatura corporal e a temperatura ambiente. Usa-se, também, radiação infravermelha ao operar um controle remoto de televisão. Como a luz visível, que é dividida em cores, o espectro de emissão de infravermelho pode ser didaticamente dividido em: 1. Próximo 2. Curto 3. Médio 4. Longo 5. Distante O comprimento exato desta divisão é arbitrário e confuso ainda entre diferentes doutrinadores. Mas é certo, que a faixa de radiação de raios de infravermelho é 40 vezes maior do que a de luz visível, isto é, fornece muito mais informação (cores) do que a luz visível. 4

5 a) Infravermelho longo Considerando o corpo humano, foi demonstrado há cerca de 100 anos atrás que em um ambiente mais frio que o corpo, muito do excesso de calor bioquímico é dissipado por radiação (RUBNER, 1894; GUYTON, 1992). Contudo, nenhum detector infravermelho era disponível naquela época e a relação entre radiação infravermelha e temperatura ainda não era compreendida. A termometria sem contato, por monitorização da radiação associada ao calor do corpo humano, teve que esperar pelo advento da física quântica. Além disso, devido à baixa energia e baixa intensidade da radiação pelo corpo negro emitido pela temperatura da pele, a teletermometria biológica não foi prática até o desenvolvimento de detectores quânticos infravermelhos sensíveis e precisos (ANBAR, 1987). Para entendermos a estreita relação entre temperatura e radiação dissipada, primeiro devemos entender que, a qualquer temperatura, um corpo em questão emite radiação (fótons/cm 2 ) em várias freqüências e comprimentos de onda, dado pela curva de Plank, abaixo: 5

6 Curva de Planck Assim, podemos observar claramente que, para nosso corpo em análise, a pele humana, a uma faixa de temperaturas entre 30 a 34ºC, a região de melhor radiação será nos comprimentos de onda entre 7,5 a 13 µm (mais precisamente entre 9,57 a 9,41 µm). Espectro este que se caracteriza justamente pelo infravermelho (o qual varia desde 0,7 a 14 µm, aproximadamente), conforme podemos notar no gráfico abaixo: Conclui-se então que a emissão de raios infravermelhos pelo corpo humano é maior na faixa espectral do infravermelho longo, entre 7,5 a 13 µm. Também denominado de far infrared (FIR) ou long wave infrared (LWIR). 6

7 De acordo com a lei de Planck, a emissão máxima a 36,6ºC é de 9,3 µm. Desta forma, é importante que os instrumentos médicos de infravermelho operem nesta faixa. Equipamentos que trabalham na região entre 3 a 5 µm (infravermelho médio) são mais apropriados para corpos de temperatura acima de 100ºC, e não para estudo do corpo humano. A Figura acima mostra que todos os objetos emitem energia IR no espectro entre 1 25 µm. A energia total emitida é a área abaixo da curva. Quanto maior a temperatura maior a proporção de energia radiante emitida próxima do λ max e o comprimento máximo de onda emitido de energia se dirige ligeiramente em direção aos comprimentos de ondas mais curtos. Se a temperatura aumenta ainda mais, além do pico demonstrado na Figura, o espectro de emissão de energia se aproximará da luz visível e o objeto brilhará vermelho com a energia emitida. Para fins de termografia é suficiente notar que um objeto a 37 o C (temperatura do corpo humano) emite energia sobre um largo espectro com um máximo de energia emitida a 9,3 µm. A curva difere em todos os pontos e a área abaixo da curva que representa o total de energia radiante emitida, é proporcional se medida de 1 5 µm, 1-10 µm ou 1-20 µm. A janela atmosférica não é importante para medidas em curta distância como as realizadas na sala de exame. Diferente do que ocorre quando se realiza medidas de corpos a grande distância este valor deve ser corrigido na câmera (distance) para que o valor da temperatura seja o mais preciso possível. A radiação IR não é absorvida pelo ar seco assim tem quase uma faixa infinita. Porém é absorvida pela umidade do ar e reirradiada. Embora tenha pequenas conseqüências para a área médica isto reduzirá tanto a resolução espacial quanto térmica com o aumento da distância. 7

8 Os raios de infravermelho são invisíveis a olho nu e indicam na verdade o grau de agitação molecular, também denominada de energia cinética. A temperatura é resultado do movimento das partículas de que é composta uma substância. A temperatura é tanto maior quanto maior a energia desta movimentação. A temperatura do corpo humano normal é de 36,6±0,7 C (98,2±1,3 F). Em outras palavras, mais calor representa maior fluxo sanguíneo e vice-versa. A onda de raio infravermelho longo apresenta diversas características além do alto comprimento de onda, entre 7,5 e 13 µm, também: baixa freqüência (3x ,3x10 14 Hz), alta velocidade ( m/sec) e intensidade (amplitude) variável. É a intensidade que realmente é mensurado pelo sensor e que corresponde à energia que é transferida em determinado intervalo de tempo. É o quanto de calor passa por uma superfície, dividido pelo tempo e pela área, W/m 2. É o que se define como brilho na imagem. A condução de calor não é uma característica exclusiva apenas do infravermelho, mas sim de todos os tipos de ondas. Ao contrário do que se poderia imaginar, a luz visível transfere mais energia térmica do que o próprio infravermelho na mesma intensidade, pois quanto menor o comprimento de onda, maior sua energia. Em resumo, a câmera de imagem IR converte a energia irradiada pela superfície de um corpo em uma imagem visível, é o que se denomina espectroscopia no infravermelho longo. 8

9 b) Sensibilidade das mãos Enquanto o imageamento infravermelho é capaz de detectar diferenças de 0,1ºC a 0,05ºC entre dois pontos com 1 mm de distância, nosso cérebro é incapaz de perceber diferenças menores de 2ºC, apesar das terminações nervosas da pele humana responderem a mudanças térmicas tão pequenas quanto 0,009ºC. Em outras palavras, atualmente um sensor térmico é 20 a 40 vezes mais sensível que nossa mão para detectar 2 pontos a 1 mm de distância. Para piorar isto ainda mais, nossa percepção térmica não é muito precisa, podemos muitas vezes considerar uma maçaneta mais fria do que uma peça de madeira, apesar das duas estarem à mesma temperatura. Quanto menor a diferença térmica, menor a sensibilidade. Isto se deve ao fato da diferença de condutividade, capacidade térmica e geometria do objeto. Na semiótica clínica o dorso da mão é utilizado para acessar a temperatura. Contudo, o estado de percepção térmica da mão também varia com estado do avaliador. Fatores como jejum, sono e horário do dia também podem influenciar na sensibilidade das mãos. c) Emissividade da pele Se a mão for transiluminada com luz branca, vários comprimentos de ondas serão atenuados em diferentes graus. A menor atenuação ocorre na região do espectro da luz vermelha e menos ainda do infravermelho longo. Por este motivo a mão aparece vermelha como na figura ao lado. A pele humana é um excelente emissor e absorvedor de energia infravermelha independente da sua cor. A eficiência é de 94 a 99%, o que é indicado pela emissividade (e) média de 0,978. Quando um corpo atinge 100% é definido como corpo negro. No caso da pele humana ela é quase um corpo negro ideal. Também devemos observar que a análise de Plank se baseia para o chamado corpo negro, ou melhor, um corpo que não apresenta qualquer refletividade de radiações externas, e que irradia sua 9

10 energia interna a uma taxa de 100%. No caso da pele, pesquisas constatam que podemos considerar a mesma com uma taxa de irradiação de 97-99%, e de reflexão de apenas 1-3%. Ou melhor, a pele irradia 97-99% de sua energia interna (como um corpo negro o faria a 100%), e reflete somente 1-3% da energia externa irradiada sobre a mesma, a qual é proporcional à temperatura do ambiente. Os primeiros esforços pesquisados que apontaram para a importância da emissão infravermelha da pele humana e então iniciaram a era da moderna teletermometria foram os estudos de HARDY, em 1934 (HARDY, 1934a,b,c,d; 1936). Levaram outros 30 anos antes da tecnologia permitir aperfeiçoar esta importante idéia em muitos laboratórios pelo mundo. Primeiramente observando-se a pele como um corpo negro ideal (emissividade de 100%, conforme já observado), temos que entre 30 o e 35 o C, o fluxo de fótons emitidos pela pele é de no máximo, respectivamente, 1,58 a 1,69 x fótons/cm 2 por segundo. Assim, como tivemos esse aumento no fluxo em um intervalo de 5ºC, o fluxo de fóton aumenta de 100 x 0,11/(1,58 x 5) = 1,39% por o C. Escrevendo-se de outra forma, podemos assim notar que para uma variação de 1% na emissividade, ou fluxo de fóton, teremos uma variação estimada de 0,7ºC na temperatura da pele). Em conseguinte, analisando-se a pele humana de forma mais realista, supõe-se que devido à mesma ser composta de uma grande variedade de componentes orgânicos, todos eles são fortemente absorvidos na região do infravermelho. A pele absorve cerca de 97-99% da radiação eletromagnética incidente na sua camada mais superficial (<10 µm de espessura) (WOODROUGH, 1982; ANBAR, 1994a). Em outras palavras, na região entre 9 a 10 µm, a pele simula um corpo negro de emissividade de cerca de 97-99% e uma refletividade correspondente (refletividade = 1 emissividade) de somente 1-3%. O efeito da refletividade na acurácia da mensuração térmica depende da média de temperatura do ambiente, especialmente da refletividade infravermelha e da temperatura das superfícies que revestem o objeto mensurado. A correção da temperatura aparente da pele pela sua refletividade na faixa do 10 µm é relativamente pequena se o ambiente tiver uma temperatura uniforme que é algo menor do que da pele viva; esta condição é geralmente a encontrada em ambiente de clinicas convencionais de imagem térmica. Tal componente real apresenta uma leve correção de nosso modelo anterior, onde a pele era comparada a um corpo negro perfeito, de somente 0,1 o C por % de emissividade reduzida. Esta estimativa teórica da correção térmica é próxima (dentro de 10%) a correção necessária para um detector infravermelho de banda larga; comumente usado. Se comparar o fluxo de fóton detectado por um detector infravermelho HgCdTe de banda larga na faixa de 8 a 13 µm, obter-se-á para 32 o C e 22 o C um fluxo de 8,40x10 17 e 7,20x10 17 fotóns/cm 2 por segundo, respectivamente (CARTER, 1992). As mudanças do fluxo de fóton acima de 10 o C na faixa entre 8 a 13 µm é, assim, 100x1,2/7,40 = 16,2%, que é comparável às mudanças de 18,2% (0,25/1,37 = 0,182) na faixa entre 9 a 10 µm. Na realidade, mesmo se a temperatura mensurada do ar na sala de exame é aproximadamente 22 o C (71 o F), o fluxo infravermelho ambiental, que é refletido da pele, corresponde a um aumento da temperatura de 3 a 5 o C, devido as emissões infravermelhas da aparelhagem aquecida e das pessoas (incluindo o paciente examinado) que são refletidas pelas superfícies do ambiente (ANBAR, 1994a). Isto reduz a correção para a baixa emissividade da pele de 30 a 50% (isto é, cerca de 0,05 o C a menos por % de emissividade reduzida). Em resumo, o comportamento não ideal da pele como um corpo negro não afeta fortemente a acurácia da teletermometria infravermelha da pele sob condições de mensurações clínicas. Desde que a alta qualidade das câmeras comerciais permitiu uma precisão de <0,005 o C e uma acurácia de 0,02 o C, deve-se assumir que a emissividade cutânea permanece constante dentro de 0,1% durante um exame e que a temperatura ambiente permanece constante dentro de 0,2 o C, uma presunção que pode ser verificada somente usando-se uma câmera que provê ambas, emissividade e dados de temperatura. A duração de um exame pode ser alguma coisa entre alguns segundos e algumas semanas, no caso de um seguimento terapêutico. Também o ambiente deve permanecer em constante emissão (ambas, temperatura e emissividade) durante o exame, para evitar artefatos nas mensurações térmicas. Em qualquer caso, é fácil de aceitar que estas suposições com uma emissividade de 97% a 10 µm do que com baixa emissividade substancialmente de 70% a 6 µm (HOUDAS, 1982). A emissividade da pele não é uniforme, áreas com reflectividade relativamente maior podem se mostrar como áreas mais frias. É o caso de superfícies úmidas onde o valor da emissividade deve ser corrigido na câmera para menos. Os artefatos que podem diminuir a emissividade são: ulcerações, crostas, pêlos, suor, talco, loções, óleos, pomadas, desodorantes, água etc. 10

11 Novamente, objetos podem absorver ou refletir a energia radiante que incide sobre eles. Se um objeto reflete toda a energia radiante no espectro da luz visível, sua cor é branca, se ele absorve toda a luz visível, ele é preto. Igualmente, se um objeto absorve toda a radiação IR ele é denominado corpo negro. Um corpo negro, que recebe energia radiante, deve converter aquela energia em outra forma ou reemití-la, às vezes em outro comprimento de onda. Este é o princípio no qual um objeto negro se torna aquecido sob a luz solar. Ele absorve energia do espectro da luz visível e converte em energia térmica. Ele então irradiara energia do espectro da luz visível e convertera em energia térmica. Ele então irradiará mais energia no espectro IR. Se um objeto tem alta reflectância, isto é, pouca energia é absorvida, então ele terá baixa emissividade; se um objeto tem baixa reflectância, ele irá absorver energia radiante, reemitindo-a, e então, terá alta emissividade (ε, epsilon). A pele humana tem uma alta emissividade na faixa do IR, próxima àquela do corpo negro. Nas equações apresentadas anteriormente, a emissividade (ε, epsilon) aproxima-se de um e geralmente pode ser considerada %. Além do mais, uma vez que o fator é uma constante para muitas condições na pele normal tem pouca significância na interpretação. Certas condições, porém a emissividade da pele humana pode mudar significativamente. Nestes casos, embora o valor numérico seja indeterminado, o papel da emissividade deve ser considerado. Um erro na emissividade tão pequeno quanto 0,02 pode representar um erro na temperatura próximo a 0,5 o C. Outro detalhe importante que pode alterar a emissividade é a inclinação da câmera maior do que 40º em direção do objeto, o que deve ser evitada sempre. Uma consideração prática em termografia médica é o ângulo de visão para detecção térmica. Como descrito anteriormente, é normal muita radiação IR na superfície dos objetos, com exceção de objetos planos e polidos que vão proporcionar microsuperfícies radiantes em todas as direções. Devido sua textura, a pele irradia amplamente em muitos ângulos. Isto possibilita filmar em incidências padrões (anterior, posterior, lateral), melhor do que em contínuo arco ao redor do corpo. Embora, quanto mais inclinado o ângulo menor é a proporção de energia radiante em direção ao detector. Isto é particularmente verdadeiro quando o ângulo aumenta 40 o (superfície ou plano). Esta consideração é importante quando a temperatura na periferia do objeto esta sendo filmada e avaliada. Se o detector não está perpendicular ao plano do objeto, a diferença no ângulo incidente para as duas superfícies, a formada entre o detector e a superfície cutânea, são a soma de ambos os ângulos e pode representar uma significativa distorção da resolução térmica. 1.1 Sensor Infravermelho Como demonstrado nas Figuras anteriores a 37ºC a maior parte da energia IR radiada de um objeto está na faixa de 2-25 µm. Diversos detectores (radiômetros) foram desenvolvidos para quantificar e registrar o fluxo de energia radiante em faixas do IR médio e longo, como o de índio-antimônio (InSb) e mercúrio-cádmio-telúrio (HgCdTe). Eles se diferenciam em sua praticidade, custo, viabilidade, sensibilidade, velocidade e eficiência. A função de um detector IR é converter a radiação incidente em outra forma de energia que seja proporcional à energia IR e mensurável em unidades. 11

12 Modernos detectores convertem energia IR em energia elétrica que pode ser amplificada e mensurada utilizando-se tecnologia convencional. Os detectores respondem ao aumento de temperatura devido aumento da vibração de moléculas. Esta atividade molecular libera elétrons em proporções a radiação absorvida. Obviamente, a temperatura ambiente, elétrons são constantemente liberados produzindo um sinal elétrico constante. Um excesso de energia radiante maior que o meio irá aumentar o sinal somente na proporção do aumento de temperatura. Assim, para pequenas diferenças térmicas, o sinal aproximará de um, e é denominado ruído. Para maximizar a eficiência de um radiômetro, o sinal espontâneo deve ser reduzido, para que a energia IR originada produza o máximo sinal possível. Um ótimo sinal, ou seja, baixo nível de ruído é obtido resfriando-se o detector a temperaturas mais baixas possíveis. Antigamente muitos equipamentos de termografia resfriavam seu detector com nitrogênio líquido (LN 2, -196 o C). Outros utilizavam a evaporação do gás argônio (Ar) ou Hélio (He) comprimido. Porém, modernos equipamentos resfriam os detectores com aparelhos piezoelétricos de refrigeração. Pequenas e portáteis, as câmeras atuais de infravermelho são compostas de um detector infravermelho tipo plano focal (FPA focal plane array) microbolômetro de quarta geração sem refrigeração, um mecanismo de escaneamento eletroóptico e controles eletrônicos. Faz uma imagem de 120x120 a 640x480 pequenos pontos no campo visual. Assim, quando o sinal eletrônico é mostrado na tela de raio cátodo, a imagem escaneada de 16-bits resultante contém de a pontos de informação, dependendo do tipo de sensibilidade do sensor que está sendo utilizado. Quanto ao tamanho da área de medição, a uma distância de 1 m entre a câmera e o objeto, cada ponto representa uma medida precisa correspondente a uma área de superfície cutânea de 1 mm 2, esta é denominada resolução espacial (spatial resolution). Em outras palavras, possui resolução espacial (IFOV) de 1,3 a 0,65 mrad, para visualização de pontos quentes de 14 mm a distâncias de 10 metros, com lente padrão e sem lentes adicionais (telescópicas ou grande angulares). Algumas ainda com recurso de ampliar a imagem (zoom digital) até 8 vezes. Atualmente com sensores mais avançados de sensibilidade extremamente alta, de menos 20 mk a 30 C com uma freqüência de imagem de 9 até 60 Hz e medições ultra-precisas, pode-se aplicá-lo além da medição térmica cutânea, também na avaliação estática de detalhes anatômicos e funcional da perfusão de órgãos e tecidos. Mais avançado ainda são os sensores do tipo Quantum Well Infrared Photodetector (QWIP) que fornecem sensibilidade extremamente alta, de menos 20 mk a 30 C com uma freqüência de imagem de 50/60 Hz, ideal para aplicações que requerem medições ultra-precisas, como detalhes anatômicos e avaliações da perfusão de órgãos e tecidos. 12

13 É impossível obter a energia radiante de todo um objeto em uma única imagem isto porque os detectores convertem a energia incidente mais em sinal elétrico do que em imagem fotográfica. Em vez disso, discretos pontos são visualizados em seqüência e toda a imagem do objeto é copiada como um acúmulo de discretos pontos em um tubo de raios catódicos lado a lado de forma a escanear todo o objeto. Como ocorre na imagem de TV. Cada ponto deve ter energia suficiente para excitar o detector e liberar elétrons. O tamanho do menor ponto suficiente para excitar o detector depende do material do detector, temperatura, distância, ângulo e assim por diante, como já comentado. O maior ponto também é importante. O acúmulo de pontos muito grandes irá obscurecer a discriminação térmica e espacial. Evidências sugerem que para termografia médica um tamanho máximo de pelo menos 2 mm para o diâmetro do ponto é suficiente para resolução térmica e espacial. Os equipamentos de termografia médica moderna comumente consideram um ângulo de no mínimo cerca de 1,3 mrads. Isto significa que eles capturam uma imagem instantaneamente de um tamanho de aproximadamente 1 mm de diâmetro a uma distância de 1 m do detector. Este tamanho está apropriado com os limites de resolução necessários para a prática de termografia médica. O sinal elétrico amplificado de um detector IR pode ser registrado e quantificado de várias maneiras. Inicialmente a resposta elétrica a informação térmica é mostrada no monitor como intensidade. Um forte sinal, representando alta energia radiante de um objeto, produzirá um ponto brilhante (branco) na tela, contrastando com um baixo sinal (negro) de fundo. Os pontos acumulados representam a composição de uma imagem. Os sinais de saída podem ser interrompidos em faixas proporcionais de sinais detectáveis e cada segmento pode ser representado por uma única cor utilizando-se de recursos eletrônicos padrões (escala de cinza gray ou do ferro iron ) ou escalas multicoloridas ( rainbow ). Assim uma imagem multicolorida, representando discretas faixas térmicas (isotermas), pode ser vista em um monitor colorido. Esta imagem pode ser gravada em forma de vídeo digital por software dedicado do computador para posterior análise. Cada ponto detectado pode ser digitalmente armazenado por um computador. Pode-se assim gravar, trazer de volta e quantificar comparações de qualquer ponto ou região dentro da imagem digitalizada. Nestas comparações entre imagens, se devem tomar precauções como utilizar a mesma referência térmica. Considerações práticas Sem levar em conta a captação de energia radiante de um objeto sólido angulado, ou curvado, diversas considerações práticas influem na utilização médica da termografia. Primeiro, a energia é emitida de um ponto em diversas direções. Grande parte da energia é emitida em uma linha normal (perpendicular) a superfície que está sendo filmada, mas a quantidade de energia captada é, obviamente, dependente da distância do detector com a superfíce. Esta observação é análoga a captação de luz visível pelo olho. Quanto mais perto estamos de um objeto, dentro de limites, mais luz nosso olho irá captar e mais clara ficará a imagem percebida. Por esta razão é mais prático estar o mais próximo possível do objeto. Uma vez que um ponto é de aproximadamente 1 mm a 1 m de distância uma aproximação maior que 1 m 13

14 começa a por em risco a resolução. Distâncias maiores que 1 m irão aumentar a área do objeto contribuindo com o sinal térmico e também diminuindo a resolução espacial e térmica. Por outro lado, se a imagem ocupa menos que a metade da tela do monitor, a nitidez (resolução espacial) fica prejudicada. 14

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Sistema de Radiação Térmica

Sistema de Radiação Térmica Sistema de Radiação Térmica Londrina-Paraná 16 de maio de 2013 Aluna: Thais Gomes Venâncio Sistema de Radiação Térmica Relatório de Laboratório de Moderna I, feito pela aluna Thais Gomes Venancio, ministrado

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra 1. Na figura seguinte estão representados os espectros térmicos de dois corpos negros, na zona do

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Prova 3 Física QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Física QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE FÍSICA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado FÍSICA 01 O diagrama abaixo mostra um brinquedo

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO. Vigilância através de câmeras térmicas

BOLETIM INFORMATIVO. Vigilância através de câmeras térmicas BOLETIM INFORMATIVO Vigilância através de câmeras térmicas Índice Introdução 3 1. Geração de imagens térmicas 3 2. O que possibilita o seu uso? 4 3. Quanto mais frio vai ficando detectores resfriados 5

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com.

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com. Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula Unidade III Biofísica da Visão valnirp@terra.com.br Roteiro Fundamentos Físicos Biofísica da Visão Normal Processos

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

FÍSICA IV AULA 04: AS EQUAÇÕES DE MAXWELL; ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TÓPICO 03: ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO Arco-íris[1] Raio-x[2] Micro-ondas[3] Ondas de rádio[4] Televisão[5] À primeira vista pode parecer

Leia mais

Termómetros de radiação. Radiação. Termómetros de radiação. Instrumentação Aula 03. o Medidor de não contacto, mais especificamente

Termómetros de radiação. Radiação. Termómetros de radiação. Instrumentação Aula 03. o Medidor de não contacto, mais especificamente Instalações, Equipamentos e Instrumentação Aula 03 Medição da temperatura:. fundamentos da radiação. termómetros de radiação (não contacto). calibração Termómetros de radiação 2 o Medidor de não contacto,

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Sistema Básico de Inspeção Termográfica

Sistema Básico de Inspeção Termográfica Sistema Básico de Inspeção Termográfica Um novo patamar na relação custo / benefício em Termografia *Eng. Attílio Bruno Veratti Conceito geral A Inspeção Termográfica é a técnica de inspeção não destrutiva

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 GUIA DO USUÁRIOE Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 Introdução Parabéns pela sua compra do Detector de Temperatura do Ponto de Condensação Modelo IRT600!

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE FÍSICA 9 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Movimento Grandezas e unidades - Unidades de medida - Conversão de unidades Conceitos iniciais - Movimento e repouso - Trajetória Posição

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

LOM3084 - INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS LOM 3084 INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

LOM3084 - INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS LOM 3084 INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS LOM3084 - INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS LOM 3084 INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Prof.Dr. José Benedito Marcomini LOM3084 - INSPEÇÃO E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS REFERÊNCIAS: METALS HANDBOOK, VOL.17;

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Termistor. Termistor

Termistor. Termistor Termistor Aplicação à disciplina: EE 317 - Controle e Automação Industrial Este artigo descreve os conceitos básicos sobre termistores. 1 Conteúdo 1 Introdução:...3 2 Operação básica:...4 3 Equação de

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 06: Ondas longitudinais e ondas transversais; Medida do comprimento de uma

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL FÍSICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém oito questões, constituídas de itens e subitens, abrangendo um total de doze páginas,

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A 1. (UFRGS-2) Ao resolver um problema de Física, um estudante encontra sua resposta expressa nas seguintes unidades: kg.m 2 /s 3. Estas unidades representam (A) força. (B) energia. (C) potência. (D) pressão.

Leia mais

Termovisor FLIR E6. Foco Fixo Microbolômetro não refrigerado Tela LCD colorido 3.0 pol. 320 240 Frequência da Imagem

Termovisor FLIR E6. Foco Fixo Microbolômetro não refrigerado Tela LCD colorido 3.0 pol. 320 240 Frequência da Imagem Termovisor FLIR E6 Especificações Termovisores FLIR Série ExGeração de Imagem e Dados Ópticos Resolução térmica 160 120 Resolução MSX 320 240 Sensibilidade Térmica

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Scanner Térmico IR. Modelo IRT500

GUIA DO USUÁRIO. Scanner Térmico IR. Modelo IRT500 GUIA DO USUÁRIO Scanner Térmico IR Modelo IRT500 Introdução Obrigado por escolher o Extech Model IRT500. O IRT500 Laser Duplo que Scanner Térmico de IR é projetado com um laser duplo, um alarme audível/visual,

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição

Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição Enunciados de problemas de radiação e de permutadores de calor de Incropera e De Witt 5ª Edição 12.6 - De acordo com a sua distribuição direccional, a radiação solar incidente sobre a superfície da terra

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

SOLUÇÃO: RESPOSTA (D) 17.

SOLUÇÃO: RESPOSTA (D) 17. 16. O Ceará é hoje um dos principais destinos turísticos do país e uma das suas atrações é o Beach Park, um parque temático de águas. O toboágua, um dos maiores da América Latina, é uma das atrações preferidas

Leia mais