Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações"

Transcrição

1 Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Coletânea de Normas e Julgados de Telecomunicações: Glossário de Direito das Telecomunicações [ Atualizado até 31 de dezembro de 2008 ] Organizadores Márcio Iorio Aranha (Direito) João Lima (Ciência da Informação) Catalogação de Julgados Juliana Rezio Patrick Faria Raphael Nunes Renata Santoyo Renato Soares Rosa Amaral Catalogação de Decisões da ANATEL Artur Coimbra Catalogação de Decisões do TCU Rodrigo Fernandes Coleta, Tratamento e Inserção de Dados Laura Lira Equipe: Elisa Leonel e Raphael Nunes Edições anteriores: Artur Coimbra e Daniela França Realização: Apoio Institucional: Filiado ao: Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações da UnB Núcleo de Direito Setorial e Regulatório da Faculdade de Direito da UnB Outras instituições apoiadoras: Universidade de Brasília União Internacional de Telecomunicações Núcleo de Multimídia e Internet da UnB Teletime News

2 Série Grupos de Pesquisa Nº. 2, Vol. 3 Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações, Vol. 2, N. 4 Revisão: Membros do GETEL/UnB Criação dos Ícones: Núcleo de Multimídia e Internet/UnB A622 Aranha, Márcio Iorio (Organizador) Glossário de Direito das Telecomunicações / Márcio Iorio Aranha (Organizador), João Alberto de Oliveira Lima (Organizador) ; - - Brasília : Grupo de Estudos em Direito das Telecomunicações da Universidade de Brasília, 2009 xxiv, 144 f. ; 29 cm Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações, Vol. 2, N Brasil - Lei Geral de Telecomunicações (1997) 2. Brasil - Direito das Telecomunicações I. Título. CDD:

3 GETEL/UnB - Grupo de Estudos em Direito das Telecomunicações da UnB (www.getel.org) Coordenador: Prof. Márcio Iorio Aranha Membros Integrantes do GETEL: Gabriel Laender (membro fundador) André Moura Gomes Artur Coimbra Daniel Gomes Denianne Duarte João Lima Laura Lira Lisia Galli Lívia Denise Marina Villela Miriam Wimmer Patrick Faria Pedro Felizola Raphael Nunes Renata Quelho Renata Santoyo Renata Tonicelli Renato Bigliazzi Renato Ferreira Rodrigo Fernandes Rosa Amaral Victor Cravo Membros Colaboradores do GETEL: Angola Octávio Domingos Machado Argentina Juvina Intelángelo Bolívia Diego Böhrt, Ivan Caballero, Mauricio La Fuente, Jorge Paulo Sanjines Marin, Hernan Robert Mayorga Rocha Cabo Verde Ana Cristina Lima, Carlos Lopes Silva Chile Maria Ignacia Parada, Roberto Gerardo Von Bennewitz Álvarez Colombia Camilo Valencia, Ilia Marina, Guilhermo Alberto, Lina Maria Del Vecchio, Zoila Consuelo Vargas Mesa, Franklin Merchan Calderon Costa Rica Roberto Toribio, Illiana Maria Rodriguez Quiros, Ricardo Rudín Barth Cuba José Besil Necuze, Mayra Ruiz Perera, Manuel Héctor Blanco Suarez, Zenaida Celia Marreno Ponce de Leon Ecuador María Luisa Perugachi, Sandra Catalina Cabezas Rea, Juan Ramón Seminario Esparza El Salvador Carlos Eduardo Valle, Fernando Téllez, Carlos Maurício Canjura Guillen Guatemala Juan Pablo González, Willard Amilcar López Reyes Guiné-Bissáu Nelson de Barros, Martilene Lopes Fernandes dos Santos Guinea Ecuatorial Emilio-Mangue Maye Malabo Haiti Thompson Christophe Honduras Eduardo Gandour Laínez, Manuel Alvarado, Rigoberto Torres Zelaya, Juan Carlos Urquia Quito México Rodrigo Guzmán Nicaragua Marisol Scarleth, Jaime José Sanchez Lacayo Moçambique Flávio Buque, Francisco Eduardo Chate, José Sumbana, Júlio Buque, Lúcio José Avelino, Virgílio Varela, Constâncio Ernesto Sumalgi Trigo Panamá Alkin Bernal, Fidel Navarro, Oscar Octávio Tapia Pereira Paraguay Miguel Acosta, Nicolás Alberto Evers Ibarrola Perú Fátima Ponce Regalado, Janeth Madelene, María Arellano, María Rosario Schrader, Ernesto Loayza, Patrícia Cristina Carreño Ferre República Dominicana Fausto Hernandez, Duardy Manuel Estrella Taveras São Tomé e Princípe Cecilio Sacramento, Constancio Quintas Timor Leste José Fernandes Leite, Jualino Rosario, Teotónio Santa Filomena de Assis Uruguay Graciela Coronel Grillo, Margarida Krause, Leonardo Carlos Delbono, Leslie Glenn Green Mendina Agradecimentos especiais aqueles, que, independentemente de suas atribuições funcionais, viram na formação de cultura jurídica em telecomunicações um esforço imprescindível para o desenvolvimento nacional. Universidade de Brasília - Reitor: Prof. José Geraldo de Sousa Junior Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações da UnB - Diretor: Prof. Murilo César Ramos Grupo Interdisciplinar de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações - Coordenador-Geral: Prof. Murilo César Ramos Coordenadores de Área (Direito): Márcio Iorio Aranha e Ana Frazão Coordenadores de Área (Economia): Paulo Coutinho, André Rossi e Bernado Mueller Coordenador de Área (Engenharia): Humberto Abdalla Jr. Coordenador-Administrativo: Luís Fernando Ramos Molinaro Faculdade de Direito da UnB - Diretora: Profª. Ana Frazão Agência Nacional de Telecomunicações - Presidente: Ronaldo Mota Sardenberg Conselho Diretor - Conselheiros: Antonio Domingos Teixeira Bedran, Emília Maria Silva Ribeiro, João Batista Rezende, Plínio Aguiar Júnior União Internacional de Telecomunicações - Secretário-Geral: Hamadoun I. Touré Escritório Regional da UIT para as Américas - Chefe: Juan Zavattiero i

4 ii

5 No tempo, todo sistema jurídico dura, mas só perdura, transformando-se internamente (Carbonnier, J. Sociologie juridique. Paris: Armand-Colin, 1972, p. 165) iii

6 iv

7 Sumário Apresentação... vii Lista de Abreviaturas e Siglas... ix Glossário Símbolos Letra A Letra B Letra C Letra D Letra E Letra F Letra G Letra H Letra I Letra J Letra L Letra M Letra N Letra O Letra P Letra Q Letra R Letra S Letra T Letra U Letra V Letra Z v

8 vi

9 Apresentação A Escola do Direito Natural dos séculos XVII e XVIII se propôs a produzir um direito novo mediante sistematização exaustiva da matéria jurídica, almejando alcançar leis poucas e claras, simples, abstratas, livres de qualquer preconceito de origem histórica (...) que viessem constituir uma racionalização do poder, e tornassem inúteis os doutores da lei e sua interpretação do direito. 1 Esse projeto esgotou-se em sua pretensão universal devido em muito à queda do instituto francês do référé legislativ, que determinava ao juiz confrontado com um caso obscuro reportar-se à Assembléia Legislativa (art. 12, título 11, da Lei 16, de 24 de agosto de 1790). A ele sucedeu o princípio da integridade do ordenamento jurídico (art. 4º do Código Napoleão de 1804), que, embora embebido do pressuposto de simplificação e sistematização normativa, carregou consigo o gérmen da crescente complexidade ao determinar a reunião, em sistemas textuais, de toda a diversidade de relações humanas. Assim, o mesmo momento de projeção de um direito simples e sistematizado ombreia com a determinação de completude da legislação; com o dever de expandi-la para fazê-la uma criatura abrangente de todas as peculiaridades e momentos de seu ambiente criador, dentre eles, a chamada diferenciação intrínseca 2 de um direito especial de telecomunicações. Esta complexidade do sistema normativo exige o esforço de sistematização em segundo nível de que se ocupa a presente obra. O dinamismo alcançado na regulação das telecomunicações no Brasil tem cobrado do regulador e dos atores setoriais o trabalho hercúleo de reunião, organização e concatenação das normas pertinentes. Desde a instalação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, propiciada pela promulgação da Emenda Constitucional nº 8, de 15/08/1995, e pela publicação da Lei Geral de Telecomunicações (Lei 9.472/97), o regulador e os atores setoriais vêem-se compelidos a conviver com um setor marcado por alterações conjunturais inerentes à sua característica inovadora. Com a finalidade de contribuir para a organização das inúmeras manifestações institucionais em torno à disciplina normativa brasileira das telecomunicações, apresentase a Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações. A presente publicação é produto de pesquisa, que busca preencher esta lacuna na produção intelectual brasileira, mediante um sistema que reúne soluções tecnológicas pautadas no que há de mais avançado em nível de Ciência da Informação aplicada ao Direito, bem como correlação de normas e julgados vinculados à estrutura normativa da Lei Geral de Telecomunicações. Cabe aqui registrar o trabalho conjunto de equipe que tive a honra de coordenar e de também integrar como partícipe. A referência normativa apresentada na Coleção não detém status oficial. Pelo contrário, ela se apresenta como um documento de pesquisa e referência de estudos na medida em que fornece elementos correlacionais inexistentes na produção normativa brasileira de Direito das Telecomunicações. Há referências à normatização infraconstitucional e infralegal atualizadas, bem como à amostra de jurisprudência nacional pertinente. 1 SCHIPANI, Sandro. Sistemas jurídicos e direito romano. As codificações do Direito e a unidade do Sistema Jurídico Latino-Americano. In: Ana Maria Villela [et al.] Direito e Integração. Brasília: Centro de Estudos de Direito Romano e Sistemas Jurídicos/Editora da Universidade de Brasília, 1981, p CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7ªed., Coimbra: Almedina, 2003, p vii

10 Para cada dispositivo da Lei Geral de Telecomunicações, há referências de normas e julgados, com as anotações necessárias à compreensão da correlação estabelecida. Ao lado dessas referências, constam o número de alterações sofridas pela norma referida e a condição de revogação, quando presente. Todas as normas inseridas na Coletânea estão disponíveis em texto integral. O acesso ao texto integral da norma pretendida é viabilizado pela presença de elementos de hipertexto referentes à epígrafe da norma. Quando da leitura de um dispositivo da Lei Geral de Telecomunicações, cuja norma referida for de interesse, basta clicar sobre o título designativo da espécie normativa para que o sistema o direcione ao quadro demonstrativo da norma, onde constam a ementa, o órgão emissor, os eventuais anexos, os dispositivos da Lei Geral de Telecomunicações referidos à norma pesquisada, os termos por ela definidos, a norma regulamentada, revogada, alterada ou correlata, a data de publicação da norma no periódico oficial, dentre outras informações de referência. A íntegra da norma é acessível a partir desse quadro demonstrativo, bastando, para tanto, clicar sobre o título designativo da norma constante da primeira linha do quadro ou, se houver, sobre o seu anexo. O mesmo procedimento se aplica aos julgados e demais decisões referenciados na Lei Geral de Telecomunicações, com a diferença de que para estes, os dados constantes dos respectivos quadros demonstrativos enunciam o relator, o órgão julgador, o resultado da votação, a data de julgamento, o resumo do julgado, os dispositivos da Lei Geral de Telecomunicações correlatos ao julgado citado, as decisões correlatas, e a data de publicação. Logo após o sumário da Lei Geral de Telecomunicações, que também detém elementos de hipertexto para artigos lá referidos, foi introduzida listagem de siglas reputadas relevantes para o regulador e demais atores setoriais. Em especial, ao final da publicação, consta um índice suficientemente detalhado com mais de dez mil entradas de primeiro, segundo e terceiro níveis, e referenciado, por intermédio de elementos de hipertexto, às normas, aos julgados e aos dispositivos citados. O Glossário Brasileiro de Direito das Telecomunicações resultou da compulsação do texto integral das normas pesquisadas. Nele constam as definições terminológicas sedimentadas na normatização setorial brasileira de telecomunicações, referidas às respectivas fontes normativas em hipertexto. Dadas estas explicações preliminares, tem-se convicção de que a Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações assegura ao regulador e demais atores setoriais um instrumento singular de referência normativa e jurisprudencial. MÁRCIO IORIO ARANHA Professor de Direito Constitucional e Administrativo da UnB Visiting Fellow na University of Southern California Coordenador do Núcleo de Direito Setorial da Faculdade de Direito da UnB Coordenador do Grupo de Estudos em Direito das Telecomunicações da UnB/GETEL Coordenador de Direito do Grupo Interdisciplinar de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações da UnB/GCOM viii

11 Lista de Abreviaturas e Siglas 1G Primeira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (analógico). 2.5G Geração 2.5 de Tecnologia de Telefonia Móvel (GPRS). 2G Segunda Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (digital para dados, Kbps). 3G Terceira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (digital para voz e dados, mínimo de 144Kbps). 3G HS 3G High Speed (Rede celular de Terceira geração de Alto Desempenho). AACD Associação de Assistência à Criança Defeituosa. ABA Associação Brasileira de Anunciantes. ABAP Associação Brasileira de Agências de Propaganda. ABEMTIC Associação Brasileira de Entidades Municipais de Tecnologia da Informação e Comunicação. ABEPEC Associação Brasileira das Emissoras Públicas Educativas e Culturais. ABEPREST Associação Brasileira de Empresas de Soluções de Telecomunicações e Informática. ABERT Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão. ABETS Associação Brasileira das Empresas de Telecomunicações por Satélite. ABIFUMO Associação Brasileira da Indústria do Fumo. ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABPI-TV Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão. ABPITV Associação Brasileira das Empresas Produtoras Independentes de Televisão. ABPTA Associação Brasileira dos Programadores de TV por Assinatura. ABRA Associação Brasileira de Radiodifusores. ABRACOM Associação Brasileira de Antenas Comunitárias. ABRAFIC Associação Brasileira de Film Commissions (Brazilian Association of Film Commissions). ABRAFIX Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado. ABRAPPIT Associação Brasileira de Pequenos Provedores de Internet e Telecomunicações. ABRATEL Associação Brasileira de Radiodifusão, Tecnologia e Telecomunicações. ABRATER Associação Brasileira de Telecomunicações Rurais. ABRISAN Associação Brasileira de Registro de Obras Audiovisuais. ABTA Associação Brasileira de TV por Assinatura. ABTU Associação Brasileira de Televisão Universitária. Acel Associação Nacional das Operadoras Celulares. ACERP Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto. AD Adicional por Chamada (Serviço Móvel Pessoal). ADI Ação Direta de Inconstitucionalidade (Jurisdição). ADSL Asymmetric Digital Subscriber Line. AGVSEL Agravo em Suspensão de Execução de Liminar. Ah Ampère-hora. AI Acesso Instalado. AI Agravo de Instrumento (Jurisdição). AI/E Acesso Instalado da Estação de Comutação. AICE Acesso Individual Classe Especial. AIE Acesso Instalado Equivalente. AIRR Agravo de Instrumento em Recurso de Revista (Tribunal Superior do Trabalho). ALCA Área de Livre Comércio das Américas. AM Amplitude Modulation (Modulação em Amplitude). AM-DSB-SC Amplitude Modulation, Double-Sided Band, Suppressed Carrier (Modulação em Amplitude, em Faixa Lateral Dupla, com Portadora Suprimida). AME Valor de Ativo Moderno Equivalente (Separação e Alocação de Contas). AMMB Associação de Marketing Móvel do Brasil. ix

12 AMN AMNT AMPS AN ANACOM ANATEL ANCINE ANEEL ANER ANJ ANOp ANP ANSI ANTT APEX-Brasil APS Aptel AR AR AR ARIB ARM ART ASTM AT AT ATA ATB ATB ATC ATS ATSC AVADAN BACEN BAL BB BBC BCB BDO BDR BDR BDT BDTA BGAN BIA BID BIRD BIS Bn Artificial Mains Network (Rede Fictícia em V). Assembléia Mundial de Normalização das Telecomunicações. Advanced Mobile Phone System (Rede celular 1G). Área de Numeração (Serviço Telefônico Fixo Comutado). Autoridade Nacional de Comunicações (de Portugal). Agência Nacional de Telecomunicações. Agência Nacional do Cinema. Agência Nacional de Energia Elétrica. Associação Nacional das Empresas de Revistas. Associação Nacional de Jornais. Auditoria de Natureza Operacional (Tribunal de Contas da União). Agência Nacional do Petróleo. American National Standards Institute. Agência Nacional de Transportes Terrestres. Agência de Promoção de Exportações do Brasil. Área de Prestação do Serviço (Serviços de Televisão por Assinatura). Associação de Empresas Proprietárias de Infra-Estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações. Área de Registro (Serviço Móvel Especializado). Área de Registro (Serviço Móvel Pessoal). Área de Registro (Serviço Telefônico Fixo Comutado). Association of Radio Industries and Businesses (Japão). Acordo de Reconhecimento Mútuo (Certificação e Homologação). Anotação de Responsabilidade Técnica. American Society for Testing and Materials. Área de Tarifação (Serviço Móvel Especializado). Área de Tarifação (Serviço Móvel Pessoal). Analog Telephone Adaptor. Área de Tarifa Básica. Área de Tarifação Básica (Serviço Telefônico Fixo Comutado). Ativos de Tecnologia Corrente (Separação e Alocação de Contas). Ativos de Tecnologia Substituída (Separação e Alocação de Contas). Advanced Television Systems Committee (Padrão de TV Digital Estados Unidos da América). Avaliação de Danos - Formulário (Sistema Nacional de Defesa Civil). Banco Central do Brasil. Balanceamento Longitudinal. Banda-Base. British Broadcasting Corporation (Reino Unido). Banco Central do Brasil. Base de Dados Operacional (Portabilidade). Base de Dados de Referência (Portabilidade). Base de Dados Nacional de Referência da Portabilidade. Bureau de Développement des Télécommunications (Escritório de Desenvolvimento das Telecomunicações da UIT). Banco de Dados Técnicos e Administrativos (Radiofreqüência). Broadband Global Area Network (INMARSAT). Bens e Instalações em Andamento (Separação e Alocação de Contas). Banco Interamericano de Desenvolvimento. Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Banco Mundial). Bens e Instalações em Serviço (Separação e Alocação de Contas). Largura da Faixa Necessária (Certificação). x

13 BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. BPL Broadband over Powerlines. BR Bureau des Radiocommunications (Escritório de Radiocomunicações da UIT). BRASSCOM Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. BS Base Station (Estação Rádio Base). BSR Bloqueador de Sinais de Radiocomunicações. BWA Broadband Wireless Access. C-INI Comitê sobre Infra-estrutura Nacional de Informações. CA Corrente Alternada. CAACI Conferência de Autoridades Audiovisuais e Cinematográficas Ibero-Americana. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica. CADIN Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal. CAPDA Comitê das Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento na Amazônia. CAPT Controle Automático da Potência Transmitida. CARR Conferência Administrativa Regional de Radiocomunicações. CBC Comissão Brasileira de Comunicações. CBC 1 Comissão Brasileira de Comunicações nº 1 Redes de Dados e Características de Sistemas Telemáticos (extinta). CBC 2 Comissão Brasileira de Comunicações nº 2 Transmissão de Áudio e Vídeo e Sistemas Multimídia (extinta). CBC 3 Comissão Brasileira de Comunicações nº 3 - Tarifas e Princípios Contábeis (extinta). CBC 4 Comissão Brasileira de Comunicações nº 4 - Definição de Serviços, Planos Estruturais e Gerência de Redes (extinta). CBC 5 Comissão Brasileira de Comunicações nº 5 - Sinalização, Comutação, Protocolos, Linguagens e Aspectos Gerais de Redes (extinta). CBC 6 Comissão Brasileira de Comunicações nº 6 - Planta Externa e Compatibilidade Eletromagnética (extinta). CBC 7 Comissão Brasileira de Comunicações nº 7 - Desenvolvimento das Telecomunicações (extinta). CBC 8 Comissão Brasileira de Comunicações nº 8 - Serviços Móveis, de Radiodeterminação e de Radioamador (extinta). CBC 9 Comissão Brasileira de Comunicações nº 9 - Serviços Fixos e Científicos (extinta). CBC 1 Comissão Brasileira de Comunicações nº 1 - Governança e Regimes Internacionais. CBC 10 Comissão Brasileira de Comunicações nº 10 - Administração do Espectro Radioelétrico e Propagação (extinta). CBC 11 Comissão Brasileira de Comunicações nº 11 - Radiodifusão (extinta). CBC 12 Comissão Brasileira de Comunicações nº 12 - Negociações Internacionais em Telecomunicações (extinta). CBC 13 Comissão Brasileira de Comunicações nº 13 Governança da Internet (extinta). CBC 2 Comissão Brasileira de Comunicações nº 2 - Radiocomunicações. CBC 3 Comissão Brasileira de Comunicações nº 3 - Normalização de Telecomunicações. CBC 4 Comissão Brasileira de Comunicações nº 4 - Desenvolvimento das Telecomunicações. CBC Temp. Comissão Brasileira de Telecomunicações Temporária. CBDT Coleção Brasileira de Direito Regulatório das Telecomunicações. CBLC Comissão Brasileira de Liquidação e Custódia. CBR Comissão Brasileira de Radiocomunicações. CBT Código Brasileiro de Telecomunicações (Lei nº 4.117/62). CBTTs Comissões Brasileiras de Telecomunicações. CC Corrente Contínua. CCC Central de Comutação e Controle (Serviço Móvel Pessoal). CCC Central de Comutação e Controle (Sistemas de Acesso sem Fio do STFC). CCC Central de Controle e Comutação do SMC (Internacional). CCIR Comitê Consultivo Internacional das Radiocomunicações. CCOM Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações da UnB. CCP.I Comitê Consultivo Permanente nº 1 da Comissão Interamericana de Telecomunicações. CCP.II Comitê Consultivo Permanente nº 2 da Comissão Interamericana de Telecomunicações. CCP.III Comitê Consultivo Permanente nº 3 da Comissão Interamericana de Telecomunicações. xi

14 CCPs-CITEL CCT CCT CCT CCTCI cctld CDC CDI CDMA CDMA 1xEV-DO CDMA 1xEV-DV CEDEC CEFET CEITEC CENAD CENELEC CEPED CERT.br CETIC.br CFM CFTV CG-CBC CGIbr CGPD CGRBT CIC CIDE CIPA CISCOMIS CITEL CMDT CMGLO CMI CMR CN CNAL CNC CNDI CNI CNPq CNPq-MCT COE COE COER COFDM COFINS COG COGEF COMDEC Comitês Consultivos Permanentes da CITEL. Cargo Comissionado Técnico (Agências Reguladoras). Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (Senado Federal). Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia. Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (Câmara dos Deputados). country code Top Level Domain (Domínio de Primeiro Nível) (INTERNET). Código de Defesa do Consumidor. Comutação Digital Integrada. Code Division Multiple Access (Múltiplo Acesso por Divisão de Código). CDMA Evolution Data-Optimized (Rede celular 3G). CDMA Evolution, Data and Voice (Rede celular 3G). Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Sistema Nacional de Defesa Civil). Centro Federal de Educação Tecnológica. Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Sistema Nacional de Defesa Civil). European Commitee for Electrotechnical Standardization. Centro Universitário de Ensino e Pesquisa sobre Desastres (Sistema Nacional de Defesa Civil). Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (Comitê Gestor da Internet no Brasil). Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (Comitê Gestor da Internet no Brasil). Conselho Federal de Medicina. Serviço Especial de Circuito Fechado de Televisão com Utilização de Radioenlace. Grupo de Coordenação das Comissões Brasileiras de Comunicações. Comitê Gestor da Internet no Brasil. Comitê Gestor de Políticas de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Presidência da República). Comitê Gestor de Articulação Institucional da Rede Brasil de Tecnologia. Central de Intermediação de Comunicação Telefônica. Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Comissão de Desenvolvimento do Projeto e da Implantação do Sistema de Comunicações Militares por Satélite. Comissão Interamericana de Telecomunicações. Conferência Mundial de Desenvolvimento das Telecomunicações. Gerência de Engenharia, Planejamento e Controle de Licitações e Outorgas. Cúpula Mundial da Informação. Conferência Mundial de Radiocomunicações. Código Nacional. Cadastro Nacional de Áreas Locais. Conselho Nacional de Comunicações. Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial. Confederação Nacional da Indústria. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Centro Nacional de Pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia. Coeficiente de Onda Estacionária. Coeficiente de Reflexão. Certificado de Operador de Estação de Radioamador. Coded Orthogonal Frequency Division Multiplexing. Contribuição para Financiamento da Seguridade Social. Cabo Óptico Geral. Comissão de Gerência do Espectro de Radiofreqüência de Interesse do Ministério da Defesa. Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Sistema Nacional de Defesa Civil). xii

15 CONANDA Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Conapsi Conselho Nacional dos Provedores de Serviço de Internet. CONAR Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária. CONARQ Conselho Nacional de Arquivos. CONCAR Comissão Nacional de Cartografia. CONDEC Conselho Nacional de Defesa Civil (Sistema Nacional de Defesa Civil). CONDECINE Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional. CONFAZ Conselho Nacional de Política Fazendária. CONTCOP Confederação Nacional dos Trabalhadores em Comunicações e Publicidade (Representação profissional). CONTEL Conselho Nacional de Telecomunicações (Extinto). COP Cabo Óptico "Plenum". COR Cabo Óptico "Riser". CORDE Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. CORDEC Coordenadoria Regional de Defesa Civil (Sistema Nacional de Defesa Civil). CP Código Penal. CP Consulta Pública. CPADS Comissão Permanente de Avaliação de Documentos Sigilosos. CPC Código de Processo Civil. CPCT Central Privada de Comutação Telefônica. CPCT Central Privativa de Comutação Telefônica (Serviço Telefônico Fixo Comutado). CPI Comissão Parlamentar de Inquérito. CPLP Comunidade de Países de Língua Portuguesa. CPP Código de Processo Penal. CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (Telebrás). CPqD Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações. CRE Contrato de Receita Extraordinária (Concessionária de Rodovia). CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura. CSP Código de Seleção de Prestadora. CTBC Companhia de Telecomunicações do Brasil Central. CTs-SGT.1- Comissões Temáticas do Subgrupo de Trabalho de Comunicações do MERCOSUL. MERCOSUL CVM Comissão de Valores Mobiliários. CVR Relações Custo-Volume (Separação e Alocação de Contas). D-AMPS Digital Advanced Mobile Phone System. DAC Departamento de Aviação Civil. DAS Direção e Assessoramento Superiores. db Decibel. db SPL Decibel relativo a 20 µpa. db SPL(A) Decibel relativo a 20 µpa medido com ponderação A (IEC 60651). db V Decibel Relativo a 1 V. DBDG Diretório Brasileiro de Dados Geoespaciais (DBDG). dbk Potência, em db, relativa a 1 kw. dbmp Decibel medido com ponderação psofométrica (Rec. O.41 da ITU-T). dbpa Decibel Relativo a 1 Pascal. dbpa(a) Decibel relativo a 1 Pa medido com ponderação A (IEC 60651). dbμ Decibel Relativo a 1 mw. dbμ Intensidade de campo, em db, relativa a 1μV/m. DCOR Diretoria de Concessões e Operações Rodoviárias. DDG Discagem Direta Gratuita. DDI Discagem Direta Internacional. xiii

16 DDR DEA DECEA DECT DEINT DENTEL DEPEN DETRAF DG DIC DISTV DJ DJe DLC DNER DNS DOP DRM DS-CDMA DSAC DSB DSC DSL DTH DTMF DVB DVB-H e-djf1 e.i.r.p. e.r.p. e.r.p. EB EBC EBITDA EC Ec / ec ECA ECAD ECD ECT EDGE EEII EESPT EHF EILD ELI ELR EM Enom / enom Discagem Direta a Ramal. Data Envelopment Analysis. Departamento de Controle do Espaço Aéreo. DECT. Departamento de Negociações Internacionais da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo. Departamento Nacional de Telecomunicações (Extinto). Departamento Penitenciário Nacional. Documento de Declaração de Tráfego e de Prestação de Serviços. Distribuidor Geral (Serviço Telefônico Fixo Comutado). Discagem Interurbana a Cobrar. Serviço de Distribuição de Sinais de TV por Meios Físicos. Diário da Justiça (Imprensa Nacional). Diário da Justiça eletrônico. Discagem Local a Cobrar. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Domain Name System. Documento Operacional de Prazos da Portabilidade. Digital Radio Mondiale (padrão europeu de rádio digital). Múltiplo Acesso por Divisão em Código com Seqüência Direta. Documento de Separação e Alocação de Contas. Double Side Band Modulation (Modulação em Faixa Lateral Dupla). Documento Sigiloso Controlado. Digital Subscriber Line. Direct-to-Home (Serviço de Distribuição de Sinais de Televisão e de Áudio por Assinatura Via Satélite). Dual Tone Multi-Frequency. Digital Video Broadcasting (Padrão de TV Digital União Européia). Digital Video Broadcasting Handheld. Diário da Justiça Federal da Primeira Região eletrônico (TRF 1ª Região). Potência Equivalente Isotropicamente Radiada. Potência Efetiva Radiada (Campo Eletromagnético). Potência Efetivamente Irradiada. Estação Base. Empresa Brasil de Comunicação. Earning Before Interest, Tax, Depreciation and Amortization. Estação de Controle. Campo Característico, respectivamente em dbµ e mv/m. Estatuto da Criança e do Adolescente. Escritório Central de Arrecadação e Distribuição. Equipamento de Comunicação de Dados. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. EDGE. Empresa Exploradora de Troncos Interestaduais e Internacionais. Entidade Exploradora de Serviços Públicos de Telecomunicações. Extremely High Frequency. Exploração Industrial de Linha Dedicada. Estágio de Linha Integrado. Estágio de Linha Remoto. Estação Móvel. Intensidade de campo nominal utilizável, respectivamente em dbµ e mv/m. xiv

17 ENUM EPMU EPON ER ER ERB ERB ERC ERG ERP ESC ET ETA ETD ETSI Eu / eu FAC FCC FCPT FCT FCT FDD FDMA FEBRAPEL FGP FGTS FH-CDMA FINEP FISTEL FITTEL FM FMCA FNDCT FNT FTTB FTTC FTTH FTTN FUNCAP Fundomic FUNTTEL FUST FWA GCOM GESAC GETEL GGSN GIP GIP GMC Telephony Numbering Mapping (Protocolo desenvolvido pela IETF). Equal Proporcionate Mark Up (Alocação Proporcional e Eqüitativa Separação e Alocação de Contas). Ethernet Passive Optical Network. Estação Repetidora. Estágio Remoto (Serviço Telefônico Fixo Comutado). Estação Rádio Base. Estação Rádio Base (Serviço Móvel Pessoal). Estação Radioelétrica Central. European Regulators Group. Potência Efetivamente Radiada. Equipamento a Ser Certificado. Estação Terminal. Estação Terminal de Acesso. Equipamento Terminal de Dados. European Telecommunications Standards Institute. Intensidade de campo utilizável, respectivamente em dbµ e mv/m. Fully Allocated Costs (Custos Totalmente Alocados). Federal Communications Commission (United States of America). Fórum de Certificação de Produtos para Telecomunicações. Função Comissionada Técnica. Funções Comissionadas de Telecomunicações. Frequency Division Duplexing (Duplexação por Divisão na Frequência). Frequency Division Multiple Access (Múltiplo Acesso por Divisão de Frequência). Federação Brasileira de Telecomunicações (Representação empresarial). Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas. Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Múltiplo Acesso por Divisão em Código com Saltos de Freqüência. Financiadora de Estudos e Projetos. Fundo de Fiscalização das Telecomunicações. Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações. Frequência Modulada. Fixed-Mobile Convergence Alliance. Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Fundo Nacional de Telecomunicações. Fiber to the Building. Fiber to the Curb. Fiber to the Home. Fiber to the Node. Fundo Especial para Calamidades Públicas (Sistema Nacional de Defesa Civil). Fundo de Universalização do Acesso a Serviços de Telecomunicação (Minas Gerais). Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações. Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações. Fixed Wireless Access. Grupo Interdisciplinar de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações (UnB). Governo Eletrônico Serviço de Atendimento ao Cidadão. Grupo de Estudos em Direito das Telecomunicações (UnB). Gateway GPRS Support Node. Grupo de Implantação da Portabilidade. Grupo de Implementação da Portabilidade. Grupo Mercado Comum. xv

18 GNR GPON GPRS GPS GSM HCA HCA HF HMM HNMT HSDPA HSPA HSUPA IAF IAP IARP IARU IBGE IBICT IBOC ICANN ICC ICCo ICMS ICNIRP ICP-Brasil ICR ICT IDDF IDEC IDH IEC IEEE IETF Ifd IFS IGF IGP-DI IGP-M II IIS IITS ILA ILAC IMSI IMT-2000 INDE Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais. Gigabit Passive Optical Network. General Packet Radio Service (Rede celular 2.5G). Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global). Global System Mobile (Global System for Mobile Communications) (Rede celular 2G). Base de Custos Históricos ( Separação e Alocação de Contas). Historical Cost Accounting (Base de Custos Históricos na Separação e Alocação de Contas). High Frequency (Alta Freqüência). Hora de Maior Movimento. Altura da Antena sobre o Nível Médio do Terreno. High Speed Downlink Packet Access (Rede celular 3G). High-Speed Packet Access (tipo de padrão de telefonia móvel por dados) (Rede celular 3G). High Speed Uplink Packet Access (Rede celular 3G). International Accreditation Forum (Certificação e Homologação). Índice de Atendimento Pessoal. International Amateur Radio Permission (Permissão Internacional de Radioamador). União Internacional de Radioamadores. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. In-Band On-Channel (padrão norte-americano de rádio digital). Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (Corporação da Imternet para a Atribuição de Nomes e Números). Índice de Chamadas Completadas. Índice de Cessação de Cobrança. Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicações. International Commission on Non Ionizing Radiation Protection (Comissão Internacional de Proteção Contra Radiações Não Ionizantes). Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira. Índice de Correspondências Respondidas. Instituição Científica e Tecnológica. Informações de Demanda e Dados Físicos (Separação e Alocação de Contas). Instituto de Defesa do Consumidor. Índice de Desenvolvimento Humano. International Electrotechnical Commission. Institute of Electrical and Electronics Engineers. Internet Engineering Task Force (Força Tarefa de Engenharia da Internet). Fator de Degradação. Serviço Franqueado Internacional. Internet Governance Fórum (Fórum de Governança da Internet vinculado à ONU). Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna. Índice Geral de Preços - Mercado. Imposto de Importação. Índice de Instalação do Serviço. Índice de Interrupções Solucionadas. Índice de Ligações Atendidas. International Laboratories Accreditation Cooperation (Certificação e Homologação). International Mobile Subscriber Identity (Identificação Internacional de Acesso Móvel). International Mobile Telecommunications Infra-Estrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE). xvi

19 INFRAERO Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária. INI Infra-estrutura Nacional de Informações. INMARSAT Organização Internacional de Telecomunicações Marítimas por Satélite. INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. INTELSAT International Telecommunications Satellite Consortium (Organização Internacional de Telecomunicações por Satélite). IP Internet Protocol (Protocolo de Internet). IPAOG/FGV Índice de Preços por Atacado - Oferta Global. IPCA/IBGE Índice de Preços ao Consumidor Amplo. IPI Imposto sobre Produtos Industrializados. IPTF IPTF F. IPTF DEA Índice de Produtividade Total de Fatores DEA. IPTF F Índice de Produtividade Total de Fatores Fisher. IPTF F Índice de Produtividade Total de Fatores Fisher (Reajuste Tarifário do STFC). IPTV Internet Protocol TV. IQF Índice de Quantidade dos Fatores de Produção (Reajuste Tarifário do STFC). IQP Índice de Fator de Produção. IQP Índice de Quantidade dos Produtos (Reajuste Tarifário do STFC). IR Imposto de Renda. IREDC Índice de Reclamação por Erro em Documento de Cobrança. IRS Índice de Reclamação do Serviço. ISAN International Standard Audiovisual Number. ISDB Integrated Services Digital Broadcasting. ISDB-C Integrated Services Digital Broadcasting Cable. ISDB-S Integrated Services Digital Broadcasting Satellite Television. ISDB-T Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial (Serviços Integrados de Radiodifusão Digital Terrestre). ISDTV International System for Digital TV (novo nome do SBTVD). ISO International Standards Organisation. ISP Internet Service Provider (vide PSCI). ISRA Índice de Solicitações de Reparos Atendidas. ISS Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. IST Índice de Serviços de Telecomunicações. ISYDS Integrated System for Decision Support (vide SIAD). ITI Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (Autarquia vinculada à Casa Civil da Presidência da República). ITU International Telecommunication Union (União Internacional de Telecomunicações). l Comprimento de Onda. LAN Local Area Network. LaPCom Laboratório de Políticas de Comunicação da UnB. LBS Location Based Services. LDI Longa Distância Internacional. LDN Longa Distância Nacional. LED Light Emitting Diode (Diodo Emissor de Luz). LEP Lei de Execuções Penais. LF Low Frequency. LGT Lei Geral de Telecomunicações. LIBRAS Língua Brasileira de Sinais. LLU Local Loop Unbundling. LRGP Loudness Rating Guard-Ring Position. LRIC Long Run Incremental Costs (Custos Incrementais de Longo Prazo). LSI Laboratório de Sistemas Integráveis da USP. xvii

20 LSZH "Low Smoke and Zero Halogen". LTE Long Term Evolution (Rede Celular 3G). LTOG Lista Telefônica Obrigatória e Gratuita. MAN Metropolitan Area Network. MdE Memorando de Entendimento - MdE. MERCOSUL Mercado Comum do Sul. MF Medium Frequency (Média Freqüência). MICS Sistemas de Comunicações de Implantes Médicos. MIN Valor do Minuto de Tarifação (Serviço Telefônico Fixo Comutado). MMDS Multichannel Multipoint Distribution Service (Serviço de Distribuição de Sinais Multiponto Multicanal). MMS Multimedia Message. MNO Mobile Network Operator (Operador de Rede Móvel). MOS Mean Opinion Score (Pontuação Média de Opinião). MSCID Mobile Switching Center Identification. MVNO Mobile Virtual Network Operator (Operador de Rede Virtual Móvel). NBM Nomenclatura Brasileira de Mercadorias. NC Noise Criteria. NCM Nomenclatura Comum do Mercosul. NFST Nota Fiscal de Serviço de Telecomunicações. NGN Next Generation Network. NGT Norma Geral de Telecomunicações (Ministério das Comunicações). NOPRED Notificação Preliminar de Desastres - Formulário (Sistema Nacional de Defesa Civil). NRA National Regulatory Authorities (União Européia). NSR Nível do Sinal Recebido. NUDEC Núcleo Comunitário de Defesa Civil (Sistema Nacional de Defesa Civil). NWA Nomadic Wireless Access (Aplicação Nomádica). OCC Organismo de Certificação Credenciado. OCD Organismo de Certificação Designado. OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. OECD Organisation for Economic Co-operation and Development (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplexing (Multiplexação Ortogonal por Divisão de Freqüência). OFDMA Orthogonal Frequency-Division Multiple Access. OIT Oxidative Induction Time (Tempo de Indução Oxidativa). OL Oscilador Local. OM Onda Média. OMC Organização Mundial do Comércio. OPGW Optical Ground Wire (Cabos Pára-raios com Fibras Ópticas). OT Onda Tropical. OTI Organización de Televisión Iberoamericana. P&D Pesquisa e Desenvolvimento. PAC Plano Anual de Capacitação (Capacitação Profissional nas Agências Reguladoras). PAC Programa de Aceleração do Crescimento (Programa de Governo de Janeiro de 2007). PADIS Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores. PADO Procedimento Administrativo para Apuração de Descumprimento de Obrigações (Agência Nacional de Telecomunicações). PASEP Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público. PASI Provedor de Acesso a Serviços de Internet. PASOO Plano Alternativo de Serviço de Oferta Obrigatória. PAT Parcela Adicional de Transição. xviii

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II

Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II Glossário de Direito das Telecomunicações [ Atualizado até 29/12/2008 ] Organizadores Márcio Iorio Aranha (Direito) João Lima (Ciência da Informação)

Leia mais

Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II

Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II Coleção Brasileira de Direito das Telecomunicações Vol. II Glossário de Direito das Telecomunicações [ Atualizado até 1º/01/2012 ] Organizadores Márcio Iorio Aranha (Direito) João Lima (Ciência da Informação)

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

GCOM III CURSO INTERNACIONAL DE REGULAÇÃO EM TELECOMUNICAÇÕES

GCOM III CURSO INTERNACIONAL DE REGULAÇÃO EM TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO 2005 III CURSO INTERNACIONAL DE REGULAÇÃO EM TELE O III Curso Internacional de Regulação de Telecomunicações da UnB é oferecido pelo Grupo Interdisciplinar de Políticas, Direito, Economia e Tecnologia

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação

ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação ANEXO I Valores das Taxas de Fiscalização de Instalação 1. Concessionárias de serviço de telegrafia, público, internacional: 2. Concessionárias de serviço radiotelegráfico, público, internacional: 3. Concessionárias

Leia mais

Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 1999 Grupo de Direito Setorial e Regulatório (GESAN, GETEL, GEEL) Biblioteca Setorial (GESAN) 2000 Política

Leia mais

GLOSSÁRIO DE SIGLAS. glossario.indd 275 5/11/2009 12:59:00

GLOSSÁRIO DE SIGLAS. glossario.indd 275 5/11/2009 12:59:00 3G 3 a Geração ADI Ação Direta de Inconstitucionalidade AGU Advocacia-Geral da União ANAC Agência Nacional de Aviação Civil Anatel Agência Nacional de Telecomunicações ANCINAV Agência Nacional do Cinema

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

Resolução nº xxx, de xx de junho de 2013

Resolução nº xxx, de xx de junho de 2013 Resolução nº xxx, de xx de junho de 2013 Aprova alteração dos Anexos I e II do Regulamento de Separação e Alocação de Contas RSAC, aprovado pela Resolução nº 396, de 31 de março de 2005, alterado pela

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

TOMO IV SERVIÇO MÓVEL PESSOAL / CELULAR SUMÁRIO

TOMO IV SERVIÇO MÓVEL PESSOAL / CELULAR SUMÁRIO TOMO IV SERVIÇO MÓVEL PESSOAL / CELULAR SUMÁRIO Parte 1 Serviço Móvel Pessoal RESOLUÇÃO Nº 503, DE 25 DE ABRIL DE 2008 Prorroga o prazo para apresentação do Apêndice B do Anexo I do Documento de Separação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 13 de agosto de 2015 HORÁRIO: 15:30h LOCAL: Setor de Autarquias Sul, Quadra 06, Bloco C - Espaço Cultural. ASSUNTOS:

Leia mais

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Audiência Pública Agência Nacional de Telecomunicações Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3.1. Introdução A tecnologia wireless interliga dispositivos sem o uso de fios ou cabos para transmitir diversos tipos de informações

Leia mais

Primeira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (analógico). 2.5G Geração 2.5 de Tecnologia de Telefonia Móvel (GPRS). 2G

Primeira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (analógico). 2.5G Geração 2.5 de Tecnologia de Telefonia Móvel (GPRS). 2G GLOSSÁRIO DE SIGLAS Números 1G Primeira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (analógico). 2.5G Geração 2.5 de Tecnologia de Telefonia Móvel (GPRS). 2G Segunda Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel

Leia mais

ABERT ABETS ABIFUMO ABINEE ABJC ABNT ABPI-TV ABPITV ABPTA

ABERT ABETS ABIFUMO ABINEE ABJC ABNT ABPI-TV ABPITV ABPTA GLOSSÁRIO DE SIGLAS Números 1G - Primeira Geração de Tecnologia de Telefonia Móvel (analógico). 2.5G - Geração 2.5 de Tecnologia de Telefonia Móvel (GPRS). 2G - Segunda Geração de Tecnologia de Telefonia

Leia mais

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social CONSULTORIA LEGISLATIVA SEMANA PORTAS ABERTAS ÁREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social Bernardo Lins Características

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada

O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada Novembro de 2011 Elaborado em Parceria com o Teleco ÍNDICE 1. Introdução... 4 2. O Setor de Telecomunicações... 5 3. O Segmento de Serviços de

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

Lista de Equipamentos Passíveis de Homologação Anatel

Lista de Equipamentos Passíveis de Homologação Anatel Categoria I Lista de Equipamentos Passíveis de Homologação Anatel FAMÍLIA Baterias de lítio Carregadores Centrais privadas de comutação telefônica Cabos coaxiais (categoria I) Cabos para transmissão de

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

Regulação do Setor de Telecomunicações em 2014

Regulação do Setor de Telecomunicações em 2014 Regulação do Setor de Telecomunicações em 2014 (p. 195-328) 195 Regulação do Setor de Telecomunicações em 2014 2014 Statutes and Regulations of the Telecommunication Sector Márcio Iorio Aranha João Alberto

Leia mais

Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF

Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF Seminário A Universalização do Acesso à Informação pelo Uso das Telecomunicações Auditório Nereu Ramos Brasília - DF Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Associação

Leia mais

A TRIBUTAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES

A TRIBUTAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES A TRIBUTAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES NA ERA DA ECONOMIA DIGITAL CARLOS DUPRAT RIO DE JANEIRO,27 DE NOVEMBRO DE 2015 Números do Setor de Telecomunicações 281 milhões de celulares 45 milhões de telefones fixos

Leia mais

PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Telecomunicações

PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Telecomunicações Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio Gerência de Pesquisas PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS - 2007 Suplemento de Serviços de Telecomunicações www.ibge.gov.br ibge@ibge.gov.br 01 01 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT)

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Audiência Pública "Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica" Proposta de Agenda Temática Cesar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social

Desenvolvimento de Aplicações Interativas. GINGA NCL e LUA. Projeto TV Digital Social Desenvolvimento de Aplicações Interativas GINGA NCL e LUA Projeto TV Digital Social Marco Antonio Munhoz da Silva DATAPREV Gestor do Proejeto TV Digital Social AGENDA Divisão dos assuntos em quatro partes

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização de Desestatização 2ª Diretoria Técnica. Pág. 1 de 7

Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização de Desestatização 2ª Diretoria Técnica. Pág. 1 de 7 SIGLAS UTILIZADAS NO RELATÓRIO DO FUST 1ª Secex Primeira Secretaria de Controle Externo do TCU 6ª Secex Sexta Secretaria de Controle Externo do TCU Abrafix Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro

Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Distribuição de antenas de telefonia móvel pessoal na cidade do Rio de Janeiro Nº 20091101 Novembro - 2009 Fabiana Mota da Silva, Lúcia Helena

Leia mais

Regulamentação para Certificação de Infra-estrutura de Redes de Telecomunicações em Edificações Cenário Atual

Regulamentação para Certificação de Infra-estrutura de Redes de Telecomunicações em Edificações Cenário Atual AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Regulamentação para Certificação de Infra-estrutura de Redes de Telecomunicações em Edificações Cenário Atual Júlio César Fonseca Gerente de Regulamentação ENAFIC Encontro

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 199, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1999 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DO FUNDO DE FISCALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES FISTEL

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 199, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1999 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DO FUNDO DE FISCALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES FISTEL ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 199, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1999 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DE RECEITAS DO FUNDO DE FISCALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES FISTEL TÍTULO I Das Disposições Gerais CAPÍTULO I Do Objetivo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 661ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 661ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 661ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 9 de agosto de 2012 HORÁRIO: 10:00h LOCAL: SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR - SAUS - QUADRA 06 - BLOCO H -

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES Rosa Costa Jornada de Direito Empresarial, Silveira Clemente & Rojas Advogados Associados 05/10/2007 - FIRJAN MARCO REGULATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES Após uma década do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS instituição s de serviços de telecomunicações PABX instituição PABX Internet terminal Sip rede Ethernet banco de celulares banco de celulares A figura acima ilustra esquematicamente

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador.

3.5 - RADIOAMADOR é a pessoa habilitada a executar o Serviço de Radioamador. NORMA DE ATIVAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DA REDE NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE RADIOAMADORES - RENER 1. INTRODUÇÃO 1.1 - A presente norma estabelece as condições de ativação e execução da Rede Nacional de

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 527, DE 8 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica.

Leia mais

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL

PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL PLANO DE ATRIBUIÇÃO, DESTINAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE FAIXAS DE FREQÜÊNCIAS NO BRASIL EDIÇÃO 2002 ... em branco... AGÊNCIA NACIONAL DE TELECO MUNICAÇÕ ES AT O N o 23.577, DE 6 DE MARÇO DE 2002 O CONSELHO DIRETO

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE TELECOMUNICAÇÔES Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Introdução às Sumário Evolução das telecomunicações Estrutura das redes Tipos

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Audiência Pública CCTCI/Câmara dos Deputados PROJETOS E AÇÕES DO MINISTÉRIO PARA O ANO DE 2013 Paulo Bernardo Silva Ministro de Estado das Comunicações Brasília, 24 de abril de 2013 Dados setoriais 2 O

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias

Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias Márcio Iorio Aranha Seminário Direito, Globalização e Sociedade em Rede. Discurso jurídico

Leia mais

GESTÃO DO ESPECTRO. Anatel e Órgãos Internacionais

GESTÃO DO ESPECTRO. Anatel e Órgãos Internacionais Anatel e Órgãos Internacionais Tarcísio Aurélio Bakaus bakaust@anatel.gov.br Coordenador de Planejamento e Atribuição do espectro Gerência de Espectro Órbita e Radiodifusão Superintendência de Outorga

Leia mais

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil.

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Numeração Telefônica no Brasil Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 31 de outubro de 2013 HORÁRIO: 15:00h LOCAL: SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR - SAUS - QUADRA 06 - BLOCO H

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender

Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender Política tributária do setor de telecomunicações linhas gerais Gabriel Boavista Laender Antecedentes: a tragédia do Fundo Nacional de Telecomunicações O Código Brasileiro de Telecomunicações CBT, quando

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais