GUARDA NACIONAL NA PARAHYBA: vigiando e punindo em nome da ordem ( ) Lidiana Justo da Costa 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUARDA NACIONAL NA PARAHYBA: vigiando e punindo em nome da ordem (1831-1850) Lidiana Justo da Costa 1"

Transcrição

1 GUARDA NACIONAL NA PARAHYBA: vigiando e punindo em nome da ordem ( ) Lidiana Justo da Costa 1 Segue daqui hoje uma escolta de 4 guardas nacionaes, e 2 municipais, que conduzem, o preso criminoso de morte Antonio Pereira dos Santos o qual tendo vindo o ano passado a ser julgado no Juri desta Vila, não o foi por não se ter este reunido, e regressando para a capital, evadira-se na Alagoa Grande sendo agora preso, deliberei, que fosse conduzido por na escolta mista, afim de evitar, que não tornasse a evadir-se, visto ser um preso recomendável pelos crimes, que demais dizem ser; 2 Esta correspondência informa sobre a prisão de Antonio Pereira dos Santos, considerado perigoso pelas autoridades, este personagem foi encaminhado para ser julgado no júri da Vila de Areia, e evadira-se na Alagoa Grande sendo agora preso, o preso segundo informa a respectiva correspondência era recomendável pelos crimes, tratava-se de um assassino que havia burlado a lei, adiado seu julgamento e posterior prisão. Portanto, para evitar mais uma fuga ou resistências, Antonio Pereira dos Santos, estava sendo escoltado por 4 Guardas Nacionais e 2 municipais. Através deste episódio, possivelmente corriqueiro no cotidiano de vigilância e punição na Província da Parahyba do Norte, buscaremos investigar a importância da Guarda Nacional nesta província, percebendo além de sua atuação, os personagens que deram vida a milícia, chamando atenção para o período regencial, considerado como o laboratório da nação, no entendimento do historiador Marcello Basille (2009). A Guarda Nacional foi criada pelo regente Diogo Antônio Feijó, conforme a Lei de 18 de agosto de O motivo de sua criação está vinculado aos conturbados acontecimentos, que marcaram os momentos iniciais da Regência. O historiador Richard Graham (1997) afirmou que a revolta do Malês, em Salvador; a Cabanagem, no Pará; a Farroupilha no Rio Grande do Sul; a Balaiagem e a Sabinada suscitaram o temor das elites, além disso, essas elites temiam que a exemplo do Haiti, os escravos do Brasil fizessem uma revolução como a que aconteceu na colônia francesa no século XIX. O temor destes movimentos contrários a ordem que se tentava construir, foi peça fundamental para se compreender o porquê da criação da Guarda Nacional. 1 Mestranda do PPGH da Universidade Federal da Paraíba. 2 Correspondência do Brejo de Areia, enviada no dia 3 de setembro de 1836 ao presidente da Província da Parahyba do Norte, Antonio Joaquim de Mello Albuquerque. Arquivo Público da Funesc, cx 13, Ano

2 Criada num contexto em que até o Exército, representava uma ameaça e era visto com suspeição. Suspeição esta advinda dos oficiais partidários a D. Pedro I, de má reputação, relativamente fraco ou não merecedor de confiança (GRAHAM, 1997, p. 93). Mas embora visto com suspeição pela Regência, o mesmo não deixou de existir, voltando a ganhar importância em 1850, quando da reforma da Guarda Nacional. A lei de 18 de agosto de 1831, apontava em seu artigo 1º que: a guarda era a força auxiliar do exército de linha na defesa das fronteiras e costas (Leis e Decretos Brasil, 1875, p 49), ou seja, no âmbito interno, o exército recebeu o reforço da força civil, representada pela Guarda Nacional. Neste cenário nacional, podemos perceber que na província da Parahyba do Norte, houve morosidade dos responsáveis por erigir a Guarda Nacional, e isto foi bastante combatido pelo governo central. Nos reclames do vice-presidente da Província, Francisco José Meira, ele questionou o fato de ser esta a única capital de província que ainda não tem Guarda Nacional. Em resposta, a Câmara Municipal da Parahyba do Norte, disse: Esta camara Exmo Sr. Apesar de reconhecer a Justiça que assiste a V.Exª nesta parte, com tudo previne a V.Exª isenta deve estar dos reproches de V.Exª, e da publica censura pelas razões que possa mostrar, querendo isentar-se da morosidade a Câmara Municipal pôs-se a responsabilizar ao de Santa Rita pela morosidade e apatia em que se achava vendo aquela mesma camara as dificuldades que suscitaram no distrito de Santa Rita pela repugnacia que apresentava o juis de paz 3, (Grifos meus). Em outro documento, de abertura da sessão da Assembléia Legislativa na Parahyba em 1839, o respectivo presidente da província João José de Moura Magalhaens, fala dentre outras coisas, que a Guarda Nacional tem encontrado bastantes dificuldades, e obstáculos para seu andamento, e progresso, e grandes esforços, e trabalhos é precizo empregar, para fazer d ela uma verdadeira Milicia Nacional, que preencha devidamente os salutares fins da Lei de sua creação 4. Passados já oito anos da lei de criação, verificamos que havia ainda grandes dificuldades para que os municípios viessem de fato, a formar suas companhias, batalhões ou seções. 3 Correspondência enviada pela Câmara Municipal da Parahyba, expondo os motivos que retardaram a criação da Guarda Nacional. Arquivo Público Funesc, cx 10, ano: 1830/ Fala do presidente da província da Parahyba do Norte, o Dr. João José de Moura Magalhaens, na abertura da segunda sessão da 2.a legislatura da Assembléia Legislativa da mesma provincia no dia 16 de janeiro, de Pernambuco, Tip. de M.F. de Faria, (566). Disponível em: 2

3 Esta correspondência nos leva a questionar as teias frágeis de relação deste estado em construção, e leva-nos tentar a identificar que o distanciamento do governo central, em relação a algumas províncias, possibilitava ou não estas negligências dos responsáveis por fazer cumprir a lei. Mas seria mesmo negligência? Acreditamos que não, afinal, como informa a correspondência, esforços estavam sendo empregados. Mas em muitas vilas, podemos constatar através da documentação que dispomos, a falta de livros de matrículas, a relação de eleitores dos distritos, e até exemplares da lei que não chegavam em quantidades suficientes, atrasando, portanto, a formação da Guarda. Este fato em particular, possivelmente afetou as demais províncias do império, são conjecturas que ainda estamos desenvolvendo. Portanto, ao nosso entender a Parahyba do Norte, foi entrando aos poucos e lentamente nesse ordenamento, a força nacional transfigurada na Guarda Nacional embora carregue um peso muito grande, tinha bases frágeis tendo em vista a amplitude do território nacional e evidentemente e as dificuldades do governo central para equipá-la, sabemos que este governo pouco gastou com a milícia, afinal, os Guardas deveriam comprar seus uniformes, muitos acabavam contribuindo para a compra de alguns armamentos URICOECHEA (1976). Ainda não dispomos da quantidade exata de Companhias, Batalhões e Seções, da Guarda Nacional distribuída por toda província da Parahyba do Norte. Mas, através deste documento, podemos ao menos vislumbrar a organização e distribuição destes corpos na capital da província. A comissão nomeada para dar o seu parecer acerca do disposto no Capº 3º da Lei de 18 de agosto de 1831, julga conveniente serem divididos os Guardas deste Município em dois Batalhoes ( que formar podem uma Legião) o 1º tendo por Parada a Rua Nova, onterá quatro Compªs na cide, ûma em a Povoação de Santa Rita, e ûma em a do Socorro: ûma sessão de Compª em Gramame, ûma Compª em Tambaú, e outra finalmente em Cabedelo. O 2º porem tendo por parada o patio, e cercado do Engº Gargaú, onterá duas Compª no mesmo Distrito do livramento, ûma em a Povoação da Bathalha, e outra, finalmente em a Praia de Lucena 5. Na sessão de seis de novembro de 1833, a Câmara Municipal da Parahyba do Norte, apontou a conveniência em se dividir as Legiões de Guardas Nacionais. É proposta pela Câmara, a divisão da Legião existente na cidade em dois Batalhões. Sendo o primeiro, na Rua Nova, e o segundo, no pátio do Engenho Gargaú. O 1º Batalhão foi subdividido em 4 companhias sendo: 5 Essa informação consta na correspondência da Câmara Municipal da Parahyba do Norte, sendo a mesma, um parecer ao Artº 4 da Lei de 18 de agosto de 1831, sobre a formação de Guardas Nacionais nos Municípios. Arquivo Público Funesc, cx 10, ano: 1830/

4 uma na povoação de Santa Rita, Socorro (esta com uma Seção de Companhia em Gramame), Tambaú e Cabedelo. Por sua vez o 2º Batalhão situado no Engenho Gargaú, foi dividido em duas Companhias, uma em Batalha e outra na praia de Lucena. Numa leitura foucaultiana sobre o poder, podemos compreender que as Companhias, Comandos e Batalhões foram organismos que tal como uma teia foram se espalhando pelos pontos estratégicos, exercendo também um olhar que está alerta em toda parte (1997, p186). Nessa perspectiva acreditamos que a distribuição dos corpos da Guarda Nacional, tenha se pautado nesse viés panóptico (FOUCAULT, 1997, p.186) de poder. Na lei de sua criação, podemos perceber que as funções da Guarda Nacional, eram múltiplas, e o caso do personagem Antonio Pereira dos Santos, prisioneiro perigoso, conduzido por guardas nacionais e municipais, nos dá pistas quando pensamos sobre quais as funções da Guarda na província da Parahyba do Norte. No caso acima, verificamos a condução de um criminoso da Vila de Areia para a capital da província. Sendo assim, queremos apontar que as atribuições de um Guarda Nacional consistiam em: capturar criminosos, conduzir prisioneiros a julgamento, transportar valores, patrulhar cidades e municípios, vigiar a cadeia e, não menos importante, dispersar comunidades de escravos fugitivos (GRAHAM, 1997, p.92). Como podemos observar, eles acabavam exercendo funções que caberiam as forças policiais das províncias. Nesse sentido, no regulamento de 7 de outubro de 1833, do comando da Guarda Nacional da Vila de Bananeiras, o respectivo regulamento foi submetido a aprovação do tenente coronel Leonardo Bezerra Cavalcante e especificava, baseado na Lei de 18 de agosto de 1831 a vigia da Cadeia e Quartel do Corpo e condução de presos e oficiais, caso não demore este serviço mais que três dias 6. Outro relatório do presidente da província da Parahyba do Norte, o tenente coronel Frederico Carneiro de Campos, afirma que embora com dificuldades com a escassez de armamentos, outros Comandos Superiores da Guarda Nacional, estavam se esforçando para manter a ordem pública: 6 Regulamento para o serviço ordinário do Comando da Guarda Nacional da Vila de Bananeiras, datado do 7 de outubro de 1833, submetido a aprovação do Comandante do mesmo batalhão o tenente coronel Leonardo Bezerra Cavalcante. Arquivo Público Funesc, cx 10, Ano: 1830/

5 Os outros Commandos Superiores, apezar de desprovidos de armamentos, tem conntudo coadjuvado as deligencias, de justiça na captura de criminozos, auxiliando a Polícia em pontos onde não ha destacamentos, e na condução de indivíduos vadios, ou de conducta irregular que vem com destino para o exército ou armada 7. Podemos vislumbrar a partir deste relatório que embora fossem constantes os reclames das autoridades ao governo central, no que concerne a falta de armamentos, a Guarda Nacional, nem por isso deixava de exercer seu papel como auxiliar das forças policiais, queremos chamar atenção para a condução de indivíduos vadios, ou de conducta irregular que vem com destino para o exército ou armada, estes indivíduos eram forçadamente inseridos no exército muitas vezes como punição, ser um guarda nacional era preferido, a ter que parar nas fileiras do exército, MENDES (2010). Convidamos o leitor a entrar conosco no universo da historiografia 8 sobre a temática, com o intuito de aprofundar questões sobre a construção do estado nacional tentando entender como os estudiosos trataram essa questão e qual abordagem que deram a Guarda nesse momento de busca pela unidade nacional. Nos anos 70 o sociólogo Fernando Uricoechea (1976) no Minotauro Imperial, procurou discutir sobre o desenvolvimento de uma administração burocrática patrimonial no Brasil, e questionou o papel do patrimonialismo no processo de construção do estado burocrático, dando destaque nesse processo de construção, para a Guarda Nacional. Segundo o sociólogo, esta seria uma instituição mista, semelhante ao minotauro da mitologia grega, metade humano e metade animal, assim era a Guarda, metade privada e metade pública. Essa abordagem empregada pelo sociólogo, de viés weberiana, é algo que pretendemos superar, respaldados por novos estudos que rompem com esta versão. Percebe-se que nos anos 80, o historiador José Murilo de Carvalho (2007) na obra A construção da Ordem visualizou que o momento de construção do estado nacional brasileiro, esteve vinculado à atuação de uma elite de formação coimbrã. A unidade foi possível segundo sua concepção, devido a homogeneidade ideológica e de treinamento (CARVALHO, 2007, p. 21), estes elementos foram à mola propulsora para que fossem mediados os conflitos intra- 7 Relatório apresentado a Assembléia Legislativa da Parahyba, em maio de 1846, pelo presidente da província, o tenente coronel Frederico Carneiro de Campos. Disponível em Acesso em 5 de Junho de Na historiografia local, não foi possível perceber a Guarda Nacional da Parahyba tomada como objeto de estudo. Cf. PINTO (1977), revista nº 3, p 117 do IHGP. O que há, são referências esparsas. 5

6 elite, unindo-as envolta de um modelo de dominação política. Sua discussão aponta ainda que essa homogeneidade ideológica perpassava a educação, a ocupação e a carreira política (CARVALHO, 2007, p. 21). Ainda que não aprofunde a discussão sobre a Guarda Nacional, José Murilo, admite sua relevância para a manutenção da ordem local. Na contramão desta concepção, Ilmar Rolhoff de Mattos (2004), no Tempo Saquarema, a unidade nacional foi possível graças a uma elite, mas uma elite específica, a elite saquarema, concentrada no Rio de Janeiro. Foi esta elite dirigente, que conseguiu neutralizar os Luzias com concessões intencionais e hierárquicas. E assim, implantar as diretrizes da unidade nacional. Numa linha inovadora e que nos interessa em particular, é a versão de Miriam Dolnikoff (2007). Na obra O Pacto Imperial é possível perceber um universo, onde várias culturas políticas 9 se confrontam na negociação de um poder que se pretende instaurar. A historiadora analisou esse processo como conflituoso, ambos os lados tiveram que negociar, sendo assim, estabeleceu-se um pacto entre as elites centristas e as elites provinciais, mas apesar desse pacto, houve vários momentos de tensão entre centro e províncias, mas essas tensões eram negociadas até chegar num comum acordo. Sobre isto, ela citou vários exemplos e debates dentro das assembleias provinciais, que visavam à defesa de seus interesses, nos estados de Pernambuco, São Paulo e Rio Grande do Sul, através desses exemplos fica muito claro que os governos provinciais desfrutaram de muita autonomia e souberam barganhar com isso, fazendo valer suas prerrogativas até chegar a um arranjo institucional. E, como frisou Foucault (1990, p221) o poder é mais complicado, muito mais denso e difuso que um conjunto de leis ou um aparelho de estado. Dito isto, apontamos o estudo precursor de Jeanne Berrance de Castro A milícia cidadã: a Guarda Nacional de , que estudou a respectiva milícia na província de São Paulo, atentando também em entender como a mesma, esteve articulada ao projeto da revolução dos 7 de abril, em instaurar uma ordem. Em outro estudo, o de Flávio Henrique Dias Saldanha Oficiais do Povo: Guarda Nacional em Minas Gerais oitocentista procurou se distanciar de abordagens há muito cristalizada na historiografia sobre a Guarda, como aquela vinculada à figura lendária do coronel intimidador. O historiador analisa a formação da Guarda Nacional, nesse processo de construção do estado nacional, centrando-se nos critérios de seleção social, do ser votante, e, a 9 Usamos Culturas Políticas com a mesma conotação dada pela interpretação de Rodrigo Patto Motta (2009). 6

7 discussão principal centra-se em identificar os indivíduos carismáticos que chegaram ao oficialato. Neste caso o que seria da Guarda Nacional, sem seus indivíduos votantes? O que levou Sérgio Buarque de Hollanda a perceber na Guarda Nacional, uma milícia relativamente democrática 10? Questões como estas despertam no pesquisador o olhar para os personagens protagonistas, ou não, que deram vida à milícia nas províncias, em especial a Parahyba do Norte. O perfil legal dos homens que deveriam integrar a Guarda Nacional está especificado na Lei de 18 de agosto de Conforme o critério de seleção entende-se que desde que fosse cidadão 12 eleitor, independente da cor, se obedecesse aos postulados da lei, seriam alistados na Guarda Nacional. Sendo, portanto, democrática no entender de Sergio Buarque de Hollanda. Na investigação documental foi possível encontrar algumas listas de qualificações de diversos municípios no período de 1837, com critérios de identificações semelhantes como: nomes, qualidades, estados civil e profissão. Através desses informes é possível conhecer os personagens. Encontramos no recorte de 1833 uma lista na qual as qualidades estavam subdivididas em (A, B e D), ainda não foi possível chegar a uma conclusão, mas suposições de que se trate da categoria social destes indivíduos ou critérios de cor. Nesse caminho marcado de suposições, uma lista de qualificação de Cornetas 13, datada do dia 22 de outubro de 1833, da cidade de Bananeiras, ou seja, dois anos depois da lei de criação da Guarda, chamou bastante atenção. Sem mas delongas vamos à mesma: (...) Cosme Marinho de Araujo natural da cidade da Paraíba, casado, com 25 anos de idade quando sentou praça, tem quatro pés de altura, cabellos e olhos pretos, cor negra. (...) Salvador Soares natural da Vila de Bananeiras solteiro com 20 anos de idade que sentou praça tem quatro pes e meio de altura cabellos e olhos pretos, Indio. (...)Manoel Ferreira de, natural de Jaguaribe Província de Ceará, casado com 21 anos de idade quando sentou Praça com três pes e meio de altura, semi-branco, cabelos pretos, e olhos azuis (...) Sobre essa afirmação Cf. Jeanne Berrance de Castro (1977). 11 Ser do sexo masculino, eleitor, ter no máximo 18 anos e no mínimo 60 anos de idade, deveria ter renda superior a 100 mil réis anuais. Não tinham a obrigação de integrar a mesma: os membros de forças armadas, funcionários da Justiça, quem exercesse o sacerdócio, os dispensados compreendiam também pessoas doentes, estudantes, pessoas de posse, os carteiros e os magistrados. Cf. Lei e Decretos Brasil (1875). 12 Sobre o conceito de cidadania nos oitocentos Cf. José Murilo de Carvalho (2011). 14 Informes do Tenente coronel Leonardo Bezerra Cavalcante sobre as mudanças dos cornetas, do Batalhão de Guardas Nacionais da Vila de Bananeiras datada de 22 de outubro de Arquivo Público Funesc, cx 10, ano 1830/

8 No documento vemos o caso Tenente Coronel Leonardo Bezerra Cavalcante, da longínqua vila de Bananeiras, informando da mudança de cornetas. O que aparentemente parece um mero documento burocrático vai além, quando detalha os nomes e qualidades dos Cornetas, que seriam substituídos por outros, veio à surpresa, ele citou as características físicas destes personagens. Na Parahyba do Norte, Cosme Marinho, homem casado e que assentou praça aos 25 anos, tinha quatro pés de altura, cabelos e olhos pretos e cor negra. O outro, Salvador Soares, natural de Bananeiras, meio centímetro mais alto que Cosme Marinho, possuía cabelos e olhos pretos e era índio. O terceiro, Manoel Ferreira, tinha apenas 21 anos de idade à época que assentou praça, era casado, cabelos pretos, olhos azuis, e era pardo, embora o Tenente classifique-o como semibranco. Um negro, um índio, e um semi-branco ou pardo, ocupando em Bananeiras o posto de cornetas da Guarda Nacional, os três com habilidades para manejar instrumentos. Depois de terem cumprido o ofício por um determinado período, eles preparavam-se para serem substituídos, não se sabe ainda se seriam dispensados. E, porque não analisar essas substituições, como uma possibilidade de ascensão? Talvez os respectivos Guardas estivessem desempenhando tão bem suas funções, que o Tenente Coronel Leonardo Bezerra Cavalcante, estivesse cogitando para os tais personagens, promoções. Esta questão deixaremos em aberto. Neste estudo, caminhamos num espaço onde foi possível entender a busca das autoridades central e regional pela unidade da nação, procurando perceber o sentimento de insegurança tão temido pelas elites. Nesse sentido, destacamos como surgiu a mantenedora da ordem e os caminhos para sua criação na Parahyba do Norte, destacando sua atuação e funções na respectiva província. Propomos-nos a lançar um olhar na literatura sobre a temática, tentando em linhas breves compreender como alguns estudiosos compreendem o período da construção do estado, sempre voltando nosso olhar para a Guarda Nacional na província da Parahyba, traçando através das pistas e sinais deixados pela documentação, os perfis dos homens livres e votantes que deram vida a milícia. O presente artigo é resultado das pesquisas que começamos sobre a Guarda Nacional na Parahyba do Norte como proposta da seleção de mestrado do PPGH/2011, portanto, as 8

9 possibilidades de análises e abordagens não se esgotam aqui. É um estudo inovador visto a ausência da temática como objeto de estudo, na historiografia paraibana. Referências BASILE, Marcello. O Laboratório da Nação: a era regencial ( ). In: GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo. (orgs.). O Brasil Imperial ( ). Vol. II, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p BRASIL. Leis e Decretos. Lei s/n. de 18 de agosto de Rio de Janeiro, Typographia Nacional, p

10 CASTRO, Jeanne Berrance de. A milícia cidadã: A Guarda Nacional de 1831 a São Paulo: Ed Nacional, CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Cidadania no Brasil: o longo Caminho. 14 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, DOLHNIKOFF, Miriam. O Pacto Imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 36 ed. Rio de Janeiro: Vozes, GRAHAM, Richard. Clientelismo e Política no Brasil do Século XIX. Rio de Janeiro: UFRJ, PINTO, Irineo Ferreira. Datas e Notas para a História da Paraíba, 2 vols. 2 ed. facsimilar. João Pessoa: Ed. Universitária/ UFPB, MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema. 5ª edição, São Paulo: Hucitec, MENDES, Fábio Faria. Recrutamento Militar e Construção do Estado no Brasil Imperial. Belo Horizonte: Argumentum, MOTTA, Rodrigo Pato (org.). Culturas Políticas na História: novos estudos. Belo Horizonte: Argumentum/FAPEMIG PINTO, Irineo Ferreira. Datas e Notas para a História da Paraíba, 2 vols. 2 ed. facsimilar. João Pessoa: Ed. Universitária/ UFPB, SALDANHA, Flávio Henrique Dias. Os Oficiais do Povo: A Guarda Nacional em Minas Gerais Oitocentista, Annablume: Fapesp, 2006 URICOECHEA, Fernando. O Minotauro Imperial. A burocratização do Estado patrimonial brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro/São Paulo: DIFEL, Fontes Correspondência enviada pela Câmara Municipal da Parahyba, expondo os motivos que retardaram a criação da Guarda Nacional. Arquivo Público Funesc, cx 10, ano: 1830/

11 Correspondência da Câmara Municipal da Parahyba do Norte, sendo a mesma, um parecer ao Artº 4 da Lei de 18 de agosto de 1831, sobre a formação de Guardas Nacionais nos Municípios. Arquivo Público Funesc, cx 10, ano: 1830/1833. Informes do Tenente coronel Leonardo Bezerra Cavalcante sobre as mudanças dos cornetas, do Batalhão de Guardas Nacionais da Vila de Bananeiras, datada de 22 de outubro de Arquivo Público Funesc, cx 10, ano 1830/1833. Relatório apresentado a Assembléia Legislativa da Parahyba, em maio de 1846, pelo presidente da província, o tenente coronel Frederico Carneiro de Campos. Disponível em Acesso em 5 de Junho de

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico

As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico As elites regionais e locais no processo de construção do Estado e da nação brasileiros: um breve balanço historiográfico Pablo de Oliveira Andrade Universidade Federal de Ouro Preto NOS ÚLTIMOS ANOS OS

Leia mais

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831)

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) Larissa Biato de AZEVEDO No período do Primeiro Império brasileiro (1822-1831), entre os assuntos relacionados à

Leia mais

AS COMPANHIAS MILICIANAS DE PEDESTRES NO MARANHÃO (DÉCADA DE 1820)

AS COMPANHIAS MILICIANAS DE PEDESTRES NO MARANHÃO (DÉCADA DE 1820) AS COMPANHIAS MILICIANAS DE PEDESTRES NO MARANHÃO (DÉCADA DE 1820) Mayra Cardoso Baêta de Oliveira 1 Introdução Este trabalho apresenta resultados preliminares do subprojeto As Companhias de Pedestres

Leia mais

Juízes de paz no Império do Brasil: análise da experiência da magistratura leiga e eletiva na Província da Paraíba (1824-1840)

Juízes de paz no Império do Brasil: análise da experiência da magistratura leiga e eletiva na Província da Paraíba (1824-1840) Juízes de paz no Império do Brasil: análise da experiência da magistratura leiga e eletiva na Província da Paraíba (1824-1840) Jerlyane Dayse Monteiro dos Santos Mestranda em História pela UFPB jerlyanedayse@yahoo.com.br

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL

PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL PANOPTISMO: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, A CIDADE VIGIADA, NA ÓTICA OFICAL MACEDO¹, Diego; ANDRADE¹, Daniel; DÓRIA¹, Vinícius; GASPARETO¹, Darci. Orientador Prof. MSc RIBEIRO¹, Gilson. ¹Universidade do Vale do

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES. Edgard Antônio de Souza Júnior

ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES. Edgard Antônio de Souza Júnior ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES Edgard Antônio de Souza Júnior Oficial da Polícia Militar de Minas Gerais (1º Tenente QOPM) Professor de Direito Penal (Comum e Militar)

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

VOLUNTÁRIOS DE PAU E CORDA : OS POPULARES E A RESISTÊNCIA NA GUERRA DO PARAGUAI. (1864-1870)

VOLUNTÁRIOS DE PAU E CORDA : OS POPULARES E A RESISTÊNCIA NA GUERRA DO PARAGUAI. (1864-1870) VOLUNTÁRIOS DE PAU E CORDA : OS POPULARES E A RESISTÊNCIA NA GUERRA DO PARAGUAI. (1864-1870) GLADYS SABINA RIBEIRO A guerra entre o Paraguai e a Tríplice Aliança foi um fato que alterou toda a configuração

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA. Plano de Ensino UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Plano de Ensino Disciplina: História do Brasil Monárquico (HST 7404) Carga Horária: 72 horas/aula

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO SANTOS, Claudney Silva dos E-mail: claudney21@hotmail.com Novas perspectivas historiográficas

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS. PALAVRAS-CHAVE: Classe senhorial; Brasil Império; propriedade.

A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS. PALAVRAS-CHAVE: Classe senhorial; Brasil Império; propriedade. A LEI HIPOTECÁRIA DE 1864 E A PROPRIEDADE NO OITOCENTOS 1 PEDRO PARGA RODRIGUES * RESUMO: A Lei de Terras de 1850 e a Reforma Hipotecária de 1864 foram apresentadas por alguns pesquisadores como originadoras

Leia mais

ALISTAMENTO MILITAR não poderá receberá de imediato e gratuitamente

ALISTAMENTO MILITAR não poderá receberá de imediato e gratuitamente ALISTAMENTO MILITAR Para Alistar-se, todo Jovem do sexo Masculino que nasceu em 1997 (ou de anos anteriores) e que resida em Araxá-MG, deverá comparecer até 30 de Junho deste ano na 13ª Junta de Serviço

Leia mais

Edyene Moraes dos Santos

Edyene Moraes dos Santos INDEPENDÊNCIA, PODERES LOCAIS E A ORGANIZAÇÃO DO Edyene Moraes dos Santos (mestranda pela UFPB) Resumo: A organização de um Estado Nacional pós-independência vinculou-se à reorganização das elites nacionais

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery

Jornada Pedagógica Pastoral 2011. Divane Nery Jornada Pedagógica Pastoral 2011 Divane Nery Uma Breve História dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil Por Gisella Werneck Lorenzi* Até 1900 Final do Império e início da Republica Não se tem

Leia mais

O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS

O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS O EXERCÍCIO DE ESTUDO E PESQUISA EM PROCESSOS CRIMINAIS: O CRIME DA FAZENDA CANOAS João Olímpio Soares dos Reis. Mestre em Ciências da Educação pelo Instituto Pedagógico Enrique José Varona Havana/Cuba.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo

Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Desigualdade Racial e Segurança Pública em São Paulo Letalidade policial e prisões em flagrante SUMÁRIO EXECUTIVO AUTORAS PROFª DRª JACQUELINE SINHORETTO GIANE SILVESTRE MARIA CAROLINA SCHLITTLER 02 de

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade Universidade Estadual do Ceará UECE PROGRAMA DE DISCIPLINA 2012.

Governo do Estado do Ceará Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade Universidade Estadual do Ceará UECE PROGRAMA DE DISCIPLINA 2012. Governo do Estado do Ceará Mestrado Acadêmico em Políticas Públicas e Sociedade Universidade Estadual do Ceará UECE Formação da Sociedade Brasileira 2012.2 PROGRAMA DE DISCIPLINA 2012.2 Professor: Francisco

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

REVISTA EDUCARE ISEIB - MONTES CLAROS - MG V. 2 2006 ORDEM E JUSTIÇA NO IMPÉRIO: OS RELATÓRIOS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS

REVISTA EDUCARE ISEIB - MONTES CLAROS - MG V. 2 2006 ORDEM E JUSTIÇA NO IMPÉRIO: OS RELATÓRIOS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS ORDEM E JUSTIÇA NO IMPÉRIO: OS RELATÓRIOS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS Alysson Luiz Freitas de Jesus Lourdes Anália Oliveira Cotrim 2 Resumo: O presente texto procura avaliar alguns aspectos

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

A Construção da Cidadania e o Direito no Brasil do oitocentos

A Construção da Cidadania e o Direito no Brasil do oitocentos A Construção da Cidadania e o Direito no Brasil do oitocentos Bruna Guimarães Silva * Objetivamos neste estudo enunciar uma reflexão sobre a relação entre o Direito e a cidadania no cerne da formação do

Leia mais

GRANDE ORIENTE DO BRASIL

GRANDE ORIENTE DO BRASIL GRANDE ORIENTE DO BRASIL Por Rubens Barbosa de Matos * Em 23 de maio de 1951 entrou em vigor uma nova Constituição do Grande Oriente do Brasil, a partir da qual este passou a ser exclusivamente uma Potência

Leia mais

A CRIAÇÃO DA PROVÍNCIA DO PARANÁ: UMA AGENDA DE PESQUISA

A CRIAÇÃO DA PROVÍNCIA DO PARANÁ: UMA AGENDA DE PESQUISA DOI: 10.4025/4cih.pphuem.172 A CRIAÇÃO DA PROVÍNCIA DO PARANÁ: UMA AGENDA DE PESQUISA Vitor Marcos Gregório Doutorando pelo programa de História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Leia mais

A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE (1850 1870).

A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE (1850 1870). A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE (1850 1870). LEONARDO POLTOZI MAIA Mestrando do PPGH UFSM Universidade Federal

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

História da PMPB 1. AS ORIGENS

História da PMPB 1. AS ORIGENS História da PMPB 1. AS ORIGENS Criada ainda no tempo do Império, a Polícia Militar é, atualmente, o mais antigo órgão público em atividade no Estado da Paraíba. Para que se possa avaliar a importância

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da

Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Ata da terceira sessão extraordinária. Aos doze dias do mês de abril do ano de dois mil e treze, às dez horas, no Plenário Rui Afonso de Almeida da Câmara Municipal de Perdizes, Estado de Minas Gerais

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão :

1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : Vai Ter Específica 1. (Unicamp) Referindo-se à expansão marítima dos séculos XV e XVI, o poeta português Fernando Pessoa escreveu, em 1922, no poema Padrão : E ao imenso e possível oceano Ensinam estas

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

Política provincial e a construção do estado nacional brasileiro: Minas Gerais (1834-1844)

Política provincial e a construção do estado nacional brasileiro: Minas Gerais (1834-1844) Política provincial e a construção do estado nacional brasileiro: Minas Gerais (1834-1844) Alexandre Mansur Barata 1. Nos últimos anos, apesar das diferenças teórico-metodológicas a separar os estudiosos,

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

A historicidade da Segurança Pública no Brasil e os desafios da participação popular

A historicidade da Segurança Pública no Brasil e os desafios da participação popular A historicidade da Segurança Pública no Brasil e os desafios da participação popular Gleice Bello da Cruz Assistente Social e especialista em Metodologia de Enfrentamento da Violência contra a Criança

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

FRONTEIRA E FORMAÇÃO DO ESTADO: COLONIZAÇÃO MILITAR EM MEADOS DO OITOCENTOS A PARTIR DE UMA PROVÍNCIA DO NORTE

FRONTEIRA E FORMAÇÃO DO ESTADO: COLONIZAÇÃO MILITAR EM MEADOS DO OITOCENTOS A PARTIR DE UMA PROVÍNCIA DO NORTE FRONTEIRA E FORMAÇÃO DO ESTADO: COLONIZAÇÃO MILITAR EM MEADOS DO OITOCENTOS A PARTIR DE UMA PROVÍNCIA DO NORTE ARTHUR ROBERTO GERMANO SANTOS 1 1. Introdução O texto que se segue é um detalhamento de pesquisa

Leia mais

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA) NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS A PARTIR DAS AÇÕES ARMADAS DO PCBR (BAHIA, DÉCADA DE 1980). Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior Prof. Marcílio A. F. Feitosa Avaliação das Instituições de Educação Superior A Avaliação Institucional é um dos componentes

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA DO BRASIL: UMA BUSCA POR CIDADANIA

OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA DO BRASIL: UMA BUSCA POR CIDADANIA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg Nota sobre a I Conseg Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Ciências Sociais da Universidade Católica

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais